VIABILIDADE DO METODO TERMOGRAVIMETRICO PROPOSTO POR STAWSKI PARA A DETERMINACAO DA RAZÃO AMILOSE:AMILOPECTINA EM AMIDO DE MANDIOCA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIABILIDADE DO METODO TERMOGRAVIMETRICO PROPOSTO POR STAWSKI PARA A DETERMINACAO DA RAZÃO AMILOSE:AMILOPECTINA EM AMIDO DE MANDIOCA"

Transcrição

1 VIABILIDADE DO METODO TERMOGRAVIMETRICO PROPOSTO POR STAWSKI PARA A DETERMINACAO DA RAZÃO AMILOSE:AMILOPECTINA EM AMIDO DE MANDIOCA Resumo: A proporção relativa de amilose:amilopectina varia consideravelmente não só entre os diferentes tipos de vegetais, mas dentro de uma mesma espécie, órgão da planta e condições de crescimento e desenvolvimento. Diversas pesquisas têm demonstrado que a variação nessa razão implica em alterações de suas características físico-químicas e interações com outras moléculas. O método frequentemente utilizado para a determinação dessa proporção em amido de mandioca é o método espectrofotométrico, devido à reação da amilose com o iodo com formação de um complexo colorido. Com o objetivo de superar as desvantagens apresentadas pelo método de referência, Stawski propôs um método termogravimétrico que foi aplicado com êxito em amostras de amido de batata e milho. Assim, o objetivo do presente trabalho foi verificar a viabilidade dessa técnica de para determinação da razão amilose:amilopectina em amido de mandioca. Diferenças foram observadas no perfil termogravimétrico da amilose obtida no presente trabalho, quando comparado ao de Stawski. Os perfis termogravimétricos da amilopectina de batata e milho também foram avaliados e apresentaram diferenças expressivas na temperatura de degradação térmica (T onset). Constatou-se, portanto, que a granulometria, o peso molecular (grau de ramificações de cadeia), a cristalinidade e a fonte da fração do amido utilizada como padrão podem influenciar os perfis termogravimétricos dessas frações do amido. Palavras-chave: amido, amilose, amilopectina, mandioca, termogravimetria. 1 INTRODUÇÃO A mandioca é uma espécie vegetal originária do Brasil, da região Amazônica, e constitui uma das mais importantes fontes de calorias na dieta de vários países em desenvolvimento, sendo considerada a principal fonte de carboidrato para a população de menor poder aquisitivo [1]. A proporção relativa de amilose:amilopectina no amido varia consideravelmente não só entre os diferentes tipos de vegetais, mas dentro de uma mesma espécie de vegetais, órgão da planta e condições de crescimento e desenvolvimento [2]. Diversas pesquisas têm demonstrado que a variação nessa razão implica em alterações de suas características físico-químicas e interações com outras moléculas, resultando em diferentes capacidades de intumescimento, solubilidade em água, propriedades microscópicas, e propriedades de barreira e mecânicas em filmes de amido [2-5]. A razão amilose:amilopectina tem sido historicamente determinada através da ligação com iodo, através de técnicas amperométricas, potenciométricas e espectrofotométricas. Esses métodos são baseados na habilidade do iodo em formar um complexo de inclusão helicoidal com a amilose [6,7]. Outros métodos também foram empregados na determinação da razão amilose:amilopectina, dentre eles o método enzimático [2], cromatográfico [2,6,7] e a calorimetria exploratória diferencial [7-10]. No entanto, esses métodos são morosos e requerem o preparo das amostras. Com a finalidade de superar as desvantagens dos métodos já desenvolvidos, o método termogravimétrico baseia-se na influência da quantidade de amilose na estabilidade térmica do amido. Esse foi aplicado com êxito em amostras de amido de arroz e batata. A técnica apresentou a vantagem de não incluir etapas de tratamento da amostra, ser rápido e poder ser facilmente adaptável às análises de rotina [2]. Neste contexto, o objetivo do trabalho foi verificar a viabilidade do método termogravimétrico proposto por Stawski para a determinação da razão amilose:amilopectina em amido de mandioca. 2 MATERIAL E MÉTODOS 2.1 MATERIAL

2 Foram utilizados padrões de amilose de batata e amilopectina de milho e de batata, Sigma-Aldrich. Estes foram submetidos à secagem em estufa durante 24 horas a 40 ºC. 2.2 MÉTODOS Método termogravimétrico (TG) Todas as medidas foram realizadas utilizando-se uma termobalança Perkin Elmer, modelo Pyris1 TGA, previamente calibrada com peso padrão de 100 mg. O termopar foi calibrado utilizando a temperatura de Curie do ferro e do níquel. Para as análises, realizadas em triplicata, utilizou-se um cadinho de platina, nas seguintes condições: massa da amostra de aproximadamente 5 mg, vazão de N 2 de 20 ml min -1, razão de aquecimento de 15 C min -1 e faixa de temperatura de 25 à 650 C. 3 RESULTADOS E DISCUSSÃO 3.1 Curvas termogravimétricas Com o objetivo de avaliar a estabilidade térmica dos padrões de amilose e amilopectina, suas respectivas curvas médias termogravimétricas foram obtidas para as frações obtidas a partir do amido de batata, conforme ilustra a Figura 1. Perda de massa (%) amilose de batata amilopectina de batata Temperatura ( o C) (a) (b) Figura 1 Comparação entre os perfis de amilose e amilopectina de batata obtidos no presente trabalho (a) e por Stawski (b) Conforme pode ser observado na Figura 1(a), para a amilose, um evento entre a temperatura ambiente e aproximadamente 175 ºC foi verificado e pode ser atribuído à desidratação, resultando em uma perda de massa de aproximadamente 10 %; e um evento a partir de aproximadamente 221 ºC, que pode ser atribuído à decomposição térmica. Para a amilopectina, o evento de desidratação ocorreu na mesma faixa de temperatura com uma perda de massa de aproximadamente 11 %. No entanto, a decomposição térmica teve início em aproximadamente 305 ºC. A maior estabilidade térmica da amilopectina em relação a amilose se deve a maior energia de ativação do processo de decomposição, uma vez que essa fração apresenta alto peso molecular e pela grande quantidade de ligações 1,6 [11].

3 Apesar de Stawski apresentar resultados semelhantes (Figura 1(b)) em relação à menor estabilidade térmica da amilose em comparação a amilopectina, o início das temperaturas de decomposição térmica (T onset) obtidas tanto para amilose quanto para amilopectina foram expressivamente diferentes. Para amilose, Stawski obteve T onset = 300 ºC, resultando em uma diferença de aproximadamente 79 ºC. Para amilopectina essa diferença foi de aproximadamente 20 ºC. A temperatura de início de degradação térmica da amilose apresentada por Desai e colaboradores tem maior proximidade (230 ºC) ao resultado encontrado nesse trabalho [12]. No entanto, os autores não mencionam a origem da fração de amilose utilizada. Considerando que o método de determinação da razão amilose:amilopectina proposto por Stawski utiliza uma curva analítica que relaciona a porcentagem de amilose com a temperatura em que 50% da massa é perdida, essa temperatura foi avaliada para os padrões de amilose e amilopectina de batata. Verificou-se nos resultados obtidos por Stawski (Figura 1(b)), que quando a perda de massa é 50% a temperatura correspondente para amilopectina é de aproximadamente 345 ºC, e a temperatura correspondente para amilose é de aproximadamente 378 ºC. Nos resultados obtidos no presente trabalho (Figura 1(a)), quando a perda de massa é 50% a temperatura correspondente para amilopectina é 347 ºC, valor muito próximo ao encontrado por Stawski; já a temperatura referente à amilose é de 318 ºC (diferença de 60 ºC). Os perfis termogravimétricos da amilopectina padrão originária do milho e de batata foram avaliados com a finalidade de verificar se a origem do padrão pode influenciar seu comportamento térmico. A Figura 2 apresenta os perfis termogravimétricos, bem como sua primeira derivada para a amilopectina de milho e batata. A Tabela 1 mostra as temperaturas em que o início da decomposição térmica ocorre para a amilopectina de milho e batata ,0 Perda de massa (%) batata milho -1,2 dtg batata dtg milho -1, Temperatura ( o C) -0,3-0,6-0,9 dm/dt (%.oc -1 ) Figura 2 Curva termogravimétrica e derivada comparativa entre amilopectina de milho e batata

4 Tabela 1 Temperaturas de início de decomposição térmica (T onset) comparativa entre amilopectina de milho e batata Origem da amilopectina T onset ( o C) Milho 330,4 Batata 305,0 As diferenças nos perfis termogravimétricos observados para a amilopectina originária da batata e do milho podem ser devido diferentes granulometrias, peso molecular (grau de ramificações de cadeia) e cristalinidade relacionada às condições de separação das frações a partir do amido. Assim, esses resultados indicam a necessidade de estudos complementares para o esclarecimento dos fatores que determinam as diferenças de perfis termogravimétricos quando frações de amilose e amilopectina de diferentes fontes de amido são comparadas. 4 CONCLUSÕES Constatou-se, portanto, que devido às diferenças encontradas nas temperaturas em que 50% da massa é perdida para as amostras de amilose e amilopectina de batata padrão quando comparadas aos resultados obtidos por Stawski, o método proposto não será reprodutivo. Tais diferenças, que muito provavelmente são devido às condições de obtenção das frações de amilose e amilopectina e fonte de amido, poderão influenciar os resultados utilizados para a construção da curva analítica, contribuindo para uma diminuição da exatidão do método proposto por Stawski. Assim, estudos adicionais devem ser realizados para que o método termogravimétrico possa ser utilizado com segurança para diferentes amostras de amido. 5 AGRADECIMENTOS Ao Conselho Nacional de Desenvolvimento e Pesquisa (CNPq). REFERÊNCIAS [1] SANTOS, A. O.; OLIVEIRA, L. A.; JESUS, J. L.; SANTANA, F. A.; SANTOS, V. S.; OLIVEIRA, E. J. Estudo da composição do amido da mandioca em acessos do Banco Ativo de Germoplasma. In: JORNADA CIENTÍFICA EMBRAPA MANDIOCA E FRUTICULTURA, v.5, 2011, Cruz das Almas. Anais... Cruz das Almas: Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical, [2] STAWSKI, D. New determination method of amylose content in potato starch. Food Chemistry, v. 110, n. 3, p , [3] DENARDIN, C. C.; SILVA, L. P. Estrutura dos grânulos de amido e sua relação com propriedades físico-químicas. Ciência Rural, v. 39, n. 3, p , [4] HERMANSSON, A.; SVEGMARK, K. Developments in the understanding of starch functionality. Trends in Food Science & Technology, v. 7, n. 11, p , [5] FREDRIKSSON, H.; SILVERIO, J.; ANDERSSON, R.; ELIASSON, A. -C.; AMAN, P. The influence of amylose and amylopectin characteristics on gelatinization and retrogradation properties of different starches. Carbohydrate Polymers, v. 35, n. 3-4, p , [6] CHEN, M.; BERGMAN, C. J.; Method for determining the amylose content, molecular weight, and weight- and molarbased distributions of degree of polymerization of amylose and fine-structure of amylopectin. Carbohydrate Polymers, v. 69, n. 3, p , 2007.

5 [7] GÉRARD, C.; BARRON, C.; COLONNA, P.; PLANCHOT, V. Amylose determination in genetically modified starches. Carbohydrate Polymers, v. 44, n. 1, p , [8] MESTRES, C.; MATENCIO, F.; PONS, B.; YAJID, M.; FLIEDEL, G. A Rapid Method for the Determination of Amylose Content by Using Differential-Scanning Calorimetry. Starch, v. 48, n.1, p. 2-6, [9] SIEVERT, D.; HOLM, J. Determination of Amylose by Differential Scanning Calorimetry. Starch, v. 45, n. 4, p , [10] KUGIMIYA, M.; DONOVAN, J. W. Calorimetric Determination of the Amylose Content of Starches Based on Formation and Melting of the Amylose-Lysolecithin Complex. Journal of Food Science, v. 46, n. 3, p , [11] LIU, X.; YU, L.; XIE, F.; LI, M.; CHEN, L.; LI, X. Kinetics and mechanism of thermal decomposition of cornstarches with different amylose/amylopectin ratios. Starch, v. 62, p , [12] DESAI, D. H.; PATEL, K. C.; PATEL, R. D. Thermal properties of amylose and its derivatives. Starch, v. 30, n. 5, p , 1978.

Determinação de Parâmetros Cinéticos na Caracterização do Envelhecimento Acelerado do PBX (Plastic-Bonded Explosive)

Determinação de Parâmetros Cinéticos na Caracterização do Envelhecimento Acelerado do PBX (Plastic-Bonded Explosive) Determinação de Parâmetros Cinéticos na Caracterização do Envelhecimento Acelerado do PBX (Plastic-Bonded Explosive) Edemar Kirchhof 1, Nanci Miyeko Nakamura², Camila Maria Lapa², Glaci Ferreira Martins

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO COMPÓSITO DE POLIURETANO DERIVADO DO ÓLEO DE MAMONA (PUR) COM SÍLICA OBTIDA DA PLANTA CAVALINHA.

CARACTERIZAÇÃO DO COMPÓSITO DE POLIURETANO DERIVADO DO ÓLEO DE MAMONA (PUR) COM SÍLICA OBTIDA DA PLANTA CAVALINHA. CARACTERIZAÇÃO DO COMPÓSITO DE POLIURETANO DERIVADO DO ÓLEO DE MAMONA (PUR) COM SÍLICA OBTIDA DA PLANTA CAVALINHA. William F. Alves 1,4, Edson N. Ito 1,4, José A. Malmonge 2, W.L.E. Magalhães 3, Luiz H.

Leia mais

Batata como fonte de amido: avaliação dos teores de fósforo, amilose e propriedades térmicas

Batata como fonte de amido: avaliação dos teores de fósforo, amilose e propriedades térmicas Batata como fonte de amido: avaliação dos teores de fósforo, amilose e propriedades térmicas Garcia, E. L. I ; Leonel, M. I ; Carmo, E. L. do III ; Franco, C. M. L. II ; Santos, T. P. R. dos I RESUMO O

Leia mais

Análise da estabilidade oxidativa por termogravimetria (TGA) do sebo bovino e óleo visceral de Tilápia para produção de biodiesel de 2º geração

Análise da estabilidade oxidativa por termogravimetria (TGA) do sebo bovino e óleo visceral de Tilápia para produção de biodiesel de 2º geração Análise da estabilidade oxidativa por termogravimetria (TGA) do sebo bovino e óleo visceral de Tilápia para produção de biodiesel de 2º geração L. E. OLIVEIRA 1 e M. L. C. P. da SILVA 2 1 Universidade

Leia mais

RESULTADOS E DISCUSSÃO

RESULTADOS E DISCUSSÃO Desempenho de clones de batata-doce do Banco Ativo de Germoplasma da UFS para amido e etanol Rodrigo Pereira Alves 1 ; Thiago Matos Andrade 1 ; Alisson Marcel Souza de Oliveira 2 ; Aléa Dayane Dantas de

Leia mais

Análise térmica, estrutural e reológica do amido de batata com adição de hidrocolóides.

Análise térmica, estrutural e reológica do amido de batata com adição de hidrocolóides. Análise térmica, estrutural e reológica do amido de batata com adição de hidrocolóides. ¹J. A. L. Adamovicz, ¹C. Alberton, ¹C. S. Oliveira, ¹L. P. Cordoba, ¹L. S. Ribeiro, ¹E. Schnitzler. ¹Universidade

Leia mais

Desenvolver formas farmacêuticas sólidas e avaliar a estabilidade térmica por DSC e TG.

Desenvolver formas farmacêuticas sólidas e avaliar a estabilidade térmica por DSC e TG. UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA Desenvolver formas farmacêuticas

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO TÉRMICA DE NANOPARTÍCULAS DE QUITOSANA

CARACTERIZAÇÃO TÉRMICA DE NANOPARTÍCULAS DE QUITOSANA 2 a 28 de Abril de 2010 S?o Pedro SP - Brasil 1/ CARACTERIZAÇÃO TÉRMICA DE NANOPARTÍCULAS DE QUITOSANA Anivaldo Pereira Duarte Junior 1, Taís Vanessa Gabbay Alves 2, Eraldo José M. Tavares 3, Márcia R.

Leia mais

Análise Termogravimétrica da Bioespuma Poliuretana do Projeto de Produto Gasolimp como Agente Cogerador de Energia

Análise Termogravimétrica da Bioespuma Poliuretana do Projeto de Produto Gasolimp como Agente Cogerador de Energia Análise Termogravimétrica da Bioespuma Poliuretana do Projeto de Produto Gasolimp como Agente Cogerador de Energia J. C. V. Cortez Msc. em Meio ambiente Universidade Federal da Paraíba, cortez.juancarlos@gmail.com

Leia mais

ANÁLISE TÉRMICA. Prof. Dr. Estéfano A. Vieira

ANÁLISE TÉRMICA. Prof. Dr. Estéfano A. Vieira ANÁLISE TÉRMICA Análise Térmica - Thermal Analysis (TA) DEFINIÇÃO: Termo genérico para métodos pelos quais as propriedades físicas e químicas de uma substância ou mistura são determinadas em função da

Leia mais

1. TÍTULO DO TRABALHO Propriedades físicas e funcionais da farinha pré-gelatinizada de grãos quebrados de arroz.

1. TÍTULO DO TRABALHO Propriedades físicas e funcionais da farinha pré-gelatinizada de grãos quebrados de arroz. 1. TÍTULO DO TRABALHO Propriedades físicas e funcionais da farinha pré-gelatinizada de grãos quebrados de arroz. 2. AUTORES Frederico Inácio Tonhá GUIMARÃES; Márcio CALIARI; Manoel Soares SOARES JÚNIOR.

Leia mais

SEPARAÇÃO DA AMILOSE DE FECULA DE MANDIOCA POR PRECIPITAÇÃO QUÍMICA. Cassava starch fractionation and amylase recovery

SEPARAÇÃO DA AMILOSE DE FECULA DE MANDIOCA POR PRECIPITAÇÃO QUÍMICA. Cassava starch fractionation and amylase recovery 57 SEPARAÇÃO DA AMILOSE DE FECULA DE MANDIOCA POR PRECIPITAÇÃO QUÍMICA. Cassava starch fractionation and amylase recovery Cláudio CABELLO 1 Irene Miuki SAITO 2 RESUMO A determinação das concentrações de

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DA INFLUÊNCIA DO ANTIOXIDANTE NA ESTABILIDADE OXIDATIVA DO BIODIESEL POR TERMOGRAVIMETRIA E PETROOXY

ESTUDO COMPARATIVO DA INFLUÊNCIA DO ANTIOXIDANTE NA ESTABILIDADE OXIDATIVA DO BIODIESEL POR TERMOGRAVIMETRIA E PETROOXY Página 76 ESTUDO COMPARATIVO DA INFLUÊNCIA DO ANTIOXIDANTE NA ESTABILIDADE OXIDATIVA DO BIODIESEL POR TERMOGRAVIMETRIA E PETROOXY Luzia Patrícia Fernandes de Carvalho Galvão 1 ; Edjane Fabiula Buriti Silva

Leia mais

Desencolagem / Desengomagem

Desencolagem / Desengomagem Desencolagem / Desengomagem Encolagem - 1-5 1 - Encolagem: Tem por objetivo conferir maior resistência contra abrasão, proteger as fibras e evitar que estas se projetem para fora do fio/tecido. 1.1 - Pastas

Leia mais

Aplicação de Técnicas Termoanalíticas na Caracterização, Determinação da Pureza e Cinética de Degradação da Zidovudina (AZT)

Aplicação de Técnicas Termoanalíticas na Caracterização, Determinação da Pureza e Cinética de Degradação da Zidovudina (AZT) Acta arm. Bonaerense 24 (3):383-7 (2005) Recibido el 24 de enero de 2005 Aceptado el 10 de abril de 2005 Trabajos originales Aplicação de Técnicas Termoanalíticas na Caracterização, Determinação da Pureza

Leia mais

ANÁLISE TERMOGRAVIMÉTRICA NA CARACTERIZAÇÃO DE CARBONO HIDROTÉRMICO

ANÁLISE TERMOGRAVIMÉTRICA NA CARACTERIZAÇÃO DE CARBONO HIDROTÉRMICO ANÁLISE TERMOGRAVIMÉTRICA NA CARACTERIZAÇÃO DE CARBONO HIDROTÉRMICO Laís G. Fregolente ¹, Márcia C. Bisinoti 1, Altair B. Moreira 1, Odair P. Ferreira 2 ¹ Departamento de Química, IBILCE/UNESP, São José

Leia mais

Princípios e Aplicaçõ

Princípios e Aplicaçõ Técnicas de Análises Térmicas: T Princípios e Aplicaçõ ções Jair C. C. Freitas Laboratório de Materiais Carbonosos e Cerâmicos (LMC) Departamento de Física - UFES Sinopse Introdução Generalidades sobre

Leia mais

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil ESTUDO TERMOANALÍTICO DE COMPÓSITOS DE POLI(ETILENO-CO-ACETATO DE VINILA) COM BAGAÇO DE CANA-DE-AÇÚCAR Carla R. de Araujo, Igor B. de O. Lima, Cheila G. Mothé Departamento de Processos Orgânicos - Escola

Leia mais

TERMOGRAVIMETRIA A análise termogravimétrica (TG) é uma técnica térmica onde a massa da amostra é registada em função da temperatura ou do tempo.

TERMOGRAVIMETRIA A análise termogravimétrica (TG) é uma técnica térmica onde a massa da amostra é registada em função da temperatura ou do tempo. TERMOGRAVIMETRIA A análise termogravimétrica (TG) é uma técnica térmica onde a massa da amostra é registada em função da temperatura ou do tempo. TERMOGRAVIMETRIA São frequentemente usados três modos distintos

Leia mais

AVALIAÇÃO DE NANOCOMPÓSITOS DE AMIDO TERMOPLÁSTICO E ARGILA POR RMN

AVALIAÇÃO DE NANOCOMPÓSITOS DE AMIDO TERMOPLÁSTICO E ARGILA POR RMN AVALIAÇÃO DE NANOCOMPÓSITOS DE AMIDO TERMOPLÁSTICO E ARGILA POR RMN D. Schlemmer 1, Tiago C. A. F. Rodrigues 1, I. S. Resck 1, M. J. A. Sales 1 1 Laboratório de Pesquisa em Polímeros (LabPol), Instituto

Leia mais

INFLUÊNCIA DE ALGUNS PARÂMETROS EXPERIMENTAIS NOS RESULTADOS DE ANÁLISES CALORIMÉTRICAS DIFERENCIAIS - DSC

INFLUÊNCIA DE ALGUNS PARÂMETROS EXPERIMENTAIS NOS RESULTADOS DE ANÁLISES CALORIMÉTRICAS DIFERENCIAIS - DSC Quim. Nova, Vol. 25, No. 5, 849-855, 2002 INFLUÊNCIA DE ALGUNS PARÂMETROS EPERIMENTAIS NOS RESULTADOS DE ANÁLISES CALORIMÉTRICAS DIFERENCIAIS - DSC Cláudia Bernal, Andréa Boldarini Couto, Susete Trazzi

Leia mais

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS 2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS Uso de Calorimetria Exploratória Diferencial (DSC) no monitoramento da qualidade da gasolina Marcelo Marques da Fonseca 1, Maria Irene Yoshida 2, Isabel

Leia mais

ESTUDO CINÉTICO DA BIOMASSA A PARTIR DE RESULTADOS TERMOGRAVIMÉTRICOS

ESTUDO CINÉTICO DA BIOMASSA A PARTIR DE RESULTADOS TERMOGRAVIMÉTRICOS ESTUDO CINÉTICO DA BIOMASSA A PARTIR DE RESULTADOS TERMOGRAVIMÉTRICOS Omar Seye, Luís Augusto Borbosa Cortez Área Interdisciplinar de Planejamento de Sistemas Energéticos - Faculdade de Engenharia Mecânica,

Leia mais

Análise Térmica. Universidade Federal de Juiz de Fora. Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química. Metodologia Analítica

Análise Térmica. Universidade Federal de Juiz de Fora. Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química. Metodologia Analítica Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Metodologia Analítica Caracterização térmica do Oxalato de Cálcio monoidratado (CaC 2 O 4.H 2 O) por TG / DTA e

Leia mais

Eclética Química ISSN: 0100-4670 atadorno@iq.unesp.br. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Brasil

Eclética Química ISSN: 0100-4670 atadorno@iq.unesp.br. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Brasil Eclética Química ISSN: 0100-4670 atadorno@iq.unesp.br Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Brasil Schnitzler, Egon; Filho Carvalho, Marco Aurélio da Silva; Stadler, Carlos Cezar; Volpato,

Leia mais

ESTUDO TERMOGRAVIMÉTRICO DA POLIACRILONITRILA COM O PLASTIFICANTE GLICEROL

ESTUDO TERMOGRAVIMÉTRICO DA POLIACRILONITRILA COM O PLASTIFICANTE GLICEROL ESTUDO TERMOGRAVIMÉTRICO DA POLIACRILONITRILA COM O PLASTIFICANTE GLICEROL Carlos A. R. Brito Júnior 1*, Luiz C. Pardini 2, Nilton P. Alves 3, Robson R. Fleming 1 1 Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

MODIFICAÇÃO DE SÍLICA MESOPOROSA APLICADA COMO SISTEMA DE LIBERAÇÃO DE DROGA

MODIFICAÇÃO DE SÍLICA MESOPOROSA APLICADA COMO SISTEMA DE LIBERAÇÃO DE DROGA MODIFICAÇÃO DE SÍLICA MESOPOROSA APLICADA COMO SISTEMA DE LIBERAÇÃO DE DROGA G.F.Andrade, A. Sousa, E.M.B.Sousa R. Prof. Mário Werneck, s/ nº, Campus Universitário- Belo Horizonte- MG, CEP 30.123-970-

Leia mais

ESTUDO DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DO FÁRMACO PROPRANOLOL

ESTUDO DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DO FÁRMACO PROPRANOLOL ESTUDO DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DO FÁRMACO PROPRANOLOL Beatriz Ambrozini (PQ) *, Priscila Cervini (PQ), Éder Tadeu Gomes Cavalheiro (PQ) Instituto de Química de São Carlos USP São Carlos. *biaambro@gmail.com

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DA FLOCULAÇÃO ENTRE AMIDO CATIÔNICO E AMIDO INTERLIGADO CATIÔNICO

ESTUDO COMPARATIVO DA FLOCULAÇÃO ENTRE AMIDO CATIÔNICO E AMIDO INTERLIGADO CATIÔNICO XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Aplicação da Calorimetria Exploratória Diferencial (DSC) para Determinação da Pureza de Fármacos

Aplicação da Calorimetria Exploratória Diferencial (DSC) para Determinação da Pureza de Fármacos Produto & Produção, vol. 11, n. 1, p. 22-29, fev. 2010 Edição Metrologia Aplicação da Calorimetria Exploratória Diferencial (DSC) para Determinação da Pureza de Fármacos Gabriela F. Moreira, D. Sc gfmoreira@inmetro.gov.br

Leia mais

ESTABILIDADE TÉRMICA DE NANOCOMPOSITOS DE POLI (FLUORETO DE VINILIDENO) E POSS

ESTABILIDADE TÉRMICA DE NANOCOMPOSITOS DE POLI (FLUORETO DE VINILIDENO) E POSS ESTABILIDADE TÉRMICA DE NANOCOMPOSITOS DE POLI (FLUORETO DE VINILIDENO) E POSS Johnny D. N. Martins*, Tais S. Bassani, Otavio Bianchi, Ricardo V. B. de Oliveira Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Leia mais

EMPREGO DE TÉCNICAS TERMOANALÍTICAS NA ANÁLISE DE AMIDOS NATIVOS E QUIMICAMENTE MODIFICADOS DE DIFERENTES FONTES BOTÂNICAS

EMPREGO DE TÉCNICAS TERMOANALÍTICAS NA ANÁLISE DE AMIDOS NATIVOS E QUIMICAMENTE MODIFICADOS DE DIFERENTES FONTES BOTÂNICAS 0 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Pró-Reitoria de Pesquisa e de Pós-Graduação Programa de Pós-Graduação Stricto sensu Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos CLEOCI BENINCA EMPREGO DE TÉCNICAS

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1617

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1617 Página 1617 CARACTERIZAÇÃO DE ACESSOS DE PINHÃO-MANSO QUANTO A TOXIDEZ Bruno Galvêas Laviola 1 ; Simone Mendonça 1 ; José Antonio de Aquino Ribeiro 2 1Pesquisador(a) da Embrapa Agroenergia, Brasília, DF.

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Ciência e Tecnologia de Alimentos Departamento de Tecnologia de Alimentos

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Ciência e Tecnologia de Alimentos Departamento de Tecnologia de Alimentos Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Ciência e Tecnologia de Alimentos Departamento de Tecnologia de Alimentos Tecnologia de Produtos de Origem Vegetal Cereais & Farinhas Prof. Alex Augusto

Leia mais

Estudo da estabilidade térmica de óleos de peixes em atmosfera de nitrogênio

Estudo da estabilidade térmica de óleos de peixes em atmosfera de nitrogênio www.scielo.br/eq Volume 29, número 2, 2004 Estudo da estabilidade térmica de óleos de peixes em atmosfera de nitrogênio J.U. Garcia *, H. I. dos Santos **, A. P. Fialho ***, F. L. T. Garro ***, N. R. Antoniosi

Leia mais

ESTUDO DA DEGRADAÇÃO TÉRMICA DE FILMES DE PHB E BLENDAS DE PHB COM BORRACHA NATURAL

ESTUDO DA DEGRADAÇÃO TÉRMICA DE FILMES DE PHB E BLENDAS DE PHB COM BORRACHA NATURAL ESTUDO DA DEGRADAÇÃO TÉRMICA DE FILMES DE PHB E BLENDAS DE PHB COM BORRACHA NATURAL Gilberto C. Fuzari Jr. 1 *; José A. Malmonge 1 ; Elen P.S. Arlindo 1 ; Sônia M. Malmonge 2 1 *Universidade Estadual Paulista

Leia mais

EXRAÇÃO AQUOSA DE PECTINA DE BAGAÇO DE LARANJA. Caroline Maria Calliari1, Marciane Magnani2 e Raúl Jorge Hernan Castro Gómez3

EXRAÇÃO AQUOSA DE PECTINA DE BAGAÇO DE LARANJA. Caroline Maria Calliari1, Marciane Magnani2 e Raúl Jorge Hernan Castro Gómez3 EXRAÇÃO AQUOSA DE PECTINA DE BAGAÇO DE LARANJA Caroline Maria Calliari1, Marciane Magnani2 e Raúl Jorge Hernan Castro Gómez3 RESUMO Visando desenvolver um processo alternativo de extração de pectina a

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE UMIDADE EM FARINHAS PELO EMPREGO DE MICROONDAS RESUMO

DETERMINAÇÃO DE UMIDADE EM FARINHAS PELO EMPREGO DE MICROONDAS RESUMO DETERMINAÇÃO DE UMIDADE EM FARINHAS PELO EMPREGO DE MICROONDAS Alessandra Cordeiro do Vale 1 ; Francielo Vendruscolo 2* ; Márcio Fernandes 3 1 Bolsista PIBIC-CNPq. Instituto Federal Goiano - campus Urutaí.

Leia mais

FATORES QUE AFETAM AS VELOCIDADES DAS REAÇÕES. 2. As concentrações dos reagentes. 3. A temperatura na qual a reação ocorre.

FATORES QUE AFETAM AS VELOCIDADES DAS REAÇÕES. 2. As concentrações dos reagentes. 3. A temperatura na qual a reação ocorre. CINÉTICA QUÍMICA FATORES QUE AFETAM AS VELOCIDADES DAS REAÇÕES 1. O estado físico dos reagentes. 2. As concentrações dos reagentes. 3. A temperatura na qual a reação ocorre. 4. A presença de um catalisador.

Leia mais

A nomenclatura em análise térmica - Parte II

A nomenclatura em análise térmica - Parte II A nomenclatura em análise térmica - Parte II IVO GIOLITO Instituto de Química Universidade de São Paulo Caixa Postal 20780 01498 São Paulo SP MASSAO IONASHIRO Instituto de Química Universidade Estadual

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA DEGRADAÇÃO TÉRMICA DE COMPÓSITOS DE MATRIZ POLIMÉRICA DESENVOLVIDOS EM LABORATÓRIO COM O INDUSTRIALIZADO

ANÁLISE COMPARATIVA DA DEGRADAÇÃO TÉRMICA DE COMPÓSITOS DE MATRIZ POLIMÉRICA DESENVOLVIDOS EM LABORATÓRIO COM O INDUSTRIALIZADO 09 a 1 de novembro de 014 Serra Negra SP - Brasil ANÁLISE COMPARATIVA DA DEGRADAÇÃO TÉRMICA DE COMPÓSITOS DE MATRIZ POLIMÉRICA DESENVOLVIDOS EM LABORATÓRIO COM O INDUSTRIALIZADO J.L.Sales 1, C.R.S.Morais

Leia mais

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS 2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS CORRELAÇÃO ENTRE AS TÉCNICAS TERMOGRAVIMETRICA (TG) E CROMATOGRAFIA GASOSA ACOPLADA À ESPECTROMETRIA DE MASSAS (CG/EM) NA ANÁLISE DE COMBUSTÍVEIS. Marcelo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ALINE MENDONÇA PASCOAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ALINE MENDONÇA PASCOAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ALINE MENDONÇA PASCOAL EXTRAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO AMIDO DE LOBEIRA (Solanum lycocarpum) Orientadora:

Leia mais

10-10-2000. Francisco José Simões Roque, nº9 11ºA

10-10-2000. Francisco José Simões Roque, nº9 11ºA Estudo da composição dos solos A turfa 10-10-2000 Francisco José Simões Roque, nº9 11ºA INTRODUÇÃO Os solos são sistemas trifásicos pois são constituídos por componentes sólidos, líquidos e gasosos. Cerca

Leia mais

SÍNTESE E CARACTERIZAÇÃO DA ZEÓLITA MCM-22

SÍNTESE E CARACTERIZAÇÃO DA ZEÓLITA MCM-22 SÍNTESE E CARACTERIZAÇÃO DA ZEÓLITA MCM-22 1 Pedro dos Santos Dias de Pinho, 2 Maria Isabel Pais da Silva 1 Química Aluno de Engenharia Química, PUC-Rio, Departamento de Química 2 Professora, Doutora do

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA DISCIPLINA BIOQUÍMICA ESTRUTURAL Ministrante: Prof. Dr. Carlos Alberto de Almeida

Leia mais

ESTUDO DA CURA DE PREPREG DE RESINA EPOXÍDICA/FIBRA DE CARBONO POR MEIO DAS TÉCNICAS DSC E DMTA.

ESTUDO DA CURA DE PREPREG DE RESINA EPOXÍDICA/FIBRA DE CARBONO POR MEIO DAS TÉCNICAS DSC E DMTA. ESTUDO DA CURA DE PREPREG DE RESINA EPOXÍDICA/FIBRA DE CARBONO POR MEIO DAS TÉCNICAS DSC E DMTA. Vanesa C. G. M. Ferrari 1, Vera L. Lourenço 2, M. F. P. Azevedo 2, L. H. David 2 1 - Departamento de Engenharia

Leia mais

Raquel Bombarda Campanha AMIDOS NATIVOS E SUAS DEXTRINAS NAEGELI

Raquel Bombarda Campanha AMIDOS NATIVOS E SUAS DEXTRINAS NAEGELI Raquel Bombarda Campanha CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS E ESTRUTURAIS DE AMIDOS NATIVOS E SUAS DEXTRINAS NAEGELI São José do Rio Preto 2010 Raquel Bombarda Campanha CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS E ESTRUTURAIS

Leia mais

DISPOSITIVO PARA MEDIR O DIFERENCIAL DE TEMPERATURA EM COLETORES SOLARES PARA AQUECIMENTO DE ÁGUA

DISPOSITIVO PARA MEDIR O DIFERENCIAL DE TEMPERATURA EM COLETORES SOLARES PARA AQUECIMENTO DE ÁGUA ASADES Avances en Energías Renovables y Medio Ambiente Vol. 15, 2011. Impreso en la Argentina. ISSN 0329-5184 DISPOSITIVO PARA MEDIR O DIFERENCIAL DE TEMPERATURA EM COLETORES SOLARES PARA AQUECIMENTO DE

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE FÓSFORO TOTAL EM MINÉRIOS DE FERRO POR ESPECTROFOTOMETRIA DE ABSORCAO MOLECULAR

DETERMINAÇÃO DE FÓSFORO TOTAL EM MINÉRIOS DE FERRO POR ESPECTROFOTOMETRIA DE ABSORCAO MOLECULAR DETERMINAÇÃO DE FÓSFORO TOTAL EM MINÉRIOS DE FERRO POR ESPECTROFOTOMETRIA DE ABSORCAO MOLECULAR Gracielle Jardim Evangelista Bolsista Capacitação Institucional Manuel Castro Carneiro Orientador, Químico,

Leia mais

PROPRIEDADES TÉRMICAS DA MASSA GRANULAR DE MILHETO, ALPISTE E PAINÇO: DETERMINAÇÃO E MODELAGEM

PROPRIEDADES TÉRMICAS DA MASSA GRANULAR DE MILHETO, ALPISTE E PAINÇO: DETERMINAÇÃO E MODELAGEM ISSN 1517-8595 39 PROPRIEDADES TÉRMICAS DA MASSA GRANULAR DE MILHETO, ALPISTE E PAINÇO: DETERMINAÇÃO E MODELAGEM Paulo Cesar Corrêa 1, Ednilton Tavares de Andrade 2, Paulo Cesar Afonso Júnior 3 RESUMO

Leia mais

Estudo Cinético da Cura de Resina Fenólica por DSC e DMTA

Estudo Cinético da Cura de Resina Fenólica por DSC e DMTA Anais do 14 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 28 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 2 a 23 28. Estudo Cinético da Cura de Resina

Leia mais

PROPRIEDADES TÉRMICAS DA MASSA GRANULAR DE MILHETO, ALPISTE E PAINÇO: DETERMINAÇÃO E MODELAGEM

PROPRIEDADES TÉRMICAS DA MASSA GRANULAR DE MILHETO, ALPISTE E PAINÇO: DETERMINAÇÃO E MODELAGEM ISSN 1517-8595 39 PROPRIEDADES TÉRMICAS DA MASSA GRANULAR DE MILHETO, ALPISTE E PAINÇO: DETERMINAÇÃO E MODELAGEM Paulo Cesar Corrêa 1, Ednilton Tavares de Andrade 2, Paulo Cesar Afonso Júnior 3 RESUMO

Leia mais

Princípios Básicos da Termogravimetria e Análise Térmica Diferencial/ Calorimetria Exploratória Diferencial

Princípios Básicos da Termogravimetria e Análise Térmica Diferencial/ Calorimetria Exploratória Diferencial Princípios Básicos da Termogravimetria e Análise Térmica Diferencial/ Calorimetria Exploratória Diferencial Prefácio A Análise Térmica foi introduzida no Brasil pelo Prof. Ernesto Giesbrecht, no início

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DA ABSORÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DE FEIJÃO DURANTE O PROCESSAMENTO DE ENLATADOS.

MODELAGEM MATEMÁTICA DA ABSORÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DE FEIJÃO DURANTE O PROCESSAMENTO DE ENLATADOS. MODELAGEM MATEMÁTICA DA ABSORÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DE FEIJÃO DURANTE O PROCESSAMENTO DE ENLATADOS. Lorena Brito Miranda 1 ; Glêndara Aparecida de Souza Martins 2 ; Warley Gramacho da Silva 3 1 Aluno

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO TÉRMICA DA ARGILA DE ANGÉLICA/MS. Km 12 Cx. P. 351; CEP 79804-970 Dourados MS; e-mail: aguinaldo.lenine@bol.com.br

CARACTERIZAÇÃO TÉRMICA DA ARGILA DE ANGÉLICA/MS. Km 12 Cx. P. 351; CEP 79804-970 Dourados MS; e-mail: aguinaldo.lenine@bol.com.br 28 de junho a 1º de julho de 2004 Curitiba-PR 1 CARACTERIZAÇÃO TÉRMICA DA ARGILA DE ANGÉLICA/MS A.L.ALVES 1, A.A.FERREIRA 1, A.A. ZANFOLIM 1, E.S. SARAIVA 2, A.R. SALVETTI 2 1 Universidade Estadual de

Leia mais

Anais do 11º Congresso Brasileiro de Polímeros Campos do Jordão, SP 16 a 20 de outubro de 2011.

Anais do 11º Congresso Brasileiro de Polímeros Campos do Jordão, SP 16 a 20 de outubro de 2011. Síntese e caracterização de derivados celulósicos obtidos a partir da celulose bacteriana Rafael L. de Oliveira 1*, Hernane Barud 1, Sidney J. L. Ribeiro 1, Younes Messaddeq 1 1 Instituto de Química Universidade

Leia mais

CAROTENÓIDES TOTAIS EM ACESSOS DE MANDIOCA BRAVA E MANDIOCA MANSA PERTENCENTES AO BAG DA EMBRAPA AMAZÔNIA ORIENTAL

CAROTENÓIDES TOTAIS EM ACESSOS DE MANDIOCA BRAVA E MANDIOCA MANSA PERTENCENTES AO BAG DA EMBRAPA AMAZÔNIA ORIENTAL CAROTENÓIDES TOTAIS EM ACESSOS DE MANDIOCA BRAVA E MANDIOCA MANSA PERTENCENTES AO BAG DA EMBRAPA AMAZÔNIA ORIENTAL Francisca das Chagas Bezerra de Araújo1, Roberto Lisboa Cunha2, Elisa Ferreira Moura3,

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS FRAÇÕES VOLUMÉTRICAS DE COMPÓSITO DE FIBRA DE CARBONO E MATRIZ EPÓXI POR DIFERENTES METODOLOGIAS

DETERMINAÇÃO DAS FRAÇÕES VOLUMÉTRICAS DE COMPÓSITO DE FIBRA DE CARBONO E MATRIZ EPÓXI POR DIFERENTES METODOLOGIAS DETERMINAÇÃO DAS FRAÇÕES VOLUMÉTRICAS DE COMPÓSITO DE FIBRA DE CARBONO E MATRIZ EPÓXI POR DIFERENTES METODOLOGIAS C. Giovedi 1, G. Marinucci 2, P.R. Rouse 1 e A.L.L. Cláudio 1 1 Centro Tecnológico da Marinha

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DELINEAMENTOS DO TIPO CROSSOVER EM ESTUDOS DE BIOEQUIVALÊNCIA

COMPARAÇÃO DE DELINEAMENTOS DO TIPO CROSSOVER EM ESTUDOS DE BIOEQUIVALÊNCIA COMPARAÇÃO DE DELINEAMENTOS DO TIPO CROSSOVER EM ESTUDOS DE BIOEQUIVALÊNCIA Rodolfo Rodrigo Pereira Santos 1 (*), Arminda Lucia Siqueira 1, Daniela Monteiro Braga 2 1 Departamento de Estatística, Universidade

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045

TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045 TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045 Daniel Favalessa, Edésio Anunciação Santos Filho, Gilberto Prevital, Heriberto Guisso, João Paulo

Leia mais

Influência da Moagem de Alta Energia na porosidade de produtos da metalurgia do pó

Influência da Moagem de Alta Energia na porosidade de produtos da metalurgia do pó Influência da Moagem de Alta Energia na porosidade de produtos da metalurgia do pó Kahl Zilnyk (UEPG) E-mail: 061040724@uepg.com Osvaldo Mitsuyuki Cintho (UEPG) E-mail: omcintho@uepg.com Resumo: Neste

Leia mais

Escola de Engenharia de Lorena USP - Cinética Química Capítulo 05 Reações Irreversiveis a Volume Varíavel

Escola de Engenharia de Lorena USP - Cinética Química Capítulo 05 Reações Irreversiveis a Volume Varíavel 1 - Calcule a fração de conversão volumétrica (ε A) para as condições apresentadas: Item Reação Condição da Alimentação R: (ε A ) A A 3R 5% molar de inertes 1,5 B (CH 3 ) O CH 4 + H + CO 30% em peso de

Leia mais

Processos Fermentativos

Processos Fermentativos CONCEITOS Reações químicas x Reações Bioquímicas Processos químicos: Realizado entre compostos químicos usando-se catalisadores químicos. Processos Enzimáticos: Transformação química realizada por catalisadores

Leia mais

DANIEL BATISTA SEGOVIA WAGNER EMMERICH DUTRA

DANIEL BATISTA SEGOVIA WAGNER EMMERICH DUTRA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO - UFES CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO - CEUNES DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA SAÚDE, BIOLÓGICAS E AGRÁRIAS CURSO DE FARMÁCIA PROFESSOR M.SC.JOHNSON MOURA

Leia mais

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Resumo Com uma abordagem prática este trabalho proporcionará uma visão do projeto de implantação de um sistema LIMS com o objetivo de eliminar totalmente o

Leia mais

OBTENÇÃO DE PÓS DE NdFeB POR HDDR A PARTIR DE ÍMÃS SINTERIZADOS

OBTENÇÃO DE PÓS DE NdFeB POR HDDR A PARTIR DE ÍMÃS SINTERIZADOS OBTENÇÃO DE PÓS DE NdFeB POR HDDR A PARTIR DE ÍMÃS SINTERIZADOS S.R. Janasi (1,2), B.F.A.da Silva (1,3), D. Rodrigues (1), F,J.G. Landgraf. (1,2), H.Takiishi (3), M.F.de Campos (4) (1) IPT- Laboratório

Leia mais

ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS

ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS À SAÚDE Beatriz da Silveira Pinheiro Beatriz da Silveira Pinheiro Embrapa Estudos e Capacitação Arroz e Feijão Associados, constituem a base da dieta

Leia mais

Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 3

Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 3 Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 3 9º ano do Ensino Fundamental/1º ano do Ensino Médio Objetivo Vivenciar conceitos importantes sobre a classificação dos diversos tipos

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE EES NO AUXÍLIO AO DESENVOLVIMENTO DE TRABALHOS ACADÊMICOS E DE PROJETOS DE P&D

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE EES NO AUXÍLIO AO DESENVOLVIMENTO DE TRABALHOS ACADÊMICOS E DE PROJETOS DE P&D UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE EES NO AUXÍLIO AO DESENVOLVIMENTO DE TRABALHOS ACADÊMICOS E DE PROJETOS DE P&D Alexandre Marcial da Silva alexandre.marcial@green.pucminas.br Pontifícia Universidade Católica de

Leia mais

ESTUDO DOS PICOS DUPLOS NA REGIÃO DE CRISTALIZAÇÃO DE PET E BLENDAS PET/PS E PET/SAN. Double crystallization peaks in PET/PS and PET/SAN blends

ESTUDO DOS PICOS DUPLOS NA REGIÃO DE CRISTALIZAÇÃO DE PET E BLENDAS PET/PS E PET/SAN. Double crystallization peaks in PET/PS and PET/SAN blends ESTUDO DOS PICOS DUPLOS NA REGIÃO DE CRISTALIZAÇÃO DE PET E BLENDAS PET/PS E PET/SAN Renate M. R. Wellen 1*, Eduardo L. Canedo 2, Marcelo S. Rabello 2 1 Instituto de Tecnologia de Pernambuco ITEP Recife

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE ALIMENTOS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE ALIMENTOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE ALIMENTOS EFEITO DA ADIÇÃO DE PROTEÍNA NAS PROPRIEDADES FÍSICAS E REOLÓGICAS DOS GÉIS OBTIDOS A PARTIR DE AMIDO

Leia mais

Palavra-chave: palha de milho, CNC, nêspera, coberturas, amido.

Palavra-chave: palha de milho, CNC, nêspera, coberturas, amido. Obtenção de whiskers a partir da fibra da palha de milho e efeito da Cobertura de amido adicionada de nanocristais de celulose em nêsperas in natura (Eriobothrya japonica) Carmem Carolina Ortega Aquino*

Leia mais

CINZA. É o resíduo inorgânico que permanece após a queima da matéria orgânica, que é transformada em CO 2, H 2 O e NO 2.

CINZA. É o resíduo inorgânico que permanece após a queima da matéria orgânica, que é transformada em CO 2, H 2 O e NO 2. CINZA É o resíduo inorgânico que permanece após a queima da matéria orgânica, que é transformada em CO 2, H 2 O e NO 2. A cinza é constituída principalmente de: Grandes quantidades: K, Na, Ca e Mg; Pequenas

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO TÉRMICA DE ARGILAS BENTONÍTICAS DESTINADAS À REMOÇÃO DE METAIS

CARACTERIZAÇÃO TÉRMICA DE ARGILAS BENTONÍTICAS DESTINADAS À REMOÇÃO DE METAIS CARACTERIZAÇÃO TÉRMICA DE ARGILAS BENTONÍTICAS DESTINADAS À REMOÇÃO DE METAIS A.F. de Almeida Neto (1), M.G.A. Vieira (2), M.G.C. da Silva (1) Av. Albert Einstein, 500, Cidade Universitária Zeferino Vaz,

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE ISOLANTES TÉRMICOS PARA COBERTURAS DO TIPO MANTA DE ALUMÍNIO E TELHADO VERDE (GREENROOF)

COMPARATIVO ENTRE ISOLANTES TÉRMICOS PARA COBERTURAS DO TIPO MANTA DE ALUMÍNIO E TELHADO VERDE (GREENROOF) UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA COMPARATIVO ENTRE ISOLANTES TÉRMICOS PARA COBERTURAS DO TIPO MANTA DE ALUMÍNIO E TELHADO VERDE (GREENROOF)

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE NEGRO-DE-FUMO EM TUBOS DE PEAD PARA ABASTECIMENTO DE ÁGUA COMPARAÇÃO ENTRE DOIS MÉTODOS

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE NEGRO-DE-FUMO EM TUBOS DE PEAD PARA ABASTECIMENTO DE ÁGUA COMPARAÇÃO ENTRE DOIS MÉTODOS PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO REDE METROLÓGICA DO ESTADO DE SÃO PAULO - REMESP REDE DE SANEAMENTO E ABASTECIMENTO DE ÁGUA - RESAG 29 a 31 de outubro de 2014 Local: Associação Brasileira da Indústria de Máquinas

Leia mais

COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS GERADOS NA EMBRAPA RORAIMA

COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS GERADOS NA EMBRAPA RORAIMA COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS GERADOS NA EMBRAPA RORAIMA Teresinha Costa Silveira de Albuquerque 1 ; Rita de Cássia Pompeu de Sousa 2 ; Clara Lúcia Silva Figueiredo 3 ; Suelma Damasceno Oliveira Costa

Leia mais

Palavras-chave: extrusão termoplástica, snack, bandinha de feijão, quirera de arroz, propriedades funcionais tecnológicas.

Palavras-chave: extrusão termoplástica, snack, bandinha de feijão, quirera de arroz, propriedades funcionais tecnológicas. Caracterização Tecnológica de Snack obtido de farinha mista de feijão e arroz Ana Vânia Carvalho 1 ; Anderson Oliveira Rios 2 ; Gilberto Alves Noberto Figueiredo Neto 3 ; Lara Lima Seccadio 4 ; Pedro Ziulho

Leia mais

DNIT. Solos Compactação utilizando amostras não trabalhadas Método de Ensaio. Resumo. 8 Resultados... 4

DNIT. Solos Compactação utilizando amostras não trabalhadas Método de Ensaio. Resumo. 8 Resultados... 4 DNIT Janeiro/2013 NORMA DNIT 164/2013-ME Solos Compactação utilizando amostras não trabalhadas Método de Ensaio MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE IN- FRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE ALIMENTOS ANÁLISES TÉRMICAS DE ALIMENTOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE ALIMENTOS ANÁLISES TÉRMICAS DE ALIMENTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE ALIMENTOS ANÁLISES TÉRMICAS DE ALIMENTOS Regina Cristina A. De Lima TRANSIÇÕES DE FASE 1. Introdução Uma fase é um estado específico

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 IDENTIFICAÇÃO DE DIFERENTES ATIVIDADES EM MATERIAL BIOLÓGICO POR MEIO DO BIOSPECKLE LASER E DECOMPOSIÇÃO EM FREQUÊNCIAS ANDERSON GOMIDE COSTA 1, JUCIARA KEILA MARQUES 2 ; ISIS CELENA AMARAL 3, RAFAEL RODRIGUES

Leia mais

ISABEL CRISTINA NOGUEIRA ALVES DE MELO. PROPRIEDADES DA MADEIRA E DO CARVÃO VEGETAL EM CLONES DE HÍBRIDOS DE Eucalyptus, EM DIFERENTES AMBIENTES

ISABEL CRISTINA NOGUEIRA ALVES DE MELO. PROPRIEDADES DA MADEIRA E DO CARVÃO VEGETAL EM CLONES DE HÍBRIDOS DE Eucalyptus, EM DIFERENTES AMBIENTES ISABEL CRISTINA NOGUEIRA ALVES DE MELO PROPRIEDADES DA MADEIRA E DO CARVÃO VEGETAL EM CLONES DE HÍBRIDOS DE Eucalyptus, EM DIFERENTES AMBIENTES LAVRAS - MG 2013 ISABEL CRISTINA NOGUEIRA ALVES DE MELO PROPRIEDADES

Leia mais

SUMÁRIO MÓDULO 6 ALIMENTOS E NUTRIENTES ATIVIDADE 1 (PÁGINA 221)

SUMÁRIO MÓDULO 6 ALIMENTOS E NUTRIENTES ATIVIDADE 1 (PÁGINA 221) 1 SUMÁRIO Módulo 6 Alimentos e nutrientes... 1 Atividade 1 (página 221)... 1 Atividade 2 (página 228)... 1 Atividade 3 (página 229)... 2 Em Casa (pagina 231)... 3 Módulo 7 O processo de digestão I... 4

Leia mais

MAPA DE PREFERÊNCIA INTERNO DE GELEIAS MISTAS DE MAMÃO COM ARAÇÁ-BOI

MAPA DE PREFERÊNCIA INTERNO DE GELEIAS MISTAS DE MAMÃO COM ARAÇÁ-BOI MAPA DE PREFERÊNCIA INTERNO DE GELEIAS MISTAS DE MAMÃO COM ARAÇÁ-BOI Eliseth de Souza Viana 1, Jaciene Lopes de Jesus 2, Ronielli Cardoso Reis 1, Mercia Damasceno Fonseca 4, Célio Kersul do Sacramento

Leia mais

Capítulo 4. Resultados e Discussão

Capítulo 4. Resultados e Discussão Capítulo 4 Resultados e Discussão Os filmes poliméricos foram estudados por diferentes técnicas experimentais capazes de determinar a concentração de PHAmcl na superfície, sua influência na morfologia

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO

DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO Resumo Jefferson B. Venâncio 1, Josiléia Acordi Zanatta 2, Júlio Cesar Salton 2 Os sistemas de manejo de solo podem influenciar

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC. RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO (item a ser preenchido pela

Leia mais

AVALIAÇÃO DO GRAU DE CURA DE VERNIZES POR CALORIMETRIA EXPLORATÓRIA DIFERENCIAL (DSC) COMPARATIVAMENTE AOS MÉTODOS CONVENCIONAIS.

AVALIAÇÃO DO GRAU DE CURA DE VERNIZES POR CALORIMETRIA EXPLORATÓRIA DIFERENCIAL (DSC) COMPARATIVAMENTE AOS MÉTODOS CONVENCIONAIS. AVALIAÇÃO DO GRAU DE CURA DE VERNIZES POR CALORIMETRIA EXPLORATÓRIA DIFERENCIAL (DSC) COMPARATIVAMENTE AOS MÉTODOS CONVENCIONAIS. Aliandra D. Barbutti 1a ; Jozeti B. Gatti 1b ; Silvia T. Dantas 1c ; Daniele

Leia mais

ESTABILIDADE TÉRMICA DO POLICARBONATO ADITIVADO

ESTABILIDADE TÉRMICA DO POLICARBONATO ADITIVADO ESTABILIDADE TÉRMICA DO POLICARBONATO ADITIVADO C. Saron e M.I. Felisberti Instituto de Química Universidade Estadual de campinas, Caixa Postal 6154. 13083-970 Campinas - SP, Brasil e-mail: saron@iqm.unicamp.br

Leia mais

TRANSFORMAÇÕES DE FASE EM AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX ANALISADAS POR CALORIMETRIA EXPLORATÓRIA DIFERENCIAL

TRANSFORMAÇÕES DE FASE EM AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX ANALISADAS POR CALORIMETRIA EXPLORATÓRIA DIFERENCIAL TRANSFORMAÇÕES DE FASE EM AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX ANALISADAS POR CALORIMETRIA EXPLORATÓRIA DIFERENCIAL PHASE TRANSFORMATIONS IN DUPLEX STAINLESS STEEL ANALYZED BY DIFFERENTIAL SCANNING CALORIMETRY José Mario

Leia mais

Plano da Intervenção

Plano da Intervenção INTERVENÇÃO Onde está o Amido? Pedro Goulart e Stefânia de Godoi Plano da Intervenção CONTEXTUALIZAÇÃO Os carboidratos estão presentes em uma grande parte de nossa alimentação. Nesta atividade prática,

Leia mais

EFEITO DA COMPACTAÇÃO ARTIFICIAL DE DOIS SOLOS LIMO-ARGILOSOS SÔBRE A PENETRA ÇÃO DAS RAÍZES DE ARROZ ( 1 )

EFEITO DA COMPACTAÇÃO ARTIFICIAL DE DOIS SOLOS LIMO-ARGILOSOS SÔBRE A PENETRA ÇÃO DAS RAÍZES DE ARROZ ( 1 ) EFEITO DA COMPACTAÇÃO ARTIFICIAL DE DOIS SOLOS LIMO-ARGILOSOS SÔBRE A PENETRA ÇÃO DAS RAÍZES DE ARROZ ( 1 ) FRANCISCO GROHMANN e JOSÉ PEREIRA DE QUEIROZ NETO, Seção de Agrogeo logia, Instituto Agronômico

Leia mais

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP Seminário Risco e Gestão do Seguro Rural no Brasil Mesa Redonda III Aquecimento global e impactos sobre o seguro agrícola Palestra: Aquecimento global e possíveis impactos econômicos sobre a agricultura

Leia mais

Graus-dia Estimado com Diferentes Valores de Temperatura Base na Cultura do Milho (zea mays l.)

Graus-dia Estimado com Diferentes Valores de Temperatura Base na Cultura do Milho (zea mays l.) Graus-dia Estimado com Diferentes Valores de Temperatura Base na Cultura do Milho (zea mays l.) XXIV Congresso Nacional de Milho e Sorgo - 01 a 05 de setembro de 2002 - Florianópolis - SC Luiz M. Aguiar1

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Uma das formas mais empregadas para produção

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Num laboratório químico, havia três frascos que continham, respectivamente, um alcano, um álcool e um alqueno. Foram realizados experimentos que envolviam

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE SARDINHAS ENLATADAS EM ÓLEO COMESTÍVEL, MOLHO DE TOMATE E AO NATURAL 1

ANÁLISE COMPARATIVA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE SARDINHAS ENLATADAS EM ÓLEO COMESTÍVEL, MOLHO DE TOMATE E AO NATURAL 1 ANÁLISE COMPARATIVA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE SARDINHAS ENLATADAS EM ÓLEO COMESTÍVEL, MOLHO DE TOMATE E AO NATURAL 1 CASSANEGO, Daniela Buzatti 2 ; MATTANNA, Paula 2 ; GUSSO, Ana Paula 2 ;

Leia mais

Palavras-chave: Castanha-do-brasil. Comportamento térmico. Morfologia.

Palavras-chave: Castanha-do-brasil. Comportamento térmico. Morfologia. AVALIAÇÃO DE MISTURAS PROTEICAS MISTAS COM FARINHA PARCIALMENTE DESENGORDURADA DE CASTANHA-DO-BRASIL E ISOLADO PROTEICO DE SOJA: COMPORTAMENTO TÉRMICO E MORFOLÓGICO Orquídea Vasconcelos dos Santos 1 Alessandra

Leia mais