8.5 Cálculo de indutância e densidade de energia magnética

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "8.5 Cálculo de indutância e densidade de energia magnética"

Transcrição

1 8.5 Cácuo de indutância e densidade de energia magnética Para agumas geometrias de mahas pode-se cacuar a indutância aproximadamente. Cacuamos aqui a indutância de uma maha que contém um soenoide ciíndrico densamente enroado e muito comprido. A maha se fecha com um arame iso e não muito mais comprido do que o soenoide como mostra a figura Fig Maha com um soenoide comprido e pequena área externa. Vamos imaginar que fua uma corrente I nesta maha. Dentro do soenoide vamos aproximar o campo magnético peo campo de um soenoide infinitamente comprido. Este é uniforme dentro do soenoide apontando na direção do eixo de simetria e tem o vaor N B = zˆ µ I (8.5.1). Nesta fórmua, N é o número de espiras enroadas e é o comprimento do soenoide. O vetor unitário ẑ aponta na direção do eixo do soenoide com o sentido que forma um parafuso direito com o sentido positivo da corrente que circua em vota do ciindro. Fora do soenoide há campo magnético gerado peo restante do fio que fecha o circuito e um fraco campo gerado peo soenoide devido ao fato de que este não é infinitamente comprido. No presente cácuo, vamos desprezar o fuxo magnético através desta área da maha que fica fora do soenoide. De fato pode-se tornar esta aproximação mais exata, evitando o fio externo que fecha o circuito. Pode-se enroar uma segunda camada no soenoide de ta forma que o fim do arame enroado acance o início. Desta forma não há área externa como mostrado na figura Fig Maha com soenoide de duas camadas sem área externa. Nesta figura desenhei o fio da segunda camada em vermeho para distinguir mehor as camadas. Com este tipo de circuito formado por um único soenoide de duas camadas, a aproximação se imita ao fato de que o campo magnético gerado não é exatamente aquee gerado por uma densidade superficia de corrente circuando num tubo infinitamente comprido. Fig Maha circuar com superfície orientáve marcada com a ajuda de um tecido eástico. Para o cácuo da indutância é necessário ter uma ideia da forma de uma superfície orientáve que tenha o fio da maha como beirada. Não é nada fáci imaginar ta superfície e no apêndice desta seção mostramos que nesta tarefa podemos encontrar surpresas. Para podermos visuaizar este tipo de superfície, vamos considerar somente o circuito da figura 8.5.1, que já põe um desafio à nossa imaginação. A superfície associada ao circuito da figura 8.5. é ainda muito mais compicada. Para ajudar nossa imaginação construí uma maha de arame em forma 49

2 circuar e coei um tecido bem eástico nesta modura redonda. O tecido marca no espaço uma superfície orientáve que possui o fio da maha como beirada. A figura mostra esta montagem. Fig Deformação da maha circuar da figura para formação de um soenoide. Depois do registro deste estado inicia, comecei a deformar o arame para formar um pequeno soenoide, não muito denso para poder enxergar os detahes da superfície. A figura mostra o início desta deformação e a figura o estado fina. Todas estas deformações da superfície, começando com a formação da primeira espira e terminando com o soenoide, são mudanças contínuas que mantêm a orientabiidade da superfície. Fig Superfície orientáve que tem uma maha com soenoide como beirada. A superfície dentro das espiras do soenoide mostra agumas rugas e compicações, mas percebemos que no cácuo da integra de fuxo do campo magnético entra apenas a projeção desta superfície compicada numa área circuar perpendicuar ao eixo do soenoide. Isto ocorre devido ao fato de que B ds =. Podemos formar uma superfície fechada com a superfície compicada numa das espiras do soenoide, com a superfície circuar projetada e com uma parte da atera do ciindro do soenoide, como indicado na figura B Fig Superfície fechada formada pea parcea do tecido aderente a uma espira (preto), por uma superfície circuar (magenta) e a parte atera do ciindro do soenoide (verde). Nesta figura mostrei a superfície circuar projetada como uma inha magenta, a superfície atera de verde e a superfície compicada como preta indicando simboicamente aguma dobra. Como não há fuxo na parte atera, segue que o fuxo através da superfície compicada é igua ao fuxo através da superfície circuar. Como o campo é uniforme, a integra resuta simpesmente numa mutipicação pea área deste círcuo. Cada espira contribui com um destes círcuos de projeção. Então o fuxo tota através da maha vae N π R Φ ˆ m = N B z π R = µ I (8.5.). Nesta fórmua, R é o raio do ciindro. De fato o campo da fórmua (8.5.1) vae também dentro de soenoides compridos de forma não redonda e neste caso podemos generaizar o resutado (8.5.) substituindo o π R pea área da secção transversa A do soenoide 43

3 Φ = N B zˆ A = µ m N A I (8.5.3). Percebemos que o fuxo é reamente proporciona ao vaor da corrente e a constante de proporcionaidade é a indutância que queríamos cacuar: L = µ N A (8.5.4). Podemos apicar esta fórmua de maneira semehante à apicação do cácuo de capacitância para chegar a uma densidade de energia do campo. Vamos substituir o resutado (8.5.4) na expressão da energia magnética, que cacuamos na seção anterior (fórmua ). Para um soenoide com corrente I vae L N A I EMag = I = µ (8.5.5). Com a (8.5.1) podemos escrever I em termos do campo magnético: B B I = (8.5.6). µ N Inserindo isto na (8.5.5), obtemos N A 1 B B B B E Mag = µ = A (8.5.7). µ N µ A é o voume da região com campo magnético diferente de zero. Este resutado nos deixa suspeitar que a densidade de energia magnética associada ao campo é B B ρ E Mag = (8.5.8). µ De fato, numa discipina de eetromagnetismo avançado, mostra-se com argumentos rigorosos que esta é a densidade de energia associada ao campo magnético numa região sem preenchimento de matéria. Na presença de agum materia há uma modificação desta fórmua que comentaremos num capítuo futuro. No capítuo 9 teremos os conhecimentos para poder entender que a anáise de circuito feita na seção anterior e o cácuo da indutância feita nesta seção são apenas aproximações. Na seção 9.1 discutiremos a vaidade destas aproximações. Pode-se considerar uma sorte que o uso destes cácuos aproximados eva à expressão correta da densidade de energia magnética. Exercícios: Fig Bobina toroida E 8.5.1: Mostramos que a corrente numa maha de resistência R e indutância L sem nenhum outro eemento é descrita pea ei horária ( ) exp R I t = I t L. Integrando a potência dissipada no resistor de t = até R a b h 431

4 t =, percebemos que a energia iniciamente armazenada no campo magnético vae L I. (a) Use a ei de Ampère para cacuar o campo magnético de um soenóide toroida com N espiras que eva uma corrente I (compare com a figura 8.5.7). (b) Cacue a indutância do soenóide. (c) Comprove, neste exempo, que a energia armazenada 1 µ 3 voume B( r ) ( ) B r d r. E 8.5.: Escreva os pontos de destaque desta seção. L I é igua à integra de 8.5 Apêndice: uma curiosidade. Na tentativa de visuaizar uma superfície que tenha uma maha com soenoide como beirada, podemos ter boas surpresas. Montei uma maha de um arame de ferro com um minissoenoide de apenas duas votas. Escohi este número pequeno de votas para tornar a superfície mais simpes, mas a mesma surpresa que teremos com esta maha poderíamos ter com uma com um soenoide muito comprido e densamente enroado. Para gerar uma superfície mais isa e bonita que aquea feita com um tecido eástico das figuras , eu merguhei esta maha numa soução de detergente com a intenção de criar uma superfície com uma âmina de íquido. A figura mostra uma fotografia desta experiência. Aparentemente há aguns buracos nesta âmina de íquido. Mas se trata apenas de um efeito da óptica. Em agumas regiões a âmina tem uma espessura ta que as duas refexões da uz nas interfaces íquido-ar dos dois ados interferem destrutivamente 1, e isto resuta na impressão de que a âmina tem buracos. Mas há reamente um buraco verdadeiro, e este fica num ugar muito surpreendente: justamente dentro do soenoide, onde no caso de um soenoide muito comprido com muitas espiras teria o campo magnético, não há âmina de água com detergente! Será então o fuxo magnético nuo? A soução deste enigma está na topoogia desta superfície. Examinando a âmina com cuidado, o eitor percebe que se trata de uma superfície não orientáve. Para deixar este fato mais caro reconstruí a amina de íquido com duas camadas de fita isoante, azu de um ado e preto do outro. Nas beiradas, ou seja, no arame as duas cores podem se encontrar sem vioar a orientabiidade. Para marcar a beirada mais caramente, pintei-a com tinta vermeha. Mas percebemos que há um encontro de azu com preto que não tem o arame como fronteira. Trata-se da inha que aparece na fotografia da âmina íquida entre duas espiras do soenoide começando numa pequena boha de espuma. A figura mostra a superfície criada com fita isoante mais ou menos com o mesmo ânguo de observação da figura A figura mostra um outro ânguo. Então qua é o vaor do fuxo magnético através desta superfície se tivermos corrente fuindo no arame? A resposta é: o fuxo através desta superfície não pode ser definido. Este conceito tem sentido somente para superfícies orientáveis! 1 Mais detahes sobre interferência de ondas uminosas veremos na discipina de Física IV. 43

5 Fig Superfície que tem uma maha com minissoenoide como beirada. A superfície está reaizada por uma âmina de íquido. Fig Reconstrução da superfície da figura com duas camadas de fita isoante, azu de um ado e preto do outro. 433

6 Fig Reconstrução da superfície da figura com duas camadas de fita isoante, azu de um ado e preto do outro. 434

4 DEFINIÇÃO DA GEOMETRIA, MALHA E PARÂMETROS DA SIMULAÇÃO

4 DEFINIÇÃO DA GEOMETRIA, MALHA E PARÂMETROS DA SIMULAÇÃO 4 DEFINIÇÃO DA GEOETRIA, ALHA E PARÂETROS DA SIULAÇÃO 4.1 Fornaha experimenta A fornaha experimenta utiizada como caso teste por Garreton (1994), era de 400kW aimentada com gás natura. Deste trabaho, estão

Leia mais

CIRCUITOS MAGNÉTICOS COM ÍMÃS PERMANENTES

CIRCUITOS MAGNÉTICOS COM ÍMÃS PERMANENTES 145 14 CIRCUITO MAGNÉTICO COM ÍMÃ PERMANENTE Considere o núceo de materia ferromanético mostrado na fiura 14.1, enroado com um enroamento de N espiras. Fazendo circuar por este enroamento uma corrente

Leia mais

CIRCUITOS MAGNÉTICOS LINEARES E NÃO LINEARES

CIRCUITOS MAGNÉTICOS LINEARES E NÃO LINEARES 7 9 CIRCUITOS MAGÉTICOS LIEARES E ÃO LIEARES Circuitos magnéticos são usados para concentrar o efeito magnético de uma corrente em uma região particuar do espaço. Em paavras mais simpes, o circuito direciona

Leia mais

CIRCUITOS MAGNÉTICOS COM ÍMÃS PERMANENTES

CIRCUITOS MAGNÉTICOS COM ÍMÃS PERMANENTES APOTILA E ELETROMAGNETIMO I 146 16 CIRCUITO MAGNÉTICO COM ÍMÃ PERMANENTE Iniciamente vamos considerar um materia ferromanético iustrado na fiura 16.1, enroado com N espiras condutoras em que circua uma

Leia mais

GABARITO LISTA 5 = REVISÃO GEOMETRIA ESPACIAL: PRISMAS, CILINDROS, PIRÂMIDES, CONES E ESFERAS.

GABARITO LISTA 5 = REVISÃO GEOMETRIA ESPACIAL: PRISMAS, CILINDROS, PIRÂMIDES, CONES E ESFERAS. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL COLÉGIO DE APLICAÇÃO - INSTITUTO DE MATEMÁTICA LABORATÓRIO DE PRÁTICA DE ENSINO EM MATEMÁTICA Professores: Luis Mazzei e Mariana Duro Acadêmicos: Marcos Vinícius

Leia mais

Plantas e mapas. Na Aula 17, aprendemos o conceito de semelhança

Plantas e mapas. Na Aula 17, aprendemos o conceito de semelhança A UA UL LA Pantas e mapas Introdução Na Aua 7, aprendemos o conceito de semehança de triânguos e vimos, na Aua 0, interessantes apicações desse conceito no cácuo de distâncias difíceis de serem medidas

Leia mais

ϕ ( + ) para rotações com o Flechas e deflexões

ϕ ( + ) para rotações com o Flechas e deflexões Fechas e defeões Seja uma barra reta, em euiíbrio, apoiada em suas etremidades, submetida a uma feão norma. Esta barra fetida, deia de ser reta assumindo uma forma, como a mostrada na figura. figura barra

Leia mais

O círculo e o número p

O círculo e o número p A UA UL LA 45 O círcuo e o número p Para pensar O círcuo é uma figura geométrica bastante comum em nosso dia-a-dia. Observe à sua vota quantos objetos circuares estão presentes: nas moedas, nos discos,

Leia mais

Projeção ortográfica de sólidos geométricos

Projeção ortográfica de sólidos geométricos Projeção ortográfica de sóidos geométricos Na aua anterior você ficou sabendo que a projeção ortográfica de um modeo em um único pano agumas vezes não representa o modeo ou partes dee em verdadeira grandeza.

Leia mais

Um dos conceitos mais utilizados em Matemática

Um dos conceitos mais utilizados em Matemática A UA UL LA A noção de função Introdução Um dos conceitos mais utiizados em Matemática é o de função. Ee se apica não somente a esta área, mas também à Física, à Química e à Bioogia, entre outras. Aém disso,

Leia mais

Recordando operações

Recordando operações A UA UL LA Recordando operações Introdução Vamos iniciar nosso curso de matemática do 2º grau recordando as quatro operações: adição subtração mutipicação divisão Vamos embrar como essas operações são

Leia mais

Método dos Deslocamentos

Método dos Deslocamentos Método dos Desocamentos formuação matemática do método das forças e dos desocamentos é bastante semehante, devendo a escoha do método de anáise incidir num ou noutro conforme seja mais vantajoso O método

Leia mais

Num determinado jogo de fichas, os valores

Num determinado jogo de fichas, os valores A UA UL LA Potências e raízes Para pensar Num determinado jogo de fichas, os vaores dessas fichas são os seguintes: 1 ficha vermeha vae 5 azuis; 1 ficha azu vae 5 brancas; 1 ficha branca vae 5 pretas;

Leia mais

A linguagem matemática

A linguagem matemática A UUL AL A A inguagem matemática Observe o texto abaixo. Ee foi extraído de um ivro de geometria chinês. Veja se, mesmo sem saber chinês, você consegue entender o tema do texto, ou seja, sobre o que o

Leia mais

Lista de Exercícios 7 Lei de Ampère

Lista de Exercícios 7 Lei de Ampère Lista de Exercícios 7 Lei de Ampère E8.1 Exercícios E8.1 Um fio de material supercondutor de raio igual a 10 µm transporta uma corrente de 100 A. Calcule o campo magnético na superfície do fio. R.,0 T.

Leia mais

φ = B A cosθ, em que θ é o ângulo formado entre a normal ao plano da

φ = B A cosθ, em que θ é o ângulo formado entre a normal ao plano da 01 As afirmativas: I) Falsa, pois o ângulo formado entre a normal ao plano da espira é de 60, assim o fluxo eletromagnético é: φ = B A cosθ, em que θ é o ângulo formado entre a normal ao plano da espira

Leia mais

1. Na Figura, o fluxo de campo magnético na espira aumenta de acordo com a equação

1. Na Figura, o fluxo de campo magnético na espira aumenta de acordo com a equação Lista de exercícios 9 - Indução e Indutância 1. Na Figura, o fluxo de campo magnético na espira aumenta de acordo com a equação φ B = 6,0t2 + 7,0t, onde φb está em miliwebers e t em segundos. (a) Qual

Leia mais

Parábola. Sumário Parábola com vértice V = (x o, y o ) e reta focal. paralela ao eixo OX... 7

Parábola. Sumário Parábola com vértice V = (x o, y o ) e reta focal. paralela ao eixo OX... 7 7 aráboa Sumário 7.1 Introdução....................... 2 7.2 aráboa........................ 3 7.3 ormas canônicas da paráboa............ 4 7.3.1 aráboa com vértice na origem e reta foca coincidente com

Leia mais

ANÁLISE ALTERNATIVA DE INTERAÇÕES MAGNÉTICAS.

ANÁLISE ALTERNATIVA DE INTERAÇÕES MAGNÉTICAS. ANÁLISE ALTERNATIVA DE INTERAÇÕES MAGNÉTICAS. 1 - Introdução. O presente trabalho visa o estabelecimento de uma nova abordagem no tratamento das interações magnéticas tendo como base o princípio fundamental

Leia mais

Na figura abaixo, a balança está em equilíbrio e as três melancias têm o mesmo peso. Nessas condições, qual é o peso (em kg) de cada melancia?

Na figura abaixo, a balança está em equilíbrio e as três melancias têm o mesmo peso. Nessas condições, qual é o peso (em kg) de cada melancia? A UUL AL A 5 Introdução à ágebra Na figura abaixo, a baança está em equiíbrio e as três meancias têm o mesmo peso. Nessas condições, qua é o peso (em ) de cada meancia? Para pensar 3 Uma barra de rapadura

Leia mais

C Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET RACIOCÍNIO LÓGICO

C Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET  RACIOCÍNIO LÓGICO C Curso destinado à preparação para Concursos Púbicos e Aprimoramento Profissiona via INTENET ACIOCÍNIO LÓGICO AULA 10 POLÍGONOS EGULAES TIÂNGULO EQUILÁTEO É o triânguo que apresenta os três ados iguais.

Leia mais

Conteúdo Eletromagnetismo: Campo Magnético gerado por um fio e por um solenoide.

Conteúdo Eletromagnetismo: Campo Magnético gerado por um fio e por um solenoide. AULA 16.1 Conteúdo Eletromagnetismo: Campo Magnético gerado por um fio e por um solenoide. Habilidades: Compreender os princípios físicos envolvidos no magnetismo e eletromagnetismo para relacionar fenômenos

Leia mais

Eletromagnetismo II. Prof. Daniel Orquiza. Prof. Daniel Orquiza de Carvalho

Eletromagnetismo II. Prof. Daniel Orquiza. Prof. Daniel Orquiza de Carvalho Eletromagnetismo II Prof. Daniel Orquiza Eletromagnetismo II Prof. Daniel Orquiza de Carvalho Eletromagnetismo II - Eletrostática Fluxo Magnético e LGM (Capítulo 7 Páginas 207a 209) Princípio da Superposição

Leia mais

Emerson Marcos Furtado

Emerson Marcos Furtado Emerson Marcos Furtado Mestre em Métodos Numéricos pea Universidade Federa do Paraná (UFPR). Graduado em Matemática pea UFPR. Professor do Ensino Médio nos estados do Paraná e Santa Catarina desde 199.

Leia mais

O que acontece quando uma substância se transforma?

O que acontece quando uma substância se transforma? O que acontece quando uma substância se transforma? A UU L AL A O que acontece numa reação química O que são reagentes e produtos O que significa reagir pásticos fibras sintéticas (cordas, tecidos etc.)

Leia mais

Exame Nacional de 2005 1. a chamada

Exame Nacional de 2005 1. a chamada Exame Naciona de 200 1. a chamada 1. Na escoa da Rita, fez-se um estudo sobre o gosto dos aunos pea eitura. Um inquérito reaizado incuía a questão seguinte. «Quantos ivros este desde o início do ano ectivo?»

Leia mais

Leandro Lima Rasmussen

Leandro Lima Rasmussen Resoução da ista de eercícios de Resistência dos Materiais Eercício 1) Leandro Lima Rasmussen No intuito de soucionar o probema, deve ser feita a superposição de casos: Um, considerando a chapa BC como

Leia mais

Calculando áreas. Após terem sido furadas, qual delas possui maior área?

Calculando áreas. Após terem sido furadas, qual delas possui maior área? A UA UL LA 53 5 Cacuando áreas Para pensar Imagine que você vá revestir o piso de sua saa com ajotas. Para saber a quantidade de ajotas necessária, o que é preciso conhecer: a área ou o perímetro da saa?

Leia mais

Retificadores (ENG ) Lista de Exercícios de Eletromagnetismo

Retificadores (ENG ) Lista de Exercícios de Eletromagnetismo Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Eletromagnetismo 01) Para o eletroimã da figura abaixo, determine: a) Calcule a densidade de fluxo no núcleo; b) Faça um esboço das linhas de campo e

Leia mais

Lista de Exercícios. Campo Magnético e Força Magnética

Lista de Exercícios. Campo Magnético e Força Magnética Lista de Exercícios Campo Magnético e Força Magnética 1. Um fio retilíneo e longo é percorrido por uma corrente contínua i = 2 A, no sentido indicado pela figura. Determine os campos magnéticos B P e B

Leia mais

painel sandwich poliuretano fachada

painel sandwich poliuretano fachada paine sandwich poiuretano fachada IRFAC nervurado parafuso à vista O paine de fachada IRFAC é produzido na argura de mm, com junta fechada ou aberta e em três tipos diferentes de acabamento, quer na face

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD PISM III- TRIÊNIO PROVA DE FÍSICA

COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD PISM III- TRIÊNIO PROVA DE FÍSICA PISM III- TRIÊNIO 008-00 Na solução da prova, use quando necessário: Aceleração da gravidade g = 0 m / s 8 ;Velocidade da luz no vácuo c = 3,0 0 m/s Permeabilidade magnética do vácuo = 7 µ T m A 0 4π 0

Leia mais

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA 4 ENTECA RESOLUÇÃO DE PÓRTICOS PLANOS ATRAVÉS DA ANÁLISE MATRICIAL DE ESTRUTURAS Marcio Leandro Micheim Acadêmico Engenharia Civi Universidade Estadua de Maringá e-mai: micheim_eng@hotmaicom Ismae Wison

Leia mais

MODELAÇÃO DA PROPAGAÇÃO DE ONDAS SÍSMICAS ATRAVÉS DO MÉTODO DOS ELEMENTOS DE FRONTEIRA

MODELAÇÃO DA PROPAGAÇÃO DE ONDAS SÍSMICAS ATRAVÉS DO MÉTODO DOS ELEMENTOS DE FRONTEIRA MODELAÇÃO DA PROPAGAÇÃO DE ONDAS SÍSMICAS ATRAVÉS DO MÉTODO DOS ELEMENTOS DE FRONTEIRA P. F. A. SANTOS Assistente DEC-FCTUC Coimbra A. J. B. TADEU Prof. Associado DEC-FCTUC Coimbra SUMÁRIO Neste trabaho

Leia mais

Capacitores e Indutores (Aula 7) Prof. Daniel Dotta

Capacitores e Indutores (Aula 7) Prof. Daniel Dotta Capacitores e Indutores (Aula 7) Prof. Daniel Dotta 1 Sumário Capacitor Indutor 2 Capacitor Componente passivo de circuito. Consiste de duas superfícies condutoras separadas por um material não condutor

Leia mais

d) calcule o potencial elétrico em qualquer ponto da superfície e do interior da esfera.

d) calcule o potencial elétrico em qualquer ponto da superfície e do interior da esfera. Na solução da prova, use quando necessário: 8 Velocidade da luz no vácuo c = 3, 1 m/s 7 Permeabilidade magnética do vácuo µ =4π 1 T m / A 9 2 2 Constante eletrostática no vácuo K=9 1 N m / C Questão 1

Leia mais

Elementos de Circuitos Elétricos

Elementos de Circuitos Elétricos Elementos de Circuitos Elétricos Corrente e Lei de Ohm Consideremos um condutor cilíndrico de seção reta de área S. Quando uma corrente flui pelo condutor, cargas se movem e existe um campo elétrico. A

Leia mais

INDUÇÃO MAGNÉTICA. Indução Magnética

INDUÇÃO MAGNÉTICA. Indução Magnética INDUÇÃO MAGNÉTIA Prof. ergio Turano de ouza Lei de Faraday Força eletromotriz Lei de Lenz Origem da força magnética e a conservação de energia.. 1 Uma corrente produz campo magnético Um campo magnético

Leia mais

Lista de Exercícios 3 Corrente elétrica e campo magnético

Lista de Exercícios 3 Corrente elétrica e campo magnético Lista de Exercícios 3 Corrente elétrica e campo magnético Exercícios Sugeridos (16/04/2007) A numeração corresponde ao Livros Textos A e B. A22.5 Um próton desloca-se com velocidade v = (2i 4j + k) m/s

Leia mais

Corrente elétrica. GRANDE revolução tecnológica. Definição de corrente Controle do movimento de cargas

Corrente elétrica. GRANDE revolução tecnológica. Definição de corrente Controle do movimento de cargas Definição de corrente Controle do movimento de cargas corrente elétrica{ GANDE revolução tecnológica fi eletrotécnica, eletrônica e microeletrônica (diversidade de aplicações!!) Ex. motores elétricos,

Leia mais

Duração do exame: 2:30h Leia o enunciado com atenção. Justifique todas as respostas. Identifique e numere todas as folhas da prova.

Duração do exame: 2:30h Leia o enunciado com atenção. Justifique todas as respostas. Identifique e numere todas as folhas da prova. Duração do exame: :3h Leia o enunciado com atenção. Justifique todas as respostas. Identifique e numere todas as folhas da prova. Problema Licenciatura em Engenharia e Arquitetura Naval Mestrado Integrado

Leia mais

Transdutores capacitivos e indutivos. Prof. Valner Brusamarello

Transdutores capacitivos e indutivos. Prof. Valner Brusamarello Transdutores capacitivos e indutivos Prof. Vaner Brusamareo Transdutores apacitivos Fornecem uma ateração da capacitância em resposta ao estímuo Ateração da distância, área ou dieétrico das pacas apacitor

Leia mais

Electromagnetismo Aula Teórica nº 21

Electromagnetismo Aula Teórica nº 21 Electromagnetismo Aula Teórica nº 21 Departamento de Engenharia Física Faculdade de Engenharia Universidade do Porto PJVG, LMM 1 Breve revisão da última aula Rotacional Rotacional Teorema de Stokes Forma

Leia mais

0 dl1 ˆr. r 2 1 (311) B 1 ds 2 I 1 (312)

0 dl1 ˆr. r 2 1 (311) B 1 ds 2 I 1 (312) 06 0.24 Indutância 0.24. Indutância mútua Analisemos agora a possível interacção entre dois circuitos: consideremos um circuito percorrido por uma corrente I, possivelmente variável no tempo, responsável

Leia mais

Lei de Ampere. 7.1 Lei de Biot-Savart

Lei de Ampere. 7.1 Lei de Biot-Savart Capítulo 7 Lei de Ampere No capítulo anterior, estudamos como cargas em movimento (correntes elétricas) sofrem forças magnéticas, quando na presença de campos magnéticos. Neste capítulo, consideramos como

Leia mais

Sétima Lista - Lei de Faraday

Sétima Lista - Lei de Faraday Sétima Lista - Lei de Faraday FGE211 - Física III Sumário O fluxo magnético através de uma superfície S é definido como Φ B = B da A Lei da Indução de Faraday afirma que a força eletromotriz (fem) induzida

Leia mais

- Carga elétrica - Força elétrica -Campo elétrico - Potencial elétrico - Corrente elétrica - Campo magnético -Força magnetica

- Carga elétrica - Força elétrica -Campo elétrico - Potencial elétrico - Corrente elétrica - Campo magnético -Força magnetica GOIÂNIA, / / 2016 PROFESSOR: Jonas Tavares DISCIPLINA: Física SÉRIE: 3º ALUNO(a): Trabalho Recuperação 1º semestre No Anhanguera você é + Enem RELAÇÃO DE CONTEÚDOS PARA RECUPERAÇÃO - Carga elétrica - Força

Leia mais

3 Estática das estruturas planas

3 Estática das estruturas planas STÁTI 3674 27 3 stática das estruturas panas 3.1 ácuo das reações vincuares - apoios 3.1.1 ondições de equiíbrio estático O equiíbrio estático de uma estrutura bidimensiona (a estrutura considerada, as

Leia mais

Eletromagnetismo: Bobinas, Eletroímanes e Motores Elétricos.

Eletromagnetismo: Bobinas, Eletroímanes e Motores Elétricos. Eletromagnetismo: Bobinas, Eletroímanes e Motores Elétricos www.fator-f.com info@fator-f.com Campo Magnético criado por uma corrente elétrica Campo Magnético criado por um fio, percorrido por uma corrente

Leia mais

Indução Magnética. E=N d Φ dt

Indução Magnética. E=N d Φ dt Indução Magnética Se uma bobina de N espiras é colocada em uma região onde o fluxo magnético está variando, existirá uma tensão elétrica induzida na bobina, e que pode ser calculada com o auxílio da Lei

Leia mais

PUC-RIO CB-CTC. P3 DE ELETROMAGNETISMO quarta-feira. Nome : Assinatura: Matrícula: Turma:

PUC-RIO CB-CTC. P3 DE ELETROMAGNETISMO quarta-feira. Nome : Assinatura: Matrícula: Turma: P3 1/6/13 PUC-IO CB-CTC P3 DE ELETOMAGNETISMO 1.6.13 quarta-feira Nome : Assinatura: Matrícula: Turma: NÃO SEÃO ACEITAS ESPOSTAS SEM JUSTIFICATIVAS E CÁLCULOS EXPLÍCITOS. Não é permitido destacar folhas

Leia mais

( ) ( ) ( ) ( ) ( ) (19) O ELITE RESOLVE IME 2012 MATEMÁTICA DISCURSIVAS MATEMÁTICA

( ) ( ) ( ) ( ) ( ) (19) O ELITE RESOLVE IME 2012 MATEMÁTICA DISCURSIVAS MATEMÁTICA (9) 5-0 O EITE ESOVE IME 0 MTEMÁTIC DISCUSIVS MTEMÁTIC QUESTÃO 0 O segundo, o sétimo e o vigésimo sétimo termos de uma rogressão ritmética () de números inteiros, de razão r, formam, nesta ordem, uma rogressão

Leia mais

do centro do cubo assim como o vetor posição r F . (d) Descreva em palavras qual é o ponto P cujo vetor posição r P é dado pela soma r

do centro do cubo assim como o vetor posição r F . (d) Descreva em palavras qual é o ponto P cujo vetor posição r P é dado pela soma r d E Vetores: ) Imagine um cubo com aresta de m alinhado com os eixo xyz de um sistema Cartesiano de coordenadas de tal forma que o cubo fique no primeiro oitante do sistema de coordenadas, que um dos vértices

Leia mais

Detecção de Infração em faixa de pedestres sem semáforos utilizando visão computacional e redes neurais

Detecção de Infração em faixa de pedestres sem semáforos utilizando visão computacional e redes neurais Detecção de Infração em faixa de pedestres sem semáforos utiizando visão computaciona e redes neurais Aves, B. G. C.; ima, A. C. de C. Departamento de Engenharia Eétrica - Escoa Poitécnica - UFBA, R. Aristides

Leia mais

Lei da Indução de Faraday

Lei da Indução de Faraday Nesta prática, vamos estudar campos magnéticos que variam entamente no tempo. ntroduziremos a ei de indução de Faraday e a verificaremos experimentamente. ntroduziremos o conceito de indutância, uma nova

Leia mais

SISTEMAS ELÉCTRICOS DE ENERGIA I Funcionamento das linhas aéreas. Porquê? Agora que eu sabia...

SISTEMAS ELÉCTRICOS DE ENERGIA I Funcionamento das linhas aéreas. Porquê? Agora que eu sabia... E ENERGIA I Parâmetros das linhas Resistência linear R = ρ S ' Isto já eu aprendi! Parece-me é que falta ol mas S S ρ ρ S secção efectiva ou equivalente S - secção real do condutor Porquê? Agora que eu

Leia mais

FIS Projeto de Apoio Eletromagnetismo

FIS Projeto de Apoio Eletromagnetismo FIS1053 - Projeto de Apoio Eletromagnetismo 7ª Lista de Problemas Tema: Biot-Savart 1º Questão: Seja a espira mostrada na figura ao lado que está no plano xy e na qual passa uma corrente i no sentido anti-horário.

Leia mais

10. CARGAS ACIDENTAIS E MÓVEIS; LINHAS DE INFLUÊNCIA

10. CARGAS ACIDENTAIS E MÓVEIS; LINHAS DE INFLUÊNCIA 10. CARGA ACIDENTAI E MÓVEI; LINHA DE INFLUÊNCIA 10.1. Introdução Diversas estruturas são soicitadas por cargas móveis. Exempos são pontes rodoviárias e ferroviárias ou pórticos industriais que suportam

Leia mais

Emerson Marcos Furtado

Emerson Marcos Furtado Emerson Marcos Furtado Mestre em Métodos Numéricos pea Universidade Federa do Paraná (UFPR). Graduado em Matemática pea UFPR. Professor do Ensino Médio nos estados do Paraná e Santa Catarina desde 199.

Leia mais

PHELIPPE FARIAS NUNES DE FREITAS. INDUTOR 153µH

PHELIPPE FARIAS NUNES DE FREITAS. INDUTOR 153µH DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE SISTEMAS ELETRÔNICOS PHELIPPE FARIAS NUNES DE FREITAS INDUTOR 153µH FLORIANÓPOLIS, MAIO DE 2008. CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICO

Leia mais

Prof. Fábio de Oliveira Borges

Prof. Fábio de Oliveira Borges Exercícios Prof. Fábio de Oliveira Borges Curso de Física II Instituto de Física, Universidade Federal Fluminense Niterói, Rio de Janeiro, Brasil http://cursos.if.uff.br/fisica2-2015/ Exercício 01 01)

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Centro das Ciências Exatas e Tecnologia Faculdades de Engenharia, Matemática, Física e Tecnologia

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Centro das Ciências Exatas e Tecnologia Faculdades de Engenharia, Matemática, Física e Tecnologia EXPERIÊNCIA - TORÓIDE FLUXÔMETRO A FLUXÔMETRO Instrumento por meio do qual pode ser executada a exploração de um campo magnético, podendo ser determinada a intensidade dos fluxos locais de indução magnética.

Leia mais

Introdução à Magneto-hidrodinâmica

Introdução à Magneto-hidrodinâmica Introdução à Magneto-hidrodinâmica Gilson Ronchi November, 013 1 Introdução A magneto-hidrodinâmica é o estudo das equações hidrodinâmicas em uidos condutores, em particular, em plasmas. Entre os principais

Leia mais

Projeto de Indutores para Alta Frequência

Projeto de Indutores para Alta Frequência Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Eletrônica de Potência Projeto de Indutores para Alta Frequência Prof. Clóvis Antônio Petry. Florianópolis,

Leia mais

Corrente elétrica e Resistência

Corrente elétrica e Resistência Capítulo 9 Corrente elétrica e Resistência 9.1 Transporte de Carga e Densidade de Corrente As correntes elétricas são causadas pelo movimento de portadores de carga. A corrente elétrica num fio é a medida

Leia mais

Eletromagnetismo I. Prof. Daniel Orquiza. Eletromagnetismo I. Prof. Daniel Orquiza de Carvalho

Eletromagnetismo I. Prof. Daniel Orquiza. Eletromagnetismo I. Prof. Daniel Orquiza de Carvalho de Carvalho - Eletrostática Energia e Potencial Elétrico (Capítulo 4 - Páginas 75 a 84no livro texto) Energia despendida no movimento de uma carga imersa num campo Elétrico. Diferença de potencial e potencial.

Leia mais

SOLUÇÃO ANALÍTICA E NUMÉRICA DA EQUAÇÃO DE LAPLACE

SOLUÇÃO ANALÍTICA E NUMÉRICA DA EQUAÇÃO DE LAPLACE 15 16 SOLUÇÃO ANALÍTICA E NUMÉRICA DA EQUAÇÃO DE LAPLACE 3. Todos os dispositivos elétricos funcionam baseados na ação de campos elétricos, produzidos por cargas elétricas, e campos magnéticos, produzidos

Leia mais

Como detergente tira gordura?

Como detergente tira gordura? A UU L AL A Como detergente tira gordura? O que é detergente Como o detergente age O que é espuma Como detergentes e sabões funcionam Qua é a diferença entre sabão e detergente O que você vai aprender

Leia mais

Por que o alumínio compete com o aço?

Por que o alumínio compete com o aço? Por que o aumínio compete com o aço? AUUL AL A Sobre carbono Extração do aumínio da bauxita Recicagem do aumínio As propriedades do aumínio Por que o aumínio não enferruja O que você vai aprender O que

Leia mais

Eletrostática. Antonio Carlos Siqueira de Lima. Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica

Eletrostática. Antonio Carlos Siqueira de Lima. Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Eletrostática Antonio Carlos Siqueira de Lima Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Agosto 2008 1 Campo Elétrico Campo Elétrico Devido a Distribuições

Leia mais

Abreviaturas:(s) = sólido; ( l) = líquido; (g) = gás;(aq) = aquoso; (conc) = concentrado; [A] = concentração de A em mol/l.

Abreviaturas:(s) = sólido; ( l) = líquido; (g) = gás;(aq) = aquoso; (conc) = concentrado; [A] = concentração de A em mol/l. Química Abreviaturas:(s) = sóido; ( ) = íquido; (g) = gás;(aq) = aquoso; (conc) = concentrado; [A] = concentração de A em mo/l. 7. Sabendo-se que - a amônia (NH ) é constituída por moécuas poares e apresenta

Leia mais

CAMPOS MAGNÉTICOS DEVIDO À CORRENTES

CAMPOS MAGNÉTICOS DEVIDO À CORRENTES Cálculo do campo magnético devido a uma corrente Considere um fio de forma arbitrária transportando uma corrente i. Qual o campo magnético db em um ponto P devido a um elemento de fio ds? Para fazer esse

Leia mais

2013, Relatório fis 3 exp 6 EXPERIMENTO 6: DETERMINAÇÃO DA CAPACITÂNCIA. Copyright B T

2013, Relatório fis 3 exp 6 EXPERIMENTO 6: DETERMINAÇÃO DA CAPACITÂNCIA. Copyright B T EXPERIMENTO 6: DETERMINAÇÃO DA CAPACITÂNCIA Introdução! Suspendendo-se uma agulha magnética de tal modo que ela possa girar livremente, ela se orienta em uma direção perfeitamente determinada. Este comportamento

Leia mais

ESTUDO DO CAMPO MAGNÉTICO NO INTERIOR DE UM SOLENÓIDE

ESTUDO DO CAMPO MAGNÉTICO NO INTERIOR DE UM SOLENÓIDE Departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Electromagnetismo A 009/010 ESTUDO DO CAMPO MAGNÉTICO NO INTERIOR DE UM SOLENÓIDE 1. O campo magnético no interior dum solenóide

Leia mais

Do que se compõe o ar?

Do que se compõe o ar? Não é um aimento, mas não podemos viver sem ee. É invisíve, apesar de ser a mais comum de todas as substâncias. stá sempre conosco, mas só o percebemos quando ee se move, quando tem cheiro ou quando está

Leia mais

Física Unidade VI Série 2

Física Unidade VI Série 2 01 A força magnética F é perpendicular, simultaneamente, ao campo indução B e a velocidade v. No entanto v e B não são, necessariamente, perpendiculares entre si. Resposta: B 1 02 Como a velocidade é paralelo

Leia mais

Laboratório de Ciências

Laboratório de Ciências Laboratório de Ciências 1º Aula CORRENTE ELÉTRICA MATERIAL A SER UTILIZADO: 1 conjunto para balanço de corrente com imã 1 aro de metal com agulha imantada (bússola) 1 fio de aço inox solução de bicarbonato

Leia mais

INDUÇÃO MAGNÉTICA (2)

INDUÇÃO MAGNÉTICA (2) INDUÇÃO MAGNÉTICA Material Utilizado: - uma bobina de campo (l = 750 mm, n = 485 espiras / mm) (PHYWE 11006.00) - um conjunto de bobinas de indução com número de espiras N e diâmetro D diversos (N = 300

Leia mais

Faraday observou que correntes variáveis em um circuito geram uma corrente em um circuito

Faraday observou que correntes variáveis em um circuito geram uma corrente em um circuito Capítulo 8 Lei de Faraday Ja vimos que cargas estáticas geram campos elétricos, enquanto cargas em movimento, i.e. correntes, geram campos magnéticos. Neste capítulo, veremos uma segunda maneira de gerar

Leia mais

B e sabendo que.( ) = 0 B = A (A é o vector potencial magnético) ( A) A t

B e sabendo que.( ) = 0 B = A (A é o vector potencial magnético) ( A) A t Campos variáveis no tempo e equações de Maxwell - 1 o Funções potenciais A divergência de um campo magnético é zero. 0 podemos escrever: B e sabendo que.( ) 0 B A (A é o vector potencial magnético) ( A)

Leia mais

Pré-dimensionamento de Lajes

Pré-dimensionamento de Lajes FAU/UFRJ - CONCEPÇÃO ESTRUTURAL - Prof. Reia Veasco e Prof. Vivian Bathar ROTEIRO PRÁTICO Pré-dimensionamentos de Eementos Estruturais de Concreto Armado Pré-dimensionamento de Lajes a) Lajes Maciças:

Leia mais

Atuais objetivos da normalização

Atuais objetivos da normalização A U L A Atuais objetivos da normaização Você agora vai estudar a útima parte deste assunto: os atuais objetivos da normaização. Pode-se dizer que a primeira fase da normaização, por vota de 1900 até os

Leia mais

Capitulo 28: A Lei de Faraday

Capitulo 28: A Lei de Faraday Capitulo 8: A Lei de Faraday 1.A Lei de Faraday Michael Faraday e Joseph Henry(1830) verificaram que campos magnéticos variáveis induzem corrente elétrica. Fem induzida na bobina Fem induzida não é localizada

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ENERGIA E AUTOMAÇÃO ELÉTRICAS PEA-2211: INTRODUÇÃO À ELETROMECÂNICA E À AUTOMAÇÃO

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ENERGIA E AUTOMAÇÃO ELÉTRICAS PEA-2211: INTRODUÇÃO À ELETROMECÂNICA E À AUTOMAÇÃO PEA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ENERGIA E AUTOMAÇÃO ELÉTRICAS PEA-11: INTRODUÇÃO À ELETROMECÂNICA E À AUTOMAÇÃO Produção de Forças 1 Introdução à Eletromecânica e à Automação PEA11 Produção de Forças

Leia mais

Precipitar, o que é isso?

Precipitar, o que é isso? Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ A UU L AL A Precipitar, o que é isso? Formação de precipitados Concentrar e diuir souções O que você vai aprender O que significa soúve e insoúve O que são hidróxidos

Leia mais

4. SOLUÇÕES FUNDAMENTAIS

4. SOLUÇÕES FUNDAMENTAIS 4. SOLUÇÕES FUNDAMENAIS Como visto no Capítuo (Seção.), os métodos de anáise de estruturas têm como metodoogia a superposição de casos básicos. No Método das Forças os casos básicos são souções estaticamente

Leia mais

Interface entre Líquido e Sólido

Interface entre Líquido e Sólido Interface entre íquido e Sólido Vamos considerar as condições na interface entre um líquido e um sólido. A forma tomada pelo líquido é determinada pela relação entre as seguintes forças que atuam nas suas

Leia mais

Triângulos especiais

Triângulos especiais A UA UL LA Triânguos especiais Introdução Nesta aua, estudaremos o caso de dois triânguos muito especiais - o equiátero e o retânguo - seus ados, seus ânguos e suas razões trigonométricas. Antes, vamos

Leia mais

1. Conceito de capacidade 2. Tipos de condensadores. 3. Associação de condensadores. 4. Energia de um condensador. 5. Condensador plano paralelo com

1. Conceito de capacidade 2. Tipos de condensadores. 3. Associação de condensadores. 4. Energia de um condensador. 5. Condensador plano paralelo com 1. Conceito de capacidade 2. Tipos de condensadores. 3. Associação de condensadores. 4. Energia de um condensador. 5. Condensador plano paralelo com dieléctrico. Utilidade: Armazenamento de carga e energia

Leia mais

CIRCUITOS MAGNÉTICOS LINEARES E NÃO LINEARES

CIRCUITOS MAGNÉTICOS LINEARES E NÃO LINEARES 7 3 CIRCUITO MAGNÉTICO LINEARE E NÃO LINEARE Circuitos maéticos são usados para cocetrar o efeito maético de uma correte em uma reião particuar do espaço. Em paavras mais simpes, o circuito direcioa o

Leia mais

Experimento 4 Indutores e circuitos RL com onda quadrada

Experimento 4 Indutores e circuitos RL com onda quadrada Experimento 4 Indutores e circuitos RL com onda quadrada 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento de indutores associados a resistores em circuitos alimentados com onda quadrada. 2.

Leia mais

TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Graduação em Engenharia Elétrica TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROF. FLÁVIO VANDERSON GOMES E-mail: flavio.gomes@ufjf.edu.br Aula Número: 06 2 - 3 4 5 6 7 8 9 10

Leia mais

ENG1200 Mecânica Geral Semestre Lista de Exercícios 6 Corpos Submersos

ENG1200 Mecânica Geral Semestre Lista de Exercícios 6 Corpos Submersos ENG1200 Mecânica Geral Semestre 2013.2 Lista de Exercícios 6 Corpos Submersos 1 Prova P3 2013.1 - O corpo submerso da figura abaixo tem 1m de comprimento perpendicularmente ao plano do papel e é formado

Leia mais

Notas de Aula: SET 188 Introdução à Isostática

Notas de Aula: SET 188 Introdução à Isostática Notas de Aula: Estruturas planas deslocáveis - Cabos Notas de Aula: SET 88 Introdução à Isostática Estruturas Planas Deslocáveis CABOS Notas de Aula: Estruturas planas deslocáveis - Cabos. Teoria Geral

Leia mais

Análise de Circuitos Acoplados Com a finalidade de mostrar os sentidos dos enrolamentos e seus efeitos sobre as tensões de inductância mútua: L M

Análise de Circuitos Acoplados Com a finalidade de mostrar os sentidos dos enrolamentos e seus efeitos sobre as tensões de inductância mútua: L M Análise de Circuitos Acoplados Com a finalidade de mostrar os sentidos dos enrolamentos e seus efeitos sobre as tensões de inductância mútua: a) L M = L ( + ) e e L M d = L + L d = L + L = L = L M M d

Leia mais

Computação Gráfica - 09

Computação Gráfica - 09 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Computação Gráfica - 9 jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav Objetos

Leia mais

Na parte interna teremos q =20mC e na parte externa teremos 2q= - 40mC. Alternativa Correta Letra A

Na parte interna teremos q =20mC e na parte externa teremos 2q= - 40mC. Alternativa Correta Letra A FÍSICA III P1-2013.1 1 ELETRIZAÇÃO EM CONDUTORES Nesse caso, vamos ter indução no condutor. As cargas negativas vão para a parte externa e as positivas são atraídas para mais próximo da carga q (que é

Leia mais

Cap. 2 - Lei de Gauss

Cap. 2 - Lei de Gauss Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Física Física III 2014/2 Cap. 2 - Lei de Gauss Prof. Elvis Soares Nesse capítulo, descreveremos a Lei de Gauss e um procedimento alternativo para cálculo

Leia mais

CIRCUITOS TRIFÁSICOS. VI.1 Produção da Tensão Trifásica:

CIRCUITOS TRIFÁSICOS. VI.1 Produção da Tensão Trifásica: RUOS RFÁSOS maior parte da geração, transmissão e utiização em ata potência da energia eétrica envove sistemas poiásicos, ou seja, sistemas nos quais são disponíveis diversas ontes de mesma ampitude com

Leia mais

Indutor ou bobina. É um componente formado por um fio esmaltado enrolado em torno de um núcleo.

Indutor ou bobina. É um componente formado por um fio esmaltado enrolado em torno de um núcleo. Indutor ou bobina. É um componente formado por um fio esmaltado enrolado em torno de um núcleo. A sua principal característica é introduzir indutância no circuito. Símbolos do indutor Indutância é a propriedade

Leia mais