ESPORTE PARA O DESENVOLVIMENTO HUMANO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESPORTE PARA O DESENVOLVIMENTO HUMANO"

Transcrição

1 ESPORTE PARA O DESENVOLVIMENTO HUMANO

2

3 O esporte é uma via privilegiada para o desenvolvimento humano. Por meio do esporte, as crianças e jovens têm oportunidade de desenvolver valores, atitudes e competências para realizar seu potencial e contribuir com transformações em suas comunidades. Por meio do esporte, é possível ultrapassar barreiras e ir além do que achávamos que era possível. Como um dos focos irradiadores da perspectiva de educação plena, o esporte pode encontrar um novo lugar nas escolas, capaz de gerar aprendizagens relevantes e necessárias ao desenvolvimento humano. O Instituto Ayrton Senna, organização não-governamental que promove melhorias na educação em parceria com redes públicas de ensino em todo o país, trabalha com esta perspectiva do esporte de forma articulada com as demais dimensões de vida em sua atuação para desenvolver iniciativas de educação plena conectada com o século 21. Por mais de 20 anos, o Instituto atuou diretamente com um programa de educação pelo esporte, e atualmente promove esta visão do esporte em uma proposta de educação integral no Ensino Médio, em uma rede de ciência para educação e em ações variadas de mobilização que disseminam o conceito para a sociedade em geral. A seguir, conheça mais sobre estas iniciativas em cada tópico.

4 EDUCAÇÃO PLENA E CORPO Para promover o desenvolvimento humano, a educação deve contemplar todas as dimensões do ser humano, inclusive a dimensão do corpo. Por meio de uma diversidade de experiências nas escolas, os alunos podem vivenciar práticas corporais significativas para sua aprendizagem nas quatro dimensões da educação plena*: aprender a ser aprender a conviver educação integral aprender a fazer aprender a conhecer * Em referência aos quatro pilares da educação apresentados pela UNESCO

5 PROGRAMA EDUCAÇÃO PELO ESPORTE Por mais de 20 anos, o Programa Educação pelo Esporte foi desenvolvido pelo Instituto Ayrton Senna e contribuiu para o desenvolvimento integral de crianças e jovens por meio do esporte. O objetivo do programa sempre foi apoiar profissionais e aproveitar os recursos disponíveis nos campi universitários para gerar conhecimento, formar professores e oferecer oportunidades educativas para crianças e jovens de comunidades ao redor das universidades. Iniciado por uma parceria com a Universidade de São Paulo, o programa chegou a envolver 14 universidades brasileiras, em 12 Estados. Foram mais de 90 mil crianças e jovens beneficiados e centenas de educadores capacitados. Atualmente, o Programa Educação pelo Esporte se concentra em iniciativas da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e da Universidade de São Paulo. Em 2015, a parceria com o CEPEUSP (Centro de Práticas Esportivas da USP) beneficiou mais de educadores, crianças e adolescentes

6 EDUCAÇÃO FÍSICA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INTEGRAL O Instituto Ayrton Senna desenvolveu, em parceria com a Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro, uma proposta de educação integral para o Ensino Médio que leva para as escolas inovações no currículo e nas práticas pedagógicas. Todas as áreas do conhecimento - inclusive as práticas de educação corporal - visam o desenvolvimento de competências para a vida: autoconhecimento, abertura para o novo, colaboração, comunicação, pensamento crítico, resolução de problemas, criatividade e responsabilidade. Nas escolas que adotam a proposta, a disciplina de Educação Física é organizada na área de linguagens, de forma integrada com Português, Artes e Língua Estrangeira. As práticas da disciplina abrangem esportes, jogos, ginásticas, danças e lutas. No Colégio Estadual Chico Anysio, no Rio de Janeiro, a disciplina de Educação Física é integrada à área de Linguagens e é voltada para o desenvolvimento de competências para a vida.

7 CIÊNCIA E CONSCIÊNCIA Nos últimos anos, o conhecimento científico sobre a relação entre corpo e aprendizagem avançou muito. Porém ainda existe um longo caminho para integrar essas descobertas às práticas escolares. Para fazer a ponte entre as ciências e a escola, o Instituto Ayrton Senna apoia a Rede Nacional de Ciência para Educação. Pesquisadores vinculados à Rede indicam que fatores fisiológicos e a maneira como tratamos o corpo na escola têm impactos na aprendizagem, além de sugerirem estreita relação entre níveis de atividade física e bem-estar geral, bem como em competências socioemocionais como comunicação, cooperação e resiliência.

8 Educadores e esportistas participam de eventos para disseminação de ideias e práticas vinculadas à educação pelo esporte.

9 MOBILIZAÇÃO Além de realizar ações diretas de promoção do Esporte para o Desenvolvimento Humano, o Instituto apoia ações de mobilização e advocacia pela causa. Em 2002, encabeçou a fundação técnica da rede Atletas do Bem, com o objetivo de disseminar os princípios e metodologias utilizados. Em 2005, correalizou o Congresso Internacional do Esporte pelo Desenvolvimento Humano, em parceria com a Unesco. O Instituto contribui também com os trabalhos da REMS (Rede do Esporte pela Mudança Social), que articula mais de 50 organizações brasileiras de diversas áreas temáticas que trabalham com o esporte como eixo associado a outros aspectos, como educação, gênero, desenvolvimento econômico, entre outros, com objetivo de fortalecer o movimento do esporte como instrumento de desenvolvimento humano.

10 INSTITUTO AYRTON SENNA Há mais de 20 anos, o Instituto Ayrton Senna contribui para ampliar as oportunidades de crianças e jovens por meio da educação. Nossa missão é desenvolver o ser humano por inteiro, preparando para a vida no século 21 em todas as suas dimensões. Impulsionados pela vontade do tricampeão de Fórmula 1 Ayrton Senna de construir um Brasil melhor, atuamos em parceria com gestores públicos, educadores, pesquisadores e outras organizações para construir políticas e práticas educacionais baseadas em evidências. Estamos em permanente processo de inovação, continuamente investigando novos conhecimentos para responder aos desafios de um mundo em constante transformação. Partindo dos principais desafios da educação identificados por gestores e educadores com quem trabalhamos no dia a dia, produzimos, sistematizamos e validamos conhecimentos críticos para o avanço da qualidade da educação, em um trabalho conjunto com as redes públicas de ensino. Todo o conhecimento produzido é compartilhado com mais atores por meio de iniciativas de formação, difusão, cooperação técnica e transferência de tecnologia. Nossas ações são financiadas por doações, recursos de licenciamento e por parcerias com a iniciativa privada. Considerando iniciativas voltadas para o Ensino Fundamental e o Ensino Médio, estamos em 17 Estados e mais de 660 municípios, apoiamos a formação de mais de 70 mil profissionais por ano e beneficiamos a educação de mais de 1,9 milhão de alunos por ano.

11

12 Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura Cátedra UNESCO de Educação e Desenvolvimento Humano Instituto Ayrton Senna, Brasil

AUGUSTO-SILVA, Alexandre 1 - PUCPR. LIMA, Paola Borges 2 - PUCPR. LOPES, Eduardo R 3 - PUCPR. SILVA, Karla M 4 - PUCPR

AUGUSTO-SILVA, Alexandre 1 - PUCPR. LIMA, Paola Borges 2 - PUCPR. LOPES, Eduardo R 3 - PUCPR. SILVA, Karla M 4 - PUCPR CONSTRUÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO PIBID/PUCPR: A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DOCENTE NO PROCESSO DA FORMAÇÃO ACADÊMICA DA LICENCIATURA Resumo AUGUSTO-SILVA, Alexandre 1 - PUCPR LIMA,

Leia mais

< >> IDENTIDADE 6 1 > A Companhia de Jesus e os Colégios 7 2 > O Colégio São João de Brito 14 CAPÍTULO II >>>> ORGANIZAÇÃO GERAL 18 19 22 27 1 > A Comunidade educativa 2 > Organização

Leia mais

Parte 1 Código / Área Temática. Educação Especial

Parte 1 Código / Área Temática. Educação Especial NOME DO CURSO: O Ensino de Língua Portuguesa como segunda língua para estudantes surdos e/ou com deficiência auditiva Nível: Especialização Modalidade: Presencial Parte 1 Código / Área Temática Código

Leia mais

Formação de Professores do Ensino Médio

Formação de Professores do Ensino Médio SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Formação de Professores do Ensino Médio O JOVEM COMO SUJEITO DO ENSINO MÉDIO CADERNO COMPLEMENTAR II COMISSÃO ORGANIZADORA SEEDUC-RJ Subsecretaria de

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO E OS TEMAS GERADORES

18º Congresso de Iniciação Científica EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO E OS TEMAS GERADORES 18º Congresso de Iniciação Científica EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO E OS TEMAS GERADORES Autor(es) TALINE MELEGA TOME Orientador(es) IDA CARNEIRO MARTINS 1. Introdução Segundo Cury (1997) o Ensino Médio

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: TRANSIÇÕES METODOLÓGICAS AO LONGO DA HISTÓRIA

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: TRANSIÇÕES METODOLÓGICAS AO LONGO DA HISTÓRIA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: TRANSIÇÕES METODOLÓGICAS AO LONGO DA HISTÓRIA SOUZA, Paloma Silva; ARAÚJO, Pablo Camilo de; SOUTO, Carlos Alberto Marinho de; ROCHA, Jéssica Sonaly da Costa; DUARTE, Lenilda Pessoa

Leia mais

Respostas dos alunos para perguntas do Ciclo de Debates

Respostas dos alunos para perguntas do Ciclo de Debates Respostas dos alunos para perguntas do Ciclo de Debates 1º ano do Ensino Fundamental I O que você gosta de fazer junto com a sua mã e? - Dançar e jogar um jogo de tabuleiro. - Eu gosto de jogar futebol

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR CURRÍCULO Algumas definições de currículo: É um caminho percorrido, ou a ser percorrido, com possibilidades de gerar novos conceitos. Sequência organizada de conteúdos de

Leia mais

C M D C A CONSELHO MUNICIPAL DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

C M D C A CONSELHO MUNICIPAL DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE C M D C A CONSELHO MUNICIPAL DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE RUA CONSELHEIRO ZACARIAS N 58 CENTRO TELEFONE 075 3641-8630 PROJETO ESCOLINHA DE FUTEBOL E KARATÈ ESPORTE CIDADÃO JUVENIL IDENTIFICAÇÃO: DENOMINAÇÃO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ISE

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ISE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ISE As atividades complementares estão regidas pelas Leis Federais 6494/77 e 889/94, regulamentadas pelos Decretos Federais 87497/8 e 80/96. Constitui-se como um procedimento

Leia mais

BASES CONVOCATORIA EMPRESAS EM CABO VERDE

BASES CONVOCATORIA EMPRESAS EM CABO VERDE EM CABO VERDE Projecto Rede de Unidades de Promoçäo da Inovaçäo para o desenvolvimento da terceira missäo das Universidades e a cooperaçäo institucional através da Inovaçäo Aberta, programa PCTMAC, cofinanciado

Leia mais

Programa de Atividades Complementares (PAC) da UFC

Programa de Atividades Complementares (PAC) da UFC TUTORIAL Atividades voltadas para fomentar a articulação entre TEORIA e PRÁTICA e a COMPLEMENTAÇÃO, por parte do estudante, dos saberes e habilidades necessárias à sua FORMAÇÃO. Programa de Atividades

Leia mais

vvencendo Oportunidade. Superação. Transformação. no esporte e na vida.

vvencendo Oportunidade. Superação. Transformação. no esporte e na vida. o Oportunidade. Superação. Transformação. Poucos recursos, muitos obstáculos e uma grande vontade de vencer. As adversidades que desde cedo aprendeu a enfrentar só fizeram fortalecer a sua garra e a sua

Leia mais

A FORMAC AO DE PROFESSORES NO BRASIL: PROBLEMAS E PERSPECTIVAS

A FORMAC AO DE PROFESSORES NO BRASIL: PROBLEMAS E PERSPECTIVAS 1 A FORMAC AO DE PROFESSORES NO BRASIL: PROBLEMAS E PERSPECTIVAS Paini, Leonor Dias * Greco, Eliana Alves ** Amblard, Viviane Maria Lauer Bressan *** RESUMO: Este trabalho objetiva refletir sobre a situacionalidade

Leia mais

Codigo Especificacao Projetos Atividades Oper. Especiais Total

Codigo Especificacao Projetos Atividades Oper. Especiais Total Estado do Parana Programa de Trabalho Folha: 1 Orgao...: 02 GOVERNO MUNICIPAL Unidade Orcamentaria: 02.01 GABINETE DO PREFEITO 04.000.0000.0.000.000 Administracao 31.191,67 31.191,67 04.122.0000.0.000.000

Leia mais

GRADE CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇAO FÍSICA DA FAEFID / UFJF

GRADE CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇAO FÍSICA DA FAEFID / UFJF 1 GRADE CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇAO FÍSICA DA FAEFID / UFJF JANEIRO DE 2007. APROVADA EM 31 DE JANEIRO DE 2007 HABILITAÇAO EM LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA (L) HABILITAÇAO EM BACHARELADO

Leia mais

Matriz 2008... 02. Matriz 2010... 04. Matriz 2013... 06

Matriz 2008... 02. Matriz 2010... 04. Matriz 2013... 06 Página 1 EMENTAS Sumário Matriz 2008... 02 Matriz 2010... 04 Matriz 2013... 06 Página 2 MATRIZ CURRICULAR 2008 1º Período Anatomia do Aparelho Locomotor 72 72 Coletivas I Bases Teórico-Metodológicas da

Leia mais

Duração da atividade: Recomendam-se cinco encontros/aulas, com duração de uma hora-aula para cada encontro.

Duração da atividade: Recomendam-se cinco encontros/aulas, com duração de uma hora-aula para cada encontro. Nível de ensino: Ensino Fundamental Componente Curricular: Educação Física Modalidade: Futsal Duração da atividade: Recomendam-se cinco encontros/aulas, com duração de uma hora-aula para cada encontro.

Leia mais

A REFORMULAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

A REFORMULAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA A REFORMULAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA Marilene Cesário 1 Ângela Pereira Teixeira Victoria Palma 2 José Augusto Victoria Palma 3 RESUMO

Leia mais

PORTARIA CE Nº 26, de 30 de junho de 2014.

PORTARIA CE Nº 26, de 30 de junho de 2014. PORTARIA CE Nº 26, de 30 de junho de 2014. Regulamenta o procedimento de concessão de créditos para as atividades complementares dos alunos dos Cursos de Graduação em Engenharia Industrial Madeireira ingressantes

Leia mais

Clipping de Notícias Educacionais. Fontes: Agência Brasil, MEC, O Globo e UOL.

Clipping de Notícias Educacionais. Fontes: Agência Brasil, MEC, O Globo e UOL. Clipping 13/12/2011 SEMERJ www.semerj.org.br semerj@semerj.org.br Caso sua instituição ainda não seja associada ao SEMERJ, visite nosso site e descubra as vantagens em associar-se ao Sindicato das Entidades

Leia mais

LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A PRÁTICA DE ENSINO COMO ESPAÇO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA

LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A PRÁTICA DE ENSINO COMO ESPAÇO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A PRÁTICA DE ENSINO COMO ESPAÇO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA Resumo FINCK, Silvia Christina Madrid UEPG scmfinck@uol.com.br Área Temática: Educação: Práticas e Estágios

Leia mais

ARTE INOVA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS

ARTE INOVA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS MERCADO ARTE INOVA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS Com apoio da Embratel, Instituto Ayrton Senna qualifica ONGs para o Programa Cidadão 21 Arte OInstituto Ayrton Senna e a Embratel aliaram-se há três anos para

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

ANEXO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA ANEXO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA Aprovado pelo Colegiado do Curso de Bacharelado em Educação Física, em reunião

Leia mais

Parceria pelo Desenvolvimento da Educação Pública em Manaus. Instituto Ayrton Senna e CIEAM Agosto - 2015

Parceria pelo Desenvolvimento da Educação Pública em Manaus. Instituto Ayrton Senna e CIEAM Agosto - 2015 Parceria pelo Desenvolvimento da Educação Pública em Manaus Instituto Ayrton Senna e CIEAM Agosto - 2015 Escola do Século XIX Professor do Século XX Aluno do Século XXI Educação para o século XXI Trabalhamos

Leia mais

Secretaria Nacional de Juventude

Secretaria Nacional de Juventude Secretaria Nacional de Juventude A Política Nacional da Juventude é norteada por duas noçõ ções fundamentais: Gerar OPORTUNIDADES.. Assegurar DIREITOS POLÍTICA NACIONAL DE JUVENTUDE BREVE HISTÓRICO 2003/2004

Leia mais

Educação para o Século 21

Educação para o Século 21 Educação para o Século 21 O que é educação de qualidade? Ainda que seja difícil definir exatamente o que é qualidade, não há como negar que educação de qualidade é aquela que prepara para a vida. Esse

Leia mais

PIBID E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: QUAL METODOLOGIA DEVE SER UTILIZADA NAS AULAS?

PIBID E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: QUAL METODOLOGIA DEVE SER UTILIZADA NAS AULAS? 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PIBID E O

Leia mais

2-DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS - LICENCIATURA ORD PERÍODO DISCIPLINA NOME CRÉDITOS CH

2-DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS - LICENCIATURA ORD PERÍODO DISCIPLINA NOME CRÉDITOS CH Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF Centro de Gestão do Conhecimento Organizacional - CGCO Sistema Integrado de Gestão Acadêmica - SIGA Módulo Ensino Disciplinas da grade do curso: 1-DISCIPLINAS

Leia mais

AAARP PROJETO ATLETISMO. Acreditamos no poder da transformação através do esporte. E CIDADANIA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO ATLETISMO DE RIBEIRÃO PRETO

AAARP PROJETO ATLETISMO. Acreditamos no poder da transformação através do esporte. E CIDADANIA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO ATLETISMO DE RIBEIRÃO PRETO Acreditamos no poder da transformação através do esporte. Foto: Matheus urenha PROJETO ATLETISMO E CIDADANIA AAARP ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO ATLETISMO DE RIBEIRÃO PRETO Troféu Brasil de Atletismo, Equipe

Leia mais

Secretaria Nacional de Esporte, Educação, lazer e Inclusão Social Ações Estratégicas e Desafios. Profa. Andréa Ewerton Diretora- SNELIS- ME

Secretaria Nacional de Esporte, Educação, lazer e Inclusão Social Ações Estratégicas e Desafios. Profa. Andréa Ewerton Diretora- SNELIS- ME Secretaria Nacional de Esporte, Educação, lazer e Inclusão Social Ações Estratégicas e Desafios Profa. Andréa Ewerton Diretora- SNELIS- ME POLÍTICA NACIONAL DO ESPORTE Resolução 05/2005 CNE PRINCÍPIOS

Leia mais

01 Legislativa. 031 Acao Legislativa. 0135 Gestao Administrativa do Poder Legi 0136 Gestao Legislativa 0289 Recuperacao de Localidades Atingida

01 Legislativa. 031 Acao Legislativa. 0135 Gestao Administrativa do Poder Legi 0136 Gestao Legislativa 0289 Recuperacao de Localidades Atingida CLASSIFICACAO FUNCIONAL-PROGRAMATICA: CODIGO E ESTRUTURA ANEXO 05 DA LEI 4.320/64 10/03/2015 FOLHA: 1 01 Legislativa 02 Judiciaria 03 Essencial a Justica 04 Administracao 031 Acao Legislativa 032 Controle

Leia mais

A UNIMONTES E A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR EM MONTES CLAROS

A UNIMONTES E A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR EM MONTES CLAROS A UNIMONTES E A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR EM MONTES CLAROS ROMANA DE FÁTIMA CORDEIRO LEITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS-UNIMONTES romanafl@hotmail.com Introdução As transformações oriundas

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

Proposta Pedagógica para as Salas de Leitura: a experiência do Instituto Ayrton Senna em parceria com a SEE-SP e SEE-RJ

Proposta Pedagógica para as Salas de Leitura: a experiência do Instituto Ayrton Senna em parceria com a SEE-SP e SEE-RJ Proposta Pedagógica para as Salas de Leitura: a experiência do Instituto Ayrton Senna em parceria com a SEE-SP e SEE-RJ 0 DESENVOLVER O POTENCIAL DAS NOVAS GERAÇÕES Conhecimento aplicado 74.893 Educadores

Leia mais

O PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA PRÁTICA COMO AGENTE SOCIAL

O PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA PRÁTICA COMO AGENTE SOCIAL O PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA PRÁTICA COMO AGENTE SOCIAL David Marcos Emérito de Araújo (UFPI) Moacir Moreira da Cruz (SEDUC PI) GT 02 Formação de Professores Introdução O presente trabalho situa

Leia mais

Cartilha de conceitos e passo a passo para inscrição

Cartilha de conceitos e passo a passo para inscrição Cartilha de conceitos e passo a passo para inscrição Projeto PNE Sports Foto: André Valentim / Banco de Imagens Petrobras ÍNDICE APRESENTAÇÃO 06 INSCRIÇÃO 12 Passo a passo para Inscrição 13 TECNOLOGIA

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL 2014

PLANEJAMENTO ANUAL 2014 PLANEJAMENTO ANUAL 2014 Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA Período: Anual Professor: THIAGO BAPTISTA Série e segmento: 6º ANO 1º TRIMESTRE 2º TRIMESTRE 3º TRIMESTRE Objetivo Geral Estimular a participação de

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ENSINO SUPERIOR: DUAS MODALIDADES, UM CAMINHO CAMPO GRANDE, 10 DE MAIO DE 2011.

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ENSINO SUPERIOR: DUAS MODALIDADES, UM CAMINHO CAMPO GRANDE, 10 DE MAIO DE 2011. 1 EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ENSINO SUPERIOR: DUAS MODALIDADES, UM CAMINHO CAMPO GRANDE, 10 DE MAIO DE 2011. Adriana Amaral Flores Salles Uniderp-Anhanguera driafs@uol.com.br Glaucimara

Leia mais

DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR: QUANDO A RELIGIOSIDADE ATRAVESSA A PRÁTICA.

DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR: QUANDO A RELIGIOSIDADE ATRAVESSA A PRÁTICA. DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR: QUANDO A RELIGIOSIDADE ATRAVESSA A PRÁTICA. Amanda Pathiely Serrânia Faria UFG/FEFD 1 Orientador e Coautor: Prof. Dr. Alexandre Ferreira UFG/FEFD 2 Graduanda do curso de Licenciatura

Leia mais

Patrocínio Institucional Parcerias Apoio

Patrocínio Institucional Parcerias Apoio Patrocínio Institucional Parcerias Apoio O Grupo Cultural AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA, TÉCNICA E TECNOLÓGICA Edital nº 19, de 27 de abril

Leia mais

Pilar 2 Aprimorar as ações e a gestão pedagógica da Rede com foco no resultado dos alunos

Pilar 2 Aprimorar as ações e a gestão pedagógica da Rede com foco no resultado dos alunos Pilar 2 Aprimorar as ações e a gestão pedagógica da Rede com foco no resultado dos alunos Agosto de 2013 Secretaria de Estado da Educação Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo - SP 1 Os 5 pilares

Leia mais

Ministério do Esporte

Ministério do Esporte EDUCAÇÃO PELO ESPORTE PARA O DESENVOLVIMENTO HUMANO Ministério do Esporte Um brasileiro Ayrton Senna tinha Uma paixão pelo Brasil e seu povo Um sonho Ajudar a criar oportunidades de desenvolvimento para

Leia mais

Projeto Educação para o Esporte

Projeto Educação para o Esporte Coordenadoria Nacional das Entidades de Senhoras de Rotarianos Projeto Educação para o Esporte Coordenadora Nacional 2014/2016 Sonia Regina Garcia Melo 2 "UNIDADE SEM DIVERSIDADE É MONOTONIA; DIVERSIDADE

Leia mais

Perspectiva do esporte educacional em projetos sociais: o caso do programa Segundo Tempo e do Esporte e Lazer da Cidade

Perspectiva do esporte educacional em projetos sociais: o caso do programa Segundo Tempo e do Esporte e Lazer da Cidade Perspectiva do esporte educacional em projetos sociais: o caso do programa Segundo Tempo e do Esporte e Lazer da Cidade Resumo A chegada do esporte no mundo contemporâneo ficou marcada com a I Reunião

Leia mais

Reflexões a respeito da disciplina Pesquisa e prática pedagógica dos cursos de licenciatura do UniCEUB

Reflexões a respeito da disciplina Pesquisa e prática pedagógica dos cursos de licenciatura do UniCEUB Reflexões a respeito da disciplina Pesquisa e prática pedagógica dos cursos de licenciatura do UniCEUB 1 Breve histórico Carlos Charalambe Panagiotidis 1 Em 4 de março de 2002, o Diário Oficial da União

Leia mais

ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013

ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013 ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013 1.1 Organização Institucional Q1 Cumprimento da missão da

Leia mais

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE EDUCACAO INFANTIL INCLUSIVA EM CURITIBA VEJA COMO SUA EMPRESA PODE TRANSFORMAR ESTA IDEIA EM REALIDADE { Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura

Leia mais

PROGRAMA UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS E A CONTAMINAÇÃO AMBIENTAL POR PILHAS: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA.

PROGRAMA UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS E A CONTAMINAÇÃO AMBIENTAL POR PILHAS: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA. 7. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: EDUCAÇAO PROGRAMA UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS E A CONTAMINAÇÃO AMBIENTAL POR PILHAS: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA. SCHWEIGERT, Romacir

Leia mais

E FINANCIAMENTO PÚBLICO NA USP. Professor associado do Departamento de Engenharia de Produção da Escola Politécnica

E FINANCIAMENTO PÚBLICO NA USP. Professor associado do Departamento de Engenharia de Produção da Escola Politécnica FUNDAÇÕES DE APOIO E FINANCIAMENTO PÚBLICO NA USP Guilherme Ary Plonski Professor associado do Departamento de Engenharia de Produção da Escola Politécnica A legislação que rege a aplicação dos recursos

Leia mais

A Metrópole e a Questão Social

A Metrópole e a Questão Social A Metrópole e a Questão Social Território Desigualdades A Metrópole e a Questão Social Território Desigualdades Bem-Estar Social Renda Urbana Oportunidades A Metrópole e a Questão Social Território Desigualdades

Leia mais

FORMANDO PROFISSIONAIS PARA ATUAÇÃO NA EJA: O PAPEL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PEDAGOGIA NAS INSTITUIÇÕES E NOS MOVIMENTOS SOCIAIS

FORMANDO PROFISSIONAIS PARA ATUAÇÃO NA EJA: O PAPEL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PEDAGOGIA NAS INSTITUIÇÕES E NOS MOVIMENTOS SOCIAIS FORMANDO PROFISSIONAIS PARA ATUAÇÃO NA EJA: O PAPEL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PEDAGOGIA NAS INSTITUIÇÕES E NOS MOVIMENTOS SOCIAIS Jaqueline Luzia da Silva Universidade do Estado do Rio de Janeiro jackluzia@yahoo.com.br

Leia mais

DEMONSTRATIVO DA DESPESA POR ÓRGÃO E FUNÇÕES Anexo 9 - Lei 4.320/64 TOTAL GERAL: UF: MINAS GERAIS MUNICÍPIO: GUARANESIA FOLHA: 1 ORÇAMENTO 2009

DEMONSTRATIVO DA DESPESA POR ÓRGÃO E FUNÇÕES Anexo 9 - Lei 4.320/64 TOTAL GERAL: UF: MINAS GERAIS MUNICÍPIO: GUARANESIA FOLHA: 1 ORÇAMENTO 2009 FOLHA: 1 CÓDIGO DESCRIÇÃO Legislativa Judiciaria Essencial a Justica 646.000.00 565.180.00 646.000.00 565.180.00 FOLHA: 2 CÓDIGO DESCRIÇÃO Administracao Defesa Nacional Seguranca Publica 1.583.973.00 61.132.00

Leia mais

Perfil do País NESsT: Brasil

Perfil do País NESsT: Brasil Párcêiros Estrátê gicos Portfólio de Negócios NESsT A NESsT já conduziu trê s compêtiço ês dê nêgo cios sociáis no Brásil dêsdê o sêu lánçámênto êm 2007. Máis dê 55 orgánizáço ês brásilêirás cándidátárám-sê

Leia mais

PROPOSTA DE ATIVIDADE

PROPOSTA DE ATIVIDADE PROPOSTA DE ATIVIDADE 1- Título: Caça Enigma de Atividades Paradesportivas 2- Autora: Carmelina Ribeiro Toloczko 3- Aplicativo utilizado: BrOffice Calc 4- Disciplina: Educação Física 5- Objetivos / Expectativas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR. Relatório Anual de Atividades 2004 (01 de janeiro de 2004 a 31 de dezembro de 2004)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR. Relatório Anual de Atividades 2004 (01 de janeiro de 2004 a 31 de dezembro de 2004) 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR Relatório Anual de Atividades 2004 (01 de janeiro de 2004 a 31 de dezembro de 2004) RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO GRUPO PET- EF EM 2004

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE GRADUAÇÃO COMUNICAÇÃO SOCIAL, HABILITAÇÃO EM JORNALISMO

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE GRADUAÇÃO COMUNICAÇÃO SOCIAL, HABILITAÇÃO EM JORNALISMO Mantenedora FASIPE CENTRO EDUCACIONAL LTDA. Mantida FACULDADE FASIPE REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE GRADUAÇÃO COMUNICAÇÃO SOCIAL, HABILITAÇÃO EM JORNALISMO SINOP / MATO GROSSO Aprovado

Leia mais

O MOVIMENTO DA MATEMÁTICA MODERNA E A FORMAÇÃO DE GRUPOS DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO BRASIL

O MOVIMENTO DA MATEMÁTICA MODERNA E A FORMAÇÃO DE GRUPOS DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO BRASIL O MOVIMENTO DA MATEMÁTICA MODERNA E A FORMAÇÃO DE GRUPOS DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO BRASIL Gladys Denise Wielewski (gladysdw@brturbo.com.br) Universidade Federal de Mato Grosso/Cuiabá/Brasil Apoio

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO Despacho 2007 Nº PROJETO DE LEI Nº 1099/2007 Considera de utilidade pública o Grupo de Formadores de Educadores Populares GEFEP. Autor: Vereador Eliomar Coelho. DECRETA: A Câmara Municipal do Rio de Janeiro

Leia mais

Relatório Anual. Instituto Çarakura. Instituto Çarakura

Relatório Anual. Instituto Çarakura. Instituto Çarakura Resumo da ONG O é uma organização não governamental ambientalista que tem como finalidade promover atividades referentes a preservação e a conservação da natureza, a valorização da diversidade cultural

Leia mais

Orientações para informação das turmas do Programa Mais Educação/Ensino Médio Inovador

Orientações para informação das turmas do Programa Mais Educação/Ensino Médio Inovador Orientações para informação das turmas do Programa Mais Educação/Ensino Médio Inovador 1. Introdução O Programa Mais Educação e o Programa Ensino Médio Inovador são estratégias do Ministério da Educação

Leia mais

PROJETOS APOIADOS PROGRAMA DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2012-2013

PROJETOS APOIADOS PROGRAMA DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2012-2013 PROJETOS APOIADOS PROGRAMA DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2012-2013 Projetos Apoiados: 28 Beneficiários: 1.803 Valor Aplicado: 390.040,00 Número: 19784 Título: (EDITAL C&A) CONHECENDO E APROFUNDANDO A PEDAGOGIA

Leia mais

Resultado da Chamada Pública 02/2015 Edital Juventude Viva

Resultado da Chamada Pública 02/2015 Edital Juventude Viva Resultado da Chamada Pública 02/2015 Edital Juventude Viva A Secretaria Nacional de Juventude vem a público apresentar o resultado final da Chamada Pública N o 02/2015 SNJ/PR que tem por objetivo o desenvolvimento

Leia mais

Currículo Profissional

Currículo Profissional Currículo Profissional Ana Luiza Amaral Sant Anna Borba Formação Acadêmica e Titulação Título de Especialista em Psicopedagogia pelo Conselho Regional de Psicologia/SP Pós-Graduada em Psicopedagogia Graduada

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CAPACITAÇÃO

EIXO TECNOLÓGICO: DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CAPACITAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CAPACITAÇÃO Cursos destinados a pessoas com escolaridade variável, que objetivam desenvolver competências necessárias

Leia mais

TOTAL - FISCAL 48.333.886 TOTAL - SEGURIDADE 21.890.000 TOTAL - GERAL 70.223.886

TOTAL - FISCAL 48.333.886 TOTAL - SEGURIDADE 21.890.000 TOTAL - GERAL 70.223.886 UNIDADE : 26101 - MINISTERIO DA EDUCACAO 0910 OPERACOES ESPECIAIS: GESTAO DA PARTICIPACAO EM ORGANISMOS INTERNACIONAIS 500.000 OPERACOES ESPECIAIS 12 212 0910 00B9 CONTRIBUICAO A ORGANIZACAO DAS NACOES

Leia mais

Índice AMPLIANDO A FRONTEIRA DA EDUCAÇÃO...4. Novos paradigmas para a educação...5. O Brasil e a educação para o século 21...6

Índice AMPLIANDO A FRONTEIRA DA EDUCAÇÃO...4. Novos paradigmas para a educação...5. O Brasil e a educação para o século 21...6 Índice AMPLIANDO A FRONTEIRA DA EDUCAÇÃO....4 Novos paradigmas para a educação....5 O Brasil e a educação para o século 21....6 O Instituto Ayrton Senna e a educação para o século 21....7 DESENVOLVENDO

Leia mais

Projeto GENTE- Ginásio Experimental de Novas Tecnologias Educacionais/ Escola Municipal André Urani RJ. 27/06/2013

Projeto GENTE- Ginásio Experimental de Novas Tecnologias Educacionais/ Escola Municipal André Urani RJ. 27/06/2013 Projeto GENTE- Ginásio Experimental de Novas Tecnologias Educacionais/ Escola Municipal André Urani RJ. 27/06/2013 Esta visita foi feita no dia 27/06/13, por Maria Rosa Chaves Künzle, integrante do GT

Leia mais

GABARITOS PRELIMINARES

GABARITOS PRELIMINARES PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE RIO NEGRINHO ESTADO DE SANTA CATARINA CONCURSO PÚBLICO GABARITOS PRELIMINARES A Comissão Especial do Concurso Público da Prefeitura do Município de Rio Negrinho, estado de Santa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular CICLO GERAL OU CICLO BÁSICO AR081- FOLCLORE BRASILEIRO OBRIGATÓRIO 1 30 30 60 3 Fórmula: AR280 AR280- FOLCLORE BRASILEIRO FOLCLORE, ORIGENS, CAMPOS DE ATUAÇÃO E INTERLIGAÇÃO COM OUTRAS CIÊNCIAS, INFLUÊNCIA

Leia mais

São Paulo, Ano I, n. 01, jan./abr. de 2014 ISSN 2358-0224. Podemos falar de ética nas práticas de consumo?

São Paulo, Ano I, n. 01, jan./abr. de 2014 ISSN 2358-0224. Podemos falar de ética nas práticas de consumo? São Paulo, Ano I, n. 01, jan./abr. de 2014 ISSN 2358-0224 9 772358 022003 Podemos falar de ética nas práticas de consumo? Universidade, uma usina de força intelectual Paulo Alonso 1 universidade novas

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO NO CONTEXTO ESCOLAR E DE FORMAÇÃO. FINCK, Silvia Christina Madrid UEPG scmfinck@uol.com.

EDUCAÇÃO FÍSICA: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO NO CONTEXTO ESCOLAR E DE FORMAÇÃO. FINCK, Silvia Christina Madrid UEPG scmfinck@uol.com. EDUCAÇÃO FÍSICA: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO NO CONTEXTO ESCOLAR E DE FORMAÇÃO FINCK, Silvia Christina Madrid UEPG scmfinck@uol.com.br EIXO: Formação de Professores / n. 10 Agência Financiadora: Sem

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação do Centro Universitário Salesiano de São Paulo.

Regulamento das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação do Centro Universitário Salesiano de São Paulo. Regulamento das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação do Centro Universitário Salesiano de São Paulo. Aprovado na Reunião do Conselho Universitário em 26/11/2011 através da Resolução CONSU

Leia mais

Didática Específica (Educação Física)

Didática Específica (Educação Física) Didática Específica (Educação Física) Professora conteudista: Marta Scarpato Doutora em Educação (Psicologia da Educação) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Mestra em Educação

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1. ª SÉRIE CÓDIGO DISCIPLINAS TEOR PRAT CHA PRÉ-REQUISITO 99-7233-02

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1. ª SÉRIE CÓDIGO DISCIPLINAS TEOR PRAT CHA PRÉ-REQUISITO 99-7233-02 MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA SERIADO ANUAL - MATUTINO/NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS

Leia mais

Daniel Carreira Filho Walter Roberto Correia (Organizadores) EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: docência e cotidiano

Daniel Carreira Filho Walter Roberto Correia (Organizadores) EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: docência e cotidiano Daniel Carreira Filho Walter Roberto Correia (Organizadores) EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: docência e cotidiano EDITORA CRV Curitiba Brasil 2010 APRESENTAÇÃO com o âmbito da Educação Física Escolar. O cenário

Leia mais

PRIMEIRO GRUPO ENSINO. ATIVIDADE DESCRIÇÃO PONTOS Monitoria reconhecida pela Pró- Reitoria Acadêmica (remunerada ou voluntária)

PRIMEIRO GRUPO ENSINO. ATIVIDADE DESCRIÇÃO PONTOS Monitoria reconhecida pela Pró- Reitoria Acadêmica (remunerada ou voluntária) Quadro de atividades complementares PRIMEIRO GRUPO ENSINO ATIVIDADE DESCRIÇÃO PONTOS Monitoria reconhecida pela Pró- Reitoria Acadêmica (remunerada ou voluntária) Um semestre de exercício de monitoria,

Leia mais

Matriz Curricular Licenciatura

Matriz Curricular Licenciatura Matriz Curricular Licenciatura Resolução CONSEPE n 17H/20.11.2012 Vigência a partir de 2013.1 Período P1 Componentes Curriculares Carga Horária Equivalência CHT CHP LAB SEMI TOTAL A/S H/A H/R Futebol de

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

O que é planejamento?

O que é planejamento? PLANEJAMENTO E AÇÃO A DOCENTE DIDÁTICA Profa. Maria Aparecida Felix do Amaral e Silva 2005 O que é planejamento? Termo muito ambíguo. Busca equilíbrio entre meios e fins É um processo de tomada de decisão

Leia mais

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu GTT: Escola O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu Almir Zandoná Júnior 1 Fernando Henrique Silva Carneiro 2 Justificativa/Base teórica A entrada da Educação

Leia mais

JOGOS ESCOLARES E ESPORTE: DITANDO AS REGRAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR?

JOGOS ESCOLARES E ESPORTE: DITANDO AS REGRAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR? RESUMO JOGOS ESCOLARES E ESPORTE: DITANDO AS REGRAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR? Luís César Souza 1 Letícia de Queiroz Rezende 2 Ricardo Tavares de Oliveira 3 A presente pesquisa é realizada dentro

Leia mais

ESCOLA DE DEFESA. Linha de Gestão de Defesa. Ariela Leske arieladiniz2@hotmail.com 08 Jul 2015

ESCOLA DE DEFESA. Linha de Gestão de Defesa. Ariela Leske arieladiniz2@hotmail.com 08 Jul 2015 ESCOLA DE DEFESA Linha de Gestão de Defesa Ariela Leske arieladiniz2@hotmail.com 08 Jul 2015 Apresentação pessoal Ariela Diniz Cordeiro Leske Doutora em Economia Profa da linha Pesquisa de Gestão de Defesa

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA

UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA 1 UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA Resumo. Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa realizada nas Instituições de Ensino

Leia mais

Que tal investir parte dos impostos da sua empresa em um dos mais importantes e inovadores trabalhos socioesportivos do Brasil?

Que tal investir parte dos impostos da sua empresa em um dos mais importantes e inovadores trabalhos socioesportivos do Brasil? Que tal investir parte dos impostos da sua empresa em um dos mais importantes e inovadores trabalhos socioesportivos do Brasil? Conheça o Instituto Bola Pra Frente O Instituto Bola Pra Frente nasceu do

Leia mais

ESPAÇO TRANSFORMADOR. Institucionalizado para a Comunidade. Transformação Baseada na tomada de consciência, na descoberta e na mudança de atitudes e

ESPAÇO TRANSFORMADOR. Institucionalizado para a Comunidade. Transformação Baseada na tomada de consciência, na descoberta e na mudança de atitudes e ESPAÇO TRANSFORMADOR Transformação Baseada na tomada de consciência, na descoberta e na mudança de atitudes e comportamentos e especialmente na construção e aplicação dos conhecimentos apreendidos. Organização

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALGUMAS REFLEXÕES A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA CONCRETA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALGUMAS REFLEXÕES A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA CONCRETA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALGUMAS REFLEXÕES A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA CONCRETA Wagner dos Santos; André da Silva Mello; Pollyanne Francisco do Nascimento; Dulce Maria de Souza Klein; Denise

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

GESTÃO DE MÉTRICAS. Sistema de Gestão de Métricas

GESTÃO DE MÉTRICAS. Sistema de Gestão de Métricas GESTÃO DE MÉTRICAS 2010 Sistema de Gestão de Métricas SUMÁRIO Sumá rio Introduçá o 1 Processos de Nego cios 2 Instáláçá o 3 Operáçá o 4 Mánutençá o 29 Informáço es de contáto 41 INTRODUÇÃO Introduçá o

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

Estado e dinâmica da educação superior: um olhar para os Estados Unidos

Estado e dinâmica da educação superior: um olhar para os Estados Unidos Estado e dinâmica da educação superior: um olhar para os Estados Unidos Fábio José Garcia dos Reis Março de 2010 No Brasil, cabe ao Estado supervisionar, controlar, avaliar, elaborar políticas, autorizar,

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE: O PENSADO O VIVIDO DE SUA NECESSIDADE ÀS BARREIRAS ENFRENTADAS

INTERDISCIPLINARIDADE: O PENSADO O VIVIDO DE SUA NECESSIDADE ÀS BARREIRAS ENFRENTADAS INTERDISCIPLINARIDADE: O PENSADO O VIVIDO DE SUA NECESSIDADE ÀS BARREIRAS ENFRENTADAS Adriana Azevedo Paes de Barros Doutoranda em Comunicação Social e Professora UMESP Não existe nada mais prático do

Leia mais

como Política Pública de Estado

como Política Pública de Estado como Política Pública de Estado Brasil 27 estados 5.565 municipios 190 milhoes ha 60 milhoes de 0 a 18 anos. Constituicao Federal de 1988 Art. 227. É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar

Leia mais

A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DEFINIÇÃO, PROPÓSITOS, ESTRATÉGIAS E FERRAMENTAS

A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DEFINIÇÃO, PROPÓSITOS, ESTRATÉGIAS E FERRAMENTAS A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DEFINIÇÃO, PROPÓSITOS, ESTRATÉGIAS E FERRAMENTAS Roberto Leal Lobo e Silva Filho Da LDB: Artigo 43. A educação superior tem por finalidade:... IV - promover a divulgação de conhecimentos

Leia mais

"EDUCAÇÃO FÍSICA E PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS: CONSIDERAÇÕES SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCLUSÃO NO CONTEXTO ESCOLAR".

EDUCAÇÃO FÍSICA E PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS: CONSIDERAÇÕES SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCLUSÃO NO CONTEXTO ESCOLAR. "EDUCAÇÃO FÍSICA E PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS: CONSIDERAÇÕES SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCLUSÃO NO CONTEXTO ESCOLAR". Resumo BIANCONI, Elizabeth de Cássia UFSCAR beth_biancone@hotmail.com MUNSTER, Mey de Abreu

Leia mais

solução educacional para o ensino médio volume coleção azul - resumo executivo.indd 1 28/11/12 14:21

solução educacional para o ensino médio volume coleção azul - resumo executivo.indd 1 28/11/12 14:21 solução educacional 1 volume para o ensino médio coleção azul - resumo executivo.indd 1 28/11/12 14:21 coleção azul - resumo executivo.indd 2 28/11/12 14:21 solução educacional para o ensino médio Uma

Leia mais