PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO"

Transcrição

1 Proposta de PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO Entre: Município de Guimarães, primeiro Outorgante, representado pelo Presidente da Câmara Municipal E Escola Profissional Profitecla / Pólo de Guimarães, Pessoa Colectiva, NIF , com sede no Estádio D. Afonso Henriques, porta n.º 8, Rua de São Gonçalo, Guimarães, aqui representada por José Serafim Gonçalves, na qualidade de Responsável Pedagógico do Polo de Guimarães, adiante designada por Profitecla ou segundo outorgante; Considerando - A importância de promoção da aproximação entre o Município e a realidade institucional que o envolve, designadamente as instituições escolares e formativas; - A necessidade de ampliar mecanismos de cooperação que tornem possível, e facilitem, a participação conjunta em atividades de carácter formativo e lúdico no campo da juventude; - Que a Escola Profissional Profitecla tem como principal objetivo dotar os seus alunos com as competências cientificas, técnicas, culturais e sociais que lhes permitam iniciar uma carreira profissional adequada às necessidades do mercado de trabalho na sua área específica de qualificação e que os prepare para enfrentar as exigências de uma formação científica/técnica mais avançadas, seja no âmbito universitário ou profissional; - Que a Escola Profitecla forma Técnicos de Turismo, Técnicos de Restauração e Técnicos de Serviços Jurídicos que se pretende venham a integrar, com sucesso, o mercado de trabalho; - As diferentes atribuições dos Municípios, no que se refere à educação, património, cultura e ciência, ocupação dos tempos livres e desporto, saúde e cooperação externa bem como a responsabilidade de apoiar ou comparticipar, pelos meios adequados, atividades de interesse municipal, de natureza social, cultural, desportiva, recreativa ou outra; - Que ambas as entidades reconhecem o interesse mútuo em institucionalizar relações de colaboração com vista ao melhor aproveitamento das potencialidades humanas, logísticas e programáticas de cada uma e as vantagens que poderão advir da implementação conjunta de programas e ações nos vários domínios da intervenção municipal. É celebrado o presente protocolo que se rege pelas cláusulas seguintes:

2 Cláusula 1ª Âmbito 1 - Pelo presente Protocolo, os Outorgantes estabelecem entre si uma Parceria destinada à cooperação mútua nos programas e acções a desenvolver pelo Município de Guimarães, nos termos definidos neste instrumento; 2 - Os projetos a que se alude no número anterior têm por missão incentivar novas formas de gestão e de governança, através da cooperação dos diversos actores, promovendo diferentes valências, tais como a promoção e reforço da cidadania e da responsabilidade social; fortalecimento do capital humano, institucional e cultural local; e, em especial, o fortalecimento da participação, integração, empreendedorismo e formação dos jovens do concelho de Guimarães. Cláusula 2ª (Composição) A Parceria é composta pelos outorgantes signatários e demais agentes que possam vir a comprometer-se com as atribuições e competências do Município de Guimarães, visando a sua prossecução. Cláusula 3ª (Objetivos) As partes comprometem-se a colaborar entre si, tendo em vista a prossecução dos seguintes objetivos gerais: a) Colaborar nos projetos, programas e ações realizadas pela Câmara Municipal de Guimarães; b) Estabelecer mecanismos de cooperação que tornem possível a participação agregada em projetos, programas e ações que envolvam a juventude do concelho de Guimarães; c) Contribuir para desenvolver nos cidadãos, especialmente nos jovens, uma cultura de cooperação e de responsabilidade, aberta à partilha de informação e à melhoria contínua, num contexto de inovação cultural e de afirmação da cidadania. Cláusula 4ª (Ações) 1 - A colaboração proposta será desenvolvida de acordo com as possibilidades de cada parceiro, designadamente, nos seguintes modos: a) Realizar programas de formação e de aprendizagem;

3 b) Participar mutuamente em ações de formação levadas a cabo pelos parceiros; c) Colaborar na execução de projetos/ações específicos; d) Cooperar em campanhas de sensibilização, especialmente junto dos jovens; e) Participação dos formandos da escola Profitecla na organização de eventos; 2 - As partes estabelecem que cada projeto/ação específica a desenvolver será definido e detalhado, no que respeita aos objetivos, encargos, mecanismos e prazos, através da elaboração de documentos complementares. Cláusula 5ª (Gestão e obrigações do protocolo) 1 - A gestão do protocolo será assegurada por um representante nomeado por cada um das instituições que terá como missão ser o interlocutor privilegiado para as relações entre as instituições. 2 - O primeiro outorgante compromete-se a: a) Informar previamente sobre a execução das tarefas a realizar pelos formandos da Profitecla nos seus diversos eventos, bem como a coordenar as ações decorrentes das tarefas desenvolvidas pelos formandos nesses mesmos eventos; b) Fornecer aos formandos da Profitecla participantes nos seus eventos o merchandising e os trajes indicados para o staff/organização, quando existente; c) Disponibilizar todos os meios ao seu alcance para a concretização eficaz e eficiente deste d) Informar dos seus planos e ações, nas áreas contidas neste protocolo, que possam vir a potenciar futuras colaborações; e) Apoiar o desenvolvimento de atividades de formação profissional; f) Fomentar a realização de Estágios Curriculares/Profissionais para os formandos da Profitecla nas Unidades Orgânicas Municipais, em especial na Divisão de Turismo, Cultura e Juventude, ao abrigo de programas específicos. g) Divulgar as actividades da Escola Profitecla nos meios de comunicação por si detidos, designadamente, jornal, mupis que se coadunem com o espirito do presente protocolo de desenvolvimento pessoal e profissional dos seus formandos; 3. O segundo outorgante compromete-se a: a) Colocar formandos dos Cursos de Turismo e Restauração, ou de outros cursos que porventura venham a existir e que se coadunem com o espírito e âmbito deste protocolo, em contexto de voluntariado, nos projetos, programas e ações a desenvolver pela CM Guimarães;

4 b) Cobrir, através de seguro escolar, os formandos participantes nos projetos, programas e ações a desenvolver pela CM Guimarães; d) Disponibilizar todos os meios ao seu alcance para a concretização eficaz e eficiente deste e) Informar dos seus planos e ações, nas áreas contidas neste protocolo, que possam vir a potenciar futuras colaborações; f) Disponibilizar-se, sempre que for possível, para colaborar em iniciativas organizadas e/ou apoiadas pela CMG. Cláusula 6ª (Estratégias de Comunicação) 1 - As partes comprometem-se, em co- responsabilidade: a) Estabelecer uma imagem pública favorável ( good will ) dos projetos, programas e acções junto da opinião (pública e publicada), assente numa identidade exercida de forma consciente, responsável e coerente com o seu papel social e orientada para a otimização dos resultados no relacionamento com os públicos-alvo; b) Contribuir para ampliar o nível de conhecimento e visibilidade dos projetos, programas e ações e dos benefícios de uma adesão ao mesmo; c) Garantir a circulação de informações que incentivem a participação ativa e um nível crescente de vinculação dos sujeitos aos projetos, programas e ações; d) Fornecer informações básicas e/ou detalhadas a respeito dos projetos, programas e ações, para que os cidadãos possam participar ativamente nos mesmos; Exemplos: flyers, folders, cartões, manuais, sites, s, relatórios, etc; e) Difundir os projetos, programas e ações e o estado da sua evolução nos sites de cada um dos parceiros; f) Trocar entre si material vídeo, fotográfico e demais registos de conteúdos relevantes das iniciativas realizadas no âmbito do presente g) Divulgar os apoios e logótipos do Município de Guimarães e da Escola Profissional Profitecla nos suportes de divulgação e publicidade utilizados no desenvolvimento das atividades a desenvolver, com as seguintes menções expressas: Com o apoio da Câmara Municipal de Guimarães e respetivo logótipo; Com o apoio da Escola Profissional Profitecla e respetivo logótipo.

5 Cláusula 7ª (Duração, alteração e denúncia do protocolo) 1 - O presente protocolo terá a duração de um ano, renovável por iguais períodos de tempo; 2 - Durante a vigência do protocolo poderão ser introduzidas alterações, as quais, efetuadas mediante expresso mútuo acordo e após formalização, passarão a ser parte integrante do 3 - O presente protocolo poderá ser revogado mediante expresso mútuo acordo ou por qualquer das partes, mediante prévia comunicação escrita, com antecedência de sessenta dias; Cláusula 8ª (Resolução de conflitos) As partes comprometem-se a resolver de forma amigável qualquer litígio que possa surgir da execução do presente protocolo. Cláusula 9ª (Interpretação) As dúvidas suscitadas pela aplicação das regras do protocolo serão esclarecidas e interpretadas de comum acordo, dentro do princípio geral da boa-fé e na esteira da interpretação mais favorável à prossecução das finalidades expressas. Data e assinaturas

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO. Entre. a Direção-Geral da Educação Ministério da Educação e Ciência

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO. Entre. a Direção-Geral da Educação Ministério da Educação e Ciência PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO Entre a Direção-Geral da Educação Ministério da Educação e Ciência e o Camões - Instituto da Cooperação e da Língua, I.P. Ministério dos Negócios Estrangeiros para promover a consolidação

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor - DECO, pessoa coletiva sem fins lucrativos, de utilidade pública, com sede na Rua da Artilharia Um, n.º 79 4º, 1269-160

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO MUNICIPIO DE MANTEIGAS E NERGA NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO MUNICIPIO DE MANTEIGAS E NERGA NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO MUNICIPIO DE MANTEIGAS E NERGA NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL Considerando: Que o NERGA é uma Pessoa Coletiva de Utilidade Pública que, tem como objetivo

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor - DECO, pessoa coletiva sem fins lucrativos, de utilidade pública, com sede na Rua da Artilharia Um, n.º 79 4º, 1269-160

Leia mais

^ GOVERNO DE ^ PORTUGAL

^ GOVERNO DE ^ PORTUGAL ^ GOVERNO DE ^ ^Z?g??^ «educação PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO INSTITUCIONAL ENTRE A DIREÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO, DO E CIÊNCIA E A DIREÇÃO-GERAL DO, DO Considerando que: O Ministério da Educação e Ciência, no

Leia mais

Protocolo. Ciência Viva - Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica. Universidade do Minho. Câmara Municipal de Guimarães

Protocolo. Ciência Viva - Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica. Universidade do Minho. Câmara Municipal de Guimarães Protocolo Ciência Viva - Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica Universidade do Minho Câmara Municipal de Guimarães 1 Entre A Ciência Viva - Agência Nacional para a Cultura Científica

Leia mais

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal PROTOCOLO Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal Preâmbulo A criação da Estratégia Nacional para a Integração de Pessoas Sem-Abrigo (ENIPSA) 2009-2015 decorreu fundamentalmente da necessidade

Leia mais

DEFES A NACIONAL MADE 1 RA PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL E O INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS

DEFES A NACIONAL MADE 1 RA PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL E O INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS DEFES A NACIONAL MADE 1 RA PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL E O INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS Entre: O Ministério da Defesa Nacional através da Direção-Geral

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE A POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA E A SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA

PROTOCOLO ENTRE A POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA E A SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROTOCOLO ENTRE A POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA E A SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA 1. Preâmbulo Face ao actual modelo de profissionalização e aos imperativos de modernização organizacional, técnica

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Desagregação das medidas e das tipologias de atividades ESTRATÉGIA NACIONAL

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICÍPIO DE MANTEIGAS E A FÁBRICA DA IGREJA PAROQUIAL DA FREGUESIA DE SÃO PEDRO DO CONCELHO DE MANTEIGAS

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICÍPIO DE MANTEIGAS E A FÁBRICA DA IGREJA PAROQUIAL DA FREGUESIA DE SÃO PEDRO DO CONCELHO DE MANTEIGAS PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICÍPIO DE MANTEIGAS E A FÁBRICA DA IGREJA PAROQUIAL DA FREGUESIA DE SÃO PEDRO DO CONCELHO DE MANTEIGAS Considerando que: a) nos termos do disposto no artigo 23º da Lei

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS E O CENTRO HOSPITALAR LISBOA NORTE, EPE

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS E O CENTRO HOSPITALAR LISBOA NORTE, EPE PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS E O CENTRO HOSPITALAR LISBOA NORTE, EPE ENTRE: O MUNICÍPIO DE ODIVELAS, com sede na Rua Guilherme Gomes Fernandes, Paços do Concelho Quinta

Leia mais

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2010 2011 Identificação Entidade: Sociohabitafunchal, E.M Animadora: Célia Dantas Localização: Centro Cívico de Santo António Designação O Clube de Emprego é um serviço promovido pelo

Leia mais

AG~NCIA PARA A ENERGIA

AG~NCIA PARA A ENERGIA AG~NCIA PARA A ENERGIA PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO NO DOMíNIO DA FORMAÇÃO EM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENTRE A ADENE - AGÊNCIA PARA A ENERGIA EO INA - INSTITUTO NACIONAL DA ADMINISTRAÇÃO, I.P. Mod.53(01)/07 2/6

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE CILDOC e a UNIÃO DAS IPSS de SETÚBAL ASSOCIADOS

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE CILDOC e a UNIÃO DAS IPSS de SETÚBAL ASSOCIADOS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE CILDOC e a UNIÃO DAS IPSS de SETÚBAL ASSOCIADOS 1 Protocolo de Cooperação Entre, CILDOC, LDA, com sede, em Lisboa, na Rua Professor Alfredo de Sousa, n.º 2, inscrita na Conservatória

Leia mais

PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICÍPIO DE MANTEIGAS E O CENTRO DE CULTURA PEDRO ÁLVARES CABRAL

PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICÍPIO DE MANTEIGAS E O CENTRO DE CULTURA PEDRO ÁLVARES CABRAL PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICÍPIO DE MANTEIGAS E O CENTRO DE CULTURA PEDRO ÁLVARES CABRAL Considerando que: a) nos termos da Lei 75/2013 de 12 de Setembro que estabeleceu o regime

Leia mais

MODELO DE PROTOCOLO. Entre a Quercus e o Município

MODELO DE PROTOCOLO. Entre a Quercus e o Município MODELO DE PROTOCOLO Entre a Quercus e o Município Entre a Quercus e o Município ENTRE QUERCUS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA pessoa colectiva nº 501736492, com sede no Centro Associativo

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO. Câmara Municipal de Setúbal. Câmara Municipal de Grândola. Entidade Regional de Turismo Lisboa e Vale do Tejo

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO. Câmara Municipal de Setúbal. Câmara Municipal de Grândola. Entidade Regional de Turismo Lisboa e Vale do Tejo PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO Câmara Municipal de Setúbal Câmara Municipal de Grândola Entidade Regional de Turismo Lisboa e Vale do Tejo Entidade Regional de Turismo do Alentejo Litoral No âmbito do crescimento

Leia mais

REGULAMENTO DO CARTÃO SÉNIOR MUNICIPAL NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CARTÃO SÉNIOR MUNICIPAL NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO DO CARTÃO SÉNIOR MUNICIPAL NOTA JUSTIFICATIVA Tendo em vista a reformulação do Regulamento do Cartão Municipal do Idoso em vigor desde 1999, considerando a realidade presente e a adequação

Leia mais

Protocolo de Parceria

Protocolo de Parceria Protocolo de Parceria O INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICAS (INE), órgão executivo central de produção e difusão das estatísticas oficiais no âmbito do Sistema Estatístico Nacional, sedeado Avenida Cidade

Leia mais

Protocolo de Colaboração

Protocolo de Colaboração Protocolo de Colaboração Entre os Centros de Formação de Associação de Escolas do distrito de Coimbra e a Universidade de Coimbra Os Centros de Formação de Associação de Escolas do distrito de Coimbra,

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL E A UNIVERSIDADE PORTUCALENSE INFANTE D. HENRIQUE

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL E A UNIVERSIDADE PORTUCALENSE INFANTE D. HENRIQUE -------- DEFESA NACI NAL l ; ;-.i1\' l ~ l lsi01\d I :. POR'l'l ' Cr\ 1.l : NS t ~ PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL E A UNIVERSIDADE PORTUCALENSE INFANTE D. HENRIQUE Entre:

Leia mais

Regulamento Programa AnimaSénior

Regulamento Programa AnimaSénior Nota Justificativa O Município de Vouzela, ao longo dos anos, tem vindo a implementar programas e atividades destinados à população sénior residente no concelho, no âmbito do programa AnimaSénior, tendo

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO entre Junta de Freguesia de Marvila e Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO entre Junta de Freguesia de Marvila e Instituto Superior de Engenharia de Lisboa PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO entre Junta de Freguesia de Marvila e Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Considerando que: 1. A Junta de Freguesia de Marvila (adiante JFM, ou Autarquia) assume como um

Leia mais

MODELO DE PROTOCOLO. Entre a Quercus e Empresa Intermunicipal de Recolha Selectiva de Resíduos

MODELO DE PROTOCOLO. Entre a Quercus e Empresa Intermunicipal de Recolha Selectiva de Resíduos MODELO DE PROTOCOLO Entre a Quercus e Empresa Intermunicipal de Recolha Selectiva de Resíduos ENTRE QUERCUS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA pessoa colectiva nº 501736492, com sede no Centro

Leia mais

- minuta - Protocolo de Colaboração entre a Câmara Municipal de Setúbal e a Associação Cristã da Mocidade/YMCA

- minuta - Protocolo de Colaboração entre a Câmara Municipal de Setúbal e a Associação Cristã da Mocidade/YMCA - minuta - Protocolo de Colaboração entre a Câmara Municipal de Setúbal e a Associação Cristã da Mocidade/YMCA Considerando que: - O Bairro da Bela Vista, o Bairro da Alameda das Palmeiras e o Bairro do

Leia mais

MODELO DE PROTOCOLO. Entre a Quercus e a IPSS

MODELO DE PROTOCOLO. Entre a Quercus e a IPSS MODELO DE PROTOCOLO ENTRE QUERCUS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA pessoa colectiva nº 501736492, com sede no Centro Associativo do Calhau, Bairro do Calhau, 1500-045 Lisboa, neste acto representada

Leia mais

Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma

Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma.é nomeado/eleito na primeira reunião de Pais e Encarregados de Educação da Turma; Tem participação nos Conselhos de Turma; É a

Leia mais

CARTA DE RECOMENDAÇÕES Elaborada pelos participantes do 2º Encontro da Rede Participação Juvenil de Sintra

CARTA DE RECOMENDAÇÕES Elaborada pelos participantes do 2º Encontro da Rede Participação Juvenil de Sintra CARTA DE RECOMENDAÇÕES Elaborada pelos participantes do 2º Encontro da Rede Participação Juvenil de Sintra 03.03.2012 PARTICIPAÇÃO EM ACTIVIDADES JUVENIS 1. Realizar inquéritos, a nível local, para averiguar

Leia mais

PROGRAMA PARLAMENTO DOS JOVENS

PROGRAMA PARLAMENTO DOS JOVENS PROGRAMA PARLAMENTO DOS JOVENS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA, A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES, A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA, O

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE PROOURADDRIA-GERAL DA REPÚBLICA ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A PORTUGUESA EA PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE PROOURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA PROOURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA ACORDO

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA A INSPEÇÃO-GERAL DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA A INSPEÇÃO-GERAL DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA E A INSPEÇÃO-GERAL DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO As atribuições legalmente cometidas ao Ministério Público

Leia mais

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL Desenvolver as condições facilitadoras da criação de emprego, combate ao desemprego e incentivo à iniciativa local referente ao empreendedorismo

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICÍPIO DE MANTEIGAS E O CENTRO CULTURAL E DESPORTIVO DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE MANTEIGAS

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICÍPIO DE MANTEIGAS E O CENTRO CULTURAL E DESPORTIVO DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE MANTEIGAS PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICÍPIO DE MANTEIGAS E O CENTRO CULTURAL E DESPORTIVO DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE MANTEIGAS Considerando que: a) nos termos do disposto no artigo 23º da

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais

Capítulo I Disposições Gerais Preâmbulo Competindo ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado (CNPV), conforme art. 21º do Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, a promoção, coordenação e qualificação do voluntariado,

Leia mais

PROTOCOLO. do nº 1 do art.º 33º da Lei nº 75/2013, de 12 de setembro, que estabelece o

PROTOCOLO. do nº 1 do art.º 33º da Lei nº 75/2013, de 12 de setembro, que estabelece o PROTOCOLO O presente Protocolo é elaborado ao abrigo do nº 1, alíneas a) e b) do nº 2 do art.º 78º e do art.º 241 da Constituição da República Portuguesa e da alínea o) do nº 1 do art.º 33º da Lei nº 75/2013,

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO INSTITUCIONAL ENTRE PRIMEIRO:

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO INSTITUCIONAL ENTRE PRIMEIRO: 1 PROTOCOLO DE ENTRE PRIMEIRO: O Ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, neste ato representado pela Secretária de Estado da Administração Local e Reforma Administrativa, Dr.ª Ana Rita Barosa O

Leia mais

REGIMENTO DOS REPRESENTANTES DOS PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO

REGIMENTO DOS REPRESENTANTES DOS PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO REGIMENTO DOS REPRESENTANTES DOS PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO O direito de participação dos pais na vida da Escola processa-se de acordo com o disposto na Lei de Bases do Sistema Educativo,

Leia mais

Acta n.º

Acta n.º Acta n.º 21 2006.10.03 PROTOCOLO - Associação Conservatório de Música de Felgueiras - Presente a minuta de protocolo a celebrar entre esta Câmara Municipal e a Associação Conservatório de Música de Felgueiras,

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO NO ÂMBITO DA COMPONENTE DE APOIO À FAMILIA NA ESCOLA BÁSICA DO 1º CICLO N.º 1, AREIAS, SETÚBAL Considerando que: a) O Despacho n.º 14 460/2008, da Ministra da Educação, de 15 de

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL E O INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL E O INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA OE ESA NACIONAL u LISBOA umn:un ll l ltl.i. ie PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL E O INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA Entre: O Ministério da Defesa Nacional através

Leia mais

DECRETO Nº 9.149, DE 28 DE AGOSTO DE 2017

DECRETO Nº 9.149, DE 28 DE AGOSTO DE 2017 DECRETO Nº 9.149, DE 28 DE AGOSTO DE 2017 Cria o Programa Nacional de Voluntariado, institui o Prêmio Nacional do Voluntariado e altera o Decreto nº 5.707, de 23 de fevereiro de 2006, que institui a Política

Leia mais

l.l.ílsj DE ADMINISTRAÇÃO, I.P.

l.l.ílsj DE ADMINISTRAÇÃO, I.P. r» - INSTITUTO NACIONAL l.l.ílsj DE ADMINISTRAÇÃO, I.P. PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E POLÍTICAS EO INSTITUTO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO Considerando que o Instituto

Leia mais

Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras

Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras 1 NOTA JUSTIFICATIVA O Município de Chaves entende como sendo de interesse

Leia mais

PROGRAMA PARLAMENTO DOS JOVENS

PROGRAMA PARLAMENTO DOS JOVENS PROGRAMA PARLAMENTO DOS JOVENS PROJETO DE PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA, O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA, A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA, A ASSEMBLEIA

Leia mais

PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO Entre Escola de Direito da Fundação Getulio Vargas, sito na [ ], adiante abreviadamente FGV, representada pelo Presidente do seu Conselho Directivo, Dr. [ ] e o Conselho

Leia mais

CAPÍTULO I. Artigo 1º Definição do Conselho de Parceiros

CAPÍTULO I. Artigo 1º Definição do Conselho de Parceiros CAPÍTULO I Artigo 1º Definição do Conselho de Parceiros 1. O Conselho de Parceiros é um órgão de participação, representação e dinamização das diferentes entidades que constituem o Conselho, sendo também,

Leia mais

Acordo de Colaboração

Acordo de Colaboração Acordo de Colaboração Extensão de horário das actividades de animação e de apoio à família na educação Pré-escolar nos Jardins do Agrupamento de Escolas de Samora Correia Considerando que: A Educação Pré-escolar,

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS O que são? Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional Os CQEP são estruturas do Sistema Nacional

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE OS MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

PROTOCOLO ENTRE OS MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROTOCOLO ENTRE OS MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Concorrendo para o processo de transformação em curso no Exército Português, decorrente

Leia mais

Programa de Ação e Investimentos

Programa de Ação e Investimentos Este documento pretende sintetizar o Programa de Ação que faz parte integrante da Estratégia de Desenvolvimento Local apresentada pela ADREPES na fase de pré-qualificação da parceria do GAL ADREPES COSTEIRO.

Leia mais

Sindicato Nacional dos Professores Licenciados pelos Politécnicos e Universidades P R O T O CO L O

Sindicato Nacional dos Professores Licenciados pelos Politécnicos e Universidades P R O T O CO L O P R O T O CO L O Primeira Outorgante Zurich Companhia de Seguros, S.A., com sede na Rua Barata Salgueiro, 41, 1269-058 em Lisboa, Pessoa Colectiva nº 500 528 586, matriculada na Conservatória do Registo

Leia mais

VIGILÂNCIA NOS REFEITÓRIOS ESCOLARES - ORIENTAÇÕES

VIGILÂNCIA NOS REFEITÓRIOS ESCOLARES - ORIENTAÇÕES - ORIENTAÇÕES Finalidade Os refeitórios escolares são locais de aprendizagem de boas práticas, com reflexos positivos no desenvolvimento pessoal e social das crianças. A Vigilância nos refeitórios escolares

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. Creche

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. Creche Entre CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Creche PRIMEIRO OUTORGANTE: Centro Social Rocha Barros, Instituição Particular de Solidariedade Social, pessoa colectiva n.º 501182560 com sede em Góis, devidamente

Leia mais

Programa EaD em REDE

Programa EaD em REDE Programa EaD em REDE Regulamento Interno Regulamenta o Programa EaD em Rede da Associação Brasileira de Reitores das Universidades Estaduais e Municipais - ABRUEM. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art.

Leia mais

Protocolo de Cooperação. entre COMITÉ OLÍMPICO DE PORTUGAL INSTITUTO CIVIL DA AUTODISCIPLINA DA COMUNICAÇÃO COMERCIAL

Protocolo de Cooperação. entre COMITÉ OLÍMPICO DE PORTUGAL INSTITUTO CIVIL DA AUTODISCIPLINA DA COMUNICAÇÃO COMERCIAL Protocolo de Cooperação entre COMITÉ OLÍMPICO DE PORTUGAL e INSTITUTO CIVIL DA AUTODISCIPLINA DA COMUNICAÇÃO COMERCIAL ENTRE: Comité Olímpico de Portugal, instituição de utilidade pública, com personalidade

Leia mais

Capítulo I. Definição, Objecto e Objectivos da RBAL. Cláusula 1.ª. Definição. Cláusula 2.ª. Objecto. Cláusula 3.ª. Objectivos

Capítulo I. Definição, Objecto e Objectivos da RBAL. Cláusula 1.ª. Definição. Cláusula 2.ª. Objecto. Cláusula 3.ª. Objectivos PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO Preâmbulo A Rede de Bibliotecas de Alcochete, adiante designada RBAL, visa a prossecução de uma dinâmica de trabalho colaborativo quer ao nível da organização, gestão e disponibilização

Leia mais

Programa BIP/ZIP 2016

Programa BIP/ZIP 2016 Programa BIP/ZIP 2016 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 051 BOUTIQUE DO BAIRRO Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone:

Leia mais

AYAMONTE-VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO

AYAMONTE-VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO -VILA REAL SANTO ANTÓNIO Ayamonte e Vila Real de Santo António mantêm, há mais de dois séculos, uma relação estável e cordial nas diferentes áreas. Comportam-se como cidades irmãs que estão localizadas

Leia mais

PROGRAMA REDE SOCIAL

PROGRAMA REDE SOCIAL PROGRAMA REDE SOCIAL Valongo CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE VALONGO - CLAS - REGULAMENTO INTERNO Aprovado em reunião do Conselho Local de Acção Social de Valongo a 02 de Julho de 2003 CAPÍTULO l Âmbito

Leia mais

Protocolo de Cooperação

Protocolo de Cooperação 08 de fevereiro, 2013 Índice Preâmbulo 3 Capítulo I Definição, Objeto e Objetivos da RBAL 3 Cláusula 1.ª Definição 3 Cláusula 2.ª Objeto 3 Cláusula 3.ª Objetivos 3 Capítulo II Direitos e Deveres dos Cooperantes

Leia mais

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Breve Enquadramento O Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança constitui o resultado do Projeto Tecer a, promovido pela Comissão Nacional de Promoção

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (CLAS)

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (CLAS) Preâmbulo A Resolução do Conselho de Ministros nº197/97 de 18 de Novembro, visa a criação e implementação do Programa. Esta é uma mediada da política social activa, que tem como objectivo desenvolver parcerias

Leia mais

PROTOCOLO. Colaboração entre o Município de Setúbal e Núcleo de Bicross de Setúbal

PROTOCOLO. Colaboração entre o Município de Setúbal e Núcleo de Bicross de Setúbal PROTOCOLO Colaboração entre o Município de Setúbal e Núcleo de Bicross de Setúbal Entre A Câmara Municipal de Setúbal, adiante designada por CMS, na qualidade de 1.º Outorgante, representada pela Presidente,

Leia mais

PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS O MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS O MINISTÉRIO DA JUSTIÇA PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E O MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Considerando que, A Constituição da República Portuguesa, inspirada no artigo

Leia mais

PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS O MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS O MINISTÉRIO DA JUSTIÇA PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E O MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Considerando que, A Constituição da República Portuguesa, inspirada no artigo

Leia mais

Lei Orgânica do VII Governo Constitucional

Lei Orgânica do VII Governo Constitucional Decreto-Lei n.º 28/81, de 12 de Fevereiro (Aprova a orgânica do VII Governo Constitucional) Lei Orgânica do VII Governo Constitucional Criação do Ministério da Qualidade de Vida (MQV) (Transferência da

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA JUVENTUDE E DO DESPORTO

ACORDO DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA JUVENTUDE E DO DESPORTO ACORDO DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA JUVENTUDE E DO DESPORTO ----- ENTRE ----- A REPÚBLICA DE ANGOLA, A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, A REPÚBLICA DE CABO VERDE, A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU, A REPÚBLICA

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICÍPIO DE SANTO TIRSO E A ASSOCIAÇÃO DE PAIS DE PARA A GESTÃO DOS PROLONGAMENTOS DE HORÁRIO -MINUTA

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICÍPIO DE SANTO TIRSO E A ASSOCIAÇÃO DE PAIS DE PARA A GESTÃO DOS PROLONGAMENTOS DE HORÁRIO -MINUTA PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICÍPIO DE SANTO TIRSO E A ASSOCIAÇÃO DE PAIS DE PARA A GESTÃO DOS PROLONGAMENTOS DE HORÁRIO -MINUTA Outorgantes: Primeiro Dr. Joaquim Barbosa Ferreira Couto, casado,

Leia mais

ACORDO DE PARCERIA REDE DE BIBLIOTECAS DE TORRES VEDRAS

ACORDO DE PARCERIA REDE DE BIBLIOTECAS DE TORRES VEDRAS ACORDO DE PARCERIA REDE DE BIBLIOTECAS DE TORRES VEDRAS Considerando que o Programa Rede de Bibliotecas Escolares (PRBE) foi lançado em 1996 pelos Ministérios da Educação e da Cultura, com o objetivo de

Leia mais

A principal causa da obesidade infantil advêm de uma alimentação pouco saudável e. vida ao ar livre, ou seja com um estilo de vida menos saudável.

A principal causa da obesidade infantil advêm de uma alimentação pouco saudável e. vida ao ar livre, ou seja com um estilo de vida menos saudável. 5 ao Dia 2008 Enquadramento Mudança de hábitos alimentares das crianças A televisão, os jogos de computador e a internet têm mudado os hábitos das crianças e jovens, tornando-as mais inactivas, com menos

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais. Preâmbulo. Artigo 1º - Objeto. Artigo 2º - Competências Gerais do Serviço de Relações Externas

Capítulo I Disposições Gerais. Preâmbulo. Artigo 1º - Objeto. Artigo 2º - Competências Gerais do Serviço de Relações Externas Capítulo I Disposições Gerais Preâmbulo De acordo com os estatutos do Instituto Politécnico de Viseu (IPV), e tal como referenciado no nº5 do Artigo 82º, os Serviços de Relações Externas, doravante designados

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO. Entre. O Ministério da Educação e O Memorial da Shoah Museu e Centro de Documentação

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO. Entre. O Ministério da Educação e O Memorial da Shoah Museu e Centro de Documentação PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO Entre O Ministério da Educação e O Memorial da Shoah Museu e Centro de Documentação Considerando que: O estudo do Holocausto é hoje um dever europeu comum, que se inscreve numa

Leia mais

PRIMEIRA (OBRIGAÇÕES DA PRIMEIRA OUTORGANTE)

PRIMEIRA (OBRIGAÇÕES DA PRIMEIRA OUTORGANTE) PROTOCOLO BANIF BANCO INTERNACIONAL DO FUNCHAL E A SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA, ATRAVÉS DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DONA LUCINDA ANDRADE Entre: Escola Básica e Secundária Dona Lucinda de

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MUNICIPIO DE SETÚBAL, A ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL, E A ASSOCIAÇÃO PATRIAE-NUCLEO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Considerando

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA O OBSERVATÓRIO DO TRÁFICO DE SERES HUMANOS

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA O OBSERVATÓRIO DO TRÁFICO DE SERES HUMANOS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA E O OBSERVATÓRIO DO TRÁFICO DE SERES HUMANOS Considerando as atribuições e competências legais da Procuradoria-Geral da República que visam,

Leia mais

Plano Anual de Atividades

Plano Anual de Atividades Plano Anual de Atividades 2014 / 2015 APAEA Índice 1. NOTA INTRODUTÓRIA... 1 2. RELAÇÃO COM OS PAIS/ENCARREGADOS DE EDUCACAÇÃO E SOCIOS... 2 3. REPRESENTAÇÃO NOS ORGÃOS DO AGRUPAMENTO... 3 4. MELHORIA

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE DlreçJo Geral da Saúde _.dgs,pt ~~ PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE E A INSPEÇÃO -GERAL DAS ATIVIDADES EM SAÚDE A Direção-Geral da Saúde, adiante designada abreviadamente por DGS,

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE OLIVEIRA DO HOSPITAL

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE OLIVEIRA DO HOSPITAL NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE OLIVEIRA DO HOSPITAL Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art. 21º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE DESPORTO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FPDD

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE DESPORTO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FPDD FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE DESPORTO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FPDD ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Para além dos órgãos sociais definidos nos estatutos e das respetivas competências, ou seja, Assembleia

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE A DIRECÇÃO-GERAL DOS ASSUNTOS CONSULARES E COMUNIDADES PORTUGUESAS E O MUNICÍPIO DE OURÉM

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE A DIRECÇÃO-GERAL DOS ASSUNTOS CONSULARES E COMUNIDADES PORTUGUESAS E O MUNICÍPIO DE OURÉM PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE A DIRECÇÃO-GERAL DOS ASSUNTOS CONSULARES E COMUNIDADES PORTUGUESAS E O MUNICÍPIO DE OURÉM PREÂMBULO Considerando: - O reconhecimento da importância das Comunidades Portuguesas

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PALMELA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E INTERVENÇÃO SOCIAL

CÂMARA MUNICIPAL DE PALMELA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E INTERVENÇÃO SOCIAL Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Palmela Nota Justificativa Reconhecendo: 1. A juventude como força motriz do desenvolvimento de uma comunidade, região, país, através das suas múltiplas

Leia mais

PT07: Integração da Igualdade de Género e Promoção do Equilíbrio entre o Trabalho e a Vida Privada ACORDO DE COOPERAÇÃO

PT07: Integração da Igualdade de Género e Promoção do Equilíbrio entre o Trabalho e a Vida Privada ACORDO DE COOPERAÇÃO PT07: Integração da Igualdade de Género e Promoção do Equilíbrio entre o Trabalho e a Vida Privada ACORDO DE COOPERAÇÃO Entre Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto

Leia mais

Protocolo de Cooperação Rede de Bibliotecas Escolares e Municipais do Conselho de Almeida

Protocolo de Cooperação Rede de Bibliotecas Escolares e Municipais do Conselho de Almeida Página1 Protocolo de Cooperação 2010 Rede de Bibliotecas Escolares e Municipais do Conselho de Almeida Página2 A Rede de Bibliotecas de Almeida, adiante designada RBA, foi criada por protocolo assinado

Leia mais

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 28 de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O FUTURO - CAPITAL HUMANO PARA O CRESCIMENTO E O EMPREGO CONTRIBUTO DO POPH (ANOS 2013 E 2014)

Leia mais

MODELO DE PROTOCOLO. Entre a Quercus e Empresa de Recolha de Óleos Alimentares Usados

MODELO DE PROTOCOLO. Entre a Quercus e Empresa de Recolha de Óleos Alimentares Usados MODELO DE PROTOCOLO Entre a Quercus e Empresa de Recolha de Óleos Alimentares Usados ENTRE QUERCUS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA pessoa colectiva nº 501736492, com sede no Centro Associativo

Leia mais

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO DA REPUBLICA PORTUGUESA

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO DA REPUBLICA PORTUGUESA MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO DA REPUBLICA PORTUGUESA E O MINISTÉRIO FEDERAL DE TRABALHO E DE ASSUNTOS SOCIAIS DA REPÚBLICA FEDERAL DA ALEMANHA Considerando a necessidade

Leia mais

Normas de Funcionamento. do Banco Local de Voluntariado de Peniche

Normas de Funcionamento. do Banco Local de Voluntariado de Peniche Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Peniche PREÂMBULO Na perspetiva de garantir a todos os cidadãos a participação solidária em ações de voluntariado, a Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro

Leia mais

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO MEMORANDO DE ENTENDIMENTO Sob o Alto Patrocínio do MINISTRO DA ECONOMIA E DESENVOLVIMENTO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE Ti MOR-LESTE e da MINISTRA DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL DE PORTUGAL É OUTORGADO:

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE GRUPO STS E ASSOCIAÇÃO DE ESPECIALISTAS DA FORÇA AÉREA

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE GRUPO STS E ASSOCIAÇÃO DE ESPECIALISTAS DA FORÇA AÉREA PROTOCOLO D COOPRAÇÃO NTR ASSOCIAÇÃO D SPCIALISTAS DA FORÇA AÉRA ntre ASSOCIAÇÃO D SPCIALISTAS DA FORÇA AÉRA, registado sob o número de identificação fiscal e de pessoa coletiva 500931496, com sede na

Leia mais

Câmara Municipal da Moita Departamento de Assuntos Sociais e Cultura CONTRATO-PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL, CULTURAL E DESPORTIVO

Câmara Municipal da Moita Departamento de Assuntos Sociais e Cultura CONTRATO-PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL, CULTURAL E DESPORTIVO CONTRATO-PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL, CULTURAL E DESPORTIVO A Câmara Municipal da Moita reconhece a importância do Movimento Associativo como um dos principais impulsionadores da participação democrática

Leia mais

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE ASSOCIAÇÕES DE CONSUMIDORES DE PAÍSES, TERRITÓRIOS E REGIÕES ADMINISTRATIVAS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA OU COM ACORDOS

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE ASSOCIAÇÕES DE CONSUMIDORES DE PAÍSES, TERRITÓRIOS E REGIÕES ADMINISTRATIVAS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA OU COM ACORDOS ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE ASSOCIAÇÕES DE CONSUMIDORES DE PAÍSES, TERRITÓRIOS E REGIÕES ADMINISTRATIVAS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA OU COM ACORDOS ESPECIAIS NO DOMÍNIO DA PRESERVAÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA

Leia mais

Regulamento de Cooperação CAPÍTULO I. Da Natureza, Objecto e Objectivos da RBA. Artigo 1º. Natureza. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º.

Regulamento de Cooperação CAPÍTULO I. Da Natureza, Objecto e Objectivos da RBA. Artigo 1º. Natureza. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º. Regulamento de Cooperação A rede de Bibliotecas de Arraiolos adiante designada RBA, foi criada pelo acordo de cooperação número oitenta e cinco de dois mil e onze e pelo protocolo assinado entre a Câmara

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E A ALI - ASSOCIAÇÃO DE APOIO DOMICILlÁRIO DE LARES E CASAS DE REPOUSO DE IDOSOS

PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E A ALI - ASSOCIAÇÃO DE APOIO DOMICILlÁRIO DE LARES E CASAS DE REPOUSO DE IDOSOS PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E A ALI - ASSOCIAÇÃO DE APOIO DOMICILlÁRIO DE LARES E CASAS DE REPOUSO DE IDOSOS 1. Preâmbulo A celebração do presente protocolo tem como objectivo assegurar aos militares

Leia mais

Regulamento de atribuição de subsídios e apoios às instituições e organismos sem fins lucrativos da Freguesia de Tavarede

Regulamento de atribuição de subsídios e apoios às instituições e organismos sem fins lucrativos da Freguesia de Tavarede REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE SUBSIDIOS E APOIOS ÀS INSTITUIÇÕES E ORGANISMOS SEM FINS LUCRATIVOS JUNTA DE FREGUESIA DE TAVAREDE ANO 2017 Regulamento de atribuição de subsídios e apoios às instituições

Leia mais

Regulamento de Apoio a Instituições sem fins lucrativos do. Concelho de Monforte

Regulamento de Apoio a Instituições sem fins lucrativos do. Concelho de Monforte Regulamento de Apoio a Instituições sem fins lucrativos do Concelho de Monforte Considerando que a Constituição da República nos seus artigos 73, 78 e 79 consagra que todos têm o direito à educação e à

Leia mais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais A. ENQUADRAMENTO GERAL 1. O CRL foi criado, no seguimento de acordos de concertação social, para apoio técnico à negociação coletiva. É um organismo

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS Parecer COM(2014)477 COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Rumo

Leia mais

Conselho Estratégico Ambiental. Protocolo

Conselho Estratégico Ambiental. Protocolo Conselho Estratégico Ambiental Protocolo Considerando que as políticas de ambiente, ordenamento do território e conservação da natureza assumem uma importância crescente no desenvolvimento nacional e local,

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO A Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo, lei 147/99, de 1 de Setembro, consagra um

Leia mais