Dinamica na Vegetacao do Baixo Amazonas: Analise temporal do Uso da Terr integrando imagens Landsat TM, levantamentos floristicos, e etnograf icos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dinamica na Vegetacao do Baixo Amazonas: Analise temporal do Uso da Terr integrando imagens Landsat TM, levantamentos floristicos, e etnograf icos"

Transcrição

1 ACT Publication No Dinamica na Vegetacao do Baixo Amazonas: Analise temporal do Uso da Terr integrando imagens Landsat TM, levantamentos floristicos, e etnograf icos E. S. Brondizio, E. F. Moran, P. Mausel, and Y. Wu Reprinted from: Anais do VII Simposio Brasileiro de Sensoriamento Remoto 2: (1993) Anthropological Center for Training and Research on Global Environmental Change Indiana University, Student Building 331, 701 E. Kirkwood Ave., , U.S.A. Phone: (81 2) Fax: (81 2) , internet:

2 DINAMICA NA VEGETACAO DO BAIXO AMAZONBS.: ANALEE l"emk)ral DO US0 DA TERRA INTEGRANDO IMAGENS LANDSAT TM, LEVANTAMENI'OS mx>ristico E ETNOGMFICOI* 1 Indiana University : PhD Program, School of Public and Emironmental Affairs, e ACT- Anfhopological Ceater fbr Trainning and Reasead in Global Emrimm&mtal Change - Student Building 130, Blocnnington, IN, 47405, USA Tellfax (812) Indiana University : Anthrapological Center for Trainning and Resea& in Global En- Change. Dept. of Antbpology, Studmt Building 130. Bl- IN, 47405, USA Moraum.indinna 3 Indiana State University : Dept. of GeographyIGeology, Tare Haute, IN, 47809, USA. Abstract. Iandsat TM images from 1985 and 1991 were analyzed fix a site on the AnraPn estaary region, Ponta de Pedras, PA, Marajo Island. A hybrid process of image classification using kprameec statktics (unsupmrised and of bkhum-~ood classifier on Erdas (ver. 7.5) and Muttispec (version June 1992) was used. Vegckation inventories and ethnographic rwearch were ded out on the area and associated with the land use maps. 'Ihe final analysis incorporates spectral modeling data and groundinfbmation to characterim: the diversity present m the vegetation cover of the area. Spectral signatma were produced for 15 classes of land use, Muding upland and floodplain forest, sanmky d o n m thne differrslt stages (iitial, intmnediary and advanced), palm forest (acaizat), mangrove, pasture and three types of savanna. * 0 text0 nao amtern acmatacao por limitaxes do processador de textos. 1-INTRODUCAO Em proporcao a intensificacao e demanda do oso de scmorhmto fenloto orbital na Anmmh, 0s avancosdestatecnologianasestudosdemonitoramento da vegetacao e de amrrlancas no oso da terra na regiao tern sido limitadas. Algumas das causas tem sido i) negliges& da varied& e das dinamicas das fomacoes vegetais, naturais e autmpogenicas da ngiao; ii) carencia de estados intmsivas de uso da tcra em escda local, t m3 iltrelammto & projetos as neccssidadcs e demandas politicas de cantrole do desmatarntsto. Embora a escala dbda para dtolardesmatamentotemsidoaprapriadapara monitorar e alcrbr do problema a nivel regional, ela nao permite amsidexar fatores soci-cw.-. ams=&ais a n5vei l d qae, ex ul&s a, impulsionam o demahumm [Mom et a1 (no pnlo)]. 0 Landsat TM tern a resolucao eqmcial, espectral e tempd para ser qlicada na escala n- qwxidaparauma analise dadiversidade dous0 do solo e da cobertura vegetal da Amad [Sader et d(l=ol. 0s objetivos deste rrabalho sao de demons- - trac 1- o sucesso por imagms TM na mracterizauu>dasfonnacoesvegetaispresultesna regiao, incluindo tres difereates estagios de suces- sao seclmdaria (iicial, intermediario e avamulo) e em di- ("acaizal") e florwta de v- no Estuario do Amezanes, Ilha demaraj0;2-as~dousointegradode modelagemdeaaninatntl.pespectrais,~ floristiuxstmhd da vcgcbao e dtuicao etmgr&ca da bistorin de \w, da terra para mapeamento da vegetacao e uso do solo na Amazwia 2 - AREA DE ESrUDO A area de estudo esta localizada no municipio de Ponh de Pedas, Ilha do Marajo, no d o do A- maunras.por~g~ngiaode~caoestre dois XDX!IO ambieatw, F1omsta Ombmfila Dem~ e Camp de Marajo, a area aprescnta grande diversidade&~vegetaisbastrmte~vosdaregiao.oscamposdemarajonaosao~mtrados na aree eshuhh, ~~ as sejzm canfundido com enclaves degmpo Cerrado ali presentes lpires ( Para lnna chdicacao geral da vegdacao, incluindo a noma~~latura apresentado pel0 Radam (1974), as principais fomacoes vegetais~nalueaseo: 1-Floresta ombrofila Alwial - cahccida como floresra&varzea&mares(rana1980)ouvarzea na nomendalum cabocla local (Bnmdizio e Neves 1992, Andeffon et alli 1990). Ocom em sitios e soh influencia diaria da mare' comexcesaodeareasdecotaslevtmmtemais elevadasquefecebemsommteasmarw "dtas" no

3 ~ododeimr~.v~&esrtrptarocompla xa, qmamdo mom e mnito rica rm~camoacai(eutemeol~), Jupati (Rmhia hedieera), Buxiti (Mnwitia -1, maraia) alem de muitas outras.. Segmdo Lima (1956) a floresta de vanea ocupa ]an2 no esturuio do Amanmas. 1.1-Acaizais - Acaizais sao florestas clc oiigem aatmpica, resultante de -0 agmfld, com daminanciadepah&aseutemeoleracea.segundo Calvajara (1972) stas flonstrs ocupam loo00 km2 ~0BaiXoAma2anas. 3-MA- E m D O S 2-Floresta Ombrofila de PlPtos - d d a -1- Duas imrgms Tandrat TM foram utiti.mrlar. Orbitamente por Florcsta de Terra Fm pot ocomr em alponto , & julho & 1985 e julho & anas~maisel~.quandoegta O s ~ f o r a m ~ d o s ~ e m pouco alterada, a flonsea qescnta uma formacao lmifonne, com arvons de grande DAP e porte d o i S p i o ~ d e ~ d i g i E a l d e ~, Erdas 7.5 e Mubpcc (versao Jm92), xqedivael&, poucas palmdm e uma estrotificacao "su- mate em platafoarras Unix e Mach&&, As hagtil' sun o estrato arbustivo. Pode alcancnr 40 =-~pael~~paracompor metroadedosselcom~. uum imagem dti4uqod de 14 canais. Pama 3-Capoeh Wolinda - Formreao antropica nas possibztarumarmalisetempcndbaseadaempadrareas de floresta de tara firme. Para a anaese dos oes~a~de1991sofrcuconrecao dados aqui apnsmtpdos, csta fomacm foi dividida ammdkica baseada nos val- colddos na imaemtrescstagiosderegmeillcao:inicip1,~e gem de Pata isto foi cscolbida rrma area de dkio e Avancadn. Estns classes estao relacionadas florcstade tena finnecmdcnaoocoxmammudacnm~osde0-5ano$5-1olll~)6e >.. 10 nars(corte,extnxlvl9mo)eatrcosdoismos.com~ amsnspectiwrmmte. - ecmlpocamdo- pratedeual~etomris.brsngepte,onrcama Locdmmk ccmkida coma Camp. E' uma for- procedimcoto dcscdto.dlllp(ngistrar, gdgir mpcao~dogrupo~,coman'are8 eamccao.tnrosferic)fbiut%zadopg~pimageas variandode2-5metrosde.eturqes~e de 1984, 1987, 1988, 1992, tamban adgniiirkc no esp- sobre EPpcte caatirmode INPERegistradas,-~compoe~ g-s.c -ytessao imegrmd-de42rann;fi. dos geag05 Aristida e Emgmdis. Neste trabdho Umpimagesn~peamiteco~... ~ ~ t i p o s d e ~ c c I r a d o p n s a d a d o s s o b n a m u d a a c a d o ~ ~ Cerrrrdo&wtabaixaeCerrPdohperab.Os ~axeasdesuessaormmda+ilundi~~gios. Esta etapa aliada a levrntammto & campo d o i s p l i m e h s w t. o ~ a ~ grafianaareadeocoarsciae-a ~bilidadeaimmaalllnnopaiod0deinvemo. A&. ~ImpcmaestasePdoatilizadapara~.repscom~ciade ImDuata bmsilialsis na cobcrlaka do solo. 5-Fl~&T~-Form~ceodeestratos permite daeaw- de asshtum espectsais po~co dcfinidog queocomnarnmricro mflorestaecampo~.e'~pelapnsmar d e ~ c c n n o o c a t a n a ~ t i a ~ hdat), odmwdms) e cipos. 6-MangPe-F~arborcaqueocontnanrna deinfl~damarenatrpnsicroqambic~tca- ~coparrr.fl~devrrzrt~emcertas~ podt ser da vegeta#o de 'Aningal' ~porptmtaaheabrcersedmsthsque chcgmn a atingir relativo porte. Estas zaaas sao 9uepodem=w~para-~~ da wgebrcao. Por excmplo, o ciclo d a s r o c a s d e ~ e q u c i m a e ~ ~. Aimegiemmulti~foisabmetidaageocorrecso atrmes de um mapa base 1: IBGE 1984,pmjecaoUTM.Deartpmaneim,dadog& Camp0 cole ados cnm GPS - "Global Positicming system" (Mqdh, NAV 1000-PRO) pudgam ser ajusbdm a imagem, pendido urn cakacao da 8naliaeespectrala5sdadosco~~~sde invahrhdavegecsaroe~cammoradoresloadssobreahistadadepsodatcaro. 5I.bOtatori0,foram~~ chdbcosrhidgppavisianadadealbl* (40-60clrsscs)anrnrs~deatc pixds.ascla?asesslo 8ldkdmatrme;r;desars valom estatidcos (media, varhch, CO-variaacia)

4 para serun relacionadas as inf- de vcge~acao e historia de uso da terra levaatadas em campo. Empalelo, dados~assu,amos-rradasnos poligoms demarcrdos de.cord0 cam as ooorda nadas colhidas a campo corn o uso de GPS. Antes de uma classificacao spnidd ser iniciada, a imagem e' submetida a uma analise de "separacao de bandas" (sqarab%ty) para paraacaodacombinacaodebandasmaisapropriadn para a area. Foram selecionados os canais 2,3, 4 e 5.Asclassesseleci~deacordocamasesbrtisticas espc. foram submetidas a um classscador "Gaussian ~likclihood", pixel a pixel para ambas as inmga~~ (1985, 1991). De junho a julho de 1992, trabalho de camp0 foiduzidonaareadeestudo. Areas ~tativas de cadaformacaovcgetal~te na chave de classifiw fcmm escoihidas (repeticaode3)deacord0com:~vidadeno pah de USO do solo, Wbuicao na bagem, e disponiiilidade de inf- sobre a historia de uso e manejo. Todas as formacoes ve# foram levantadas corn o intuit0 de: determinacao da comp osicao florktica, frequmcia, dcn?oirlada, dominancia (area basal), pomatagem de cobemua do solo, altura do prirneiro gah, e altura total. Foram imr~umtotalde27aersentreveget.cocs mtwais e antropogenicas. En paralelo, dados elnograficosforamco~sobre:u#,passadoda area, tempo de abpndano (capodras), e teglogia de dtivo e mmcjo (&). Estas informacoes foram i, a run banco de IV e QPro 3.0) e amcctadas as imageas ahwcs das cao&m&scol~camgps.acanc#.aodo bancodedadogcamasimagcusfoipossheldevido utilizacaodaestnmnadeumsi~de~coes gcogmfic8s (ArcInfo 3.4) compativcl com Etdas 7.5 e DBase IV. 4 - RFXJLTADOS As classifi- tcmaticas das imagms de 1985 e 1991 sao nas figmas 1 e 2. As classificacoesapresmtaramnsullndoscotimtecomas informacots coletndas para v-. Ulna andisc na mudanca de uso no solo indica que os proctssos de sucessao saxuhh sao mais imporcantesqueoawmcododcsmmmb.~tament0emmaiorescalr~nafegiaoentre os anos 60 e 80, nao por projm govde C o l e, mas -porproj- ' ~vistasdapnfazia~d.m~projm ~em~agropecaetiadetccnologia convcacianal faliram devido a dificuldade de manter a pdutbidade em latosolo amarelo corn baixos PeCIY3,quesaoemgdsolosQ na tcrrafiime. Outrofatorimportanttnousodosolo e' apresmcndeanrsmmmdasamtacao derocas decortesqtltimt Ncstasarcasarotacaodasruees decultivosedacmmediaacada2lmoscriando u m m o s 8 i ~ ~ c o d e ~ e m ~~~~~~~. Osacahis indicamatmdhmcmdaflomtadevatzea -~d0~0~fld.eigfangiaofbi Wvamnte explonda para a cxploracpo de palmito~osanos60 e 70. Camavalorhcao dopr#x,dofmtodo~no9mcrcados\pbanos - ngionais,ocortedo~tofoi~peloproduamdo&uto.aliadoafer&ilidadedawrrrcaea.. po~prodptivadoacaizeiroas~cas caboclas de maajo flonstal, a regiao elevou a pre clpcaodefiutosde4000miltmaadasem1975 para em 1985 e em 1989 mil toneladas ( )l. Nos oltimog dez anos o fnrtodorrcaisetransfonnouno~prodato dcongioarietcmmotivadoonmvlltadas areas mancjadas para este fim. Para ilastrar a ~logia~nestetrabalho(~ espectral, 1- da vegchcao e ebqdia) vamos ntilirrar o cxcqlo da floresta de vanes manjadaparaa fommmo deumacaizal. Tabla3 (tllbelade~odaflorsstadevanea)~ Saltapmraftadefl~dewrrrcanaomamjrda Tabela 4 (tabela de invcatorio do do) rqmcata um8 florcsta de varzca ja'cmtafnmcnte) mnnejadaparaaformecaodeumacaizalcom halid& de pmducm de frutos. A tccnologia de basicmmltc: I-Corre seletivo de espies ~~nao~aveis.istoprapiciarrmasele~80 dew~i#)~veiscamocrescimeato &palmeira do acni e de maiar interesge acanomicoparao Caboclo.Nota-~tquespesardeoconesumanmdancanaesWifiacaodavtgetscao, operfila3trutnral de florcsta e' W, 2- Carte selttivo de especi~dosab-bosqaee~,3-desbastedastou- ~decacainssteprocessosaosel~~ acaiz&x&baixos,alcmdadiminn;caoda dcddadedeplantrrspor~,4-plaaiiol madese~.arvorcsprodptivasseo sclccionadas para coh de scmmtcs e mudas. 5- Capina rmeal do tcrreao. Apesrtr da mnrlanca 4- dcravcl M compo&cao fhxbtica da floresta de var- ~ o a r a i m l ~ a s ~ c a s eestmnisdafkmsta,alcmdepropiciarparao Caboclo a de cspecim de valor d o - mioo..mais ddhcs sobit ecologia, tccnologia e prodtmo de achb esbo em :[Celzavaft (1972)]; 1- et (1990)1, [~alick ~98811; m e t a

5 Imagem.1 - Pdnta de Pedras : mww. mn L.Z. : Imagem 2 - Ponta de Pedras 1991

6 Grafico 1 Grafico 2

7 T A U 5 ASSHA'IURA ESPECTRAL DE CLASSES DE US0 E COBERTURA DA TERRA RESPOSTAS ESPECTRAJS (MEDIA) EM VALORES DIGITATE - TM 2-5 CLASSES BANDA 2 BANDA 3 BANDA 4 BANDA 5 AGUA FLORESTA DE lw?a FIF(L(E noresta OE VARZEA ACAEAL (Euterpe oleraw) AMNGAL E MANGUE SOLO EXPOSTO PAST PASTO C/ PALMEIRAS E ARBU S.S. WIAL S.S. INTERMEDIARIA S.S. AVANCADA CERRADO (COTA ALTA; AA 69.8 CERRADO (COTA EARL\) CERRADO 'IMPERATA" Grafico 3 CL'RV.AS WEC3R.S - UVDStT T!d f 5 < e i2 8 a. UJW 8-9 s 30 I m ~ b 2 emha BANDA~ BANOAS UWyrtrn-BANDAS +-(Cw +CERCWO(cuTA) -.CCEFIRIM)?miA. I

8 9 Dbtarbcadamk Echadao EhadsoodPro GdspsakoDa FrrafripPm Lf

9 et ( Alrandozsnacmdafloregcrdevmzaem acaizalpodesercknmmte~nos~ &-.Valor&- e'um ipdice que combinn deasidide, hpn& e domin- Pnciarclativa. Optro~impOrtaOttIla pmcate enaiise e' a mudanca na ahma do dose1 da vegdacao. A diminm'rrm da altura do Qgael nos acai9ri9,aliadoa(qorrse)~&spb-bosque saofatonsimportantesna~das~ ~~aflonshdevazepeoacaizal. A tabeia 5 nmstra os valozcg digitais justados dimh para detc. - dasna?linakrrap especrrais das formacas -etais. Gnfico 1 ~osval0r~d09parafloresta&tena firme e os tres &agio9 de iruassao scamkh (iicial, intermediaria e mcado). Gnfico 2 mostraval~mcdi09par;ifl~devrrrzea, acaizai, manguee'aningal'eagua Gafico3 co~a~especfralmaosccnadosde cota dta, bpiw e o "impqatbm. Na proxima sessao seraodisuitidosospanrmwosconcdtnais~ p a x a a ~ d a ~ ~ d e Cada dasse. 5 - DISCUSSAO E CONSDERACOES FINAIS umaanaliseteqricadospykoesespedrais prcscmsnoscaaaisdolandsattme'dizada paxade$mharas~~dasc14sses de~.omoddoejpectralwnccitualdesenvolvido em laboatori0 e' utitinao p~ra constnrit umachavedeclassificaaocoeimjecomasclasses de uso da terra e fomaaes vegetais da regiao. Um modeloespecrnl~~dtntsmtoas amdaktiw tisicas e bioiogicas das classes de intaesse em relacao a r&uau& e absorcao de energin electromagndca. quanto Edtorrs aatropicos envolvidos no manejo da v-, tais como a kumlogia agro-flod de mancjo da flomta de varzea para a formacao de acahh. M- espd con- ~volve de lmacira geal *uactdticas como: rrbsorcao de clorofila nos cauais 'visivel", rtflcc&acia do mcsofilo no 'infn-vumc- Iho proximo", absorvcao da agua (e umidade) nas plantas e no ambimtc no 'infid-vcimtlho medio". No mtanta, outros parametros preckm ser incorpogmios para meihor explicar dihcas sutis ease vegetacoes similates corm c' o caso catre flortsta de varzea e acaizal. ou enae csugios de sueessao saxduh e flonsta de terra firme. Fatons como a -em de- cobextun do solo, estrum e dmsidade da vegetacao dcivaoos de um invu*ario da vegdacao in loco permitan baqnmr elemen- toacomosdmamabemrtio'&~ quesao-paraummcthar~ & r e f l ~ e ~ d e 'infk-- ~ n o meiho proximo'. Por cxcmplo, a na f l o m t a d e ~ c r i a ~ d e qncemultimarrruliserepresenropmr'~' de cncrgia do 'infia-vennefho pioximo*. Este fator (va canal 4 - gdko 2).liedo a rltmo do dossel e' fimapmmtalparodiferepciacaodafim&~-.. lreodoacaizalqueirprtseata~ d e b ~YigOTenmidndasimita+afl~devaxzea,po--estratosemenos 90- iatento (vet canal 2,3 e 5 - gr&co2). Omwmonci~opodeserutilipldo na dikcdaca de difmntes estagios de sucessao secandaria e flonsta de tena firme (gdco 1). No casodangiaode~,~capeiocanttaste catre alagammto no invuno e seca no verao, a s e n s i do 'infia-vermelho medio" a amidade no ambicatc e na vegetacao m-se um msaaho fundammtal para difmnciar mudancas neste ambient~. TABELA 1 CLASSES AGUA FLORESTA OE VARZEA ACAlZAL ANNGIL/MANGUE SOL9 EXPOSTO I PASTAGEM PASiO4ALMucERAS-ARBGSYC 3.: COCAL PLANTADO CI i 0 S.SEC. MIC:AL ! 1 S.SEC. NE~ME~IAG~A S.SEC. AVPNCPDA CERRADO (COTA AL~A) i d CERRADO (COTA BAIXA) CERRACO "NPERAiP" Em conclusao, nossa apexiencia tern mastrado que a caacteristicas ofimxidas pel0 sensor TM aprcsumm grade apliddidade para o mapeammto deralhado de us0 da terra d~~escalalocaldeanalise.opape1 da sucessao secmclaria e ouaas formacoes anaopo-,picas, como e' o caso do acaizal, npnsenra para a.l\maronia urn elo frmdamenral para o entendimtntosobnasatividade3deeubsistmciadaspopulacoes locais e a sustentabilidade a longo prm de modeiosdeusodatenaopresentetrabalhoesta

10 kcrid0 em mn projeto maior voltado pnra a malisedadivddadedmtalesociale~rdacoescom~~dateman~ngias& ~NoasaOPtR~deestPdosrffalocalizada na ngiao a oeste de Altamira onde proj- de col~foramimphfadosna~&70. Para egta area, tstro sendo adidas 5 hagens rlana.pat TM (1985, 1987, 1988, 1991, W2), le- ~da~egetacaa(22arersfwam~das emtrabalho de camp emmaio ejdho de 1992) e dpdos etnograficos. A ~ p r c c i s a ~ ~ e m esdas ccmqariveis comsuavaliabilidade ambiultd, social, cultural e economics Esta pode sex ama umtnicao efetiva da d d a d e de seam&me nto nmoto corn vistas a dar supoae a imphtacao & em bases sociais e ambid maispdequadas. 6 - AGRADE- 0 desarvolvimento deste projeto tan sido finauciado pela Natid Sciam Formdation (SES ) ao projet0 "Anmzcm DefhsWh and CartxwCy~TakjngintDacunmtHeterogmeity, Sccesion and PaWnas'; e pel0 Midwedem Cents of the National Institute for Global Enviromnental k p (NIGEC) PO investighr principal Emilio Moran. Pesquisas autuiora fotam efduadas corn suporte do CNPq e Musar Goeldi ( ) PO projdo 'Antropologia Ecologica de Populacoes Caboclas do Baixo Amazonas: Subsisteacia e Adqtacd. O s a u t o r e s d e v e m ~ ~ a o s ~ t r u ' ' Lucival Ivlarinho e Jair dacosta,rrmbosfunci~osdaembrap9cpatu- Belem e ao Dr. Mario Jhahs, Embrapa-CPAF- Acre,pel~vali~trabalhojUntoaos~ botaaicos aqui e a Andrea Dalledonc Siqucira e Fabio de Castro pel- valiosos coxmntarios ao texto. A nsponsabildadc das opinioes expresdasnestetsabalho e' somcabdos a&ms e naodasfontesfinandadoras. Cahvam, B.B.G A~ possmidades do acaizeiro no c8tuario Amaamico. Boletim da Fundacao de Cieacias A& do Para FIBGE Base Caxbgdica 1: , Folha Ponta de Pedras. FlBGE Roducao da Extmxo Veeetal e da Silvicultura, Ditetoria de Pesquisas, Dep. Agro- & Iima, RR Agd- na~ do estuario do Amanmas. Boletim Tumico do Mtuto A d c o do Norte 33: Motan, E., Biandizio, E, Mausel, P. Wu, Y.(in press). Defdon in Amazcmk Land use change from gnnmd and artcnitc level puspctives. Bioscimce (im press). Munieta, R, Brcmdizio, E., Siqueira, A, Moran, E Esrrategiasde~deumapapulacao &crhb da ilha do Marajo. Boletim do Muss Paaamse Emilio Goeldi, serie Antropologia, 5: Pires, J.M Tip de vegetacao da Amazonia. Public. Avulsas Mos. Patamse Emilio Goeldi. Belem, #): Prance, G A teiminologia dos tip de flomtas ammicas wjeitas a immdarms-a fhllmmica lo: Radam Radar da Amanmk Dqmammto Nacianal de Miass e bcrgh. DNPM. 7 - REFERENCIAS rnadas Andasan, A De-on in Amanmix Dynamics, causes and Altcmativcs in Alternatives To DefomWion. St- toward smtahble use of the Amazm Rain Fonst. (3-10). Anthony Andason ed. Columbia Univcdy Press NY. Sak, S.A., StoneT-A, Joyce AT h t e sutsing of tropical twests: An ovudcw of nsearch and applications using nonphoto~ -. Photi&mxmtric ~n&& and &note Sensing, Balick, M.J Ethnobotany of Palms in the Neotropics.?ht Palm - Txee of LiL: UtiliPlton and~on.~ineconomicbotany,vol. 6; M.J.Balick d.:ny Botanical Garden.

11 ACT Publications 1993 NO Mausel, P., Y. Wu, Y. Li, E.F. Moran, and E.S. Brondizio. "Spectral Identification of Successional Stages following Deforestation in the Amazon." Geocarto International 8(4): NO. 93:02 Moran, E. F. "Managing Amazonian Variability with Indigenous Knowledge" In Tropical Forests, People and Food: Biocultural Interactions and Applications to Development. C.M. Hadlik et al. (eds.). Pp Paris: UNESCOParthenon Publ. Vol. 15 in Man and the Biosphere Series. NO Moran, E.F. "Deforestation and Land Use in the Brazilian Amazon." Human Ecology 2 1 : NO Moran, E.F., E.S. Brondizio, P. Mausel, and Y. Li. "Assinaturas Espectrais Diferenciando Etapas de Sucessao Secundaria no Leste Amazonico" Anais do VII Simposio Brasileiro de Sensoriamento Remoto. 2: NO Brondizio, E.S., E.F. Moran, P. Mausel, and Y. Wu. "Padroes de Assentamento Caboclo no Baixo Amazonas: Analise Temporal de Imagens de Satelite para estudos de Ecologia Humana de Populacoes da Amazonian. Anais do VII Simposio Brasileiro de Sensoriamenlo Remoto 1 : NO Brondizio, E.S., E.F. Moran, P. Mausel, and Y. Wu. "Dinamica na Vegetacao do Baixo Amazonas: Analise temporal do Uso da Terra integrando imagens Landsat TM, levantamentos floristicos, e etnograficos". Anais do VII Simposio Brasileiro de Sensoriamento Remoto 2: NO Moran, E.F. "Minimum Data for Comparative Human Ecologicai Studies: Examples From Studies in Amazonia." Advances in Human Ecology 2: NO Siqueira, E. Brondizio, R. Murrieta, H. da Silva, W. Neves, R. Viertler. " Estrategias de SubsistCncia da Popula$io Ribeirinha Do IgarapC Paricatuba, llha de Maraj6, Brasil." Bol. Mus. Para. Emilio Goeldt. SCr Antropol. 9(2): NO R. Murrieta, E. Brondizio, A. Siqueira, E.F. Moran. " EstratCgias de SubsistCncia da Comunidade de Praia Grande, llha de Maraj6, Parh, Brasil." Bol. Mus. Para. Emilio Goeldt. S6r 4ntropol. 8(2):

Padrões e Processos em Dinâmica de Uso e Cobertura da Terra

Padrões e Processos em Dinâmica de Uso e Cobertura da Terra Padrões e Processos em Dinâmica de Uso e Cobertura da Terra Conceitos de Uso e Cobertura da Terra CST-312 Bases Conceituais e Teóricas 1. Conceitos básicos Cobertura da Terra Uso da terra Uso X Cobertura

Leia mais

Figura 1: Localização geográfica da área de estudo com a composição colorida do sensor TM (R3, G2 e B1).

Figura 1: Localização geográfica da área de estudo com a composição colorida do sensor TM (R3, G2 e B1). MUDANÇA DA PAISAGEM AMAZÔNICA NA ÁREA DO PROJETO DE ASSENTAMENTO DIRIGIDO SANTA LUZIA, EM CRUZEIRO DO SUL, AC Rafael C. DELGADO 1, Leonardo P. de SOUZA 1, Ian W. R. da SILVA 1, Evaldo de P. LIMA 2, Ricardo

Leia mais

JOSÉ CONSTANTINO SILVEIRA JÚNIOR DIÓGENES SALAS ALVES MARIA ISABEL ESCADA

JOSÉ CONSTANTINO SILVEIRA JÚNIOR DIÓGENES SALAS ALVES MARIA ISABEL ESCADA Utilização de Técnicas de Análise Espacial no Estudo da Correlação entre Expansão das Áreas Desflorestadas e da Fronteira Agropecuária no Estado do Mato Grosso JOSÉ CONSTANTINO SILVEIRA JÚNIOR DIÓGENES

Leia mais

ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT

ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT Elaine Barbosa da SILVA¹ Laerte Guimarães FERREIRA JÚNIOR¹ Antonio Fernandes dos ANJOS¹ Genival Fernandes

Leia mais

MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL DE ÁREAS DE GRANDE EXTENSÃO ATRAVÉS DE MOSAICOS DE IMAGENS DO NOAA-AVHRR

MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL DE ÁREAS DE GRANDE EXTENSÃO ATRAVÉS DE MOSAICOS DE IMAGENS DO NOAA-AVHRR MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL DE ÁREAS DE GRANDE EXTENSÃO ATRAVÉS DE MOSAICOS DE IMAGENS DO NOAA-AVHRR Maria G. Almeida 1, Bernardo F. T. Rudorff 2, Yosio E. Shimabukuro 2 graca@dppg.cefetmg.br, bernardo@ltid.inpe.br,

Leia mais

Sensoriamento Remoto

Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto 1. Obtenção de imagens matriciais (raster) Imagens raster podem ser obtidas de várias formas: Aerofotogrametria Fotos aéreas obtidas através do sobrevoo da área de interesse por aeronaves

Leia mais

Detecção de Mudanças da Cobertura Terrestre na Ilha do Formoso, Município de Lagoa da Confusão-TO

Detecção de Mudanças da Cobertura Terrestre na Ilha do Formoso, Município de Lagoa da Confusão-TO Detecção de Mudanças da Cobertura Terrestre na Ilha do Formoso, Município de Lagoa da Confusão-TO VICENTE PAULO SOARES 1 ALAN KARDEC ELIAS MARTINS 2 RICARDO SEIXAS BRITES 3 ELPÍDIO INÁCIO FERNANDES FILHO

Leia mais

MAPEAMENTO DE CLASSES INTRAURBANAS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA (SP) UTILIZANDO IMAGENS LANDSAT-5 TM E IMAGEM NDBI

MAPEAMENTO DE CLASSES INTRAURBANAS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA (SP) UTILIZANDO IMAGENS LANDSAT-5 TM E IMAGEM NDBI MAPEAMENTO DE CLASSES INTRAURBANAS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA (SP) UTILIZANDO IMAGENS LANDSAT-5 TM E IMAGEM NDBI 1702 Bruna Lahos de Jesus Bacic bruna_lahos@hotmail.com Geografia Bacharelado Universidade

Leia mais

Monitoramento das pastagens cultivadas no cerrado goiano a partir de imagens MODIS índices de vegetação e dados censitários

Monitoramento das pastagens cultivadas no cerrado goiano a partir de imagens MODIS índices de vegetação e dados censitários Monitoramento das pastagens cultivadas no cerrado goiano a partir de imagens MODIS índices de vegetação e dados censitários Fanuel Nogueira GARCIA, Laerte Guimarães FERREIRA Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Classificação espectral de área plantada de café para o município de Araguari, MG por meio da árvore de decisão

Classificação espectral de área plantada de café para o município de Araguari, MG por meio da árvore de decisão Classificação espectral de área plantada de café para o município de Araguari, MG por meio da árvore de decisão Rafael Coll Delgado 1, Gilberto Chohaku Sediyama 2, Evaldo de Paiva Lima 3, Thomé Simpliciano

Leia mais

MAPEAMENTO FLORESTAL

MAPEAMENTO FLORESTAL MAPEAMENTO FLORESTAL ELISEU ROSSATO TONIOLO Eng. Florestal Especialista em Geoprocessamento OBJETIVO Mapear e caracterizar a vegetação visando subsidiar o diagnóstico florestal FUNDAMENTOS É uma ferramenta

Leia mais

Experiencia de Brasil sobre prevención y control de la deforestación y la tala ilegal con uso de tecnología satelital.

Experiencia de Brasil sobre prevención y control de la deforestación y la tala ilegal con uso de tecnología satelital. Experiencia de Brasil sobre prevención y control de la deforestación y la tala ilegal con uso de tecnología satelital Marcos Adami Lima, 20 de agosto de 2015 Monitoramento da floresta amazônica por satélite(prodes)

Leia mais

Padr6es de Assentemento Caboclo no Baixo Amazonas: Analise Temporal de lmagens de Satelite para estudos de Ecologia Humana de Populacees da AmazBnia

Padr6es de Assentemento Caboclo no Baixo Amazonas: Analise Temporal de lmagens de Satelite para estudos de Ecologia Humana de Populacees da AmazBnia ACT Publication No. 93-05 Padr6es de Assentemento Caboclo no Baixo Amazonas: Analise Temporal de lmagens de Satelite para estudos de Ecologia Humana de Populacees da AmazBnia E. S. Brondizio, E. F. Moran,

Leia mais

Análise Orientada a Objeto no Mapeamento dos Estágios Sucessionais da Vegetação na Escala 1:25.000 um Estudo de Caso da Rebio União, RJ.

Análise Orientada a Objeto no Mapeamento dos Estágios Sucessionais da Vegetação na Escala 1:25.000 um Estudo de Caso da Rebio União, RJ. Análise Orientada a Objeto no Mapeamento dos Estágios Sucessionais da Vegetação na Escala 1:25.000 um Estudo de Caso da Rebio União, RJ. Luana Santos do Rosário 1,2 Carla Bernadete Madureira cruz 2 Luciana

Leia mais

Dinâmica do Desmatamento na Amazônia Legal: Estudo de caso Nova Monte Verde-MT, de 1984 a 2008

Dinâmica do Desmatamento na Amazônia Legal: Estudo de caso Nova Monte Verde-MT, de 1984 a 2008 Dinâmica do Desmatamento na Amazônia Legal: Estudo de caso Nova Monte Verde-MT, de 1984 a 2008 Dynamics of Deforestation in the Amazon: A Case Study Nova Monte Verde-MT, form 1984 to 2008 MOURA, Valdir.

Leia mais

USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TOMBOS (MG)

USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TOMBOS (MG) USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO Calderano Filho, B. 1 ; Carvalho Junior, W. 2 ; Prado, R.B. 3 ; Calderano, S.B. 4 ; 1 EMBRAPA - CNPS Email:braz.calderano@embrapa.br; 2 EMBRAPA- CNPS Email:waldir.carvalho@embrapa.br;

Leia mais

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal 1/38 Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal Cota de Reserva Ambiental (CRA) Eng. Allan Saddi Arnesen Eng. Frederico Genofre Eng. Matheus Ferreira Eng. Marcelo Pedroso

Leia mais

Humberto Prates da Fonseca Alves UNICAMP/IFCH/NEPO

Humberto Prates da Fonseca Alves UNICAMP/IFCH/NEPO População e Desmatamento no Vale do Ribeira: integração de dados censitários com dados de sensoriamento remoto dentro da estrutura de um sistema de informação geográfica (GIS) Humberto Prates da Fonseca

Leia mais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Características das Imagens Orbitais 1 - RESOLUÇÃO: O termo resolução em sensoriamento remoto pode ser atribuído a quatro diferentes parâmetros: resolução espacial resolução espectral

Leia mais

IPEF n.47, p.62-65, mai.1994. FENOLOGIA DE FLORAÇÃO E FRUTIFICAÇÃO EM POPULAÇÃO NATURAL DE AÇAIZEIRO (Euterpe oleracea Mart.) NO ESTUÁRIO AMAZÔNICO

IPEF n.47, p.62-65, mai.1994. FENOLOGIA DE FLORAÇÃO E FRUTIFICAÇÃO EM POPULAÇÃO NATURAL DE AÇAIZEIRO (Euterpe oleracea Mart.) NO ESTUÁRIO AMAZÔNICO IPEF n.47, p.62-65, mai.1994 FENOLOGIA DE FLORAÇÃO E FRUTIFICAÇÃO EM POPULAÇÃO NATURAL DE AÇAIZEIRO (Euterpe oleracea Mart.) NO ESTUÁRIO AMAZÔNICO Mário Augusto Gonçalves Jardim (1) Paulo Yoshio Kageyama

Leia mais

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana.

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana. Cartografia Desde os primórdios o homem tentou compreender a forma e as características do nosso planeta, bem como representar os seus diferentes aspectos através de croquis, plantas e mapas. Desenhar

Leia mais

VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5

VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5 VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5 Maurílio Neemias dos Santos 1, Heliofábio Barros Gomes 1,, Yasmim Uchoa da Silva 1, Sâmara dos Santos

Leia mais

Análise da qualidade de imagens Landsat-1-MSS entre os anos de 1972 e 1975 para o bioma Cerrado

Análise da qualidade de imagens Landsat-1-MSS entre os anos de 1972 e 1975 para o bioma Cerrado Análise da qualidade de imagens Landsat-1-MSS entre os anos de 1972 e 1975 para o bioma Cerrado Carlos Antônio Melo CRISTÓVÃO Laerte Guimarães FERREIRA Jr. Universidade Federal de Goiás - UFG Instituto

Leia mais

USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I

USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I AGRICULTURA, E RECURSOS FLORESTAIS DISCRIMINAÇÃO DE TIPOS DE VEGETAÇÃO Tipos de colheita Tipos de madeiras DETERMINAÇÃO DA VARIAÇÃO DE APTIDÃO E BIOMASSA DETERMINAÇÃO

Leia mais

INVENTÁRIO DE RESÍDUOS FLORESTAIS

INVENTÁRIO DE RESÍDUOS FLORESTAIS INVENTÁRIO DE RESÍDUOS FLORESTAIS Hilton Thadeu Z. do Couto * José Otávio Brito * 1. INTRODUÇÃO Os altos preços e a instabilidade de fornecimento de energia proveniente de fontes tradicionais aumentaram

Leia mais

Anexo A - Monitoramento necessário ao sistema de REDD e medição de estoques de carbono de acordo com a metodologia de Baccini et al.

Anexo A - Monitoramento necessário ao sistema de REDD e medição de estoques de carbono de acordo com a metodologia de Baccini et al. Anexo A - Monitoramento necessário ao sistema de REDD e medição de estoques de carbono de acordo com a metodologia de Baccini et al. 1 1) Monitoramento para REDD+ e o status de Mato Grosso O monitoramento

Leia mais

Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER

Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER Murilo R. D. Cardoso Universidade Federal de Goiás, Instituto de Estudos Sócio-Ambientais/GO

Leia mais

Monitoramento Espacial e Inteligência na Agricultura

Monitoramento Espacial e Inteligência na Agricultura Monitoramento Espacial e Inteligência na Agricultura Seminário: Imagens de Satélites e Aéreas na Agricultura e Gestão Territorial Édson Bolfe Pesquisador, Chefe-Adj. P&D Embrapa Monitoramento por Satélite

Leia mais

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA Priscilla Menezes Andrade Antônio Laffayete Pires da Silveira RESUMO: O presente estudo foi realizado

Leia mais

IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO

IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS HUMANOS UNIDADE ACADÊMICA DE ENGENHARIA CIVIL IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO Sumário 1. Conceitos básicos

Leia mais

APLICAÇÃO DA METODOLOGIA GLIMS PARA A ILHA RENAUD PENÍNSULA ANTÁRTICA APLICAÇÃO DA METODOLOGIA GLIMS PARA A ILHA RENAUD PENÍNSULA ANTÁRTICA

APLICAÇÃO DA METODOLOGIA GLIMS PARA A ILHA RENAUD PENÍNSULA ANTÁRTICA APLICAÇÃO DA METODOLOGIA GLIMS PARA A ILHA RENAUD PENÍNSULA ANTÁRTICA APLICAÇÃO DA METODOLOGIA GLIMS PARA A ILHA RENAUD Petsch, C. 1 ; Simões, Cardia, J. 2 ; 1 UFRGS Email:carinapetsch@gmail.com; 2 UFRGS Email:jefferson.simoes@ufrgs.br; RESUMO: Esta pesquisa aplicou o método

Leia mais

UM FRAMEWORK PARA PADRÕES DE DESMATAMENTO 1. Osvaldir Dias da Silva Junior 2 ; Joice Seleme Mota 3

UM FRAMEWORK PARA PADRÕES DE DESMATAMENTO 1. Osvaldir Dias da Silva Junior 2 ; Joice Seleme Mota 3 UM FRAMEWORK PARA PADRÕES DE DESMATAMENTO 1 Osvaldir Dias da Silva Junior 2 ; Joice Seleme Mota 3 INTRODUÇÃO O desmatamento vem sendo foco de atenção por parte de todos os segmentos da sociedade, incluindo

Leia mais

ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS

ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS ALENCAR SANTOS PAIXÃO 1 ; ÉLIDA LOPES SOUZA ROCHA2 e FERNANDO SHINJI KAWAKUBO 3 alencarspgeo@gmail.com,

Leia mais

Conheça todas as opções de satélites à disposição. Wilson Holler. Embrapa Monitoramento por Satélite Gestão Territorial Estratégica

Conheça todas as opções de satélites à disposição. Wilson Holler. Embrapa Monitoramento por Satélite Gestão Territorial Estratégica Conheça todas as opções de satélites à disposição Wilson Holler Embrapa Monitoramento por Satélite Gestão Territorial Estratégica Conheça todas as opções de satélites à disposição Em todo o mundo, dezenas

Leia mais

ANÁLISE TEMPORAL DE ÍNDICES DE VEGETAÇÃO UTILIZANDO TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO. lidiane.geo@gmail.com

ANÁLISE TEMPORAL DE ÍNDICES DE VEGETAÇÃO UTILIZANDO TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO. lidiane.geo@gmail.com ANÁLISE TEMPORAL DE ÍNDICES DE VEGETAÇÃO UTILIZANDO TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO Lidiane Cristina Félix Gomes 1, Glauciene Justino Ferreira da Silva 2, Alexandra Lima Tavares 3 1 Mestranda da Universidade

Leia mais

Monitoramento dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica

Monitoramento dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica Monitoramento dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica Realização: Patrocínio: Execução Técnica: PRIMEIRO MAPEAMENTO DA MATA ATLÂNTICA SOS Mata Atlântica INPE e IBAMA Escala: 1:1.000.000 CONCLUÍDO:

Leia mais

Sistemas Sensores. Introdução

Sistemas Sensores. Introdução Sistemas Sensores 5ª Aulas Introdução O sol foi citado como sendo uma fonte de energia ou radiação. O sol é uma fonte muito consistente de energia para o sensoriamento remoto (REM). REM interage com os

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE BANCOS DE DADOS ESPACIAIS COM IMAGENS DE SATÉLITE

CONSTRUÇÃO DE BANCOS DE DADOS ESPACIAIS COM IMAGENS DE SATÉLITE CONSTRUÇÃO DE BANCOS DE DADOS ESPACIAIS COM IMAGENS DE SATÉLITE Renzo Joel Flores Ortiz e Ilka Afonso Reis Laboratório de Estatística Espacial (LESTE) Departamento de Estatística Universidade Federal de

Leia mais

ANÁLISE MULTITEMPORAL DA COBERTURA VEGETAL DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DO TARUMÃ AÇU/MIRIM, MANAUS, AMAZONAS, BRASIL

ANÁLISE MULTITEMPORAL DA COBERTURA VEGETAL DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DO TARUMÃ AÇU/MIRIM, MANAUS, AMAZONAS, BRASIL ANÁLISE MULTITEMPORAL DA COBERTURA VEGETAL DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DO TARUMÃ AÇU/MIRIM, MANAUS, AMAZONAS, BRASIL Maria Antônia Falcão de Oliveira, Engenheira Florestal 1 ; Mônica Alves de Vasconcelos,

Leia mais

OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO ROGER TORLAY 1 ; OSVALDO T. OSHIRO 2 N 10502 RESUMO O sensoriamento remoto e o geoprocessamento trouxeram importantes avanços

Leia mais

Monitoramento e Identificação de Desmatamento

Monitoramento e Identificação de Desmatamento 1º Curso para Jornalistas: Como o Agronegócio está se preparando para a Rio+20? Monitoramento e dentificação de Desmatamento São Paulo, 08 de novembro de 2011 Bernardo Rudorff Pesquisador da Divisão de

Leia mais

O uso da terra da bacia do ribeirão Bom Jardim-MG por meio de imagem do satélite liss3/resource

O uso da terra da bacia do ribeirão Bom Jardim-MG por meio de imagem do satélite liss3/resource O uso da terra da bacia do ribeirão Bom Jardim-MG por meio de imagem do satélite liss3/resource Mireille Paula Machado¹ Laís Naiara Gonçalves dos Reis² Dayane Zandonadi Soares² Camila Nonato Junqueira³

Leia mais

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Texto: PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO Autor: BERNARDO F. T. RUDORFF Divisão de Sensoriamento Remoto - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais São José dos Campos-SP - bernardo@ltid.inpe.br Sensoriamento

Leia mais

Mapeamento do eucalipto nos municípios da mesorregião Norte de Minas Gerais, com o uso de dados de sensoriamento remoto

Mapeamento do eucalipto nos municípios da mesorregião Norte de Minas Gerais, com o uso de dados de sensoriamento remoto Mapeamento do eucalipto nos municípios da mesorregião Norte de Minas Gerais, com o uso de dados de sensoriamento remoto Marcos Esdras Leite Jefferson William Lopes Almeida Raul de Magalhães Filho Carlos

Leia mais

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE INPE-16621-RPQ/839 METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE VEGETAÇÃO SECUNDÁRIA NA AMAZÔNIA LEGAL Cláudio Aparecido de Almeida Taíse Farias Pinheiro Alda Monteiro Barbosa Maria Rafaela Braga Salum de Abreu Felipe

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS FLUXOS DE ENERGIA NOS ECOSSISTEMAS DE FLORESTA TROPICAL, FLORESTA DE TRANSIÇÃO E PASTAGEM PELO MODELO DE BIOSFERA TERRESTRE IBIS

CARACTERIZAÇÃO DOS FLUXOS DE ENERGIA NOS ECOSSISTEMAS DE FLORESTA TROPICAL, FLORESTA DE TRANSIÇÃO E PASTAGEM PELO MODELO DE BIOSFERA TERRESTRE IBIS CARACTERIZAÇÃO DOS FLUXOS DE ENERGIA NOS ECOSSISTEMAS DE FLORESTA TROPICAL, FLORESTA DE TRANSIÇÃO E PASTAGEM PELO MODELO DE BIOSFERA TERRESTRE IBIS CHARACTERIZATION OF ENERGY FLUX IN TROPICAL FOREST, TRANSITION

Leia mais

Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma

Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma Sensores e Satélites Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma plataforma estável à distância do objeto

Leia mais

Análise temporal da cobertura vegetal no Parque Estadual Cachoeira da Fumaça, ES, por meio de técnicas de sensoriamento remoto

Análise temporal da cobertura vegetal no Parque Estadual Cachoeira da Fumaça, ES, por meio de técnicas de sensoriamento remoto evista Verde de groecologia e Desenvolvimento Sustentável http://www.gvaa.com.br/revista/index.php/vds TIGO CIENTÍFICO nálise temporal da cobertura vegetal no Parque Estadual Cachoeira da Fumaça, ES, por

Leia mais

Inventário Florestal Nacional IFN-BR

Inventário Florestal Nacional IFN-BR Seminário de Informação em Biodiversidade no Âmbito do MMA Inventário Florestal Nacional IFN-BR Dr. Joberto Veloso de Freitas SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO Gerente Executivo Informações Florestais Brasília,

Leia mais

Impacto de desmatamento na mudança climática regional via satélites

Impacto de desmatamento na mudança climática regional via satélites Impacto de desmatamento na mudança climática regional via satélites William Tse Horng Liu Paulo Shiguenori Kanazawa Edson Luis Santiami Paulo Jun Kanazawa Laboratório de Geoprocessamento Universidade Católica

Leia mais

thomasmcz@hotmail.com 2 Doutor Prof. Instituto de Ciências Atmosféricas, ICAT/UFAL, email: dimas.barros91@hotmail.com

thomasmcz@hotmail.com 2 Doutor Prof. Instituto de Ciências Atmosféricas, ICAT/UFAL, email: dimas.barros91@hotmail.com ANÁLISE PRELIMINAR DA ESTIMATIVA DA TEMPERATURA E ALBEDO DE SUPERFÍCIE PARA MICRORREGIÃO DO BAIXO SÃO FRANCISCO NOS ESTADOS DE ALAGOAS E SERGIPE, UTILIZANDO O SENSOR TM DO LANDSAT 5 E O ALGORITMO SEBAL.

Leia mais

Subtração de imagens para detecção de mudanças na cobertura vegetal da bacia hidrográfica do Rio Alegre Alegre/ES

Subtração de imagens para detecção de mudanças na cobertura vegetal da bacia hidrográfica do Rio Alegre Alegre/ES ubtração de imagens para detecção de mudanças na cobertura vegetal da bacia hidrográfica do io Alegre Alegre/E Kennedy ibeiro da ilva 1 Daiani Bernardo Pirovani 1 Larice Nogueira de Andrade Alexandre osa

Leia mais

Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia dos Serviços Ambientais da Amazônia SERVAMB

Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia dos Serviços Ambientais da Amazônia SERVAMB 1 INCT-SERVAMB: Relatório MCT (of. Circ. 0247/10) Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia dos Serviços Ambientais da Amazônia SERVAMB Coordenador: Philip Martin Fearnside (pmfearn@inpa.gov.br) Vice-coordenador:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO - UFES CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS CCHN DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA DEFESA DE MONOGRAFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO - UFES CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS CCHN DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA DEFESA DE MONOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO - UFES CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS CCHN DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA DEFESA DE MONOGRAFIA Evolução temporal e espacial do uso e ocupação do solo para os anos

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO E SENSORIAMENTO REMOTO

FOTOINTERPRETAÇÃO E SENSORIAMENTO REMOTO FOTOINTERPRETAÇÃO E SENSORIAMENTO REMOTO PROFESSOR: RICARDO T. ZAIDAN ALAN BRONNY ALMEIDA PIRES DE MOURA ICH/DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS GEO 019 PRÉ-REQUISITO: CARTOGRAFIA TEMÁTICA 1 SOFTWARE ENVI O software

Leia mais

Produto 1. Mapas e figuras georreferenciadas contendo cicatrizes de queimadas para as regiões de interesse no Cerrado

Produto 1. Mapas e figuras georreferenciadas contendo cicatrizes de queimadas para as regiões de interesse no Cerrado Produto 1. Mapas e figuras georreferenciadas contendo cicatrizes de queimadas para as regiões de interesse no Cerrado Outubro de 2014 0 ARTURO EMILIANO MELCHIORI MAPAS E FIGURAS GEORREFERENCIADOS CONTENDO

Leia mais

Uso do Índice Normalizado de Diferença de Fração-NDFI para Mapeamento da Qualidade do Manejo Florestal em Paragominas-Pa

Uso do Índice Normalizado de Diferença de Fração-NDFI para Mapeamento da Qualidade do Manejo Florestal em Paragominas-Pa Uso do Índice Normalizado de Diferença de Fração-NDFI para Mapeamento da Qualidade do Manejo Florestal em Paragominas-Pa Bruno Monteiro FERREIRA¹; Tamires Raiane Damasceno RIBEIRO¹; Adriano Anastácio Cardoso

Leia mais

A dinâmica do desmatamento em duas cidades amazônicas: Rio Branco e Cruzeiro do Sul, Acre, no período de 1985 a 2003 uma análise preliminar.

A dinâmica do desmatamento em duas cidades amazônicas: Rio Branco e Cruzeiro do Sul, Acre, no período de 1985 a 2003 uma análise preliminar. A dinâmica do desmatamento em duas cidades amazônicas: Rio Branco e Cruzeiro do Sul, Acre, no período de 1985 a 2003 uma análise preliminar. Letícia Palazzi Perez 1 Homero Fonseca Filho 1 Tatiana Mora

Leia mais

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto 15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto O Sensoriamento Remoto é uma técnica que utiliza sensores, na captação e registro da energia refletida e emitida

Leia mais

Copyright Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), São José dos Campos-São Paulo

Copyright Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), São José dos Campos-São Paulo The text that follows is a REPRNT O texto que segue é um REPRNT. Please cite as: Favor citar como: Maldonado, F.D., P.M.L.A. Graça & P.M. Fearnside. 2007. Detecção de mudanças na cobertura vegetal da floresta

Leia mais

Zoneamento da região do Araripe para indicação de atividades florestais sustentáveis com base em dados orbitais

Zoneamento da região do Araripe para indicação de atividades florestais sustentáveis com base em dados orbitais Zoneamento da região do Araripe para indicação de atividades florestais sustentáveis com base em dados orbitais Iêdo Bezerra Sá¹ Tatiana Ayako Taura¹ Marcos Antônio Drumond¹ Tony Jarbas Ferreira Cunha¹

Leia mais

I ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE

I ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE I ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE 16 a 18 de novembro de 2009 Fundação Mokiti Okada Palestrante: Mônica Pavão Pesquisadora do Instituto Florestal INVENTÁRIO FLORESTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO INVENTÁRIO

Leia mais

USO DA TÉCNICA DE ANALISE POR COMPONENTE PRINCIPAL NA DETECÇÃO DE MUDANÇAS NA COBERTURA DO SOLO

USO DA TÉCNICA DE ANALISE POR COMPONENTE PRINCIPAL NA DETECÇÃO DE MUDANÇAS NA COBERTURA DO SOLO Samuel da Silva Farias, Graduando do curso de geografia da UFPE samuel.farias763@gmail.com Rafhael Fhelipe de Lima Farias, Mestrando do PPGEO/UFPE, rafhaelfarias@hotmail.com USO DA TÉCNICA DE ANALISE POR

Leia mais

Uso de técnicas de segmentação de imagens SAR JERS-1 na Floresta Amazônica. Gerardo Kuntschik 1 Luciano V. Dutra 1 Pedro Hernandez Filho 2

Uso de técnicas de segmentação de imagens SAR JERS-1 na Floresta Amazônica. Gerardo Kuntschik 1 Luciano V. Dutra 1 Pedro Hernandez Filho 2 Uso de técnicas de segmentação de imagens SAR JERS-1 na Floresta Amazônica Gerardo Kuntschik 1 Luciano V. Dutra 1 Pedro Hernandez Filho 2 Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE Av. dos Astronautas

Leia mais

Renzo Joel Flores Ortiz e Ilka Afonso Reis

Renzo Joel Flores Ortiz e Ilka Afonso Reis ESTIMAÇÃO DE POPULAÇÕES HUMANAS VIA IMAGENS DE SATÉLITE: COMPARANDO ABORDAGENS E MODELOS Renzo Joel Flores Ortiz e Ilka Afonso Reis Laboratório de Estatística Espacial (LESTE) Departamento de Estatística

Leia mais

Sistema de Avaliação dos Dados do Monitoramento da Cobertura Florestal da Amazônia por Satélite DETER

Sistema de Avaliação dos Dados do Monitoramento da Cobertura Florestal da Amazônia por Satélite DETER Sistema de Avaliação dos Dados do Monitoramento da Cobertura Florestal da Amazônia por Satélite DETER Maria Isabel Sobral Escada 1 Taise de Farias Pinheiro 1 Camilo Daleles Rennó 1 Silvana Amaral 1 Luis

Leia mais

UNIDADES DE VEGETAÇÃO DA MATA ESTRELA, MUNICÍPIO DE BAHIA FORMOSA - RN

UNIDADES DE VEGETAÇÃO DA MATA ESTRELA, MUNICÍPIO DE BAHIA FORMOSA - RN Anais III Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto Aracaju/SE, 25 a 27 de outubro de 2006 UNIDADES DE VEGETAÇÃO DA MATA ESTRELA, MUNICÍPIO DE BAHIA FORMOSA - RN DORADO, A. 1 ; MELERO,

Leia mais

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa O que é Sensoriamento Remoto? Utilização conjunta de sensores, equipamentos

Leia mais

O CRESCIMENTO URBANO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA-GO/BRASIL E SUA RELAÇÃO COM O FENÔMENO DE ILHAS DE CALOR

O CRESCIMENTO URBANO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA-GO/BRASIL E SUA RELAÇÃO COM O FENÔMENO DE ILHAS DE CALOR O CRESCIMENTO URBANO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA-GO/BRASIL E SUA RELAÇÃO COM O FENÔMENO DE ILHAS DE CALOR M.e Diego Tarley Ferreira Nascimento ¹; Dr. Ivanilton José de Oliveira ². ¹ Professor substituto da

Leia mais

O USO DO SENSORIAMENTO REMOTO ORBITAL NA PESQUISA SOCIOECONÔMICA

O USO DO SENSORIAMENTO REMOTO ORBITAL NA PESQUISA SOCIOECONÔMICA REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE AGRONOMIA ISSN: 1677-0293 Ano V Número 10 Dezembro de 2006 Periódico Semestral O USO DO SENSORIAMENTO REMOTO ORBITAL NA PESQUISA SOCIOECONÔMICA MARINO JUNIOR, Edgard Professor

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO

SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO Ana Luiza Bovoy Jônatas de Castro Gonçalves Thiemi Igarashi Vinicius Chequer e Silva LEVANTAMENTO DA COBERTURA VEGETAL ATRAVÉS DE PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO NAS

Leia mais

SIG-AML-LEB-UFF Metadado 31/05/04 Claudio Bohrer

SIG-AML-LEB-UFF Metadado 31/05/04 Claudio Bohrer SIG-AML-LEB-UFF Metadado 31/05/04 Claudio Bohrer SIG-AML Sistema de Informacoes Geo-referenciadas sobre a Amazonia Legal Laboratório de Ecologia e Biogeografia (LEB) Universidade Federal Fluminense (UFF)

Leia mais

O emprego do Geoprocessamento na Análise Espacial da Bacia Hidrográfica do Córrego Guariroba, Campo Grande MS

O emprego do Geoprocessamento na Análise Espacial da Bacia Hidrográfica do Córrego Guariroba, Campo Grande MS O emprego do Geoprocessamento na Análise Espacial da Bacia Hidrográfica do Córrego Guariroba, Campo Grande MS Raony Moreira Gomes Yamaciro Geógrafo raony.shiro@gmail.com Abstract. The present study aimed

Leia mais

A ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

A ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA A ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Diogo Luis Kurihara Universidade de Brasília - Departamento de Engenharia Florestal José Imaña-Encinas Universidade de Brasília - Departamento de Engenharia

Leia mais

SIMULAÇÃO DO EFEITO DO DESMATAMENTO NO CLIMA SOBRE ÁREAS DE TRANSIÇÃO NOS CERRADOS E AMAZÔNIA.

SIMULAÇÃO DO EFEITO DO DESMATAMENTO NO CLIMA SOBRE ÁREAS DE TRANSIÇÃO NOS CERRADOS E AMAZÔNIA. SIMULAÇÃO DO EFEITO DO DESMATAMENTO NO CLIMA SOBRE ÁREAS DE TRANSIÇÃO NOS CERRADOS E AMAZÔNIA. Fabio C.Cabral 1, Humberto R. Rocha 2, Edmilson D. Freitas 3 RESUMO: Este trabalho verifica as mudanças ocorridas

Leia mais

Modelagem espacial e temporal do uso do solo na bacia do Rio Doce no estado do Espírito Santo utilizando Sensoriamento Remoto e SIG

Modelagem espacial e temporal do uso do solo na bacia do Rio Doce no estado do Espírito Santo utilizando Sensoriamento Remoto e SIG Modelagem espacial e temporal do uso do solo na bacia do Rio Doce no estado do Espírito Santo utilizando Sensoriamento Remoto e SIG Resumo A Bacia Hidrográfica do Rio Doce apresenta uma extensão territorial

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE IRANDUBA AMAZONAS UTILIZANDO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS E ÍNDICES DE COBERTURA VEGETAL

ANÁLISE DA QUALIDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE IRANDUBA AMAZONAS UTILIZANDO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS E ÍNDICES DE COBERTURA VEGETAL ANÁLISE DA QUALIDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE IRANDUBA AMAZONAS UTILIZANDO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS E ÍNDICES DE COBERTURA VEGETAL Roberta Monique da Silva Santos, FSDB, robertamonicke@gmail.com

Leia mais

Áreas de endemismo Belém e Xingu: configuração e espacialização do uso da terra e da cobertura vegetal

Áreas de endemismo Belém e Xingu: configuração e espacialização do uso da terra e da cobertura vegetal 05 Áreas de endemismo Belém e Xingu: configuração e espacialização do uso da terra e da cobertura vegetal Arlete Silva de Almeida, Ima Célia Guimarães Vieira, Márcia Nazaré Rodrigues Barros, Danusa di

Leia mais

COMPARAÇÃO DE CLASSIFICAÇÃO COM IMAGENS DE ALTA E MÉDIA RESOLUÇÃO ESPACIAL EM ÁREAS DE SAVANA ARBORIZADA Nº 13510

COMPARAÇÃO DE CLASSIFICAÇÃO COM IMAGENS DE ALTA E MÉDIA RESOLUÇÃO ESPACIAL EM ÁREAS DE SAVANA ARBORIZADA Nº 13510 COMPARAÇÃO DE CLASSIFICAÇÃO COM IMAGENS DE ALTA E MÉDIA RESOLUÇÃO ESPACIAL EM ÁREAS DE SAVANA ARBORIZADA Ana Helena Gameiro Flosi¹ a ; Lays Carolline Negri de Souza 1a ; Gustavo Bayma Siqueira da Silva

Leia mais

INFLUÊNCIA DA OCUPAÇÃO URBANA NO MEIO AMBIENTE DA PLANÍCIE COSTEIRA DO CAMPECHE SC, COM O USO DE GEOPROCESSAMENTO

INFLUÊNCIA DA OCUPAÇÃO URBANA NO MEIO AMBIENTE DA PLANÍCIE COSTEIRA DO CAMPECHE SC, COM O USO DE GEOPROCESSAMENTO INFLUÊNCIA DA OCUPAÇÃO URBANA NO MEIO AMBIENTE DA PLANÍCIE COSTEIRA DO CAMPECHE SC, COM O USO DE GEOPROCESSAMENTO PROFª MSC. MARIANE ALVES DAL SANTO MAURICIO SILVA Laboratório de Geoprocessamento - GeoLab

Leia mais

Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Autores:

Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Autores: Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Desafios Uma cidade com a natureza exuberante e diferenciada merece um levantamento a sua altura: Inédito Único no Brasil Multidisciplinar

Leia mais

DINÂMICA DA COBERTURA VEGETAL E USO DO SOLO NO ENTORNO DO PARQUE ESTADUAL DO UTINGA (PEUt), BELÉM-PA

DINÂMICA DA COBERTURA VEGETAL E USO DO SOLO NO ENTORNO DO PARQUE ESTADUAL DO UTINGA (PEUt), BELÉM-PA DINÂMICA DA COBERTURA VEGETAL E USO DO SOLO NO ENTORNO DO PARQUE ESTADUAL DO UTINGA (PEUt), BELÉM-PA Alberto Bentes Brasil Neto 1 ; Arllen Élida Aguiar Paumgartten 2 ; Aline Nascimento Braga 3 ; Maria

Leia mais

COMPARAÇÃO TABULAR DA EXPANSÃO URBANA DOS MUNICÍPIOS DE ITAPEMA, PORTO BELO E BOMBINHAS EM SANTA CATARINA, BRASIL, NO PERÍODO DE 1985 A 2002.

COMPARAÇÃO TABULAR DA EXPANSÃO URBANA DOS MUNICÍPIOS DE ITAPEMA, PORTO BELO E BOMBINHAS EM SANTA CATARINA, BRASIL, NO PERÍODO DE 1985 A 2002. COMPARAÇÃO TABULAR DA EXPANSÃO URBANA DOS MUNICÍPIOS DE ITAPEMA, PORTO BELO E BOMBINHAS EM SANTA CATARINA, BRASIL, NO PERÍODO DE 1985 A 2002. Janaina Sant Ana Maia Santos* UFSC - Universidade Federal de

Leia mais

ESTUDO DE CASO: ÍNDICE DE UMIDADE DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR MODIS PARA O MUNICÍPIO DE BELEM DO SÃO FRANCISCO, PE

ESTUDO DE CASO: ÍNDICE DE UMIDADE DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR MODIS PARA O MUNICÍPIO DE BELEM DO SÃO FRANCISCO, PE ESTUDO DE CASO: ÍNDICE DE UMIDADE DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR MODIS PARA O MUNICÍPIO DE BELEM DO SÃO FRANCISCO, PE Pabrício Marcos Oliveira Lopes 1, Glawber Spíndola Saraiva de Moura 2 1 Prof.

Leia mais

Análise por vetor de mudança do uso e ocupação daterra da ilha de Caratateua PA. Joelma da Silva Costa¹ Jadson Queiroz da Silva² Marcos Adami²

Análise por vetor de mudança do uso e ocupação daterra da ilha de Caratateua PA. Joelma da Silva Costa¹ Jadson Queiroz da Silva² Marcos Adami² Análise por vetor de mudança do uso e ocupação daterra da ilha de Caratateua PA Joelma da Silva Costa¹ Jadson Queiroz da Silva² Marcos Adami² 1 Universidade Federal do Pará UFPA Rua Augusto Corrêa, 01

Leia mais

Reinaldo Lúcio Gomide Embrapa Milho e Sorgo

Reinaldo Lúcio Gomide Embrapa Milho e Sorgo DETERMINAÇÃO DA VARIABILIDADE ESPAÇO-TEMPORAL DE DEMANDA HÍDRICA E PRODUTIVIDADE DA ÁGUA EM ESCALA REGIONAL POR MEIO DE TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO AGRÍCOLA, ASSOCIADAS À MODELAGEM, GEOPROCESSAMENTO

Leia mais

O DESMATAMENTO, A MUDANÇA A CLIMÁTICA E O EQUILIBRIO ECOLÓGICO REGIONAL

O DESMATAMENTO, A MUDANÇA A CLIMÁTICA E O EQUILIBRIO ECOLÓGICO REGIONAL O DESMATAMENTO, A MUDANÇA A CLIMÁTICA E O EQUILIBRIO ECOLÓGICO REGIONAL Carlos Nobre, Gilvan Sampaio, Luis Salazar CPTEC/INPE A PROBLEMÁTICA DO DESMATAMENTO NA AMAZÔNIA LEGAL E SEU PAPEL NAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Disciplina: Monitoramento e Controle Ambiental Prof.: Oscar Luiz Monteiro de Farias Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Andrei Olak Alves 2 espectro visível ultravioleta Sol infravermelho

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS ÍNDICES DE VEGETAÇÃO NDVI E SAVI NA MICRORREGIÃO DO VALE DO PAJEÚ-PE

ANÁLISE COMPARATIVA DOS ÍNDICES DE VEGETAÇÃO NDVI E SAVI NA MICRORREGIÃO DO VALE DO PAJEÚ-PE ANÁLISE COMPARATIVA DOS ÍNDICES DE VEGETAÇÃO NDVI E SAVI NA MICRORREGIÃO DO VALE DO PAJEÚ-PE Heliofábio Barros Gomes 1, Yasmim Uchoa da Silva 1, Maurílio Neemias dos Santos 1, Ricardo Antonio Mollmann

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE QUEIMADAS NOS CAMPOS DE CIMA DA SERRA, RS, ATRAVÉS DOS ÍNDICES NDVI E NBR INTRODUÇÃO

IDENTIFICAÇÃO DE QUEIMADAS NOS CAMPOS DE CIMA DA SERRA, RS, ATRAVÉS DOS ÍNDICES NDVI E NBR INTRODUÇÃO IDENTIFICAÇÃO DE QUEIMADAS NOS CAMPOS DE CIMA DA SERRA, RS, ATRAVÉS DOS ÍNDICES NDVI E NBR BRUNO DEPRÁ¹ DINIZ CARVALHO DE ARRUDA¹ TATIANA MORA KUPLICH² Universidade Federal de Santa Maria-UFSM¹ Instituto

Leia mais

Avaliação das mudanças de uso do solo na bacia hidrográfica do rio Manso MT Brasil

Avaliação das mudanças de uso do solo na bacia hidrográfica do rio Manso MT Brasil Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.6081 Avaliação das mudanças de uso do solo na bacia hidrográfica do rio Manso

Leia mais

Sanae Hayashi; Carlos Souza Jr.; Márcio Sales & Adalberto Veríssimo (Imazon) RESUMO

Sanae Hayashi; Carlos Souza Jr.; Márcio Sales & Adalberto Veríssimo (Imazon) RESUMO Agosto de 2011 Amazônia Legal Sanae Hayashi; Carlos Souza Jr.; Márcio Sales & Adalberto Veríssimo (Imazon) RESUMO O SAD detectou 240 quilômetros quadrados de desmatamento na Amazônia Legal em agosto de

Leia mais

REVISÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCH PIEDADE JUNHO/2007

REVISÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCH PIEDADE JUNHO/2007 REVISÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL JUNHO/27 VOLUME II ANEXOS ANEXO I DESENHOS... 1 Revisão do Plano de Controle Ambiental PCH Piedade Junho/27 ANEXO I DESENHOS Sigla PIE-CAN-2 PIE-ACE-2 PIE-RESG-1

Leia mais

característica dos dados, cálculos, incertezas e sistema de monitoramento Ane Alencar

característica dos dados, cálculos, incertezas e sistema de monitoramento Ane Alencar Carbono florestal nos estados da Amazônia Brasileira: característica dos dados, cálculos, incertezas e sistema de monitoramento Ane Alencar Conteúdo O que é o carbono? Como podemos medir? Quais os tipos

Leia mais

LEVANTAMENTO DE ÁREAS DESFLORESTADAS NA AMAZÔNIA ATRAVÉS DE PROCESSAMENTO DIGI- TAL DE IMAGENS ORBITAIS

LEVANTAMENTO DE ÁREAS DESFLORESTADAS NA AMAZÔNIA ATRAVÉS DE PROCESSAMENTO DIGI- TAL DE IMAGENS ORBITAIS LEVANTAMENTO DE ÁREAS DESFLORESTADAS NA AMAZÔNIA ATRAVÉS DE PROCESSAMENTO DIGI- TAL DE IMAGENS ORBITAIS YOSIO E. SHIMABUKURO PhD, Eng. Florestal, DSR-INPE VALDETE DUARTE Mestre, Eng. Agrônomo, DSR-INPE

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

INTERPOLADOR GEOESTATÍSTICO COMO FERRAMENTA DE PREDIÇÃO DA VEGETAÇÃO NATIVA EM ÁREAS ANTROPIZADAS NO BIOMA CERRADO EM GOIÁS E NO DISTRITO FEDERAL

INTERPOLADOR GEOESTATÍSTICO COMO FERRAMENTA DE PREDIÇÃO DA VEGETAÇÃO NATIVA EM ÁREAS ANTROPIZADAS NO BIOMA CERRADO EM GOIÁS E NO DISTRITO FEDERAL INTERPOLADOR GEOESTATÍSTICO COMO FERRAMENTA DE PREDIÇÃO DA VEGETAÇÃO NATIVA EM ÁREAS ANTROPIZADAS NO BIOMA CERRADO EM GOIÁS E NO DISTRITO FEDERAL Cassio Henrique Giusti CEZARE 1 Nilson Clementino FERREIRA

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES NDVI, NDBI E NDWI COMO FERRAMENTAS AO MAPEAMENTO DO USO E COBERTURA DA TERRA

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES NDVI, NDBI E NDWI COMO FERRAMENTAS AO MAPEAMENTO DO USO E COBERTURA DA TERRA Renata dos Santos Cardoso Mestranda em Geografia da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UNESP, campus de Presidente Prudente-SP. E-mail: renatacardoso16@gmail.com Margarete Cristiane de Costa Trindade

Leia mais