Vitamina D: Uma Revisão Baseada em Evidência

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vitamina D: Uma Revisão Baseada em Evidência"

Transcrição

1 Vitamina D: Uma Revisão Baseada em Evidência Teresa Kulie, MD, Amy Groff, DO, Jackie Redmer, MD, MPH, Jennie Hounshell, MD, and Sarina Schrager, MD, MS Vitamina D é uma vitamina lipossolúvel que desempenha um papel importante no metabolismo ósseo e parece ter algumas propriedades anti-inflamatórias e imunomoduladoras. Adicionalmente, estudos epidemiológicos recentes observaram relações entre o baixo nível de vitamina D e múltiplos estados de doença. Baixos níveis de vitamina D estão associados com mortalidade geral e cardiovascular aumentada, incidência e mortalidade por câncer, e doença autoimune como esclerose múltipla. Embora seja bem conhecido que a combinação de vitamina D e cálcio seja necessária para manter a densidade óssea em pessoas idosas, a vitamina D também pode ser um fator de risco independente para quedas entre idosos. Recentes recomendações do American Academy of Pediatrics dirigem-se à necessidade de suplementação em recém-nascidos lactentes e muitas questões são levantadas relativas ao papel da suplementação materna durante lactação. Desafortunadamente, pouca evidência orienta os clínicos em quando selecionar para deficiência de vitamina D ou opções eficazes de tratamento. J Am Board Fam Med 2009;22: Antecedentes e Fisiologia Vitamina D é um precursor de hormônio que está presente em 2 formas. Ergocalciferol, ou vitamina D 2, está presente em plantas e alguns peixes. Colecalciferol, ou vitamina D 3, é sintetizada na pele através da luz solar. Humanos podem suprir suas exigências de vitamina D ou ingerindo vitamina D ou sendo exposto ao sol durante bastante tempo para produzir a quantidade adequada. Vitamina D controla a absorção de cálcio no intestino delgado e trabalha com hormônio da paratireóide para mediar a mineralização do esqueleto e manter homeostasia de cálcio no fluxo sanguíneo. Adicionalmente, recentes estudos epidemiológicos observaram relações entre baixo nível de vitamina D e múltiplos estados de doença, provavelmente causado por suas propriedades anti-inflamatórias e imunomoduladoras e possível efeito nos níveis de citocinas. Vitamina D 3 pode ser produzida na pele via raios ultravioleta (UV) B. Raios UVB só estão presentes durante o meio-dia em latitudes mais altas e não penetram nas nuvens. O tempo necessário para produzir a quantidade adequada de vitamina D na pele depende da intensidade dos raios UVB (i.e., local da residência), a duração de exposição ao sol, e a quantidade de pigmento na pele. Câmaras de bronzeando fornecem níveis variáveis de raios UVA e UVB e não são então, uma fonte segura de vitamina D. This article was externally peer reviewed. Submitted 27 February 2009; revised 10 July 2009; accepted 13 July From the Department of Family Medicine, University of Wisconsin, Madison. Funding: none. Conflict of interest: none declared. Corresponding author: Sarina Schrager, MD, MS, Department of Family Medicine, University of Wisconsin, 777 S. Mills St., Madison, WI ( Vitamina D 3 é sintetizada do 7- dehidrocolesterol na pele. A proteína ligadora de vitamina D transporta a vitamina D 3 para o fígado onde sofre hidroxilação a 25(OH)D (a forma inativa da vitamina D) e então para os rins onde é hidroxilada pela enzima 1 -hidroxilase para 1,25(OH)D, sua forma ativa. 1 Esta enzima também está presente em uma variedade de sítios extrarrenais, inclusive osteoclastos, pele, cólon, cérebro, e macrófagos, que pode ser a causa de seus efeitos de amplo alcance. 1 A meia-vida da vitamina D no fígado é de aproximadamente 3 semanas, que ressalta a necessidade por reposição freqüente do estoque do corpo. Vitamina D e Mortalidade Vitamina D pode ser um determinante de mortalidade por causa de seus efeitos anti-inflamatório e imunomodulador. Foi usado para tratar hiperparatireoidismo secundário em pessoas em diálise. Estudos retrospectivos mostram que a suplementação de vitamina D está associada com mortalidade diminuída em pessoas em diálise. 2 Baixos níveis séricos de vitamina D também estão relacionados a mortalidade aumentada na maioria dos pacientes com doença renal crônica antes da diálise. 3 Porém, não há nenhum estudo prospectivo randomizado examinando esta relação. 4 Em pacientes que não estão em diálise, baixos níveis de vitamina D estão associados com níveis aumentados de inflamação e carga oxidativa. Um estudo prospectivo de mais de 3000 pacientes masculinos e femininos agendados para angiografia coronariana encontrou uma associação positiva entre baixo nível de vitamina D e mortalidade cardiovascular como também por todas as causas. 5 Análise de dados do National Health and Nutrition Examination Survey III (mais de 13,000 adultos) mostrou que as pessoas com nível de vitamina D no J Am Board Fam Med

2 quartil mais baixo tiveram uma razão de taxa de mortalidade de 1.26 (95% CI, ). 6 Uma meta-análise recente demonstrou que a ingestão de um suplemento de vitamina D a doses normais foi associada com taxas diminuídas de mortalidade por todas as causas. 7 Estes dados sugerem que a vitamina D pode desempenhar uma parte nas múltiplas causas de morte, embora causalidade não tenha sido determinada. Vitamina D e Doença Cardiovascular Receptores da vitamina D estão presentes no músculo liso vascular, endotélio, e cardiomiócitos e podem ter um impacto na doença cardiovascular. Estudos observacionais mostraram uma relação entre o baixo nível de vitamina D e pressão sanguínea, calcificação de artéria coronária e doença cardiovascular existente. Um estudo de coorte grande que incluiu mais de 1700 participantes do Framingham Offspring Study visou os níveis de vitamina D e incidência de eventos cardiovasculares. 8 Durante um período de 5 anos, participantes que tiveram nível de 25-OH D < 15 foram mais prováveis de experimentar eventos cardiovasculares (razão de risco, 1.62; 95% CI, ). A relação permaneceu significante entre as pessoas com hipertensão, mas não entre aqueles sem hipertensão. 8 Vitamina D e Diabetes Estudos recentes em modelos animais e humanos sugeriram que a vitamina D também possa desempenhar um papel na homeostasia do metabolismo de glicose e o desenvolvimento diabetes mellitus (DM) tipo 1 e tipo 2. Dados epidemiológicos têm sugerido há muito tempo uma ligação entre exposição precoce a vitamina D em vida e o desenvolvimento de DM tipo 1. 9,10 Receptores da vitamina D 3 têm fortes efeitos imunomoduladores. Em algumas populações o desenvolvimento de DM tipo 1 está associado com polimorfismos no gene do receptor da vitamina D. 11,12 Também há alguma evidência que a ingestão aumentada de vitamina D por crianças pode reduzir o risco do desenvolvimento de DM tipo Vitamina D foi recentemente associada com vários dos fatores contributivos conhecidos para ser associado ao desenvolvimento de DM tipo 2, inclusive defeitos na função da célula pancreática, sensibilidade à insulina e inflamação sistêmica. Foram propostos vários mecanismos fisiológicos, inclusive o efeito da vitamina D na secreção da insulina, o efeito direto do cálcio e vitamina D na ação da insulina e o papel deste hormônio na regulação de citocinas. 9,12,13 Embora a maioria dos estudos que indicam esta relação seja observacional, uma meta-análise mostrou uma associação relativamente consistente entre baixo estado de vitamina D, cálcio ou ingestão de laticínios e prevalência de DM tipo 2 ou síndrome metabólica. O estudo concluiu que a mais alta prevalência de DM tipo 2, 0.36 (95% CI, ), entre participantes que não eram negros estava associada com os mais baixos níveis de 25-hidroxivitamina D no sangue. Adicionalmente, a prevalência da síndrome metabólica de 0.71 (95% CI, ) foi mais alta entre aqueles com mais baixa ingestão de laticínios. Também havia uma relação inversa entre DM tipo 2 e incidência de síndrome metabólica e vitamina D e ingestão de cálcio. 14 Vitamina D e Osteoporose Osteoporose é a doença óssea metabólica mais comum no mundo. Um baixo nível de vitamina D é um fator de risco estabelecido para osteoporose. Níveis inadequados de vitamina D do soro diminuem a absorção de transcelular ativa de cálcio. Embora a combinação de cálcio e suplementação de vitamina D estejam associados com mais alta densidade mineral óssea e incidência diminuída de fraturas de quadril, 15 a evidência para suplementação de vitamina D isolada está menos clara. Um recente resumo de evidência encontrou que a suplementação diária de vitamina D a doses de mais de 700 UI (mais cálcio) preveniu a perda óssea comparada com placebo. 16 Porém, suplementação de vitamina D (300 a 400 UI diariamente) sem cálcio não afetou as fraturas. 16 Uma revisão do Cochrane encontrou evidência não clara que a vitamina D isolada afetou o quadril, vértebras, ou outras taxas de fraturas, mas apoiou o uso de vitamina D com cálcio em idosos residentes em casa de cuidados. 17 Uma meta-análise subseqüente de trabalhos visando a vitamina D e taxas de fratura concordou que o cálcio também foi necessário para afetar uma diferença significante. 18 A mais recente meta-análise de 12 trabalhos controlados, randomizados que incluíram mais de 42,000 pessoas encontrou que a suplementação de mais de 400 UI de vitamina D diariamente reduziu ligeiramente a incidência de fraturas não vertebrais (razão de taxa, 0.86; 95% CI, ). 19 O efeito foi dose-dependente e não foi significante se as doses fossem 400 UI diariamente. Vitamina D e Quedas entre o Idoso O estado de vitamina D é crescentemente reconhecido como um fator importante no estado de queda entre pacientes idosos. Vários estudos demonstraram que a suplementação de vitamina D diminui o risco de queda. Um mecanismo proposto é que mais altos níveis de vitamina D estão associados com a função muscular melhorada. Um estudo Australiano randomizado, controlado avaliou mulheres com pelo menos uma queda em 12 meses precedentes e com um nível plasmático de 25-hidroxivitamina D < 24.0 ng/ml. 20 J Am Board Fam Med

3 Todas as mulheres foram receberam 1000 mg de cálcio por dia e foram randomizadas para receber ou 1000 UI de ergocalciferol por dia ou placebo. Mulheres no grupo de estudo tiveram menos quedas depois de 12 meses, mas este não foi uma diferença significante (53% versus 62.9%; odds ratio, 0.66; 95% CI, ). Depois da correção para diferença de altura nos 2 grupos, o grupo ergocalciferol teve significativamente mais baixo risco de queda (odds ratio, 0.61; 95% CI, ). Uma dose de 800 UI diariamente reduziu significativamente o risco de queda comparado com um placebo em uma análise dose-estratificada do efeito de 5 meses de suplementação de vitamina D no risco de queda (72% mais baixa razão de taxa de incidência; razão de taxa, 0.28; 95% CI, ). Porém, mais baixas doses de vitamina D não alterou significativamente a taxa de incidência de queda comparada ao placebo. 21 Uma revisão de 12 estudos randomizados, controlados avaliando o efeito da suplementação de vitamina D no risco de queda entre residentes de casa de cuidados e moradores da comunidade encontrou um pequeno benefício da suplementação no risco de queda (odds ratio, 0.89; 95% CI, ), 9 um efeito que também foi mostrado em uma revisão de estudos randomizados, controlados com critérios rígidos de inclusão que incluíram 1237 homens e mulheres com uma idade média de 70 anos e suplementação por 2 meses a 3 anos. Os resultados agrupados mostraram uma redução significante de 22% no risco de queda entre aqueles tratados com vitamina D versus placebo ou cálcio isolado. O número necessário para tratar dos resultados agrupados foi 15 para prevenir 1 pessoa de queda 22. Avaliando os níveis de vitamina D em uma população de alto risco de queda e suplementar diariamente com 800 a 1000 UI de vitamina D deveria ser uma parte de qualquer programa de prevenção de queda. Vitamina D e Câncer Ambos os estudos observacionais em modelos de animais e humanos suportam que a vitamina D tem um papel benéfico na prevenção de câncer e sobrevivência. O mecanismo de ação provavelmente está relacionado ao seu papel na regulação do crescimento e diferenciação celular. 23 No estudo Health Professionals Follow-Up (um estudo de coorte de 1095 homens), cada incremento no nível de 25(OH)D de 25 mmol/l foi associado com uma redução de 17% do total de casos de câncer. 24 Porém, o National Health and Nutrition Examination Survey de 16,818 homens e mulheres não encontrou uma relação entre o total de mortalidade por câncer e nível de vitamina D. Porém, houve uma relação inversa entre o nível de vitamina D e câncer colorretal. Neste estudo, níveis séricos de 25(OH)D 80 nmol/l conferiu uma redução de 72% no risco de câncer colorretal comparado com um nível mais baixo que 50 nmol/l. 25 Uma recente meta-análise de 63 estudos observacionais visou a relação entre o nível de vitamina D e incidência de câncer e mortalidade. 26 Vinte dos 30 estudos que visaram a vitamina D e câncer de cólon mostraram que as pessoas com mais alto níveis de vitamina D ou tiveram uma mais baixa incidência de câncer de cólon ou mortalidade diminuída. Semelhantemente, 9 de 13 estudos sobre câncer de mama e 13 de 26 estudos sobre câncer de próstata mostraram efeitos benéficos dos viveis de vitamina D em incidência de câncer ou mortalidade (alguns dos estudos incluíram mais de um tipo de câncer). 26 Um estudo randomizado, controlado, baseado em população encontrou que mulheres na pós-menopausa as quais foram suplementadas com cálcio e vitamina D tiveram um risco reduzido de câncer depois do primeiro ano de tratamento (razão de taxa, 0.232; 95% CI, ). 27 Não houve um grupo que foi suplementado apenas com vitamina D. Vitamina D e Esclerose Múltipla Esclerose múltipla (MS) é uma doença autoimune, neurodegenerativa, mediada por linfócito T, de etiologia incerta. Embora suscetibilidade genética possa estar envolvida, estudos epidemiológicos sugerem a influência ambiental devido o desenvolvimento de MS se correlacionar fortemente com a latitude ascendente em ambos os hemisférios norte e sul. 28 Estudos migratórios mostram que o risco pode ser modificado a uma idade precoce de ambas baixa para alta e alta para baixa taxas de prevalência. 28 Exposição ao sol na infância precoce está associada com risco reduzido de desenvolver MS 29 e estudos de base populacional sobre MS no Canadá também mostrou que o período do nascimento é um fator de risco para MS porque há estatisticamente significativamente menos pacientes com MS nascidos em novembro e mais nascidos em maio comparado com controles. 30 Uma associação do período de nascimento sugere que sazonalidade e exposição à luz solar também possam ter um efeito no desenvolvimento do feto no útero. 30,31 Vários estudos mostraram que a vitamina D afeta o crescimento e diferenciação das células imunomoduladoras como macrófagos, células dendríticas, células T e células B Este efeito imunomodulador tem implicações para uma variedade de doenças autoimunes inclusive artrites reumáticas, lúpus eritematoso sistêmico, DM tipo I, doença inflamatória do intestino e MS. 33 Apesar da riqueza de estudos epidemiológicos que apóiam uma relação entre nível de vitamina D e MS em humanos, dados mostrando uma ligação entre vitamina D sérica e MS estão apenas começando a surgir. Um estudo casocontrole, prospectivo, aninhado, examinou as J Am Board Fam Med

4 amostras de soro de 7 milhões de militares veteranos e comparados às amostras de soro de 257 pacientes com MS antes do diagnóstico com aqueles dos controles emparelhados. 35 Foi encontrada uma relação inversa entre o nível de vitamina D e risco de MS, particularmente para os níveis de vitamina D medidos em pacientes mais jovens que 20 anos. Outro estudo caso-controle comparou o nível sérico de vitamina D de 103 pacientes com MS com 110 controles e encontrou que para cada aumento de 10- nmol/l no nível sérico de 25(OH)D reduziu o risco de MS de 19% em mulheres, sugerindo um efeito protetor de níveis de vitamina D mais altos. 36 Em adição, uma correlação negativa foi encontrada entre contagens da Expanded Disability Status Scale entre os pacientes femininos com MS e níveis de 25(OH)D. Vários outros estudos apoiaram o achado que mais baixos níveis de vitamina D em pacientes com MS estão associados com inaptidão mais severa. 37 Também foram informados mais baixos níveis durante recaídas em pacientes com MS remitente-recorrente Os potenciais efeitos da ingestão oral de vitamina D foram observados de vários modos diferentes. Um estudo caso-controle Norueguês encontrou que o óleo de peixe e de fígado de bacalhau tem um efeito protetor contra o desenvolvimento de MS. 29 Um grande estudo observacional nos Estados Unidos que acompanhou 2 grandes coortes de mulheres - o Nurses Health Study (92,253 mulheres acompanhadas de 1980 a 2000) e o Nurses Health Study II (95,310 mulheres acompanhadas de 1991 a 2001) - encontrou que a suplementação de vitamina D na forma de um multivitamínico pareceu abaixar os seus riscos de MS por 40%. 41 Porém, várias deficiências metodológicas no delineamento do estudo produziram resultados inconclusivos. 42 Apesar da quantia opressiva de dados que descrevem a associação entre a vitamina D e MS, há uma pobreza de pesquisa descrevendo o benefício da suplementação de vitamina D para estes pacientes. Um pequeno estudo de segurança de 12 pacientes tomando 1000 g por dia (40,000 UI) de vitamina D por 28 semanas mostrou um declínio no número de lesões intensificadas com gadolínio na imagem de ressonância magnética por paciente; isto conduziu a uma concentração sérica de 25(OH)D de 386 nmol/l (158 ng/ml) sem causar hipercalcemia, hipercalciúria, ou outra complicação. 43 Vitamina D e Cognição Estudos observacionais mostraram que as pessoas com demência de Alzheimer tem mais baixo nível de vitamina D que seus controles emparelhados sem demência. 44 A plausibilidade biológica desta relação inclui efeitos antioxidantes da vitamina D e a presença de receptores de vitamina D no hipocampo o qual foi visto em ratos e humanos. 44 Um estudo transversal de 225 pacientes ambulatoriais diagnosticados com doença de Alzheimer encontrou uma correlação entre o nível de vitamina D (mas não de outra vitamina) e a sua contagem em um Mini Mental Status Examination. 45 Vitamina D e Dor Crônica Por causa do importante papel que a vitamina D faz na homeostasia do osso, alguns questionaram se deficiência de vitamina D também pode se correlacionar com síndromes de dor crônica, incluindo dor lombar crônica. Vários estudos casossérie e observacionais sugeriram que a insuficiência da vitamina D poderia representar uma fonte de nocicepção e prejudicar o funcionamento neuromuscular entre pacientes com dor crônica. Os dados para apoiar esta conclusão são confusos. Uma recente revisão de 22 estudos pertinentes não encontrou nenhuma ligação convincente entre prevalência e latitude e nenhuma associação entre o nível sérico de 25-OH vitamina D nos pacientes de dor crônica e controles. De forma interessante, entretanto, houve um contraste nos efeitos do tratamento entre estudos randomizados, duplo-cegos que minimizaram o viés e aqueles com estudos conhecidos estarem sujeitos ao viés. Naqueles que encobriram a terapia de vitamina D, só 10% dos pacientes estavam em estudos que mostram para um benefício de tratamento da vitamina D, considerando que entre aqueles que não encobriram o tratamento 93% estavam em estudos que mostram um benefício da suplementação de vitamina D. 46 Uma segunda revisão examinou o papel da deficiência de vitamina em pacientes de unidades de reabilitação de internos e pacientes ambulatoriais. Cinquenta e um artigos foram revisados e uma correlação direta foi notável entre a deficiência de vitamina D e dor musculoesquelética. Tratamento da deficiência de vitamina D produziu um aumento na força muscular e uma diminuição marcada na dor no membro inferior e lombar dentro de 6 meses. 47 Embora estes dados sejam sugestivos de uma ligação entre vitamina D e dor, a evidência disponível não insinua causalidade. O veredicto neste tópico permanecerá indeterminado até que este seja avaliado por estudos duplo-cegos, randomizados, controlados estratificados pelo nível de vitamina D basal com tratamentos definidos e grupos de placebo para comparação. Suplementação de Vitamina D para Crianças e Mães Nutrizes Leite materno é uma forma ideal de nutrição para um recém-nascido. Devido à maioria das mães que amamenta admitir deficiência de vitamina D, no entanto, e apesar de a mãe tomar uma vitamina prénatal, o leite materno apenas não é suficiente para manter os níveis de vitamina D do recém-nascido J Am Board Fam Med

5 dentro de uma variação normal. 48 Muitas mães que amamentam suas crianças requerem para suplementação de vitamina D para ótima saúde. 49 Em 2003, o American Academy of Pediatrics recomendou que 200 UI de vitamina D seja usado como suplementação para todas as crianças iniciando durante os primeiros 2 meses depois do nascimento. 50 Mais recentemente, em 2008 a recomendação foi aumentada a um mínimo de 400 UI diariamente durante os primeiros dias de vida para prevenir deficiência de vitamina D que poderia conduzir ao raquitismo. 48 Uma revisão sistemática em 2004 visou 166 casos de raquitismo nutricional diagnosticado entre 1986 e 2004 em 17 estados da região do Médio Atlântico ao Texas e Geórgia. Um número desproporcionado de casos de raquitismo foi encontrado em crianças Afro-Americanas amamentadas. 51 Além de raquitismo e o risco de desenvolvimento de DM tipo I, outras condições de saúde pediátrica e de adulto podem ser impactadas por níveis insuficientes de vitamina D nas crianças e suas mães. 52 Ambos o acúmulo mineral do osso na infância 53 precoce e o risco de episódios periódicos de dificuldade de respiração em crianças de 3 54 anos foram associados à ingestão insuficiente de vitamina D por mulheres durante gravidez. Se um feto ou criança amamentando recebe uma quantia inadequada de vitamina D de sua mãe pode ter um impacto direto na saúde do bebê como em um adulto. Por causa destes achados, em 2007 o Canadian Pediatric Society recomendou 2000 UI de vitamina D 3 para grávidas e mães lactantes com exames de sangue periódicos para conferir os níveis de 25 (OH)D e cálcio. 52 As recomendações do American Academy of Pediatrics focalizam na suplementação infantil e não fazem nenhuma recomendação específica sobre a suplementação das mães lactantes. 48 Suplementando o Recém-Nascido: Recommendations from the American Academy of Pediatrics de 2008 O American Academy of Pediatrics recomenda suplementar todas as crianças que são exclusivamente amamentadas com 400 UI de vitamina D desde os primeiros dias de vida. Crianças que são alimentadas com o leite materno e fórmulas infantis ou exclusivamente com fórmulas infantis também deveriam ser suplementadas até que eles estivessem ingerindo consistentemente 1 L de fórmula em um dia (aproximadamente 1 quarto de galão). A suplementação deveria continuar até 1 ano de idade, quando as crianças começam a ingerir leite fortificado com vitamina D. 48 Todas as fórmulas comercializadas nos Estados Unidos contêm pelo menos 400 UI/L de vitamina D 3 ; então, 1 L por dia estaria de acordo com as recomendações de vitamina D fixadas pelo American Academy of Pediatrics. 55 Preparações para Suplementação Existem muitas preparações disponíveis para recémnascidos (Tabela 1). Algumas companhias fazem uma preparação de única-gota contendo 400 UI, mas precaução deve ser usada ao prescrever este produto por causa da facilidade de dispensar muita vitamina D para um recém-nascido com apenas algumas gotas. 48 Tabela 1. Preparações de Vitamina D para Recém-nascidos Preparação Dose Comentários Just D pela Sunlight 400 UI em 1 ml vitamins Carson labs Polyvisol 400 UI gelcap 400 UI Também contém outras vitaminas Conferindo os Níveis Séricos em Crianças Clínicos deveriam obter um nível de vitamina D no soro (25-OH-D não 1,25-OH 2 -D) entre crianças com desordens de má absorção ou que tomam anticonvulsivantes porque eles podem necessitar de suplementação diária adicional acima de 400 UI. Valores atuais de 25-OH-D que determinam insuficiência de vitamina D em crianças não foram definidos. O valor 20 ng/ml de 25-OH-D que determina um nível insuficiente de vitamina D para adultos foi usada para crianças. 48 Suplementando as Mães Nutrizes Mães que foram suplementadas com 400 UI diário de vitamina D produziram leite com níveis de vitamina D que variou de < 25 a 78 UI por litro. 48 A suplementação apenas da mãe com uma vitamina pré-natal equivalente 400 UI produziu níveis inadequados de vitamina D nas crianças amamentadas. 55 Um estudo controlado, randomizado avaliou 19 mães nutrizes que foram suplementadas com 6000 UI de vitamina D 3 e uma vitamina prénatal com 400 UI de vitamina D. Os níveis de vitamina D encontrados no leite materno e nas crianças exclusivamente amamentadas com leite materno foram achados serem equivalente às crianças que receberam suplementação oral (300 UI por dia). Este nível de suplementação maternal não mostrou nenhum efeito tóxico e forneceu quantidade adequada de vitamina D para alimentar as crianças sem necessitar suplementar a criança. 56 A segurança e eficácia desta dose durante a gravidez e lactação não foram confirmados. Enquanto isso, a seleção de mulheres de alto risco é apropriada e a suplementação de mulheres nutrizes as quais são deficientes de vitamina D 3 está garantida. 57 Teste para Deficiência de Vitamina D Existem muitas causas para deficiência de vitamina D, como listado na (Tabela 2), 59 e apesar da atenção J Am Board Fam Med

6 crescente para esta deficiência, não há nenhuma diretriz estabelecida para auxiliar os clínicos a decidirem quais pacientes justificam seleção para teste laboratorial. A US Preventive Services Task Force não comenta sobre ou contra a rotina de seleção para deficiência de vitamina D. Uma aproximação é considerar o exame do soro em pacientes em alto risco para deficiência de vitamina D, mas lidando sem examinar aqueles com mais baixo risco. Um grupo de trabalho Australiano emitiu uma posição de opinião detalhando grupos de pessoas de risco para deficiência de vitamina D. Tabela 2. Causas de Deficiência de Vitamina D 58 Causas Exemplo Síntese reduzida na pele Protetor solar, pigmento da pele, estação/latitude/período do dia, idade, enxertos de pele Absorção reduzida Fibrose cística, doença celíaca, doença de Whipple, doença de Crohn, bypass gástrico, medicamentos que reduzem a absorção de colesterol Sequestro aumentado Obesidade Catabolismo aumentado Anticonvulsivante, glicocorticoide, tratamento antirretroviral altamente ativo, e alguns imunossupressores Amamentando Síntese de 25-hidroxivitamina D diminuída Insuficiência hepática Perda urinária de 25-hidroxivitamina D Proteinuria nefrótica aumentada Síntese de 1, 25-hidroxivitamina D diminuída Insuficiência renal crônica Desordens hereditárias Mutações genéticas que causam raquitismo, ou resistência de vitamina D Desordens adquiridas Osteomalacia tumor-induzido, hiperparatireoidismo primário, hipertireoidismo, desordens granulomatosa como sarcoidose, tuberculose, e algum linfomas Os grupos de risco incluem: (1) as pessoas mais velhas em baixo e alto-nível de cuidado domiciliar; (2) as pessoas mais velhas admitidas em hospital; (3) os pacientes com fratura de quadril; (4) mulheres de pele escura (particularmente se coberta); e (5) as mães de crianças com raquitismos (particularmente de pele escura ou coberta). 58 Se selecionado para testar o status de vitamina D, 25-hidroxivitamina D sérica é o biomarcador aceito. 60 Embora 1,25-OH-D seja a forma circulante ativa da vitamina D, a medição este nível não é útil porque é rápida e altamente regulada pelo rim. Verdadeira deficiência só seria evidente pela medição da 25-OH-D. De nota, foram levantadas perguntas relativa à necessidade por padronização de ensaios. 61 Um grande laboratório (Quest Diagnostics) recentemente informou a possibilidade de milhares de resultados de níveis de vitamina D estarem incorretos. 62 Questionários de exposição de luz solar são imprecisos e não são atualmente recomendados. 63 Existe controvérsia relativa ao nível sérico ótimo de 25-hidroxivitamina D em uma população saudável. A maioria dos especialistas concordam que os níveis séricos de vitamina D < 20 ng/ml representam deficiência. Porém, alguns especialistas recomendam almejar por um nível alvo mínimo mais alto de 30 ng/ml de 25-hidroxivitamina D 49 em uma população saudável. Intoxicação por vitamina D pode acontecer quando os níveis séricos forem maiores que 150 ng/ml. Sintomas de hipervitaminose D incluem fadiga, náusea, vômito e provavelmente fraqueza causada pela hipercalcemia resultante. De nota, a exposição solar, sozinha, não pode conduzir a intoxicação de vitamina D devido o excesso de vitamina D 3 ser destruído pela luz solar. Tratamento Dada à preocupação a cerca do câncer de pele, muitos pacientes e clínicos são cautelosos em relação às recomendações de exposição ao sol. Porém, a exposição de braços e pernas durante 5 a 30 minutos entre o período das 10 a.m. e 3 p.m. duas vezes por semana podem ser adequados para prevenir deficiência de vitamina D. 59 Fontes dietéticas naturais de vitamina D incluem salmão, sardinhas, cavala, atum, bacalhau, óleo de fígado, cogumelos shiitake e gema de ovo. 58 Alimentos fortalecidos incluem leite, suco de laranja, fórmulas infantis, iogurtes, manteiga, margarina, queijos, e cereais matinais. 59 Suplementos multivitamínicos OTCs freqüentemente contêm 400 UI de vitaminas D 1, D 2, ou D 3. Alternativamente, suplementos de vitamina D 3 OTC podem ser encontrados em concentrações de 400, 800, 1000, e 2000 UI. Opções de concentrações para prescrição incluem vitamina D 2 (ergocalciferol), que provê 50,000 UI por cápsula, e vitamina D 2 líquida (drisdol) a 8000 IU/mL. 59 Para prevenir a deficiência de vitamina D em pacientes saudáveis, as recomendações do Institute of Medicine de 1997 sugerem uma ingestão diária de vitamina D diária de 200 UI para as crianças e adultos até 50 anos de idade; 400 UI para adultos de 51 a 70 anos de idade; e 600 UI para adultos de 71 anos ou mais velhos. 64 O limite superior recomendado era 2000 UI diariamente. Porém, alguns especialistas consideram isto também ser baixo e recomendam que as crianças e adultos sem exposição adequada ao sol consumam 800 a 1000 UI diariamente para alcançar níveis séricos adequados de vitamina D. 59 J Am Board Fam Med

7 Recomendações de tratamento variam, dependendo da causa da deficiência. Por exemplo, são recomendados que os pacientes com doença renal crônica tomem 1000 UI de vitamina D 3 diariamente. 59 A resposta esperada do nível no sangue para uma dada dose de vitamina D varia, provavelmente devido às diferenças na causa do déficit como também o ponto de partida para correção. Um recente editorial informou que ingestões suplementares de 400 UI por dia de vitamina D aumentam as concentrações de 25(OH)D em apenas 2.8 a 4.8 ng/ml (7-12 nmol/l) e que são necessárias ingestões diárias de aproximadamente 1700 UI para elevar estas concentrações de 20 para 32 ng/ml (50-80 nmol/l). 65 Respostas à suplementação de vitamina D ou exposição solar podem variar por paciente, assim os clínicos podem necessitar em continuar o monitorando dos níveis anormais. Referências 1. Brannon PM, Yetley EA, Bailey RL, Picciano MF. Overview of the conference Vitamin D and Health in the 21st Century: an Update. Am J Clin Nutr 2008;88(Suppl):483S-90S. 2. Wolf M, Shah A, Gutierrez O, et al. Vitamin D levels and early mortality among incident hemodialysis patients. Kidney Int 2007;72: Inaguma D, Nagaya H, Hara K, et al. Relationship between serum 1,25-dihydroxyvitamin D and mortality in patients with pre-dialysis chronic kidney disease. Clin Exp Nephrol 2008;12: Al-Aly Z. Vitamin D as a novel nontraditional risk factor for mortality in hemodialysis patients: the need for randomized trials. Kidney Int 2007;72: Dobnig H, Pilz S, Scharnagl H, et al. Independent association of low serum 25-hydroxyvitamin D and 1,25- dihydroxyvitamin D levels with all-cause and cardiovascular mortality. Arch Intern Med 2008;168: Melamed ML, Michos ED, Post W, Astor B. 25- hydroxyvitamin D levels and the risk of mortality in the general population. Arch Intern Med 2008;168: Autier P, Gandini S. Vitamin D supplementation and total mortality. Arch Intern Med 2007;167: Wang TJ, Pencina MJ, Booth SL, et al. Vitamin D deficiency and risk of cardiovascular disease. Circulation 2008;117: Mathieu C, Gysemans C, Giulietti A, Bouillon R. Vitamin D and diabetes. Diabetologia 2005;48: Sloka S, Grant M, Newhook L. The geospatial relation between UV solar radiation and type 1 diabetes in Newfoundland. Acta Diabetol 2009; epub ahead of print. 11. Mathieu C, van Etten E, Decallonne B, et al. Vitamin D and 1,25-dihydroxyvitamin D3 as modulators in the immunesystem. J Steroid Biochem Mol Bio 2004;89-90: Palomer X, González-Clemente JM, Blanco-Vaca F, Mauricio D. Role of vitamin D in the pathogenesis of type 2 diabetes mellitus. Diabetes Obes Metab 2008;10: Danescu LG, Levy S, Levy J. Vitamin D and diabetes mellitus. Endocrine 2009;35: Pittas AG, Lau J, Hu FB, Dawson-Hughes B. The role of vitamin D and calcium in type 2 diabetes. A systematic review and meta-analysis. J Clin Endocrinol Metab 2007;92: Rodriguez-Martinez MA, Garcia-Cohen EC. Role of Ca++ and vitamin D in the prevention and treatment of osteoporosis. Pharmacol Ther 2002;93: Cranney A, Weiler HA, O Donnell S, Puil L. Summary of evidence-based review on vitamin D efficacy and safety in relation to bone health. Am J Clin Nutr 2008;88(Suppl):513S-9S. 17. Avenell A, Gillespie WJ, O Connell DC. Vitamin D and vitamin D analogues for preventing fractures associated with involutional and postmenopausal osteoporosis. Cochrane Database Syst Rev 2005;(3): CD Boonen S, Lips P, Bouillon R, Bischoff-Ferrari HA, Vanderschueren D, Haetiens P. Need for additional calcium to reduce the risk of hip fracture with vitamin D supplementation: evidence from a comparative metaanalysis of randomized controlled trials. J Clin Endocrinol Metab 2007;92: Bischoff-Ferrari HA, Willett WC, Wong JB, et al. Prevention of nonvertebral fractures with oral vitamin D dose dependency. A meta-analysis of randomized controlled trials. Arch Intern Med 2009;169: Prince RL, Adustin N, Devine A, et al. Effects of ergocalciferol added to calcium on the risk of falls in elderly high-risk women. Arch Intern Med 2008; 168: Broe KE, Chen TC, Weinberg J, et al. A higher dose of vitamin D reduces the risk of falls in nursing home residents: a randomized multiple-dose study. J Am Geriatr Soc 2007;55: Bischoff-Ferrari HA, Dawson-Hughes B, Willett WC, et al. Effect of vitamin D on falls: a meta-analysis. JAMA 2004;291: Osborne JE, Hutchinson PE. Vitamin D and systemic cancer: is this relevant to malignant melanoma? Br J Dermatol 2002;147: Giovannucci E, Liu Y, Rimm EB, et al. Prospective study of predictors of vitamin D statius and cancer incidence and mortality in men. J Natl Cancer Inst 2006;98: Freedman DM, Looker AC, Chang SC, Graubard BI. Prospective study of serum vitamin D and cancer mortality in the United States. J Natl Cancer Inst 2007;99: Garland CF, Garland FC, Gorham ED, et al. The role of vitamin D in cancer prevention. Am J Public Health 2006;96: Lappe JM, Travers-Gustafson D, Davies KM, Recker RR, Heaney RP. Vitamin D and calcium supplementation reduces cancer risk: results of a randomized trial. Am J Clin Nutr 2007;85: Ebers GC. Environmental factors and multiple sclerosis. Lancet Neurol 2008;7: Kampman MT, Wilsgaard T, Mellgren SI. Outdoor activities and diet in childhood and adolescence relate to MS risk above the Arctic Circle. J Neurol 2007;254: Willer CJ, Dyment DA, Sadovnick AD, et al. Timing of birth and risk of multiple sclerosis: population-based study. BMJ 2005;330: van der Mei IAF, Ponsonby A, Dwyer T, et al. Past exposure to sun, skin phenotype, and risk of multiple sclerosis: casecontrol study. BMJ 2003;327: Holick MF. Sunlight and vitamin D for bone health and prevention of autoimmune diseases, cancers, and cardiovascular disease. Am J Clin Nutr 2004;80(6 Suppl):1678S-88S. 33. Adorini L, Penna G. Control of autoimmune diseases by the vitamin D endocrine system. Nat Clin Pract Rheumatol 2008;4: Szodoray P, Nakken B, Gaal J, et al. The complex role of vitamin D in autoimmune diseases. Scand J Immunol 2008;68: Munger KL, Levin LI, Hollis BW, Howard NS, Ascherio A. Serum 25-hydroxyvitamin D levels and risk of multiple sclerosis. JAMA 2006;296: Kragt JJ, van Amerongen BM, Killestein J, et al. Higher levels of 25-hydroxyvitamin D are associated with a lower incidence of multiple sclerosis only in women. Mult Scler 2009;15: van der Mei IAF, Ponsonby A, Dwyer T, et al. Vitamin D levels in people with multiple sclerosis and community controls in Tasmania, Australia. J Neurol 2007;254: Soilu-Hänninen M, Airas L, Mononen I, Heikkilä A, Viljanen M, Hänninen A. 25-Hydroxyvitamin D levels in J Am Board Fam Med

8 serum at the onset of multiple sclerosis. Mult Scler 2005;11: Smolders J, Menheere P, Kessels A, Damoiseaux J, Hupperts R. Association of vitamin D metabolite levels with relapse rate and disability in multiple sclerosis. Mult Scler 2008;14: Brown SJ. The role of vitamin D in multiple sclerosis. Ann Pharmacother 2006;40: Munger KL, Zhang S.M, O Reilly E, et al. Vitamin D intake and incidence of multiple sclerosis. Neurology 2004;62: Smolders J, Damoiseaux J, Menheere P, Hupperts R. Vitamin D as an immune modulator in multiple sclerosis, a review. J Neuroimmunol 2008;194: Kimball SM, Ursell MR, O Connor P, Vieth R. Safety of vitamin D3 in adults with multiple sclerosis. Am J Clin Nutr 2007;86: Buell JS, Dawson-Hughes B. Vitamin D and neurocognitive dysfunction: preventing D ecline? Mol Aspects Med 2008;29: Oudshoorn C, Mattace-Raso FU, van der Velde N, Colin EM, van der Cammen TJ. Higher serum vitamin D3 levels are associated with better cognitive test performance in patients with Alzheimer s disease. Dement Geriatr Cogn Disord 2008;25: Straube S, Andrew Moore R, McQuay HJ. Vitamin D and chronic pain. Pain 2009;141: Heath KM, Elovic EP. Vitamin D deficiency: implications in the rehabilitation setting. Am J Phys Med Rehabil 203;85: Wagner CL, Greer FR, American Academy of Pediatrics Section on Breastfeeding, American Academy of Pediatrics Committee on Nutrition. Prevention of rickets and vitamin D deficiency in infants, children, and adolescents. Pediatrics 2008;122: Hollis BW, Wagner CL. Assessment of dietary vitamin D requirements during pregnancy and lactation. Am J Clin Nutr 2004;79: Gartner LM, Greer FR, American Academy of Pediatrics Section on Breastfeeding, American Academy of Pediatrics Committee on Nutrition. Prevention of rickets and vitamin D deficiency: new guidelines for vitamin D intake. Pediatrics 2003;111: Weisberg P, Scanlon K, Li R, Cogswell ME. Nutritional rickets among children in the United States: review of cases reported between 1986 and Am J Clin Nutr 2004;80(6 Suppl):1697S-1705S. 52. Vitamin D supplementation: recommendations for Canadian mothers and infants. Paediatr Child Health 2007;12: Javaid MK, Crozier SR, Harvey NC, et al. Maternal vitamin D status during pregnancy and childhood bone mass at age 9 years: a longitudinal study. Lancet 2006;367: Camargo CA Jr, Rifas-Shiman SL, Litonjua AA, et al. Maternal intake of vitamin D during pregnancy and risk of recurrent wheeze at 3 y of age. Am J Clin Nutr 2007;85: Tsang R, Zlotkin S, Nichols B, Hansen J. Nutrition during infancy: rinciples and ractice, 2nd ed. Cincinnati, OH: Digital Education Publishing; Wagner CL, Hulsey TC, Fanning D, Ebeling M, Hollis BW. High-dose vitamin D3 supplementation in a cohort of breastfeeding mothers and their infants: a 6-month follow-up pilot study. Breastfeed Med 2006;1: Hollis BW, Taylor SN. Vitamin D requirements in pregnancy and lactation. Poster abstract at the 135th American Public Health Association Annual Meeting and Exposition; November 2007; Washington, DC. 58. Working Group of the Australian and New Zealand Bone and Mineral Society, Endocrine Society of Australia, Osteoporosis Australia. Vitamin D and adult bone health in Australia and New Zealand: a position statement. Med J Aust 2005;182: Holick MF. Vitamin D deficiency. N Engl J Med 2007;357: Millen AE, Bodnar LM Vitamin D assessment in populationbased studies: a review of the issues. Am J Clin Nutr 2008;87(suppl):1102S-5S. 61. Binkley N, Krueger D, Cowgill CS, et al. Assay variation confounds the diagnosis of hypovitaminosis D: a call for standardization. J Clin Endocrinol Metab 2004;89: Pollack A. Quest acknowledges errors in vitamin D tests. Available at: Accessed 17 September McCarty CA. Sunlight exposure assessment: can we accurately assess vitamin D exposure from sunlight questionnaires? Am J Clin Nutr 2008;87(Suppl): 1097S- 101S. 64. Standing Committee on the Scientific Evaluation of Dietary Reference Intakes Food and Nutrition Board, Institute of Medicine. Vitamin D. In: Dietary reference intakes for calcium, phosphorus, magnesium, vitamin D, and fluoride. Washington, DC: National Academy Press; 1997: Vieth R, Bischoff-Ferrari H, Boucher BJ, et al. The urgent need to recommend an intake of vitamin D that is effective. Am J Clin Nutr 2007;85: J Am Board Fam Med

Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013

Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013 Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013 É preciso dosar e repor vitamina D no pré-natal? A dosagem de vitamina D pelos métodos mais amplamente disponíveis é confiável?

Leia mais

Arquivo D. Informações resumidas sobre a vitamina D. Referências bibliográficas:

Arquivo D. Informações resumidas sobre a vitamina D. Referências bibliográficas: Abril/1 519-BR-VIT-1..19 Referências bibliográficas: 1. DeLuca HF, et al. Mechanisms and functions of vitamin D. Nutr Rev. 1998 Feb;56( Pt ):S-1.. Reichel H, et al. The role of vitamin D endocrine system

Leia mais

Sumário: 3 A administração isolada de suplementos de Vitamina D 3 na dose de 700-800 UI diárias,

Sumário: 3 A administração isolada de suplementos de Vitamina D 3 na dose de 700-800 UI diárias, Sumário: 1 2 A elevada prevalência de inadequação de Vitamina D é hoje em dia encarada como um problema de saúde pública que afecta vários países da Europa e os EUA, particularmente os grupos de risco

Leia mais

Insuficiência de Vitamina D desafio diagnóstico!!!

Insuficiência de Vitamina D desafio diagnóstico!!! E2- Denise D. Lima Fev/2011 Caso Clínico Mulher, 61 anos, saudável Avaliação de saúde óssea Dosagem de Vit D (25 hidroxivitamina D)= 21 ng/ml Sem história de fraturas, nem histórico familiar de fratura

Leia mais

Osteoporose e a importância do Cálcio e Vitamina D

Osteoporose e a importância do Cálcio e Vitamina D Osteoporose e a importância do Cálcio e Vitamina D 13 th ILSI Brasil International Workshop on Functional Foods Nutrição e envelhecimento saudável Profª Associada Lígia Araújo Martini Departamento de Nutrição

Leia mais

Vitamina D e Câncer: Quais as evidências?

Vitamina D e Câncer: Quais as evidências? Vitamina D e Câncer: Quais as evidências? Rochele da Silva Boneti Nutricionista CRN 7387 Especialista em Nutrição Enteral e Parenteral Mestre em Ciências em Gastroenterologia e Hepatologia- UFRGS Vitamina

Leia mais

Vitamina D3 Sublingual

Vitamina D3 Sublingual Rápida absorção e biodisponibilidade elevada A importância da suplementação para prevenção de diversas doenças e na prevenção da osteoporose - uma epidemia silenciosa A vitamina D3 (ou colecalciferol)

Leia mais

A hipovitaminose D é muito prevalente na Europa, África, América do Norte, Oriente Médio

A hipovitaminose D é muito prevalente na Europa, África, América do Norte, Oriente Médio EPIDEMIOLOGIA DA DEFICIÊNCIA DE VITAMINA D Edson Pedroza dos Santos Junior Danillo de Carvalho Fernades Antonio Thiago Farias de Almeida Fernando de Araújo Borges Acadêmica do curso de Medicina do Instituto

Leia mais

Benefícios da Vitamina D no osso e em todo o organismo. A vitamina D tem um papel importante.

Benefícios da Vitamina D no osso e em todo o organismo. A vitamina D tem um papel importante. Saúde do Osso. Benefícios da Vitamina D no osso e em todo o organismo. A vitamina D desempenha, juntamente com o cálcio, um papel importante na saúde e na manutenção da estrutura óssea. Estudos recentes

Leia mais

Aliança para um Futuro Livre de Cárie

Aliança para um Futuro Livre de Cárie Creme dental com alto teor de fluoreto Resumo completo Descrição: Os dentifrícios fluoretados foram introduzidos pela primeira vez na década de 1950. [1] O primeiro dentifrício fluoretado continha fluoreto

Leia mais

Dra Adriana de O Marinho Reumatologia e Clínica Médica Fone 3223-3830

Dra Adriana de O Marinho Reumatologia e Clínica Médica Fone 3223-3830 Dra Adriana de O Marinho Reumatologia e Clínica Médica Fone 3223-3830 O que é Osteoporose? A osteoporose é uma doença freqüente que é definida como diminuição absoluta da quantidade de osso e desestruturação

Leia mais

Influência das Vitaminas e minerais e suas recomendações para pacientes com psoríase

Influência das Vitaminas e minerais e suas recomendações para pacientes com psoríase Influência das Vitaminas e minerais e suas recomendações para pacientes com psoríase Fabiana Carneiro Buzzi E-mail: fabianaprata@hotmail.com Mini cv: Fomada e especializada em Nutrição Clínica pelo Centro

Leia mais

Amamentar: um investimento na qualidade de vida futura. Bernardo Lessa Horta

Amamentar: um investimento na qualidade de vida futura. Bernardo Lessa Horta Amamentar: um investimento na qualidade de vida futura Bernardo Lessa Horta Redução da mortalidade e morbidade por doenças infecciosas Amamentar é um bom investimento no curto prazo Efeitos a curto prazo

Leia mais

Reposição Nutricional Pós- Cirurgia Bariátrica

Reposição Nutricional Pós- Cirurgia Bariátrica Reposição Nutricional Pós- Cirurgia Bariátrica Shake Redutor das Complicações Neurológicas Pós-Cirurgia Reposição das Vitaminas B1 e B12 Previne Encefalopatia de Wernecke, Neuropatia Óptica, Mielopatia,

Leia mais

Rafaella Cristhine Pordeus de Lima Concluinte do mestrado em Ciências da Nutrição UFPB Especialista em Nutrição Clínica UGF-RJ

Rafaella Cristhine Pordeus de Lima Concluinte do mestrado em Ciências da Nutrição UFPB Especialista em Nutrição Clínica UGF-RJ Rafaella Cristhine Pordeus de Lima Concluinte do mestrado em Ciências da Nutrição UFPB Especialista em Nutrição Clínica UGF-RJ REDUÇÃO DA INGESTÃO ENERGÉTICA SUPLEMENTAÇÃO NUTRICIONAL APROPRIADA INGESTÃO

Leia mais

Prolia para osteoporose

Prolia para osteoporose Data: 29/06/2013 Nota Técnica 105/2013 Número do processo: 0110170-82.2013-813.0525 Solicitante: Juiz de Direito Dr. Napoleão da Silva Chaves Réu: Estado de Minas Gerais Medicamento Material Procedimento

Leia mais

INTOLERÂNCIA À LACTOSE E SUAS CONSEQUÊNCIAS NO METABOLISMO DO CÁLCIO

INTOLERÂNCIA À LACTOSE E SUAS CONSEQUÊNCIAS NO METABOLISMO DO CÁLCIO 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 INTOLERÂNCIA À LACTOSE E SUAS CONSEQUÊNCIAS NO METABOLISMO DO CÁLCIO Cristiane Rickli Barbosa 1 ; Marcia Aparecida Andreazzi 2 RESUMO: A lactose é um dissacarídeo

Leia mais

DESVENDANDO 8 MITOS SOBRE A INTOLERÂNCIA À LACTOSE

DESVENDANDO 8 MITOS SOBRE A INTOLERÂNCIA À LACTOSE 1 DESVENDANDO 8 S SOBRE A INTOLERÂNCIA À LACTOSE 2 3 Conhecendo a INTOLERÂNCIA À LACTOSE DESVENDANDO S Contém lactose A lactose, encontrada no leite e seus derivados é um carboidrato, e é conhecida popularmente

Leia mais

O Diagnóstico, seguimento e tratamento de todas estas complicações causam um enorme fardo econômico ao sistema de saúde.

O Diagnóstico, seguimento e tratamento de todas estas complicações causam um enorme fardo econômico ao sistema de saúde. HEMOGLOBINA GLICADA AbA1c A prevalência do diabetes tem atingido, nos últimos anos, níveis de uma verdadeira epidemia mundial. Em 1994, a população mundial de diabéticos era de 110,4 milhões. Para 2010

Leia mais

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional Tipos de Diabetes Diabetes Gestacional Na gravidez, duas situações envolvendo o diabetes podem acontecer: a mulher que já tinha diabetes e engravida e o diabetes gestacional. O diabetes gestacional é a

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO?

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? Enelúzia Lavynnya Corsino de Paiva China (1); Lucila Corsino de Paiva (2); Karolina de Moura Manso da Rocha (3); Francisco

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: Miocalven D citrato de cálcio colecalciferol (vitamina D)

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: Miocalven D citrato de cálcio colecalciferol (vitamina D) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: Miocalven D citrato de cálcio colecalciferol (vitamina D) APRESENTAÇÕES Pó para suspensão. Cada sachê contém 4,0 g de pó para uso oral, contendo 500 mg de cálcio (na forma

Leia mais

7º Congresso Unidas de

7º Congresso Unidas de 7º Congresso Unidas de Gestão o de Assistência à Saúde Dra. Rozana Ciconelli Centro Paulista de Economia da Saúde Escola Paulista de Medicina A epidemia da obesidade Como as doenças crônicas afetam a gestão

Leia mais

o estado da arte em 2015 Amália Martins Ana Fatela Ermelinda Pinguicha Tereza Paula

o estado da arte em 2015 Amália Martins Ana Fatela Ermelinda Pinguicha Tereza Paula o estado da arte em 2015 Amália Martins Ana Fatela Ermelinda Pinguicha Tereza Paula WHI, DOPS, KEEPS, ELITE DOPS 2012 E2 trifasico NETA E2 16 1006 45-58 (49,7) >3>24M (7) morte, EAM risco mortalidade,

Leia mais

TEMA: Uso de Insulina Glargina no diabetes mellitus (DM) tipo 1

TEMA: Uso de Insulina Glargina no diabetes mellitus (DM) tipo 1 NT 85/2013 Solicitante: Dra JACQUELINE DE SOUZA TOLEDO E DUTRA Juíza de Direito do 2º JESP Unidade Jurisdicional do Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre Numeração: 0004266-19.2013.8.13.0525 Data:

Leia mais

Kelly Chaves - Nutricionista

Kelly Chaves - Nutricionista Kelly Chaves - Nutricionista Alimentos Saudáveis e Funcionais Substâncias consideradas funcionais Alimentos mais consumidos Boas fontes alimentares de cálcio A Importância do Cálcio na Nutrição O que são

Leia mais

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O consumo de dietas vegetarianas tem sido associado a muitos benefícios à saúde, incluindo menores taxas de mortes por doenças cardiovasculares, diabetes

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ SCHUINDT, P. S; ANDRADE, A. H. G. RESUMO A grande incidência de desnutrição hospitalar enfatiza a necessidade de estudos sobre

Leia mais

Seminário Métodos em Epidemiologia: ESTUDOS DE COORTE

Seminário Métodos em Epidemiologia: ESTUDOS DE COORTE Seminário Métodos em Epidemiologia: ESTUDOS DE COORTE Cesar Victora, UFPEL Rio, agosto de 25 Tópicos Tipologia e exemplos de coortes Coortes de Pelotas Metodologia Análise Por que fazer coortes no Brasil?

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: DIABETES MELLITUS TIPO II E O ANTIDIABÉTICO METFORMINA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

SANVAL Comércio e Indústria Ltda. Indústria Farmacêutica. Vitadesan

SANVAL Comércio e Indústria Ltda. Indústria Farmacêutica. Vitadesan Vitadesan Sanval Comércio e Indústria Ltda. Solução Oral Vitamina A 3.000 U.I + Vitamina D 3 800 U.I R. Nicolau Alayon, 441 - Interlagos - CEP 04802-000 - PABX (11) 56604004 / 56604021 / FAX (11) 5666-8664

Leia mais

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias MÓDULO I NUTRIÇÃO CLÍNICA 1-Absorção, digestão, energia, água e álcool 2-Vitaminas e minerais 3-Proteínas, lipídios, carboidratos e fibras 4-Cálculo das necessidades energéticas 5-Doenças do aparelho digestivo

Leia mais

Gisele Cristina Gosuen. Universidade Federal de São Paulo CRT em DST, Aids e Hepatites virais

Gisele Cristina Gosuen. Universidade Federal de São Paulo CRT em DST, Aids e Hepatites virais Manejo de Osteopenia-Osteoporose Gisele Cristina Gosuen Universidade Federal de São Paulo CRT em DST, Aids e Hepatites virais 26/04/2014 Conflito de interesse Resolução CFM nº 1.595 18 de Maio de 2000

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO ENTRE A AR E A DM TIPO II. Agenda: 1. INTRODUÇÃO 2. OBJECTIVOS 3. METODOLOGIA 4. PLANIFICAÇÃO DO PROJECTO

AVALIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO ENTRE A AR E A DM TIPO II. Agenda: 1. INTRODUÇÃO 2. OBJECTIVOS 3. METODOLOGIA 4. PLANIFICAÇÃO DO PROJECTO AVALIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO ENTRE A ARTRITE REUMATÓIDE E A DIABETES MELLITUS TIPO 2 Análise da Base de Dados de Doenças Reumáticas Norte-Americana National Data Bank for Rheumatic Diseases PROJECTO DE TESE

Leia mais

TEMA: RIVASTIGMINA NO TRATAMENTO DA DOENÇA DE ALZHEIMER

TEMA: RIVASTIGMINA NO TRATAMENTO DA DOENÇA DE ALZHEIMER Data: 13/12/2013 NTRR 254/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Solicitante: Pedro Guimarães Pereira Juiz de Direito, 2ª Vara da Comarca de Várzea da Palma Número do processo: 0044371-71.2013.8.13.0708

Leia mais

Atualização em Farmacoterapia Boro e Anastrozol

Atualização em Farmacoterapia Boro e Anastrozol Atualização em Farmacoterapia 1 Boro e Anastrozol Benefícios sobre a síntese de testosterona 1,3. A suplementação com Boro aumenta os níveis plasmáticos de testosterona, além de reduzir significativamente

Leia mais

Produtos para saúde. A visão de quem utiliza. Wanderley Marques Bernardo

Produtos para saúde. A visão de quem utiliza. Wanderley Marques Bernardo Produtos para saúde A visão de quem utiliza Wanderley Marques Bernardo Nós não vemos as coisas como elas são, nós vemos como nós somos Anaïs Nin VISÃO PACIENTES CONFLITOS DE MÉDICO INTERESSE SISTEMA DE

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

TEMA: Denosumabe (Prolia ) no tratamento da osteoporose

TEMA: Denosumabe (Prolia ) no tratamento da osteoporose NTRR 219/2013 Solicitante: Juíza de Direito Dra. Regina Célia Silva Neves Data: 15/11/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0010752-47.2013.8.13.0322 Réu: Estado de Minas

Leia mais

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento Pré diabetes Diagnóstico e Tratamento Zulmira Jorge Assistente Hospitalar Endocrinologia do Hospital Santa Maria Endocrinologista do NEDO e do Hospital Cuf Infante Santo Diabetes Mellitus Diagnóstico PTGO

Leia mais

NÚMERO: 007/2011 DATA: 31/01/2011

NÚMERO: 007/2011 DATA: 31/01/2011 NÚMERO: 007/2011 DATA: 31/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Diagnóstico e conduta na Diabetes Gestacional Diabetes Gestacional; Diabetes; Gravidez Profissionais de Saúde Divisão de Saúde

Leia mais

MODELO DE BULA Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento.

MODELO DE BULA Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. MODELO DE BULA Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. OS-CAL 500 + D carbonato de cálcio colecalciferol (vit. D) APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos

Leia mais

Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. ADEROGIL Gotas acetato de retinol colecalciferol

Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. ADEROGIL Gotas acetato de retinol colecalciferol MODELO DE BULA Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. ADEROGIL Gotas acetato de retinol colecalciferol APRESENTAÇÃO Solução oral: frasco conta-gotas

Leia mais

CALDE Marjan Indústria e Comércio Ltda. Comprimido Mastigável

CALDE Marjan Indústria e Comércio Ltda. Comprimido Mastigável CALDE Marjan Indústria e Comércio Ltda. Comprimido Mastigável Carbonato de Cálcio (1500 mg) + Colecalciferol (400 UI) Caldê carbonato de cálcio + colecalciferol (vit. D3) APRESENTAÇÕES Comprimidos mastigáveis

Leia mais

DOENÇA RENAL CRÔNICA TERMINAL EM HEMODIÁLISE: MUDANÇAS DE HÁBITOS E DOENÇA ÓSSEA

DOENÇA RENAL CRÔNICA TERMINAL EM HEMODIÁLISE: MUDANÇAS DE HÁBITOS E DOENÇA ÓSSEA Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 196 201 DOENÇA RENAL CRÔNICA TERMINAL EM HEMODIÁLISE: MUDANÇAS DE HÁBITOS E DOENÇA ÓSSEA COSTA, Cláudia de Almeida¹; CANDIDO, Kézia de Jesus¹;

Leia mais

Recomendações da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) para o diagnóstico e tratamento da hipovitaminose D

Recomendações da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) para o diagnóstico e tratamento da hipovitaminose D consenso Recomendações da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) para o diagnóstico e tratamento da hipovitaminose D Recommendations of the Brazilian Society of Endocrinology and Metabology

Leia mais

Mirtazapina é Indicada para o Tratamento de Fibromialgia

Mirtazapina é Indicada para o Tratamento de Fibromialgia Mirtazapina é Indicada para o Tratamento de Fibromialgia Melhora a Qualidade de Vida dos Pacientes Diminui a Dor Musculoesquelética Beneficia a Qualidade do Sono Reduz a Incapacidade Relacionada à Doença

Leia mais

Tabagismo e Câncer de Pulmão

Tabagismo e Câncer de Pulmão F A C U L D A D E D E S A Ú D E P Ú B L I C A D E P A R TA M E N T O D E E P I D E M I O L O G I A U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O Série Vigilância em Saúde Pública E X E R C Í C I O N º 3

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DA DEFICIÊNCIA DE VITAMINA D RELACIONADAS COM INDIVÍDUOS NA TERCEIRA IDADE.

AS IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DA DEFICIÊNCIA DE VITAMINA D RELACIONADAS COM INDIVÍDUOS NA TERCEIRA IDADE. AS IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DA DEFICIÊNCIA DE VITAMINA D RELACIONADAS COM INDIVÍDUOS NA TERCEIRA IDADE. Paloma Katlheen Moura Melo (1); Renata Bruna Menezes De Lima (2); Universidade Potiguar-UNP, E-mail:

Leia mais

Défice de Vitamina D UM PROBLEMA ESQUECIDO? Mª Joana Santos, Olinda Marques Serviço de Endocrinologia, Hospital de Braga

Défice de Vitamina D UM PROBLEMA ESQUECIDO? Mª Joana Santos, Olinda Marques Serviço de Endocrinologia, Hospital de Braga Défice de Vitamina D UM PROBLEMA ESQUECIDO? Mª Joana Santos, Olinda Marques Serviço de Endocrinologia, Hospital de Braga Introdução histórica: Raquitismo 1ªs referências: Séc I e II dc, Império Romano:

Leia mais

Sumário. Data: 13/12/2013 NTRR 258/2013. Medicamento X Material Procedimento Cobertura

Sumário. Data: 13/12/2013 NTRR 258/2013. Medicamento X Material Procedimento Cobertura NTRR 258/2013 Solicitante: Dr. Amaury Silva, Juiz de Direito da 6.ª Vara Cível dacomarca de Governador Valadares Data: 13/12/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Número do processo:0296392-06.2013.8.13.0105

Leia mais

TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO *

TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO * 1 05/06 TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO * OBJETIVOS Este exercício utiliza o estudo clássico de Doll e Hill que demonstrou a relação entre tabagismo e câncer de pulmão. Depois de completar este exercício,

Leia mais

VITAMINA K2. Saúde Óssea e Cardiovascular

VITAMINA K2. Saúde Óssea e Cardiovascular Informações Técnicas VITAMINA K2 Saúde Óssea e Cardiovascular FÓRMULA MOLECULAR: C 46H 64O 2 PESO MOLECULAR: 648,99 CAS NUMBER: 2124-57-4 INTRODUÇÃO A vitamina K ocorre naturalmente em 2 formas principais:

Leia mais

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

ARTIGOS. Versão para impressão. Trayenta (linagliptina) Fact Sheet

ARTIGOS. Versão para impressão. Trayenta (linagliptina) Fact Sheet Versão para impressão ARTIGOS 16/09/2011 Infográficos Trayenta (linagliptina) Fact Sheet 1. Trayenta (linagliptina) 2. Inibidores da DPP-4 3. Principal diferencial da linagliptina em relação às outras

Leia mais

Somatropina no adulto. Fernando Baptista Serviço de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo. Hospital de Santa Maria. Lisboa

Somatropina no adulto. Fernando Baptista Serviço de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo. Hospital de Santa Maria. Lisboa Somatropina no adulto Fernando Baptista Serviço de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo. Hospital de Santa Maria. Lisboa Secreção de GH Concentração integrada de GH nas 24h em 173 indivíduos de ambos

Leia mais

Aliança para um Futuro Livre de Cárie Prevenir AGORA para um Futuro Livre de Cárie Um Recurso de Saúde Oral

Aliança para um Futuro Livre de Cárie Prevenir AGORA para um Futuro Livre de Cárie Um Recurso de Saúde Oral Creme dental fluoretado Resumo Completo Descrição: Os cremes dentais, também chamadas dentifrícios, são pastas, géis ou na forma de pó que ajudam a remover a placa e fortalecem o esmalte dentário e a dentina.

Leia mais

22ª Imagem da Semana: Fotografia e radiografia da face

22ª Imagem da Semana: Fotografia e radiografia da face 22ª Imagem da Semana: Fotografia e radiografia da face Enunciado Paciente do sexo feminino, 34 anos. Diagnóstico de glomerulonefrite aos 12 anos de idade, em tratamento de substituição hemodialitica há

Leia mais

Resistência à Insulina e Câncer

Resistência à Insulina e Câncer Resistência à Insulina e Câncer Prof. Adaliene 1 Resistência à Insulina e Câncer Câncer Sobreviventes 11 milhões Resistência à insulina Obesidade 2 1 Obesidade/ Resistência à Insulina e Câncer OVERWEIGHT,

Leia mais

Aleitamento materno: benefícios não só para os bebês

Aleitamento materno: benefícios não só para os bebês 2016 Aleitamento materno: benefícios não só para os bebês O aleitamento materno protege contra a leucemia infantil Amamentar por 6 meses ou mais, comparando-se com não amamentar ou amamentar por menos

Leia mais

Facilitando a nutrição de melhor qualidade para gestantes, lactantes e crianças de 0-5 anos de idade: Comentários sobre Black, Reifsnider e Devaney

Facilitando a nutrição de melhor qualidade para gestantes, lactantes e crianças de 0-5 anos de idade: Comentários sobre Black, Reifsnider e Devaney NUTRIÇÃO NA GRAVIDEZ Facilitando a nutrição de melhor qualidade para gestantes, lactantes e crianças de 0-5 anos de idade: Comentários sobre Black, Reifsnider e Devaney Kathryn G. Dewey, PhD Department

Leia mais

O fumo e a saúde: uma atualização

O fumo e a saúde: uma atualização O fumo e a saúde: uma atualização Jonathan M. Samet, MD, MS Diretor do Instituto para Saúde Mental da USC (USC Institute for Global Health) Professor e Presidente do Flora L. Thornton, Departamento de

Leia mais

Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento.

Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. MODELO DE BULA SANOFI-AVENTIS Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. OS-CAL 500 + D carbonato de cálcio 500 mg colecalciferol (vit. D) 200 UI

Leia mais

Guia. Nutricional. para gestantes

Guia. Nutricional. para gestantes Referências bibliográficas consultadas: 1. Committee on Nutritional Status During Pregnancy and Lactation, Institute of Medicine. Nutrition During Pregnancy: Part I: Weight Gain, Part II: Nutrient Supplements.

Leia mais

Envelhecimento da população realidade portuguesa. Unidade de Neurologia Vânia Almeida

Envelhecimento da população realidade portuguesa. Unidade de Neurologia Vânia Almeida Envelhecimento da população realidade portuguesa Unidade de Neurologia Vânia Almeida 21 de Setembro de 2015 Sumário Definição de Demência Incidência Global de Demência Prevalência Global de Demência Realidade

Leia mais

Complicações Tardias do HIV Vitamina D e Metabolismo Ósseo

Complicações Tardias do HIV Vitamina D e Metabolismo Ósseo Complicações Tardias do HIV Vitamina D e Metabolismo Ósseo Mônica Jacques de Moraes Faculdade de Ciências Médicas da UNICAMP V Congresso Norte-Nordeste de Infectologia Fortaleza, 4 a 6 de dezembro de 2014

Leia mais

Conheça o lado bom e o lado ruim desse assunto. Colesterol

Conheça o lado bom e o lado ruim desse assunto. Colesterol Conheça o lado bom e o lado ruim desse assunto. Colesterol COLESTEROL O nome colesterol vem do grego e significa cálculo biliar. Ele foi batizado pelo químico francês Michel Eugene Chevreul, em 1815.

Leia mais

OS-CAL 500 + D carbonato de cálcio 500 mg colecalciferol (vit. D) 200 UI

OS-CAL 500 + D carbonato de cálcio 500 mg colecalciferol (vit. D) 200 UI ESTA BULA É CONTINUAMENTE ATUALIZADA. FAVOR PROCEDER A SUA LEITURA ANTES DE UTILIZAR O MEDICAMENTO OS-CAL 500 + D carbonato de cálcio 500 mg colecalciferol (vit. D) 200 UI Uso adulto e pediátrico Uso oral

Leia mais

Clampeamento do cordão umbilical: qual o momento ideal?

Clampeamento do cordão umbilical: qual o momento ideal? Clampeamento do cordão umbilical: qual o momento ideal? XI Encontro Nacional de Aleitamento Materno 2010/Santos - SP Sonia Venancio PqC VI - Instituto de Saúde/SES/SP soniav@isaude.sp.gov.br Polêmica A

Leia mais

Resoluções, conquistas e desafios

Resoluções, conquistas e desafios Eventos pré-congresso Cuidados Paliativos Conselhos e Associações de Classe Demências - diagnóstico diferencial TNT Geriatria - Abbott GeriatRio2013 - Programação Preliminar Como responder às demandas

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

Diabetes Mellitus em animais de companhia. Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária

Diabetes Mellitus em animais de companhia. Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária Diabetes Mellitus em animais de companhia Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária O que é Diabetes Mellitus? É uma doença em que o metabolismo da glicose fica prejudicado pela falta ou má absorção

Leia mais

Dieta, Nutrição e Prevenção do Câncer. Instituto Adriana Garófolo IAG www.nutricancer.com.br

Dieta, Nutrição e Prevenção do Câncer. Instituto Adriana Garófolo IAG www.nutricancer.com.br Dieta, Nutrição e Prevenção do Câncer Instituto Adriana Garófolo IAG www.nutricancer.com.br Epidemiologia sexo masculino : pulmão, próstata, estômago, cólon e reto, boca e faringe, fígado, esôfago e bexiga

Leia mais

Porcentagem Relativa à Ingestão Diária Recomendada (% IDR) 2 sachês

Porcentagem Relativa à Ingestão Diária Recomendada (% IDR) 2 sachês IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: Miocalven D citrato de cálcio colecalciferol (vitamina D) APRESENTAÇÕES Pó para suspensão. Cada sachê contêm 4,0 g de pó para uso oral, contendo 2.370 mg de citrato de cálcio

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

O QUE SÃO ALIMENTOS FUNCIONAIS?

O QUE SÃO ALIMENTOS FUNCIONAIS? O QUE SÃO ALIMENTOS FUNCIONAIS? São alimentos que além de fornecerem energia para o corpo e uma nutrição adequada, produzem outros efeitos que proporcionam benefícios à saúde, auxiliando na redução e prevenção

Leia mais

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans GRUPO CONSUMIDOR 1) O que são ácidos graxos trans ou gordura trans? Os ácidos graxos ou gorduras trans são um tipo de gordura formada pelo processo de hidrogenação

Leia mais

TEMA: Uso de Calcitriol no hipoparatireoidismo após cirurgia de tireóide

TEMA: Uso de Calcitriol no hipoparatireoidismo após cirurgia de tireóide NT 27/2012 Solicitante: Dra. Jacqueline de Souza Toledo e Dutra Juíza de Direito do 2º JESP do Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre Data: 29/11/2012 Medicamento X Material Procedimento Cobertura

Leia mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ CENTRO DE PESQUISAS AGGEU MAGALHÃES DOUTORADO EM SAÚDE PÚBLICA LUIZ HENRIQUE MACIEL GRIZ

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ CENTRO DE PESQUISAS AGGEU MAGALHÃES DOUTORADO EM SAÚDE PÚBLICA LUIZ HENRIQUE MACIEL GRIZ FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ CENTRO DE PESQUISAS AGGEU MAGALHÃES DOUTORADO EM SAÚDE PÚBLICA LUIZ HENRIQUE MACIEL GRIZ DEFICIÊNCIA DE VITAMINA D EM MULHERES PORTADORAS DE DIABETES MELLITUS TIPO 2 NA PÓS-MENOPAUSA

Leia mais

Desdobrável de informação ao paciente

Desdobrável de informação ao paciente Desdobrável de informação ao paciente Doença cardíaca coronária Secções para este tópico: Introdução Sintomas Causas Diagnóstico Tratamento Prevenção Hiperligações seleccionadas Introdução Para que funcione,

Leia mais

FISSURA ORAL E TABAGISMO

FISSURA ORAL E TABAGISMO FISSURA ORAL E TABAGISMO Leonor de Castro Monteiro LOFFREDO* José Maria Pacheco de SOUZA** José Alberto de Souza FREITAS*** Maria Jacira Silva SIMÕES**** RESUMO: Realizou-se um estudo tipo caso-controle,

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador aminidicionário DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas vidas.

Leia mais

Devemos fazer a triagem de Câncer de Próstata em pacientes com menos de 70 anos? Wilson Busato Jr

Devemos fazer a triagem de Câncer de Próstata em pacientes com menos de 70 anos? Wilson Busato Jr Devemos fazer a triagem de Câncer de Próstata em pacientes com menos de 70 anos? Wilson Busato Jr American Urological Association (guideline 2013) 1. Nunca rastrear < 40 anos 2. Não rastrear de rotina

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ VIEIRA, G.A. Resumo: O diabetes Mellitus é considerado atualmente uma das principais

Leia mais

RASTREAMENTO EM CÂNCER CRITÉRIOS EPIDEMIOLÓGICOS E IMPLICAÇÕES

RASTREAMENTO EM CÂNCER CRITÉRIOS EPIDEMIOLÓGICOS E IMPLICAÇÕES RASTREAMENTO EM CÂNCER CRITÉRIOS EPIDEMIOLÓGICOS E IMPLICAÇÕES RASTREAMENTO (SCREENING) Identificação presuntiva de doença em indivíduos assintomáticos, por teste/exame clínico de aplicação rápida Objetivo:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO E SAÚDE CURSO DE NUTRIÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO E SAÚDE CURSO DE NUTRIÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO E SAÚDE CURSO DE NUTRIÇÃO PREVALÊNCIA DE HIPOVITAMINOSE D EM GESTANTES ATENDIDAS EM UM SERVIÇO DE PRÉ-NATAL DA REDE PRIVADA DE

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS HÁBITOS H VIDA NO CÂNCER DE MAMA. Prof. Dr. Henrique Brenelli CAISM - UNICAMP

INFLUÊNCIA DOS HÁBITOS H VIDA NO CÂNCER DE MAMA. Prof. Dr. Henrique Brenelli CAISM - UNICAMP INFLUÊNCIA DOS HÁBITOS H DE VIDA NO CÂNCER DE MAMA Prof. Dr. Henrique Brenelli CAISM - UNICAMP Transtornos depressivos e câncer de mama Incidência população geral: 8% pacientes com ca de mama: 30% Qualidade

Leia mais

TEMA: Uso de Insulina Humalog ou Novorapid (aspart) ou Apidra (glulisina) no tratamento do diabetes mellitus

TEMA: Uso de Insulina Humalog ou Novorapid (aspart) ou Apidra (glulisina) no tratamento do diabetes mellitus NT 140/2014 Solicitante: Dr. Rodrigo Braga Ramos Juiz de Direito de Itamarandiba NUMERAÇÃO: 0325.14.000677-7 Data: 17/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Uso de Insulina Humalog

Leia mais

Litíase urinária- Identificação dos grupos de risco e tratamento. Humberto Lopes UFJF II Encontro de Urologia do Sudeste - BH

Litíase urinária- Identificação dos grupos de risco e tratamento. Humberto Lopes UFJF II Encontro de Urologia do Sudeste - BH - Identificação dos grupos de risco e tratamento Humberto Lopes UFJF II Encontro de Urologia do Sudeste - BH 11% homens X 5,6% mulheres Brancos X negros Oxalato de cálcio 80% Recorrência 40% 5 anos, 75%

Leia mais

Multivitamínicos Minerais. Regulamentação no Brasil

Multivitamínicos Minerais. Regulamentação no Brasil Multivitamínicos Minerais Regulamentação no Brasil Workshop sobre Estratégia de Fortificação Caseira no Brasil 29 e 30 de setembro Brasília (DF) Regulamentação Suplementos vitamínicos e ou minerais (Alimentos)

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

De: Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB) Para: JBS S.A.

De: Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB) Para: JBS S.A. São Paulo, 18 de novembro de 2013. De: Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB) Para: JBS S.A. Esclarecimento e solicitação de providência a respeito de equívoco em comercial televisivo da campanha publicitária

Leia mais

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Comprimido revestido - Embalagem contendo 60 comprimidos revestidos 200 UI (3) 100%

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Comprimido revestido - Embalagem contendo 60 comprimidos revestidos 200 UI (3) 100% Nutrical D carbonato de cálcio de ostra + vitamina D FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Comprimido revestido - Embalagem contendo 60 comprimidos revestidos USO ADULTO VIA ORAL COMPOSIÇÃO Cada comprimido

Leia mais

A maioria das pessoas sente-se apta para comer outra vez após a cirurgia, aumentando o seu apetite à medida que os dias passam.

A maioria das pessoas sente-se apta para comer outra vez após a cirurgia, aumentando o seu apetite à medida que os dias passam. Dieta durante o tratamento O que comer e o que evitar de comer Após a cirurgia A maioria das pessoas sente-se apta para comer outra vez após a cirurgia, aumentando o seu apetite à medida que os dias passam.

Leia mais

Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você!

Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você! CANAL MÉDICO Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você! A equipe do canal médico do laboratório Alvaro, é formada por bioquímicos, biomédicos e médicos com grande experiência

Leia mais