A PROPOSTA NACIONAL DO PMDB: UM CAMINHO PARA O BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PROPOSTA NACIONAL DO PMDB: UM CAMINHO PARA O BRASIL"

Transcrição

1 A PROPOSTA NACIONAL DO PMDB: UM CAMINHO PARA O BRASIL 1

2 UM CAMINHO PARA O BRASIL: MEDIDAS EXEMPLARES 4 INTRODUÇÃO 5 Oportunidade para aprender: educação 6 Oportunidade para produzir: agricultura 8 Oportunidade para produzir: indústria 8 O Brasil na vanguarda tecnológica: os setores estratégicos 9 Oportunidade para trabalhar: relações entre o capital e o trabalho 9 A base humana do crescimento includente: resguardo contra a miséria 10 A base humana do crescimento includente: saúde 11 A base humana do crescimento includente: segurança 11 Política econômica que abra espaço para a democratização de oportunidades 12 A organização do país para o crescimento includente: reforma tributária 13 A organização do país para o crescimento includente: reforma previdenciária 13 Evitar que as falhas da infraestrutura estrangulem nosso desenvolvimento: energia limpa e transporte multimodal 14 A construção do Brasil e as políticas regionais 14 A reconstrução do Estado: o verdadeiro choque de gestão 16 O escudo da defesa nacional 17 O conserto da política: tirar a política da sombra corruptora do dinheiro 17 UM CAMINHO PARA O BRASIL: PROPOSTA SISTEMÁTICA 18 INTRODUÇÃO 19 O PMDB e o Brasil 19 O eixo da proposta: novo modelo de desenvolvimento, baseado em democratização de oportunidades e de capacitações 19 Os progressos do governo Lula e o próximo passo 20 Base social para o avanço 21 Natureza e âmbito desta proposta 21 NOVO MODELO DE DESENVOLVIMENTO: A DEMOCRATIZAÇÃO DAS OPORTUNIDADES ECONÔMICAS 23 O Brasil na economia mundial: escalada de produtividade 23 2

3 O financiamento interno de nosso desenvolvimento 23 A política macroeconômica 25 A reforma tributária: eficiência e justiça sem ilusões 26 O nó da infra-estrutura: energia limpa e transporte multimodal 27 Desenvolvimento sustentável e includente: o Brasil na liderança da defesa do meio-ambiente 29 O reordenamento da mineração 31 Política agrícola: a agricultura como ponta avançada do modelo de desenvolvimento 32 Política industrial: o soerguimento das pequenas e médias empresas 33 Relações entre o trabalho e o capital: a inclusão dos excluídos e a qualificação do trabalhador 34 O vanguardismo tecnológico e os setores estratégicos 36 A CAPACITAÇÃO DOS BRASILEIROS E O RESGATE SOCIAL: EDUCAÇÃO, SAÚDE, SOLIDARIEDADE, SEGURANÇA 37 O sentido prático da prioridade dada à educação 37 A saúde: a superação do apartheid na saúde como questão de consciência 39 O futuro dos programas de transferência: a superação da pobreza extrema e o caminha da capacitação 41 A política das grandes cidades: saneamento, habitação, transporte 42 A política da segurança: crime organizado e criminalidade episódica 44 Justiça para as minorias e para as mulheres 45 A RECONSTRUÇÃO DO ESTADO E DA POLÍTICA 47 A reconstrução do Estado: o verdadeiro choque de gestão 47 A institucionalização da cultura republicana: a política fora da sombra corruptora do dinheiro 50 A conscientização e a defesa dos direitos 51 O escudo da defesa nacional 51 O BRASIL NÃO RESOLVIDO: AS POLÍTICAS REGIONAIS COMO VANGUARDA DO NOVO PROJETO NACIONAL 53 O sentido nacional das políticas de superação das desigualdades regionais 53 O Nordeste 53 A Amazônia 56 O Centro-Oeste 59 CONCLUSÃO 61 3

4 HÁ MUITO BRASIL PELA FRENTE UM CAMINHO PARA O BRASIL: MEDIDAS EXEMPLARES 4

5 INTRODUÇÃO O PMDB propõe caminho para o Brasil. Este documento começa com uma parte preliminar que resume o pensamento que orienta nossa proposta e que traduz este pensamento num conjunto de medidas práticas. Estas medidas representam primeiros passos para trilhar o caminho que defendemos. O resumo é seguido por uma proposta abrangente e sistemática que aprofunda nosso pensamento e desdobra nossa proposta em cada setor das políticas públicas. O Brasil fervilha de energia humana. Dar braços, asas e olhos a esta energia é hoje a maior tarefa da nação. O povo brasileiro não quer caridade; quer oportunidade e capacitação. Nas últimas décadas o Brasil avançou em muito. Estes avanços permitiram construir um mercado de consumo em massa. Uma segunda classe média, vinda de baixo, passou a liderar a construção de uma cultura de autoajuda e de iniciativa. A maior parte do povo brasileira quer segui-la neste rumo. Para isto, precisa ter instrumentos. O foco do país precisa, agora, mudar. Não basta consumir mais; é preciso poder produzir e inovar mais e melhor e assegurar a cada cidadão os meios para ficar de pé. Aproveitar o dinamismo, muitas vezes, frustrado, dos brasileiros. Para isto, é preciso ter instrumentos. Os mais importantes são oportunidade educativa e oportunidade econômica para todo nosso povo. Para que se criem tais instrumentos, o Brasil necessita de Estado capaz, não de Estado balofo. E exige uma renovação de sua vida política que tire a política da sombra corruptora do dinheiro. Se não aumentarmos nossa capacidade de produzir e de inovar, a expansão do consumo resultará em pressão inflacionária e desequilíbrio de nossas contas externas. O crescimento econômico ficará estrangulado. Se não insistirmos na capacitação de nosso povo, ficaremos dependentes da produção e da exportação de produtos primários. Negaremos ao povo brasileiro os meios para afirmar, vigorosamente, nossa originalidade coletiva e a cada brasileiro uma chance para ascender e brilhar. 5

6 O PMDB entende que este nova estratégia nacional tem no Nordeste, na Amazônia e no Centro-Oeste juntos mais de 80% de território e quase metade da população do país terrenos privilegiados. Nesse Brasil ainda não resolvido, joga-se o futuro da nação. Propomos para cada uma destas regiões uma política que sirva como vanguarda deste projeto de país. Chegou o momento do Brasil. A única maneira de aproveitar o momento é dar condição educativa e econômica aos brasileiros comuns. E construir um Estado que ajude em vez de inibir e uma vida pública que permita arbitrar, longe dos efeitos corruptores do dinheiro na política, os conflitos de interesses e de idéias. Esta é a essência do caminho que o PMDB propõe para o Brasil. Caminho a ser iniciado por um conjunto de primeiros passos: medidas exemplares e definidoras do rumo proposto. Tais medidas prefiguram nossa proposta de construção nacional, sistematicamente desdobrada na segunda parte deste documento. Oportunidade para aprender: educação 1. Completar, dentro de quatro anos, a universalização do ensino médio no Brasil. 2. Adotar, como principal modelo de escola média, uma escola que combine ensino geral com ensino técnico. Ensino geral de sentido capacitador e analítico. Ensino técnico que priorize as capacitações práticas flexíveis e genéricas em vez de priorizar ofícios rígidos. Usar os Ifets (Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia) como exemplo dessa nova escola média. 3. Fazer, a partir da transformação do ensino médio, uma revolução na qualidade do ensino público em todos os níveis. Adotar um ensino capacitador, com foco no básico análise verbal e análise numérica. Rejeitar o decoreba (o enciclopedismo informativo superficial). 4. A serviço dessa revolução na qualidade do ensino, aproveitar o potencial das novas tecnologias de comunicação para combinar, em todo o país, o ensino presencial com o ensino ministrado à distância. 5, Organizar, por meio de colaboração entre o governo federal e os governos estaduais, carreira nacional de professor e programas de qualificação periódica do professorado. 6

7 6. Permitir que os mestres e doutores ensinem no ensino básico sem diploma de licenciatura, desde que cursem os mesmos programas de qualificação pedagógica periódica, exigidos na carreira nacional de professor de ensino básico. 7. Instituir o turno único, de tempo integral, por passos sucessivos, no prazo de oito anos. 8. Definir meios para reconciliar, em todo o país, a gestão das escolas pelos Estados e os Municípios com padrões nacionais de investimento e de qualidade. Associar o governo federal e os governos estaduais e municipais em órgãos conjuntos que assumam responsabilidade pela qualificação de redes escolares locais defeituosas que caiam repetidamente abaixo do patamar mínimo aceitável de qualidade. 9. Trabalhar com os Municípios para generalizar em todo o país, a começar pelas áreas mais pobres, a pré-escola, com atendimento médico e dentário e complementação alimentar. 10. Instituir, em nome de cada criança cuja família faça jus aos benefícios do Programa Bolsa Família, um pequeno pecúlio, que aumentará a cada ano. Será administrado pela Caixa Econômica Federal em regime semelhante ao das cadernetas de poupança e será disponibilizado para o aluno quando ele completar a escola média. 11. Instalar escolas federais de referência em todos os níveis do ensino. Identificar por provas especiais os maiores talentos dentro da massa de alunos pobres, atraí-los para essas escolas e oferecer-lhes estímulos econômicos e oportunidades acadêmicas extraordinários. 12. Consolidar a substituição do exame vestibular por uma prova final e única no ciclo secundário, tal qual o ENEM, cujos resultados serão disponibilizados a todas as universidades a que o aluno pleitear admissão. 13. Instituir progressivamente a cobrança de mensalidades nas universidades públicas federais a todos os alunos cuja renda familiar anual seja superior a 150 salários mínimos. 14. Desenvolver, por iniciativa federal, uma série de programas de recrutamento e de preparo de estudantes pobres para pleitear admissão às universidades federais, desconsiderando qualquer critério racial. 15. Propiciar estímulos e orientações diferençadas nas universidades federais, tanto no nível de graduação como nível de pó-graduação, e instituir um programa de bolsas federais, também para o nível de 7

8 graduação, distribuídas por merecimento, para facilitar o ingresso em universidades localizadas em cidades diferentes da origem do estudante. 16. Instituir uma nova Academia de Ciência, organizada em forma de uma rede de instituições temática, definida cada uma delas pela transgressão de barreiras disciplinares e metodológicas. Admitir a essa academia a elite científica nacional, escolhida por processo competitivo e liberada por um semestre em cada ano de qualquer atividade docente para poder dedicar-se, em tempo integral, à pesquisa em uma das instituições dessa rede. Oportunidade para produzir: agricultura 1. Iniciar conjunto de ações que comece a superar o contraste ideológico entre agricultura empresarial e agricultura familiar, com o objetivo de duplicar a área sob cultivo e triplicar nosso produto agrícola nos próximos 30 anos sem desmatamento. 2. Do lado físico, priorizar um grande projeto nacional de recuperação das pastagens degradadas, que hoje representam grande parte do território nacional. Mobilizar o dinheiro dos fundos constitucionais. Promover as mudanças tributárias e regulatórias que imponham maior custo à degradação e ofereçam benefícios para a recuperação. E tirar o Brasil das mãos do cartel mundial de fertilizantes, desenvolvendo à produção de fertilizantes a base de potássio e fosfato. 4. Do lado institucional, reerguer o sistema de extensionismo agrícola, por meio da cooperação federativa. E usar os bancos públicos para disponibilizar aos pequenos e médios produtores os novos produtos e serviços financeiros (opções) que resguardam a agricultura contra o risco de preço e o risco de clima. 5. Usar o poder do governo para fortalecer os produtores rurais contra os oligopólios de compradores de seus produtos e de vendedores de seus insumos, inclusive por meio de procedimentos compulsórios de arbitragem que aumentem a participação dos produtores, sobretudo pequenos e médios, nos ganhos da agricultura. Oportunidade para produzir: indústria 1. Reorientar a política industrial do Brasil para dar prioridade ao soerguimento das pequenas e médias empresas, onde se gera a maior parte do produto e onde está a vasta maioria dos empregos. Unir os 8

9 bancos públicos, o Sebrae e todos os órgãos relevantes na tarefa de lhes abrir o acesso ao crédito, à tecnologia, ao conhecimentos, às práticas avançadas de produção e aos mercados nacionais e globais. Trazer, ainda que pequena parte, parcela dessas empresas para mais perto da vanguarda produtiva seria fomentar escalada de produtividade na economia brasileira. 2. Simplificar drasticamente as regras e as exigências, tributárias e regulatórias para a formalização dos pequenos empreendimentos, aprofundando o regime atual do SIMPES, e criar mecanismo proporcionalmente análogo às médias empresas. 3. Insistir na propagação das experiências locais que deram certo, em matéria de inovação industrial, em vez de pretender escolher, a partir de preconceitos e previsões, os setores portadores do futuro. O Brasil na vanguarda tecnológica: os setores estratégicos 1. Afirmar a determinação nacional de caminhar na vanguarda da ciência, da tecnologia e da produção em três setores de interesse estratégico para o país: energia nuclear, atividade espacial e domínio da nanotecnologia e da cibernética. O comando político desses setores deve ficar diretamente sob a responsabilidade do Presidente da República. 2. Ponto crucial é uma grande iniciativa pública para assegurar nossa independência em matéria de veículos lançadores de satélites e de seus respectivos combustíveis, quer para uso de comunicação quer para efeito de monitoramento. Oportunidade para trabalhar: relações entre o capital e o trabalho. 1. Desonerar radicalmente a folha de salários de todos os encargos para poder resgatar da informalidade a quase metade da população economicamente ativa do país que continua presa na economia informal. Os direitos legítimos devem ser financiados pelos impostos gerais. 2. Construir, ao lado da CLT, um segundo estatuto jurídico para proteger, organizar e representar a parte crescente dos trabalhadores na economia formal que se encontra em situações de trabalho precarizado: temporário, terceirizado ou autônomo. Quando se junta a quase metade que está na economia informal aos empregados precarizados da economia formal, observa-se que é a maioria dos trabalhadores brasileiros que carecem da proteção da lei. 9

10 3. Remunerar a conta do trabalhador no FGTS, nos moldes da renumeração da Caderneta de Poupança para desestimular o saque da conta, que ajuda a fazer da rotatividade do trabalho no Brasil uma das mais altas do mundo. 4. Dar eficácia ao preceito constitucional da participação dos trabalhadores nos lucros e resultados das empresas para ajudar a reverter a queda de muitas décadas da participação dos salários na renda nacional. A base humana do crescimento includente: resguardo contra a miséria 1. Reafirmar os programas sociais, como o Bolsa Família, como resgate de cidadania. E caminhar rumo à garantia de um mínimo universal para todos os cidadãos. 2. Unificar os programas sociais, consolidando o cadastro único das famílias usuárias, com o histórico de uso registrado em cartão eletrônico único para cada família. 3. Propor Lei de Responsabilidade Social, por analogia à Lei de Responsabilidade Fiscal, para obrigar os governos em todos os níveis da Federação a participar da execução dos programas sociais e do atendimento dos mínimos sociais, sob pena de sofrerem sanções semelhantes às sançoes previstas na Lei de Responsabilidade Fiscal e limitações no repasse de recursos voluntários da União. 4. Direcionar programas de capacitação e de integração aos batalhadores : os beneficiários dos programas sociais que já tenham demonstrado disposição e capacidade para superar os múltiplos entraves sociais e culturais característicos da situação da pobreza. 5. No trato com o núcleo duro da miséria constituído em grande parte de famílias desestruturadas conduzidas por uma mãe solteira que tem que preservar os filhos enquanto luta para trabalhar anteceder os esforços de capacitação por iniciativas sociais destinadas a apoiar tais famílias, sempre por meio da cooperação federativa. 6. Constituir corpo de agentes sociais, por analogia aos agentes comunitários da saúde, para abordar cada família beneficiária e encaminhá-la ora aos programas de capacitação ora aos programas de apoio social, de acordo com sua situação. 10

11 A base humana do crescimento includente: saúde 1. Enfrentar, e começar a superar, o contraste brutal entre os dois universos da saúde no Brasil: o do SUS (Sistema Único de Saúde), exemplar em seu compromisso universalizante e em seu emprego do federalismo cooperativo, porém frágil em sua base de financiamento, e o dos planos privados, subsidiados direta e indiretamente pelo Estado brasileiro. Convoca o país a rejeitar apartheid que resulta num gasto per capita em saúde para os 20% de brasileiros que estão no mundo dos planos, que é quatro ou cinco vezes maior do que o gasto per capita para os 80% que estão no mundo do SUS. Não se deve permitir à minoria que lave as mãos do destino da maioria e que o faça com o dinheiro da maioria. Enfrentar o problema da justiça é criar condições para resolver o problema do financiar. 2. Abrir vasos comunicantes entre os dois mundos da saúde. O perdão fiscal para os segurados dos planos privados deve ser diminuído progressivamente e o dinheiro poupado pelo Tesouro usado para fortalecer o financiar do SUS. As empresas seguradoras devem reembolsar o SUS integralmente pelos serviços que ele prestar a seus segurados. As instituições filantrópicas e os hospitais universitários devem fazer jus aos benefícios tributários que recebem ao dedicar parte substancial de seu tempo ao tratamento gratuito de usuários do SUS. 3. Ao SUS deve-se assegurar parte fixa do novo imposto nacional sobre o valor agregado suficiente para produzir ampliação de pelo menos 30% de sua receita atual. A base humana do crescimento includente: segurança 1. Completar a federalização de todos os crimes típicos das organizações criminosas. E conduzir a luta contra o crime organizado, a partir da liderança da Polícia Federal, em todo o território nacional, com os instrumentos tecnológicos e científicos mais avançados disponíveis no mundo. 2. Combater o crime comum, ainda que violento, por meio de colaboração federativa, focada na cooperação entre as polícias estaduais e as comunidades organizadas. Facultar a contratação em massa de vigilantes comunitários, desarmados, porém equipados com instrumental de comunicação e integrados em suas comunidades. 11

12 Política econômica que abra espaço para a democratização de oportunidades 1. O PMDB defende a manutenção da política de metas de inflação, do regime de câmbio flutuante e, sobretudo, do compromisso com a responsabilidade e o realismo fiscais. 2. Ao mesmo tempo, porém, o PMDB afirma que a estratégia de desenvolvimento nacional que ele propõe requer financiamento interno forte. É preciso elevar a poupança, privada e pública, se possível substancialmente acima de 20% do PIB. Nenhum país enriquece com o dinheiro dos outros. Mas a elevação da poupança não será proveitosa se não se abrirmos canais capazes de mobilizar a poupança de longo prazo para o investimento produtivo de longo prazo. 3. Para elevar a poupança pública, o PMDB propõe que o governo federal se comprometa a manter a elevação dos gastos públicos sempre em menos de 2% do crescimento do PIB. 4. Para elevar a poupança privada, conceder incentivo tributário, inversamente proporcional à renda do cidadão, para toda a poupança, seja ou não dentro do regime das Cadernetas de Poupança. 5. Para canalizar, de maneira mais eficaz, a poupança de longo prazo ao investimento produtivo de longo prazo, organizar a previdência complementar. Estabelecer um regime próprio para o investimento em empreendimentos emergentes ( venture capital ). E desenvolver atividade semelhante nos bancos públicos. 6. Acirrar a concorrência no setor bancário para diminuir o juro cobrado na ponta, sobretudo ao pequeno e médio produtor. Para isto, facilitar a entrada de novas instituições financeiras, com os resguardos regulatórios adequados. E estimular a formação de cooperativas de crédito. 7. Preparar o caminho para superar gradativamente o dualismo no mercado de crédito: a divisão entre o crédito subsidiado para poucos e o crédito consequentemente mais caro para outros. Os bancos públicos se devem concentrar em organizar o crédito e o investimento de longo prazo, sobretudo para os pequenos e médios empreendedores que tenham dificuldade em acessá-lo. 12

13 A organização do país para o crescimento includente: reforma tributária 1. Prosseguir no caminho, já iniciado, de simplificar a estrutura tributária brasileira em torno de um imposto abrangente sobre o valor agregado que minimize as distorções de preços relativos na economia e os impactos negativos sobre os incentivos para trabalhar, para poupar e para investir, Como no mundo em geral, o imposto será cobrado no final de uma cadeia produtiva no lugar de destino ou de consumo. Entretanto, todos os estados e municípios que participarem da cadeia devem ser proporcionalmente beneficiados na hora da partilha da receita. 2. Renegociar o pacto federativo que assegure os interesses dos estados e dos municípios e evite que a simplificação tributária resulte em prejuízo para os entes federados. 3. Contrabalançar o efeito regressivo do imposto sobre o valor agregado e aprofundar o estímulo à poupança pela tributação, em escala altamente progressiva do consumo individual. Pode começar simplesmente com o imposto de renda da pessoa física com isenção tributária da poupança, a ser concedida em escala inversamente proporcional à renda do contribuinte. E evoluir depois para um imposto progressivo sobre o consumo individual, em substituição ao imposto sobre a renda da pessoa física, com isenção para o padrão básico de vida. 4. Dentro da lógica de igualdade de oportunidades que preside a toda esta proposta, tributar substancialmente as grandes heranças, inclusive a antecipação dessas heranças pro doações inter vivos. A organização do país para o crescimento includente: reforma previdenciária O PMDB entende que os imperativos de justiça e o compromisso com o desenvolvimento exigem o enfrentamento corajoso dos problemas da previdência, por mais controvertidos que sejam. E reconhece que esses problemas se tornarão prementes à medida que mudar o perfil demográfico do país. E vê duas mudanças como fundamentais para a organização do crescimento socialmente includente. 13

14 1. A idade da aposentadoria deve aumentar, lenta e progressivamente, de maneira a acompanhar a ampliação da expectativa de vida. E deve ser igualada para homens e mulheres. 2. A aposentadoria dos funcionários públicos e da população em geral deve ser progressivamente unificada, de forma que respeite os direitos adquiridos. Evitar que as falhas da infraestrutura estrangulem nosso desenvolvimento: energia limpa e transporte multimodal 1. Aproveitar nosso potencial hidrelétrico, o menos aproveitado dos grandes países hidrelétricos do mundo, como energia limpa e barata e esteio de nossa matriz energética na atual fase histórica. 2. Suprir a instabilidade da energia hidrelétrica com outras fontes de energia limpa, inclusive nuclear e eólica. 3. Preparar o caminho futuro para o uso direto da energia solar (em longo prazo) e seu uso indireto (em médio prazo), com base na biomassa. 4. Orientar o país para construção de um sistema multimodal de transporte que integre rodovia com ferrovia e hidrovia. 5. Assegurar que os ganhos futuros do pré-sal financiam os interesses estratégicos do país, sobretudo em matéria de capacitação humana e de infraestrutura de transporte multimodal e de energia limpa, em vez de dissipar-se em gastos correntes e de favorecer a desindustrialização do país. 6. Desenvolver, a partir da Ferrovia Norte-Sul, uma malha ferroviária no sentido Leste-Oeste, a começar pelo Nordeste. 7. Priorizar a construção das hidrovias do Paraná-Parguai e do Telespires-Tapajós. E lançar um programa nacional de medidas modestas, porém cumulativas, que aumentem a navegabilidade de nossos rios. A construção do Brasil e as políticas regionais 1. Voltar as atenções do país para o Nordeste, a Amazônia e o Centro-Oeste mais de 80% da território e mais de 40% do Brasil. Este Brasil aberto oferece terreno privilegiado para a consolidação da estratégia de desenvolvimento nacional que o PMDB propõe. 14

15 2. No Nordeste, insistir no desenvolvimento do semiárido, não apenas da zona da mata e do cerrado. Construir uma política industrial que qualifique redes de pequenas e médias empresas. Transformar as Zonas de Processamento de Exportações em instrumentos desta política. Conceber e executar os grandes projetos industriais de maneira que evite vê-los reduzidos a enclaves isolados da sociedade e da economia em sua volta. Enfrentar, na organização da agricultura irrigada, o modelo institucional que organiza a relação entre os agentes públicos e privados bem como entre os entes federados. Fazer da agricultura de sequeiro uma agricultura tecnificada. Focar a qualidade do ensino fundamental e introduzir, a partir dos Ifets, o novo modelo de ensino médio que aqui se propõe. Dar um choque de ciência e de tecnologia, mobilizando o dinheiro dos fundos setoriais e confiando, em cada Estado nordestino, a iniciativa a uma instituição central. Resgatar do isolamento os muitos municípios nordestinos que continuam isolados, sem acesso rodoviário. E tornar a Sudene a coordenadora de todo este projeto nordestino. 3. Na Amazônia, reconhecer a primazia da regularização fundiária e da regularização ambiental, calcada no zoneamento ecológico e econômico abrangente. Na Amazônia da floresta, focar o soerguimento do extrativismo madeireiro e não madeireiro. Na Amazônia do cerrado, dos campos naturais e dos lavrados, tomar como ponto de partida a recuperação de pastagens degradadas por uma combinação de lavouras perenes, pecuária intensificada, produção para o biodiesel e piscicultura e manejo florestal sustentável. Em ambas as Amazônias, priorizar, em matéria de transporte, os extremos da cadeia logística: as estradas vicinais, de um lado, e a aviação regional, de outro. 4, No Centro-Oeste, hoje uma das partes mais dinâmicas do Brasil e extensão natural da Amazônia do cerrado, insistir no vínculo entre diversificação da produção e a democratização de oportunidades. Desenvolver as indústrias de transformação dos produtos agropecuários. Resolver o problema do escoamento dos grãos rumo ao Norte, por hidrovia e rodovia, e rumo ao Sul, por ferrovia e rodovia. Construir um paradigma de manejo sustentável do cerrado. E estimular o desenvolvimento das cidades médias, assegurando a presença nelas de serviços de alta qualidade, sobretudo de educação e de saúde. 15

16 A reconstrução do Estado: o verdadeiro choque de gestão. 1. Organizar as carreiras de Estado em todo o serviço público. Desenvolver, dentro do serviço público, os quadros transversais, como é hoje a carreira de gestor público. Fazer da Escola Nacional de Administração Pública (ENAP) o manancial mais importante de uma doutrina comum da Administração Pública. 2. Desenvolver as práticas de avaliação, de cobrança e de incentivo da qualidade do desempenho do Estado. Organizar dentro da Secretaria de Gestão do Ministério do Planejamento a avaliação sistemática e permanente da qualidade de gestão em cada setor das políticas públicas. E desenvolver os procedimentos de consulta aos usuários dos serviços públicos a respeito da qualidade dos serviços. 3. Disponibilizar, pela internet ao público em geral, todas as informações com respeito às atividades e aos negócios do Estado, com exceção daquelas que sejam estritamente confidenciais. Em cada caso, justificar publicamente o recurso à confidencialidade e definir com precisão seus limites. 4. Promover revisão profunda do processo e do Direito Administrativo. Nem a camisa-de-força, que se inspira na desconfiança e que resulta no imobilismo, nem a delegação de poderes discricionários irrestritos aos administradores. Um direito e um processo que comprometam o administrador com os objetivos, mas que o assegure margem para gerir e inovar. Envolver os órgãos de controle na concepção e na execução da reforma. 5. Em todos os setores das políticas públicas estimular e organizar o federalismo cooperativo as iniciativas compartilhadas dos três níveis da Federação. Regular em lei os artigos da Constituição que tratam das competências concorrentes e comuns da União, dos estados e dos municípios. 6. Começar a experimentar novas maneiras de prover os serviços públicos, inclusive de educação e de saúde, para qualificá-los. Não é preciso escolher entre a prestação de serviços padronizados, tipicamente de baixa qualidade, pela burocracia do Estado e a privatização dos serviços a favor de empresas com objetivo de lucro. Organizar, preparar, financiar, coordenar e monitorar grupos da sociedade civil por exemplo, cooperativas de educadores e de médicos para participar da provisão competitiva e experimental dos serviços. 16

17 7. Fazer do orçamento plurianual a ponte entre o fluxo orçamentário e o planejamento estratégico de longo prazo. O escudo da defesa nacional 1. O PMDB entende que um projeto rebelde de desenvolvimento necessita de um escudo de defesa. Apoia a pronta execução das medidas previstas na Estratégia Nacional de Defesa: entre elas, medidas que asseguram, por meio da construção do Ministério da Defesa, a primazia civil, que unificam as Forças Armadas em torno do novo Estado Maior de Defesa Conjunto, que privilegiam uma cultura militar pautada pelos imperativos de mobilidade, flexibilidade e monitoramente, que desenvolvam o complexo industrial de defesa, e que reafirmam o princípio do serviço militar obrigatório, a ser complementado, no futuro, por um serviço civil que aproveite, na construção e na integração do país, a juventude dispensada do serviço militar. 2. Todas as parcerias e transações com países estrangeiros em matéria de tecnologias de defesa devem ter por critério superior sua contribuição ao desenvolvimento de nossas capacitações tecnológicas independentes. Transferência convencional de tecnologia não basta. Aprenderemos fazendo quando necessário, ao lado de parceiros estrangeiros. O conserto da política: tirar a política da sombra corruptora do dinheiro 1. Assegurar o financiamento público das campanhas eleitorais. Disciplinar, de forma transparente e restritiva, as contribuições de pessoas físicas, limitando seu vulto. Proibir as contribuições de empresas. 2. Obrigar a simplicidade da propaganda eleitoral em televisão. E com isso suprimir uma das principais situações de gastos altos nas campanhas. 3. Substituir a grande maioria dos cargos de confiança, de indicação política, por carreiras de Estado, Reafirmar, porém, o princípio do comando político da administração pública. 4. Reformar o processo orçamentário para distinguir o que pode e deve ser impositivo da parte discricionária correspondente à parte variável da receita pública. 17

18 UM CAMINHO PARA O BRASIL: PROPOSTA SISTEMÁTICA 18

19 INTRODUÇÃO O PMDB e o Brasil O PMDB não é apenas o maior partido do Brasil; é também o principal construtor da democracia que se desenhou nos anos da resistência democrática, que se organizou a partir da Constituição de 1988 e que avançou por meio dos governos eleitos desde então. O PMDB não será mero destinatário ou coadjuvante das propostas de outras forças políticas. O PMDB tem proposta ao mesmo tempo moderada e audaciosa. Esta proposta deita raízes nos três compromissos que sempre o nortearam: o democrático, o nacional e o produtivo. E propõe como equipar o atributo mais importante do Brasil: sua vitalidade. O caminho político do PMDB seu projeto de poder, hoje e amanhã, será aquele que melhor servir este programa. Não se faz política real sem levar em conta as ambições, os interesses e as forças existentes. Mas não se faz política grande, fecunda e transformadora, sem visão de futuro. O partido mais presente no país, e o que goza de maior intimidade com o dia-a-dia dos brasileiros, é também o que melhor pode interpretar a vontade preponderante da nação. Esta proposta resulta de muitos meses de discussão nas bases do partido em todos os estados brasileiros. Retrata um momento na execução de uma obra coletiva: demarcar, em nome da mais importante organização política do país, rumo para o Brasil. O eixo da proposta: novo modelo de desenvolvimento, baseado em democratização de oportunidades e de capacitações O PMDB propõe novo modelo de desenvolvimento nacional. Este modelo primará pela ampliação de oportunidades para aprender, para trabalhar e para produzir. Transformará a democratização das oportunidades e das capacitações no motor do crescimento econômico. 19

20 Com isso, ancorará o social na maneira de organizar a produção. Terá por alvos a capacitação e o produtivismo democratizantes. Não há país no mundo contemporâneo que supere o Brasil em criatividade empreendedora ou cultural. Nosso país fervilha de energia humana. Nossa tragédia tem sido que grande parte deste dinamismo continua a ser frustrado e desequipado; dissipa-se por falta de meios e de ocasiões. A instrumentalização desta vitalidade exige inovações na maneira de organizar cada departamento da vida brasileira. Não se democratiza a economia sem aprofundar a democracia. E não se democratiza a economia nem se aprofunda a democracia sem fazer o que raramente fizemos em nossa vida nacional: reconstruir as instituições em vez de importar o formulário institucional a ser executado no Brasil. Se, de um lado, o eixo desta proposta é a construção de estratégia de desenvolvimento dedicada à ampliação de oportunidades e de capacitações, de outro lado é insistir na idéia da construção nacional. As grandes regiões não resolvidas do país, a Amazônia, o Nordeste e o Centro-Oeste oferecem terreno privilegiado para a definição do rumo a tomar. Reconstruir nossa forma de desenvolvimento para poder construir o Brasil: é isso o que propõe o PMDB. Os progressos do governo Lula e o próximo passo Situa-se esta proposta em hora alvissareira. Os grandes progressos conseguidos, com a participação do PMDB, pelo governo Lula criam condições para que se viabilize nova etapa na vida do Brasil. O governo Lula consolidou a estabilidade econômica, barrando o regresso à hiperinflação. Livrou milhões de brasileiros da pobreza extrema. Abriu para milhões de jovens as portas da universidade e da escola técnica. Promoveu obras de energia e transporte indispensáveis ao desenvolvimento do país. Começou a construir escudo de defesa, consubstanciado na Estratégia de Defesa Nacional. Trouxe o Brasil para o concerto das grandes nações. Acima de tudo isto, paira um avanço no terreno do imaginário, talvez ainda mais importante do que todas estas realizações. Ao se identificar com o Presidente Lula, o povo brasileiro aceitou-se a si mesmo. É um quadro que oferece condições favoráveis à execução da 20

CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL

CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Recomendações para a construção de um sistema tributário mais justo, que aumente a competitividade do

Leia mais

Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República

Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República Senhora ministra, senhores ministros, doutor Sergei, doutor Jessé, meus colegas, meus concidadãos, a Secretaria de Assuntos Estratégicos

Leia mais

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações JUNHO/2015 NOSSA ASPIRAÇÃO Visão Somos uma coalizão formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados em contribuir para a promoção de uma nova economia

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

GESTÃO NO SERVIÇO PÚBLICO

GESTÃO NO SERVIÇO PÚBLICO GESTÃO NO SERVIÇO PÚBLICO Susan Dignart Gestora Governamental - MT Cuiabá MT, dezembro de 2008 GESTÃO o que é? Muitas interpretações... Gestão = Administração: organizar os meios para atingir fins; Políticas

Leia mais

Relatório de Avaliação do PPA 2012-2015

Relatório de Avaliação do PPA 2012-2015 Relatório de Avaliação do PPA 2012-2015 2014, ano base 2013 Dimensão Estratégica (vol. 1) e Programas Temáticos (vol. 2) Resumo do preenchimento Esther Bemerguy de Albuquerque Secretária de Planejamento

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO As condições para o financiamento do desenvolvimento urbano estão diretamente ligadas às questões do federalismo brasileiro e ao desenvolvimento econômico. No atual

Leia mais

Papel do Pará será de vanguarda para o Brasil :: Thiago Vilarins (O Liberal, em 14.06.2015)

Papel do Pará será de vanguarda para o Brasil :: Thiago Vilarins (O Liberal, em 14.06.2015) Papel do Pará será de vanguarda para o Brasil :: Thiago Vilarins (O Liberal, em 14.06.2015) O desenvolvimento do País passa pelo aproveitamento das potencialidades da região amazônica, em particular, pelo

Leia mais

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Apresenta à sociedade brasileira um conjunto de estratégias e ações capazes de contribuir para a afirmação de um novo papel para o rural na estratégia

Leia mais

A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL

A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL 1 O PACTO FEDERATIVO E A QUESTÃO FISCAL As dificuldades oriundas do federalismo brasileiro vêm ganhando cada vez mais espaço na

Leia mais

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 A Constituição de 1988 criou a possibilidade de que os cidadãos possam intervir na gestão pública. Pela via do controle social, influenciam

Leia mais

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO DOCUMENTO PROPOSITIVO Página 1 1. IMPORTÂNCIA DO TEMA PARA A II CONFERÊNCIA NACIONAL 1.1. A construção de um novo Brasil pautado na justiça, equidade e

Leia mais

Plano de Desenvolvimento do Estado de Mato Grosso - MT20

Plano de Desenvolvimento do Estado de Mato Grosso - MT20 Plano de Desenvolvimento do Estado de Mato Grosso - MT20 1ª oficina de prospecção de cenários (parte 2) Cuiabá, fevereiro, 2006 Condicionantes de futuro exógenos (nacionais) Condicionantes de futuro exógenos

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

PMDB UM PROGRAMA PARA O BRASIL

PMDB UM PROGRAMA PARA O BRASIL PMDB UM PROGRAMA PARA O BRASIL Tem muito Brasil pela Frente O PMDB é o partido da democracia. Ontem como hoje, cultiva a semente da participação popular no processo político. Sabe, por isso mesmo, que

Leia mais

A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais

A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais 37,6 milhões de benefícios regulares para os mais pobres Ao lado dos programas sociais que se destinam a toda a sociedade, o Governo Federal

Leia mais

A Economia Angolana nos Últimos Anos

A Economia Angolana nos Últimos Anos A Economia Angolana nos Últimos Anos A Economia cresceu : Saiu de uma base pequena para uma base muito maior. Deixou os tempos de grandes taxas de crescimento, mas instáveis, para taxas médias mais sustentáveis.

Leia mais

2007 PRODOC BRA 05/028 MDS/PNUD

2007 PRODOC BRA 05/028 MDS/PNUD Instrumento de Solicitação de Manifestação de Interesse- Qualificação de Parceiros para a Implementação de Projetos de Inclusão Produtiva 2007 PRODOC BRA 05/028 MDS/PNUD 1. OBJETO DO INSTRUMENTO CONVOCATÓRIO

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO POR UM CEARÁ MELHOR PRA TODOS A COLIGAÇÃO POR UM CEARA MELHOR PRA TODOS, com o objetivo de atender à Legislação Eleitoral e de expressar os compromissos

Leia mais

Agenda para Micro e Pequenas Empresas

Agenda para Micro e Pequenas Empresas Agenda para Micro e Pequenas Empresas As Micro e Pequenas Empresas (MPE) são de vital importância para o desenvolvimento econômico de Goiás, pois atuam em diversas atividades econômicas, tais como indústria,

Leia mais

AUniversidade terá um papel fundamental PARA MUDAR O BRASIL LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA MUDAR A EDUCAÇÃO. Eleições 98

AUniversidade terá um papel fundamental PARA MUDAR O BRASIL LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA MUDAR A EDUCAÇÃO. Eleições 98 Eleições 98 LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA MUDAR A EDUCAÇÃO PARA MUDAR O BRASIL Divulgação AUniversidade terá um papel fundamental na discussão, elaboração e implementação de um novo projeto nacional de desenvolvimento.

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

Plano de lutas PLENO EMPREGO

Plano de lutas PLENO EMPREGO Plano de lutas PLENO EMPREGO a) Impulsionar, junto com as outras centrais sindicais, a campanha nacional pela redução constitucional da jornada de trabalho sem redução de salários; b) Exigir a restrição

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca r f Considerei particularmente oportuno

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Agnaldo dos Santos Observatório dos Direitos do Cidadão Participação Cidadã (Instituto Pólis) Apresentação O Observatório dos Direitos do Cidadão,

Leia mais

27/11/2009. Entrevista do Presidente da República

27/11/2009. Entrevista do Presidente da República Entrevista exclusiva concedida por escrito pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, para o jornal Metro, edição São Paulo e edição ABC Publicada em 27 de novembro de 2009 Jornalista: Muitos

Leia mais

Educação Fiscal e Financiamento. 10º Encontro Estadual da UNCME/ES 14 de maio de 2015

Educação Fiscal e Financiamento. 10º Encontro Estadual da UNCME/ES 14 de maio de 2015 Educação Fiscal e Financiamento 10º Encontro Estadual da UNCME/ES 14 de maio de 2015 Vinculação Constitucional de Recursos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 Art. 212. A União aplicará,

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Modelo de desenvolvimento da era Lula está exaurido, diz ministro :: Matias Spektor e Patrícia Campos Mello (Folha de S. Paulo, em 30/08/2015)

Modelo de desenvolvimento da era Lula está exaurido, diz ministro :: Matias Spektor e Patrícia Campos Mello (Folha de S. Paulo, em 30/08/2015) Modelo de desenvolvimento da era Lula está exaurido, diz ministro :: Matias Spektor e Patrícia Campos Mello (Folha de S. Paulo, em 30/08/2015) O modelo de desenvolvimento da era Lula o tripé composto por

Leia mais

O ENEM de 2014 teve 15 mil candidatos idosos inscritos, o que mostra a vontade dessa população em investir em formação superior.

O ENEM de 2014 teve 15 mil candidatos idosos inscritos, o que mostra a vontade dessa população em investir em formação superior. IDOSOS O Solidariedade, ciente da importância e do aumento população idosa no País, defende o reforço das políticas que priorizam este segmento social. Neste sentido, destaca-se a luta pela consolidação

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

UNIDADE DE APRENDIZAGEM II: GESTÃO E FINANCIAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) Autor: Prof. Dr. José Mendes Ribeiro (DCS/ENSP/FIOCRUZ)

UNIDADE DE APRENDIZAGEM II: GESTÃO E FINANCIAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) Autor: Prof. Dr. José Mendes Ribeiro (DCS/ENSP/FIOCRUZ) UNIDADE DE APRENDIZAGEM II: GESTÃO E FINANCIAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) Autor: Prof. Dr. José Mendes Ribeiro (DCS/ENSP/FIOCRUZ) Gestão do SUS: aspectos atuais A reforma sanitária brasileira,

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL O presente documento tem por objetivo

Leia mais

O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável

O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável por Cláudia Cristina 1 O NOVO CONTEXTO GLOBAL E O DESAFIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL As profundas transformações econômicas, sociais e políticas

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

2 A Realidade Brasileira

2 A Realidade Brasileira 16 2 A Realidade Brasileira 2.1. A Desigualdade Social no Brasil De acordo com o levantamento do IBGE, embora a renda per capita no país seja relativamente elevada para os padrões internacionais, a proporção

Leia mais

III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LA RED MEDAMERICA EXPERIENCIAS DE DESARROLLO REGIONAL Y LOCAL EN EUROPA Y AMERICA LATINA

III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LA RED MEDAMERICA EXPERIENCIAS DE DESARROLLO REGIONAL Y LOCAL EN EUROPA Y AMERICA LATINA III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LA RED MEDAMERICA EXPERIENCIAS DE DESARROLLO REGIONAL Y LOCAL EN EUROPA Y AMERICA LATINA TALLER I: ERRADICACIÓN DE LA POBREZA Y DESARROLLO: UN NUEVO PARADIGMA DEL DESARROLLO

Leia mais

Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008

Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008 Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008 1. Nós, os Ministros da Fazenda e Diretores dos Bancos Centrais do G-20, realizamos nossa décima reunião anual

Leia mais

DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414

DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414 DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414 Nome da Operação Acre: Fortalecimento de Políticas Públicas para a Melhoria da Prestação de Serviços

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

DECRETO Nº. III - criação de estrutura de financiamento pública e transparente para a extensão universitária;

DECRETO Nº. III - criação de estrutura de financiamento pública e transparente para a extensão universitária; DECRETO Nº. Institui o Plano Nacional de Extensão Universitária PNExt Art. 1º Fica instituído o Plano Nacional de Extensão Universitária PNExt constante deste Decreto, com o objetivo de promover a política

Leia mais

ELEIÇÃO 2010 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CARTA 27 BRASIL

ELEIÇÃO 2010 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CARTA 27 BRASIL ELEIÇÃO 2010 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CARTA 27 BRASIL DIRETRIZES GERAIS DE GOVÊRNO COMPROMISSO DA SOCIAL DEMOCRACIA CRISTÃ NO EXERCÍCIO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. APLICAR OS VALORES DA DEMOCRACIA CRISTÃ

Leia mais

ESTUDOS FISCAIS: ESTIMATIVAS DA PARTICIPAÇÃO DOS ENTES DA FEDERAÇÃO NO BOLO TRIBUTÁRIO

ESTUDOS FISCAIS: ESTIMATIVAS DA PARTICIPAÇÃO DOS ENTES DA FEDERAÇÃO NO BOLO TRIBUTÁRIO ESTUDOS FISCAIS: ESTIMATIVAS DA PARTICIPAÇÃO DOS ENTES DA FEDERAÇÃO NO BOLO TRIBUTÁRIO Estimativas preliminares realizadas pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM), que ainda podem ser alteradas

Leia mais

Opinião N20 A PARCERIA ENTRE UNIVERSIDADE E MOVIMENTOS SOCIAIS NA AMPLIAÇÃO DO ACESSO E PERMANÊNCIA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO

Opinião N20 A PARCERIA ENTRE UNIVERSIDADE E MOVIMENTOS SOCIAIS NA AMPLIAÇÃO DO ACESSO E PERMANÊNCIA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO Opinião N20 A PARCERIA ENTRE UNIVERSIDADE E MOVIMENTOS SOCIAIS NA AMPLIAÇÃO DO ACESSO E PERMANÊNCIA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO VINICIUS SANTOS FERNANDES 1 Atualmente, a universidade brasileira tem sido

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PARA A PESSOA IDOSA

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PARA A PESSOA IDOSA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PARA A PESSOA IDOSA Potyara A. P. Pereira 1 Introdução Do conjunto de leis, direitos e políticas que, a partir da Constituição Federal de 1988, compõem a nova institucionalidade

Leia mais

2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia. Declaração Conjunta

2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia. Declaração Conjunta 2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia Rio de Janeiro, 22 de dezembro de 2008. Declaração Conjunta Sumário Os empresários europeus e brasileiros apóiam com entusiasmo a Parceria Estratégica Brasil-

Leia mais

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Brasília, 22 de novembro de 2012 É uma honra recebê-los

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

O BRASIL SEM MISÉRIA APRESENTAÇÃO

O BRASIL SEM MISÉRIA APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O BRASIL SEM MISÉRIA O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome decidiu organizar este livro por vários motivos. Um deles é evitar que o histórico da construção do Plano Brasil

Leia mais

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a "modernização" da vida política.

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a modernização da vida política. Apesar dos problemas associados à má distribuição de renda, o Brasil- ingressa no século XXI com uma das maiores economias do mundo e um compromisso com a paz mundial e o sistema democrático e sem conflitos

Leia mais

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Eixo I O plano Nacional de Educação e o Sistema Nacional de Educação: organização e regulação. Instituir, em cooperação

Leia mais

Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010

Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010 Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010 Distribuição dos Recursos entre Áreas de Aplicação Área de Aplicação Limite de ção do total dos recursos

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

Avaliação de Alternativas - Grupo de Estudos de Seguro Depósito - Subgrupo: Objetivos de Política Pública.

Avaliação de Alternativas - Grupo de Estudos de Seguro Depósito - Subgrupo: Objetivos de Política Pública. Avaliação de Alternativas - Grupo de Estudos de Seguro Depósito - Subgrupo: Objetivos de Política Pública. (abril, 2002) Ana Carla Abraão Costa Economista, História recente da economia brasileira A economia

Leia mais

Financiamento da Transição para a Agroecologia A proposta do Proambiente

Financiamento da Transição para a Agroecologia A proposta do Proambiente Financiamento da Transição para a Agroecologia A proposta do Proambiente Letícia Rangel Tura 1 e Luciano Mattos 2 Na Amazônia, desde o final dos anos 90, vêm-se discutindo formas de introduzir, em programas

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

CÁRITAS BRASILEIRA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS

CÁRITAS BRASILEIRA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS CÁRITAS BRASILEIRA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO A Cáritas Brasileira é um organismo vinculado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) que possui a missão de Testemunhar

Leia mais

Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015

Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015 Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015 1. A Presidenta da República Federativa do Brasil, Dilma Rousseff, e a Chanceler da República Federal da Alemanha,

Leia mais

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU O Papel dos Tributos Imobiliários para o Fortalecimento dos Municípios Eduardo de Lima Caldas Instituto Pólis Marco

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil Davi Almeida e Rodrigo Ventura Macroplan - Prospectiva, Estratégia & Gestão Artigo Publicado em: Sidney Rezende Notícias - www.srzd.com Junho de 2007 Após duas décadas

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Documento de Trabalho SESSÃO TEMÁTICA INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Indicador de importância das prioridades (Resultado

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014.

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil na Comissão de Assuntos Econômicos, no Senado Federal Página 1 de 8 Exmo. Sr. Presidente

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados na construção

Leia mais

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 ATENÇÃO: ANTES DE ASSINAR ESTA CARTA, LEIA O CONTEÚDO ATÉ O FINAL E CLIQUE NO LINK. FÓRUM DE AÇÃO EMPRESARIAL PELO CLIMA CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 O desafio da mudança do clima

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Proposta de Programa do PCB para o Município de Manaus

Proposta de Programa do PCB para o Município de Manaus Proposta de Programa do PCB para o Município de Manaus. Os sucessivos governos de direita ou de corte social-liberal investem nos programas maquiadores da administração pública, por meio de projetos milionários

Leia mais

Íntegra do discurso da presidente na abertura da reunião ministerial

Íntegra do discurso da presidente na abertura da reunião ministerial Íntegra do discurso da presidente na abertura da reunião ministerial Leia abaixo a íntegra do discurso da presidente na abertura da reunião ministerial, segundo transcrição divulgada pela Secretaria de

Leia mais

Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável

Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável 2 Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável Fevereiro de 2011 1 2 Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável 1Apresentação Esta plataforma expressa a visão e os objetivos

Leia mais

LOGÍSTICA E COMPETITIVIDADE

LOGÍSTICA E COMPETITIVIDADE LOGÍSTICA E COMPETITIVIDADE NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Uma análise do Comitê de Logística da ABAG e de seus núcleos: Infraestrutura do Transporte Logística do Transporte Armazenagem Energia Telemática Capital

Leia mais

Carta Aberta dos estudantes do ProUni ao Ministro de Estado da Educação

Carta Aberta dos estudantes do ProUni ao Ministro de Estado da Educação Carta Aberta dos estudantes do ProUni ao Ministro de Estado da Educação Senhor Ministro, Nós, estudantes bolsistas do ProUni, reunidos na cidade de São Paulo, dedicamos algumas palavras a Vossa Excelência,

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Grupo do Banco Africano de Desenvolvimento No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Sumário Executivo A Estratégia do Banco Africano de Desenvolvimento para 2013-2022 reflecte as

Leia mais

PACTO PELA VALORIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA POR UMA PROFISSIONALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL

PACTO PELA VALORIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA POR UMA PROFISSIONALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL PACTO PELA VALORIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA POR UMA PROFISSIONALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL (PROPOSTA DE AGENDA MÍNIMA PACTUADA ENTRE MEC/SETEC CONCEFET - CONDAF CONDETUF SINASEFE) Contexto As

Leia mais

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza FOME ZERO O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza Seminário Internacional sobre Seguro de Emergência e Seguro Agrícola Porto Alegre, RS -- Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 Alguns

Leia mais

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE CRIAÇÃO DE EMPREGO NUM NOVO CONTEXTO ECONÓMICO 27-28 demarço de 2014, Maputo, Moçambique A conferência de dois dias dedicada ao tema Diálogo Nacional Sobre

Leia mais

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento Carta de Joinville Os Secretários e Secretárias Municipais de Saúde, reunidos no XXIII Congresso Nacional das Secretarias Municipais de Saúde e IV Congresso Brasileiro de Saúde, Cultura de Paz e Não-Violência,

Leia mais

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Yoshiaki Nakano Escola de Economia de São Paulo Fundação Getulio Vargas 26 de Abril de 2006 Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil A Base do Novo

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC)

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC) EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC) Professor: Pedro Antônio Bertone Ataíde 23 a 27 de março

Leia mais

Por que o empreendedorismo [junto com o capital intelectual] deve ser adotado como área estratégica no planejamento estratégico da Suframa?

Por que o empreendedorismo [junto com o capital intelectual] deve ser adotado como área estratégica no planejamento estratégico da Suframa? Por que o empreendedorismo [junto com o capital intelectual] deve ser adotado como área estratégica no planejamento estratégico da Suframa? 1 O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil Estratégia de desenvolvimento no Brasil Crescimento econômico com inclusão social e

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI 1. Coloque V para verdadeiro e F para falso: EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI ( ) a população economicamente ativa compreende a parcela da população que está trabalhando ou procurando emprego.

Leia mais