ATIVIDADES. 1 Relacione cada conceito com sua respectiva definição: 4 (Fuvest-SP) O esquema a seguir representa o ciclo de vida

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ATIVIDADES. 1 Relacione cada conceito com sua respectiva definição: 4 (Fuvest-SP) O esquema a seguir representa o ciclo de vida"

Transcrição

1 ATIVIDADES 1 Relacione cada conceito com sua respectiva definição: ( c ) Vaso condutor ( a ) Gametófito ( d ) Sistema caulinar ( f ) Esporófito ( b ) Gimnosperma ( g ) Cone ( h ) Fanerógama ( i ) Criptógama ( e ) Briófita a) Geração das plantas responsável pela formação de gametas. b) Planta com sementes nuas, isto é, não contidas em frutos. c) Tubo que garante a circulação e a distribuição interna de seiva. d) Porção aérea da planta, abrangendo caule e folhas. e) Planta avascular, ou seja, sem vasos condutores. f) Geração das plantas responsável pela formação de esporos. g) Estróbilo de gimnospermas. h) Planta com órgãos reprodutores evidentes. i) Planta sem órgãos reprodutores evidentes. 2 (U. F. Uberlândia-MG) Na história evolutiva das plantas ficou marcada a transição do meio aquático para o meio terrestre. Nesse ambiente, os organismos enfrentam problemas diferentes dos existentes em ambientes aquáticos. Com referência a esse assunto: a) Explique três características que surgiram nas plantas e que podem ser consideradas adaptativas à vida no ambiente terrestre. Características que surgiram nas plantas e que podem ser consideradas adaptativas à vida no ambiente terrestre são, entre outras: b) Qual grupo de fanerógamas é o mais diversificado no ambiente terrestre e quais características possibilitaram o seu predomínio nesse ambiente? As angiospermas constituem o mais numeroso e diversificado grupo de plantas, caracterizado por presença de flores e sementes contidas em frutos. 3 (PUC-SP) Considere as seguintes etapas do ciclo de vida de uma planta que apresenta alternância de gerações: gametas, meiose, geração haploide, esporos, geração diploide, zigoto e fecundação. Elabore um esquema, mostrando o ciclo de vida dessa planta e colocando as etapas citadas em ordem lógica de ocorrência. Esporos Geração haploide Gametas 4 (Fuvest-SP) O esquema a seguir representa o ciclo de vida da samambaia. A letra A representa a célula haploide que faz a transição da fase esporofítica para a fase gametofítica; a letra B representa a célula diploide que faz a transição da fase gametofítica para a fase esporofítica. Fase esporofítica A B Fase gametofítica a) Descreva resumidamente a aparência das plantas que representam a fase esporofítica e a fase gametofítica. A samambaia, na fase esporofítica, possui raízes adventícias, caule tipo rizoma e folhas com folíolos, capazes de formar soros em sua face ventral. A fase gametofítica é representada pelo prótalo uma pequena planta com rizoides sem caule nem folhas, que forma gametas masculinos (anterozoides) e femininos (oosferas). b) Quais são os nomes das células representadas pelas letras A e B? A célula A é o esporo haploide, formado por meiose, e a célula B é o zigoto diploide, resultante da fecundação dos gametas. 5 (UFSC) A cobertura vegetal original do estado de Santa Catarina compreende dois tipos de formação: florestas e campos. As florestas, que ocupavam 65% do território catarinense, foram bastante reduzidas por efeito de devastação. As florestas nas áreas do planalto serrano apresentam-se sob a forma de florestas mistas de coníferas (araucárias) e latifoliadas e, na baixada e encostas da serra do Mar, apenas como floresta latifoliada. Os campos ocorrem como manchas dispersas no interior da floresta mista. Os mais importantes são os de São Joaquim, Lages, Curitibanos e Campos Novos. Meiose Geração diploide Fecundação Zigoto Adaptado de Atlas escolar de Santa Catarina. Secretaria de Estado de Coordenação Geral e Planejamento. Subsecretaria de Estudos Geográficos e Estatísticos. Rio de Janeiro: Aerofoto Cruzeiro, p. 26. Imagem disponível em: (acesso em 14 set. 2010) 7

2 A foto mostra e o texto cita as coníferas (araucárias), uma representante do grupo das gimnospermas. Sobre este grupo, é correto afirmar: (01) O grupo das gimnospermas é evolutivamente mais recente do que o grupo das angiospermas. (02) Ao longo do processo evolutivo das plantas, as gimnospermas apresentaram uma novidade evolutiva em relação às pteridófitas: a presença de sementes. (04) Outra novidade importante apresentada pelas gimnospermas em relação ao grupo das pteridófitas ocorre no processo da fecundação. Este, nas gimnospermas, é independente da presença de água no estado líquido. (08) As araucárias são plantas monoicas, isto é, plantas que possuem em um mesmo indivíduo estróbilos masculinos e femininos. (16) O processo de polinização das gimnospermas é dependente de insetos e pássaros, os quais são atraídos pelos nectários na base de seus estróbilos. (32) As coníferas são vegetais que não atingem grandes alturas (com altura média de 10 metros), com exceção das araucárias. Dê a soma dos números dos itens corretos. (01) O grupo das gimnospermas é mais antigo do que o das angiospermas. (08) As araucárias são plantas dioicas, ou seja, os cones ou estróbilos masculinos e femininos desenvolvem-se em indivíduos diferentes. (16) A polinização nas gimnospermas ocorre por anemofilia, ou seja, o pólen é transportado pelo vento. (32) Além das araucárias, outras coníferas têm grande porte, como as sequoias, que podem atingir 100 metros de altura. Soma = 6 ( ) Exercícios complementares 6 (Fuvest-SP) Num filme de ficção científica, havia musgos gigantes, do tamanho de coqueiros. Quais estruturas, ausentes nos musgos reais, deveriam estar presentes nos musgos gigantes para que eles atingissem tal tamanho? Por quê? 7 (Unicamp-SP) O projeto Flora fanerogâmica do estado de São Paulo, financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), envolveu diversas instituições de pesquisa e ensino. O levantamento realizado no estado comprovou a existência de cerca de oito mil espécies de fanerógamas. a) Cite duas características exclusivas das fanerógamas. b) As fanerógamas englobam dois grupos taxonomicamente distintos, sendo que um deles é muito frequente no estado e o outro representado por um número muito pequeno de espécies nativas. Qual dos grupos é pouco representado? c) Que outro grupo de plantas vasculares não foi incluído nesse levantamento? 8 (Vunesp) Em visita a um jardim botânico, um grupo de estudantes listou os seguintes nomes de plantas observadas: ipê-amarelo-da-serra, seringueira, ciprestes, jabuticabeira, orquídea, hepáticas, coco-da-baía, avenca, palmeira-dos-brejos ou buriti e sequoias. Dentre as plantas observadas no jardim botânico: a) indique aquelas que pertencem ao grupo das gimnospermas. Cite uma característica reprodutiva particular desse grupo; b) cite um exemplo de planta do grupo das pteridófitas. Mencione uma aquisição evolutiva desse grupo em relação às briófitas. TAREFA PROPOSTA Angiospermas As angiospermas (filo Anthophyta), como a mangueira, a laranjeira, o arroz e o milho, constituem o mais numeroso e diversificado grupo de plantas, caracterizado por sementes contidas em frutos. Suas flores frequentemente se destacam nas paisagens naturais. A flor de uma angiosperma (figura 10), por exemplo, exibe uma haste (pedúnculo), dilatada em sua porção superior (receptáculo), onde se prendem folhas modificadas denominadas sépalas e pétalas. As sépalas são geralmente verdes e servem como elementos de proteção, sobretudo para o botão floral; as pétalas, geralmente maiores e coloridas, além de proteger, servem também para atrair animais que realizam a polinização. O conjunto formado por pétalas e sépalas recebe o nome de perianto, que não existe nos estróbilos de gimnospermas. RICHARD GRIFFIN/SHUTTERSTOCK 8

3 Os artigos sobre polinizadores se tornam mais comuns em uma das principais revistas dos apicultores, a Mensagem Doce, da Associação Paulista de Apicultores Criadores de Abelhas Melíficas Europeias (Apacame). Hoje com apicultores, a associação adotou em 1981 o slogan abelhas a serviço da agricultura como forma de ampliar o uso das abelhas para além da produção de mel. Segundo o presidente da Apacame, a procura por Apis como polinizadoras agrícolas tem avançado de modo contínuo no Brasil. Quem quiser produzir mais ou colher frutos uniformes e bem formados tem de contar com os polinizadores naturais. As abelhas podem contribuir também para a sanidade dos pomares, ao consumir o néctar e o pólen que poderiam atrair insetos danosos para as plantações. As conclusões sobre o valor dos polinizadores de culturas agrícolas e de matas nativas ganham visibilidade, mas ainda não há no Brasil nada equivalente à Pollinator Partnership, uma organização não governamental dos Estados Unidos que se constitui em fonte de informação e de ação sobre polinizadores, premiando governadores e fazendeiros que os protegem. A campanha nacional de proteção aos polinizadores gerenciada pela Pollinator Partnership reúne 120 instituições, pesquisadores, conservacionistas, representantes do governo, estudantes e professores. A valorização dos polinizadores e dos serviços ambientais que prestam depende da superação de abordagens antigas. No currículo do curso de agronomia não há disciplinas sobre polinização. Propostas novas nem sempre se espalham com rapidez. As pessoas, mesmo sem serem agricultoras ou apicultoras, poderiam manter colônias de jataí em praças, ruas, apartamentos e escolas, não apenas em sítios e plantações, e deixar que essas abelhas versáteis e inofensivas polinizassem o máximo possível de plantas ao redor. Mas essa possibilidade ainda soa um tanto exótica. Adaptado do FIORAVANTI, Carlos de. Asas dos alimentos. Revista Pesquisa Fapesp on-line, maio Qual das seguintes condições pode ser interpretada como adaptação para polinização por abelhas? a) Grãos de pólen secos e pulverulentos. d) Aroma penetrante. b) Produção de pólen muito leve. e) Flores de cor verde. c) Grande quantidade de pólen. ATIVIDADES 9 Relacione cada conceito com sua respectiva definição: ( e ) Angiosperma ( b ) Oosfera ( d ) Verticilo floral ( h ) Anemofilia ( g ) Pistilo ( c ) Cotilédone ( a ) Tubo polínico ( f ) Germinação a) Produto da germinação do grão de pólen, conduz os gametas masculinos sem depender de água. b) Gameta feminino. c) Folha modificada, situada na semente, que participa da nutrição do embrião. d) Conjunto de peças florais (por exemplo, o conjunto de pétalas). e) Planta com sementes contidas em frutos. f) Desenvolvimento de nova planta a partir do embrião. g) Estrutura feminina da flor, diferenciada em estigma, estilete e ovário. h) Polinização pelo vento. 10 (U. F. Uberlândia-MG) A figura adiante refere-se a um processo ecológico muito importante para a manutenção dos ecossistemas naturais e agrícolas. Analise essa figura e responda às questões a seguir. Estrutura III Flor da planta A Flor da planta B Estrutura II Estrutura I a) Como são denominadas as estruturas I, II e III? b) Como o processo ilustrado na figura é denominado e qual sua consequência para a planta A? O processo ilustrado é a polinização. A planta A será fecundada e, posteriormente, o óvulo se transformará em semente e o ovário em fruto. c) Por que é importante que a estrutura II seja transportada pelo inseto entre flores de plantas diferentes, em vez de ser transportada para outra flor da mesma planta? Porque assim ocorrerá a polinização cruzada, importante para aumentar a variabilidade genética da espécie. d) Quanto à evolução das angiospermas, cite duas adaptações das flores relacionadas à atração de insetos que promovem o processo evidenciado na figura. Corola vistosa, presença de glândulas odoríferas e nectários. 13

4 11 (Unicamp-SP) A polinização das angiospermas é feita por agentes abióticos (vento e água) ou por vários tipos de animais. Nesse processo se observa a relação entre as características florais e os respectivos agentes polinizadores. a) Considerando as informações sobre as flores das quatro espécies apresentadas na tabela, escolha, para cada uma delas, o possível agente polinizador dentre os seguintes: vento, morcego, beija-flor e abelha. Características florais Espécies Período de abertura da flor Corola (pétalas) Perfume Néctar 1 Diurno Vermelha Ausente Abundante 2 Diurno Ausente ou branco-esverdeada Ausente Ausente 3 Noturno Branca Desagradável Abundante 4 Diurno Amarela Agradável Presente ou ausente Espécie 1: beija-flor; espécie 2: vento; espécie 3: morcego; espécie 4: abelha. b) Explique o papel do grão de pólen no processo de formação de sementes. O grão de pólen forma o tubo polínico (gametófito masculino), que conduz os núcleos gaméticos (gametas masculinos) até a abertura do óvulo, dentro do qual está o saco embrionário (gametófito feminino). Um núcleo gamético funde-se à oosfera (gameta feminino) e origina o zigoto diploide, do qual se desenvolve o embrião; o outro núcleo gamético une-se aos núcleos polares e gera o endosperma triploide (reserva energética). Após a dupla fecundação, o óvulo desenvolve-se em semente. 12 (Udesc) Nas angiospermas, a fecundação cruzada é possível por causa do mecanismo de polinização cruzada entre indivíduos de uma mesma espécie. Com relação a esse contexto, responda: a) O que é polinização? A polinização é o transporte dos grãos de pólen até o estigma, onde se formam tubos polínicos. b) Quais são os vetores bióticos e abióticos que possibilitam a polinização? Vetores bióticos: insetos, pássaros e morcegos. Vetores abióticos: vento e água. c) Que recompensa as flores podem oferecer para os vetores bióticos? Alimentos, como néctar e grãos de pólen. 13 Observe os desenhos a seguir, que representam flores de duas plantas: A Filete Ovário B Sépala Estigma Pétala Antera A que tipos de plantas pertencem, respectivamente, as flores A e B? Justifique sua resposta. A flor A pertence a uma angiosperma dicotiledônea, pois as peças florais existem em múltiplo de 5 (flor pentâmera). A flor B é de uma angiosperma monocotiledônea, porque tem peças florais em múltiplo de 3 (flor trímera). Exercícios complementares 14 (Unicamp-SP) A polinização geralmente ocorre entre flores da mesma planta ou entre flores de plantas diferentes da mesma espécie, caracterizando a polinização ou fecundação cruzada. Como a maioria das flores é hermafrodita (monóclina), há mecanismos que evitam a autopolinização (autofecundação). a) Explique um dos mecanismos que dificultam ou evitam a autopolinização. b) Qual a importância dos mecanismos que evitam a autopolinização? 15 (Unicamp-SP) Uma das 3 tendências evolutivas no 5 reino Metaphyta foi a redução progressiva da fase haploide, o gametófito. 1 a) A que corresponde, 2 nas angiospermas, o 4 gametófito masculino? E o gametófito feminino? b) Indique, por meio dos números, onde estão localizadas essas estruturas, no esquema de flor apresentado. c) Dê o nome do gameta feminino. 16 (PUC-SP) No interior do óvulo de uma angiosperma ocorre dupla fecundação: I. um dos núcleos espermáticos do grão de pólen fecunda a oosfera; II. o outro núcleo espermático une-se a dois outros núcleos femininos. a) Como são denominadas as estruturas derivadas das células que resultam das fecundações indicadas por I e II? b) Qual o papel da estrutura originada pela fecundação indicada em II? TAREFA PROPOSTA

5 É comum usar como cavalo uma planta com sistema radicular desenvolvido e que seja resistente a condições adversas; como cavaleiro, pode-se escolher uma planta com frutos de bom sabor. Corta-se o caule da planta (cavalo), encaixando-se nele a parte aérea da outra planta (cavaleiro). Feita a enxertia, o cavalo envia água e sais minerais para o cavaleiro, que encaminha matéria orgânica para o cavalo. Atenção! Cavaleiros ou enxertos Cavalos ou porta- -enxertos Gema enxertada A enxertia não representa cruzamento entre plantas diferentes, ou seja, não há intercâmbio de material genético. O cavaleiro pode realizar reprodução sexuada e produzir descendentes de sua própria variedade. Figura 11 Na enxertia, encaixam- -se cavalo e cavaleiro, assegurando a troca de seiva bruta e de seiva elaborada. ATIVIDADES 1 Relacione cada conceito com sua respectiva definição: ( b ) Gema ( c ) Tronco ( e ) Coifa ( f ) Raiz pivotante ( a ) Raiz adventícia ( g ) Folha paralelinérvea ( h ) Partenocarpia ( d ) Pseudofruto a) Raiz que emerge do caule ou de folhas. b) Estrutura meristemática característica dos caules. c) Caule de grande espessura e com ramificações. d) Estrutura semelhante a um fruto, porém desenvolvida de uma parte da flor que não é o ovário. e) Estrutura que protege o ápice da raiz. f) Sistema radicular típico de dicotiledôneas. g) Tipo de folha com nervuras paralelas, característica de monocotiledôneas. h) Desenvolvimento do ovário sem a ocorrência de fecundação, produzindo fruto sem sementes. 2 (UFCE) O corpo dos vegetais superiores é composto por dois conjuntos básicos de estruturas: vegetativas e reprodutivas. Enquanto as estruturas vegetativas garantem a manutenção do indivíduo como uma unidade dentro da população, as estruturas reprodutivas são responsáveis pela propagação deste indivíduo e pela consequente manutenção do estoque genético da espécie. No que se refere às estruturas vegetativas, resolva os itens a seguir: a) Quais as funções do caule e da raiz na planta? Cite pelo menos duas funções de cada órgão. O caule sustenta e interliga as diferentes partes da planta, executa trocas gasosas e fotossíntese e serve como órgão de armazenamento de substâncias. A raiz fixa a planta ao solo, absorve água e sais minerais e armazena substâncias. b) Quais as características morfológicas (ou fisiológicas) desses órgãos? Cite pelo menos duas características de cada. O caule caracteriza-se pela presença de gemas apicais e laterais e maior desenvolvimento dos tecidos condutores. A raiz não possui gemas e, a partir de sua extremidade livre, apresenta coifa, zona meristemática, zona de distensão, zona pilífera e zona das ramificações. c) Em geral, caules e raízes desenvolvem-se, respectivamente, acima e abaixo do solo. Acontece que determinadas plantas apresentam um padrão de crescimento um tanto quanto diferente. Cite dois exemplos de caules subterrâneos e dois exemplos de raízes aéreas. São caules subterrâneos: o tubérculo da batata-inglesa e o rizoma da bananeira. São raízes aéreas: os pneumatóforos de plantas do mangue e as raízes adventícias do milho. 3 (Fuvest-SP) Duas plantas da mesma espécie, que vivem em ambientes distintos, apresentam folhas morfologicamente diferentes, representadas nas figuras A e B. a) Indique, justificando, qual das folhas corresponde à planta que vive em campo A B aberto e qual corresponde à planta que vive no interior de uma floresta. A planta A vive no interior de uma floresta, pois tem superfície ampla, permitindo melhor absorção de luz, um fator escasso em formações vegetais densas. A planta B vive em campo aberto, pois sua forma proporciona menor resistência à passagem do vento e menor perda de água por transpiração. b) Se recortarmos um quadrado de mesma área de cada uma dessas folhas e extrairmos a clorofila, de qual amostra se espera obter maior quantidade desse pigmento? Por quê? A planta A deve ter mais clorofila, porque no interior das florestas há menos luz disponível do que nos campos abertos. Assim, a maior quantidade de clorofila aumenta a absorção de luz. 25

6 4 (Vunesp) Um aluno de uma escola de ensino médio recebeu de seu professor de biologia uma lista de diversos vegetais considerados comestíveis. O aluno elaborou um quadro em que, com o sinal X, indicou o órgão da planta utilizado como principal alimento. Vegetal comestível Batata-inglesa Azeitona Tomate Manga Pera Mandioca Maçã Cenoura Cebola Moranguinho Pepino Raiz Caule Fruto Pseudofruto X X X X Após a análise do quadro, o professor informou ao aluno que ele havia cometido quatro erros. a) Indique os quatro erros cometidos pelo aluno e identifique os verdadeiros órgãos a que pertencem os vegetais assinalados erradamente. Os quatro erros são: (1) batata-inglesa é caule subterrâneo do tipo tubérculo; (2) a porção comestível da mandioca é a raiz; (3) a parte comestível da maçã é um pseudofruto; (4) a cebola é um bulbo, estrutura subterrânea que contém um pequeno caule envolvido por folhas suculentas. b) Quais são as estruturas da flor que dão origem, respectivamente, aos frutos verdadeiros e aos pseudofrutos relacionados no quadro? Os frutos verdadeiros (azeitona, tomate, manga e pepino) surgem do ovário da flor. Os pseudofrutos (maçã, pera e morango) derivam do receptáculo floral. 5 (Vunesp) Analise as figuras. X X X X X X X Pergunta-se: a) Quais os grupos de angiospermas estão esquematizados, respectivamente, em I e II? A angiosperma I é uma dicotiledônea, portadora de raiz axial ou pivotante. A angiosperma II é uma monocotiledônea, que possui raiz fasciculada ou em cabeleira. b) Qual a família do grupo esquematizado em I que se destaca por sua importância econômica e alimentar? Cite dois exemplos de plantas desta família. Entre as dicotiledôneas, a família mais importante em termos alimentares e econômicos é a das leguminosas, como o feijão, a soja e a ervilha. Exercícios complementares 6 (Unicamp-SP) Frutos carnosos imaturos são na maioria verdes e duros. Durante o amadurecimento, ocorre a decomposição da clorofila e a síntese de outros pigmentos, resultando em uma coloração amarelada ou avermelhada. Com o amadurecimento também ocorre o amolecimento graças à degradação de componentes da parede celular e ao aumento nos níveis de açúcares. a) Qual a vantagem adaptativa das modificações que ocorrem durante o amadurecimento dos frutos carnosos? b) De que estrutura da flor se origina a porção carnosa de um fruto verdadeiro? c) A maçã, apesar de carnosa, não é fruto verdadeiro. Explique de que estrutura ela se origina. 7 (UFBA, adaptada) Relacione as plantas da coluna I com os respectivos tipos de caule da coluna II. Coluna I Coluna II 1. Batata-inglesa A. Estolho 2. Bananeira B. Bulbo 3. Cana-de-açúcar C. Estipe 4. Babaçu D. Tubérculo 5. Cebola E. Rizoma 6. Moranguinho F. Colmo A sequência correta dos números na coluna II, de cima para baixo, é: a) 6-A; 5-B; 4-C; 1-D; 2-E; 3-F b) 6-A; 4-B; 5-C; 1-D; 2-E; 3-F c) 4-A; 5-B; 6-C; 1-D; 2-E; 3-F d) 4-A; 5-B; 6-C; 2-D; 3-E; 1-F e) 6-A; 5-B; 4-C; 1-D; 3-E; 2-F I II 8 (U. F. Juiz de Fora-MG) a) Qual é a principal vantagem da utilização de métodos de propagação vegetativa em plantas? b) A partir de células, de tecidos e de órgãos separados dos corpos das plantas, podem-se fazer culturas em laboratório e regenerar plantas inteiras. Esta técnica de propagação vegetativa tem como base o conceito da totipotência celular. Caracterize esse conceito. TAREFA PROPOSTA

7 Entretanto, os prejuízos causados pelos galhadores pela destruição de tecidos saudáveis e pela competição com outros tecidos vegetais por recursos são mais evidentes. Além disso, as galhas podem enfraquecer as plantas hospedeiras, dificultando seu desenvolvimento e abrindo caminho para o ataque de outras pragas. Adaptado de BORGES, J. C. de. Câncer em plantas. Ciência Hoje on-line. Atualizado em 11 dez (PUC-MG) Câncer em plantas? Muitos não imaginam que as plantas também têm uma forma de câncer. O surgimento de tumores acomete quase todos os organismos multicelulares conhecidos, inclusive os vegetais. Os tecidos tumorais em plantas são conhecidos como galhas e parecem ter significado evolutivo. Ciência Hoje on-line, 14 jul Leia as afirmativas a seguir. I. Os tecidos tumorais em plantas, conhecidos como galhas, são causados pela ação de diversos organismos como bactérias, fungos, nematoides, insetos e ácaros. II. Parasitas penetram nos vegetais, sobrepujam suas defesas mecânicas e químicas e liberam compostos que estimulam células totipotentes a proliferar e se diferenciar. III. Assim como nos vegetais, o câncer em animais também pode ser acarretado por vírus. IV. Nódulos gerados por infecções bacterianas nas raízes de determinados vegetais podem ser benéficos para a planta. Estão corretas as afirmativas: a) I, II, III e IV. c) II, III e IV, apenas. b) I, II e III, apenas. d) I e IV, apenas. ATIVIDADES 9 Relacione cada conceito com sua respectiva definição: ( b ) Meristema ( f ) Tecido adulto ( a ) Epiderme ( c ) Parênquima clorofiliano ( d ) Xilema ( e ) Floema ( g ) Estrutura secundária ( i ) Câmbio ( h ) Felogênio a) Tecido de revestimento das plantas. b) Tecido indiferenciado, responsável pelo crescimento da planta. c) Tecido comum nas folhas, principal responsável pela fotossíntese. d) Tecido cujos vasos condutores transportam seiva bruta. e) Tecido cujos vasos condutores transportam seiva rica em matéria orgânica. f) Tecido composto por células diferenciadas. g) Arranjo dos tecidos de uma planta que apresenta crescimento em comprimento e em espessura. h) Meristema secundário que produz os tecidos da casca, entre os quais o súber, que substitui a epiderme nas plantas que crescem em espessura. i) Meristema secundário que produz vasos condutores, colaborando para o espessamento da planta. 10 (UFPR) A figura a seguir representa a ponta de uma raiz de alho, vista ao microscópio de luz. As linhas tracejadas A e B representam duas posições onde poderia ser cortada a raiz. B Responda: a) Qual dos dois cortes (A ou B) certamente inibirá a continuidade do crescimento da raiz? O corte B. b) Com base nos conhecimentos de botânica, justifique sua resposta. O corte B elimina o tecido meristemático, situado próximo da extremidade da raiz, cujas células possuem grande capacidade de divisão celular e promovem o crescimento dessa região da planta. A 33

8 11 (Udesc) Os tecidos vegetais fundamentais são aqueles encarregados de uma série de funções, como preenchimento e sustentação. A respeito desses tecidos, analise cada proposição e julgue (V ou F). I. O parênquima de reserva está presente em sementes, frutos, raízes e rizomas e tem como função o armazenamento de substâncias nutritivas. II. O parênquima clorofiliano é o principal tecido de preenchimento de folhas, tendo por função a realização da fotossíntese. III. O colênquima é formado por células vivas e é responsável pela sustentação de folhas, frutos e caules. IV. O parênquima aquífero está presente em plantas aquáticas, auxiliando na flutuabilidade desses vegetais. V. O esclerênquima é formado por células mortas, impregnadas de lignina, e é responsável pela sustentação de caules em crescimento. Assinale a alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo. IV. O parênquima aquífero está presente em plantas xerófitas, ou seja, de regiões áridas, como os cactos, auxiliando no armazenamento de água. V. O esclerênquima é responsável pela sustentação de caules adultos; em caules jovens predomina o colênquima. Alternativa b 12 (Fuvest-SP) O esquema a seguir representa um corte transversal de um tronco de árvore. Súber Felogênio Feloderme Floema Câmbio Xilema a) Em quais dos tecidos indicados se espera encontrar células em divisão? Justifique a sua resposta. No felogênio e no câmbio, que são tecidos meristemáticos. b) Em qual dos tecidos indicados se espera encontrar seiva com maior concentração de substâncias orgânicas? Por quê? No floema, cujos vasos realizam o transporte de seiva elaborada pela planta. 13 (Unifesp) A tabela apresenta as características gerais de duas importantes classes de angiospermas. Classe I Sementes com dois cotilédones Folhas com nervuras ramificadas Estruturas florais geralmente em número múltiplo de 4 ou 5 Sistema radicular pivotante Feixes vasculares dispostos em anel Características Classe II Sementes com um cotilédone Folhas com nervuras paralelas à nervura principal Estruturas florais geralmente em número múltiplo de 3 Sistema radicular fasciculado Feixes vasculares dispersos Considerando as classes I e II representadas na tabela, faça o que se pede. a) Dê, para cada uma dessas classes, um exemplo de planta cultivada e escreva sobre sua importância econômica. De acordo com as características da tabela, a classe I é a das dicotiledôneas, como a soja, usada na alimentação humana, de animais, e para a extração de óleo empregado na culinária ou como biocombustível. A classe II é a das monocotiledôneas, como a cana-de-açúcar, da qual se extrai a sacarose para a produção de açúcar, de álcool combustível e de cachaça. b) A rotação de culturas feita com uma importante família de plantas pertencentes à classe I e uma importante família de plantas pertencentes à classe II e a adubação verde são práticas agrícolas de grande relevância ecológica. Dê dois exemplos de plantas normalmente usadas na adubação verde e na rotação de culturas, e mostre qual a importância dessas práticas. A rotação de culturas consiste no plantio intercalado de leguminosas, como o feijão e a soja, e de gramíneas, como a cana-de-açúcar e o milho. As leguminosas possuem bactérias fixadoras de nitrogênio em suas raízes, portanto enriquecem o solo com esse nutriente; as gramíneas utilizam o nitrogênio deixado pelas leguminosas. A adubação verde consiste na plantação de leguminosas antes ou durante a plantação de não leguminosas e na sua incorporação ao solo; a ação dos decompositores sobre seus tecidos promove uma adubação natural, enriquecendo o solo com compostos nitrogenados. Essas práticas agrícolas dificultam o esgotamento do nitrogênio no solo, diminuem a necessidade de utilização de adubos e, assim, reduzem os custos da produção agrícola. 34

9 4 (UFRJ) O número de estômatos por centímetro quadrado é maior na face inferior do que na face superior das folhas. Há mesmo folhas de algumas espécies de plantas que não têm estômatos na face superior. Essa diferença no número de estômatos nas duas faces das folhas é uma importante adaptação das plantas. Explique a importância funcional dessa adaptação. Durante o dia, a temperatura na face superior da folha, onde a luz incide diretamente, é mais alta do que na face inferior. O maior número de estômatos na face inferior evita a perda excessiva de água, sem comprometer as trocas gasosas, principalmente a absorção de gás carbônico. 5 (UEGO) Em algumas plantas, observa-se o aparecimento de gotículas de água nas margens das folhas nas primeiras horas da manhã. Já no meio do dia, a mesma planta pode apresentar as folhas murchas e inclinadas para baixo, como ilustrado nas figuras a seguir: Exercícios complementares 6 (Fuvest-SP) O gráfico a seguir indica a transpiração de uma árvore, num ambiente em que a temperatura permaneceu em torno dos 20 ºC, num ciclo de 24 horas. Quantidade de água eliminada na transpiração (valores arbitrários) Período A Período B Período C Tempo Período D a) Em que período (A, B, C ou D) a absorção de água pela planta é a menor? b) Em que período ocorre a abertura máxima dos estômatos? c) Como a concentração de gás carbônico afeta a abertura dos estômatos? d) Como a luminosidade afeta a abertura dos estômatos? A Gotinhas de água Considerando que foram descritos processos diferentes, responda ao que se pede. a) Nas folhas, quais são as estruturas relacionadas com os processos observados em (A) e (B), respectivamente? O processo observado em A relaciona-se com os hidatódios, que são aberturas foliares por onde a planta elimina gotículas de água, num processo denominado gutação ou sudação. O processo observado em B relaciona-se com os estômatos, que se fecham quando uma planta dispõe de pouca água e suas folhas murcham. b) Cite o fator responsável por desencadear o processo em (B). O fator responsável por desencadear a desidratação da planta é a transpiração estomática, ou seja, a eliminação de água, por meio dos estômatos, na forma de vapor. B 7 (UERJ) O controle da abertura dos estômatos das folhas envolve o transporte ativo de íons de potássio. a) Descreva a importância do potássio no processo de abertura dos estômatos. b) Nomeie as células responsáveis pelo controle dessa abertura. 8 (Unifesp) Um botânico tomou dois vasos, A e B, de determinada planta. O vaso A permaneceu como controle, e no vaso B foi aplicada uma substância que induziu a planta a ficar com os estômatos permanentemente fechados. Após alguns dias, a planta do vaso A permaneceu igual e a do vaso B apresentou sinais de grande debilidade, embora ambas tenham ficado no mesmo local e com água em abundância. Foram levantadas três possibilidades para a debilidade da planta B: I. A água que ia sendo absorvida pelas raízes não pôde ser perdida pela transpiração, acumulando-se em grande quantidade nos tecidos da planta. II. A planta não pôde realizar fotossíntese, porque o fechamento dos estômatos impediu a entrada de luz para o parênquima clorofiliano das folhas. III. A principal via de captação de CO 2 para o interior da planta foi fechada, comprometendo a fotossíntese. A explicação correta corresponde a: a) I b) II c) III d) I e II e) I e III TAREFA PROPOSTA

10 ATIVIDADES 9 Relacione cada conceito com sua respectiva definição: ( b ) Xilema ( a ) Floema ( c ) Seiva bruta ( i ) Pressão de raiz ( d ) Elemento de vaso lenhoso ( g ) Elemento de tubo crivado ( h ) Placa crivada ( f ) Anel anual ( e ) Anelamento a) Tecido especializado no transporte de seiva elaborada. b) Tecido condutor de seiva bruta. c) Fluido constituído de água e sais minerais. d) Tipo celular encontrado nos vasos do xilema. e) Retirada de um anel da casca ao redor da circunferência do caule. f) Cada par de camadas concêntricas e justapostas do xilema no tronco, uma mais clara, outra mais escura. g) Célula viva, anucleada e alongada, que conduz seiva elaborada. h) Parede perfurada que separa dois elementos de tubo crivado. i) Efeito resultante da atividade da parte subterrânea da planta, que absorve água e a empurra para cima. 10 (Unicamp-SP) Uma importante realização da pesquisa científica brasileira foi o sequenciamento do genoma da bactéria Xylella fastidiosa, causadora da doença chamada amarelinho ou clorose variegada dos citros (CVC). O nome da bactéria deriva do fato de que ela se estabelece nos vasos do xilema da planta hospedeira. a) Que processo fisiológico da planta é diretamente prejudicado pela presença da bactéria? Justifique. É diretamente prejudicado o transporte da seiva bruta, que ocorre no interior dos vasos do xilema. b) Não se pode atribuir à Xylella fastidiosa a morte das células que constituem os vasos do xilema maduro. Por quê? Porque os vasos do xilema são constituídos por células mortas. 11 (Vunesp) O cipó-chumbo é um vegetal que não possui raízes, nem folhas, nem clorofila. Apresenta estruturas especiais (raízes sugadoras denominadas haustórios) que penetram na planta hospedeira para retirar a substância de que necessita para viver. Por sua forma de vida, o cipó-chumbo é considerado um parasita. Outra planta, a erva-de-passarinho, possui folhas e clorofila, mas também é considerada um parasita, embora retire da planta hospedeira apenas água e sais minerais. a) Pelo fato de o cipó-chumbo ser aclorofilado, que tipo de nutriente ele deve retirar da planta hospedeira? Justifique sua resposta. Por ser aclorofilado, o cipó-chumbo não é capaz de realizar fotossíntese. Ele retira da planta hospedeira a seiva elaborada, rica em matéria orgânica, como os açúcares. b) Quais estruturas das plantas hospedeiras são invadidas pelo cipó-chumbo e pela erva-de-passarinho, respectivamente? Justifique sua resposta. As raízes sugadoras ou haustórios do cipó-chumbo invadem o floema da planta hospedeira, pois é nesse tecido que circula a seiva elaborada. As raízes sugadoras da erva-de-passarinho invadem o xilema da planta hospedeira, onde circula a seiva bruta. 12 (UFMG) O esquema a seguir refere-se a um sistema constituído por dois balões, 1 e 2, de membrana semipermeável, que se comunicam através de um tubo de vidro 3. O balão 1 contém uma solução concentrada de sacarose, e o balão 2 contém somente água. Os dois balões são colocados nos recipientes, I e II, que contêm água e se comunicam pelo tubo 4. 1 I Comparando-se o sistema descrito com uma planta viva, a alternativa que contém a correlação incorreta é: O plasmodesmo é uma ponte citoplasmática que interliga duas células vegetais vizinhas. O balão 2 corresponde à raiz, que absorve água. O tubo 4 representa o xilema, por onde a seiva bruta é transportada até as folhas. O balão 1 pode ser comparado com a folha, estrutura que consome a água na síntese de glicose. O tubo 3 corresponde ao floema, que transporta a seiva elaborada até as raízes, para ser consumida ou armazenada. Alternativa d II 52

11 13 (Fuvest-SP) Realizou-se o seguinte experimento com um grupo de plantas: retirou-se um anel de casca contendo o floema, mantendo-se folhas acima e abaixo da região cortada. Em seguida, somente folhas abaixo do corte foram expostas a CO 2 radioativo durante 24 horas. Em que regiões da planta serão encontradas substâncias com material radioativo após o experimento? Por quê? O gás carbônico radioativo é incorporado, por meio da fotossíntese, em compostos orgânicos, que se distribuem das folhas para o restante da planta pelo floema. Como o fluxo pelo floema ocorre em sentido descendente (das folhas para a raiz), o material radioativo será encontrado nas partes da planta abaixo do local de onde foi removido o anel da casca. Exercícios complementares 14 (Unicamp-SP) O aumento na taxa de transpiração das plantas, levando-as a um maior consumo de água, torna-as mais sensíveis à deficiência hídrica no solo. a) Explique o mecanismo de reposição da água perdida pela planta com o aumento da taxa de transpiração. b) Explique o(s) caminho(s) que pode(m) ser percorrido(s) pela água nas plantas, desde sua entrada nos pelos absorventes até a sua chegada no xilema da raiz. 15 (U. F. Pelotas-RS) Os nutrientes minerais presentes no solo são absorvidos pelas raízes das plantas em solução aquosa, por meio dos pelos absorventes. Em plantas herbáceas, as regiões mais velhas das raízes também fazem absorção de água, o mesmo acontecendo em zonas parcialmente suberificadas das raízes de arbustos e árvores. Feita a absorção pela raiz, na zona pilífera ou não, as soluções com os solutos minerais seguem até o lenho, onde iniciam um deslocamento vertical para chegar à copa. Com base no texto e em seus conhecimentos, é correto afirmar que: a) as soluções aquosas percorrem o caule até a copa das árvores graças à ação do processo de transpiração nas folhas e das forças de coesão e tensão que ocorrem no interior dos vasos condutores da seiva elaborada (floema) (D). b) as soluções aquosas podem passar de célula para célula (B) pelas paredes, até atingir o xilema (D). Esse percurso é feito livremente, sem a necessidade de osmose e difusão, processos que envolvem gasto de energia. c) o deslocamento das soluções aquosas através dos espaços intercelulares (A) é mais rápido e direto. As soluções atingem as células de passagem da endoderme (C) e então passam para os vasos lenhosos (xilema) (D). d) o deslocamento das soluções aquosas através dos plasmodesmos das células (A) é mais rápido e direto. As soluções atingem as células de passagem do córtex (C) e posteriormente passam para os vasos lenhosos (xilema) (D). e) as soluções aquosas percorrem o caule até a copa das árvores graças à ação do processo de capilaridade, em que a água se desloca para cima ao passar pelos vasos bem finos formados por vasos liberianos (floema) (D). 16 (U. F. São Carlos-SP) O desenvolvimento de um fruto depende das substâncias produzidas na fotossíntese que chegam até ele transportadas pelo floema. De um ramo de pessegueiro, retirou-se um anel da casca (anel de Malpighi), conforme mostra o esquema. Anel Epiderme Casca C D B A Responda: a) O que deve acontecer com os pêssegos situados no galho, acima do anel de Malpighi, em relação ao tamanho das frutas e ao teor de açúcar? b) Justifique sua resposta. TAREFA PROPOSTA

12 CURIOSIDADE Mais vida para as frutas O ácido giberélico, GA, tratado geneticamente, conserva por mais tempo a coloração verde das frutas, aumentando o teor dos açúcares e diminuindo a acidez. Essa técnica, trazida dos Estados Unidos pelo Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo, permite que a fruta permaneça por mais tempo na árvore sem perder a qualidade, dando oportunidade a uma colheita tardia. O seu uso reduz a utilização de iscas tóxicas contra as pragas e permite planejar melhor a colheita, sem a necessidade de estocar grandes quantidades na entressafra, esclarece o cientista da USP Aldo Malavasi, coordenador do projeto. Ele diz ainda que o GA é um dos reguladores do crescimento de várias funções na fisiologia vegetal. Galileu ATIVIDADES 1 Relacione cada conceito com sua respectiva definição: ( f ) Fitormônio ( d ) Auxina ( e ) Abscisão ( c ) Dominância apical ( b ) Giberelina ( a ) Etileno a) Fitormônio gasoso relacionado com o amadurecimento dos frutos e a abscisão foliar. b) Fitormônio descoberto inicialmente em um fungo, relacionado com o alongamento de caule e de folhas e com a germinação das sementes. c) Bloqueio do desenvolvimento das gemas laterais pelas auxinas produzidas pela gema apical. d) Ácido indolacético. e) Queda de folhas e de frutos decorrente da ação do etileno e da baixa produção de auxinas. f) Hormônio vegetal. 2 (U. F. Viçosa-MG) O gráfico seguinte representa a taxa de crescimento do caule e da raiz de um vegetal. 100 Efeito do AIA Raiz Caule (AIA) Baseando-se na sua observação: a) analise o gráfico com relação à ação das auxinas sobre o crescimento da raiz e do caule; Raiz e caule apresentam sensibilidade variável à ação das auxinas. Concentrações menores estimulam o crescimento da raiz e concentrações maiores estimulam o crescimento do caule, mas inibem o da raiz. b) determine como agem as auxinas nas células vegetais; As auxinas promovem o alongamento celular. c) defina dominância apical, dizendo a causa desse fenômeno. A dominância apical consiste na inibição das gemas axilares pela ação de auxinas proveniente da gema apical. 3 (UFPR) As plantas têm um comportamento fundamentalmente diferente do comportamento animal. Os animais podem fazer movimentos rápidos e precisos, graças a seus músculos e a sua coordenação nervosa e sensorial. As plantas, por sua vez, realizam movimentos lentos, praticamente imperceptíveis, mas que lhes permitem um ajustamento adequado aos estímulos ambientais. Sabendo que o crescimento das plantas é estimulado por fatores externos (ambientais) e internos (hormonais), responda às seguintes perguntas: a) Qual é o local (órgão vegetal) de produção das auxinas (hormônios do crescimento)? As auxinas são produzidas principalmente nas gemas apicais e nas folhas jovens. b) Explique o efeito da poda para a ramificação. A poda consiste na retirada da gema apical. Com o procedimento, cessa a dominância apical e as gemas axilares se desenvolvem, provocando a ramificação do vegetal. 4 (UFRJ) As flores não polinizadas que são pulverizadas com os hormônios auxinas e giberelinas podem produzir frutos sem sementes (partenocárpicos), por exemplo, as uvas sem sementes. a) Identifique a estrutura da flor sobre a qual esses hormônios atuam. Os hormônios atuam sobre o ovário, estrutura da flor que se desenvolve em fruto. b) Explique por que a pulverização com auxinas e giberelinas pode levar à formação de frutos sem sementes. Porque os hormônios auxinas e giberelinas, aplicados nas flores não polinizadas, estimulam o desenvolvimento do ovário em fruto sem que tenha havido fecundação; portanto, o óvulo não vai se desenvolver em semente. 65

13 5 (Udesc) Os hormônios vegetais são substâncias que estimulam, inibem ou modificam os processos fisiológicos da planta. Eles podem agir à distância do seu local de síntese e são específicos. Associe a primeira coluna de acordo com a segunda. ( 1 ) Giberelina ( 2 ) Auxina ( 3 ) Ácido abscísico ( 4 ) Etileno ( 5 ) Citocinina ( ) Envelhecimento vegetal, queda das folhas e amadurecimento de frutos. ( ) Divisão celular e desenvolvimento de gemas laterais. ( ) Inibição da germinação de sementes e das gemas durante condições desfavoráveis. ( ) Alongamento de caule e estímulo à formação de raízes. ( ) Estímulo à germinação de sementes. Assinale a alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo. O etileno (4) está relacionado ao envelhecimento vegetal e promove o amadurecimento de frutos e a abscisão das folhas. As citocininas (5) estimulam a divisão celular, o desenvolvimento das gemas laterais e retardam o envelhecimento das folhas. O ácido abscísico (3) é um inibidor de crescimento, causando a dormência das sementes e das gemas e o fechamento dos estômatos, em condições desfavoráveis. As giberelinas (1) estimulam o alongamento celular e a floração, promovem o desenvolvimento de frutos e quebram a dormência de gemas e de sementes. As auxinas (2) estimulam o alongamento celular, a germinação de sementes e o desenvolvimento dos frutos. Alternativa d Exercícios complementares 6 (UERJ) Fitormônios são substâncias que desempenham importantes funções na regulação do metabolismo vegetal. Os frutos sem sementes, denominados partenocárpicos, por exemplo, são produzidos artificialmente por meio da aplicação dos fitormônios denominados auxinas. a) Descreva a atuação das auxinas na produção de frutos sem sementes. b) Cite um fitormônio que influencia o mecanismo iônico de abertura e fechamento dos estômatos foliares e explique sua atuação nesse mecanismo. 7 (UFMS) Atualmente, são conhecidas cinco categorias de hormônios vegetais que atuam sobre o desenvolvimento das plantas. Sabendo que esses hormônios têm formas de atuação e funções distintas, identifique, entre as alternativas, aquela que está correta. a) As giberelinas são produzidas no meristema apical do caule e inibem as gemas laterais, impedindo o surgimento de ramos na planta. b) As auxinas são produzidas principalmente nas raízes e estimulam o crescimento de caules e folhas. c) Etileno é uma substância líquida, produzida pelas folhas, e desempenha um importante papel no crescimento das raízes. d) O ácido abscísico atua no crescimento das diferentes partes da planta, bem como exerce um importante papel como estimulador na germinação das sementes. e) As citocininas, produzidas nas raízes e transportadas pelo xilema para as demais partes da planta, estimulam a divisão celular. 8 (Vunesp) Em ruas e avenidas arborizadas, as companhias distribuidoras de eletricidade realizam periodicamente cortes da parte superior das árvores que estão em contato com os fios elétricos de alta tensão. As podas são necessárias para se evitarem problemas que podem ocorrer em dias chuvosos e de fortes ventos. a) O que deverá acontecer com as árvores após o corte da região apical que estava atingindo os fios elétricos? b) Que mecanismo explica o resultado obtido com o corte da região apical? TAREFA PROPOSTA Movimentos vegetais Os movimentos das plantas, muito sutis quando comparados aos dos animais, são respostas aos estímulos externos (gravidade, luz, temperatura e estímulos mecânicos), em geral associados com a reprodução e o crescimento. Classificam-se em três categorias: tactismos; tropismos; nastismos. 66

14 Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores usaram drogas que bloquearam a produção da ADPRc na Arabidopsis thaliana, erva da família das mostardas adotada como modelo para se estudarem diversos fenômenos em biologia. A ausência da ADPRc retardou o mecanismo de marcação do tempo. Os ciclos de movimentação das folhas, o uso de açúcares na produção de energia ou a abertura e fechamento dos estômatos, que antes se repetiam a cada 24 horas, passaram a durar até 27 horas. Todos os ritmos dependentes do relógio que foram medidos se tornaram mais lentos. Isso ajudou a concluir que a ADPRc é parte desse sistema de medição do tempo que ajuda a otimizar o crescimento da planta. O ajuste rápido do sistema permite à planta se preparar de antemão para mudanças no ambiente e estar pronta, por exemplo, para capturar gás carbônico e iniciar a fixação de açúcares (fotossíntese) antes do amanhecer, em vez de pôr esse processo em andamento só depois de perceber os primeiros raios de sol. Esse mesmo mecanismo torna possível a produção de moléculas que protegem as folhas da radiação ultravioleta antes que o sol esteja mais forte no meio do dia. Como a ADPRc ajusta o que os biólogos chamam de período do relógio tempo que um fenômeno leva para se repetir, acredita-se que essa molécula influencie todos os ritmos biológicos controlados pelo relógio da planta, a exemplo da floração, da fotossíntese, da síntese e da quebra de amido. Tamanha influência estimula os pesquisadores a buscar estratégias para ajustar o relógio de plantas usadas na agricultura e aumentar a produtividade. Embora o estudo tenha sido feito com a Arabidopsis thaliana, acredita-se que muitas das descobertas devem valer para outras espécies. Adaptado de SILVEIRA, Evanildo da. Engrenagens do tempo. Revista Pesquisa Fapesp, out Explique o que é o ritmo circadiano. Se achar necessário, faça uma pesquisa sobre o assunto. 2 Os experimentos demonstraram que o bloqueio da produção da adenosina difosfato ribose cíclica (ADPRc) retardou o mecanismo de marcação do tempo nas plantas. Como a medição do tempo ajuda a otimizar o crescimento da planta? ATIVIDADES 9 Relacione cada conceito com sua respectiva definição: ( f ) Tactismo ( h ) Geotropismo ( g ) Tropismo ( d ) Fotoperiodismo ( c ) Nastismo ( b ) Estiolamento ( e ) Fototropismo ( a ) Planta de dia longo a) Planta cuja floração é induzida por fotoperíodos superiores ou iguais ao fotoperíodo crítico. b) Rápido crescimento de plantas em local escuro. c) Movimento não orientado pelo estímulo que o provoca. d) Resposta às durações relativas do dia e da noite. e) Crescimento orientado pela luz. f) Movimento orientado, com locomoção, em resposta a estímulos externos. g) Crescimento orientado em curvatura. h) Crescimento orientado pela força da gravidade. 10 (PUC/Campinas-SP) Considere o experimento esquematizado a seguir, em que uma planta colocada em posição horizontal desenvolve movimento geotrópico positivo na raiz e negativo no caule. Considere o gráfico que mostra os efeitos das diferentes concentrações do ácido indolacético (AIA) sobre o crescimento da raiz e do caule. Efeito da aplicação de AIA sobre o crescimento 100 % de estimulação 0 % de inibição 100 Raiz Caule a b c Estabeleça a associação correta entre as regiões I, II e III da planta com os intervalos a, b e c do gráfico. Região I (raiz): baixa concentração de auxinas (região a do gráfico) estimula o crescimento, provocando curvatura no sentido do lado oposto. Região II (raiz): alta concentração de auxinas (região b do gráfico) inibe o crescimento. Região III (caule): alta concentração de auxinas (região b do gráfico) estimula o crescimento, provocando curvatura no sentido do lado oposto. I II III 71

15 11 (U. E. Londrina-PR) Considere o esquema a seguir. Caule Luz 13 (UESC) Em 1938, os pesquisadores Hanner e Bonner realizaram uma série de experimentos, hoje considerados clássicos, para o estudo do fotoperiodismo das plantas. O esquema a seguir demonstra os resultados desse experimento. Raiz Luz Dia longo Dia curto Dia curto com interrupção da noite Considere também as seguintes afirmações: I. A auxina migra do lado iluminado para o não iluminado, tanto no caule como na raiz. II. O caule passará a apresentar fototropismo positivo porque a maior concentração de auxina no lado não iluminado faz com que nele ocorra distensão celular. III. A raiz passará a apresentar fototropismo negativo, porque a maior concentração de auxina no lado não iluminado inibe a distensão celular. É correto o que se afirma em: a) I, somente. d) II e III, somente. b) I e II, somente. e) I, II e III. c) I e III, somente. A iluminação unilateral provoca o deslocamento das auxinas do lado iluminado para o lado não iluminado, resultando em distribuição desigual do hormônio. No caule, como o aumento da concentração de auxinas estimula o crescimento, o lado não iluminado cresce mais, provocando a curvatura no sentido da luz. Na raiz, como o aumento da concentração de auxinas inibe o crescimento, o lado iluminado cresce mais, determinando o afastamento da raiz em relação à luz. Alternativa e 12 (UFPR) A respeito da morfogênese vegetal, é correto afirmar: I. A dominância apical consiste na inibição do crescimento das gemas laterais por auxinas produzidas pelo ápice caulinar. II. Durante o fototropismo, com o acúmulo de auxinas na face não iluminada do vegetal, o caule volta-se à fonte de luz, ao contrário do que ocorre com o sistema radicular. III. A expansão celular induzida pelas auxinas resulta do aumento da elasticidade da parede celular. IV. Os frutos têm origem no desenvolvimento do ovário, processo geralmente induzido por auxinas, as quais têm sua produção aumentada após a fecundação do óvulo. V. O etileno, um gás produzido por tecidos vegetais, estimula o amadurecimento de frutos verdes e acelera o processo de senescência de frutos maduros. VI. Sementes fotoblásticas negativas têm sua germinação estimulada pela luz branca. Apenas a última proposição é falsa, pois sementes fotoblásticas negativas germinam apenas no escuro. A B Planta de dia curto Planta de dia longo Com base nos resultados e nas conclusões obtidas a partir desse experimento, julgue (V ou F) as afirmativas. I. As plantas de dia curto florescem quando submetidas a um período de escuro igual ou menor que o período de claro. II. A interrupção da noite com um flash de luz não produziu qualquer efeito visível no resultado do experimento. III. As plantas de dia longo florescem quando submetidas a períodos claros superiores aos períodos escuros. IV. As plantas possuem um fotoperíodo crítico, relacionado com a duração do período de escuro, e não com o período do dia na determinação da floração. A alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo, é a: As plantas de dia curto florescem quando submetidas a um período de escuro superior ou igual ao fotoperíodo crítico. A interrupção da noite com um flash de luz impediu a floração das plantas de dia curto e estimulou a floração das plantas de dia longo. Alternativa c 72

16 BIOLOGIA A VIDA DAS PLANTAS CAPÍTULO 1 GRUPOS VEGETAIS E REPRODUÇÃO Conexões b Sendo mais leve, o pólen adere mais facilmente ao corpo dos polinizadores, no caso, as abelhas, que, ao atingirem outra flor, desprendem-no com a mesma facilidade, polinizando-a. Exercícios complementares 6. As estruturas ausentes nos musgos reais são os vasos condutores de seiva, que permitem rápida distribuição de substâncias, garantindo a reposição da água perdida para o ambiente. Os musgos são plantas avasculares, em que a distribuição de substâncias ocorre por difusão, de forma lenta, fator que limita seu tamanho, que é pequeno. 7. a) Presença de órgãos reprodutores evidentes e sementes. b) As gimnospermas. c) Pteridófitas. 8. a) Ciprestes e sequoias são gimnospermas. Possuem estróbilos, formam tubo polínico e sementes, mas não formam frutos. b) As avencas são pteridófitas e, diferentemente das briófitas, possuem vasos condutores de seiva. 14. a) Um dos mecanismos que dificultam ou evitam a autopolinização é o amadurecimento das estruturas reprodutoras das flores em épocas distintas. Outro mecanismo é a existência de barreiras físicas entre os estames e os pistilos. b) Favorecer a polinização cruzada, que promove maior variabilidade genética e, assim, permitir adaptação a diferentes condições ambientais. 15. a) O gametófito masculino corresponde ao tubo polínico; o gametófito feminino, ao saco embrionário. b) Tubo polínico: estrutura 1. Saco embrionário: estrutura 4. c) O gameta feminino das angiospermas é a oosfera. 16. a) As células resultantes das fecundações I e II são, respectivamente, o zigoto (2n) e a célula (3n), das quais derivam o embrião e o endosperma. b) A função do endosperma é nutrir o embrião. Tarefa proposta 1. I-2, II-1, III-5, IV-3 e V-4 2. a Nas briófitas e pteridófitas, os anterozoides são flagelados e deslocam-se ao encontro da oosfera, no interior dos arquegônios; portanto, são plantas dependentes da água para a fecundação. Nas gimnospermas e angiospermas, a presença do tubo polínico torna a fecundação independente da água. 3. d A fase mais desenvolvida e predominante no ciclo de vida das plantas vasculares é representada pelo esporófito, mais complexo do que o gametófito e, geralmente, constituído de raiz, caule e folhas, importantes adaptações para a vida no ambiente terrestre. O gametófito é sexuado e o esporófito é assexuado. Os esporos não são fecundados. O gametófito produz gametas por mitose. O esporófito é diploide. 4. Soma = 21 ( ) (02) Os eventos I e III são, respectivamente, mitose e meiose. (08) Os gametas masculino e feminino das angiospermas e das gimnospermas são, respectivamente, núcleo gamético e oosfera. (32) A fase gametofítica é duradoura e evidente apenas nas briófitas. 5. e I. O esporófito é diploide. II. O arquegônio é o gametângio feminino produtor de oosfera, e o anterídeo é o masculino, produtor de anterozoides. IV. O gametófito das briófitas é dioico; o das pteridófitas, monoico. O esporófito é uma fase assexuada. 6. e As briófitas habitam ambientes úmidos e sombreados e dependem da água para o encontro dos seus gametas. Os anfíbios também preferem ambientes úmidos e sombreados e, geralmente, realizam fecundação externa, no meio aquático. 7. c II. As pteridófitas possuem maior porte do que as briófitas e são dotadas de tecidos de condução e sustentação. 8. a) Foram plantas primitivas semelhantes às atuais pteridófitas. b) As pteridófitas possuem raízes verdadeiras e têm, em seu ciclo de vida, o esporófito como geração duradoura. Os musgos não apresentam raízes, apenas um conjunto de pelos absorventes os rizoides para fixação e absorção de nutrientes; além disso, em seu ciclo de vida, a geração duradoura é o gametófito. 9. c As estruturas I e II são, respectivamente, arquegônios e anterídios, ambos haploides. 1

17 10. e Os pinheiros são gimnospermas, plantas que, provavelmente, surgiram antes das angiospermas. Se o grão de pólen surgiu nos pinheiros, seu aparecimento foi anterior ao das flores e frutos, estruturas típicas das angiospermas. 11. d O pinhão é a semente de gimnospermas, como o pinheiro- -do-paraná. As sementes, tanto das gimnospermas quanto das angiospermas, são estruturas multicelulares resultantes do desenvolvimento do óvulo, dentro das quais está o embrião e um tecido de reserva, o endosperma. 12. a) A meiose, que promove a redução do número de cromossomos, ocorre nos esporângios localizados nos estróbilos ou pinhas. Sua função é formar micrósporos e megásporos que originam, respectivamente, os grãos de pólen e o saco embrionário, este último contido no interior do óvulo. b) A pinha é o estróbilo e o pinhão é a semente. 13. c Em uma planta, ao longo de um ano (A), surge a flor e, posterior e simultaneamente, o fruto e a semente. No reino vegetal, ao longo do tempo evolutivo (B), surgiu a semente nas gimnospermas e, posterior e simultaneamente, a flor e o fruto nas angiospermas. 14. a As briófitas (musgos) são avasculares. As pteridófitas (samambaias) são vasculares, ou seja, dotadas de vasos condutores de seiva (I). As gimnospermas (pinheiros) formam sementes (II), mas apenas as angiospermas (gramíneas) produzem frutos (III). 15. a) Flores atrativas são polinizadas por animais, como insetos, aves ou morcegos. b) Flores sem grandes atrativos e produtoras de grande quantidade de pólen são polinizadas pelo vento. 16. c No interior do óvulo (I) ocorre a fecundação (C). O ovário (II) transforma-se em fruto (D). A antera (III) é o local de formação de grãos de pólen (A). O estigma (IV) é o local onde ocorre a deposição dos grãos de pólen (B). 17. b Nas gimnospermas e nas angiospermas, o grão de pólen é o gametófito masculino, e o óvulo é o megasporângio, local onde se forma o megásporo, que, por sua vez, origina o gametófito feminino. Nessas plantas, o gameta masculino é o núcleo gamético, e o gameta feminino é a oosfera. 18. a) Os mecanismos I, III e IV relacionam-se com a dispersão das sementes, enquanto II e V se referem à polinização. b) A polinização possibilita a fecundação cruzada, que aumenta a variabilidade genética. A dispersão de sementes facilita a ocupação de espaços, por diminuir a competição intraespecífica. 19. a) A estrutura I corresponde ao tecido condutor de seiva, cuja função é facilitar o transporte de seiva no organismo do vegetal. A estrutura II é a semente, e a III são as flores e os frutos. b) A dupla fecundação consiste na união de um núcleo gamético com a oosfera, dando origem ao zigoto diploide, e de outro núcleo gamético com os núcleos polares, formando o endosperma triploide. 20. c A descrição refere-se à dupla fecundação, processo característico das angiospermas, plantas cujo embrião é diploide e o endosperma é triploide. 21. a O óvulo maduro de uma angiosperma contém, em seu interior, o gametófito feminino ou saco embrionário (1), constituído de uma oosfera (2), dois núcleos polares haploides (3), três antípodas (4), além de duas sinérgides. A oosfera (2) e os núcleos polares (3) são fecundados, originando, respectivamente, o embrião e o endosperma. 22. III. Os cotilédones são folhas modificadas do embrião que, por sua vez, é resultante da fusão de uma célula espermática com a oosfera. IV. O endosperma das angiospermas é resultado da fusão de uma célula espermática com os núcleos polares do saco embrionário. 23. c Cada grão de milho é um fruto seco com semente. O amido, presente no endosperma, é formado por moléculas de glicose produzidas no ovário ou em qualquer outro órgão fotossintetizante da planta, principalmente as folhas. 24. a) A semente A é de uma dicotiledônea, pois o embrião possui dois cotilédones. A semente B é de uma monocotiledônea, pois o embrião possui apenas um cotilédone. b) A letra P indica o endosperma triploide; Q, os cotilédones, e R, o embrião. CAPÍTULO 2 MORFOLOGIA VEGETAL Conexões a Todas as alternativas estão corretas. Exercícios complementares 6. a) As modificações que ocorrem durante o amadurecimento dos frutos carnosos favorecem a liberação e a dispersão das sementes. 2

18 b) O fruto verdadeiro origina-se do ovário da flor. c) A porção comestível da maçã é um pseudofruto, pois origina- -se do receptáculo floral. 7. a Estolho é um caule aéreo rastejante, que ocorre no moranguinho (6). Bulbo é uma estrutura complexa formada por um caule subterrâneo chamado prato e por folhas modificadas, os catafilos, que ocorrem na cebola (5). O estipe é um caule aéreo ereto que não se ramifica e com folhas apenas na extremidade superior, típico das palmeiras, como o babaçu (4). O tubérculo é um caule subterrâneo que armazena amido e ocorre na batata- -inglesa (1). O rizoma é o caule subterrâneo da bananeira (2). O colmo é um caule aéreo ereto com nós e entrenós bem nítidos, como o da cana-de-açúcar (3). 8. a) A obtenção de numerosos indivíduos portadores das mesmas características desejadas (por exemplo, elevada produtividade). b) Trata-se da capacidade de determinados tipos celulares indiferenciados de se converterem em diversos tipos de células adultas (diferenciadas). 14. d A estrutura 1 é a cutícula, que recobre a epiderme e tem a função de proteção e redução da transpiração. A estrutura 2 é o parênquima clorofiliano paliçádico, formado por células alongadas e justapostas, ricas em cloroplastos, responsáveis pela fotossíntese. A estrutura 3 é o parênquima clorofiliano lacunoso, com células ricas em cloroplastos, separadas por espaços onde circulam gases e com feixes liberolenhosos que transportam substâncias orgânicas e inorgânicas. 15. II. Apenas as angiospermas monocotiledôneas apresentam disposição difusa dos feixes vasculares; nas gimnospermas e nas angiospermas dicotiledôneas, os feixes têm disposição regular em forma de anel. V. O câmbio vascular é um meristema secundário, relacionado com o crescimento secundário, ou em espessura, da planta; o meristema fundamental determina o crescimento primário, em comprimento, da planta. 16. a) As dicotiledôneas estão indicadas nos números II (feixes vasculares com disposição em anel) e IV (flores pentâmeras). b) As flores trímeras são típicas das monocotiledôneas, indicadas nos números I e III. c) As raízes fasciculadas ocorrem nas monocotiledôneas. Para não serem monocotiledôneas, as folhas devem ter nervuras ramificadas. d) Sim. e) Um fato bastante conhecido, mas ignorado pelo dono da loja, é o de que a semente do milho tem apenas um cotilédone, e a do feijão, dois. Tarefa proposta 1. d A vegetação típica do mangue apresenta raízes com pneumatóforos, estruturas dotadas de pequenos orifícios, denominados pneumatódios, para garantir a aeração do vegetal, pois o solo alagado dispõe de baixa concentração de oxigênio. 2. a São raízes utilizadas na alimentação: mandioca, rabanete, cenoura, beterraba. Batata-inglesa, inhame e gengibre são caules. A cebola é um bulbo simples, o alho é um bulbo composto, e a alcachofra é uma inflorescência. 3. d A região 3 é a zona de distensão, cujas células distendem-se e contribuem para o alongamento da raiz. A região 2 é a zona pilífera, com pelos absorventes que aumentam a superfície de absorção de nutrientes. A região 1 é a zona das ramificações, e a região 4 é a coifa. 4. a O colmo da cana-de-açúcar, o tubérculo do inhame e a semente do feijoeiro são locais de acúmulo de substâncias de reserva (I). Os órgãos que servem à multiplicação vegetativa, ou assexuada, são o colmo da cana e o tubérculo do inhame. Nenhum dos órgãos citados é local de síntese de carboidratos (fotossinteticamente ativos). 5. d II. Estipe é um caule aéreo, cilíndrico, sem ramificações, comum em árvores como as palmeiras. Eucaliptos, ipês e abacateiro apresentam caule do tipo tronco. IV. Rizoma é um caule, geralmente subterrâneo, que ocorre em plantas como samambaia, bananeira e gengibre. Cebola e alho são bulbos. 6. a Tubérculos são caules subterrâneos que armazenam amido, como a batata-inglesa. Raízes tuberosas são: cenoura, beterraba, mandioca, rabanete, batata-doce e nabo. Folhas verdes e comestíveis são encontradas no espinafre, na couve, alface e rúcula. Frutos do tipo baga, ou seja, carnoso e com sementes, são a uva e o tomate. Cariopse é um fruto seco, que se confunde com uma semente, como o grão de milho, o arroz integral e a semente de girassol. Couve-flor e brócolis são inflorescências. Abacate, pêssego e acerola são frutos carnosos tipo drupa. Cebola e alho são bulbos. Amendoim e ervilha são sementes. 7. a O fruto verdadeiro na maçã e na pera corresponde à parte central, derivada do ovário, que envolve as sementes. A parte suculenta e comestível deriva do receptáculo floral. 8. a) Na maçã (figura A), a parte comestível é um pseudofruto, pois se desenvolve a partir do receptáculo floral. Na melancia 3

19 (figura B), a parte comestível é um fruto, pois se desenvolve a partir do ovário. b) Após a polinização, o grão de pólen forma o tubo polínico (gametófito masculino), que conduz os núcleos gaméticos (gametas masculinos) até a abertura do óvulo, dentro do qual está o saco embrionário (gametófito feminino). Um núcleo gamético funde-se à oosfera (gameta feminino) e origina o zigoto diploide, do qual se desenvolve o embrião; o outro núcleo gamético une-se aos núcleos polares e gera o endosperma triploide (reserva energética). Após a dupla fecundação, o óvulo desenvolve-se em semente e o ovário em fruto. 9. a) Frutos: tomate (5) e pêssego (8). Sementes: arroz polido (1), b) O pêssego é uma drupa, pois apresenta caroço, uma semente única e com tegumento endurecido. O tomate é uma baga, pois apresenta várias sementes. c) O purê de batata. A batata-inglesa é uma estrutura caulinar porque apresenta gemas laterais, presentes apenas em caules. 10. e As monocotiledôneas têm raiz fasciculada, nervuras foliares paralelas e flores trímeras (IV). As dicotiledôneas têm raiz axial ou pivotante, folhas com nervuras reticuladas e flores tetrâmeras ou pentâmeras (V). 11. a) As plantas cultivadas geralmente apresentam características pré-selecionadas, como grande produtividade e resistência a pragas. Como a reprodução assexuada não favorece a variabilidade genética, nas novas gerações podem ser obtidas plantas que preservam as características selecionadas da planta matriz. b) As duas técnicas consistem em produzir organismos inteiros usando-se fragmentos de uma planta matriz: na estaquia, o fragmento da planta matriz é colocado diretamente no solo, enquanto na enxertia é colocado sobre outra planta, que lhe serve de suporte e à qual deverá se unir. 12. a) A variedade com produção mais homogênea, ou seja, com menor variação, é a de mandioca, pois a produção foi de 3,0 kg a 5,4 kg de raízes por planta. No milho, a variação foi maior, pois a produção foi de zero a 240 gramas de milho por planta. b) O plantio de mandioca é feito por pedaços de caule (mudas), processo assexuado, que não favorece a variabilidade genética. O plantio de milho é feito com o uso dos grãos (frutos secos com sementes), que resultam de um processo sexuado, que favorece a variabilidade genética. 13. c As gemas axilares ou laterais (1) originam os ramos laterais. A folha (2) possui os parênquimas clorofilianos paliçádico e lacunoso, ambos tecidos fotossintetizantes. Os pelos absorventes (3) são especializações de células epidérmicas que aumentam a superfície de absorção de água e sais pelas raízes. O meristema apical (4) possui células com grande capacidade de divisão celular, sendo responsável pelo crescimento em extensão da raiz. 14. Por se tratar de uma angiosperma dicotiledônea, a jaqueira apresenta crescimento secundário, que provoca aumento do diâmetro do caule. 15. I. Os tecidos de sustentação são representados pelo colênquima e pelo esclerênquima. Os vasos lenhosos e os vasos liberianos correspondem, respectivamente, ao xilema e ao floema, que são tecidos condutores. 16. (01) A epiderme é um tecido vegetal e os estômatos são anexos da epiderme. (08) A epiderme é um tecido adulto. (16) Os frutos são formados por vários tipos de tecidos adultos. (32) O colênquima é um tecido vivo e o esclerênquima é um tecido morto, ambos com função de sustentação. 17. b O parênquima paliçádico (I) localiza-se nas folhas, onde desempenha a função de fotossíntese (3). O floema (II) transporta seiva orgânica ou elaborada (4). Os pelos radiculares (III) estão na zona pilífera da raiz, onde aumentam a superfície de absorção de água (2). O xilema (IV) transporta seiva inorgânica ou bruta (1). 18. I. A epiderme é formada por células diferenciadas (adultas) e sem clorofila, com função de revestimento, que não impedem a perda de vapor-d água para a atmosfera. 19. Graças à disposição alternada das folhas ao longo dos ramos, um par de folhas fará pouca sombra sobre o par imediatamente abaixo. Com isso, aumenta a exposição das folhas à luz solar. O benefício metabólico está na elevação da taxa fotossintética. 20. c Na semente de feijão (2), o endosperma não é bem desenvolvido, pois toda sua reserva alimentar foi transferida para os dois cotilédones diploides. 21. e O câmbio é um tecido meristemático secundário que produz floema para fora e xilema para dentro. Em geral, apenas as dicotiledôneas apresentam crescimento secundário ou em espessura. Na raiz, os elementos do xilema e do floema têm disposição alternada, enquanto no caule reúnem-se em feixes liberolenhosos. Colênquima e esclerênquima são tecidos de sustentação. Nas angiospermas, as raízes laterais têm origem no periciclo. 4

20 22. c O crescimento da raiz depende da divisão celular, que ocorre na zona meristemática (II), e da elongação das células da zona de distensão (III). 23. e As monocotiledôneas apresentam folhas com nervuras paralelas (II), caule com feixes vasculares dispersos (IV) e flores trímeras (VI). As dicotiledôneas apresentam folhas com nervuras reticuladas (I), caule com feixes vasculares dispostos em círculo (III) e flores pentâmeras (V). 24. a) Não, pois a semente do milho tem apenas um cotilédone, e a do feijão, dois. Além disso, as plantas com flores trímeras são típicas de monocotiledôneas, mas as raízes axiais ocorrem em dicotiledôneas. b) As dicotiledôneas possuem folhas com nervuras reticuladas e caule com feixes vasculares em anel. São dicotiledôneas: ervilha, soja, goiaba, mamona etc. CAPÍTULO 3 TRANSPIRAÇÃO E TRANSPORTE Conexões 1. a) Nas áreas continentais, a evaporação atinge índices máximos nas regiões equatoriais por causa da alta radiação solar (áreas mais quentes), da importante cobertura de floresta e da grande disponibilidade de água. b) Trata-se de um processo associado de perda de água do solo e de corpos hídricos por evaporação, e de perda de água das plantas por transpiração. 2. O alagamento da área da região temperada levou a um aumento da superfície de evaporação e, consequentemente, a um aumento da umidade relativa do ar. Na área tropical, com maior cobertura vegetal, a superfície de evapotranspiração foliar é superior à superfície de evaporação das águas após o alagamento, com menor fluxo de água na forma de vapor para o ar. Exercícios complementares 6. a) A menor absorção de água coincide com a menor perda de água por transpiração, ou seja, no período A. b) A abertura máxima dos estômatos coincide com a maior perda de água por transpiração, ou seja, no período C. c) A pequena concentração de gás carbônico no mesofilo promove a abertura dos estômatos, assim a planta pode realizar as trocas gasosas e a fotossíntese. A grande concentração de gás carbônico promove o fechamento dos estômatos, assim a planta pode economizar água. d) A intensidade luminosa elevada promove a abertura dos estômatos, pois as células-guardas realizam fotossíntese, sintetizam glicose e, consequentemente, ganham água por osmose, ficam túrgidas, e o ostíolo se abre. 7. a) A concentração de potássio no citoplasma das células- -guardas determina a pressão osmótica e, consequentemente, o estado de turgescência dessas células. Com elevada concentração de potássio no citoplasma, tornam-se túrgidas e abrem o ostíolo (orifício do estômato); com baixa concentração de potássio e pressão osmótica reduzida, o ostíolo é fechado. b) São as células-guardas. 8. c A explicação correta é a III, pois a debilidade da planta se deve ao fato de os estômatos, que são a principal via de captação de gás carbônico para o interior da planta, terem permanecido fechados, comprometendo a fotossíntese. I. A absorção de água pela planta depende, principalmente, da transpiração estomática. II. O fechamento dos estômatos não impede a entrada de luz para o parênquima clorofiliano. 14. a) Com o aumento da taxa de transpiração, a sucção foliar traciona as moléculas de água para cima no interior do xilema, determinando a subida da seiva bruta, repondo a água perdida pela planta. b) Nas plantas vasculares, a absorção de água e sais minerais ocorre principalmente por meio dos pelos absorventes da epiderme. A partir daí, a água é transportada: doderme e do periciclo, até atingir o xilema; celulares das células do córtex até a endoderme, pela qual atravessa o interior das células, passando pelo periciclo até atingir o xilema. 15. c O deslocamento da seiva bruta entre as paredes celulares (A) das células epidérmicas e corticais, até atingir a endoderme (C) e o xilema (D), ocorre por osmose e difusão e é mais rápido e direto. O deslocamento da seiva bruta atravessando o citoplasma dos pelos absorventes (B), das células corticais e endodérmicas até atingir o xilema, é mais lento. 16. a) Os pêssegos desse galho ficarão maiores e com teor de açúcar mais elevado. b) Com a retirada de um anel da casca, a seiva elaborada, produzida pelas folhas, não é transportada para outras partes da planta, concentrando-se nos frutos desse galho. Tarefa proposta 1. a Em I, as células estomáticas perderam água, murcharam e o ostíolo se fechou. Em II, por causa da entrada de potássio por 5

Aula 5 Reprodução das Angiospermas

Aula 5 Reprodução das Angiospermas Aula 5 Reprodução das Angiospermas Nas angiospermas, o esporófito é formado por raízes, caule, folhas, flores, frutos e sementes. As flores são folhas modificadas, preparadas para a reprodução das angiospermas.

Leia mais

Criptógamas: sem semente. Inclui nesse grupo: briófitas e pteridófitas. Fanerógamas: com semente. Inclui nesse grupo: gimnospermas e angiospermas.

Criptógamas: sem semente. Inclui nesse grupo: briófitas e pteridófitas. Fanerógamas: com semente. Inclui nesse grupo: gimnospermas e angiospermas. Criptógamas: sem semente. Inclui nesse grupo: briófitas e pteridófitas. Fanerógamas: com semente. Inclui nesse grupo: gimnospermas e angiospermas. Componentes do grupo: plantas São pluricelulares Paredes

Leia mais

A Diversidade de Plantas. Como as plantas evoluíram?

A Diversidade de Plantas. Como as plantas evoluíram? A Diversidade de Plantas Como as plantas evoluíram? Como classificar as plantas? Briófitas Características: Apresentam rizóides, caulóides e filóides. Vivem em locais úmidos e sombreados. Não possuem vasos

Leia mais

Como as plantas evoluíram?

Como as plantas evoluíram? Como as plantas evoluíram? 1 Como classificar as plantas? 2 Funções da raiz: Raiz Fixar o vegetal ao solo. Retirar do solo água e sais minerais indispensáveis à nutrição da planta. SEIVA BRUTA Água +

Leia mais

HISTOLOGIA VEGETAL. Profº. Amaral

HISTOLOGIA VEGETAL. Profº. Amaral HISTOLOGIA VEGETAL Profº. Amaral HISTOLOGIA VEGETAL A organização do corpo dos vegetais é bem diferente da organização do corpo dos animais. A maior parte dessas diferenças é uma adaptação ao modo autotrófico

Leia mais

28/10/2013. HORMÔNIOS VEGETAIS ou FITORMÔNIOS

28/10/2013. HORMÔNIOS VEGETAIS ou FITORMÔNIOS HORMÔNIOS VEGETAIS ou FITORMÔNIOS Vegetais são capazes de controlar seu desenvolvimento e crescimento de acordo com as condições ambientais, e de reagir a estímulos ambientais; Essas atividades são controladas

Leia mais

Tradicionalmente, as plantas têm sido divididas em dois grandes grupos:

Tradicionalmente, as plantas têm sido divididas em dois grandes grupos: INTRODUÇÃO À BOTÂNICA CARACTERÍSTICAS GERAIS O Reino vegetal reúne as plantas ou vegetais, tais como, musgos, samambaias, pinheiros, árvores, arbustos, etc. São organismos eucariontes, multicelulares e

Leia mais

Aula 2 Os vegetais Talófita : Briófitas: Pteridófita:

Aula 2 Os vegetais Talófita : Briófitas: Pteridófita: Aula 2 Os vegetais O reino Plantae (ou Metaphyta) está representado por uma enorme diversidade de espécies, como algas, musgos, samambaias, pinheiros, mangueiras. São classificadas de acordo com a presença

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS FISIOLOGIA VEGETAL

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS FISIOLOGIA VEGETAL UFRGS FISIOLOGIA VEGETAL 1. (Ufrgs 2015) A coluna à esquerda, abaixo, lista dois hormônios vegetais; a coluna à direita, funções que desempenham. Associe adequadamente a coluna direita com a esquerda.

Leia mais

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Módulo 09 GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Quando ocorre o fechamento dos estômatos a condução de seiva bruta fica prejudicado bem como a entrada de gás carbônico para o processo fotossintético. 02. C O deslocamento

Leia mais

EXERCÍCIOS EXTRAS REINO PLANTAE Professora: Giselle Cherutti - Ensino Fundamental II - 7º ano

EXERCÍCIOS EXTRAS REINO PLANTAE Professora: Giselle Cherutti - Ensino Fundamental II - 7º ano EXERCÍCIOS EXTRAS REINO PLANTAE Professora: Giselle Cherutti - Ensino Fundamental II - 7º ano 1. As briófitas são plantas que possuem pequeno porte. A característica que impede que essas plantas atinjam

Leia mais

7 ANO AULA DE CIÊNCIAS. Professora Andressa =)

7 ANO AULA DE CIÊNCIAS. Professora Andressa =) 7 ANO AULA DE CIÊNCIAS Professora Andressa =) 7 ANO PLANTAS Apostila volume 4 Importâncias Influência nas condições ambientais Influência no clima Fonte de Alimento para grande Abrigo para inúmeras

Leia mais

11/09/2013 GIMNOSPERMAS E ANGIOSPERMAS

11/09/2013 GIMNOSPERMAS E ANGIOSPERMAS GIMNOSPERMAS E ANGIOSPERMAS Cerca de 72 mil espécies; Regiões temperadas e frias; Pinheiros, cedros, ciprestes e sequoias; Fanerógamas ou espermatófitas: SEMENTE; Plantas vasculares ou traqueófitas; Estrutura

Leia mais

ORIENTAÇÕES RESUMO TEÓRICO EXERCÍCIOS RESOLVIDOS. BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 5.a GRUPOS VEGETAIS (ANGIOSPERMAS)

ORIENTAÇÕES RESUMO TEÓRICO EXERCÍCIOS RESOLVIDOS. BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 5.a GRUPOS VEGETAIS (ANGIOSPERMAS) BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 5.a GRUPOS VEGETAIS (ANGIOSPERMAS) ORIENTAÇÕES CICLO REPRODUTIVO DAS ANGIOSPERMAS A lista 8.a apresenta exercícios sobre as angiospermas, o grupo vegetal mais

Leia mais

PROFESSOR GUILHERME BIOLOGIA

PROFESSOR GUILHERME BIOLOGIA Laranjeiras do Sul: Rua 7 de Setembro, 1930. Fone: (42) 3635 5413 Quedas do Iguaçu: Pça. Pedro Alzide Giraldi, 925. Fone: (46) 3532 3265 www.genevestibulares.com.br / contato@genevestibulares.com.br PROFESSOR

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D Ensino Fundamental Ciências da Natureza II Habilidade da Questão Conteúdo Matriz da EJA/FB 01 Fisiologia Vegetal (Transporte e absorção de H34, H40, H41, H63 substâncias); Fotossíntese

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento Bio Tecidos de sustentação e condução

Exercícios de Aprofundamento Bio Tecidos de sustentação e condução 1. (Unesp 2015) Dona Patrícia comprou um frasco com 100 gramas de alho triturado desidratado, sem sal ou qualquer conservante. A embalagem informava que o produto correspondia a 1 quilograma de alho fresco.

Leia mais

PROFESSORA SANDRA BIANCHI REPRODUÇÃO SEXUADA DE VEGETAIS

PROFESSORA SANDRA BIANCHI REPRODUÇÃO SEXUADA DE VEGETAIS PROFESSORA SANDRA BIANCHI REPRODUÇÃO SEXUADA DE VEGETAIS CICLO DIPLOBIONTE OU METAGÊNESE MEIOSE ESPÓRICA OU INTERMEDIÁRIA FIGURA REPRESENTATIVA DE UM MUSGO (Politricum sp) CICLO DE VIDA DE BRIÓFITAS MUSGO

Leia mais

Questão 3. Questão 1. Questão 2. Questão 4. Gabarito: Gabarito: a) Novas folhas são feitas utilizando as reservas contidas nas raízes e caules.

Questão 3. Questão 1. Questão 2. Questão 4. Gabarito: Gabarito: a) Novas folhas são feitas utilizando as reservas contidas nas raízes e caules. Questão 1 a) Novas folhas são feitas utilizando as reservas contidas nas raízes e caules. b) Não. Na caatinga os ciclos de chuvas são irregulares ao longo do ano, enquanto que no cerrado há um período

Leia mais

HISTOLOGIA VEGETAL. Santo Inácio. Educação para toda a vida. Colégio. Jesuítas

HISTOLOGIA VEGETAL. Santo Inácio. Educação para toda a vida. Colégio. Jesuítas HISTOLOGIA VEGETAL I. Tecido Meristemático - Tecido embrionário - Divisão por mitose - Célula pequena - Núcleo grande Tipos de Tecidos Meristemáticos I- Meristema Primário - Derivadas do embrião - Localização:

Leia mais

BOTÂNICA PARTE I Ramo da biologia que estuda as plantas. Briófita & Pteridófita

BOTÂNICA PARTE I Ramo da biologia que estuda as plantas. Briófita & Pteridófita BOTÂNICA PARTE I Ramo da biologia que estuda as plantas. Briófita & Pteridófita BOTÂNICA (Reino Plantae) Para pertencer ao grupo das plantas o organismo deve: Ter raiz, caule e folha; Ser autótrofo fotossintetizante

Leia mais

EXERCÍCIO RESOLVIDOS RESUMO TEÓRICO. BIOLOGIA II Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 5.b - GRUPOS VEGETAIS (ANGIOSPERMAS)

EXERCÍCIO RESOLVIDOS RESUMO TEÓRICO. BIOLOGIA II Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 5.b - GRUPOS VEGETAIS (ANGIOSPERMAS) BIOLOGIA II Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 5.b - GRUPOS VEGETAIS (ANGIOSPERMAS) RESUMO TEÓRICO CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS Principais representantes: a grande maioria das plantas pertence ao grupo das

Leia mais

17/11/2015. REINO PLANTAE (VEGETAIS) Prof. Leonardo F. Stahnke ORIGEM IMPORTÂNCIA DAS PLANTAS

17/11/2015. REINO PLANTAE (VEGETAIS) Prof. Leonardo F. Stahnke ORIGEM IMPORTÂNCIA DAS PLANTAS REINO PLANTAE (VEGETAIS) Prof. Leonardo F. Stahnke ORIGEM Plantas tiveram origem no ambiente aquático e, posteriormente, colonizaram o ambiente terrestre; Modificaram a atmosfera da Terra, propiciando

Leia mais

BIOLOGIA. Questão 2 a) Criptógamas. b) Fanerógamas. c) Espermatófitas. d) avasculares. e) vasculares ou traqueófitas. f) Monera.

BIOLOGIA. Questão 2 a) Criptógamas. b) Fanerógamas. c) Espermatófitas. d) avasculares. e) vasculares ou traqueófitas. f) Monera. BIOLOGIA Prof. Fred AULA 1 EVOLUÇÃO E REPRODUÇÃO DOS GRUPOS VEGETAIS SERIE AULA a) Final do Carbonífero: Final do Carbonífero: raízes, caules e folhas. Início do Cretáceo: Início do Cretáceo: raízes, caules,

Leia mais

MORFOLOGIA VEGETAL. Morfologia externa e interna da raiz e do caule PROFª SANDRA BIANCHI

MORFOLOGIA VEGETAL. Morfologia externa e interna da raiz e do caule PROFª SANDRA BIANCHI MORFOLOGIA VEGETAL Morfologia externa e interna da raiz e do caule PROFª SANDRA BIANCHI INTRODUÇÃO Dois dos processos mais interessantes e complexos que ocorrem durante o ciclo de vida das plantas produtoras

Leia mais

Tecidos e Órgão Vegetais

Tecidos e Órgão Vegetais Tecidos e Órgão Vegetais Aula - 2º. Ano Ensino Médio - Biologia Prof a. Juliana Fabris Lima Garcia Monocotiledôneas Alho, cebola, aspargo, abacaxi, bambu, grama, arroz, trigo, aveia, cana-deaçúcar, milho,

Leia mais

Reino das plantas I Reino das plantas II

Reino das plantas I Reino das plantas II 1 Estabeleça a relação entre as colunas. Observe que cada item correspondente aos vegetais poderá aparecer mais de uma vez na coluna das características. Características ( ) As folhas jovens são chamadas

Leia mais

1. (UFPEL) As figuras mostram, respectivamente, a germinação de semente de feijão (A) e de milho (B).

1. (UFPEL) As figuras mostram, respectivamente, a germinação de semente de feijão (A) e de milho (B). 1. (UFPEL) As figuras mostram, respectivamente, a germinação de semente de feijão (A) e de milho (B). Com base em seus conhecimentos e nos textos, é correto afirmar que as figuras A e B mostram, respectivamente,

Leia mais

152 questões de biologia comentadas para você gabaritar o vestibular 10. BOTÂNICA

152 questões de biologia comentadas para você gabaritar o vestibular 10. BOTÂNICA 10. BOTÂNICA QUESTÃO - 110 Há mais de 250 milhões de anos, as gimnospermas, originadas das pteridófitas, dominaram as paisagens terrestres durante o Triássico e o Jurássico, juntamente com os dinossauros.

Leia mais

www.profdorival.com.br Curso de Biologia Exercícios de Botânica

www.profdorival.com.br Curso de Biologia Exercícios de Botânica www.profdorival.com.br Curso de Biologia Exercícios de Botânica Questões 01 e 02 " A l g u m a s e s p é c i e s d e a l g a s m a r i n h a s conseguiram sobreviver em terra firme junto ao mar, cobrindo

Leia mais

REINO PLANTAE. Capítulo 17 ao 21 Sistema Poliedro de Ensino. Professora Giselle Cherutti

REINO PLANTAE. Capítulo 17 ao 21 Sistema Poliedro de Ensino. Professora Giselle Cherutti REINO PLANTAE Capítulo 17 ao 21 Sistema Poliedro de Ensino Professora Giselle Cherutti Características Gerais Cap. 17/21 São seres vivos pluricelulares assim como os animais do Reino Animal. São eucariontes

Leia mais

Segundo a classificação de Whittaker (1969), as plantas são organismos eucariontes, multicelulares, autótrofos, que realizam fotossíntese.

Segundo a classificação de Whittaker (1969), as plantas são organismos eucariontes, multicelulares, autótrofos, que realizam fotossíntese. 1 2 Segundo a classificação de Whittaker (1969), as plantas são organismos eucariontes, multicelulares, autótrofos, que realizam fotossíntese. Neste caso, incluem-se as algas multicelulares (Chlorophyta,

Leia mais

Biologia Fascículo 05 Lara Regina Parra de Lazzari

Biologia Fascículo 05 Lara Regina Parra de Lazzari Biologia Fascículo 05 Lara Regina Parra de Lazzari Índice Fisiologia Vegetal... 1 Hormônios Vegetais... 1 Floração... 6 Exercícios... 7 Gabarito... 9 Fisiologia Vegetal Hormônios Vegetais Auxina Giberelina

Leia mais

ORIENTAÇÕES RESUMO TEÓRICO EXERCÍCIOS RESOLVIDOS. BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 7 MORFOLOGIA VEGETAL

ORIENTAÇÕES RESUMO TEÓRICO EXERCÍCIOS RESOLVIDOS. BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 7 MORFOLOGIA VEGETAL BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 7 MORFOLOGIA VEGETAL ORIENTAÇÕES A lista 9 aborda a morfologia das plantas (raiz, caule e folha). Mantenha sempre o foco e a atenção ao resolver as questões

Leia mais

Exercícios de Fisiologia Vegetal sobre Transporte de Seiva com Gabarito

Exercícios de Fisiologia Vegetal sobre Transporte de Seiva com Gabarito Exercícios de Fisiologia Vegetal sobre Transporte de Seiva com Gabarito 1) (Fuvest-2000) Entre as plantas vasculares, uma característica que pode ser usada para diferenciar grupos é: a) presença de xilema

Leia mais

A principal função da flor numa planta é a de reprodução. As flores de uma planta são constituídas por (Figura 1):

A principal função da flor numa planta é a de reprodução. As flores de uma planta são constituídas por (Figura 1): 1. Reprodução das plantas com flor 1.1. Flor principal função da flor numa planta é a de reprodução. s flores de uma planta são constituídas por (Figura 1): Figura 1 onstituição de uma flor completa de

Leia mais

Parte subterrânea da planta, funções:

Parte subterrânea da planta, funções: Parte subterrânea da planta, funções: Absorção (água e substâncias dissolvidas nela); Condução (até a parte aérea); Fixação da planta no solo; Reserva (cenoura, rabanete...) Primeira das partes embrionárias

Leia mais

Exercícios com Gabarito de Biologia Pteridófitas

Exercícios com Gabarito de Biologia Pteridófitas Exercícios com Gabarito de Biologia Pteridófitas 1) (PUC - SP-2008) No ciclo de vida de uma samambaia ocorre meiose na produção de esporos e mitose na produção de gametas. Suponha que a célula-mãe dos

Leia mais

Lista de Exercícios BOTÂNICA. Profº Fernando Teixeira Fernando@biovestiba.net

Lista de Exercícios BOTÂNICA. Profº Fernando Teixeira Fernando@biovestiba.net Lista de Exercícios BOTÂNICA Profº Fernando Teixeira Fernando@biovestiba.net 01 - (Fac. Santa Marcelina SP/2013) O esquema representa uma árvore filogenética com os principais grupos de plantas. As letras

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 4º BIMESTRE 7º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ

CIÊNCIAS PROVA 4º BIMESTRE 7º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 4º BIMESTRE 7º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ 2010 01. As fotografias

Leia mais

Biologia Fascículo 06 Lara Regina Parra de Lazzari

Biologia Fascículo 06 Lara Regina Parra de Lazzari Biologia Fascículo 06 Lara Regina Parra de Lazzari Índice Fisiologia Vegetal II Anatomia vegetal... 1 Relações hídricas na planta... 2 Exercícios... 5 Gabarito... 8 Anatomia vegetal Identificação de estruturas

Leia mais

Resoluções das atividades

Resoluções das atividades LIVRO 1 BIOLOGIA 2 Resoluções das atividades Sumário Capítulo 1 Introdução ao reino Plantae... 1 Capítulo 2 Briófitas... 2 Capítulo 3 Pteridófitas... 4 Capítulo 4 Gimnospermas... 5 Capítulo 1 01 C 02 A

Leia mais

ORIENTAÇÕES EXERCÍCIOS RESOLVIDOS RESUMO TEÓRICO. BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 6.a HISTOLOGIA VEGETAL

ORIENTAÇÕES EXERCÍCIOS RESOLVIDOS RESUMO TEÓRICO. BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 6.a HISTOLOGIA VEGETAL BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 6.a HISTOLOGIA VEGETAL ORIENTAÇÕES A lista 6.a traz questões sobre os tecidos vegetais, assunto recorrente nos vestibulares. Resolva-as mantendo sempre o foco

Leia mais

Quais foram as evidências anatômicas presentes que permitiram reconhecer a estrutura como:

Quais foram as evidências anatômicas presentes que permitiram reconhecer a estrutura como: 1)Analisando-se ao microscópio óptico uma lâmina contendo um corte transversal de uma estrutura vegetal, chegou-se a conclusão de que se tratava de um caule de Monocotiledônea típico. Quais foram as evidências

Leia mais

A alternativa que contêm a seqüência de números correta é:

A alternativa que contêm a seqüência de números correta é: 01 - (FUVEST SP) A tabela abaixo relaciona algumas características de três grupos de plantas: Grupo I II III c) Pteridófitas - Briófitas - Gimnospermas d) Angiospermas - Briófitas - Gimnospermas e) Angiospermas

Leia mais

b) Justifique sua resposta. Resolução a) A afirmação não é válida. b) Os vírus são parasitas obrigatórios de células procarióticas

b) Justifique sua resposta. Resolução a) A afirmação não é válida. b) Os vírus são parasitas obrigatórios de células procarióticas 1 BIOLOGIA Devido ao fato de serem muito simples em termos de organização, podemos afirmar que os vírus provavelmente tiveram sua origem antes do surgimento das primeiras células procarióticas. a) A afirmação

Leia mais

27/11/2015. Parede celular Celulose (polissacarídeo) = rigidez e sustentação; Reforço de lignina ou ceras;

27/11/2015. Parede celular Celulose (polissacarídeo) = rigidez e sustentação; Reforço de lignina ou ceras; Parede celular Celulose (polissacarídeo) = rigidez e sustentação; Reforço de lignina ou ceras; Vacúolo Armazena substâncias: água, sais, ar e alcaloides (efeitos tóxicos e farmacológicos); Plastos Leucoplasto,

Leia mais

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com As Angiospermas ou angiospérmicas (do grego: angeos (ἄγγος) - "bolsa" e sperma (σπέρμα) - "semente") são plantas espermatófitas

Leia mais

Exercícios de aprofundamento 2015 Bio Morfologia(Plantas)

Exercícios de aprofundamento 2015 Bio Morfologia(Plantas) 1. (Unesp 2015) Dona Patrícia comprou um frasco com 100 gramas de alho triturado desidratado, sem sal ou qualquer conservante. A embalagem informava que o produto correspondia a 1 quilograma de alho fresco.

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ORIENTAÇÕES RESUMO TEÓRICO. BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 4 GRUPOS VEGETAIS (GIMNOSPERMAS)

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ORIENTAÇÕES RESUMO TEÓRICO. BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 4 GRUPOS VEGETAIS (GIMNOSPERMAS) BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 4 GRUPOS VEGETAIS (GIMNOSPERMAS) ORIENTAÇÕES Essa lista contém questões que abordam principalmente o grupo das Gimnospermas. Faça os exercícios com foco e atenção

Leia mais

Exercícios de Biologia Anatomia Vegetal

Exercícios de Biologia Anatomia Vegetal Exercícios de Biologia Anatomia Vegetal 1) (FUVEST-2008) O gráfico abaixo representa as porcentagens dos constituintes de uma folha de planta, coletada no interior de certa mata. em glicose. Esta diminui

Leia mais

BIOLOGIA Diversidade da Vida Exercícios complementares Gimnospermas e angiospermas

BIOLOGIA Diversidade da Vida Exercícios complementares Gimnospermas e angiospermas 01 - (FGV) As plantas portadoras de frutos surgiram na Terra depois das coníferas, provavelmente há cerca de 135 milhões de anos. A análise dos fósseis indica que a quantidade de angiospermas foi rapidamente

Leia mais

atividade 2 Como ocorre o transporte de água no corpo das plantas Construir explicações a partir de observações

atividade 2 Como ocorre o transporte de água no corpo das plantas Construir explicações a partir de observações atividade 2 Como ocorre o transporte de água no corpo das plantas Construir explicações a partir de observações Nathália Helena Azevedo, Adriana Maria Zanforlin Martini e Daniela Lopes Scarpa Como citar:

Leia mais

FUNÇÕES DA RAIZ: Fixar o vegetal ao solo. Absorver água e sais minerais do solo. Condução de seiva. Armazenamento de substâncias.

FUNÇÕES DA RAIZ: Fixar o vegetal ao solo. Absorver água e sais minerais do solo. Condução de seiva. Armazenamento de substâncias. 2) RAIZ - pág. 138 A raiz geralmente é um órgão subterrâneo, sem clorofila e especializado na fixação da planta e na absorção de água e sais minerais. FUNÇÕES DA RAIZ: Fixar o vegetal ao solo. Absorver

Leia mais

TECIDOS VEGETAIS BOTÂNICA

TECIDOS VEGETAIS BOTÂNICA TECIDOS VEGETAIS BOTÂNICA Histologia Vegetal Quais são os principais tecidos encontrados no corpo de uma planta? 1 Tecidos meristemáticos ou embrionários tecidos meristemáticos primários tecidos meristemáticos

Leia mais

BIOLOGIA MÓDULO II do PISM (triênio 2004-2006)

BIOLOGIA MÓDULO II do PISM (triênio 2004-2006) BIOLOGIA MÓDULO II do PISM (triênio 2004-2006) QUESTÕES OBJETIVAS 01. A evolução das fases esporofítica (E) e gametofítica (G) em diferentes grupos de plantas está representada na figura ao lado. Assinale

Leia mais

Cap. 8 (1º Parte) Angiospermas: raiz, caule e folhas. Profa. Lucinha

Cap. 8 (1º Parte) Angiospermas: raiz, caule e folhas. Profa. Lucinha Cap. 8 (1º Parte) Angiospermas: raiz, caule e folhas Profa. Lucinha Características Angiospermas (Angios = urna; sperma = semente) Apresentam sementes protegidas por frutos, que são as urnas. Apresentam

Leia mais

Questão 1 Questão 2. Questão 3. Resposta. Resposta

Questão 1 Questão 2. Questão 3. Resposta. Resposta Questão 1 Questão 2 O esquema abaixo representa as principais relações alimentares entre espécies que vivem num lago de uma região equatorial. a) O câncer é uma doença genética, mas na grande maioria dos

Leia mais

É a parte da Botânica que estuda os tecidos

É a parte da Botânica que estuda os tecidos É a parte da Botânica que estuda os tecidos vegetais - Crescimento Tecidos vegetais -Adultos permanentes -Meristema primário -Meristema secundário -De revestimento -De sustentação -De condução -Parênquimas

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS PLANTAS E REPRODUÇÃO

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS PLANTAS E REPRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS PLANTAS E REPRODUÇÃO Isogamia: gametas morfologicamente iguais, geralmente flagelados, que são libertados para o meio, onde ocorre a fecundação; Heterogamia: gametas morfologicamente

Leia mais

Na figura, a seta indica o I. Essa estrutura mantém-se ativa durante a gravidez, pois produz II, que III.

Na figura, a seta indica o I. Essa estrutura mantém-se ativa durante a gravidez, pois produz II, que III. 21 d Assinale a alternativa correta a respeito da origem da vida. a) Ao simular as características da atmosfera primitiva em seu aparelho, Miller contribuiu para a confirmação da teoria de abiogênese.

Leia mais

Diversidade e Evolução dos Organismos Fotossintetizantes (Módulo II) Continuação BRIÓFITAS

Diversidade e Evolução dos Organismos Fotossintetizantes (Módulo II) Continuação BRIÓFITAS Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências Biológicas Departamento de Botânica Diversidade e Evolução dos Organismos Fotossintetizantes (Módulo II) Continuação BRIÓFITAS Plantas: a ocupação

Leia mais

Escola da Apel Técnicas Laboratoriais de Biologia. Trabalho elaborado por:

Escola da Apel Técnicas Laboratoriais de Biologia. Trabalho elaborado por: Escola da Apel Técnicas Laboratoriais de Biologia Trabalho elaborado por: Cátia Lucélia Sousa e Silva 11º A 5 nº5 Turno: B Março de 2004 Objectivos No âmbito da disciplina da Técnicas Laboratoriais de

Leia mais

ORIENTAÇÕES RESUMO TEÓRICO EXERCÍCIOS RESOLVIDOS. BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 9 HORMÔNIOS E MOVIMENTOS VEGETAIS FOTOPERIODISMO

ORIENTAÇÕES RESUMO TEÓRICO EXERCÍCIOS RESOLVIDOS. BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 9 HORMÔNIOS E MOVIMENTOS VEGETAIS FOTOPERIODISMO BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 9 HORMÔNIOS E MOVIMENTOS VEGETAIS ORIENTAÇÕES FOTOPERIODISMO A lista 9 contém questões sobre hormônios e movimentos vegetais. Resolva os exercícios com foco

Leia mais

Ciências/15 7º ano Turma: 2º trimestre Nome: Data: / / Roteiro de Estudos de Ciências 7 ANO 2º trimestre

Ciências/15 7º ano Turma: 2º trimestre Nome: Data: / / Roteiro de Estudos de Ciências 7 ANO 2º trimestre O que estudamos no segundo trimestre? Roteiro de Estudos de Ciências 7 ANO 2º trimestre Ciências/15 7º ano Turma: 2º trimestre Nome: Data: / / 7ºcie302r No segundo trimestre estudamos o Reino das Plantas.

Leia mais

Ilustração dos Jardins suspensos da Babilônia, Atual Iraque JARDINAGEM

Ilustração dos Jardins suspensos da Babilônia, Atual Iraque JARDINAGEM Ilustração dos Jardins suspensos da Babilônia, Atual Iraque JARDINAGEM ESTILOS DE JARDINS Quais são os estilos de jardins? I. Clássico; II. Contemporâneo; III. Étnicos IV. Climáticos ESTILOS DE JARDINS

Leia mais

Zoologia e Botânica. Biologia Monitores: Julio Junior e Thamirys Moraes 16, 17, 18 e 20/12/2015. Material de Apoio para Monitoria

Zoologia e Botânica. Biologia Monitores: Julio Junior e Thamirys Moraes 16, 17, 18 e 20/12/2015. Material de Apoio para Monitoria Zoologia e Botânica 1. A doença de Chagas atinge milhões de brasileiros, que podem apresentar, como sintoma, problemas no miocárdio, que levam à insuficiência cardíaca. Por que, na doença de Chagas, ocorre

Leia mais

PROCESSO SELETIVO BIOLOGIA ÁREA: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS

PROCESSO SELETIVO BIOLOGIA ÁREA: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROCESSO SELETIVO BIOLOGIA ÁREA: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS Perceber e utilizar os códigos intrínsecos da Biologia. Relacionar o conhecimento das diversas disciplinas para o entendimento

Leia mais

PROVA DE BIOLOGIA. Fonte:http://www1.folha.uol.com.br/ciencia/9811533-criticos-aos-transgenicos-estaomalformados-diz-pesquisador.

PROVA DE BIOLOGIA. Fonte:http://www1.folha.uol.com.br/ciencia/9811533-criticos-aos-transgenicos-estaomalformados-diz-pesquisador. 13 PROVA DE BIOLOGIA Q U E S T Ã O 1 6 Críticos aos transgênicos estão mal informados, diz pesquisador Cientista que desenvolve seu trabalho pela Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) diz

Leia mais

REINO METAPHYTA GIMNOSPERMAS

REINO METAPHYTA GIMNOSPERMAS Campus Campo Grande Professor Edilson Silveira Biologia 3 REINO METAPHYTA São plantas de pequeno, médio e grande porte Fanerógamas Vasculares Não dependem de água para fecundação. Possuem sementes Não

Leia mais

QUESTÕES: CAULE. 02. (UDESC) O caule é um dos órgãos presentes nos vegetais superiores. Com relação a esse órgão, responda:

QUESTÕES: CAULE. 02. (UDESC) O caule é um dos órgãos presentes nos vegetais superiores. Com relação a esse órgão, responda: QUESTÕES: CAULE 01. (UNESP) Analisando-se ao microscópio óptico uma lâmina contendo um corte transversal de uma estrutura vegetal, chegou-se a conclusão de que se tratava de um caule de Monocotiledônea

Leia mais

20/5/2014 ÓRGÃOS VEGETAIS II. FLORES, FRUTOS E SEMENTES Nesta aula, veremos as funções e principais tipos de flores, frutos e sementes.

20/5/2014 ÓRGÃOS VEGETAIS II. FLORES, FRUTOS E SEMENTES Nesta aula, veremos as funções e principais tipos de flores, frutos e sementes. FLORES, FRUTOS E SEMENTES Nesta aula, veremos as funções e principais tipos de flores, frutos e sementes. 4. FLOR Estrutura reprodutora das plantas espermatófitas ou fanerógamas. Presente em gimnospermas

Leia mais

A Raiz, O Caule e A Folha. *Um cordel de Botânica*

A Raiz, O Caule e A Folha. *Um cordel de Botânica* A Raiz, O Caule e A Folha *Um cordel de Botânica* Autor: Rodrigo de Oliveira 2012 As folhas sabem procurar pelo sol Os caules conduzir e sustentar E as raízes procurar, procurar... (Modificado de Gilberto

Leia mais

Curso superior em Agronomia GESA- Grupo de estudo em solos agrícolas Absorção de nutrientes e Fotossíntese Bambuí-MG 2009 Alunas: Erica Marques Júlia Maluf É o processo pelo qual a planta sintetiza compostos

Leia mais

SISTEMAS REPRODUTIVOS DE PLANTAS CULTIVADAS

SISTEMAS REPRODUTIVOS DE PLANTAS CULTIVADAS SISTEMAS REPRODUTIVOS DE PLANTAS CULTIVADAS 4 I. INTRODUÇÃO O conhecimento do sistema reprodutivo das espécies a serem melhoradas é de fundamental importância para o melhorista. O tipo de reprodução é

Leia mais

Questão 89. Questão 91. Questão 90. alternativa A. alternativa E

Questão 89. Questão 91. Questão 90. alternativa A. alternativa E Questão 89 O esquema representa o sistema digestório humano e os números indicam alguns dos seus componentes. Nível de açúcar no sangue mg/100ml 200 150 100 50 B A 0 1 2 3 4 5 Número de horas após a alimentação

Leia mais

BIOLOGIA. 02 A afirmação O tecido ósseo pode ser citado como o único exemplo de tecido que não possui células vivas pode ser classificada como

BIOLOGIA. 02 A afirmação O tecido ósseo pode ser citado como o único exemplo de tecido que não possui células vivas pode ser classificada como BIOLOGIA 01 O crescimento externo dos artrópodes ocorre pelo processo denominado ecdise, caracterizado pela troca do exoesqueleto. Assinale o gráfico que melhor representa o crescimento desses animais.

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO I ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 5. o ANO/EF - 2015

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO I ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 5. o ANO/EF - 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC MINAS E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO I ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 5. o ANO/EF - 2015 Caro (a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados

Leia mais

PlanetaBio Resolução de Vestibulares FUVEST 2010 1ª fase www.planetabio.com

PlanetaBio Resolução de Vestibulares FUVEST 2010 1ª fase www.planetabio.com 1- O Índice de Massa Corporal (IMC) é o número obtido pela divisão da massa de um indivíduo adulto, em quilogramas, pelo quadrado da altura, medida em metros. É uma referência adotada pela Organização

Leia mais

Re s o l u ç õ e s Biologia 3 Au l a 1

Re s o l u ç õ e s Biologia 3 Au l a 1 Au l a 1 Introdução ao Reino Vegetal 1. Associando os grupos vegetais grifados no texto com suas respectivas características, tem-se: briófitas esporófito temporário; pteridófitas esporófito permanente;

Leia mais

ARBORICULTURA I. Propagação de Plantas

ARBORICULTURA I. Propagação de Plantas ARBORICULTURA I Propagação de Plantas O que é a propagação de plantas? É a multiplicação de indivíduos do reino vegetal, por métodos sexuados ou assexuados, por forma a obter na descendência um determinado

Leia mais

Reino Plantae ou Metaphyta

Reino Plantae ou Metaphyta NOTA Estudando Sempre BIOLOGIA PERÍODO TURMA 3º 1ºANO TODAS Nº 9 DATA Reino Plantae ou Metaphyta As plantas são seres pluricelulares e eucariontes. Nesses aspectos elas são semelhantes aos animais e a

Leia mais

BIOLOGIA EXERCÍCIOS EXTRAS

BIOLOGIA EXERCÍCIOS EXTRAS Prof. Fred BIOLOGIA EXERCÍCIOS EXTRAS BOTÂNICA (Ufrj 2002) No ano de 2001, foi publicado um trabalho no qual pesquisadores introduziram em uma alga unicelular o gene responsável por uma proteína de membrana

Leia mais

Educadora: Daiana Araújo C. Curricular:Ciências Naturais Data: / /2013 Estudante: 8º Ano

Educadora: Daiana Araújo C. Curricular:Ciências Naturais Data: / /2013 Estudante: 8º Ano Educadora: Daiana Araújo C. Curricular:Ciências Naturais Data: / /2013 Estudante: 8º Ano O termo célula foi usado pela primeira vez pelo cientista inglês Robert Hooke, em 1665. Por meio de um microscópio

Leia mais

Fisiologia Vegetal 1. A ÁGUA NA VIDA DAS PLANTAS:

Fisiologia Vegetal 1. A ÁGUA NA VIDA DAS PLANTAS: Fisiologia Vegetal 1. A ÁGUA NA VIDA DAS PLANTAS: Papel fundamental na vida da planta para cada grama de matéria orgânica produzida, 500 g de água são absorvidas pelas raízes, transportadas pelo corpo

Leia mais

FACULDADES UNICEN - Primavera do Leste Curso de Agronomia 2 o Semestre Disciplina de Anatomia Vegetal

FACULDADES UNICEN - Primavera do Leste Curso de Agronomia 2 o Semestre Disciplina de Anatomia Vegetal FACULDADES UNICEN - Primavera do Leste Curso de Agronomia 2 o Semestre Disciplina de Anatomia Vegetal Originados do meristema fundamental; Diversas funções: Preenchimento; Fotossíntese; Reserva; Acúmulo

Leia mais

Curso Wellington Biologia Reino Vegetal Gimnospermas Prof Hilton Franco

Curso Wellington Biologia Reino Vegetal Gimnospermas Prof Hilton Franco 1. A cobertura vegetal original do estado de Santa Catarina compreende dois tipos de formação: florestas e campos. As florestas, que ocupavam 65% do território catarinense, foram bastante reduzidas por

Leia mais

EXAME DISCURSIVO 2ª fase

EXAME DISCURSIVO 2ª fase EXAME DISCURSIVO 2ª fase 30/11/2014 Biologia Caderno de prova Este caderno, com dezesseis páginas numeradas sequencialmente, contém dez questões de Biologia. Não abra o caderno antes de receber autorização.

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2 1ª PARTE: QUESTÕES OBJETIVAS. alternativa E. alternativa B. A, B e C pertenceriam, respectivamente, a organismos

Questão 1. Questão 3. Questão 2 1ª PARTE: QUESTÕES OBJETIVAS. alternativa E. alternativa B. A, B e C pertenceriam, respectivamente, a organismos 1ª PARTE: QUESTÕES OBJETIVAS Questão 1 O exame de um epitélio e do tecido nervoso de um mesmo animal revelou que suas células apresentam diferentes características. Isso ocorre porque a) as moléculas de

Leia mais

Pré-Vestibular ATHENAS

Pré-Vestibular ATHENAS Pré-Vestibular ATHENAS Reino Metaphyta - Angiospermas BIOLOGIA Prof. Pablo OBJETIVOS DA AULA Espera-se que ao final das aulas, o aluno consiga caracterizar as angiospermas e reconhecer indivíduos do grupo.

Leia mais

PlanetaBio Resolução de Vestibulares FUVEST 2006 2ª fase www.planetabio.com

PlanetaBio Resolução de Vestibulares FUVEST 2006 2ª fase www.planetabio.com 1-O esquema abaixo representa as principais relações alimentares entre espécies que vivem num lago de uma região equatorial. Com relação a esse ambiente: a) Indique os consumidores primários. b) Dentre

Leia mais

Essa espécie pode ser classificada como a) daninha. b) sucessora. c) introdutória recente. d) exótica invasora. e) pioneira sucessora.

Essa espécie pode ser classificada como a) daninha. b) sucessora. c) introdutória recente. d) exótica invasora. e) pioneira sucessora. 1. (Ufpr 2015) O processo de desaparecimento de animais em um ambiente, conhecido por defaunação, pode causar um dano profundo aos ecossistemas. Em florestas tropicais, muitas árvores dependem de animais

Leia mais

6. A evolução dos animais 70 6.1 Os invertebrados 73 6.2 Os vertebrados 78

6. A evolução dos animais 70 6.1 Os invertebrados 73 6.2 Os vertebrados 78 IDENTIDADE FUNCIONAL DA VIDA SUMÁRIO DO VOLUME 1. 05 1.1 As plantas que dependem de água para a fecundação 06 1.2 Plantas que não dependem de água do ambiente para a fecundação 08 2. Desenvolvimento das

Leia mais

HISTOLOGIA VEGETAL. Tecidos vegetais

HISTOLOGIA VEGETAL. Tecidos vegetais HISTOLOGIA VEGETAL Tecidos vegetais TECIDOS VEGETAIS grupamentos de células com determinadas formas e funções TIPOS DE TECIDOS VEGETAIS TECIDOS EMBRIONÁRIOS ou MERISTEMAS responsáveis pelo crescimento

Leia mais

RAIZ E CAULE MORFOLOGIA EXTERNA

RAIZ E CAULE MORFOLOGIA EXTERNA RAIZ E CAULE MORFOLOGIA EXTERNA RAIZ Origem: a primeira raiz (raiz primária) de uma planta com sementes é originada pela radícula do eixo embrionário. Funções: fixação da plântula no solo absorção de água

Leia mais

BIOLOGIA. 08. O desenho ilustra os cromossomos em uma fase da divisão celular e seus respectivos alelos.

BIOLOGIA. 08. O desenho ilustra os cromossomos em uma fase da divisão celular e seus respectivos alelos. BIOLOGIA CURSO APOIO 08. O desenho ilustra os cromossomos em uma fase da divisão celular e seus respectivos alelos. a) Qual fase da divisão celular está representada? Justifique sua resposta. b) Ao final

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O fluxo de energia em um ecossistema é unidirecional e necessita de uma constante renovação de energia, que é garantida pelo Sol. Com a matéria inorgânica que participa dos ecossistemas

Leia mais

SUMÁRIO. Raven Biologia Vegetal. Amostras de páginas não sequenciais e em baixa resolução. Copyright 2014 Editora Guanabara Koogan Ltda.

SUMÁRIO. Raven Biologia Vegetal. Amostras de páginas não sequenciais e em baixa resolução. Copyright 2014 Editora Guanabara Koogan Ltda. SUMÁRIO Introdução, 1 1 Botânica Introdução, 2 Evolução das plantas, 3 Evolução das comunidades, 8 Aparecimento dos seres humanos, 10 seção 1 Biologia da Célula Vegetal, 17 2 Composição Molecular das Células

Leia mais

Angeion: urna; Sperma: semente. Raiz: cenoura, beterraba, batata doce, nabo, rabanete. Caule: batata inglesa, cebola e alho

Angeion: urna; Sperma: semente. Raiz: cenoura, beterraba, batata doce, nabo, rabanete. Caule: batata inglesa, cebola e alho ANGIOSPERMAS Angeion: urna; Sperma: semente Também são denominadas por antófitas (anthos = flor), espermáfitas, traqueófitas e fanerógamas É o grupo mais numeroso de todos os vegetais, com cerca de 90%

Leia mais