ITED exemplo genérico. CIE (BT) - 5º Ano Energia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ITED exemplo genérico. CIE (BT) - 5º Ano Energia"

Transcrição

1 ITED exemplo genérico

2 Infra-estrutura Telefónica - Rede de Distribuição Pública (RD) - Rede Intermédia (RInt) - Instalação da Rede de Cliente (IRC)

3 Rede de Distribuição Pública (RD) DEFINIÇÃO: Conjunto de cabos servindo vários assinantes, que estabelece a ligação entre o equipamento de cliente da central pública ou equivalente e o Ponto de Distribuição (PD) (normalmente o ATE (armário de telecomunicações do edifício) ou o BPC (bloco privativo do cliente)

4 Rede de Distribuição Pública (RD) PD interior - o ponto de distribuição encontra-se no interior do imóvel Limite da RD -próprio PD exclusive. O PD passa a designar-se por RG

5 Rede de Distribuição Pública (RD) PD exterior - o ponto de distribuição encontra-se no exterior do imóvel Limite da RD - próprio PD

6 Rede Intermédia (RInt) DEFINIÇÃO: Conjunto de cabos ou condutores nus que liga o PD exterior à Rede de Cabos do Edifício (Instalação da Rede de Assinante) Limites: com a RD - o PD exclusive com a Inst. Assinante - o 1º dispositivo de derivação, dentro do edifício, exclusive

7 Instalação da Rede de Cliente (IRC) DEFINIÇÃO: Instalação de telecomunicação estabelecida no interior de uma propriedade privada, ligada ou a ligar à RD e composta pelas Instalação Colectiva (ICC) e Individual de Cliente (IIC) O ITED apenas se aplica à IRC

8 Instalação da Rede de Cliente (IRC) A pré-instalação da infra-estrutura telefónica que constitui a IRC de qualquer edifício (novo, reconstruído, ampliado) é obrigatória por lei. A infra-estrutura é composta por 2 redes: - Rede de Tubagens do Edifício (RTE) - Rede de Cabos do Edifício (RCE) Sob o ponto de vista da estrutura a IRC pode ser subdividida em: - Instalação Colectiva de Cliente (ICC) - Instalação Individual de Cliente (IIC)

9 Rede de Tubagens do Edifício (RTE) Constituição: - Tubos ou Condutas - Caixas Razões da sua existência: Será! AH! AH!... - Assegurar as condições mínimas necessárias para salvaguardar o sigilo nas comunicações - Proteger fisicamente os cabos e os dispositivos nela alojados - Facilitar as futuras ampliações da IRA sem obrigar a trabalhos de construção civil - Melhorar a estética dos edifícios

10 Rede de Tubagens do Edifício (RTE) Tipos: a) Para edifícios com vários pisos e várias fracções autónomas Legenda: 1- Entrada de cabos (CME) 2- Caixa principal da coluna (CMCP) 3- Caixa de derivação da coluna montante 4- Caixa de passagem da coluna montante 5- Tubagem da coluna montante 6- Derivação colectiva 7- Caixa de entrada de cliente 8- Caixa de saída da rede individual 9- Caixa de passagem da rede individual 10- Tubagem da rede individual

11 Rede de Tubagens do Edifício (RTE) b) Para edifícios com poucos pisos (1 ou 2) e apenas 1 fracção autónoma Legenda: 1- Entrada de cabos (CME) 2- Caixa de entrada de cliente 3- Tubagem da rede individual 4- Caixa de saída da rede individual

12 Rede de Tubagens do Edifício (RTE) Quando existem vários utilizadores a RTE é decomposta em: Rede Colectiva de Tubagens (RCT) Legenda: 1- Entrada de cabos (CME) 2- Caixa principal da coluna (CMCP) 3- Caixa de derivação da coluna montante 4- Caixa de passagem da coluna montante 5- Tubagem da coluna montante 6- Derivação colectiva 7- Caixa de entrada de cliente 8- Caixa de saída da rede individual 9- Caixa de passagem da rede individual 10- Tubagem da rede individual

13 Rede de Tubagens do Edifício (RTE) Rede Colectiva de Tubagens (RCT) - Considerada no caso de edifícios com mais de uma fracção autónoma; - Inclui os tubos de entrada de cabos, coluna montante e derivações colectivas; - Constituída por 2 colunas montantes com o mínimo de 2 tubos cada (uma para passagem dos cabos de pares de cobre e outra para os cabos coaxiais ou cabos de fibras ópticas); - Em cada coluna um dos tubos é de reserva; - As colunas encontram-se ligadas entre si nas caixas de base e de topo do edifício por um tubo de igual dimensão

14 Rede de Tubagens do Edifício (RTE) - Rede Individual de Tubagens (RIT) Legenda: 1- Entrada de cabos (CME) 2- Caixa principal da coluna (CMCP) 3- Caixa de derivação da coluna montante 4- Caixa de passagem da coluna montante 5- Tubagem da coluna montante 6- Derivação colectiva 7- Caixa de entrada de cliente 8- Caixa de saída da rede individual 9- Caixa de passagem da rede individual 10- Tubagem da rede individual

15 Rede de Tubagens do Edifício (RTE) Rede Individual de Tubagens (RIT) - Destina-se a servir um só cliente; - Deve incluir um número mínimo de 2 tubos (um para passagem dos cabos de pares de cobre e outro para os cabos coaxiais ou cabos de fibras ópticas); - As caixas de entrada do cliente encontram-se ligadas entre si por um tubo de dimensão igual aos de entrada

16 Rede de Tubagens do Edifício (RTE) Nestas redes podem distinguir-se: TUBOS - tubos -calhas - caixas Características da rede de tubos da IRC - Exclusiva para os equipamentos terminais de assinante - Protegida contra interferências e contactos de canalizações de água, gás, - Montada de maneira que os cabos possam ser passados ou substituídos sem dificuldade

17 Rede de Tubagens do Edifício (RTE) TUBOS Características (cont.) - Parede interior lisa - Obedecer às Normas NP-1071/2 e NP-1071/3 (ISOGRIS e VD) Diâmetro - Depende do número de condutores - Depende do diâmetro de cada um dos condutores É de toda a conveniência sobredimensionar o valor do diâmetro do tubo tendo em vista eventuais ampliações.

18 Rede de Tubagens do Edifício (RTE) Simbologia TUBAGEM TUBAGEM À VISTA na parede no tecto TUBAGEM EMBEBIDA no chão na parede no tecto V VT C T

19 Rede de Tubagens do Edifício (RTE) Simbologia TUBAGEM OCULTA TUBAGEM DE SECÇÂO CIRCULAR TUBAGEM RECTANGULAR TUBAGEM n TUBOS TUBAGEM COM m + n TUBOS O Ø... x... n x Ø... m x Ø 1 + n x Ø 2

20 Rede de Tubagens do Edifício (RTE) CALHAS - Considerar que cada compartimento da calha corresponde a um tubo Características - Obedecer à norma europeia EN 50085; - Possuir tampa desmontável só com utensílio; - IP40 de acordo com NP EN 60529; - IK 08 de acordo com EN 50102; - Não propagador de chama.

21 Rede de Tubagens do Edifício (RTE) CAIXAS Características - Possuir tampa ou porta amovível - Ser embebidas ou à face das paredes - Se pertencerem à Rede Colectiva - Possuir um dispositivo de fecho com chave - Identificadas com TELECOMUNICAÇÕES

22 Rede de Tubagens do Edifício (RTE) TIPOS E DESIGNAÇÕES Caixa de Entrada (CMCE) - localizada na extremidade interior da Entrada de Cabos, onde, em regra, são alojados os dispositivos de ligação e derivação para interligação da Rede Colectiva de Cabos ao Cabo de Entrada N 2a a a = 10 mm

23 Rede de Tubagens do Edifício (RTE) Caixa Principal de Coluna (CMCP) - caixa da Coluna Montante que permite a ligação desta à Caixa de Entrada ou à Entrada de Cabos a a/10 N a Caixa de derivação da coluna montante - caixa que permite a distribuição dos cabos e faz parte da CM. a a/10 N a a = 10 mm

24 Rede de Tubagens do Edifício (RTE) Caixa de Passagem (CMP ou CP) - caixa destinada a facilitar o enfiamento de cabos a N a Caixa de entrada de cliente (CBn) - caixa destinada a alojar dispositivos de derivação/transição para a RIC a a/10 N a a = 10 mm

25 Rede de Tubagens do Edifício (RTE) Caixa de Saída (CS) - caixa destinada a alojar um Dispositivo Terminal a/10 a N a a/2 a/2 a = 10 mm

26 Rede Colectiva de Tubagens (RCT) - Limitada a montante pela caixa de entrada de cabos, inclusive, e a jusante pelas caixas de entrada de cliente, exclusive; No caso geral é constituída por: -Entrada de cabos; - Tubo de ligação entre a Caixa de Entrada e a Caixa Principal de Coluna (quando existe); - Caixa de Entrada (quando existe); - Coluna Montante (CM); - Derivações Colectivas.

27 Rede Colectiva de Tubagens (RCT) Entrada de Cabos (CME) Conjunto de tubos ou condutas que permitem a passagem do ou dos Cabos de Entrada Entrada Subterrânea (CMEs( CMEs) Es Ø mm ( ) Entrada Aérea (CMEa( CMEa) Ea Ø mm ( )

28 Rede Colectiva de Tubagens (RCT) Entrada de Cabos (CME) (cont) Situações possíveis CME Caixa entrada CMCP CME CBn CME CMCP

29 Rede Colectiva de Tubagens (RCT) Caixa de Entrada Caixa localizada na extremidade interior da Entrada de Cabos e na qual, em geral, é alojado o RG ou a junta para interligação da Rede Colectiva de Cabos ao Cabo de Entrada Normalmente esta caixa não é instalada salvo algumas excepções: - Distância considerável entre a Câmara de Visita e a Caixa Principal de Coluna Montante - Percurso sinuoso entre. - Distribuição das fracções autónomas em banda

30 Rede Colectiva de Tubagens (RCT) Coluna Montante (CM) Conjunto de caixas e tubos ou canais interligados a toda a altura do imóvel Legenda: 1- Entrada de cabos (CME) 2- Caixa principal da coluna (CMCP) 3- Caixa de derivação da coluna montante 4- Caixa de passagem da coluna montante 5- Tubagem da coluna montante 6- Derivação colectiva 7- Caixa de entrada de cliente 8- Caixa de saída da rede individual 9- Caixa de passagem da rede individual 10- Tubagem da rede individual

31 Rede Colectiva de Tubagens (RCT) Coluna Montante (CM) (cont) As caixas que integram a CM recebem as seguintes designações: - Caixa Principal de Coluna (CMCP) - Caixa de derivação da Coluna - Caixa de Passagem da Coluna (CMP)

32 Rede Colectiva de Tubagens (RCT) Coluna Montante (CM) (cont) Características - Deve ser rectilínea - Ter capacidade para servir todo o imóvel - Se for necessário mais do que uma coluna montante, elas devem ser ligadas entre si em mais que um piso e obrigatoriamente ligadas à Caixa Principal de Coluna - Localizadas em zona de acesso público - Deve existir uma caixa de coluna em cada piso - Não deve haver mais do que um piso sem caixa de derivação - Quando o nº de fracções autónomas por piso for superior a 2, devem existir caixas de derivação do tipo C em todos os pisos

33 Rede Colectiva de Tubagens (RCT) Coluna Montante (CM) (cont) Características (cont( cont) - Quando o nº de fracções autónomas por piso for superior a 8, a coluna montante deve ser desdobrada na vertical ou na horizontal - O diâmetro mínimo dos tubos das colunas montantes será 40mm - Da entrada ou CM até às caixas I3 e IE deverão ir 2 tubos de diâmetro 25mm, 1 para cada caixa e estas devem estar interligadas por um tubo de igual diâmetro - Para o cálculo do diâmetro de uma tubagem usar-se-á a seguinte fórmula D 1.6x d + d d tubo 1 2 n

34 Rede Colectiva de Tubagens (RCT) Derivação Colectiva Conjunto de caixas e tubos ou condutas, dispostos normalmente na horizontal, que ligam em cada piso a coluna montante, caso exista, às Redes Individuais ou à Entrada de Cabos Edifício sem Coluna Montante CS CS CP CS CS CBn CMCP CBn CP CS CS CS CS ES CME Ø...

35 Rede Colectiva de Tubagens (RCT) Derivação Colectiva (cont) Edifício possuindo Coluna Montante Legenda: 1- Entrada de cabos (CME) 2- Caixa principal da coluna (CMCP) 3- Caixa de derivação da coluna montante 4- Caixa de passagem da coluna montante 5- Tubagem da coluna montante 6- Derivação colectiva 7- Caixa de entrada de cliente 8- Caixa de saída da rede individual 9- Caixa de passagem da rede individual 10- Tubagem da rede individual

36 Rede Individual de Tubagens (RIT) Definição Conjunto de tubos e caixas destinados a servir um só cliente - limitada a montante pelas 1ªs caixas de entrada de cliente inclusive e a jusante pelas caixas de saída Legenda: 1- Entrada de cabos (CME) 2- Caixa de entrada de cliente 3- Tubagem da rede individual 4- Caixa de saída da rede individual

37 Rede Individual de Tubagens (RIT) Legenda: 1- Entrada de cabos (CME) 2- Caixa principal da coluna (CMCP) 3- Caixa de derivação da coluna montante 4- Caixa de passagem da coluna montante 5- Tubagem da coluna montante 6- Derivação colectiva 7- Caixa de entrada de cliente 8- Caixa de saída da rede individual 9- Caixa de passagem da rede individual 10- Tubagem da rede individual

38 Rede Individual de Tubagens (RIT) Em termos gerais é constituída por: - Caixas de Bloco (CBn) - Caixas de Passagem (CP) - Caixas de Saída (CS) - Tubos ou calhas de interligação Nas CBn e nas CP ao contrário do que sucede nas Derivações Colectivas não é obrigatório que a porta ou tampa seja munida de fechadura

39 Rede Individual de Tubagens (RIT) Características - Deve comportar no mínimo uma caixa do tipo I3 ligada à caixa de derivação da CM, destinada a alojar o BPC - Da caixa I3 sairão tubos para a I2 (caixa de passagem) se existirem e para as I1 (caixas de aparelhagem) - Deverá ser prevista a instalação de tubagem para a passagem do condutor de terra até ao BPC - As tampas das caixas não necessitam de ser providas de fechadura - Os tubos entre a caixa de entrada do cliente (I3 e IE) e as caixas de passagem devem ter um diâmetro 20mm

40 Rede Individual de Tubagens (RIT) Características (cont( cont) - Os tubos das caixas de entrada do cliente (I3 e IE) directos às caixas de aparelhagem (I1), bem como entre caixas I1, devem ter um diâmetro 16mm - Deve prever-se 1 tubo de diâmetro 16mm ligado ao Quadro Geral de energia eléctrica para alimentação da tomada existente na caixa IE

41 Rede de Tubagens Fronteiras Entrada aérea

42 Rede de Tubagens Entrada subterrânea

43 Rede de Tubagens De forma esquemática CME Caixa entrada CMCP Caixa derivação CBn CP CS RCT RIT RTE CBn - Caixa de Entrada do Cliente destinada ao BPC

44 Rede de Cabos do Edifício (RCE) Conjunto de Cabos de Telecomunicações (cabos de pares de cobre, cabos coaxiais, cabos de fibra óptica), interligados por dispositivos de ligação e distribuição Conjunto das redes colectiva e individual de cabos Constituição: - Cabos de pares de cobre - Cabos coaxiais - Cabos de fibra óptica - Dispositivos de Ligação e Distribuição

45 Rede de Cabos do Edifício (RCE) Tipos: a) Para edifícios com vários pisos e várias fracções autónomas Legenda: 1- Repartidor Geral de pares de cobre 2- Dispositivo de Derivação 3- Bloco Privativo de Cliente 4- Cabo de Derivação 5- Tomada 6- Cabo da Rede Individual 7- Dispositivo Terminal

46 Rede de Cabos do Edifício (RCE) b) Para edifícios com poucos pisos (1 ou 2) e apenas 1 fracção autónoma Legenda: 1- Bloco Privativo de Cliente 3- Cabo da Rede Individual 4- Tomada

47 Rede de Cabos do Edifício (RCE) Quando existem vários utilizadores a RCE é decomposta em: Rede Colectiva de Cabos (RCC) Legenda: 1- Repartidor Geral de pares de cobre 2- Dispositivo de Derivação 3- Bloco Privativo de Cliente 4- Cabo de Derivação 5- Tomada 6- Cabo da Rede Individual 7- Dispositivo Terminal

48 Rede de Cabos do Edifício (RCE) Rede Individual de Cabos (RIC) Legenda: 1- Repartidor Geral de pares de cobre 2- Dispositivo de Derivação 3- Bloco Privativo de Cliente 4- Cabo de Derivação 5- Tomada 6- Cabo da Rede Individual 7- Dispositivo Terminal

49 Rede de Cabos do Edifício (RCE) Cabos Telefónicos - Cabos Telefónicos Exteriores - Cabos Telefónicos Interiores Cabos Telefónicos Exteriores Podem ir até várias centenas de pares Cabo TE1HES Cabo TE1HES Cabo TE1HEAV Cabo TEES

50 Rede de Cabos do Edifício (RCE) Cabos Telefónicos Interiores Cabo TVD com dois ou três condutores Cabo TKVD Cabo TVV Cabo TVHV

51 Rede de Cabos do Edifício (RCE) Cabos Coaxiais Cabo RG59 sinal TV normal e videoporteiro Cabo RG6 sinal TV por cabo e satélite

52 Rede de Cabos do Edifício (RCE) Consoante a função na infra-estrutura telefónica designam-se por: - Cabo de Entrada (CbE) da RD até à RCE - Cabo de Derivação (CbD) da RCC que interliga 2 dispositivos de derivação

53 Rede de Cabos do Edifício (RCE) Simbologia Cabo Cabo de N pares Cabo de M ternos Cabo aéreo de N pares Cabo aéreo de N pares apoiado em postes N/ M(3)/ N/CA N/

54 Rede de Cabos do Edifício (RCE) Simbologia (cont) Cabo à vista de N pares Cabo de N pares em tubo ou canal N/P N/ Cabo Subterrâneo em condutas (m + n) pares no mesmo tubo m x N/ + n x M/

55 Rede de Cabos do Edifício (RCE) Dispositivos de Derivação e Terminais Dispositivos que permitem a individualização de condutores de um cabo, tendo em vista permitir uma ou, simultaneamente mais do que uma das seguintes funções: - Interligação de cabos - Protecção da instalação telefónica - Ensaio de circuitos telefónicos - Terminação de cabos

56 Rede de Cabos do Edifício (RCE) Dispositivos de interligação de cabos: - Repartidor Geral - Repartidor geral de par de cobre (RG-PC) - Repartidor geral de cabo coaxial (RG-CC) - Repartidor geral de fibra óptica (RG-FO) alojados no armário de telecomunicações do edifício (ATE)

57 Rede de Cabos do Edifício (RCE) -Bloco Privativo de Cliente (BPC) - com protecção - simples (sem protecção) -Dispositivos de Derivação (DD) - simples (DDS) - com possibilidade de ensaio (DDE)

58 Rede de Cabos do Edifício (RCE) Dispositivos de terminação de cabos: - Tomadas (T) - Dispositivos Terminais (DT) - Geral - Específico

59 Rede de Cabos do Edifício (RCE) Repartidor Geral (RG) : Designação genérica dos dispositivos que permitem a interligação entre as Redes do Operador e do Edifício, como o RG-PC, RG-CC e RG-FO. O RG é considerado como fazendo parte integrante da Rede Colectiva de Cabos (RCC). RG-PC 2a a N N - capacidade em pares terminais da entrada ou saída

60 Rede de Cabos do Edifício (RCE) Repartidor Geral (RG) (cont) Constituição: - Entrada ou Primário (1,5 x sec) - Saída ou Secundário Junto do RG-PC deverá existir uma ficha com a identificação dos diferentes circuitos Ficha do RG-PC O RGE é instalado no Armário de Telecomunicações do Edifício

61 Rede de Cabos do Edifício (RCE) Repartidor Geral (RG) (cont) Funções secundárias: - Ensaio de circuitos telefónicos - Protecção da instalação telefónica e do ETA a N 2a RG-PCp com protecção

62 Rede de Cabos do Edifício (RCE) Dispositivos de Derivação (DD) Permite a individualização de condutores, com vista a uma fácil ligação dos cabos Dispositivo de Derivação Simples (DDS) a N 2a Dispositivo de Derivação c/ facilidade de Ensaio (DDE) 2a a N E

63 Rede de Cabos do Edifício (RCE) Dispositivos de Derivação (DD) (cont) - Os DD são normalmente instalados no interior das caixas de Bloco

64 Rede de Cabos do Edifício (RCE) Bloco Privativo de Cliente (BPC) Dispositivo de derivação e ensaio a instalar na Rede Individual de Cabos quando haja linhas de rede terminadas em tomadas Representação simbólica a a a a a a BPC BPC f BPC p

65 Rede de Cabos do Edifício (RCE) Dispositivos terminais (DT) - pares de cobre Dispositivos que permitem ligar os Equipamentos Terminais de Cliente Tipos: a/2 - Tomadas (T) a/2 a/2 - Dispositivos Terminais Específicos a a N

66 Rede de Colectiva de Cabos (RCC) Parte da Rede de Cabos do Edifício destinada a servir vários assinantes do edifício Constituição: - Secundário do Repartidor Geral (RG) - Cabos de Derivação (CbD) - Dispositivos de Derivação (DD)

67 Rede de Colectiva de Cabos (RCC) Legenda: 1- Repartidor Geral de pares de cobre 2- Dispositivo de Derivação 3- Bloco Privativo de Cliente 4- Cabo de Derivação 5- Tomada 6- Cabo da Rede Individual 7- Dispositivo Terminal

68 Rede de Colectiva de Cabos (RCC) Repartidor Geral de Pares de Cobre (RG-PC) Implantado na Caixa de Entrada

69 Rede de Colectiva de Cabos (RCC) Repartidor Geral de Pares de Cobre (RG-PC) Implantado na Caixa Principal de Coluna

70 Rede de Colectiva de Cabos (RCC) Cabos de Derivação (CbD) Interligam dois quaisquer Dispositivos de Derivação

71 Rede de Colectiva de Cabos (RCC) Cabos de Derivação (CbD)

72 Rede de Colectiva de Cabos (RCC) Cabos de Derivação (CbD)

73 Rede de Colectiva de Cabos (RCC) Cabos de Derivação (CbD)

74 Rede de Colectiva de Cabos (RCC) Dispositivos de Derivação (DD) São dispositivos acessórios que permitem a individualização dos condutores com vista a uma fácil ligação de cabos A colocação de DD na Coluna Montante e nas Derivações Colectivas deve obedecer a: - Os DD deverão ser localizados ao longo da Coluna Montante e das derivações Colectivas para permitirem a melhor distribuição dos pares dos cabos - Não deve haver mais do que 1 pisos sem DD

75 Rede de Colectiva de Cabos (RCC) Dispositivos de Derivação (DD) (cont)

76 Rede de Colectiva de Cabos (RCC) Dispositivos de Derivação (DD) (cont)

77 Rede Individual de Cabos (RIC) Parte da Rede de Cabos do Edifício destinada a servir um único assinante Constituição: - Bloco Privativo de Cliente (BPC) - Dispositivos de Derivação (DD) - Dispositivos Terminais (DT) -Cabos

78 Rede Individual de Cabos (RIC) Tipos: a) Para edifícios com vários pisos e várias fracções autónomas Legenda: 1- Repartidor Geral de pares de cobre 2- Dispositivo de Derivação 3- Bloco Privativo de Cliente 4- Cabo de Derivação 5- Tomada 6- Cabo da Rede Individual 7- Dispositivo Terminal

79 Rede Individual de Cabos (RIC) b) Para edifícios com poucos pisos (1 ou 2) e apenas 1 fracção autónoma Legenda: 1- Bloco Privativo de Cliente 3- Cabo da Rede Individual 4- Tomada

80 Rede Individual de Cabos (RIC) c) Para edifícios em banda

81 Rede de Cabos do Edifício (RCE) Fronteiras RG-PC DD (1) DD (2) DD (3) BPC DT ETC RCC RIC RCE

ANEXO 2 - GLOSSÁRIO. CAIXA DE DERIVAÇÃO - Caixa que permite a distribuição dos cabos, fazendo parte da coluna montante.

ANEXO 2 - GLOSSÁRIO. CAIXA DE DERIVAÇÃO - Caixa que permite a distribuição dos cabos, fazendo parte da coluna montante. ANEXO 2 - GLOSSÁRIO AMPLIFICADOR - Dispositivo destinado a elevar o nível do sinal recebido na sua entrada. ANTENA Elemento de recepção/emissão de telecomunicações. ARMÁRIO DE TELECOMUNICAÇÕES DE EDIFÍCIO

Leia mais

2 CARACTERIZACÃO DAS ITED

2 CARACTERIZACÃO DAS ITED 2 CARACTERIZACÃO DAS ITED As infra-estruturas de telecomunicações de edifício (ITED) compõem-se de espaços, redes de tubagens, redes de cablagens e restante equipamento e material tais como conectores,

Leia mais

2 CARACTERIZACÃO DAS ITED

2 CARACTERIZACÃO DAS ITED 2 CARACTERIZACÃO DAS ITED As infra-estruturas de telecomunicações em edifícios (ITED) compõem-se de espaços, redes de tubagens, redes de cablagens e restante equipamento e material tais como conectores,

Leia mais

Principais Alterações. Jorge Martins Direção de Fiscalização

Principais Alterações. Jorge Martins Direção de Fiscalização Principais Alterações Jorge Martins Direção de Fiscalização Fevereiro de 2015 Manual ITED 3 - Reformulação dos capítulos e estrutura - Clarificação das regras de projeto - Redução dos custos de implementação

Leia mais

III ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS EM VIGOR

III ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS EM VIGOR III ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS EM VIGOR Listagem das Especificações Técnicas em Vigor RITA Especificação Caixas de Rede Colectiva de Tubagens 25.03.40.001 (Ed.2); RITA - Especificação Cabo Tipo V 25.03.40.002

Leia mais

Principais alterações das regras técnicas ITED

Principais alterações das regras técnicas ITED Principais alterações das regras técnicas ITED Funchal Nelson Melim Índice Pontos fronteira Adequação de materiais Considerações sobre Projeto (ITED 3 e ITED 3a) Considerações sobre Instalação Ensaios

Leia mais

Regimes ITUR - ITED. Paulo Mourato Mendes / Duarte Alves Direcção de Fiscalização

Regimes ITUR - ITED. Paulo Mourato Mendes / Duarte Alves Direcção de Fiscalização Regimes ITUR - ITED Paulo Mourato Mendes / Duarte Alves Direcção de Fiscalização Santarém, 4 de Julho de 2011 Regime ITUR Criação de condições para o livre acesso às infra-estruturas por parte dos diferentes

Leia mais

FICHA DE REGISTO E DE VERIFICAÇÃO DE CONFORMIDADE ITED

FICHA DE REGISTO E DE VERIFICAÇÃO DE CONFORMIDADE ITED FICHA DE REGISTO E DE VERIFICAÇÃO DE CONFORMIDADE ITED DO INSTALADOR BI CONTRIBUINTE N.º (ANACOM, OE, OET) DO EDIFÍCIO COORDENADAS (GPS) CARACTERIZAÇÃO DO EDIFÍCIO N.º FOGOS N.º PISOS INSERIDO EM ITUR

Leia mais

Curso de Formação de. Curso de Formação de. Actualização de Instalador ITED 2 (75h)

Curso de Formação de. Curso de Formação de. Actualização de Instalador ITED 2 (75h) Curso de Formação de O curso tem como objectivos específicos, dotar os participantes de conhecimentos que lhes permitam: Obter a RENOVAÇÃO da CERTIFICAÇÃO reconhecida pela ANACOM como técnico instalador

Leia mais

Escrito por LdeR Domingo, 28 Março :49 - Actualizado em Segunda, 24 Outubro :42

Escrito por LdeR Domingo, 28 Março :49 - Actualizado em Segunda, 24 Outubro :42 O objectivo deste artigo é efectuar um resumo das principais alterações ao Manual ITED (Prescrições e Especificações Técnicas das Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios). Manual ITED - 2ª Edição

Leia mais

(11) Número de Publicação: PT A. (51) Classificação Internacional: H04Q 5/00 ( ) (12) FASCÍCULO DE PATENTE DE INVENÇÃO

(11) Número de Publicação: PT A. (51) Classificação Internacional: H04Q 5/00 ( ) (12) FASCÍCULO DE PATENTE DE INVENÇÃO (11) Número de Publicação: PT 104593 A (51) Classificação Internacional: H04Q 5/00 (2006.01) (12) FASCÍCULO DE PATENTE DE INVENÇÃO (22) Data de pedido: 2009.05.26 (30) Prioridade(s): (73) Titular(es):

Leia mais

PRESCRIÇÕES E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

PRESCRIÇÕES E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PRESCRIÇÕES E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1 CONSIDERAÇÕES PRÉVIAS 1.1 CONTEXTO NORMATIVO Na elaboração do presente Manual ITED foram consideradas as Normas Europeias aplicáveis, nomeadamente: EN 50083 - Sistemas

Leia mais

Concepção de Instalações Eléctricas E D. José Rui Ferreira. Setembro CIE (BT) - 5º Ano Energia

Concepção de Instalações Eléctricas E D. José Rui Ferreira. Setembro CIE (BT) - 5º Ano Energia Concepção de Instalações Eléctricas E D José Rui Ferreira Setembro 2002 ITED Infra-estruturas de Telecomunicações em EDifícios Índice -Introdução - Legislação - Inscrição de Empresas / Técnicos -Projecto

Leia mais

Aspetos a destacar na formação

Aspetos a destacar na formação Aspetos a destacar na formação Paulo Mourato Mendes Direção de Fiscalização Fevereiro de 2015 Sumário Adequação de materiais Soluções ITED Considerações sobre projeto Considerações sobre instalação Considerações

Leia mais

ANEXO 8 ESQUEMAS: DDC, TC, ATI, RG-PC+, RG-FO

ANEXO 8 ESQUEMAS: DDC, TC, ATI, RG-PC+, RG-FO ANEXO ESQUEMAS: DDC, TC, ATI, RG-PC+, RG-FO MANUAL ITED ª edição - Dezembro 00 - ANEXO ESQUEMA DE UM DDC Apresentam-se de seguida os esquemas de constituição de um possível DDC, integrado num ATI. Na figura

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ATI_RACK+CATI

INSTRUÇÕES GERAIS ATI_RACK+CATI INSTRUÇÕES GERAIS ATI_RACK+CATI MANUAL ITED 2ª EDIÇÃO Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 1 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. DOCUMENTOS NORMATIVOS APLICADOS...3

Leia mais

ÍNDICE GERAL. MANUAL ITED 1ª edição Julho

ÍNDICE GERAL. MANUAL ITED 1ª edição Julho MANUAL ITED (Prescrições e Especificações Técnicas) ANACOM, 1ª edição Julho de 2004 ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE TABELAS, FIGURAS E FÓRMULAS... 4 INTRODUÇÃO... 5 PRESCRIÇÕES E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS... 6 1

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO / UTILIZADOR ARMÁRIO ATI V2.4. EQUIPADO COM RC-PC e RC-CC (NÃO INCLUI FIBRA ÓPTICA - RC-FO) MANUAL ITED

MANUAL DE INSTALAÇÃO / UTILIZADOR ARMÁRIO ATI V2.4. EQUIPADO COM RC-PC e RC-CC (NÃO INCLUI FIBRA ÓPTICA - RC-FO) MANUAL ITED MANUAL DE INSTALAÇÃO / UTILIZADOR ARMÁRIO ATI V2.4 EQUIPADO COM RC-PC e RC-CC (NÃO INCLUI FIBRA ÓPTICA - RC-FO) MANUAL ITED Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 14 Pag

Leia mais

SOLUÇÕES ELÉTRICAS 6/2015 QUADROS ELÉTRICOS

SOLUÇÕES ELÉTRICAS 6/2015 QUADROS ELÉTRICOS SOLUÇÕES ELÉTRICAS 6/2015 QUADROS 2 quadros elétricos de embeber Pág. semimontados Quadros DE entrada para DCP 4 Quadros de distribuição 7 Quadros de Telecomunicações - ATI 11 - CATI 13 completos Quadros

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO / UTILIZADOR ARMÁRIO ATI V3.2. EQUIPADO COM RC-PC, RC-CC e RC-FO MANUAL ITED

MANUAL DE INSTALAÇÃO / UTILIZADOR ARMÁRIO ATI V3.2. EQUIPADO COM RC-PC, RC-CC e RC-FO MANUAL ITED MANUAL DE INSTALAÇÃO / UTILIZADOR ARMÁRIO ATI V3.2 EQUIPADO COM RC-PC, RC-CC e RC-FO MANUAL ITED Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 6 Pag 1/12 Mod.100/2 ÍNDICE 1. LISTA

Leia mais

Subsistemas e recomendações de projeto segundo NBR Segundo a ABNT os subsistemas do cabeamento, se subdividem conforme o desenho abaixo:

Subsistemas e recomendações de projeto segundo NBR Segundo a ABNT os subsistemas do cabeamento, se subdividem conforme o desenho abaixo: Subsistemas e recomendações de projeto segundo NBR 14565 Segundo a ABNT os subsistemas do cabeamento, se subdividem conforme o desenho abaixo: Projeto de rede secundária O desenvolvimento do projeto consiste

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOCUMENTAÇÃO (LEGAL) REGULAMENTAR E NORMATIVA APLICÁVEL REGRAS DAS INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE BAIXA TENSÃO - Portaria 949-A/2006 de 11 de Setembro DIRECTIVA DE BAIXA TENSÃO 2006/95/CE - Decreto-lei 6/2008,

Leia mais

ITED-ITUR, do saber ao fazer Aspetos técnicos

ITED-ITUR, do saber ao fazer Aspetos técnicos ITED-ITUR, do saber ao fazer Aspetos técnicos Paulo Mourato Mendes Direção de Fiscalização Porto, 13 de outubro de 2015 Sumário Materiais Cabos de pares de cobre Não residenciais de 1 fogo Ensaios PTI

Leia mais

INSTALAÇÃO COLECTIVA DE ENERGIA ELÉCTRICA

INSTALAÇÃO COLECTIVA DE ENERGIA ELÉCTRICA INSTALAÇÃO COLECTIVA DE ENERGIA ELÉCTRICA A instalação colectiva de edifícios deve obedecer ao Regulamento de Segurança de Instalações Colectivas de Edifícios e Entradas, sendo constituída por: Quadro

Leia mais

3 - Cablagem estruturada

3 - Cablagem estruturada Capítulo 3 3 - Cablagem estruturada 1 Os problemas Porquê organizar as cablagens? É fácil manter a organização da cablagem A identificação de um cabo é imediata (basta pôr-lhe a etiqueta correcta!!!!)

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Tecnologias de electrificação Regras de execução Elaboração: GTRPT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

1. Soluções Difundidas

1. Soluções Difundidas 1. Soluções Difundidas Edifício Habitacional Carlos Nogueira 2 Moradia Unifamiliar Carlos Nogueira 3 2. Níveis de Qualidade Carlos Nogueira 5 3. Tubagens Carlos Nogueira 7 Carlos Nogueira 8 REDE de TUBAGEM:

Leia mais

CENTRALIZAÇÃO DE CONTAGENS EM EDIFÍCIOS

CENTRALIZAÇÃO DE CONTAGENS EM EDIFÍCIOS CENTRALIZAÇÃO DE CONTAGENS EM EDIFÍCIOS Regras para a concepção dos quadros ou painéis de contagem Elaboração: DPR Homologação: Edição: 2ª Emissão: Av. Urbano Duarte, 100 3030-215 Coimbra Tel.: 239002000

Leia mais

NOVIDADES 2014 * * EDIÇÃO 2_2014 ARMÁRIO DE TELECOMUNICAÇÕES INDIVIDUAL TIPO BASTIDOR

NOVIDADES 2014 * * EDIÇÃO 2_2014 ARMÁRIO DE TELECOMUNICAÇÕES INDIVIDUAL TIPO BASTIDOR www.quiterios.pt NOVIDADES 2014 * * EDIÇÃO 2_2014 ARMÁRIO DE TELECOMUNICAÇÕES INDIVIDUAL TIPO BASTIDOR SOLUÇÃO STANDARD ATI_RACK EQUIPADO 400x375-6U x P 0009708 CX BASE ATI/CATI/ATI_RACK 400x375 P125 400x375x125

Leia mais

ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA

ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA Fornecimento e montagem, incluíndo todos os acessórios, de acordo com o Caderno de Encargos e as Peças Desenhadas, de: 1. QUADROS ELÉCTRICOS 1.1 Quadros Eléctricos, incluindo toda a aparelhagem e equipamento

Leia mais

Calha DLP de climatização

Calha DLP de climatização Calha DLP de climatização AR CONDICIONADO AQUECIMENTO CANALIZAÇÕES A GAMA ADAPTADA A QUALQUER TIPO DE APLICAÇÃO [ DLP CLIMATIZAÇÃO ] Produtos e sistemas Calha DLP de climatização Um sistema especialmente

Leia mais

ITED/ITUR- regime jurídico. Nuno Castro Luís Direção de Fiscalização

ITED/ITUR- regime jurídico. Nuno Castro Luís Direção de Fiscalização ITED/ITUR- regime jurídico Nuno Castro Luís Direção de Fiscalização infraestruturas de telecomunicações em edifícios Infraestruturas de telecomunicações em loteamentos, urbanizações e conjunto de edifícios

Leia mais

Quadros Eléctricos de Entrada

Quadros Eléctricos de Entrada Quadros Eléctricos de Entrada Quadros Eléctricos de Entrada Entrada de uma instalação Eléctrica Quadro de Entrada Definição, implantação e localização Condições de escolha do Equipamento Em função do aparelho

Leia mais

Apartamento T4D Apartamento Tarouca

Apartamento T4D Apartamento Tarouca Apartamento Tarouca Comando ON/OFF de Ar Condicionado: Controlo ON/OFF de aparelho de ar condicionado Controlo de Estores Eléctricos - Centralizado: Comando de um estore eléctrico a partir do quadro da

Leia mais

CALHAS TÉCNICAS FICHA TÉCNICA SÉRIE 10 - MOLDURAS (SELEÇÃO DE CALHAS) CALHAS. 12x7 (IK05) 12x7 Adesiva (IK05) 16x10. 16x10 Adesiva.

CALHAS TÉCNICAS FICHA TÉCNICA SÉRIE 10 - MOLDURAS (SELEÇÃO DE CALHAS) CALHAS. 12x7 (IK05) 12x7 Adesiva (IK05) 16x10. 16x10 Adesiva. TÉCNICAS SÉRIE 0 - MOLDURAS (SELEÇÃO DE ) Interiores Comp. Útil (Su) (m) (S:,4),5mm,5mm 4mm 6mm x7 (IK05) x7 Adesiva (IK05) 000 CBR 000 FBR 0x5,0 6, 44 5 5 4 3 6x0 6x0 Adesiva 000 CBR 000 FBR x8,0 86 8

Leia mais

Moldurasxxxxxx. emxxxxx U23X

Moldurasxxxxxx. emxxxxx U23X 8 Moldurasxxxxxx emxxxxx U23X Catálogo Geral 15-1 MOLDURAS 8 EM U23X Molduras 8 em U23X Para a distribuição e adaptação de mecanismos Recomendadas Redes individuais em edificios de uso residencial Calha

Leia mais

Caixas de encastrar

Caixas de encastrar Caixas de pavimento caixas de pavimento, caixas de encastrar, calhas de pavimento e acessórios Caixas de pavimento Caixas de encastrar metálicas plásticas cessórios de fixação Calhas metálicas Calhas em

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES MOTOR INTERIOR CE 100 Q MOTOR EXTERIOR CE 100 P

MANUAL DE INSTRUÇÕES MOTOR INTERIOR CE 100 Q MOTOR EXTERIOR CE 100 P MANUAL DE INSTRUÇÕES MOTOR INTERIOR CE 100 Q MOTOR EXTERIOR CE 100 P BEST 2 AVISOS O ar aspirado não deve ser canalizado por uma conduta já utilizada para evacuar fumos produzidos por aparelhos alimentados

Leia mais

O estabelecimento das infra-estruturas de telecomunicações deve ser feito de acordo com um projecto elaborado por um projectista ITED.

O estabelecimento das infra-estruturas de telecomunicações deve ser feito de acordo com um projecto elaborado por um projectista ITED. 5 INSTALAÇÃO Na instalação das infra-estruturas de telecomunicações, o instalador deverá tomar em consideração o projecto e os requisitos do presente Manual ITED. 5.1 OBJECTIVO O presente capítulo destina-se

Leia mais

Projeto FTTH Novembro 2016

Projeto FTTH Novembro 2016 Novembro 2016 Know-How da = SUCESSO na Implementação Levantamento Fator decisivo no sucesso de um projeto Tipologias de Rede Importância e impacto das métricas definidas Automatismos como factor de aumento

Leia mais

Definir e caracterizar os cabos, as tubagens, equipamentos e os materiais a utilizar, bem como o seu dimensionamento;

Definir e caracterizar os cabos, as tubagens, equipamentos e os materiais a utilizar, bem como o seu dimensionamento; 4 PROJECTO O projectista deverá respeitar não só os requisitos técnicos do presente capítulo, mas também os que são apresentados ao longo de todo o Manual ITED. 4.1 OBJECTIVO O presente capítulo destina-se

Leia mais

Anexo A. Síntese do cálculo da potência requisitada/identificação das fracções

Anexo A. Síntese do cálculo da potência requisitada/identificação das fracções Anexo A Síntese do cálculo da potência requisitada/identificação das fracções Nº de Ramais: Em instalações colectivas alimentadas por mais que um ramal (mais do que um quadro de colunas) deverá ser preenchido,

Leia mais

O novo regime Jurídico ITED-ITUR. Ciclo de Seminários Setembro - Outubro 2009

O novo regime Jurídico ITED-ITUR. Ciclo de Seminários Setembro - Outubro 2009 O novo regime Jurídico ITED-ITUR Ciclo de Seminários Setembro - Outubro 2009 Regime Jurídico ITED-ITUR Decreto-Lei nº 123/2009, de 21/05 Com rectificação nº 43/2009 (22 de Junho) e alteração do Decreto-Lei

Leia mais

ANEXO 6 FICHAS TÉCNICAS

ANEXO 6 FICHAS TÉCNICAS ANEXO 6 FICHAS TÉCNICAS MANUAL ITED 1ª edição revista - Dezembro 2003 - ANEXO 6 1 ITED INFRA-ESTRUTURAS DE TELEUNICAÇÕES EM EDIFÍCIOS FICHA TÉCNICA PROJECTO N.º LOCALIZAÇÃO DA OBRA CONCELHO MORADA FREGUESIA

Leia mais

Manual de ITED (Instaladores ITED)

Manual de ITED (Instaladores ITED) Manual de ITED (Instaladores ITED) Setembro / 2010 Paulo Monteiro Fonte de dados: Manual ITED e Normas Formação e Consultadoria Slide. 1 Sua aplicação 1. Edifícios novos 2. Edifícios a reconstruir 3. Todos

Leia mais

ANEXO 5 EXEMPLOS DE MATERIAIS E FERRAMENTAS ESPECÍFICAS

ANEXO 5 EXEMPLOS DE MATERIAIS E FERRAMENTAS ESPECÍFICAS ANEXO 5 EXEMPLOS DE MATERIAIS E FERRAMENTAS ESPECÍFICAS MANUAL ITED 1ª edição Julho 2004 ANEXO 5 1 Figura 1 Descarnador para cabos (RG59, RG6, RG7 e RG11) Figura 2 Alicate de cravar fichas F (RG59, RG6,

Leia mais

Formação ITED/ITUR CONTEUDOS E UNIFORMIZAÇÃO DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. Duarte Alves Direcção de Fiscalização

Formação ITED/ITUR CONTEUDOS E UNIFORMIZAÇÃO DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. Duarte Alves Direcção de Fiscalização Formação ITED/ITUR CONTEUDOS E UNIFORMIZAÇÃO DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Duarte Alves Direcção de Fiscalização Fevereiro de 2015 ÍNDICE Apresentação do conteúdo das UFCD de atualização Método de avaliação

Leia mais

BASTIDORES 19 PAINÉIS 19 ACESSÓRIOS CORDÕES PARA FIBRA ÓPTICA BASTIDORES 10 PAINÉIS 10

BASTIDORES 19 PAINÉIS 19 ACESSÓRIOS CORDÕES PARA FIBRA ÓPTICA BASTIDORES 10 PAINÉIS 10 58 60 65 65 66 67 BASTIDORES 19 PAINÉIS 19 ACESSÓRIOS CORDÕES PARA FIBRA ÓPTICA BASTIDORES 10 PAINÉIS 10 WWW.QUITERIOS.PT Ferramenta de apoio à construção e orçamentação de bastidores RAQUITED. Acesso

Leia mais

ATI_RACK MANUAL DE INSTALAÇÃO / UTILIZADOR. EQUIPADO COM RC-PC, RC-CC e RC-FO INSTRUÇÕES GERAIS ATI_RACK

ATI_RACK MANUAL DE INSTALAÇÃO / UTILIZADOR. EQUIPADO COM RC-PC, RC-CC e RC-FO INSTRUÇÕES GERAIS ATI_RACK MANUAL DE INSTALAÇÃO / UTILIZADOR ATI_RACK EQUIPADO COM RC-PC, RC-CC e RC-FO Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 5 Pag 1/16 Mod.100/2 ÍNDICE ÍNDICE... 2 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 8 Projeto em cabeamento

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 8 Projeto em cabeamento APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 8 Projeto em cabeamento Projetos de cabeamento O serviço de execução do cabeamento em uma rede não consiste apenas no lançamento dos cabos. Quando um cliente solicita uma

Leia mais

PROJETO DE INFRAESTRUTURA DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES IRT Curso Técnico em Telecomunicações 4ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral

PROJETO DE INFRAESTRUTURA DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES IRT Curso Técnico em Telecomunicações 4ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral PROJETO DE INFRAESTRUTURA DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES IRT11104 Curso Técnico em Telecomunicações 4ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral 2016-1 Visão geral do cabeamento estruturado Distribuidor de campus

Leia mais

Norma ANSI/TIA/EIA-569-A: Especificações de Infra-Estrutura de Cabeamento Estruturado

Norma ANSI/TIA/EIA-569-A: Especificações de Infra-Estrutura de Cabeamento Estruturado Norma ANSI/TIA/EIA-569-A: Especificações de Infra-Estrutura de Cabeamento Estruturado A prioridade desta norma é prover as especificações do projeto e direção para todas as instalações do prédio relacionadas

Leia mais

ATI. 4 X Saídas 6 X Saídas 8 X Saídas. Modular

ATI. 4 X Saídas 6 X Saídas 8 X Saídas. Modular ATI Modular 4 X Saídas 6 X Saídas 8 X Saídas Rua Mario Castelhano Nº 3 - Zona Industrial Queluz de Baixo - Ap. 12 2746-953 Queluz - Portugal Tel. (351) 21 434 46 70 - (351) 91 997 50 67 - (351) 96 273

Leia mais

Utilizar-se-ão, regra geral, fitas métricas e paquímetros, que não estão sujeitos a calibração.

Utilizar-se-ão, regra geral, fitas métricas e paquímetros, que não estão sujeitos a calibração. 6 ENSAIOS 6.1 GENERALIDADES O presente capítulo caracteriza um conjunto de ensaios, cuja finalidade é verificar as características da instalação, nomeadamente no respeitante às redes de cabos e aos sistemas

Leia mais

PROJECTO DE INFRA-ESTRUTURAS DE TELECOMUNICAÇÕES EM EDIFICIO ITED CENTRO ESCOLAR DA VILA DE MONÇÃO MONÇÃO CÂMARA MUNICIPAL DE MONÇÃO

PROJECTO DE INFRA-ESTRUTURAS DE TELECOMUNICAÇÕES EM EDIFICIO ITED CENTRO ESCOLAR DA VILA DE MONÇÃO MONÇÃO CÂMARA MUNICIPAL DE MONÇÃO PROJECTO DE INFRA-ESTRUTURAS DE TELECOMUNICAÇÕES EM EDIFICIO ITED CENTRO ESCOLAR DA VILA DE MONÇÃO MONÇÃO CÂMARA MUNICIPAL DE MONÇÃO MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA 1 - CONSTITUIÇÃO DO IMÓVEL O edifício

Leia mais

Infraestruturas de Telecomunicações em Loteamentos, Urbanizações e Conjuntos de Edifícios (ITUR) Questões gerais, legais e processuais...

Infraestruturas de Telecomunicações em Loteamentos, Urbanizações e Conjuntos de Edifícios (ITUR) Questões gerais, legais e processuais... Indice Questões gerais, legais e processuais... 4 1. O que significa a sigla ITUR?... 4 2. Qual a diferença entre uma ITUR pública e uma ITUR privada?... 4 3. Quais os serviços da ANACOM onde poderei efetuar

Leia mais

Sistema de alimentação de postos de trabalho com. Colunas ALU. matéria-prima cor. Cinzento Cinzento

Sistema de alimentação de postos de trabalho com. Colunas ALU. matéria-prima cor. Cinzento Cinzento Sistema de alimentação de postos de trabalho com 50 matéria-prima cor ALU 50 ALU Para a alimentação de postos de trabalho a partir do teto, em salas amplas Estruturas estilizadas com o diâmetro necessário

Leia mais

Sistema de alimentação de postos de trabalho com. Mini-Colunas U24X. matéria-prima cor. Cinzento. Antracite

Sistema de alimentação de postos de trabalho com. Mini-Colunas U24X. matéria-prima cor. Cinzento. Antracite Sistema de alimentação de postos de trabalho com 50 matéria-prima cor U24X Cinzento Antracite 50 U24X Cinzento Ant. Para a alimentação de postos de trabalho desde o chão, em salas amplas Sistema flexível

Leia mais

ATI Estanque Compacto 2 Saídas. com Entradas Marcadas Bucins PG. ATI Estanque Compacto 2 Saídas. com Boquilhas. ATI Estanque Compacto 4 Saídas

ATI Estanque Compacto 2 Saídas. com Entradas Marcadas Bucins PG. ATI Estanque Compacto 2 Saídas. com Boquilhas. ATI Estanque Compacto 4 Saídas ATI s ESTANQUES COMPACTOS -5º C +40º C Seláveis Termoplástico Protecção Anti-UV Instalação Saliente Classe de Isolamento 2 Módulos Entradas Marcadas Boquilha HALO HF VANTAGENS: Design e aspecto idêntico

Leia mais

Sistema de alimentação de postos de trabalho com. Calhas ALU. matéria-prima cor. Cinzento

Sistema de alimentação de postos de trabalho com. Calhas ALU. matéria-prima cor. Cinzento Sistema de alimentação de postos de trabalho com 93 matéria-prima cor 93 Para instalar mecanismos em ambientes onde se requer acabamentos em alumínio Liberdade de eleição de mecanismos. Possibilidade de

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 17 - Projetos de Instalações Telefônicas Porto Alegre - 2012 Tópicos Projetos de instalações telefônicas Simbologia Caixas de

Leia mais

BLOCOS DE TOMADAS.

BLOCOS DE TOMADAS. BLOCOS DE TOMADAS ÍNDICE Descrição Aplicações Referências Exemplo de configuração Instalação Informação ténica Exemplos de compatibilidade Dimensões Descrição Invólucros de chão para instalações salientes

Leia mais

Redes de Computadores. Topologias

Redes de Computadores. Topologias Redes de Computadores Topologias Sumário! Topologia Tipo de topologias 2 Topologia Configuração dos cabos, computadores e outros equipamentos 3 Topologia de cablagem! Topologia física Localização real

Leia mais

REGRAS DE INSTALAÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE TUBAGENS. Sistemas de Tubagem para Instalações de Água em Edifícios Hospitalares

REGRAS DE INSTALAÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE TUBAGENS. Sistemas de Tubagem para Instalações de Água em Edifícios Hospitalares REGRAS DE INSTALAÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE TUBAGENS Sistemas de Tubagem para Instalações de Água em Edifícios Hospitalares REGRAS GERAIS Cuidados a ter com o transporte e armazenamento de tubagens ou

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SERPA

CÂMARA MUNICIPAL DE SERPA CÂMARA MUNICIPAL DE SERPA EDIFÍCIO DE ATL Projecto das Instalações Eléctricas e de Telecomunicações EXECUÇÃO Maio de 2007 INDICE 1. Introdução 2. Dados do Projecto 2.1. Regulamentos e bases do projecto

Leia mais

Sistema de condução e adaptação de mecanismos com. Calhas U23X. matéria-prima cor. Branco. Respeitar os requisitos das RTIEBT

Sistema de condução e adaptação de mecanismos com. Calhas U23X. matéria-prima cor. Branco. Respeitar os requisitos das RTIEBT Sistema de condução e adaptação de mecanismos com 73 matéria-prima cor U23X Respeitar os requisitos das RTIEBT UV 73 U23X Para distribuição com possibilidade de adaptar mecanismos Apta para uso em intempérie.

Leia mais

DISTRIBUIDORES PARA TELEFONIA 1

DISTRIBUIDORES PARA TELEFONIA 1 DISTRIBUIDORES PARA TELEFONIA 1 Tiago Ribeiro Sapia 2 Resumo: Este artigo apresenta a estrutura básica dos distribuidores de telefonia fixa comutada, desde 1. INTRODUÇÃO sua origem até o assinante comum.

Leia mais

Placas Radiantes a Gás Top

Placas Radiantes a Gás Top A gama 700XP engloba mais de 100 modelos concebidos para garantir elevados níveis de desempenho, fiabilidade, economia de energia, normas de segurança e operações ergonómicas. Estes conceitos estão reflectidos

Leia mais

Especificidades da Segurança Contra Incêndio em Edifícios Hospitalares e Lares de Idosos

Especificidades da Segurança Contra Incêndio em Edifícios Hospitalares e Lares de Idosos Título 1 Especificidades da Segurança Contra Incêndio em Edifícios Hospitalares e Lares de Idosos 2 Em Locais de Risco Centrais (desinfecção e esterilização) utilizando oxido de acetileno. Centrais e depósitos

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA. OBRA: CENTRO DE INCUBAÇÃO DE EMPRESAS ARQUITECTURA: EPUR - assessorias de urbanismo e arquitectura, Lda 1 - INTRODUÇÄO

MEMÓRIA DESCRITIVA. OBRA: CENTRO DE INCUBAÇÃO DE EMPRESAS ARQUITECTURA: EPUR - assessorias de urbanismo e arquitectura, Lda 1 - INTRODUÇÄO MEMÓRIA DESCRITIVA 1 - INTRODUÇÄO O presente estudo refere-se ao conjunto das infra-estruturas eléctricas, constituídas por rede de distribuição em Baixa Tensão e rede de Iluminação Publica, a levar a

Leia mais

AQUECIMENTO CENTRAL VENTILAÇÃO AR CONDICIONADO ENERGIA SOLAR

AQUECIMENTO CENTRAL VENTILAÇÃO AR CONDICIONADO ENERGIA SOLAR Contribuinte: nº 502 706 775 Capital social: 7500,00 Matricula na C.R.C. de Aveiro nº 2810 Alvará: 59988 3800-034 Cacia - Aveiro Telf: 234 914 611; Fax: 234 914 979 Email: geral@climacom.pt AQUECIMENTO

Leia mais

PLANO DE SESSÃO DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO:PROJECTO E INSTALAÇÃO ITED - HABILITANTE

PLANO DE SESSÃO DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO:PROJECTO E INSTALAÇÃO ITED - HABILITANTE PLANO DE SESSÃO DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO:PROJECTO E INSTALAÇÃO ITED - HABILITANTE DURAÇÃO:150 Horas POPULAÇÃO ALVO: Membros da OE ou da OET não considerados por estas entidades com habilitação para o desempenho

Leia mais

Legrand Cabling Systems

Legrand Cabling Systems Legrand Cabling Systems Módulo IV TIA 568.C - Parâmetros para projeto Conceitos de projeto para sistemas de cabeamento estruturado 03/2016 CENTRO DE SUPORTE TÉCNICO / FORMAÇÃO Paulo Morais (31) 9 9922-4489

Leia mais

Acessórios Desconectáveis 600A

Acessórios Desconectáveis 600A 600A APLICAÇÃO Os Acessórios da Prysmian possuem uma concepção de projeto baseada no sistema plugue - tomada, porém para tensões, permitindo fácil conexão e desconexão de um cabo de potência, de um equipamento,

Leia mais

MANUAL DE INFRA-ESTRUTURA MEDLIQ MMD1 CONDIÇÕES DE INFRA-ESTRUTURA INDISPENSÁVEIS PARA UMA CORRETA INSTALAÇÃO DO APARELHO MEDIDOR MEDILIQ MODELO MMD1.

MANUAL DE INFRA-ESTRUTURA MEDLIQ MMD1 CONDIÇÕES DE INFRA-ESTRUTURA INDISPENSÁVEIS PARA UMA CORRETA INSTALAÇÃO DO APARELHO MEDIDOR MEDILIQ MODELO MMD1. 1/5 CONDIÇÕES DE INFRA-ESTRUTURA INDISPENSÁVEIS PARA UMA CORRETA INSTALAÇÃO DO APARELHO MEDIDOR MEDILIQ MODELO MMD1. REQUISITOS INDISPENSÁVEIS: 1. Todas as linhas de tubulações, e caixas de passagem, deverão

Leia mais

Anexo sobre o sistema de exaustão de gases queimados para

Anexo sobre o sistema de exaustão de gases queimados para Anexo sobre o sistema de exaustão de gases queimados para Caldeira mural a gás AQUASTAR ZWC 4/8-3 MFA M ZSC 4-3 MFA M 6 70 63 897-00.O 6 70 63 87 PT (007/) OSW Índice Índice Indicações de segurança e esclarecimentos

Leia mais

Curso de Especialização Pós-Graduada em Projeto de Infra estruturas de Telecomunicações

Curso de Especialização Pós-Graduada em Projeto de Infra estruturas de Telecomunicações 1. Designação do Curso: FICHA DE CURSO Curso de Especialização Pós-Graduada em Projeto de Infra estruturas de Telecomunicações 2. Denominação do Diploma ou Certificado Diploma de Pós-Graduação em Projeto

Leia mais

ITED e ITUR Nuno Castro Luís Viseu, 28 de Setembro de 2011

ITED e ITUR Nuno Castro Luís Viseu, 28 de Setembro de 2011 ITED e ITUR Nuno Castro Luís Viseu, 28 de Setembro de 2011 infra-estruturas de telecomunicações em edifícios Infra-estruturas de telecomunicações em loteamentos, urbanizações e conjunto de edifícios (condomínios)

Leia mais

SERIE SMT125 STD DADOS TÉCNICOS OPCIONAIS * GRADE MOVEL * GRADE FIXA * DUTO FLEXIVEL MEDIDAS INSTALAÇÃO INFORMAÇÕES TÉCNICAS RPM 2100.

SERIE SMT125 STD DADOS TÉCNICOS OPCIONAIS * GRADE MOVEL * GRADE FIXA * DUTO FLEXIVEL MEDIDAS INSTALAÇÃO INFORMAÇÕES TÉCNICAS RPM 2100. SERIE SMT125 STD DADOS TÉCNICOS Ø MM 125 mm RPM 2100 POTENCIA 25 W VAZÃO 200/270 m³/h PRESSÃO 14/20 mmca RUIDO (db) 00 db ÁREA ATÉ 14 m² 26,2 x 21,7 x 20 cm ACABAMENTO PLÁSTICO BRANCO OPCIONAIS * GRADE

Leia mais

Condições de montagem

Condições de montagem Condições de montagem para o SUNNY CENTRAL 350 Conteúdo Este documento descreve as dimensões e as distâncias mínimas a respeitar, os volumes de entrada e de evacuação de ar necessários para um funcionamento

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO DA-C13-523/N EV 2007 INSTALAÇÕES AT E T. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Armários de reagrupamento de cabos Características Elaboração: GTRPT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão:

Leia mais

Tomada Tripla Schuko com Obturador L60. BR - Branco. A Série QUADRO 45 é a opção simples e prática para a instalação de aparelhagem em Calhas.

Tomada Tripla Schuko com Obturador L60. BR - Branco. A Série QUADRO 45 é a opção simples e prática para a instalação de aparelhagem em Calhas. série APARELHAGEM PARA CALHAS Tomada Tripla Schuko com Obturador L60 BR - Branco A Série é a opção simples e prática para a instalação de aparelhagem em Calhas. É composta por aparelhos no formato quadrado

Leia mais

Curso Instalador ITED

Curso Instalador ITED Curso Instalador ITED Formação de Actualização UFCD ITED A + ITED B Abril de 2015 Canalizações ITED Ricardo Oliveira Canalizações - Conceitos Classificação de PD Pontos de distribuição Classifica-se como

Leia mais

Qual a norma vigente para instalações elétricas de piscinas? NBR 5410:2004 Instalações elétricas de baixa tensão

Qual a norma vigente para instalações elétricas de piscinas? NBR 5410:2004 Instalações elétricas de baixa tensão Qual a norma vigente para instalações elétricas de piscinas? NBR 5410:2004 Instalações elétricas de baixa tensão 9.2.1 Campo de aplicação As prescrições complementares desta subseção são aplicáveis aos

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem 6302 2460 03/2001 PT Para os técnicos especializados Instruções de montagem Dispositivo de controlo do retorno DN 25 Solar-Temperaturdifferenzregler Relais Netz Tmax Leia cuidadosamente antes da montagem

Leia mais

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº DELIBERAÇÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DE PUBLICAÇÃO 01-06/08/2014 06/08/2014 APROVADO POR RODNEY PEREIRA MENDERICO JÚNIOR DTES-BD SUMÁRIO

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura I - Redes Locais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura I - Redes Locais Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura I - Redes Locais Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Unidade III Impressão, exemplos

Leia mais

NOVO IK 08 POSTOS DE TRABALHO MAIS FÁCIL, NÃO HÁ!! RAL 9003

NOVO IK 08 POSTOS DE TRABALHO MAIS FÁCIL, NÃO HÁ!! RAL 9003 CAIXAS PARA SUPERFICIE E EMBEBER POSTOS DE TRABALHO MAIS FÁCIL, NÃO HÁ!! IK 08 COR BRANCO RAL 9003 UV Protecção LIVRE DE HALOGÊNIO NOVO CE 245 CE 445 CE 645 Versão de Embeber Disponível em 3 modelos 2

Leia mais

Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios. Manual ITED 2.ª Edição. Direcção de Fiscalização

Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios. Manual ITED 2.ª Edição. Direcção de Fiscalização Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios Manual ITED 2.ª Edição Direcção de Fiscalização Julho de 2010 Novo regime ITED Manual ITED, 2.ª edição linhas orientadoras Regras técnicas Tubagem Cablagem

Leia mais

TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS

TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS Universidade do Algarve Escola Superior de Tecnologia TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS REDES PREDIAIS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS António Morgado André UAlg-EST-ADEC aandre@ualg.pt 1 Noções Básicas

Leia mais

INSTALAÇÃO DE CONTADORES EM BATERIA

INSTALAÇÃO DE CONTADORES EM BATERIA INSTALAÇÃO DE CONTADORES EM BATERIA O presente documento visa fornecer as indicações necessárias para a correta instalação de contadores em bateria. A informação aqui disponibilizada não dispensa a consulta

Leia mais

GUIÃO TÉCNICO TUBAGENS

GUIÃO TÉCNICO TUBAGENS GUIÃO TÉCNICO TUBAGENS FICHA TÉCNICA Cimianto Nº 17 Nº de pág.: 5 20 de Agosto de 2005 TUBAGENS Descrição Fabricados pela Cimianto, os tubos de fibrocimento contam com uma experiência de 60 anos ao serviço

Leia mais

PROJETO DE TELEFONIA

PROJETO DE TELEFONIA ELETRICIDADE APLICADA - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PROJETO DE TELEFONIA Norberto Nery Notas: Ponto de telefonia: O padrão de tomada é do tipo RJ-11, não sendo mais utilizado o tipo de quatro pinos - Padrão

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V3.2

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V3.2 INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V3.2 Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 4 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE ÍNDICE...2 1. INTRODUÇÃO...3 2. DOCUMENTOS NORMATIVOS APLICADOS...3

Leia mais

CONDUTORES ISOLADOS E SEUS ACESSÓRIOS PARA REDES

CONDUTORES ISOLADOS E SEUS ACESSÓRIOS PARA REDES CONDUTORES ISOLADOS E SEUS ACESSÓRIOS PARA REDES Conetores de derivação do tipo compacto, de perfuração do isolante, para redes subterrâneas de baixa tensão Características e ensaios Elaboração: DTI Homologação:

Leia mais

Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios. Direcção de Fiscalização

Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios. Direcção de Fiscalização Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios Direcção de Fiscalização Novo regime ITED Manual ITED, 2.ª edição linhas orientadoras Regras técnicas Tubagem Cablagem Pontos de fronteira Ligações de

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 LIGAÇÕES ESPECIAIS NA VIA PÚBLICA COM MEDIÇÃO Diretoria de Planejamento e Planejamento Gerência de Engenharia Página 2 de 11 ÍNDICE OBJETIVO...3 1. APLICAÇÃO...4

Leia mais

Órgãos de manobra e controlo. Tipos, função e localização. Válvulas de seccionamento. Ventosas. Válvulas de descarga.

Órgãos de manobra e controlo. Tipos, função e localização. Válvulas de seccionamento. Ventosas. Válvulas de descarga. DISCIPLINA DE SANEAMENTO AULA 8 / SUMÁRIO AULA 8 ÓRGÃOS E ACESSÓRIOS Órgãos de manobra e controlo. Tipos, função e localização. Válvulas de seccionamento. Ventosas. Válvulas de descarga. SANEAMENTO / FEVEREIRO

Leia mais

BeoLab Livro de consulta

BeoLab Livro de consulta BeoLab 8002 Livro de consulta Utilização diária 3 Quando terminar a instalação das colunas conforme descrito nas páginas seguintes, ligue todo o sistema à alimentação eléctrica. A luz indicadora fica

Leia mais

Calhas sem halogéneos

Calhas sem halogéneos Sistema de condução em armários e equipamentos com 88 matéria-prima cor U43X 88 U43X Para a condução de cabos em quadros elétricos e de comunicações Sistema robusto. Fácil montagem e desmontagem da tampa,

Leia mais