Avaliação do VO²máx. Avaliação do VO²máx

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação do VO²máx. Avaliação do VO²máx"

Transcrição

1 Teste de Esforço Cardiorrespiratório Avaliação do Consumo Máximo de O² Avaliação Cardiorrespiratória Ergômetros Ergo = trabalho Metro = medida Sendo assim, um ergômetro é basicamente um instrumento que mede trabalho físico (PITANGA, 2004; FERNDES FILHO, 2003). 1

2 Avaliação Cardiorrespiratória Modelos de Ergômetros Esteira Rolante Banco Cicloergômetro Testes de campo Testes máximos e submáximos na esteira 2

3 Testes máximos VO²máx = 1,61 (Tempo) + 3,60 Homens: Cardíacos 3

4 4

5 Tempo Velocidade Km/h Inclinação Protocolo de Bruce Cardiopata : VO²máx = 2,282 (Tempo) + 8,545 Homem sedentário VO²máx = (3,288 X Tempo) + 4,07 Homem ativo VO²máx = (3,778 X Tempo) + 0,19 Mulher ativa VO²máx = (3,36 X Tempo) + 1,06 Exemplo: Homem ativo que encerrou o teste no 4º estágio Tempo Velocidade Km/h Inclinação Homem ativo VO2máx = (3,778 X Tempo) + 0,19 VO2máx = (3,778 X 12) + 0,19 Protocolo de Bruce VO2máx = 45,53 5

6 Testes submáximo em esteira Modelo de estágio único Cargas progressivas de 3 em 3, até a FC estabilizar entre 130 e 150 bpm. Caminhada VO2 V 0,1 V G 1,8 3,5 Protocolo citado por Heyward,2004 apropriada para velocidades de 50 a 100 m/min (3 a 6km/h) Onde: 0,1 = consumo de oxigênio (ml/kg/min) ao caminhar horizontalmente; V= velocidade (m/min); 1,8 = consumo de oxigênio (ml/kg/min) ao caminhar em plano inclinado (% de inclinação da esteira); G = % do grau de inclinação (ex: 15% = 0,15 ou seja, = 0,15) ; 3,5 = consumo de oxigênio de repouso (ml/kg/mim). 6

7 Cargas progressivas de 3 em 3, até a FC estabilizar entre 130 e 150 bpm. Corrida apropriada para velocidades > 134 m/mim ( > 8 km/h) VO2 V 0,2 V G 0,9 3,5 Onde: 0,2 = consumo de oxigênio (ml/kg/min) ao correr horizontalmente; V= velocidade (m/min); 0,9 = consumo de oxigênio (ml/kg/min) ao correr em plano inclinado (% de inclinação da esteira); G = % do grau de inclinação (ex: 15% = 0,15 ou seja, = 0,15); 3,5 = consumo de oxigênio de repouso (ml/kg/mim). Protocolo citado por Heyward,2004 Homens Mulheres VO máx VO 2 2 FC est FC FC VO2máx VO2est FC máx final máx final Vo²est. = Consumo de oxigênio do estágio final (VO²) FC máx = Frequência cardíaca máxima: 208 (0,7*Idade) FC final = Frequência cardíaca do estágio final 7

8 Exemplo: Homem de 27 anos,que realizou 2 cargas! Ao término da 2ª estava correndo a uma velocidade de 8.5 Km (FCF = 144bpm) 1º = Km/h m/min = m/min VO2 V 0,2 V G 0,9 3,5 VO² carga = FCmáx 61 VO2máx VO2est VO² máx = 50,60 FC 61 final km/h m/mim = V (Km/h)*1000/60 Cargas progressivas, até se alcançar os 85% da FCM (220 idade) Estágio Vel. Km/h Incli. % Tempo (min) 1 2, , , , , , VO² máx [0,25( V)] (0,95* G) 3,5 Bruce, 1992 V = m/min 8

9 Testes máximos e submáximos em cicloergometro Teste máximo Estágios múltiplos com duração de 2 iniciando do zero W; Incrementos de cargas de 25W para não atletas e 50W para indivíduos bem condicionados, até chegar na FCM; Ritmo constante de 60 RPM. VO²máx = (12 X W) Peso corporal Protocolo de Balke 9

10 Testes submáximos em cicloergometro Protocolo de Fox estágio único Pedalar com carga constante (150 W) durante 5 minutos com uma velocidade de 60 rpm; Aferir a FC ao final do quinto minuto; Em seguida utilizar a seguinte equação: VO²máx (l/min) = 6,3 (0,0193 * (FC5) 10

11 Idade (anos) Fator de correção 15 a 24 1,10 25 a 34 1,00 35 a 44 0,97 45 a 54 0,78 55 a 64 0,71 >65 0,65 Testes cardiorrespiratório submáximo em banco Avaliações Indiretas 11

12 Banco na altura de 40,6 cm Metodologia: o avaliado deverá manter um ritmo 96 (Homens) e 88 (mulheres) respectivamente, durante 3 minutos e ao final do 3º minuto a FC deverá ser aferida começando após 5s da interrupção do teste. Homens - VO2 máx = 111,33 (0,42 X FCF) Mulheres VO2 máx = 66,81 (0,1847 X FCF) Katch & McArdle, Estágio único Teste submáximo 12

13 Testes de Campo 13

14 Teste de Campo 12 min Cooper Objetivo: Percorrer a maior distância possível no tempo de 12 minutos. VO²máx = Distância Percorrida ,9 Obs: Apesar de ser permitido caminhar durante o teste, o avaliador deve incentivar o cliente percorrer a maior distância correndo 14

15 Costill, 1986 VO 2MAX (ml/kg/min) Menor que 39,0 Tempo na corrida de 10 km (min:seg) 53:10 ou mais 40,0 a 44,0 52:30 a 49:50 45,0 a 49,0 49:15 a 46:40 50,0 a 54,0 46:00 a 43:25 55,0 a 59,0 42:45 a 40:10 60,0 a 64,0 39:30 a 36:50 65,0 a 69,0 36:15 a 33:40 Acima de 70,0 33:00 ou menos 15

16 CLASSIFICAÇÃO E DETERMINAÇÃO DE METAS Calculo para VO²máx previsto (ml/kg/min) - Bruce Homem sedentário VO²máx. Previsto = 57,8 0,445*Idade Mulher sedentária VO²máx. Previsto = 42,3 0,356*Idade Homem ativo VO²máx. Previsto = 69,7 0,612*Idade Mulher ativa VO²máx. Previsto = 42,9 0,312*Idade Défict Aeróbio Funcional - FAI FAI VO² máx. obtido VO² máx. previsto 100 VO² máx. previsto Aplicação do FAI Aluno: Homem sedentário de 37 anos VO2máx previsto = 57,8 0,445*Idade VO2máx previsto = 57,8 16,46 VO2máx previsto = 41,34 ml/kg/min VO2máx avaliado = 37 ml/kg/min 37 41,34 FAI ,34 FAI 10,4% 16

17 Aplicação prática VO²máx estimado Avaliação Prescrição Qual seria a velocidade (plano) correspondente a 75%, para um homem ativo que realizou o protocolo de BRUCE, (avaliação cardiorrespiratória) e parou no 5º estágio? VO²máx: 56,86 ml/kg/min Estágio Vel. Km/h Incli. % Tempo (min) 1 2, , , , , , Homem cardiopata VO²máx = (2,327 X Tempo) + 9,48 Homem sedentário VO²máx = (3,288 X Tempo) + 4,07 Homem ativo VO²máx = (3,778 X Tempo) + 0,19 Mulher ativa VO²máx = (3,36 X Tempo) + 1,06 17

18 Qual seria a velocidade (plano) correspondente a 75%, para um homem ativo que realizou o protocolo de BRUCE, (avaliação cardiorrespiratória) e parou no 5º estágio? 1º: VO² alvo = Intensidade (%) * VO²máx VO² alvo = 0,75 * 56,86 VO² alvo = 42,64 VO 2 (0,2* V) (0,9* V * G) 3,5 42,64 = (0,2*V) + (0,9 *V * 0) + 3,5 39,14 = 0,2* V 195,7 m/min = V 11,7 Km/h m/min km/h = V (m/min)*60/1000 Qual seria a velocidade alvo para um cliente com VO²máx de 52 ml/kg/min, para Avaliação um treino aeróbio do de VO²máx corrida realizado na esteira à uma intensidade de 70% do VO²máx? 1º: VO² alvo = Intensidade (%) * VO²máx VO² alvo = 0,7 * 52 VO² alvo = 36,4 9,87 Km/h VO 2 (0,2* V) (0,9* V * G) 3,5 36,4 = (0,2*V)+(0,9*V*0)+3,5 36,4-3,5 = 0,2*V 32,9 = 0,2*V 164,5 m/min = V m/min km/h = V (m/min)*60/

19 1º: VO² alvo = Intensidade (%) * VO²máx VO² alvo = 0,7 * 52 VO² alvo = 36,4 VO 2 (0,2* V) (0,9* V * G) 3,5 9,87 Km/h Calcule a intensidade para o treino abaixo Igor, possui um VO²máx de 60 ml/kg/mim, quais velocidades e inclinações correspondem a uma intensidades de corrida 60, 70 e 80% de seu VO²máx? R: 36,0, 42,0 e 48,0 ml/kg/min respectivamente! 19

20 Obrigado professoralexandrerocha.com.br 20

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet MENSURAÇÃO DAS CAPACIDADES ENERGÉTICAS Existe um nível mínimo de energia necessária para manter as funções vitais do organismo no estado

Leia mais

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO Em condições normais a obesidade deveria ser prevenida, porem o tratamento da pessoa obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de

Leia mais

PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA

PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA Teste Submáximo de Astrand em

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR.

UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR. UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR. VILMAR BALDISSERA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO DISCIPLINA DE FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO

Leia mais

13/02/2012. peso. VO 2max l.min - 1 = Peso (kg) x VO 2max (ml.kg -1.min -1 ) VO 2max = 1 = 1 1000 3,5

13/02/2012. peso. VO 2max l.min - 1 = Peso (kg) x VO 2max (ml.kg -1.min -1 ) VO 2max = 1 = 1 1000 3,5 CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA Habilidade de realizar atividades físicas de caráter dinâmico que envolvam grande massa muscular com intensidade de moderada a alta por períodos prolongados (Fernandes Filho,

Leia mais

Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida

Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida 1 O que é o Protocolo em Rampa O protocolo em rampa é um protocolo para testes de esforço que não possui estágios. Nele o incremento da carga se dá de maneira

Leia mais

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO. pindiceconicidade.exe 19/08/2014

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO. pindiceconicidade.exe 19/08/2014 CAPACIDADE AERÓBICA pindiceconicidade.exe CAPACIDADE DO ORGANISMO EM SE ADAPTAR A ESFORÇOS FÍSICOS MODERADOS, ENVOLVENDO A PARTICIPAÇÃO DOS GRANDES GRUPOS MUSCULARES, POR PERÍODOS DE TEMPO RELATIVAMENTE

Leia mais

Como evitar os riscos e aumentar os benefícios??

Como evitar os riscos e aumentar os benefícios?? Como evitar os riscos e aumentar os benefícios?? RISCOS BENEFÍCIOS RISCO DE MORTE POR DOENÇAS 100 % CARDIOVASCULARES 80 Diminuição de 34% 66% 60 40 20 0 AGITA São Paulo Sedentário Pouco Ativo Ativo Muito

Leia mais

Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória

Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória VO2 Máximo Depende do estado funcional do sistema respiratório, cardiovascular e dos músculos esquelé>cos É um indicador do estado de saúde: Baixos níveis de VO2

Leia mais

Equação de Corrida. I inclinação da corrida em percentual (%)

Equação de Corrida. I inclinação da corrida em percentual (%) Equação de Corrida VO 2 = (0,2 x V) + (0,9 x V x I) + VO 2rep VO 2 consumo de oxigênio em mililitros por quilo por minuto (ml.kg -1.min -1 ) V velocidade da caminhada em metros por minuto (m.min -1 ) I

Leia mais

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO MAXIMUM CONSUMPTION OF OXYGEN - A COMPARATIVE ANALYSIS BETWEEN DIRECT AND INDIRECT

Leia mais

COMPARAÇÃO DO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE UNIVERSITÁRIAS OBTIDO PELA ERGOESPIROMETRIA NA ESTEIRA E NO CICLOERGÔMETRO

COMPARAÇÃO DO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE UNIVERSITÁRIAS OBTIDO PELA ERGOESPIROMETRIA NA ESTEIRA E NO CICLOERGÔMETRO COMPARAÇÃO DO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE UNIVERSITÁRIAS OBTIDO PELA ERGOESPIROMETRIA NA ESTEIRA E NO CICLOERGÔMETRO Maria Cristina Andrade Lopes Graduada Educação Física pelo Unileste-MG. Carlos Augusto

Leia mais

II Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Centro-Oeste. Dr. Maurício Milani

II Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Centro-Oeste. Dr. Maurício Milani Teste ergométrico II Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Centro-Oeste Dr. Maurício Milani 15/08/2009 Teste ergométrico Método para avaliar a resposta cardiovascular ao esforço físico

Leia mais

Curva de Performance. Exemplo: VO2máx atual: 32ml/kg/min Idade: 40 anos. VO2máx desejado: 40ml/kg/min. 40 100% 32 x x = 100.

Curva de Performance. Exemplo: VO2máx atual: 32ml/kg/min Idade: 40 anos. VO2máx desejado: 40ml/kg/min. 40 100% 32 x x = 100. PERIODIZAÇÃO CURVA DE PERFORMANCE Exemplo: VO2máx atual: 32ml/kg/min Idade: 40 anos VO2máx desejado: 40ml/kg/min 40 32 x x Homens Treinados: VO 2 máx(ml/kg.min -1 ) = 69,7 - (0,62 x idade) Homens Sedentários:

Leia mais

MÉTODOS de Treinamento

MÉTODOS de Treinamento Metodologia do TREINAMENTO FÍSICO AULA 7 MÉTODOS de Treinamento MÉTODOS de Treinamento Métodos CONTÍNUOS Métodos INTERVALADOS Métodos FRACIONADOS Métodos em CIRCUITO Métodos ADAPTATIVOS São as DIFERENTES

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO *

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * Marlos Rodrigues Domingues Qualidades físicas divididas fisiologicamente e pedagogicamente em: - Orgânicas: as principais são as resistências aeróbica, anaeróbica lática

Leia mais

PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO

PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BE066 FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO PROF. SERGIO GREGORIO DA SILVA, PHD AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE (COLÉGIO

Leia mais

PERSONAL TRAINER INTRODUÇÃO

PERSONAL TRAINER INTRODUÇÃO PERSONAL TRAINER INTRODUÇÃO O fenômeno do personal trainer teve seu início na década de 90. Nesta mesma época, com os avanços tecnológicos como a internet, que permitiram que um grande número de estudos

Leia mais

Soluções das Questões de Física da Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ

Soluções das Questões de Física da Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ Soluções das Questões de Física da Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ 1º Exame de Qualificação 011 Vestibular 011 Utilize as informações a seguir para responder às questões de números e 3. Um

Leia mais

Capitulo III Metodologia

Capitulo III Metodologia Capitulo III Metodologia 3.1. Caracterização da Amostra O presente estudo tem como base uma amostra a ser definida no próximo ano pela Faculdade de Ciências de Desporto e Educação Física da Universidade

Leia mais

Dados da Avaliação. Objetivos. Protocolo de Imagem Corporal Marins e Marins (2010) Foto Auto-Imagem Objetivo. Exame de Sangue. Posturais - Anterior

Dados da Avaliação. Objetivos. Protocolo de Imagem Corporal Marins e Marins (2010) Foto Auto-Imagem Objetivo. Exame de Sangue. Posturais - Anterior Data: Avaliador: Avaliado: 07/03/2013 Flávio Modelo Bem Vindo ao AVAESPORTE! Esporte Sistemas Incubadora de Empresas UFV (31)3892-5117 31-9332-3136 contato@esportesistemas.com.br www.esportesistemas.com.br

Leia mais

ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 REVISÃO DA LITERATURA 5

ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 REVISÃO DA LITERATURA 5 ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 1.1. APRESENTAÇÃO DO PROBLEMA 1 1.2. OBJECTIVOS E PERTINÊNCIA DO ESTUDO 2 REVISÃO DA LITERATURA 5 2.1. METABOLISMO ENERGÉTICO 5 2.1.1. CONCEITO DE ENERGIA 5 2.1.2. VIAS ENERGÉTICAS

Leia mais

QUESTÕES DE CÁLCULO (2) = 2 ( ) = 1. O valor do limite L = lim se encontra no intervalo:

QUESTÕES DE CÁLCULO (2) = 2 ( ) = 1. O valor do limite L = lim se encontra no intervalo: 1. O valor do limite L = lim se encontra no intervalo: a) 0 L 1 b) 1 L c) L 3 d) 3 L 4 e) L 4. A função f(x) é continua em x= quando f() vale: = + 3 10 () = a) - b) -5 c) d) 5 e) 7 3. A derivada da função

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES TURMA PM-PE PROGRESSÃO ARITMÉTRICA E GEOMÉTRICA

BANCO DE QUESTÕES TURMA PM-PE PROGRESSÃO ARITMÉTRICA E GEOMÉTRICA 01. (UNESP 016) A figura indica o padrão de uma sequência de grades, feitas com vigas idênticas, que estão dispostas em posição horizontal e vertical. Cada viga tem 0,5 m de comprimento. O padrão da sequência

Leia mais

SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas. Barreiras 60m barreiras 80m barreiras (F) 100m barreiras (M) 250m barreiras Meio-Fundo

SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas. Barreiras 60m barreiras 80m barreiras (F) 100m barreiras (M) 250m barreiras Meio-Fundo PROGRAMA DE PROVAS DOS ESCALÕES JOVENS VERSÃO FINAL (Infantis, Iniciados e juvenis) SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas 60m 150m 4x 60m 80m 250m 4x 80m 100m 200m 300m 4x 100m Barreiras

Leia mais

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Unidade II Controle e Prescrição do Treinamento Prof. Esp. Jorge Duarte Prescrição de Atividades Físicas Condições de saúde; Estado geral do aluno (cliente);

Leia mais

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora?

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora? ATENÇÃO! A informação contida neste material é fornecida somente para finalidades informativas e não é um substituto do aconselhamento por profissionais da área da saúde como médicos, professores de educação

Leia mais

FÍSICA 9ºano 2º Trimestre / 2016 BATERIA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

FÍSICA 9ºano 2º Trimestre / 2016 BATERIA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES FÍSICA 9ºano 2º Trimestre / 2016 BATERIA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES 1. Um atleta deseja percorrer 25 km em 2 h. Por dificuldades encontradas no trajeto, percorre 10 km com a velocidade média de 8 km/h.

Leia mais

Cursinho TRIU 22/04/2010. Física Mecânica Aula 1. Cinemática Escalar Exercícios Resolução

Cursinho TRIU 22/04/2010. Física Mecânica Aula 1. Cinemática Escalar Exercícios Resolução Física Mecânica Aula 1 Cinemática Escalar Exercícios Resolução 1. O ônibus movimenta-se com velocidade constante, sem mudar sua trajetória. Então, tanto a lâmpada quanto o passageiro, que estão dentro

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE A APTIDÃO CARDIORESPIRATÓRIA E O PERCENTUAL DE GORDURA CORPORAL DE ATLETAS AMADORES DE MOUNTAIN BIKE

CORRELAÇÃO ENTRE A APTIDÃO CARDIORESPIRATÓRIA E O PERCENTUAL DE GORDURA CORPORAL DE ATLETAS AMADORES DE MOUNTAIN BIKE CORRELAÇÃO ENTRE A APTIDÃO CARDIORESPIRATÓRIA E O PERCENTUAL DE GORDURA CORPORAL DE ATLETAS AMADORES DE MOUNTAIN BIKE Tiago de Oliveira Santos 1 ; Renato Aparecido de Souza 1 LAFIPE/Faculdade Educação

Leia mais

Sistema Internacional de Unidades (SI) e Medida

Sistema Internacional de Unidades (SI) e Medida Área do Conhecimento: Ciências da Natureza e Matemática Componente Curricular: Física Prof. Dr. Mário Mascarenhas Sistema Internacional de Unidades (SI) e Medida Sistema adotado oficialmente no Brasil

Leia mais

Projeto de Recuperação Final - 1ª Série (EM)

Projeto de Recuperação Final - 1ª Série (EM) Projeto de Recuperação Final - 1ª Série (EM) Matemática 1 MATÉRIA A SER ESTUDADA Nome do Fascículo Aula Ex de aula Ex da tarefa Funções Inequação do 1º grau, pág 59 2 4,5,6 Funções Inequação do 1º grau,

Leia mais

TESTE DE ESFORÇO E CÁLCULOS DE AUXILIO PARA O PLANEJAMENTO E PRESCRIÇÀO DE EXERCICIOS FÍSICOS. Capacidade cardiorrespiratória

TESTE DE ESFORÇO E CÁLCULOS DE AUXILIO PARA O PLANEJAMENTO E PRESCRIÇÀO DE EXERCICIOS FÍSICOS. Capacidade cardiorrespiratória TESTE DE ESFORÇO E CÁLCULOS DE AUXILIO PARA O PLANEJAMENTO E PRESCRIÇÀO DE EXERCICIOS FÍSICOS Luiz Antônio Domingues Filho O treinamento aeróbio é um dos mais importantes componentes de um programa de

Leia mais

Lista de Exercícios 3 - Gabriel Mendes (1º Ano)

Lista de Exercícios 3 - Gabriel Mendes (1º Ano) Lista de Exercícios 3 - Gabriel Mendes (1º Ano) 1 - (Unicamp-SP) Uma pessoa de 1,65 m de altura observa o topo de um edifício conforme o esquema abaixo. Para sabermos a altura do prédio, devemos somar

Leia mais

Avaliação da via aeróbia numa equipa de Futebol Júnior

Avaliação da via aeróbia numa equipa de Futebol Júnior UNIVERSIDADE DE COIMBRA FACULDADE DE CIÊNCIAS DO DESPORTO E EDUCAÇÃO FÍSICA MONITORIZAÇÃO E CONTROLO DO TREINO Avaliação da via aeróbia numa equipa de Futebol Júnior PEDRO MIGUEL MOREIRA DA SILVA Coimbra

Leia mais

O Treino da Resistência Aeróbia na Escola

O Treino da Resistência Aeróbia na Escola O Treino da Resistência Aeróbia na Escola Leiria, 27 de Janeiro 2006 Análise da Situação Aumento da obesidade juvenil 1 terço das crianças (dos 7 aos 11 anos) é obesa Sedentarismo juvenil Jogam mais computador

Leia mais

APLICADO AO EXERCÍCIO

APLICADO AO EXERCÍCIO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DEPARTAMENTO DE HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA LABORATÓRIO DE METABOLISMO DE LIPÍDEOS SISTEMA CARDIORRESPIRATÓRIO APLICADO AO EXERCÍCIO Prof. Dr: Luiz

Leia mais

GDC I AULA PRÁTICA 1

GDC I AULA PRÁTICA 1 GDC I AULA PRÁTICA 1 Apresentação. Apresentação do enunciado do 1º exercício prático. Exercício prático 1 1ª fase: Representação de objectos ou partes de objectos do espaço da sala de aula em desenhos

Leia mais

APROFUNDAMENTO/REFORÇO

APROFUNDAMENTO/REFORÇO Colégio Adventista Portão EIEFM MATEMÁTICA Trigonometria º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO Professor: Hermes Jardim Disciplina: Matemática Lista º Bimestre Aluno(: Número: Turma: 1) Resolva os problemas: Calcule

Leia mais

Avaliação Física e Prescrição de Exercício Prof. Dr. Wonder Passoni Higino

Avaliação Física e Prescrição de Exercício Prof. Dr. Wonder Passoni Higino Avaliação Física e Prescrição de Exercício Prof. Dr. Wonder Passoni Higino Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais Campus Muzambinho Atividade Física Exercício Físico

Leia mais

Avaliação da Composição Corporal. Profª Tatianne Estrela

Avaliação da Composição Corporal. Profª Tatianne Estrela Avaliação da Composição Corporal Profª Tatianne Estrela Constituição, Tamanho e Composição Corporais Constituição: Muscularidade; Linearidade; Gordura. Tamanho: Estatura; Massa. Constituição, Tamanho e

Leia mais

Estatística Lousã, 07 de Março de 2008

Estatística Lousã, 07 de Março de 2008 Estatística Lousã, 07 de Março de 08 A estatística é um ramo da Matemática que nos ajuda a recolher, organizar e interpretar dados para tirar conclusões e fazer previsões. Recolha, organização e representação

Leia mais

Q3. Uma partícula obedece a seguinte função horária:

Q3. Uma partícula obedece a seguinte função horária: 30's Volume 3 Física www.cursomentor.com 1 de dezembro de 2013 Q1. Um livro tem 600 páginas. Cada página tem em média 0 linhas e cada linha tem em média 20 palavras. Se uma pessoa digitar a uma taxa de

Leia mais

Ventilômetro VO2 ProFitness

Ventilômetro VO2 ProFitness Instalação Componentes Componentes Interface Conversor Serial/USB Fonte de Alimentação 12v Aquisição automática de FC - OPCIONAL Pneumotach Maleta de Alumínio Máscara de Silicone Válvula Direcional Cabo

Leia mais

A Determine o comprimento do raio da circunferência.

A Determine o comprimento do raio da circunferência. Lista de exercícios Trigonometria Prof. Lawrence 1. Um terreno tem a forma de um triângulo retângulo. Algumas de suas medidas estão indicadas, em metros, na figura. Determine as medidas x e y dos lados

Leia mais

Cinesiologia e Biomecânica Prof. Sandro de Souza

Cinesiologia e Biomecânica Prof. Sandro de Souza CINESIOLOGIA E BIOMECANICA CINÉTICA ANGULAR CINÉTICA - Ramo da mecânica que estuda as causas do movimento. CINÉTICA ANGULAR Ramo da mecânica que estuda as causas do movimento angular. 1) TORQUE É definido

Leia mais

- A mecânica é a parte da Física que estuda os movimentos; - Estuda o movimento dos corpos sem abordar as causas desse movimento. RESPONDA!

- A mecânica é a parte da Física que estuda os movimentos; - Estuda o movimento dos corpos sem abordar as causas desse movimento. RESPONDA! CAPÍTULO 11 O MOVIMENTO COM VELOCICADE CONSTANTE - A mecânica é a parte da Física que estuda os movimentos; - Ela pode ser dividida em: A) CINEMÁTICA - Estuda o movimento dos corpos sem abordar as causas

Leia mais

Prof.. Claudio Pavanelli

Prof.. Claudio Pavanelli Comparação de resultados de testes por posição em jogadores de futebol profisional Prof.. Claudio Pavanelli CEMAFE Universidade Federal de São Paulo - EPM Exigência Fisiológica no Futebol: Grau de intensidade

Leia mais

Métodos de avaliação em ergonomia. Profª Ms. Évelin Moreno

Métodos de avaliação em ergonomia. Profª Ms. Évelin Moreno Métodos de avaliação em ergonomia Profª Ms. Évelin Moreno Objetivos Abordar os principais check lists e instrumentos utilizados em ergonomia. Explicar o objetivo de aplicação de cada check list e demais

Leia mais

PROTOCOLO DE REABILITAÇÃO

PROTOCOLO DE REABILITAÇÃO ef POR boekje.indd 1 01-07-2011 08:29:29 PROTOCOLO DE REABILITAÇÃO APÓS A IMPLEMENTAÇÃO DE ef POR boekje.indd 2 01-07-2011 08:29:29 É muito importante seguir o programa definido neste folheto informativo

Leia mais

Funções e gráficos num problema de freagem

Funções e gráficos num problema de freagem Funções e gráficos num problema de freagem Adaptado do artigo de Geraldo Ávila Há situações concretas das quais o professor pode extrair, de maneira espontânea e natural, conceitos importantes e muito

Leia mais

Teste de Esforço Cardiopulmonar

Teste de Esforço Cardiopulmonar Teste de Esforço Cardiopulmonar Um único sistema concentra todas as informações necessárias para a Ergoespirometria. O Ergo PC Elite é o primeiro sistema integrado de Teste de Esforço, Análise Metabólica

Leia mais

Exercícios cinemática Conceitos básicos e Velocidade média

Exercícios cinemática Conceitos básicos e Velocidade média Física II Professor Alexandre De Maria Exercícios cinemática Conceitos básicos e Velocidade média COMPETÊNCIA 1 Compreender as Ciências Naturais e as tecnologias a elas associadas como construções humanas,

Leia mais

Resolução de Problemas

Resolução de Problemas Resolução de Problemas 1. (Enem PPL) Para um principiante em corrida, foi estipulado o seguinte plano de treinamento diário: correr 300 metros no primeiro dia e aumentar 00 metros por dia, a partir do

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Professor: João Carmo ELEMENTOS DO DESENHO TÉCNICO Os desenhos no papel continuam a ter importância, em particular para a fabricação,

Leia mais

A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial (PA).

A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial (PA). A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial (PA). Associa-se frequentemente a alterações funcionais e/ou

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física 0 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física SULINO, R. M.; LAMOGLIA, L. J. A PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO AERÓBIO A PARTIR

Leia mais

Manual de utilização Beat Training & Test

Manual de utilização Beat Training & Test Manual de utilização Beat Training & Test Backup Seleção de sons Comunicação com dispositivo de habilitação Execução de Protocolos Cadastro de Protocolos Clicando no Ícone Cadastro de Protocolos será aberta

Leia mais

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç )

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç ) TESTE ERGOMÉTRICO (Teste de esforço) Definição - um dos exames mais importantes de diagnóstico, avaliação clínica e prognóstico dos pacientes com doença arterial coronariana (DAC). - método rápido, barato,

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Ciências Naturais CÓDIGO DA PROVA: 02

Informação Prova de Equivalência à Frequência Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Ciências Naturais CÓDIGO DA PROVA: 02 DISCIPLINA: Ciências Naturais CÓDIGO DA PROVA: 02 CICLO: 2º ANO DE ESCOLARIDADE: 6º 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de equivalência à frequência da

Leia mais

Introdução. 3 º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro)

Introdução. 3 º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro) INFORMAÇÃO PROVA LÍNGUA ESTRANGEIRA I INGLÊS Escrita e Oral 2016 Prova 21 3 º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro) Introdução O presente documento divulga informação relativa

Leia mais

Inscrições na secretaria da Radiologia - 2 º andar Com Sra Ivanete

Inscrições na secretaria da Radiologia - 2 º andar Com Sra Ivanete IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO PAULO Rua Dr Cesário Mota Jr, 112 Vila Buarque São Paulo Fone: (11) 2176.7000 R.5802/7343 ECOCARDIOGRAFIA PERÍODO INTEGRAL Inscrições na secretaria da Radiologia

Leia mais

ENG1200 Mecânica Geral Lista de Exercícios 1 Equilíbrio da Partícula

ENG1200 Mecânica Geral Lista de Exercícios 1 Equilíbrio da Partícula ENG1200 Mecânica Geral 2013.2 Lista de Exercícios 1 Equilíbrio da Partícula Questão 1 - Prova P1 2013.1 Determine o máximo valor da força P que pode ser aplicada na estrutura abaixo, sabendo que no tripé

Leia mais

Ainda enfrentamos muitas dificuldades...

Ainda enfrentamos muitas dificuldades... Mortalidade de bezerros varia de 2 a 8% (EUA, Canadá, Europa) (Ortiz-Pelaez et al., 2008; Guliksen et al., 2009; Bleul, 2011, Raboisson et al., 2013) 5% taxas aceitáveis (Nussio, 2005) Bem-estar animal

Leia mais

Estudo das teorias + experimentação destes conceitos e adaptação para os diferentes esportes, e atividades.

Estudo das teorias + experimentação destes conceitos e adaptação para os diferentes esportes, e atividades. METODOLOGIA DO TREINAMENTO DESPORTIVO I O que é? Organização dos conteúdos do treinamento através de métodos. Para que serve? - Melhorar aproveitamento das capacidades de performance dos indivíduos; -

Leia mais

Representando Edificações

Representando Edificações Código da Disciplina CCE0985 Aula 7 Representando Edificações e-mail:clelia.monasterio@estacio.br http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Escalas: NBR - 8196 Escala Numérica: é a relação que existe entre

Leia mais

Breno de Assis Gonçalves Keila Janice Pereira Natália Ferreira Moreira

Breno de Assis Gonçalves Keila Janice Pereira Natália Ferreira Moreira COMPARAÇÃ ÇÃO O DA RECUPERAÇÃ ÇÃO O ATIVA EM INDIVIDUOS TREINADOS E NÃO N O TREINADOS EM MEIOS AQUÁTICO E TERRESTRE Breno de Assis Gonçalves Keila Janice Pereira Natália Ferreira Moreira Orientador: Prof.Ms.

Leia mais

Prova da segunda fase: Ensino Fundamental 16 de outubro de 2010

Prova da segunda fase: Ensino Fundamental 16 de outubro de 2010 Primeira Olimpíada Sul Fluminense de Ciências Prova da segunda fase: Ensino Fundamental 16 de outubro de 2010 Apoio: INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Prezado candidato, esta prova contém 18 (dezoito) questões,

Leia mais

Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. ISSN versão eletrônica 77 AS ALTERAÇÕES NA COMPOSIÇÃO CORPORAL APÓS TREINAMENTO AERÓBICO CONTÍNUO E INTERVALADO Jose Almir Silva Junior 1,2, Leonardo Felipe de Figueiredo Lopes 1,3, Waldinéia Coelho Augusto 1,4 RESUMO O foco

Leia mais

Colunista da Revista W Run e colaborador das Revistas The Finisher e Revista O2

Colunista da Revista W Run e colaborador das Revistas The Finisher e Revista O2 CURRÍCULO HELENO FORTES RIBEIRO CREF:004375-GMG Diretor Técnico e Idealizador da HF Treinamento Esportivo Pós-Graduado em Treinamento Esportivo (lato sensu) UGF 2006 Graduado em Educação Física (Bacharel

Leia mais

Exercício físico com doentes hemodialisados

Exercício físico com doentes hemodialisados Novo, André *#+ ;Travassos, Francisco ; Teixeira, Fernanda» ; Hernández Múrua, Aldo» ; de Paz Fernández, José» ; Nunes de Azevedo, José ; * Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Bragança

Leia mais

4ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos Turma: 11ºA. Física e Química A - 11ºAno

4ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos Turma: 11ºA. Física e Química A - 11ºAno 4ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos Turma: 11ºA Física e Química A - 11ºAno Professora Paula Melo Silva Data: 4 de dezembro 2015 Ano Letivo: 2015/2016 135 + 15 min 1. Produz-se uma onda harmónica numa

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOÃO GUALBERTO

COLÉGIO SÃO JOÃO GUALBERTO RESOLUÇÃO COMENTADA Prof.: Pedro Bittencourt Série: 3ª Turma: A Disciplina: Física Nota: Atividade: Avaliação mensal 1º bimestre Valor da Atividade: 10 Instruções Esta avaliação é individual e sem consulta.

Leia mais

ANÁLISE DO SERVIÇO DE FRETAMENTO FORNECIDO POR EMPRESA NO RIO DE JANEIRO PARA OS DESLOCAMENTOS CASA-TRABALHO DOS SEUS EMPREGADOS

ANÁLISE DO SERVIÇO DE FRETAMENTO FORNECIDO POR EMPRESA NO RIO DE JANEIRO PARA OS DESLOCAMENTOS CASA-TRABALHO DOS SEUS EMPREGADOS ANÁLISE DO SERVIÇO DE FRETAMENTO FORNECIDO POR EMPRESA NO RIO DE JANEIRO PARA OS DESLOCAMENTOS CASA-TRABALHO DOS SEUS EMPREGADOS Antonio Wagner Lopes Jales Universidade CEUMA VALE S/A RESUMO O objetivo

Leia mais

Capítulo TRABALHO E ENERGIA

Capítulo TRABALHO E ENERGIA Capítulo 6 TRABALHO E ENERGIA A B C DISCIPLINA DE FÍSICA CAPÍTULO 6 - TRABALHO E ENERGIA 6.1 Um bloco, com 20kg de massa, sobe uma rampa com 15º de inclinação e percorre 55,375 metros até parar. Os coeficientes

Leia mais

Drone Salva + Vidas O futuro do salvamento

Drone Salva + Vidas O futuro do salvamento Drone Salva + Vidas O futuro do salvamento Drone Salva+Vidas Rápido Velocidade de deslocamento até 25 km/h em uma autonomia de voo de 1 km por missão. Durável Corpo à prova d água com a capacidade de pousar

Leia mais

6.º Teste de Física e Química A 10.º A maio minutos /

6.º Teste de Física e Química A 10.º A maio minutos / 6.º Teste de ísica e Química A 10.º A maio 2013 90 minutos / Nome: n.º Classificação Professor E.E. GRUPO I As seis questões deste grupo são todas de escolha múltipla. Para cada uma delas são indicadas

Leia mais

EFEITOS DO MODO DE EXERCÍCIO NO PICO DO CONSUMO DE OXIGÊNIO E RESPOSTA DO LACTATO SANGUÍNEO EM MENINOS DE 11-12 ANOS

EFEITOS DO MODO DE EXERCÍCIO NO PICO DO CONSUMO DE OXIGÊNIO E RESPOSTA DO LACTATO SANGUÍNEO EM MENINOS DE 11-12 ANOS Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Efeito Humano do modo do exercício ISSN 1415-8426 11 Artigo original Fabiana Andrade Machado 1 Luiz Guilherme Antonacci Guglielmo 1 Camila Coelho Greco

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Xingu, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 7493,63 km² IDHM 2010 0,657 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5240 hab. Densidade

Leia mais

Aluno(a): Nº. Disciplina: Física Leis de Newton

Aluno(a): Nº. Disciplina: Física Leis de Newton Lista de Exercícios Pré Universitário Pré Uni-Anhanguera Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 1 o ano Professor: Fabrízio Gentil Disciplina: Série:

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Olho D'Água das Flores, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 183,96 km² IDHM 2010 0,565 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo

Leia mais

FUNÇÃO DO 2º GRAU. y = f(x) = ax² + bx + c, onde a, b e c são constantes reais e. O gráfico de uma função quadrática é uma parábola

FUNÇÃO DO 2º GRAU. y = f(x) = ax² + bx + c, onde a, b e c são constantes reais e. O gráfico de uma função quadrática é uma parábola FUNÇÃO DO 2º GRAU A função do 2º grau está presente em inúmeras situações cotidianas, na Física ela possui um papel importante na análise dos movimentos uniformemente variados (MUV), pois em razão da aceleração,

Leia mais

A Matemática mais perto de você.

A Matemática mais perto de você. Cinemática Velocidade Média (UFMS) Um corredor percorre 0,2 quilômetros em linha reta, em um intervalo de tempo de 6,0 minutos. Qual é a sua velocidade média em km/h? a) 0,55 b) 0,2 c) 2 d) 0,03 e) 1,8

Leia mais

Exercícios de MUV. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. b r

Exercícios de MUV. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. b r Exercícios de MUV 1- Um ciclista partiu do repouso de uma pista num ponto de uma pista reta. No instante em que completou 200 m, praticamente com aceleração constante, sua velocidade escalar era de 57,6

Leia mais

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Esquema de Aula Atividade Física Bioenergética - Sistemas Produtores de Energia Princípio do Treinamento Identificação de Índices Fisiológicos Capacidade

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 1 INSTRUÇÕES Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

Lista de Exercícios - Força e Movimento I

Lista de Exercícios - Força e Movimento I UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA Departamento de Física Disciplina: Física Básica I Lista de Exercícios - Força e Movimento I Perguntas: 1. Na figura 1 as forças F 1 e F

Leia mais

PLANO DE ESTUDO TRIMESTRE:1º

PLANO DE ESTUDO TRIMESTRE:1º C O L É G I O K E N N E D Y / R E D E P I T Á G O R A S PLANO DE ESTUDO TRIMESTRE:1º PLANO DE ESTUDO PROFESSOR:MARCÃO DATA DA AVALIAÇÃO: 30/09/16 CONTEÚDO(S) A SER(EM) COBRADO(S) NA AVALIAÇÃO: DISCIPLINA:

Leia mais

Prof. Leandro Carvalho CEMAFE Unifesp/EPM

Prof. Leandro Carvalho CEMAFE Unifesp/EPM Prof. Leandro Carvalho CEMAFE Unifesp/EPM FISIOLOGIA DO LACTATO LACTATO x EXERCÍCIO FÍSICO METODOLOGIA DA AVALIAÇÃO DO LACTATO FISIOLOGIA DO LACTATO Metabolismo anaeróbio lático; Formação do lactato; Acúmulo

Leia mais

CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Por Personal Trainer Rui Barros BENEFICIOS DO EXERCICIO FISICO E INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA: Os benefícios de um estilo de vida fisicamente

Leia mais

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano CONHECENDO MEU CORPO DURANTE O EXERCÍCIO DESCUBRA PORQUE É TÃO IMPORTANTE ACOMPANHAR OS BATIMENTOS CARDÍACOS ENQUANTO VOCÊ SE EXERCITA E APRENDA A CALCULAR SUA FREQUÊNCIA

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC RELATÓRIO DOS EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL PELA FACULDADE DE MEDICINA DO ABC FMABC O Núcleo de Saúde no Esporte da Faculdade de Medicina do ABC FMABC, utilizando as suas

Leia mais

O DNA DA CARDIOLOGIA

O DNA DA CARDIOLOGIA O DNA DA CARDIOLOGIA Ergo PC Elite TESTE DE ESFORÇO CARDIOPULMONAR Um único laudo contempla todas as informações necessárias ao exame Sistema totalmente integrado oferece mais poder de diagnóstico ao Teste

Leia mais

Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular. Helena Santa-Clara

Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular. Helena Santa-Clara Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular Helena Santa-Clara Conteúdos Adaptações agudas e crónicas ao exercício Frequência cardíaca Volume sistólico e fracção de ejecção Débito cardíaco Pressão

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE ACOMPANHAMENTO DOS PROGRAMAS INSTITUCIONAIS NÚCLEO DE ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA GERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO CURRICULAR

SUPERINTENDÊNCIA DE ACOMPANHAMENTO DOS PROGRAMAS INSTITUCIONAIS NÚCLEO DE ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA GERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO CURRICULAR SUPERINTENDÊNCIA DE ACOMPANHAMENTO DOS PROGRAMAS INSTITUCIONAIS NÚCLEO DE ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA GERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO CURRICULAR 2ª AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 2012 MATEMÁTICA

Leia mais

Obrigatório apresentação do documento de identidade e CPF De posse do comprovante de pagamento.

Obrigatório apresentação do documento de identidade e CPF De posse do comprovante de pagamento. 1. FINALIDADE E ORGANIZAÇÃO 1.1. A Maratona de Curitiba / 2010, a Corrida de 10Km e a Caminhada compreendem eventos esportivos que visam difundir na comunidade a prática esportiva, favorecer o intercâmbio

Leia mais

Versão: Dezembro/2012. O aluno poderá integralizar os créditos referentes às disciplinas ACH 2017 e ACH 2018 das seguintes formas:

Versão: Dezembro/2012. O aluno poderá integralizar os créditos referentes às disciplinas ACH 2017 e ACH 2018 das seguintes formas: Normas para Realização do Projeto Supervisionado ou Trabalho de Graduação para o Curso de Sistemas de Informação da Escola de Artes, Ciências e Humanidades, da Universidade de São Paulo Versão: Dezembro/2012

Leia mais

CRITÉRIOS DE CONVOCAÇÃO PARA ATLETAS INTEGRANTES DE SELEÇÕES BRASILEIRAS DE ATLETISMO 2015

CRITÉRIOS DE CONVOCAÇÃO PARA ATLETAS INTEGRANTES DE SELEÇÕES BRASILEIRAS DE ATLETISMO 2015 CRITÉRIOS DE CONVOCAÇÃO PARA ATLETAS INTEGRANTES DE SELEÇÕES BRASILEIRAS DE ATLETISMO 2015 1. Copa Pan-Americana de Cross Country 21 de fevereiro de 2015 Cartagena, COL Serão convocados os 4 (quatros)

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA MARKETING II

PROGRAMA DA DISCIPLINA MARKETING II 1. IDENTIFICAÇÃO PROGRAMA DA DISCIPLINA MARKETING II CURSO: ADMINISTRACAO ANO: 2014 DISCIPLINA: MARKETING II CÓDIGO: ADM10598 PERÍODO: 2014/1 CARGA HORÁRIA: 60h PROFESSOR (A): MICHEL VASCONCELOS 2. DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Classificação: Professor: Enc. Educ.: Esta ficha é constituída por duas partes, a 1ª parte é de escolha múltipla e a 2ª parte é de desenvolvimento.

Classificação: Professor: Enc. Educ.: Esta ficha é constituída por duas partes, a 1ª parte é de escolha múltipla e a 2ª parte é de desenvolvimento. FICHA DE AV ALI AÇ ÃO DE M ATEM ÁTIC A 3º Ciclo 8º ano Março de 2011 Duração da prova: 90 minutos A Nome: Nº: Turma: Classificação: Professor: Enc. Educ.: Esta ficha é constituída por duas partes, a 1ª

Leia mais