Não deixe o seu filho perder (um bom comeco de vida!)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Não deixe o seu filho perder (um bom comeco de vida!)"

Transcrição

1 National Educational Welfare Board An Bord Náisiúnta Leasa Oideachais Não deixe o seu filho perder (um bom comeco de vida!)

2 Todas as crianças com idades compreendidas entre os 6 e os 16 anos têm de receber uma educação. Se é pai ou tutor* de uma criança com idade compreendida entre os 6 e os 16 anos, este panfleto realça o especial papel que lhe cabe em assegurar que esta criança não desperdiçará a sua educação. Também lhe fornece informação sobre o Conselho Nacional de Assistência Educativa (National Educational Welfare Board), o organismo criado para apoiar a assiduidade escolar normal e a educação de crianças e jovens. O Conselho Nacional de Assistência Educativa foi criado ao abrigo do Decreto de Educação (Assistência) de A nossa tarefa é apoiar as famílias e garantir que todas as crianças recebam uma educação conforme exigido por lei. Quase todas as crianças o fazem através da frequência escolar. * Tutor - pessoa que tem a autoridade e o dever legal de tomar conta de uma criança ou menor

3 O seu filho tem direito a uma educação. Uma boa educação, associada a carinho e encorajamento, dará ao seu filho um excelente começo de vida. Ter uma boa educação significa que poderei aprender mais, desenvolver aptidões e talentos, fazer e conservar amizades, ser mais confiante, ter melhores resultados nos exames, evitar envolver-me em actos criminosos, ter mais empregos por onde escolher quando começar a trabalhar...

4 O que precisa de saber O que deve fazer se o seu filho não pode ir à escola Deve informar a escola de que o seu filho não pode comparecer e indicar o motivo. A escola informá-lo-á como lhes passar a informação habitualmente a escola pedir-lhe-á um bilhete. Muitas vezes pode haver boas razões pelas quais uma criança não vai à escola e estas serão tomadas em consideração se forem explicadas. O que a escola deve fazer se o seu filho falta muito à escola A escola tem de informar o Conselho Nacional de Assistência Educativa se o seu filho faltou 20 ou mais vezes durante o ano lectivo ou se entender que o seu filho falta muito. O que nós devemos fazer se o seu filho falta muito à escola Se a escola nos informar que o seu filho está a faltar muito à escola, é possível que um Assistente Social Educativo lhe faça uma visita para ver como podemos ajudar a assegurar que o seu filho vá mais vezes à escola. Protecção do direito do seu filho à educação Ajudá-lo(a)-emos em tudo o que pudermos para assegurar que o seu filho receba uma educação. Mas se não colaborar com o Assistente Social Educativo, poderá ser levado a tribunal e multado(a) ou preso(a). Em casos excepcionais, recorrer-seá às vias legais, se for esta a única maneira de assegurar o direito da criança à educação.

5 O que pode fazer Como pode ajudar o seu filho a ir à escola Promova a educação em casa e informe o seu filho que não se pode faltar à escola Preste atenção ao seu filho. Interesse-se pelas novidades que traz da escola e faça lhe perguntas sobre as suas actividades. Ajude a criança a orgulhar-se de um bom registo de assiduidade. Elogie o seu filho quando este é bem-sucedido para cultivar a sua autoconfiança. Leia as cartas e relatórios escolares e conheça as regras da escola. Vá às reuniões da escola e conheça o(a) professor(a), o pessoal e os amigos do seu filho. Não vá de férias durante os períodos escolares. Preste atenção às razões pelas quais o seu filho possa não querer ir à escola. Se o seu filho acha as tarefas escolares difíceis, contacte imediatamente a escola. Encoraje o seu filho a não trabalhar em tempo parcial durante o período escolar. Um(a) adolescente cansado(a) será incapaz de acompanhar o rendimento dos colegas na escola. As melhores Sugestões de outros pais! Mande o seu filho para a cama cedo durante os dias de escola e Domingos à noite. Dormir e repousar bem ajudarão a criança a se concentrar. Lembre-se de pôr o despertador a tocar cedo para a criança poder estar na escola a horas. Ajude a criança a preparar a pasta e faça os preparativos do pequeno almoço na noite anterior de modo a terem mais tempo para estarem prontos(as) de manhã

6 Educação em casa e Escolas Particulares Ao abrigo do Decreto Educativo (Assistência) de 2000, tem o direito de educar o seu filho fora de uma escola oficial, por exemplo, numa escola particular ou em casa. Se decidir fazê-lo, tem de registar o seu filho no Conselho Nacional de Assistência Educativa. O Conselho posteriormente levará a cabo uma avaliação da educação fornecida. Para mais informações, contacte nos ou telefone (01) Desenvolvimento de um Serviço Nacional O Conselho Nacional de Assistência Educativa está a começar a desenvolver um serviço nacional. Presentemente, os Assistentes Sociais Educativos estão a dedicar a sua atenção prioritariamente às crianças que não estão a receber uma educação e às regiões mais necessitadas. O serviço será alargado, em função dos recursos disponibilizados pelo Governo. Se surgirem problemas relacionados com a frequência da escola pelo seu filho Se não está satisfeito(a) com uma decisão de expulsão, suspensão ou matrícula, pode interpor recurso para o Ministro de Educação e Ciência, Marlborough Street, Dublin 1. Telefone (01) O que fazer se precisar de apoio Pode contactar um Assistente Social Educativo na Linha Verde Consulte a nossa página na Internet: ou envie-nos um para ou escreva-nos para Green Street, Dublin 7.

O seu filho é assíduo? Assiduidade escolar: informações para os encarregados de educação Edição revista em 2007

O seu filho é assíduo? Assiduidade escolar: informações para os encarregados de educação Edição revista em 2007 O seu filho é assíduo? Assiduidade escolar: informações para os encarregados de educação Edição revista em 2007 Este folheto destina-se aos encarregados de educação de crianças matriculadas em escolas

Leia mais

CartilhaEscola_Final.qxp:escola 9/16/08 6:23 PM Page 1

CartilhaEscola_Final.qxp:escola 9/16/08 6:23 PM Page 1 CartilhaEscola_Final.qxp:escola 9/16/08 6:23 PM Page 1 CartilhaEscola_Final.qxp:escola 9/16/08 6:23 PM Page 2 1 2 3 VISITEM A ESCOLA DE SEUS FILHOS SEMPRE QUE PUDEREM. CONVERSEM COM OS PROFESSORES. PERGUNTEM

Leia mais

Visitem a escola de seus filhos sempre que puderem. Conversem com os professores. Perguntem como seus filhos estão nos estudos.

Visitem a escola de seus filhos sempre que puderem. Conversem com os professores. Perguntem como seus filhos estão nos estudos. Visitem a escola de seus filhos sempre que puderem. Conversem com os professores. Perguntem como seus filhos estão nos estudos. Caso seus filhos estejam com alguma dificuldade na escola, peçam orientação

Leia mais

Visitem a escola de seus filhos sempre que puderem. Perguntem como seus filhos estão nos estudos.

Visitem a escola de seus filhos sempre que puderem. Perguntem como seus filhos estão nos estudos. 2 1 2 3 Visitem a escola de seus filhos sempre que puderem. Conversem com os professores. Perguntem como seus filhos estão nos estudos. 4 Caso seus filhos estejam com alguma dificuldade na escola, peçam

Leia mais

As crianças desenvolvem-se melhor e têm melhores resultados na escola quando contactam com livros diariamente.

As crianças desenvolvem-se melhor e têm melhores resultados na escola quando contactam com livros diariamente. Família a ler As crianças desenvolvem-se melhor e têm melhores resultados na escola quando contactam com livros diariamente. Há quem pense que as crianças só começam a aprender a ler quando vão para a

Leia mais

CENTRO DE ALTO RENDIMENTO DO JAMOR

CENTRO DE ALTO RENDIMENTO DO JAMOR CENTRO DE ALTO RENDIMENTO DO JAMOR Documento orientador de integração de Praticantes Critérios de financiamento às Federações Desportivas 2014/2015 O Centro de Alto Rendimento do Jamor (CAR Jamor) é uma

Leia mais

Regulamento Interno Actividades Tempos Livres ATL AGUARELA

Regulamento Interno Actividades Tempos Livres ATL AGUARELA Regulamento Interno Actividades Tempos Livres ATL AGUARELA Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica Nº 4 e Jardim de Infância Nº 3 de Alverca do Ribatejo INDICE 1. Objecto 2. Local

Leia mais

CONSELHOS PARA PAIS E FILHOS. Geração Futura. Perceba o seu filho e ajude-o a subir as notas! Sucesso Escolar

CONSELHOS PARA PAIS E FILHOS. Geração Futura. Perceba o seu filho e ajude-o a subir as notas! Sucesso Escolar Sucesso Escolar CONSELHOS PARA PAIS E FILHOS Geração Futura Perceba o seu filho e ajude-o a subir as notas! www.geracaofutura.pt geracaofutura.formacao@gmail.com Telemóvel: 919 123 725 Skype: geracaofutura

Leia mais

Acesso à Educação para Filhos de Imigrantes Folheto Informativo

Acesso à Educação para Filhos de Imigrantes Folheto Informativo Acesso à Educação para Filhos de Imigrantes Folheto Informativo 1 INTRODUÇÃO O Alto Comissariado para a Imigração e Minorias Étnicas em colaboração com o Secretariado Entreculturas elaborou esta brochura

Leia mais

2014/2015. 9º Ano Turma A. Orientação Escolar e Vocacional

2014/2015. 9º Ano Turma A. Orientação Escolar e Vocacional 2014/2015 9º Ano Turma A Orientação Escolar e Vocacional Programa de Orientação Escolar e Profissional 9.º Ano e agora??? Serviço de Apoios Educativos Ano Lectivo 2014/2015 Orientação Escolar e Profissional

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território A Lei Da Nacionalidade Lei N.º 01/05 De 01 de Julho Tornando se necessário proceder a alterações das principais regras sobre a atribuição, aquisição e perda da

Leia mais

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação A Ciência Viva tem como missão a difusão da Cultura Científica e Tecnológica apoiando acções dirigidas à promoção da Educação Científica e Tecnológica

Leia mais

Encarregados de Educação. Plano de Actividades 2007/2008

Encarregados de Educação. Plano de Actividades 2007/2008 Associação de Pais e Encarregados de Educação Plano de Actividades 2007/2008 A nível interno 1. Promover o bom Funcionamento administrativo da Associação Objectivo: Continuar a melhorar a organização e

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Física e Química

Regulamento dos Laboratórios de Física e Química Regulamento dos Laboratórios de Física e Química 1 Missão Os Laboratórios de Física e de Química são essencialmente um lugar de aprendizagem, onde se encontram todo o tipo de materiais, devidamente organizados

Leia mais

Uso razoável da Força/Directiva de Tratamento Seguro

Uso razoável da Força/Directiva de Tratamento Seguro Uso razoável da Força/Directiva de Tratamento Seguro Fundamentação Constitui nossa responsabilidade proporcionar um ambiente seguro e protegido a toda a comunidade escolar (alunos e pessoal) e promover

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FÉRIAS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FÉRIAS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FÉRIAS Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de Azambuja de 19 de Setembro de 2012, publicada pelo Edital n.º 78/2012, de 26 de Outubro de 2012. Em vigor desde 10

Leia mais

Proposta de Lei da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas

Proposta de Lei da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas Fui expulso, mas tenho um filho menor a cargo a viver em Portugal. Podem recusar-me a entrada? Sim. A residência de filhos menores em Portugal é apenas

Leia mais

Regulamento Interno Específico ANDEBOL

Regulamento Interno Específico ANDEBOL Instalações Desportivas São consideradas neste regulamento instalações desportivas da CPVV todas as instalações disponibilizadas pela instituição Casa do Povo de Valongo do Vouga. Elementos Desportivos

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA O Estatuto de Carreira do Pessoal Docente do Ensino Superior Politécnico (ECPDP), na redacção

Leia mais

O jardim de infância. Informações destinadas aos pais. na região de língua alemã do cantão de Berna. Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna

O jardim de infância. Informações destinadas aos pais. na região de língua alemã do cantão de Berna. Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna O jardim de infância na região de língua alemã do cantão de Berna Informações destinadas aos pais Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna Ficha técnica: Edição e Copyright: Direcção da Instrução

Leia mais

Portugués PROBA DE CERTIFICACIÓN DE NIVEL INTERMEDIO. Expresión oral ... / 25. Tarefa 1 Interacción / 12,5. Tarefa 2 Monólogo / 12,5 PUNTUACIÓN

Portugués PROBA DE CERTIFICACIÓN DE NIVEL INTERMEDIO. Expresión oral ... / 25. Tarefa 1 Interacción / 12,5. Tarefa 2 Monólogo / 12,5 PUNTUACIÓN Apelidos e nome da persoa candidata:... PROBA DE CERTIFICACIÓN DE NIVEL INTERMEDIO Portugués PUNTUACIÓN Tarefa 1 Interacción / 12,5 Tarefa 2 Monólogo / 12,5... / 25 TAREFA 1 (INTERAÇÃO) - FICHA 1A Tempo

Leia mais

Graduados, empreendedores lançaram-se estrada fora

Graduados, empreendedores lançaram-se estrada fora 2015-08-05 09:00:55 Uma das frases que mais se tem ouvido neste final do ano lectivo, dos recém licenciados, é que o que os espera é o desemprego. Outra palavra que hoje se ouve bastante é empreendadorismo.

Leia mais

GUIA PARA OS PAIS - EDUCAÇÃO INFANTIL

GUIA PARA OS PAIS - EDUCAÇÃO INFANTIL GUIA PARA OS PAIS - EDUCAÇÃO INFANTIL O QUE É? É um processo educativo que oscila entre a inserção e a autonomia. É uma etapa do sistema de educação que tem como objectivo proporcionar às crianças experiências

Leia mais

Regulamento Interno Férias Academia 2014. Art.º 1 - Informações Gerais

Regulamento Interno Férias Academia 2014. Art.º 1 - Informações Gerais Regulamento Interno Férias Academia 2014 Art.º 1 - Informações Gerais 1. As Férias Academia decorrem nas instalações da Academia Sporting, em regime fechado; 2. Os campos de férias têm, normalmente, uma

Leia mais

Preparação da época de exames

Preparação da época de exames Preparação da época de exames Sugestões para os estudantes Imagem de http://jpn.icicom.up.pt/imagens/educacao/estudar.jpg A preparação para os Exames começa no início do Semestre O ritmo de exposição da

Leia mais

Orientações. Rebecca Feinstein Winitzer, Editora Massachusetts Department of Public Health Copyright 2005

Orientações. Rebecca Feinstein Winitzer, Editora Massachusetts Department of Public Health Copyright 2005 Orientações Recursos para o cuidado de seu filho Segunda edição Rebecca Feinstein Winitzer, Editora Massachusetts Department of Public Health Copyright 2005 Para informações sobre como obter esta publicação

Leia mais

REQUERIMENTO DE INSCRIÇÃO DE ADVOGADO ESTAGIÁRIO (Modelo)

REQUERIMENTO DE INSCRIÇÃO DE ADVOGADO ESTAGIÁRIO (Modelo) anexo A REQUERIMENTO DE INSCRIÇÃO DE ADVOGADO ESTAGIÁRIO (Modelo) Exmo. Senhor Presidente do Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados (nome completo do candidato a estagiário), que também pretende

Leia mais

CAPÍTULO I. Objectivos e Definição. Artigo 1º. Objectivos

CAPÍTULO I. Objectivos e Definição. Artigo 1º. Objectivos REGULAMENTO DA DISCIPLINA DE ESTÁGIO INTEGRADO EM CONTABILIDADE LICENCIATURA EM GESTÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR CAPÍTULO I Objectivos e Definição Artigo 1º

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE S. JOSÉ DE CLUNY REGULAMENTO DOS DIREITOS ESPECIAIS DOS ESTUDANTES. Capítulo I. Artigo 1º. Âmbito de aplicação

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE S. JOSÉ DE CLUNY REGULAMENTO DOS DIREITOS ESPECIAIS DOS ESTUDANTES. Capítulo I. Artigo 1º. Âmbito de aplicação ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE S. JOSÉ DE CLUNY REGULAMENTO DOS DIREITOS ESPECIAIS DOS ESTUDANTES O presente regulamento concentra e sistematiza os diversos direitos especiais dos estudantes, decorrentes

Leia mais

Manual do Estagiário ESCS

Manual do Estagiário ESCS Manual do Estagiário ESCS ESCS 2015 ÍNDICE APRESENTAÇÃO. 3 INTRODUÇÃO...4 OS ESTÁGIOS NA ESCS....5 A ESCS RECOMENDA AINDA... 6 DIREITOS DO ESTAGIÁRIO.. 7 SUBSÍDIOS 7 DURAÇÃO DO ESTÁGIO....8 PROTOCOLO DE

Leia mais

MUNICÍPIO DE PALMELA CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE PALMELA CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DE PALMELA CÂMARA MUNICIPAL EDITAL Nº 09/DAF-DAG/2009 ----- ANA TERESA VICENTE CUSTÓDIO DE SÁ, na qualidade de Presidente da Câmara Municipal de Palmela: --------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Regulamento de Funcionamento do Grupo de Voluntariado

Regulamento de Funcionamento do Grupo de Voluntariado LAHUC LIGA DOS AMIGOS DOS HOSPITAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LAHUC Gabinete de Serviço Social O MELHOR DA VIDA TODOS OS DIAS Regulamento de Funcionamento do Grupo de Voluntariado Preâmbulo O Voluntariado

Leia mais

Guia do estudante. Universidade Pedagógica & Centro de Educação Aberta e a Distância Equipa de Produção:

Guia do estudante. Universidade Pedagógica & Centro de Educação Aberta e a Distância Equipa de Produção: FICHA TÉCNICA: Título: Guia do estudante Autor: Universidade Pedagógica & Centro de Educação Aberta e a Distância Equipa de Produção: Alice Freia & Suzete Lourenço Buque Layout & Maquetização Jubel D.

Leia mais

RI AEV assiduidade alunos CGT versão consulta pública Página 1

RI AEV assiduidade alunos CGT versão consulta pública Página 1 Artigo 54.º Faltas do aluno do ensino pré-escolar 1. No ensino pré-escolar, o conceito de falta aplica-se quando a criança não comparece durante todo o dia no Jardim de Infância ou nas atividades previstas

Leia mais

PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO

PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO Este documento é resultado do chamado do Ministério da Educação à sociedade para um trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria

Leia mais

Apoio à Preparação de Voluntários de Leitura Um projeto de cidadania Missão Potenciar o desenvolvimento de uma rede nacional de volutariado na área da promoção da leitura. Objectivos centrais Apoiar iniciativas;

Leia mais

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Fundos de Investimento Imobiliário Registo e Autorização de Peritos Avaliadores B.O n.º 18 - I Série Regulamento nº 1/2008 12 de Maio Fundos de Investimento

Leia mais

Pró-Reitoria Acadêmica Coordenadoria de Graduação Serviço de Apoio ao Estudante GUIA DO MONITOR

Pró-Reitoria Acadêmica Coordenadoria de Graduação Serviço de Apoio ao Estudante GUIA DO MONITOR Pró-Reitoria Acadêmica Coordenadoria de Graduação Serviço de Apoio ao Estudante GUIA DO MONITOR 2008 SUMÁRIO 1 Introdução 2 O que é Monitoria 2 Quem é o Monitor do Cesupa 2 Competências e Deveres do Monitor

Leia mais

4.1. PLANO DE ACÇÃO TUTORIAL (Individual) - 1 a Fase

4.1. PLANO DE ACÇÃO TUTORIAL (Individual) - 1 a Fase ACÇÃO - C 340-0 PAPEL DO PROFESSOR TUTOR NA ORIENTAÇÃO EDUCATIVA E NA GESTÃO DA DIVERSIDADE" 4.1. PLANO DE ACÇÃO TUTORIAL (Individual) - 1 a Fase Etapas Implementação de actividades Responsáveis Calendarização

Leia mais

A Escola obrigatória no Cantão de Zurique

A Escola obrigatória no Cantão de Zurique Portugiesisch A Escola obrigatória no Cantão de Zurique Informação para os pais Objectivos e linhas gerais A escola obrigatória oficial, no Cantão de Zurique, é obrigada a respeitar os valores fundamentais

Leia mais

Câmara Municipal de Vila Franca de Xira REGULAMENTO Nº 05/2005 REGULAMENTO DE CAMPOS DE FÉRIAS

Câmara Municipal de Vila Franca de Xira REGULAMENTO Nº 05/2005 REGULAMENTO DE CAMPOS DE FÉRIAS REGULAMENTO Nº 05/2005 REGULAMENTO DE CAMPOS DE FÉRIAS ARTIGO 1.º OBJECTIVO 1 O presente regulamento estabelece as regras gerais a observar nos Campos de Férias organizados pela Câmara Municipal de Vila

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA CRECHE CRECHE. Enquadramento

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA CRECHE CRECHE. Enquadramento CRECHE Enquadramento A actual organização dos modos de vida familiar, tendo em conta a crescente integração da mulher no mercado de trabalho, tem vindo a acentuar a necessidade de criação de estruturas

Leia mais

Índice. Lei n. 14/2012. Contas individuais de previdência

Índice. Lei n. 14/2012. Contas individuais de previdência Índice Lei n. 14/2012 Contas individuais de previdência CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto e finalidades.............................. 3 Artigo 2.º Órgão executivo..................................

Leia mais

Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa PREÂMBULO O actual Regulamento Geral de Avaliação (RGA) foi formulado, no essencial, em 2009 e reformulado em 2010. Teve

Leia mais

BIBLIOTECA VIRTUAL DE FILOSOFIA DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA CECÍLIA ROSA LOPES AMBIENTE WIKI

BIBLIOTECA VIRTUAL DE FILOSOFIA DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA CECÍLIA ROSA LOPES AMBIENTE WIKI Universidade Federal do Rio Grande NEAD - Núcleo de Educação à Distância Curso Mídias na Educação Projeto Final do Ciclo Básico Tutora Carolina Larrosa de Oliveira BIBLIOTECA VIRTUAL DE FILOSOFIA DA ESCOLA

Leia mais

CALENDARIZAÇÃO ATIVIDADE DESCRIÇÃO PÚBLICO ALVO

CALENDARIZAÇÃO ATIVIDADE DESCRIÇÃO PÚBLICO ALVO HORA DO CONTO Ler é Crescer Atividade realizada para as crianças dos Infantários NªSª de Fátima e Nuclisol (Piaget). As crianças deste infantários deslocam-se à BM uma vez por mês para participarem na

Leia mais

LISTA DAS MINHAS PRIMEIRAS 50 CLIENTES UMA BOA BASE EM MEU NEGÓCIO COLOCAR UM (X) EM QUEM COMPROU

LISTA DAS MINHAS PRIMEIRAS 50 CLIENTES UMA BOA BASE EM MEU NEGÓCIO COLOCAR UM (X) EM QUEM COMPROU LISTA DAS MINHAS PRIMEIRAS 50 CLIENTES UMA BOA BASE EM MEU NEGÓCIO COLOCAR UM (X) EM QUEM COMPROU LISTA DAS MINHAS PRIMEIRAS 50 CLIENTES UMA BOA BASE EM MEU NEGÓCIO COLOCAR UM (X) EM QUEM COMPROU Consultora:

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CAT

REGULAMENTO INTERNO DO CAT REGULAMENTO MISERICÓRDIA DA FREGUESIA DE SANGALHOS INTERNO DO CAT CAPITULO I Norma I Natureza do Estabelecimento Tipo de Estabelecimento: Centro de Acolhimento Temporário de Crianças e Jovens em Risco

Leia mais

Regulamento Interno. Objectivo

Regulamento Interno. Objectivo Regulamento Interno Objectivo É objectivo dos campos de férias proporcionar iniciativas exclusivamente destinadas a crianças e jovens com idades compreendidas entre os 08 e os 18 anos, com a finalidade

Leia mais

Ministério da Comunicação Social;

Ministério da Comunicação Social; Ministério da Comunicação Social DECRETO EXECUTIVO Nº 69 /2007 De 22 de Junho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete Jurídico do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos, ao abrigo do

Leia mais

Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016

Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016 Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016 Para que o início das aulas do novo ano lectivo se realize com facilidade, a Direcção dos Serviços de Educação

Leia mais

Srs. Pais, A direção.

Srs. Pais, A direção. Srs. Pais, Para o Centro de Educação Básica Prof. Luciano Feijão, educar é mais do que transmitir conhecimentos, é formar um cidadão completo, não apenas com informações, mas com valores éticos e morais.

Leia mais

Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP

Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP Federação Europeia de Associações de Psicólogos Código Geral de Ética Aceite pela Assembleia Geral, Atenas, 1 Julho 1995. 1. Preâmbulo. Os Psicólogos

Leia mais

Regulamento Interno 2013 / 2014. www.luacrescente.pt geral@luacrescente.pt 21 852 00 43-96 5555 727

Regulamento Interno 2013 / 2014. www.luacrescente.pt geral@luacrescente.pt 21 852 00 43-96 5555 727 Regulamento Interno 2013 / 2014 www.luacrescente.pt geral@luacrescente.pt 21 852 00 43-96 5555 727 REGULAMENTO INTERNO 2013 / 2014 ESCOLA LUA CRESCENTE (Creche, Jardim de Infância e ATL) I NATUREZA E OBJECTIVOS

Leia mais

Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica

Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica Direção de Gestão de Informação e Comunicação Centro de Informação e Conhecimento Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica Lisboa, janeiro de 2015 Introdução

Leia mais

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01.

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01. CONSELHO PEDAGÓGICO - COP RESOLUÇÃO Nº. 13/2008, DE 03 DE ABRIL DE 2008 Aprova o Regulamento de Monitoria Faculdade de Lucas do Rio Verde. O Presidente do Conselho Pedagógico - COP, face ao disposto no

Leia mais

8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 282 6 de Dezembro de 2003

8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 282 6 de Dezembro de 2003 8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIEB N. o 282 6 de Dezembro de 2003 Portaria n. o 13/2003 de 6 de Dezembro Considerando que o DecretoLei n. o 205/96, de 25 de Outubro, vem alterar a disciplina jurídica da

Leia mais

Natal na desportiva NORMAS DE PARTICIPAÇÃO

Natal na desportiva NORMAS DE PARTICIPAÇÃO Natal na desportiva 2015 NORMAS DE PARTICIPAÇÃO CML/DRIC/2015 Alvará 694 I. Apresentação e objetivos 1. Entidade Promotora e Organizadora - Município de Loures 1 a) O Programa de Ocupação de Tempos Livres

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO MAIS SUCESSO ANO LETIVO DE 2013/2014

PROJETO PEDAGÓGICO MAIS SUCESSO ANO LETIVO DE 2013/2014 Agrupamento de Escolas da Moita 171311 Sede Escola Secundária da Moita PROJETO PEDAGÓGICO MAIS SUCESSO ANO LETIVO DE 2013/2014 1-Introdução Atendendo ao estipulado no despacho normativo n.º7/2013 de 11

Leia mais

Regulamento Interno de Execução do Horário de Trabalho

Regulamento Interno de Execução do Horário de Trabalho Regulamento Interno de Execução do Horário de Trabalho Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Objeto e âmbito de aplicação 1 - O presente Regulamento estabelece os períodos de funcionamento do Gabinete

Leia mais

Comissão de Ensino Médio, Modalidades e Normas Gerais Indicação nº. 006/2012 Processo nº. 001.047780.11.8

Comissão de Ensino Médio, Modalidades e Normas Gerais Indicação nº. 006/2012 Processo nº. 001.047780.11.8 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Comissão de Ensino Médio, Modalidades e Normas Gerais Indicação nº. 006/2012 Processo nº. 001.047780.11.8

Leia mais

O QUE PRECISA PARA SER UM BOM TUTOR

O QUE PRECISA PARA SER UM BOM TUTOR O QUE PRECISA PARA SER UM BOM TUTOR Bem-vindo: O Professor será a primeira cara do IST a comunicar com os cerca de 15 alunos de seu curso que lhe foram atribuídos pelo fénix. Reunimos para si um conjunto

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz 1 RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz Contrato: AS.DS.PV.024/2010 Empresa: SENSOTECH ASSESSORAMENTO

Leia mais

Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho da Direcção-Geral da Política de Justiça do Ministério da Justiça

Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho da Direcção-Geral da Política de Justiça do Ministério da Justiça Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho da Direcção-Geral da Política de Justiça do Ministério da Justiça Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º (Objecto e âmbito de aplicação)

Leia mais

Learning by Ear Aprender de Ouvido Pessoas que fazem a diferença 1º Episódio: RDC: Banda Staff Benda Bilili

Learning by Ear Aprender de Ouvido Pessoas que fazem a diferença 1º Episódio: RDC: Banda Staff Benda Bilili Learning by Ear Aprender de Ouvido Pessoas que fazem a diferença 1º Episódio: RDC: Banda Staff Benda Bilili Autor: Saleh Mwanamilongo Editor: Josephat Charo Tradução: Madalena Sampaio PERSONAGENS: 1 Narrador

Leia mais

O Instituto Social Maria Telles

O Instituto Social Maria Telles O Instituto Social Maria Telles Criado em 1999, o ISMART tem como principal objetivo o desenvolvimento integral de talentos de baixa renda, garantindo aos seus beneficiados acesso a ensino formal de alta

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 I SÉRIE Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério da Educação e Ciência Portaria n.º 292-A/2012: Cria uma experiência-piloto de oferta formativa de cursos vocacionais

Leia mais

CORPO, JOVENS E PRÁTICA DE MUSCULAÇÃO

CORPO, JOVENS E PRÁTICA DE MUSCULAÇÃO UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE DESPORTO CORPO, JOVENS E PRÁTICA DE MUSCULAÇÃO Um estudo em freqüentadores de academia na região do Grande Porto Dissertação apresentada com vista à obtenção do grau

Leia mais

Dos 173 questionários devolvidos pelos(as) trabalhadores(as), 169 foram preenchidos ou parcialmente preenchidos e 5 foram devolvidos em branco.

Dos 173 questionários devolvidos pelos(as) trabalhadores(as), 169 foram preenchidos ou parcialmente preenchidos e 5 foram devolvidos em branco. QUESTIONÁRIO DE SATISFAÇÃO APLICADO AOS(ÀS) TRABALHADORES(AS) DA DRAP ALGARVE RELATÓRIO CICLO DE GESTÃO 2012 I. Nota Introdutória Com o presente documento pretendem apurar-se os resultados do questionário

Leia mais

(Fonte e adaptado do Concelho Executivo das Nações Unidas de 15 de Setembro de 2012)

(Fonte e adaptado do Concelho Executivo das Nações Unidas de 15 de Setembro de 2012) Plano de Protecção à Criança do CENTRO DE EDUCAÇÃO DELTA CULTURA (CEDC) (Fonte e adaptado do Concelho Executivo das Nações Unidas de 15 de Setembro de 2012) INTRODUÇÃO: Este documento é o Plano de Protecção

Leia mais

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO 14.6.2014 PT Jornal Oficial da União Europeia C 183/5 Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados Membros, reunidos no Conselho, de 20 de maio de 2014, sobre um Plano de Trabalho

Leia mais

Resolução da Assembleia da República n.º 56/94 Convenção n.º 171 da Organização Internacional do Trabalho, relativa ao trabalho nocturno

Resolução da Assembleia da República n.º 56/94 Convenção n.º 171 da Organização Internacional do Trabalho, relativa ao trabalho nocturno Resolução da Assembleia da República n.º 56/94 Convenção n.º 171 da Organização Internacional do Trabalho, relativa ao trabalho nocturno Aprova, para ratificação, a Convenção n.º 171 da Organização Internacional

Leia mais

Ministério da Comunicação Social

Ministério da Comunicação Social Ministério da Comunicação Social Decreto Executivo Nº 80 /2007 de 2 de Julho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Intercâmbio Internacional do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos,

Leia mais

Normas de participação

Normas de participação Verão com desafios 2015 Normas de participação I. Apresentação e objetivos 1. Entidade promotora e organizadora - Município de Loures 1 a) O programa de Ocupação de Tempos Livres Verão com Desafios é promovido

Leia mais

- Aviso n.º 14/2009-AMCM -

- Aviso n.º 14/2009-AMCM - - Aviso n.º 14/2009-AMCM - ASSUNTO: SUPERVISÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA GUIA PARA AS INSTITUIÇÕES SEGURADORAS AUTORIZADAS REFERENTE AO TRATAMENTO DE QUEIXAS DE TOMADORES DOS SEGUROS/CLIENTES/TERCEIROS

Leia mais

- Educação Pré-Escolar - Artigo 1º. (Natureza e Fins)

- Educação Pré-Escolar - Artigo 1º. (Natureza e Fins) ACÇÃO SOCIAL CASA DA CRIANÇA DE SOURE - Educação Pré-Escolar - REGULAMENTO Artigo 1º (Natureza e Fins) 1 - A Casa da Criança de Soure visa prestar, na área da Acção Social, um serviço adequado às Famílias

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE, ORDEM DOS ADVOGADOS, pessoa colectiva n.º 500 965 099, com sede em Lisboa, no Largo de S. Domingos, n.º 14-1.º, neste acto representada pelo senhor Dr. António Marinho e

Leia mais

Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho

Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho O Governo, cumprido o disposto nos artigos 4.º e seguintes da Lei n.º 16/79, de

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 633

LEI COMPLEMENTAR Nº 633 Altera os anexos I, III e IV da Lei Complementar nº 268, de 28.12.99, que dispõe sobre o Quadro de Pessoal da Prefeitura, cria cargos, institui o Plano de Cargos e Carreiras, e dá outras providências.

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais:

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: PROGRAMA AÇÃO 2015 O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: - Preservar a identidade da Instituição, de modo especial no que respeita a sua preferencial ação junto das pessoas, famílias e grupos

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto Executivo nº /07 De 03 de Setembro Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística do Ministério do Comércio; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA MUNICIPAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA MUNICIPAL REGULAMENTO DO PROGRAMA MUNICIPAL FÉRIAS DIVERTIDAS Página 1 de 13 ÍNDICE PREÂMBULO... 3 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS..4 CAPÍTULO II PROGRAMA..5 CAPÍTULO III INSCRIÇÕES...5 CAPÍTULO IV ENTIDADE PROMOTORA..

Leia mais

Medidas intersectoriais 2010/11

Medidas intersectoriais 2010/11 Medidas intersectoriais 2010/11 IS01 BALCÃO DO EMPREENDEDOR DISPONIBILIZAÇÃO DE SERVIÇOS Objectivos: Inventariar, introduzir e manter permanentemente actualizados no Balcão do Empreendedor vários serviços,

Leia mais

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES POR MORTE

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES POR MORTE GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES POR MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/11 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Doença Profissional Prestações por Morte (N13 v4.06) PROPRIEDADE

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

RESUMO DAS PRINCIPAIS QUESTÕES PARA

RESUMO DAS PRINCIPAIS QUESTÕES PARA A implementação de políticas de apoio a crianças e jovens pertencentes a minorias étnicas que têm o inglês como língua adicional (incluindo a avaliação do impacto de igualdade) Ministério da Educação Janeiro

Leia mais

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Respostas Sociais População

Leia mais

A leitura, um bem essencial

A leitura, um bem essencial A leitura, um bem essencial A leitura, um bem essencial A leitura é uma competência básica que todas as pessoas devem adquirir para conseguirem lidar de forma natural com a palavra escrita. Mas aprender

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 17.2.2004 L 46/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 261/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 11 de Fevereiro de 2004 que estabelece regras comuns

Leia mais

É celebrado o presente Protocolo de Cooperação para a realização de Estágio(s), nos termos das cláusulas seguintes : Cláusula 1ª (Âmbito e Objeto)

É celebrado o presente Protocolo de Cooperação para a realização de Estágio(s), nos termos das cláusulas seguintes : Cláusula 1ª (Âmbito e Objeto) MINUTA DE PROTOCOLO DE ESTÁGIO A Marinha, neste ato representada pelo (cargo da entidade), (posto e nome), por designação do Almirante Chefe do Estado-Maior da Armada, adiante designada por Entidade de

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA Artigo 1.º (disposições gerais) 1. O presente Regulamento obedece aos princípios consignados nos diversos normativos que a tutela legislou

Leia mais

Cartilha Ponto Biométrico

Cartilha Ponto Biométrico Cartilha Ponto Biométrico Secretaria Municipal de Administração, Orçamento e Informação 2 CONTROLE E APURAÇÃO DA FREQUÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA DO MUNICÍPIO DE DIVINÓPOLIS Prezado

Leia mais

Regulamento de Horário de Funcionamento e de Atendimento e Horário de Trabalho da Secretaria-Geral da Presidência da República

Regulamento de Horário de Funcionamento e de Atendimento e Horário de Trabalho da Secretaria-Geral da Presidência da República Regulamento de Horário de Funcionamento e de Atendimento e Horário de Trabalho da Secretaria-Geral da Presidência da República Considerando a necessidade de proporcionar aos Serviços da Secretaria-Geral,

Leia mais

Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS)

Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS) Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS) CAPÍTULO I Objecto, âmbito e conceitos Artigo 1º Objecto

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 SALA DE ESTUDO ORIENTADO 2009/2013 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 PRIORIDADES... 4 OBJECTIVOS DA SALA DE ESTUDO ORIENTADO... 5 Apoio Proposto...

Leia mais

Deus não escolheu os capacitados, capacitou os escolhidos

Deus não escolheu os capacitados, capacitou os escolhidos CENTRO EDUCACIONAL VIEIRA BRUM Março/2012 Reunião de Metas Até o fim Não, não pares. É graça divina começar bem. Graça maior, é persistir na caminhada certa, manter o ritmo... Mas a graça das graças é

Leia mais

Plus500 Ltd. Política de privacidade

Plus500 Ltd. Política de privacidade Plus500 Ltd Política de privacidade Política de privacidade Declaração de privacidade da Plus500 Proteger a privacidade e salvaguardar os dados pessoais e financeiros dos nossos clientes e dos visitantes

Leia mais

EDITAL. MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014)

EDITAL. MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014) EDITAL MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/200, de 24 de Março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DE REQUERIMENTOS ON-LINE

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DE REQUERIMENTOS ON-LINE SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO PÚBLICA DEPARTAMENTO DE RECURSOS EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO MANUAL PARA PREENCHIMENTO DE REQUERIMENTOS ON-LINE Mogi das Cruzes, 2010. Sumário 1. Requerimentos Disponíveis...

Leia mais

Federação Portuguesa de Canoagem

Federação Portuguesa de Canoagem Federação Portuguesa de Canoagem Eleições Ciclo Olímpico 2012 a 2016 Carlos Cunha de Sousa Este documento serve para apresentar a todos, as linhas orientadoras para o mandato que me proponho fazer enquanto

Leia mais