Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet"

Transcrição

1 Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet AVALIAÇÃO DO VO2 MAX O cálculo do Vo2max possibilita aos atletas, qualquer que seja o seu nível ou idade, a obtenção de melhores resultados e, sobretudo, trabalhar com segurança os diferentes tipos do treino. Existem alguns protocolos que podem ser utilizados para avaliar o Vo2max e certos instrumentos que são necessários para a realização dos testes. Instrumentos: - Esteira rolante, bicicleta ergométrica, pista de atletismo, degraus etc... Protocolos: Esteira rolante Protocolo de Bruce Ë o mais conhecido e utilizado em nosso meio. Consiste na aplicação de cargas progressivas a cada três minutos de forma contínua. VO2máx ml.(kg.min)-¹ = 8,33 + (2,94 x T) VO2máx ml.(kg.min)-¹ = 8,05 + (2,74 x T) T = Tempo em minutos Protocolo de Ellestad VO2 máx ml (kg.min.) - ¹= 4,46 + (3,933 x tempo total em min.) Testes de campo (em pista ou rua) Teste de 12 minutos - (Cooper, 1970; Ashperd, 1981) Consiste em correr a maior distância possível em 12 minutos. O teste deve ser realizado em superfície plana. VO2máx (ml.kg.min) = D - 504/45 D = Distância em metros

2 Teste de Balke (15 minutos) VO2máx (ml.kg.min) = ,17 (D )/15 D = Distância em metros Teste dos 3200m (Dr. Art Weltman, 1989) É normalmente o mais utilizado por atletas fundistas. Existe uma correlação deste teste com o Limiar anaeróbio. VO2máx (ml.kg.min) = 118,4-4,774 (T) T = tempo em minutos e fração decimal dos 3200m. Teste de corrida de 2.400m (Cooper) Metodologia: determinar o tempo gasto para a execução do teste. Para se obter o escore final em uma unidade metabólica, pode-se encontrar o resultado pela fórmula proposta pelo American College Sport Medicine (Vivacqua & Hespanha, 1992). Vo2máx ml (kg.min)-¹ = (D x 60 x 0,2) + 3,5 ml (kg.min)-¹ Duração em segundos Teste de caminhada de 1 milha (MCARDLE, 1991: 143) População Alvo: indivíduos de baixa aptidão Física [Vo2máx inferior a 30 ml(kg.min)-¹]. Metodologia: peso corporal e idade. Aplicação: caminhada de 1600m com o tempo cronometrado. A freqüência cardíaca em bpm deve ser acompanhada no final dos últimos 400m. A equação para VO2máx enunciada em ml. (kg.min.)-¹ é: VO2máx = 132,853 - (0,0769 x PC x 2,2) - (0,3877 x Idade) + (6,315 x Sexo) - (3,2649 x T) - (0,1565 x FC) S = 1 (masc.) ou 0 (fem) Teste de banco ou degrau É o mais simples de ser utilizado, tornando de certa forma, muito útil sua aplicação em escolas, clubes e academias. Podendo ser constituído de um ou dois degraus. A altura do banco varia conforme o protocolo escolhido, encontrando-se valores entre 4 a 52 cm (MARINS, 1996:12) O metrônomo é um acessório importante, durante a realização dos testes, para determinar o ritmo ideal de execução do avaliado. Protocolo do Quens College (MCARDLE e Col.,1981) Teste Submáximo A altura do banco é fixada em 41 cm. Para mulheres a cadência de subida é

3 fixada no metrônomo em 88 toques por minuto (22 subidas) e para os homens, 96 toques por minutos (24 subidas). O teste tem a duração de 3 minutos. A FC é tomada no quinto segundo após o término do teste até o vigésimo segundo. O valor obtido é multiplicado por quatro para obtermos o valor por minuto. : VO2máx ml. (kg.min)-¹ = 111,33 - (0,42 x FC) : VO2máx ml. (kg.min)-¹ = 65,81 - (0,1847 x FC) Cicloergômetro Protocolo de Astrand (Submáximo) metodologia: escolha uma carga inicial de trabalho que varia de acordo com o sexo. Para o sexo masculino a carga deve variar entre 100 a 150 Watts e para mulheres entre 50 a 100 Watts. O avaliado deverá pedalar durante 5 minutos; registra-se a FC do 4º e 5º minutos, e se obtém o valor médio. A FC de carga deverá estar entre 120 e 170 bpm e, preferencialmente acima de 140 para os jovens (Araújo, 1984). Cálculo do VO2máx (l.min-¹) : VO2máx = (195-61/ FC - 61) x VO2 carga VO2máx = ( /FC-72) x VO2 carga onde: FC = média da freqüência cardíaca obtida no quarto e quinto minutos da carga. VO2 carga = consumo de oxigênio necessário para pedalar uma dada carga. Pode ser obtido pela seguinte equação: VO2 carga l.min-¹ = 0,014 x carga (Watts) + 0,129 Obs.: Caso duas cargas sejam utilizadas, deve-se calcular o VO2máx para as duas, obtendo-se a média entre os resultados. Caso o indivíduo tenha uma idade superior a 35 anos, é necessário a aplicação de um fator de correção conforme a tabela abaixo: VO2máx = VO2máx calculado x fator idade Protocolo de Balke Metodologia: São empregados estágios múltiplos aumentando a carga de 2 em 2 minutos, com magnitude de 25 Watts caso o indivíduo não seja atleta e 50 Watts caso o indivíduo seja atleta ou bem condicionado. É necessário a verificação do peso corporal do avaliado antes da realização do teste, bem como da última carga completada pelo indivíduo em Watts.

4 TABELAS DE ÍNDICES DE CONSUMO DE OXIGÊNIO População Volume de Oxigênio Classificação Vo 2 Absoluto Vo 2 Relativo (litro/min) (ml/kg/min) Cardíacos gravemente enfermos 1 (l/mim) 16 a 18 (ml/kg/min) Cardíacos moderadamente enfermos 1 a 2 (l/mim) 18 a 22 (ml/kg/min) Sedentários baixa capacidade física 2,1 a 3,3 (l /mim) 23 a 29 (ml/kg/min) Sedentários média capacidade física 2,1 a 3,3 (l /mim) 30 a 39 (ml/kg/min) Ativos treinados maior 3,4 (l /mim) maior 40 (ml/kg/min) Atletas de alto nível 6 (l /mim) 80 (ml/kg/min) Fonte: Yazbek & Battistella, 1994 Nível de Aptidão Física do American Heart Association - AHA Vo2 max em ml(kg.min) Idade Muito Fraca Fraca Regular Boa Excelente ou ou ou ou ou ou ou ou ou ou ou ou ou ou ou ou ou ou ou ou + Fonte: ACMS, 1980 Idade Nível de Aptidão Física de Cooper - VO2 max. ml(kg.min) -1 Muito Fraca Fraca Regular Boa Excelente Superior

5 ,0 ou - 25,1 a 39,9 31,0 a 34,9 35,0 a 38,9 39,0 a 41,9 42,0 ou ,6 ou - 23,7 a 28,9 29,0 a 32,9 33,0 a 36,9 37,0 a 40,9 41,0 ou ,8 ou - 22,9 a 26,9 27,0 a 31,4 31,5 a 35,6 35,7 a 40,0 40,1 ou ,0 ou - 21,1 a 24,4 24,5 a 28,9 29,0 a 32,8 32,9 a 36,9 37,0 ou ,2 ou - 20,3 a 22,7 22,8 a 26,9 27,0 a 31,4 31,5 a 35,7 35,8 ou + Mais de 60 17,5 ou - 17,6 a 20,1 20,2 a 24,4 24,5 a 30,2 30,3 a 31,4 31,5 ou ,0 ou - 35,1 a 38,3 38,4 a 45,1 45,2 a 50,9 51,0 a 55,9 56,0 ou ,0 ou - 33,1 a 36,4 36,5 a 42,4 42,5 a 46,4 46,5 a 52,4 52,5 ou ,5 ou - 31,6 a 35,4 35,5 a 40,9 41,0 a 44,9 45,0 a 49,4 49,5 ou ,2 ou - 30,3 a 33,5 33,6 a 38,9 39,0 a 43,7 43,8 a 48,0 48,1 ou ,1 ou - 26,2 a 30,9 31,0 a 35,7 35,8 a 40,9 41,0 a 45,3 45,4 ou + Mais de 60 20,5 ou - 20,6 a 26,0 26,1 a 32,3 32,3 a 36,4 36,5 a 44,2 44,3 ou + Fonte: Cooper, 1982

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet MENSURAÇÃO DAS CAPACIDADES ENERGÉTICAS Existe um nível mínimo de energia necessária para manter as funções vitais do organismo no estado

Leia mais

PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA

PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA Teste Submáximo de Astrand em

Leia mais

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO. pindiceconicidade.exe 19/08/2014

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO. pindiceconicidade.exe 19/08/2014 CAPACIDADE AERÓBICA pindiceconicidade.exe CAPACIDADE DO ORGANISMO EM SE ADAPTAR A ESFORÇOS FÍSICOS MODERADOS, ENVOLVENDO A PARTICIPAÇÃO DOS GRANDES GRUPOS MUSCULARES, POR PERÍODOS DE TEMPO RELATIVAMENTE

Leia mais

Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida

Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida 1 O que é o Protocolo em Rampa O protocolo em rampa é um protocolo para testes de esforço que não possui estágios. Nele o incremento da carga se dá de maneira

Leia mais

13/02/2012. peso. VO 2max l.min - 1 = Peso (kg) x VO 2max (ml.kg -1.min -1 ) VO 2max = 1 = 1 1000 3,5

13/02/2012. peso. VO 2max l.min - 1 = Peso (kg) x VO 2max (ml.kg -1.min -1 ) VO 2max = 1 = 1 1000 3,5 CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA Habilidade de realizar atividades físicas de caráter dinâmico que envolvam grande massa muscular com intensidade de moderada a alta por períodos prolongados (Fernandes Filho,

Leia mais

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO Em condições normais a obesidade deveria ser prevenida, porem o tratamento da pessoa obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR.

UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR. UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR. VILMAR BALDISSERA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO DISCIPLINA DE FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO

Leia mais

Este documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à Prova Final a Nível de Escola:

Este documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à Prova Final a Nível de Escola: 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da Prova Final a Nível de Escola, nos termos das orientações gerais das condições especiais na realização de provas finais de ciclo para

Leia mais

Métodos de avaliação em ergonomia. Profª Ms. Évelin Moreno

Métodos de avaliação em ergonomia. Profª Ms. Évelin Moreno Métodos de avaliação em ergonomia Profª Ms. Évelin Moreno Objetivos Abordar os principais check lists e instrumentos utilizados em ergonomia. Explicar o objetivo de aplicação de cada check list e demais

Leia mais

Como evitar os riscos e aumentar os benefícios??

Como evitar os riscos e aumentar os benefícios?? Como evitar os riscos e aumentar os benefícios?? RISCOS BENEFÍCIOS RISCO DE MORTE POR DOENÇAS 100 % CARDIOVASCULARES 80 Diminuição de 34% 66% 60 40 20 0 AGITA São Paulo Sedentário Pouco Ativo Ativo Muito

Leia mais

Para simplificar a notação, também usamos denotar uma sequência usando apenas a imagem de :

Para simplificar a notação, também usamos denotar uma sequência usando apenas a imagem de : Sequências Uma sequência é uma função f de em, ou seja. Para todo número natural i associamos um número real por meio de uma determinada regra de formação. A sequencia pode ser denotada por: Ou, por meio

Leia mais

SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas. Barreiras 60m barreiras 80m barreiras (F) 100m barreiras (M) 250m barreiras Meio-Fundo

SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas. Barreiras 60m barreiras 80m barreiras (F) 100m barreiras (M) 250m barreiras Meio-Fundo PROGRAMA DE PROVAS DOS ESCALÕES JOVENS VERSÃO FINAL (Infantis, Iniciados e juvenis) SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas 60m 150m 4x 60m 80m 250m 4x 80m 100m 200m 300m 4x 100m Barreiras

Leia mais

MOMENTO DE INÉRCIA DE UM CORPO RÍGIDO

MOMENTO DE INÉRCIA DE UM CORPO RÍGIDO Departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa T4 FÍSICA EXPERIMENTAL I - 007/08 MOMENTO DE INÉRCIA DE UM CORPO RÍGIDO 1. Objectivo Estudo do movimento de rotação de um corpo

Leia mais

Correlação entre Índice de Massa Corporal e Circunferência de Cintura de Adolescentes do Município de Botucatu SP

Correlação entre Índice de Massa Corporal e Circunferência de Cintura de Adolescentes do Município de Botucatu SP Correlação entre Índice de Massa Corporal e Circunferência de Cintura de Adolescentes do Município de Botucatu SP Nadine Herreria dos Santos 2 ; Talita Poli Biason 1 ; Valéria Nóbrega da Silva 1 ; Anapaula

Leia mais

NÚMEROS E OPERAÇÕES. Sistema de Numeração Decimal. Exercícios Resolvidos

NÚMEROS E OPERAÇÕES. Sistema de Numeração Decimal. Exercícios Resolvidos 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES Sistema de Numeração Decimal O Sistema de Numeração Decimal possui duas características importantes: ele possui base 10 e é um sistema posicional Na base 10, dispomos de 10 algarismos

Leia mais

II Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Centro-Oeste. Dr. Maurício Milani

II Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Centro-Oeste. Dr. Maurício Milani Teste ergométrico II Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Centro-Oeste Dr. Maurício Milani 15/08/2009 Teste ergométrico Método para avaliar a resposta cardiovascular ao esforço físico

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Cálculo com Geometria Analítica I Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Aplicações da Derivada

Universidade Federal de Pelotas Cálculo com Geometria Analítica I Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Aplicações da Derivada 1) Velocidade e Aceleração 1.1 Velocidade Universidade Federal de Pelotas Cálculo com Geometria Analítica I Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Aplicações da Derivada Suponhamos que um corpo se move em

Leia mais

REGULAMENTO 3.ª EDIÇÃO 2016

REGULAMENTO 3.ª EDIÇÃO 2016 Faculdade de Economia da Universidade do Porto Rua Dr. Roberto Frias, 4200-464 Porto REGULAMENTO 3.ª EDIÇÃO 2016 - As Jornadas - 1. As Jornadas de Economia e Gestão da Faculdade de Economia da Universidade

Leia mais

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA Profa. Dra. Yara de Souza Tadano yaratadano@utfpr.edu.br Aula 8 11/2014 Distribuição Normal Vamos apresentar distribuições de probabilidades para variáveis aleatórias contínuas.

Leia mais

Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória

Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória VO2 Máximo Depende do estado funcional do sistema respiratório, cardiovascular e dos músculos esquelé>cos É um indicador do estado de saúde: Baixos níveis de VO2

Leia mais

38º. As modalidades e suas respectivas categorias e gêneros serão :

38º. As modalidades e suas respectivas categorias e gêneros serão : 38º Art. 1º- Poderão participar dos jogos: atletas holandeses, descendentes, casados com holandeses ou casados com descendentes. Os casos excepcionais deverão ser apresentados na reunião técnica e a decisão,

Leia mais

Curso de Pós - Licenciatura de Especialização em Enfermagem Médico-Cirúrgica

Curso de Pós - Licenciatura de Especialização em Enfermagem Médico-Cirúrgica ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA ÁREA CIENTÍFICA DE ENFERMAGEM DO ADULTO E IDOSO Curso de Pós - Licenciatura de Especialização em Enfermagem Médico-Cirúrgica REGIME DE FREQUÊNCIA, AVALIAÇÃO, PRECEDÊNCIAS

Leia mais

CAMPEONATO DE ESTRADA DO FAIAL

CAMPEONATO DE ESTRADA DO FAIAL 1 INDICE Competição Pág. CAMPEONATO DE ESTRADA DO FAIAL 3 TAÇA ADIF VEL/BARR E TAÇA ADIF SALTOS 4 1ª PROVA OBSERVAÇÃO INVERNO ADIF + TORNEIO DE BENJAMINS 6 CAMPEONATO CORTA-MATO DO FAIAL 1ª 7 TORNEIO DE

Leia mais

Exercício Termodinâmica (com solução comentada)

Exercício Termodinâmica (com solução comentada) Exercício ermodinâmica (com solução comentada ara o cálculo do trabalho realizado pelo gás em uma transformação em que a pressão varia devemos calcular a área do gráfico, porém deve-se dividir a área do

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016 Prova 06 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Plano da Apresentação. Medidas de localização central. Medidas de localização central. Média. Média. Exemplo nota média em Metodologias

Plano da Apresentação. Medidas de localização central. Medidas de localização central. Média. Média. Exemplo nota média em Metodologias Metodologia de Diagnóstico e Elaboração de Relatório FASHT Plano da Apresentação Mediana Moda Outras médias: a média geométrica Profª Cesaltina Pires cpires@uevora.pt Metodologias de Diagnóstico Profª

Leia mais

Torneio de Atletismo de Pavilhão Local: Centro Escolar do Cávado - Monsul

Torneio de Atletismo de Pavilhão Local: Centro Escolar do Cávado - Monsul Local: Centro Escolar do Cávado - Monsul Data: 5 de março de 2016 Horário: 09h30 às 12h30 Organização: *Centro de Formação Desportiva de Atletismo Gonçalo Sampaio Agrupamento de Escolas Gonçalo Sampaio

Leia mais

QUESTÕES DE CONCURSOS PÚBLICOS ENVOLVENDO PROBABILIDADE

QUESTÕES DE CONCURSOS PÚBLICOS ENVOLVENDO PROBABILIDADE QUESTÕES DE CONCURSOS PÚBLICOS ENVOLVENDO PROBABILIDADE 1) Uma moeda não tendenciosa é lançada quatro vezes. A probabilidade de que sejam obtidas duas caras e duas coroas é: (A) 3/8 (B) ½ (C) 5/8 (D) 2/3

Leia mais

DISTRIBUIÇÕES ESPECIAIS DE PROBABILIDADE DISCRETAS

DISTRIBUIÇÕES ESPECIAIS DE PROBABILIDADE DISCRETAS VARIÁVEIS ALEATÓRIAS E DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADES 1 1. VARIÁVEIS ALEATÓRIAS Muitas situações cotidianas podem ser usadas como experimento que dão resultados correspondentes a algum valor, e tais situações

Leia mais

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO MAXIMUM CONSUMPTION OF OXYGEN - A COMPARATIVE ANALYSIS BETWEEN DIRECT AND INDIRECT

Leia mais

Professores: Roberto Calmon e Thiago Fernandes

Professores: Roberto Calmon e Thiago Fernandes Professores: Roberto Calmon e Thiago Fernandes Nesta aula iremos aprender sobre o conceito, as causas e as consequências da obesidade e a importância da atividade física para a prevenção e controle desta

Leia mais

ENG1200 Mecânica Geral Lista de Exercícios 1 Equilíbrio da Partícula

ENG1200 Mecânica Geral Lista de Exercícios 1 Equilíbrio da Partícula ENG1200 Mecânica Geral 2013.2 Lista de Exercícios 1 Equilíbrio da Partícula Questão 1 - Prova P1 2013.1 Determine o máximo valor da força P que pode ser aplicada na estrutura abaixo, sabendo que no tripé

Leia mais

NOÇÃO DE MEDIDA. O ato de medir está sempre associado ao ato de comparar. Utilizamos como base de comparação uma unidade de medida,

NOÇÃO DE MEDIDA. O ato de medir está sempre associado ao ato de comparar. Utilizamos como base de comparação uma unidade de medida, NOÇÃO DE MEDIDA O ato de medir está sempre associado ao ato de comparar. Utilizamos como base de comparação uma unidade de medida, Medir uma dada grandeza consiste em comparar o seu valor com a respetiva

Leia mais

JUSPODIVM

JUSPODIVM MATERIAL ETRA COMENTÁRIOS DAS QUESTÕES DA PROVA AFRF - 2005 31 - Ana quer vender um apartamento por R$ 400.000,00 à vista ou financiado pelo sistema de juros compostos a taxa de 5% ao semestre. Paulo está

Leia mais

Décima aula de FT. Segundo semestre de 2013

Décima aula de FT. Segundo semestre de 2013 Décima aula de FT Segundo semestre de 2013 Vamos eliminar a hipótese do fluido ideal! Por que? Simplesmente porque não existem fluidos sem viscosidade e para mostrar que isto elimina uma situação impossível,

Leia mais

Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se

Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se efetuar a divisão. Essas regras são chamadas de critérios

Leia mais

Tópicos em Gestão da Informação II

Tópicos em Gestão da Informação II Tópicos em Gestão da Informação II Aula 05 Variabilidade estatística Prof. Dalton Martins dmartins@gmail.com Gestão da Informação Faculdade de Informação e Comunicação Universidade Federal de Goiás Exercício

Leia mais

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Unidade II Controle e Prescrição do Treinamento Prof. Esp. Jorge Duarte Prescrição de Atividades Físicas Condições de saúde; Estado geral do aluno (cliente);

Leia mais

Guia dos Trilhos Vale do Leça

Guia dos Trilhos Vale do Leça Guia dos Trilhos Vale do Leça Mapa Geral Base da PROVA em Guifões META dos 12km 800d e 24km Clube dos Caçadores A400m dos Banhos no Pavilhão Secretariado Pavilhão do Guifões S.C. Dia 10 de Junho Rua dos

Leia mais

COBRANÇA BANCÁRIA CAIXA

COBRANÇA BANCÁRIA CAIXA COBRANÇA BANCÁRIA CAIXA ESPECIFICAÇÃO DE CÓDIGO DE BARRAS PARA BLOQUETOS DE COBRANÇA COBRANÇAS RÁPIDA E SEM REGISTRO GESER NOVEMBRO/2000 ÍNDICE PÁGINA 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESPECIFICAÇÕES...4 2.1 FORMATO......

Leia mais

Coberturas em Telhados TC-038

Coberturas em Telhados TC-038 Coberturas em Telhados TC-038 Cobertura Chama-se vulgarmente de telhado qualquer tipo de cobertura em uma edificação. Porém, o telhado, rigorosamente, é apenas uma categoria de cobertura, em geral caracterizado

Leia mais

Versão: Dezembro/2012. O aluno poderá integralizar os créditos referentes às disciplinas ACH 2017 e ACH 2018 das seguintes formas:

Versão: Dezembro/2012. O aluno poderá integralizar os créditos referentes às disciplinas ACH 2017 e ACH 2018 das seguintes formas: Normas para Realização do Projeto Supervisionado ou Trabalho de Graduação para o Curso de Sistemas de Informação da Escola de Artes, Ciências e Humanidades, da Universidade de São Paulo Versão: Dezembro/2012

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 1 INSTRUÇÕES Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Cálculo de Lajes Prof. Ederaldo Azevedo Aula 3 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 3.1. Conceitos preliminares: Estrutura é a parte ou o conjunto das partes de uma construção que se destina a

Leia mais

Cinesiologia e Biomecânica Prof. Sandro de Souza

Cinesiologia e Biomecânica Prof. Sandro de Souza CINESIOLOGIA E BIOMECANICA CINÉTICA ANGULAR CINÉTICA - Ramo da mecânica que estuda as causas do movimento. CINÉTICA ANGULAR Ramo da mecânica que estuda as causas do movimento angular. 1) TORQUE É definido

Leia mais

FIGURAS PLANAS E O CÁLCULO DE ÁREAS

FIGURAS PLANAS E O CÁLCULO DE ÁREAS unifmu Nome: Professor: Ricardo Luís de Souza Curso de Design Matemática Aplicada Atividade Exploratória III Turma: Data: FIGURAS PLANAS E O CÁLCULO DE ÁREAS Objetivo: Rever o conceito de área de figuras

Leia mais

Compressibilidade e Teoria do adensamento. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Compressibilidade e Teoria do adensamento. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compressibilidade e Teoria do adensamento Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compressibilidade É a diminuição do volume sob a ação de cargas aplicadas. É uma característica que todos os materiais possuem

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA FLORESTAL (TCC EF)

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA FLORESTAL (TCC EF) TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA FLORESTAL (TCC EF) I. DEFINIÇÃO Em atendimento às Diretrizes Curriculares do Ministério da Educação, todo aluno do Curso de Engenharia Florestal deverá, obrigatoriamente,

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Ciências Naturais CÓDIGO DA PROVA: 02

Informação Prova de Equivalência à Frequência Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Ciências Naturais CÓDIGO DA PROVA: 02 DISCIPLINA: Ciências Naturais CÓDIGO DA PROVA: 02 CICLO: 2º ANO DE ESCOLARIDADE: 6º 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de equivalência à frequência da

Leia mais

Avaliação de Desempenho. Orientações aos relatores

Avaliação de Desempenho. Orientações aos relatores Avaliação de Desempenho Orientações aos relatores 1. Referenciais de avaliação 1.1. Legislação 1. Referenciais de avaliação 1.2. Referentes internos: a. Projeto Educativo do Agrupamento, b. Projeto Curricular

Leia mais

Curva de Performance. Exemplo: VO2máx atual: 32ml/kg/min Idade: 40 anos. VO2máx desejado: 40ml/kg/min. 40 100% 32 x x = 100.

Curva de Performance. Exemplo: VO2máx atual: 32ml/kg/min Idade: 40 anos. VO2máx desejado: 40ml/kg/min. 40 100% 32 x x = 100. PERIODIZAÇÃO CURVA DE PERFORMANCE Exemplo: VO2máx atual: 32ml/kg/min Idade: 40 anos VO2máx desejado: 40ml/kg/min 40 32 x x Homens Treinados: VO 2 máx(ml/kg.min -1 ) = 69,7 - (0,62 x idade) Homens Sedentários:

Leia mais

Representando Edificações

Representando Edificações Código da Disciplina CCE0985 Aula 7 Representando Edificações e-mail:clelia.monasterio@estacio.br http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Escalas: NBR - 8196 Escala Numérica: é a relação que existe entre

Leia mais

c) entre o foco e o vértice do espelho côncavo.

c) entre o foco e o vértice do espelho côncavo. Questão 01 - (PUCCAMP SP/2016) Uma vela acesa foi colocada a uma distância p do vértice de um espelho esférico côncavo de 1,0 m de distância focal. Verificou-se que o espelho projetava em uma parede uma

Leia mais

Prova Final de Matemática

Prova Final de Matemática Prova Final de Matemática.º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 39/0, de 5 de julho Prova 6/Época Especial Critérios de Classificação 0 Páginas 05 Prova 6/E. Especial CC Página / 0 CRITÉRIOS GERAIS

Leia mais

Geometria (X 6 ) Português (X 3 ) Álgebra (X 4 )

Geometria (X 6 ) Português (X 3 ) Álgebra (X 4 ) ROTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DAS COMPONENTES PRINCIPAIS Consideremos o seguinte exemplo (exercício 6): 15 alunos de uma determinada escola foram sujeitos a testes de 6 disciplinas e os resultados obtidos encontram-se

Leia mais

- A mecânica é a parte da Física que estuda os movimentos; - Estuda o movimento dos corpos sem abordar as causas desse movimento. RESPONDA!

- A mecânica é a parte da Física que estuda os movimentos; - Estuda o movimento dos corpos sem abordar as causas desse movimento. RESPONDA! CAPÍTULO 11 O MOVIMENTO COM VELOCICADE CONSTANTE - A mecânica é a parte da Física que estuda os movimentos; - Ela pode ser dividida em: A) CINEMÁTICA - Estuda o movimento dos corpos sem abordar as causas

Leia mais

Projeto Instalação Sala 3D v. 1.0 Pearson Sistemas do Brasil

Projeto Instalação Sala 3D v. 1.0 Pearson Sistemas do Brasil / 2 v..0 Pearson Sistemas do Brasil Pearson Centro de Serviços Compartilhados Rua Deolinda, 70 Jardim Macedo Ribeirão Preto SP Brasil Pág./2 Departamento de Qualidade em TI Fone +55 (6) 3603 9272 2/ 2

Leia mais

COMPARAÇÃO DO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE UNIVERSITÁRIAS OBTIDO PELA ERGOESPIROMETRIA NA ESTEIRA E NO CICLOERGÔMETRO

COMPARAÇÃO DO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE UNIVERSITÁRIAS OBTIDO PELA ERGOESPIROMETRIA NA ESTEIRA E NO CICLOERGÔMETRO COMPARAÇÃO DO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE UNIVERSITÁRIAS OBTIDO PELA ERGOESPIROMETRIA NA ESTEIRA E NO CICLOERGÔMETRO Maria Cristina Andrade Lopes Graduada Educação Física pelo Unileste-MG. Carlos Augusto

Leia mais

Douglas Antoniazi Kleberson Hayashi Angelossi

Douglas Antoniazi Kleberson Hayashi Angelossi Fundamentos de compressão e codificação de imagens Douglas Antoniazi Kleberson Hayashi Angelossi 1 Sumário Redundância Codificação Interpixel Psicovisual Critérios de fidelidade Erro total Erro médio quadrático

Leia mais

MATEMÁTICA (11º ano) Exercícios de Exames e Testes Intermédios Funções racionais

MATEMÁTICA (11º ano) Exercícios de Exames e Testes Intermédios Funções racionais MATEMÁTICA (11º ano) Exercícios de Exames e Testes Intermédios Funções racionais 1 Na figura ao lado, está representada, num referencial o.n., parte da hipérbole que é o gráfico de uma função As retas

Leia mais

PROTOCOLO DE REABILITAÇÃO

PROTOCOLO DE REABILITAÇÃO ef POR boekje.indd 1 01-07-2011 08:29:29 PROTOCOLO DE REABILITAÇÃO APÓS A IMPLEMENTAÇÃO DE ef POR boekje.indd 2 01-07-2011 08:29:29 É muito importante seguir o programa definido neste folheto informativo

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID SUBPROJETO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO CERES CURSO DE MATEMÁTICA INTRODUÇÃO

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID SUBPROJETO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO CERES CURSO DE MATEMÁTICA INTRODUÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID SUBPROJETO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO CERES CURSO DE MATEMÁTICA APOSTILA 1 ARITMÉTICA PARTE I INTRODUÇÃO Durante muitos períodos da história

Leia mais

Trabalhando com Planilhas Eletrônicas

Trabalhando com Planilhas Eletrônicas Trabalhando com Planilhas Eletrônicas 1 TABELAS NO SOFTWARE EXCEL Tabelas de Distribuição de Frequência Simples Para acompanhar as orientações a seguir, abra o arquivo do Excel disponibilizado para esta

Leia mais

Trabalho/arte lineatura do clichê e percentual de pontos Intensidade da aplicação e Substrato

Trabalho/arte lineatura do clichê e percentual de pontos Intensidade da aplicação e Substrato 5 ESPECIFICANDO O ANILOX CORRETAMENTE A especificação correta do Anilox é fundamental, embora não seja a única, para obtenção do resultado esperado em impressão flexográfica. A metodologia para especificação

Leia mais

Junta de Freguesia de Marvila

Junta de Freguesia de Marvila Junta de Freguesia de Marvila MARVILA RUN PELOURO DO DESPORTO E JUVENTUDE JFM Marvila maio de 2016 Conteúdo Artigo 1º - Organização... 2 Artigo 2º - Objetivos... 2 Artigo 3º - Participação... 2 Artigo

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE MÁQUINAS

DIMENSIONAMENTO DE MÁQUINAS DIMENSIONAMENTO DE MÁQUINAS Principais forças de atuação no movimento das máquinas Forças favoráveis: Esforço motor (E R ); Assistência de rampa. Forças desfavoráveis: Resistência de rampa; Resistência

Leia mais

Equação de Corrida. I inclinação da corrida em percentual (%)

Equação de Corrida. I inclinação da corrida em percentual (%) Equação de Corrida VO 2 = (0,2 x V) + (0,9 x V x I) + VO 2rep VO 2 consumo de oxigênio em mililitros por quilo por minuto (ml.kg -1.min -1 ) V velocidade da caminhada em metros por minuto (m.min -1 ) I

Leia mais

Trabalhando com Planilhas Eletrônicas

Trabalhando com Planilhas Eletrônicas Trabalhando com Planilhas Eletrônicas 1 TABELAS NO SOFTWARE EXCEL Tabelas de Distribuição de Frequência Simples Para acompanhar as orientações a seguir, abra o arquivo do Excel disponibilizado para esta

Leia mais

EDITAL DE TRANSFERÊNCIA FATEC TAUBATÉ Nº. 02/2016, DE 01 DE JUNHO DE VAGAS REMANESCENTES PARA RETORNO DE EGRESSOS DE FATEC s

EDITAL DE TRANSFERÊNCIA FATEC TAUBATÉ Nº. 02/2016, DE 01 DE JUNHO DE VAGAS REMANESCENTES PARA RETORNO DE EGRESSOS DE FATEC s EDITAL DE TRANSFERÊNCIA FATEC TAUBATÉ Nº. 02/2016, DE 01 DE JUNHO DE 2016. VAGAS REMANESCENTES PARA RETORNO DE EGRESSOS DE FATEC s O Diretor da, no uso de suas atribuições legais, faz saber que serão abertas

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO 1. Requerimento do servidor. 2. Mapa do tempo de contribuição.

DOCUMENTAÇÃO 1. Requerimento do servidor. 2. Mapa do tempo de contribuição. DEFINIÇÃO É um incentivo pago ao servidor que já preencheu todos os requisitos para se Aposentar, mas opta por permanecer na ativa. Deferido o abono, o servidor continua recolhendo a contribuição previdenciária,

Leia mais

Cap. II EVENTOS MUTUAMENTE EXCLUSIVOS E EVENTOS NÃO- EXCLUSIVOS

Cap. II EVENTOS MUTUAMENTE EXCLUSIVOS E EVENTOS NÃO- EXCLUSIVOS Cap. II EVENTOS MUTUAMENTE EXCLUSIVOS E EVENTOS NÃO- EXCLUSIVOS Dois ou mais eventos são mutuamente exclusivos, ou disjuntos, se os mesmos não podem ocorrer simultaneamente. Isto é, a ocorrência de um

Leia mais

EXERCÍCIOS EXTRAS RESOLVIDOS PROF. THIAGO

EXERCÍCIOS EXTRAS RESOLVIDOS PROF. THIAGO EXERCÍCIOS EXTRAS RESOLVIDOS PROF. THIAGO INSTRUÇÃO: Leia atentamente cada um dos exercícios e suas respectivas resoluções. Se achar conveniente, tente resolver alguns desses antes de conferir a resposta.

Leia mais

A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial (PA).

A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial (PA). A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial (PA). Associa-se frequentemente a alterações funcionais e/ou

Leia mais

Caderno 2: 55 minutos. Tolerância: 20 minutos. (não é permitido o uso de calculadora)

Caderno 2: 55 minutos. Tolerância: 20 minutos. (não é permitido o uso de calculadora) Prova Final de Matemática 3.º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 92/2.ª Fase Caderno 2: 8 Páginas Duração da Prova (Caderno 1 + Caderno 2): 90 minutos. Tolerância: 30

Leia mais

Dados da Avaliação. Objetivos. Protocolo de Imagem Corporal Marins e Marins (2010) Foto Auto-Imagem Objetivo. Exame de Sangue. Posturais - Anterior

Dados da Avaliação. Objetivos. Protocolo de Imagem Corporal Marins e Marins (2010) Foto Auto-Imagem Objetivo. Exame de Sangue. Posturais - Anterior Data: Avaliador: Avaliado: 07/03/2013 Flávio Modelo Bem Vindo ao AVAESPORTE! Esporte Sistemas Incubadora de Empresas UFV (31)3892-5117 31-9332-3136 contato@esportesistemas.com.br www.esportesistemas.com.br

Leia mais

1 EMENTA 2 OBJETIVOS DO COMPONENTE CURRICULAR 3 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Cálculo e Raios e comprimentos Plano cartesiano Análise de gráficos

1 EMENTA 2 OBJETIVOS DO COMPONENTE CURRICULAR 3 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Cálculo e Raios e comprimentos Plano cartesiano Análise de gráficos PLANO DE ENSINO Disciplina Fundamentos de Matemática Código Docente Daniela Macêdo Damaceno Pinheiro Semestre I/2013.1 Carga horária 80h 1 EMENTA Frações Produtos notáveis Funções, equações e inequações

Leia mais

1 Teorema de Thévenin

1 Teorema de Thévenin 1 Teorema de Thévenin O teorema de Thévenin afirma que, do ponto de vista de um qualquer par de terminais, um circuito linear pode sempre ser substituído por uma fonte de tensão com resistência interna.

Leia mais

Estatística Analítica

Estatística Analítica Teste de Hipótese Testes Estatísticos 2 Teste de Hipótese Testes Estatísticos 3 1 Teste de Hipótese Testes Estatísticos 4 Principais Testes: Teste Qui-quadrado Teste T de Student Teste ANOVA Teste de Correlação

Leia mais

CRITÉRIOS DE CONVOCAÇÃO PARA ATLETAS INTEGRANTES DE SELEÇÕES BRASILEIRAS DE ATLETISMO 2015

CRITÉRIOS DE CONVOCAÇÃO PARA ATLETAS INTEGRANTES DE SELEÇÕES BRASILEIRAS DE ATLETISMO 2015 CRITÉRIOS DE CONVOCAÇÃO PARA ATLETAS INTEGRANTES DE SELEÇÕES BRASILEIRAS DE ATLETISMO 2015 1. Copa Pan-Americana de Cross Country 21 de fevereiro de 2015 Cartagena, COL Serão convocados os 4 (quatros)

Leia mais

4. DIMENSIONAMENTO DE ESCADAS EM CONCRETO ARMADO

4. DIMENSIONAMENTO DE ESCADAS EM CONCRETO ARMADO 4. DIMENSIONAMENTO DE ESCADAS EM CONCRETO ARMADO 4.1 Escada com vãos paralelos O tipo mais usual de escada em concreto armado tem como elemento resistente uma laje armada em uma só direção (longitudinalmente),

Leia mais

Rolamentos com duas fileiras. de esferas de contato radial 262

Rolamentos com duas fileiras. de esferas de contato radial 262 Rolamentos com duas fileiras de esferas Rolamentos com duas fileiras de esferas de contato radial 262 Definições e aptidões 262 Séries 262 Tolerâncias e jogos 262 Elementos de cálculo 263 Sufixos 263 Características

Leia mais

Cálculo de Soma de Verificação do User Datagram Protocol

Cálculo de Soma de Verificação do User Datagram Protocol Resumo Cálculo de Soma de Verificação do User Datagram Protocol Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática othonb@yahoo.com Mesmo sendo um protocolo que nada garante, o UDP tem um campo no datagrama

Leia mais

Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008

Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008 UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008 1 Introdução Na primeira metade da década de 90 começaram a ser desenvolvidas as primeiras

Leia mais

Introdução à Estatística Estatística Descritiva 22

Introdução à Estatística Estatística Descritiva 22 Introdução à Estatística Estatística Descritiva 22 As tabelas de frequências e os gráficos constituem processos de redução de dados, no entanto, é possível resumir de uma forma mais drástica esses dados

Leia mais

TERMO-HIGRÓMETRO COM DATA LOGGER MODELO CTR313

TERMO-HIGRÓMETRO COM DATA LOGGER MODELO CTR313 TERMO-HIGRÓMETRO COM DATA LOGGER CTR313 Medidor portátil, muito fácil de usar, com tempo de resposta elevado, sendo um equipamento ideal para higiene e segurança no trabalho, monitorizações contínuas de

Leia mais

Centro de Educação Profissional da Universidade Estadual de Campinas

Centro de Educação Profissional da Universidade Estadual de Campinas Professor - Romeu Corradi Júnior Centro de Educação Profissional da Universidade Estadual de Campinas Atividades: Resolução de exercícios com alguns comentários (Lista 01-FSM1) 1. Obter as tabelas de transição

Leia mais

Educação pública no Brasil. Pesquisa de opinião pública nacional

Educação pública no Brasil. Pesquisa de opinião pública nacional Educação pública no Brasil Pesquisa de opinião pública nacional Metodologia As pesquisas do DataSenado são feitas por meio de entrevistas telefônicas, usando levantamentos por amostragem. A população considerada

Leia mais

REGRAS DAS PROVAS RELÂMPAGO

REGRAS DAS PROVAS RELÂMPAGO REGRAS DAS PROVAS RELÂMPAGO BALÃO Cada equipe apresentará um componente para esta prova. Os participantes deverão soprar o balão até estourar. Será estabelecida a ordem de classificação pelo tempo de estouro

Leia mais

Regulamento de Apoio às Entidades e Agentes Desportivos do Concelho da Praia da Vitória. Atividade de treino e competição nos escalões de formação

Regulamento de Apoio às Entidades e Agentes Desportivos do Concelho da Praia da Vitória. Atividade de treino e competição nos escalões de formação Regulamento de Apoio às Entidades e Agentes Desportivos do Concelho da Praia da Vitória Atividade de treino e competição nos escalões de formação Preâmbulo O presente regulamento estabelece as normas de

Leia mais

TESTE DE ESFORÇO E CÁLCULOS DE AUXILIO PARA O PLANEJAMENTO E PRESCRIÇÀO DE EXERCICIOS FÍSICOS. Capacidade cardiorrespiratória

TESTE DE ESFORÇO E CÁLCULOS DE AUXILIO PARA O PLANEJAMENTO E PRESCRIÇÀO DE EXERCICIOS FÍSICOS. Capacidade cardiorrespiratória TESTE DE ESFORÇO E CÁLCULOS DE AUXILIO PARA O PLANEJAMENTO E PRESCRIÇÀO DE EXERCICIOS FÍSICOS Luiz Antônio Domingues Filho O treinamento aeróbio é um dos mais importantes componentes de um programa de

Leia mais

PERSONAL TRAINER INTRODUÇÃO

PERSONAL TRAINER INTRODUÇÃO PERSONAL TRAINER INTRODUÇÃO O fenômeno do personal trainer teve seu início na década de 90. Nesta mesma época, com os avanços tecnológicos como a internet, que permitiram que um grande número de estudos

Leia mais

ANÁLISE. Solicitação de dispensa de exame de qualificação em telegrafia para ascensão de Classe de Radioamador ( C para B ) devido grave patologia.

ANÁLISE. Solicitação de dispensa de exame de qualificação em telegrafia para ascensão de Classe de Radioamador ( C para B ) devido grave patologia. CONSELHEIRO RELATOR JARBAS JOSÉ VALENTE 1. ASSUNTO ANÁLISE NÚMERO E ORIGEM: 112/2014-GCJV DATA: 15/10/2014 Solicitação de dispensa de exame de qualificação em telegrafia para ascensão de Classe de Radioamador

Leia mais

Critérios de Avaliação da Disciplina de Geografia - 3º Ciclo

Critérios de Avaliação da Disciplina de Geografia - 3º Ciclo Critérios de Avaliação da Disciplina de Geografia - 3º Ciclo A função de avaliação corresponde à análise cuidada das aprendizagens conseguidas relativamente às planeadas, devendo traduzir-se numa descrição

Leia mais

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA Função do 1 Grau. Rafael Carvalho - Engenharia Civil

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA Função do 1 Grau. Rafael Carvalho - Engenharia Civil CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 06. Função do Grau Rafael Carvalho - Engenharia Civil Equações do primeiro grau Equação é toda sentença matemática aberta que exprime uma relação de igualdade.

Leia mais

Bombeiros voluntários de S.B. Messines Grupo cultura e desporto

Bombeiros voluntários de S.B. Messines Grupo cultura e desporto REGULAMENTO DO 2º TRAILL RUNINGBOMBEIROS DE MESSINES DESCRIÇÃO O 2º TRAILL RUNING BOMBEIROS DE MESSINES é um evento desportivo organizado pelo grupo de cultura e desporto dos bombeiros voluntários de S.B.

Leia mais

MÉTODOS de Treinamento

MÉTODOS de Treinamento Metodologia do TREINAMENTO FÍSICO AULA 7 MÉTODOS de Treinamento MÉTODOS de Treinamento Métodos CONTÍNUOS Métodos INTERVALADOS Métodos FRACIONADOS Métodos em CIRCUITO Métodos ADAPTATIVOS São as DIFERENTES

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Caderno de Questões

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Caderno de Questões Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Caderno de Questões Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2009 Duração: 2 horas Prova com consulta Questão 1 (Construção de modelo ER) Deseja-se projetar a base de

Leia mais

Esquema Básico de Custos (Absorção)

Esquema Básico de Custos (Absorção) Esquema Básico de Custos (Absorção) Vamos exemplificar o esquema básico da Contabilidade de Custos, lembrando que é parte relativa a utilização de Custos para Avaliação de Estoques para fins fiscais e

Leia mais

ANEXO 9 Regulamento Interno ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO E DE INTEGRAÇÃO ESCOLAR E COMUNITÁRIA

ANEXO 9 Regulamento Interno ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO E DE INTEGRAÇÃO ESCOLAR E COMUNITÁRIA ANEXO 9 Regulamento Interno ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO E DE INTEGRAÇÃO ESCOLAR E COMUNITÁRIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014 ÍNDICE SECÇÃO I Excesso grave de faltas 2 SECÇÃO II Tipificação de

Leia mais

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº 03

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº 03 Nome: Ano: 3º Ano do E.M. Escola: Data: / / 1. Introdução 3º Ano do Ensino Médio Aula nº 03 Assunto: Progressões Aritméticas e Geométricas Definição: Na Matemática, uma sequência numérica é uma composição

Leia mais