Proposta Pedagógica. Curricular. Educação Infantil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proposta Pedagógica. Curricular. Educação Infantil"

Transcrição

1 Proposta Pedagógica 2013 Curricular Educação Infantil

2 PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR PARA EDUCAÇÃO INFANTIL Secretaria Municipal de Educação Departamento de Ensino Gerência da Educação Infantil Pinhais 2013

3

4 PINHAIS, Secretaria Municipal de Educação de. Proposta Pedagógica Curricular, Educação Infantil Pinhais Paraná: SEMED, páginas Departamento de Ensino (Trabalho Pedagógico, Histórico-Critico, Interação e Ludicidade, Desenvolvimento)

5

6 Prefeito Municipal de Pinhais Luiz Goularte Alves Secretária Municipal de Educação Andrea Franceschini Diretor do Departamento de Ensino Kelly Panini Fonseca de Souza Gerente da Educação Infantil Adriana Colombo Gonçalves Chefe da Seção de Apoio e Desenvolvimento da Creche Chefe da Seção de Apoio e Desenvolvimento da Pré-Escola Haline Siroti Andruszewicz Chefe da Seção de Apoio e Desenvolvimento da Pré-Escola II Juliana Cordeiro Coordenação Geral Adriana Colombo Gonçalves Capa Claudiane do Rocio Quaglia Nunes

7 Princípios Norteadores da Proposta Autores: Kelly Panini Fonseca de Souza Louize Mari da Rocha Simone Gualberto Susi Cristie Rebello da Silva Viviane Monteiro de Almeida Luchezi Fundamentos Filosóficos Coordenadora: Neiva Constante Autores: Adriana Cristina Zielinski Do Nascimento Luciana Pacheco Klamas Nadir Fernandes dos Santos Olinda de Cássia Curupaná Patrícia Sales de Souza Renata Alves dos Santos Sirlane Miranda Valdo de Souza Melo Fundamentos Pedagógicos Coordenadora: Kelly Panini Fonseca de Souza Autores: Ana Carolina Fischer Ana Caroline Schloegel Flavia Liszyk Jaqueline Salamek Maria Amélia das Neves Maria Aparecida Vargas Vanessa Queiros

8 Fundamentos Psicológicos Coordenadora: Cynthia Simoni Goulart Cancelli Autores: Edson Luis de Paula Taques Keila Marilei da Silva Marcia Regina Lucas de Lima Marelis de Fátima Rodrigues de Lima Concepções Teóricas que Norteiam a Prática Pedagógica na Educação Infantil Coordenadora: Viviane Monteiro de Almeida Luchezi Autores: Adrianny Zimermann Moreira Beatriz Ferreira Lemos Elaine Cristina Ferreira Morais Elen Del Rocio Escoto Elias Antônio Bueno Elizangela Brugge Fabíola Aparecida Prestes Almeida Flávia Petry Brenner Gabriela De Sousa Tóffoli Leda Cristiane De Almeida Luciane Cristina Bueno Luciane Da Costa Silva De Souza Margareth Regina Chiuratto Agustinho Maria Izabel Gonella Mariana Marques Cardoso Patricia Kelli Fernandes De Souza Paula Cristina Paulon Rosangela Alves De Godoy Gregório Roseli Portela Vanessa Queiros

9 O Trabalho com a Diversidade na Educação Infantil Coordenadora: Louize Mari da Rocha Autores: Edson Luis de Paula Taques Eliane Kutski de Lara Elsa Cristina Magalhães Machado Juliana Fernandes Pinto de Souza Karina Rodrigues Silveira Organização do Trabalho Pedagógico Coordenadora: Viviane Monteiro de Almeida Luchezi Autores: Adrianny Zimermann Moreira Beatriz Ferreira Lemos Elaine Cristina Ferreira Morais Elen Del Rocio Escoto Elias Antônio Bueno Elizangela Brugge Fabíola Aparecida Prestes Almeida Flávia Petry Brenner Gabriela De Sousa Tóffoli Leda Cristiane De Almeida Luciane Cristina Bueno Luciane Da Costa Silva De Souza Margareth Regina Chiuratto Agustinho Maria Izabel Gonella Mariana Marques Cardoso Patricia Kelli Fernandes De Souza Paula Cristina Paulon Rosangela Alves De Godoy Gregório Roseli Portela Vanessa Queiros

10 Organização Curricular Coordenadoras e autoras da versão preliminar: Claudiane do Rocio Quaglia Nunes Jussara Silvana Romeike Representantes da Equipe Docente das Unidades de Ensino para discussão do texto preliminar e elaboração dos textos de Sugestões de Encaminhamentos Metodológicos: Alexsandro Garcia Andréa Demeterco Andressa Montilla dos Santos Carmem Simone de Carvalho Carolina Soares Bilbao Claudia Thomasi Cléa Cecilia Gonçalves Antunes Cleudimar dos Santos Cristiane Ribeiro Souza Daniela Ortega Pereira Denise Gonçalves Figueira Fernanda Leopoldino da Silva Chaves Flávia Guadalupe Miranda Coelho Francielle Topia Borges Gildo Berlarmino Kátia Ferreira Ramos de Araujo Liara Cristina Biss Rosilaine Maria Bachini Bombacini Silvia de Fátima da Costa Stela Maris Hirt da Silva Taiza Aparecida Sorendino Tatiane do Rocio Botelho Vivian do Rocio Carvalho de Souza Revisão da Língua Portuguesa Susi Cristie Rebello da Silva

11 Organização Curricular 2013 Coordenadoras e autoras da versão revisada Adriana Colombo Gonçalves Haline Siroti Andruszewicz Juliana Cordeiro Representantes da Equipe Docente das Unidades de Ensino para discussão do texto revisado e reelaboração dos textos de Sugestões de Encaminhamentos Metodológicos Manuela Souza Jonas Bettero Pereira Machado Cristiane Maciel da Silva do Prado Daniela Negrão de Mello Cardoso Inara Martins Ferreira Nadir Fernandes dos Santos Roselene Maria Aparecida Pires Michaloski Silmara Aparecida Franco Dulcinéia Alves Edilene Susan Fabiane Borges Rodrigues Tanay Rigoni Patricia da Silva Claudia Cristina dos Santos Luzia Sebastiana Silva Almeida Rosecler Aparecida S.W. Medeiros Katiliane Padilha de Souza Larissa Elias Cardoso Amanda Mara Passos Beatriz Ferreira Lemos Maria Madalena Pereira

12

13 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO... Referências... CONTETO DA EDUCAÇÃO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PINHAIS... Referências... PRINCÍPIOS NORTEADORES DA PROPOSTA... I - Educação de Qualidade... II - Gestão Democrática e Participativa... III - Autonomia para Cidadania... IV - Escola para Todos... V - Acesso, Permanência e Sucesso... VI - Formação Integral do Educando... VII - Qualificação Profissional... VIII - Respeito à Diversidade... I Interações Significativas e Brincadeiras... Referências... FUNDAMENTOS DA PROPOSTA... I Fundamentos Filosóficos... II - Fundamentos Pedagógicos... III - Fundamentos Psicológicos... Referências... CONCEPÇÕES TEÓRICAS QUE NORTEIAM A PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL... I Concepção de Infância... II Aprendizagem e Desenvolvimento Infantil... III A Pedagogia Histórico-Crítica e a Educação Infantil... IV A Pedagogia de Projetos na Educação Infantil... V A Importância dos Jogos e Brincadeiras na Educação Infantil... VI Organização de Espaços e Tempos... VII Rotina Pedagógica... VIII Avaliação na Educação Infantil... I Concepções de Gestão Democrática na Educação Infantil... Referências... OBJETIVOS GERAIS PARA EDUCAÇÃO INFANTIL... O TRABALHO COM A DIVERSIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL... I Diversidade Cultural e Biodiversidade... II - Diversidade em Relação à Orientação Sexual... III - Diversidade Étnicorracial

14 IV Contato com Crianças que Possuem Deficiência... V Atendimento às Ideias de Heterogeneidade e de Singularidade... VI Diversidade de Soluções para um Mesmo Problema... Referências... ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NAS INSTITUIÇÕES MUNICIPAIS QUE ATENDEM À EDUCAÇÃO INFANTIL... I Adaptação na Unidade de Ensino... II Organização do Tempo Pedagógico... III Organização do Espaço... IV Brincadeiras... V O Trabalho com a Pedagogia de Projetos... VI Tecnologia... VII Literatura Infantil... VIII Integração entre Famílias e Unidade de Ensino... I Avaliação e Parecer Descritivo... Referências... ORGANIZAÇÃO CURRICULAR... I Eixos Norteadores do trabalho Pedagógico... Eixo I: Construção da Identidade e Autonomia... Eixo II Movimento... Eixo III Oralidade e Relação com a Linguagem Escrita... Eixo IV - Arte... Eixo V Construção de Noções Matemáticas... Eixo VI Relação com o Mundo Físico e Natural... Eixo VII - Relação com o Mundo Social e Histórico-Cultural... Eixo VIII Filosofia... ORGANIZAÇÃO CURRICULAR POR EIOS DE TRABALHO E FAIA ETÁRIA. BERÇÁRIO E MATERNAL Eixo I: Construção da Identidade e Autonomia... Sugestões de Encaminhamento Metodológicos... Eixo II Movimento... Sugestões de Encaminhamentos Metodológicos... Eixo III Oralidade e Relação com a Linguagem Escrita... Sugestões de Encaminhamentos Metodológicos... Eixo IV - Arte... Sugestões de Encaminhamentos Metodológicos... Eixo V Construção de Noções Matemáticas... Sugestões de Encaminhamentos Metodológicos... Eixo VI Relação com o Mundo Físico e Natural... Sugestões de Encaminhamentos Metodológicos... Eixo VII - Relação com o Mundo Social e Histórico-Cultural... Sugestões de Encaminhamentos Metodológico... PRÉ-ESCOLAR I e II Eixo I: Construção da Identidade e Autonomia

15 Sugestões de Encaminhamento Metodológicos... Eixo II Movimento... Sugestões de Encaminhamentos Metodológicos... Eixo III Oralidade e Relação com a Linguagem Escrita... Sugestões de Encaminhamentos Metodológicos... Eixo IV - Arte... Sugestões de Encaminhamentos Metodológicos... Eixo V Construção de Noções Matemáticas... Sugestões de Encaminhamentos Metodológicos... Eixo VI Relação com o Mundo Físico e Natural... Sugestões de Encaminhamentos Metodológicos... Eixo VII - Relação com o Mundo Social e Histórico-Cultural... Sugestões de Encaminhamentos Metodológico... Eixo VIII Filosofia... Sugestões de Encaminhamentos Metodológicos... Referências... CONSIDERAÇÕES FINAIS

16 16

17 APRESENTAÇÃO A Secretaria Municipal de Educação de Pinhais proporcionou vários momentos de estudos e discussões, no ano de 2010, envolvendo os profissionais da educação, especialmente da Educação Infantil, para a construção de um documento norteador das ações desenvolvidas nesta etapa de ensino. Assim nasceu a Proposta Pedagógica Curricular Municipal para a Educação Infantil. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação (Lei 9394/96) faz referência explícita à Proposta Pedagógica, especialmente no artigo 13. Ainda destaca a importância da participação dos profissionais da educação na elaboração deste documento bem como para organizar e cumprir o plano de trabalho de acordo com os princípios estabelecidos por ele. É também indispensável destacar a importância dos Parâmetros e Indicadores Municipais de Qualidade para a Educação Infantil, documento também construído em 2012, cujo conteúdo contribuiu para as discussões e construção dos textos desta Proposta, pois se trata de um documento de referência a todas as unidades municipais de ensino no que diz respeito a qualidade pretendida no trabalho pedagógico; interações estabelecidas; valorização da diversidade; organização dos espaços e da rotina pedagógica; seleção, aquisição e disponibilização de equipamentos, mobiliários e materiais; qualificação dos profissionais; avaliação, entre outros aspectos. Por último, mas não menos importante, reforça que a infância é um tempo precioso em si mesmo. A Educação Infantil, portanto, não é apenas um tempo de preparação para que, no futuro, a pessoa tenha um bom desempenho escolar, nem para substituir a falta de tempo dos pais para cuidarem dos seus filhos. A Educação Infantil deve contribuir firmemente para que a infância seja vivida de forma intensa e prazerosa no presente. A Educação Infantil, como a primeira etapa da Educação Básica, deve proporcionar às crianças a possibilidade de constituir sua identidade, seus valores, conhecimentos e significados de forma singular e plural. Isso se dá a partir das relações que se estabelece nas unidades que atendem esta modalidade de ensino, sendo a Proposta Pedagógica Curricular o principal mecanismo para que estas ações se efetivem. As unidades que atendem a Educação Infantil no Município precisam criar condições concretas para enfrentar o grande desafio de oferecer educação e cuidados de forma indissociável, respeitando os laços de cooperação com a família. Essas condições devem ser coerentes com as referências teóricas estabelecidas para a Rede Municipal de Ensino e as concepções de criança e de educação infantil defendidas na atualidade. Para maior aprofundamento das ações pedagógicas acerca da organização da Educação Infantil na rede municipal de ensino, no ano de 2013 todos os educadores, professores, pedagogos, diretores e comunidade escolar participaram de um momento de reformulação do currículo apresentado neste documento com o intuito de regulamentar os encaminhamentos do processo de ensino e aprendizagem nas unidades de Educação Infantil de Pinhais Portanto, este documento, pensado, discutido e construído coletivamente é apresentado como ferramenta fundamental para estruturar um trabalho educativo de qualidade, escrevendo e reformulando mais uma importante página da história da educação do Município de Pinhais. Luis Goularte Alves Prefeito Municipal Andréa Franceschini Secretária Municipal de Educação 17

18 18

19 INTRODUÇÃO A Secretaria Municipal de Educação visa a melhoria contínua da qualidade do trabalho pedagógico nas unidades de ensino que atentem a Educação Infantil na Rede Municipal de Ensino, de forma que se promova, de fato, aprendizagens significativas e o desenvolvimento integral de crianças de até cinco anos de idade nas dimensões psicomotora, afetiva, intelectual, linguística e social. Por este motivo, surge este documento, que é fruto de muita reflexão, discussão, avaliação das práticas já existentes e das intenções, concepções, apostas e esforços de vários profissionais que atuam na Educação Infantil. Até o ano de 2010, as ações pedagógicas realizadas nas unidades de ensino eram norteadas por uma Proposta Pedagógica Curricular elaborada no ano de 2005, a qual estabelecia objetivos e conteúdos baseados no documento Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil, do Ministério da Educação e Desporto. Todavia, percebeu-se a necessidade dessa Proposta ser reformulada, pois a visão a respeito de criança, educação, atendimento em creches e pré-escolas, movimentos sociais, currículo e métodos pedagógicos passaram por transformações. Uma prova disso são as próprias questões legais que, dentre outros aspectos, amplia a obrigatoriedade na Educação Básica (ou seja, da matrícula na Educação Infantil de crianças que completam 4 ou 5 anos até o dia 31 de março do ano em que ocorrer a matrícula, conforme 2º, do Art. 5º, da Resolução 05/2009, do Conselho Nacional de Educação/Câmera de Educação Básica) e o fato das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil serem revisadas e atualizadas (conforme PARECER CNE/CEB 20/2009). A reformulação da Proposta Pedagógica Curricular Municipal durante o ano de 2013 envolveu diferentes segmentos que atuam no processo educativo. Primeiramente, os profissionais da Gerência de Educação Infantil, da Secretaria Municipal de Educação, iniciaram estudos a respeito de quais são as concepções, valores, ideias, objetivos e desejos existentes em relação a organização, desenvolvimento e avaliação do trabalho pedagógico da Educação Infantil, bem como estabeleceu um roteiro norteador para a reelaboração deste documento. Em seguida, tais discussões foram ampliadas, envolvendo uma comissão composta por pedagogos, diretores, educadores e professores das unidades de ensino, os quais foram responsáveis por mediar o debate com os demais profissionais das instituições nas quais atuam em relação aos objetivos e conteúdos da organização curricular, elencados por faixa etária, e quanto às sugestões de encaminhamento metodológico, assim como a revisão da escrita de textos referentes às concepções teóricas que fundamentarão as ações pedagógicas do município, debateram sobre os objetivos gerais da Educação Infantil e delinearam características da organização do trabalho pedagógico, tais como: adaptação dos educandos, organização do tempo e dos espaços, brincadeiras, projetos pedagógicos, literatura infantil, tecnologia e integração entre família e unidade de ensino. Ao final do processo, todos os envolvidos se reuniram para validar o documento em sua globalidade. Todo este caminhar ocorreu levando-se em consideração alguns aspectos, tais como: 1. A ideia de se elaborar uma Proposta Pedagógica Curricular flexível, dinâmica (ou seja, que pode sofrer mudanças a medida que os conceitos, necessidades, demandas, metas e objetivos se transformam) e que seja uma direção ao trabalho, um documento norteador, pois como diz Sonia Kramer 19

20 Uma proposta pedagógica é um caminho, não é um lugar. Uma proposta pedagógica é construída no caminho, no caminhar. Toda proposta pedagógica tem uma história que precisa ser contada. Toda proposta contém uma aposta. Nasce de uma realidade que pergunta e é também busca de uma resposta. Toda proposta é situada, traz consigo o lugar de onde fala e a gama de valores que a constitui; traz também as dificuldades que enfrenta, os problemas que precisam ser superados e a direção que a orienta. E essa sua fala é a fala de um desejo, de uma vontade eminentemente política no caso de uma proposta educativa, e sempre humana, vontade que, por ser social e humana, nunca é uma fala acabada, não aponta o lugar, a resposta, pois se traz a resposta já não é mais uma pergunta. Aponta, isto sim, um caminho também a construir. (KRAMER, in Educação & Sociedade, v. 18, n. 60, 1997) 2. Os princípios que servem como fios condutores desta proposta são os da Pedagogia Histórico-Crítica, do filósofo e pedagogo Demerval Saviani, no qual a educação é compreendida como o ato de produzir em cada sujeito a humanidade que é produzida histórica e coletivamente pelo conjunto dos homens e tem como ponto de partida e ponto de chegada a prática social (SAVIANI, 2008). Isto quer dizer que o papel da instituição escolar é trabalhar com conhecimentos sistematizados partindo da realidade do educando e, a partir da apreensão desses conhecimentos, possibilitar que ele transforme a prática. 3. A concepção que se tem de currículo é de "um conjunto de práticas que buscam articular as experiências e os saberes das crianças com os conhecimentos que fazem parte do patrimônio cultural, artístico, ambiental, científico e tecnológico, de modo a promover o desenvolvimento integral de crianças de 0 a 5 anos de idade". (Art. 3, Resolução 05/2009, do Conselho Nacional de Educação/Câmera de Educação Básica). 4. Embora se vise articular as vivências infantis com os conhecimentos sistematizados, propiciando que o educando os apreenda, construa novos conhecimentos e transforme a prática social, na Educação Infantil também se é valorizado o cuidar e a afetividade envolvida neste gesto. Pois, o cuidar, além do educar, é necessário para a formação humana na sua integralidade. 5. A criança é o centro do planejamento curricular, pois ela é "sujeito histórico e de direitos que, nas interações, relações e práticas cotidianas que vivencia, constrói sua identidade pessoal e coletiva, brinca, imagina, fantasia, deseja, aprende, observa, experimenta, narra, questiona e constrói sentidos sobre a natureza e a sociedade, produzindo cultura" (Art. 4, Resolução 05/2009, do Conselho Nacional de Educação/Câmera de Educação Básica). 6. Os objetivos e conteúdos elencados para cada faixa etária compostas nesta proposta curricular são organizados em 8 eixos que poderão nortear o trabalho pedagógico nas unidades de ensino, levando-se em consideração a importância das interações e brincadeiras no processo educativo dos educandos. São eles: Construção da Identidade e Autonomia; Movimento; Oralidade e Relação com a Linguagem Escrita; Arte; Construção de Noções Matemáticas; Relação com o Mundo Físico e Natural; Relação com o Mundo Social e Histórico-Cultural; Filosofia para turmas de maternal III e pré-escolar. 20

21 7. Os textos desta proposta se dirigem a toda a comunidade escolar e os leitores são vistos como coautores, podendo questioná-los e sugerir modificações, adaptando-os à realidade do contexto educacional. Inclusive, é importante que haja constantemente um diálogo a respeito deste documento em cada unidade de ensino. Enfim, esta Proposta Pedagógica Curricular foi pensada e elaborada coletivamente, considerando-se a criança enquanto sujeito histórico e de direitos, a realidade que pergunta e busca respostas (como diz Sonia Kramer) e os saberes, fazeres, valores e intenções de vários autores do processo educativo. O seu objetivo é nortear a análise, discussão, implantação, implementação e avaliação das estratégias pedagógicas da Educação Infantil do município. Contudo, para que isto ocorra é necessário o compromisso de todos os envolvidos no trabalho desta etapa de ensino, apostando na qualidade da prática pedagógica e construindo constantemente novos caminhos. REFERÊNCIAS BRASIL., Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. v 1. Brasília: MEC/SEF, Conselho Nacional de Educação. Resolução Nº 05, de 17 de dezembro de Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, Conselho Nacional de Educação. Parecer Nº 20, de 11 de novembro de Revisão das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, KRAMER, S. Propostas pedagógicas ou curriculares: subsídios para uma leitura crítica. Revista Educação & Sociedade, v. 18, n. 60. Campinas, Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php/script_sci_serial/pid_ /lngpt/nrmiso> Acessado em 10/12/2010. PINHAIS. Secretaria Municipal de Educação. Proposta Pedagógica da Educação Infantil. Pinhais: 2005., Secretaria Municipal de Educação. Parâmetros Municipais de Qualidade para Educação Infantil. Pinhais,

22 22

23 CONTETO DA EDUCAÇÃO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PINHAIS 1 Com relação à Educação Infantil, no ano de 2001, a Secretaria Municipal de Educação de Pinhais assumiu plenamente a rede de creches públicas, que até então estava sob a coordenação da Secretaria Municipal de Ação Social. Essa transferência de jurisdição das creches, agora com caráter educacional, apresentou novos desafios para a Secretaria Municipal de Educação, que teve que se organizar para suprir os recursos humanos e financeiros e promover a organização pedagógica e curricular para fazer frente às necessidades de atendimento à demanda educacional dessa faixa etária. Priorizando a qualidade do atendimento na Rede Municipal de Ensino, a Prefeitura de Pinhais, por meio da Secretaria de Educação, passou então a constituir as condições e medidas necessárias para esse fim, marcadas por ações voltadas para: 1 Melhoria dos espaços físicos; construção e ampliação de unidades de ensino; adequação dos equipamentos, mobiliários e materiais pedagógicos de acordo com a faixa etária da criança; investimento na formação continuada dos profissionais; elaboração, implementação e avaliação das propostas pedagógicas nas instituições; organização da gestão escolar; valorização profissional por meio do Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração do Magistério. avaliação sistemática do processo de aprendizagem e de desenvolvimento das crianças. elaboração e implementação da Proposta Pedagógica Curricular. reescrita dos regimentos escolares nas unidades de ensino. elaboração dos Paramêtros e Indicadores de Qualidade para a Educação Infantil. Conforme se pode identificar nas Tabelas 04 e 05, sobre a evolução de matrículas da Educação Infantil em Pinhais, no período de 2003 a 2013, a educação de crianças de creche e pré-escola passaram de para correspondendo a um aumento de aproximadamente quatro vezes em relação ao número anterior. É preciso observar, no entanto, que mesmo havendo este acréscimo na oferta de vagas, houve também um aumento na demanda que não pôde ser atendida, a qual foi suscitada pelo crescimento populacional e principalmente pela qualidade promovida nos serviços da Educação Infantil. Os dados revelam que, em média, no período de 2003 a 2006, o maior número de matrículas concentrou-se na faixa de 4 a 6 anos, correspondendo a 70,3% do total de matriculas em 2006, enquanto que 29,7% foi a porcentagem de matriculas de crianças de 0 a 3 anos de idade. Em 2007, com a implantação do Ensino Fundamental de 9 anos, a Educação Infantil passou a atender crianças de até 5 anos, sendo possível ofertar 100 vagas a mais para crianças desta faixa etária e aumentar, consideravelmente, o número de matriculas de crianças de 0 a 3 anos de idade no município. Tabela 04 - Ed. Infantil e Evolução de Matrículas, de 2003 a 2006 Anos 0 a 3 anos matrículas 0 a 3 total 4 a 6 anos matrículas 4 a 6 total 0 a 6 anos mtarículas 0 a 3 anos evolução 4 a 6 anos evolução 0 a 6 anos evolução ,60% ,30% ,30% 31,30% 34,70% ,20% ,80% ,70% 47,10% 27,40% ,30% ,70% ,20% 40,80% 40,90% ,70% ,30% ,90% -1,20% -2,00% 1 Texto do documento da I Conferência Municipal de Pinhais com alterações. Fonte: MEC/INEP (www.edudatabrasil.inep.gov.br) 23

24 24 Atualmente são atendidas na Educação Infantil (creche e pré-escola) um total de crianças, enquanto que em 2006 o número total era de Neste sentido, conforme se observa na tabela 04 e 05, houve um aumento significativo de matrículas de 2006 a 2010, atendendo-se, aproximadamente, 1416 crianças a mais neste período. Este aumento de matrículas ao longo dos anos foi possível devido à ampliação da rede física e a construção de novas unidades educacionais. Somente entre os anos de 2010 e 2011 foram ampliadas ofertas de vagas em mais 4 unidades. Só no ano de 2012 foram inauguradas mais 3 unidades de Educação Infantil ; CMEI Tarsila do Amaral, CMEI Cora Coralina, CMEI Vinicius de Moraes e uma nova turma de maternal I no CMEI Aprendendo e Crescendo, totalizando a oferta de 492 novas vagas. Nos dados da tabela 05 quanto a evolução de matrículas na Educação Infantil observa-se que há uma aumento significativo no ano de 2013 na ampliação de vagas para crianças de 0 a 3 anos e consequentemente uma diminuição na evolução das vagas de 4 a 6 anos, visto que para esta última faixa etária toda a demanda manifesta já é atendida. Tabela 05 Educação Infantil Evolução de Matrículas De 2007 A 2013 Anos 0 a 3 anos matrículas 0 a 3 total 4 a 6 anos matrículas 4 a 6 total 0 a 6 anos mtarículas 0 a 3 anos evolução 4 a 6 anos evolução Para o ano de 2014, inclusive, já é possível prever a continuidade desse aumento no atendimento da Educação Infantil, pois serão ofertadas mais de 210 vagas aproximadamente devido aos seguintes fatores: ampliação de um CMEI no bairro Jardim Claudia ; construção de um prédio no bairro Estância Pinhais e 0 a 6 anos evolução ,70% ,30% ,90% -10,80% 8,10% ,70% ,30% ,60% 16,60% 7,80% ,00% ,00% ,80% 39,10% 35,70% ,10% ,90% ,40% -10,10% 5,90% ,29% ,71% ,06% 17,18% 14,07% ,60% ,40% ,58% 34,62% 17,77% 2013* ,30% ,70% ,82% -18,22% -2,17% Fonte: Prefeitura Municipal de Pinhais/Secretaria Municipal de Educação * Dados de 2013 são provisórios, referem-se ao dia 04/09/13 Weissópolis e a ampliação do número turmas de Pré-escolar II nas Escolas da Rede Municipal de Ensino, pois, devido a Resolução Nº1, de 14 de janeiro de 2010, do Conselho Nacional de Educação, que define as Diretrizes Operacionais para a implantação do Ensino Fundamental de 09 Anos, e do Parecer 01, de 19 de outubro de 2010, do Conselho Municipal de Educação de Pinhais, crianças que realizaram o Pré-Escolar II em 2010 e que são nascidas após a data de 31 de março de 2005 deverão, a partir de 2011, permanecer na Educação Infantil. Para os próximos anos, também, já estão previstas as seguintes obras: construção de um CMEI no Jardim Amélia e um no Jardim Karla, por meio de convênio com o governo Federal (programa Proinfância), e ampliações de algumas unidades de Educação Infantil do munícipio por meio de Assistência Financeira com o FNDE/MEC nos Bairros Jardim Amélia Weissopolis, Maria Antonieta, Vargem Grande, Emiliano Perneta, Atuba e Alto Tarumã. Essas ações devem garantir o aumento significativo de vagas ofertadas na Educação Infantil do município de Pinhais. O aumento significativo de matrículas na Educação Infantil veio acompanhado de um conjunto de esforços orientados para a melhoria das propostas pedagógicas das instituições educacionais, que foram elaboradas de acordo com as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil e esta elaboração ocorreu de forma participativa por seus profissionais, com a assessoria da Secretaria Municipal de Educação. Em atendimento a essas diretrizes, as propostas pedagógicas das instituições contemplam um currículo fundamentado numa concepção de criança como sujeito histórico-social, em desenvolvimento, que constrói o conhecimento a partir das brincadeiras e interações vivenciadas, orientadas por princípios políticos, éticos e estéticos. Em 2013, houve a reformulação da Proposta Pedagógica Curricular Municipal para Educação Infantil, a qual visa redefinir os objetivos a serem alcançados com o trabalho pedagógico desenvolvido com cada

25 faixa etária, orientar o processo de reelaboração, implementação e avaliação do Projeto Político Pedagógico nas unidades de ensino e atender ao Parecer de nº. 20/2009, do Conselho Nacional de Educação e da Câmara de Educação Básica, que traz a revisão das Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil. Como primeira etapa da Educação Básica, a Educação Infantil tem um importante papel na formação do ser humano, sustentado por estudos científicos indicativos de que quanto mais cedo se promove a estimulação e a orientação do ser humano para o desenvolvimento de seu potencial, maior efetividade se terá na constituição de habilidades e competências ao longo de sua vida, bem como na construção de autoestima mais elevada. Neste sentido, as práticas educativas adotadas para crianças de 0 a 5 anos têm como finalidade a promoção de aprendizagens e do desenvolvimento integral, a formação de sua identidade e a relação com o conhecimento sociocultural, porém sem deixar de considerar as particularidades de cada criança em relação às suas formas de expressão, comunicação e interação. Considerando estes aspectos, o município de Pinhais procura oferecer Educação Infantil de qualidade, por meio de condições ambientais, materiais, interativas e metodológicas necessárias para cada faixa etária. Promove a formação contínua dos profissionais que atuam neste nível educacional, para que não só tenham uma compreensão consistente a respeito do desenvolvimento e processo de aprendizagem da criança, mas também desenvolvam ações para promovê-los. Nesta perspectiva, os projetos pedagógicos implantados pelas unidades de ensino relacionam, de forma efetiva, o cuidar e o educar e valorizam a ludicidade, possibilitando a cada criança a construção de conhecimentos e aprendizagens de diferentes linguagens. Neste contexto, a docência nos Centros Municipais de Educação Infantil é realizada pelos Educadores Infantis, que são profissionais que ingressaram mediante aprovação em concurso público e que possuem formação mínima em nível médio na modalidade Normal. Além desses profissionais, há os atendentes infantis e atendentes de creche, os quais auxiliam no atendimento às crianças. Nas escolas de Ensino Fundamental, a docência das turmas de pré-escolar é desempenhada por professores, que, também, ingressaram mediante concurso público. Tais profissionais exercem o importante papel de planejar, organizar, desenvolver e avaliar o trabalho pedagógico, de modo a atingir a finalidade educativa. É importante salientar que a educação nas instituições educacionais mantidas pelo município de Pinhais orientase pelo princípio da gestão democrática, que envolve a participação da comunidade na tomada de decisão sobre as questões educacionais de suas instituições e a elaboração e implementação do Projeto Politico Pedagógico. Em vista disso, grande ênfase é dada à atuação efetiva dos Conselhos Escolares e das Associações de Pais, Mestres e Funcionários APMF s, cuja dinâmica é orientada por práticas participativas. Centros Municipais de Educação Infantil de Pinhais (ano de 2013) Aprendendo e Crescendo Localizado no bairro Alto Tarumã, atende atualmente 387 crianças, Cora Coralina - Localizado no bairro Vila Amélia, atende atualmente 103 crianças. Dedo Mágico Localizado no bairro Estância Pinhais, atende 223 crianças. Helena Kolody Localizado no bairro Atuba, atende atualmente 208 crianças. Jane Ana Localizado no bairro Vila Maria Antonieta, atende 98 crianças. Jaqueline Batista de Paula Localizado no bairro Jardim Cláudia, atende mais de 250 crianças. 25

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS Cordeiro, Juliana SEMED/Pinhais, vínculo efetivo, Pinhais, Paraná, Brasil juliana.cordeiro@pinhais.pr.gov.br

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004 CRIA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE MORMAÇO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. FAÇO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Perguntas mais frequente e respostas do Departamento de Políticas Educacionais. 1. Qual é a nomenclatura adequada para o primeiro ano do ensino fundamental

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa:

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa: :: Legislação Unidade: Câmara de Básica Número: 79/2009 Ano: 2009 Ementa: Estabelece normas para a Especial, na Perspectiva da Inclusiva para todas as etapas e Modalidades da Básica no Sistema Estadual

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO Flávia Fernanda Vasconcelos Alves Faculdades Integradas de Patos FIP flaviavasconcelos.edu@hotmail.com INTRODUÇÃO Observa-se

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Palavras-chave: Currículo. Educação Infantil. Proposta Curricular. Políticas Curriculares.

Palavras-chave: Currículo. Educação Infantil. Proposta Curricular. Políticas Curriculares. REFORMULAÇÃO DA PROPOSTA CURRICULAR PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE SANTA RITA/PB: o processo de formulação das políticas BARROS, Maria Cristitna de Oliveira Bezerra 1 AMORIM, Ana Luisa Nogueira

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Projeto Leitura e Escrita na Educação Infantil

Projeto Leitura e Escrita na Educação Infantil Projeto Leitura e Escrita na Educação Infantil Mônica Correia Baptista/UFMG Maria Fernanda Rezende Nunes/UNIRIO Patrícia Corsino/UFRJ Vanessa Ferraz Almeida Neves/UFMG Rita Coelho/MEC Ângela Barreto/Consultora

Leia mais

Anexo II CARGOS DE DCA

Anexo II CARGOS DE DCA Anexo II CARGOS DE DCA CARGO: COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE EDUCAÇÃO INFANTIL COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE ENSINO FUNDAMENTAL Coordenar atividades específicas de área, participando

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Rede Nacional Primeira Infância

Rede Nacional Primeira Infância Rede Nacional Primeira Infância O lugar da Educação Infantil nas políticas para a primeira infância Seminário Nacional Currículo e Avaliação da Educação Infantil: Políticas para a primeira infância. Rio

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

Cria o Sistema Municipal de Ensino de Porto Alegre.

Cria o Sistema Municipal de Ensino de Porto Alegre. LEI N.º 8.198 18/08/1998 Cria o Sistema Municipal de Ensino de Porto Alegre. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte lei: TÍTULO I PRINCÍPIOS

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

PREFEITURA DE NOVA VENÉCIA-ES SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO PORTARIA Nº 1612 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2015.

PREFEITURA DE NOVA VENÉCIA-ES SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO PORTARIA Nº 1612 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2015. PORTARIA Nº 1612 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2015. DISPÕE SOBRE O FUNCIONAMENTO E ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DAS UNIDADES DE ENSINO DA EDUCAÇÃO INFANTIL EM TEMPO INTEGRAL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE NOVA VENÉCIA-ES

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NO MUNICÍPIO

PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NO MUNICÍPIO Entidade Reconhecida como Utilidade Pública Internacional Decreto Federal nº 9.820/1912 PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NO MUNICÍPIO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE GABRIEL ISSA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I Das Disposições Preliminares

Leia mais

Responde às singularidades

Responde às singularidades A ESCOLA INCLUSIVA Garante a aprendizagem de TODOS. Responde às singularidades (característica única ou especial, particularidade). Respeita as modalidades de aprendizagem (compreender a forma pessoal

Leia mais

Projeto Acelerando o Saber

Projeto Acelerando o Saber Projeto Acelerando o Saber Tema: Valorizando o Ser e o Aprender Lema: Ensinar pra Valer Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino contemplando o 3º ano a 7ª série. Coordenadoras:

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos ARANHA, M.S.F.. A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos. Resumo de

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais Edilson José de Carvalho¹ Jarbas de Holanda Beltrão² 1 Pedagogo e Especialista em Educação

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009.

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009. Plano de Ação Colégio Estadual Ana Teixeira Caculé - Bahia Abril, 2009. IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR Unidade Escolar: Colégio Estadual Ana Teixeira Endereço: Av. Antônio Coutinho nº 247 bairro São

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád 1. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GICO 1.1 É a própria pria organização do trabalho pedagógico gico escolar como um todo, em suas especificidades, níveis n e modalidades. 1.2 É Político por que diz respeito

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

A Sala de Recurso Multifuncional na voz dos professores da Sala Comum

A Sala de Recurso Multifuncional na voz dos professores da Sala Comum A Sala de Recurso Multifuncional na voz dos professores da Sala Comum Prefeitura Municipal de Joinville 152.andreia@gmail.com Introdução e Fundamentação Teórica Nos últimos anos, as Salas de Recursos Multifuncionais

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES

MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES Marcia Regiane Miranda Secretaria Municipal de Educação de Mogi das Cruzes marcia.sme@pmmc.com.br

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 426/2008

RESOLUÇÃO Nº 426/2008 RESOLUÇÃO Nº 426/2008 Regulamenta a Educação Básica na Escola do Campo, no âmbito do Estado do Ceará. O Conselho Estadual de Educação - CEE, no uso de suas atribuições contidas na Lei Estadual nº 11.014,de

Leia mais

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1528/2004 "INSTITUI O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Luis Ricardo Silva Queiroz Presidente da ABEM presidencia@abemeducacaomusical.com.br

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica.

ENSINO FUNDAMENTAL. De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica. ENSINO FUNDAMENTAL De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica. Art. 32 "o Ensino Fundamental, com duração mínima de oito

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que Introdução A formação continuada iniciou-se com um diagnóstico com os profissionais que atuam nos Centros de Educação Infantil do nosso município para saber o que pensavam a respeito de conceitos essenciais

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço

É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço de formação de cidadãos conscientes, responsáveis e

Leia mais

Capítulo I Da Educação Infantil

Capítulo I Da Educação Infantil RESOLUÇÃO Nº 443, de 29 de maio de 2001 Dispõe sobre a Educação Infantil no Sistema Estadual de Ensino de Minas Gerais e dá outras providências. O Presidente do Conselho Estadual de Educação, no uso das

Leia mais

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL GEANE SANTANA ROCHA QUIXABEIRA CMEI Criança Feliz geanezinha@gmail.com ANADIR FERREIRA DA SILVA Secretaria Municipal de Educação laurapso@hotmail.co.uk

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

Resolução SME N 24/2010

Resolução SME N 24/2010 Resolução SME N 24/2010 Dispõe sobre orientações das rotinas na Educação Infantil, em escolas e classes de período integral da rede municipal e conveniada, anexos I e II desta Resolução, com base no Parecer

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA TEMA 1: CICLOS DE FORMAÇÃO HUMANA A Organização da Escola de Ensino Fundamental em Ciclos de Formação da Rede Estadual de Mato Grosso: concepções, estratégias

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUBSÍDIOS PARA A REVISÃO DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL TRABALHO ENCOMENDADO PELO MEC/SEB DIRETORIA DE CONCEPÇÕES

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica 15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME Política Nacional de Educação Infantil Mata de São João/BA Junho/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores urbanos e rurais

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

UNIÃO NACIONAL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO - UNCME/ES CARTA DE DOMINGOS MARTINS

UNIÃO NACIONAL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO - UNCME/ES CARTA DE DOMINGOS MARTINS CARTA DE DOMINGOS MARTINS A União Nacional dos Conselhos Municipais de Educação do Espírito Santo (UNCME/ES) em seu V Encontro Estadual realizado nos dias 23 e 24 de setembro de 2010, na cidade de Domingos

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões)

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Paulo Freire na sua concepção pedagógica parte de alguns princípios que marcam, de forma clara e objetiva, o seu modo de entender o ato educativo. Considerando as características do pensamento desse

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

Em busca de caminhos que promovam a convivência respeitosa em sala de aula todos os dias

Em busca de caminhos que promovam a convivência respeitosa em sala de aula todos os dias Em busca de caminhos que promovam a convivência respeitosa em sala de aula todos os dias Coordenação: Dra. Telma Pileggi Vinha (FE- Unicamp) Dra. Alessandra de Morais (Fac. de Filosofia e Ciências UNESP/Marília)

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a questão da alfabetização como conceito presente nas políticas educacionais que

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Pedagogia Tempo de Integralização: Mínimo: 8 semestres Máximo: 14 semestres Nome da Mantida: Centro Universitário

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL (arquivo da Creche Carochinha) Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil é dever do Estado e direito de todos, sem qualquer

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores LETRAMENTO NA CONCEPÇÃO DE VIGOTSKI: O PAPEL DO/A PROFESSOR/A NA APROPRIAÇÃO DA LINGUAGEM ORAL

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN

PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN 1. A Lei de Diretrizes e Bases, Lei nº. 9394/96, em seu artigo 3º enfatiza os princípios norteadores do ensino no Brasil. Analise-os:

Leia mais

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento A construção da Base Nacional Comum para garantir Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Política pública de Educação ESTADO dever de educar legislação planejamento instituições CIDADÃO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS

A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS Carine Ferreira Machado Virago 1 Carla Cristiane Costa 2 Resumo: A nova conjuntura educacional, voltada especialmente a uma educação integral

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais