TÍTULO DO TRABALHO: Um estudo sobre a diversificação de investimentos em carteiras internacionais.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÍTULO DO TRABALHO: Um estudo sobre a diversificação de investimentos em carteiras internacionais."

Transcrição

1 ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: FINANÇAS TÍTULO DO TRABALHO: Um estudo sobre a dversfcação de nvestmentos em carteras nternaconas. AUTORES LUIZ EGYDIO MALAMUD ROSSI FEA - USP MARCEL DOUMEN Unversdade de São Paulo ALBERTO SUEN Unversdade de São Paulo ALMIR FERREIRA DE SOUSA Unversdade de São Paulo RESUMO O presente artgo apresenta um panorama do desempenho em termos de rsco e retorno dos índces de ações das bolsas de 46 países em dos períodos consecutvos, de 995 a 000 e de 000 a 005. Estudaram-se as correlações entre os mercados aconáros dos países e as carteras compostas pelas bolsas dos países emergentes e desenvolvdos representadas pelos seus índces. Evdencam-se alterações no comportamento do mercado entre os dos períodos analsados em decorrênca do ncremento do processo de globalzação e da maor ntegração dos mercados mundas. Defnem-se três fronteras efcentes compostas pelo conunto dos países emergentes, desenvolvdos e pela totaldade dos países. Verfcam-se alterações no posconamento das fronteras dos três conuntos de atvos nos dos períodos, fato que ndca alterações no nível de ntegração no mercado aconáro nternaconal. Por meo da análse das fronteras efcentes construídas e pela técnca empregada, conclu-se pela vantagem de se nvestr em carteras dversfcadas por parte do nvestdor nternaconal. A estruturação de carteras com mercados aconáros de países emergentes, a partr de determnado patamar de rsco, se mostraram domnantes com relação às carteras compostas exclusvamente por países desenvolvdos. ABSTRACT Ths paper analyzes rsk and return performances of shares ndexes of 46 stock markets durng two consecutve perods, from 995 to 000 and from 000 to 005. We calculated the correlatons between the countres and portfolos composed by emergent and developed. The results showed changes n market behavor of the two perods analyzed due globalzaton and ncreasng n global market ntegraton. We constructed tree effcent fronters wth the clusters of emergent and development countres and the market portfolo. We verfed changes n the postonng of the tree fronters through the two perods, fact that confrm changes n the ntegraton and correlaton level of nternatonal market. Based on the analyses of the

2 effcent fronters and on the methodology utlzed we verfy that s worthwhle to buld nternatonal portfolos. Consderng certan level of rsk, emergent portfolos showed hgher performance than ones contanng developed countres. PALAVRAS CHAVE: Investmentos nternaconas, carteras de nvestmentos, fronteras efcentes. SUMÁRIO. Introdução. A stuação problema 3. Revsão bblográfca 4. Metodologa de pesqusa e Análse dos resultados 5 Conclusão 6 Bblografa. INTRODUÇÃO. O presente trabalho obetva analsar a dversfcação nternaconal contrbundo para a análse do rsco ncorrdo pelos nvestdores nternaconas. Este artgo apresenta um panorama do desempenho em termos de rsco e retorno dos índces de ações das prncpas bolsas de 46 países em dos períodos consecutvos, de 995 a 000 e de 000 a 005. Analsam-se correlações entre os mercados aconáros dos países e as carteras compostas pelas bolsas dos países emergentes, desenvolvdos e a cartera global hpotétca composta pelas bolsas ponderadas pelo PIB Produto Interno Bruto dos países. Busca-se evdencar alterações no comportamento do mercado entre os dos períodos analsados em decorrênca do ncremento do processo de globalzação e da maor ntegração dos mercados mundas. As varações mensas são calculadas em dólar, procedmento que permte a ncorporação do rsco cambal na análse. Elabora-se um correlograma que contém as correlações entre cada mercado e os demas países, gerando-se 035 resultados. O hstograma dos dados observados fornece a méda e o ntervalo para se classfcar as mesmas e as observações fora do ntervalo são classfcadas como altas ou baxas. Assm, comparam-se o número de correlações nesta stuação de extremos em cada anela de análse para se verfcarem alterações sgnfcatvas no nível de ntegração nos dos períodos analsados. Defnem-se três fronteras efcentes compostas pelo conunto dos países emergentes, desenvolvdos e pela totaldade dos países. Os crtéros mínma varânca, mínmo retorno e concavdade das fronteras são empregados para verfcar a exstênca de domnânca entre as mesmas. Verfcam-se, nclusve, alterações no posconamento das fronteras dos três conuntos de atvos nos dos períodos fato que ndca alterações no nível de ntegração no mercado aconáro nternaconal. Adconalmente, defne-se a auto-correlação de cada mercado como uma medda de prevsbldade e a méda ponderada das correlações como uma medda de ntegração. A partr destas estatístcas os países são separados em quatro grupos obetvando-se classfcá-los em termos de efcênca de mercado e grau de ntegração. Por meo da análse das fronteras efcentes construídas e pela técnca empregada, conclu-se pela vantagem de se nvestr em carteras dversfcadas por parte do nvestdor

3 nternaconal, mas verfca-se que o efeto postvo da dversfcação reduzu-se no período mas recente. Na prmera seção apresentam-se os obetvos e as metodologas empregadas no estudo. Na segunda seção descrevem-se a stuação problema e na tercera seção a revsão bblográfca. A metodologa de pesqusa e os resultados obtdos são apresentados na seção 4 e conclu-se na seção 5.. A SITUAÇÃO PROBLEMA... Rscos em Investmentos Internaconas Os nvestdores nternaconas analsam as correlações entre os dversos países, pos estas permtem a dversfcação da cartera e a conseqüente redução do rsco dversfcável. Correlações elevadas aumentam a preocupação dos nvestdores, prncpalmente, quando os mercados estão em queda. O nvestdor em mercados de captas nternaconas enfrenta dos tpos prncpas de rscos: o cambal que está assocado à volatldade da taxa de câmbo da moeda do país onde os fluxos serão gerados e o rsco de não repatrar os recursos. O rsco para um nvestdor resdente em outro país decorre da localzação dos fluxos que remuneram o captal nvestdo e estão assocados às característcas específcas de cada país onde se realza o nvestmento. Denomnou-se este rsco adconal como rsco país. Na prátca, separam-se os dferentes rscos ncorrdos pelo nvestdor estrangero, destacando-se o rsco de crédto, ou sea, a possbldade do tomador local dos recursos não honrar seus compromssos; o rsco assocado às osclações das característcas ntrínsecas dos atvos, como taxas de uros, prazos, moedas e ndexadores, dentre os quas destacamos o cambal; e o rsco do resultado do nvestmento não ser convertdo em moeda estrangera ou não poder ser retornado ao país de orgem... Rsco País Concetualmente, os fluxos orundos do nvestmento podem ser retdos nternamente por razões econômcas do país emergente, caso este não dsponha de recursos sufcentes para converter a moeda naconal em estrangera, ou por questões legas vnculadas a questões socas e polítcas. Assm, mesmo que o nvestmento tenha sdo rentável, exste a possbldade do nvestdor não receber dvdendos, prncpal, uros ou mesmo, vender seus atvos e repatrar os recursos. Os rscos econômcos e polítcos são componentes do rsco país. Um determnado país que não detenha reservas em moeda estrangera em montante sufcente para honrar seus compromssos externos, prvados ou públcos, encontra-se em moratóra cambal. A moratóra cambal é conseqüênca da maor saída de moeda estrangera e da ncapacdade das autordades monetáras dsporem de recursos em moeda forte. Neste caso, um nvestdor não resdente no país depostará moeda local em um banco para comprar dólares ou outra moeda forte e este, em função de escassez de moedas fortes no mercado, recorrerá ao Bacen para comprá-las, que pode não atender esta demanda. Neste caso, em conseqüênca da falta de moeda forte, os recursos fcarão depostados em reas na autordade monetára sem o devdo envo para o exteror. Esta carênca de reservas de moedas estrangeras, orundas da maor saída de recursos do que entrada de nvestmentos externos, dretos ou não, deve-se a problemas econômcos como, por exemplo, desequlíbro nas contas públcas, mas assoca-se, também à nstabldade polítca. O componente polítco do rsco, decorrente de desequlíbros socas, guerras ou

4 mudanças de regme, pode ser a causa da maor remessa de captas. No cenáro de nstabldade polítca ou econômca, os nvestdores locas aumentam a remessa de recursos para o exteror e os nvestdores não-resdentes reduzem seus nvestmentos no país, por receo de possíves perdas na data do retorno dos recursos. Observa-se que os componentes econômcos e polítcos do rsco país estão nter-relaconados. O nvestdor pode alocar recursos nvestndo em ações de companhas abertas negocadas em bolsa ou partcpações em empresas fechadas; em títulos de dívda soberana e das empresas; e em lnhas destnadas ao fnancamento do comérco exteror; ncorrendo em rsco país. Para se remunerar por este rsco, este nvestdor externo deve demandar taxas superores às requerdas nos atvos de rsco semelhante sedados em países desenvolvdos. O rsco país ncorrdo pelo nvestdor externo pode ser nserdo na formação do custo de captal ou na proeção dos fluxos de caxa. Devdo à facldade de compreensão, o rsco país é usualmente acrescentado na taxa de desconto. O aumento na percepção do rsco país pelos nvestdores estrangeros deve, teorcamente, reduzr o valor das empresas em suas avalações devdo ao aumento da taxa de desconto a ser aplcada nos fluxos de caxa proetados. Na determnação do K p, custo do captal própro, K d, custo do captal de terceros, e, conseqüentemente, WACC, custo médo ponderado de captal, o nvestdor stuado em outro país, deve adconar à taxa de desconto o componente de rsco do país onde a empresa está localzada. Os nvestdores nternaconas não realzam análses detalhadas do rsco dos países emergentes e utlzam ndcadores desenvolvdos por empresas especalzadas. Assm, é de vtal mportânca analsar se as metodologas utlzadas pelo mercado fnancero para avalar o rsco país são apropradas para corretamente avalar os rscos ncorrdos em seus nvestmentos nternaconas..3 Rsco Cambal O rsco cambal está assocado à volatldade da taxa de câmbo da moeda do país onde os fluxos serão gerados e o rsco país assoca-se com a stuação econômco-fnancera e nsttuconal do país de destno dos nvestmentos. O prmero está lgado à perspectva de desvalorzação da moeda local com relação à moeda de orgem após a realzação do nvestmento. A desvalorzação da moeda local é dada pelo aumento da taxa de câmbo entre os dos países (tendo como referênca a moeda do país de orgem do nvestmento). Exste a possbldade de que o nvestmento realzado não sea lqudado, mplcando na exstênca de rsco de não pagamento ou, mesmo, rsco país. Entretanto, na possbldade do nvestdor estrangero comprar um papel do governo local de um país desenvolvdo, o potencal de perda se referrá ao rsco cambal. O mercado de cambo apresenta forte volatldade mplcando em alto rsco cambal para os nvestdores nternaconas. O rsco cambal pode ser consderado nos fluxos através da elaboração das proeções em moeda forte e realzando-se smulações para o mpacto das mudanças nas taxas de câmbo no fluxo..4 Dversfcação Internaconal O rsco total dos atvos é repartdo em rsco sstemátco, ou do mercado, e rsco não sstemátco, ou dversfcável. O rsco sstemátco não pode ser atenuado e cada atvo responde dferentemente ao mercado. O rsco não sstemátco pode ser reduzdo através da dversfcação, caso a cartera contenha atvos com correlação baxa ou negatva entre s.

5 O rsco sstemátco é mensurado pelo Beta que ndca o relaconamento dos retornos do atvo com o mercado de referênca. A adção de cada atvo à cartera contrbu com parcela do rsco sstemátco. O beta é a contrbução para a varânca de uma cartera dversfcada. Na hpótese de ausênca de restrções ao fluxo fnancero nternaconal, entendem-se os dversos mercados aconáros como atvos, vsto que os nvestdores podem alocar recursos entre as bolsas de cada país. Defne-se como cartera global a cartera hpotétca composta pelas bolsas dos países ponderadas pela sua relevânca no mercado total. A montagem de carteras tem por obetvo, entre outros fatores, reduzr o rsco dversfcável e os admnstradores de nvestmentos nternaconas podem replcar a cartera global para reduzr o rsco. Para que esse processo sea efetvo, os atvos nternaconas, mas especfcamente os dversos mercados aconáros, devem apresentar correlação sufcentemente baxa para permtr uma redução sgnfcatva do rsco da cartera. Desta forma, a verfcação da exstênca do rsco dversfcável é de vtal mportânca na determnação na taxa requerda pelo nvestdor. A mensuração do rsco país é mportante em dos contextos: na mpossbldade de dversfcação entre os mercados e caso o nvestdor sea segmentado. O nvestdor que realza um nvestmento únco em outro país deverá agregar o rsco país ao calcular o custo de captal. Testa-se a exstênca do rsco país calculando-se o grau de correlação entre os mercados. Caso a correlação entre estes sea baxa ou negatva pode-se reduzr o rsco dversfcável através da montagem de uma cartera global de nvestmentos. Alta correlação entre os mercados mplca em se consderar o rsco país e na necessdade de se agregar um prêmo de rsco na taxa requerda pelo nvestdor nternaconal. 3. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA. Frankel (99) conclu que em função da maor ntegração dos mercados, apesar da permanênca de certas barreras comercas, o prêmo pelo rsco país não é mas relevante mportando a varabldade do câmbo, ou sea, o rsco da osclação das moedas. Harvey e Zhou (993) nvestgaram a efcênca do índce de mercados aconáros global, MSCI, Morgan Stanley Captal Internatonal. Utlzaram dados de 6 países e não reetaram a efcênca do índce como referênca. Concluíram pela sgnfcânca do rsco sstemátco sendo que os Betas afetaram as taxas de retorno. Bekaert e Harvey (995) desenvolveram um modelo para estmar os retornos esperados em países segmentados dos mercados de captal nternaconal. Os países apresentaram dversos graus de ntegração com os mercados mundas. As pesqusas foram conduzdas com três hpóteses para os mercados globas: completa ntegração, segmentação total e segmentação parcal constante. Propõem uma quarta hpótese onde a ntegração não é constante no tempo. Afrmam que a correlação do mercado de captal de um país com outro é uma medda de ntegração, mas consderam que certos mercados podem ser ntegrados e ter um conunto de ndústras negatvamente correlaconado com o conunto global. Harvey (995) altera sua posção e reeta o CAPM Global. Analsando dados de 0 países até 995, este autor verfcou que, apesar das altas volatldades, exste baxa correlação entre mercados emergentes e desenvolvdos, permtndo a montagem de carteras dversfcadas. Boucrelle, Fur e Solnk (996) observaram que a correlação das ações e títulos vara no tempo e que a correlação nternaconal aumenta quando os mercados dos países estão volátes. Afrmam que a correlação não cresceu fortemente nos 0 anos precedentes a 996 e que fatores locas foram mas mportantes do que fatores nternaconas.

6 Lttell (997) verfcou que a maor ntegração dos mercados aumentou a correlação entre os países. Adconalmente, observou que os mercados emergentes apresentaram retornos superores (6,% de crescmento contra,% ao ano nos mercados desenvolvdos) no período compreenddo entre 99 e 995. Os mercados aconáros como um todo, se tornaram mas arrscados e os mercados emergentes contrbuíram para reduzr o rsco da cartera global. A correlação méda entre os mercados desenvolvdos e os emergentes fo 0,4 quando comparada com 0.36 dos mercados desenvolvdos soladamente. De Sants e Gerard (997) Usaram procedmentos estatístcos para solar o componente cambal do prêmo pelo rsco. Usaram o modelo Garch para testar o CAPM condconal nos oto maores mercados aconáros e verfcaram o contágo nestes mercados em períodos depressvos e a possbldade de ganhos para o nvestdor amercano caso este dversfque nternaconalmente. Stulz (999) examnou o mpacto da globalzação no custo de captal e verfcou a redução na taxa requerda pelos nvestdores devdo à dmnução dos custos de transação. Verfcou-se que o custo de captal, por segmento econômco, decresce conforme aumenta a ntegração entre os países apesar deste efeto não ser tão acentuado quanto se esperava. Lombard, Roulet e Solnk (999) verfcaram a maor ntegração dos mercados fnanceros e que o preço das ações é mas afetado por fatores globas do que fatores nternos. Este argumento contradz o trabalho de Solnk, Boucrelle e Fur (996) onde se afrma que os fatores locas são mas mportantes. O valor das ações das empresas amercanas estudadas fo fortemente afetado pelas atvdades no exteror. Bekaert e Harvey (000) verfcaram que a nserção de um país na economa global, em decorrênca da lberalzação dos mercados emergentes, reduz o custo de captal e aumenta a volatldade de seu mercado aconáro. Longn e Solnk (00) testaram a hpótese de que a correlação dos mercados de captas nternaconas aumenta nos períodos de volatldade e concluem que é fraco o relaconamento entre a volatldade e as correlações. A correlação aumenta em mercados em queda, mas não em mercados em crescmento. Bansal e Dahlqust (00) utlzaram o CAPM mundal para testar o rsco sstemátco. Após a seleção da amostra observaram que o modelo de rsco sstemátco operou adequadamente mesmo consderando as dferenças no prêmo do mercado aconáro. Harvey et al (00) afrmam haverem evdencas de que os mercados aconáros se tornam mas correlaconados durante períodos depressvos. Hardouvels, et all (004) analsaram o efeto da ntegração européa na dmnução do custo de captal. A redução verfcada deve-se à redução na taxa lvre de rsco dos países, devdo a menor perspectva nflaconára, e à dmnução do prêmo pelo rsco dos mercados aconáros decorrente da elmnação do rsco cambal após a ntrodução do euro no mercado comum europeu. Demonstraram que este custo ca entre 0,5 e 3 pontos-base a partr de 990. Verfcaram que exste uma tendênca do custo do captal de empresas de um mesmo segmento convergr devdo ao alnhamento dos betas. Por outro lado, observaram que a convergênca entre os países não fo expressva. Concluem que o efeto país para a convergênca do custo de captal tornou-se menos relevante do que o efeto segmento. 4. METODOLOGIA DE PESQUISA. 4.. Amostra.

7 Defnram-se como países com economas relevantes para a análse aqueles com PIB, Produto Interno Bruto, superor a 50 blhões de dólares. Os países com PIB per capta maor que US$ foram consderados desenvolvdos e os demas como emergentes. Obtveram-se as cotações do últmo da de negocação de cada mês dos prncpas índces de mercado de 46 pases entre os anos de 995 a 005, assm como as taxas de câmbo da moeda local de cada país em relação ao dólar. Utlzaram-se retornos logartmos r t = ln rt ln rt para representar as varações mensas dos mercados aconáros. 4.. Estatístcas descrtvas. Montaram-se carteras dos conuntos de países desenvolvdos, emergentes e globas de n = 46 pases ponderando-se os retornos pelo seu respectvo PIB. Os R t,, retornos das carteras, são dados pela equação, descrta a segur: Equação. n R t, = n rt, PIB I, PIB I, = = 0 se Sendo = {desenvolvdos}, {emergentes} e {global} e I, = se Calcularam-se as médas pela equação e os desvos padrões pela equação 3, para cada período k. ; Equação. m = T k Tk t= R t, ; Equação 3. d T R = ( R ) T k k t,, t t t t= Tk ( Tk ) ; As dstorções, uma medda de assmetra da dstrbução das carteras, foram calculadas pela equação 4 e as curtoses, uma medda da cauda da dstrbução, pela equação 5. Equação 4. T Rt, m k ( )( ) dst = ; t Tk Tk d 3 Equação 5. Tk ( Tk + ) ( T )( T )( T 3) 4 3( Tk ) ( T )( T 3) Rt, m c = ; t Tk k k k d k k As auto-correlações, que permtem avalar o grau de prevsbldade dos dados, foram calculadas pela equação 6. Tk τ ( R )( ) t t, m Rt, m = + τ Tk Equação 6. ρ, τ =. d

8 Apresentam-se, na tabela, as estatístcas descrtvas das prncpas bolsas de 46 países para o período k =, de /95 a /00. Tabela : Estatístcas descrtvas do período de 95 a Meda Desvo padrão Dstorção Curtoses Autocorrelação Autocorrelação Emergentes 0,09% 7,35% -,83 7,35 0,75-0,005 Desenvolvdos 0,98% 4,5% -0,954,898-0,07-0,007 Global 0,8% 4,48% -,38 4,0-0,05-0,040 Brasl,6% 4,% -,085,930 0,046-0,55 O nvestmento em bolsas de mercados desenvolvdos apresentou um melhor retorno e menor rsco do que verfcado para os países emergentes. As dstorções negatvas e médas postvas dos quatro conuntos de dados ndcam a possbldade de ganhos elevados em decorrênca da exstênca de valores extremos postvos. A curtose postva dos países emergentes, superor a dos países desenvolvdos, característca denomnada como cauda gorda, demonstra a maor freqüênca de valores extremos nesta cartera. A elevada auto-correlação de nível dos mercados emergentes é uma medda de nefcênca destes mercados. As estatístcas dos mercados para o período K=, de /00 a /05, são apresentadas na tabela. Tabela : Estatístcas descrtvas do período de 00 a Meda Desvo padrão Dstorção Curtoses Autocorrelação Autocorrelação Emergentes,7% 5,8% -0,644-0,055 0,44 0,094 Desenvolvdos -0,% 4,58% -0,90 0,634 0,09 0,043 Global 0,4% 4,5% -0,89 0,53 0,8 0,06 Brasl,5% 3,0% -0,99,359 0,05 0,84 O período mas recente fo caracterzado pela reversão da relação de domnânca entre desenvolvdos e emergentes. Os países emergentes apresentaram um melhor retorno e redução do rsco. O Brasl apresentou retornos elevados e rsco superor ao evdencado no mercado global. Aparentemente, o problema de elevada curtose verfcado no período anteror, fo reduzdo no período. O aumento da auto-correlação, pode ndcar que o mercado global se tornou menos efcente neste período Correlações em dólar. As correlações dos 46 países foram calculadas pela equação 7, para os dos períodos. A análse dos resultados permte avalar o grau de relaconamento entre os países. Equação 7. ρ, = T k ( R m )( R m ) Tk t = t, t, d d 4.3.a. Análse das correlações entre as carteras.

9 Apresentam-se os resultados das carteras dos países emergentes, desenvolvdos e da cartera global, nas tabelas 3 e 4, abaxo: Tabela 3: Correlações e varâncas (correlograma), para o período : Período (95-00) Emergentes Desenvolvdos Global Emergentes 0,0054 0,7793 0,87379 Desenvolvdos 0,7793 0,007 0,9683 Global 0, ,9683 0,003 Tabela 4: Correlações e varâncas (correlograma), para o período : Período (00-05) Emergentes Desenvolvdos Global Emergentes 0,006 0,7653 0,85736 Desenvolvdos 0,7653 0,000 0,96534 Global 0, , ,000 As varâncas das carteras foram posconadas na dagonal prncpal do correlograma. Observa-se, que a varânca dos emergentes dmnu pela metade. A correlação entre as carteras dos emergentes com os desenvolvdos se eleva, mesmo em pequeno montante, no período, o que é um ndcador de maor ntegração global e o mesmo acontece com a correlação entre a cartera dos desenvolvdos com a global. A correlação dos países emergentes com a cartera global se reduz. Pode-se ntur que os pases desenvolvdos passaram a exercer maor poder sobre os emergentes e na economa global. 4.3.b. Análse da magntude das correlações entre os países. A amostra de correlações entre os países é representada por ρ = { ρ } n,, sendo e =, = referentes aos países. Buscou-se classfcar as correlações obtdas para desenvolver outra medda do grau de ntegração nternaconal. Defnram-se ca = { ρ, tal que ρ, > ρ90 % e } como correlações altas e cb = { ρ, tal que ρ, < ρ0% e } como correlações baxas. ρ 0 % e ρ90% são as correlações maores que 0% e 90% da população de correlações, respectvamente. As tabelas 5 e 6 mostram como o número de correlações altas e baxas se alterou nos dos períodos. Tabela 5: Intensdade das correlações entre os países (período ). Período Correlações Emergentes e emergentes Desenvolvdos e desenvolvdos Emergentes e desenvolvdos Correlações Lmtes Altas ,6957 Baxas , Tabela 6: Intensdade das correlações entre os países (período ). Período Correlações Emergentes e emergentes Desenvolvdos e desenvolvdos Emergentes e desenvolvdos Correlações Lmtes Altas ,784583

10 Baxas , Observam-se, nos dos períodos, uma maor freqüênca de correlações baxas quando analsamos as correlações entre países desenvolvdos e emergentes. Esta característca ndca que é atratvo montar carteras dversfcadas entre os dos grupos. Os países desenvolvdos passaram a apresentar correlações mas altas entre s snalzando uma maor ntegração entre os mesmos e os países emergentes apresentaram correlações mas baxas. Paralelamente, os lmtes extremos aumentaram. Utlzando-se estes crtéros, pode-se afrmar que a correlação nternaconal aumentou e, conseqüentemente, a possbldade de dversfcação dmnuu. 4.3.c. Estudo do grau de ntegração do país com o grau de desenvolvmento. Estuda-se, neste tópco, a ntegração global através do relaconamento entre a correlação do mercado aconáro local com a cartera global e o grau de desenvolvmento (PIB per capta). Verfca-se nas tabelas 7 e 8 que os coefcentes da regressão são sgnfcatvos. A maor nclnação no período permte observar o ncremento da ntegração nternaconal e o aumento da mportânca dos países desenvolvdos na cartera global. Tabela 7: Regressão entre a correlação do mercado local com o Global e o PIB per capta (período ). Período Coefcentes Erro padrão Estatístca t valor-p Intercepto 0, , ,979774,66E- Inclnação 6,54E-06,3E-06,8457 0,00747 Tabela 8: Regressão entre a correlação do mercado local com o Global e o PIB per capta (período ). Período Coefcentes Erro padrão Estatístca t valor-p Intercepto 0,4643 0, ,40549,9E-09 Inclnação 9,73E-06,74E-06 3, , A fgura permte observar a maor ntegração global, prncpalmente entre os países desenvolvdos. Fgura : Gráfco das correlações com o PIB per capta Correlações x PIB per Capta 0,9 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0, 0, ft dados ft dados 00-05

11 Os países emergentes estão posconados próxmos à ordenada. Nesta regão, não exstem mudanças sgnfcatvas entre os dos períodos. Contraramente, verfca-se uma maor dstânca entre as retas das regressões nos dos períodos na área ocupada pelos países desenvolvdos. Esta medda mostra que aumentou o grau de correlação dos desenvolvdos com a cartera global no segundo período. Conclu-se pelas três analses que a dversfcação global dmnuu e que os pases desenvolvdos aumentaram a sua nfluênca na economa global Fronteras efcentes 4.4.a. Construção das fronteras. Calcularam-se fronteras efcentes para os países emergentes, desenvolvdos e para o conunto total, utlzando-se a metodologa de Merton (97). Defnu-se a matrz de covarâncas pela equação 8. T σ = k R m R m t = t, t, Tk Equação 8. ( )( ), Mnmza-se a varânca da cartera ótma, através da equação 9, sueto as restrções n E = x R = e = x =. n Equação 9. σ = mn x < x x σ, Utlzando-se multplcadores de Lagrange, obtém-se a equação 0. Equação 0. σ CE AE + B = ; onde, D A = v k k E,,, B = v k k E E,, k, C = elementos da matrz nversa da covarânca. v k, k,, Fnalmente, calcula-se a frontera efcente através da equação. A Equação. = + D( Cσ ) D E ; C C 4.4.b. Defnção dos crtéros de domnânca das carteras. = BC A e v k, são os Defnram-se três crtéros para comparar a domnânca de uma frontera efcente sobre as demas: a mínma varânca, o mínmo retorno e a concavdade. A σ, mínma varânca da frontera efcente formada, empregada na análse de domnânca das fronteras, pode ser calculada pela equação. Equação. σ = As outras duas nformações relevantes para avalar o posconamento das fronteras são o E, menor retorno, conforme a equação 3, e a cc, concavdade, dada pela equação 4. C

12 Equação 3. E = C Equação 4. cc = D A menor mínma varânca, o maor mínmo retorno e a menor concavdade tornam a frontera preferível às demas. 4.4.c. Análse de domnânca das fronteras de países desenvolvdos, emergentes e global. Verfca-se pela fgura, que apresenta as fronteras do período, que montar carteras dversfcadas somente entre desenvolvdos ou globas não é uma estratéga efcente para maores níves de rsco. A C Fgura : Fronteras de Emergentes, Desenvolvdos e Globas ( ). Frontera Efcente de 95 a 00 0,09 0,08 0,07 0,06 retornos local 0,05 0,04 0,03 global desenvolvdos emergentes 0,0 0,0-0, ,0 0,0 0,03 0,04 0,05 0,06 desvo padrão Verfca-se pela fgura 3 e pela tabela 9 que as fronteras se deslocaram para a esquerda, vsto que as mínmas varâncas dmnuíram nos três casos. No período mas recente as carteras com todos os atvos, até o nível de 3% de rsco, são superores. Acma deste patamar de rsco, opta-se por carteras dversfcadas entre os países emergentes. Fgura 3: Fronteras de Emergentes, Desenvolvdos e Globas ( ).

13 Frontera Efcente de 00 a 05 0, 0,08 0,06 retornos local 0,04 global desenvolvdos emergentes 0, ,005 0,0 0,05 0,0 0,05 0,03 0,035 0,04 0,045 0,05-0,0 desvo padrão Tabela 9: Crtéros de domnânca nos dos períodos analsados. Global Desenvolvdo Emergente Global Desenvolvdo Emergente Mínma varânca 0,56%,59%,7%,0%,3%,95% Mínmo retorno -0,06% 0,44%,78% -0,4% 0,8%,9% Concavdade 0,39,99 0,33 5,7 4,8 0,7 A tabela 9 permte, nclusve, comparar quanttatvamente os dos períodos através dos crtéros de domnânca propostos acma. A mínma varânca da frontera Global, com todos os atvos, dmnuu de,% para 0,56%; a concavdade também dmnuu abruptamente passando de 5,7 para 0,39 o que demonstra a possbldade da montagem de carteras mas atratvas no período. Verfca-se que a dstânca da mínma varânca entre os pases desenvolvdos e emergentes dmnuu passando de 0,64% para 0,58% demonstrando o desenvolvmento dos mercados emergentes Integração e prevsbldade dos mercados. Utlza-se o crtéro de correlação como medda de ntegração dos mercados aconáros e de auto-correlação para avalar o grau de prevsbldade dos mesmos. Ressalta-se que o grau de ntegração de cada país com o mercado nternaconal fo estmado pela sua correlação com a cartera Global. A prevsbldade do mercado, por outro lado, está baseada na premssa de que quanto maor a auto-correlação, mas prevsível é este mercado e menor o seu grau de efcênca. Construu-se um hstograma com todos os dados e classfcaram-se os valores extremos, conforme descrto anterormente, como valores altos e baxos. Pode-se, desta forma, classfcar os países em quatro blocos: O grupo A é composto de mercados aconáros de países com alta prevsbldade e alta ntegração (maor correlação). No grupo B solaram-se os países com alta ntegração e baxa prevsbldade. No Grupo C separaram-se os países com baxa correlação e alta prevsbldade; e no Grupo D, aqueles com baxa ntegração e baxa prevsbldade.

14 A tabela 0 apresenta os ntervalos para as duas estatístcas, com 30 e 70%, para os dos períodos. Tabela 0. Lmtes para classfcar as correlações e auto-correlações como valores altos e baxos. Período Período ρ ρ 70% ρ 30% ρ 70% 30% Correlações 0, , ,7567 0,48584 Auto correlações 0,587 0,0485 0,6447 0, Os resultados são apresentados na tabela. Nos dos períodos, verfca-se que o grupo B contém um elevado número de países desenvolvdos em stuações extremas, fato ndcatvo de que esses países são ntegrados e efcentes. Observa-se no grupo C, composto de países com baxa ntegração e alta prevsbldade, o aumento de países emergentes no período, o que pode sgnfcar que nem todos os países se ntegraram na mesma ntensdade. O tamanho do PIB dos países nesta stuação reforça a sgnfcânca destes argumentos. Tabela. Número de países em cada grupo. Período Desenvolvdos Emergentes Total PIB grupo Grupo A ,4 Grupo B ,8 Grupo C 0 8,4 Grupo D , Período Desenvolvdos Emergentes Total PIB grupo Grupo A Grupo B ,6 Grupo C ,3 Grupo D 0 68,8 5. CONCLUSÃO. Os resultados ndcam que no período stuado entre 000 e 005 as correlações dos países desenvolvdos com a cartera global aumentaram, ndcando uma maor ntegração destes com o mercado mundal. Por outro lado, os mercados emergentes passaram a ser menos correlaconados com esta cartera, fato que permte aos nvestdores nternaconas uma melhor possbldade de dversfcação. O mercado nternaconal, na sua totaldade, se tornou mas ntegrado no período mas recente. A análse das fronteras efcentes ndcou que o nvestdor nternaconal deve estruturar carteras nclundo países emergentes. Ressalta-se que, nos dos períodos analsados, a partr de determnado nível de rsco, as carteras compostas somente por emergentes são domnantes. 6. BIBLIOGRAFIA.

15 BANSAL, R. e DAHLQUIST, M.. Expropraton Rsk and Return n Global Equty Markets. 9 encontro anual da EFA - European Fnance Assocaton, Berln, 00. BEKAERT, G. e HARVEY, C.. Tme-varyng World Market Integraton, Journal of Fnance 50, No, p , 995. BEKAERT, G. e HARVEY, C.. Foregn speculators and emergng equty markets, Journal of Fnance 55, , 000. BOUCRELLE, C.; SOLNIK, B.; YANN, L.. Internatonal market correlaton and volatlty. Fnancal Analysts Journal, Vol. 5, n. 5, p7-34, 996. DE SANTIS, G. e GERARD, B.. Internatonal asset prcng and portfolo dversfcaton wth tme-varyng rsk. The Journal of Fnance. Vol. LII, n.5, 997. FRANKEL, J.. Measurng nternatonal captal moblty: A revew. Amercan Economc Revew, May9, Vol. 8 No, p97, 99. HARVEY, C. e ZHOU, G.. Internatonal asset prcng wth alternatve dstrbutonal specfcatons ; Journal of Emprcal Fnance, 993. HARVEY, C.. Predctable Rsk and Returns n Emergng Markets. Duke Unversty and Natonal Bureau of Economc Research, 995. HARVEY, C; KOEDIJK, K; e KOFTNAN, P.. Increased Correlaton n Bear Markets. Fnancal Analysts Journal, Jan/Feb, pg.87, 00. LITTELL, C.. Correlaton trends n global markets. Emergng Markets Quarterly, Fall97, Vol., No. 3, p35, 997. LOMBARD, T; ROULET, J.; SOLNIK, B.. Prcng of Domestc versus Multnatonal Companes, Fnancal Analysts Journal, Vol. 55, n., p54, 000. LONGIN, F. e SOLNIK, B.. Extreme Correlaton of Internatonal Equty Markets, Journal of Fnance; Vol. 56, n., 00. MERTON, R. C.. An analytc Dervaton of the effcent portfolo fronter. Journal of Fnancal and Quanttatve Analyss, Vol. 7, N. 4, 97. SOLNIK, B; The world prce of foregn exchange rsk: Some synthetc comments. European Fnancal Management, Vol. 3, n., 997. STULZ, R.M. Globalzaton, Corporate Fnance, and the Cost of Captal. Journal of Appled Corporate Fnance. Vol, No. 3, Outubro,

RISCO. Investimento inicial $ $ Taxa de retorno anual Pessimista 13% 7% Mais provável 15% 15% Otimista 17% 23% Faixa 4% 16%

RISCO. Investimento inicial $ $ Taxa de retorno anual Pessimista 13% 7% Mais provável 15% 15% Otimista 17% 23% Faixa 4% 16% Análse de Rsco 1 RISCO Rsco possbldade de perda. Quanto maor a possbldade, maor o rsco. Exemplo: Empresa X va receber $ 1.000 de uros em 30 das com títulos do governo. A empresa Y pode receber entre $

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr.

Prof. Lorí Viali, Dr. Prof. Lorí Val, Dr. val@mat.ufrgs.br http://www.mat.ufrgs.br/~val/ É o grau de assocação entre duas ou mas varáves. Pode ser: correlaconal ou expermental. Prof. Lorí Val, Dr. UFRG Insttuto de Matemátca

Leia mais

4 Otimização e Diversificação: o Binômio Risco-Retorno

4 Otimização e Diversificação: o Binômio Risco-Retorno 4 Otmzação e Dversfcação: o Bnômo Rsco-Retorno O alto dnamsmo e a crescente sofstcação do mercado fnancero mundal fazem com que os nvestdores tenham o constante desafo de utlzarem estratégas que maxmzem

Leia mais

Os modelos de regressão paramétricos vistos anteriormente exigem que se suponha uma distribuição estatística para o tempo de sobrevivência.

Os modelos de regressão paramétricos vistos anteriormente exigem que se suponha uma distribuição estatística para o tempo de sobrevivência. MODELO DE REGRESSÃO DE COX Os modelos de regressão paramétrcos vstos anterormente exgem que se suponha uma dstrbução estatístca para o tempo de sobrevvênca. Contudo esta suposção, caso não sea adequada,

Leia mais

1. CORRELAÇÃO E REGRESSÃO LINEAR

1. CORRELAÇÃO E REGRESSÃO LINEAR 1 CORRELAÇÃO E REGREÃO LINEAR Quando deseja-se estudar se exste relação entre duas varáves quanttatvas, pode-se utlzar a ferramenta estatístca da Correlação Lnear mples de Pearson Quando essa correlação

Leia mais

CORRELAÇÃO E REGRESSÃO

CORRELAÇÃO E REGRESSÃO CORRELAÇÃO E REGRESSÃO Constata-se, freqüentemente, a estênca de uma relação entre duas (ou mas) varáves. Se tal relação é de natureza quanttatva, a correlação é o nstrumento adequado para descobrr e medr

Leia mais

CAPÍTULO 2 DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA

CAPÍTULO 2 DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA CAPÍTULO DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA. A MÉDIA ARITMÉTICA OU PROMÉDIO Defnção: é gual a soma dos valores do grupo de dados dvdda pelo número de valores. X x Soma dos valores de x número de

Leia mais

3.6. Análise descritiva com dados agrupados Dados agrupados com variáveis discretas

3.6. Análise descritiva com dados agrupados Dados agrupados com variáveis discretas 3.6. Análse descrtva com dados agrupados Em algumas stuações, os dados podem ser apresentados dretamente nas tabelas de frequêncas. Netas stuações devemos utlzar estratégas específcas para obter as meddas

Leia mais

Finanças - BACEN 1997 CESPE

Finanças - BACEN 1997 CESPE Fnanças - BACE 997 CESPE Legenda: Tema, Itens Importantes Certo, Errado Questão 3. Exstem dversos nstrumentos fnanceros a dsposção do nvestdores: LIBOR, ações, opções, Eurobond, Swaps. Quanto às característcas

Leia mais

Identidade dos parâmetros de modelos segmentados

Identidade dos parâmetros de modelos segmentados Identdade dos parâmetros de modelos segmentados Dana Campos de Olvera Antono Polcarpo Souza Carnero Joel Augusto Munz Fabyano Fonseca e Slva 4 Introdução No Brasl, dentre os anmas de médo porte, os ovnos

Leia mais

Diversificação - exemplo

Diversificação - exemplo INCETEZA E ISCO /4/009 Dversfcação - exemplo oss cap. 0 Cartera com N atvos Nova stuação: Cartera mas dversfcada Todos os títulos têm a mesma Varânca Todas as covarâncas são guas Todos os Títulos tem a

Leia mais

4. Conceitos de Risco-Retorno, diversificação e índices de desempenho de Fundos de Investimento

4. Conceitos de Risco-Retorno, diversificação e índices de desempenho de Fundos de Investimento 4. Concetos de Rsco-Retorno, dversfcação e índces de desempenho de Fundos de Investmento O alto dnamsmo e a crescente sofstcação do mercado fnancero mundal fazem com que os nvestdores tenham o constante

Leia mais

Estudo de Eventos: Procedimentos e Estudos Empíricos

Estudo de Eventos: Procedimentos e Estudos Empíricos Estudo de Eventos: Procedmentos e Estudos Empírcos Wagner Moura Lamouner 1 Else MOntero Noguera RESUMO O prncpal objetvo deste trabalho é dscutr as aplcações e os pontos fundamentas da metodologa de estudo

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr.

Prof. Lorí Viali, Dr. Prof. Lorí Val, Dr. val@mat.ufrgs.br http://www.mat.ufrgs.br/~val/ 1 É o grau de assocação entre duas ou mas varáves. Pode ser: correlaconal ou expermental. Numa relação expermental os valores de uma das

Leia mais

Análise do risco sistemático e retorno da carteira brasileira: um estudo empírico sobre sua integração com a América Latina e o Mundo

Análise do risco sistemático e retorno da carteira brasileira: um estudo empírico sobre sua integração com a América Latina e o Mundo 1 Análse do rsco sstemátco e retorno da cartera braslera: um estudo empírco sobre sua ntegração com a Amérca Latna e o Mundo Eduardo Augusto do Rosáro Contan José Roberto Ferrera Savoa José Roberto Securato

Leia mais

CÁLCULO DO RETORNO ESPERADO DA CARTEIRA DE MERCADO E DO RETORNO DO ATIVO LIVRE DE RISCO PARA O BRASIL

CÁLCULO DO RETORNO ESPERADO DA CARTEIRA DE MERCADO E DO RETORNO DO ATIVO LIVRE DE RISCO PARA O BRASIL ESCOLA FEDERAL DE ENGENHARIA DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO CÁLCULO DO RETORNO ESPERADO DA CARTEIRA DE MERCADO E DO RETORNO DO ATIVO LIVRE DE RISCO PARA O BRASIL Dego

Leia mais

Sinézio Fernandes Maia Professor Adjunto do Departamento de Economia da UFPB

Sinézio Fernandes Maia Professor Adjunto do Departamento de Economia da UFPB SETOR BANCÁRIO BRASILEIRO NO PERÍODO DE JANEIRO DE 2009 A JULHO DE 2010: AVALIAÇÃO DA RELAÇÃO DE RISCO E RETORNO COM ABORDAGEM NAS TEORIAS DE MARKOWITZ E SHARPE Alza Slva de Lma Estudante de Pós-graduação

Leia mais

TABELAS E GRÁFICOS PARA VARIÁVEIS ALEATÓRIAS QUANTITATIVAS CONTÍNUAS

TABELAS E GRÁFICOS PARA VARIÁVEIS ALEATÓRIAS QUANTITATIVAS CONTÍNUAS TABELAS E GRÁFICOS PARA VARIÁVEIS ALEATÓRIAS QUANTITATIVAS CONTÍNUAS Varável Qualquer característca assocada a uma população Classfcação de varáves Qualtatva { Nomnal sexo, cor dos olhos Ordnal Classe

Leia mais

2 Incerteza de medição

2 Incerteza de medição 2 Incerteza de medção Toda medção envolve ensaos, ajustes, condconamentos e a observação de ndcações em um nstrumento. Este conhecmento é utlzado para obter o valor de uma grandeza (mensurando) a partr

Leia mais

Revista de Ciências da Administração ISSN: Universidade Federal de Santa Catarina Brasil

Revista de Ciências da Administração ISSN: Universidade Federal de Santa Catarina Brasil Revsta de Cêncas da Admnstração ISSN: 1516-3865 rca.cse@contato.ufsc.br Unversdade Federal de Santa Catarna Brasl Carnero Afonso da Costa Jr., Newton; Nór Güttler, Cao DIVERSFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE CARTEIRAS

Leia mais

Análise Descritiva com Dados Agrupados

Análise Descritiva com Dados Agrupados Análse Descrtva com Dados Agrupados Em algumas stuações, os dados podem ser apresentados dretamente nas tabelas de frequêncas. Netas stuações devemos utlzar estratégas específcas para obter as meddas descrtvas

Leia mais

Variável discreta: X = número de divórcios por indivíduo

Variável discreta: X = número de divórcios por indivíduo 5. Análse descrtva com dados agrupados Em algumas stuações, os dados podem ser apresentados dretamente nas tabelas de frequêncas. Netas stuações devemos utlzar estratégas específcas para obter as meddas

Leia mais

PESQUISA EM MERCADO DE CAPITAIS. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. (colaboração de Prof. Claudio Cunha)

PESQUISA EM MERCADO DE CAPITAIS. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. (colaboração de Prof. Claudio Cunha) PESQUISA EM MERCADO DE CAPITAIS Prof. Patrca Mara Bortolon, D. Sc. (colaboração de Prof. Claudo Cunha) Cap. 15 Testes Empírcos de Modelos de Equlíbro ELTON, E.; GRUBER, M.; BROWN, S., GOETZMANN, W. Moderna

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

ABERTURA DA CONTA DE CAPITAL E CRESCIMENTO ECONÔMICO: QUAIS AS EVIDÊNCIAS PARA O CASO BRASILEIRO?

ABERTURA DA CONTA DE CAPITAL E CRESCIMENTO ECONÔMICO: QUAIS AS EVIDÊNCIAS PARA O CASO BRASILEIRO? ABERTURA DA CONTA DE CAPITAL E CRESCIMENTO ECONÔMICO: QUAIS AS EVIDÊNCIAS PARA O CASO BRASILEIRO? Paula Vrgína Tófol Doutoranda em Economa pela UFRGS Ronald Otto Hllbrecht Professor do Departamento de

Leia mais

Modelo linear normal com erros heterocedásticos. O método de mínimos quadrados ponderados

Modelo linear normal com erros heterocedásticos. O método de mínimos quadrados ponderados Modelo lnear normal com erros heterocedástcos O método de mínmos quadrados ponderados Varâncas homogêneas Varâncas heterogêneas y y x x Fgura 1 Ilustração da dstrbução de uma varável aleatóra y (condconal

Leia mais

ESTUDO DE MODELOS PARA AJUSTE E PREVISÃO DE UMA SÉRIE TEMPORAL

ESTUDO DE MODELOS PARA AJUSTE E PREVISÃO DE UMA SÉRIE TEMPORAL Revsta Matz Onlne ESTUDO DE MODELOS PARA AJUSTE E PREVISÃO DE UMA SÉRIE TEMPORAL Valera Ap. Martns Ferrera Vvane Carla Fortulan Valéra Aparecda Martns. Mestre em Cêncas pela Unversdade de São Paulo- USP.

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE DIVERSIFICAÇÃO NA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO

UM ESTUDO SOBRE DIVERSIFICAÇÃO NA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO UM ESTUDO SOBRE DIVERSIFICAÇÃO A BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO Autores: André Luz Oda, Mara Carlota Morandn Senger e Alexandre oboru Chára Resumo O artgo estuda a redução de rsco que podera ter sdo obtda

Leia mais

TENDENCIAS CLIMÁTICAS DA PRECIPITAÇÃO PLUVIAL NO ESTADO DO MARANHÃO

TENDENCIAS CLIMÁTICAS DA PRECIPITAÇÃO PLUVIAL NO ESTADO DO MARANHÃO TENDENCIAS CLIMÁTICAS DA PRECIPITAÇÃO PLUVIAL NO ESTADO DO MARANHÃO Danelson Jorge Delgado Neves 13, Jeane Rafaele Araúo Lma 1, Lncoln Elo de Araúo 2, Pedro Vera de Azevedo 1 1 UFCG DCA, Campna Grande

Leia mais

1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA

1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA 1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA 014 Estatístca Descrtva e Análse Exploratóra Etapas ncas. Utlzadas para descrever e resumr os dados. A dsponbldade de uma grande quantdade de dados e de

Leia mais

Estatística II Antonio Roque Aula 18. Regressão Linear

Estatística II Antonio Roque Aula 18. Regressão Linear Estatístca II Antono Roque Aula 18 Regressão Lnear Quando se consderam duas varáves aleatóras ao mesmo tempo, X e Y, as técncas estatístcas aplcadas são as de regressão e correlação. As duas técncas estão

Leia mais

), demonstrado no capítulo 3, para

), demonstrado no capítulo 3, para 6 Conclusão Neste trabalho foram realzados cnco estudos de casos como meo de nvestgar a nfluênca de trbutos no processo decsóro de localzação. Buscou-se realzar as entrevstas em dferentes negócos para

Leia mais

7 - Distribuição de Freqüências

7 - Distribuição de Freqüências 7 - Dstrbução de Freqüêncas 7.1 Introdução Em mutas áreas há uma grande quantdade de nformações numércas que precsam ser dvulgadas de forma resumda. O método mas comum de resumr estes dados numércos consste

Leia mais

O RISCO IDIOSSINCRÁTICO E O RISCO SISTEMÁTICO DE MERCADOS EMERGENTES: EVIDÊNCIAS ACERCA DO BLOCO BRIC

O RISCO IDIOSSINCRÁTICO E O RISCO SISTEMÁTICO DE MERCADOS EMERGENTES: EVIDÊNCIAS ACERCA DO BLOCO BRIC XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO A Engenhara de Produção e o Desenvolvmento Sustentável: Integrando Tecnologa e Gestão. Salvador, BA, Brasl, 06 a 09 de outubro de 009 O RISCO IDIOSSINCRÁTICO

Leia mais

Avaliação do tamanho da amostra de segmentos regulares para estimar a área plantada com café na região sul de Minas Gerais

Avaliação do tamanho da amostra de segmentos regulares para estimar a área plantada com café na região sul de Minas Gerais Avalação do tamanho da amostra de segmentos regulares para estmar a área plantada com café na regão sul de Mnas Geras Marcos Adam Maurco Alves Morera Bernardo Fredrch Theodor Rudorff Insttuto Naconal de

Leia mais

Beta Contábil Versus Beta CAPM: Uma Investigação Empírica na Mercado Financeiro Brasileiro

Beta Contábil Versus Beta CAPM: Uma Investigação Empírica na Mercado Financeiro Brasileiro 40 Beta Contábl Versus Beta CAPM: Uma Investgação Empírca na Mercado Fnancero Braslero Accountable Beta Versus CAPM Beta: A Emprcal Research n tne Brazlan Fnancal Market Ramundo Nonato Rodrgues Doutor

Leia mais

APLICAÇÃO DE UM NOVO MODELO DE ANÁLISE DE RISCO NA BOVESPA: O D-CAPM

APLICAÇÃO DE UM NOVO MODELO DE ANÁLISE DE RISCO NA BOVESPA: O D-CAPM APLICAÇÃO E UM NOVO MOELO E ANÁLISE E RISCO NA BOVESPA: O -CAPM Perre Lucena 1 e 2 Rua Farme de Amoedo, 77 Apto. 203 Ipanema CEP: 22420-020 Ro de Janero/RJ Brasl Tel.: (21) 9394-0794 E-malperrelucena@uol.com.br

Leia mais

4. MODELAMENTOS EM POLUIÇÃO DO AR: PREDITIVOS E RECEPTORES

4. MODELAMENTOS EM POLUIÇÃO DO AR: PREDITIVOS E RECEPTORES 4. MODELAMENTOS EM POLUIÇÃO DO AR: PREDITIVOS E RECEPTORES Para o Curso de Físca da Polução do Ar FAP346, º Semestre/006 Prof. Amérco Sansgolo Kerr Montora: Mara Emíla Rehder aver 4. INTRODUÇÃO No modelamento

Leia mais

Curso de extensão, MMQ IFUSP, fevereiro/2014. Alguns exercício básicos

Curso de extensão, MMQ IFUSP, fevereiro/2014. Alguns exercício básicos Curso de extensão, MMQ IFUSP, feverero/4 Alguns exercíco báscos I Exercícos (MMQ) Uma grandeza cujo valor verdadero x é desconhecdo, fo medda três vezes, com procedmentos expermentas dêntcos e, portanto,

Leia mais

AULA 4. Segundo Quartil ( Q observações são menores que ele e 50% são maiores.

AULA 4. Segundo Quartil ( Q observações são menores que ele e 50% são maiores. Estatístca Aplcada à Engenhara AULA 4 UNAMA - Unversdade da Amazôna.8 MEDIDA EPARATRIZE ão valores que separam o rol (os dados ordenados) em quatro (quarts), dez (decs) ou em cem (percents) partes guas.

Leia mais

PROGRAMA INTERLABORATORIAL PARA ENSAIOS EM CHAPAS DE PAPELÃO ONDULADO CICLO 2013 PROTOCOLO

PROGRAMA INTERLABORATORIAL PARA ENSAIOS EM CHAPAS DE PAPELÃO ONDULADO CICLO 2013 PROTOCOLO PROGRAMA INTERLABORATORIAL PARA ENSAIOS EM CHAPAS DE PAPELÃO ONDULADO CICLO 013 PROTOCOLO CT-Floresta - LPC - FOI/004 05/0/013 Aprovado: Mara Luza Otero D'Almeda / SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 1 PÚBLICO ALVO...

Leia mais

Representação e Descrição de Regiões

Representação e Descrição de Regiões Depos de uma magem ter sdo segmentada em regões é necessáro representar e descrever cada regão para posteror processamento A escolha da representação de uma regão envolve a escolha dos elementos que são

Leia mais

Figura 8.1: Distribuição uniforme de pontos em uma malha uni-dimensional. A notação empregada neste capítulo para avaliação da derivada de uma

Figura 8.1: Distribuição uniforme de pontos em uma malha uni-dimensional. A notação empregada neste capítulo para avaliação da derivada de uma Capítulo 8 Dferencação Numérca Quase todos os métodos numércos utlzados atualmente para obtenção de soluções de equações erencas ordnáras e parcas utlzam algum tpo de aproxmação para as dervadas contínuas

Leia mais

Gabarito da Lista de Exercícios de Econometria I

Gabarito da Lista de Exercícios de Econometria I Gabarto da sta de Exercícos de Econometra I Professor: Rogéro lva Mattos Montor: eonardo enrque A. lva Questão Y X y x xy x ŷ ˆ ˆ y ŷ (Y - Y ) (X - X ) (Ŷ - Y ) 360 00-76 -00 35.00 40.000 36-4 30.976 3076

Leia mais

METODOLOGIA PARA O CÁLCULO DE VAZÃO DE UMA SEÇÃO TRANSVERSAL A UM CANAL FLUVIAL. Iran Carlos Stalliviere Corrêa RESUMO

METODOLOGIA PARA O CÁLCULO DE VAZÃO DE UMA SEÇÃO TRANSVERSAL A UM CANAL FLUVIAL. Iran Carlos Stalliviere Corrêa RESUMO Semnáro Anual de Pesqusas Geodéscas na UFRGS, 2. 2007. UFRGS METODOLOGIA PARA O CÁLCULO DE VAZÃO DE UMA SEÇÃO TRANSVERSAL A UM CANAL FLUVIAL Iran Carlos Stallvere Corrêa Insttuto de Geocêncas UFRGS Departamento

Leia mais

ELEMENTOS DETERMINANTES DA RENTABILIDADE DAS CARTEIRAS DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS EM INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS BRASILEIRAS

ELEMENTOS DETERMINANTES DA RENTABILIDADE DAS CARTEIRAS DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS EM INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS BRASILEIRAS ELEMENTOS DETERMINANTES DA RENTABILIDADE DAS CARTEIRAS DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS EM INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS BRASILEIRAS Ms. Renê Coppe Pmentel Unversdade de São Paulo e Mackenze End.: Av. Lucano Gualberto,

Leia mais

Neste capítulo abordam-se os principais conceitos relacionados com os cálculos de estatísticas, histogramas e correlação entre imagens digitais.

Neste capítulo abordam-se os principais conceitos relacionados com os cálculos de estatísticas, histogramas e correlação entre imagens digitais. 1 1Imagem Dgtal: Estatístcas INTRODUÇÃO Neste capítulo abordam-se os prncpas concetos relaconados com os cálculos de estatístcas, hstogramas e correlação entre magens dgtas. 4.1. VALOR MÉDIO, VARIÂNCIA,

Leia mais

4.1. Medidas de Posição da amostra: média, mediana e moda

4.1. Medidas de Posição da amostra: média, mediana e moda 4. Meddas descrtva para dados quanttatvos 4.1. Meddas de Posção da amostra: méda, medana e moda Consdere uma amostra com n observações: x 1, x,..., x n. a) Méda: (ou méda artmétca) é representada por x

Leia mais

O problema da superdispersão na análise de dados de contagens

O problema da superdispersão na análise de dados de contagens O problema da superdspersão na análse de dados de contagens 1 Uma das restrções mpostas pelas dstrbuções bnomal e Posson, aplcadas usualmente na análse de dados dscretos, é que o parâmetro de dspersão

Leia mais

Diferença entre a classificação do PIB per capita e a classificação do IDH

Diferença entre a classificação do PIB per capita e a classificação do IDH Curso Bem Estar Socal Marcelo Ner - www.fgv.br/cps Metas Socas Entre as mutas questões decorrentes da déa de se mplementar uma proposta de metas socas temos: Qual a justfcatva econômca para a exstênca

Leia mais

Análise de Variância. Comparação de duas ou mais médias

Análise de Variância. Comparação de duas ou mais médias Análse de Varânca Comparação de duas ou mas médas Análse de varânca com um fator Exemplo Um expermento fo realzado para se estudar dabetes gestaconal. Desejava-se avalar o comportamento da hemoglobna (HbA)

Leia mais

( k) Tema 02 Risco e Retorno 1. Conceitos Básicos

( k) Tema 02 Risco e Retorno 1. Conceitos Básicos FEA -USP Graduação Cêcas Cotábes EAC05 04_0 Profa. Joaíla Ca. Rsco e Retoro. Cocetos Báscos Rotero BE-cap.6 Tema 0 Rsco e Retoro. Cocetos Báscos I. O que é Retoro? II. Qual é o Rsco de um Atvo Idvdual

Leia mais

Algarismos Significativos Propagação de Erros ou Desvios

Algarismos Significativos Propagação de Erros ou Desvios Algarsmos Sgnfcatvos Propagação de Erros ou Desvos L1 = 1,35 cm; L = 1,3 cm; L3 = 1,30 cm L4 = 1,4 cm; L5 = 1,7 cm. Qual destas meddas está correta? Qual apresenta algarsmos com sgnfcado? O nstrumento

Leia mais

INFLAÇÃO E DESIGUALDADE*

INFLAÇÃO E DESIGUALDADE* Artgos Outono 2009 INFLAÇÃO E DESIGUALDADE* Isabel H. orrea** 1. INTRODUÇÃO A baxa persstente da taxa de nflação é talvez a mudança de polítca maor, mas sustentada, e comum a um maor número de países desenvolvdos.

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA O ENSINO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS NO NÍVEL MÉDIO E INÍCIO DO CURSO SUPERIOR

UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA O ENSINO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS NO NÍVEL MÉDIO E INÍCIO DO CURSO SUPERIOR UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA O ENSINO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS NO NÍVEL MÉDIO E INÍCIO DO CURSO SUPERIOR

Leia mais

Construção e aplicação de índices-padrão

Construção e aplicação de índices-padrão Construção e aplcação de índces-padrão Artgo Completo José Aparecdo Moura Aranha (Admnstrador e Contador, Professor Assstente do Curso de Admnstração da Unversdade Federal de Mato Grosso do Sul - Câmpus

Leia mais

ALTERNATIVA PARA DETERMINAR ACURÁCIA DA PREVISÃO DO MBAR UTILIZANDO ÍNDICE DE BRIER. Reinaldo Bomfim da Silveira 1 Juliana Maria Duarte Mol 1 RESUMO

ALTERNATIVA PARA DETERMINAR ACURÁCIA DA PREVISÃO DO MBAR UTILIZANDO ÍNDICE DE BRIER. Reinaldo Bomfim da Silveira 1 Juliana Maria Duarte Mol 1 RESUMO ALTERNATIVA PARA DETERMINAR ACURÁCIA DA PREVISÃO DO MBAR UTILIZANDO ÍNDICE DE BRIER Renaldo Bomfm da Slvera 1 Julana Mara Duarte Mol 1 RESUMO Este trabalho propõe um método para avalar a qualdade das prevsões

Leia mais

Experiência V (aulas 08 e 09) Curvas características

Experiência V (aulas 08 e 09) Curvas características Experênca (aulas 08 e 09) Curvas característcas 1. Objetvos 2. Introdução 3. Procedmento expermental 4. Análse de dados 5. Referêncas 1. Objetvos Como no expermento anteror, remos estudar a adequação de

Leia mais

Estudo quantitativo do processo de tomada de decisão de um projeto de melhoria da qualidade de ensino de graduação.

Estudo quantitativo do processo de tomada de decisão de um projeto de melhoria da qualidade de ensino de graduação. Estudo quanttatvo do processo de tomada de decsão de um projeto de melhora da qualdade de ensno de graduação. Rogéro de Melo Costa Pnto 1, Rafael Aparecdo Pres Espíndula 2, Arlndo José de Souza Júnor 1,

Leia mais

Capítulo 1. Exercício 5. Capítulo 2 Exercício

Capítulo 1. Exercício 5. Capítulo 2 Exercício UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CIÊNCIAS ECONÔMICAS ECONOMETRIA (04-II) PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS Exercícos do Gujarat Exercíco 5 Capítulo Capítulo Exercíco 3 4 5 7 0 5 Capítulo 3 As duas prmeras demonstrações

Leia mais

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média.

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média. Estatístca Dscplna de Estatístca 0/ Curso de Admnstração em Gestão Públca Profª. Me. Valéra Espíndola Lessa e-mal: lessavalera@gmal.com Meddas de Dspersão Indcam se os dados estão, ou não, prómos uns dos

Leia mais

Análise de influência

Análise de influência Análse de nfluênca Dzemos que uma observação é nfluente caso ela altere, de forma substancal, alguma propredade do modelo ajustado (como as estmatvas dos parâmetros, seus erros padrões, valores ajustados...).

Leia mais

Programa de Certificação de Medidas de um laboratório

Programa de Certificação de Medidas de um laboratório Programa de Certfcação de Meddas de um laboratóro Tratamento de dados Elmnação de dervas Programa de calbração entre laboratóros Programa nterno de calbração justes de meddas a curvas Tratamento dos resultados

Leia mais

Dependência Espacial de espécies nativas em fragmentos. florestais

Dependência Espacial de espécies nativas em fragmentos. florestais Dependênca Espacal de espéces natvas em fragmentos 1 Introdução florestas 1 Mestranda em Engenhara Florestal LEMAF/DCF UFLA. e-mal: cunhadase@yahoo.com.br 2 Mestrando em Engenhara Florestal LEMAF/DCF UFLA.

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações.

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações. A CONSTRUÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES POR INTERMÉDIO DO CAPM NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO: UM ESTUDO DE CASO PARA O PERÍODO 006-010 Rodrgo Augusto Vera (PROVIC/UEPG), Emerson Martns Hlgemberg (Orentador),

Leia mais

METODOLOGIA DO ÍNDICE CARBONO EFICIENTE (ICO2)

METODOLOGIA DO ÍNDICE CARBONO EFICIENTE (ICO2) METODOLOGIA DO ÍNDICE CARBONO Abrl/2015 [data] METODOLOGIA DO ÍNDICE CARBONO O ICO2 é o resultado de uma cartera teórca de atvos, elaborada de acordo com os crtéros estabelecdos nesta metodologa. Os índces

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM PRÉ-PROCESSADOR PARA ANÁLISE ISOGEOMÉTRICA

DESENVOLVIMENTO DE UM PRÉ-PROCESSADOR PARA ANÁLISE ISOGEOMÉTRICA DESENVOLVIMENTO DE UM PRÉ-PROCESSADOR PARA ANÁLISE ISOGEOMÉTRICA Pedro Luz Rocha Evandro Parente Junor pedroluzrr04@gmal.com evandroparentejr@gmal.com Laboratóro de Mecânca Computaconal e Vsualzação, Unversdade

Leia mais

Análise de Regressão

Análise de Regressão Análse de Regressão método estatístco que utlza relação entre duas ou mas varáves de modo que uma varável pode ser estmada (ou predta) a partr da outra ou das outras Neter, J. et al. Appled Lnear Statstcal

Leia mais

Nome : Nome do Orientador : Tema : Palavras chave: Descrição do Problema:

Nome : Nome do Orientador : Tema : Palavras chave: Descrição do Problema: Nome : Larssa Mnella Nome do Orentador : Regna Madalozzo Tema : Evolução do contraste salaral entre mgrantes e natvos qualfcados no Brasl. Palavras chave: estrangeros, Brasl, natvos, saláro Descrção do

Leia mais

COEFICIENTE DE GINI: uma medida de distribuição de renda

COEFICIENTE DE GINI: uma medida de distribuição de renda UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS COEFICIENTE DE GINI: uma medda de dstrbução de renda Autor: Prof. Lsandro Fn Nsh

Leia mais

Avaliação de Económica de Projectos e Cálculo de Tarifas

Avaliação de Económica de Projectos e Cálculo de Tarifas Gestão Avançada ada de Sstemas de Abastecmento de Água Avalação de Económca de Projectos e Cálculo de Tarfas Antóno Jorge Montero 26 de Mao de 2008 Aula 5-1 COCEITO DE PROJECTO Processo específco utlzado

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCO NA COMERCIALIZAÇÃO DO ARROZ

GERENCIAMENTO DE RISCO NA COMERCIALIZAÇÃO DO ARROZ GERENCIAMENTO DE RISCO NA COMERCIALIZAÇÃO DO ARROZ Alan Fgueredo de Arêdes Doutor em Economa Aplcada/UFV Departamento de Cêncas Econômcas/UFF/Campos dos Goytacazez. aredess@yahoo.com.br RESUMO O gerencamento

Leia mais

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média.

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média. Estatístca Dscplna de Estatístca 0/ Curso Superor de tecnólogo em Gestão Ambental Profª. Me. Valéra Espíndola Lessa e-mal: lessavalera@gmal.com Meddas de Dspersão Indcam se os dados estão, ou não, prómos

Leia mais

ESCOAMENTO TRIFÁSICO NÃO-ISOTÉRMICO EM DUTO VERTICAL COM VAZAMENTO VIA CFX: ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE DA PAREDE DO DUTO

ESCOAMENTO TRIFÁSICO NÃO-ISOTÉRMICO EM DUTO VERTICAL COM VAZAMENTO VIA CFX: ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE DA PAREDE DO DUTO ESCOAMENTO TRIFÁSICO NÃO-ISOTÉRMICO EM DUTO VERTICAL COM VAZAMENTO VIA CFX: ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE DA PAREDE DO DUTO W. R. G. SANTOS 1, H. G. ALVES 2, S. R. FARIAS NETO 3 e A. G. B. LIMA 4

Leia mais

CRISES FINANCEIRAS: EFEITO CONTÁGIO OU INTERDEPENDÊNCIA ENTRE OS PAÍSES? EVIDÊNCIAS UTILIZANDO UMA ABORDAGEM MULTIVARIADA

CRISES FINANCEIRAS: EFEITO CONTÁGIO OU INTERDEPENDÊNCIA ENTRE OS PAÍSES? EVIDÊNCIAS UTILIZANDO UMA ABORDAGEM MULTIVARIADA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO CRISES FINANCEIRAS: EFEITO CONTÁGIO OU INTERDEPENDÊNCIA

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA, EFICIÊNCIA INFORMACIONAL E CUSTO DE CAPITAL: UMA ANÁLISE DAS EMISSÕES DE ADRS BRASILEIROS NO PERÍODO

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA, EFICIÊNCIA INFORMACIONAL E CUSTO DE CAPITAL: UMA ANÁLISE DAS EMISSÕES DE ADRS BRASILEIROS NO PERÍODO GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA, EFICIÊNCIA INFORMACIONAL E CUSTO DE CAPITAL: UMA ANÁLISE DAS EMISSÕES DE ADRS BRASILEIROS NO PERÍODO 99-00. BRUNI, A. L., FAMÁ, R. [0309] GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA, EFICIÊNCIA INFORMACIONAL

Leia mais

FICHA de AVALIAÇÃO de MATEMÁTICA A 10.º Ano Versão 1

FICHA de AVALIAÇÃO de MATEMÁTICA A 10.º Ano Versão 1 FICHA de AVALIAÇÃO de MATEMÁTICA A 10.º Ano Versão 1 Nome Nº Turma: Data: / / Professor 10.º Ano Classfcação Apresente o seu racocíno de forma clara, ndcando todos os cálculos que tver de efetuar e todas

Leia mais

Preço Base = 2,581 US$/MMBTU x TMD 0

Preço Base = 2,581 US$/MMBTU x TMD 0 Portara Intermnsteral MME/MF/nº 176, de 01 de junho de 2001. OS MINISTROS DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA E DA FAZENDA, no uso das atrbuções que lhes são conferdas pelo art. 87, parágrafo únco, ncso II, da

Leia mais

Análise Dinâmica de uma Viga de Euler-Bernoulli Submetida a Impacto no Centro após Queda Livre Através do Método de Diferenças Finitas

Análise Dinâmica de uma Viga de Euler-Bernoulli Submetida a Impacto no Centro após Queda Livre Através do Método de Diferenças Finitas Proceedng Seres of the Brazlan Socety of Appled and Computatonal Mathematcs, Vol. 4, N., 06. Trabalho apresentado no DINCON, Natal - RN, 05. Proceedng Seres of the Brazlan Socety of Computatonal and Appled

Leia mais

Eixo Temático: Estratégia e Internacionalização de Empresas. PRECIFICAÇÃO DE ETFs BRASILEIROS. BRAZILIAN ETFs PRICING

Eixo Temático: Estratégia e Internacionalização de Empresas. PRECIFICAÇÃO DE ETFs BRASILEIROS. BRAZILIAN ETFs PRICING Exo Temátco: Estratéga e Internaconalzação de Empresas RESUMO PRECIFICAÇÃO DE ETFs BRASILEIROS BRAZILIAN ETFs PRICING Bruno Mlan e Paulo Sergo Ceretta O objetvo deste estudo é verfcar, com base nos tradconas

Leia mais

ANÁLISE DAS TENSÕES TÉRMICAS EM MATERIAIS CERÂMICOS. Palavras-chave: Tensões térmicas, Propriedades variáveis, Condução de calor, GITT

ANÁLISE DAS TENSÕES TÉRMICAS EM MATERIAIS CERÂMICOS. Palavras-chave: Tensões térmicas, Propriedades variáveis, Condução de calor, GITT ANÁLISE DAS TENSÕES TÉRMICAS EM MATERIAIS CERÂMICOS Dnz, L.S. Santos, C.A.C. Lma, J.A. Unversdade Federal da Paraíba Laboratóro de Energa Solar LES/DTM/CT/UFPB 5859-9 - João Pessoa - PB, Brasl e-mal: cabral@les.ufpb.br

Leia mais

Análise de Regressão Linear Múltipla VII

Análise de Regressão Linear Múltipla VII Análse de Regressão Lnear Múltpla VII Aula 1 Hej et al., 4 Seções 3. e 3.4 Hpótese Lnear Geral Seja y = + 1 x 1 + x +... + k x k +, = 1,,..., n. um modelo de regressão lnear múltpla, que pode ser escrto

Leia mais

INVESTIMENTOS NO MERCADO IMOBILIÁRIO DO RIO DE JANEIRO E A FRONTEIRA EFICIENTE DE MARKOWITZ

INVESTIMENTOS NO MERCADO IMOBILIÁRIO DO RIO DE JANEIRO E A FRONTEIRA EFICIENTE DE MARKOWITZ FACULDADE DE ECONOMIA E FINANÇAS IBMEC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO PROFISSIONALIZANTE EM ADMINISTRAÇÃO INVESTIMENTOS NO MERCADO IMOBILIÁRIO

Leia mais

A sensibilidade de ativos em diferentes ambientes de risco: uma análise para empresas gaúchas *

A sensibilidade de ativos em diferentes ambientes de risco: uma análise para empresas gaúchas * A sensbldade de atvos em dferentes ambentes de rsco: uma análse para empresas gaúchas * Marcos Vníco Wnk Júnor** Pedro Tonon Zuanazz*** Doutorando em Economa pela Unversdade Federal do Ro Grande do Sul

Leia mais

Teste do modelo de otimização de carteiras pelo índice beta

Teste do modelo de otimização de carteiras pelo índice beta Teste do modelo de otmzação de carteras pelo índce beta Cleber Gonçalves Junor Unversdade Federal de Itajubá cgj@unfe.edu.br Claton Gonçalves Unversdade Federal de Itajubá Resumo Recentemente, pode-se

Leia mais

A Relevância de Prêmios por Risco Soberano e Risco Cambial no Uso do CAPM para a

A Relevância de Prêmios por Risco Soberano e Risco Cambial no Uso do CAPM para a A Relevânca de Prêmos por Rsco Soberano e Rsco Cambal no Uso do CAPM para a Estmação do Custo de Captal das Empresas Antono Zoratto Sanvcente Ibmec São Paulo Julho de 2008 INTRODUÇÃO Em sua versão ncal,

Leia mais

EFEITO DA IDADE E MATERIAL GENÉTICO NA FORMA DE ÁRVORES DE Eucalyptus

EFEITO DA IDADE E MATERIAL GENÉTICO NA FORMA DE ÁRVORES DE Eucalyptus EFEITO DA IDADE E MATERIAL GENÉTICO NA FORMA DE ÁRVORES DE Eucalyptus Dana Marques de Olvera ; Ellezer Almeda Mello ; Carolne Stephany Inocênco ; Adrano Rbero Mendonça Bolssta PBIC/UEG, graduandos do Curso

Leia mais

Realimentação negativa em ampliadores

Realimentação negativa em ampliadores Realmentação negatva em ampladores 1 Introdução necessdade de amplfcadores com ganho estável em undades repetdoras em lnhas telefôncas levou o Eng. Harold Black à cração da técnca denomnada realmentação

Leia mais

'.. FGV RISCO IDIOSSINCRÁTICO E DIVERSIFICAÇÃO EM. PORTFÓLlOS

'.. FGV RISCO IDIOSSINCRÁTICO E DIVERSIFICAÇÃO EM. PORTFÓLlOS '.. FGV ESAPE FUNDAÇÃO GETULIO VAGAS ESCOLA BASILEIA DE ADMINISTAÇÃO PÚBLICA E DE EMPESAS MESTADO EXECUTIVO EM GESTÃO EMPESAIAL ISCO IDIOSSINCÁTICO E DIVESIFICAÇÃO EM POTFÓLlOS DISSETAÇÃO APESENTADA À

Leia mais

AULA EXTRA Análise de Regressão Logística

AULA EXTRA Análise de Regressão Logística 1 AULA EXTRA Análse de Regressão Logístca Ernesto F. L. Amaral 13 de dezembro de 2012 Metodologa de Pesqusa (DCP 854B) VARIÁVEL DEPENDENTE BINÁRIA 2 O modelo de regressão logístco é utlzado quando a varável

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO Área Centfca Curso Matemátca Engenhara Electrotécnca º Semestre º 00/0 Fcha nº 9. Um artgo da revsta Wear (99) apresenta dados relatvos à vscosdade do óleo e ao desgaste do aço maco. A relação entre estas

Leia mais

FUNÇÃO DE PRODUÇÃO DE FRONTEIRA E TOMADA DE DECISÃO NA AGROPECUÁRIA

FUNÇÃO DE PRODUÇÃO DE FRONTEIRA E TOMADA DE DECISÃO NA AGROPECUÁRIA FUNÇÃO DE RODUÇÃO DE FRONTEIRA E TOMADA DE DECISÃO NA AGROECUÁRIA ADRIANO ROVEZANO GOMES ANTONIO JOSÉ MEDINA DOS SANTOS BATISTA Resumo: Este estudo teve o objetvo de estmar e analsar as funções de produção

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE PORTFÓLIOS DE ATIVOS DE CRÉDITO

OTIMIZAÇÃO DE PORTFÓLIOS DE ATIVOS DE CRÉDITO PAULO YOUNG CHI OTIMIZAÇÃO DE PORTFÓLIOS DE ATIVOS DE CRÉDITO SÃO PAULO 2008 PAULO YOUNG CHI OTIMIZAÇÃO DE PORTFÓLIOS DE ATIVOS DE CRÉDITO Trabalho de Formatura apresentado à Escola Poltécnca da Unversdade

Leia mais

DEFINIÇÃO - MODELO LINEAR GENERALIZADO

DEFINIÇÃO - MODELO LINEAR GENERALIZADO DEFINIÇÃO - MODELO LINEAR GENERALIZADO 1 Um modelo lnear generalzado é defndo pelos seguntes três componentes: Componente aleatóro; Componente sstemátco; Função de lgação; Componente aleatóro: Um conjunto

Leia mais

x Ex: A tabela abaixo refere-se às notas finais de três turmas de estudantes. Calcular a média de cada turma:

x Ex: A tabela abaixo refere-se às notas finais de três turmas de estudantes. Calcular a média de cada turma: Professora Janete Perera Amador 1 8 Meddas Descrtvas Vmos anterormente que um conjunto de dados pode ser resumdo através de uma dstrbução de freqüêncas, e que esta pode ser representada através de uma

Leia mais

SELEÇÃO DE MODELOS VOLUMÉTRICOS PARA CLONES DE EUCALYPTUS SPP., NO PÓLO GESSEIRO DO ARARIPE

SELEÇÃO DE MODELOS VOLUMÉTRICOS PARA CLONES DE EUCALYPTUS SPP., NO PÓLO GESSEIRO DO ARARIPE SELEÇÃO DE MODELOS VOLUMÉTRICOS PARA CLONES DE EUCALYPTUS SPP, NO PÓLO GESSEIRO DO ARARIPE Jáder da Slva Jale Joselme Fernandes Gouvea Alne Santos de Melo Denns Marnho O R Souza Kléber Napoleão Nunes de

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais