RESPONSABILIDADE SOCIAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESPONSABILIDADE SOCIAL"

Transcrição

1 RESPONSABILIDADE SOCIAL Você pode praticar a responsabilidade social ao abrir vagas na sua empresa para adolescentes, na condição de aprendizes ou estagiários. Nesta seção você poderá saber quais as diferenças de cada modalidade de contratação e quais os direitos e deveres de cada uma. Boa leitura!

2 Fazer bem para fazer o bem A Responsabilidade Social Empresarial vem se tornando um fator de competitividade, fortalecendo as redes tecidas pelos seus públicos de interesse. Atualmente, não basta oferecer produtos ou serviços de qualidade a preços justos. Os consumidores estão cada vez mais conscientes de seu papel na sociedade e exigem mais. Hoje, são valorizadas as empresas que cumprem suas obrigações fiscais e vão além. Preocupamse e trabalham em prol de todos os públicos com os quais se relacionam: desde fornecedores, clientes, colaboradores, até a comunidade em que atuam, o governo, enfim, a sociedade em geral. Reduzir impactos causados no meio ambiente, evitar desperdício de recursos, construir um relacionamento respeitoso com o cliente, promover um ambiente de trabalho saudável, participar das soluções dos problemas da comunidade, buscar o desenvolvimento do país são alguns passos para tornar uma empresa cidadã. É preciso compreender, portanto, que a responsabilidade social não pode ser definida simplesmente por ações emergenciais e pontuais. Deve sim ser traduzida como uma perspectiva de longo prazo que se incorpora à filosofia e política da empresa, nas relações internas e externas, na busca do bem estar da população. Essa visão global sobre as dinâmicas que afetam a sociedade possibilita a construção de empresas mais aptas a garantir a sustentabilidade dos negócios por um período maior que as demais. Empresas socialmente responsáveis possuem sua imagem institucional mais valorizada, garantem maior fidelidade de seus clientes, possuem maior capacidade de reter talentos. Em resumo: fazer bem para fazer o bem só estimula a perenidade entre as líderes no mercado. Guia do Associado da CDL/BH - Responsabilidade Social 103

3 Trabalho do Adolescente QUEM É CRIANÇA E QUEM É ADOLESCENTE? Considera-se criança a pessoa com até 12 (doze) anos de idade incompletos, e adolescente aquela entre 12 (doze) e 18 (dezoito) anos de idade. (Art. 2º do Estatuto da Criança e do Adolescente - Lei 8069 de 13 de Julho,1990). PROIBIÇÃO O trabalho infantil é proibido por lei e o do adolescente só é permitido a partir dos 16 (dezesseis) anos, salvo na condição de aprendiz, cuja idade mínima é de 14 anos. COMO CONTRATAR UM ADOLESCENTE O adolescente poderá celebrar com a empresa os seguintes tipos de contratos: 1 - CONTRATO DE TRABALHO COMUM: A empresa pode contratar o adolescente de 16 anos como um trabalhador comum, e assinar a sua carteira de trabalho, garantindo a ele todos os direitos que um trabalhador adulto possui, além de outros direitos especiais.* 2 - CONTRATO DE APRENDIZAGEM: É o contrato de trabalho especial, ajustado por escrito e por prazo determinado de no máximo dois anos, permitido para jovens maiores de 14 (quatorze) anos e menores de 24 (vinte e quatro). A aprendizagem caracteriza-se por atividades teóricas e práticas, metodicamente organizadas em tarefas de complexidade progressiva. Esta modalidade de contrato pressupõe a existência de um programa de aprendizagem contendo as etapas teóricas e práticas cuja elaboração, acompanhamento e avaliação são de responsabilidade das entidades mencionadas no artigo 430 da CLT. DIREITOS DIFERENCIADOS DO APRENDIZ: Ao adolescente aprendiz, salvo condição mais favorável, será garantido o salário mínimo hora, além de todos os demais direitos trabalhistas e previdenciários. A alíquota base de cálculo para fins de recolhimento do FGTS é de 2%

4 e a duração do trabalho não excederá a seis horas diárias, sendo proibidas as horas extras. Lei / CONTRATO DE ESTÁGIO: Para ser contratado como estagiário, o adolescente deve: ter no mínimo 16 anos completos na data de início do estágio (art. 7º, XXXIII da CF e art. 7º da Resolução Nº 1 de 21/01/04 do CNE); freqüentar necessariamente cursos de educação superior, ensino médio técnico profissionalizante ou escolas de educação especial. A atividade exercida deverá representar um complemento ao ensino; ter assinado com a empresa, com a interveniência obrigatória da instituição de ensino, o Termo de Compromisso; ter carga horária do estágio compatível com a jornada escolar do aluno, não podendo exceder a 4 horas diárias, ou 20 horas semanais, no caso de estágio supervisionado de aluno do ensino médio, ou 6 horas diárias e 30 semanais nos demais casos. (Resolução nº 01 de 21/01/04). * DIREITOS ESPECIAIS DOS ADOLESCENTES: Os adolescentes trabalhadores e os aprendizes têm os mesmos direitos trabalhistas e previdenciários dos trabalhadores adultos, além de direitos especiais, que são: 1) O trabalho não pode ser Para ser proveitoso tanto para o empresário, quanto para o adolescente, o estágio deve ser encarado como uma oportunidade de formação profissional. Trata-se de um momento em que a prática irá complementar os ensinamentos recebidos em sala de aula. Por isso, para que o adolescente seja estagiário em informática, por exemplo, o ideal é que esteja fazendo um curso técnico profissionalizante nessa área e conte com a orientação de alguém formado na área. Assim, ganha a empresa, com a formação de um profissional competente para os seus quadros, ganha o adolescente, que estabelece um contato bem orientado com a prática. desenvolvido em locais ou condições insalubres, perigosas ou penosas (Vide Portaria n 04 de 21/03/02 do Ministério do Trabalho e Emprego). 2) O adolescente não pode trabalhar em horário noturno, compreendido entre 22 horas de um dia e 5 horas do outro. 3) É proibido o trabalho em locais prejudiciais à sua formação moral, como por exemplo, em contato com material pornográfico, com jogos de azar, vendas a varejo de bebidas alcoólicas, etc. 4) É proibido o trabalho na rua, a não ser com autorização do juiz da Vara da Infância e da Juventude. Também depende de autorização judicial o trabalho em circo, cinema, teatros, boates, etc. 5) O horário de trabalho não pode prejudicar sua freqüência à escola. 6) É proibido prorrogar a duração normal diária do trabalho do menor, exceto até mais 2 (duas) horas, independentemente de acréscimo salarial, mediante convenção ou acordo coletivo, desde que o excesso de horas em um dia seja compensado pela diminuição em outro, de modo a ser observado o limite máximo de 44 (quarenta e quatro) horas semanais ou outro inferior, legalmente fixado. Também pode trabalhar, por motivo de força maior, até o máximo de 12 (doze) horas, com acréscimo salarial de, 100% (cem por cento) sobre a hora normal e desde que o trabalho do menor seja imprescindível ao funcionamento do estabelecimento, conforme Convençã Coletiva do comércio. Ocorrendo a prorrogação do horário normal de trabalho, será obrigatório um descanso de 15 (quinze) minutos, no mínimo, antes do início do período extraordinário do trabalho. ANOTAÇÕES NA CARTEIRA DE TRABALHO A Carteira de Trabalho e Guia do Associado da CDL/BH - Responsabilidade Social 105

5 Previdência Social (CTPS) é o documento do trabalhador. Nela deverão ser anotadas todas as informações relativas ao contrato de trabalho. Ao ser admitido, o empregado deverá apresentar a CTPS ao empregador mediante recibo, que terá o prazo de 48 (quarenta e oito) horas para fazer as seguintes anotações: identificação do empregador: nome, CNPJ ou CPF e endereço; data de admissão do empregado; cargo para o qual foi contratado; salário ajustado, sempre expresso em moeda corrente; condições especiais de trabalho, se houver. Ex.: contrato por prazo determinado, contrato de trabalho temporário, contrato de aprendizagem, etc. As demais anotações deverão ser feitas no decorrer do contrato de trabalho. Ex.: férias, reajuste de salário, etc. 106 Guia do Associado da CDL/BH - Responsabilidade Social

Cartilha. do adolescente trabalhador

Cartilha. do adolescente trabalhador Cartilha do adolescente trabalhador Se você está em busca de uma oportunidade para se profissionalizar e ingressar no mercado de trabalho, fique de olho nas dicas que preparamos. ANTES DE QUALQUER COISA...

Leia mais

Professor: Joaquim Estevam de Araújo Neto Fone: (95) Protegido pela Lei nº 9.610/98 - Lei de Direitos Autorais

Professor: Joaquim Estevam de Araújo Neto Fone: (95) Protegido pela Lei nº 9.610/98 - Lei de Direitos Autorais Professor: Joaquim Estevam de Araújo Neto Fone: (95) 99112-3636 - netobv@hotmail.com Protegido pela Lei nº 9.610/98 - Lei de Direitos Autorais 1 Art. 402. Considera-se menor para os efeitos desta Consolidação

Leia mais

O QUE É JOVEM APRENDIZ?

O QUE É JOVEM APRENDIZ? O QUE É JOVEM APRENDIZ? O programa jovem aprendiz é um projeto do governo federal criado a partir da Lei da Aprendizagem (Lei 10.097/00) com o objetivo de que as empresas desenvolvam programas de aprendizagem

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.097, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000. Altera dispositivos da Consolidação das Leis do Trabalho CLT, aprovada pelo Decreto-Lei

Leia mais

PORTARIA Nº 123/2014 DE 16 de JUNHO de 2014

PORTARIA Nº 123/2014 DE 16 de JUNHO de 2014 PORTARIA Nº 123/2014 DE 16 de JUNHO de 2014 Disposto nas legislações DEL5452/43 Consolidação das Leis do Trabalho, L8069/90 - Estatuto da Criança e do Adolescente ECA, L9394/96 Lei de Diretrizes e Bases

Leia mais

09/04/2015 O DIREITO DO TRABALHO E A PROTEÇÃO DO MENOR. Principais Normas. Dados gerais sobre o trabalho do menor no Brasil. O que é Menor?

09/04/2015 O DIREITO DO TRABALHO E A PROTEÇÃO DO MENOR. Principais Normas. Dados gerais sobre o trabalho do menor no Brasil. O que é Menor? Principais Normas O DIREITO DO TRABALHO E A PROTEÇÃO DO MENOR Prof. ROMEU BICALHO. Advogado; Doutorando em direito pela PUC/SP; Mestre em Direito pela Unimep; Professor de Direito do Trabalho, Processo

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO. Contrato de Trabalho. Prof. Hermes Cramacon

DIREITO DO TRABALHO. Contrato de Trabalho. Prof. Hermes Cramacon DIREITO DO TRABALHO Contrato de Trabalho Prof. Hermes Cramacon 1. Conceito - Art. 442 da CLT É o acordo tácito ou expresso correspondente à relação de emprego. 2. Características I- Contrato de direito

Leia mais

DO TRABALHO DA MULHER DIREITO DO TRABALHO II. Aula 11 Normas de proteção do. trabalho da mulher e do menor:

DO TRABALHO DA MULHER DIREITO DO TRABALHO II. Aula 11 Normas de proteção do. trabalho da mulher e do menor: Aula 11 Normas de proteção do trabalho da mulher e do menor Conteúdo Programático desta aula Normas de proteção do trabalho da mulher e do menor: fundamentos e finalidade, proteção à maternidade, normas

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço

Confira a autenticidade no endereço CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2016/2017 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ002081/2016 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/10/2016 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR060629/2016 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.086832/2016-66 DATA

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2006

PROJETO DE LEI N o, DE 2006 PROJETO DE LEI N o, DE 2006 (Do Sr. JOSÉ DIVINO) Dispõe sobre a Regulamentação da Profissão de Babá. O Congresso Nacional decreta: profissão de Babá. Art. 1 o Esta lei estabelece requisitos para o exercício

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO II. Profa. Graciane Saliba

DIREITO DO TRABALHO II. Profa. Graciane Saliba DIREITO DO TRABALHO II Profa. Graciane Saliba - Apresentação do site - Apresentação do plano de ensino e temas que serão tratados - Horários de aula - Trabalhos em sala e em equipe - Ausência e chamadas

Leia mais

Direito do Trabalho. Horas Extras, Compensação de Horas e Banco de Horas

Direito do Trabalho. Horas Extras, Compensação de Horas e Banco de Horas Direito do Trabalho Horas Extras, Compensação de Horas e Banco de Horas Horas Extras Art. 58 A duração normal do trabalho, para os empregados em qualquer atividade privada, não excederá de 8 (oito) horas

Leia mais

APRENDIZAGEM PROFISSIONAL

APRENDIZAGEM PROFISSIONAL APRENDIZAGEM PROFISSIONAL DIREITO DO JOVEM DEVER DA FAMÍLIA E DO ESTADO, COM A COLABORAÇÃO DA SOCIEDADE (Art. 205 da CF) OBRIGAÇÃO DA EMPRESA (Art. 170 da CF, Art. 429 da CLT) Análise Situacional da Aprendizagem

Leia mais

Professor: Joaquim Estevam de Araújo Neto Fone: (95) Protegido pela Lei nº 9.610/98 - Lei de Direitos Autorais

Professor: Joaquim Estevam de Araújo Neto Fone: (95) Protegido pela Lei nº 9.610/98 - Lei de Direitos Autorais Professor: Joaquim Estevam de Araújo Neto Fone: (95) 99112-3636 - netobv@hotmail.com Protegido pela Lei nº 9.610/98 - Lei de Direitos Autorais 1 CARTEIRA DE TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL Via de regra,

Leia mais

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 4 JORNADA DE TRABALHO

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 4 JORNADA DE TRABALHO DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 4 JORNADA DE TRABALHO Índice 1. Jornada de trabalho...3 2. Formas de Prorrogação da Jornada de Trabalho...4 3. Horas Extras no Caso de Força Maior...5 4. Trabalho Noturno...6

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PROGRAMA CURSO EXTENSÃO EM TRABALHO E PREVIDÊNCIA CAPITULO I - DIREITO DO TRABALHO -- Princípios do Direito do Trabalho -- Relação de Trabalho e Relação de Emprego Natureza jurídica:

Leia mais

APRENDIZAGEM. A aprendizagem é regulada pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) no capítulo referente ao menor (do art. 424 ao art.

APRENDIZAGEM. A aprendizagem é regulada pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) no capítulo referente ao menor (do art. 424 ao art. APRENDIZAGEM 1 INTRODUÇÃO A aprendizagem é regulada pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) no capítulo referente ao menor (do art. 424 ao art. 433) Foi alterada com a Lei n 10.097/2000 e a Lei 11.180/2005.

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.302-E DE 1998 Altera dispositivos da Lei nº 6.019, de 3 de janeiro de 1974, que dispõe sobre o trabalho temporário nas empresas urbanas e dá outras providências; e dispõe

Leia mais

Jornada de trabalho.

Jornada de trabalho. Jornada de trabalho. 1. Conceito: é uma medida de tempo no qual se inclui o labor diário. a) 1ª concepção: teoria do tempo efetivamente trabalhado, sendo o período do dia em que o empregado efetivamente

Leia mais

MODERNIZAÇÃO TRABALHISTA. Lei nº , de 13 de julho de 2017

MODERNIZAÇÃO TRABALHISTA. Lei nº , de 13 de julho de 2017 MODERNIZAÇÃO TRABALHISTA Lei nº 13.467, de 13 de julho de 2017 PANORAMA ATUAL VIGÊNCIA 11 DE NOVEMBRO DE 2017 ALTERAÇÕES POR MEDIDA PROVISÓRIA Grupo de trabalho: a) Gestante em situação de insalubridade

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016. Confira a autenticidade no endereço

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016. Confira a autenticidade no endereço ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001404/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/04/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR019141/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.005615/2015-22 DATA DO

Leia mais

Aula 3 MODALIDADES DO CONTRATO DE TRABALHO

Aula 3 MODALIDADES DO CONTRATO DE TRABALHO Aula 3 MODALIDADES DO CONTRATO DE TRABALHO Prazo indeterminado: O contrato de trabalho comum. Não há prazo para seu encerramento. Prazo determinado: Contrato de trabalho com tempo determinado para sua

Leia mais

1) O que caracteriza a utilidade com natureza salarial e a utilidade com natureza indenizatória?

1) O que caracteriza a utilidade com natureza salarial e a utilidade com natureza indenizatória? CADERNO DE EXERCÍCIOS 1) O que caracteriza a utilidade com natureza salarial e a utilidade com natureza indenizatória? 2) Vale transporte pago em dinheiro, vale refeição pago em dinheiro, concessão de

Leia mais

CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO

CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO Contrato individual de trabalho é o acordo, tácito ou expresso, correspondente à relação de emprego. Relação de emprego entre EMPREGADOR e EMPREGADO. DEFINIÇÃO LEGAL: O

Leia mais

CEA430 CEA MODAS LTDA. Cargo: APRENDIZ EM OPERACAO DE VENDAS CBO: C.N.P.J.: / Empregador: CEA MODAS LTDA

CEA430 CEA MODAS LTDA. Cargo: APRENDIZ EM OPERACAO DE VENDAS CBO: C.N.P.J.: / Empregador: CEA MODAS LTDA Empregador: CEA MODAS LTDA C.N.P.J.: 45.242.914/0064-80 Endereco: TRAV PADRE EUTIQUIO - BEI, 1130 LJ ANCORA D Cidade: BELEM Estado: PA CEA430 Estabelecimento: Comercio Varejista Empregado: ELIAS NICOLAS

Leia mais

LEI N , DE 19 DE DEZEMBRO DE O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI N , DE 19 DE DEZEMBRO DE O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Anexo 7 o LEI N 10.097, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000 Mensagem de veto Altera dispositivos da Consolidação das Leis do Trabalho CLT, aprovada pelo Decreto- Lei n o 5.452, de 1 o de maio de 1943. O PRESIDENTE

Leia mais

Lei de Dezembro de 2000.

Lei de Dezembro de 2000. Lei 10.097-19 de Dezembro de 2000. Altera dispositivos da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT,aprovada pelo Decretolei nº 5.452, de 1º de maio de 1943. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

Orientações Consultoria De Segmentos Apuração Horas e DSR para empregado Horista

Orientações Consultoria De Segmentos Apuração Horas e DSR para empregado Horista 13/03/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 4. Conclusão... 6 5. Informações Complementares... 6 6. Referências... 6 7.

Leia mais

Principais Alterações da Reforma Trabalhista

Principais Alterações da Reforma Trabalhista Principais Alterações da Reforma Trabalhista Tema Trabalhista Banco de Horas Contribuição Sindical Convenções e Acordos Coletivos de Trabalho Danos Morais CLT Vigente NOVAS REGRAS - Mudanças com a Lei

Leia mais

Ensaio sobre a nova Lei dos Empregados Domésticos

Ensaio sobre a nova Lei dos Empregados Domésticos www.fagnersandes.com.br Preparando você para o sucesso! Ensaio sobre a nova Lei dos Empregados Domésticos Regulamentado pela Lei Complementar n. 150/15, empregado doméstico é aquele que presta serviços

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002261/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/12/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053750/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.005185/2009-00 DATA DO

Leia mais

JORNADAS FLEXÍVEIS E REDUÇÃO DE JORNADA TRABALHO

JORNADAS FLEXÍVEIS E REDUÇÃO DE JORNADA TRABALHO JORNADAS FLEXÍVEIS E REDUÇÃO DE JORNADA TRABALHO Conversando com sindicalistas percebo que muitos fazem confusões entre jornadas flexíveis de trabalho, redução de jornada de trabalho e obrigatoriedade

Leia mais

Projeto de Lei do Senado nº, de 2010 (do Senador Renan Calheiros)

Projeto de Lei do Senado nº, de 2010 (do Senador Renan Calheiros) Projeto de Lei do Senado nº, de 2010 (do Senador Renan Calheiros) Altera a Lei nº 11.340, de 07 de agosto de 2006, a Consolidação das Leis do Trabalho aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio

Leia mais

Com fulcro nas considerações as parte abaixo qualificadas formalizam o presente termos:

Com fulcro nas considerações as parte abaixo qualificadas formalizam o presente termos: MINUTA CARTA DE INTENÇÕES CONSIDERAÇÃO: 1- Considerando que o SINEAC Sindicato Patronal regularmente constituído, pessoa jurídica em fase de registro junto ao Ministério do Trabalho e Emprego carece do

Leia mais

Sindicato dos Empregados no Comércio de Guarulhos

Sindicato dos Empregados no Comércio de Guarulhos 1 TERMO DE ADITAMENTO À CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 Por este instrumento e na melhor forma de direito, de um lado como representante da categoria profissional o SINDICATO DOS EMPREGADOS NO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MS000268/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020136/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46312.003324/2013-18 DATA DO PROTOCOLO: 20/05/2013 ACORDO COLETIVO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço

Confira a autenticidade no endereço CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS001017/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 02/09/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR037177/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.011895/2009-18 DATA

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 Art. 179. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios dispensarão às microempresas e às empresas de pequeno porte, assim definidas em

Leia mais

Assunto: Convenção Coletiva de Trabalho 2015/2016 SAAE/RJ (Auxiliares)

Assunto: Convenção Coletiva de Trabalho 2015/2016 SAAE/RJ (Auxiliares) Niterói, 17 de julho de 2015. Circular nº 021/2015 Assunto: Convenção Coletiva de Trabalho 2015/2016 SAAE/RJ (Auxiliares) Prezados Associados. Vimos pela presente, informar às Escolas que foram assinadas

Leia mais

Direito do Trabalho p/ TST Prof. Antonio Daud

Direito do Trabalho p/ TST Prof. Antonio Daud Direito do Trabalho p/ TST www.facebook.com/adaudjr @prof.antoniodaudjr TERCEIRIZAÇÃO Alterações com a reforma trabalhista Serviços terceirizáveis e atividade-fim Determinados e específicos Sem obrigatoriedade

Leia mais

GESTÃO E FISCALIZAÇÃO DE CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO (rotinas sugeridas)

GESTÃO E FISCALIZAÇÃO DE CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO (rotinas sugeridas) GESTÃO E FISCALIZAÇÃO DE CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO (rotinas sugeridas) (8) FISCALIZAÇÃO TRABALHISTA Os contratos de terceirização envolvem sério risco para a Administração, que é a possibilidade de responsabilização

Leia mais

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE ÍNDICE INTRODUÇÃO... 008 DISPOSIÇÕES GERAIS... 009 Conceito de empregador... 009 Conceito de empregado... 009 Direitos do empregado... 010 ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO TRABALHO... 014 Assédio moral no trabalho...

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA EM DEFESA DA APRENDIZAGEM

CARTA DE BRASÍLIA EM DEFESA DA APRENDIZAGEM CARTA DE BRASÍLIA EM DEFESA DA APRENDIZAGEM CARTA DE BRASÍLIA-DF EM DEFESA DA APRENDIZAGEM Os participantes do 3º Seminário Nacional de Combate ao Trabalho Infantil e de Estímulo à Aprendizagem, promovido

Leia mais

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO Curso: (curso/habilitação) Ciências Contábeis Disciplina: Cálculos Trabalhistas Carga Horária: (horas/semestre) 50 aulas Semestre Letivo / Turno: 4º Semestre Professores:

Leia mais

NIVELAMENTO PARA PÓS GRADUAÇÃO. - Direito Individual do Trabalho - (aula 04/11)

NIVELAMENTO PARA PÓS GRADUAÇÃO. - Direito Individual do Trabalho - (aula 04/11) NIVELAMENTO PARA PÓS GRADUAÇÃO - Direito Individual do Trabalho - (aula 04/11) CUSTÓDIO NOGUEIRA Advogado militante especializado em Direito Civil e Processo Civil; Sócio da Tardem e Nogueira Assessoria

Leia mais

SINDICATO DOS EMPREGADOS

SINDICATO DOS EMPREGADOS 2008 2009 Pelo presente instrumento, de um lado o SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES CULTURAIS, RECREATIVAS, E DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, DE ORIENTAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ESTADO DE SANTA CATARINA

Leia mais

Modernização da Lei Trabalhista Brasileira

Modernização da Lei Trabalhista Brasileira Modernização da Lei Trabalhista Brasileira Liberdade, Segurança Jurídica e Simplificação SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI N. 6.787 DE 2016 DEPUTADO ROGÉRIO MARINHO (PSDB/RN) RELATOR Súmulas do TST Interpretações

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço

Confira a autenticidade no endereço ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2017/2018 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS002117/2017 DATA DE REGISTRO NO MTE: 25/08/2017 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR051464/2017 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.012583/2017-23 DATA DO

Leia mais

Perguntas Frequentes (Lei /2008)

Perguntas Frequentes (Lei /2008) Perguntas Frequentes (Lei 11.788/2008) O que é o estágio? Estágio é o ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo de estudantes.

Leia mais

CIRCULAR CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2013

CIRCULAR CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2013 CIRCULAR CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2013 Esta circular do segmento VAREJISTA se aplica aos comerciários da base comum dos sindicatos signatários deste documento: SINCOMÉRCIARIOS E SINCOMÉRCIO,

Leia mais

04/03/2015 GPII - 1. Tópicos. Os procedimentos de registros fazem parte das rotinas de um Departamento de Pessoal, que envolvem :

04/03/2015 GPII - 1. Tópicos. Os procedimentos de registros fazem parte das rotinas de um Departamento de Pessoal, que envolvem : Tópicos pg 1.Introdução 2 2.Jornada de Trabalho 3 3.Hora Extraordinária 4 4.Férias 5 5.Auxílio Doença 6 6.Período de Descanso 7 7.Trabalho da Mulher 8 8.Trabalho do Menor 10 9.Empregado Doméstico 11 10.Exercícios

Leia mais

É MELHOR PREVENIR DO QUE INDENIZAR COMO REDUZIR RISCOS DE AÇÕES TRABALHISTAS ATRAVÉS DE AÇÕES PREVENTIVAS

É MELHOR PREVENIR DO QUE INDENIZAR COMO REDUZIR RISCOS DE AÇÕES TRABALHISTAS ATRAVÉS DE AÇÕES PREVENTIVAS É MELHOR PREVENIR DO QUE INDENIZAR COMO REDUZIR RISCOS DE AÇÕES TRABALHISTAS ATRAVÉS DE AÇÕES PREVENTIVAS PRÉ-CONTRATAÇÃO: CONSEQUENCIA DA CONTRATAÇÃO: VÍNCULO EMPREGATÍCIO oneroso, habitual, subord, depend.

Leia mais

ANO REFERÊNCIA 2017/2018

ANO REFERÊNCIA 2017/2018 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA ENTRE O SINDICATO DOS PROPRIETÁRIOS DE CFC S DO ESTADO DE MINAS GERAIS SIPROCFC/MG E O SINDICATO DOS EMPREGADOS E INSTRUTORES DE AUTO-ESCOLAS E DOS CFC S DO ESTADO

Leia mais

CONSIDERANDO a Orientação Normativa nº 7, de 30 de outubro de 2008, do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão,

CONSIDERANDO a Orientação Normativa nº 7, de 30 de outubro de 2008, do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, RESOLUÇÃO nº 04 DE 08 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a realização de Estágios obrigatórios e não obrigatórios por alunos da UFPel O Presidente do Conselho Coordenador do Ensino, da Pesquisa e da Extensão

Leia mais

SALÁRIOS E ADICIONAIS

SALÁRIOS E ADICIONAIS SALÁRIOS E ADICIONAIS Salário Valor do salário Salário Minimo é o pagamento realizado diretamente pelo empregador ao empregado, como retribuição pelo seu trabalho A estipulação do valor do salário hoje,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2000 Entre as partes, de um lado: SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS FABRICANTES DE PEÇAS E PRÉ-FABRICADOS EM CONCRETO DO ESTADO DE SÃO PAULO e de outro lado: SINDICATO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001895/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/10/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR049719/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.001525/2009-15 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000560/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 25/04/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017751/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.004817/2012-54 DATA

Leia mais

Direito do Trabalho Questões Dissertativas Konrad Mota Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

Direito do Trabalho Questões Dissertativas Konrad Mota Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Direito do Trabalho Questões Dissertativas Konrad Mota 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 01. Joana contava com 12 anos de idade quando foi contratada pela empresa

Leia mais

DECRETO Nº 5.598, DE 1º DE DEZEMBRO DE 2005.

DECRETO Nº 5.598, DE 1º DE DEZEMBRO DE 2005. DECRETO Nº 5.598, DE 1º DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a contratação de aprendizes e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição,

Leia mais

ETEC SÃO MATEUS

ETEC SÃO MATEUS AULA 5 GESTÃO DE PESSOAS I PROF. PROCÓPIO ETEC SÃO MATEUS - 11-03-2016 Não fique sem o conteúdo, acesse: www.professorprocopio.com Processo de Admissão A área de Recursos Humanos (RH) / Departamento Pessoal

Leia mais

Nas relações jurídicas pertinentes à contratação de aprendizes, será observado o disposto neste Decreto. CAPÍTULO I DO APRENDIZ Art.

Nas relações jurídicas pertinentes à contratação de aprendizes, será observado o disposto neste Decreto. CAPÍTULO I DO APRENDIZ Art. DECRETO Nº 5.598, DE 1º DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a contratação de aprendizes e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição,

Leia mais

PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO E COMBATE AO TRABALHO INFANTIL. Araucária 2016

PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO E COMBATE AO TRABALHO INFANTIL. Araucária 2016 PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO E COMBATE AO TRABALHO INFANTIL. Araucária 2016 Soeli do Rocio Nunes Lechinhoski Pedagoga do Departamento de Ensino Fundamental da Secretaria Municipal de Educação (2013-2016) Secretaria

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS E CONTRATO DE TRABALHO

GESTÃO DE PESSOAS E CONTRATO DE TRABALHO GESTÃO DE PESSOAS E CONTRATO DE TRABALHO Gestão de Pessoas é uma área ou departamento da organização que se ocupa com um conjunto de atividades relacionadas às pessoas (funcionários, familiares, comunidade,

Leia mais

24/02/2015 GP II 1. Tópicos

24/02/2015 GP II 1. Tópicos Tópicos pg 1. Tipos de Contrato 2 2. Prazo Indeterminado 3 3. Prazo Determinado 4 4. Contrato de Experiência 5 5. Itens do Contrato de Trabalho 6 6. Remuneração 7 7. Descontos: INSS 9 8. Descontos: IRRF

Leia mais

BOLSA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL (LEI Nº 7.998/1990) Perguntas e respostas

BOLSA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL (LEI Nº 7.998/1990) Perguntas e respostas Secretaria de Políticas Públicas de Emprego Departamento de Emprego e Salário Coordenação-Geral do Seguro-Desemprego, do Abono Salarial e Identificação Profissional. BOLSA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL (LEI

Leia mais

ETAPAS PARA CONTRATAÇÃO

ETAPAS PARA CONTRATAÇÃO Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Administração Regional em Minas Gerais CFP Aprendizagem Comercial / Suplência ETAPAS PARA CONTRATAÇÃO De posse da cota definida pela Superintendência regional

Leia mais

ENTENDA SEUS DIREITOS. O SINDEMED reservou este espaço para esclarecer seus direitos trabalhistas. O que é Banco de horas?

ENTENDA SEUS DIREITOS. O SINDEMED reservou este espaço para esclarecer seus direitos trabalhistas. O que é Banco de horas? ENTENDA SEUS DIREITOS O SINDEMED reservou este espaço para esclarecer seus direitos trabalhistas. O que é Banco de horas? O chamado banco de horas é uma possibilidade admissível de controle e compensação

Leia mais

Programa Jovem Aprendiz Cooperativo C. Vale. Edital nº 01/2017.

Programa Jovem Aprendiz Cooperativo C. Vale. Edital nº 01/2017. Programa Jovem Aprendiz Cooperativo C. Vale. Edital nº 01/2017. A C. Vale Cooperativa Agroindustrial, inscrita sob CNPJ nº.77.863.223/0001-07, com sede a Av. Independência, 2347, centro, Palotina-Paraná,

Leia mais

Profissão de Motorista Mudanças na CLT

Profissão de Motorista Mudanças na CLT Profissão de Motorista Mudanças na CLT Lei 13.103 de 2 de março de 2015 Resumo A Lei 13.103 de 02/03/2015 promoveu alterações na CLT em relação à profissão de motoristas, cujo conteúdo segue nos slides

Leia mais

Contrato de Trabalho: morfologia e tipos

Contrato de Trabalho: morfologia e tipos Contrato de Trabalho: morfologia e tipos Contrato de Trabalho: morfologia e tipos SARMENTO TRABALHADOR AVULSO (Lei 8.630/93 Do Trabalho Portuário Art. 26. O trabalho portuário de capatazia, estiva, conferência

Leia mais

LEGALE - PÓS GRADUAÇÃO DIREITO ACIDENTÁRIO. Direitos Trabalhistas que Surgem com o. Acidente do Trabalho. Professor: Dr.

LEGALE - PÓS GRADUAÇÃO DIREITO ACIDENTÁRIO. Direitos Trabalhistas que Surgem com o. Acidente do Trabalho. Professor: Dr. LEGALE - PÓS GRADUAÇÃO DIREITO ACIDENTÁRIO Direitos Trabalhistas que Surgem com o Professor: Dr. Rogério Martir Acidente do Trabalho Doutorando em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidad Del Museo

Leia mais

SINDITRAUX CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO / 2008

SINDITRAUX CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO / 2008 SINDITRAUX CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2007 / 2008 Entre o SINDICATO DOS PROFISSIONAIS QUE TRABALHAM COM RADIAÇÃO, AUXILIARES, ULTRASSONOGRAFIA E XEROGRAFIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS SINDITRAUX, CNPJ

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000249/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 11/05/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR022255/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46210.000856/2015-03

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei: LEI Nº 1578/2010. Institui o Programa Social Municipal de Profissionalização de Adolescentes, assim como autoriza a Administração Pública realizar a contratação de aprendizes na forma desta lei, e da outras

Leia mais

DURAÇÃO DO TRABALHO. Paula Freire 2015

DURAÇÃO DO TRABALHO. Paula Freire 2015 DURAÇÃO DO TRABALHO Paula Freire 2015 Jornada Do francês, journée, trabalho realizado durante um dia, do nascer ao pôr do sol. Duração do trabalho: Tempo em que o empregado está a disposição do empregador.

Leia mais

Marisa Vidovix. Superintendente

Marisa Vidovix. Superintendente Marisa Vidovix Superintendente Contribuir para a promoção humana e a inclusão socioeconômica, a partir da assistência e da qualificação profissional e cultural de pessoas com e sem deficiência. Ser referência

Leia mais

REFORMA TRABALHISTA JORNADA DE TRABALHO

REFORMA TRABALHISTA JORNADA DE TRABALHO REFORMA TRABALHISTA JORNADA DE TRABALHO DR. THIAGO TRINDADE ABREU DA SILVA MENEGALDO Advogado Trabalhista, Sócio no escritório Geromes e Menegaldo Sociedade de Advogados, Professor em diversos cursos de

Leia mais

Entre as funções exercidas pelos funcionários do departamento pessoal temos:

Entre as funções exercidas pelos funcionários do departamento pessoal temos: Conceito O setor de departamento pessoal tem grande importância em uma empresa, podemos dizer que e um dos pilares mais importante, sem ela não temos um bom andamento da empresa, esse setor lida com assuntos

Leia mais

04/03/2015 GPII - 1. Tópicos. Artigo 13, portaria nº da 13/11/1991. Obrigatória para o exercício de qualquer atividade remunerada

04/03/2015 GPII - 1. Tópicos. Artigo 13, portaria nº da 13/11/1991. Obrigatória para o exercício de qualquer atividade remunerada Tópicos pg 1. Carteira de Trabalho 2 2. Documentação Necessária 3 3. Principais Anotações da CTPS (art. 29 da CLT) 4 4. Anotação de Reajuste Salarial 5 5. Anotações de Férias 6 6. Trabalhador Temporário

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2014 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS002243/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/10/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR059485/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.013200/2012-20 DATA

Leia mais

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E/OU RESULTADOS

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E/OU RESULTADOS ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000542/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/08/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR047856/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46210.001655/2015 15 DATA DO

Leia mais

OS DIREITOS DOS TRABALHADORES NA CONSTITUIÇÃO- ARTIGO 7º

OS DIREITOS DOS TRABALHADORES NA CONSTITUIÇÃO- ARTIGO 7º OS DIREITOS DOS TRABALHADORES NA CONSTITUIÇÃO- ARTIGO 7º A nossa constituição equiparou o trabalhador urbano ao rural ao definir que são direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que

Leia mais

Página 2 de 6 Parágrafo 2º Aos admitidos após 1º de julho de 2014 será concedido aumento proporcional ao número de meses trabalhados. ) GRATIFICAÇÕES,

Página 2 de 6 Parágrafo 2º Aos admitidos após 1º de julho de 2014 será concedido aumento proporcional ao número de meses trabalhados. ) GRATIFICAÇÕES, Página 1 de 6 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2017 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS001077/2016 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/06/2016 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR028206/2016 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.009182/2016-13

Leia mais

Dr. Leandro Villela Cezimbra Analista Técnico FIERGS.

Dr. Leandro Villela Cezimbra Analista Técnico FIERGS. Dr. Leandro Villela Cezimbra Analista Técnico FIERGS leandro.cezimbra@fiergs.org.br JORNADA A jornada de trabalho é de 8 horas diárias, acrescida de mais duas horas extras diárias (art. 59), mediante acordo

Leia mais

NEGOCIAÇÃO COLETIVA À LUZ DA REFORMA TRABALHISTA NO BRASIL

NEGOCIAÇÃO COLETIVA À LUZ DA REFORMA TRABALHISTA NO BRASIL NEGOCIAÇÃO COLETIVA À LUZ DA REFORMA TRABALHISTA NO BRASIL Ministro Aloysio Corrêa da Veiga INTRODUÇÃO Importância da Negociação Coletiva no Mundo Atual. Artigo 1º (Constituição da República Portuguesa)

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Férias na modalidade do regime de tempo parcial

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Férias na modalidade do regime de tempo parcial Férias na modalidade do regime de tempo parcial 07/07/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 4 5. Informações

Leia mais

Aula de Sexta-Feira(06/05/2011)

Aula de Sexta-Feira(06/05/2011) Aula de Sexta-Feira(06/05/2011) Salário: Art. 7º C.F. São direitos dos trabalhadores além de outros IV salário mínimo, fixado em lei, nacionalidade unificado, capaz de atender as suas necessidades vitais

Leia mais

SEMINÁRIO TRABALHISTA TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS SP 25/08/2017

SEMINÁRIO TRABALHISTA TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS SP 25/08/2017 SEMINÁRIO TRABALHISTA TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS SP 25/08/2017 Acordado sobre o legislado autorizado - art.611-a, CLT A CCT e o ACT têm prevalência sobre a Lei: 1) pacto quanto à jornada de trabalho

Leia mais

Evento Especial Aprendizagem e Estágio Considerações Gerais

Evento Especial Aprendizagem e Estágio Considerações Gerais Evento Especial Aprendizagem e Estágio Apresentação: Érica Nakamura Luciana Escatena Buganza Terça-feira, 13 de Maio de 2014 Estágio Considerações Gerais Legislação Lei n 11.788/2008 Observação: CLT não

Leia mais

Considerando que a Faculdade Pilares está em plena reforma acadêmica que será implementada a partir de 2009 e;

Considerando que a Faculdade Pilares está em plena reforma acadêmica que será implementada a partir de 2009 e; RESOLUÇÃO CONSEPE 01/2009 REFERENDA A PORTARIA DG 04/2008 QUE APROVOU A INSERÇÃO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS NÃO OBRIGATÓRIOS NOS PROJETOS PEDAGÓGICOS DOS CURSOS OFERTADOS PELA. O Presidente do Conselho

Leia mais

Guia Trabalhista: Trabalho intermitente. Resumo: 1) Introdução: 2) Conceito: 3) Contrato de trabalho: 2.1) Trabalho intermitente:

Guia Trabalhista: Trabalho intermitente. Resumo: 1) Introdução: 2) Conceito: 3) Contrato de trabalho: 2.1) Trabalho intermitente: Guia Trabalhista: Trabalho intermitente Resumo: Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos às disposições previstas na legislação trabalhista para o contrato de trabalho firmado na modalidade de

Leia mais

2012 Cartilha do Comércio

2012 Cartilha do Comércio 2012 Cartilha do Comércio APRESENTAÇÃO O Sindicato do Comércio Varejista e Atacadista de Tubarão e Região SINDILOJAS, no atendimento das necessidades dos seus representados, reuniu as principais dúvidas

Leia mais

Direito do Trabalho. Salário e Remuneração

Direito do Trabalho. Salário e Remuneração Direito do Trabalho Salário e Remuneração Salário e Remuneração Salário: contraprestação paga pelo empregador ao empregado pelos serviços prestados. Remuneração: engloba o salário e o conjunto de verbas

Leia mais

LEI Nº , DE 13 DE JULHO DE Reforma Trabalhista

LEI Nº , DE 13 DE JULHO DE Reforma Trabalhista LEI Nº. 13.467, DE 13 DE JULHO DE 2017 Altera a CLT, a fim de adequar a legislação às novas relações de trabalho Reforma Trabalhista A Reforma Trabalhista (Lei 13.467/2017), que foi sancionada em 13 de

Leia mais

1- DO INSTRUMENTO NORMATIVO E SEU CAMPO DE APLICAÇÃO

1- DO INSTRUMENTO NORMATIVO E SEU CAMPO DE APLICAÇÃO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO Pelo presente instrumento, de um lado, o SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE COMBUSTÍVEIS AUTOMOTIVOS, LOJAS DE CONVENIÊNCIA e LUBRIFICANTES DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL-SINPETRO/MS,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO /2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO /2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO /2015 Convenção Coletiva de Trabalho, que entre si ajustam a FEDERAÇÃO NACIONAL DOS EMPREGADOS EM POSTOS DE SERVIÇOS DE COMBUSTÍVEIS E DERIVADOS DE PETRÓLEO - FENEPOSPETRO,

Leia mais

SINDICATO DOS EMPREGADOS DE EMPRESAS DE PROCESSAMENTO DE DADOS DO ESTADO DO PARANÁ

SINDICATO DOS EMPREGADOS DE EMPRESAS DE PROCESSAMENTO DE DADOS DO ESTADO DO PARANÁ PAUTA DE REIVINDICAÇÃO PARA CELEBRAÇÃO DA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 DOS TRABALHADORES DAS EMPRESAS PARTICULARES QUE ATUAM NO ESTADO DO PARANÁ. Cláusula 1ª - DATA BASE Fica assegurada a data

Leia mais

TIPOS DE TRABALHADORES

TIPOS DE TRABALHADORES TIPOS DE TRABALHADORES 2 - EMPREGADO DOMÉSTICO CONCEITO FONTE: http://portal.mte.gov.br/trab_domestico/trab alho-domestico.htm Considera-se trabalhador doméstico aquele maior de 18 anos que presta serviços

Leia mais