Unidade III. Unidade III

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade III. Unidade III"

Transcrição

1 Unidade III Unidade III 3 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO () UMA PEQUENA INTRODUÇÃO Enquanto o balanço patrimonial nos apresenta a situação econômica e financeira da empresa, demonstrando os saldos do que ela possui de bens e direitos, assim como o quanto ela deve a terceiros e aos sócios em um dado momento, a Demonstração do Resultado do Exercício () nos demonstra o desempenho da empresa ao longo de um período. A acumula as vendas, derivadas de operações da empresa ou entidade. Acumula, também, as despesas. Exemplo de receitas Fato gerador Prestação de serviços Venda de mercadorias Venda de produtos Conta representativa na Receita de prestação de serviço Receita de venda de mercadorias Receita de venda de produtos Exemplo de despesas Fato gerador Uso do trabalho dos empregados Uso de escritório alugado Uso do capital de terceiros - bancos Cobertura de seguros patrimoniais Conta representativa na Despesas com pessoal Despesas com aluguel Despesas financeiras Despesas com seguros 30

2 CONTABILIDADE A diferença entre receitas e despesas gera o resultado do exercício, no período analisado, sendo este lucro quando as receitas superam as despesas, ou prejuízo quando as despesas superam as receitas. Receitas Despesas = Resultado do exercício Receita venda de mercadorias, produtos ou serviços pela empresa. Despesa uso, consumo de bens ou serviços pela empresa. Resultado diferença entre receitas e despesas durante um determinado período. Receita, despesa e resultado 1 20 Estudemos agora o relacionamento entre as contas de resultado, receita e despesas e as contas patrimoniais, de maneira que entendamos o relacionamento entre a e o balanço patrimonial. Podemos perceber que uma venda de serviços, à vista ou a prazo, gera receita na, no período em que ocorre; aparece no balanço patrimonial, no ativo, como saldo em caixa ou bancos, se já recebida, ou como duplicatas a receber, se ainda não recebida. 2 Da mesma maneira, percebemos que as despesas incorridas durante o período são lançadas na quando ocorrem, independentemente de terem sido pagas ou não, e são lançadas também no balanço patrimonial como duplicatas a pagar no passivo ou como redução de caixa ou bancos quando já pagas. O resultado do exercício, por sua vez, ocasionará o aumento ou a diminuição do patrimônio líquido entre um exercício 31

3 Unidade III e outro. O patrimônio líquido aumenta quando as receitas superam a despesa (lucro) e diminui quando as despesas superam as receitas (prejuízo). Abaixo, temos uma mostra do relacionamento entre a Demonstração de Resultado do Exercício e o balanço patrimonial. As receitas aumentam o lucro ou resultado, consequentemente, aumentando o patrimônio líquido. As despesas reduzem o resultado ou lucro e, assim, reduzem o patrimônio líquido. - Relação entre e balanço patrimonial Receita Despesas (=) Lucro / Prejuízo do exercício A P PL Capital Lucro / Prejuízo Acumulado 1 Regime de caixa, regime de competência Agora que já vimos o que nos demonstra a, bem como a relação desta com o balanço patrimonial, abordaremos um conceito fundamental no entendimento do resultado, de como ele é apurado e como pode ser alterado, dependendo do regime de contabilização utilizado. Os dois regimes utilizados são: regime de caixa: o resultado é apurado quando as receitas são recebidas e quando as despesas são pagas; 32

4 CONTABILIDADE regime de competência: o resultado é apurado quando as vendas são feitas pela empresa, independentemente de quando serão pagas, e quando as despesas são incorridas, ou, dito de outra maneira, quando a empresa usa bens e serviços em suas atividades independentemente de quando foram ou serão pagas. Ajustes 1 20 Algumas transações têm sua liquidação financeira, pagamento ou recebimento em prazos diferentes de seu efeito sobre o resultado. Receitas e despesas devem dizer respeito ao mesmo período; ou seja, as receitas devem ser comparadas com as despesas incorridas no mesmo período. Existem exemplos de situações em que um recebimento ou pagamento adiantado impactam o caixa da empresa (conta de ativo) de maneira muito diferente do que ocorre na. A posição financeira da empresa foi alterada, mas seu resultado ainda não. Vejamos então como ajustamos essas diferenças ao longo do tempo. Receitas antecipadas são valores que a empresa recebeu previamente para poder entregar o produto ou serviço em tempo hábil, o que vai gerar uma obrigação de entrega do produto ou serviço ou devolver o dinheiro ao seu cliente. 2 Despesas antecipadas ou adiantamento de fornecedores são valores que a empresa pagou previamente para ter o serviço ou produto em dia, o que dá à empresa o direito de receber de seus fornecedores o produto ou serviço na data ou o dinheiro de volta. 33

5 Unidade III Exemplo 1: Receitas recebidas antecipadamente Dinheiro em caixa R$.000,00 Banco R$ ,00 Duplicatas a receber R$ ,00 Máquinas R$ ,00 Veículos R$ ,00 Equipamentos de informática R$ ,00 Imóveis R$ ,00 Marca R$ ,00 Fornecedores R$ ,00 Salários a pagar R$ ,00 Impostos a recolher R$ ,00 Financiamento R$ ,00 Total R$ ,00 Capital social R$ ,00 Lucros acumulados R$ ,00 Total do PL R$ ,00 Total geral R$ ,00 Total geral R$ ,00 Momento 1 Através do balanço patrimonial acima, demonstraremos a contabilização de uma antecipação das receitas de serviços da empresa, no valor de R$ , recebida através de um cheque. Dinheiro em caixa R$.000,00 Banco R$ ,00 Duplicatas a receber R$ ,00 Máquinas R$ ,00 Veículos R$ ,00 Equipamentos de informática R$ ,00 Imóveis R$ ,00 Marca R$ ,00 Fornecedores R$ ,00 Salários a pagar R$ ,00 Impostos a recolher R$ ,00 Financiamento R$ ,00 Receita antecipada R$ ,00 Total R$ ,00 Capital social R$ ,00 Lucros acumulados R$ ,00 Total do PL R$ ,00 Total geral R$ ,00 Total geral R$ ,00 Podemos observar que a conta banco teve um aumento de R$ no ativo e, em contrapartida, gerou uma obrigação no passivo, receita antecipada, no valor de R$ , pois a empresa terá uma obrigação de entregar o serviço ou devolver o dinheiro para seu cliente. As demais contas não tiveram modificação. 34

6 CONTABILIDADE Momento 2 Neste momento, a empresa entrega o serviço finalizado para o cliente; a nota fiscal do serviço foi feita no valor de R$ 0.000; recebe a diferença em espécie monetária. Dinheiro em caixa R$30.000,00 Banco R$ ,00 Duplicatas a receber R$ ,00 Máquinas R$ ,00 Veículos R$ ,00 Equipamentos de informática R$ ,00 Imóveis R$ ,00 Marca R$ ,00 Fornecedores R$ ,00 Salários a pagar R$ ,00 Impostos a recolher R$ ,00 Financiamento R$ ,00 Total R$ ,00 Capital social R$ ,00 Lucros acumulados R$ ,00 Total do PL R$ ,00 Total geral R$ ,00 Total geral R$ ,00 Podemos observar que o balanço surgiu através dos dados do momento anterior. No momento em que a empresa entregou o serviço, entra em espécie monetária, na conta caixa, o valor de R$ (diferença do que a empresa já havia recebido anteriormente) no ativo; fica zerada a conta receitas antecipadas, pois a empresa já está entregando a nota fiscal e finalizando o serviço, o que gera um aumento do patrimônio líquido, na conta lucros acumulados, no valor total da nota fiscal de R$ Exemplo 2: Despesas antecipadas 1 Demonstraremos, agora, um exemplo de despesas antecipadas. 20 Momento 1 O gerente da empresa fará uma viagem para os Estados Unidos, mas como os voos estão lotados, ele preferiu comprar a passagem com antecedência de dois meses. Ela custa R$ 3

7 Unidade III 2.600, e será paga em duas vezes. Através do balanço abaixo, demonstraremos os três momentos. Dinheiro em caixa R$30.000,00 Banco R$ ,00 Duplicatas a receber R$ ,00 Máquinas R$ ,00 Veículos R$ ,00 Equipamentos de informática R$ ,00 Imóveis R$ ,00 Marca R$ ,00 Despesas antecipadas R$1.300,00 Fornecedores R$ ,00 Salários a pagar R$ ,00 Impostos a recolher R$ ,00 Financiamento R$ ,00 Total R$ ,00 Capital social R$ ,00 Lucros acumulados R$ ,00 Total do PL R$ ,00 Total geral R$ ,00 Total geral R$ ,00 Nesta primeira parcela da passagem, reduziu-se o valor de R$ do banco, porque a empresa está pagando em cheque; surge a conta despesas antecipadas no valor de R$ 1.300, demonstrando que a empresa tem o direito de receber a passagem em tempo hábil, ou de receber o dinheiro que já pagou. Momento 2 A empresa paga a segunda parcela da passagem em dinheiro. Dinheiro em caixa R$28.700,00 Banco R$ ,00 Duplicatas a receber R$ ,00 Máquinas R$ ,00 Veículos R$ ,00 Equipamentos de informática R$ ,00 Imóveis R$ ,00 Marca R$ ,00 Despesas antecipadas R$2.600,00 Fornecedores R$ ,00 Salários a pagar R$ ,00 Impostos a recolher R$ ,00 Financiamento R$ ,00 Total R$ ,00 Capital social R$ ,00 Lucros acumulados R$ ,00 Total do PL R$ ,00 Total geral R$ ,00 Total geral R$ ,00 36

8 CONTABILIDADE Podemos perceber que o balanço patrimonial do momento 2 foi feito com os dados do momento 1. O fato de a empresa estar pagando mais uma parcela da passagem, em dinheiro, reduz o caixa em R$ e aumenta a conta despesas antecipadas no mesmo valor. Observa-se que as demais contas não se modificam. Momento 3 Neste momento, o gerente irá fazer a viagem para os Estados Unidos, isto é, ocorrerá o uso da passagem. Dinheiro em caixa R$28.700,00 Banco R$ ,00 Duplicatas a receber R$ ,00 Máquinas R$ ,00 Veículos R$ ,00 Equipamentos de informática R$ ,00 Imóveis R$ ,00 Marca R$ ,00 Fornecedores R$ ,00 Salários a pagar R$ ,00 Impostos a recolher R$ ,00 Financiamento R$ ,00 Total R$ ,00 Capital social R$ ,00 Lucros acumulados R$ 9.400,00 Total PL R$ ,00 Total geral R$ ,00 Total geral R$ ,00 1 Podemos observar que, neste momento, o gerente já está utilizando a passagem, isto é, a empresa não terá mais o direito de receber o dinheiro de volta, pois estará usando a passagem, o que zera a conta despesas antecipadas e reduz o patrimônio líquido através da conta lucros acumulados (apenas neste momento está ocorrendo a despesa de fato). Exemplo 3: Depreciação Depreciação de um veículo que a cada período decorrido tem seu valor reduzido em 20%, ao longo de cinco períodos consecutivos. Reconhecimento da perda de valor do ativo e da despesa de depreciação na. 37

9 Unidade III Momento 0 Dinheiro em caixa R$28.700,00 Banco R$ ,00 Duplicatas a receber R$ ,00 Fornecedores R$ ,00 Salários a pagar R$ ,00 Impostos a recolher R$ ,00 Veículos R$ ,00 Total R$ ,00 Capital social R$.000,00 Lucros acumulados R$ ,00 Total do PL R$ ,00 Total geral R$ ,00 Total geral R$ ,00 Momento em que a empresa compra o veículo no valor de R$ Momento 1 Dinheiro em caixa R$28.700,00 Banco R$ ,00 Duplicatas a receber R$ ,00 Fornecedores R$ ,00 Salários a pagar R$ ,00 Impostos a recolher R$ ,00 Veículos R$ ,00 Depreciação acumulada (R$ 8.400,00) Total R$ ,00 Capital social R$.000,00 Lucros acumulados R$ ,00 Total do PL R$ ,00 Total geral R$ ,00 Total geral R$ ,00 No primeiro ano, a empresa teve um desgaste do veículo, o que gerará uma depreciação acumulada de R$ 8.400, gerando uma redução no patrimônio líquido através da conta lucros acumulados. Percebe-se que o consumo do veículo já ocorreu, a despesa também, e toda a despesa diminui lucros acumulados. 38

10 CONTABILIDADE Momento 2: segundo ano de uso do veículo Dinheiro em caixa R$28.700,00 Banco R$ ,00 Duplicatas a receber R$ ,00 Fornecedores R$ ,00 Salários a pagar R$ ,00 Impostos a recolher R$ ,00 Veículos R$ ,00 Depreciação acumulada (R$ ,00) Total R$ ,00 Capital social R$.000,00 Lucros acumulados R$.000,00 Total do PL R$ 1.000,00 Total geral R$ ,00 Total geral R$ ,00 No segundo ano de uso do veículo, pode-se observar uma ampliação em mais 20%, isto é, R$ na depreciação acumulada, gerando uma despesa no período de R$ 8.400; como toda despesa reduz a conta lucros acumulados, o novo valor da conta lucros acumulados é R$.000. Momento 3: depois de cinco anos de uso do veículo Dinheiro em caixa R$28.700,00 Banco R$ ,00 Duplicatas a receber R$ ,00 Fornecedores R$ ,00 Salários a pagar R$ ,00 Impostos a recolher R$ ,00 Veículos R$ ,00 Depreciação acumulada (R$ ,00) Total R$ ,00 Capital social R$.000,00 Prejuízos acumulados (R$ ,00) Total do PL R$ ,00 Total geral R$ ,00 Total geral R$ ,00 Neste momento, a empresa já utilizou o veículo pelo período de cinco anos, período de término da depreciação. A empresa está com o veículo totalmente depreciado. Partindo do balanço anterior, a depreciação acumulada aumentou em R$

11 Unidade III Momento 4: a empresa vende o veículo já depreciado por R$ através de um cheque Dinheiro em caixa R$28.700,00 Fornecedores R$ ,00 Banco R$ ,00 Salários a pagar R$ ,00 Duplicatas a receber R$ ,00 Impostos a recolher R$ ,00 Total R$ ,00 Capital social R$.000,00 Lucros acumulados R$ 3.800,00 Total do PL R$ 8.800,00 Total geral R$ ,00 Total geral R$ ,00 Podemos observar que devido ao fato de o veículo não ter valor real (valor do veículo menos a depreciação), o valor integral da venda é considerado lucro, o que aumentou a conta banco em R$ e gerou um aumento no resultado acumulado em R$ , fazendo com que a empresa voltasse a ter lucros acumulados. Balanços sucessivos com operações de ativo, passivo, patrimônio líquido, receitas e despesas Método dos balanços sucessivos (A/P/PL, receita e despesa) 1 Esse método caracteriza-se pelo fato de que a cada operação faz-se um novo balanço e uma nova para demonstrar a nova situação patrimonial, sempre partindo do balanço anterior. Lançamentos A/P/PL/R/D Cia. Tá Limpo Ltda. A partir de 01/08/X Subscrição e integralização em dinheiro por três sócios no total de R$ para constituição de uma empresa por cotas de responsabilidade limitada para prestação de serviços de limpeza. 40

12 CONTABILIDADE 2. Compra de mesas, cadeiras e arquivos a prazo por R$ Recebimento de R$ 00 referentes a serviços de limpeza prestados. 4. Compra de material de limpeza a prazo no valor de R$ 60.. Pagamento de R$ 0 referentes à propaganda na tv. 6. Depósito bancário de 70% do saldo em caixa. 7. Prestação de serviços no valor de R$ 200 a ser recebido a prazo. 8. Consumo de R$ 20 do material de limpeza comprado anteriormente. 9. Pagamento em cheque de 60% da compra do item 4.. Venda de 0% do total de bens existentes exceto caixa, pelo valor de R$. Valores recebidos em cheque Pagamento através de cheque da folha de pagamento do mês, no valor de R$, pagos em dinheiro. 1. Subscrição e integralização em dinheiro por três sócios no total de R$ para constituição de uma empresa por cotas de responsabilidade limitada para prestação de serviços de limpeza. Momento 1 Lançamento 1/11 Caixa R$ Capital Social R$ R$ PL R$ Resultado (=) R$ - 41

13 Unidade III Observa-se que nessa operação temos apenas contas patrimoniais. 2. Compra de mesas, cadeiras e arquivos à vista por R$0 em dinheiro. Momento 2 Lançamento 2/11 Caixa 900 Móveis e utensílios 0 Capital social PL Resultado (=) - O fato de a compra de móveis e utensílios ter sido à vista diminui dinheiro do caixa (ativo) e amplia móveis e utensílios (bem ativo). Por ter sido feita a compra à vista, não ocorre ampliação no patrimônio bruto da empresa. 3. Recebimento de R$ 00 referentes a serviços de limpeza prestados. Momento 3 Lançamento 3/11 Caixa Móveis e utensílios 0 Capital social Lucro/Prejuízo acum PL R$ 1.00 Receita de venda de serviços 00 Resultado (=) 00 42

14 CONTABILIDADE Esta operação, uma receita de serviços à vista, gera uma conta de receita que irá ampliar o patrimônio líquido através da conta lucro/prejuízos acumulados, e este aumento no patrimônio bruto da empresa foi gerado devido à venda, aplicada em espécies monetárias. Toda a receita amplia o patrimônio bruto da empresa. 4. Compra de material de limpeza a prazo no valor de R$ 60. Momento 4 Lançamento 4/11 Caixa R$ Duplicatas a pagar R$ 60 Material de limpeza R$ 60 Móveis e utensílios R$ 0 Capital social R$ Lucro/Prejuízo acum. R$ 00 R$1.60 +PL R$ 1.60 Receita de venda de serviços R$ 00 Resultado (=) R$ 00 Esta operação tem apenas contas patrimoniais, material de limpeza (ativo bem), geradas através da ampliação das dívidas da empresa (duplicatas a pagar passivo), ocorrendo uma ampliação do patrimônio bruto da empresa.. Pagamento de R$ 0 referentes à propaganda na tv. Momento Lançamento /11 Caixa R$ 1.30 Duplicatas a pagar R$ 60 Material de limpeza R$ 60 Móveis e utensílios R$ 0 Capital social R$ Lucro/Prejuízo acum. R$ 40 R$ 1. +PL R$ 1. 43

15 Unidade III Receita de venda de serviços Despesas com propaganda R$ 00 R$ (0) Resultado (=) R$ 40 A propaganda já foi utilizada, portanto, é uma despesa, que reduz a conta caixa pelo pagamento e gerará uma redução no patrimônio líquido (conta de lucro/prejuízos acumulados). Toda despesa reduz o patrimônio da empresa, pois reduzirá a conta lucro/prejuízos acumulados. 6. Depósito bancário de 70% do saldo em caixa. Momento 6 Lançamento 6/11 Caixa R$ 40 bancos R$ 94 Material de limpeza R$ 60 Móveis e utensílios R$ 0 Duplicatas a pagar R$ 60 Capital social R$ Lucro/Prejuízo acum. R$ 40 R$ 1. +PL R$ 1. Receita de venda de serviços Despesas com propaganda R$ 00 R$ (0) Resultado (=) R$ 40 Essa operação é uma transferência de conta de ativo para outra conta de ativo; sendo assim, não ocorre modificação no total do patrimônio bruto da empresa. 44

16 CONTABILIDADE 7. Prestação de serviços no valor de R$ 200 a ser recebido a prazo. Momento 7 Lançamento 7/11 Caixa R$ 40 Duplicatas a pagar R$ 60 bancos R$ 94 Duplicatas a receber R$ 200 Material de limpeza R$ 60 Móveis e utensílios R$ 0 Capital social R$ Lucro/Prejuízo acum. R$ 60 R$ 1.7 +PL R$ 1.7 Receita de venda de serviços Despesas com propaganda R$ 700 R$ (0) Resultado (=) R$ 60 Essa operação é uma receita a prazo, gerará um direito a receber (duplicatas a receber ativo) e uma receita, que aumentará o valor do patrimônio líquido da empresa através da conta lucro/prejuízos acumulados. Esse valor foi considerado como receita devido ao regime de competência, o qual descreve que receita é toda entrega de um produto/serviço mediante um documento oficial, não importando a data de recebimento. 8. Consumo de R$ 20 do material de limpeza comprado anteriormente. Momento 8 Lançamento 8/11 Caixa R$ 40 Duplicatas a pagar R$ 60 bancos R$ 94 Duplicatas a receber R$ 200 Material de limpeza R$ 40 Móveis e utensílios R$ 0 Capital social R$ Lucro/Prejuízo acum. R$ 630 R$ PL R$

17 Unidade III Receita de venda de serviços Despesas com publicidade Despesas com material de limpeza R$ 700 R$ (0) R$ (20) Resultado (=) R$ 630 Nessa operação, o material de limpeza já foi consumido parcialmente; sendo assim, a parte consumida virou despesa. Podemos observar que a despesa gerou uma redução no resultado líquido do exercício, impactando uma redução no patrimônio líquido através da conta lucro/prejuízos acumulados. 9. Pagamento em cheque de 60% da compra do item 4. Momento 9 Lançamento 9/11 Caixa R$ 40 bancos R$ 909 Duplicatas a receber R$ 200 Material de limpeza R$ 40 Móveis e utensílios R$ 0 Duplicatas a pagar R$ 24 Capital social R$ Lucro/Prejuízo acum. R$ 630 R$ PL R$ 1.64 Receita de venda de serviços Despesas com publicidade Despesas com material de limpeza R$ 700 R$ (0) R$ (20) Resultado (=) R$

18 CONTABILIDADE Essa operação é um pagamento de parte da dívida, através da conta banco. Observa-se que o patrimônio bruto da empresa reduziu o mesmo valor do pagamento da referida dívida.. Venda de 0% do total de bens existentes, material de limpeza e móveis e utensílios, pelo valor de R$. Valores recebidos em cheque. Momento Lançamento /11 Caixa R$ 40 bancos R$ 1.09 Duplicatas a receber R$ 200 Material de limpeza R$ 20 Móveis e utensílios R$ 0 Duplicatas a pagar R$ 24 Patrimônio Líquido Capital social R$ Lucro/Prejuízo acum. R$ 7 R$ PL R$ Receita de venda de serviços Receita de venda de bens Baixa de bens vendidos Despesas com propaganda Despesas com material de limpeza R$ 700 R$ R$ (70) R$ (0) R$ (20) Resultado (=) R$ 7 Essa operação, em que foram vendidos 0% dos bens da empresa (material de limpeza e móveis e utensílios), 47

19 Unidade III reduzirá os bens pela metade e ampliará a conta banco em R$ (toda vez que a empresa receber em cheque, entrará na conta banco). A diferença do valor do custo dos bens vendidos (R$ 70) para o valor recebido na venda, R$, será o lucro da operação. Na, serão descritas a receita na venda de bens (soma R$) e a baixa dos bens vendidos (redução de R$ 70). 11. Pagamento através de cheque da folha de pagamento do mês, no valor de R$, pagos em dinheiro. Momento 11 Lançamento 11/11 Caixa R$ 40 bancos R$ Duplicatas a receber R$ 200 Material de limpeza R$ 20 Móveis e utensílios R$ 0 Duplicatas a pagar R$ 24 Capital social R$ Lucro/Prejuízo acum. R$ 700 R$ PL R$ Receita de venda de serviços Receita de venda de bens Baixa de bens vendidos Despesas com propaganda Despesas com pessoal Despesas com material de limpeza R$ 700 R$ R$ (70) R$ (0) R$ () R$ (20) Resultado (=) R$ 700 A folha de pagamento sempre gerará uma despesa com pessoal ou despesa de salários no término do exercício e 48

20 CONTABILIDADE reduzirá a conta banco, quando pagos os salários aos funcionários dentro do mesmo mês. Caso o pagamento do salário seja apenas no quinto dia útil do próximo mês, isso ampliará as obrigações com terceiros e não ocorrerá desembolso no mesmo mês, apenas no quinto dia útil do mês seguinte (contabilização pelo regime de competência). 49

CONTABILIDADE MÓDULO 8

CONTABILIDADE MÓDULO 8 CONTABILIDADE MÓDULO 8 Índice 1. Demonstração de Resultado do Exercício (DRE) Uma Pequena Introdução...3 2. Regime de caixa, regime de competência...4 3. Ajustes...5 2 1. DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO

Leia mais

DEFINIÇÃO PLANO DE CONTAS CONTAS AULA 2 ESCRITURAÇÃO CONTAS TRADICIONALMENTE USADAS CONTAS TRADICIONALMENTE USADAS

DEFINIÇÃO PLANO DE CONTAS CONTAS AULA 2 ESCRITURAÇÃO CONTAS TRADICIONALMENTE USADAS CONTAS TRADICIONALMENTE USADAS DEFINIÇÃO AULA 2 ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL A ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL CONSISTE EM REGISTRAR OS FATOS CONTÁBEIS (OU SEJA, AQUELES QUE MODIFICAM A COMPOSIÇÃO OU O VALOR DO PATRIMÔNIO DA ENTIDADE) EM DOIS LIVROS:

Leia mais

Procedimentos contábeis: segundo o método das partidas dobradas. Profa. Daciane de Oliveira Silva

Procedimentos contábeis: segundo o método das partidas dobradas. Profa. Daciane de Oliveira Silva Procedimentos contábeis: segundo o método das partidas dobradas Profa. Daciane de Oliveira Silva Procedimentos contábeis Na aula 2, foi preparado um balanço após a ocorrência de cada operação da empresa.

Leia mais

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 (Em R$ Mil)

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 (Em R$ Mil) CNPJ 47.902.648/0001-17 CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Bancos 46 Fornecedores 41.785 Aplicações Financeiras 5.541 Provisão

Leia mais

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários

Leia mais

SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena

SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena Em cada questão, marque o item correto: 1. O princípio contábil que atribui às entidades personalidade própria, distinta da dos sócios, é o princípio da:

Leia mais

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MÓDULO DE QUESTÕES DE CONTABILIDADE

Leia mais

Contabilidade Básica - Material 4 - Prof. Marcos César Bottaro

Contabilidade Básica - Material 4 - Prof. Marcos César Bottaro Contas Anteriormente registramos cada uma das operações contábeis diretamente no balanço patrimonial. Contudo, na prática, cada uma dessas operações ocorre inúmeras vezes no decorrer de um único dia, tornando

Leia mais

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli USP/FEA/EAC Curso de Graduação em Administração Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli 1 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Contabilidade Geral Prova 2 Gabarito 1 Questão 01 A questão solicita que o candidato indique a afirmativa incorreta, que é encontrada na alternativa c : No ativo, as contas serão dispostas em ordem crescente

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL AMBIENTAL - EXERCÍCIO COMENTADO Prof Alan

BALANÇO PATRIMONIAL AMBIENTAL - EXERCÍCIO COMENTADO Prof Alan FACULDADE EVANGÉLICA CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA: CONTABILIDADE AMBIENTAL E SOCIAL TURMA: 3º, 4º e 5º PERÍODOS BALANÇO PATRIMONIAL AMBIENTAL - EXERCÍCIO COMENTADO Prof Alan Considere os fatos contábeis

Leia mais

LFG MAPS. 2 - ( Prova: CESPE - 2012 - Polícia Federal - Agente da Polícia Federal / Contabilidade Geral / Contabilidade -

LFG MAPS. 2 - ( Prova: CESPE - 2012 - Polícia Federal - Agente da Polícia Federal / Contabilidade Geral / Contabilidade - Escrituração Contábil 05 questões Noções Gerais; Escrituração Contábil ) Considere os eventos de I a V listados abaixo. I aquisição de veículo à vista para uso na atividade operacional II baixa de bem

Leia mais

CPC 06 Arrendamento Mercantil

CPC 06 Arrendamento Mercantil COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS - CPC CPC 06 Arrendamento Mercantil O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) no âmbito da Gestão Contábil com o pronunciamento técnico CPC 06, tem por objetivo determinar,

Leia mais

Aula 3 e 4 Contabilidade Geral

Aula 3 e 4 Contabilidade Geral Aula 3 e 4 Contabilidade Geral Prof. Benadilson Prof. Benadilson 1 Introdução Caso para Debate Ações da Tiffany: Lucro ou Prejuízo??? Ciclo Contábil Demonstração do Resultado do Exercício (DRE). O lucro

Leia mais

Contabilidade e Gestão Financeira

Contabilidade e Gestão Financeira Contabilidade e Gestão Financeira Contabilidade Demonstrações Financeiras MESG - Mestrado Engenharia de Serviços e Gestão FEUP 2010 Rui Padrão Funções Património Passivo Eq. Fund. Factos patr. Inventário

Leia mais

Princípio da competência O princípio da competência determina que todas as vendas, os custos e as despesas devem ser considerados na apuração do resultado da empresa no período em que ocorrerem, independentemente

Leia mais

Como se trata de Trabalho para os já iniciados no assunto, vamos reduzir o texto e ficar mais nos cálculos para não se ter um trabalho muito longo.

Como se trata de Trabalho para os já iniciados no assunto, vamos reduzir o texto e ficar mais nos cálculos para não se ter um trabalho muito longo. 1 AJUSTE Á VALOR PRESENTE ICMS Autores: Geraldo Barbieri Professor do Departamento de Contabilidade e Atuária da FEA/USP e Pesquisador da FIPECAFI Ariovaldo dos Santos Professor do Departamento de Contabilidade

Leia mais

Modelo de Plano de Contas Detalhado

Modelo de Plano de Contas Detalhado Modelo de Plano de Contas Detalhado Código da Conta Descrição da Conta 1. A T I V O 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.1.01 DISPONÍVEL 1.1.01.01 Caixa 1.1.01.02 Bancos c/ Movimento 1.1 01.03 Aplicações Financeiras

Leia mais

Contabilidade Introdutória

Contabilidade Introdutória Contabilidade Introdutória Profa. Mara Jane Contrera Malacrida 1 Ö : Parte residual do patrimônio Riqueza líquida da empresa PL = Ativo Passivo Evidencia os recursos dos proprietários aplicados no empreendimento

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.9 DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO E EXAUSTÃO Conteúdo Item DISPOSIÇÕES GERAIS 1 OBJETIVOS E

Leia mais

Configurações da DMPL. Tutorial do Usuário Configurações da DMPL

Configurações da DMPL. Tutorial do Usuário Configurações da DMPL Tutorial do Usuário Configurações da DMPL 1 Conteúdo Apresentação... 3 Configurações... 4 Tela de configuração... 4 Aba Reserva de Capital (1)... 6 Aba Reserva de Lucros (2)... 7 Aba Ajustes (3)... 8 Aba

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL - ANEXO 14

BALANÇO PATRIMONIAL - ANEXO 14 ATIVO Exercício Atual PASSIVO Exercício Atual ATIVO CIRCULANTE 652.201,35 PASSIVO CIRCULANTE 236.288,68 Caixa e Equivalentes de Caixa 652.201,35 Obrigações Trabalhistas, Previdenciárias e Assistenciais

Leia mais

Quais são os objetivos do tópico... TEMA II. DETALHAMENTO DOS REGISTROS CONTÁBEIS. 05. Estoque

Quais são os objetivos do tópico... TEMA II. DETALHAMENTO DOS REGISTROS CONTÁBEIS. 05. Estoque USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administração TEMA II. DETALHAMENTO DOS REGISTROS CONTÁBEIS 05. Estoque Profa. Dra. Joanília Cia (joanilia@usp.br) 1 Quais

Leia mais

Matemática Financeira. 1ª Parte: Porcentagem Comparação entre Valores - Aumento e Desconto Juros

Matemática Financeira. 1ª Parte: Porcentagem Comparação entre Valores - Aumento e Desconto Juros Matemática ª série Lista 08 Junho/2016 Profª Helena Matemática Financeira 1ª Parte: Porcentagem Comparação entre Valores - Aumento e Desconto Juros 1) (GV) Carlos recebeu R$ 240.000,00 pela venda de um

Leia mais

Unidade II. No ativo, a disposição das contas obedece ao grau decrescente de liquidez dos elementos nelas registrados.

Unidade II. No ativo, a disposição das contas obedece ao grau decrescente de liquidez dos elementos nelas registrados. Unidade II 8 ATIVO Ativo compreende, como já vimos, os bens e direitos da empresa, classificados de acordo com sua destinação específica, que varia segundo os fins da empresa. No ativo, a disposição das

Leia mais

CAPITULO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI

CAPITULO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI CAPITULO 020000 - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI SECAO 021200 - FACILIDADE PARA UTILIZAÇÃO DO SIAFI (DICAS) ASSUNTO 021216 - PROCEDIMENTO PARA INCLUSÃO DE FOLHA

Leia mais

Conceitos Introdutórios. A Inflação nas Finanças. Demonstrações Contábeis

Conceitos Introdutórios. A Inflação nas Finanças. Demonstrações Contábeis Conceitos Introdutórios Mercado Financeiro Brasileiro A Inflação nas Finanças Demonstrações Contábeis Conceitos Introdutórios Retornar Conceitos Introdutórios ADMINISTRAÇÃO A administração é o processo

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Plano de Contas 01 a 30 de Abril de 2016 Folha: 1 Prefeitura Municipal Demonstracao. Unidade Gestora: CONSÓRCIO - CISGA

Estado do Rio Grande do Sul Plano de Contas 01 a 30 de Abril de 2016 Folha: 1 Prefeitura Municipal Demonstracao. Unidade Gestora: CONSÓRCIO - CISGA Estado do Rio Grande do Sul Plano de Contas 01 a 30 de Abril de 2016 Folha: 1 1.0.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO 994.183,15 D 181.380,01 162.761,34 1.012.801,82 D 1.1.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE

Leia mais

ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/ (R$) ,29

ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/ (R$) ,29 ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/2009 1. Informar o lucro líquido do exercício. (R$) 864.940.364,29 2. Informar o montante global e o valor por ação dos dividendos,

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA. Exame 2.ª época de Contabilidade Financeira 2.º semestre 2007/08

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA. Exame 2.ª época de Contabilidade Financeira 2.º semestre 2007/08 FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Exame 2.ª época de Contabilidade Financeira 2.º semestre 2007/08 Data: 28 de Junho de 2008 Início: 11h30m Duração: 2h15m Cotação e tempo esperado de resolução:

Leia mais

ÍNDICES DE RENTABILIDADE

ÍNDICES DE RENTABILIDADE ÍNDICES DE ENTABILIDADE MÚLTIPLA ESCOLHA 1. Uma firma apresentou a seguinte demonstração do resultado: DEMONSTAÇÃO DO ESULTADO 31.12 % 31.12 +1% nas vendas aument o % Vendas...... 2. 1 4. +1 ( )Custo das

Leia mais

Nivelamento de Conceitos Contábeis

Nivelamento de Conceitos Contábeis Nivelamento de Conceitos Contábeis Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial - BP Demonstração de Resultado do Exercício - DRE Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Substituiu a Demonstração das Origens

Leia mais

Analista e Auditor da Receita

Analista e Auditor da Receita Analista e Auditor da Receita Contabilidade Geral Básica Com o Professor Eugenio Montoto Site: www.eugenio.pro.br www.youtube.com/eugeniomontoto Email: professoreugeniomontoto@gmail.com 21/02/2016 1 Módulo

Leia mais

Introdução à. Macroeconomia

Introdução à. Macroeconomia Introdução à Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez IBMEC-RJ / UCP O que é? É o estudo da economia como um todo, pois analisa a economia através de suas variáveis fortemente agregadas. Abrange o comportamento

Leia mais

Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Luciano Moura

Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Luciano Moura Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Luciano Moura 1 de 6 Olá queridos alunos, Hoje faremos alguns comentários acerca da prova para o cargo de Auditor Interno da Prefeitura de Salvador,

Leia mais

Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA. Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL. Profª. Cristiane Yoshimura

Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA. Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL. Profª. Cristiane Yoshimura Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL Profª. Cristiane Yoshimura 2013 CONTABILIZAÇÃO DAS CONTAS PATRIMONIAIS DÉBITO E CRÉDITO RAZONETE

Leia mais

DATA 29/05/2014 Pagina 2 2.1.3.1.1.00.00.00 FORNECEDORES E CONTAS A PAGAR NACIONAIS A CURTO PR S C 0,00 582,25 3.432,21 2.849,96 C 2.1.3.1.1.01.00.00

DATA 29/05/2014 Pagina 2 2.1.3.1.1.00.00.00 FORNECEDORES E CONTAS A PAGAR NACIONAIS A CURTO PR S C 0,00 582,25 3.432,21 2.849,96 C 2.1.3.1.1.01.00.00 DATA 29/05/2014 Pagina 1 1.0.0.0.0.00.00.00 ATIVO S D 26.200,85 197.350,24 153.749,66 69.801,43 D 1.1.0.0.0.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE S D 15.643,04 197.350,24 153.614,51 59.378,77 D 1.1.1.0.0.00.00.00

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA. Ágio e Ganho na Aquisição de Investimento

CONTABILIDADE AVANÇADA. Ágio e Ganho na Aquisição de Investimento CONTABILIDADE AVANÇADA Ágio e Ganho na Aquisição de Investimento INTRODUÇÃO Ágio e Ganho em Compra Vantajosa: são apurados em investimento pelo método de equivalência patrimonial. representam excesso ou

Leia mais

. Natureza de saldo das contas

. Natureza de saldo das contas . Natureza de saldo das contas Introdução Prezado candidato/aluno é de extrema importância entendermos a natureza de saldo das contas em contabilidade, em razão disse devemos separar as contas patrimoniais

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

M =C J, fórmula do montante

M =C J, fórmula do montante 1 Ciências Contábeis 8ª. Fase Profa. Dra. Cristiane Fernandes Matemática Financeira 1º Sem/2009 Unidade I Fundamentos A Matemática Financeira visa estudar o valor do dinheiro no tempo, nas aplicações e

Leia mais

Fluxo de Caixa método direto e indireto

Fluxo de Caixa método direto e indireto Fluxo de Caixa método direto e indireto A empresa Claudio Zorzo S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000 Capital Social

Leia mais

Universidade Metodista de Angola Contabilidade Financeira III. IIª Frequencia

Universidade Metodista de Angola Contabilidade Financeira III. IIª Frequencia Inventario Intermitente Universidade Metodista de Angola Contabilidade Financeira III 2º Ano; Salas 7 e 14; Turmas A e B; Turno Manha; Data: 28/06/2011 IIª Frequencia Georgina Ribeiro, Empresaria e Jurista,

Leia mais

Balancete Analítico (Valores em Reais)

Balancete Analítico (Valores em Reais) 00091 10000 100000000000000 ATIVO 61.699,81 3.136.676,97 3.110.334,63 88.042,15 11000 110000000000000 ATIVO CIRCULANTE 13.747,73 3.132.551,23 3.110.334,63 35.964,33 11100 110100000000000 DISPONIVEL 258,00

Leia mais

FAMA Investimentos Ltda. Política de Rateio e Divisão de Ordens

FAMA Investimentos Ltda. Política de Rateio e Divisão de Ordens FAMA Investimentos Ltda. Política de Rateio e Divisão de Ordens 1. Introdução Faz parte da cultura ética e profissional da FAMA Investimentos Ltda. ( FAMA ) conduzir a carteira de investimento e a alocação

Leia mais

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito . UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2010 e 1 o semestre letivo de 2011 CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este

Leia mais

Contabilidade Governamental p/ CNMP Analista Apoio Técnico Especializado: Contabilidade Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 18

Contabilidade Governamental p/ CNMP Analista Apoio Técnico Especializado: Contabilidade Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 18 CNMP Pessoal, vou comentar as questões da prova. 34. Determinado ente público arrecadou, no mês de fevereiro de 2015, receita de impostos no valor de R$ 180.000,00, concomitante ao fato gerador. Considere

Leia mais

Prova de Conhecimentos Específicos

Prova de Conhecimentos Específicos Prova de Conhecimentos Específicos Saldos para o Balancete de Verificação em 30/11/98 CONTA SALDO ($) Capital Social 10.000 Financiamentos imobiliários (curto prazo) 2.700 Caixa 250 Fornecedores (curto

Leia mais

1 CONCEITO DE CONTAS. Teoria Patrimonalista Patrimoniais (bens, direitos, obrigações e P.L) Resultado (despesa e receita)

1 CONCEITO DE CONTAS. Teoria Patrimonalista Patrimoniais (bens, direitos, obrigações e P.L) Resultado (despesa e receita) R O T E I R O 1) CONCEITO DE CONTAS 2) ELEMENTOS DE UMA CONTA 3) FUNÇÃO E FUNCIONAMENTO DAS CONTAS 4) MECANISMOS DE DÉBITO E CRÉDITO 5) CONTAS SINTÉTICAS E ANÁLITICAS 6) CONTAS DE RESULTADO 7) CONTAS BILATERAIS

Leia mais

Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos

Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos SISTEMA DE GESTÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS (SiGPC) CONTAS ONLINE Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos Atualização: 20/12/2012 A necessidade de registrar despesas em que há retenção tributária é

Leia mais

Custos Diretos são facilmente alocados à produção. E os custos indiretos?

Custos Diretos são facilmente alocados à produção. E os custos indiretos? Custos Diretos são facilmente alocados à produção. E os custos indiretos? Custeio significa apropriação de custos. Custeio por absorção Custeio Variável Custeio ABC Custeio por absorção: é derivado de

Leia mais

É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas de Resultado).

É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas de Resultado). Olá, meus amigos! Tudo bem? É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas de Resultado). O plano foi elaborado pelo nosso

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA. Avaliação de Investimentos em Participações Societárias

CONTABILIDADE AVANÇADA. Avaliação de Investimentos em Participações Societárias CONTABILIDADE AVANÇADA Avaliação de Investimentos em Participações Societárias INTRODUÇÃO Considera-se Participações Societárias quando uma sociedade (Investidora) vem à aplicar recursos na aquisição de

Leia mais

O mecanismo de débito x crédito.

O mecanismo de débito x crédito. O mecanismo de débito x crédito. Represente os fatos abaixo, utilizando os balanços sucessivos. 1- Os sócios integralizaram capital social, no valor de R$ 1.000.000, em dinheiro. 2- Compra de veículos,

Leia mais

Balancete Analítico (Valores em Reais)

Balancete Analítico (Valores em Reais) 00001 10000 1000000000 ATIVO 309.270,05 1.240.064,27 1.224.455,51 324.878,81 11000 1100000000 ATIVO CIRCULANTE 298.615,65 1.239.684,27 1.224.455,51 313.844,41 11100 1101000000 NUMERARIOS 46.696,24 80.260,63

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0401 01 IDENTIFICAÇÃO Título: CONTABILIDADE E EFICIÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO DO NEGÓCIO Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: ACOMPANHAMENTO CONTÁBIL O QUE É : Este é

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS APAE MORADA NOVA DE MINAS/MG

ASSOCIAÇÃO DOS PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS APAE MORADA NOVA DE MINAS/MG DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCICIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 31 DE DEZEMBRO DE 2007. Balanço Patrimonial Demonstração do Resultado do Exercício Demonstração das mutações do patrimônio líquido

Leia mais

Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação CCONF. 2º GTCON 2014 Cessão de Bens

Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação CCONF. 2º GTCON 2014 Cessão de Bens Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação CCONF 2º GTCON 2014 Cessão de Bens OUTUBRO/2014 CESSÃO DE BENS CONTEXTO E AGENDA CONTEXTO

Leia mais

Tabela de Temporalidade de Documentos de Pessoa Física

Tabela de Temporalidade de Documentos de Pessoa Física Tabela de Temporalidade de Documentos de Pessoa Física 1. VIDA FINANCEIRA 1.1 PAGAMENTO DE TRIBUTOS 1.1.1 Imposto de Renda de Pessoa Física(IRPF) e seu respectivo DARF 1.1.2 Imposto Predial e Territorial

Leia mais

Questões Comentadas da CESPE - Contabilidade

Questões Comentadas da CESPE - Contabilidade 81 (HEMOBRÁS 2008 - CONTADOR) Ao incorporar o valor dos juros ao empréstimo principal há um débito em despesa de juros e um crédito em a pagar. No pagamento do empréstimo, já considerada a incorporação

Leia mais

Soluções Inovadoras. FlyFlex. Fly Solution

Soluções Inovadoras. FlyFlex. Fly Solution Soluções Inovadoras FlyFlex Versão 1.00 Fly Solution O Software FlyFlex 1.00 FlyFlex é um software desenvolvido pela empresa Fly Solution para atender a necessidade de gestão de negócios de pequenas e

Leia mais

PROPOSTA PARA DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NOS TERMOS DO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO N o CVM 481/09

PROPOSTA PARA DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NOS TERMOS DO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO N o CVM 481/09 PROPOSTA PARA DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NOS TERMOS DO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO N o CVM 481/09 1. Informar o lucro líquido do exercício O lucro líquido do exercício de 2012 foi de R$ 1.448.887.908,07

Leia mais

Sumário. Capítulo Breves Noções Históricas A Contabilidade no Brasil O Símbolo da Contabilidade...4

Sumário. Capítulo Breves Noções Históricas A Contabilidade no Brasil O Símbolo da Contabilidade...4 Sumário Capítulo 1 Breves Noções Históricas...1 1.1. Breves Noções Históricas...1 1.2. A Contabilidade no Brasil...3 1.3. O Símbolo da Contabilidade...4 Capítulo 2 Conceitos Iniciais...5 2.1. A Definição

Leia mais

Universidade Metodista de Angola Contabilidade Financeira III. Recurso de Contabilidade Financeira III

Universidade Metodista de Angola Contabilidade Financeira III. Recurso de Contabilidade Financeira III Universidade Metodista de Angola Contabilidade Financeira III 2º Ano; Turmas A; Turno Noite; Data: 25/07/2013 Aluno nº: Nome: Recurso de Contabilidade Financeira III Georgina Ribeiro, Empresaria e Jurista,

Leia mais

TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO MÉDIO - PROF. MARCELO CÓSER

TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO MÉDIO - PROF. MARCELO CÓSER TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO MÉDIO - PROF. MARCELO CÓSER 1 PAGAMENTO DE DÍVIDAS Existem mais de uma maneira de se efetuar o pagamento de uma dívida. Ela pode ser toda liquidada em um

Leia mais

CONVERJ Execução Folha de Pagamento

CONVERJ Execução Folha de Pagamento 1 CONVERJ Execução Folha de Pagamento Proponente Versão 1.4 Maio/2016 2 Sumário 1 Inclusão de Folha de Pagamento Via Remessa Eletrônica... 3 1.1 Gerenciar Processo de Compra de Folha de Pagamento... 3

Leia mais

Conhecimentos Bancários

Conhecimentos Bancários Conhecimentos Bancários Conhecimentos Básicos em Administração Financeira: Fundamentos e Técnicas; Orçamento e Controle de Custos Professor Lucas Silva www.acasadoconcurseiro.com.br Conhecimentos Bancários

Leia mais

Avaliação a Distância AD2. Período - 2012/2º. Disciplina: CONTABILIDADE GERAL II. Coordenadora: TEREZA DE JESUS RAMOS DA SILVA

Avaliação a Distância AD2. Período - 2012/2º. Disciplina: CONTABILIDADE GERAL II. Coordenadora: TEREZA DE JESUS RAMOS DA SILVA Fundação Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro Centro de Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro Avaliação a Distância AD2 Período - 2012/2º Disciplina:

Leia mais

LEI 8.849, DE 28 DE JANEIRO DE 1994

LEI 8.849, DE 28 DE JANEIRO DE 1994 LEI 8.849, DE 28 DE JANEIRO DE 1994 Altera a legislação do Imposto sobre a Renda e proventos de qualquer natureza, e dá outras providências. Faço saber que o presidente da República adotou a Medida Provisória

Leia mais

PONTOS/TALÕES DE DESCONTO

PONTOS/TALÕES DE DESCONTO /TALÕES DE DESCONTO 1. Configuração de pontos... 3 Tipo de Critério... 5... 5 Cabeçalho... 5 Detalhes Artigo... 7 Lista... 7 Individual... 8 Modo de Atribuição... 8 Detalhes Família... 10 Lista... 10 Modo

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II CONTABILIDADE

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II CONTABILIDADE Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade II CONTABILIDADE Contabilidade A disciplina está dividida em quatro unidades. Unidade I 1. Contabilidade Unidade II 2. Balanços sucessivos com operações que envolvem

Leia mais

FUNEPU Demonstrações Contábeis 2009. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

FUNEPU Demonstrações Contábeis 2009. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes 1 FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE UBERABA - FUNEPU CNPJ 20.054.326/0001-09 BALANÇO PATRIMONIAL PARA

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CÂMARA MUNICIPAL DE OURO BRANCO MG EXERCÍCIO DE 2014

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CÂMARA MUNICIPAL DE OURO BRANCO MG EXERCÍCIO DE 2014 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CÂMARA MUNICIPAL DE OURO BRANCO MG EXERCÍCIO DE 2014 DIRETRIZES CONTÁBEIS Tendo em vista as inovações da Contabilidade no Setor Público, o Poder Legislativo

Leia mais

BALANCETE ANALÍTICO - ABRIL/2015

BALANCETE ANALÍTICO - ABRIL/2015 Folha : 1 1 ATIVO 4.009.419,95 D 1.629.902,67 2.246.254,36 3.393.068,26 D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 955.155,70 D 1.629.902,67 2.246.254,36 338.804,01 D 1.1.1 DISPONIBILIDADES 583.101,30 D 1.627.251,30 2.195.109,54

Leia mais

DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO EMITIR UMA D.R.E NO SISTEMA DOMÍNIO CONTÁBIL

DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO EMITIR UMA D.R.E NO SISTEMA DOMÍNIO CONTÁBIL DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO O D.R.E é uma demonstração contábil que visa apresentar de forma resumida o resultado apurado em relação as operações da empresa em um determinado período. O

Leia mais

MIT041 - Especificação de Processos Padrão do Módulo Financeiro - Protheus Cliente: Caern - Companhia de Água e Esgoto do Rio Grande do Norte

MIT041 - Especificação de Processos Padrão do Módulo Financeiro - Protheus Cliente: Caern - Companhia de Água e Esgoto do Rio Grande do Norte Página: 1 de 16 9. Movimentos Bancários: O controle bancário é um poderoso instrumento de gestão, pelo qual o empresário ou a diretoria de uma empresa pode verificar com rapidez e eficiência a disponibilidade

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

Ano 2016, Número 165 Brasília, sexta-feira, 26 de agosto de 2016 Página 7

Ano 2016, Número 165 Brasília, sexta-feira, 26 de agosto de 2016 Página 7 Ano 2016, Número 165 Brasília, sexta-feira, 26 de agosto de 2016 Página 7 c) uma vez encerrada a produção de provas, se entender necessário, ouvirei a Unidade Técnica sobre as provas produzidas (art. 40,

Leia mais

Fones: 33829772/3383 1562 1 Av. Fernando Correa da Costa 1010, sala 22

Fones: 33829772/3383 1562 1 Av. Fernando Correa da Costa 1010, sala 22 I - APURAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (SIMPLIFICADA) 1 - CONCEITO A Apuração do Resultado do Exercício também chamado de Rédito - consiste em verificar o resultado econômico atingido pela empresa em determinado

Leia mais

Razonete e Balancete. Osni Moura Ribeiro ; Contabilidade Fundamental 1, Editora Saraiva- ISBN

Razonete e Balancete. Osni Moura Ribeiro ; Contabilidade Fundamental 1, Editora Saraiva- ISBN Razonete e Balancete Osni Moura Ribeiro ; Contabilidade Fundamental 1, Editora Saraiva- ISBN 9788502065901 Razonete Também denominada gráfico em T ou conta em T, o razonete - uma versão simplificada do

Leia mais

Regulamento básico: finanças e controladoria

Regulamento básico: finanças e controladoria Regulamento básico: finanças e controladoria Diretoria de Administração e Planejamento Abril de 2002 Este regulamento estabelece as diretrizes a serem adotadas pela RNP na gestão de seus recursos financeiros,

Leia mais

15.1.Os principais instrumentos de política monetária são:

15.1.Os principais instrumentos de política monetária são: Módulo 15 Política Monetária O conjunto de atos do BACEN para controlar a quantidade de dinheiro e a taxa de juros e, em geral, as condições de crédito constitui a política monetária de um determinado

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO - CONTADOR

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO - CONTADOR Questão n o 1 a) Fundamentação teórico-conceitual Capital autorizado: é o capital que consta no estatuto da Companhia sendo o limite para autorização do aumento do capital social independentemente de reforma

Leia mais

Treinamento Setor Público

Treinamento Setor Público Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação CCONF Treinamento Setor Público Abril/2015 Conteúdo Princípio da competência, créditos tributários

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE DE CUSTOS. Professora Ludmila Melo

CURSO DE CONTABILIDADE DE CUSTOS. Professora Ludmila Melo CURSO DE CONTABILIDADE DE CUSTOS Professora Ludmila Melo Conteúdo Programático INTRODUÇÃO Agenda Aula 1: Conceitos, objetivos e finalidades da Contabilidade de Custos Aula 2: Classificação e Nomenclatura

Leia mais

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 Receitas x Despesas Podemos conceituar receitas como todos os recursos, em princípio, provenientes da venda de

Leia mais

JUSPODIVM

JUSPODIVM MATERIAL ETRA COMENTÁRIOS DAS QUESTÕES DA PROVA AFRF - 2005 31 - Ana quer vender um apartamento por R$ 400.000,00 à vista ou financiado pelo sistema de juros compostos a taxa de 5% ao semestre. Paulo está

Leia mais

Contas a pagar & Contas a receber. Gestão Orçamentária

Contas a pagar & Contas a receber. Gestão Orçamentária Contas a pagar & Contas a receber Gestão Orçamentária Roteiro Introdução Funcionamento Estudo de caso Controle Planejamento Contas a pagar Contas a receber Referências Introdução Orçamento É um dos objetivo

Leia mais

Antecipação de IPVA. Manual do Usuário. Versão 1.4. Antecipação de IPVA pelo Portal Manual. Antecipação de IPVA pelo Portal 1.

Antecipação de IPVA. Manual do Usuário. Versão 1.4. Antecipação de IPVA pelo Portal Manual. Antecipação de IPVA pelo Portal 1. GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESPECIAL DE ESTADO DE GESTÃO SECRETARIA EXECUTIVA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE TECNOLÓGIA E INFORMAÇÃO GERENCIA DE ARRECADAÇÃO Antecipação de IPVA Manual do Usuário

Leia mais

Balancete Analítico (Valores em Reais)

Balancete Analítico (Valores em Reais) 00001 00001 10000000000 ATIVO 1.401.400,92 D 427.555,46 347.984,60 1.480.971,78 D 00011 10100000000 CIRCULANTE 697.020,41 D 427.555,46 342.046,76 782.529,11 D 00111 10101000000 DISPONIVEL 164.070,24 D

Leia mais

Entretanto, este benefício se restringe a um teto de 12% da renda total tributável. O plano VGBL é vantajoso em relação ao PGBL para quem:

Entretanto, este benefício se restringe a um teto de 12% da renda total tributável. O plano VGBL é vantajoso em relação ao PGBL para quem: 2 1 3 4 2 PGBL ou VGBL? O plano PGBL, dentre outras, tem a vantagem do benefício fiscal, que é dado a quem tem renda tributável, contribui para INSS (ou regime próprio ou já aposentado) e declara no modelo

Leia mais

O sistema gestor já contem uma estrutura completa de categorias que são transferidas automaticamente para cada empresa nova cadastrada.

O sistema gestor já contem uma estrutura completa de categorias que são transferidas automaticamente para cada empresa nova cadastrada. Página2 Cadastro de Categorias O cadastro de categoria é utilizado dentro do gestor para o controle financeiro da empresa, por ela é possível saber a origem e a aplicação dos recursos, como por exemplo,

Leia mais

2 OPERAÇÕES CONTÁBEIS

2 OPERAÇÕES CONTÁBEIS 2 OPERAÇÕES CONTÁBEIS Este capítulo apresenta ao aluno a parte aplicada da Ciência Contábil especificamente ao registro contábil dos eventos patrimoniais, e alguns problemas específicos como Controle e

Leia mais

0007 ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES DO IPESC 20/11/ :08 Pág:0001 CNPJ: / Período: 01/07/2014 a 31/07/2014 Balancete Societário

0007 ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES DO IPESC 20/11/ :08 Pág:0001 CNPJ: / Período: 01/07/2014 a 31/07/2014 Balancete Societário 0007 ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES DO IPESC 20/11/2014 15:08 Pág:0001 1 S 1 ATIVO 938.218,79 47.302,43 30.140,53 955.380,69 2 S 1.1 CIRCULANTE 71.826,90 47.302,43 30.140,53 88.988,80 3 S 1.1.01 DISPONÍVEL

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre o parcelamento do Simples Nacional

Perguntas e Respostas sobre o parcelamento do Simples Nacional Perguntas e Respostas sobre o parcelamento do Simples Nacional 1. Quem pode parcelar? Todos os contribuintes que tenham débitos de ICMS declarados e apurados (DASN) no período de 07/2007 a 12/2011 no Portal

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS

ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS Vantagens da análise de rácios Permitem diagnosticar a performance das empresas em termos de rentabilidade, solvabilidade, liquidez e equilíbrio financeiro. Possibilitam

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 2 Patrimônio

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 2 Patrimônio ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Patrimônio Tópicos do Estudo Patrimônio. Bens. Direitos. Obrigações. Representação Gráfica do Patrimônio. Patrimônio Líquido Patrimônio É um conjunto de bens, direitos

Leia mais

Contabilidade Prof. João Carlos

Contabilidade Prof. João Carlos EXERCÍCIOS Débito e Crédito 02 (solução) Contabilidade Prof. João Carlos Em 01/10/2012, oito pessoas resolveram organizar uma empresa de consertos de aparelhos de pesca, a qual denominou o nome de Paraíso

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.127, de 7 de fevereiro de 2011

Instrução Normativa RFB nº 1.127, de 7 de fevereiro de 2011 Instrução Normativa RFB nº 1.127, de 7 de fevereiro de 2011 DOU de 8.2.2011 Dispõe sobre a apuração e tributação de rendimentos recebidos acumuladamente de que trata o art. 12-A da Lei nº 7.713, de 22

Leia mais