VIABILIDADE DO METODO TERMOGRAVIMETRICO PROPOSTO POR STAWSKI PARA A DETERMINACAO DA RAZÃO AMILOSE:AMILOPECTINA EM AMIDO DE MANDIOCA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIABILIDADE DO METODO TERMOGRAVIMETRICO PROPOSTO POR STAWSKI PARA A DETERMINACAO DA RAZÃO AMILOSE:AMILOPECTINA EM AMIDO DE MANDIOCA"

Transcrição

1 VIABILIDADE DO METODO TERMOGRAVIMETRICO PROPOSTO POR STAWSKI PARA A DETERMINACAO DA RAZÃO AMILOSE:AMILOPECTINA EM AMIDO DE MANDIOCA Resumo: A proporção relativa de amilose:amilopectina varia consideravelmente não só entre os diferentes tipos de vegetais, mas dentro de uma mesma espécie, órgão da planta e condições de crescimento e desenvolvimento. Diversas pesquisas têm demonstrado que a variação nessa razão implica em alterações de suas características físico-químicas e interações com outras moléculas. O método frequentemente utilizado para a determinação dessa proporção em amido de mandioca é o método espectrofotométrico, devido à reação da amilose com o iodo com formação de um complexo colorido. Com o objetivo de superar as desvantagens apresentadas pelo método de referência, Stawski propôs um método termogravimétrico que foi aplicado com êxito em amostras de amido de batata e milho. Assim, o objetivo do presente trabalho foi verificar a viabilidade dessa técnica de para determinação da razão amilose:amilopectina em amido de mandioca. Diferenças foram observadas no perfil termogravimétrico da amilose obtida no presente trabalho, quando comparado ao de Stawski. Os perfis termogravimétricos da amilopectina de batata e milho também foram avaliados e apresentaram diferenças expressivas na temperatura de degradação térmica (T onset). Constatou-se, portanto, que a granulometria, o peso molecular (grau de ramificações de cadeia), a cristalinidade e a fonte da fração do amido utilizada como padrão podem influenciar os perfis termogravimétricos dessas frações do amido. Palavras-chave: amido, amilose, amilopectina, mandioca, termogravimetria. 1 INTRODUÇÃO A mandioca é uma espécie vegetal originária do Brasil, da região Amazônica, e constitui uma das mais importantes fontes de calorias na dieta de vários países em desenvolvimento, sendo considerada a principal fonte de carboidrato para a população de menor poder aquisitivo [1]. A proporção relativa de amilose:amilopectina no amido varia consideravelmente não só entre os diferentes tipos de vegetais, mas dentro de uma mesma espécie de vegetais, órgão da planta e condições de crescimento e desenvolvimento [2]. Diversas pesquisas têm demonstrado que a variação nessa razão implica em alterações de suas características físico-químicas e interações com outras moléculas, resultando em diferentes capacidades de intumescimento, solubilidade em água, propriedades microscópicas, e propriedades de barreira e mecânicas em filmes de amido [2-5]. A razão amilose:amilopectina tem sido historicamente determinada através da ligação com iodo, através de técnicas amperométricas, potenciométricas e espectrofotométricas. Esses métodos são baseados na habilidade do iodo em formar um complexo de inclusão helicoidal com a amilose [6,7]. Outros métodos também foram empregados na determinação da razão amilose:amilopectina, dentre eles o método enzimático [2], cromatográfico [2,6,7] e a calorimetria exploratória diferencial [7-10]. No entanto, esses métodos são morosos e requerem o preparo das amostras. Com a finalidade de superar as desvantagens dos métodos já desenvolvidos, o método termogravimétrico baseia-se na influência da quantidade de amilose na estabilidade térmica do amido. Esse foi aplicado com êxito em amostras de amido de arroz e batata. A técnica apresentou a vantagem de não incluir etapas de tratamento da amostra, ser rápido e poder ser facilmente adaptável às análises de rotina [2]. Neste contexto, o objetivo do trabalho foi verificar a viabilidade do método termogravimétrico proposto por Stawski para a determinação da razão amilose:amilopectina em amido de mandioca. 2 MATERIAL E MÉTODOS 2.1 MATERIAL

2 Foram utilizados padrões de amilose de batata e amilopectina de milho e de batata, Sigma-Aldrich. Estes foram submetidos à secagem em estufa durante 24 horas a 40 ºC. 2.2 MÉTODOS Método termogravimétrico (TG) Todas as medidas foram realizadas utilizando-se uma termobalança Perkin Elmer, modelo Pyris1 TGA, previamente calibrada com peso padrão de 100 mg. O termopar foi calibrado utilizando a temperatura de Curie do ferro e do níquel. Para as análises, realizadas em triplicata, utilizou-se um cadinho de platina, nas seguintes condições: massa da amostra de aproximadamente 5 mg, vazão de N 2 de 20 ml min -1, razão de aquecimento de 15 C min -1 e faixa de temperatura de 25 à 650 C. 3 RESULTADOS E DISCUSSÃO 3.1 Curvas termogravimétricas Com o objetivo de avaliar a estabilidade térmica dos padrões de amilose e amilopectina, suas respectivas curvas médias termogravimétricas foram obtidas para as frações obtidas a partir do amido de batata, conforme ilustra a Figura 1. Perda de massa (%) amilose de batata amilopectina de batata Temperatura ( o C) (a) (b) Figura 1 Comparação entre os perfis de amilose e amilopectina de batata obtidos no presente trabalho (a) e por Stawski (b) Conforme pode ser observado na Figura 1(a), para a amilose, um evento entre a temperatura ambiente e aproximadamente 175 ºC foi verificado e pode ser atribuído à desidratação, resultando em uma perda de massa de aproximadamente 10 %; e um evento a partir de aproximadamente 221 ºC, que pode ser atribuído à decomposição térmica. Para a amilopectina, o evento de desidratação ocorreu na mesma faixa de temperatura com uma perda de massa de aproximadamente 11 %. No entanto, a decomposição térmica teve início em aproximadamente 305 ºC. A maior estabilidade térmica da amilopectina em relação a amilose se deve a maior energia de ativação do processo de decomposição, uma vez que essa fração apresenta alto peso molecular e pela grande quantidade de ligações 1,6 [11].

3 Apesar de Stawski apresentar resultados semelhantes (Figura 1(b)) em relação à menor estabilidade térmica da amilose em comparação a amilopectina, o início das temperaturas de decomposição térmica (T onset) obtidas tanto para amilose quanto para amilopectina foram expressivamente diferentes. Para amilose, Stawski obteve T onset = 300 ºC, resultando em uma diferença de aproximadamente 79 ºC. Para amilopectina essa diferença foi de aproximadamente 20 ºC. A temperatura de início de degradação térmica da amilose apresentada por Desai e colaboradores tem maior proximidade (230 ºC) ao resultado encontrado nesse trabalho [12]. No entanto, os autores não mencionam a origem da fração de amilose utilizada. Considerando que o método de determinação da razão amilose:amilopectina proposto por Stawski utiliza uma curva analítica que relaciona a porcentagem de amilose com a temperatura em que 50% da massa é perdida, essa temperatura foi avaliada para os padrões de amilose e amilopectina de batata. Verificou-se nos resultados obtidos por Stawski (Figura 1(b)), que quando a perda de massa é 50% a temperatura correspondente para amilopectina é de aproximadamente 345 ºC, e a temperatura correspondente para amilose é de aproximadamente 378 ºC. Nos resultados obtidos no presente trabalho (Figura 1(a)), quando a perda de massa é 50% a temperatura correspondente para amilopectina é 347 ºC, valor muito próximo ao encontrado por Stawski; já a temperatura referente à amilose é de 318 ºC (diferença de 60 ºC). Os perfis termogravimétricos da amilopectina padrão originária do milho e de batata foram avaliados com a finalidade de verificar se a origem do padrão pode influenciar seu comportamento térmico. A Figura 2 apresenta os perfis termogravimétricos, bem como sua primeira derivada para a amilopectina de milho e batata. A Tabela 1 mostra as temperaturas em que o início da decomposição térmica ocorre para a amilopectina de milho e batata ,0 Perda de massa (%) batata milho -1,2 dtg batata dtg milho -1, Temperatura ( o C) -0,3-0,6-0,9 dm/dt (%.oc -1 ) Figura 2 Curva termogravimétrica e derivada comparativa entre amilopectina de milho e batata

4 Tabela 1 Temperaturas de início de decomposição térmica (T onset) comparativa entre amilopectina de milho e batata Origem da amilopectina T onset ( o C) Milho 330,4 Batata 305,0 As diferenças nos perfis termogravimétricos observados para a amilopectina originária da batata e do milho podem ser devido diferentes granulometrias, peso molecular (grau de ramificações de cadeia) e cristalinidade relacionada às condições de separação das frações a partir do amido. Assim, esses resultados indicam a necessidade de estudos complementares para o esclarecimento dos fatores que determinam as diferenças de perfis termogravimétricos quando frações de amilose e amilopectina de diferentes fontes de amido são comparadas. 4 CONCLUSÕES Constatou-se, portanto, que devido às diferenças encontradas nas temperaturas em que 50% da massa é perdida para as amostras de amilose e amilopectina de batata padrão quando comparadas aos resultados obtidos por Stawski, o método proposto não será reprodutivo. Tais diferenças, que muito provavelmente são devido às condições de obtenção das frações de amilose e amilopectina e fonte de amido, poderão influenciar os resultados utilizados para a construção da curva analítica, contribuindo para uma diminuição da exatidão do método proposto por Stawski. Assim, estudos adicionais devem ser realizados para que o método termogravimétrico possa ser utilizado com segurança para diferentes amostras de amido. 5 AGRADECIMENTOS Ao Conselho Nacional de Desenvolvimento e Pesquisa (CNPq). REFERÊNCIAS [1] SANTOS, A. O.; OLIVEIRA, L. A.; JESUS, J. L.; SANTANA, F. A.; SANTOS, V. S.; OLIVEIRA, E. J. Estudo da composição do amido da mandioca em acessos do Banco Ativo de Germoplasma. In: JORNADA CIENTÍFICA EMBRAPA MANDIOCA E FRUTICULTURA, v.5, 2011, Cruz das Almas. Anais... Cruz das Almas: Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical, [2] STAWSKI, D. New determination method of amylose content in potato starch. Food Chemistry, v. 110, n. 3, p , [3] DENARDIN, C. C.; SILVA, L. P. Estrutura dos grânulos de amido e sua relação com propriedades físico-químicas. Ciência Rural, v. 39, n. 3, p , [4] HERMANSSON, A.; SVEGMARK, K. Developments in the understanding of starch functionality. Trends in Food Science & Technology, v. 7, n. 11, p , [5] FREDRIKSSON, H.; SILVERIO, J.; ANDERSSON, R.; ELIASSON, A. -C.; AMAN, P. The influence of amylose and amylopectin characteristics on gelatinization and retrogradation properties of different starches. Carbohydrate Polymers, v. 35, n. 3-4, p , [6] CHEN, M.; BERGMAN, C. J.; Method for determining the amylose content, molecular weight, and weight- and molarbased distributions of degree of polymerization of amylose and fine-structure of amylopectin. Carbohydrate Polymers, v. 69, n. 3, p , 2007.

5 [7] GÉRARD, C.; BARRON, C.; COLONNA, P.; PLANCHOT, V. Amylose determination in genetically modified starches. Carbohydrate Polymers, v. 44, n. 1, p , [8] MESTRES, C.; MATENCIO, F.; PONS, B.; YAJID, M.; FLIEDEL, G. A Rapid Method for the Determination of Amylose Content by Using Differential-Scanning Calorimetry. Starch, v. 48, n.1, p. 2-6, [9] SIEVERT, D.; HOLM, J. Determination of Amylose by Differential Scanning Calorimetry. Starch, v. 45, n. 4, p , [10] KUGIMIYA, M.; DONOVAN, J. W. Calorimetric Determination of the Amylose Content of Starches Based on Formation and Melting of the Amylose-Lysolecithin Complex. Journal of Food Science, v. 46, n. 3, p , [11] LIU, X.; YU, L.; XIE, F.; LI, M.; CHEN, L.; LI, X. Kinetics and mechanism of thermal decomposition of cornstarches with different amylose/amylopectin ratios. Starch, v. 62, p , [12] DESAI, D. H.; PATEL, K. C.; PATEL, R. D. Thermal properties of amylose and its derivatives. Starch, v. 30, n. 5, p , 1978.

Capítulo 31 Skoog (Princípios de Analise Instrumental)

Capítulo 31 Skoog (Princípios de Analise Instrumental) Capítulo 31 Skoog (Princípios de Analise Instrumental) Conjunto de técnicas que permite avaliar a mudança nas propriedades físicas e químicas de uma amostra (ou de produtos), enquanto submetida a uma variação

Leia mais

COMPÓSITOS PP/NANO-ZrPoct: EFEITO DA CARGA NAS PROPRIEDADES TÉRMICAS DO PP

COMPÓSITOS PP/NANO-ZrPoct: EFEITO DA CARGA NAS PROPRIEDADES TÉRMICAS DO PP COMPÓSITOS PP/NANO-ZrPoct: EFEITO DA CARGA NAS PROPRIEDADES TÉRMICAS DO PP D. M. Mariano 1 *, L. C. Mendes 1, D. F.Silva 1 1: Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Macromoléculas IMA UFRJ

Leia mais

Comportamento Térmico dos Polímeros Parte 2

Comportamento Térmico dos Polímeros Parte 2 Universidade de São Paulo USP Escola de Engenharia de Lorena - EEL Comportamento Térmico dos Polímeros Parte 2 Prof. Amilton Martins dos Santos Rafael Caetano J. P. Silva Eletronegatividade do substituinte

Leia mais

TECNOLOGIA DE AMIDOS E DERIVADOS

TECNOLOGIA DE AMIDOS E DERIVADOS TECNOLOGIA DE AMIDOS E DERIVADOS Profa. MSc. Juliana Schmidt Galera O amido é a principal substância de reserva nas plantas superiores e fornece de 70 a 80% das calorias consumidas pelo homem. A produção

Leia mais

Minicurso 2. TEMA: Técnicas analíticas instrumentais: Análise térmica (TG e DSC)

Minicurso 2. TEMA: Técnicas analíticas instrumentais: Análise térmica (TG e DSC) Minicurso 2. TEMA: Técnicas analíticas instrumentais: Análise térmica (TG e DSC) Técnicas de Análise Térmica Aplicadas a Materiais de Interesse Biotecnológico Prof a. Dr a. Izabel Riegel -Vidotti Departamento

Leia mais

ANÁLISE TÉRMICA Sumário

ANÁLISE TÉRMICA Sumário ANÁLISE TÉRMICA Sumário 1- Conceito 2- Tipos de métodos térmicos Princípios gerais de cada método Instrumentação Aplicações Conceito Análise Térmica é um termo que abrange um grupo de técnicas nas quais

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Embrapa Amazônia Oriental Belém, PA 2015 AVALIAÇÃO DA MORFOLOGIA DOS GRÂNULOS DE

Leia mais

Técnicas de Análises Térmicas (Thermal Analysis - TA) de Materiais

Técnicas de Análises Térmicas (Thermal Analysis - TA) de Materiais Técnicas de Análises Térmicas (Thermal Analysis - TA) de Materiais TG Termogravimetria DTA Análise Térmica Diferencial DSC Calorimetria Diferencial de Varredura Métodos de análises térmicas Análise térmica

Leia mais

DA ESTABILIDADE TÉRMICA DE ÓLEOS VEGETAIS

DA ESTABILIDADE TÉRMICA DE ÓLEOS VEGETAIS ESTUDO DA ESTABILIDADE TÉRMICA DE ÓLEOS VEGETAIS Cheila Gonçalves Mothé 1 Denise ZaldenandoCorreia 2 RESUMO Lipídeos são formados por ésteres de glicerol e ácidos graxos. Os ácidos graxos são ácidos carboxílicos

Leia mais

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES FÍSICO-QUÍMICAS E ESTUDO DA ESTABILIDADE TÉRMICA DO ÓLEO, BIODIESEL E DA MISTURA B10 DE DIESEL COM BIODIESEL DE ALGODÃO 1

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES FÍSICO-QUÍMICAS E ESTUDO DA ESTABILIDADE TÉRMICA DO ÓLEO, BIODIESEL E DA MISTURA B10 DE DIESEL COM BIODIESEL DE ALGODÃO 1 Página 13 ANÁLISE DAS PROPRIEDADES FÍSICO-QUÍMICAS E ESTUDO DA ESTABILIDADE TÉRMICA DO ÓLEO, BIODIESEL E DA MISTURA B10 DE DIESEL COM BIODIESEL DE ALGODÃO 1 João Paulo da Costa Evangelista¹; Anne Gabriella

Leia mais

Caracterização química e rendimento de extração de amido de arroz com diferentes teores de amilose

Caracterização química e rendimento de extração de amido de arroz com diferentes teores de amilose Universidade Federal de Pelotas Programa de Pós-graduação em Ciência e Tecnologia Agroindustrial Laboratório de Pós-colheita, Industrialização e Controle de Qualidade de Grãos Caracterização química e

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO ESPECTROSCÓPICA E FISICO- QUÍMICA DE FILMES DE BLENDAS DE AMIDO E CARBOXIMETILCELULOSE.

CARACTERIZAÇÃO ESPECTROSCÓPICA E FISICO- QUÍMICA DE FILMES DE BLENDAS DE AMIDO E CARBOXIMETILCELULOSE. CARACTERIZAÇÃO ESPECTROSCÓPICA E FISICO- QUÍMICA DE FILMES DE BLENDAS DE AMIDO E CARBOXIMETILCELULOSE. C. H. FERREIRA 1, E. F. PASSOS 1, P. T. MARQUES 1 1 Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Pato

Leia mais

Análise Térmica Diferencial (DTA) Calorimetria Exploratória Diferencial (DSC)

Análise Térmica Diferencial (DTA) Calorimetria Exploratória Diferencial (DSC) ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais Análise Térmica Diferencial (DTA) Calorimetria Exploratória Diferencial (DSC) APLICAÇÃO DE MÉTODOS

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DAS PROPRIEDADES TÉRMICAS E MECÂNICAS DE COMPÓSITOS POLIMÉRICOS COM FIBRAS VEGETAIS

ESTUDO COMPARATIVO DAS PROPRIEDADES TÉRMICAS E MECÂNICAS DE COMPÓSITOS POLIMÉRICOS COM FIBRAS VEGETAIS ESTUDO COMPARATIVO DAS PROPRIEDADES TÉRMICAS E MECÂNICAS DE COMPÓSITOS POLIMÉRICOS COM FIBRAS VEGETAIS Cheila G. Mothé 1*, Carla R. de Araújo 1 1 Universidade Federal do Rio de Janeiroe UFRJ, Escola de

Leia mais

¹ B. M. Lemes, ¹N. Ristow, ¹L. P. Cordoba, ¹L. S. Ribeiro, ²M.A.S. Carvalho Filho, ²L. G. Lacerda, ¹E. Schnitzler.

¹ B. M. Lemes, ¹N. Ristow, ¹L. P. Cordoba, ¹L. S. Ribeiro, ²M.A.S. Carvalho Filho, ²L. G. Lacerda, ¹E. Schnitzler. Caracterização do amido de milho nativo e ceroso modificado com acido lático 1,0 M em diferentes temperaturas. ¹ B. M. Lemes, ¹N. Ristow, ¹L. P. Cordoba, ¹L. S. Ribeiro, ²M.A.S. Carvalho Filho, ²L. G.

Leia mais

MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE AÇÚCARES ALDElDICOS A PARTIR DO AMIDO DE BAMBU 0)

MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE AÇÚCARES ALDElDICOS A PARTIR DO AMIDO DE BAMBU 0) MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE AÇÚCARES ALDElDICOS A PARTIR DO AMIDO DE BAMBU 0) ANI'SI0 AZZINI ( 2 ' 4 ) e MARIA CARLA QUEIROZ ( 3 ' RESUMO O amido de bambu foi hidrolisado sob diferentes condições de sacarificação,

Leia mais

ESTUDO DA CRISTALIZAÇÃO DA LACTOSE A PARTIR DA ADIÇÃO DE ETANOL RESUMO

ESTUDO DA CRISTALIZAÇÃO DA LACTOSE A PARTIR DA ADIÇÃO DE ETANOL RESUMO ESTUDO DA CRISTALIZAÇÃO DA LACTOSE A PARTIR DA ADIÇÃO DE ETANOL G. R. OLIVEIRA 1, M. S. SANTOS 1, A. L. BALIEIRO 1, O. L. S. ALSINA 1*, A. S. LIMA 1, C. M. F. SOARES 1 1 Universidade Tiradentes, ITP/ENGENHARIA

Leia mais

APLICAÇÃO DO AQUECIMENTO ÔHMICO NA GELATINIZAÇÃO DE AMIDO DE MILHO G. Z. CAMPOS, J. A. G. VIEIRA*

APLICAÇÃO DO AQUECIMENTO ÔHMICO NA GELATINIZAÇÃO DE AMIDO DE MILHO G. Z. CAMPOS, J. A. G. VIEIRA* APLICAÇÃO DO AQUECIMENTO ÔHMICO NA GELATINIZAÇÃO DE AMIDO DE MILHO G. Z. CAMPOS, J. A. G. VIEIRA* Universidade Estadual Paulista, Departamento de Engenharia e Tecnologia de Alimentos * e-mail: jantonio@ibilce.unesp.br

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE NANOPARTÍCULAS DE AMIDO DE MANDIOCA E MILHO PELA TÉCNICA DE ULTRASSOM

CARACTERIZAÇÃO DE NANOPARTÍCULAS DE AMIDO DE MANDIOCA E MILHO PELA TÉCNICA DE ULTRASSOM CARACTERIZAÇÃO DE NANOPARTÍCULAS DE AMIDO DE MANDIOCA E MILHO PELA TÉCNICA DE ULTRASSOM Bravo, A. M. J. 1, Silva, N. M. C. 1, Fialho, R. L. 1,Albuquerque, E.C.M 1 1-Universidade Federal da Bahia, Departamento

Leia mais

ADAPTAÇÃO DA TÉCNICA DA CROMATOGRAFIA DE PERMEAÇÃO EM GEL PARA DETERMINAR OS TAMANHOS DAS MOLÉCULAS DOS BIOPOLÍMEROS DE AMIDOS

ADAPTAÇÃO DA TÉCNICA DA CROMATOGRAFIA DE PERMEAÇÃO EM GEL PARA DETERMINAR OS TAMANHOS DAS MOLÉCULAS DOS BIOPOLÍMEROS DE AMIDOS 1 ADAPTAÇÃO DA TÉCNICA DA CROMATOGRAFIA DE PERMEAÇÃO EM GEL PARA DETERMINAR OS TAMANHOS DAS MOLÉCULAS DOS BIOPOLÍMEROS DE AMIDOS Analytical resources used in characterizing the molecular structure of starch

Leia mais

ENSAIOS TECNOLÓGICOS DE ARGILAS DA REGIÃO DE PRUDENTÓPOLIS-PR. Resumo: Introdução

ENSAIOS TECNOLÓGICOS DE ARGILAS DA REGIÃO DE PRUDENTÓPOLIS-PR. Resumo: Introdução ENSAIOS TECNOLÓGICOS DE ARGILAS DA REGIÃO DE PRUDENTÓPOLIS-PR Patrick Antonio Morelo (UNICENTRO), Luiz Fernando Cótica,Fabio Luiz Melquíades e Ricardo Yoshimitsu Miyahara (Orientador), e-mail: rmiyahara@unicentro.br.

Leia mais

Marque a opção do tipo de trabalho que está inscrevendo: ( x ) Resumo ( ) Relato de Caso

Marque a opção do tipo de trabalho que está inscrevendo: ( x ) Resumo ( ) Relato de Caso Marque a opção do tipo de trabalho que está inscrevendo: ( x ) Resumo ( ) Relato de Caso SOLUBILIDADE DE MICROCÁPSULAS DE SPIRULINA PRODUZIDAS PELA TÉCNICA DE SPRAY DRYING COM DIFERENTES AGENTES ENCAPSULANTES

Leia mais

Estrutura molecular de amidos de arroz com diferentes teores de amilose

Estrutura molecular de amidos de arroz com diferentes teores de amilose Estrutura molecular de amidos de arroz com diferentes teores de amilose 80 Rosana Colussi 1, Vânia Zanella Pinto 2, Shanise Lisie Mello El Halal 3, Franciene Almeida Villanova 4, Elessandra da Rosa Zavareze

Leia mais

Amido de Castanha Diversidade estrutural e possíveis implicações na qualidade

Amido de Castanha Diversidade estrutural e possíveis implicações na qualidade Amido de Castanha Diversidade estrutural e possíveis implicações na qualidade Fernando M. Nunes, André Lemos, Ana Abraão, Bruno Cruz Centro de Química, Departamento de Química, Universidade de Trás-os-Montes

Leia mais

ARRANJOS ESPACIAIS NO CONSÓRCIO DA MANDIOCA COM MILHO E CAUPI EM PRESIDENTE TANCREDO NEVES, BAHIA INTRODUÇÃO

ARRANJOS ESPACIAIS NO CONSÓRCIO DA MANDIOCA COM MILHO E CAUPI EM PRESIDENTE TANCREDO NEVES, BAHIA INTRODUÇÃO ARRANJOS ESPACIAIS NO CONSÓRCIO DA MANDIOCA COM MILHO E CAUPI EM PRESIDENTE TANCREDO NEVES, BAHIA JAEVESON DA SILVA 1, JOSÉ RAIMUNDO FERREIRA FILHO 2 1 Eng. Agr., DSc., Pesquisador da Embrapa Mandioca

Leia mais

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil 1 Instituto de Pesquisas Tecnológicas IPT, 05508-901, São Paulo, SP, Brazil. 2 Centro Universitário do Norte Paulista - UNORP, 15020-040, São José do Rio Preto, SP, Brazil. 3 São Paulo State University,

Leia mais

Denardin, E.L.G. (1), Janissek, P.R (2)., Samios, D. (1)

Denardin, E.L.G. (1), Janissek, P.R (2)., Samios, D. (1) Estudo do envelhecimento termo-oxidativo do elastômero de policloropreno através da aplicação do príncípio da superposição transformação tempotemperatura (TTT) Denardin, E.L.G. (1), Janissek, P.R ().,

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS FATORES QUE INFLUENCIAM A VELOCIDADE DAS REAÇÕES QUÍMICAS: CONCENTRAÇÃO DE REAGENTES E TEMPERATURA DE REAÇÃO.

AVALIAÇÃO DOS FATORES QUE INFLUENCIAM A VELOCIDADE DAS REAÇÕES QUÍMICAS: CONCENTRAÇÃO DE REAGENTES E TEMPERATURA DE REAÇÃO. AVALIAÇÃO DOS FATORES QUE INFLUENCIAM A VELOCIDADE DAS REAÇÕES QUÍMICAS: CONCENTRAÇÃO DE REAGENTES E TEMPERATURA DE REAÇÃO. Aula 11 Glauber Silva Godoi META Desenvolver no aluno a capacidade de avaliar

Leia mais

Mostura. Jornada Cervejeira Módulo Brassagem. Lígia Marcondes CTS Alimentos e bebidas

Mostura. Jornada Cervejeira Módulo Brassagem. Lígia Marcondes CTS Alimentos e bebidas Mostura Jornada Cervejeira Módulo Brassagem Lígia Marcondes CTS Alimentos e bebidas Mostura Mistura de malte e água com outros adjuntos sólidos ou aditivos (enzimas e sais) em temperaturas controladas

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA CONDUTIVIDADE TÉRMICA DE LEGUMES UTILIZANDO O MÉTODO GRÁFICO DE HEISLER

DETERMINAÇÃO DA CONDUTIVIDADE TÉRMICA DE LEGUMES UTILIZANDO O MÉTODO GRÁFICO DE HEISLER DETERMINAÇÃO DA CONDUTIVIDADE TÉRMICA DE LEGUMES UTILIZANDO O MÉTODO GRÁFICO DE HEISLER J. N. M. BATISTA 1, V. B. da SILVA 2, A. C. A. LIMA 3, L. I. S. LEITE 3, A. B. OLIVEIRA Jr 3 1 Universidade Federal

Leia mais

Comparação dos modelos de Gompertz e Verhulst no ajuste de dados de uma variedade de feijão

Comparação dos modelos de Gompertz e Verhulst no ajuste de dados de uma variedade de feijão Comparação dos modelos de Gompertz e Verhulst no ajuste de dados de uma variedade de feijão 1 Introdução Laís Mesquita Silva 1 Allan Alves Fernandes 2 Filipe Rizzo 3 Augusto Ramalho de Morais 4 O feijoeiro-comum

Leia mais

Variáveis APLICAÇÃO DE MÉTODOS TERMOANALÍTICOS AOS MATERIAIS PMT 5872

Variáveis APLICAÇÃO DE MÉTODOS TERMOANALÍTICOS AOS MATERIAIS PMT 5872 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais Análise Termogravimétrica I: Variáveis APLICAÇÃO DE MÉTODOS TERMOANALÍTICOS AOS MATERIAIS PMT 5872

Leia mais

Determinação de Parâmetros Cinéticos na Caracterização do Envelhecimento Acelerado do PBX (Plastic-Bonded Explosive)

Determinação de Parâmetros Cinéticos na Caracterização do Envelhecimento Acelerado do PBX (Plastic-Bonded Explosive) Determinação de Parâmetros Cinéticos na Caracterização do Envelhecimento Acelerado do PBX (Plastic-Bonded Explosive) Edemar Kirchhof 1, Nanci Miyeko Nakamura², Camila Maria Lapa², Glaci Ferreira Martins

Leia mais

ANÁLISE TERMOGRAVIMÉTRICA DA BIOESPUMA POLIURETANA DO PROJETO DE PRODUTO GASOLIMP COMO AGENTE COGERADOR DE ENERGIA

ANÁLISE TERMOGRAVIMÉTRICA DA BIOESPUMA POLIURETANA DO PROJETO DE PRODUTO GASOLIMP COMO AGENTE COGERADOR DE ENERGIA ANÁLISE TERMOGRAVIMÉTRICA DA BIOESPUMA POLIURETANA DO PROJETO DE PRODUTO GASOLIMP COMO AGENTE COGERADOR DE ENERGIA Juan Carlos Viñas Cortez Msc. em Meio ambiente Universidade Federal da Paraíba cortez.juancarlos@gmail.com

Leia mais

Trabalho de Termodinâmica:

Trabalho de Termodinâmica: Trabalho de Termodinâmica: Grupo 7: Alice Toledo de Castro - 201471045 Eduardo Gonçalves Perissé - 201471066 Filipe De Paula Lopes - 201465042A Gian Coelho - 201471037 Rafaela Abreu Campos - 201471031

Leia mais

ESTUDO CINÉTICO DA DEGADAÇÃO TÉMICA DO POLI(1,-CIS-ISOPENO) SINTÉTICO (PIS) NA PESENÇA DE LCC TÉCNICO E SEUS DEIVADOS (CADANOL TÉCNICO E CADANOL HIDOGENADO) Francisco H. A. odrigues 1 (PQ) *, Walber H.

Leia mais

Avaliação da queima de serragem em fornalha

Avaliação da queima de serragem em fornalha Avaliação da queima de serragem em fornalha Adriano Divino Lima Afonso 1, Helton Aparecido Rosa 2, Gustavo Veloso 2, Danilo Bonini de Souza 2, Cledemar Busnello 2 37 1 Eng. Agrícola, Prof. Doutor Departamento

Leia mais

Composição de Amilose em Germoplasma de Milho Tropical

Composição de Amilose em Germoplasma de Milho Tropical Composição de Amilose em Germoplasma de Milho Tropical Maria Cristina Dias Paes 1, Flávia França Teixeira 2, Natália Alves Barbosa 3, Betânia Diniz Volpi 4 e Rita de Cássia Oliveira Sant Ana 5 1, 2 Embrapa

Leia mais

Carboidratos em Alimentos e Nutrição

Carboidratos em Alimentos e Nutrição Carboidratos em Alimentos e Nutrição Definição, estrutura, ocorrência e José A G Arêas Definição clássica C n ( 2 O) n Uma série de compostos de importância biológica e nutricional. a b? a - a

Leia mais

ESTUDO DA SOLUBILIDADE DO PARACETAMOL EM ALGUNS SOLVENTES UTILIZANDO O MODELO NRTL

ESTUDO DA SOLUBILIDADE DO PARACETAMOL EM ALGUNS SOLVENTES UTILIZANDO O MODELO NRTL ESTUDO DA SOLUBILIDADE DO PARACETAMOL EM ALGUNS SOLVENTES UTILIZANDO O MODELO NRTL H. A. R. GOMES 1, A. B. N. BRITO 1 1 Universidade Federal do Espírito Santo, Centro Universitário Norte do Espírito Santo,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO COMPÓSITO DE POLIURETANO DERIVADO DO ÓLEO DE MAMONA (PUR) COM SÍLICA OBTIDA DA PLANTA CAVALINHA.

CARACTERIZAÇÃO DO COMPÓSITO DE POLIURETANO DERIVADO DO ÓLEO DE MAMONA (PUR) COM SÍLICA OBTIDA DA PLANTA CAVALINHA. CARACTERIZAÇÃO DO COMPÓSITO DE POLIURETANO DERIVADO DO ÓLEO DE MAMONA (PUR) COM SÍLICA OBTIDA DA PLANTA CAVALINHA. William F. Alves 1,4, Edson N. Ito 1,4, José A. Malmonge 2, W.L.E. Magalhães 3, Luiz H.

Leia mais

QUÍMICA 1 1º ANO RELAÇÕES DE MASSA

QUÍMICA 1 1º ANO RELAÇÕES DE MASSA QUÍMICA 1 1º ANO RELAÇÕES DE MASSA PROFª ELAINE CRISTINA 1. UNIDADE DE MASSA ATÔMICA A escala de massas atômicas está baseada no isótopo do carbono com número de massa igual a 12, ao qual foi atribuída

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE PEX SINTETIZADOS POR RETICULAÇÃO COM PERÓXIDO PARTINDO-SE DE DIFERENTES POLIETILENOS

COMPARAÇÃO ENTRE PEX SINTETIZADOS POR RETICULAÇÃO COM PERÓXIDO PARTINDO-SE DE DIFERENTES POLIETILENOS COMPARAÇÃO ENTRE PEX SINTETIZADOS POR RETICULAÇÃO COM PERÓXIDO PARTINDO-SE DE DIFERENTES POLIETILENOS Renato P. de Melo 1, Maria F.V. Marques 1 * 1 Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ, Instituto

Leia mais

EFEITO DO TEOR DA FIBRA DO COCO NAS PROPRIEDADES TÉRMICAS DA MADEIRA PLÁSTICA

EFEITO DO TEOR DA FIBRA DO COCO NAS PROPRIEDADES TÉRMICAS DA MADEIRA PLÁSTICA EFEITO DO TEOR DA FIBRA DO COCO NAS PROPRIEDADES TÉRMICAS DA MADEIRA PLÁSTICA A. G. de Carvalho 1, J. W. R. da Silva Filho 1, E. M. Araújo 2, T. J. A. Melo 2, A. M. D. L. Lins 2, L. H. C. Mattoso 3, E.

Leia mais

Avaliação e melhoria no processo de injeção de PEAD

Avaliação e melhoria no processo de injeção de PEAD Avaliação e melhoria no processo de injeção de PEAD G.CORRÊA 1 e P. J. MELO 1 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Departamento de Engenharia Química E-mail: guilherme.correa95@gmail.com RESUMO

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE CONCRETO QUE CONTÉM ESCÓRIA DE COBRE NA SUBSTITUIÇÃO EM PARTE DO AGREGADO MIÚDO

ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE CONCRETO QUE CONTÉM ESCÓRIA DE COBRE NA SUBSTITUIÇÃO EM PARTE DO AGREGADO MIÚDO ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE CONCRETO QUE CONTÉM ESCÓRIA DE COBRE NA SUBSTITUIÇÃO EM PARTE DO AGREGADO MIÚDO DE CASTRO, Mário Lúcio Oliveira Júnior Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva

Leia mais

EFEITO DOS GRÃOS GESSADOS NOS TEORES DE AMILOSE E PROPRIEDADES DE PASTA DO ARROZ INTRODUÇÃO

EFEITO DOS GRÃOS GESSADOS NOS TEORES DE AMILOSE E PROPRIEDADES DE PASTA DO ARROZ INTRODUÇÃO EFEITO DOS GRÃOS GESSADOS NOS TEORES DE AMILOSE E PROPRIEDADES DE PASTA DO ARROZ Talita Pereira Baêta SANTOS 1 ; Márcio CALIARI 2 ; Eduardo da Costa EIFERT 3 ; Priscila Zaczuk BASSINELLO 4 1 Escola de

Leia mais

Redução da viscosidade da polpa de acerola

Redução da viscosidade da polpa de acerola Nº 37, abril/2000, p.1-4 Redução da viscosidade da polpa de acerola Virginia Martins da Matta 1 Lourdes Maria Correa Cabral 2 Roberto Hermínio Moretti 3 Nos processos de separação com membranas, bem como

Leia mais

PURIFICAÇÃO DA GLICERINA A PARTIR DO MÉTODO DE DESTILAÇÃO E CENTRIFUGAÇÃO 1 INTRODUÇÃO

PURIFICAÇÃO DA GLICERINA A PARTIR DO MÉTODO DE DESTILAÇÃO E CENTRIFUGAÇÃO 1 INTRODUÇÃO PURIFICAÇÃO DA GLICERINA A PARTIR DO MÉTODO DE DESTILAÇÃO E CENTRIFUGAÇÃO Jéssica R. de O. Rossi 1, Ivan Fernandes de Souza 2 1 Graduando em Produção Industrial na FATEC Botucatu, jessicarossi_fatecbt@hotmail.com

Leia mais

PARÂMETROS PARA A PRODUÇÃO DE AMIDOS CATIÔNICOS DE FÉCULA DE MANDIOCA E DE BATATA-DOCE Cassava and sweet potato cationic starch production parameters

PARÂMETROS PARA A PRODUÇÃO DE AMIDOS CATIÔNICOS DE FÉCULA DE MANDIOCA E DE BATATA-DOCE Cassava and sweet potato cationic starch production parameters 69 PARÂMETROS PARA A PRODUÇÃO DE AMIDOS CATIÔNICOS DE FÉCULA DE MANDIOCA E DE BATATA-DOCE Cassava and sweet potato cationic starch production parameters Lidia Kazumi HORIMOTO 1 Cláudio CABELLO 2 RESUMO

Leia mais

ENSAIOS DE REAÇÃO AO FOGO DE TINTAS INTUMESCENTES COM GRANULADO DE CORTIÇA

ENSAIOS DE REAÇÃO AO FOGO DE TINTAS INTUMESCENTES COM GRANULADO DE CORTIÇA 4 as Jornadas de Segurança aos Incêndios Urbanos Instituto Politécnico de Bragança - Portugal - 6-7 De Novembro de 2014 ENSAIOS DE REAÇÃO AO FOGO DE TINTAS INTUMESCENTES COM GRANULADO DE CORTIÇA Luis Mesquita

Leia mais

TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO QUÍMICA DA CASCA DE OVO DE GALINHA E UTILIZAÇÃO COMO FONTE PARA PRODUÇÃO DE COMPOSTOS DE CÁLCIO (CA).

TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO QUÍMICA DA CASCA DE OVO DE GALINHA E UTILIZAÇÃO COMO FONTE PARA PRODUÇÃO DE COMPOSTOS DE CÁLCIO (CA). TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO QUÍMICA DA CASCA DE OVO DE GALINHA E UTILIZAÇÃO COMO FONTE PARA PRODUÇÃO DE COMPOSTOS DE CÁLCIO (CA). CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: QUÍMICA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Moagem Fina à Seco e Granulação vs. Moagem à Umido e Atomização na Preparação de Massas de Base Vermelha para Monoqueima Rápida de Pisos Vidrados

Moagem Fina à Seco e Granulação vs. Moagem à Umido e Atomização na Preparação de Massas de Base Vermelha para Monoqueima Rápida de Pisos Vidrados Moagem Fina à Seco e Granulação vs. Moagem à Umido e Atomização na Preparação de Massas de Base Vermelha para Monoqueima Rápida de Pisos Vidrados G. Nassetti e C. Palmonari Centro Cerâmico Italiano, Bologna,

Leia mais

Avaliação da Reatividade do Carvão Vegetal, Carvão Mineral Nacional e Mistura Visando a Injeção em Altos- Fornos

Avaliação da Reatividade do Carvão Vegetal, Carvão Mineral Nacional e Mistura Visando a Injeção em Altos- Fornos Avaliação da Reatividade do Carvão Vegetal, Carvão Mineral Nacional e Mistura Visando a Injeção em Altos- Fornos Janaína Machado, Eduardo Osório, Antônio C. F. Vilela Sumário Introdução Objetivo Parte

Leia mais

Profa. Carmen C. Tadini. Depto. de Engenharia Química Laboratório de Engenharia de Alimentos

Profa. Carmen C. Tadini. Depto. de Engenharia Química Laboratório de Engenharia de Alimentos Profa. Carmen C. Tadini Depto. de Engenharia Química Laboratório de Engenharia de Alimentos Universidade de São Paulo (1934) maior instituição de ensino superior e de pesquisa do país Escola Politécnica

Leia mais

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES. Componentes:

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES. Componentes: LPV - 0638: PRODUÇÃO DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES Julio Marcos Filho Departamento de Produção Vegetal USP/ESALQ INSTALAÇÃO DE CULTURAS Planejamento Estrutura disponível

Leia mais

EFEITO DA PRESSÃO SOBRE DINÂMICA E CONTROLE DE COLUNA DE DESTILAÇÃO COM RETIRADA LATERAL

EFEITO DA PRESSÃO SOBRE DINÂMICA E CONTROLE DE COLUNA DE DESTILAÇÃO COM RETIRADA LATERAL EFEITO DA PRESSÃO SOBRE DINÂMICA E CONTROLE DE COLUNA DE DESTILAÇÃO COM RETIRADA LATERAL G. W. de FARIAS NETO, R. P. BRITO, S. R. DANTAS e R. M. L. OLIVEIRA Universidade Federal de Campina Grande, Departamento

Leia mais

Análise da estabilidade oxidativa por termogravimetria (TGA) do sebo bovino e óleo visceral de Tilápia para produção de biodiesel de 2º geração

Análise da estabilidade oxidativa por termogravimetria (TGA) do sebo bovino e óleo visceral de Tilápia para produção de biodiesel de 2º geração Análise da estabilidade oxidativa por termogravimetria (TGA) do sebo bovino e óleo visceral de Tilápia para produção de biodiesel de 2º geração L. E. OLIVEIRA 1 e M. L. C. P. da SILVA 2 1 Universidade

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA GRANULOMETRIA DO MILHO NA AMOSTRA NATURAL X AMOSTRA SECA

PROJETO DE PESQUISA GRANULOMETRIA DO MILHO NA AMOSTRA NATURAL X AMOSTRA SECA PROJETO DE PESQUISA GRANULOMETRIA DO MILHO NA AMOSTRA NATURAL X AMOSTRA SECA 1 SCHMITT, Clederson Idenio; ²Jorgens, Elbio Nallen; ³ZANOTTO, Dirceu L. Palavras Chaves: Granulometria, Milho, DGM. Introdução

Leia mais

ABSORÇÃO DE ÁGUA EM FILMES DE GOMA GUAR RETICULADOS COM 1-ETIL-3-(3-DIMETILAMINOPROPIL) CARBODIIMIDA (EDC)

ABSORÇÃO DE ÁGUA EM FILMES DE GOMA GUAR RETICULADOS COM 1-ETIL-3-(3-DIMETILAMINOPROPIL) CARBODIIMIDA (EDC) ABSORÇÃO DE ÁGUA EM FILMES DE GOMA GUAR RETICULADOS COM 1-ETIL-3-(3-DIMETILAMINOPROPIL) CARBODIIMIDA (EDC) Rodrigo S. Banegas 1, Adriana de Melo 1, Valdir Soldi 1 1 Universidade Federal de Santa Catarina

Leia mais

Influência do tratamento térmico nas características energéticas de resíduos lenhosos de eucalipto e pinus: poder calorífico e redução granulométrica

Influência do tratamento térmico nas características energéticas de resíduos lenhosos de eucalipto e pinus: poder calorífico e redução granulométrica Influência do tratamento térmico nas características energéticas de resíduos lenhosos de eucalipto e pinus: poder calorífico e redução granulométrica A. Lúcia P. S. M. Pincelli¹ R. Nunes¹ G. Almeida¹ J.

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE VIDA DE PRATELEIRA DA FARINHA OBTIDA A PARTIR DAS CASCAS DE ABACAXI (Ananas comosus L. Merril)

DETERMINAÇÃO DE VIDA DE PRATELEIRA DA FARINHA OBTIDA A PARTIR DAS CASCAS DE ABACAXI (Ananas comosus L. Merril) DETERMINAÇÃO DE VIDA DE PRATELEIRA DA FARINHA OBTIDA A PARTIR DAS CASCAS DE ABACAXI (Ananas comosus L. Merril) Thiago Silva Novais¹; Abraham Damian Giraldo Zuniga²; ¹ Aluno do Curso de Engenharia de Alimentos;

Leia mais

ESTUDO DA TRANSIÇÃO ENTRE ESCOAMENTO LAMINAR E TURBULENTO EM TUBO CAPILAR

ESTUDO DA TRANSIÇÃO ENTRE ESCOAMENTO LAMINAR E TURBULENTO EM TUBO CAPILAR ESTUDO DA TRANSIÇÃO ENTRE ESCOAMENTO LAMINAR E TURBULENTO EM TUBO CAPILAR M. H. MARTINS 1, A. KNESEBECK 1 1 Universidade Federal do Paraná, Departamento de Engenharia Química E-mail para contato: marcellohmartins@gmail.com

Leia mais

DEFINIÇÃO. Carboidratos são compostos de função mista, polialcool-aldeídos ou polialcoolcetonas.

DEFINIÇÃO. Carboidratos são compostos de função mista, polialcool-aldeídos ou polialcoolcetonas. CARBOIDRATOS DEFINIÇÃO Carboidratos são compostos de função mista, polialcool-aldeídos ou polialcoolcetonas. São também chamados glucídeos, glicídeos, hidratos de carbono ou açucares. O termo glúcide vem

Leia mais

OBTENÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DAS FÉCULAS DE TRÊS VARIEDADES DE MANDIOCA PRODUZIDAS NO ESTADO DO PARÁ

OBTENÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DAS FÉCULAS DE TRÊS VARIEDADES DE MANDIOCA PRODUZIDAS NO ESTADO DO PARÁ OBTENÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DAS FÉCULAS DE TRÊS VARIEDADES DE MANDIOCA PRODUZIDAS NO ESTADO DO PARÁ P. A. SILVA 1, W. S. MELO 2, R. L. CUNHA 3, E. F. M. CUNHA 3, A. S. LOPES 1 e R. S. PENA 1 1 Universidade

Leia mais

OZONÓLISE NO TRATAMENTO DO BAGAÇO DE CANA DE AÇÚCAR PRA PRODUÇÃO DE ETANOL CELULÓSICO POR HIDRÓLISE ENZIMÁTICA

OZONÓLISE NO TRATAMENTO DO BAGAÇO DE CANA DE AÇÚCAR PRA PRODUÇÃO DE ETANOL CELULÓSICO POR HIDRÓLISE ENZIMÁTICA OZONÓLISE NO TRATAMENTO DO BAGAÇO DE CANA DE AÇÚCAR PRA PRODUÇÃO DE ETANOL CELULÓSICO POR HIDRÓLISE ENZIMÁTICA Olavo M. Perrone a, Jéssika S. Rossi a, Mauricio Boscolo a (PQ), Eleni Gomes b (PQ), Roberto

Leia mais

ANÁLISE TÉRMICA SIMULTÂNEA E ESPECTROMETRIA POR INFRAVERMELHO DE AMOSTRAS DE ÁCIDO CÍTRICO E DE PET (POLITEREFTALATO DE ETILENO)

ANÁLISE TÉRMICA SIMULTÂNEA E ESPECTROMETRIA POR INFRAVERMELHO DE AMOSTRAS DE ÁCIDO CÍTRICO E DE PET (POLITEREFTALATO DE ETILENO) ANÁLISE TÉRMICA SIMULTÂNEA E ESPECTROMETRIA POR INFRAVERMELHO DE AMOSTRAS DE ÁCIDO CÍTRICO E DE PET (POLITEREFTALATO DE ETILENO) Cristiane Witcel - cristiane_eng.ambiental@hotmail.com Avenida Brasil, 4232,

Leia mais

ESTIMATIVA DE INCERTEZA NAS MEDIDAS DE TEMPERATURA EM ENSAIOS DE CALORIMETRIA DIFERENCIAL DE VARREDURA DSC

ESTIMATIVA DE INCERTEZA NAS MEDIDAS DE TEMPERATURA EM ENSAIOS DE CALORIMETRIA DIFERENCIAL DE VARREDURA DSC 09 a 11 de dezembro de 2015 Auditório da Universidade UNI Aracaju - SE ESIMAIVA DE INCEREZA NAS MEDIDAS DE EMPERAURA EM ENSAIOS DE CALORIMERIA DIFERENCIAL DE VARREDURA DSC Micheli de Souza Haack 1, Ana

Leia mais

4. Resultados e Discussão

4. Resultados e Discussão Absorbância 4. Resultados e Discussão 4.1. Obtenção da curva de calibração A obtenção da curva de calibração, absorbância vs. concentração de Paraquat, é necessária para a análise química do pesticida.

Leia mais

Físico-química Farmácia 2014/02

Físico-química Farmácia 2014/02 Físico-química Farmácia 2014/02 1 Decomposição Química Cinética de decomposição Lei de velocidade Ordem de reação Tempo de meia vida e prazo de validade Fatores que influenciam a estabilidade Equação de

Leia mais

ÁCIDO ERÚCICO POR HIDRÓLISE ENZIMÁTICA DO ÓLEO DE CRAMBE ASSISTIDA POR ULTRASSOM Souza, Alana S. Bolsista PROBIC ULBRA, Curso de Biomedicina

ÁCIDO ERÚCICO POR HIDRÓLISE ENZIMÁTICA DO ÓLEO DE CRAMBE ASSISTIDA POR ULTRASSOM Souza, Alana S. Bolsista PROBIC ULBRA, Curso de Biomedicina Anais Expoulbra 20 22 Outubro 2015 Canoas, RS, Brasil ÁCIDO ERÚCICO POR HIDRÓLISE ENZIMÁTICA DO ÓLEO DE CRAMBE ASSISTIDA POR ULTRASSOM Souza, Alana S. Bolsista PROBIC ULBRA, Curso de Biomedicina Corrêa,

Leia mais

Batata como fonte de amido: avaliação dos teores de fósforo, amilose e propriedades térmicas

Batata como fonte de amido: avaliação dos teores de fósforo, amilose e propriedades térmicas Batata como fonte de amido: avaliação dos teores de fósforo, amilose e propriedades térmicas Garcia, E. L. I ; Leonel, M. I ; Carmo, E. L. do III ; Franco, C. M. L. II ; Santos, T. P. R. dos I RESUMO O

Leia mais

BIOQUÍMICA DO PESCADO

BIOQUÍMICA DO PESCADO BIOQUÍMICA DO PESCADO Aula 6 Profa. Elaine Cristina Santos BROMATOLOGIA A Bromatologia estuda os alimentos, sua composição química, sua ação no organismo, seu valor alimentício e calórico, suas propriedades

Leia mais

Desempenho de geomembranas de HDPE após degradação ultravioleta e térmica

Desempenho de geomembranas de HDPE após degradação ultravioleta e térmica Desempenho de geomembranas de HDPE após degradação ultravioleta e térmica Fernando Luiz Lavoie Escola de Engenharia de São Carlos (EESC USP), São Carlos, Brasil, fllavoie@yahoo.com.br Benedito de Souza

Leia mais

Carboidratos 18/03/2010. Douglas Siqueira de A. Chaves

Carboidratos 18/03/2010. Douglas Siqueira de A. Chaves Carboidratos Douglas Siqueira de A. Chaves 2 Carboidratos s carboidratos são substâncias orgânicas também chamadas de hidratos de carbono. Estes nomes foram dados porque, na molécula da maior parte dos

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 18

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 18 Página 18 AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE OXIDATIVA DE BIODIESEL METÍLICO DE GIRASSOL COM ADIÇÃO DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE BHT PELO MÉTODO RANCIMAT E PDSC Mariana Helena de O. Albuquerque 1 ; Amanda Duarte

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE BIOFILMES DE AMIDO UTILIZANDO COMO PLASTIFICANTES DIFERENTES ÁCIDOS CARBOXÍLICOS

DESENVOLVIMENTO DE BIOFILMES DE AMIDO UTILIZANDO COMO PLASTIFICANTES DIFERENTES ÁCIDOS CARBOXÍLICOS DESENVOLVIMENTO DE BIOFILMES DE AMIDO UTILIZANDO COMO PLASTIFICANTES DIFERENTES ÁCIDOS CARBOXÍLICOS L.C. Cruz¹*; C. S. Miranda¹; W.J. dos Santos 1 ; A.P.B Gonçalves 1 ; J. C. Oliveira 1 ; N. M. José¹ 1-

Leia mais

EFEITO DA DEGRADAÇÃO EM MOTOR AUTOMOTIVO NAS PROPRIEDADES TERMOGRAVIMÉTRICAS DE ÓLEOS LUBRIFICANTES MINERAIS E SINTÉTICOS.

EFEITO DA DEGRADAÇÃO EM MOTOR AUTOMOTIVO NAS PROPRIEDADES TERMOGRAVIMÉTRICAS DE ÓLEOS LUBRIFICANTES MINERAIS E SINTÉTICOS. Copyright 4, Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnico Científico foi preparado para apresentação no 3 Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo e Gás, a ser realizado no período

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO TÉRMICA DE CHOCOLATE AMARGO COM POLISSACARÍDEO VEGETAL

CARACTERIZAÇÃO TÉRMICA DE CHOCOLATE AMARGO COM POLISSACARÍDEO VEGETAL CARACTERIZAÇÃO TÉRMICA DE CHOCOLATE AMARGO COM POLISSACARÍDEO VEGETAL Gislaine N. S. Costa 1, Suzana C. S. Lannes 2,Cheila G. Mothé 1 1 Departamento de Processos Orgânicos, Escola de Química, Universidade

Leia mais

PROPRIEDADES FÍSICAS DOS FRUTOS DE MAMONA DURANTE A SECAGEM

PROPRIEDADES FÍSICAS DOS FRUTOS DE MAMONA DURANTE A SECAGEM PROPRIEDADES FÍSICAS DOS FRUTOS DE MAMONA DURANTE A SECAGEM André Luís Duarte Goneli 1, Paulo César Corrêa 1, Osvaldo Resende 2, Fernando Mendes Botelho 1 1 Universidade Federal de Viçosa, andregoneli@vicosa.ufv.br,

Leia mais

Análise térmica, estrutural e reológica do amido de batata com adição de hidrocolóides.

Análise térmica, estrutural e reológica do amido de batata com adição de hidrocolóides. Análise térmica, estrutural e reológica do amido de batata com adição de hidrocolóides. ¹J. A. L. Adamovicz, ¹C. Alberton, ¹C. S. Oliveira, ¹L. P. Cordoba, ¹L. S. Ribeiro, ¹E. Schnitzler. ¹Universidade

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Influência de Diferentes Épocas de Corte e Densidade de Plantas no Desempenho Agronômico de Duas Cultivares de Sorgo

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE CARBOIDRATOS EM HIDROLISADOS DE AMIDOS DE MANDIOCA POR ESPECTROSCOPIA DE INFRAVERMELHO.

DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE CARBOIDRATOS EM HIDROLISADOS DE AMIDOS DE MANDIOCA POR ESPECTROSCOPIA DE INFRAVERMELHO. 37 DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE CARBOIDRATOS EM HIDROLISADOS DE AMIDOS DE MANDIOCA POR ESPECTROSCOPIA DE INFRAVERMELHO. Determination of carbohydrates concentration in cassava starches s hydrolysates

Leia mais

MONITORIZAÇÃO DA DEGRADAÇÃO DO GLICOGÉNIO

MONITORIZAÇÃO DA DEGRADAÇÃO DO GLICOGÉNIO MONITORIZAÇÃO DA DEGRADAÇÃO DO GLICOGÉNIO 1. Objectivo Neste trabalho, ir-se-á observar a degradação do glicogénio ao longo tempo: i) em meio ácido e à temperatura de 100ºC (degradação química); ii) em

Leia mais

Na figura 15 está apresentado um esquema da metodologia para a determinação de mercúrio total em tecidos da biota aquática.

Na figura 15 está apresentado um esquema da metodologia para a determinação de mercúrio total em tecidos da biota aquática. 44 5 PARTE EXPERIMENTAL 5.1 Biota Todas as amostras foram liofilizadas (processo de secagem da amostra baseado no fenômeno da sublimação). Este processo apresenta as vantagens de manter a estrutura do

Leia mais

Análise Termogravimétrica da Bioespuma Poliuretana do Projeto de Produto Gasolimp como Agente Cogerador de Energia

Análise Termogravimétrica da Bioespuma Poliuretana do Projeto de Produto Gasolimp como Agente Cogerador de Energia Análise Termogravimétrica da Bioespuma Poliuretana do Projeto de Produto Gasolimp como Agente Cogerador de Energia J. C. V. Cortez Msc. em Meio ambiente Universidade Federal da Paraíba, cortez.juancarlos@gmail.com

Leia mais

ANÁLISE DE PROPRIEDADES TÉRMICAS DE COMPÓSITOS DE MATRIZ DE POLIPROPILENO CONTENDO TECIDO DE FIBRAS DE JUTA

ANÁLISE DE PROPRIEDADES TÉRMICAS DE COMPÓSITOS DE MATRIZ DE POLIPROPILENO CONTENDO TECIDO DE FIBRAS DE JUTA ANÁLISE DE PROPRIEDADES TÉRMICAS DE COMPÓSITOS DE MATRIZ DE POLIPROPILENO CONTENDO TECIDO DE FIBRAS DE JUTA O. H. Margoto, J.M. F. Paiva Universidade Federal de São Carlos, UFSCar - Campus Sorocaba Rodovia

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA SEMENTE DO MELÃO COMO CATALISADOR NA REAÇÃO DE ESTERIFICAÇÃO DO ÁCIDO OLÉICO

UTILIZAÇÃO DA SEMENTE DO MELÃO COMO CATALISADOR NA REAÇÃO DE ESTERIFICAÇÃO DO ÁCIDO OLÉICO UTILIZAÇÃO DA SEMENTE DO MELÃO COMO CATALISADOR NA REAÇÃO DE ESTERIFICAÇÃO DO ÁCIDO OLÉICO A. L. FREIRE 1, B. J. P. COSTA 1, Z. M. SANTOS 2, A. D. T. PINHEIRO 2 e I. L. LUCENA 2 1 Universidade Federal

Leia mais

CPV seu pé direito também na Medicina

CPV seu pé direito também na Medicina seu pé direito também na Medicina UNIFESP 17/dezembro/2010 QUÍMICA 06. Ligas metálicas são comuns no cotidiano e muito utilizadas nas indústrias automobilística, aeronáutica, eletrônica e na construção

Leia mais

Caracterização térmica de poliésteres derivados de glicerol

Caracterização térmica de poliésteres derivados de glicerol RESUMO Caracterização térmica de poliésteres derivados de glicerol M. A. B. S. Nunes (1); M. S. Azeredo (1); E. S. Medeiros (1) Universidade Federal da Paraíba, Departamento de Engenharia de Materiais,

Leia mais

ESTUDO DA CINÉTICA DE PIRÓLISE DE XISTO

ESTUDO DA CINÉTICA DE PIRÓLISE DE XISTO STUDO DA CINÉTICA D PIRÓLIS D XISTO J. P. FOLTIN 1, A. C. L. LISBÔA 1 1 Universidade stadual de Campinas, Faculdade de ngenharia Química -mail para contato: juliana.p.foltin@gmail.com RSUMO studos recentes

Leia mais

não podem ser aplicados em experimentos que envolvem

não podem ser aplicados em experimentos que envolvem 1 - INTRODUÇÃO A adição de produtos químicos aos alimentos, para a sua conservação, não é um processo novo. O homem préhistórico, com a descoberta do fogo, criou o processo de defumação. Depois, aprendeu

Leia mais

Química Analítica I. Expressão química e numérica dos resultados em análises químicas. Profª Simone Noremberg Kunz

Química Analítica I. Expressão química e numérica dos resultados em análises químicas. Profª Simone Noremberg Kunz 1 Química Analítica I Expressão química e numérica dos resultados em análises químicas Profª Simone Noremberg Kunz 2 Expressar a concentração: % peso (%m/%m): massa de A/massa da amostra % volume (%v/%v):

Leia mais

DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DO CALOR ESPECÍFICO DAS FOLHAS DE ERVA-MATE

DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DO CALOR ESPECÍFICO DAS FOLHAS DE ERVA-MATE DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DO CALOR ESPECÍFICO DAS FOLHAS DE ERVA-MATE G. JOHANN 1, K. A. SANTOS 2 e E. A. da SILVA 2 1 Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curso de Engenharia de Bioprocessos e

Leia mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DO BAGAÇO DE CANA-DE-AÇÚCAR PARA USO COMO SUBSTRATO PARA PLANTAS

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DO BAGAÇO DE CANA-DE-AÇÚCAR PARA USO COMO SUBSTRATO PARA PLANTAS XX Congresso Brasileiro de Fruticultura 54th Annual Meeting of the Interamerican Society for Tropical Horticulture 12 a 17 de Outubro de 2008 - Centro de Convenções Vitória/ES CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DO

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE REVESTIMENTO FENÓLICO DE LCC CURADO POR PLASMA POR TG/DTG, DSC, FTIR E AFM

CARACTERIZAÇÃO DE REVESTIMENTO FENÓLICO DE LCC CURADO POR PLASMA POR TG/DTG, DSC, FTIR E AFM CARACTERIZAÇÃO DE REVESTIMENTO FENÓLICO DE LCC CURADO POR PLASMA POR TG/DTG, DSC, FTIR E AFM Cheila G. Mothé*, Cristiane R. Vieira Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ, Rio de Janeiro RJ cheila@eq.ufrj.br

Leia mais

Custo da cesta básica se eleva em dezembro no Distrito Federal

Custo da cesta básica se eleva em dezembro no Distrito Federal Brasília, 7 de janeiro de 2013. NOTA À IMPRENSA Custo da cesta básica se eleva em dezembro no Distrito Federal O custo da cesta básica no Distrito Federal em dezembro de 2012 totalizou R$ 275,95, valor

Leia mais

Conservação de frutos secos: resultados de ensaios experimentais. Paula Correia Cátia Almeida Raquel Guiné

Conservação de frutos secos: resultados de ensaios experimentais. Paula Correia Cátia Almeida Raquel Guiné Conservação de frutos secos: resultados de ensaios experimentais Paula Correia Cátia Almeida Raquel Guiné 31-06-2016 Introdução A qualidade dos alimentos é um conceito que tem vindo a despertar o interesse

Leia mais

Unidade V - Determinação de umidade e sólidos totais

Unidade V - Determinação de umidade e sólidos totais Unidade V - Determinação de umidade e sólidos totais O método empregado depende do objetivo. O que estou necessitando? Rapidez? Precisão? Exatidão? Medir em tempo real? Umidade: métodos Quantitativos Métodos

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE PROPRIEDADES DO ÓLEO RESIDUAL DE FRITURAS, COM E SEM FILTRAÇÃO, EM DIFERENTES TEMPERATURAS

DETERMINAÇÃO DE PROPRIEDADES DO ÓLEO RESIDUAL DE FRITURAS, COM E SEM FILTRAÇÃO, EM DIFERENTES TEMPERATURAS DETERMINAÇÃO DE PROPRIEDADES DO ÓLEO RESIDUAL DE FRITURAS, COM E SEM FILTRAÇÃO, EM DIFERENTES TEMPERATURAS M. SILVA 1, M. SACARDO 1, A. E. COSTA 1 e J. K. ANDREAZZA 1 1 Centro Universitário Tupy - UNISOCIESC,

Leia mais