Comic_PT :10 Uhr Seite 36. Comissão R C

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comic_PT 02.10.2001 19:10 Uhr Seite 36. Comissão R C"

Transcrição

1 Comic_PT :10 Uhr Seite 36 Comissão A, R C ista EU!

2 Comic_PT :09 Uhr Seite 33 Esta banda desenhada é publicada nas seguintes línguas oficiais da União Europeia: espanhol, dinamarquês, alemão, grego, inglês, francês, italiano, neerlandês, português, finlandês e sueco. Comissão Europeia Direcção-Geral «Informação, Comunicação, Cultura e Audiovisual» Unidade «Publicações», rue de la Loi 200, B-1049 Bruxelles Para mais informações sobre a política social da UE: Especificamente sobre educação: Para mais informações sobre a União Europeia, ver no fim da brochura Manuscrito concluído em Junho de 1998 Editor: Serviço das Publicações Oficiais das Comunidades Europeias, Luxemburgo, 1998 Conceito e realização: Concerto Brussels, Desenhos: Sérgio Salma Cores: Mauricet Encontram-se disponíveis numerosas outras informações sobre a União Europeia na rede Internet, via servidor Europa (http://europa.eu.int) Uma ficha bibliográfica figura no fim desta publicação ISBN Comunidades Europeias, 1998 Printed in Germany IMPRESSO EM PAPEL BRANQUEADO SEM CLORO

3 Comic_PT :09 Uhr Seite 37 A, R C ista EU!!"#$!%!&'(&()#"(*( )#"(+"(%,&-+","#.(,%/$+"!%(,%0%(%1%23&. %%445(,%/'(0%065("(,&0&!272%(&(8"94&(0%:+2-(9#+4": A União Europeia considera que deve combater as discriminações em razão do sexo, raça, origem étnica, religião e crença, deficiência, idade ou orientação sexual. Esta brochura, dirigida aos professores e jovens, reúne um conjunto de documentos úteis para incentivar a reflexão e o debate sobre o racismo.

4 Comic_PT :54 Uhr Seite 3 UM MUNDO DE DIFERENÇAS A+&#(B%:+&5(A+6&($"0C:"(%(<&7%:,&02<&(C&:($":(1%23&5 C&2$(*5("("#(%,4&()#"(DE(,4"<%()#"($"(:2%0!"(020(C&:($":(<&:!&5-4%05 "-+6&("("#.5(DE(,4"<%(!"(!2$,:202-%FG"$ "$+HC2!%$(C&:("#($":(C:"+&5 2$+&(*(0%$(* :%,2$0&55 DE(+28"()#",4"<#"5 19#:C5 :%,2$0&(2!2&+%(" %:,%2,&5??? C")#"-&'(<&:!&("(-"<:&5???(1&9%$5(&!2%I%I!2%(-6&(!"8"($":(BE,295 )#"(2-B":-&5??? CB#%&##555

5 Comic_PT :54 Uhr Seite 4 QUE ASPECTO! "45(&94"0(C%:% &(%$C",+&(!"$+" 1%,%-&5 %45(%45(%45("$+" 82#(0#2+&$(B290"$ %0":2,%-&$5 +"0(+#!&=(&(1&-*'(%($K"%+I $42:+'(&$(+*-2$???("(%2-!%(C&:,20%'(*(0H$2,&5??? *(9L<2,&()#"($"D%(0H$2,&? +J0(2$$&(-&($%-<#"? &$(+2C&$(-%$,"0(,&0(&(:2+0&=(:"<<%"' 19#"$'(:%C??? +%(:%(:%(:%(,9%, %45(%45(%45( $6&(%$(2-B9#J-,2%$(!&$(%-+"C%$$%!&$("$I,:%8&$5???("(*(<:%F%$( %&$(1:%-,&$5,%01%!%(!"(201",2$5??? A+6&'(CE. +#!&(:&9%. A+E$(,&0(%:!"$%+2-%!&'!"#$!%!&5(A+E$,4%+"%!&. C&2$(*5 C&2$(*5 2-,:/8"95??? %2-!%(%<&:%(0"(%,&-+","#(#0%(,"-% 1":%5("("#()#"(C"-$%8%()#"("$+" +2C&(!"(:"%,FG"$(DE(-6&("32$+2%05 "-+6&(-6&(*()#"??? "45(&94%(C%:%(& %$C",+&(!"$+"(1%,%-&5 *(!" 0%2$5

6 Comic_PT :55 Uhr Seite 5 APARÊNCIAS "$+"(+2C&(-&8& *(0#2+&(<2:&5??? "$)#","'(DH92%??? -6&(*(&(+"#(+2C&5 %4-5("(,&0&(*()#"(+"-$ +%-+%(,":+"7%'(!"#$!%!&. *(,%$%!&(&#()#J. -6&'(-6&(*(2$$&5 "9"(*(0%2$(4&0"-$' "$+E$(%(8":???(* 4&0&$$"3#%95??? "#(-6&(0"(:%9&(-%!%(,&0(%(,"-%5(,%!%(#0 *(928:"(!"(B%7":(&()#"()#":?(0%$(C%:%("9"!"8"($":(#0(!"$%+2-&(+&!&$(&$(!2%$?(+":(!"!2$B%:F%:'(B2-<2:5??? +"0(!"("$+%:($"0C:"( %(9"8%:(,&0(&$(&94%I :"$((!&$(&#+:&$5(4E #-$(,%+#::%$()#"!27"0= >1":;5("$+"(* &#+:&$(86&(<&7%:("(8J"0 -"9"(#0%(!&2!%=(>2#4#5 )#":2!%'(+"-$(&$(&94&$ %9<#-$(86&("$C%94%: %(-&+/,2%(,&0&($" 2$$&(B&$$"(#0%!&"-F%(8"-*:"%??? >"$+"(+2C&(*(4&0&$I $"3#%9'(0%$(+2:%-!& 0%$(C&:)#J(+%-+&(L!2&.("#(%,4&()#"("9"(!"8"(B%7": &()#"()#2$":(!&(,&:C&(!"9"5(%92E$'()#":&(!27":'(!&,&:C&(!"9%5???(425(425(2#4#5??? &;5(&;5(DE("$+&#(4%12+#%!&5 0"-+",%C+&5 4"+":&$I $"3#%9 -&D"-+&5-6&5(D#:&()#"($L("$+%8%???

7 Comic_PT :55 Uhr Seite 6 RACISMO EM CADEIA 1&0(!2%'("$,%:#01%5??("-+6&,&0&(*()#"(8%2(2$$&.(%<&:%??????(+"-$(!"(%-!%: C2%-2-4&'($"-6& %2-!%(*$("3C#9$&??? %45(%45 +$$$'(+$$$5((+%-+&$(!"$"0C:"<%!&$ $"0(B%7":(-%!%5???($"(%-!%$$"0 0"$0&(M(C:&,#:%(!"("0C:"<&'(!",":+"7%()#"(&("-,&-+:%8%055 INSTITUTO DO EMPREGO -&D"-+&5 <::: INSTITUTO DO EMPREGO "45(0%-,%(%)#"9% $#C":<%:2-%5 )#":"$(82:(+&0%: #0(,&C&'(1&-",%. &94"0(C%:%(2$+&5(% "$+"$(!&2$(-6&(94"$ B%9+%(9%+%5??? DE(82$+"("$+%.(1"0()#" C&!2%(B%7":(#0("$B&:F& C%:%($"(2-+"<:%:5 &94%(%)#"9"($"-4&:(+6&(<&:!&5!"82%(B%7":(!2"+%?(-6&(%,4%$' 0%06. 9E(2$$&(* 8":!%!"5

8 Comic_PT :56 Uhr Seite 7 VELHOS CLICHÉS DE(9"$+"(&(C:&<:%0%(C&9/+2,&(!"$+"(+2C&.(>$"(%$ "(&(0%2$(2-,:/8"9(*()#"(4E(C"$$&%$()#"(0292+%0(" 8&+%0(-"$$"(C%:+2!&55 *(-","$$E:2&(%,%1%:(!"(#0%(8"7(C&:(+&!%$(,&0("$$"$ 0#!%:(%$(0"-+%92!%!"$5 -#-,%(+2:%0&$(92FG"$(!%(42$+L:2%5???(+%-+%$(9#+%$' +%-+&$(,&01%+"$'(C%:%(-&(B20(8&9+%:0&$(%("$+%$ 8#9<%:2!%!"$(2!2&+%$5-6&(*(#0%(+:2$+"7%.???( %2-!% B%9+% 0#2+&5 "-+6&("(DE(82$+"(%(-&$$%(-&8%(,4"B"(!"($":82F&. C%:","()#"(*($#C":($20CE+2,%??? )#J.5(*(#0% 0#94":.5.

9 Comic_PT :56 Uhr Seite 8 A PUBLICIDADE LAVA MAIS BRANCO &(0"#(,4%0CN(*(+:#-B%((O("0(P "#(9%8&(&(0"#(,46&(,&0(TUDASSEADO -6&()#":&(,2+%:(&(L182&'(0%$(B:%-,%0"-+"'(!"(8"7("0 )#%-!&'(&(C"$$&%9(!%(C#192,2!%!"("3%<":% &(0"#(<%+&(,&0" <%+2$,%$Q 02%#####????? DE(82$+"("$+"(0#-!&(%:+2B2,2%9(&-!"(-6&(4E(-"0(B"2&$' -"0(<&:!&$'(-"0(-"<:&$'(-"0(E:%1"$.5($&9("(B"92,2I!%!"'(2$$&(9"8%(%()#J.(!"0%$2%!%$(20%<"-$($20C92$+%$ "($&1:"+#!&(,4"2%$(!"("$+":"L+2C&$()#"(%,%1%0(C&: 2-B9#"-,2%:(&$(+"9"$C",+%!&:"$5???(2-,&-$,2"-+"0"-+"' )#":&(!27":??? "(+"-4&(%(,":+"7%()#"(!"C&2$(+"0&$(0%2$(!2B2,#9!%!"$ C%:%("-,%:%:(%(:"%92!%!"5???(-%(82!%(:"%9'(4E(,4#8%'(4E E:%1"$'(<&:!&$'(0%#$5(-6&(%,4%$. 9%8%!&(,&0 0%-,4%3(,&:"$.(&;. -%/)#"( $&#(&(0"94&: C&2$5,9%:&5 C":B#0"(+:2,+:2, C%:%(%(0#94":,42,5 #%#555,%:9%($,42B":2$+%5(4#05 *(+6&(1&-2+%5 *(+6&(9&#:%55??? E EU BEBO, GLUGLU, COLA-CALA CHUAC

10 Comic_PT :56 Uhr Seite 9 «EU TIVE UM SONHO» "$+%(8"0("$+:%<%:(&(0"#(0"2&5(%(%C%:J-,2%!"9%(2-,&0&!%I0"5(%(,&:(!%(C"9"( 2-,&0&!%I0"5(-6&(C":,"1&(%(9/-<#%(!"9%5??? 1%-<5 <::: 0%$5.(&()#"($"(C%$$%.(+"-4&(%(20C:"$$6&()#"(!" :"C"-+"(8"D&(+#!&(0%2$(,9%:&5(C&:()#"(*()#"("#($&# :%,2$+%(%("$+"(C&-+&.(*???(*(C&:)#"(+"-4&(0"!&55 +"-4&($2!&(2!2&+%5 %,%1&#I$"5(1&0(!2%'($:?(0&4%0"!5(,&0&(,&::"(& -"<L,2&.("(&$(B294&$'("$+6&(1"0.(%45()#"(B"92,2!%!"' 828":("0(4%:0&-2%(,&0(+&!%(%(<"-+"5()#"(%9"<:2%(%& :"$C2:%:'(%&(C%$$"%:($"0(+":(0"!&(!&(&#+:&'(!& "$+:%-<"2:&5??? "-B20'(-6&(4E(-%!%(0%2$ 1&-2+&()#"(%$(02$+#:%$(!" :%F%$("(0"$+2F%<"-$?!"#$!%!&'(&()#"(*( )#"(+"(%,&-+","#.(,%/$+"!%(,%0%(%1%23&. %%445(,%/'(0%065("(,&0&!272%(&(8"94&(0%:+2-(9#+4":

11 Comic_PT :57 Uhr Seite 10 OBSERVAÇÕES IRRESPONSÁVEIS $6&(+6&()#":2!&$5??? -"$+%(2!%!"'(!E 8&-+%!"(!"(&$ %1:%F%:??? )#"0(!":% )#"(-6&,:"$,"$$"05???

12 Comic_PT :57 Uhr Seite 11 O NAMORADO 0%06'()#":2%(%C:"$"-+%:I+"(& 0"#(-%0&:%!&'(0%$(C:"82-&I+" )#"("9"(*??? C:"+&.5(-6&(0"(!2<%$()#" &(+"#(-%0&:%!&(*(-"<:&55??? "2-.5(B:%-,"$,%5.??? -6&'(0%$???(&()#"()#":"$!27":(,&0(2$$&. "#()#":2%(!27":()#"??? "-+6&(*(E:%1"5. )#"(02$*:2%5???("9" *(E:%1"55. "9%(B&2(8/+20%(!"(:%,2$0& )#%-!&("02<:&#("(%<&:% *("9%()#"??? &()#J'("-+6&... *(!"B2,2"-+".!"$"0C:"<%!&. *(2$$&.5(*!"B2,2"-+"'!"$"0C:"<%!&(" E:%1"55.,%9%I+"(9E("(!"23%I0"(B%9%:5??? "#($L()#":2%(!27":()#"("9"(*??????8"<"+%:2%-&5 02-4% $"-4&:%??? 0"#(!"#$5 )#"(:"92<26& $":E("$$%.5

13 Comic_PT :57 Uhr Seite 12 DIETA! -6&("$+%:E$(#0 1&,%!2-4&(<&:!&'(+#.5 %9<#-$(0"$"$(0%2$(+%:!"'(,&0(0"-&$(#-$()#29&$??? -6&(+":E$($2!%'(+#.

14 Comic_PT :57 Uhr Seite 13 IGUAL AOS OUTROS! %C:"$"-+&I8&$(&(0"#(C:20&(%-+L-2&?(-6&(+"-4%0(0"!&' "9"(*(#0(C&#,&???(%4-???(!2B":"-+"'(0%$(*(20C",E8"95 &9E'(%-+L-2&5 "#($&#(&(!"#$!%!&5?? &9E5("#,4%0&I0" B:%-,"$,%5 &9E5 C&!"0&$("$+%: C:"C%:%!&$'(0%$ B2,%0&$($"0C:" %+:%C%94%!&$5 $&1:"+#!&'(4E()#" %<2:(-%+#:%90"-+" -"$+"$(,%$&$' $&1:"+#!&(-6& 0&$+:%:(&(-&$$& 0%9I"$+%:5??? C"-$"2()#" C&!/%0&$(2: %&(,2-"0%5 %&(,2-"0%.(*(9&#,&5 &(C:20&(-6&(8%2 C":,"1":(-%!%5 $20' 1&% 2!"2%5-6&(+"-4&(%(,":+"I 7%(!"()#"(2$$& %<:%!"(%&(%-+L-2&5 +"-4&(%)#2(& C:&<:%0%? C&:)#"(-6&.,2-"0%? "($"(BN$$"0&$(8":(#0(1&0(B290"(!"(%,F6&(%0":2,%-&. C&!/%0&$(2:(8":(#0 B290"7",&("0(2-<9J$???( #0%(,"-%($20C9"$()#"( B%9"(!&()#&+2!2%-&'(!%(82!%??? 4E(&(!"$+:#2!&:(28' C&:("3"0C9&? &(B:"!(*(9&#,&5 C:",2$%0&$(!"(#0(B290" -6&(0#2+&(,&0C92,%!&' $"-6&(&(&#+:&(C%$$%I$"5 #0(B290"($"0!2E9&<&$(C%:%()#" &(%-+L-2&(C&$$% C":,"1":'(,&2+%!&5??? 1&0'(*(C:",2$&(!",2!2:5(C&:)#"(-6&(#0(8"94&(B290" %(C:"+&("(1:%-,&.("("0(8":$6&(&:2<2-%95???("$+E(-&,2-"0%(%)#"9"(B%0&$&(B290"(,&0(&(+&-R(,#:+2$("(% 0%:29R-(0&-:&"5(,&0&(*()#"($"(,4%0%. $&0"(92;"(2+(4&+5(&$(4&0"-$(C:"B":"0 %$(9&#:%$5(1299R(K29!":'(PSTU?

15 Comic_PT :57 Uhr Seite 14 PRECONCEITOS A!2%'($2-4&:%5(* C&:(,%#$%(!& )#%:+&??? "#45(DE(B&2 %9#<%!&5(DE(B&2 %9#<%!&5 ARRENDA-SE QUARTO -6&(+"-4&(-%!%(,&-+:%(&$(-"<:&$(V%92E$ %+*(<&$+&(!&("!!2"(0#:C4RW'(0%$(+":(#0!"1%23&(!&(0"#(+",+&'( -6&(&1:2<%!&5??? -6&(*' +%:",&.5 02%#. 1&0(!2%'(02-4%($"-4&:%5(820&$( &(%-H-,2&?("$+"(*(&(0"#(C%2( "(%(02-4%(2:0672+%(%02-%??? 1X!2%($2-4N:%???( +"-???(+"-4&(0#2+% C"-%'(0%$(DE(B&2 %9#<%!&5( C&:(B20'(#0(C&#I,&(0%2$(+%:!"??? C:&-+&???(&,&-+:%+&("$+E %$$2-%!&? <:%F%$(%(!"#$5(-%!%,&0&(&$(-&$$&$5("# -6&($&#(:%,2$+%'(0%$ -%(02-4%(2!%!"'($%1"??? 0"#(!"#$' E:%1"$5!2<%I0"'(-6&($"(20C&:+% )#"(&$(0"#$(,&9"<%$(0" 8"-4%0(82$2+%:'(C&2$(-6&.,9%:&()#"(-6&5(8&,J :","1"(%$(C"$$&%$()#" )#2$":'(D&8"05 $20CE+2,&' %$$"%!&(" 1"0("!#,%!&5 B27(#0%(1&% "$,&94%?

16 Comic_PT :58 Uhr Seite 15 NÓMADAS &#8"("$+%(,%-F6&'(B:%-,"$,%5()#"(-&$+%9<2%5 )#"(C&"$2%5("(%&(0"$0&(+"0C&'(+"0(:2+0&("(*,4"2%(!"("-":<2%5("#(%!NNN:&(%(0H$2,%(,2<%-%5 -&(B#-!&'(&$(-L0%!%$($6&(&$(H-2,&$(8":!%!"2:&$ 82%D%-+"$5(*(%(82%<"0()#"(*(20C&:+%-+"("(-6&(& &1D",+28&(!%(82%<"05(9%+,4&(!:&0'(,&0&("9"$!27"05??? +"-$($&:+"???(DE()#"(<&$+%$(+%-+&(!"(,%-+&$(,2<%-&$' 8%2$(C&!":(8JI9&$(%&(828&?("9"$(2-$+%9%:%0I$"(V&-!" &$(%,"2+%:%0W(-&(+"::"-&(1%9!2&(C":+&(!&($#C":I 0":,%!&'(%)#2(%(TYY(0"+:&$(!%(+#%(,%$%5??? &()#"(*()#"("$+E8%0&$ %(!27":.

17 Comic_PT :58 Uhr Seite 16 O INVERSO DA SITUAÇÃO $"0C:"()#"(&($"-4&:(3"-L(C%$$"2%(C"9%$(:#%$(!&($"#(1%2::&'(2::2+%I$"("(:"$0#-<%(,&0(+&!&$(%)#"9"$ )#"'($"<#-!&("9"'(8J0("$+:%<%:I94"(%(C%2$%<"0?($"-+"I$"(,#:2&$%0"-+"(%<:"!2!&("(2$$&("-":8%I&??? *(2-,:/8"95(DE( -6&("$+%0&$(-% -&$$%(,%$%5(&94"0 $L(C%:%("$+%!"$&:!"05 &#8"0(%(0H$2,%(!"9"$("0(%9+&$ 1"::&$'(+J0(9&D%$(" 8"$+"0I$"(!%(0"$0% 0%-"2:%()#"(-&( C%/$(!"9"$? $6&(1%:#94"-+&$ "(!"$&:!"-%!&$5??? 0%$(&-!"(*()#" 8%0&$(C%:%:.???"()#%-!&(&($"-4&:(3"-L(B%7(+#:2$0&'(8J(+#!&(!"(#0%(0%-"2:%(,&0C9"+%0"-+"(!2B":"-+"? "$+E(,%90&'(:"9%3%!&???(!"(:"C"-+"'(+#!&(&()#"(&(2-,&0&!%(-&($"#(!2%I%I!2%(<%-4%(#0% C:&C&:F6&(!"("3&+2$0&'(!"(0#!%-F%?(&($"-4&:(3"-L("$+E(!"(B*:2%$? %45("$+%(0H$2,% +:%!2,2&-%95()#" 2-+"-$2!%!"5()#" 0"9&!2%5 &("-,%-+&!"$+%$(:#%$ %-+2<%$??? +&!&$("$+"$,&$+#0"$'("$+%$,&:"$'("$+"$(&!&:"$' *("01:2%<%-+"5

18 Comic_PT :58 Uhr Seite 17 ESTE/OESTE QUEDA DO MURO DE BERLIM "$+" &"$+" EMPREGOS

19 Comic_PT :58 Uhr Seite 18 UMA PEQUENA DELICADEZA

20 Comic_PT :59 Uhr Seite 19 IMAGINÁRIO POPULAR &$("$,&,"$"$($&82-%$'(&$(-"<:&$($6&(,:2%-F%$(<:%-!"$??? +&!&$("$+"$(!2$C%:%+"$()#"($"(,&-+2-#%0(%(#+2927%:= +&!&$(&$(%9"06"$(1"1"0(,":8"D%("0(,%9FG"$(!"(,%1"!%9' &$(<:"<&$(%-!%0(!"(02-2I$%2%'(&$(E:%1"$($6&(8%!2&$??? "0(:"9%F6&(%&$(E:%1"$(*(8":!%!"5( -6&(*' %90&#:&.( +%, 8&,J$(82:%0("$+".???(&()#"(":%("9".(#0(+#:,&.(#0 E:%1".(#0(0%::&)#2-&.(,&-B#-!"0I$"(+&!&$5??? "#(,E(%,4&()#"("9"$(!"82%0(B%7":(#0("$B&:F&(C%:%($" 2-+"<:%:"0'(-6&(,&-,&:!%.("0(+&!&(&(,%$&'(0"#(,%:& $"-4&:'(#0%(,&2$%(*(,":+%=("$+%(<"-+"(-6&(*(,&0&(-L$5??? "("#'()#"($&#(B294&(!"$$"(E:%1"'(!"8&(!27":I94"()#"(+&!&$(!"8"0(B%7": "$B&:F&$'(0"#(,%:&($"-4&:55 +&0%5

21 Comic_PT :59 Uhr Seite 20 O HÁBITO NÃO FAZ O MONGE %45(%45(+&C"0I0"("$+" $%9&2&?(0%2$(#0()#"($"(8"$+",&0&(#0("$C%-+%94&5??? "-+6&'(D&8"0'(%-!E0&$(&#+:% 8"7(C"9&$(,%23&+"$(!&(923&(C%:% -&$(8"$+2:0&$. "9"<%-+"("(1%:%+&5 "(,&0(#0(<&$+& :")#2-+%!&5??? +$$$5()#"0(*()#" B%9%8%(!%(C#:"7%(!% %90%(!%$(,:2%-F%$. :",&-4","I$"(1"0()#"(4E(%)#2( &(!"!&(!"(#0(<:%-!"(,&$+#:"2:&? )#"("$+29&5()#"("9"<Z-,2%5,%01%!%(!" C:"+"-$2&$&$5 <::B C2&94&$&5 $-&15 %2(5 $%9&2&5 C&:,%946&5 C:"+"-$2&$&5 &$(!"$I +:&F&$(!% C#192,2I!%!"5 1201&$5 -&8&$(:2,&$5 $%9&2&$5 1&0'(DE(,4"<%5(8&,J$("$+6&(% C&:+%:I$"(8":!%!"2:%0"-+"(,&0&???,&0&(%!#9+&$55(,4"<%5( "3C92)#"0I$"'("0(8"7(!"( %-!%:"0(M(C%-,%!%5 1&0?(%(,#9C%(*(!"9"5???(C&:)#"("9"(*???("#4???!2B":"-+"5("$+"(%)#25???

22 Comic_PT :59 Uhr Seite 21 O PATINHO FEIO *(#0%(C%:8&"2:%5("(C"-$%:()#"(#0(C")#"-&("$B&:F&,4"<%:2%(C%:%()#"(%(82!%("0($&,2"!%!"($"(+&:-%$$" 0#2+&(0%2$(%<:%!E8"9? %()#"0(&(!27"$??? $"(%$(C"$$&%$(,&0C:""-!"$$"0()#"(#0%(,2!%!"(*(#0,:#7%0"-+&(&-!"($"(02$+#:%0("+-2%$'(:"92<2G"$(",%0%!%$($&,2%2$'(-6&($"(%,#$%:2%0(#0%$(M$(&#+:%$' C"9&(0%2$(C")#"-&(C:&19"0%5??? *(8":!%!"5 %&(0%:<2-%927%:"0(%9<#-$(2-!28/!#&$'(,:2%0I$"(<#"I +&$()#"(&:2<2-%0(+"-$G"$("(C:&8&,%0(2-B%928"90"-+",4%+2,"$5(($"0($":0&$(!"0%$2%!&(2!"%92$+%$'("$C"I :"0&$()#"(#0(!2%($"(%,%1"(,&0(%$("3,9#$G"$(!"( +&!&(&(+2C&5??? C&2$5 "3,9#"0I$"(&$("$+:%-<"2:&$'(&$(!"B2,2"-+"$'(&$(8"94&$' &$(!"$"0C:"<%!&$'(&$(:#28&$'(&$(<&:!&$'(&$(!&"-+"$' &$(,2<%-&$'("+,?($L(C&:)#"($6&(!2B":"-+"$?(-&(B#-!&' &($":(4#0%-&(*(8":!%!"2:%0"-+"("$+HC2!&??? -6&($6&($L(&$(4#0%-&$()#"(C:%+2,%0(%("3,9#$6&'(&$ %-20%2$(+%01*0?(8&,J$(-6&(82:%0(&(C%+2-4&(B"2&.(* #0(!"$"-4&(%-20%!&()#"(,&-+%(%(42$+L:2%(!"(#0 C")#"-&(C%+&(:"D"2+%!&(C"9&$($"#$5???(%45(%45("-B20' +%98"7(&(0"94&:($"D%(:2:(!%($2+#%F6&'(-6&. $-2B $-2B

23 Comic_PT :00 Uhr Seite 22 O FUTURO DO MUNDO :%,2$+%.(,":+%0"-+"()#"(+&!&$($&0&$(#0(C&#,&5??? %+*(%)#"9"$()#"(-6&(&(%!02+"05(-&("-+%-+&'(* 2-H+29(+%C%:(%(,%:%5???( -6&5(-6&5(M$(C&:+%$(!&($*,#9&(332'(*(#0%(%1"::%F6&' #0%(,&-+:%!2F6&???(&(0#-!&(*(#0%(02$+#:%5 :%,2$+%.(2$$&(-6&()#":(!27":(-%!%("()#":(!27":(+#!&? C&:)#"(*()#"(-&$(%-H-,2&$(*($"0C:"(%(9&#:%()#" "$,&94"(&$(1&-$(C:&!#+&$.(%4-. B2,%:E($"0C:"(%9<#0%(,&2$%(C&:(!27":("0(:"9%F6&(%& C%C"9(!&$(0"2&$(!"(,&0#-2,%F6&(-%(C:&C%<%F6&(!%$ 2!"2%$(B%9$%$?(C&:)#"(*()#"(-%$(-&+/,2%$($L($"(B%9%!&$("$+:%-<"2:&$()#%-!&(4E(C:&19"0%$.(B&:F&$%0"-I +"'(B%7I$"(%(%$$&,2%F6&=("$+:%-<"2:&([(C:&19"0%? "-)#%-+&(%9<#-$(B%7"0("$B&:F&$'(&#+:&$(!"2+%0 %,4%$(C%:%(%(B&<#"2:%?("$C%94%0(&(L!2&'(+&!&$(&$ +2C&$(!"(:%,2$0&'("$)#","-!&(%$(92FG"$(!%(42$+L:2%55 "$,&94%$(C&9/+2,%$'(C:"B":J-,2%$($"3#%2$'(:"92<2G"$' 0&!&$(!"(82!%???(1%$+%("3%9+%:(%$(921":!%!"$(2-!282!#%2$ "(&(928:"(%:1/+:2&5(-L$'(D&8"-$'(-L$(!"8"0&$(0#!%:( &(0#-!&5 8%0&$(+":(0#2+& )#"(B%7":5???

24 Comic_PT :00 Uhr Seite 23 LUTAR CONTRA O RACISMO Segundo um inquérito efectuado na União inquérito revelaram a complexidade do fenómeno Europeia na Primavera de 1997, o racismo e a racista. Os sentimentos racistas coexistem com xenofobia atingem um nível inquietante nos Estados-Membros: cerca de 33% dos inquiridos co e ao respeito pelos direitos e pelas liberdades fortes convicções favoráveis ao sistema democráti- descrevem-se abertamente como «bastante racistas» ou «muito racistas». que a sociedade deve ser integradora e conceder fundamentais. A maioria dos inquiridos considera igualdade de direitos a todos os cidadãos, incluindo os imigrantes e os pertencentes a grupos mino- Estas pessoas que se declaram racistas estão mais descontentes com as suas condições de vida do ritários. que a restante população. Receiam o desemprego, sentem-se inseguras quanto ao futuro e têm pouca As opiniões dividem-se mais quando se pergunta confiança no trabalho desenvolvido pelas autoridades públicas e pela classe política nos respectivos ciar destes direitos em todas as circunstâncias. se todos os membros das minorias devem benefi- países; além disso, há entre estas pessoas maior Muitos inquiridos estão de acordo em limitar os aceitação de esteriótipos negativos para qualificar direitos dos membros de minorias considerados os imigrantes e as minorias. parte integrante de grupos «causadores de problemas», isto é, os imigrantes em situação ilegal na Um grande número de pessoas que afirmam ser racistas são, na verdade, xenófobas: as «minorias» União Europeia, os autores de delitos e os desempregados. que são objecto de sentimentos racistas em cada país variam em função da história colonial e Os inquiridos consideram que as instituições europeias deveriam ter um papel mais importante na migratória do país em questão e da chegada mais ou menos recente de refugiados. Os resultados do luta contra o racismo. Grau de racismo expresso (REPARTIÇÃO POR PAÍS) EM PERCENTAGEM (NÃO RESPOSTAS EXCLUÍDAS) Pergunta: «Algumas pessoas têm a impressão de que não são de todo racistas. Outras sentem que são muito racistas. Poderia olhar para este quadro e dizer o número em que classifica os seus próprios sentimentos relativamente a este assunto. Se achar que não é de todo racista, escolha 1. Se achar que é muito racista, escolha 10. As pontuações compreendidas entre 1 e 10 permitem ver em que medida se aproxima de uma ou de outra das opções». Para obter este gráfico, a categoria «nada racista» equivale ao n. 1 na escala e as restantes categorias agrupam-se da seguinte forma: «um pouco racista» (2 e 3) «bastante racista» (4 a 6) «racista» (7 a 10) Eurobarómetro 47.1, Primavera de % 90 % 80 % 70 % 60 % 50 % 40 % 30 % % Muito racista (7-10 na escala) % Bastante racista (4-6) 20 % % Um pouco racista (2-3) 10 % % Nada racista (1 na escala) 0% B DK D EL E F IRL I L NL A P FIN S UK EU-15

25 Comic_PT :00 Uhr Seite 24 A ACÇÃO DA UNIÃO EUROPEIA 1977 Declaração Conjunta dos Direitos Fundamentais assinada pelo Parlamento Europeu, Conselho e Comissão O Parlamento Europeu aprova o primeiro relatório da sua Comissão de Inquérito sobre o Aumento do Fascismo e Racismo na Europa. O Conselho, o Parlamento Europeu e a Comissão aprovam uma declaração conjunta contra o racismo e a xenofobia A Carta Comunitária dos Direitos Sociais Fundamentais dos Trabalhadores menciona a importância da luta contra todas as formas de discriminação com base no sexo, na cor, na raça, nas opiniões e nos credos O Conselho Europeu aprova, na Cimeira de Dublim, uma resolução relativa à luta contra o racismo e a xenofobia. O Parlamento Europeu aprova o segundo relatório da sua comissão de inquérito apelando ao reforço da acção à escala europeia O Conselho Europeu aprova uma resolução, na Cimeira de Maastricht, comprometendo-se a agir «com clareza e sem ambiguidade» para contrariar o aumento do racismo e da xenofobia O Comité Económico e Social aprova uma resolução sobre o racismo, a xenofobia e a intolerância religiosa. O Conselho Europeu aprova, na Cimeira de Edimburgo, uma terceira resolução contra o racismo, solicitando que, por toda a Europa, se tomem «medidas enérgicas e eficazes, tanto no domínio da educação como no domínio legislativo, para combater este fenómeno» O Parlamento Europeu aprova várias resoluções sobre o racismo, a xenofobia e os perigos da violência da extrema direita. O Conselho Europeu aprova uma quarta declaração, na Cimeira de Copenhaga, condenando o racismo e a xenofobia, na qual declara ter«decidido intensificar os esforços para identificar e erradicar as causas do racismo», assumindo o compromisso de «fazer o seu melhor para proteger os imigrantes, refugiados e outros das expressões e manifestações de racismo e intolerância» Por iniciativa franco-alemã, na Cimeira de Corfu, o Conselho Europeu decide constituir uma Comissão Consultiva sobre Racismo e Xenofobia, encarregada de fazer recomendações práticas no sentido de promover a tolerância e a compreensão, e aceita desenvolver uma estratégia global à escala da União para combater o racismo. Também em 1994, na Cimeira de Essen, o Conselho Europeu solicita à Comissão «o aprofundamento dos trabalhos em curso» nos diferentes domínios do ensino e da formação, da informação e dos media e no domínio da polícia e da justiça.

26 Comic_PT :00 Uhr Seite 25 No livro branco sobre Política Social, a Comissão anuncia a sua intenção de «insistir para que sejam incluídos no Tratado poderes específicos no domínio da luta contra a discriminação racial». Uma comunicação da Comissão Europeia sobre as políticas de imigração e de asilo dedica o último capítulo à luta contra a discriminação racial e ao modo de fazer face ao problema do racismo e da xenofobia. A resolução do Parlamento Europeu relativa ao racismo e à xenofobia apela a uma directiva europeia destinada a reforçar as disposições existentes na legislação dos Estados-Membros A comissão consultiva apresenta ao Conselho Europeu, reunido em Cannes, o seu relatório final, que contém um grande número de recomendações para a acção. O Conselho Europeu solicita à comissão consultiva que prossiga os seus trabalhos e analise, em estreita colaboração com o Conselho da Europa, a viabilidade de um Observatório Europeu dos Fenómenos Racistas e Xenófobos. Duas resoluções do Parlamento Europeu sobre o racismo, a xenofobia e o anti-semitismo insistem para que sejam tomadas medidas a fim de proteger a igualdade de oportunidades de emprego, independentemente da idade, da raça, do sexo, da existência de deficiências ou das crenças. O Conselho dos Assuntos Sociais e o Conselho da Educação adoptam resoluções para combater o racismo no trabalho e nos sistemas educativos. A Comissão Europeia submete uma proposta ao Conselho para designar 1997 o Ano Europeu contra o Racismo. A Comissão salienta o papel específico que este ano poderia representar como complemento às acções nacionais. Os principais domínios identificados são: a promoção da integração e a abertura de vias para a integração, a promoção da igualdade de oportunidades e a redução da discriminação, a sensibilização da opinião pública e o combate aos preconceitos, a prevenção de quaisquer comportamentos racistas e da violência, a vigilância e a sanção de crimes raciais, a cooperação internacional, o reforço das disposições jurídicas anti-racismo, incluindo a nível europeu. A Cimeira do Diálogo Social entre Representantes dos Empregadores e dos Sindicatos adopta uma declaração comum que visa prevenir a discriminação racial e a xenofobia e promover a igualdade de tratamento no local de trabalho O Parlamento Europeu, o Comité Económico e Social e o Comité das Regiões apoiam a proposta de instituir o Ano Europeu contra o Racismo em A comissão consultiva termina o seu estudo de viabilidade. O Conselho Europeu solicita a esta comissão a continuação do trabalho até que o Observatório Europeu do Racismo e da Xenofobia seja criado e dá, igualmente, luz verde para o Ano Europeu Os Estados-Membros e o Parlamento Europeu concordam em estabelecer o Observatório Europeu em Viena. O Observatório terá o duplo papel de catalogar e avaliar os fenómenos racistas e xenófobos e de analisar os motivos subjacentes, elaborando propostas concretas e práticas para os combater. Os chefes de Estado e de Governo integram a defesa dos direitos do Homem e das liberdades fundamentais no novo Tratado da União Europeia concluído na Cimeira de Amsterdão A Comissão Europeia apresenta um plano de acção global de luta contra o racismo. 8%0&$(+":(0#2+& )#"(B%7":5???

27 Comic_PT :00 Uhr Seite 26 O TRATADO DE AMSTERDÃO E AS CONVENÇÕES INTERNACIONAIS O Tratado de Amsterdão Título I Princípios gerais subjacentes à União «A União funda-se nos princípios da liberdade, da democracia, do respeito pelos direitos do Homem e pelas liberdades fundamentais, bem como do Estado de direito», comuns a todos os Estados-Membros. A União respeitará os direitos fundamentais garantidos pela Convenção Europeia de Salvaguarda dos Direitos do Homem e das Liberdades Fundamentais, assinada em Roma, em 4 de Novembro de 1950, que resultam das tradições constitucionais comuns aos Estados-Membros, enquanto princípios gerais do direito comunitário. A União respeitará a identidade nacional dos Estados-Membros. A União dotar-se-á dos meios necessários para atingir os seus objectivos e realizar com êxito as suas políticas. Não discriminação, artigo 6. -A Sem prejuízo das demais disposições do Tratado e dentro dos limites das competências que este confere à Comunidade, o Conselho, deliberando por unanimidade, sob proposta da Comissão e após consulta ao Parlamento Europeu, pode tomar as medidas necessárias para combater «qualquer discriminação em razão do sexo, raça, origem étnica, religião e crença, deficiência, idade ou orientação sexual». Convenção Europeia de Salvaguarda dos Direitos do Homem e das Liberdades Fundamentais, 1950, artigo 14. Os direitos e liberdades consagrados nesta convenção são garantidos sem discriminação em razão do sexo, raça, cor, língua, origem, religião, opiniões políticas ou outras, origem nacional ou social, pertença a uma minoria étnica, propriedade, nascimento ou outros estatutos. Convenção Internacional das Nações Unidas relativa à eliminação de todas as formas de discriminação racial, 1965, artigo 1. Nesta convenção, a expressão «discriminação racial» refere, sem qualquer distinção, a exclusão, restrição ou preferência em razão da raça, cor, descendência, origem nacional ou étnica, que visam diminuir ou anular o reconhecimento, o benefício ou o exercício, em pé de igualdade, dos direitos do Homem e das liberdades fundamentais, nos domínios político, económico, social e cultural ou em qualquer outro domínio da vida pública. PORQUÊ AGIR A NÍVEL EUROPEU? Identidade europeia A luta contra o racismo não se pode separar da identidade europeia. A necessidade de criar os fundamentos de um espírito de comunidade entre povos há muito separados por conflitos violentos é parte integrante dos ideais que inspiraram os fundadores da Comunidade. Democracia A União Europeia deve ser construída com base numa sociedade que valorize a diferença, representando as necessidades de todos os cidadãos e reflectindo os seus interesses e valores, independentemente da pertença étnica, religiosa, nacional ou cultural. Esta condição é essencial para o desenvolvimento democrático e a legitimidade dos governos e instituições existentes. Nenhum Estado-Membro é poupado e nenhum grupo social e cultural tem a garantia de não se tornar um dia uma vítima do racismo (1). Respeito pelos direitos do Homem O respeito pelos direitos do Homem e pelas liberdades fundamentais inscritos no Tratado, assim (1) Comunicação da Comissão Europeia sobre o racismo, xenofobia e anti-semitismo [COM(95) 653 final].

28 Comic_PT :00 Uhr Seite 27 como o direito à igualdade de tratamento e à ausência de discriminação são os princípios de base de qualquer política comunitária. Desenvolvimento e direitos económicos e sociais O racismo e a xenofobia representam uma séria ameaça, não só para a estabilidade da sociedade europeia, mas também para o bom funcionamento da economia (1). As economias europeias não utilizam ao máximo a sua força de trabalho (1). A discriminação interfere na livre circulação de pessoas e serviços, impedindo que as pessoas sujeitas a discriminações arranjem emprego, alojamento ou até que usem os serviços de que têm necessidade (2). As diferenças entre as políticas nacionais de protecção contra o racismo desencorajam as pessoas susceptíveis de serem vitimas de actos racistas de se estabelecerem nos Estados-Membros da União Europeia onde a protecção é insuficiente (2). Uma participação de todos os cidadãos na vida social, económica e política faz parte do desenvolvimento europeu. No entanto, o racismo exclui e ao mesmo tempo tira partido da exclusão. Quando as pessoas se sentem rejeitadas ou ameaçadas são mais propensas a rejeitar as outras. A luta contra o racismo está estreitamente relacionada com a melhoria das condições de emprego e as políticas de imigração e de integração relativas, por exemplo, ao acesso ao emprego e à educação (1). (1) Declaração Comum dos Parceiros Sociais relativa à Prevenção, Discriminação Racial, à Xenofobia e à Promoção da Igualdade de Tratamento no Local de Trabalho. (2) Relatório da Conferência de Abertura do Ano Europeu contra o Racismo, A EUROPA CONTRA O RACISMO Considerando que o racismo, a xenofobia e o anti-semitismo se opõem aos direitos fundamentais que são mencionados no direito comunitário e reconhecidos nas declarações e instrumentos internacionais e que resultam das tradições constitucionais; Considerando a presença permanente do racismo, da xenofobia, e do anti-semitismo em toda a Europa, que lança um desafio importante às nossas sociedades e que solicita a mobilização de todos os seus parceiros para combater estes fenómenos; Considerando que o Conselho e os Estados-Membros reconheceram este desafio quando proclamaram 1997 o Ano Europeu contra o Racismo, Nós, abaixo assinados, afirmamos: o direito fundamental de todo o indivíduo de viver sem assédio ou discriminação em razão da raça, cor, religião, ou origem nacional ou étnica; a necessidade de construir parcerias a fim de criar uma união na luta contra o racismo, a xenofobia e o anti-semitismo. Nós, abaixo assinados, comprometemo-nos: a reforçar a nossa acção com vista a combater o racismo, a xenofobia e o anti-semitismo em todos os sectores da vida, utilizando todos os meios e recursos disponíveis; a cooperar para este efeito com todos os parceiros em questão; a introduzir, estimular e promover a divulgação das boas práticas e experiências; a promover as medidas adequadas, incluindo códigos de conduta europeus e nacionais. Nós, abaixo assinados, temos a intenção: de participar activamente no Ano Europeu contra o Racismo; de participar activamente na mobilização europeia iniciada pelo Ano Europeu contra o Racismo. Instamos as instituições europeias, as autoridades públicas, as organizações privadas e os cidadãos, à escala europeia, nacional e local, a contribuírem para a luta contra o racismo, a xenofobia e o anti-semitismo, na vida quotidiana, na escola, no local de trabalho e nos meios de comunicação. Wim Kok José María Gil-Robles Gil-Delgado Jacques Santer Primeiro-Ministro dos Países Baixos Presidente do Parlamento Presidente da Comissão Presidente do Conselho em exercício Europeu Europeia

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 1997L0081 PT 25.05.1998 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições BDIRECTIVA 97/81/CE DO CONSELHO de 15 de Dezembro de 1997 respeitante ao acordo-quadro

Leia mais

Declaração de Princípios sobre a Tolerância * (**)

Declaração de Princípios sobre a Tolerância * (**) Declaração de Princípios sobre a Tolerância * (**) Os Estados Membros da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura reunidos em Paris em virtude da 28ª reunião da Conferência

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO A Carta Europeia do Desporto do Conselho da Europa é uma declaração de intenção aceite pelos Ministros europeus responsáveis pelo Desporto. A Carta Europeia do Desporto

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Cidadania Europeia. Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009

Cidadania Europeia. Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009 Cidadania Europeia Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009 O que é a cidadania? Vínculo jurídico entre o indivíduo e o respectivo Estado, traduz-se num conjunto de direitos e deveres O relacionamento

Leia mais

Orientações para as políticas de emprego

Orientações para as políticas de emprego C 87 E/94 Jornal Oficial da União Europeia 1.4.2010 23. Considera que, com a liderança da UE no provimento de apoio financeiro e técnico aos países em desenvolvimento, as probabilidades de sucesso nas

Leia mais

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 IV (Actos adoptados, antes de 1 de Dezembro de 2009, em aplicação do Tratado CE, do Tratado da UE e do Tratado Euratom) DECISÃO DO CONSELHO de 27 de Novembro

Leia mais

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007 Conteúdo e desafios Os Tratados Tratado de Paris (CECA) 18 de Abril de 1951 Tratados de Roma (CEE e CEEA) 25 de Março de 1957 Acto Único Europeu 17 de Fevereiro 1986

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 18.3.2004 L 80/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 491/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 10 de Março de 2004 que estabelece um programa de assistência

Leia mais

CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA INTRODUÇÃO

CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA INTRODUÇÃO CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA INTRODUÇÃO O Código da Ética no Desporto do Conselho da Europa para o Fair play no desporto é uma declaração de intenção aceite pelos Ministros europeus responsáveis pelo Desporto.

Leia mais

L 375/12 Jornal Oficial da União Europeia 23.12.2004

L 375/12 Jornal Oficial da União Europeia 23.12.2004 L 375/12 Jornal Oficial da União Europeia 23.12.2004 DIRECTIVA 2004/114/CE DO CONSELHO de 13 de Dezembro de 2004 relativa às condições de admissão de nacionais de países terceiros para efeitos de estudos,

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO Objectivo da Carta... 3 Definição e âmbito de aplicação da Carta... 3 O movimento desportivo... 4 Instalações e actividades... 4 Lançar as bases... 4 Desenvolver a participação...

Leia mais

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens Resumo O que se entende por disparidades salariais entre mulheres e homens Por que razão continuam a existir disparidades salariais entre mulheres

Leia mais

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council CONSELHO INTERACÇÃO Criado em 1983 Declaração Universal dos Deveres do Homem Setembro de 1997 InterAction Council Declaração Universal dos Deveres do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

Pensar o futuro da educação. Aprender e inovar com a tecnologia multimedia. Comissão Europeia

Pensar o futuro da educação. Aprender e inovar com a tecnologia multimedia. Comissão Europeia Pensar o futuro da educação Aprender e inovar com a tecnologia multimedia Comissão Europeia O impacto da tecnologia da informação e da comunicação está a provocar alterações graduais mas muitas vezes radicais

Leia mais

Progressos registados nos domínios da igualdade de oportunidades e da não discriminação na UE

Progressos registados nos domínios da igualdade de oportunidades e da não discriminação na UE 19.11.2009 PT C 279 E/23 41. Solicita à Comissão que consulte o Parlamento e os Estados-Membros no que respeita à avaliação desses estudos; * * * 42. Encarrega o seu Presidente de transmitir a presente

Leia mais

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial,

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial, 192 Assembleia Geral 39 a Sessão suas políticas internas e exteriores segundo as disposições básicas da Convenção, Tendo em mente o fato de que a Convenção está sendo implementada em diferentes condições

Leia mais

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros.

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros. Âmbito de aplicação O presente Código de Conduta aplica-se a toda a estrutura GUARDIAN Sociedade de Mediação de Seguros, Lda., seguidamente designada por GUARDIAN, sem prejuízo das disposições legais ou

Leia mais

CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993

CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993 CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993 DECLARAÇÃO DE VIENA E PROGRAMA DE ACÇÃO Nota do Secretariado Em anexo encontra-se o texto da Declaração de Viena e do Programa

Leia mais

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Introdução A educação desempenha um papel essencial na promoção dos valores fundamentais

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa A UGT saúda o debate em curso na Comissão dos Assuntos Europeus sobre o Futuro da Europa e, particularmente, sobre o futuro do Tratado Constitucional. O

Leia mais

Código de conduta e de ética para o sector da segurança privada

Código de conduta e de ética para o sector da segurança privada Código de conduta e de ética para o sector da segurança privada I. Porquê um código de conduta e de ética no sector? O sector da segurança privada representa na União Europeia quase 10.000 empresas que

Leia mais

Código de Ética e de Conduta

Código de Ética e de Conduta visa dar a conhecer de forma inequívoca aos colaboradores, clientes, entidades públicas, fornecedores e, de uma forma geral, a toda a comunidade os valores preconizados, vividos e exigidos pela empresa,

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA CRIAÇÃO DA AGÊNCIA EUROPEIA DE DIREITOS FUNDAMENTAIS. Contributo da Equipa do Centro de Recursos Anti-Discriminação

CONSULTA PÚBLICA CRIAÇÃO DA AGÊNCIA EUROPEIA DE DIREITOS FUNDAMENTAIS. Contributo da Equipa do Centro de Recursos Anti-Discriminação CONSULTA PÚBLICA CRIAÇÃO DA AGÊNCIA EUROPEIA DE DIREITOS FUNDAMENTAIS Contributo da Equipa do Centro de Recursos Anti-Discriminação 17 de Dezembro de 2004 Preâmbulo Sobre o lugar de onde se perspectiva

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 359/VIII CRIA O OBSERVATÓRIO DA VIOLÊNCIA ESCOLAR

PROJECTO DE LEI N.º 359/VIII CRIA O OBSERVATÓRIO DA VIOLÊNCIA ESCOLAR PROJECTO DE LEI N.º 359/VIII CRIA O OBSERVATÓRIO DA VIOLÊNCIA ESCOLAR A evidente importância de um ensino condigno para crianças e jovens está a ser seriamente posta em causa por factores de violência

Leia mais

Responder ao racismo em Portugal

Responder ao racismo em Portugal Responder ao racismo em Portugal european network against racism rede europeia contra o racismo Sinopse do racismo em contexto nacional Apesar do racismo emergir de uma forma muito subtil, é óbvio que

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão do Desenvolvimento Regional 2014/2247(INI) 18.6.2015 PROJETO DE RELATÓRIO sobre a política de coesão e as comunidades marginalizadas (2014/2247(INI)) Comissão do Desenvolvimento

Leia mais

de 24 de Outubro de 2006 que estabelece um Programa Comunitário para o Emprego e a Solidariedade Social Progress

de 24 de Outubro de 2006 que estabelece um Programa Comunitário para o Emprego e a Solidariedade Social Progress 15.11.2006 PT Jornal Oficial da União Europeia L 315/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) DECISÃO N. o 1672/2006/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 24 de Outubro de 2006

Leia mais

MÓDULO II A COOPERAÇÃO NOS DOMÍNIOS DA JUSTIÇA E DOS ASSUNTOS INTERNOS NA UNIÃO EUROPEIA: DEFINIÇÃO, NECESSIDADE, PRÁTICA E EFICÁCIA

MÓDULO II A COOPERAÇÃO NOS DOMÍNIOS DA JUSTIÇA E DOS ASSUNTOS INTERNOS NA UNIÃO EUROPEIA: DEFINIÇÃO, NECESSIDADE, PRÁTICA E EFICÁCIA MÓDULO II DOMÍNIOS DA JUSTIÇA E DOS ASSUNTOS INTERNOS NA UNIÃO EUROPEIA: DEFINIÇÃO, NECESSIDADE, PRÁTICA E EFICÁCIA O ESPAÇO EUROPEU DE LIBERDADE, O QUE É A COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE JUSTIÇA E ASSUNTOS

Leia mais

Carta dos Direitos do Cliente

Carta dos Direitos do Cliente A pessoa com deficiência ou incapacidade, deve ser educada e viver na comunidade, mas com programas e apoios especiais. Cercisiago Carta dos Direitos do Cliente Março de 2010 Carta dos Direitos do Cliente

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO 27.4.2001 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 118/41 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO

Leia mais

Desenvolvimento das relações entre o Parlamento Europeu e os parlamentos nacionais no quadro do Tratado de Lisboa

Desenvolvimento das relações entre o Parlamento Europeu e os parlamentos nacionais no quadro do Tratado de Lisboa C 212 E/94 Jornal Oficial da União Europeia 5.8.2010 Desenvolvimento das relações entre o Parlamento Europeu e os parlamentos nacionais no quadro do Tratado de Lisboa P6_TA(2009)0388 Resolução do Parlamento

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU DECLARAÇÃO ESCRITA

PARLAMENTO EUROPEU DECLARAÇÃO ESCRITA Documentos sobre o Ano Europeu do Voluntariado PARLAMENTO EUROPEU DECLARAÇÃO ESCRITA apresentada nos termos do artigo 116.º do Regimento por Marian Harkin, Gisela Kallenbach, Emmanouil Angelakas, Mieczysław

Leia mais

Laicidade I. DOCUMENTOS DIVAS & CONTRABAIXOS http://divasecontrabaixos.blogspot.com/

Laicidade I. DOCUMENTOS DIVAS & CONTRABAIXOS http://divasecontrabaixos.blogspot.com/ Laicidade I Dave April, Alternative Thinking Étíenne Pion é o presidente da CAEDEL - Centre d'action européénne démocratique et laïque, e está neste momento a fazer um conjunto de conferências por todo

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA

EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA Ano lectivo 2014/2015 Introdução A Educação para a Cidadania é um processo ao longo da vida. Começa em casa e no meio próximo das crianças com as questões da identidade, relações

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão da Cultura e da Educação 2007/2253(INI) 7.3.2008 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a concentração e o pluralismo dos meios de comunicação social na União Europeia (2007/2253(INI))

Leia mais

DECISÕES APROVADAS CONJUNTAMENTE PELO PARLAMENTO EUROPEU E PELO CONSELHO

DECISÕES APROVADAS CONJUNTAMENTE PELO PARLAMENTO EUROPEU E PELO CONSELHO L 288/10 Jornal Oficial da União Europeia 4.11.2009 DECISÕES APROVADAS CONJUNTAMENTE PELO PARLAMENTO EUROPEU E PELO CONSELHO DECISÃO N. o 1041/2009/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Outubro

Leia mais

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa.

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa. DOCUMENTO DE CONSULTA: COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EUROPEIA SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (2011-2014) 1 Direitos da Criança Em conformidade com o artigo 3.º do Tratado da União Europeia, a União promoverá os

Leia mais

Lei Nº 134/99, De 28 De Agosto Proíbe As Discriminações No Exercício De Direitos Por Motivos Baseados Na Raça, Cor, Nacionalidade Ou Origem Étnica

Lei Nº 134/99, De 28 De Agosto Proíbe As Discriminações No Exercício De Direitos Por Motivos Baseados Na Raça, Cor, Nacionalidade Ou Origem Étnica Lei Nº 134/99, De 28 De Agosto Proíbe As Discriminações No Exercício De Direitos Por Motivos Baseados Na Raça, Cor, Nacionalidade Ou Origem Étnica Lei n.º 134/99, de 28 de Agosto Proíbe as discriminações

Leia mais

Posição do Secularismo e dos Direitos Humanos

Posição do Secularismo e dos Direitos Humanos ELEIÇÕES da UE 2014 Posição do Secularismo e dos Direitos Humanos Memorando da EHF NOVEMBRO 2013 A s eleições europeias de maio de 2014 serão cruciais para os humanistas da Europa. A ascensão de partidos

Leia mais

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE -

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE - Rede Portuguesa de Jovens para a Igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens (REDE) I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

A Cidadania Europeia CONCEITO DE CIDADANIA

A Cidadania Europeia CONCEITO DE CIDADANIA CONCEITO DE CIDADANIA O conceito de Cidadania foi evoluindo ao longo dos tempos, acompanhando, em cada momento, as diferentes concepções de Estado e as diferentes formas de participação do indivíduo na

Leia mais

DECLARAÇÃO CONJUNTA DA COESS E DA UNI-EUROPA SOBRE A HARMONIZAÇÃO EUROPEIA DAS LEGISLAÇÕES QUE REGULAM O SECTOR DA SEGURANÇA PRIVADA

DECLARAÇÃO CONJUNTA DA COESS E DA UNI-EUROPA SOBRE A HARMONIZAÇÃO EUROPEIA DAS LEGISLAÇÕES QUE REGULAM O SECTOR DA SEGURANÇA PRIVADA DECLARAÇÃO CONJUNTA DA COESS E DA UNI-EUROPA SOBRE A HARMONIZAÇÃO EUROPEIA DAS LEGISLAÇÕES QUE REGULAM O SECTOR DA SEGURANÇA PRIVADA INTRODUÇÃO O sector da segurança privada, na União Europeia, está em

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos do Homem

Declaração Universal dos Direitos do Homem Declaração Universal dos Direitos do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL.

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 309 CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. Artigo 9.º (Tarefas fundamentais do Estado) São tarefas fundamentais do Estado:. a) Garantir a independência

Leia mais

Notas sobre Educação Intercultural e Cidadania

Notas sobre Educação Intercultural e Cidadania 1 Notas sobre Educação Intercultural e Cidadania 1- Definição de Cultura. Cultura é tudo o que nos seres humanos vai além dos aspectos biológicos. Modos de sentir, pensar e agir. Crenças, valores (estéticos,

Leia mais

Lei n.º 18/2004, de 11 de Maio

Lei n.º 18/2004, de 11 de Maio Lei n.º 18/2004, de 11 de Maio Transpõe para a ordem jurídica nacional a Directiva n.º 2000/43/CE, do Conselho, de 29 de Junho, que aplica o princípio da igualdade de tratamento entre as pessoas, sem distinção

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, 25.6.2003 L 156/17 DIRECTIVA 2003/35/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Maio de 2003 que estabelece a participação do público na elaboração de certos planos e programas relativos ao ambiente

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO SOBRE A PROTECÇÃO DE DADOS DO ARTIGO 29.

GRUPO DE TRABALHO SOBRE A PROTECÇÃO DE DADOS DO ARTIGO 29. GRUPO DE TRABALHO SOBRE A PROTECÇÃO DE DADOS DO ARTIGO 29. 00065/2010/PT WP 174 Parecer 4/2010 sobre o código de conduta europeu da FEDMA relativo ao uso de dados pessoais no marketing directo Adoptado

Leia mais

PROGRAMA CIDADANIA ATIVA 2013-16

PROGRAMA CIDADANIA ATIVA 2013-16 PROGRAMA CIDADANIA ATIVA 2013-16 FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Luís Madureira Pires Lisboa, 22 de março de 2013 Enquadramento > O Mecanismo Financeiro EEE (MF/EEE) Desde a assinatura do acordo do Espaço

Leia mais

Convenção Sobre os D ireitos. da Criança

Convenção Sobre os D ireitos. da Criança Convenção Sobre os D ireitos da Criança Convenção Sobre os Direitos Resumo não oficial da Criança Junho de 2000 Prefácio A presente publicação é um resumo não oficial da Convenção das Nações Unidas Sobre

Leia mais

Declaração sobre a raça e os preconceitos raciais

Declaração sobre a raça e os preconceitos raciais Declaração sobre a raça e os preconceitos raciais Aprovada e proclamada pela Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, reunida em Paris em sua 20.º reunião,

Leia mais

Destaque para a Convenção- Quadro para a Luta Antitabaco (CQLA)

Destaque para a Convenção- Quadro para a Luta Antitabaco (CQLA) Destaque para a Convenção- Quadro para a Luta Antitabaco (CQLA) PRIMEIRA EDIÇÃO/JANEIRO DE 2008 Um conjunto de notas informativas sobre a CQLA e as obrigações associadas da UE. A primeira edição fornece

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O RACISMO, A DISCRIMINAÇÃO RACIAL E FORMAS CORRELATAS DE INTOLERÂNCIA

CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O RACISMO, A DISCRIMINAÇÃO RACIAL E FORMAS CORRELATAS DE INTOLERÂNCIA CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O RACISMO, A DISCRIMINAÇÃO RACIAL E FORMAS CORRELATAS DE INTOLERÂNCIA CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O RACISMO, A DISCRIMINAÇÃO RACIAL E FORMAS CORRELATAS DE INTOLERÂNCIA

Leia mais

VOLUNTARIADO E CIDADANIA

VOLUNTARIADO E CIDADANIA VOLUNTARIADO E CIDADANIA Voluntariado e cidadania Por Maria José Ritta Presidente da Comissão Nacional do Ano Internacional do Voluntário (2001) Existe em Portugal um número crescente de mulheres e de

Leia mais

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS Objectivo do presente documento O presente documento descreve a actual situação no que se refere ao comércio electrónico e serviços

Leia mais

Assegurar que o Progress produz resultados

Assegurar que o Progress produz resultados Assegurar que o Progress produz resultados Quadro estratégico para a execução do Progress, programa comunitário para o emprego e a solidariedade social (2007 2013) Comissão Europeia Assegurar que o Progress

Leia mais

2º e 3º Ciclos Ensino Profissional

2º e 3º Ciclos Ensino Profissional 2º e 3º Ciclos Ensino Profissional Índice 1. A União Europeia O caminho da UE 2. Os Anos Europeus 3. 2010 Ano Europeu do Combate à Pobreza e Exclusão Social (AECPES) 4. 2010 AECPES. Pobreza e Exclusão

Leia mais

ARGUMENTOS PARA UMA LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER. (Documento Publicado no dia 20 de Julho de 2009)

ARGUMENTOS PARA UMA LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER. (Documento Publicado no dia 20 de Julho de 2009) COORDENAÇÃO PARA MULHER NO DESENVOLVIMENTO ARGUMENTOS PARA UMA LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER (Documento Publicado no dia 20 de Julho de 2009) Na última década, a questão da violência contra

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2014-2019 Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais 2014/2255(INI) 5.5.2015 PROJETO DE RELATÓRIO relativo ao Relatório sobre a implementação, os resultados e a avaliação global do Ano

Leia mais

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções.

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções. A justiça restaurativa no combate à violência doméstica O final de uma legislatura é, certamente, um tempo propício para a realização de um balanço de actividades. Pode constituir-se como convite à avaliação

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

Instituições Nacionais de Direitos Humanos à luz dos princípios de Paris

Instituições Nacionais de Direitos Humanos à luz dos princípios de Paris REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA JUSTIÇA E DOS DIREITOS HUMANOS DIRECÇÃO NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS Instituições Nacionais de Direitos Humanos à luz dos princípios de Paris As Instituições Nacionais

Leia mais

Exposição de motivos

Exposição de motivos Exposição de motivos Hoje, Portugal é uma sociedade onde vivem e convivem muitas culturas e etnias diferentes. Muitos são os imigrantes que aqui vivem, de diversas nacionalidades, e com um papel fundamental

Leia mais

FONTES DE INFORMAÇÃO EUROPEIA O PORTAL EUROPA, AS BASES DE DADOS E OS PORTAIS MAIS RELEVANTES

FONTES DE INFORMAÇÃO EUROPEIA O PORTAL EUROPA, AS BASES DE DADOS E OS PORTAIS MAIS RELEVANTES FONTES DE INFORMAÇÃO EUROPEIA O PORTAL EUROPA, AS BASES DE DADOS E OS PORTAIS MAIS RELEVANTES Documentação e Informação Europeias na Internet Servidor EUROPA Apresentação da estrutura Pesquisa Eurobookshop

Leia mais

Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo. Você Sabia

Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo. Você Sabia Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo Você Sabia Que o sexo de uma pessoa é dado pela natureza e por isso nascemos macho ou fêmea? Que o gênero é construído pelas regras da sociedade para definir, a

Leia mais

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 COMISSÃO ADMINISTRATIVA PARA A COORDENAÇÃO DOS SISTEMAS DE SEGURANÇA SOCIAL Estatutos da Comissão Administrativa para a Coordenação dos Sistemas de Segurança

Leia mais

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES 1. A Juventude Socialista Açores é a organização política dos jovens açorianos ou residentes na Região Autónoma dos Açores que nela militam, que

Leia mais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais 12054/02/PT WP 69 Parecer 1/2003 sobre o armazenamento dos dados de tráfego para efeitos de facturação Adoptado em 29 de Janeiro de 2003 O Grupo de Trabalho

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /X

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /X Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /X Recomenda ao governo a adopção, por parte das forças e serviços de segurança, de procedimentos singulares na sua relação com a população LGBT lésbicas, gays,

Leia mais

ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Igualdade de Género

ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Igualdade de Género ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Igualdade de Género ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Legislação O que é um homem e o que é uma mulher? Homem, s.m. (do lat.

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO O PÓS-EURO A B C D E MÓDULO V O Euro face às s principais moedas internacionais Pacto de Estabilidade e Crescimento O Tratado de Amesterdão O Tratado de Nice Reforçar e Reformar as Políticas da União na

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08)

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) 20.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 372/31 Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, TENDO EM CONTA

Leia mais

16 Entrevista Rui Gomes

16 Entrevista Rui Gomes 16 Entrevista Rui Gomes Rui Gomes Especialista no Conselho da Europa na área da Juventude e do Desporto, Rui Gomes considera que a Educação para a Cidadania Democrática deve partir da reflexão sobre casos

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012 PROJETO DE LEI Nº 128/2012 Altera a Lei nº 14.485, de 19 de julho de 2007, com a finalidade de incluir no Calendário Oficial de Eventos da Cidade de São Paulo o Dia Municipal de Combate a Homofobia, a

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 6.11.2007 SEC(2007) 1425 DOCUMENTO DE TRABALHO DA COMISSÃO que acompanha a proposta de Decisão Quadro do Conselho que altera a Decisão Quadro 2002/475/JAI relativa

Leia mais

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE PRINCÍPIOS PARA UMA INTERVENÇÃO INTERNACIONAL EFICAZ EM ESTADOS PRINCÍPIOS - Março 2008 Preâmbulo Uma saída sustentável da pobreza e da insegurança nos Estados mais frágeis do mundo terá de ser conduzida

Leia mais

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17)

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17) 1984L0450 PT 12.06.2005 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa

Leia mais

Análise de Anúncios de Oferta de Emprego. (Regime Legal)

Análise de Anúncios de Oferta de Emprego. (Regime Legal) Análise de Anúncios de Oferta de Emprego (Regime Legal) Serviço de Igualdade 2011 Enquadramento Jurídico O reconhecimento e o tratamento do direito à igualdade de oportunidades e não discriminação, e de

Leia mais

2011 O Ano Europeu do Voluntariado

2011 O Ano Europeu do Voluntariado 2011 O Ano Europeu do Voluntariado Mais de 100 milhões de Europeus e Europeias estão envolvidos(as) em actividades voluntárias, são solidários(as) e, assim fazem a diferença na nossa sociedade. Uma pesquisa

Leia mais

PARECER N.º 286/CITE/2014

PARECER N.º 286/CITE/2014 PARECER N.º 286/CITE/2014 Assunto: Dispensa para amamentação Processo n.º 307 QX/2014 I OBJETO 1.1. Em 3.4.2014, CITE recebeu da trabalhadora uma queixa relativamente ao período de dispensa de trabalho

Leia mais

DIRECTIVA 2003/86/CE DO CONSELHO de 22 de Setembro de 2003 relativa ao direito ao reagrupamento familiar

DIRECTIVA 2003/86/CE DO CONSELHO de 22 de Setembro de 2003 relativa ao direito ao reagrupamento familiar L 251/12 DIRECTIVA 2003/86/CE DO CONSELHO de 22 de Setembro de 2003 relativa ao direito ao reagrupamento familiar O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia

Leia mais

Eu tenho direitos, tu tens direitos, ele/ela tem direitos...

Eu tenho direitos, tu tens direitos, ele/ela tem direitos... Eu tenho direitos, tu tens direitos, ele/ela tem direitos... Uma introdução aos direitos da criança Todas as pessoas têm direitos. Se fores um rapaz ou uma rapariga com menos de 18 anos, tens também certos

Leia mais

PROJECTO-LEI N.º 244/VIII ESTATUTO DO VOLUNTARIADO JOVEM. Exposição de motivos

PROJECTO-LEI N.º 244/VIII ESTATUTO DO VOLUNTARIADO JOVEM. Exposição de motivos PROJECTO-LEI N.º 244/VIII ESTATUTO DO VOLUNTARIADO JOVEM Exposição de motivos 1 A protecção dos direitos e liberdades fundamentais, individuais ou colectivos, a promoção dos direitos sociais, económicos

Leia mais

Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015

Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Versão Linguagem Fácil Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Versão Linguagem Fácil Página 1 de 60 Plano de Acção

Leia mais

Instituições europeias

Instituições europeias Envelhecer com Prazer Rua Mariana Coelho, nº 7, 1º E 2900-486 Setúbal Portugal Tel: +351 265 548 128 Tlm: 96 938 3068 E-mail: envelhecimentos@gmail.com www.envelhecer.org Instituições europeias Inês Luz

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.12.2008 COM(2008) 819 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Plano de acção no domínio da dádiva e transplantação de órgãos (2009-2015): Reforçar a cooperação entre

Leia mais

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179.

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179. REGULAMENTO (CE) N.º 806/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Abril de 2004 relativo à promoção da igualdade entre homens e mulheres na cooperação para o desenvolvimento O PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino ED/2003/CONV/H/1 Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino Adotada a 14 de dezembro de 1960, pela Conferência Geral da UNESCO, em sua 11ª sessão, reunida em Paris de 14 de novembro

Leia mais