CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DO BANCO DE INVESTIMENTO GLOBAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DO BANCO DE INVESTIMENTO GLOBAL"

Transcrição

1 CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DO BANCO DE INVESTIMENTO GLOBAL Contratantes: Primeiros: Banco de Investimento Global, S.A., com sede em Lisboa, na Praça Duque de Saldanha, número um, oitavo andar, titular do cartão de identificação de pessoa colectiva nº , matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa, sob o nº 8005, com o capital social de Euros; BIG Serviços Financeiros, S.A., com sede na Praça Duque de Saldanha, n.º 1, 8.º andar, salas E/F, em Lisboa, Pessoa Colectiva n.º , matriculada na Conservatória de Registo Comercial de Lisboa com o n.º , com o capital social de (cento e cinquenta mil euros); Segunda: FUTURO Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A., com sede em Lisboa na Rua General Firmino Miguel, número 5, 9º B, titular do cartão de identificação de pessoa colectiva nº , matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa, sob o nº 68098, com o capital social de ,00 Euros. Os primeiros contratantes enquanto Associados e a segunda contratante enquanto Entidade Gestora, procedem à elaboração do contrato constitutivo do Fundo de Pensões do Banco de Investimento Global, o qual passa, a partir da data de entrada em vigor, a reger-se pelos termos e condições constantes das cláusulas seguintes, a cujo integral cumprimento as partes reciprocamente se obrigam: FUTURO Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. 1

2 CLÁUSULA I DENOMINAÇÃO DO FUNDO O Fundo de Pensões objecto deste contrato adopta a denominação de Fundo de Pensões do Banco de Investimento Global, adiante também designado por Fundo. CLÁUSULA II IDENTIFICAÇÃO DOS ASSOCIADOS Os Associados do Fundo de Pensões do Banco de Investimento Global são as empresas identificadas como primeiros contratantes, adiante referidas como Associados. CLÁUSULA III ENTIDADE GESTORA A Entidade Gestora do Fundo é a sociedade identificada como segunda contratante. CLÁUSULA IV OBJECTIVO DO FUNDO O Fundo tem por objectivo exclusivo o financiamento do Plano de Pensões do presente contrato e o pagamento das prestações do mesmo decorrentes. CLÁUSULA V PARTICIPANTES 1. Os Participantes são os trabalhadores, a tempo completo ou parcial, que façam parte do quadro efectivo dos Associados, bem como os respectivos membros dos órgãos de administração abrangidos pela Segurança Social Portuguesa, em função de cujas circunstâncias pessoais e profissionais se definem os direitos consignados no Plano de Pensões, desde que tenham optado por este Plano. Esta escolha é irrevogável. 2. Serão igualmente considerados Participantes os ex-trabalhadores dos Associados aos quais sejam reconhecidos direitos adquiridos nos termos e condições previstos na Cláusula XIII deste contrato. FUTURO Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. 2

3 CLÁUSULA VI BENEFICIÁRIOS Os Beneficiários são as pessoas singulares, tenham sido ou não Participantes, quando adquirem direito às prestações pecuniárias estabelecidas no Plano de Pensões em financiamento por este Fundo. CLÁUSULA VII DEFINIÇÕES Data Normal de Reforma A data em que o Participante completa a idade de acesso à pensão por velhice, estabelecida pelo Regime Geral da Segurança Social, actualmente nos 65 anos. Tempo de Serviço Pensionável/Antiguidade Considera-se Tempo de Serviço Pensionável para efeitos deste Plano de Beneficio Definido, o número total de anos completos do Participante ao serviço de qualquer dos Associados. Por anos completos entende-se, o somatório de doze meses ininterruptos ao serviço de qualquer dos Associados, sendo considerado como um mês os casos em que a data de admissão do Participante seja anterior ao dia 15 do calendário ou em que a data de saída do Participante seja posterior ao dia 15 do calendário. Em caso de transferência de um Participante entre Associados, a contagem do número de anos completos inicia-se a partir da data de admissão na empresa ao abrigo da qual foi admitido no Plano. A contagem do Tempo de Serviço Pensionável cessa à idade normal de reforma. Salário Pensionável - corresponde ao somatório das remunerações fixas recebidas nos doze meses anteriores à data de cessação do Contrato de Trabalho. Direitos Adquiridos Situação em que o direito aos benefícios não depende da manutenção do vínculo laboral do Participante com o respectivo Associado. CLÁUSULA VIII PLANO DE PENSÕES O Fundo financia um Plano de Benefício Definido (BD), cujo objectivo é o de conceder pensões a título de reforma por velhice, invalidez ou sobrevivência, com efeitos a partir de 09 de Junho de FUTURO Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. 3

4 Pensão de Reforma por Velhice ou por Invalidez 1. A Pensão (P) de reforma por Velhice ou de reforma por Invalidez, devida aos Participantes ao abrigo deste plano, será calculada na data de cessação do Contrato de Trabalho nos seguintes termos: P = (T1 x SP T2 x USCSS)/14 Em que, T1 = taxa em função do Tempo de Serviço Pensionável, aplicável ao Salário Pensionável: TSP inferior a 10 anos: T1 = 0% TSP entre 10 e 11 anos, inclusivé: T1 = 60% TSP entre 12 e 15 anos, inclusivé: T1 = 80% TSP igual ou superior a 16 anos: T1 = 90% TSP = Tempo de Serviço Pensionável; SP = Salário Pensionável; T2 = taxa em função do Tempo de Serviço Pensionável, aplicável à última unidade de salário de contribuição para a Segurança Social: TSP inferior a 10 anos: T2 = 0% TSP entre 10 e 11 anos, inclusivé: T2 = 50% TSP entre 12 e 15 anos, inclusivé: T2 = 70% TSP igual ou superior a 16 anos: T2 = 80% e, USCSS = Somatório do valor das remunerações fixas recebidas de um qualquer Associado nos doze meses anteriores à data de adesão ao Plano sobre o qual incidiram descontos para a Segurança Social, ajustado de acordo com os aumentos salariais anuais que o Participante obtiver até à data de cálculo da Pensão. Se, na data de admissão ao Plano, o Participante ainda não tiver doze meses de descontos para a Segurança Social sobre remunerações de um Associado, serão considerados os meses posteriores à sua admissão necessários para completar os doze meses. FUTURO Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. 4

5 Caso a reforma por velhice pela Segurança Social seja antecipada para idade anterior à correspondente à Data Normal de Reforma, a Pensão calculada na data de cessação do Contrato de Trabalho será penalizada em 3% por ano de antecipação relativamente à idade normal de reforma. A pensão de reforma por velhice ou por invalidez devida ao Participante que tenha estado anteriormente abrangido pelo Plano de Contribuição Definida do Banco de Investimento Global e que tenha optado por transferir para este Fundo o valor ali capitalizado em seu nome determinado pelas contribuições do Associado, será, no mínimo, equivalente à transformação numa renda vitalícia, na data de cálculo da Pensão, do valor nominal do capital transferido pelo Participante para este Fundo. 2. A Pensão calculada nos termos do número anterior é vitalícia, será paga em catorze prestações por ano, mensal e postecipadamente, sendo devida a partir do mês seguinte àquele em que o Participante passe a ser beneficiário de uma pensão de reforma da mesma natureza atribuída pela Segurança Social. Esta pensão poderá ser actualizada anualmente de acordo com uma taxa fixada pelos Associados. 3. O subsídio de férias e o subsídio de Natal (l3ª e 14ª prestações) serão pagos por inteiro, na data em que os correspondentes subsídios forem legalmente devidos pelas entidades patronais aos seus trabalhadores. 4. Ao atingir a Data Normal de Reforma, o Participante abrangido por este Plano, candidato à atribuição da pensão de reforma por velhice, deverá, obrigatoriamente, no prazo de seis meses após essa data, fazer prova junto do respectivo Associado que requereu ao Centro Nacional de Pensões a passagem à reforma, sem o que perderá o direito global à Pensão prevista neste Plano. 5. O pagamento das pensões iniciar-se-á logo após os Beneficiários começarem a receber uma pensão da Segurança Social. Pensão de Sobrevivência 1. Em caso de morte de um Participante, o cônjuge sobrevivo terá direito, enquanto se mantiver a situação de viuvez, a uma pensão que completará eventuais prestações da Segurança Social, por forma a que a pensão total do cônjuge seja igual a 50% do Salário Pensionável. A pensão de sobrevivência relativa a Participante anteriormente abrangido pelo Plano de Contribuição Definida do Banco de Investimento Global, que tenha optado por transferir para este Fundo o valor ali capitalizado em seu nome determinado pelas contribuições do Associado, será, no mínimo, equivalente à FUTURO Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. 5

6 transformação numa renda vitalícia, na data de cálculo da Pensão, do valor nominal do capital transferido por esse Participante para este Fundo. 2. Em caso de morte de um reformado por velhice ou invalidez, o cônjuge sobrevivo terá direito, enquanto se mantiver a situação de viuvez, a uma pensão igual a 50% da pensão que o falecido recebia. 3. A atribuição da pensão de Sobrevivência cessará para o cônjuge sobrevivo quando este voltar a casar. A pensão cessará igualmente por óbito do titular da mesma. 4. A pensão de sobrevivência será paga nos termos previstos para a pensão de reforma por velhice ou por invalidez. CLÁUSULA IX PATRIMÓNIO O património inicial do Fundo foi de , (cinco milhões, cento e vinte e nove mil, duzentos e três euros), dos quais , (quatro milhões, duzentos e quarenta e quatro mil, oitocentos e noventa e dois euros) entregues em numerário pelos Associados à Entidade Gestora e (oitocentos e oitenta e quatro mil, trezentos e onze euros) referentes aos valores determinados pelas contribuições dos Associados e transferidos das contas afectas aos Participantes na adesão colectiva BIG a um fundo de pensões aberto, ao abrigo da opção destes pelo presente plano. CLÁUSULA X FINANCIAMENTO 1. O financiamento do Plano de Pensões fica a cargo dos Associados. 2. O financiamento do Plano de Pensões tem por base o previsto no Plano Técnicoactuarial. 3. O Plano é financiado: pela entrega de contribuições periódicas e extraordinárias dos Associados; pelos valores determinados pelas contribuições dos Associados transferidos de outros fundos de pensões; pela totalidade do rendimento líquido dos valores investidos; pelas mais valias realizadas na alienação ou reembolso do seu património; FUTURO Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. 6

7 por outras receitas de qualquer natureza ou proveniência que, nos termos legais e contratuais, possam ou devam ficar adstritas ao património do Fundo. 4. Os Associados assumem perante a Entidade Gestora a responsabilidade pelo cumprimento da totalidade das obrigações definidas no presente contrato, nomeadamente, a do financiamento do Plano de Pensões. CLÁUSULA XI REGRAS DE ADMINISTRAÇÃO DO FUNDO 1. Investimentos Os valores recebidos pela Entidade Gestora serão investidos de acordo com a legislação em vigor e a política de investimento do Fundo, tendo sempre presentes os objectivos da maior rentabilidade e segurança dos investimentos, de acordo com o princípio de preservação do capital a longo prazo, assegurando, no entanto, liquidez suficiente para o pagamento dos Benefícios. 2. Contabilização Serão aplicados ao Fundo critérios de contabilização e de valorimetria e as regras relativas às aplicações financeiras previstas na legislação em vigor. CLÁUSULA XII PAGAMENTO DOS BENEFÍCIOS 1. As pensões de reforma por Velhice, Invalidez e de Sobrevivência devidas aos Beneficiários ao abrigo do Plano são garantidas pelo Fundo e pagas directamente por este. 2. Antes do início do pagamento dos benefícios, é facultada, a pedido do Beneficiário e com o acordo expresso dos Associados, a remição em capital de parte da pensão referida no número anterior dentro dos limites fixados na legislação em vigor, incluindo as limitações de natureza fiscal. 3. A opção referida no número anterior deverá ser concretizada por escrito, sendo a partir dessa data irreversível. FUTURO Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. 7

8 CLÁUSULA XIII REGIME DE DIREITOS ADQUIRIDOS 1. Em caso de cessação do contrato de trabalho com os Associados por outros motivos diferentes dos que conferem direito ao benefício ao abrigo deste plano e sem que se verifique a imediata e subsequente celebração de novo contrato de trabalho com outro Associado, e desde que não seja por despedimento com justa causa, o Participante, desde que tenha pelo menos 60 anos de idade e 10 anos de Tempo de Serviço Pensionável à data da Cessação do Contrato de Trabalho, ou seu cônjuge em caso de falecimento, terá direito a receber uma pensão ao abrigo deste Plano de Pensões, a partir do momento em que lhe seja atribuída uma pensão pela Segurança Social. O valor da pensão a cargo do Fundo será calculado nos termos previstos na cláusula VIII. 2. Independentemente da idade e do número de anos de Tempo de Serviço Pensionável à data de cessação do contrato de trabalho com os Associados, ao Participante que tenha estado anteriormente abrangido pelo Plano de Contribuição Definida do Banco de Investimento Global e que tenha optado pelo presente plano, transferindo para ele o valor ali capitalizado em seu nome, determinado pelas contribuições do Associado, será reconhecido o direito a receber, ou ao seu cônjuge em caso de falecimento, uma pensão equivalente à transformação numa renda vitalícia, a partir do momento em que lhe seja atribuída uma pensão pela Segurança Social, do valor nominal do capital transferido pelo Participante para este Fundo, se outra de montante superior não resultar da aplicação do disposto no número anterior. 3. Nas situações referidas nos números anteriores, o participante pode optar por manter os direitos adquiridos no Fundo de Pensões, ou por transferi-los para outro Fundo de Pensões, Fechado ou Aberto, de acordo com a legislação em vigor no momento e mantendo-se o direito de acesso aos benefícios nas condições que se encontra previsto no presente plano de pensões. A partir desse momento, cessa todo e qualquer vínculo entre o Participante e este Fundo de Pensões. Na situação prevista no n.º 1 supra o valor a transferir será o correspondente ao valor actual de uma renda vitalícia diferida para a idade normal de reforma, cujo montante anual é determinado nos termos da cláusula VIII e nos pressupostos previstos no Plano Técnico-actuarial para financiamento deste Plano. Na situação prevista no n.º 2 supra o valor a transferir é o valor nominal do capital transferido pelo Participante do Plano de Contribuição Definida para este Fundo. FUTURO Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. 8

9 CLÁUSULA XIV EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES O Fundo de Pensões Banco de Investimento Global não contempla a concessão de empréstimos aos Participantes. CLÁUSULA XV TRANSFERÊNCIA DA GESTÃO DO FUNDO 1. Os Associados podem promover a transferência da gestão do Fundo para outra Entidade Gestora, desde que, para tanto, notifiquem a Entidade Gestora com uma antecedência mínima de noventa dias relativamente à data em que pretendam que aquela opere efeitos. 2. A efectiva transferência da gestão do Fundo depende de autorização do Instituto de Seguros de Portugal. 3. Os Associados suportarão todos os custos emergentes da transferência da gestão do Fundo. CLÁUSULA XVI INSTITUIÇÃO DEPOSITÁRIA 1. Os valores que integram o património do Fundo, bem como os documentos representativos das aplicações daquele serão depositados, ao abrigo de Contrato de Depósito, na Instituição Depositária definida no Contrato de Gestão. 2. A Entidade Gestora poderá transferir os valores do Fundo para outra instituição depositária, desde que, para tanto, obtenha o acordo prévio dos Associados e comunique a alteração ao Instituto de Seguros de Portugal. CLÁUSULA XVII ALTERAÇÕES CONTRATUAIS Os Associados e a Entidade Gestora poderão livremente alterar o conteúdo do presente contrato, desde que obtenham para o efeito autorização prévia do Instituto de Seguros de Portugal e da alteração não resulte a diminuição do valor das pensões em pagamento à data, nem a redução de eventuais direitos adquiridos até então. FUTURO Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. 9

10 CLÁUSULA XVIII SUSPENSÃO DE CONTRIBUIÇÕES DOS ASSOCIADOS No caso de os Associados pretenderem deixar de contribuir para o Fundo, deverão comunicar tal facto mediante um aviso prévio de três meses, por carta registada dirigida à Entidade Gestora. Neste caso, os Associados apenas serão responsáveis pelo pagamento de importâncias devidas em data anterior à tomada de efeito da referida comunicação. CLÁUSULA XIX CAUSAS DE EXTINÇÃO DO FUNDO 1. O Fundo extingue-se nos casos seguintes: a) pela realização do seu objecto ou por este se tornar impossível; b) por acordo entre os Associados e a Entidade Gestora; c) caso o seu património seja integralmente transferido para outro ou outros Fundos de Pensões, constituindo a quota-parte de cada Associado, num outro Fundo de Pensões Fechado ou numa adesão colectiva a um Fundo de Pensões Aberto; d) por extinção de todos os Associados, sem que seja assegurada a sua substituição; e) nos casos especialmente previstos na Lei. 2. A extinção do Fundo efectuar-se-á, após autorização prévia do Instituto de Seguros de Portugal, mediante a celebração de um Contrato de Extinção, procedendo-se à liquidação do seu património nos termos estabelecidos na Cláusula XXI. CLÁUSULA XX SAÍDA, EXTINÇÃO, VENDA OU FUSÃO DE ASSOCIADOS 1. Saída de um Associado: 1.1. Quando um Associado pretenda sair do Fundo deverá comunicar tal facto, mediante um aviso prévio de seis meses, por carta registada, com aviso de recepção, dirigida à Entidade Gestora Suspenso o pagamento das contribuições segregar-se-á do património do Fundo a respectiva quota-parte, a qual responderá pelos benefícios garantidos ao abrigo do Plano de Pensões e será liquidada de acordo com a Cláusula XXI ou transferida de acordo com a Cláusula XV, no que for aplicável. 2. Extinção de um Associado: FUTURO Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. 10

11 Em caso de extinção de um Associado, por falência ou cessação de actividade, segregar-se-á do património do Fundo a respectiva quota-parte, a qual responderá pelos benefícios garantidos ao abrigo do Plano de Pensões e será liquidada de acordo com a Cláusula XXI. 3. Fusão entre Associados: Em caso de fusão entre Associados, o conjunto das quotas-partes de cada um, passará a constituir a quota-parte do novo Associado criado pela fusão. 4. Venda de um Associado a um não Associado ou fusão entre um não Associado e um Associado: Em caso de um não Associado adquirir um Associado ou no caso de incorporação de um Associado por fusão com um não Associado, segregar-se-á do património do Fundo a quota-parte relativa ao Associado em causa, sendo essa quota-parte extinta ou transferida nas condições que forem aprovadas pelo ISP. CLÁUSULA XXI LIQUIDAÇÃO DO FUNDO Em caso de extinção do Fundo, o seu património será liquidado e, após o pagamento de todas as despesas devidas, serão garantidos aos Beneficiários e aos Participantes, os seguintes benefícios, pela ordem a seguir indicada: 1. A continuidade do pagamento das pensões em curso, através da aquisição, junto de uma seguradora, de rendas vitalícias imediatas para todos os Beneficiários à data da extinção do Fundo; 2. A aquisição, junto de uma Seguradora, de rendas vitalícias imediatas a favor dos participantes que tenham entretanto atingido a Data Normal de Reforma; 3. A aquisição junto de uma Seguradora, de rendas vitalícias diferidas para a Data Normal de Reforma que garanta o montante dos direitos adquiridos dos participantes existentes à data da extinção do Fundo; 4. A aquisição, junto de uma Seguradora, de rendas vitalícias diferidas para a Data Normal de Reforma, ou a aquisição de unidades de participação de um Fundo de Pensões Aberto, para todos os Participantes; 5. Se, após assegurados os direitos referidos nas alíneas anteriores, existir algum valor remanescente este será utilizado para melhorar os valores dos números 1, 2 e 4; FUTURO Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. 11

12 6. Em caso de insuficiência do Fundo, os direitos serão rateados proporcionalmente ao valor das responsabilidades por serviços passados (na classe em que for necessário). CLÁUSULA XXII REPRESENTAÇÃO DOS ASSOCIADOS 1. Os Associados serão representados pelo Associado, Banco de Investimento Global, S.A., ou por pessoa, ou pessoas com delegação de poderes atribuída por aquele. 2. Compete àquele Associado, na sua qualidade de representante, o seguinte: a) Dar conhecimento prévio à entidade gestora da transferência de Participantes entre as quotas-partes dos Associados do Fundo; b) Tomar decisões sobre questões financeiras, administrativas e técnicas que envolvam cada um dos Associados do Fundo. CLÁUSULA XXIII ARBITRAGEM 1. Os diferendos que eventualmente venham a suscitar-se entre as partes contraentes, relativamente à interpretação, aplicação ou execução das disposições do presente contrato, serão obrigatoriamente dirimidas por recurso à arbitragem. 2. O tribunal arbitral será constituído por três árbitros, sendo dois nomeados por cada uma das partes envolvidas - Associados e Entidade Gestora - que, por sua vez, nomearão o terceiro, que presidirá. 3. Na falta de acordo, o Presidente será designado pelo Tribunal da Relação de Lisboa. 4. O tribunal arbitral funcionará na comarca de Lisboa, competindo aos árbitros definir as regras do respectivo processo. 5. No omisso, aplicar-se-á a lei de arbitragem em vigor ao tempo em que o tribunal arbitral for constituído. CLÁUSULA XXIV (PRODUÇÃO DE EFEITOS) O presente Contrato entra em vigor na data da sua assinatura. Feito em Lisboa, a 23 de Março de FUTURO Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. 12

CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DOS ADMINISTRADORES E/OU DIRECTORES DA ROBBIALAC

CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DOS ADMINISTRADORES E/OU DIRECTORES DA ROBBIALAC CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DOS ADMINISTRADORES E/OU DIRECTORES DA ROBBIALAC CAPÍTULO I (DISPOSIÇÕES GERAIS) 1 A existência do Fundo de Pensões dos Administradores e/ou Directores da Robbialac

Leia mais

Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões

Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões Associados Benchmark Beneficiários Beneficiários por Morte CMVM Comissão de Depósito Comissão de Gestão Comissão de Transferência Comissão Reembolso (ou resgate)

Leia mais

ALTERAÇÃO DO CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DA TDP TELEDIFUSORA DE PORTUGAL, S.A. CELEBRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE

ALTERAÇÃO DO CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DA TDP TELEDIFUSORA DE PORTUGAL, S.A. CELEBRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE ALTERAÇÃO DO CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DA TDP TELEDIFUSORA DE PORTUGAL, S.A. CELEBRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 1992 Entre: PT COMUNICAÇÕES, S.A., sociedade anónima, com sede na Rua Andrade

Leia mais

CONTRATO CONSTITUTIVO DE FUNDO DE PENSÕES

CONTRATO CONSTITUTIVO DE FUNDO DE PENSÕES CONTRATO CONSTITUTIVO DE FUNDO DE PENSÕES FUNDO DE PENSÕES GESTNAVE Entre os abaixo assinados: 1. Como Primeira Contratante: ENI Electricidade Naval e Industrial, S.A., com o número único de matrícula

Leia mais

ALTERAÇÃO AO CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DO GRUPO BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS

ALTERAÇÃO AO CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DO GRUPO BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS ALTERAÇÃO AO CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DO GRUPO BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS CONTRAENTES: PRIMEIRAS: A) BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A., sociedade aberta, com sede na Praça D. João I, nº.

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. Tomador do seguro A entidade que celebra o contrato de seguro com a VICTORIA e que assume a obrigação de pagamento do prémio.

CONDIÇÕES GERAIS. Tomador do seguro A entidade que celebra o contrato de seguro com a VICTORIA e que assume a obrigação de pagamento do prémio. CONDIÇÕES GERAIS 1 Definições Para efeitos deste Contrato, entende-se por: 1.1 Partes envolvidas no contrato Empresa de seguros VICTORIA - Seguros de Vida, S.A., entidade que emite a apólice e que, mediante

Leia mais

ALTERAÇÃO AO CONTRATO CONSTITUTIVO DE FUNDO DE PENSÕES FUNDO DE PENSÕES ICP-ANACOM APOSENTAÇÃO

ALTERAÇÃO AO CONTRATO CONSTITUTIVO DE FUNDO DE PENSÕES FUNDO DE PENSÕES ICP-ANACOM APOSENTAÇÃO E)BPI PENSÚES ALTERAÇÃO AO CONTRATO CONSTITUTIVO DE FUNDO DE PENSÕES Entre os abaixo assinados: FUNDO DE PENSÕES ICP-ANACOM APOSENTAÇÃO (Anteriormente designado Fundo de Pensões ICP) 1. Como primeiro contratante:

Leia mais

Financiamento de Planos de Benefícios de Saúde através de Fundos de Pensões

Financiamento de Planos de Benefícios de Saúde através de Fundos de Pensões PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Financiamento de Planos de Benefícios de Saúde através de Fundos de Pensões O Decreto-Lei n.º 12/2006, de 20 de Janeiro - que estabelece o regime jurídico da constituição

Leia mais

Conselho de Ministros

Conselho de Ministros Conselho de Ministros Book 1.indb 43 10-05-2010 11:52:06 Book 1.indb 44 10-05-2010 11:52:06 DECRETO N.º 25/98 DE 7 DE AGOSTO Conselho de Ministros Publicado na Iª Série do Diário da República n.º 34 de

Leia mais

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Artigo 102.º Objecto É aprovado o regime especial aplicável aos fundos de investimento imobiliário para arrendamento

Leia mais

APOSENTAÇÃO, FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS

APOSENTAÇÃO, FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS ADENDA AO APOSENTAÇÃO, FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS Páginas 19 O artigo 1.º foi revogado pela Lei n.º 60/2005, de 29 de Dezembro: São revogados o artigo 1.º do Estatuto da Aposentação, aprovado pelo Decreto-Lei

Leia mais

ACORDO SOBRE SEGURANÇA SOCIAL ENTRE PORTUGAL E O CANADÁ

ACORDO SOBRE SEGURANÇA SOCIAL ENTRE PORTUGAL E O CANADÁ Decreto n.º 34/81 Convenção sobre Segurança Social entre a República Portuguesa e o Canadá O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição, o seguinte: Artigo único. É aprovada

Leia mais

Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril

Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril A Lei n.º 100/97, de 13 de Setembro, estabelece a criação de um fundo, dotado de autonomia financeira e administrativa, no âmbito dos acidentes de trabalho. O presente

Leia mais

POUPANÇA. Simplifica. PPR Capital Garantido. Crie o futuro hoje.

POUPANÇA. Simplifica. PPR Capital Garantido. Crie o futuro hoje. POUPANÇA PPR Capital Garantido Crie o futuro hoje. Simplifica Já pensou como vai ser quando se reformar? E se começar já a poupar? Assegure agora o seu futuro! No ActivoBank com o PPR Capital Garantido,

Leia mais

REAL PPR SEGURO MAIS Informações Pré-Contratuais

REAL PPR SEGURO MAIS Informações Pré-Contratuais TIPO DE CLIENTE Particulares, Profissionais Liberais e Empresas. SEGMENTO-ALVO Este produto destina-se a Clientes com perfil de risco conservador, que privilegiam a preservação do capital investido e a

Leia mais

Condições Gerais.03 .03 .04 .04 .05 .05 .05 .05 .05 .06 .06 .06 .06 .06 .06 .06

Condições Gerais.03 .03 .04 .04 .05 .05 .05 .05 .05 .06 .06 .06 .06 .06 .06 .06 ÍNDICE Condições Gerais.03 Artigo 1º Definições.03 Artigo 2º Âmbito do Seguro.04 Artigo 3º Produção de Efeitos e Duração do Contrato.04 Artigo 4º Prémio do Seguro.05 Artigo 5º Inexactidão da Declaração

Leia mais

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS do Montepio Geral Associação Mutualista Título II DISPOSIÇÕES PARTICULARES - MODALIDADES INDIVIDUAIS

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS do Montepio Geral Associação Mutualista Título II DISPOSIÇÕES PARTICULARES - MODALIDADES INDIVIDUAIS Artigo 1.º (Definições e Interpretação) 1. Nesta Secção, os termos e expressões iniciados por maiúsculas têm o significado que lhes é atribuído no Título VI (Glossário) do Regulamento. 2. Em caso de conflito

Leia mais

Fundo de Pensões. Ordem dos Economistas 2012

Fundo de Pensões. Ordem dos Economistas 2012 Fundo de Pensões Ordem dos Economistas 2012 1 Agenda Plano de Pensões da Ordem dos Economistas Fundos de Pensões Site BPI Pensões 2 Âmbito A Ordem dos Economistas decidiu constituir um Plano de Pensões

Leia mais

REAL PPR Condições Gerais

REAL PPR Condições Gerais Entre a, adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se o presente contrato de seguro que se regula pelas Condições Particulares e desta apólice,

Leia mais

CONTRATO SOCIAL ARTIGO PRIMEIRO

CONTRATO SOCIAL ARTIGO PRIMEIRO MINUTA DE PACTO SOCIAL DE SOCIEDADE DE ADVOGADOS CONTRATO SOCIAL ARTIGO PRIMEIRO Denominação, Sede Social e Duração Um A Sociedade adopta a denominação M., sociedade de advogados & associados, RL, e tem

Leia mais

Decreto-Lei n.º 140-B/2010. de 30 de Dezembro

Decreto-Lei n.º 140-B/2010. de 30 de Dezembro Decreto-Lei n.º 140-B/2010 de 30 de Dezembro O presente decreto-lei é mais um passo no objectivo do Governo de reafirmar os princípios de convergência e universalização dos regimes de protecção social

Leia mais

Informação 2013 / 18 15/10/2013. Fundos de Compensação do Trabalho (FGCT, FCT, ME)

Informação 2013 / 18 15/10/2013. Fundos de Compensação do Trabalho (FGCT, FCT, ME) Informação 2013 / 18 15/10/2013 Fundos de Compensação do Trabalho (FGCT, FCT, ME) Estimado Cliente, A Lei nº 70/2013, de 30 de agosto, veio consagrar os regimes jurídicos do Fundo de Compensação do Trabalho

Leia mais

Condições Gerais EUROVIDA PPR

Condições Gerais EUROVIDA PPR Artigo Preliminar Entre a Eurovida, Companhia de Seguros S.A. e o Tomador de Seguro identificado nas Condições Particulares celebra-se o presente contrato de seguro individual que se regula pelas presentes

Leia mais

L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010

L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010 L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010 Projecto DECISÃO N. o / DO CONSELHO DE ASSOCIAÇÃO instituído pelo Acordo Euro-Mediterrânico que cria uma associação entre as Comunidades Europeias e

Leia mais

MINUTA DE REGULAMENTO RELATIVO ÀS MEDIDAS DE APOIO À CULTURA DO MILHO ASSOCIAÇÃO DE BENEFICIÁRIOS DO MIRA MEDIDAS DE APOIO À CULTURA DO MILHO

MINUTA DE REGULAMENTO RELATIVO ÀS MEDIDAS DE APOIO À CULTURA DO MILHO ASSOCIAÇÃO DE BENEFICIÁRIOS DO MIRA MEDIDAS DE APOIO À CULTURA DO MILHO ASSOCIAÇÃO DE BENEFICIÁRIOS DO MIRA MEDIDAS DE APOIO À CULTURA DO MILHO PROPOSTA DE REGULAMENTO OUTUBRO DE 2014 INTRODUÇÃO O presente regulamento visa estabelecer as regras de acesso ao FUNDO DE APOIO

Leia mais

REAL INVESTIMENTO SEGURO Ficha de Produto

REAL INVESTIMENTO SEGURO Ficha de Produto Tipo de Cliente Descrição Segmento-alvo Particulares, Profissionais Liberais e Empresas. O Real Investimento Seguro é um produto de capitalização a 5 anos, assente num Contrato de Investimento, de entrega

Leia mais

Contrato de Mediação Imobiliária

Contrato de Mediação Imobiliária Contrato de Mediação Imobiliária (Nos termos da Lei n.º 15/2013, de 08.02) Entre: ESTAMO PARTICIPAÇÕES IMOBILIÁRIAS, S.A., com sede na Av. Defensores de Chaves, n.º 6 4.º, em Lisboa, matriculada na Conservatória

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 Empresa de Seguros Entidades comercializadoras Autoridades de Supervisão

Leia mais

Incentivos à contratação

Incentivos à contratação Incentivos à contratação A empresa poderá beneficiar de incentivos quando pretende contratar novos trabalhadores. Os incentivos de que as empresas podem usufruir quando contratam novos trabalhadores podem

Leia mais

Aspetos legislativos, no domínio sócio-laboral

Aspetos legislativos, no domínio sócio-laboral Aspetos legislativos, no domínio sócio-laboral Lei n.º 53/2011, de 14 de outubro, que procede à segunda alteração ao Código do Trabalho, aprovado em anexo à Lei n.º 7/2009, de 12 de fevereiro, estabelecendo

Leia mais

Quais as principais diferenças entre um seguro de vida individual e um seguro de vida de grupo?

Quais as principais diferenças entre um seguro de vida individual e um seguro de vida de grupo? SEGURO VIDA Que tipo de seguros são explorados no ramo vida? A actividade do ramo Vida consiste na exploração dos seguintes seguros e operações: Seguro de Vida, Seguro de Nupcialidade /Natalidade, Seguro

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL DE CURTO E MÉDIO PRAZO ZON OPTIMUS, SGPS, S.A. ( Sociedade ) Artigo 1º. (Objeto e Objetivos)

REGULAMENTO SOBRE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL DE CURTO E MÉDIO PRAZO ZON OPTIMUS, SGPS, S.A. ( Sociedade ) Artigo 1º. (Objeto e Objetivos) REGULAMENTO SOBRE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL DE CURTO E MÉDIO PRAZO ZON OPTIMUS, SGPS, S.A. ( Sociedade ) Artigo 1º (Objeto e Objetivos) 1. O presente Regulamento estabelece os termos e condições gerais aplicáveis

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

ESTATUTOS. Artigo 1.º Denominação e sede

ESTATUTOS. Artigo 1.º Denominação e sede ESTATUTOS Artigo 1.º Denominação e sede 1. A associação adopta a denominação CAAD Centro de Arbitragem Administrativa. 2. A associação tem a sua sede na Avenida Duque de Loulé, n.º 72 A, freguesia de Santo

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 2/2010

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 2/2010 Avisos do Banco de Portugal Aviso do Banco de Portugal nº 2/2010 A Instrução nº 27/2003 consagrou no ordenamento jurídico nacional os procedimentos mais relevantes da Recomendação da Comissão nº 2001/193/CE,

Leia mais

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem Gastos e operações com o pessoal Os recursos humanos implicam gastos: Remunerações fixas e/ou variáveis recebidas pelos trabalhadores vinculados à empresa por contrato individual de trabalho; Remunerações

Leia mais

COMPLEXO SOCIAL DE APOIO À PESSOA IDOSA

COMPLEXO SOCIAL DE APOIO À PESSOA IDOSA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Primeiro Outorgante: portador do B.I./ Cartão do Cidadão n.º., emitido em. /. /. pelo Arquivo de Identificação, contribuinte n.º, residente em.., adiante designado por

Leia mais

Despacho conjunto n.º 413/99, de 15 de Maio

Despacho conjunto n.º 413/99, de 15 de Maio Despacho conjunto n.º 413/99, de 15 de Maio MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE Aprova o Regulamento do Fundo de Compensação Sócio-Económica no âmbito do Programa de Expansão

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E A "VILA GALÉ- SOCIEDADE DE EMPREENDIMENTOS TURíSTICOS, S.A. 1. Preâmbulo

PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E A VILA GALÉ- SOCIEDADE DE EMPREENDIMENTOS TURíSTICOS, S.A. 1. Preâmbulo G~ Vila Galé HOTÉIS PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E A "VILA GALÉ- SOCIEDADE DE EMPREENDIMENTOS TURíSTICOS, S.A." 1. Preâmbulo A celebração do presente protocolo tem como objectivo assegurar aos

Leia mais

PRÉVOIR PPR NOVA VERSÃO INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS ANEXO À PROPOSTA PRÉVOIR PPR

PRÉVOIR PPR NOVA VERSÃO INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS ANEXO À PROPOSTA PRÉVOIR PPR Este documento apresenta-se como um resumo das Condições Gerais e Especiais do seguro Prévoir PPR e não dispensa a consulta integral das mesmas. SEGURADOR FINALIDADE SEGMENTO-ALVO CONDIÇÕES DE SUBSCRIÇÃO

Leia mais

JORNAL OFICIAL I SÉRIE NÚMERO 60 QUARTA-FEIRA, 21 DE MAIO DE 2014

JORNAL OFICIAL I SÉRIE NÚMERO 60 QUARTA-FEIRA, 21 DE MAIO DE 2014 I SÉRIE NÚMERO 60 QUARTA-FEIRA, 21 DE MAIO DE 2014 ÍNDICE: PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução n.º 89/2014: Cria um prémio destinado à integração de ativos no setor primário, designado por AGRICULTURA +.

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da Boticário Prev, dos Participantes e Assistidos, para a concessão

Leia mais

Plano de Outorga de Opção de Compra de Ações

Plano de Outorga de Opção de Compra de Ações Plano de Outorga de Opção de Compra de Ações 1. OBJETIVO DO PLANO 1.1. O objetivo deste Plano de Outorga de Opção de Compra de Ações ( Plano ) da QGEP Participações S.A. ( Companhia ), instituído nos termos

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

REGULAMENTO DE JÓIAS, QUOTAS E OUTRAS CONTRIBUIÇÕES

REGULAMENTO DE JÓIAS, QUOTAS E OUTRAS CONTRIBUIÇÕES REGULAMENTO DE JÓIAS, QUOTAS E OUTRAS CONTRIBUIÇÕES REGULAMENTO DE JÓIAS, QUOTAS E OUTRAS CONTRIBUIÇÕES Considerando que: O Conselho de Fundadores da APCM é competente para aprovar regulamentos, nos termos

Leia mais

SEGUROS DE VIDA IRS 2015

SEGUROS DE VIDA IRS 2015 SEGUROS DE VIDA IRS 2015 (Lei n.º 82-B/2014 de 31 de Dezembro e Lei n.º 82-E/2014, de 31 de Dezembro) generali.pt 2 IRS 2015 - Seguros de Vida Índice I II III Seguros de Vida 1. Dedução dos prémios 2.

Leia mais

Acordo Especial de Cooperação no Domínio do Sector Eléctrico entre a República Popular de Moçambique e a República Portuguesa.

Acordo Especial de Cooperação no Domínio do Sector Eléctrico entre a República Popular de Moçambique e a República Portuguesa. Decreto n.º 87/79 de 20 de Agosto Acordo Especial de Cooperação no Domínio do Sector Eléctrico entre a República Portuguesa e a República Popular de Moçambique O Governo decreta, nos termos da alínea c)

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 510 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A.

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 510 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.302/0001-94 APLUBCAP POPULAR 510 MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.902145/2013-85 II - GLOSSÁRIO Subscritor

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES - CV

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES - CV SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES... 2 2. FINALIDADE... 3 3. DESTINATÁRIOS... 3 4. DOCUMENTAÇÃO... 4 5. VALOR MÁXIMO... 4 6. PRAZOS... 4 7. ENCARGOS E ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA... 5 8. GARANTIAS... 5 9. CONDIÇÕES GERAIS...

Leia mais

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006)

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) PREÂMBULO O presente regulamento define as normas relacionadas com a actividade financeira a observar

Leia mais

O valor da remuneração do Depósito Indexado não poderá ser inferior a 0%. O Depósito garante na Data de Vencimento a totalidade do capital aplicado.

O valor da remuneração do Depósito Indexado não poderá ser inferior a 0%. O Depósito garante na Data de Vencimento a totalidade do capital aplicado. Designação Depósito Indexado PSI 20 Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Remuneração Factores de Risco Instrumentos ou variáveis subjacentes ou associados Perfil de cliente

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA Capítulo I Da Finalidade Artigo 1 - O presente Regulamento de Empréstimo Pessoal, doravante denominado Regulamento, tem por finalidade definir normas

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO BRADESCO SOLUÇÃO DE ALUGUEL

CONDIÇÕES GERAIS DO BRADESCO SOLUÇÃO DE ALUGUEL I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO BRADESCO SOLUÇÃO DE ALUGUEL SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 BRADESCO SOLUÇÃO DE ALUGUEL PLANO PU 15/15 A - MODALIDADE:

Leia mais

ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA DE AQUISIÇÃO PARCIAL E VOLUNTÁRIA SOBRE 12.750.000.001 ACÇÕES CATEGORIA B E 3.750

ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA DE AQUISIÇÃO PARCIAL E VOLUNTÁRIA SOBRE 12.750.000.001 ACÇÕES CATEGORIA B E 3.750 METALGEST Sociedade de Gestão, SGPS, S.A. Sede Social: Rua da Torrinha, n.º 32 Funchal Capital Social: 51.603.790 Euros Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Funchal (ZFM) sob o número único

Leia mais

VALOR GARANTIDO VIVACAPIXXI

VALOR GARANTIDO VIVACAPIXXI VALOR GARANTIDO VIVACAPIXXI CONDIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I GENERALIDADES ARTº 1º - DEFINIÇÕES 1. Para os efeitos do presente contrato, considera-se: a) Companhia - a entidade seguradora,, que subscreve com

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Decreto-Lei n.º 62/2005 11/03 Estado: Vigente Legislação Resumo: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/48/CE, do Conselho, de 3 de Junho, relativa à tributação dos rendimentos

Leia mais

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal Ficha Técnica Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões Título Fundos de Pensões Edição Instituto de Seguros de Portugal Coordenação editorial Direcção de Comunicação e Relações com os Consumidores

Leia mais

Prospecto Informativo CA Solução Poupança Activa

Prospecto Informativo CA Solução Poupança Activa Produto a comercializar Perfil do Cliente alvo da solução O é um produto financeiro complexo que resulta da comercialização combinada de um depósito a prazo simples, denominado SDA, com um seguro de capitalização

Leia mais

Procedimentos a adoptar em caso de:

Procedimentos a adoptar em caso de: Procedimentos a adoptar em caso de: Sinistro; Vencimento; Resgate; Reembolso Prazos máximos de liquidação De acordo com a Circular nº 10/2009, de 20 de Agosto, do Instituto de Seguros de Portugal 1. SEGUROS

Leia mais

ACORDO DE COLABORAÇÃO

ACORDO DE COLABORAÇÃO ACORDO DE COLABORAÇÃO ENTRE: Primeira outorgante: ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS AGÊNCIAS DE VIAGEM E TURISMO, pessoa colectiva nº 500 910 839 com sede na Rua Duque de Palmela, nº 2 1º Dtº - 1250 098 LISBOA,

Leia mais

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO REGULAMENTOS DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO REGULAMENTOS DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS PROPOSTA DE ALTERAÇÃO REGULAMENTOS DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS DEZEMBRO/2014 1 PLANOS PREVIDENCIAIS - MONAF - PLANO I APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO E POR INVALIDEZ COM SUBSÍDIO POR MORTE PLANO I_I

Leia mais

SEGURO UNIT LINKED CA INVESTIMENTO -1ª SÉRIE (Não Normalizado)

SEGURO UNIT LINKED CA INVESTIMENTO -1ª SÉRIE (Não Normalizado) CONDIÇÕES GERAIS SOLUÇÕES CAPITALIZAÇÃO SEGURO UNIT LINKED CA INVESTIMENTO -1ª SÉRIE (Não Normalizado) 1 CONDIÇÕES GERAIS DA APÓLICE CA Investimento 1ª Série (Não Normalizado) SEGURO INDIVIDUAL Cláusula

Leia mais

Lei n.º 11/2014, de 6 de março. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

Lei n.º 11/2014, de 6 de março. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Lei n.º 11/2014, de 6 de março A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objeto 1. A presente lei estabelece mecanismos de convergência

Leia mais

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (178 dias), não mobilizável antecipadamente.

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (178 dias), não mobilizável antecipadamente. Designação Classificação Depósito Indexado USD 6 meses Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (178 dias), não mobilizável antecipadamente.

Leia mais

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE III. 1 - Definições FASE DE ENTRADA Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção de subvenção as

Leia mais

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Guia Prático Pensão de Reforma Antecipada. PROPRIEDADE Instituto Nacional de Segurança Social

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Guia Prático Pensão de Reforma Antecipada. PROPRIEDADE Instituto Nacional de Segurança Social FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão de Reforma Antecipada PROPRIEDADE Instituto Nacional de Segurança Social AUTOR Instituto Nacional de Segurança Social MORADA Rua Cirílo da Conceição e Silva, 42,

Leia mais

Contrato de Sociedade COMPTA EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA, SA. Aprovado pela Assembleia Geral de 23 de Agosto de 2004

Contrato de Sociedade COMPTA EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA, SA. Aprovado pela Assembleia Geral de 23 de Agosto de 2004 Contrato de Sociedade da COMPTA EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA, SA Aprovado pela Assembleia Geral de 23 de Agosto de 2004 Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objecto Artigo 1º A sociedade adopta

Leia mais

CONTRATO DE SOCIEDADE ACTUALIZADO SEMAPA SOCIEDADE DE INVESTIMENTO E GESTÃO, SGPS, S.A.

CONTRATO DE SOCIEDADE ACTUALIZADO SEMAPA SOCIEDADE DE INVESTIMENTO E GESTÃO, SGPS, S.A. CONTRATO DE SOCIEDADE ACTUALIZADO SEMAPA SOCIEDADE DE INVESTIMENTO E GESTÃO, SGPS, S.A. Capítulo Primeiro Denominação, Sede e Objecto Artigo Primeiro A sociedade adopta a denominação SEMAPA - Sociedade

Leia mais

REGULAMENTO DAS BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA PÓS-GRADUAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO DESTINADAS A ESTUDANTES AFRICANOS DE LÍNGUA PORTUGUESA E DE TIMOR LESTE

REGULAMENTO DAS BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA PÓS-GRADUAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO DESTINADAS A ESTUDANTES AFRICANOS DE LÍNGUA PORTUGUESA E DE TIMOR LESTE REGULAMENTO DAS BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA PÓS-GRADUAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO DESTINADAS A ESTUDANTES AFRICANOS DE LÍNGUA PORTUGUESA E DE TIMOR LESTE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artº. 1º. 1. Com o fim principal

Leia mais

Município de Gouveia. Programa de apoio à criação de emprego no Concelho de Gouveia

Município de Gouveia. Programa de apoio à criação de emprego no Concelho de Gouveia Programa de apoio à criação de emprego no Concelho de Gouveia (Regulamento) Preâmbulo A promoção do desenvolvimento económico no Concelho de Gouveia está intimamente ligada à implementação de medidas de

Leia mais

Cartilha de Extensão de Benefício do Plano Empresarial aos Beneficiários.

Cartilha de Extensão de Benefício do Plano Empresarial aos Beneficiários. Cartilha de Extensão de Benefício do Plano Empresarial aos Beneficiários. Contributários demitidos ou exonerados sem justa causa e/ou aposentados. www.saolucassaude.com.br 01_ DIREITOS E DEVERES DO BENEFICIÁRIO

Leia mais

BASES DO CONTRATO...3

BASES DO CONTRATO...3 UNIT LINKED DB VIDA Condições Gerais...2 1. DEFINIÇÕES...2 2. BASES DO CONTRATO...3 3. INÍCIO E DURAÇÃO DO CONTRATO...4 4. ÂMBITO DA COBERTURA...4 5. GESTÃO DAS UNIDADES DE PARTICIPAÇÃO...4 6. PRÉMIOS...6

Leia mais

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com Prime Soluções Empresariais SEDE: Rua de Entrecampos, 28, 1749-076 Lisboa Nº de Pessoa Colectiva 502 M 757 - N' de Matricula 08537 C.R.C.L Capital Social de EUR.; 30 000 000. I/ -I- CONTRATO DE PRESTAÇÃO

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO ZURICHCAP INCENTIVO Nº 07 PU I07 MODALIDADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO ZURICHCAP INCENTIVO Nº 07 PU I07 MODALIDADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS DA ZURICHCAP INCENTIVO Nº 07 PU I07 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ZURICH BRASIL CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 17.266.009/0001-41 MODALIDADE: INCENTIVO PROCESSO SUSEP Nº: II - GLOSSÁRIO

Leia mais

CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO A CURTO PRAZO NA MODALIDADE DE CONTA CORRENTE

CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO A CURTO PRAZO NA MODALIDADE DE CONTA CORRENTE CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO A CURTO PRAZO NA MODALIDADE DE CONTA CORRENTE Entre: 1º BANCO SANTANDER TOTTA, S.A., com sede na Rua Áurea, nº 88, 1100-063 Lisboa e com o Capital Social de 656.723.284,00,

Leia mais

Condições Particulares de Distribuição Atrium Investimentos Sociedade Financeira de Corretagem, S.A.

Condições Particulares de Distribuição Atrium Investimentos Sociedade Financeira de Corretagem, S.A. Condições Particulares de Distribuição Atrium Investimentos Sociedade Financeira de Corretagem, S.A. I. Identificação do Distribuidor A Atrium Investimentos Sociedade Financeira de Corretagem, S.A. (doravante,

Leia mais

Convenção nº 146. Convenção sobre Férias Anuais Pagas dos Marítimos

Convenção nº 146. Convenção sobre Férias Anuais Pagas dos Marítimos Convenção nº 146 Convenção sobre Férias Anuais Pagas dos Marítimos A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho: Convocada para Genebra pelo conselho administração da Repartição Internacional

Leia mais

AVISO Nº. 05/98 DE 30 DE NOVEMBRO. Havendo necessidade de se actualizarem as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio;

AVISO Nº. 05/98 DE 30 DE NOVEMBRO. Havendo necessidade de se actualizarem as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio; AVISO Nº. 05/98 DE 30 DE NOVEMBRO Havendo necessidade de se actualizarem as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio; No uso da competência que é atribuída pelo artigo 580 da Lei nº.

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PROPOSTA DE LEI N.º 2/XII/1.ª. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PROPOSTA DE LEI N.º 2/XII/1.ª. Exposição de Motivos PROPOSTA DE LEI N.º 2/XII/1.ª Exposição de Motivos Em sede da Comissão Permanente de Concertação Social foi firmado, em 22 de Março de 2011, entre o Governo e a maioria dos Parceiros Sociais, o Acordo

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. Mês de Vigência Taxa de Juros 1º 0,65% a.m. 2º ao 12º 0,45% a.m.

CONDIÇÕES GERAIS. Mês de Vigência Taxa de Juros 1º 0,65% a.m. 2º ao 12º 0,45% a.m. PLIN FIDELIDADE MODALIDADE TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.003764/2008-28 CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso

Leia mais

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (191 dias), não mobilizável antecipadamente.

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (191 dias), não mobilizável antecipadamente. Designação Classificação Depósito Indexado EUR/USD No Touch Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (191 dias), não mobilizável antecipadamente.

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las PFC Valorização PSI 20 Entidade Emitente:

Leia mais

Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA. de 2012. de 2012

Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA. de 2012. de 2012 Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA de de 2012 ÍNDICE SUJEIÇÃO CONCEITO DE REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO ACESSÓRIA EXEMPLOS DE REMUNERAÇÕES SUJEITAS BREVE ANÁLISE DO CONCEITO DE REMUNERAÇÃO DO CÓDIGO

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS. Decreto n.º 40/08. de 2 de Julho

REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS. Decreto n.º 40/08. de 2 de Julho REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 40/08 de 2 de Julho Considerando que o desenvolvimento da Protecção Social Obrigatória deve corresponder, em certa medida, ao contexto económico e

Leia mais

CONSEST, promoção imobiliária, S.A.

CONSEST, promoção imobiliária, S.A. CONSEST, promoção imobiliária, S.A. CAPITULO I Denominação, objecto e sede social Artigo 1º Denominação e sede 1. A Sociedade adopta a firma CONSEST Promoção Imobiliária, S.A., e tem sede na Av. Defensores

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS DECRETO Nº 50/05 DE 8 DE AGOSTO

CONSELHO DE MINISTROS DECRETO Nº 50/05 DE 8 DE AGOSTO REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS DECRETO Nº 50/05 DE 8 DE AGOSTO Considerando que a protecção na morte integra o âmbito de aplicação material da protecção social obrigatória e visa compensar os

Leia mais

Proposta de Regime de Previdência Central não Obrigatório. Fundo de Segurança Social

Proposta de Regime de Previdência Central não Obrigatório. Fundo de Segurança Social Proposta de Regime de Previdência Central não Obrigatório Fundo de Segurança Social 2014 1 1. Contexto da Proposta 2. Conteúdo da Proposta 3. Articulação entre os Planos Privados de Pensões e o Regime

Leia mais

PPR EMPRESAS Informações Pré-Contratuais

PPR EMPRESAS Informações Pré-Contratuais TIPO DE CLIENTE Empresas SEGMENTO-ALVO Este produto destina-se a empresas que pretendam oferecer aos seus colaboradores uma remuneração anual extra, com vantagens fiscais, reflectido num complemento de

Leia mais

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA. Galp Energia, SGPS, S.A. Euro. 100.000 (cem mil euros) por Obrigação.

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA. Galp Energia, SGPS, S.A. Euro. 100.000 (cem mil euros) por Obrigação. EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA ENTIDADE EMITENTE: MODALIDADE: MOEDA: MONTANTE DA EMISSÃO: REPRESENTAÇÃO: VALOR NOMINAL: PREÇO DE SUBSCRIÇÃO: Galp Energia, SGPS, S.A. Emissão

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV.

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. Sumário Capítulo I Da finalidade...1 Capítulo II - Dos contratantes...1 Capítulo III - Dos limites individuais...2 Capítulo IV -

Leia mais

FUNDO DE COMPENSAÇÃO DO TRABALHO (FCT) MECANISMO EQUIVALENTE (ME) FUNDO DE GARANTIA DA COMPENSAÇÃO DO TRABALHO (FGCT)

FUNDO DE COMPENSAÇÃO DO TRABALHO (FCT) MECANISMO EQUIVALENTE (ME) FUNDO DE GARANTIA DA COMPENSAÇÃO DO TRABALHO (FGCT) Informação n.º 3/2013 08/novembro/2013 FUNDO DE COMPENSAÇÃO DO TRABALHO (FCT) MECANISMO EQUIVALENTE (ME) FUNDO DE GARANTIA DA COMPENSAÇÃO DO TRABALHO (FGCT) Legislação O Orçamento de estado para 2013,

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DA ALTRI, SGPS, S.A. A REALIZAR, NA SEDE SOCIAL, NO DIA 14 DE ABRIL DE 2015, PELAS 11.45 HORAS

ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DA ALTRI, SGPS, S.A. A REALIZAR, NA SEDE SOCIAL, NO DIA 14 DE ABRIL DE 2015, PELAS 11.45 HORAS ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DA ALTRI, SGPS, S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO PONTO SEGUN DA ORDEM S TRABALHOS O Conselho de Administração da ALTRI, SGPS, S.A. propõe à Assembleia Geral que o Resultado

Leia mais

Decreto n.º 48/88 Acordo sobre Segurança Social entre Portugal e os Estados Unidos da América

Decreto n.º 48/88 Acordo sobre Segurança Social entre Portugal e os Estados Unidos da América Decreto n.º 48/88 Acordo sobre Segurança Social entre Portugal e os Estados Unidos da América Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único.

Leia mais

SEGUROS DE VIDA IRS 2014

SEGUROS DE VIDA IRS 2014 SEGUROS DE VIDA IRS 2014 (Lei n.º 66-B/2012 de 31 de Dezembro) generali.pt 2 IRS 2014 - Seguros de Vida Índice 3 Seguros de Vida 1. Dedução dos prémios 2. Tributação dos benefícios 2.1. Indemnizações por

Leia mais

CONTRATO DE SOCIEDADE DA IMPRESA SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. I Denominação, objecto e sede

CONTRATO DE SOCIEDADE DA IMPRESA SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. I Denominação, objecto e sede CONTRATO DE SOCIEDADE DA IMPRESA SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A I Denominação, objecto e sede ARTIGO 1º A sociedade adopta a firma IMPRESA - Sociedade Gestora de Participações Sociais,

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 16 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 16 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 16 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 88.076.302/0001-94

Leia mais

BIG Alocação Condições Gerais

BIG Alocação Condições Gerais ARTIGO PRELIMINAR Entre a, e o Tomador do Seguro mencionado nas Condições Particulares é estabelecido o contrato de seguro que se regula pelas, Especiais e Particulares da Apólice, de acordo com as declarações

Leia mais

PROTOCOLO. 1. A Fidelidade Mundial é uma entidade legalmente autorizada a desenvolver a actividade seguradora em Portugal;

PROTOCOLO. 1. A Fidelidade Mundial é uma entidade legalmente autorizada a desenvolver a actividade seguradora em Portugal; PROTOCOLO Entre Sindicato dos Educadores e Professores Licenciados pelas Escolas Superiores de Educação e Universidades, pessoa colectiva número 503 902233, com sede em Lisboa, na Avenida de Paris, nº

Leia mais

REGULAMENTO PARA PLANOS DE COMERCIALIZAÇÃO E VENDA. Capítulo I. Objecto e condições de elegibilidade das candidaturas. Artigo 1º.

REGULAMENTO PARA PLANOS DE COMERCIALIZAÇÃO E VENDA. Capítulo I. Objecto e condições de elegibilidade das candidaturas. Artigo 1º. REGULAMENTO PARA PLANOS DE COMERCIALIZAÇÃO E VENDA Capítulo I Objecto e condições de elegibilidade das candidaturas Artigo 1º (Objecto) O Presente Regulamento tem por objecto a fixação das condições de

Leia mais