política comum das pescas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "política comum das pescas"

Transcrição

1 ISSN política comum das pescas Dados estatísticos de base Edição de 2014 Factos e números sobre a Pesca

2 Texto concluído em fevereiro de No que respeita ao capítulo 5, os dados do Eurostat e do Eumofa foram extraídos em dezembro de Estão disponíveis mais informações sobre a União Europeia na Internet (http://europa.eu). No final desta publicação figura uma ficha catalográfica. Luxemburgo: Serviço das Publicações da União Europeia, 2014 ISBN doi: /59661 União Europeia, 2014 Reprodução autorizada mediante indicação da fonte Foto da capa: Javier Murcia Printed in Belgium Impresso em papel branqueado sem cloro elementar (ECF) Códigos de Estado-Membro utilizados no presente documento BE BG CZ DK DE EE IE EL ES FR HR IT CY LV LT LU HU MT NL AT PL PT RO SI SK FI SE UK Bélgica Bulgária República Checa Dinamarca Alemanha Estónia Irlanda Grécia Espanha França Croácia Itália Chipre Letónia Lituânia Luxemburgo Hungria Malta Países Baixos Áustria Polónia Portugal Roménia Eslovénia Eslováquia Finlândia Suécia Reino Unido UE-28 União Europeia (28 Estados-Membros) UE-27 União Europeia (27 Estados-Membros) antes da adesão da HR. UE-25 União Europeia antes da adesão da BG, HR e RO. UE-15 União Europeia antes da adesão da BG, CZ, EE, HR, CY, LV, LT, HU, MT, PL, RO, SI e SK. UE-12 União Europeia antes da adesão da BG, CZ, EE, HR, CY, LV, LT, HU, MT, AT, PL, RO, SI, SK, FI e SK.

3 1 Introdução Caros leitores, Enquanto comissária europeia dos Assuntos Marítimos e das Pescas, a minha abordagem dos nossos mares e oceanos foi sempre a de dar prioridade à sustentabilidade e ao crescimento, ou, melhor ainda, a um crescimento sustentável. Esta nova edição dos Factos e números sobre a política comum das pescas assume uma importância especial, uma vez que esses princípios estão agora consagrados na nossa nova política comum das pescas (PCP), que entrou em vigor em 1 de janeiro de A nova PCP abre as portas a um futuro mais sustentável: um futuro em que as unidades populacionais não serão sobreexploradas, os tubarões não serão capturados apenas para aproveitar as barbatanas e deixará de se devolver pescado ao mar; um futuro em que os pescadores serão melhor recompensados e os consumidores beneficiarão de rótulos mais claros; um futuro em que também cultivaremos pescado de elevada qualidade e em condições menos prejudiciais para o ambiente; e em que o peixe que importamos será tão seguro como o que é capturado nas nossas águas. Uma coisa não mudou este ano: esta publicação será uma fonte de consulta indispensável para todos aqueles que se interessam pelas pescas e pelos mares da Europa. A informação que encontrará nestas páginas foi elaborada por peritos que trabalham em institutos científicos, nas administrações dos países da União Europeia, nas instituições europeias e em organizações internacionais. Os dados contidos nesta edição de 2014 são os melhores de sempre em termos de qualidade e de cobertura. Este conhecimento é essencial para que sejam tomadas as decisões adequadas no que toca à gestão dos nossos mares, e estou grata por o termos ao nosso alcance.

4 2 Como é evidente, a pesca continua a ser vital para muitas regiões e comunidades em todo o nosso continente. Embora as nossas frotas pesquem de forma sustentável e rentável, as pessoas precisam de saber quais são as áreas mais promissoras e que poderão oferecer novos postos de trabalho. Não há melhor ponto de partida para começar a procurar essas respostas do que esta publicação. Maria Damanaki Comissária europeia dos Assuntos Marítimos e das Pescas

5 3 Índice 1 Uma pesca responsável e sustentável Estado das unidades populacionais 5 Organizações Regionais de Gestão das Pescas 6 Acordos de parceria no domínio das pescas e acordos do Norte 8 2 Frota de pesca 10 3 Emprego 14 4 Setor da transformação 17 5 Produção da pesca e da aquicultura Capturas Aquicultura Organizações de produtores da pesca e da aquicultura 32 6 Comércio externo 33 7 Consumo 41 8 Ajuda da União Europeia 43

6 4 Mares da Europa Oceano Atlântico Mar do Norte Mar Báltico Mar Negro Mar Mediterrâneo

7 5 1 Uma pesca responsável e sustentável 1.1. Estado das unidades populacionais Uma gestão responsável e sustentável da pesca exige decisões tomadas com base em dados científicos sólidos e uma gestão a longo prazo. As decisões sobre os totais admissíveis de capturas (TAC) e as quotas de pesca baseiam-se em pareceres científicos sabemos cada vez mais sobre as unidades populacionais que pescamos. Os conhecimentos científicos sobre o estado das unidades populacionais estão a melhorar constantemente (no Atlântico e águas adjacentes, por exemplo, o número de unidades populacionais relativamente às quais os dados existentes eram insuficientes diminuiu de 61 em 2011 para 41 em 2013). A pesca pode, por conseguinte, ser melhor adaptada ao estado das unidades populacionais. A União Europeia aceitou que, até 2015 sempre que possível e o mais tardar até 2020, todas as unidades populacionais deverão ser exploradas de forma a permitir que produzam o rendimento máximo sustentável (MSY) a longo prazo. Através da limitação das capturas em níveis cientificamente definidos, conseguiremos garantir que as unidades populacionais são capazes de se reproduzir e, em última instância, proporcionar rendimentos mais elevados para os pescadores. Muito embora se tenham registado bons progressos no Nordeste do Atlântico, que estão também na calha no Mediterrâneo e no mar Negro, um número demasiado elevado de unidades populacionais de peixes são ainda objeto de sobrepesca em relação a este objetivo. Os planos plurianuais da Comissão a longo prazo, para certas pescarias ou unidades populacionais de peixes, visam alcançar o MSY e, se necessário, facilitar a recuperação das unidades populacionais próximas do colapso. Já foram instituídos diversos planos com esse objetivo, e outros se lhes seguirão. Os efeitos não pretendidos da pesca no meio marinho e nos ecossistemas devem, por vezes, ser atenuados. Quando necessário, a União Europeia adota medidas para proteger habitats marinhos vulneráveis, como os corais de profundidade, e reduzir as capturas indesejadas de aves marinhas, focas e golfinhos A B A Atlântico Nordeste e águas adjacentes (mar do Norte, mar Báltico, Skagerrak, Kattegat, oeste do mar da Escócia, mar da Irlanda e mar Céltico) B Mediterrâneo e mar Negro Número de unidades populacionais avaliadas como estando a ser pescadas ao nível do rendimento máximo sustentável (MSY)

8 6 1 Uma pesca responsável e sustentável 1.2. Organizações Regionais de Gestão das Pescas Organizações Regionais de Gestão das Pescas (ORGP) são organizações internacionais constituídas pelos países com interesses na atividade da pesca numa determinada região. Atualmente, existem 20 ORGP, que cobrem a maior parte das águas do mundo. O seu papel consiste em assegurar a gestão, conservação e exploração sustentável das espécies marinhas do seu âmbito de competências. Em resultado do trabalho das ORGP em diferentes regiões, temos assistido a uma melhoria acentuada do estado das unidades populacionais de atum. Há seis anos, de 16 unidades populacionais existentes em todo o mundo, só 6 eram pescadas de forma sustentável em 2013, este número aumentou para 13. possibilidade de estabelecer limites para as capturas e o esforço de pesca, medidas técnicas e obrigações de controlo. A União Europeia, representada pela Comissão, desempenha um papel ativo em seis ORGP atuneiras (incluindo o Acordo sobre o Programa Internacional de Conservação dos Golfinhos AIDCP, organização irmã da IATTC) e nove ORGP não atuneiras. A União Europeia participa também em duas Organizações Regionais das Pescas (ORP) que têm um papel puramente consultivo e não dispõem de um mandato de gestão: o Comité das Pescas do Atlântico Centro-Oeste (COPACO) e o Comité das Pescas do Atlântico Centro-Este (COPACE). As ORGP estão abertas aos países locais («Estados costeiros») e aos países que pescam na região. Há dois tipos de ORGP: as que apenas gerem espécies altamente migratórias, como o atum (ORGP atuneiras) e as que gerem também unidades populacionais de outras espécies (ORGP não atuneiras). A maior parte das ORGP dispõe da

9 1 Uma pesca responsável e sustentável ORGP responsáveis por unidades populacionais de peixes altamente migradores (atum e espécies afins) WCPFC ICCAT WCPFC IATTC IOTC CCSBT CCBSP NAFO NASCO NEAFC CCBSP CCSBT Comissão para a Conservação do Atum do Sul IATTC Comissão Interamericana do Atum Tropical ICCAT Convenção Internacional para a Conservação dos Tunídeos do Atlântico WCPFC Comissão das Pescas do Pacífico Ocidental e Central IOTC Comissão do Atum do Oceano Índico ORGP para espécies distintas do atum CCAMLR Convenção para a Conservação da Fauna e da Flora Marinhas da Antártida CGPM SPRFMO SEAFO CCAMLR SIOFA SPRFMO CCBSP Convenção para a Conservação e Gestão dos Recursos de Escamudo no Mar de Bering Central CGPM Comissão Geral das Pescas do Mediterrâneo NEAFC Comissão de Pescas do Atlântico Nordeste NASCO Organização para a Conservação do Salmão no Atlântico Norte NAFO Organização das Pescarias do Noroeste do Atlântico SEAFO Organização das Pescarias do Sudeste do Atlântico SPRFMO Organização Regional de Gestão das Pescas no Pacífico Sul Fonte: Comissão Europeia, Eurostat/GISCO. Fronteiras administrativas: EuroGeographics, FAO (UN), TurkStat. SIOFA Acordo de Pesca para o Oceano Índico Sul 7

10 8 1 Uma pesca responsável e sustentável 1.3. Acordos de parceria no domínio das pescas e acordos do Norte 2 Os acordos de parceria no domínio das pescas (APP) com países terceiros são negociados e celebrados pela Comissão Europeia em nome da União Europeia. Estes acordos têm por objetivo permitir que os navios da União possam explorar os recursos excedentários na zona económica exclusiva (ZEE) do país terceiro em causa, num enquadramento regulamentado e juridicamente protegido. Os acordos atuneiros permitem aos navios europeus capturar populações de peixes altamente migradores. Os acordos mistos permitem o acesso a uma grande variedade de unidades populacionais, em especial espécies de fundo (principalmente camarões e cefalópodes) e/ou espécies pelágicas. Os APP dão ênfase à conservação dos recursos e à sustentabilidade ambiental, garantindo que todos os navios da União Europeia estão sujeitos a regras de supervisão e de transparência. Ao mesmo tempo, uma cláusula relativa ao respeito dos direitos do Homem foi já incluída em todos os protocolos dos acordos de pesca. Em troca, a União Europeia paga aos países seus parceiros uma contribuição financeira que abrange dois elementos diferentes: em primeiro lugar, um pagamento pelos direitos de acesso à ZEE e, em segundo, ajuda financeira, designada por «apoio setorial», que visa ajudar a desenvolver uma pesca sustentável em países parceiros. A ajuda financeira destina-se a reforçar a capacidade administrativa e científica do país, insistindo na gestão sustentável da pesca, bem como nos respetivos acompanhamento, controlo e vigilância Acordos multiespécies (mistos) 1 Gronelândia 2 Mauritânia 3 Marrocos Acordos atuneiros África Ocidental 4 República de Cabo Verde 5 Costa do Marfim 6 São Tomé e Príncipe 7 Gabão

11 Uma pesca responsável e sustentável 9 3 Acordos atuneiros oceano Índico 8 Comores 9 Madagáscar 10 Ilha Maurícia 11 Moçambique 12 Seicheles Acordos atuneiros oceano Pacífico 13 Quiribáti Acordos «latentes»* 14 Gâmbia 15 Guiné Equatorial 16 Guiné-Bissau 17 Micronésia 18 Senegal 19 Ilhas Salomão Acordos do Norte 20 Ilhas Faroé 21 Islândia 22 Noruega Após a criação das zonas económicas exclusivas no Nordeste do Atlântico, a União Europeia concluiu acordos de pesca com a Noruega e as ilhas Faroé, no final dos anos 1970, e com a Islândia, no início da década de Os acordos com as ilhas Faroé e a Islândia baseiam-se num intercâmbio anual recíproco de possibilidades de pesca nas águas de cada uma das Partes, em conformidade com as práticas de pesca tradicionais. Para além dessas trocas anuais e recíprocas de direitos de pesca, o acordo com a Noruega prevê a gestão conjunta de unidades populacionais partilhadas (nomeadamente totais admissíveis de capturas e quotas) no mar do Norte e na zona do Skagerrak. Atualmente, a gestão da maioria destas unidades populacionais comuns é enquadrada por planos de gestão a longo prazo. * Acordos em que não existe um protocolo em vigor.

12 10 2 Frota de pesca A gestão da capacidade da frota é uma ferramenta essencial para a exploração sustentável dos recursos haliêuticos, um dos principais objetivos da política comum das pescas. A frota de pesca da União Europeia é muito variada, com navios que oscilam entre menos de 6 metros e mais de 75. Em conformidade com a legislação da União Europeia, a capacidade total da frota de pesca não pode ser aumentada e qualquer demolição de navios ou redução da capacidade da frota com financiamento público terá de ser permanente. Unidades populacionais mais saudáveis contribuem para um setor mais sustentável. Em termos globais, a frota da União Europeia foi rentável em 2011, consolidando a lenta recuperação dos últimos anos. Tanto o rendimento como os lucros da frota da União aumentaram entre 2008 e 2011, ao passo que, em termos relativos, a sua margem de lucro líquida tem vindo a aumentar constantemente, tendo passado de 1% em 2008 para 6% em Nos últimos 19 anos, a capacidade da frota de pesca da União Europeia diminuiu tanto em termos de arqueação como de potência dos motores. Apesar dos alargamentos da União, em fevereiro de 2014 a frota da União Europeia contava navios, ou seja, menos do que em 1995.

13 2 Frota de pesca 11 Capacidade de pesca da União Europeia, por categoria de comprimento (situação em 28 de fevereiro de 2014) Comprimento Idade média Indicadores de desempenho económico dos Estados-Membros da União Europeia entre 2008 e 2011 Receitas (em milhares de milhões de euros) 7,5 7,156 6,492 6,656 6,285 Lucro líquido (em percentagem do rendimento) 6 1 % 4 % 5 % 6 % , > ,5 6,0 5, ,3 Número de navios Arqueação bruta Potência do motor em kw NB: Comprimento refere-se ao comprimento de fora a fora. Fonte: Ficheiro da frota de pesca da União Europeia. Fonte: Comité Científico, Técnico e Económico da Pesca (CCTEP), The 2013 Annual Economic Report on the EU Fishing Fleet (STECF-13-15), Luxemburgo, Serviço das Publicações da União Europeia, 2013 (Relatório EUR EN, JRC 84745).

14 12 2 Frota de pesca A frota de pesca dos Estados- -Membros (situação em 28 de fevereiro de 2014) Número de navios Arqueação bruta Potência do motor em kw Não arrastões Arrastões Fontce: Ficheiro da frota de pesca da União Europeia. Estado- Membro % % % % % BE 82 0,1 % ,9 % ,7 % 2 2 % % BG ,3 % ,4 % ,9 % % % DK ,1 % ,9 % ,4 % % % DE ,8 % ,6 % ,2 % % % EE ,7 % ,8 % ,7 % % % IE ,5 % ,7 % ,9 % % % EL ,1 % ,5 % ,8 % % % ES ,3 % ,0 % ,8 % % % FR ,2 % ,3 % ,3 % % % HR ,7 % ,0 % ,2 % % % IT ,5 % ,5 % ,2 % % % CY 894 1,0 % ,2 % ,6 % % 6 1 % LV 703 0,8 % ,7 % ,7 % % % LT 293 0,3 % ,4 % ,3 % % % MT ,2 % ,4 % ,1 % % 23 2 % NL 848 1,0 % ,7 % ,0 % % % PL 832 1,0 % ,0 % ,2 % % % PT ,4 % ,8 % ,5 % % % RO 200 0,2 % 618 0,0 % ,1 % % 10 5 % SI 170 0,2 % 598 0,0 % ,1 % % 16 9 % FI ,7 % ,0 % ,6 % % 92 3 % SE ,6 % ,7 % ,5 % % % UK ,3 % ,5 % ,0 % % % UE , , , % %

15 2 Frota de pesca 13-32, Evolução do número de navios da frota de pesca da União Europeia entre 1995 e , ,3 Redução no período em % Evolução da capacidade da frota de pesca da União Europeia entre 1995 e EU-15 EU-25 EU-27 EU , Potência total do motor em kw/1 000 Arqueação total em GT/1 000 UE-15-2,0 Redução média anual em % UE-25-2,6 UE-27-2,5 UE-28-0,5 kw UE-28 kw UE-27 kw UE-25 kw UE-15 GT UE-28 GT UE-27 GT UE-25 GT UE-15 Fonte: Ficheiro da frota de pesca da UE.

16 14 3 Emprego O setor das pescas desempenha um papel vital em várias regiões da União Europeia pela sua contribuição para o emprego local e para a atividade económica em algumas comunidades costeiras, mais de metade dos postos de trabalho locais são no setor da pesca (como indicado no mapa). O emprego no setor da pesca tende a concentrarse num pequeno número de países. A Espanha representa, por si só, um quarto do emprego na União Europeia, e os quatro países com os níveis mais elevados de emprego (Espanha, Itália, Portugal e Grécia) representam cerca de 70% do total. O setor da aquicultura é igualmente importante em termos socioeconómicos, com um volume de negócios de cerca de 3,5 mil milhões de euros e cerca de trabalhadores (a tempo parcial e a tempo inteiro). Fonte: Centro Comum de Investigação, Comité Científico, Técnico e Económico das Pescas (CCTEP), The 2013 Annual Economic Report on the EU Fishing Fleet (STECF-13-15), Luxemburgo, Serviço das Publicações da União Europeia, 2013 (Relatório EUR EN, JRC 84745). Dependência do emprego em relação à pesca nas regiões da União Europeia (2011) Dependência de pesca nas regiões NUTS 3 (medida como o rácio entre o emprego na pesca e o emprego total da região): Top 10 das regiões NUTS 3 (regiões de nível 3 da Nomenclatura das Unidades Territoriais Estatísticas): Lefkada (EL), ilhas Shetland (UK), Eilean Siar (Western Isles, UK), Samos (EL), Zadarska županija (HR), Dubrovačko-neretvanska županija (HR), ilhas Orkney (UK), Preveza (EL), El Hierro (ES), Kefallinia (EL). Até pescadores Muito baixa a baixa Baixa a moderada Até pescadores Moderada a elevada Elevada a muito elevada Emprego em função das categorias de dimensão das embarcações (a dimensão dos sectogramas depende do número total de pessoas empregadas): <12 m m m >40 m Até pescadores Até 500 pescadores

17 3 Emprego 15

18 16 3 Emprego Emprego no sector das pescas e da aquicultura (2011) (medido em equivalentes a tempo inteiro) Pescas 1 Aquicultura 4 ES IT PT EL UK FR 7447 IE 3428 NL 1768 BG 1668 DK 1661 PL 1576 DE 1258 SE 974 CY 911 LT 575 EE 521 LV 378 BE 341 FI 316 MT 155 SI 77 RO FR ES 6639 EL 5559 UK 2671 IT 2116 PT 1749 RO 1047 IE 958 FI 349 DK 299 CY 276 BG 270 SE 263 MT Não estão disponíveis dados para a AT, CZ, HR, HU, LU e SK. 2 Dados de 2010 fornecidos pelo Serviço Nacional de Estatística da Grécia. 3 Dados de Não estão disponíveis dados para a AT, BE, CZ, EE, HR, HU, LT, LU, LV, NL e SK. No que respeita aos seguintes Estados-Membros, os dados só incluem a aquicultura no mar: DE 18, PL 49 e SI Emprego total (tempo inteiro e tempo parcial). Fonte: CCTEP, The 2013 Annual Economic Report, op.cit.

19 17 4 Setor da transformação O valor global da produção da indústria de transformação ascende a cerca de 30 mil milhões de euros. O Reino Unido, a França, a Espanha, a Itália e a Alemanha são os principais países em termos de produção. O setor emprega cerca de pessoas. O eixo principal da produção europeia passa pelas conservas e pratos preparados de peixe, crustáceos e moluscos. NB: Os valores para o Luxemburgo não são relevantes. Fonte: Comité Científico, Técnico e Económico das Pescas (CCTEP), The Economic Performance Report on the EU Fish Processing Sector (STECF-13-31), Luxemburgo, Serviço das Publicações da União Europeia, 2013 (Relatório EUR EN, JRC 87692), e Eurostat para a AT, BE, CZ, HR, HU e SK Valor da produção (2011) (em milhares de euros) BE BG CZ DK DE EE IE EL ES FR HR IT CY LV LT HU MT NL AT PL PT RO SI SK FI SE UK UE Número de pessoas empregadas (2011) (medido em equivalente a tempo inteiro)

20 18 5 Produção da pesca e da aquicultura A União Europeia é o quinto maior produtor mundial. Representa cerca de 3,5% da produção mundial dos setores da pesca e da aquicultura, em comparação com 4,4% em Esta diminuição relativa deve-se tanto ao aumento da produção mundial total como a uma ligeira quebra na produção da União Europeia. A Espanha, o Reino Unido e a Dinamarca são os três maiores produtores da União Europeia, em termos de volume. Principais produtores mundiais (2011) (capturas e aquicultura) (volume em toneladas de peso vivo e em percentagem do total) Total % China ,1 % Indonésia ,7 % Índia ,0 % Peru ,7 % UE ,5 % Estados Unidos ,1 % Vietname * ,1 % Filipinas ,8 % Japão * ,7 % Chile ,5 % Rússia ,5 % Mianmar ,3 % Noruega ,0 % Coreia do Sul ,8 % Bangladeche ,8 % Tailândia ,6 % * Estimativa da FAO. Fonte: Eurostat e Eumofa para a UE-28 e FAO para os outros países.

21 5 Produção da pesca e da aquicultura 19 Produção por Estado-Membro (2011) (capturas e aquicultura) (volume em toneladas de peso vivo e em percentagem do total) ES ,46 % UK ,00 % DK ,54 % FR ,59 % NL ,65 % IT ,13 % DE ,29 % IE ,08 % PT ,65 % PL ,22 % SE ,15 % EL ,76 % LV ,55 % LT ,28 % FI ,13 % HR ,38 % EE ,28 % CZ * ,41 % BE ,36 % HU * ,35 % BG ,26 % RO ,19 % CY ,09 % MT ,08 % AT * ,05 % SK * ,04 % SI ,03 % UE ,00 % * Dados de NB: Os valores para o Luxemburgo não são relevantes. Fonte: Eurostat e Eumofa.

22 20 5 Produção da pesca e da aquicultura 5.1. Capturas A União Europeia é responsável por pouco mais de 5% do total da produção pesqueira mundial, um recuo em relação aos anos anteriores. As capturas representam cerca de 80% do volume total da produção da União Europeia. Embora a frota europeia opere a nível mundial, as capturas da União são principalmente efetuadas no Atlântico Nordeste e Centro-Leste e no Mediterrâneo, sendo principalmente compostas por espadilha, arenque e sarda. Os principais países pescadores são a Espanha, a Dinamarca, o Reino Unido e a França, que, em conjunto, representam mais de metade das capturas da União Europeia. Capturas totais da UE nas principais zonas de pesca (2011) (volumes em toneladas de peso vivo e em percentagem do total) Atlântico nordeste ,62 % Atlântico centro-leste ,88 % Mediterrâneo ,62 % Oceano Índico ocidental ,29 % Atlântico sudoeste ,10 % Atlântico noroeste ,28 % Pacífico sudeste ,55 % Atlântico sudeste ,40 % Atlântico ocidental e central ,23 % Pacífico ocidental e central ,23 % Pacífico oriental e central ,20 % Mar Negro ,20 % Pacífico sudoeste ,05 % Oceano Índico oriental ,02 % Fonte: Eurostat.

23 5 Produção da pesca e da aquicultura / 5.1. Capturas 21 Total de capturas dos principais produtores mundiais (2011) (volumes em toneladas de peso vivo e em percentagem do total) Capturas totais por Estado-Membro (2011) (volumes em toneladas de peso vivo e em percentagem do total) China ,02 % Peru ,75 % Indonésia ,06 % Estados Unidos ,47 % UE ,18 % Índia ,56 % Rússia ,52 % Japão * ,08 % Chile ,68 % Mianmar ,53 % Vietname ,65 % Noruega ,58 % Filipinas ,51 % Tailândia ,97 % Coreia do Sul ,87 % Bangladeche ,70 % México ,67 % Malásia ,46 % Islândia ,22 % Marrocos ,02 % República da China, Taiwan ,96 % * Estimativa da FAO. Fonte: Eurostat para a UE-28; FAO para os restantes países. ES ,59 % DK ,11 % UK ,26 % FR ,07 % NL ,46 % DE ,59 % PT ,39 % IT ,35 % IE ,22 % SE ,68 % PL ,47 % LV ,19 % LT ,80 % FI ,45 % EE ,59 % HR ,44 % EL ,29 % BE ,45 % BG ,18 % HU * ,13 % CZ * ,08 % RO ,07 % MT ,04 % SK * ,03 % CY ,02 % SI 719 0,01 % AT * 350 0,01 % Total UE ,00% * Dados de NB: Os valores para o Luxemburgo não são relevantes. Fonte: Eurostat.

24 22 5 Produção da pesca e da aquicultura / 5.1. Capturas 15 principais espécies capturadas pela União Europeia (2011) (volumes em toneladas de peso vivo e em percentagem do total) Arenque ,46 % Espadilha ,48 % Sardas e cavalas ,72 % Galeotas ,87 % Sardinha ,31 % Carapau ,28 % Bacalhau ,01 % Carapaus ,74 % Biqueirão ,59 % Sardinela-lombuda ,53 % Gaiado ,48 % Atum-albacora ,09 % Tintureira ,06 % Pescada ,75 % Solha ,70 % Fonte: Eurostat.

25 5 Produção da pesca e da aquicultura / 5.1. Capturas 23 Principais espécies capturadas por Estado-Membro (2011) (volumes em toneladas de peso vivo e em percentagem do total) BE Solha ,6 % Linguados ,9 % Tamboris ,8 % BG Espadilha ,2 % Peixe-caracol- -comum ,9 % CZ* Carpa ,2 % Brema 170 4,3 % DK Galeotas ,3 % Espadilha ,2 % Arenque ,8 % DE Arenque ,0 % Carapaus ,8 % Sardas e cavalas ,7 % Bacalhau ,4 % Camarão-negro ,6 % EE Espadilha ,9 % Arenque ,5 % Camarão-ártico ,7 % IE Sardas e cavalas ,9 % Carapau ,7 % Arenque ,0 % EL Biqueirão ,2 % Sardinha ,2 % Pescada ,5 % Boga-do-mar ,4 % * Dados de 2010.

26 24 5 Produção da pesca e da aquicultura / 5.1. Capturas ES Tintureira ,0 % Gaiado ,0 % Atum-albacora ,3 % Carapaus ,9 % Sardinha ,8 % FR Atum-albacora ,7 % Gaiado ,4 % Vieira ,3 % Pescada ,4 % Sardinha ,2 % HR Sardinha ,3 % Biqueirão ,4 % IT CY Atum-voador ,9 % Salmonete-legítimo ,1 % Boga-do-mar 109 9,4 % LV Espadilha ,2 % Carapaus ,3 % Arenque ,5 % LT Sardinela-ombuda ,0 % Carapau-do- -cunene ,7 % Sardinha ,7 % HU* Carpa ,2 % Ciprinídeos ,9 % Peixes de água doce 371 6,0 % Biqueirão ,7 % Pé-de-burrinho ,2 % Sardinha ,8 % * Dados de 2010.

27 5 Produção da pesca e da aquicultura / 5.1. Capturas 25 MT Espadarte ,8 % Dourado ,2 % Atum-rabilho 142 7,4 % RO Peixe-encarnado ,0 % Sável-do-mar-negro ,0 % Brema 267 8,2 % NL Carapau ,2 % Sardinha ,3 % Arenque ,4 % Sardinela-lombuda ,2 % AT* Peixes de água doce % PL Espadilha ,8 % Arenque ,3 % Carapau ,4 % PT Sardinha ,7 % Cavalas e sardas ,4 % Tintureira ,4 % Carapau ,2 % SI Sardinha ,6 % Biqueirão ,7 % Badejo 56 7,8 % SK* Carpa ,1 % FI Arenque ,6 % Espadilha ,2 % SE Arenque ,9 % Espadilha ,7 % Galeotas ,2 % UK Sardas e cavalas ,4 % Arenque ,3 % * Dados de Lagostim ,8 % Vieira ,0 % Fonte: Eurostat.

28 26 5 Produção da pesca e da aquicultura 5.2. Aquicultura A aquicultura é uma atividade importante em muitas regiões europeias. A produção aquícola da União Europeia ascende a cerca de 1,25 milhões de toneladas, mais de 20 % da produção total do setor das pescas da União, com um valor total de 3,6 mil milhões de euros. A sua parte do total da produção aquícola mundial é de 1,5 % em termos de volume e 4 % em termos de valor. Produção aquícola total por Estado-Membro (2011) (valor em milhares de euros, volume em toneladas de peso vivo e percentagem do total) NB: Os valores para o Luxemburgo não são relevantes. Fonte: Eurostat e Eumofa. valor % valor volume % volume UK ,55 % ,87 % FR ,53 % ,50 % EL ,59 % ,50 % ES ,43 % ,87 % IT ,23 % ,09 % IE ,47 % ,53 % DK ,66 % ,54 % HR ,61 % ,15 % DE ,30 % ,12 % NL ,06 % ,49 % PL ,75 % ,23 % PT ,74 % ,73 % MT ,25 % ,24 % FI ,20 % ,90 % SE ,18 % ,07 % CZ ,11 % ,68 % HU ,84 % ,24 % CY ,74 % ,37 % BG ,48 % ,57 % RO ,44 % ,67 % AT ,40 % ,20 % LT ,19 % ,26 % LV ,08 % 547 0,04 % SI ,07 % 855 0,07 % SK ,07 % 913 0,07 % EE ,05 % 419 0,03 % BE 202 0,01 % 36 0,00 % UE ,00 % ,00 %

Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE

Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA UNIÃO EUROPEIA ESTADOS-MEMBROS Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE Fevereiro de 2011 FICHA TÉCNICA Título Informação Estatística União Europeia/Estados-membros,

Leia mais

As estatísticas do comércio internacional de serviços e as empresas exportadoras dos Açores

As estatísticas do comércio internacional de serviços e as empresas exportadoras dos Açores As estatísticas do comércio internacional de serviços e as empresas exportadoras dos Açores Margarida Brites Coordenadora da Área das Estatísticas da Balança de Pagamentos e da Posição de Investimento

Leia mais

Serviços na Balança de Pagamentos Portuguesa

Serviços na Balança de Pagamentos Portuguesa Serviços na Balança de Pagamentos Portuguesa Margarida Brites Coordenadora da Área da Balança de Pagamentos e da Posição de Investimento Internacional 1 dezembro 2014 Lisboa Balança de Pagamentos Transações

Leia mais

Pedi asilo na UE Que país vai processar o meu pedido?

Pedi asilo na UE Que país vai processar o meu pedido? PT Pedi asilo na UE Que país vai processar o meu pedido? A Informações sobre o Regulamento de Dublim destinadas aos requerentes de proteção internacional, em conformidade com o artigo 4.º do Regulamento

Leia mais

Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir

Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir IP/08/1831 Bruxelas, 28 de Novembro de 2008 Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir De acordo com um relatório publicado hoje pela Comissão Europeia,

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Cartão Europeu de Seguro de Doença Nº: 20/DSPCS DATA: 18/05/04 Para: Todos os serviços dependentes do Ministério da Saúde Contacto

Leia mais

PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais nas eleições europeias de 2009

PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais nas eleições europeias de 2009 Direção-Geral da Comunicação Unidade do Acompanhamento da Opinião Pública Bruxelas, 13 de novembro de 2012 PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Portugal Acordos Bilaterais Celebrados

Mercados. informação regulamentar. Portugal Acordos Bilaterais Celebrados Mercados informação regulamentar Portugal Acordos Bilaterais Celebrados Janeiro 2013 Índice 5 NOTA DE PRÉVIA 6 ENQUADRAMENTO GERAL A 7 ÁFRICA DO SUL 7 ALBÂNIA 7 ALEMANHA 8 ANDORRA 8 ANGOLA 9 ANGUILLA 10

Leia mais

Notas sobre o formulário Acto de Oposição

Notas sobre o formulário Acto de Oposição INSTITUTO DE HARMONIZAÇÃO NO MERCADO INTERNO (IHMI) Marcas, Desenhos e Modelos Notas sobre o formulário Acto de Oposição 1. Observações gerais 1.1 Utilização do formulário O formulário pode ser obtido

Leia mais

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006 PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006 Versão: 1.0 Pág.: 1/7 1. ACESSO DIRECTO Chamadas DENTRO DO PAÍS Não Corp Corp Local 0,0201 0,0079 Local Alargado 0,0287 0,0105 Nacional 0,0287 0,0105 FIXO MÓVEL

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa

www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa Agenda 1. A metodologia do Paying Taxes 2. Resultados de Portugal 3. Resultados da CPLP 4. Reforma

Leia mais

Comissão reconhece a necessidade de um melhor acesso de elevado débito à Internet para revitalizar as zonas rurais na Europa

Comissão reconhece a necessidade de um melhor acesso de elevado débito à Internet para revitalizar as zonas rurais na Europa IP/09/343 Bruxelas, 3 de Março de 2009 Comissão reconhece a necessidade de um melhor acesso de elevado débito à Internet para revitalizar as zonas rurais na Europa A Comissão declarou hoje considerar prioritária

Leia mais

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 20 - Biomassa. Sorocaba, Maio de 2015.

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 20 - Biomassa. Sorocaba, Maio de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Recursos Energéticos e Meio Ambiente Professor Sandro Donnini Mancini 20 - Biomassa Sorocaba, Maio de 2015. ATLAS de Energia Elétrica do Brasil. Agência Nacional de Elétrica

Leia mais

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações).

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações). Estatísticas do Comércio Internacional 214 7 de julho de 215 Resultados preliminares do Comércio Internacional em 214: em termos nominais, as exportações aumentaram 1,8% e as importações aumentaram 3,2%

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

A UE volta a divulgar o número de emergência europeu 112 antes das férias de Verão

A UE volta a divulgar o número de emergência europeu 112 antes das férias de Verão IP/08/836 Bruxelas, 3 de Junho de 2008 A UE volta a divulgar o número de emergência europeu 112 antes das férias de Verão A Comissão Europeia acelerou hoje os seus esforços para promover a utilização na

Leia mais

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes.

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes. 3. Geografia Turística 3.1 Geografia Turística: Brasil de Ponta a Ponta Proporcionar ao participante melhor compreensão geográfica do país; Apresentar as principais especificidades existentes nos continentes

Leia mais

Pescas e assuntos marítimos

Pescas e assuntos marítimos COMPREENDER AS POLÍTICAS DA UNIÃO EUROPEIA Pescas e assuntos marítimos Salvaguardar o futuro dos nossos mares «Às pessoas que alegam que, nas pescas, se trata ou de manter postos de trabalho ou de proteger

Leia mais

Saúde: pronto para férias? viaje sempre com o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD)

Saúde: pronto para férias? viaje sempre com o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD) MEMO/11/406 Bruxelas, 16 de Junho de 2011 Saúde: pronto para férias? viaje sempre com o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD) Em férias nunca se sabe! Está a pensar viajar na UE ou na Islândia,

Leia mais

IX. Dispensa de Visto de Entrada para Portadores de Passaporte e de Título de Viagem da RAEM

IX. Dispensa de Visto de Entrada para Portadores de Passaporte e de Título de Viagem da RAEM IX. Dispensa de Visto de Entrada para Portadores de Passaporte e de (países ordenados por continente) Ásia Brunei 14 dias --- Camboja 30 dias c) --- Coreia do Sul 90 dias --- Filipinas 14 dias --- Indonésia

Leia mais

Regras de Atribuição de DNS. 21 de Abril de 2005 Luisa Lopes Gueifão CRSC 2005

Regras de Atribuição de DNS. 21 de Abril de 2005 Luisa Lopes Gueifão CRSC 2005 Regras de Atribuição de DNS 21 de Abril de 2005 Luisa Lopes Gueifão CRSC 2005 O DNS em Portugal O nome de domínio.pt Como registar um nome de domínio em.pt As regras As novas possibilidades de registo

Leia mais

Energia: prioridades para a Europa Apresentação de J.M. Barroso,

Energia: prioridades para a Europa Apresentação de J.M. Barroso, Energia: prioridades para a Europa Apresentação de J.M. Barroso, Presidente da Comissão Europeia, ao Conselho Europeu de 22 de maio de 2013 Novas realidades do mercado mundial da energia Impacto da crise

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Enquadramento Enquadramento A importância da Internacionalização na vertente das exportações

Leia mais

Internet de banda larga para todos os europeus: Comissão lança debate sobre o futuro do serviço universal

Internet de banda larga para todos os europeus: Comissão lança debate sobre o futuro do serviço universal IP/08/1397 Bruxelas, 25 de Setembro de 2008 Internet de banda larga para todos os europeus: Comissão lança debate sobre o futuro do serviço universal Como é que a UE vai conseguir que todos os europeus

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

Números-Chave sobre o Ensino das Línguas nas Escolas da Europa 2012

Números-Chave sobre o Ensino das Línguas nas Escolas da Europa 2012 Números-Chave sobre o Ensino das Línguas nas Escolas da Europa 2012 O relatório Números-Chave sobre o Ensino das Línguas nas Escolas da Europa 2012 consiste numa análise abarangente dos sistemas de ensino

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 11.3.2011 COM(2011) 113 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Qualidade da gasolina e do combustível para motores diesel utilizados no transporte

Leia mais

ANEXOS. Proposta de decisão do Conselho

ANEXOS. Proposta de decisão do Conselho COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 11.3.2014 COM(2014) 133 final ANNEXES 1 to 2 ANEXOS da Proposta de decisão do Conselho relativa à posição a adotar, em nome da União Europeia, na Comissão para a Conservação

Leia mais

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA 1950 9 de Maio Robert Schuman, Ministro dos Negócios Estrangeiros francês, profere um importante discurso em que avança propostas inspiradas nas ideias de Jean Monnet.

Leia mais

NUTS 2 0 1 3 AS NOVAS UNIDADES TERRITORIAIS PARA FINS ESTATÍSTICOS

NUTS 2 0 1 3 AS NOVAS UNIDADES TERRITORIAIS PARA FINS ESTATÍSTICOS NUTS 2 0 1 3 AS NOVAS UNIDADES TERRITORIAIS PARA FINS ESTATÍSTICOS MAIO 2015 2 NUTS 2013 AS NOVAS UNIDADES TERRITORIAIS PARA FINS ESTATÍSTICOS ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1. O REGULAMENTO DA NOMENCLATURA

Leia mais

Desemprego e regulação do mercado de trabalho. António Dornelas ISCTE-IUL e CIES-IUL 28 de Outubro de 2011

Desemprego e regulação do mercado de trabalho. António Dornelas ISCTE-IUL e CIES-IUL 28 de Outubro de 2011 Desemprego e regulação do mercado de trabalho António Dornelas ISCTE-IUL e CIES-IUL 28 de Outubro de 2011 Proposições fundamentais 1. O trabalho não pode ser tratado como uma mercadoria sem sérias consequências

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS HALIÊUTICOS

CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS HALIÊUTICOS CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS HALIÊUTICOS A conservação dos recursos haliêuticos envolve a necessidade de assegurar uma exploração sustentável desses mesmos recursos e a viabilidade a longo prazo do setor.

Leia mais

Descubra um mundo de sensações O maior evento de exportação dos produtos agro-alimentares em Portugal. 22/23/24 Fevereiro 2010

Descubra um mundo de sensações O maior evento de exportação dos produtos agro-alimentares em Portugal. 22/23/24 Fevereiro 2010 Lisboa. Portugal International Trade Fair for Portuguese Food and Beverage Salão Internacional do Sector Alimentar e Bebidas 22/23/24 Fevereiro 2010 EDITION EDIÇÃO #1 Descubra um mundo de sensações O maior

Leia mais

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012 Ação Cultural Externa Relatório Anual 0 Indicadores DSPDCE 0 .Iniciativas apoiadas pelo IC a) Número (total): 0 b) Montante global:.0,0,* Áreas Geográficas África América Ásia Europa Médio Oriente e Magrebe

Leia mais

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA)

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427 NOTA de: para: Assunto: Presidência Grupo de Avaliação de Schengen Projecto de decisão do

Leia mais

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula.

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. Trabalho 01 dividido em 2 partes 1ª Parte Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. 2ª Parte Perguntas que serão expostas após a apresentação da 1ª Parte, e que

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 13.6.2014 COM(2014) 354 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Evolução da situação do mercado do leite e dos produtos lácteos e da aplicação das disposições

Leia mais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais Impostos e taxas com relevância ambiental 2013 31 de outubro de 2014 Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais O valor dos Impostos

Leia mais

Importações e Exportações Portuguesas de Produtos Energéticos

Importações e Exportações Portuguesas de Produtos Energéticos Em Análise Walter Anatole Marques 1 Importações e Exportações Portuguesas de Produtos A balança comercial de produtos de Portugal é fortemente deficitária, tendo o peso do seu défice no PIB aumentado mais

Leia mais

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Uma Rede de apoio à competitividade das empresas 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Quem somos Quem somos? Onde estamos? Criada pela Comissão Europeia no âmbito do Programa Quadro para a Competitividade

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA.

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida COSEC em resumo

Leia mais

Redes de apoio às empresas portuguesas no estrangeiro

Redes de apoio às empresas portuguesas no estrangeiro SERVIÇOS DE INTELIGÊNCIA ECONÓMICA Documento de Inteligência Económica TEMA: Redes de apoio às empresas portuguesas no estrangeiro 1. Importância para as empresas em processo de internacionalização A ação

Leia mais

SWAZILÂNDIA E TANZÂNIA. Across Mundovip Quadrante Soltrópico TUNÍSIA. Club Med Grantur Mundovip Soltrópico. Travelers Travelplan U GANDA.

SWAZILÂNDIA E TANZÂNIA. Across Mundovip Quadrante Soltrópico TUNÍSIA. Club Med Grantur Mundovip Soltrópico. Travelers Travelplan U GANDA. Quem programa o quê? ÁFRICA ÁFRICA DO SUL ANGOLA BOTSWANA CABO VERDE EGIPTO GUINÉ-BISSAU LÍBIA MARROCOS MAURÍCIAS MOÇAMBIQUE NAMÍBIA QUÉNIA SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE SENEGAL SEYCHELLES SWAZILÂNDIA E TANZÂNIA

Leia mais

Comunicado de imprensa

Comunicado de imprensa Comunicado de imprensa A educação para a cidadania nas escolas da Europa Em toda a Europa, o reforço da coesão social e a participação activa dos cidadãos na vida social estão no centro das preocupações

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME 15.06.2010 Institucional \ Breve Introdução A NEWVISION é uma empresa Portuguesa de base tecnológica, que tem como objectivo

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil País Afeganistão África do Sul Albânia Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Austrália

Leia mais

(Atos legislativos) REGULAMENTOS

(Atos legislativos) REGULAMENTOS 20.3.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 78/1 I (Atos legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) N. o 227/2013 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 13 de março de 2013 que altera o Regulamento (CE)

Leia mais

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Apresentação ERASMUS+ - Ensino Superior O Erasmus+ é o novo programa da UE dedicado à educação, formação, juventude e desporto. O programa tem início

Leia mais

Fusões e cisões transfronteiras

Fusões e cisões transfronteiras Fusões e cisões transfronteiras Fusões e cisões transfronteiras Consulta organizada pela Comissão Europeia (DG MARKT) INTRODUÇÃO Observações preliminares O presente questionário tem por objetivo recolher

Leia mais

CONSILIUM. Schengen. A porta para a sua liberdade de circulação na Europa JUNHO DE 2011

CONSILIUM. Schengen. A porta para a sua liberdade de circulação na Europa JUNHO DE 2011 PT CONSILIUM Schengen A porta para a sua liberdade de circulação na Europa JUNHO DE 2011 Índice INTRODUÇÃO 1 LIVRE CIRCULAÇÃO DE PESSOAS 2 COOPERAÇÃO POLICIAL E ADUANEIRA 2 Fronteiras internas 2 Fronteiras

Leia mais

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida 2 Sobre a COSEC Quem somos

Leia mais

Cafés e Restaurantes. Telefone Internet Televisão

Cafés e Restaurantes. Telefone Internet Televisão Cafés e Internet A solução HORECA que lhe dá tudo O pacote é a solução para o segmento HORECA que conjuga os melhores conteúdos de desporto nacional e internacional, com telefone e internet. Chamadas ilimitadas

Leia mais

Serviços Adicionais. 12400 - Portal de Voz

Serviços Adicionais. 12400 - Portal de Voz Serviços Adicionais 12400 - Portal de Voz Descrição Totoloto, Totobola, Lotarias e Euro Milhões Pode conhecer os números do Euro Milhões meia hora antes do sorteio na TV. Saiba os resultados e o valor

Leia mais

Tributação Internacional Junho 2014

Tributação Internacional Junho 2014 www.pwc.pt/tax Tributação Internacional Junho 2014 Perante a aldeia global em que vivemos, atuar apenas no mercado doméstico não é suficiente. De facto, a internacionalização é um requisito obrigatório

Leia mais

Desses países, Portugal, Angola e Filipinas estabeleceram consulados-gerais na RAEM.

Desses países, Portugal, Angola e Filipinas estabeleceram consulados-gerais na RAEM. Relações Externas Como entidade não soberana, a Região Administrativa Especial de Macau (RAEM) mantém contactos e relações estreitas com os países e regiões de todo o mundo. Desde sempre mantém relações

Leia mais

Necessidade de visto para. Não

Necessidade de visto para. Não País Necessidade de visto para Turismo Negócios Afeganistão África do Sul Albânia, Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia. Argentina Ingresso permitido com Cédula de Identidade

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO. sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO. sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30.6.2015 COM(2015) 314 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos PT PT RELATÓRIO

Leia mais

gabinete de estratégia e estudos

gabinete de estratégia e estudos Gabinete de Estratégia e Estudos Síntese Estatística gabinete de estratégia e estudos INVESTIMENTO DIRECTO Exterior em Portugal e Portugal no Exterior Agosto de 26 Índice Tratamento e análise dos dados

Leia mais

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos Geografia Econômica Mundial Aula 4 Prof. Me. Diogo Labiak Neves Organização da Aula Tipologias de blocos econômicos Exemplos de blocos econômicos Algumas características básicas Blocos Econômicos Contextualização

Leia mais

Começar Global e Internacionalização

Começar Global e Internacionalização Começar Global e Internacionalização Artur Alves Pereira Assessor do Conselho de Administração, AICEP Portugal Global Fevereiro 06, 2014 1 A aicep Portugal Global Missão. A aicep Portugal Global é uma

Leia mais

OCEAN2012. Dia da Dependência de Pescado - Portugal

OCEAN2012. Dia da Dependência de Pescado - Portugal OCEAN2012 Dia da Dependência de Pescado - Portugal A Europa está tão dependente de produtos da pesca capturados fora das suas águas que, neste momento, cerca de metade do pescado que consomem é proveniente

Leia mais

A formação da União Europeia

A formação da União Europeia A formação da União Europeia A EUROPA DOS 28 Como tudo começou? 1926: 1º congresso da União Pan- Europeia em Viena (Áustria) 24 países aprovaram um manifesto para uma organização federativa na Europa O

Leia mais

PROGRAMA QUADRO EUROPEU PARA A INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO HORIZON 2020 (2014-2020) 2020)

PROGRAMA QUADRO EUROPEU PARA A INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO HORIZON 2020 (2014-2020) 2020) PROGRAMA QUADRO EUROPEU PARA A INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO HORIZON 2020 (2014-2020) 2020) Maria da Graça a Carvalho Universidade de Évora 5 Janeiro 2012 Índice Mundo Multipolar na investigação e inovação Europa

Leia mais

PORTUGAL. A recente performance de Portugal enquanto destino turístico Mitos e realidades. João Cotrim de Figueiredo 05 dezembro 2015

PORTUGAL. A recente performance de Portugal enquanto destino turístico Mitos e realidades. João Cotrim de Figueiredo 05 dezembro 2015 PORTUGAL A recente performance de Portugal enquanto destino turístico Mitos e realidades João Cotrim de Figueiredo 05 dezembro 2015 Um ciclo de crescimento longo e a acelerar 12 000 000 10 000 000 Receitas

Leia mais

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão 4Pro A oferta mais competitiva, desenhada para empresas e profissionais que lhe garante os melhores resultados 2 cartões de telemóvel com comunicações ilimitadas para todas as redes nacionais, para uma

Leia mais

A PAC pós 2013 - O Debate Europeu e os Desafios para Portugal

A PAC pós 2013 - O Debate Europeu e os Desafios para Portugal A PAC pós 2013 - O Debate Europeu e os Desafios para Portugal Francisco Cordovil (Director do GPP) 30 de Abril de 2010 1 I. A agricultura perante a sociedade: compreender os desafios e agir positivamente

Leia mais

Coesão económica social e territorial. Crescimento inteligente sustentável e inclusivo. Estratégia Europa 2020

Coesão económica social e territorial. Crescimento inteligente sustentável e inclusivo. Estratégia Europa 2020 PROGRAMA OPERACIONAL INCLUSÃO SOCIAL E EMPREGO 18 de fevereiro de 2015 1 Coesão económica social e territorial Enquadramento Crescimento inteligente sustentável e inclusivo Estratégia Europa 2020 Agenda

Leia mais

Formal de Adultos: Comissão Europeia

Formal de Adultos: Comissão Europeia BG Educação Formal de Adultos: : Políticas e Práticas na Europa Comissão Europeia EURYDICE Agência de Execução relativa à Educação, ao Audiovisual e à Cultura Educação Formal de Adultos: Políticas e Práticas

Leia mais

18.12.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 336/31

18.12.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 336/31 18.12.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 336/31 DECISÃO DA COMISSÃO de 14 de Dezembro de 2009 que altera a Decisão 2009/177/CE no que diz respeito aos programas de erradicação e ao estatuto de indemnidade

Leia mais

istockphoto/m. Boncina A Europa da livre circulação: o espaço Schengen Assuntos Internos

istockphoto/m. Boncina A Europa da livre circulação: o espaço Schengen Assuntos Internos istockphoto/m. Boncina A Europa da livre circulação: o espaço Schengen Assuntos Internos 1 Espaço Schengen em 19 de dezembro de 2011 Estados-Membros da União Europeia pertencentes ao espaço Schengen Estados-Membros

Leia mais

PEDIDO DE INFORMAÇÕES RELATIVAS AO DIREITO ÀS PRESTAÇÕES FAMILIARES NO ESTADO DE RESIDÊNCIA DOS FAMILIARES

PEDIDO DE INFORMAÇÕES RELATIVAS AO DIREITO ÀS PRESTAÇÕES FAMILIARES NO ESTADO DE RESIDÊNCIA DOS FAMILIARES A COMISSÃO ADMINISTRATIVA PARA A SEGURANÇA SOCIAL DOS TRABALHADORES MIGRANTES Ver «Instruções» na página 4 E 411 ( 1 ) PEDIDO DE INFORMAÇÕES RELATIVAS AO DIREITO ÀS PRESTAÇÕES FAMILIARES NO ESTADO DE RESIDÊNCIA

Leia mais

(Apenas fazem fé os textos nas línguas alemã, dinamarquesa, espanhola, grega, inglesa, italiana, letã, neerlandesa, portuguesa, romena e sueca)

(Apenas fazem fé os textos nas línguas alemã, dinamarquesa, espanhola, grega, inglesa, italiana, letã, neerlandesa, portuguesa, romena e sueca) L 336/42 Jornal Oficial da União Europeia 18.12.2009 DECISÃO DA COMISSÃO de 16 de Dezembro de 2009 relativa a uma contribuição financeira comunitária, para 2009, para as despesas efectuadas pelos Estados-Membros

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP)

Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP) Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP) 23/06/2008-14/08/2008 Existem 457 respostas em 457 que correspondem aos seus critérios A. Participação País DE - Alemanha 84 (18.4%) PL - Polónia

Leia mais

Portugal 2020: O foco na Competitividade e Internacionalização

Portugal 2020: O foco na Competitividade e Internacionalização Portugal 2020: O foco na Competitividade e Internacionalização Duarte Rodrigues Vogal da Agência para o Desenvolvimento e Coesão AIP, 5 de março de 2015 Prioridades Europa 2020 Objetivos Europa 2020/ PNR

Leia mais

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Náutica Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro para

Leia mais

CRESCIMENTO E EMPREGO: PRÓXIMOS PASSOS

CRESCIMENTO E EMPREGO: PRÓXIMOS PASSOS CRESCIMENTO E EMPREGO: PRÓXIMOS PASSOS Apresentação de J.M. Durão Barroso, Presidente da Comissão Europeia, ao Conselho Europeu informal de 30 de janeiro de 2012 Quebrar os «círculos viciosos» que afetam

Leia mais

Pesquisa Global Nielsen sobre a Confiança do Consumidor Maio de 2009

Pesquisa Global Nielsen sobre a Confiança do Consumidor Maio de 2009 Pesquisa Global Nielsen sobre a Confiança do Consumidor Maio de 2009 Observações metodológicas Página 2 Enfoque da pesquisa Mensurar o sentimento e a confiança do consumidor no futuro da economia Padrões

Leia mais

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Vendas Novas - 02 de julho de 2013 aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro

Leia mais

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015 Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS O Preçário completo da Agência de Câmbios Central, Lda., contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO O PÓS-EURO A B C D E MÓDULO V O Euro face às s principais moedas internacionais Pacto de Estabilidade e Crescimento O Tratado de Amesterdão O Tratado de Nice Reforçar e Reformar as Políticas da União na

Leia mais

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós»

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós» COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 28.5.2014 COM(2014) 355 final ANNEXES 1 to 5 ANEXOS à COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós» PT PT ANEXO I: ASPETOS PROCESSUAIS DA INICIATIVA

Leia mais

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS EM POUCAS PALAVRAS OS PRIMEIROS PASSOS DATA/LOCAL DE ASSINATURA E ENTRADA EM VIGOR PRINCIPAIS MENSAGENS QUIZ 10 PERGUNTAS E RESPOSTAS OS PRIMEIROS PASSOS No século XX depois das Guerras No século XX, depois

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL 2014

COMÉRCIO INTERNACIONAL 2014 EXPORTAÇÕES (POR CAPÍTULO) 2013 2014 50 Artigos de seda 462 282-38,9% 51 Artigos de lã 60.801 63.996 5,3% 52 Artigos de algodão 145.006 154.454 6,5% 53 Outras fibras têxteis vegetais 4.839 4.169-13,8%

Leia mais

Comissão efectua consultas sobre a melhor forma de conseguir que a Europa lidere a transição para a Web 3.0

Comissão efectua consultas sobre a melhor forma de conseguir que a Europa lidere a transição para a Web 3.0 IP/08/1422 Bruxelas, 29 de Setembro de 2008 Comissão efectua consultas sobre a melhor forma de conseguir que a Europa lidere a transição para a Web 3.0 A Europa pode liderar a Internet da próxima geração.

Leia mais

Sociedade de Geografia de Lisboa

Sociedade de Geografia de Lisboa Sociedade de Geografia de Lisboa Tema A internacionalização das empresas portuguesas para os Países da Europa Central e Oriental (PECO) Autor Rui Paulo Almas Data Lisboa, 25 de Junho de 2012 1 A internacionalização

Leia mais