Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino"

Transcrição

1 Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino

2 Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote principal das campanhas de propaganda; Rapidamente modificável para atender necessidades de gestão e dos consumidores; Principal determinante de compra em nações mais pobres, grupos sociais de baixa renda e na venda de produtos genéricos.

3 Preço em varejo Determinação de preço hoje Tendência de negociação direta entre compradores e vendedores; Consumidores mais maduros e mais cautelosos em suas escolhas; Mais facilidade na tomada de informações sobre qualidade, benefícios e preços.

4 Preço em varejo Causa da maior concentração de erros, quando: a organização é demasiadamente orientada pelos custos; os preços não são revisados com a frequência devida; Oe preços determinados sem levar em conta o restante do mix de marketing. Afeta a atratividade da loja e o volume de vendas

5 Objetivos de preço Objetivos de vendas: maiores volumes de vendas para obtenção de maiores níveis de lucratividade e maior participação de mercado; Objetivo de imagem de preço: liderança e paridade em preço valores iguais ou próximos aos da concorrência; Objetivo de lucro: maximização dos lucros, do retorno sobre os investimentos e das margens sobre as vendas.

6 Política de preços Preços acima do mercado Concorrência pela diferenciação; Maximização dos lucros: em função de uma margem bruta mais elevada e não no volume de vendas; Política adequada quando: Concorrência pequena; Custos operacionais altos; Consumidores pouco sensíveis a preços; foco em diferenciação: localização, qualidade, atendimento personalizado etc.

7 Política de preços Preços na média do mercado: Política mais adotada; Consiste em estabelecer um patamar de preços intermediário ao praticado no mercado; Foco em diferenciação em alguns aspectos: localização, atendimento ou qualidade.

8 Política de preços Preços abaixo do mercado: Atratividade do negócio baseada fortemente no preço; Política associada a estruturas de baixo custo e pouca ou nenhuma diferenciação; Requer técnicas de gestão sofisticadas, direcionada a consumidores muito sensíveis a preços.

9 Política de preços Posicionamento estratégico de preço e valor: Leva-se em consideração: A forma como o consumidor escolhe a empresa de varejo; O posicionamento no mercado; Nível de sensibilidade do consumidor a preço; Busca benefícios.

10 Interatividade A determinação de preço hoje considera: I. A tendência de negociação direta entre compradores e vendedores; II. Que os consumidores são maduros e mais cautelosos em suas escolhas; III. Que há mais facilidade na tomada de informações sobre os produtos. a) As afirmações I, II e III estão certas. b) Apenas as afirmações I e II estão certas. c) Apenas a afirmação I está certa. d) Apenas a afirmação II está certa. e) Apenas a afirmação III está certa.

11 Fatores que determinam as políticas de preços Fatores relacionados ao comportamento do consumidor: Refere-se à sensibilidade dos clientes com relação às alterações de preços. Alta elasticidade: cliente com grande sensibilidade a preço e possibilidade de substituição do produto. Inelasticidade: cliente com baixa sensibilidade ao preço e poucas possibilidades de substituição do produto ou urgência na aquisição. Elasticidade cruzada: relação entre a variação de preço e seu efeito sobre a compra de outro produto.

12 Fatores que determinam as políticas de preços Segmentos de mercado: cliente relaciona custo-benefício: Consumidores orientados para o custo: preço e as ofertas; Consumidores orientados para o benefício: atendimento, localização, variedade etc.; Área de influência: o poder de atração da loja é influenciado pela definição de preços;

13 Fatores que determinam as políticas de preços Fatores relacionados às estratégias de marketing varejista: Gerenciamento de categorias: importância da categoria na imagem e no posicionamento estratégico da loja. Requer avaliação: Tipo de produto: Perecibilidade e Exclusividade; Custos; Promoções; Serviços de crédito e meios de pagamento; Etc.

14 Fatores que determinam as políticas de preços Outras variáveis ambientais: Preço praticado pela concorrência - o consumidor compara preços. Considerações legais: as atividades empresariais, incluindo as varejistas, são regidas e controladas por uma extensa lista de regulamentações.

15 Táticas de preços no varejo Preço alto-baixo: descontos temporários para determinados produtos; Consumidor associa a organização a preços baixos; Preço baixo todo dia: preço baixo permanentemente: Credibilidade; Menor necessidade de propaganda; Pouca variação no volume de vendas; Baixa ocorrência de excesso de estoque.

16 Táticas de preços no varejo Alinhamento de preço: preços de acordo com níveis de qualidade; Preço único: autosserviço. Não há possibilidade de barganha; Preço flexível: possibilita o consumidor negociar preço; Preço variável: de acordo com custos e demandas; Flores, pescados;

17 Táticas de preços no varejo Preço costumeiro: manutenção de determinado preço por longos períodos de tempo; Preço múltiplo: Descontos para compras maiores; Adequado para aumentar o tíquete médio e escoar mercadorias; Preço de pacote: preço diferente para aquisição de certa combinação de produtos. opcionais para automóveis,

18 Táticas de preços no varejo Preços psicológicos: número ímpares sugerem preço mais competitivo (R$39,99); Preço líder: Visa aumentar tráfego na loja; Redução máxima do preço de produtos lideres; Preço referência: apresentação do preço em oferta junto ao preço normal;

19 Táticas de preços no varejo Cobertura do preço da concorrência: objetivo de fidelizar o cliente atual e trazer novos clientes; Marca própria: Possibilidade de preços competitivo; Produtos não encontrados nos concorrentes; Baixo custo e margem maior.

20 Interatividade Entre as táticas de preços no varejo existe a prática de oferta de preço baixo permanentemente. Esta tática é denominada de: a) Preço alto-baixo b) Preço baixo todo dia c) Alinhamento de preço: preços de acordo com níveis de qualidade d) Preço único: autosserviço. Não há possibilidade de barganha e) Preço flexível: possibilita o consumidor negociar preço;

21 Métodos de precificação e margens Margem bruta: diferença entre o custo do produto e seu preço de venda; Margem sobre a venda: relação entre a margem bruta e preço de venda; Margem sobre o custo: relação entre a margem de lucro e o preço; Veja a relação de fórmulas para a determinação de preços de custo, margens e preços de vendas desejados no quadro 3.

22 Métodos de precificação e margens Em geral são considerados os resultados totais das lojas e não as margens dos produtos individualmente. Resultados totais das lojas: resultados obtidos por grupos de itens ou categorias. A estrutura de custo da empresa impacta diretamente na margem bruta e na lucratividade; O aumento das margens brutas não deve interferir nos níveis de competitividade em preço.

23 Métodos de precificação e margens Margem bruta ajustada e demarcações Margem bruta inicial: margem aplicada aos preços iniciais de venda; Margem bruta ajustada: margem obtida em produtos em liquidação, promoção ou em práticas de demarcação para responder a necessidades de ajustes por inflação; Ajustes de preço: práticas necessárias para o varejista se adaptar às variações de cenários provocadas por ações da concorrência, oscilações da economia e pela demanda.

24 Composição do mix de produtos Decisões sobre o mix de produto: Norteiam diferentes tipos de varejistas; São direcionadas pelo diferencial competitivo pretendido; Implica em balancear o alcance de dois objetivos conflitantes entre si: Atendimento às diferentes necessidades dos consumidores; Maximização do volume de vendas; O Stock Keeping Unit (SKU) quantidade de itens que uma loja comercializa varia muito de estabelecimento para estabelecimento.

25 Decisões estratégicas Estratégias de sortimento: Definição das categorias de produtos que serão vendidas pelo varejista. Abrangem decisões sobre: Amplitude e profundidade; Preço e qualidade; Marcas próprias e política de marcas; Importância ou papel p da categoria.

26 Decisões estratégicas Amplitude: número de categorias, subcategorias e segmentos de produtos vendidos em uma loja. Profundidade: refere-se ao número de marcas e itens existentes dentro de uma categoria ou subcategoria.

27 Decisões estratégicas Marcas próprias São desenvolvidas e comercializadas exclusivamente pelo varejista; Leva o consumidor de produtos diferenciados a optar por produtos mais simplificados; Preço: ponto mais forte de diferenciação, posicionado em patamares mais baixos que os concorrentes.

28 Decisões estratégicas Alguns objetivos das marcas próprias: Fortalecimento da imagem do varejista; Fidelização do consumidor; Aumento do poder de barganha e de participação junto ao fornecedor, principalmente em marcas líderes; Oferecimento de opções competitivas aos clientes frente a ofertas dos concorrentes; Aumento de competitividade com maior amplitude e variedade.

29 Interatividade Sobre os tipos de margem é correto dizer: I. Margem bruta: diferença entre o custo do produto e seu preço de venda; II. Margem sobre a venda: relação entre a margem bruta e preço de venda; III. Margem sobre o custo: relação entre a margem de lucro e o preço; a) As afirmações I, II e III estão certas. b) Apenas as afirmações I e II estão certas. c) Apenas a afirmação I está certa. d) Apenas a afirmação II está certa. e) Apenas a afirmação III está certa.

30 Fatores de influência no mix de produto Substitubilidade: Capacidade de um produto substituir outro similar ou com benefícios similares. grau de substitubilidade: variável; Complementaridade: oferecer produtos que podem ser usados ou são normalmente usados em conjunto; Creme dental, escova de dentes, fio dental e antisséptico bucal; Grau de complementaridade: variável.

31 Fatores de influência no mix de produto Indicadores de desempenho da linha de produtos: Utilizados para a adequada composição do mix de produtos São obtidos por meio da análise das receitas, margens, lucro bruto e outros dados de desempenho por produto, subcategorias e segmentos.

32 Fatores de influência no mix de produto Ciclo de moda Moda: influencia todos os segmentos Comporta-se de forma semelhante ao ciclo de vida de produtos, porém em período mais curtos de tempo; Possui 5 fases de adoção: inovadores, adotantes imediatos, maioria de adotantes, maioria de adotantes não imediatos, retardatários.

33 Fatores de influência no mix de produto Necessidades dos clientes-alvo Objetivo primordial do varejista Deve-se ter mente que as mudanças nos hábitos dos consumidores estão ocorrendo cada vez mais frequentemente Exemplo: Papelaria - significativo aumento de produtos de informática (equipamentos, periféricos, mídias, acessórios) e a diminuição na quantidade de itens tradicionais de escritório e escolares (borrachas, lápis, réguas etc.).

34 Fatores de influência no mix de produto Limitação de espaço, equipamento e recursos Fator determinante na composição do mix; Refere-se a necessidade de uma infraestrutura adequada ao estoque e à exposição e comercialização dos produtos: Equipamentos conservação dos produtos; Equipamentos para exposição; Equipamentos para manuseio de produtos etc.

35 Decisões táticas em varejo Introdução de novos produtos Alguns questionamentos sobre o novo produto: É uma duplicação (substituto perfeito) de algum produto já existente no mix? Traz diferentes benefícios ao consumidor? Colabora com o alcance dos objetivos da categoria a qual pertence? Qual a previsão de vendas? Qual o nível de importância dessa categoria para empresa e quanto a empresa deseja se dedicar a essa categoria?

36 Decisões táticas em varejo Exclusão de produtos Alguns questionamentos para a exclusão: Existe a necessidade de exclusão de algum item? Qual a proporção de clientes ficará insatisfeita com a exclusão? Qual tipo de reclamações? Quais produtos apresentam indicadores de desempenho abaixo dos patamares estabelecidos pela empresa?

37 Decisões táticas em varejo Aumento da variedade Pesquisas podem ser aplicadas para saber se a composição atende às necessidades dos consumidores, bem como se estes percebem maior variedade nos concorrentes; Essa análise traz respostas sobre a necessidade de amplitude (novas categorias, subcategorias ou segmentos) e profundidade (novas marcas, mais opções de modelos).

38 Decisões táticas em varejo Redução da variedade A ampliação demasiada pode gerar problemas: Volume baixo de vendas; Giro lento de estoque, Escassez de recursos para renovação do estoque; Dificuldade do consumidor em relacionar a loja com o mix.

39 Decisões táticas em varejo Agrupamento de lojas Definição da composição do mix de acordo com a loja, obedecendo a características do espaço físico de cada loja, região geográfica e perfil do cliente. Para a realização desse agrupamento, são levados em consideração características de mercado (região e concorrência), perfil do consumidor (poder aquisitivo, faixa etária, número de pessoas por domicilio) e as próprias características das lojas (espaço físico e volume de vendas).

40 Interatividade Entre as decisões táticas de varejo existe a definição da composição do mix de acordo com a loja, obedecendo a características do espaço físico de cada loja, região geográfica e perfil do cliente. Esta é a tática de: a) Introdução de novos produtos b) Exclusão de produtos c) Aumento da variedade d) Redução da variedade e) Agrupamento de lojas

41 ATÉ A PRÓXIMA!

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

Estratégias de marketing para serviços de alimentação Prof. Dr. Raul Amaral

Estratégias de marketing para serviços de alimentação Prof. Dr. Raul Amaral Estratégias de marketing para serviços de alimentação Prof. Dr. Raul Amaral 1) Estratégias de produtos e serviços. 2) Estratégias de preços. 3) Estratégias de promoção e vendas. 1) Estratégias de produtos

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING PROGRAMA PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA PRIME GESTÃO MERCADOLÓGICA 2009 REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING Todo comprador poderá adquirir o seu automóvel da cor que desejar, desde que seja preto.

Leia mais

Administrando os canais de distribuição (aula 2)

Administrando os canais de distribuição (aula 2) 13 Aula 2/5/2008 Administrando os canais de distribuição (aula 2) 1 Objetivos da aula Explicar como os profissionais de marketing usam canais tradicionais e alternativos. Discutir princípios para selecionar

Leia mais

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade III MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Compras, abastecimento e distribuição de mercadorias Os varejistas: Precisam garantir o abastecimento de acordo com as decisões relacionadas

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010. Marketing Mix. Tânia Leão n.º19 12.ºS

Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010. Marketing Mix. Tânia Leão n.º19 12.ºS Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010 Marketing Mix Tânia Leão n.º19 12.ºS Marketing Mix O Marketing mix ou Composto de marketing é formado por um conjunto de variáveis controláveis que influenciam

Leia mais

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing Questão 01: (ENADE 2009): Um fabricante de sapatos pode usar a mesma marca em duas ou mais linhas de produtos com o objetivo de reduzir os custos de

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015 GESTÃO DO ESTOQUE DE UNIDADES PRONTAS Eco, MBA R.E., Mestre em Eng. Civil, Alfredo Eduardo Abibi Filho Dir. Inc. Jal Empreendimentos

Leia mais

Unidade I MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade I MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade I MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino O que é varejo Setor do comércio que vende diretamente para os consumidores finais. Fabricantes e atacadistas quando vendem para o consumidor

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Administração Mercadológica

Administração Mercadológica Organização Competitiva e Estratégias de Branding Administração Mercadológica Os elementos do mix de marketing Marketing-mix = Composto de MKt = 4P s Estratégia de produto Estratégia de preço Estratégia

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

Administração Mercadológica I

Administração Mercadológica I Administração Mercadológica I O preço também informa ao mercado o posicionamento de valor pretendido pela empresa para seu produto ou marca. Um produto bem desenvolvido e comercializado pode cobrar um

Leia mais

Gestão de Estoques. Leader Magazine

Gestão de Estoques. Leader Magazine Gestão de Estoques Leader Magazine Maio 2005 Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Objetivos Implementar e Controlar todos os processos de Compra

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE

PLANEJAMENTO E CONTROLE Unidade I PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Profa. Marinalva Barboza Planejamento e controle de estoques Objetivos da disciplina: Entender o papel estratégico do planejamento e controle de estoques.

Leia mais

Módulo 12. Estratégias para formação de preços

Módulo 12. Estratégias para formação de preços Módulo 12. Estratégias para formação de preços As decisões de preços estão sujeitas a um conjunto inacreditavelmente complexo de forças ambientais e competitivas. Não existe como uma empresa, simplesmente,

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

Plano de Direcionamento. Conhecimento de Mercado

Plano de Direcionamento. Conhecimento de Mercado Plano de Direcionamento Conhecimento de Mercado Conhecimento de Mercado É necessário conhecer o mercado para que sejam desenvolvidos produtos que atendam as necessidades e expectativas dos clientes. Segmentação

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

COMO FAZER UM. Imagem do curso PRODUTOS

COMO FAZER UM. Imagem do curso PRODUTOS Bem Vindos! COMO FAZER UM CORRETO Imagem do curso MIX DE PRODUTOS Messias Cavalcante Responde pela Recycle Consultoria. Mais de 15 anos nas áreas corporativas de Marketing, Trade Marketing, Branding e

Leia mais

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires Princípios e Conceitos de Marketing Prof. Felipe A. Pires O que é Marketing? É a execução de um conjunto de atividades comerciais, tendo como objetivo final a troca de produtos ou serviços entre produtores

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

MARKETING ESTRATÉGICO

MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING ESTRATÉGICO O conceito de marketing é uma abordagem do negócio. HOOLEY; SAUNDERS, 1996 Esta afirmação lembra que todos na organização devem se ocupar do marketing. O conceito de marketing não

Leia mais

COMPOSTO DE ADMINISTRAÇÃO AMBIENTE DE MARKETING AMBIENTE DE MARKETING PROF. RICARDO PAJÉ

COMPOSTO DE ADMINISTRAÇÃO AMBIENTE DE MARKETING AMBIENTE DE MARKETING PROF. RICARDO PAJÉ ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA PROF. RICARDO PAJÉ AMBIENTE E COMPOSTO DE MARKETING AMBIENTE DE MARKETING É O CONJUNTO DE ATORES E FORÇAS ( INTERNAS E EXTERNAS) QUE AFETAM DIRETA OU INDIRETAMENTE A TOMADA

Leia mais

O Varejo. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas.

O Varejo. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas. O Varejo 16 Aula 16/5/2008 Objetivos da aula Explicar como os varejistas podem contribuir para o processo de criar valor. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas.

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

Administração de Preços. Administração de Preços. Panorama para o tema Vamos definir preço e sua relação com o composto mercadológico;

Administração de Preços. Administração de Preços. Panorama para o tema Vamos definir preço e sua relação com o composto mercadológico; Panorama para o tema Vamos definir preço e sua relação com o composto mercadológico; O escopo da precificação e os métodos mais comuns, incluindo as principais táticas; Uma sugestão: amplie seu nível de

Leia mais

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc. PRINCÍPIOS ANÁLISE ESTRATÉGICA (FOfA) BALANCED SCORECARD (BSC) EVOLUÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ESCOLAS DE PENSAMENTO

Leia mais

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas?

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas? Conceitos de Gestão O intuito desse treinamento, é apresentar aos usuários do software Profit, conceitos de gestão que possam ser utilizados em conjunto com as informações disponibilizadas pelo sistema.

Leia mais

Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas. Panorama de Utilização da Tecnologia da Informação Érico Veras Marques FGV/CIA/UFC

Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas. Panorama de Utilização da Tecnologia da Informação Érico Veras Marques FGV/CIA/UFC Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas Panorama de Utilização da Tecnologia da Informação FGV/CIA/UFC Gastos e Investimentos % do Faturamento Média Grandes Empresas: 5,3% Média Indústria:

Leia mais

Apresentação dos Resultados 2T06

Apresentação dos Resultados 2T06 Apresentação dos Resultados 2T06 Aviso Legal Esta apresentação contém considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas de resultados operacionais e financeiros, e às perspectivas

Leia mais

PANELLI & FASSINA Management Solutions Providers

PANELLI & FASSINA Management Solutions Providers 2 Management Solutions Providers ESTRATÉGIA DE PREÇOS 3 Considerações sobre preço? É o principal fator da equação da receita de uma empresa; a receita é igual ao preço vezes quantidade vendida. É o principal

Leia mais

Trabalho realizado por: Diogo Santos Nº3 11ºD. Escola secundária de Figueiró dos Vinhos. Disciplina de Organização de gestão desportiva

Trabalho realizado por: Diogo Santos Nº3 11ºD. Escola secundária de Figueiró dos Vinhos. Disciplina de Organização de gestão desportiva Trabalho realizado por: Diogo Santos Nº3 11ºD Escola secundária de Figueiró dos Vinhos Disciplina de Organização de gestão desportiva Data de entrega: 10/02/2015 Diogo Santos Página 1 Escola secundária

Leia mais

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO RECURSOS HUMANOS FINANCEIRO VENDAS PRODUÇÃO DEPARTAMENTO MERCADOLÓGICO Introduzir no mercado os produtos ou serviços finais de uma organização, para que sejam adquiridos por outras organizações ou por

Leia mais

MANUAL GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

MANUAL GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1 - INTRODUÇÃO Define-se como risco de mercado a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes da flutuação nos valores de mercado de posições detidas pela Cooperativa, o que inclui os riscos das operações

Leia mais

Plano de Marketing. Produto (Posicionamento) Preço. Artigos de PN Como fazer Plano de Marketing. josedornelas.com.br

Plano de Marketing. Produto (Posicionamento) Preço. Artigos de PN Como fazer Plano de Marketing. josedornelas.com.br Artigos de PN Como fazer Plano de Marketing Plano de Marketing Para traçar o plano de marketing do plano de negócios, deve-se atentar à estratégia que será seguida pela empresa. A estratégia pode ser definida

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO PROFESSOR: HAMIFRANCY MENESES 1 TÓPICOS ABORDADOS DEFINIÇÃO DE CANAL

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sorriso aberto - Edição 11 - DEC News. Escrito por Adriana Bruno Sex, 09 de Setembro de 2011 14:50

Sorriso aberto - Edição 11 - DEC News. Escrito por Adriana Bruno Sex, 09 de Setembro de 2011 14:50 Categorias de oral care confirmam tendência de crescimento em 2010. Segmentação de produtos é positiva e abre o leque de opções para todas as classes sociais O brasileiro está experimentando mais e também

Leia mais

Planejamento de Marketing.

Planejamento de Marketing. Planejamento de Marketing. Análise de Mercado Identificação de Riscos e Oportunidades Segmentação de mercado; Seleção de mercado alvo Objetivos de Marketing Estratégia de diferenciação de produto Estratégia

Leia mais

Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA

Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA SWOT Strengths (Forças), Weaknesses (Fraquezas), Opportunities (Oportunidades) e Threats (Ameaças) Forças Oportunidades Fraquezas Ameaças Interno Externo Ajudam Atrapalham

Leia mais

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo.

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo. Gestão de Estoques ANÁLISE DE AMBIENTE Pode-se dizer que as empresas são sistemas abertos, pois estão em permanente intercâmbio com o seu ambiente, ao mesmo tempo em que devem buscar incessantemente o

Leia mais

Pesquisa de Marketing

Pesquisa de Marketing Pesquisa de Marketing CONCEITOS INICIAIS Prof. Daciane de Oliveira Silva Fonte: MALHORTA, Naresh K. Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. 4 ed. Porto Alegre: Bookman, 2006. MATTAR, Fauze Najib.

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

Teleconferência de Resultados 3T15. 10 de novembro de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 3T15. 10 de novembro de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 3T15 10 de novembro de 2015 Magazine Luiza Destaques do 3T15 Vendas E-commerce Ganho de participação de mercado com aumento da margem bruta Receita bruta consolidada de R$2,4

Leia mais

Como lutar em uma guerra de preços

Como lutar em uma guerra de preços Como lutar em uma guerra de preços Juliana Kircher Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Julho de 2006 Guerras de preços já são fatos concretos que ocorrem frequentemente em todos os mercados, seja

Leia mais

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes Capítulo 16 e administração de comunicações integradas de marketing Objetivos Aprender quais são as principais etapas no desenvolvimento de um programa eficaz de comunicações integradas de marketing. Entender

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA QUALIDADE GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi MARÇO/2010

Leia mais

Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data

Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data 9 Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data Planejamento Performance Dashboard Plano de ação Relatórios Indicadores Sua empresa sabe interpretar os dados que coleta? Para aumentar

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

Apresentação de Resultados 3T05

Apresentação de Resultados 3T05 Apresentação de Resultados 3T05 Destaques Crescimento do Lucro Líquido foi de 316% no Terceiro Trimestre Crescimento da Receita no 3T05 A receita bruta foi maior em 71% (3T05x3T04) e 63% (9M05x9M04) Base

Leia mais

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem.

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. Microeconomia Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. A macroeconomia, por sua vez, estuda os fenômenos da economia em geral,

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser fotocopiada,

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

- Buscar novos produtos que proporcionem vantagens em relação à concorrência

- Buscar novos produtos que proporcionem vantagens em relação à concorrência Administração de As responsabilidades da área de (MINADEO, 2008) - Investigar novos nichos de mercado - Identificar o perfil do cliente - Buscar novos produtos que proporcionem vantagens em relação à concorrência

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

Aula 3 Contextualização

Aula 3 Contextualização Gestão de Marketing Aula 3 Contextualização Profa. Me. Karin Sell Schneider Canais de Distribuição Comunicação Produto é um conjunto de atributos tangíveis e intangíveis, que proporciona benefícios reais

Leia mais

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Estruturas de mercado UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Texto para Discussão 1 De acordo com a natureza do mercado em que estão inseridas, as empresas deparam-se com decisões políticas diferentes,

Leia mais

O SEBRAE e o que ele pode fazer pelo seu negócio

O SEBRAE e o que ele pode fazer pelo seu negócio Planeje suas vendas O SEBRAE e o que ele pode fazer pelo seu negócio Consultorias Palestras SEBRAE Mais Programas setoriais Palestras Trilha de aprendizagem empresarial EAD Na Medida Cursos SEI E muito

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD)

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) AULA 07 MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 286 à 294 1 AULA 07 SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES 2 Sistemas de Apoio à Decisão (SAD)

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração. Aula 04 Prof. Arlindo Neto

FTAD Formação Técnica em Administração. Aula 04 Prof. Arlindo Neto FTAD Formação Técnica em Administração Aula 04 Prof. Arlindo Neto COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Conhecer as funções e importância de um Sistema de Informação Gerencial. O que é um Sistema

Leia mais

Desenvolvimento do Mix de Marketing

Desenvolvimento do Mix de Marketing Desenvolvimento do Mix de Marketing Mix de Marketing O composto de marketing é conhecido no escopo mercadológico como os 4Ps denominados por Jeronme Mc Carthy como: product, price, place e promotion. Na

Leia mais

Dicas de Gestão para o Empresário do Setor Comércio Varejista

Dicas de Gestão para o Empresário do Setor Comércio Varejista Dicas de Gestão para o Empresário do Setor Comércio Varejista Você conhece o seu cliente? Não poupe esforços e invista no visual da loja Planejamento estratégico Cuide da Saúde Financeira da Sua Empresa

Leia mais

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center O GrupoM8 utiliza o formato Norte-americano na administração e comercialização de sua

Leia mais

Excelência operacional

Excelência operacional Excelência operacional o pilar para obter um crescimento lucrativo na Colômbia POR: DAVID MONROY E ROBERTO PALACIOS, SINTEC Siga-nos: @Perspectiva Sintec @Sintec_ @PerspectivaSintec Introdução Toda empresa

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

10/7/2011 PLANEJAMENTO DE MARKETING

10/7/2011 PLANEJAMENTO DE MARKETING 1 PLANEJAMENTO DE MARKETING 2 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1.Importância do Planejamento de Marketing 2. Considerações Organizacionais no Planejamento de Marketing 3.Planejamento de Database Marketing 4.Análise

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL Questão n o 1 a) O candidato deverá apresentar seis dentre as seguintes vantagens: Domínio de tecnologia capaz de produzir bens preferidos por certas classes de compradores Aumento dos índices de qualidade

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

CARLOS CAIXETA. Vendas e Gestão Estratégica

CARLOS CAIXETA. Vendas e Gestão Estratégica CARLOS CAIXETA Vendas e Gestão Estratégica PERFIL Carlos Caixeta é um palestrante de destaque nacional por convergir conceito e prática em estratégias empresariais, vendas, performance e negociação. Essa

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NA FARMÁCIA

GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NA FARMÁCIA GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NA FARMÁCIA Em qualquer empresa que atua na comercialização de produtos, o estoque apresenta-se como elemento fundamental. No ramo farmacêutico, não é diferente, sendo o controle

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR Suzano PROJETO INTEGRADOR 1. Introdução O mercado atual de trabalho exige dos profissionais a capacidade de aplicar os conhecimentos

Leia mais

Tecnologia no Varejo: Oportunidades e Desafios

Tecnologia no Varejo: Oportunidades e Desafios Seminário GVcev Tecnologia no Varejo: Oportunidades e Desafios Tema: Tecnologia para Entender e Atender o consumidor Palestrante: Paulo Nassar HISTÓRICO Cobasi uma empresa brasileira Iniciou suas atividades

Leia mais

Sobre os autores. Apresentação

Sobre os autores. Apresentação Sobre os autores Apresentação 1 Gestão de marketing, 1 1.1 Estratégia e as forças competitivas, 2 1.1.1 Primeira força: ameaça de entrada de novos concorrentes, 3 1.1.2 Segunda força: pressão dos produtos

Leia mais

whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA

whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA INTRODUÇÃO Quando se fala em precificar um produto, a primeira coisa que vem em mente é que essa é uma tarefa muito óbvia - são somados ao preço da mercadoria: os custos,

Leia mais

DATA: 06/05/2015 AUDITÓRIO: MARKETING E CONSUMIDOR TEMA: COMO FAZER O MKT FUNCIONAR PALESTRANTE: ALLAN BARROS

DATA: 06/05/2015 AUDITÓRIO: MARKETING E CONSUMIDOR TEMA: COMO FAZER O MKT FUNCIONAR PALESTRANTE: ALLAN BARROS DATA: 06/05/2015 AUDITÓRIO: MARKETING E CONSUMIDOR TEMA: COMO FAZER O MKT FUNCIONAR PALESTRANTE: ALLAN BARROS 20 ANOS DE VAREJO 6 ANOS COMO AGÊNCIA FUNDADOR FALA! COMO FAZER O MARKETING FUNCIONAR? GESTÃO

Leia mais

Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL. Prof. Roberto Almeida

Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL. Prof. Roberto Almeida Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL Prof. Roberto Almeida Esta estratégia compreende o comportamento global e integrado da empresa em relação ao ambiente que a circunda. Para Aquino:Os recursos humanos das

Leia mais

Escola Secundaria de Paços de Ferreira Técnicas de secretariado 2009/2010

Escola Secundaria de Paços de Ferreira Técnicas de secretariado 2009/2010 Marketing mix Trabalho realizado por: Sandra Costa 12ºS Marketing mix É formado por um conjunto de variáveis controláveis que influenciam a maneira com que os consumidores respondem ao mercado e é dividido

Leia mais