DICA 4 Preenchimento do Cadastro de Imóvel Rural (CEFIR)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DICA 4 Preenchimento do Cadastro de Imóvel Rural (CEFIR)"

Transcrição

1 DICA 4 Preenchimento do Cadastro de Imóvel Rural (CEFIR) Este material de apoio ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) faz parte das ações de difusão de boas práticas agrícolas do Programa Agricultura Consciente da Nidera, e espera oferecer dicas úteis para facilitar e agilizar este importante processo eletrônico de cadastro de imóveis rurais no Brasil. Neste material, você encontrará dicas para realizar a demarcação da área do imóvel rural e de seus componentes, além de explicações sobre conceitos como Área de Preservação Permanente (APP), Reserva Legal (RL), Área Produtiva Consolidada e outros. Brasil Junho de 2015 Realização

2 1 INTRODUÇÃO ÀS ETAPAS LIMITE DO IMÓVEL, QUESTIONÁRIO E DADOS ESPECÍFICOS Figura 1 As dicas e informações apresentadas neste material são um complemento ao CADASTRO DE IMÓVEIS RURAIS do Manual do Usuário do Sistema Estadual de Informações Ambientais e de Recursos Hídricos (SEIA) elaborado pelo Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Bahia (INEMA). A palavra GEORREFERENCIAMENTO significa a demarcação da área do imóvel e de seus componentes, como o tipo de cobertura do solo, Área de Preservação Permanente (APP) e Reserva Legal (RL), sobre a imagem de satélite do município em que ele está localizado. Na Figura 1, são ilustradas áreas de agricultura que podem ser facilmente reconhecidas nas imagens de satélite, por apresentarem padrões com formas bem definidas, como: talhões, pivôs centrais, cores variadas, textura lisa e linhas de plantio. A Figura 2 apresenta os tipos de REMANESCENTE DE VEGETAÇÃO 1.1 PADRÕES DE FEIÇÕES DE UMA PAISAGEM Para realizar qualquer análise em imagens de satélite é necessário ter um conhecimento mínimo sobre os padrões das feições de uma paisagem. A seguir, são apresentados alguns dos padrões que deverão ser reconhecidos no cadastro de seu imóvel, iniciando por OCUPAÇÃO ANTRÓPICA (Figura1), que refere-se a toda ocupação humana realizada por meio de atividades como agricultura, pecuária, construção civil e outras, que modificam a cobertura natural do solo, fazendo com que a área seja considerada degradada (área alterada em função de impacto da atividade humana, sem capacidade de regeneração natural) ou alterada (com capacidade de regeneração natural). NATIVA com padrões arbóreos, arbustivos e campestres, que podem ser identificados nas imagens por meio da coloração em tons de verde, e textura rugosa; apresentando maior número de pontos de sombras em função da diferença de tamanho da vegetação; bem como, pelas formas não regulares e sem indícios de alteração por ações humanas. Figura 2 2

3 Figura 3 Já a Figura 3 apresenta fragmentos de REMANESCENTE DE VEGETAÇÃO NATIVA ao lado de áreas de OCUPAÇÃO ANTRÓPICA. Na Figura 4 são apresentados os tipos de CORPOS D ÁGUA, tais como: rios, lagos, lagoas, águas costeiras, canais artificiais, reservatórios, dentre outros. Estas feições podem ser reconhecidas na paisagem por conterem coloração em tons de azul e preto e formas variadas no caso de formações naturais, e formas bem definidas no caso de formações artificiais. Figura 4 COORDENADAS GEOGRÁFICAS 1.2 Para demarcar ou localizar qualquer tipo de informação em um mapa ou imagem de satélite, criou-se os Sistemas de Coordenadas Geográficas que são formados por linhas imaginárias que permitem atribuir a cada ponto da superfície terrestre um par de coordenadas geográficas, que indicam a latitude (Norte-Sul) e longitude (Leste-Oeste) do ponto (Figura 5), e medidas em graus considerando o hemisfério que se encontram (Figura 6). Figura 5 Lon: 47º55'24 W Lat: 15º48'09 S Figura 6 (A) reservatório para abastecimento/geração de energia, (B) APP de curso d água, (C) lago natural, (D) corpo d água litorâneo, (E) curso d água com largura menor que 10 m e (F) curso d água com largura maior que 100 m. 3

4 2 DEMARCANDO O LIMITE DE SEU IMÓVEL No Manual do Usuário do SEIA, página 45, item Vetorização manual, seguem dicas para o uso desta opção de demarcação de limite de imóvel. Após o preenchimento das ETAPA DADOS BÁSICOS e ETAPA DOCUMENTAÇÃO, a ETAPA LIMITE DO IMÓVEL possui 2 opções para demarcar a área de seu imóvel. IMPORTANTE: A opção DESENHO está disponível somente para os imóveis com até 04 (quatro) módulos fiscais. Opção 1: Desenho Para iniciar a demarcação, selecione o Tipo de Inserção DESENHO, em seguida, clique em DESENHAR IMÓVEL NO GEOBAHIA. Então se abrirá a ferramenta GEOBAHIA (Figura 7). Para facilitar a localização do imóvel, serão apresentadas as imagens correspondentes ao município informado previamente no cadastro. Figura 7 Opção 2: Shapefile Para esta opção, você precisará ter realizado a demarcação do limite de seu imóvel em algum programa de geoprocessamento, como o AutoCAD MAP, ArcGIS, GPS TrackMaker ou SPRING, que são os mais conhecidos. Como sugestão, utilize um programa livre e gratuito, muito similar ao ArcGIS, que é conhecido como QGIS. O nome Shapefile é dado a um formato de arquivo digital que representa uma feição ou elemento gráfico, seja na forma de ponto, linha ou polígono e que contém dados geoespaciais, como a latitude e a longitude. No SEIA, para inserir os arquivos referentes ao limite de seu imóvel, selecione o Tipo de Inserção SHAPEFILE e não se esqueça de informar o tipo de Sistema de Coordenada utilizado no programa de geoprocessamento. 4

5 RESERVA LEGAL 3.1 O limite de seu imóvel estará representado por 3 arquivos digitais nos formatos.shp,.dbf e.shx e que deverão ser selecionados e enviados. É a área do imóvel rural que, coberta por vegetação natural, pode ser explorada com o manejo florestal sustentável, nos limites estabelecidos em lei para o bioma em que está a propriedade. Além de contribuir com a conservação e a reabilitação dos processos ecológicos e promover a conservação da biodiversidade, bem como o abrigo e a proteção de fauna silvestre e da flora nativa. 3 IMPORTANTE: Para avançar para a próxima ETAPA, a demarcação do limite de seu imóvel deverá respeitar os itens apresentados no Manual do Usuário do SEIA, páginas 51, 52 e 53, itens Validação posicional dos níveis de informação e Validação topológica dos níveis de informação. ETAPA QUESTIONÁRIO E ETAPA DADOS ESPECÍFICOS Atualmente, o percentual da propriedade de RESERVA LEGAL varia de acordo com o bioma e a região em questão, sendo: Bioma e a região Percentual de RL no imóvel Floresta na Amazônia Legal 80% Cerrado na Amazônia Legal 35% Campos na Amazônia Legal 20% Qualquer bioma nas demais regiões do país 20% Na ETAPA QUESTIONÁRIO, após assinalar a opção Deseja completar suas informações no Cadastro Estadual Florestal de Imóveis Rurais? serão abordados conceitos como Reserva Legal, Área de Preservação Permanente (APP), Área Consolidada e outros que podem gerar dúvidas. Figura 8 - Limite da Amazônia Legal e os biomas brasileiros Para esclarecer estas dúvidas, a seguir conheça alguns detalhes destes conceitos. 5

6 RESERVA LEGAL AVERBADA : traz o conceito de que esta área foi declarada na inscrição de matrícula do imóvel, no registro de imóveis competente. RESERVA LEGAL APROVADA: imóvel rural que possui remanescente de vegetação nativa destinado para Reserva Legal, com anuência por parte do órgão ambiental competente. O PRA busca assegurar o cumprimento de boas práticas agronômicas, capazes de promover a conservação do solo e da água, por meio de tecnologias de produção ambientalmente sustentáveis. Esse programa é composto de 4 importantes instrumentos, que são: I. Cadastro Ambiental Rural (CAR); II. Termo de Compromisso (TC); III. Projeto de Recomposição de Áreas Degradadas (PRAD); IV. Cotas de Reserva Ambiental (CRA), quando couber REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL DA RESERVA LEGAL Desta forma, após preenchimento do Cadastro do Imóvel Rural e a identificação da necessidade de REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL pelo o órgão estadual responsável, o proprietário/possuidor será convocado a assinar o TC e posteriormente, a apresentar propostas para regularização do passivo ambiental de seu imóvel, por meio do PRAD. O termo REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL é definido como o conjunto de atividades desenvolvidas e implementadas no imóvel rural que visem atender ao disposto na legislação ambiental e, de forma prioritária, garantam a manutenção e recuperação de ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP), ÁREAS DE USO RESTRITO (AUR) e RESERVAS LEGAIS (RL) e a compensação da RESERVA LEGAL, quando couber. Com o objetivo de apoiar a regularização ambiental dos imóveis rurais, o Governo Federal criou o Programa Mais Ambiente Brasil; enquanto, os Estados e Distrito Federal ficaram responsáveis por implantar seus respectivos PROGRAMAS DE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL (PRA). DÉFICIT DE VEGETAÇÃO NA RESERVA LEGAL Caso seu imóvel rural possua déficit de vegetação na RESERVA LEGAL, existem 3 alternativas para a regularização: I. Compensar a Reserva Legal; 2. Permitir a regeneração natural; 3. Recompor a Reserva Legal

7 1.1. COTA DE RESERVA AMBIENTAL É um mecanismo pelo qual o proprietário ou possuidor pode regularizar sua RESERVA LEGAL (RL), adquirindo áreas equivalentes em outro imóvel rural, em vez de destinar áreas de uso produtivo para regeneração natural ou recomposição. As áreas a serem utilizadas para compensação deverão atender aos seguintes requisitos: 1. COMPENSAÇÃO DA RESERVA LEGAL I. serem equivalentes em extensão à área da RL a ser compensada; II. estarem localizadas no mesmo bioma da área de RL a ser compensada; III. se fora do Estado, estarem localizadas em regiões identificadas como prioritárias para conservação, pela União ou pelos Estados, buscando favorecer a recuperação de bacias hidrográficas excessivamente desmatadas, o estabelecimento de corredores ecológicos, a conservação de grandes áreas protegidas ou, a conservação ou a recuperação de ecossistemas ou espécies ameaçadas. Ressalta-se que caso exista remanescente de vegetação nativa no imóvel que solicitou a compensação, este remanescente deverá ser mantido conservado, ou seja, não poderá ser desmatado. SITUAÇÃO EM QUE NÃO É POSSÍVEL REALIZAR A COMPENSAÇÃO DA RESERVA LEGAL! Caso sua Reserva Legal tenha sido desmatada irregularmente após a data de 22 de julho de 2008, não será admitida a COMPENSAÇÃO. Neste caso, é obrigatória a suspensão imediata das atividades nesta área e sugere-se que você assinale a alternativa RECOMPOR A RESERVA LEGAL. O proprietário ou possuidor que não tem área de RL suficiente em seu imóvel pode adquirir uma COTA DE RESERVA AMBIENTAL (CRA) em outro imóvel (Figura 1). Vale lembrar que este segundo proprietário adquiriu sua CRA por possuir excedente de área remanescente de vegetação nativa, com relação ao mínimo exigido para compor a sua Reserva Legal. Figura ARRENDAMENTO DE ÁREA SOB REGIME DE SERVIDÃO SERVIDÃO AMBIENTAL ocorre quando o proprietário ou possuidor deseja limitar o uso de todo seu imóvel ou de parte dele para preservar, conservar ou recuperar os recursos ambientais existentes. Desta forma, uma área com excedente de vegetação nativa sob regime de SERVIDÃO AMBIENTAL pode ser utilizada para compensação de RL de outro imóvel rural. AMBIENTAL OU RESERVA LEGAL A SERVIDÃO AMBIENTAL NÃO PODE INCLUIR as ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE e a RESERVA LEGAL mínima exigida, e deve ser averbada na matrícula do imóvel. 7

8 2. PERMITIR A REGENERAÇÃO NATURAL A REGENERAÇÃO NATURAL consiste na recuperação de uma área por meio da sucessão natural da vegetação nativa remanescente, necessitando apenas do isolamento da área a ser recuperada, impedindo a passagem de máquinas e animais, para que esta se desenvolva. Atualmente, este método é um dos indicados para restauração florestal em APP de acordo com diretrizes do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA). Para o sucesso da condução da REGENERAÇÃO NATURAL é necessária a existência ou a proximidade de remanescentes de vegetação nativa, devido à disponibilidade de propágulos (sementes) a serem dispersados. É permitido que a RECOMPOSIÇÃO DA RESERVA LEGAL seja realizada, pelo proprietário ou possuidor, mediante o plantio intercalado de espécies nativas de ocorrência regional com espécies exóticas ou frutíferas (até 50%), em sistema agroflorestal. De acordo com o novo Código Florestal, é admitido, para aqueles que optarem por recompor a RL, a exploração econômica dessa área desde que sejam adotadas boas práticas agronômicas com vistas à conservação do solo e da água. PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS (PRAD) RECOMPOR A RESERVA LEGAL RECOMPOSIÇÃO significa restituir um ecossistema ou comunidade biológica nativa degradada ou alterada à condição não degradada, que pode ser diferente de sua condição original. A RECOMPOSIÇÃO deverá atender aos critérios estipulados pelo órgão ambiental estadual responsável, abrangendo a cada 2 anos, no mínimo 1/10 da área total, ou seja, deve ser concluída em até 20 anos. O PRAD é um projeto que pode ser solicitado pelos órgãos ambientais como parte integrante do processo de licenciamento ambiental de atividades degradadoras ou modificadoras do meio ambiente e, também, após o empreendimento ter sofrido sanção administrativa por causar degradação ambiental. No novo Código Florestal esse projeto pode ser denominado Projeto de Recomposição de Áreas Degradadas e Alteradas (PRADA), de forma análoga ao PRAD. 8

9 3.2 ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) é definida como área protegida, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica, a biodiversidade, facilitar o fluxo gênico de fauna e flora, proteger o solo e assegurar o bem-estar das populações humanas. As demarcações da APP podem ser agrupadas em relação ao seu caráter de proteção de RECURSOS HÍDRICOS, do RELEVO ou da LOCALIZAÇÃO. 1. APP - RECURSOS HÍDRICOS 1.1. CURSOS D'ÁGUA - São as faixas nas margens de qualquer curso d'água natural, desde a borda da calha do leito regular, que devem ser protegidas com vegetação nativa conforme as largura mínimas apresentadas na tabela abaixo. Largura do curso d'água Largura mínima de APP < 10 metros 30 metros >10 e < 50 metros 50 metros >50 e < 200 metros 100 metros >200 e < 600 metros 200 metros >600 metros 500 metros 1.2. LAGO OU LAGOA NATURAL - São as faixas no entorno de lagos ou lagoas que devem ser protegidas com vegetação nativa com largura mínima de 100 (cem) metros, em zonas rurais. Porém, lagos ou lagoas com até 20 (vinte) hectares de superfície possuem a largura mínima da APP de 50 (cinquenta) metros; e com superfície até 1 (um) hectare, fica dispensada da faixa de APP, sendo que, o proprietário ou possuidor, não poderá suprimir qualquer remanescente de vegetação nativa no seu imóvel para uso alternativo do solo ENTORNO DE RESERVATÓRIO D'ÁGUAS ARTIFICIAIS, DECORRENTES DE BARRAMENTO OU REPRESAMENTO DE CURSOS D'ÁGUA NATURAIS - São as faixas no entorno de reservatórios d'água artificiais, decorrentes de barramento ou represamento de cursos d'água naturais que devem ser protegidas com vegetação nativa com largura mínima definida na licença ambiental do empreendimento NASCENTE OU OLHO D ÁGUA PERENE - São as faixas no entorno de nascentes e dos olhos d'água perenes, qualquer que seja sua situação topográfica, que devem ser protegidas com vegetação nativa com raio mínimo de 50 (cinquenta) metros VEREDAS - As faixas no entorno de veredas (vegetação com fisionomia de savana), em projeção horizontal, que devem ser protegidas com vegetação nativa, possuem largura mínima de 50 (cinquenta) metros, a partir do espaço permanentemente brejoso e encharcado. 9

10 2. APP - LOCALIZAÇÃO São a RESTINGA (vegetação fixadora de dunas ou estabilizadora de mangues) e os MANGUEZAIS que devem ser integralmente protegidos com vegetação nativa em toda a sua extensão 3. APP - RELEVO 3.1. ÁREA DE DECLIVE MAIOR QUE 45 GRAUS - As encostas ou partes destas com declividade superior a 45 devem ser protegidas com vegetação nativa em toda a sua extensão BORDAS DE TABULEIROS OU CHAPADAS - As bordas dos tabuleiros ou chapadas, até a linha de ruptura do relevo, devem ser protegidas com vegetação nativa em faixa nunca inferior a 100 (cem) metros em projeções horizontais TOPO DE MORROS, MONTES, MONTANHAS E SERRAS No topo de morros, montes, montanhas e serras, com altura mínima de 100 (cem) metros e inclinação média maior que 25, as áreas delimitadas a partir da curva de nível correspondente a 2/3 (dois terços) da altura mínima da elevação em relação à base, devem ser protegidas com vegetação nativa em toda sua extensão ÁREA COM ALTITUDE SUPERIOR A M - As áreas em altitude superior a (mil e oitocentos) metros, qualquer que seja a vegetação, devem ser protegidas em toda sua extensão. ÁREA PRODUTIVA CONSOLIDADA 3.3 É a área de imóvel rural com OCUPAÇÃO ANTRÓPICA (definição na página 2) preexistente a 22 de julho de 2008, como edificações, benfeitorias ou atividades agrossilvipastoris, admitida, neste último caso, a adoção do regime de pousio. Caso sua área necessite de alguma regularização em áreas de uso restrito, Reserva Legal ou Áreas de Preservação Permanente (APP), a delimitação desta área pode ser muito importante. INFRAÇÕES COMETIDAS ATÉ 22 DE JULHO DE 2008 A determinação desta data tem como base uma questão de ordem jurídica, pois nesse dia foi publicado o Decreto Federal nº 6.514/2008, que regulamenta condutas infracionais referentes ao meio ambiente. Desta forma, é de suma importância que você proprietário ou possuidor responda corretamente a esta questão, pois as ÁREAS CONSOLIDADAS possuem tratamento diferenciado quanto a sua regularização ambiental. VEGETAÇÃO NATIVA 3.4 Complementando a descrição desta feição (página 2), temos a vegetação nativa em estágio primário (efeitos mínimos ou ausentes de ações antrópicas) ou secundário avançado de regeneração (vegetação recuperada com os processos naturais de sucessão, após supressão total ou parcial da vegetação primária, por ações antrópicas ou causas naturais). 10

11 3.4.1 SERVIDÃO AMBIENTAL RESERVA PARTICULAR DO PATRIMÔNIO NATURAL (RPPN) 3.5 É uma área de utilidade pública declarada pelo Poder Público, na qual se restringe o uso de partes do imóvel rural visando atender uma necessidade coletiva da sociedade. Alguns exemplos de usos como SERVIDÃO AMBIENTAL são: INFRAESTRUTURA PÚBLICA, UTILIDADE PÚBLICA e RESERVATÓRIO PARA ABASTECIMENTO OU GERAÇÃO DE ENERGIA. INFRAESTRUTURA PÚBLICA INFRAESTRUTURA PÚBLICA refere-se ao conjunto de instalações, equipamentos ou serviços pertencentes ao governo em benefício da sociedade. Os principais exemplos são obras nos setores de transporte, telecomunicações, saneamento e energia. A RPPN é uma categoria de Unidade de Conservação (UC) de uso sustentável implementada pela iniciativa de proprietários ou possuidores rurais, tendo como principal característica a conservação da diversidade biológica. A RPPN confere benefícios ao detentor do imóvel rural tais como: isenção do Imposto Territorial Rural (ITR), prioridade na análise de concessão de recursos do Fundo Nacional do Meio Ambiente, e preferência na análise do pedido de concessão de crédito agrícola. É permitida inclusive a comercialização de CRA na RPPN, incentivando a proteção e conservação da vegetação nativa. UTILIDADE PÚBLICA São caracterizadas como áreas que possuem: a) atividades de segurança nacional e proteção sanitária; b) obras de infraestrutura destinadas às concessões e aos serviços públicos de transporte, sistema viário, saneamento, gestão de resíduos, energia, telecomunicações, instalações necessárias à realização de competições esportivas, bem como mineração, exceto, neste último caso, a extração de areia, argila, saibro e cascalho; c) atividades e obras de defesa civil; d) atividades que comprovadamente proporcionem melhorias na proteção de funções ambientais. Acesse o MANUAL DO USUÁRIO do SEIA para realizar os últimos passos da inscrição de seu imóvel! Para outros materiais e informações sobre boas práticas agrícolas, acesse o nosso site 11

12 REFERÊNCIAS E FONTE DAS IMAGENS Ministério do Meio Ambiente - MMA. Manual do usuário: CAR - Módulo de Cadastro - versão 1.0. Disponível em: Acesso em: 02 abr 2015 Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Bahia - INEMA. Manual do Usuário do Sistema Estadual de Informações Ambientais e de Recursos Hídricos (SEIA) Disponível em: Acesso em: 10 jun 2015 FILHO, L. O. M. [et al.]. Curso de capacitação para o Cadastro Ambiental Rural (CapCAR): noções de geotecnologias. Lavras: UFLA, p. OLIVEIRA, A. L. de [et al.]. Curso de capacitação para o Cadastro Ambiental Rural (CapCAR): Etapa Geo. Lavras: UFLA, p. COMPARTILHE Para ampliar a difusão dos conteúdos produzidos pelo Programa Agricultura Consciente, esta publicação está sob licença da Com esta licença, você pode: Copiar, distribuir, exibir e executar este material; Criar obras derivadas. Sob as seguintes condições: Você deve dar crédito ao autor original; Você não pode utilizar este material com finalidades comerciais. Essa licença não vale para fotos e ilustrações, que permaneçam em copyright. 12

DICA 4 Complemento para a cartilha orientativa do SIG-CAR

DICA 4 Complemento para a cartilha orientativa do SIG-CAR DICA 4 Complemento para a cartilha orientativa do SIG-CAR Este material de apoio ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) faz parte das ações de difusão de boas práticas agrícolas do Programa Agricultura Consciente

Leia mais

CADASTRO AMBIENTAL RURAL

CADASTRO AMBIENTAL RURAL CADASTRO AMBIENTAL RURAL - Quais os conceitos que ainda deixam dúvidas - Como proceder em caso de desmembramento - Reserva Legal em área de expansão urbana - Dúvidas quanto à Reserva Legal averbada - Regeneração

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural CAR. Eng.ª Karine Rosilene Holler - AMVALI

Cadastro Ambiental Rural CAR. Eng.ª Karine Rosilene Holler - AMVALI Cadastro Ambiental Rural CAR Eng.ª Karine Rosilene Holler - AMVALI Legislação Lei Federal n 12.651/2012 - Código Florestal; Decreto Federal n 7.830/2012 - Dispõe sobre o Sistema de Cadastro Ambiental Rural;

Leia mais

ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE - APP -

ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE - APP - ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE - APP - Área de Preservação Permanente - APP (definição do Código Florestal-Lei 4771/65) Área protegida nos termos dos arts. 2º e 3º desta Lei, COBERTA OU NÃO POR VEGETAÇÃO

Leia mais

Prof. Pedro Brancalion

Prof. Pedro Brancalion Prof. Pedro Brancalion Impactos das mudanças de uso do solo Água - qualidade Água - quantidade Impactos das mudanças de uso do solo Solos e produção agrícola Impactos das mudanças de uso do solo Vidas

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Segundo a Lei Federal 12.651/2012, Decretos Federais 7.830/2012 e 8.235/2014 e Instrução Normativa MMA 02/2014 ESALQ Maio de 2014 Caroline

Leia mais

2 Áreas de Preservação Permanente APPs. ATENÇÃO! A vegetação da APP deverá ser mantida!

2 Áreas de Preservação Permanente APPs. ATENÇÃO! A vegetação da APP deverá ser mantida! 2 Áreas de Preservação Permanente APPs CONCEITO: Considera-se APP a área, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica

Leia mais

O NOVO CÓDIGO FLORESTAL Lei nº /2012

O NOVO CÓDIGO FLORESTAL Lei nº /2012 O NOVO CÓDIGO FLORESTAL Lei nº. 12.651/2012 BRASIL 8.514.876,599 km² 26 Estados e DF 5.565 Municípios Fonte: www.cennysilva.blogspot.com Bioma Amazônia Bioma Cerrado Fonte: www.biologo.com.br Fonte: www.socerrado.com.br

Leia mais

50% NO / norte do CO 20% Cerrado 20% Demais 50% NO / norte MT 50% Cerrado NO/norte MT 80% NO e norte MT. 35% Cerrado na Amazônia 80% Amazônia

50% NO / norte do CO 20% Cerrado 20% Demais 50% NO / norte MT 50% Cerrado NO/norte MT 80% NO e norte MT. 35% Cerrado na Amazônia 80% Amazônia 1934 1965 1989 1996 2000 25% 20% NE/SE/S e sul do CO 50% NO / norte do CO 20% Cerrado 20% Demais 50% NO / norte MT 50% Cerrado NO/norte MT 80% NO e norte MT 20% Demais 35% Cerrado na Amazônia 80% Amazônia

Leia mais

10 Passos para realizar o CAR antes do fim do prazo. e...

10 Passos para realizar o CAR antes do fim do prazo. e... 10 Passos para realizar o CAR antes do fim do prazo e... Quase um ano CAR: que dúvidas ainda continuam? Diferenças entre Atualizar e Retificar o Cadastro Como proceder a retificação? Convém averbar a Reserva

Leia mais

Disposições do Código Florestal Parte 2

Disposições do Código Florestal Parte 2 Instrumentos da legislação ambiental aplicáveis aos sistemas de infraestrutura Disposições do Código Florestal Parte 2 AUT 192 novembro de 2015 Principais determinações gerais do CF Florestas e demais

Leia mais

A ECO-92 resultou na elaboração dos seguintes documentos oficiais: A Carta da Terra;

A ECO-92 resultou na elaboração dos seguintes documentos oficiais: A Carta da Terra; A ECO-92 resultou na elaboração dos seguintes documentos oficiais: A Carta da Terra; três convenções Biodiversidade, Desertificação e Mudanças climáticas; uma declaração de princípios sobre florestas;

Leia mais

50% NO / norte do CO 20% Cerrado 20% Demais 50% NO / norte MT 50% Cerrado NO/norte MT 80% NO e norte MT. 35% Cerrado na Amazônia 80% Amazônia

50% NO / norte do CO 20% Cerrado 20% Demais 50% NO / norte MT 50% Cerrado NO/norte MT 80% NO e norte MT. 35% Cerrado na Amazônia 80% Amazônia 1934 1965 1989 1996 2000 25% 20% NE/SE/S e sul do CO 50% NO / norte do CO 20% Cerrado 20% Demais 50% NO / norte MT 50% Cerrado NO/norte MT 80% NO e norte MT 20% Demais 35% Cerrado na Amazônia 80% Amazônia

Leia mais

Treinamento: Gestão Ambiental da Propriedade Rural Cód. 294

Treinamento: Gestão Ambiental da Propriedade Rural Cód. 294 Código Ambiental Atualizado Santa Catarina Santa Catarina é o primeiro estado brasileiro em aprovar e fazer virar lei um código ambiental independente da legislação federal (é importante salientar que

Leia mais

(PROGRAMA DE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL NO MATO GROSSO)

(PROGRAMA DE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL NO MATO GROSSO) GUIA PRA (PROGRAMA DE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL NO MATO GROSSO) Este guia de perguntas e respostas tem o objetivo de ser um manual para orientar o produtor rural na adequação de sua propriedade ao novo Código

Leia mais

CÓDIGO FLORESTAL: Avanços e Diretrizes do Sistema Ambiental Paulista. TRÊS ANOS DE CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO - ENCONTRO DE SÃO PAULO Maio/2015

CÓDIGO FLORESTAL: Avanços e Diretrizes do Sistema Ambiental Paulista. TRÊS ANOS DE CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO - ENCONTRO DE SÃO PAULO Maio/2015 CÓDIGO FLORESTAL: Avanços e Diretrizes do Sistema Ambiental Paulista TRÊS ANOS DE CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO - ENCONTRO DE SÃO PAULO Maio/2015 Atualizações sobre o SICAR-SP Sistema instituído em 05/06/2013

Leia mais

QUADRO RESUMO DA LEI /12 ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE

QUADRO RESUMO DA LEI /12 ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CÓDIGO FLORESTAL QUADRO RESUMO DA LEI 12.651/12 ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE Eng. Agr. Renata Inês Ramos Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad 1 QUADRO RESUMO DA LEI 12.651/12, alterada pela Lei 12.727/12 ÁREA

Leia mais

Sistema de Cadastro Ambiental Rural SiCAR Lei Federal 12651/12 e Decreto Federal 7830/2012

Sistema de Cadastro Ambiental Rural SiCAR Lei Federal 12651/12 e Decreto Federal 7830/2012 Sistema de Cadastro Ambiental Rural SiCAR Lei Federal 12651/12 e Decreto Federal 7830/2012 Carolina Bernucci Virillo Coordenadoria de Biodiversidade e Recursos Naturais Secretaria do Meio Ambiente do Estado

Leia mais

Demarest Advogados Seminário Agronegócio: Agenda Regulatória

Demarest Advogados Seminário Agronegócio: Agenda Regulatória Demarest Advogados Seminário Agronegócio: Agenda Regulatória São Paulo, 25 de fevereiro de 2015 1 CADASTRO AMBIENTAL RURAL CAR ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE APP RESERVA LEGAL RL PROGRAMA DE REGULARIZAÇÃO

Leia mais

Prof. Guilhardes de Jesus Júnior, MSc.

Prof. Guilhardes de Jesus Júnior, MSc. RESERVA LEGAL FLORESTAL Aspectos jurídicos Prof. Guilhardes de Jesus Júnior, MSc. O QUE É A RESERVA LEGAL FLORESTAL? Segundo o Código Florestal (Lei 4.771/65), é a área localizada no interior de uma propriedade

Leia mais

~êunara Setorial, Bovinocultura Bubalinocultura. Mato Grosso do Sul

~êunara Setorial, Bovinocultura Bubalinocultura. Mato Grosso do Sul ~êunara Setorial, Bovinocultura Bubalinocultura Mato Grosso do Sul o comércio nacional e internacional de carnes requer dos seus fornecedores a implantação de processos de controle de qualidade, para certificar

Leia mais

ATIVIDADE Novo Código Florestal, Lei n.º /12

ATIVIDADE Novo Código Florestal, Lei n.º /12 ATIVIDADE Novo Código Florestal, Lei n.º 12.651/12 Questão 01 Em relação às áreas de preservação permanente APPs, assinale a opção correta: a) São áreas protegidas, previstas no chamado novo Código Florestal,

Leia mais

Código Florestal Brasileiro

Código Florestal Brasileiro Direito Ambiental Prof. Dr. Thiago Leite Engenheiro Florestal (UnB-DF) Mestrado em Ciências Ambientais e Florestais com ênfase em Educação Ambiental (UnB-DF) Doutorado em Ciências Florestais com ênfase

Leia mais

BRASÍLIA/DF, 04 DE SETEMBRO DE NOVO CÓDIGO FLORESTAL 2. CAR

BRASÍLIA/DF, 04 DE SETEMBRO DE NOVO CÓDIGO FLORESTAL 2. CAR BRASÍLIA/DF, 04 DE SETEMBRO DE 2014 RESUMO: 1. NOVO CÓDIGO FLORESTAL 2. CAR 1 NÚMEROS, PROGRAMAS E INSTRUMENTOS 84 artigos 76 EXCEÇÕES - INV. GAS. 36 DECRETOS REGULAMENTARES - DECRETOS A PUBLICAR: CRA

Leia mais

Quais as vantagens em aderir ao PRA? Multas antes de julho de 2008 serão realmente suspensas?

Quais as vantagens em aderir ao PRA? Multas antes de julho de 2008 serão realmente suspensas? Quais as vantagens em aderir ao PRA? Multas antes de julho de 2008 serão realmente suspensas? Quais as vantagens em aderir ao PRA? Continuidade das ATIVIDADES AGROSSILVIPASTORIS, de ecoturismo e de turismo

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Dep. de Ciências Florestais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Dep. de Ciências Florestais Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Dep. de Ciências Florestais LCF1581 RECURSOS FLORESTAIS EM PROPRIEDADES AGRÍCOLAS AULA: CADASTRO AMBIENTAL RURAL Gestor Ambiental

Leia mais

Atribuições da FATMA no município de Florianópolis

Atribuições da FATMA no município de Florianópolis Seminário de Condicionantes Ambientais e Capacidade de Suporte IPUF / Prefeitura Municipal de Florianópolis Atribuições da FATMA no município de Florianópolis ELAINE ZUCHIWSCHI Analista Técnica em Gestão

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL DO ESTADO DE GOIÁS. Jordana Gabriel Sara Girardello Engenheira Agrônoma Consultora técnica SENAR

NOVO CÓDIGO FLORESTAL DO ESTADO DE GOIÁS. Jordana Gabriel Sara Girardello Engenheira Agrônoma Consultora técnica SENAR NOVO CÓDIGO FLORESTAL DO ESTADO DE GOIÁS Jordana Gabriel Sara Girardello Engenheira Agrônoma Consultora técnica SENAR NOVO CÓDIGO FLORETAL BRASILEIRO Lei 12.651 / 2012 Dispõe sobre a proteção da vegetação

Leia mais

DICA 4.3 Programa CAR Módulo de Cadastro ETAPA GEO. Brasil Abril de 2015 Realização

DICA 4.3 Programa CAR Módulo de Cadastro ETAPA GEO. Brasil Abril de 2015 Realização DICA 4.3 Programa CAR Módulo de Cadastro ETAPA GEO Este material de apoio ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) faz parte das ações de difusão de boas práticas agrícolas do Programa Agricultura Consciente

Leia mais

Limites e potencialidades da legislação florestal Leonardo Papp

Limites e potencialidades da legislação florestal Leonardo Papp Limites e potencialidades da legislação florestal Leonardo Papp Doutorando em Direito Socioambiental (PUCPR) Mestre em Direito Ambiental (UFSC) Especialista em Direito Imobiliário (PUCPR) Professor de

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Parcelamento do Solo. Aspectos Florestais. Lei Federal /12

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Parcelamento do Solo. Aspectos Florestais. Lei Federal /12 LICENCIAMENTO AMBIENTAL Parcelamento do Solo Aspectos Florestais Lei Federal 12.651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Gerente da Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos Naturais - CTN Introdução

Leia mais

Federação das Indústrias do Estado de São Paulo FIESP. Grupo de Estudos de Direito Ambiental

Federação das Indústrias do Estado de São Paulo FIESP. Grupo de Estudos de Direito Ambiental www.buzaglodantas.adv.br Federação das Indústrias do Estado de São Paulo FIESP Grupo de Estudos de Direito Ambiental Marcelo Buzaglo Dantas Advogado. Membro das Comissões de Direito Ambiental da OAB/RJ

Leia mais

Novo Código Florestal: produção agropecuária e a sustentabilidade. Moisés Savian

Novo Código Florestal: produção agropecuária e a sustentabilidade. Moisés Savian Novo Código Florestal: produção agropecuária e a sustentabilidade Moisés Savian Esteio, 31 de agosto de 2012 Código Florestal Política Agroambiental Normativa Estabelece normas gerais com o fundamento

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO As florestas e demais formas de vegetação são reconhecidas no Brasil como bens de interesse comum a todos os habitantes do país, sendo que algumas destas áreas, legalmente determinadas

Leia mais

Os Efeitos das Alterações do Código Florestal no Meio Urbano. Beto Moesch

Os Efeitos das Alterações do Código Florestal no Meio Urbano. Beto Moesch Os Efeitos das Alterações do Código Florestal no Meio Urbano Beto Moesch Advogado, Ambientalista, Consultor Ambiental e Secretário do Meio Ambiente de Porto Alegre - 2005/08 Direito ambiental-surge para

Leia mais

CEFIR. Cadastro Estadual Ambiental Rural. Março.2013 SISEMA SISTEMA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE. Desafios e limitações

CEFIR. Cadastro Estadual Ambiental Rural. Março.2013 SISEMA SISTEMA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE. Desafios e limitações CEFIR Março.2013 SISEMA SISTEMA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE Contexto até 2011 Múltiplos deslocamentos do cidadão ao órgão ambiental; Atendimento presencial; Desafios e limitações Dificuldades de comunicação;

Leia mais

Comparativo entre o Código Florestal (Lei 4771/65) e o Substitutivo de autoria do Deputado Aldo Rebelo ao PL 1.876/99

Comparativo entre o Código Florestal (Lei 4771/65) e o Substitutivo de autoria do Deputado Aldo Rebelo ao PL 1.876/99 Comparativo entre o Código Florestal (Lei 4771/65) e o Substitutivo de autoria do Deputado Aldo Rebelo ao PL 1.876/99 Definições e disposições gerais Código Florestal Lei 4.771/65 Substitutivo PL 1.876/99

Leia mais

IMPACTOS DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL

IMPACTOS DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL IMPACTOS DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL Propostas e Processo Legislativo Proposta de alterações do Código Florestal Caso de SC concorrência de competências entre Federação e Estados Entraves no Poder Executivo:

Leia mais

SISTEMA DE CADASTRO AMBIENTAL RURAL SMA/SP

SISTEMA DE CADASTRO AMBIENTAL RURAL SMA/SP proposta NOVA LOUOS MOGI DAS CRUZES SISTEMA DE CADASTRO AMBIENTAL RURAL SMA/SP 24.04.2015 Mogi das Cruzes - SP CAR / SiCAR O CAR Cadastro Ambiental Rural constitui um cadastro eletrônico, obrigatório a

Leia mais

CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO. Vetos publicados em 18/10/12 no D.O.U

CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO. Vetos publicados em 18/10/12 no D.O.U CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO Lei Nº 4.771/65 Lei nº 12.651/12 MP nº 571/12 PLV* 21/2012 Vetos publicados em 18/10/12 no D.O.U * Projeto de Lei de Conversão (PLV): Quando a medida provisória (MP) é alterada

Leia mais

Tudo o que você precisa saber sobre o Código Florestal. Confira os principais pontos

Tudo o que você precisa saber sobre o Código Florestal. Confira os principais pontos Tudo o que você precisa saber sobre o Código Florestal Confira os principais pontos Chegamos à reta final. A edição da Medida Provisória 571 e a lei 12.651, publicadas no Diário Oficial da União no último

Leia mais

Novo. e a Repercussão na Aquicultura Nacional. Por: Márcio A. Bezerra, Msc.

Novo. e a Repercussão na Aquicultura Nacional. Por: Márcio A. Bezerra, Msc. Novo e a Repercussão na Aquicultura Nacional Por: Márcio A. Bezerra, Msc. Antigo Código Florestal Brasileiro: Lei 4.771/65 1965-2012 Falecido em 25 de Maio de 2012 Horário: 14h Motivo: Falência múltipla

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR O QUE É CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito nacional, obrigatório para todos os imóveis rurais, com a finalidade

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

MEIO AMBIENTE LEGISLAÇÃO BÁSICA. Palestrante: Wagner Giron de la Torre

MEIO AMBIENTE LEGISLAÇÃO BÁSICA. Palestrante: Wagner Giron de la Torre MEIO AMBIENTE LEGISLAÇÃO BÁSICA Palestrante: Wagner Giron de la Torre Convenção Sobre a Diversidade Biológica 1992 (promulgada pelo Decreto n. 2.519/98) Conscientes, também, da importância da diversidade

Leia mais

Mapeamento de APP e Reserva Legal APP de corpos d água

Mapeamento de APP e Reserva Legal APP de corpos d água 1/53 Mapeamento de APP e Reserva Legal APP de corpos d água Técnicas de mapeamento: exercícios práticos Eng. Allan Saddi Arnesen Mestre em Sensoriamento Remoto - INPE 2/53 Conteúdo programático: Capitulo

Leia mais

Grupo Arbore - 1

Grupo Arbore -  1 Grupo Arbore - www.arboreflorestas.com.br 1 Palestra: 13/09/2013 Código Florestal Reformado Lei 12.651, de 25 de maio de 2012 Alterado pela Lei 12.727 de 17 de outubro de 2012 Engenheiro Florestal André

Leia mais

Deliberação Normativa COPAM nº., de XX de janeiro de 2010

Deliberação Normativa COPAM nº., de XX de janeiro de 2010 Deliberação Normativa COPAM nº., de XX de janeiro de 2010 Disciplina o procedimento para regularização ambiental e supressão de vegetação em empreendimentos de parcelamento de solo, inclusive dentro dos

Leia mais

Aula de Olinda K. Fukuda

Aula de Olinda K. Fukuda Aula de Olinda K. Fukuda LEI Nº 4.771, DE 15/09/ 1965 Código florestal RESOLUÇÃO CONAMA nº 302, de 20 de março de 2002 Dispõe sobre os parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente

Leia mais

Café da Manhã da Frente Parlamentar Ambientalista 04/05/2016

Café da Manhã da Frente Parlamentar Ambientalista 04/05/2016 Café da Manhã da Frente Parlamentar Ambientalista 04/05/2016 Extrato Geral do CAR Março 2016 ÁREA PASSÍVEL DE CADASTRO (em hectares) 1 ÁREA TOTAL CADASTRADA (em hectares) 2 ÁREA CADASTRADA (em %) 3 397.836.864

Leia mais

COMPENSAÇÕES AMBIENTAIS. Luciano Cota Diretor de Meio Ambiente Azurit Engenharia e Meio Ambiente

COMPENSAÇÕES AMBIENTAIS. Luciano Cota Diretor de Meio Ambiente Azurit Engenharia e Meio Ambiente COMPENSAÇÕES AMBIENTAIS Luciano Cota Diretor de Meio Ambiente Azurit Engenharia e Meio Ambiente POR QUE COMPENSAR? COMPENSAR (verbo transitivo direto) Equilibrar; balancear o efeito de uma coisa com outra;

Leia mais

Licenciamento Florestal: Biomas Mata Atlântica e Pampa

Licenciamento Florestal: Biomas Mata Atlântica e Pampa Licenciamento Florestal: Biomas Mata Atlântica e Pampa Diego Melo Pereira Eng. Agrônomo Msc. Chefe da Divisão de Flora (Licenciamento e Cadastro Florestal) SEMA/RS Lei Federal 11.428/2006 Art. 2 o Para

Leia mais

Sumário XVII. Índice Sistemático Novo Código Florestal Comentado... 5 Capítulo I Disposições gerais arts. 1 o a 3 o... 5 Art. 1 o A...

Sumário XVII. Índice Sistemático Novo Código Florestal Comentado... 5 Capítulo I Disposições gerais arts. 1 o a 3 o... 5 Art. 1 o A... Sumário Novo Código Florestal Comentado... 1 Índice Sistemático... 3 Novo Código Florestal Comentado... 5 Capítulo I Disposições gerais arts. 1 o a 3 o... 5 Art. 1 o... 5 Art. 1 o A... 6 MP n o 571...

Leia mais

FAMURS Porto Alegre, 10 de maio de 2013

FAMURS Porto Alegre, 10 de maio de 2013 FAMURS Porto Alegre, 10 de maio de 2013 Marco legal CAR Instituído pela Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 Art. 29. É criado o Cadastro Ambiental Rural - CAR, no âmbito do Sistema Nacional de Informação

Leia mais

CADASTRO AMBIENTAL RURAL - CAR

CADASTRO AMBIENTAL RURAL - CAR CADASTRO AMBIENTAL RURAL - CAR Instituto Estadual do Ambiente - INEA Diretoria de Biodiversidade e Áreas Protegidas - DIBAP Gerência do Serviço Florestal - GESEF CADASTRO AMBIENTAL RURAL - CAR BASE LEGAL

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.830, DE 17 DE OUTUBRO DE 2012 A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

BR 116/RS Gestão Ambiental. Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental

BR 116/RS Gestão Ambiental. Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental BR 116/RS Gestão Ambiental Programa de Apoio às Prefeituras Municipais Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental Novo Código Florestal Inovações e aspectos práticos STE Serviços Técnicos de Engenharia

Leia mais

AS ALTERAÇÕES DOCÓDIGO FLORESTAL NO MEIO URBANO. Gustavo Trindade ESDM, 31 de maio de 2012.

AS ALTERAÇÕES DOCÓDIGO FLORESTAL NO MEIO URBANO. Gustavo Trindade ESDM, 31 de maio de 2012. AS ALTERAÇÕES DOCÓDIGO FLORESTAL NO MEIO URBANO Gustavo Trindade ESDM, 31 de maio de 2012. ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE APP APP - CONCEITO Lei Federal nª 4.771/65 Lei Federal nº 12.651/2012 Área de Preservação

Leia mais

Osvaldo Antonio R. dos Santos Gerente de Recursos Florestais - GRF. Instituto de Meio Ambiente de MS - IMASUL

Osvaldo Antonio R. dos Santos Gerente de Recursos Florestais - GRF. Instituto de Meio Ambiente de MS - IMASUL Osvaldo Antonio R. dos Santos Gerente de Recursos Florestais - GRF Instituto de Meio Ambiente de MS - IMASUL Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico - SEMADE Presidência da República Casa

Leia mais

CAR- Cadastro Ambiental Rural

CAR- Cadastro Ambiental Rural ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS CAR- Cadastro Ambiental Rural Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos 11ª Avenida nº 1272, Setor Universitário - Fone: (62)

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. Legislação Ambiental para Engenharia Ambiental e Sanitária - UFJF

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. Legislação Ambiental para Engenharia Ambiental e Sanitária - UFJF SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Rolfe Pinho Dias - SUPRAM - NRRA - Juiz de Fora 1 Regularização Ambiental Rolfe Pinho Dias Técnico Ambiental SUPRAM -Zona da Mata NRRA Juiz

Leia mais

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Lei 12.651/2012 Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Considerações Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para aplicação da lei Análise individual

Leia mais

Como Fazer Cadastro Ambiental Rural (CAR) Marcos de Lara Maia

Como Fazer Cadastro Ambiental Rural (CAR) Marcos de Lara Maia Como Fazer Cadastro Ambiental Rural (CAR) Marcos de Lara Maia O Cadastro Ambiental Rural (CAR) é um registro público eletrônico de âmbito nacional, obrigatório para todos os imóveis rurais, disponibilizado

Leia mais

1º Passo. 2º Passo. Verificar se o imóvel é rural ou urbano. Sendo rural, verificar a localização do imóvel no Brasil com duas opções:

1º Passo. 2º Passo. Verificar se o imóvel é rural ou urbano. Sendo rural, verificar a localização do imóvel no Brasil com duas opções: 1º Passo Verificar se o imóvel é rural ou urbano 2º Passo Sendo rural, verificar a localização do imóvel no Brasil com duas opções: Região da amazônia legal Demais regiões do país A Amazônia Legal compreende

Leia mais

Consideram-se integrantes do Bioma Mata Atlântica as seguintes formações florestais nativas e ecossistemas associados, com as respectivas

Consideram-se integrantes do Bioma Mata Atlântica as seguintes formações florestais nativas e ecossistemas associados, com as respectivas LEI DA MATA ATLÂNTICA Lei nº 11.428/2006 Estudo Dirigido Prof. MSc. Guilhardes Júnior 1. Que formações florestais fazem parte do Bioma Mata Atlântica? Consideram-se integrantes do Bioma Mata Atlântica

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO OBJETIVO DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Definir diretrizes para implantação do Sistema de Manutenção, Recuperação e Proteção da Reserva Florestal Legal e Áreas de Preservação Permanente SISLEG nos imóveis,

Leia mais

GUIA DE ESTUDO. Daniel Martini Promotor de Justiça - Master Direito Ambiental Internacional CNR ROMA/ITÁLIA -2008/2009;

GUIA DE ESTUDO. Daniel Martini Promotor de Justiça - Master Direito Ambiental Internacional CNR ROMA/ITÁLIA -2008/2009; OUTRAS ÁRES PROTEGIDAS - NOVO CÓDIGO FLORESTAL (LEI Nº 12651/2012, ALTERADA PELA LEI 12727/2012), LEI DO PARCELAMENTO DO SOLO URBANO (LEI 6766/79) E PMCMV (LEI 11977/2009) GUIA DE ESTUDO Daniel Martini

Leia mais

SIMEXMIN 2012 A QUESTÃO AMBIENTAL NA MINERAÇÃO E SUAS CONSEQUÊNCIAS. Ricardo Carneiro

SIMEXMIN 2012 A QUESTÃO AMBIENTAL NA MINERAÇÃO E SUAS CONSEQUÊNCIAS. Ricardo Carneiro SIMEXMIN 2012 A QUESTÃO AMBIENTAL NA MINERAÇÃO E SUAS CONSEQUÊNCIAS Ricardo Carneiro APROVEITAMENTO DOS RECURSOS MINERAIS E DOS POTENCIAIS HIDRÁULICOS APROVEITAMENTO DOS RECURSOS MINERAIS E DOS POTENCIAIS

Leia mais

Esta iniciativa reafirma o compromisso do Sistema FAEMG com a proteção da natureza. Carlos Alberto Assessoria de Meio Ambiente do SISTEMA FAEMG

Esta iniciativa reafirma o compromisso do Sistema FAEMG com a proteção da natureza. Carlos Alberto Assessoria de Meio Ambiente do SISTEMA FAEMG Esta iniciativa reafirma o compromisso do Sistema FAEMG com a proteção da natureza. Carlos Alberto Assessoria de Meio Ambiente do SISTEMA FAEMG PROGRAMA NOSSO AMBIENTE SISTEMA FAEMG OBJETIVO Água, solo

Leia mais

Campo Nativo não é Área Rural Consolidada

Campo Nativo não é Área Rural Consolidada Campo Nativo não é Área Rural Consolidada Riscos para a implantação da lei de Proteção da Vegetação Nativa (12.651/2012) e equívocos no tratamento dos Campos Sulinos Contribuição técnica da Rede Campos

Leia mais

Restauração Ecológica

Restauração Ecológica Restauração Ecológica A importância das florestas Seres humanos e sociedade: uso de recursos direta e indiretamente Diretamente: madeira para móveis, lenha, carvão, frutos, sementes e castanhas, óleos,

Leia mais

RESOLUÇÃO SMA-15 DE 13 DE MARÇO DE 2008.

RESOLUÇÃO SMA-15 DE 13 DE MARÇO DE 2008. PUBLICADA EM 14/03/88 SEÇÃO I PÁG.36 RESOLUÇÃO SMA-15 DE 13 DE MARÇO DE 2008. Dispõe sobre os critérios e parâmetros para concessão de autorização para supressão de vegetação nativa considerando as áreas

Leia mais

ATUALIZAÇÃO SOBRE O CÓDIGO FLORESTAL

ATUALIZAÇÃO SOBRE O CÓDIGO FLORESTAL ATUALIZAÇÃO SOBRE O CÓDIGO FLORESTAL Breve Histórico das Leis Ambientais Aplicadas à Propriedade Rural Código florestal 1934 Código das águas Novo Código florestal 1965 Política Nacional de Meio Ambiente

Leia mais

Roteiro Executivo. Extrato Geral do CAR. Benefícios do CAR. Capacitação e Formação de Técnicos. Recursos Investidos

Roteiro Executivo. Extrato Geral do CAR. Benefícios do CAR. Capacitação e Formação de Técnicos. Recursos Investidos Roteiro Executivo Extrato Geral do CAR Benefícios do CAR Capacitação e Formação de Técnicos Recursos Investidos Recursos e Projetos Captados pelo MMA para apoio à execução do CAR e PRA Arquitetura do SICAR

Leia mais

Medida Provisória nº , de 28 de Junho de 2001

Medida Provisória nº , de 28 de Junho de 2001 Legislação Legislação Informatizada - Medida Provisória nº 2.166-65, de 28 de Junho de 2001 - Publicação Original Medida Provisória nº 2.166-65, de 28 de Junho de 2001 Altera os arts. 1º, 4º, 14, 16 e

Leia mais

Síntese do Novo Código Florestal Brasileiro para Uso da Extensão Rural do Rio Grande do Sul

Síntese do Novo Código Florestal Brasileiro para Uso da Extensão Rural do Rio Grande do Sul Síntese do Novo Código Florestal Brasileiro para Uso da Extensão Rural do Rio Grande do Sul Síntese do Novo Código Florestal Brasileiro para Uso da Extensão Rural do Rio Grande do Sul Responsabilidade

Leia mais

A contribuição da regularização ambiental dos imóveis rurais na dinamização econômica dos municípios brasileiros.

A contribuição da regularização ambiental dos imóveis rurais na dinamização econômica dos municípios brasileiros. A contribuição da regularização ambiental dos imóveis rurais na dinamização econômica dos municípios brasileiros. ENCONTRO NACIONAL COM NOVOS PREFEITOS E PREFEITAS SETOR AGROPECUÁRIO PIB (%) BALANÇA COMERCIAL

Leia mais

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DE NASCENTES EM ÁREAS URBANAS

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DE NASCENTES EM ÁREAS URBANAS CONFEA / CREA E O PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DE NASCENTES EM ÁREAS URBANAS William Alvarenga Portela Engenheiro Agrônomo Tel.: (12) 9 7408-5000 william@portelaambiental.com.br São José dos Campos - SP Arborização

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Segundo a Lei Federal 12.651/2012 e Decreto Federal 7.830/2012 ESALQ Março/Abril de 2014 Caroline Vigo Cogueto Centro de Monitoramento e Avaliação

Leia mais

LEI Nº , DE VELHAS NOVIDADES E NOVOS PROBLEMAS. Ricardo Carneiro

LEI Nº , DE VELHAS NOVIDADES E NOVOS PROBLEMAS. Ricardo Carneiro LEI Nº 20.922, DE 16.10.2013 VELHAS NOVIDADES E NOVOS PROBLEMAS Ricardo Carneiro youtu.be/_zmuohub3wo.webloc HISTÓRICO E ESTRUTURA DA LEGISLAÇÃO FLORESTAL BRASILEIRA QUATRO GRANDES NORMATIVAS FLORESTAIS

Leia mais

CONSÓRCIO DE NATIVAS E EXÓTICAS NA RECOMPOSIÇÃO DA RESERVA LEGAL

CONSÓRCIO DE NATIVAS E EXÓTICAS NA RECOMPOSIÇÃO DA RESERVA LEGAL CONSÓRCIO DE NATIVAS E EXÓTICAS NA RECOMPOSIÇÃO DA RESERVA LEGAL 11º. DIA DE CAMPO FLORESTAL FAZENDA LAGEADO UNESP BOTUCATU/SP Thiago Maragno Engenheiro Florestal (14) 3731-2556 / thiago@arborasolucoes.com.br

Leia mais

ART. SITUAÇÃO NOVO TEXTO (MP 571) OBSERVAÇÃO

ART. SITUAÇÃO NOVO TEXTO (MP 571) OBSERVAÇÃO ART. SITUAÇÃO NOVO TEXTO (MP 571) OBSERVAÇÃO 1º Recuperou o texto aprovado no Senado Federal Reestabeleceu o texto aprovado no Senado Federal. 3º XI XII XXIV XXV XXVI XXVII 4º IV Inciso Inciso Inciso Inciso

Leia mais

Contribuição para a elaboração de Projeto de Lei de Conversão da Medida Provisória nº 1956/47, de 16 de março de 2000.

Contribuição para a elaboração de Projeto de Lei de Conversão da Medida Provisória nº 1956/47, de 16 de março de 2000. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA RESOLUÇÃO nº... O Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA, no uso das atribuições e competências que lhe são conferidas pela

Leia mais

Marcelo Augusto de Barros 1 Janeiro 2010 I. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL

Marcelo Augusto de Barros 1 Janeiro 2010 I. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Supressão de vegetação para edificação em área urbana no Estado de São Paulo aplicação a loteamentos Biomas Cerrado e Mata Atlântica - Quadro comparativo Marcelo Augusto de Barros 1 marcelo@fortes.adv.br

Leia mais

Gestão das informações públicas sobre ocupação territorial Integração de cadastros públicos. Brasília/DF 09 de maio de 2017

Gestão das informações públicas sobre ocupação territorial Integração de cadastros públicos. Brasília/DF 09 de maio de 2017 Gestão das informações públicas sobre ocupação territorial Integração de cadastros públicos Brasília/DF 09 de maio de 2017 Boletins informativos do CAR Informações sobre a evolução das inscrições no CAR

Leia mais

Propriedades rurais que possuam algum passivo ambiental, em termos de. reserva legal e áreas de preservação permanente, possivelmente terão

Propriedades rurais que possuam algum passivo ambiental, em termos de. reserva legal e áreas de preservação permanente, possivelmente terão Panorama Global Crescente preocupação com relação aos IMPACTOS AMBIENTAIS Panorama Nacional Propriedades rurais que possuam algum passivo ambiental, em termos de reserva legal e áreas de preservação permanente,

Leia mais

O Código Florestal nos Estados da Mata Atlântica

O Código Florestal nos Estados da Mata Atlântica O Código Florestal nos Estados da Mata Atlântica O Código Florestal nos Estados da Mata Atlântica Este relatório foi produzido para a Fundação SOS Mata Atlântica sob contrato firmado entre as partes em

Leia mais

Código Florestal brasileiro

Código Florestal brasileiro II Silvitrop Simpósio de Silvicultura Tropical Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP Campus de Botucatu Código Florestal brasileiro Luiz César C Ribas Engenheiro Florestal. Professor

Leia mais

REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL

REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL CARTILHA SOBRE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL 2ª EDIÇÃO REVISADA E AMPLIADA DE PROPRIEDADES RURAIS NA BAHIA 2ª EDIÇÃO REVISADA E AMPLIADA 1 EXPEDIENTE REALIZAÇÃO Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia

Leia mais

Aula 05. O objetivo desse código é criar limitações administrativas leis para proteção das florestas.

Aula 05. O objetivo desse código é criar limitações administrativas leis para proteção das florestas. Turma e Ano: MASTER A 2015 Matéria / Aula: Direito Ambiental Código Florestal e concessão de florestas Professor: Luiz Jungstedt Monitora: Kathleen Feitosa Aula 05 NOVO CÓDIGO FLORESTAL Lei 12.651/12 O

Leia mais

PROJETO DE LEI N 2012 (Dep. Bohn Gass e outros).

PROJETO DE LEI N 2012 (Dep. Bohn Gass e outros). 1 PROJETO DE LEI N 2012 (Dep. Bohn Gass e outros). Dispõe sobre as áreas consolidadas em áreas de preservação permanente e em áreas de reserva legal, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Rede de ONGs da Mata Atlântica RMA Apoio: Funbio e MMA Papel do Município no meio ambiente Constituição Federal Art 23 Competência Comum,

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 Altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor sobre as Áreas de Preservação Permanentes em áreas urbanas. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº 05, DE

INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº 05, DE INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº 05, DE 20-04-2011 DOU 25-04-2011 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁ- VEIS - IBAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

O PRA em São Paulo SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS 1 3 D E MAIO D E

O PRA em São Paulo SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS 1 3 D E MAIO D E O PRA em São Paulo SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS 1 3 D E MAIO D E 2 0 16 Principais pontos: Programa de parcerias para implantar o PRA Definição e aplicação de incentivos econômicos Complementar a regulamentação

Leia mais

10º ENTEC Encontro de Tecnologia: 28 de novembro a 3 de dezembro de 2016

10º ENTEC Encontro de Tecnologia: 28 de novembro a 3 de dezembro de 2016 IMPACTOS DO ATUAL CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO NA RESERVA LEGAL E AREAS AGROSSILVIPASTORIS EM UMA PROPRIEDADE RURAL-MG Carlos Eduardo Borges de Oliveira 1 ; Leonardo Campos de Assis 2; 1, 2 Uniube kkoliveira1@me.com,

Leia mais

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Índice O que o agricultor brasileiro deve saber sobre o Novo Código Florestal?...1 Começando a regularizar o imóvel rural...2

Leia mais