EVEL YN SOUTO MARTINS MÜLLER O PERFIL MOTIV ACIONAL E A INCLINAÇÃO DE CARREIRA DO ESTUDANTE E DO PROFISSIONAL DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EVEL YN SOUTO MARTINS MÜLLER O PERFIL MOTIV ACIONAL E A INCLINAÇÃO DE CARREIRA DO ESTUDANTE E DO PROFISSIONAL DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO"

Transcrição

1 EVEL YN SOUTO MARTINS MÜLLER O PERFIL MOTIV ACIONAL E A INCLINAÇÃO DE CARREIRA DO ESTUDANTE E DO PROFISSIONAL DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Dissertação apresentada à Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas, corno requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Gestão Empresarial. Orientadora: ProF. Dr. Fátima Bayrna de Oliveira RIO DE JANEIRO 2009

2 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS CENTRO DE FORMAÇÃO ACADÊMICA E PESQUISA CURSO DE MESTRADO EM GESTÃO EMPRESARIAL DISSERTAÇÃO DE MESTRADO O PERFIL MOTIV ACIONAL E A INCLINAÇÃO DE CARREIRA DO ESTUDANTE E DO PROFISSIONAL DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. APRESENTADA POR: EVEL YN SOUTO MARTINS MÜLLER E APROV ADO EM: PELA BANCA EXAMINADORA Doutora em Educação / Istvan Karoly asznar Dou or em Administração de Empresas ~~ ~ Doutora em Educação

3 Ao meu filho Rafael, fontes de inspiração e razão da minha vida. Ao meus pais, responsáveis pela formação de meu caráter e minha vida. Ao meu amor que está sempre me apoiando e me amando. A Professora Fátima Bayma sempre querida e presente orientadora.

4 AGRADECIMENTOS Aos professores da FGV-RJ, cuja sabedoria empregada em suas aulas me ajudaram a enxergar o mundo de forma mais interessante. Aos amigos do Mestrado, pelo carinho e apoio ao longo de todo o Curso: sem eles, tudo teria sido muito mais dificil. A minha amiga Ana Lígia Finamor, por sempre acreditar em mim e me apoiar

5 RESUMO A área de tecnologia de infonnação (TI) tem sofrido mudanças constantes que, por consequência, impactam diretamente no profissional e nas empresas que trabalham com este setor. O presente estudo visou identificar a questão motivacional na relação do profissional de TI com seu trabalho, assim como a inclinação de carreira destes profissionais. Para tal, primeiramente foi realizado um estudo teórico sobre o tema, de fonna a constituir os alicerces para a pesquisa. Uma vez tendo-se a questão a ser investigada bem definida, foi realizada a pesquisa dentro de um grupo de profissionais de TI e de outro grupo de estudantes de TI como alvo da pesquisa. Foram aplicados questionários fechados com o grupo focal que foi dividido em profissionais e estudantes de TI. Os dois instrumentos utilizados foram o inventário de Valores de Schwartz (IVS) que oferecem algumas perspectivas de valorização do empregado, que correspondem as suas metas e interesses, e o outro instrumento foi o questionário de Edgar Schein sobre inclinação profissional, que pennite identificar a relação e as perspectivas destes com o trabalho e suas vidas. Com os resultados expostos constatou-se, através do Inventário de Valores de Schwartz e do questionário de Inclinação Profissional de Schein, que os estudantes e profissionais de TI aqui pesquisados são indivíduos auto-detenninados, que valorizam o estilo de vida, são benevolentes e hedonistas, buscam o bem-estar e a satisfação no trabalho e adoram desafios. Palavras-chave: Inclinação Profissional. Tecnologia da Infonnação (TI). Perfil Motivacional.

6 ABSTRACT The field of infonnation technology (IT) has been subjected to various developments and modifications, which consequently have a direct impact on professionals and companies involved in IT. The present study is aimed to identify the motivational question conceming the relationship between the professional in IT and his/her work, as well as to estimate the preference of their career (career anchors). Therefore, some theories about the topic were initially considered, in order to develop a justification for the study. When the question to be investigated had been well defined, an investigation was done within a group of IT professionals, and with IT students as a comparative control group. Both groups received closed questionnaires. These instruments consisted of the inventory of the Schwartz Values (lsv) that offer some perspectives about the valorization of the employed subject and that correspond to his/her aims and interests; the other instrument was the questionnaire developed by Edgar Schein about the professional preference allowing to identify the relationship and their perspectives with work and individual life. The results of both questionnaires showed that the IT students and professionals are self-detennined individuais giving much value to life style, and that they are benevolent and hedonic. They harvest well-being and satisfaction from their work and like to be challenged. Keywords: Professional Preference. Infonnation Technology (lt). Motivational Profile.

7 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Dimensões bipolares básicas da estrutura motivacional dos valores... AI Figura 2 - Pirâmide das fases da carreira Figura 3 - Demonstrativo de resultado âncora profissional versus perguntas... 69

8 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS CENTRO DE FORMAÇÃO ACADÊMICA E PESQUISA CURSO DE MESTRADO EM GESTÃO EMPRESARIAL o PERFIL MOTIV ACIONAL E A INCLINAÇÃO DE CARREIRA DO ESTUDANTE E DO PROFISSIONAL DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DISSERTAÇÃO APRESENTADA À ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS PARA OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE EVELYN SOUTO MARTINS MÜLLER Rio de Janeiro, 09 de Dezembro de 2009

9 LISTA DE QUADROS Quadro 1 - Itens agrupados Quadro 2 - Agrupamento dos itens Quadro 3 - Agrupamento dos itens LIST A DE GRÁFICOS Gráfico 1 -.Perfi1 Motivacional dos profissionais de TI Gráfico 2 -. Perfil Motivacional dos Estudantes de TI Gráfico3 - Perfil Motivacional dos Estudantes e profissionais de TI Gráfico 4-. Inclinacao de Carreira dos profissionais de TI Gráfico 5 -. Inclinacao de Carreira dos Estudantes de TI Gráfico 6 - Inclinacao de Carreira dos Estudantes e profissionais de TI

10 LISTA DE TABELAS Tabela I - Indicadores das questões dos grupos de inclinação profissional Tabela 2 - Médias e classificação dos tipos motivacionais dos profissionais e estudantes de TI Tabela 3 - Médias e classificação dos tipos motivacionais dos profissionais de TI Tabela 4 - Médias e classificação dos tipos motivacionais dos estudantes de TI Tabela 5 - Médias e desvios Tabela 6 - Médias e classificação das Inclinações Profissionais dos estudantes e profissionais de TI Tabela 7 - Médias e classificação das Inclinações Profissionais dos profissionais de TI Tabela 8 - Médias e classificação das Inclinações Profissionais dos estudantes... 9Q Tabela 9 - Comparação das inclinações profissionais de estudantes e dos profissionais de TI... 91

11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO PROBLEMA E PERGUNTA DE PESQUISA OBJETIVO FINAL OBJETIVOS INTERMEDIÁRIOS JUSTIFICATIVA DA ESCOLHA DO TEMA FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ORIGEM DAS RELAÇÕES HUMANAS MOTIVAÇÃO OS VALORES A Estrutura Motivacional dos Valores SISTEMA DE INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E O PROFISSIONAL DE TI CARREIRA, INCLINAÇÃO DE CARREIRA OU ÂNCORAS PROFISSIONAIS COMPETÊNCIA METODOLOGIA OS INSTRUMENTOS A PESQUISA PILOTO A APLICAÇÃO DOS INSTRUMENTOS PROCEDIMENTO DE ANÁLISE LIMITAÇÕES... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 4 RESULTADOS E ANÁLISE DE DADOS DESCRIÇÃO DOS RESPONDENTES RESULTADOS ESTATÍSTICOS E ANÁLISE DOS DADOS DA PESQUISA CONSIDERAÇÕES FINAIS E RECOMENDAÇÕES ANEXO A - INVENTÁRIO DE VALORES DE SCHW ARTZ (IVS) UTILIZADO NO PILOTO ANEXO B - QUESTIONÁRIO UTILIZADO NA PESQUISA PARA OS ESTUDANTES

12 ANEXO C - LEVANTAMENTO DE INCLINAÇÕES PROFISSIONAL ANEXO D - RESULTADOS DO LEVANTAMENTO DOS TIPOS MOTIV ACIONAIS DOS ESTUDANTES E PROFISSIONAIS DE TI COM SUAS MÉDIAS, DESVIO PADRÃO, V ARIÂNCIA, PRIMEIRO E TERCEIRO QUARTIL, MEDIANA E INTERVALO DE CONFIANÇA ANEXO E- RESULTADOS DO LEV ANT AMENTO DA INCLINACAO PROFISSIONAL DOS ESTUDANTES E PROFISSIONAIS DE TI COM SUAS MÉDIAS, DESVIO PADRÃO, VARIÂNCIA, PRIMEIRO E TERCEIRO QUARTIL, MEDIANA E INTERVALO DE CONFIANÇA ANEXO F- QUESTIONÁRIO SURVEY

13 11 1 INTRODUÇÃO A sociedade vem passando por inúmeras transformações, especialmente em seu contexto sócio-cultural. Essa situação deve-se, provavelmente, a vários fatores, entre eles o avanço tecnológico e as mudanças no mundo do trabalho. Com a priorização das novas tecnologias, esqueceu-se um pouco das questões referentes ao homem e seus valores sociais e culturais. Um fator importante relacionado ao trabalho é o fenômeno da globalização. O ser humano regala-se com os beneficios que a era globalizada e informacional fornece, satisfazendo-se com a possibilidade desafiante de desenvolver um trabalho novo todos os dias, dando asas ao seu espírito criativo a partir de novos conhecimentos e instrumentos de trabalho, motivado e dependente desta constante aprendizagem. Os últimos anos foram marcados pelo grande desenvolvimento tecnológico em vários segmentos. O setor de Tecnologia da Informação é um dos quais tem vivenciado as mais rápidas transformações. A ligação dos computadores com as telecomunicações e os recursos de informação originou a revolução tecnológica em que vivemos, promovendo alterações no modo de vida das pessoas. Este novo estilo de vida está sendo marcado pela era da informática que trouxe consigo a necessidade do surgimento de novas profissões para suprir as necessidades de conhecimento e de desenvolvimento desta área. Refletir sobre a capacitação do profissional da informação, o seu perfil e sua atuação diante do atual contexto de mercado é um dos objetivos deste trabalho. Os profissionais da área da tecnologia da informação (TI) vêm aumentando sua importância para o desempenho empresarial. Os avanços na informática e nas tecnologias de comunicação estão afetando os processos de geração, difusão e armazenamento de conhecimento nas organizações. Os profissionais de TI são os atuais responsáveis pela evolução do mundo tecnológico. Concomitantemente com essa evolução de tecnologia e novos profissionais, ou conhecidos também como Geração Y, um novo tipo de relacionamento parece estar ocorrendo entre os profissionais desta área e as empresas; sendo, então, o perfil deste relacionamento pouco conhecido, tomando necessários estudos que esclareçam este novo perfil deste futuro ou atual profissional. Sabe-se que em 2025, 73% da força de trabalho no Brasil será constituída por pessoas da Geração Y, os nascidos nas décadas de 1980 e Dentre os principais desafios das empresas que sobreviverem e quiserem prosperar nesse novo mundo, o maior de todos é como reter seus talentos da Geração Y. Para a Geração Y, progredir não é subir numa escada, mas aprender a fazer coisas novas. Ter uma jornada flexível gera mais motivação que o

14 12 dinheiro, uma vez que não separam o que fazem no trabalho do que fazem fora do trabalho. Vivem uma mistura de tudo isso em tempo integral. É importante lembrar que a geração Y não se preocupam com horários e recusam-se a bater ponto na entrada e na saída: trabalham o tempo todo. Julgam, também, da maior relevância, ter um impacto positivo na comunidade ou na sociedade por meio do trabalho. Preferem servir a marcas que fazem o bem e sempre escolherão, entre duas oportunidades de trabalho, a que pontificar por esse compromisso. Conhecer os valores e as inclinações profissionais destes novos e futuros profissionais é fundamental para as empresas, que muitas vezes vivem arraigadas em antigos paradoxos. Os profissionais da área de TI enfrentam diariamente grandes desafios, trabalham normalmente sobre pressão com prazos curtos e compromissos de grande responsabilidade os quais lhe proporcionam um alto nível de estresse. Tal fato pode levar o profissional à intenção de sair da empresa, ou até mesmo mudar de profissão (MOORE, 2000). Segundo o autor quanto maior a exaustão no trabalho, maior é a intenção de mudar. Schein (1978 apud KILIMNIK; CASTILHO; SANT' ANNA, 2006), define inclinação de carreira como sendo o conjunto de autopercepções relativas a talentos e habilidades, motivos e necessidades, atitudes e valores que as pessoas têm com relação ao trabalho que desenvolvem ou que buscam desenvolver. O conceito de inclinação de carreira é mais amplo do que o conceito típico de motivação para o trabalho. Segundo Chiavenato (2004), refere-se às forças que conduzem cada pessoa a um determinado comportamento, ou seja, são as variáveis intrínsecas ao trabalho e que influenciam o grau de satisfação das pessoas no trabalho, pois inclinação de carreira se baseia na interação entre habilidades, motivos e valores no autoconceito total. Para autor o conhecimento de suas tendências profissionais não implica que o individuo cesse seu desenvolvimento, mas sim o direcione a encontrar seu ponto de equilíbrio profissional. Em relação à inclinação de carreira na vida profissional de uma pessoa, Kilimnik, Castilho e Sant' Anna (2006) comentam que pode ser utilizada como uma forma de organizar experiências, identificar áreas de contribuição ao longo de sua trajetória, assim como gerar critérios para tipos de trabalho e identificar padrões de ambição e sucesso que a pessoa pode determinar para si mesma. Elas servem, portanto, para guiar, balizar, estabilizar e integrar a carreira de uma pessoa. Conforme Oliveira (2002), o processo motivacional pode ajudar a instituição com relação à produtividade na mesma medida em que o grupo baseado em diversas maneiras de motivação irá alcançar a melhor maneira para atingir a chamada eficiência. Questionar-se sobre como se encontra a motivação das pessoas e o que pode ser feito para motivá-las, assim

15 13 como, saber quais são seus valores e o que elas desejam das suas profissões, é fundamental tanto para o desenvolvimento da empresa como das pessoas. A complexidade dos fatores que envolvem o comportamento humano e também a necessidade de gerar respostas às novas formas de vida das pessoas levou à investigação de diferentes áreas do conhecimento, no sentido de contribuírem para a manutenção do indivíduo motivado na empresa. Os valores organizacionais, originados dos valores humanos, têm sido pouco evidenciados como instrumento de gestão para desempenho, devido à grande subjetividade que permela o tema, muito apreciado por psicólogos sociais (ROKEACH, 1981; SCHWARTZ, 1992, SCHEIN, 1993, TAMAYO; PASCHOAL, 2003), cientistas sociais e políticos, mas muito pouco por gestores de negócios. Segundo Tamayo, Mendes e Paz (2001), valores são princípios que guiam a vida da organização. Deixar de considerar a importância deste tema na análise do desempenho da empresa seria uma abstração desmedida. Os valores são capazes de influenciar as ações, escolhas e comportamento humano, interferindo na maneira pela qual o indivíduo julga a si mesmo e os outros. Eles podem ser percebidos, tanto como produto, como ponto de referência do processo de reflexão e avaliação dos desejos (SCHWARTZ; LACEY, 1995). Os valores, nesse sentido, afetam as reações das pessoas sobre o seu trabalho, e aliados às motivações e ao talento estimulam as decisões de carreira (SCHEIN, 1996), as ambições da vida profissional e a satisfação das necessidades prioritárias do indivíduo. O autoconhecimento, a centralidade da estrutura da personalidade, desencadeia o reconhecimento das demandas pessoais, as quais incluem as preferências de trajetória profissional. Partindo desta premissa, permite-se inferir a existência de um relacionamento estreito entre os valores e as inclinações de carreira, uma vez que aqueles são prioridades e necessidades pessoais que guiam as atitudes, escolhas e o comportamento (ST ACKMAN et ai., 2004 apud ABRAHIM, 2008). Compreender a influência dos valores humanos na determinação das inclinações profissionais permite conhecer como as predisposições profissionais recebem influência da centralidade do sistema cognitivo, isto é, dos valores, que são concebidos como critérios capazes de influenciar as ações, escolhas e comportamento humano, interferindo na maneira pela qual o indivíduo julga a si mesmo e os outros. Nesse sentido, os valores humanos afetam as ações das pessoas sobre o seu trabalho; aliados às motivações e ao talento, estimulam as decisões de carreira (SHEIN, 1993). Os estudos do Masschutsetts Institute of Technology

16 14 identificaram oito categorias de inclinações de carreira, que são estimuladas por apetites, sentimentos e necessidades que se estabelecem a partir do autoconceito. Partindo dessa premissa, permite-se inferir a existência de um relacionamento estreito entre os valores humanos e inclinação profissional. O estudo enfatiza os valores e as inclinações na carreira do futuro profissional de TI, cujo crescimento é cada vez maior nas universidades e nas empresas. Busca-se responder ao seguinte problema: Qual o perfil motivacional e a inclinação de carreira do estudante e do profissional de TI? 1.2 PROBLEMA E PERGUNTA DE PESQUISA Qual o perfil motivacional e a inclinação de carrelfa do profissional de TI e dos estudantes de TI? 1.3 OBJETIVO FINAL O objetivo deste estudo é identificar o perfil motivacional e a inclinação na carreira do profissional e do estudante de TI IA OBJETIVOS INTERMEDIÁRIOS a) identificar as motivações que direcionam o estudante e o profissional para TI; b) identificar no estudante e no profissional de TI, características que os indiquem para área de atuação em TI; c) estabelecer as relações existentes entre o perfil motivacional e a inclinação na carreira, tanto do estudante como do profissional de TI.

17 JUSTIFICATIVA DA ESCOLHA DO TEMA Há infonnação de que a rotatividade entre o pessoal de TI está na faixa de 33% a 80% anuais, implicando uma média de longevidade do empregado na empresa de 15 a 36 meses (DEMARCO; LISTER 1990). A grande rotatividade destes profissionais em diferentes empresas e momentos ocasiona constante instabilidade nestas organizações. Sendo assim, é importante para a instituição saber qual o perfil destes profissionais e o que os motivam no trabalho, objetivando a fonnulação de práticas e ações para a manutenção dos profissionais nas empresas por mais tempo possível, motivados e satisfeitos com suas vidas dentro e fora da organização.

18 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 ORIGEM DAS RELAÇÕES HUMANAS Segundo Park (2002), nomes consideráveis dentro da administração do começo do Século XX são os de Henry Fayol e Frederick W. Taylor. Taylor procurou imprimir ao trabalho humano um caráter científico, para aumentar a sua eficiência, e desenvolveu diversas técnicas gerenciais, entre elas: sistemas de remuneração dos operários com ênfase em tempos e movimentos, cronometrando cada etapa do trabalho humano. Ele acreditava que havia apenas uma maneira correta de realizar o trabalho; esta maneira deveria ser descoberta cientificamente e aplicada a todos os trabalhadores. Seus quatro princípios eram: a transformação da Administração numa ciência; a seleção cientifica do trabalhador; o treinamento científico do trabalhador; e a harmonização dos interesses da direção e do trabalhador. Para Henry Fayol a gerência de qualquer organização deveria seguir quatorze princípios: divisão do trabalho, unidade de direção, subordinação do interesse particular ao interesse geral, remuneração do pessoal, centralização, hierarquia, ordem, equidade, estabilidade do pessoal, iniciativa e união do pessoal. Até a década de 1920 os teóricos da administração se limitavam a discussões sobre as Teorias e Técnicas da Administração Científica. O surgimento de uma nova abordagem surgiu, por acaso, com pesquisas de Elton Mayo na fábrica de Hawthome, pois, ao se pesquisar um comportamento, outro foi encontrado. Esta nova abordagem foi denominada Relações Humanas, onde se pode verificar que os problemas individuais, a relação entre as pessoas e os conflitos intragrupais e entre grupos de trabalho são importantes para as organizações alcançarem altos níveis de produção. Os estudos realizados por Elton George Mayo ( ) na fábrica de Hawthome serviriam para analisar a relação entre os fatores ambientais e a produtividade dos funcionários. Os estudos tinham por objetivo diagnosticar a possível relação entre a intensidade da iluminação do ambiente de trabalho e a eficiência dos trabalhadores, medida pelos níveis de produção alcançados. Inesperadamente os pesquisadores concluíram que outras variáveis, que não as condições fisicas, estariam alterando a motivação dos trabalhadores, mas também a produção. Outras pesquisas do mesmo estilo foram feitas e

19 17 concluíram mostrando a preponderância do fator psicológico sobre o fisiológico (MAXIMIANO, 2004). Aparecem, assim, os pnmelros indícios da ruptura em relação à tradição da Administração Científica e da Psicologia Industrial, que tinham como pressuposto a iluminação como determinantes da produção e da produtividade as condições fisicas e fisiológicas e os incentivos financeiros. As conclusões de Mayo na pesquisa realizada em 1924 contrariavam os pressupostos da Administração Científica que era baseada no princípio taylorista de seleção e treinamento do trabalhador. As empresas procuravam aperfeiçoar seus empregados com as habilidades necessárias para o exercício de atividades específicas, restringindo-se às questões técnicas relacionadas ao trabalho segundo as quais a produtividade seria determinada, exclusivamente, pela adequação científica entre homem e tarefa e incentivos econômicos. Taylor procurou dar ênfase a soluções de males fisicos ou insatisfações financeiras através de técnicas propostas por ele, mas estas nada discutiam a respeito da depressão ou da impaciência dos empregados. Ao diagnosticar esses problemas Mayo evidenciou as limitações do pensamento científico e a inadequação da concepção do trabalhador como Homo economicus. preocupado apenas com seu próprio interesse. Mayo ainda comparou o trabalho dos funcionários com jogos de paciência; para Mayo este era um fator prejudicial, os trabalhadores se sentiam reprimidos e mecanizados. Com essa visão estas teorias interpretavam erroneamente as motivações e os impulsos dos seres humanos sem levar em conta as situações humanas individuais. Começava a aparecer a importância das ciências do comportamento na Administração (PARK, 2002). Apesar da preocupação com o comportamento humano ter início pela década de 1930 com estudos de Mayo, é em 1960 que as intervenções experimentais passam a ter espaço nas empresas. Tratava-se da consolidação do behaviorismo ou comportamental como inspirador de práticas administrativas. Surgia, assim, uma nova abordagem do pensamento administrativo, de recursos humanos, tendo como principais representantes os teóricos Ross Stagner, Frederick Herzberg, David McClelland, Abraham Maslow, Douglas McGregor. Ross Stagner acredita que toda organização é um grupo social, que além de ser um fenômeno econômico, pressupõe que todo ato humano organizado é motivado, ou seja, é orientado pela percepção para a satisfação das necessidades. Estas necessidades possuiriam para o autor quatro níveis ascendentes: biológico, fisico, social e ideológico. psicólogo Frederick Herzberg, baseado em seus estudos, desenvolveu sua classificação emfatores motivacionais ou emfatores higiênicos ou de manutenção. Os fatores

20 18 motivadores têm efeitos que produzem resultados positivos em atitudes ou desempenhos, isso porque são fatores intrínsecos ao contexto do trabalho, satisfazem as necessidades do indivíduo de atingir suas aspirações. Os fatores de manutenção ou higiênicos previnem as perdas de moral ou eficiência. A inexistência dos fatores extrínsecos ao trabalho pode gerar insatisfação entre os trabalhadores, mas sua existência não necessariamente será um fator motivador. Em contrapartida, a inexistência dos fatores intrínsecos não será causa de insatisfação, mas a sua existência gerará altos níveis de motivação levando os trabalhadores a um bom desempenho (P ARK, 2002). Na visão de McClelland e Burham (1987), existem três motivos na dinâmica de comportamento humano: necessidade de realização, necessidade de afiliação, e necessidade de poder. Para o autor, as necessidades não são permanentes nem fixas, mas são resultantes das experiências da infância; essas necessidades podem ser desenvolvidas durante a fase adulta. Trabalhos que precisam de decisões arriscadas e possuem constante feedback estão relacionados às necessidades de realização. Trabalhos onde se necessita muita cooperação e bom relacionamento estão relacionados à necessidade de afiliação, e cargos que exigem exercício de persuasão e imposição estão relacionados à necessidade de poder. A concepção de hierarquia de necessidades de Abraham Maslow ( ) está embasada em dois princípios: a) as necessidades humanas podem ser colocadas em hierarquia de importância progredindo de uma ordem mais baixa para uma mais alta de necessidades; b) a satisfação dessas necessidades mostra que uma vez satisfeita uma necessidade, esta não serve mais como um motivador principal de comportamento. Abraham Maslow classificou as necessidades humanas em CInCO tipos: fisiológicas (comida, bebida, sono, sexo), de segurança (proteção, estabilidade), de afeto ou sociais (inserção a um grupo), de estima (reconhecimento e status) e de autorrealização (aproveitamento do potencial do indivíduo) (P ARK, 2002). Enquanto as necessidades mais básicas não forem satisfeitas, elas serão as únicas capazes de motivar o comportamento. Isso quer dizer que o comportamento não é motivado pela satisfação, mas pela insatisfação. As necessidades já supridas não interferem na motivação, apenas fazem surgir outras necessidades. Então, quando os empregados já

21 19 possuem um bom ambiente de trabalho, estabilidade no emprego e salários justos, podem parecer desmotivados, pois, eles aspiram novas necessidades a serem satisfeitas. O autor comenta que é interessante observar que nos níveis mais baixos a satisfação ou a insatisfação se dá em um período mais curto, quando relacionado aos níveis mais altos (P ARK, 2002). Oliveira (2002) comenta que a teoria de Maslow está construída sobre a premissa de que as pessoas têm necessidades de crescimento e de desenvolvimento. Esse pressuposto pode ser válido para alguns empregados, mas não para outros. Este é um dos problemas inerentes à hierarquia de Maslow que afirmou que o adulto típico já satisfez 85% das necessidades fisiológicas, 70% das necessidades de segurança, 50% das necessidades afetivas e SOCIaiS, 40% das necessidades de estima, e 10% das necessidades de autorrealização. Em consequência da grande deficiência nas necessidades de autorrealização e de estima, os administradores devem dirigir sua estratégia no sentido de corrigir estas falhas (OLIVEIRA, 2002). O autor segue dizendo que dentro dessa lógica, tentativas para resolver tais deficiências têm maior probabilidade de sucesso do que quando se volta para as necessidades de ordem mais baixa, já satisfeitas. A teoria de motivação de Maslow é uma das mais importantes para os funcionários justificarem suas faltas em relação as suas obrigações. Nos cinco tipos de necessidades de motivação das pessoas, o indivíduo só buscaria a necessidade imediatamente superior se a inferior já estivesse satisfeita. Como se fosse uma pirâmide, na base estão as necessidades relacionadas à conservação do indivíduo, acima estão as relacionadas com a manutenção, em seguida as necessidades de associação (grupo social), para depois aparecerem as necessidades relacionadas à estima, (ser aceito, respeitável etc.), e por último, a autorrealização - aquelas que colaboram para a felicidade do ser humano. Segundo o autor, nem sempre um é prérequisito do outro; essas necessidades variam de indivíduo para indivíduo, tomando um desafio para as organizações a elaboração e implantação de sistemas de incentivos que garantam o atendimento de todas as necessidades individuais.

22 MOTIVAÇÃO Motivação é derivada do latim motivus, que significa aquilo que movimenta, que faz andar. O estudo da motivação é uns dos ternas centrais do comportamento humano, porque é necessário compreender os mecanismos que movimentam as pessoas a favor ou contra os interesses da organização e da administração. O comportamento é sempre motivado por alguma causa interna ao próprio indivíduo ou alguma causa externa, do ambiente. Motivação é sinônimo da relação causa efeito no comportamento das pessoas. A motivação tem três propriedades, segundo Maximiano (2004): direção para a qual a motivação leva o comportamento, a intensidade da motivação e a duração da motivação. Motivação significa que todo comportamento tem urna causa. No campo da administração, pessoa motivada normalmente significa alguém que demonstra alto grau de disposição para realizar urna tarefa. As pessoas também possuem motivações opostas ao da empresa corno greves, sabotagens etc. Em relação à abordagem comportamental, a maior preocupação está relacionada à motivação dos empregados; seus autores preocupam-se em ver a organização corno um espaço no qual os indivíduos buscam satisfazer às necessidades individuais. E dentro desta abordagem podem-se encontrar três correntes: as teorias prescritivas, as teorias de conteúdo, e as teorias de processo (PARK, 2002). As teorias prescritivas são as que dizem corno motivar os empregados incorrendo no erro de considerarem a motivação corno fator externo. Baseiam-se em tentativa e erro ou crenças populares, supondo que existem princípios que podem ser traduzidos em instruções específicas a serem usadas na motivação dos empregados. A abordagem do fator de produção resultante da revolução de Administração Cientifica de Taylor foi um dos primeiros modelos. As teorias motivacionais ou teoria das necessidades de "conteúdo" englobam especificamente variáveis individuais ou situacionais que se supõem responsáveis pela conduta. Focalizam as necessidades do indivíduo, ou seja, saber quais são os fatores que motivam. As mais conhecidas são: a Hierarquia de necessidades de Abraham Maslow, a Manutenção de motivação de Frederick Herzberg e as necessidades de David McClelland. As teorias motivacionais de "processo", por sua vez, objetivam explicar o processo pelo qual a conduta se inicia, mantêm-se e termina. Focalizam o pensamento interior ou processos cognitivos que influenciam as decisões quanto ao comportamento no trabalho e desejam saber corno funciona a motivação. A teoria do processo se divide em duas

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Motivação para o Desempenho Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Heitor Duarte asbornyduarte@hotmail.com Márcio Almeida marciobalmeid@yahoo.com.br Paulo F Mascarenhas

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações. Prof Rodrigo Legrazie

Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações. Prof Rodrigo Legrazie Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações Prof Rodrigo Legrazie Escola Neoclássica Conceitua o trabalho como atividade social. Os trabalhadores precisam muito mais de ambiente adequado e

Leia mais

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL Daniele Cristine Viana da Silva 1 Maria José Vencerlau 2 Regiane da Silva Rodrigues 3 André Rodrigues da Silva 4 Fábio Fernandes 5 RESUMO O Artigo Científico tem

Leia mais

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Visão estratégica Visão estratégica está relacionada com alcançar os objetivos empresariais. Considera: Tipos psicológicos, Motivação:

Leia mais

11. Abordagem Comportamental

11. Abordagem Comportamental 11. Abordagem Comportamental Conteúdo 1. Behaviorismo 2. Novas Proposições sobre a Motivação Humana 3. Teoria da Hierarquia das de Maslow 4. Teoria dos dois fatores 5. Teoria X & Y de McGregor 6. Outros

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Padrão Resposta às Questões Discursivas Psicologia do Trabalho

Padrão Resposta às Questões Discursivas Psicologia do Trabalho Concurso Público 2015 Padrão Resposta às Questões Discursivas Psicologia do Trabalho Questão 1 a) Para Walton, QVT refere-se a valores ambientais e humanos, negligenciados pelas sociedades industriais

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO:

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO: Fichamento / /2011 MOTIVAÇÃO Carga horária 2 HORAS CONCEITO: É o desejo de exercer um alto nível de esforço direcionado a objetivos organizacionais, condicionados pela habilidade do esforço em satisfazer

Leia mais

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG 1. Introdução 2. Maslow e a Hierarquia das necessidades 3. Teoria dos dois Fatores de Herzberg 1. Introdução Sabemos que considerar as atitudes e valores dos

Leia mais

A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF

A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF Danilo Domingos Gonzales Simão 1 Fábio Augusto Martins Pereira 2 Gisele Maciel de Lima 3 Jaqueline de Oliveira Rocha 4

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico Sâmia Simurro Novembro/2011 FATOS SOBRE O STRESS Inevitável Nível positivo?

Leia mais

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS?

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? Ana Carolina Gimenes Figueiredo Graduanda em Administração - Universidade

Leia mais

FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA

FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA DISCIPLINA: MOTIVACAO E ETICA LIDERAR PESSOAS ATRAVÉS DA MOTIVAÇÃO Por que as pessoas se comportam de certos modos? Liderar - é o processo de dirigir e influenciar as

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT.

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. 1 NATÁLIA SALVADEGO, 2 FRANCIANNE BARONI ZANDONADI 1 Bacharel em Engenheira Florestal (UNEMAT) e Estudante

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS GOMES, Elaine Dias. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: elaineapoderosa@hotmail.com

Leia mais

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados Aperfeiçoamento Gerencial para Supermercados Liderança Liderança é a habilidade de influenciar pessoas, por meio da comunicação, canalizando seus esforços para a consecução de um determinado objetivo.

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES. CARDOSO, Sandra Regina 1. BERVIQUE, Janete de Aguirre 2

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES. CARDOSO, Sandra Regina 1. BERVIQUE, Janete de Aguirre 2 QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES CARDOSO, Sandra Regina 1 BERVIQUE, Janete de Aguirre 2 RESUMO Este artigo tem por finalidade apresentar fatores que influenciam na qualidade de

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

MOTIVAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES

MOTIVAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES MOTIVAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES 1 Paulo Sertek Mestre em Tecnologia e Desenvolvimento email: psertek@xmail.com.br www.ief.org.br Nas organizações mecanicistas, o homem é visto apenas por fora, em suas ações,

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Capítulo 16 - Motivação

Capítulo 16 - Motivação Capítulo 16 - Motivação Objetivos de aprendizagem Após estudar este capítulo, você deverá estar capacitado para: Definir o processo motivacional. Descrever a hierarquia das necessidades humanas. Diferenciar

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Elton Moraes. O que Clima Organizacional tem a ver com resultados da empresa?

Elton Moraes. O que Clima Organizacional tem a ver com resultados da empresa? Elton Moraes O que Clima Organizacional tem a ver com resultados da empresa? Sobre o Hay Group O Hay Group é uma consultoria mundial em gestão: Trabalhamos com líderes para transformar estratégias em realidade.

Leia mais

FACULDADE ARQUIDIOCESANA DE CURVELO

FACULDADE ARQUIDIOCESANA DE CURVELO BEATRIZ APARECIDADE MOURA JOYCE SOARES RIBAS JUCIELE OTTONE MALAQUIAS MARTINS LUANA PÉRSIA DINIZ MÍRIAN DUARTE MACHADO GONZAGA DA SILVA O PAPEL DO GESTOR E A AUTO-ESTIMA DOS FUNCIONÁRIOS UMA ANÁLISE DA

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO

MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO Considerando que o ser humano é formado por características de personalidade únicas e complexas, o seu comportamento no trabalho e em outros lugares,

Leia mais

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo Perfil de Competências de Gestão Nome: Exemplo Data: 8 maio 2008 Perfil de Competências de Gestão Introdução Este perfil resume como é provável que o estilo preferencial ou os modos típicos de comportamento

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR. Prof. Bento

ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR. Prof. Bento ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR Prof. Bento QUESTÕES Doc. # 1 Revisão Indique se é Verdadeira ou Falsa a seguinte afirmação UMA TEORIA É UMA EXPLICAÇÃO LÓGICA OU ABSTRACTA DE UM PROBLEMA OU CONJUNTO DE

Leia mais

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO CONCEITO Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação de um projeto (técnico, científico, empresarial). Tem

Leia mais

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias Evolução da Administração e as Escolas Clássicas Anteriormente XVIII XIX 1895-1911 1916 1930 Tempo

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO Fábio William da Silva Granado 1 Marluci Silva Botelho 2 William Rodrigues da Silva 3 Prof Ms. Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO Realizou-se uma análise

Leia mais

A ESSENCIALIDADE DA MOTIVAÇÃO NOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS THE ESSENTIAL MOTIVATION IN THE ORGANIZATIONAL ENVIRONMENT

A ESSENCIALIDADE DA MOTIVAÇÃO NOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS THE ESSENTIAL MOTIVATION IN THE ORGANIZATIONAL ENVIRONMENT A ESSENCIALIDADE DA MOTIVAÇÃO NOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS THE ESSENTIAL MOTIVATION IN THE ORGANIZATIONAL ENVIRONMENT Andréia Lopes Graduanda em Administração UNISALESIANO Lins azdeia@yahoo.com.br Jessica

Leia mais

UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES.

UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES. UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES. Eder Gomes da Silva 1 Resumo: O presente artigo trazer um estudo teórico buscando adquirir

Leia mais

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Avaliação de: Sr. João Vendedor Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Copyright 2012 Caliper & Tekoare. Todos os direitos

Leia mais

MOTIVAÇÃO NO SERVIÇO PÚBLICO EDUCACIONAL DE RONDONÓPOLIS.

MOTIVAÇÃO NO SERVIÇO PÚBLICO EDUCACIONAL DE RONDONÓPOLIS. MOTIVAÇÃO NO SERVIÇO PÚBLICO EDUCACIONAL DE RONDONÓPOLIS. 1 SILVA, Benair Alves da 2 DA ROSA, Wanderlan Barreto RESUMO O artigo tem a intenção de saber se os servidores públicos educacionais de Rondonópolis

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 O COACHING...4 ORIGENS...5 DEFINIÇÕES DE COACHING...6 TERMOS ESPECÍFICOS E SUAS DEFINIÇÕES...7 O QUE FAZ UM COACH?...8 NICHOS DE ATUAÇÃO DO COACHING...9 OBJETIVOS DO COACHING...10

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

L I D E R A N Ç A (Autoria não conhecida)

L I D E R A N Ç A (Autoria não conhecida) L I D E R A N Ç A (Autoria não conhecida) Liderança é inata? Abordagem Genética - Antigamente acreditava-se que o indivíduo nascia com características, aptidões e valores próprios de um líder. Na moderna

Leia mais

O Paradigma da nova liderança

O Paradigma da nova liderança O Paradigma da nova liderança Robert B. Dilts Um dos mais importantes conjuntos de habilidades Um dos mais importantes conjuntos de habilidades necessárias num mundo em transformação são as habilidades

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL Julia Ferreira de Moraes (EEL-USP) moraes.julia@hotmail.com Everton Azevedo Schirmer

Leia mais

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte Pesquisa Clima Organizacional 2009 Relatório Embrapa Gado de Corte 1. Fundamentação Teórica A Pesquisa de Cultura e Clima Organizacional é um instrumento de levantamento de informações, utilizado para

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG

MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG Wemerton Luis EVANGELISTA()*; Franciele Ribeiro DA COSTA (2). () Professor do Curso Superior de Tecnologia em Administração: Pequenas e

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias FACULDADE GOVERNADOR OZANAM COELHO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias ALINE GUIDUCCI UBÁ MINAS GERAIS 2009 ALINE GUIDUCCI INTRODUÇÃO À GESTÃO DE

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Motivação de Equipes de Projeto O papel do Gerente de Projetos

Motivação de Equipes de Projeto O papel do Gerente de Projetos Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação em Gestão de Projetos - Turma 150 Agosto/2015 Motivação de Equipes de Projeto O papel do Gerente de Projetos Lucas Rossi Analista de Negócios lucasrossi_@hotmail.com

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Introdução à Administração. Prof. Adilson Mendes Ricardo Novembro de 2012

Introdução à Administração. Prof. Adilson Mendes Ricardo Novembro de 2012 Novembro de 2012 Aula baseada no livro Teoria Geral da Administração Idalberto Chiavenato 7ª edição Editora Campus - 2004 Nova ênfase Administração científica tarefas Teoria clássica estrutura organizacional

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

Sem Mais Desculpas Treinamentos E porque? O que é vender no mundo de hoje O que você verá neste curso:

Sem Mais Desculpas Treinamentos E porque? O que é vender no mundo de hoje O que você verá neste curso: A Sem Mais Desculpas Treinamentos defende um conceito chamado Comportamento Comercial. Acreditamos que todas as pessoas, em todas as funções, necessitam ter uma visão e uma atitude comercial daquilo que

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula de Motivação Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Teorias da Motivação? As teorias sobre a motivação, que explicam desempenho das pessoas

Leia mais

Nisto poderemos perguntar, por que pensar em liderança: Vejamos alguns pontos de vital importância:

Nisto poderemos perguntar, por que pensar em liderança: Vejamos alguns pontos de vital importância: LIDERANÇA EMPRESARIAL EVIDÊNCIAS DO COACHING COMO ESTRATÉGIA DE SUCESSO Prof. Dr. Edson Marques Oliveira, Doutor em Serviço Social pela Unesp-Franca-SP, mestre em Serviço Social pela PUC-SP e bacharel

Leia mais

Teorias Contemporâneas

Teorias Contemporâneas Teorias Contemporâneas 1-Teoria ERG 2-Teoria das Necessidades, de McClelland 3-Teoria da Avaliação Cognitiva 4-Teoria da Fixação dos Objetivos 5-Teoria do Reforço 6-Teoria da Equidade 7-Teoria da Expectativa

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Evolução PMC têm atuação diferenciada na gestão de pessoas e clima organizacional, gerando na equipe mais agilidade para a mudança e maior capacidade

Leia mais

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE COACHING EDUCATION By José Roberto Marques Diretor Presidente - Instituto Brasileiro de Coaching Denominamos de Coaching Education a explicação, orientação e aproximação

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Curso Empreendedorismo Corporativo

Curso Empreendedorismo Corporativo Curso Empreendedorismo Corporativo Todos os fatores relevantes atuais mostram que a estamos em um ambiente cada vez mais competitivo, assim as pessoas e principalmente as organizações devem descobrir maneiras

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

LÍDER COACH Obtenha excelência em sua vida pessoal e profissional

LÍDER COACH Obtenha excelência em sua vida pessoal e profissional LÍDER COACH Obtenha excelência em sua vida pessoal e profissional Ao investir em pessoas o seu resultado é garantido! Tenha ganhos significativos em sua gestão pessoal e profissional com o treinamento

Leia mais

Motivação: uma viagem ao centro do conceito

Motivação: uma viagem ao centro do conceito FATOR HUMANO Motivação: uma viagem ao centro do conceito Muitos executivos ainda acreditam que é possível gerar motivação condicionando os comportamentos por meio de prêmios e punições. Mas a verdadeira

Leia mais

TEORIA DOS DOIS FATORES: UM ESTUDO SOBRE A MOTIVAÇÃO NO TRABALHO DAS DEMONSTRADORAS INSERIDAS NAS PERFUMARIAS DA CAPITAL DE SÃO PAULO

TEORIA DOS DOIS FATORES: UM ESTUDO SOBRE A MOTIVAÇÃO NO TRABALHO DAS DEMONSTRADORAS INSERIDAS NAS PERFUMARIAS DA CAPITAL DE SÃO PAULO XXVIENANGRAD TEORIA DOS DOIS FATORES: UM ESTUDO SOBRE A MOTIVAÇÃO NO TRABALHO DAS DEMONSTRADORAS INSERIDAS NAS PERFUMARIAS DA CAPITAL DE SÃO PAULO PAULO ROBERTO VIDIGAL ANDRE LUIZ RAMOS RODRIGO CONCEIÇÃO

Leia mais

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos, quem nunca passou por um momento de conflito? A palavra CONFLITO possui uma conotação negativa, sempre imaginamos

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas Glaucia Falcone Fonseca No contexto cada vez mais competitivo das organizações, a busca por resultados e qualidade é cada vez maior e a avaliação de pessoas assume o importante papel de instrumento de

Leia mais

Motivação e a Atividade de Relações Públicas Ana Cristina Woicickoski

Motivação e a Atividade de Relações Públicas Ana Cristina Woicickoski 1 Motivação e a Atividade de Relações Públicas Ana Cristina Woicickoski Resumo O presente artigo pretende demonstrar que a motivação é complexa, mas ao mesmo tempo necessária em todos os momentos da vida

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações

abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações O RH nesses 20 anos Tático, político e de políticas Desdobrador da estratégia Influenciador da estratégia e da operação Consultor e assessor para

Leia mais

Funções Administrativas. Planejamento. Organização. Liderança. Controle. Curso de Engenharia Elétrica. Planejamento. Organização. Liderança.

Funções Administrativas. Planejamento. Organização. Liderança. Controle. Curso de Engenharia Elétrica. Planejamento. Organização. Liderança. Curso de Engenharia Elétrica Funções Administrativas Administração e Organização de Empresas de Engenharia Planejamento Organização Prof. Msc. Cláudio Márcio cmarcio@gmail.com www2.unifap.br/claudiomarcio

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais