PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DA DENGUE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DA DENGUE"

Transcrição

1 1 INSTRUTIVO DE PREENCHIMENTO DOS BOLETINS DE CAMPO DO FAD PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DA DENGUE Adaptado pelo Programa Estadual de Controle da Dengue/RS (PECD/RS) e pela Seção de Reservatórios e Vetores (ResVet) do LACEN/RS - junho 2013 Índice Formulário FAD 03 Vigilância Entomológica... 2 Instrutivo preenchimento FAD Formulário FAD 01 Registro diário do serviço antivetorial frente... 5 Instrutivo preenchimento FAD 01 frente... 6 Formulário FAD 01 - Registro diário do serviço antivetorial verso... 9 Instrutivo preenchimento FAD 01 verso FAD 02 - Etiqueta para remessa de espécimes... Instrutivo preenchimento FAD Formulário FAD 07 Resumo semanal do serviço antivetorial Instrutivo preenchimento FAD Formulário FAD 04 Registro diário de aplicações a ultra baixo volume Instrutivo preenchimento FAD Formulário FAD UBV2 Registro diário de UBV Instrutivo preenchimento FAD UBV Formulário FAD UBV3 Registro semanal de UBV Instrutivo preenchimento FAD UBV

2 2

3 3 PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DA DENGUE - PNCD VIGILÂNCIA ENTOMOLÓGICA - FAD 03 CONTROLE: Número que o FAD gera na hora da digitação. Município: nome oficial do município. Ex. CAÇAPAVA DO SUL Código e nome da localidade: CENTRO Categoria da localidade: BAIRRO ou POVOADO (BIR) ou (PV) Zona Área parcial de uma localidade que se quer particularizar. No campo existente coloca-se o numero da zona, que é restrita a um bairro. Ex. zona 1, localidade = Centro (como a área não esta zoneada fica em branco). Semana Epidemiológica: Utilizar calendário epidemiológico. Armadilha: Utilizar o número do tipo de armadilha utilizada: 1-Ovitrampa ou 2- Larvitrampa. CAMPO Endereço: Preencher com o endereço onde foi instalada a armadilha. Número quarteirão: Preencher com o nº do quarteirão. Tipo Imóvel: Preencher com o tipo de imóvel: R Residência C Comercial O Outros. Identificação da Armadilha: Preencher com a identificação da armadilha. Datas Instalação: Preencher com a data que a armadilha foi instalada. Nos casos de desaparecimento da armadilha, considerar a data de instalação mais recente. Coleta: Preencher com a data que a armadilha foi visitada. Localização: Preencher com um local referência para facilitar a localização da armadilha instalada. Tubitos / Palhetas: Chave: Preencher quando a armadilha for positiva com o nº 1-Ovitrampa ou nº 2- Larvitrampa. No: Preencher com o nº da amostra (um tubito por armadilha positiva). Ocorrência: Preencher com o código da ocorrência (conforme descrito no rodapé do boletim): 1 Casa fechada, 2 Intervalo entre instalação e coleta maior que 7 dias; 3 - Armadilha ou palheta desaparecida/quebrada/removida, 4 Armadilha seca. LABORATÓRIO Quantidade: Ovos: Preencher com a quantidade de ovos presentes na palheta; Larvas: preencher com a quantidade larvas do tubito correspondente. Espécie (aeg-alb-outras): Preencher com a quantidade de cada espécie encontrada.

4 4 - Total de quarteirões: Informar o número total de quarteirões trabalhados. - Total de imóves: Informar o número total de imóveis visitados. - Total de armadilhas instaladas: Informar o número total de armadilhas instaladas (nº compatível com as armadilhas visitadas). - Total de tubitos/palhetas: Informar o número total de tubitos ou palhetas coletados. - Total de ovos: Informar o número total de ovos coletados. - Total de larvas: Informar o número total de larvas identificadas. - Total de aeg.: Informar o número total de larvas de Aedes aegypti identificadas. - Total de alb.: Informar o número total de larvas Aedes albopictus identificadas. - Total de outras: Informar o número total de outras larvas identificadas. Assinatura do Agente é a identificação pessoal do servidor que está realizando o trabalho. Assinatura do Supervisor é a identificação pessoal do servidor que está realizando o trabalho. Assinatura do Laboratorista é a identificação pessoal do servidor que realizou os exames (observação: na maioria dos formulários não está impresso Assinatura do Laboratorista nesta 3ª linha, e sim Assinatura do Supervisor. Mas é para o laboratorista assinar). Data de entrada: Registrar a data de recebimento das amostras no laboratório (observação: na maioria dos formulários não existe esse campo. Portanto, a data de entrada deve ser escrita abaixo da Assinatura do Laboratorista). Data de conclusão: Preencher com a data em que foi realizado o exame (observação: na maioria dos formulários não existe esse campo. Portanto, a Data de conclusão deve ser escrita ou abaixo ou ao lado da Data de entrada). Importante aos laboratoristas: A Vigilância Entomológica com armadilha, para digitação no SISFAD, só considera os ovos e as larvas. Se a amostra apresentar pupas e/ou adulto, o laboratorista deve anotar no pé da página a quantidade e a espécie identificadas. (Para relembrar As informações referentes ao total de: quarteirões, imóveis, armadilhas instaladas, armadilhas positivas e tubitos/palhetas devem ser preenchidas pelos agentes de Campo. Total de: ovos, larvas, aeg., alb. e outras devem ser preenchidos pelos Laboratoristas).

5 5

6 6 PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DA DENGUE - PNCD REGISTRO DIÁRIO DO SERVIÇO ANTIVETORIAL - FAD FRENTE Município: nome oficial do município. Ex. CAÇAPAVA DO SUL Código e nome da localidade: CENTRO Categoria da localidade: BAIRRO ou POVOADO (BIR) ou (PV) Zona Área parcial de uma localidade que se quer particularizar. No campo existente coloca-se o número da zona, que é restrita a um bairro. Ex. zona 1, localidade = Centro (como a área não está zoneada fica em branco). Tipo 1- Sede (todos os bairros da cidade) 2- Outros (área rural) Concluída: S: Quando foi trabalhado o último quarteirão da zona. Nos municípios que estão zoneados, da localidade. Data da atividade: Dia, mês e ano em que o trabalho foi realizado. Ciclo/ano: é o que define a periodicidade do trabalho que se está realizando ou realizou. Os ciclos têm sua numeração inicial (Ex: ) só durante o ano considerado. No ano seguinte inicia-se a numeração com o 1º ciclo. Atividade: Colocar o número referente à atividade que esta sendo desenvolvida, usandose: 1- LI; 2- LI+T; 3- PE; 4- T; 5-DF; 6-PVE. Os boletins devem ser preenchidos separadamente por atividade (a única atividade que pode e deve ser preenchida junta é o LI+T). Por atividade, 1- LI (Levantamento de Índice) término do ciclo quando terminar todas as localidades do município; 2- LI + T (Levantamento de Índice mais Tratamento) seis ciclos no ano; 3- PE (Pontos Estratégicos), seguir tabela; 4- TRAT (Tratamento Químico); 5- DF (Delimitação de Foco); } Devem ter sua seqüência própria de ciclos 6- PVE (Pesquisa Vetorial Especial); definida. PESQUISA ENTOMOLÓGICA/TRATAMENTO Número (Nº) do quarteirão: preencher com o número recebido no reconhecimento geográfico da localidade, ou na sua atualização, realizados pelos agentes-supervisores. Sequencia (Seq.): É a subdivisão do quarteirão, onde o número do quarteirão originário é preservado. Ex.: se o quarteirão original 10 foi subdividido em dois, teremos o quarteirão original nº 10 e as seqüências 10/1 e 10/2. Lado: São as faces do quarteirão. Se um quarteirão possui 4 lados, o lado 1, será o lado onde o agente inicia o trabalho,ou seja, o lado que no RG é o inicio do quarteirão, a próxima face será lado 2 e assim sucessivamente. Nome do Logradouro: Nome oficial existente em placa ou conhecida pelos moradores da mesma. Número (Nº): Preencher com o número oficial (da prefeitura) do imóvel.

7 7 Sequencia-Número(Seq): Nos casos onde não existam números oficiais, usar seqüências dos números oficiais; os TB estão inclusos (seja por haver mais de um imóvel com o mesmo número ou haver sem numeração na mesma rua). Ex. residência, nº 24, as próximas construídas em lotes antes vazios e que não tem número, etc. preencher com 24-1, Complemento (Compl): Será utilizado para nº de apartamento, salas comerciais. Tipo do Imóvel: Imóvel é a unidade básica de infestação do serviço antivetorial, caracterizada por ter ou não uma edificação. No caso de possuir edificação é utilizado para residência, comércio, e outros fins. Preencher o campo com uma das seguintes siglas, conforme convenção localizada no rodapé do formulário: R - residência C - comércio TB - terreno baldio PE - ponto estratégico O - outro Hora de entrada: Preencher com a hora e os minutos em que o servidor entrar no imóvel. Ex: 08h20min Visita: Preencher o campo com N de normal e R de recuperação. Pendência: Preencher o campo com R de Recusado ou F de Fechado, conforme convenção localizada no rodapé do formulário. Número de depósito inspecionado: Preencher com o número de depósitos inspecionados por tipo de depósitos, no imóvel trabalhado no levantamento. Conforme rodapé do verso do boletim diário: A1 Caixa d água (elevado) A2 Outros depósitos de armazenamento de água (baixo) B Pequenos depósitos móveis C - Depósitos fixos D1 Pneus e outros materiais rodantes D2 Lixo (recipientes plásticos, latas) sucatas, entulhos E Depósitos naturais Imóvel inspecionado (LI): Marcar com um X o imóvel que foi trabalhado para o Levantamento de Índice. Coleta amostra Número da amostra Inicial: é o primeiro número seqüencial da primeira amostra coletada no imóvel. Ex: 001. Final: é o último número seqüencial da última amostra coletada no imóvel. Ex: 010 Quantidade de Tubitos: Preencher com o número total de tubitos coletados no imóvel. Ex: 10 Depósitos Eliminados: Preencher com o número de depósitos eliminados do imóvel, ou seja, aqueles que foram destruídos ou inutilizados como criadouro, para todas as atividades. Imóveis Tratados: Preencher com X os imóveis inspecionados que foram tratados de forma mecânica, biológica ou química.

8 8 Tratamento Focal: Larvicida (1): Temephos utilizado em depósito de Água para Consumo Humano. Ex: Tipo: L1 - Qtde.(Gramas): 5 - Qtde. dep. trat: 1 Larvicida (2): Temephos utilizado em depósito de Água não reservada para Consumo Humano. Ex. Tipo: L2 - Qtde.(Gramas): 50 - Qtde. dep. trat: 8 Perifocal: Adulticida: Tipo: Utilizar legenda referente ao tipo de inseticida (conforme legenda de cada inseticida) Qtde. cargas: Preencher com o número de cargas abertas no imóvel. SOMAR AS COLUNAS NECESSÁRIAS Assinatura do Agente é a identificação pessoal do servidor que está realizando o trabalho. Assinatura do Supervisor é a identificação pessoal do servidor que está realizando o trabalho.

9 9

10 10 REGISTRO DIÁRIO DO SERVIÇO ANTIVETORIAL - FAD VERSO RESUMO DO TRABALHO DE CAMPO Transcrever os totais de: Número de imóveis trabalhados por tipo Residência, Comércio, TB, PE, Outro, Total Número de imóveis Trat. Focal, Trat. Perifocal, Inspecionados e Recuperados; Número de Tubitos/Amostras coletadas; Pendência: recusados e fechados; Número de depósitos inspecionados por tipo A1, A2, C, D1, D2, E, Total; Depósitos: Eliminados, Tratados tipo de larvicida 1 e larvicida 2, somar as gramas e quantidade de depósitos tratados; Adulticida: tipo e quantidade de cargas; Transcrever: Número e dos quarteirões trabalhados; Número e Seqüência dos quarteirões concluídos. RESUMO DO LABORATÓRIO Número e Seqüência dos quarteirões com Aedes aegypti Número e Seqüência dos quarteirões com Aedes albopictus Número depósitos com espécimes, por tipo: Preencher com a soma dos depósitos positivos (A1, A2, B,C, D1, D2, E, TOTAL) com espécimes (Aedes aegypti, Aedes albopictus). O termo espécime é sinônimo de exemplar. Número de imóveis com espécimes, por tipo: Preencher com a soma dos imóveis positivos com espécime (Aedes aegypti, Aedes albopictus, outros) por tipo de imóvel (R, C, TB, PE, O, TOTAL). Número de exemplares: Preencher com a quantidade de Larvas, Pupas, Exúvia de pupa e Adultos por espécies (Aedes aegypti, Aedes albopictus, outros). Data da entrada: Preencher com a data da entrada do material no laboratório. Data da conclusão: Preencher com a data da realização do exame. Laboratório: Preencher com o nome do laboratório onde foi realizado o exame da amostra. Laboratorista: Preencher com o nome legível do laboratorista. Assinatura: Preencher com a assinatura do laboratorista que realizou os exames.

11 11 ETIQUETA PARA REMESSA DE ESPÉCIMES - FAD - 02 Os dados nesta etiqueta devem ser anotados à lápis pelo agente de campo, com letra legível, quando houver coleta. A etiqueta deve ser enrolada no tubito / tubo de ensaio, e presa por atilho. As informações devem ser compatíveis com os formulários preenchidos no momento da visita do agente aos imóveis. Nº da amostra: Escrever o número da amostra. Relembrando que cada agente do município deve iniciar em 1 (um) e numerar até 999 (novecentos e noventa e nove), ininterruptamente. Após 999, iniciar em 1 novamente. Município: Escrever o nome do município. Bairro: Escrever o nome do bairro/localidade. Estrato: Escrever o número do estrato trabalhado, quando aplicável. Por exemplo, quando se faz coletas no LIRAa Levantamento de Índice Rápido para Aedes aegypti. Quart: Escrever o número do quarteirão. Casa nº: Escrever o número da casa ou edifício com apartamento. Rua: Escrever o nome da rua/avenida. Depósito: Escrever o depósito (neste item, cabe identificar se é armadilha ou PE). Código do depósito: Escrever o código do depósito (A1,A2,B,C,D1,D2 ou E). Nº de larvas e pupas: Escrever quantidade de larvas e pupas coletadas. Agente: Escrever o nome legível do agente. Data: Escrever a data da coleta. Laboratório:nº de larvas/pupas Ae aegypti: Larvas Pupas : Escrever quantidade de Larvas e Pupas de Ae. aegypti identificadas. Ae albopictus: Larvas Pupas : Escrever quantidade de Larvas e Pupas de Ae. albopictus identificadas. Outros: Larvas Pupas : Escrever quantidade de Larvas e Pupas de Outras espécies identificadas. Após análise da amostra, e preenchimento pelo laboratorista, a etiqueta deve ser grampeada no verso esquerdo superior do formulário que originou esta coleta.

12 12

13 13 PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DA DENGUE - PNCD REGISTRO DIÁRIO DO SERVIÇO ANTIVETORIAL - FAD - 07 Controle Digitação: Número que o FAD gera na hora da digitação. Município: nome oficial do município. Ex: CAÇAPAVA DO SUL Código e nome da localidade: CENTRO Zona Área parcial de uma localidade que se quer particularizar. No campo existente coloca-se o número da zona, que é restrita a um bairro. Ex. zona 1, localidade = Centro (como a área não esta zoneada fica em branco). Categoria da localidade: BAIRRO ou POVOADO (BIR) ou (PV) Tipo 1- Sede (todos os bairros da cidade) 2- Outros (área rural) Ciclo/ano: é o que define a periodicidade do trabalho que se está realizando ou foi realizado. Os ciclos têm sua numeração inicial (Ex: ) só durante o ano considerado. No ano seguinte inicia-se a numeração com o 1º ciclo. Data início: Primeiro dia da semana Epidemiológica. Data final: Último dia da semana Epidemiológica. Concluído: S: Quando foi trabalhado o último quarteirão da zona. Nos municípios que estão zoneados, da localidade. Semana Epidemiológica (Sem.Epidem.): Utilizar calendário epidemiológico Atividade: Colocar o número referente à atividade que está sendo desenvolvida, usandose: 1- LI; 2- LI+T; 3- PE; 4 - T; 5-DF; 6-PVE. Os boletins devem ser preenchidos separadamente por atividade (a única atividade que pode e deve ser preenchida junta é o LI+T exclusivamente para municípios infestados). RESUMO DO TRABALHO DE CAMPO Total de quarteirões concluídos: preencher com o total de quarteirões. Número de imóveis trabalhados por tipo: Preencher com a soma dos imóveis trabalhados por tipo. Ex: residência 17; comércio 10; terreno baldio 5 = TOTAL = 32. Número de imóveis Trat. Focal: Preencher com a soma dos imóveis tratados. Trat. Perifocal: Preencher com a soma dos imóveis tratados. Inspecionados: Preencher com a soma dos imóveis inspecionados. Amostras Coletadas: Preencher com a quantidade de tubitos coletados. Pendência: Recusa, Fechados: Preencher com a soma dos imóveis não trabalhados. Recuperados: Preencher com a soma dos imóveis recuperados. Número de depósitos inspecionados por tipo: Preencher com a soma dos depósitos inspecionados por tipo: A1, A2, B, C, D1, D2, E, Total.

14 14 Depósito Eliminado: Preencher com a soma dos depósitos eliminados. Depósitos Tratados: Larvicida (1): Utilizar para preenchimento com tratamento mecânico Ex: Tipo: 99 Qtde. (Gramas): 0 Qtde.dep.trat.: soma dos depósitos tratados mecanicamente. Larvicida (2): Utilizar para preenchimento com larvicida (conforme legenda referente ao tipo de larvicida). Ex: Tipo: L1 Qtde. (Gramas): quantidade em gramas Qtde.dep.trat.: soma dos depósitos tratados com larvicidas. Adulticida: Tipo: Utilizar legenda referente ao tipo de inseticida. Qtide (Cargas): Preencher com a soma de cargas utilizadas. Total de Agentes na semana: Preencher com a soma dos agentes que trabalharam na semana. Ex: 2 agentes trabalharam 5 dias da semana, então total de agentes =10 Total de Dias Trabalhados na semana: Preencher com a soma dos dias trabalhados. RESUMO DO LABORATÓRIO Número de depósitos com espécimes, por tipo: Preencher com a soma dos depósitos positivos (A1, A2, B,C, D1, D2, E, TOTAL) com espécimes (Aedes aegypti, Aedes albopictus). Número de imóveis com espécimes, por tipo: Preencher com a soma dos imóveis positivos com espécimes (Aedes aegypti, Aedes albopictus, outros) por tipo de imóvel (R, C, TB, PE, O, TOTAL). Número de exemplares: Preencher com a quantidade de Larvas, Pupas, Exúvia de pupa e Adultos por espécies (Aedes aegypti, Aedes albopictus, outros). Número e sequência dos quarteirões com Aedes aegypti: Preencher com o número do (s) quarteirão (ões) e seqüência com Aedes aegypti. Número e sequência dos quarteirões com Aedes albopictus: Preencher com o número do (s) quarteirão (ões) e seqüência com Aedes albopictus. Número e sequência dos quarteirões com Aedes aegypti + Aedes albopictus: Preencher com o número do (s) quarteirão (ões) e seqüência com encontro simultâneo de Aedes aegypti e Aedes albopictus. Visto do Supervisor: Preencher com visto do supervisor de campo. Data do visto: Preencher com a data do visto. Este formulário tem por finalidade consolidar os dados das atividades de campo e laboratório por localidade. É a soma dos dados do verso do(s) registro(s) diário(s) do serviço antivetorial (FAD 01). A DIGITAÇÃO SERÁ FEITA NO FAD POR MEIO DO RESUMO SEMANAL DO SERVIÇO ANTIVETORIAL (FAD 07).

15 15

16 16 PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DA DENGUE - PNCD REGISTRO DIÁRIO DE APLICAÇÕES A ULTRA BAIXO VOLUME - Bloqueio de caso - FAD 04 Controle Digitação: Número que o FAD gera na hora da digitação. Município: nome oficial do município. Ex: CAÇAPAVA DO SUL Código e Nome da Localidade: CENTRO Semana epidemiológica: Utilizar calendário epidemiológico Atividade realizada com uma aplicação única com equipamento portátil, no período não epidêmico. Parâmetros Técnicos Inseticida: Preencher com o nome do inseticida autorizado a ser utilizado conforme as instruções vigentes do MS. Formulação e Concentração Produto Comercial: Preencher com o tipo de apresentação do produto CE= Concentrado Emulsionável; EA= Emulsão Aquosa. Dose de Ingrediente Ativo: Preencher com a dose de ingrediente ativo preconizado pelo MS. Vazão (ml/min): Preencher com a vazão do equipamento de aplicação costal motorizado. Identificação Equipamento: Preencher com os dados de identificação do equipamento de aplicação (número, código). Endereço do Paciente: Preencher com o endereço do paciente notificado pelo serviço de vigilância epidemiológica. Data do Comunicado: Preencher com a data da comunicação da ocorrência pela vigilância epidemiológica. Número notificação (SINAN): Preencher com o número fornecido pela vigilância epidemiológica. Número Quarteirão do Caso: Preencher com o número do quarteirão do caso notificado. Número dos Quarteirões Programados: Preencher com o número dos quarteirões que deverão ser tratados com UBV portátil, conforme indicação do Manual de Normas Técnicas do PNCD. Atividade de campo Número do Quarteirão Trabalhado: Preencher com o número do quarteirão em que foi realizado o trabalho. Número de Imóveis Tratados: Preencher com o total de imóveis existentes no quarteirão trabalhado. Tempo de Aplicação (min) : Preencher com o tempo gasto em minutos para realização do trabalhado no quarteirão. Local (P=Peri; I= Intra; IP= Intra/Peri): Preencher com os locais de aplicação: P= Peridomicílio, I= Intradomicílio, IP= Intra e Peridomicílio. Consumo (L): Calda: Informar o quantitativo - em litros, da solução utilizada no equipamento. Combustível: Preencher com o quantitativo, em litros, de combustível gasto no quarteirão. Operador 1 e Operador 2: Preencher com o nome legível dos servidores responsáveis pela operação. A DIGITAÇÃO SERÁ FEITA NO FAD POR MEIO DO REGISTRO DIÁRIO.

17 17

18 18 PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DA DENGUE - PNCD REGISTRO DIÁRIO DE UBV - FAD UBV2 Município: nome oficial do município. Ex: CAÇAPAVA DO SUL Equipamento: 1-Pesado ou 2-Portátil Tipo de atividade de Nebulização: 1-Surto/Epidemia ou 3-Portátil p/apoio a UBV pesado. Semana Epidemiológica: Utilizar calendário epidemiológico Inseticida: Preencher com o nome do inseticida autorizado para utilização no programa conforme as instruções vigentes do MS. Formulação e concentração produto comercial Dose de ingrediente ativo g/ha: Preencher com a dose de ingrediente ativo preconizado pelo MS. Vazão prevista (ml/minuto): Preencher com a vazão do equipamento. Dia: Preencher com o dia da realização da atividade. Localidade (código/nome): CENTRO Categoria da Localidade: BAIRRO ou POVOADO (BIR) ou (PV) Ciclo/Ciclos programados: Preencher com o número do ciclo que está sendo realizado e o número de ciclos que serão realizados/programados. Ex: 01/04. Quarteirões tratados: Preencher com o número dos quarteirões em que o trabalho foi realizado. Tempo de aplicação (minutos): Preencher com o tempo gasto em minutos para realização do trabalho. Consumo (litros) Calda: Preencher com o quantitativo de calda (solução), em litros, aplicada nos quarteirões. Combustível: Preencher com o quantitativo, em litros, de combustível gasto nos quarteirões, no equipamento e no veiculo. Km percorrido: Preencher com a quilometragem feita no percurso. Motorista, Operador 1 e Operador 2: Preencher com o nome legível dos servidores responsáveis pela operação.

19 19

20 20 PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DA DENGUE - PNCD RESUMO SEMANAL DE UBV - FAD - UBV3 Controle Digitação: Número que o FAD gera na hora da digitação. ESTE FORMULÁRIO É USADO PARA RESUMO DAS ATIVIDADES DE UBV. O RESUMO SEMANAL É REALIZADO POR LOCALIDADE. A DIGITAÇÃO SERÁ FEITA NO FAD POR MEIO DO RESUMO SEMANAL DE UBV.

PLANILHA ELETRÔNICA RELATORIODENGUE.xls. versão 2014

PLANILHA ELETRÔNICA RELATORIODENGUE.xls. versão 2014 CEVS/DVAS/PECD/PEVAa Programa Estadual de Controle da Dengue Programa Estadual de Vigilância do Aedes aegypti e Seção de Reservatórios e Vetores/ Instituto de Pesquisas Biológicas Laboratório Central /

Leia mais

Programa de Controle da Dengue/SC

Programa de Controle da Dengue/SC Programa de Controle da Dengue/SC Estratégia operacional de prevenção e controle da dengue para municípios não infestados por Aedes aegypti, infestados por Aedes aegypti sem circulação viral e infestados

Leia mais

Resultado do LIRAa. Março / 2014. Responsáveis pela Consolidação dos Dados: Romário Gabriel Aquino 18048 Bruno Rodrigues Generoso 17498

Resultado do LIRAa. Março / 2014. Responsáveis pela Consolidação dos Dados: Romário Gabriel Aquino 18048 Bruno Rodrigues Generoso 17498 Resultado do LIRAa Março / 2014 Responsáveis pela Consolidação dos Dados: Romário Gabriel Aquino 18048 Bruno Rodrigues Generoso 17498 Levantamento Rápido de Índices LIRAa O LIRAa foi desenvolvido em 2002,

Leia mais

VIGILÂNCIA ENTOMOLÓGICA DO VETOR DA DENGUE SANTA ROSA/RS NOVEMBRO/07

VIGILÂNCIA ENTOMOLÓGICA DO VETOR DA DENGUE SANTA ROSA/RS NOVEMBRO/07 VIGILÂNCIA ENTOMOLÓGICA DO VETOR DA DENGUE SANTA ROSA/RS NOVEMBRO/07 DENGUE A DOENÇA Doença febril aguda, de etiologia viral, transmitida pela fêmea do mosquito Aedes aegypti.. Existem 4 sorotipos do

Leia mais

Diagnóstico Rápido nos Municípios para Vigilância Entomológica do Aedes aegypti no Brasil LIRAa

Diagnóstico Rápido nos Municípios para Vigilância Entomológica do Aedes aegypti no Brasil LIRAa MINISTÉRIO DA SAÚDE DIAGNÓSTICO RÁPIDO NOS MUNICÍPIOS PARA VIGILÂNCIA ENTOMOLÓGICA DO AEDES AEGYPTI NO BRASIL LIRAa METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES DE BRETEAU E PREDIAL BRASÍLIA - DF MINISTÉRIO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PREFEITURA E DOS VIZINHOS NO COMBATE À DENGUE!

A IMPORTÂNCIA DA PREFEITURA E DOS VIZINHOS NO COMBATE À DENGUE! A IMPORTÂNCIA DA PREFEITURA E DOS VIZINHOS NO COMBATE À DENGUE! O mosquito da Dengue se prolifera em "em silêncio". Gosta de "sombra e água limpa". O melhor jeito de combatê-lo é eliminando os criadouros

Leia mais

DESAFIOS E INOVAÇÕES NO CONTROLE DA DENGUE

DESAFIOS E INOVAÇÕES NO CONTROLE DA DENGUE PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE / Secretaria Municipal de Saúde Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde DESAFIOS E INOVAÇÕES NO CONTROLE DA DENGUE Vigilância epidemiológica e controle vetorial

Leia mais

Programa Estadual de Controle da Doença de Chagas

Programa Estadual de Controle da Doença de Chagas Programa Estadual de Controle da Doença de Chagas A Divisão de Vigilância Ambiental em Saúde / Centro Estadual de Vigilância em Saúde (DVAS/CEVS) e o Instituto de Pesquisas Biológicas Laboratório Central

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde

Secretaria de Estado da Saúde Aedes aegypti ovos larvas pupas Inseto adulto Aedes aegypti É o mosquito que transmite Dengue Leva em média 7 dias de ovo a adulto; Tem hábitos diurnos; Vive dentro ou próximo de habitações humanas; A

Leia mais

DIVISÃO DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE

DIVISÃO DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE Área de dispersão do vetor Aedes aegypti Originário da África tropical e introduzido nas Américas durante a colonização

Leia mais

Treinamento de Agentes de Combate as Endemias

Treinamento de Agentes de Combate as Endemias Treinamento de Agentes de Combate as Endemias 1 OPERAÇÕES DE CAMPO Tratamento Lucivaldo Farias Maciel AG. Endemias SVS/MS Educador em Saúde e Mob. Social 3ªCRES/SESA Lucivaldo.maciel@saude.ce.gov.br 2

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS CETAM. Centro de Educação Tecnológica do Amazonas

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS CETAM. Centro de Educação Tecnológica do Amazonas GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS CURSO INTRODUTÓRIO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA PARA AGENTES DE COMBATE AS ENDEMIAS ALUNO (A): PROFESSOR (A): CETAM Centro de Educação Tecnológica do Amazonas SUMÁRIO

Leia mais

Controle do Aedes aegypti e ações intersetoriais

Controle do Aedes aegypti e ações intersetoriais II eminário DENGUE: desafios para políticas integradas de ambiente, atenção e promoção da saúde Controle do Aedes aegypti e ações intersetoriais Instituto Oswaldo Cruz FIOCUZ Laboratório Fisiologia e Controle

Leia mais

PROCESSO SELETIVO Nº 02/2010 AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS

PROCESSO SELETIVO Nº 02/2010 AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO DE SELEÇÃO E INGRESSO PROCESSO SELETIVO Nº 02/2010 AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS ETAPA 2 CURSO INTRODUTÓRIO INSTRUÇÕES

Leia mais

2. Operações de emergência

2. Operações de emergência Programa Nacional de Controle da Dengue CGPNCD/DEVEP Controle vetorial da Dengue (duas operações básicas) 1. Operações de rotina 2. Operações de emergência 1 Controle da Dengue (duas operações básicas)

Leia mais

LEVANTAMENTO RÁPIDO DE ÍNDICES PARA AEDES AEGYPTI LIRAa PARA VIGILÂNCIA ENTOMOLÓGICA DO AEDES AEGYPTI NO BRASIL

LEVANTAMENTO RÁPIDO DE ÍNDICES PARA AEDES AEGYPTI LIRAa PARA VIGILÂNCIA ENTOMOLÓGICA DO AEDES AEGYPTI NO BRASIL LEVANTAMENTO RÁPIDO DE ÍNDICES PARA AEDES AEGYPTI LIRAa PARA VIGILÂNCIA ENTOMOLÓGICA DO AEDES AEGYPTI NO BRASIL METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES DE BRETEAU E PREDIAL E TIPO DE RECIPIENTES MINISTÉRIO

Leia mais

SALA DE SITUAÇÃO DA DENGUE (SSD), 2009 Informe técnico Atualizado em. Município - Colíder

SALA DE SITUAÇÃO DA DENGUE (SSD), 2009 Informe técnico Atualizado em. Município - Colíder MINISTÉRIO DA SAÚDE DE MATO GROSSO SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE ATENÇÃO: Distribuição restrita aos gestores e técnicos das secretarias de saúde, com o objetivo de monitorar a situação epidemiológica

Leia mais

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia e ecologia do mosquito vetor da dengue Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia do vetor Aedes aegypti macho Aedes aegypti Aedes albopictus Mosquitos do gênero Aedes. Característica Aedes aegypti

Leia mais

Programa do curso do Agente de Comunitário de Saúde e Agente de Combate as Endemias

Programa do curso do Agente de Comunitário de Saúde e Agente de Combate as Endemias Programa do curso do Agente de Comunitário de Saúde e Agente de Combate as Endemias Biologia do Aedes Aegypti, O mosquito Aedes aegypti se desenvolve por meio de metamorfose completa e seu ciclo de vida

Leia mais

CONTROLE DA DENGUE EM BANDEIRANTES, PARANÁ: IMPORTÂNCIA DA CONTINUIDADE

CONTROLE DA DENGUE EM BANDEIRANTES, PARANÁ: IMPORTÂNCIA DA CONTINUIDADE CONTROLE DA DENGUE EM BANDEIRANTES, PARANÁ: IMPORTÂNCIA DA CONTINUIDADE DAS AÇÕES PREVENTIVAS Marcelo Henrique Otenio 1 Regina H. F. Ohira 2 Simone Castanho S. Melo 3 Ana Paula Lopes Maciel 4 Edmara Janey

Leia mais

Clique neste ícone para visualizar o índice

Clique neste ícone para visualizar o índice Clique neste ícone para visualizar o índice OUTUBRO / 2008 1 MEDIDA DA INFESTAÇÃO DE CIDADES E DE ÁREAS MENORES, UTILIZANDO A ARMADILHA ADULTRAP QUE CAPTURA ADULTO DE Aedes aegypti. A expansão territorial

Leia mais

Plano de Ação do Agente Comunitário de Saúde para combate ao Aedes aegypti

Plano de Ação do Agente Comunitário de Saúde para combate ao Aedes aegypti SECRETÁRIA ESTADUAL DE SAÚDE DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Plano de Ação do Agente Comunitário de Saúde para combate ao Aedes aegypti Porto Alegre - RS 2016 SECRETÁRIA

Leia mais

Dengue: situação epidemiológica e estratégias de preparação para 2014

Dengue: situação epidemiológica e estratégias de preparação para 2014 Dengue: situação epidemiológica e estratégias de preparação para 2014 Secretaria de Vigilância em Saúde Jarbas Barbosa 11 de novembro de 2013 Casos Prováveis e internações por dengue/fhd Brasil, 1986-2013*

Leia mais

Situação da Dengue no Rio Grande do Sul. Francisco Zancan Paz Secretário Adjunto e Diretor Geral Secretaria Estadual da Saúde/RS

Situação da Dengue no Rio Grande do Sul. Francisco Zancan Paz Secretário Adjunto e Diretor Geral Secretaria Estadual da Saúde/RS Situação da Dengue no Rio Grande do Sul Francisco Zancan Paz Secretário Adjunto e Diretor Geral Secretaria Estadual da Saúde/RS VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Vigilância Epidemiológica Processo contínuo e sistemático

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE BELA VISTA DE MINAS ESTADO DE MINAS GERAIS

CÂMARA MUNICIPAL DE BELA VISTA DE MINAS ESTADO DE MINAS GERAIS PROJETO DE LEI N. º 013 /2013. A Câmara Municipal de Bela Vista de Minas decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Institui a Política Municipal de Prevenção, Controle e Combate à Dengue, sob a denominação

Leia mais

Alcançado (b) Número total de casos notificados. Número total de notificações negativas recebidas

Alcançado (b) Número total de casos notificados. Número total de notificações negativas recebidas INSTRUTIVO PARA PREENCHIMENTO DO ROTEIRO DE ACOMPANHAMENTO DA PROGRAMAÇÃO PACTUADA INTEGRADA DE EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DE DOENÇAS PPI-ECD - NAS UNIDADES FEDERADAS 1 2 Este instrutivo contém informações

Leia mais

Francisco Paz 09/12/2015

Francisco Paz 09/12/2015 Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado de Saúde DENGUE, CHIKUNGUNYA E ZIKA VÍRUS: DESAFIOS PARA A GESTÃO Plano de Intensificação do combate ao Aedes aegypti Francisco Paz 09/12/2015 Ações estaduais

Leia mais

Planejamento Integrado de Visitas Domiciliares - Nova Perspectiva aos Gestores Municipais para eficiência e economia no controle da dengue

Planejamento Integrado de Visitas Domiciliares - Nova Perspectiva aos Gestores Municipais para eficiência e economia no controle da dengue Planejamento Integrado de Visitas Domiciliares - Nova Perspectiva aos Gestores Municipais para eficiência e economia no controle da dengue Fundamentação Ponto passivo/superado ÉOBRIGAÇÃO DE TODOS OS AGENTES,

Leia mais

Dengue, Chikungunya e Zika

Dengue, Chikungunya e Zika SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DA PARAÍBA GERENCIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Dengue, Chikungunya e Zika Nº 01/2016 Situação epidemiológica De 01 a 25 de janeiro de 2016 ( 4ª* semana epidemiológica

Leia mais

Nota Técnica N.º 29 /14 Recife, 09 de outubro de 2014. Assunto: Notificação dos casos suspeitos da Febre Chikungunya

Nota Técnica N.º 29 /14 Recife, 09 de outubro de 2014. Assunto: Notificação dos casos suspeitos da Febre Chikungunya Nota Técnica N.º 29 /14 Recife, 09 de outubro de 2014 Assunto: Notificação dos casos suspeitos da Febre Chikungunya 1. Características da doença A Febre do Chikungunya (CHIKV) é uma doença causada por

Leia mais

EQUIPE AGENTES DE ENDEMIAS TAILENE RAMBO SCHARDONG - 2641 VIANEI ANTONINO STEIN 2645 LUCAS COSTA DA ROSA 2647 JOSÉ BERWANGER - 2640

EQUIPE AGENTES DE ENDEMIAS TAILENE RAMBO SCHARDONG - 2641 VIANEI ANTONINO STEIN 2645 LUCAS COSTA DA ROSA 2647 JOSÉ BERWANGER - 2640 MUNICÍPIO DE PORTÃO População: 28583 (Censo IBGE 2007) Imóveis: 9981 (Censo IBGE 2007) Agentes de Endemias: 4 agentes Dpt VIGILÂNCIA SANITÁRIA E AMBIENTAL ENDEREÇO: Rua 09 de Outubro, 313 3 Andar TELEFONE:

Leia mais

Larvas do mosquito da dengue tem local propício para proliferação em canteiros de obras de Manaus

Larvas do mosquito da dengue tem local propício para proliferação em canteiros de obras de Manaus Comunicação e Marketing Ltda Veículo: Editoria: Notícias www.acritica.uol.com.br Coluna: -- Assunto: Larvas do mosquito da dengue tem local propício para proliferação em canteiros de obras de Manaus Origem:

Leia mais

2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 MINASCENTRO Belo Horizonte - MG

2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 MINASCENTRO Belo Horizonte - MG 2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 MINASCENTRO Belo Horizonte - MG Nome do Painel: Manejo Ambiental no Combate à Dengue Eixo 3. Direitos justiça ambiental e

Leia mais

BOLETIM SEMANAL DE DENGUE - GOIÁS 2012

BOLETIM SEMANAL DE DENGUE - GOIÁS 2012 Quadro 1 - Dados comparativos de dengue. Goiás, 2010, 2011 e 2012 da semana 01 a 27 (01/01 a 07/07/2012). Ano BOLETIM SEMANAL DE DENGUE - GOIÁS 2012 Total Casos Notificados 2010 115079 2011 44009 2012

Leia mais

Vigilância epidemiológica da Dengue no município de Natal

Vigilância epidemiológica da Dengue no município de Natal Prefeitura do Natal Secretaria Municipal de Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Centro de Controle de Zoonoses Data de produção: 17/2/215 Ano 8 Número 6 - Dados referente as Semanas Epidemiológica

Leia mais

Instruções para o preenchimento do Formulário 20

Instruções para o preenchimento do Formulário 20 Instruções para o preenchimento do Formulário 20 O Formulário 20 tem como finalidade a comunicação da alteração do vínculo empregatício do profissional responsável técnico ou substituto, ou seja, o profissional

Leia mais

NOTA TECNICA SAÚDE-N. 26-2015. Título: CNM alerta municípios em áreas de risco do mosquito Aedes aegypti

NOTA TECNICA SAÚDE-N. 26-2015. Título: CNM alerta municípios em áreas de risco do mosquito Aedes aegypti NOTA TECNICA SAÚDE-N. 26-2015 Brasília, 01 de dezembro de 2015. Área: Área Técnica em Saúde Título: CNM alerta municípios em áreas de risco do mosquito Aedes aegypti Fonte: Dab/MS/SAS/CNS 1. Em comunicado

Leia mais

Período de incubação nos seres humanos, varia de 3 a 15 dias, mais comum de 5 a 6 dias, isto significa que o paciente vai sentir os sintomas depois

Período de incubação nos seres humanos, varia de 3 a 15 dias, mais comum de 5 a 6 dias, isto significa que o paciente vai sentir os sintomas depois DENGUE DENGUE : DOENÇA QUE MATA DENGUE FORMAS CLÍNICAS DA DENGUE Assintomática Oligossintomática Dengue clássica Dengue grave Febre hemorrágica Dengue com Complicações transmissão Dengue é transmitida

Leia mais

Campanha de prevenção e controle da Dengue nos Campi da UFSC. Comissão Plano de Prevenção à Dengue

Campanha de prevenção e controle da Dengue nos Campi da UFSC. Comissão Plano de Prevenção à Dengue Campanha de prevenção e controle da Dengue nos Campi da UFSC Comissão Plano de Prevenção à Dengue (Portaria Nº 1829/2015/GR/UFSC) Carlos José de Carvalho Pinto CCB/MIP (Presidente) Adriana Rodrigues secretária

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde NOTA TÉCNICA Nº 03/2015 DIVEP/LACEN/SUVISA/SESAB Assunto: Casos de ZIKA Vírus e de Doença

Leia mais

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal 1. Introdução O patrimônio cultural de cada comunidade pode ser considerado a sua cédula de identidade. Por isso, cada vez mais os municípios necessitam

Leia mais

Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG

Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG Nome: Nota: INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA (LEIA ATENTAMENTE!) 1. A prova é individual

Leia mais

SMSA divulga resultado do LIRAa de Outubro de 2015

SMSA divulga resultado do LIRAa de Outubro de 2015 SMSA divulga resultado do LIRAa de Outubro de 2015 O Levantamento do Índice Rápido do Aedes aegypti LIRAa, de outubro de 2015, demonstra que 0,6% dos imóveis pesquisados em Belo Horizonte conta com a presença

Leia mais

Formulário para licenciamento de POSTOS DE LAVAGEM, OFICINAS MECÂNICAS E SIMILARES

Formulário para licenciamento de POSTOS DE LAVAGEM, OFICINAS MECÂNICAS E SIMILARES PREFEITURA MUNICIPAL DE ARROIO DO MEIO Formulário para licenciamento de POSTOS DE LAVAGEM, OFICINAS MECÂNICAS E SIMILARES DMA 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR Nome / Razão Social: CNPJ CPF End. n Bairro

Leia mais

PROJETO GINCANA CONTRA A DENGUE EM JARDIM /MS

PROJETO GINCANA CONTRA A DENGUE EM JARDIM /MS PROJETO GINCANA CONTRA A DENGUE EM JARDIM /MS 1. Caracterização da situação anterior: Cidade polo da região sudoeste de Mato Grosso do Sul, Jardim está situado na região da Serra da Bodoquena no entroncamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar, Sala 131 CEP 70.058-900 sinan@saude.gov.

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar, Sala 131 CEP 70.058-900 sinan@saude.gov. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar, Sala 131 CEP 70.058-900 sinan@saude.gov.br NOTA TÉCNICA N.º 01/2010 GT-SINAN/CIEVS/DEVEP/SVS/MS

Leia mais

Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências - 2010

Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências - 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências - 21 A Secretaria de Vigilância em Saúde, em trabalho

Leia mais

Documento RAQ. Registro Acumulado da Quilometragem FROTA SIM - SISTEMA INTEGRADO DE MANUTENÇÃO APRESENTAÇÃO + PROCEDIMENTOS

Documento RAQ. Registro Acumulado da Quilometragem FROTA SIM - SISTEMA INTEGRADO DE MANUTENÇÃO APRESENTAÇÃO + PROCEDIMENTOS Documento RAQ Registro Acumulado da Quilometragem APRESENTAÇÃO + PROCEDIMENTOS FROTA OPERAÇÃO URBANA APRESENTAÇÃO RAQ - REGISTRO ACUMULADO QUILOMETRAGEM SET OR M E S / ANO T IPO VEÍC ULO No OR DEM KM ACUM.

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009

PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009 PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009 1.Notificação AÇÃO 1.1 Realizar notificação dos casos de sífilis em gestante 48.950 casos de sífilis em gestantes notificados. 1.2 Definir Unidades

Leia mais

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Nesta Unidade da Disciplina tentaremos compreender a questão da problemática envolvida nos tratos dos assuntos atinentes a prevenção e

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE MACHADINHO D OESTE, ESTADO DE RONDÔNIA, no exercício de suas atribuições legais:

O PREFEITO MUNICIPAL DE MACHADINHO D OESTE, ESTADO DE RONDÔNIA, no exercício de suas atribuições legais: LEI MUNICIPAL Nº 864 De 31 de Março de 2.008 Estabelece normas técnicas específicas, visando ao controle e prevenção da proliferação do mosquito Aedes, transmissor da Dengue e Febre Amarela e outros vetores

Leia mais

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Orientação seguinte:

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Orientação seguinte: ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 018/2012 DATA: 31/10/2012 Luta anti vetorial contra Aedes aegypti Luta anti vetorial; Aedes aegypti; Dengue Autoridades de saúde; Departamentos e Unidades

Leia mais

ATUALIZAÇÃO CADASTRAL DO SERVIDOR MUNICIPAL

ATUALIZAÇÃO CADASTRAL DO SERVIDOR MUNICIPAL ATUALIZAÇÃO CADASTRAL DO SERVIDOR MUNICIPAL ORIENTAÇÕES SOBRE A ATUALIZAÇÃO CADASTRAL DO SERVIDOR MUNICIPAL Apresentação A Prefeitura Municipal de Goiânia realizará a atualização cadastral dos Servidores

Leia mais

RELATO DAS ATIVIDADES DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE NO COMBATE A DENGUE EM SANTA MARIA

RELATO DAS ATIVIDADES DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE NO COMBATE A DENGUE EM SANTA MARIA RELATO DAS ATIVIDADES DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE NO COMBATE A DENGUE EM SANTA MARIA A dengue é um dos principais problemas de saúde pública no mundo. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que entre 50

Leia mais

INFORME TÉCNICO SEMANAL: DENGUE, CHIKUNGUNYA, ZIKA E MICROCEFALIA RELACIONADA À INFECÇÃO PELO VÍRUS ZIKA

INFORME TÉCNICO SEMANAL: DENGUE, CHIKUNGUNYA, ZIKA E MICROCEFALIA RELACIONADA À INFECÇÃO PELO VÍRUS ZIKA 1. DENGUE Em 2015, até a 52ª semana epidemiológica (SE) foram notificados 79.095 casos, com incidência de 5.600,2/100.000 habitantes. Quando comparado ao mesmo período do ano anterior observa-se um aumento

Leia mais

Instruções para o preenchimento do Formulário 3

Instruções para o preenchimento do Formulário 3 Instruções para o preenchimento do Formulário 3 O Formulário 3 tem como finalidade a requisição para Inscrição ou Reativação de um estabelecimento no CRF-SP. A imagem foi dividida de acordo com o esquema

Leia mais

SIGDENGUE WEB - Sistema de Informação Georreferenciada via web para o Acompanhamento e Gestão de Ações sobre Dengue em Cascavel - PR

SIGDENGUE WEB - Sistema de Informação Georreferenciada via web para o Acompanhamento e Gestão de Ações sobre Dengue em Cascavel - PR Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Colegiado de Ciência da Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação SIGDENGUE WEB - Sistema de

Leia mais

NORMA DE CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA NOR 204

NORMA DE CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA NOR 204 MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO CÓD. 200 ASSUNTO: ESTABELECE CRITÉRIOS DE PROCEDIMENTOS PARA O CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA NAS DEPENDÊNCIAS DA EMPRESA CÓD: APROVAÇÃO: Resolução nº 0098/94, de 15/12/1994 NORMA

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE Prefeitura Municipal de Afonso Cláudio Estado do Espírito Santo

SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE Prefeitura Municipal de Afonso Cláudio Estado do Espírito Santo ATA DE REUNIÃO DE ORIENTAÇÃO SOBRE A IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE AFONSO CLÁUDIO E DIVULGAÇÃO DO MUTIRÃO DE LIMPEZA DE QUINTAIS E TERRENOS, REALIZADA COM OS MORADORES DOS BAIRROS BOA

Leia mais

LEVANTAMENTO RÁPIDO DO ÍNDICE DE INFESTAÇÃO POR AEDES AEGYPTI (LIRAA) DA ZONA OESTE DE LONDRINA/PR PARA O PERÍODO 2010-2013

LEVANTAMENTO RÁPIDO DO ÍNDICE DE INFESTAÇÃO POR AEDES AEGYPTI (LIRAA) DA ZONA OESTE DE LONDRINA/PR PARA O PERÍODO 2010-2013 In: Anais do VII Congresso Brasileiro de Geógrafos, Vitória: UFES/AGB,. ELIEZER ALVES FERREIRA Universidade Estadual de Londrina, eli_ezer2006@hotmail.com GILNEI MACHADO Universidade Estadual de Londrina,

Leia mais

Dengue:situação atual e desafios. Giovanini Evelim Coelho

Dengue:situação atual e desafios. Giovanini Evelim Coelho Dengue:situação atual e desafios Giovanini Evelim Coelho Coordenador da CGPNCD Zonas de risco de transmissão de dengue Fonte:OPS/OMS 100 milhões de casos por ano Número de países com notificações de dengue

Leia mais

Boletim Epidemiológico da Dengue

Boletim Epidemiológico da Dengue Boletim Epidemiológico da Dengue Dados Referentes às Semanas Epidemiológicas: 01 a 03 - Períodos de 03/01/2016 a 23/01/2016 Ano: 09 Número: 03 Data de Produção: 22/01/2016 Esse boletim está na web: www.natal.rn.gov.br/sms

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 003/2014. Prefeitura Municipal de Bom Despacho AGENTE DE CONTROLE DE ENDEMIAS

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 003/2014. Prefeitura Municipal de Bom Despacho AGENTE DE CONTROLE DE ENDEMIAS 1 - Acerca das doenças de interesse em saúde pública, estão corretas as afirmativas, EXCETO: (A) Dengue é transmitida, geralmente, pela picada do mosquito Aedes Aegypti que inocula na pessoa o vírus da

Leia mais

INFORME SEMANAL DE DENGUE, ZIKA E CHIKUNGUNYA

INFORME SEMANAL DE DENGUE, ZIKA E CHIKUNGUNYA INFORME SEMANAL DE DENGUE, ZIKA E CHIKUNGUNYA Perguntas e respostas sobre a FEBRE CHIKUNGUNYA O que é Chikungunya? É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), que pode ser transmitida

Leia mais

DENGUE. Boletim Epidemiológico Nº 06 202 De 01 janeiro a 21 de Junho de 2014 Semana Epidemiológica 25* *Dados parciais

DENGUE. Boletim Epidemiológico Nº 06 202 De 01 janeiro a 21 de Junho de 2014 Semana Epidemiológica 25* *Dados parciais Boletim Epidemiológico Nº 06 202 De 01 janeiro a 21 de Junho de 2014 Semana Epidemiológica 25* *Dados parciais Situação epidemiológica 2014 De 1º de janeiro a 21 de junho de 2014 (25ª semana epidemiológica

Leia mais

BOLETIM SEMANAL DE DENGUE - GOIÁS 2012

BOLETIM SEMANAL DE DENGUE - GOIÁS 2012 Ano SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA BOLETIM SEMANAL DE DENGUE - GOIÁS 2012 Quadro 1 - Dados comparativos de dengue. Goiás, 2011 e 2012 da semana 01 a 23 (01/01

Leia mais

Informações para Licenciamento Ambiental Municipal de PADARIAS, CONFEITARIAS E PASTELARIAS (2.640,10 Padarias, Confeitarias e Pastelarias)

Informações para Licenciamento Ambiental Municipal de PADARIAS, CONFEITARIAS E PASTELARIAS (2.640,10 Padarias, Confeitarias e Pastelarias) PADARIAS, CONFEITARIAS E PASTELARIAS (2.640,10 ) 1 - IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR Nome ou Razão Social: CNPJ: CPF: CGC/TE: Endereço (Rua/Av.) : nº: Bairro: CEP: Município: Telefone: Celular: e-mail: Contato

Leia mais

DECRETO N.º 34377 DE 31 DE AGOSTO DE 2011

DECRETO N.º 34377 DE 31 DE AGOSTO DE 2011 DECRETO N.º 34377 DE 31 DE AGOSTO DE 2011 Institui ESTADO DE ALERTA CONTRA A DENGUE e dispõe sobre a prevenção e o controle da transmissão e a atenção primária à saúde nos casos de dengue na Cidade do

Leia mais

Cândida Maria Nogueira Ribeiro

Cândida Maria Nogueira Ribeiro FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ CENTRO DE PESQUISAS AGGEU MAGALHÃES Mestrado Profissional em Saúde Pública Cândida Maria Nogueira Ribeiro FACILIDADES E LIMITAÇÕES OBSERVADAS DURANTE A IMPLANTAÇÃO DE NOVAS METODOLOGIAS

Leia mais

O que é saneamento básico?

O que é saneamento básico? O que é saneamento básico? Primeiramente, começaremos entendendo o real significado de saneamento. A palavra saneamento deriva do verbo sanear, que significa higienizar, limpar e tornar habitável. Portanto,

Leia mais

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES P.29 - Programa de Controle e Prevenção de Doenças P.30 - Plano de Ação e Controle da Malária CHTP RA 1/12 P.29 E P.30 0613 INTEGRANTES EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL

Leia mais

Plano Municipal de Combate ao Mosquito Vetor de Transmissão da Dengue

Plano Municipal de Combate ao Mosquito Vetor de Transmissão da Dengue Plano Municipal de Combate ao Mosquito Vetor de Transmissão da Dengue Funchal, Novembro de 2012 ÍNDICE Resumo executivo... 2 I Introdução... 4 II Objetivo... 5 III Estratégia de atuação... 5 IV Área de

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PO Procedimento Operacional

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PO Procedimento Operacional CONTROLE DE DOCUMENTOS E REGISTROS PO. 01 11 1 / 11 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para elaboração e controle dos documentos e registros do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ). 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA

Leia mais

ANEXO IX Fluxograma de Notificação do Município com Epidemia de Dengue

ANEXO IX Fluxograma de Notificação do Município com Epidemia de Dengue ANEXO IX Fluxograma de Notificação do Município com Epidemia de Dengue 38 37 ANEXO VIII Fluxograma de Notificação Do Município Infestado Porém sem Transmissão ANEXO VII Fluxograma de Notificação do Município

Leia mais

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO ( ) Este documento Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal; deve ser preenchido e assinado pelo requerente

Leia mais

Mais de 206 mil imóveis visitados em Combate à Dengue De acordo com a Secretaria de Saúde, 59% das vistorias previstas já foram realizadas.

Mais de 206 mil imóveis visitados em Combate à Dengue De acordo com a Secretaria de Saúde, 59% das vistorias previstas já foram realizadas. www.portalamazonia.com.br Coluna: Mais de 206 mil imóveis visitados em Combate à Dengue Mais de 206 mil imóveis visitados em Combate à Dengue De acordo com a Secretaria de Saúde, 59% das vistorias previstas

Leia mais

Sumário. Manual Frota

Sumário. Manual Frota Sumário Apresentação... 2 Home... 2 Definição do Idioma... 3 Aba Frota... 4 Abastecimento... 4 Calendário... 26 Agenda Data... 38 Agenda Km... 59 Agendamento... 81 Agendas realizadas...104 Agenda...123

Leia mais

Manual do Usuário. Pré-Cadastro de Participantes. 08.11.2004 Versão 1.1

Manual do Usuário. Pré-Cadastro de Participantes. 08.11.2004 Versão 1.1 Manual do Usuário Pré-Cadastro de Participantes 08.11.2004 Versão 1.1 Índice 1. Introdução ao Pré-Cadastro...3 1.1. Pré-Cadastro de pessoa Física...3 1.1.1. Termo...3 1.1.2. Dados de identificação...4

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA O ENFRENTAMENTO DA DENGUE NO ESTADO DE SANTA CATARINA

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA O ENFRENTAMENTO DA DENGUE NO ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA O ENFRENTAMENTO DA DENGUE NO ESTADO DE SANTA CATARINA Outubro/2015

Leia mais

Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências - 2010

Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências - 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências - 21 A Secretaria de Vigilância em Saúde, em trabalho

Leia mais

COMUNIDADE ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSERIDA NA MOBILIZAÇÃO CONTRA DENGUE

COMUNIDADE ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSERIDA NA MOBILIZAÇÃO CONTRA DENGUE COMUNIDADE ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSERIDA NA MOBILIZAÇÃO CONTRA DENGUE MACHADO, Luana Pequeno Vasconcelos¹; SOUSA, Bruna Katiele de Paula²; VALADÃO, Danilo Ferreira³; SIQUEIRA, João

Leia mais

OFICINAS MECÂNICAS E POSTOS DE LAVAGEM

OFICINAS MECÂNICAS E POSTOS DE LAVAGEM Informações para Solicitação de Licenciamento Ambiental de OFICINAS MECÂNICAS E POSTOS DE LAVAGEM no Âmbito do Município de Charqueadas (5.220,00 Oficina Mecânica / 3.421,00 Posto de Lavagem de Veículos)

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE MANUAL DE ROTINAS E PROCEDIMENTOS - ODONTOLOGIA

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE MANUAL DE ROTINAS E PROCEDIMENTOS - ODONTOLOGIA INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE MANUAL DE ROTINAS E PROCEDIMENTOS - ODONTOLOGIA Este material tem como objetivo básico servir como sugestão para elaboração do Manual de Rotinas e Procedimentos para Estabelecimentos

Leia mais

FCC. Documento. Ficha de Controle de Componentes FROTA SIM - SISTEMA INTEGRADO DE MANUTENÇÃO APRESENTAÇÃO + PROCEDIMENTOS

FCC. Documento. Ficha de Controle de Componentes FROTA SIM - SISTEMA INTEGRADO DE MANUTENÇÃO APRESENTAÇÃO + PROCEDIMENTOS Documento FCC Ficha de Controle de Componentes APRESENTAÇÃO + PROCEDIMENTOS FROTA OPERAÇÃO URBANA APRESENTAÇÃO (Frente) FCC - FICHA CONTROLE DE COMPONENTES COMPONENTE No SÉRIE SETOR DATA / /. RTM No Instalado

Leia mais

SGD - Sistema de Gestão de Documentos

SGD - Sistema de Gestão de Documentos Agosto/2012 SGD - Sistema de Gestão de Documentos Manual do Módulo Documentos Características Orientações de utilização do Módulo Documentos. Apresentação das funcionalidades. Telas explicativas e passo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ERECHIM RS CONCURSO PÚBLICO 001/2011

PREFEITURA MUNICIPAL DE ERECHIM RS CONCURSO PÚBLICO 001/2011 PREFEITURA MUNICIPAL DE ERECHIM RS CONCURSO PÚBLICO 001/2011 CONCURSOS & SERVIÇOS AVENIDA AMÂNDIO ARAÚJO, 809 EDIFÍCIO SANTA TEREZINHA SALA 10 CEP: 99.680-000 CONSTANTINA RS http://www.precisaoconcursos.com.br

Leia mais

Situação Epidemiológica da Dengue

Situação Epidemiológica da Dengue Boletim Epidemiológico Nº 03-2016 Situação Epidemiológica da Dengue Em 2016, foram notificados 510 casos suspeitos de dengue no estado do Acre até a semana epidemiológica 02(10/01/2016 a 16/01/2016). Sendo

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE Prefeitura Municipal de Afonso Cláudio Estado do Espírito Santo

SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE Prefeitura Municipal de Afonso Cláudio Estado do Espírito Santo ATA DE REUNIÃO DE ORIENTAÇÃO SOBRE A IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE AFONSO CLÁUDIO E DIVULGAÇÃO DO MUTIRÃO DE LIMPEZA DE QUINTAIS E TERRENOS, REALIZADA COM OS MORADORES DOS BAIRROS JOÃO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA AS INSTALAÇÕES DA GARAGEM

ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA AS INSTALAÇÕES DA GARAGEM PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA CONCORRÊNCIA CONCESSÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO EDITAL DE CONCORRÊNCIA

Leia mais

Tecnologia e Comércio de Equipamentos Eletrônicos LTDA PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS

Tecnologia e Comércio de Equipamentos Eletrônicos LTDA PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS Características Design inovador Controle de acesso Permite criar usuários com senhas podendo-se definir no sistema quais as funcionalidades cada

Leia mais

Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências - 2010

Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências - 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências - 21 A Secretaria de Vigilância em Saúde, em trabalho

Leia mais

AÇÃO DE COMBATE À DENGUE: Micro-Crédito para Vedação de Caixas D água no Bairro Alto do Cristo Sobral/Ceará

AÇÃO DE COMBATE À DENGUE: Micro-Crédito para Vedação de Caixas D água no Bairro Alto do Cristo Sobral/Ceará AÇÃO DE COMBATE À DENGUE: Micro-Crédito para Vedação de Caixas D água no Bairro Alto do Cristo Sobral/Ceará 2004 Autores: Ondina Canuto (Assistente Social/Saúde) Sônia Forte (Assistente Social/SDUMA) Marli

Leia mais

Desenvolvimento de um Sistema de Informação em Dengue para o Município de Cascavel/PR Rodolfo Lorbieski

Desenvolvimento de um Sistema de Informação em Dengue para o Município de Cascavel/PR Rodolfo Lorbieski Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Colegiado de Ciência da Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Desenvolvimento de um Sistema

Leia mais

Secretaria de Estado de Saúde Pública UHE BELO MONTE AÇÕES MITIGADORAS NA REGIÃO DE SÁUDE DO XINGU

Secretaria de Estado de Saúde Pública UHE BELO MONTE AÇÕES MITIGADORAS NA REGIÃO DE SÁUDE DO XINGU Secretaria de Estado de Saúde Pública UHE BELO MONTE AÇÕES MITIGADORAS NA REGIÃO DE SÁUDE DO XINGU PLANO BÁSICO AMBIENTAL Saúde Equipamentos de saúde Controle da malária Saúde indígena O Plano de Saúde

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Itiúba, Estado Da Bahia Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. DECRETO Nº 451, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2015.

A Prefeitura Municipal de Itiúba, Estado Da Bahia Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. DECRETO Nº 451, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2015. ANO. 2015 DIÁRIO DO MUNICÍPIO DE ITIÚBA- BAHIA PODER EXECUTIVO ANO. V - EDIÇÃO Nº 00577 A Prefeitura Municipal de Itiúba, Estado Da Bahia Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. 13 DE NOVEMBRO

Leia mais

SUMÁRIO MANUAL DE INCLUSÃO DE PESSOA JURÍDICA INSTRUÇÕES GERAIS...2. Bancárias...9 Principais Clientes...9 1. CABEÇALHO...3

SUMÁRIO MANUAL DE INCLUSÃO DE PESSOA JURÍDICA INSTRUÇÕES GERAIS...2. Bancárias...9 Principais Clientes...9 1. CABEÇALHO...3 SUMÁRIO INSTRUÇÕES GERAIS...2 1. CABEÇALHO...3 2. INFORMAÇÕES CADASTRAIS...4 Cliente...4 Contador...5 3. ENDEREÇOS...6 Sede Social...6 Endereço Anterior...6 Endereço Alternativo...6 4. INFORMAÇÕES DOS

Leia mais

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE DENGUE O que é? A dengue é uma doença febril aguda, causada por vírus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti (Brasil e Américas) e Aedes albopictus (Ásia). Tem caráter epidêmico, ou seja, atinge um grande

Leia mais

Perguntas frequentes:

Perguntas frequentes: Perguntas frequentes: 1. Enade 1.1. Qual a legislação pertinente ao Enade? Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004: Criação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) Portaria Normativa

Leia mais

22 o. Prêmio Expressão de Ecologia

22 o. Prêmio Expressão de Ecologia 22 o. Prêmio Expressão de Ecologia 2014-2015 Feira Feira Comunidade troca lixo reciclável por alimentos Feira Fotos: Projeto: Lixo que Vale: Faça Sua Parte, Faça a Diferença Organização: Prefeitura Municipal

Leia mais

ESTADO DO TOCANTINS MUNICÍPIO DE COLINAS DO TOCANTINS LEI MUNICIPAL Nº 1.376, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2014.

ESTADO DO TOCANTINS MUNICÍPIO DE COLINAS DO TOCANTINS LEI MUNICIPAL Nº 1.376, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2014. ESTADO DO TOCANTINS MUNICÍPIO DE COLINAS DO TOCANTINS LEI MUNICIPAL Nº 1.376, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2014. Cria gratificação de produtividade aos Agente de Combate a Endemias, Agente de Controle Químico

Leia mais