Profª Drª Gisele Masson Departamento de Educação Universidade Estadual de Ponta Grossa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Profª Drª Gisele Masson Departamento de Educação Universidade Estadual de Ponta Grossa"

Transcrição

1 SOCIOLOGIA: ORIGEM E DESENVOLVIMENTO Profª Drª Gisele Masson Departamento de Educação Universidade Estadual de Ponta Grossa

2 ORIGEM DA SOCIOLOGIA A Sociologia germina no século XVIII, com as grandes Revoluções Industrial e Francesa (1789). Termo Sociologia: A Sociologia não possui um único fundador (VIEIRA, 1994, p. 12), mas resulta do esforço de vários pensadores que tinham em comum o interesse de compreender as novas condições de vida da sociedade que vinha se delineando a partir da Revolução Industrial.

3 ORIGEM Sociologia é uma das manifestações da sociedade capitalista. Sociedade vai se industrializando e se tornando cada vez mais urbana.

4 ORIGEM Sociologia: conhecer as novas condições sociais, os problemas e as crises que começam a surgir nesse novo tipo de organização social. Obter orientação para a AÇÃO, tanto para dar continuidade como para se reformar ou transformar radicalmente aquela sociedade. (interesses de classes)

5 ORIGEM Continuidade e defesa da ORDEM SOCIAL Auguste Comte ( ) matemático e filósofo francês: criador do termo sociologia. Herbert Spencer ( ) filósofo inglês: ratificou o uso do termo sociologia (VIEIRA, 1994, p. 14).

6 SOCIOLOGIA COMO CIÊNCIA A Sociologia atua como Ciência Social ao indagar, examinar e conceituar os problemas, conflitos e contradições da sociedade industrial, quando esta se empenha na explicação de si mesma. Própria razão de ser dos estudos sociológicos (VIEIRA, 1994, p. 21).

7 O que a Sociologia estuda? A Sociologia e as demais Ciências Sociais estudam os seres humanos transformando a natureza e sendo transformados por ela, o que faz do cientista social o pesquisador de uma realidade na qual ele também está presente e com a qual está comprometido. Essa condição, em que o pesquisador se envolve com o objeto pesquisado, impõe à Sociologia e as todas as Ciências Sociais vários problemas distintos dos encontrados nas outras ciências (VIEIRA, 1994, p.27).

8 Em resumo... A Sociologia dedica-se a analisar os seres em seus vínculos de interdependência e, assim, em suas relações sociais (...) (VIEIRA, 1994, p. 27).

9 Conhecimento Sociológico: tipos diferentes??? POSITIVISMO: exatidão, objetividade da ciência. (Comte) A ilusão do positivismo reside em aceitar que qualquer afirmação ou qualquer lei científica deva apoiar-se invariável e unicamente em provas recolhidas pelo pesquisador, diante de todos, sem deixar dúvida. (VIEIRA, 1994, p. 25)

10 Sociologia Funcionalista ou Funcionalismo Interpretação sociológica pautada em um sistema organicista, ou seja, que analisa os seres humanos (a sociedade) com base nos organismos biológicos, identificando-os. Esse sistema organicista mantém relações funcionais com todas as suas partes, componentes, aspectos e fases, ocorrendo mútua determinação entre eles (VIEIRA, 1994, p. 28).

11 Sociologia Funcionalista ou Funcionalismo Grande representante: Émile Durkheim ( ). Ênfase: grupos sociais, instituições... O objetivo é garantir a normalidade social. Manutenção do poder e da ordem vigente (MARTINS, 1994).

12 Sociologia Compreensiva Faz distinção entre Ciências Físicas e Ciências Sociais. Trata dos significados das ações dos indivíduos, procurando compreendê-los.

13 Sociologia Compreensiva Ênfase nas ações dos indivíduos (na relação entre indivíduo e ação). Grande representante: Max Weber ( ).

14 Sociologia Marxista Unidadeentreorealeoconhecimento... entreanaturezaeohomem... Ênfase na totalidade da realidade. Representantes: Karl Marx ( ) e Friedrich Engels( ).

15 Sociologia Marxista O que os indivíduos são, portanto, depende das condições materiais de sua produção. (MARX; ENGELS, 2007, p. 87). Classes sociais antagônicas Capital X trabalho Luta: transformação radical da sociedade.

16 ORIGEM DA SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO Os estudos sociológicos da educação se situam, originalmente, na primeira metade do século XX. Foi a partir dos anos 1940 e principalmente nos anos 1950 e 1960 que a sociologia da educação se constituiu como campo de pesquisa específico. (FERREIRA, 2006)

17 ORIGEM Karl Mannheim Talcott Parsons A sociologia da educação nasce como disciplina autônoma na Europa influência das ideias de Émile Durkheim. Maior projeção com status de área de conhecimento na Educação.

18 DESENVOLVIMENTO 1º MOMENTO - Até a década de 1960: A educação é concebida como fator de democratização e distribuição de renda caráter funcionalista. A educação é reconhecida como instância de modernização social. (FERREIRA, 2006)

19 DESENVOLVIMENTO 2º MOMENTO Décadas de 1960 e 1970 A educação passou a ser vista como um instrumento de manutenção do poder e das desigualdades sociais porque não estava atendendo as expectativas em relação aos seus efeitos sociais de democratização e modernização. Surge um desencantamento em relação à educação por não garantir o desenvolvimento econômico, a estabilidade e a distribuição da riqueza. (FERREIRA, 2006)

20 DESENVOLVIMENTO 2º MOMENTO Décadas de 1960 e 1970 Sociólogos da educação passam a analisar as razões do fracasso das políticas educacionais baseadas no slogan da igualdade de oportunidades, tendo reconhecido que os planos liberais falharam por terem escamoteado a questão da relação escolaestrutura social, atribuindo à primeira um poder para reformar a sociedade de que ela obviamente carecia. (MÓNICA, 1977)

21 DESENVOLVIMENTO O desenvolvimento econômico atinge seu limite no fim da década de 1960 e no começo de 1970, período que será marcado por profundas crises (crise do petróleo, crise econômica, superprodução). A obra marxiana serve de base à sociologia crítica da educação. Crítica ao modelo funcionalista. A nova Sociologia da Educação (NSE) enfoca a problematização do saber e a crítica às metodologias quantitativas. Críticos reprodutivistas denunciam a educação como mecanismo de reprodução das desigualdades sociais. (FERREIRA, 2006)

22 FASE RECENTE Diferentes modelos interpretativos. Abordagem pós-moderna que contesta os fundamentos da sociologia crítica da educação. Tendência em priorizar análises voltadas para o interior da escola na busca das singularidades e especificidades. Período menos marcado por uma concepção predominante.

23 A SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL É por meio da faculdades de Pedagogia, após 1930, que a Sociologia da Educação passa a fazer parte do currículo regular, como foi o caso da Faculdade de Educação da Universidade do Distrito Federal (1937), com Anísio Teixeira. É a partir de 1932 que o ensino de Sociologia é incentivado como forma de preparar as novas gerações para a realidade do país. Entretanto, foi somente no final da década de 1940 que a Sociologia se institucionalizou como um campo específico de conhecimento. (DEMETERCO, 2009)

24 A SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL Nos anos , no auge do processo de industrialização baseado na substituição das importações, do avanço do nacionalismo e do populismo, formam-se os primeiros sociólogos. É estabelecida uma relação entre educação e desenvolvimento. Alguns cientistas sociais da USP, nos anos 1960, começam a se interessar pelo tema educação. (DEMETERCO, 2009)

25 A SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL Após o Golpe Militar de 1964, a disciplina é suspensa das escolas e universidades e muitos pesquisadores são afastados do seu trabalho e alguns são expulsos do país. A década de 1970 é marcada por estudos quantitativos sobre administração escolar, mas temas como evasão, reprovação e rendimento escolar são pouco considerados. Havia um certo pessimismo em relação ao papel transformador da educação. (DEMETERCO, 2009)

26 A SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL Surgem estudos críticos denunciando o quanto o sistema educacional estava a serviço do poder econômico e político. Com a abertura política na década de 1980, consolidam-se os estudos marxistas e os questionamentos sobre o caráter ideológico da educação. (DEMETERCO, 2009)

27 Referências DEMETERCO, S. M. S. Sociologia da Educação. 2. ed. Curitiba: IESDE, FERREIRA, R. A. Sociologia da Educação: uma análise de suas origens e desenvolvimento a partir de um enfoque da Sociologia do Conhecimento. Revista Lusófona de Educação, n.7 p , MARTINS, C. B. O que é sociologia? 38. ed. São Paulo: Brasiliense, MÓNICA, M. F. Correntes e controvérsias em sociologia da educação. Análise Social, v. XIII, n. 52, p , VIEIRA, E. Sociologia da Educação: reproduzir e transformar. São Paulo: FTD, 1994.

Unidade: Introdução à Sociologia

Unidade: Introdução à Sociologia Unidade: Introdução à Sociologia Construção do conhecimento em sociologia Senso comum: conjunto de opiniões, recomendações, conselhos, práticas e normas fundamentadas na tradição, nos costumes e vivências

Leia mais

METODOLGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA

METODOLGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação METODOLGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Prof. José Geraldo Mill Diretor de Pós-Graduação A origem do conhecimento Conhecer: É buscar explicações para os fatos que podem

Leia mais

SOCIOLOGIA PRINCIPAIS CORRENTES.

SOCIOLOGIA PRINCIPAIS CORRENTES. SOCIOLOGIA PRINCIPAIS CORRENTES Augusto Comte 1798-1 857 Lei dos três estados: 1ª) Explicação dos fenômenos através de forças comparáveis aos homens. 2ª) Invocação de entidades abstratas (natureza). 3ª)

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE. Aula 3 3º ENCONTRO OS TEMAS TRANSVERSAIS E A INTERDISCIPLINARIDADE.

INTERDISCIPLINARIDADE. Aula 3 3º ENCONTRO OS TEMAS TRANSVERSAIS E A INTERDISCIPLINARIDADE. INTERDISCIPLINARIDADE Aula 3 3º ENCONTRO OS TEMAS TRANSVERSAIS E A INTERDISCIPLINARIDADE. Angela Maria de Souza Fabianovicz ObjeDvo: Demonstrar a importância dos temas transversais que propõe a organização

Leia mais

Baseado no livro do Professor Jorge Adelino Costa Imagens Organizacionais da Escola

Baseado no livro do Professor Jorge Adelino Costa Imagens Organizacionais da Escola Imagens organizacionais ac o a da escola Baseado no livro do Professor Jorge Adelino Costa Imagens Organizacionais da Escola Evolução das ideias sobre Educação (António Nóvoa) Até aos anos 50: investigação

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL (Currículo iniciado em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL (Currículo iniciado em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL (Currículo iniciado em 2015) ANTROPOLOGIA 68 h/a 3210 A relação dialética entre o material e o simbólico na construção das identidades sociais e da

Leia mais

UM ESTUDO MARXISTA SOBRE A CRISE E SUA EXPRESSÃO NO CAPITALISMO CONTEMPORÂNEO CLARICE OLIVEIRA CARVALHO. Professor Orientador: Dr.

UM ESTUDO MARXISTA SOBRE A CRISE E SUA EXPRESSÃO NO CAPITALISMO CONTEMPORÂNEO CLARICE OLIVEIRA CARVALHO. Professor Orientador: Dr. UM ESTUDO MARXISTA SOBRE A CRISE E SUA EXPRESSÃO NO CAPITALISMO CONTEMPORÂNEO CLARICE OLIVEIRA CARVALHO Professor Orientador: Dr. Áquilas Mendes 2010 FUNDAÇÃO ARMANDO ALVARES PENTEADO FACULDADE DE ECONOMIA

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA ONLINE DE PROFESSORES QUE ATUAM COM ESCOLARES EM TRATAMENTO DE SAÚDE Jacques de Lima Ferreira PUC-PR Agência Financiadora: CNPq

FORMAÇÃO CONTINUADA ONLINE DE PROFESSORES QUE ATUAM COM ESCOLARES EM TRATAMENTO DE SAÚDE Jacques de Lima Ferreira PUC-PR Agência Financiadora: CNPq FORMAÇÃO CONTINUADA ONLINE DE PROFESSORES QUE ATUAM COM ESCOLARES EM TRATAMENTO DE SAÚDE Jacques de Lima Ferreira PUC-PR Agência Financiadora: CNPq INTRODUÇÃO Este texto apresenta a pesquisa em andamento

Leia mais

Ordem Internacional e a Escola Inglesa das RI

Ordem Internacional e a Escola Inglesa das RI BRI 009 Teorias Clássicas das RI Ordem Internacional e a Escola Inglesa das RI Janina Onuki IRI/USP janonuki@usp.br 23 e 24 de setembro de 2015 ESCOLA INGLESA Abordagem que busca se diferenciar do debate

Leia mais

MORAL E ÉTICA. Consciência Moral: noção de bem e mal/certo e errado/justo e injusto.

MORAL E ÉTICA. Consciência Moral: noção de bem e mal/certo e errado/justo e injusto. MORAL E ÉTICA O homem é um ser dotado de senso moral. Consciência Moral: noção de bem e mal/certo e errado/justo e injusto. Senso moral se manifesta em sentimentos, atitudes, juízos de valor Moral vem

Leia mais

Administração Pública I. Virgílio Oliveira FACC UFJF

Administração Pública I. Virgílio Oliveira FACC UFJF Virgílio Oliveira FACC UFJF A dicotomia público / privado A dicotomia público / privado Texto de referência: COELHO, R. C. A dicotomia público / privado. In: COELHO, R. C. O Público e o privado na gestão

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS LICENCIATURA. 1º período Disciplinas Teórica Prática

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS LICENCIATURA. 1º período Disciplinas Teórica Prática MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Unidade 09. Prof.ª Fernanda Mendizabal Instituto de Educação Superior de Brasília

Unidade 09. Prof.ª Fernanda Mendizabal Instituto de Educação Superior de Brasília Unidade 09 Prof.ª Fernanda Mendizabal Instituto de Educação Superior de Brasília Apresentar as transformações científicas, sociais e culturais que contribuíram para o desenvolvimento de uma abordagem funcional

Leia mais

Programas de pósgraduação UNIVERSIDAD SAN LORENZO UNISAL

Programas de pósgraduação UNIVERSIDAD SAN LORENZO UNISAL Programas de pósgraduação UNIVERSIDAD SAN LORENZO UNISAL apresentação UNIBAM é o instituto brasileiro que possui a franquia da pós-graduação stricto sensu da UNISAL. Tem sede no Brasil e tem representação

Leia mais

Tema Referência Min. Página Transcrição Palestra proferida

Tema Referência Min. Página Transcrição Palestra proferida Tema Referência Min. Página Transcrição Palestra proferida Avaliação pela Prof. Ana Maria A avaliação têm caráter impressionista - é um Saul aos casaco de várias cores, poruq existem vários tipos professores

Leia mais

Disciplina: Tendências Teórico-Metodológicas do Serviço Social na Contemporaneidade

Disciplina: Tendências Teórico-Metodológicas do Serviço Social na Contemporaneidade Disciplina: Tendências Teórico-Metodológicas do Serviço Social na Contemporaneidade Código: SSO- Semestre: 2013.1 Créditos: 04 - Carga Horária: 60 hs Horário 6ª feira 08:20 11:50hs. Professores: Hélder

Leia mais

A DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E POLÍTICAS DE FORMAÇÃO

A DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E POLÍTICAS DE FORMAÇÃO A DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E POLÍTICAS DE FORMAÇÃO Profa. Dra. Denise Maria de Carvalho Lopes UFRN Centro de Educação PPGEd/Curso de Pedagogia Fortaleza, abril de 2014. Docência na Educação Infantil

Leia mais

POLITICAS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO ESPECIAL

POLITICAS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO ESPECIAL 1 POLITICAS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO ESPECIAL Elisabeth Rossetto 1 A formação de professores para a educação especial enfrenta em nosso país sérios desafios decorrentes tanto do contexto

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO PARA JOVENS E ADULTOS EJA. UNIDADE da UERGS em SÃO LUIZ GONZAGA JUSTIFICATIVA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO PARA JOVENS E ADULTOS EJA. UNIDADE da UERGS em SÃO LUIZ GONZAGA JUSTIFICATIVA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO PARA JOVENS E ADULTOS EJA UNIDADE da UERGS em SÃO LUIZ GONZAGA JUSTIFICATIVA A Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Uergs versa em sua missão promover o desenvolvimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE REGISTROS ACADÊMICOS PLANO DE ENSINO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE REGISTROS ACADÊMICOS PLANO DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE REGISTROS ACADÊMICOS PLANO DE ENSINO Dados de Identificação Componente Curricular: SB0055-SOCIOLOGIA

Leia mais

República Federativa do Brasil Governo Federal. Educação a Distância. e as novas tecnologias

República Federativa do Brasil Governo Federal. Educação a Distância. e as novas tecnologias República Federativa do Brasil Governo Federal Ministério da Educação Educação a Distância e as novas tecnologias Educação Personalizada Vencendo as Barreiras Geográficas e Temporais EAD NO ENSINO PRESENCIAL

Leia mais

SAEB / Prova Brasil Metodologia, Estratégias e Resultados Matrizes, Itens, Escala e Materiais

SAEB / Prova Brasil Metodologia, Estratégias e Resultados Matrizes, Itens, Escala e Materiais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira SAEB / Prova Brasil Metodologia, Estratégias e Resultados Matrizes, Itens, Escala e Materiais SAEB - Metodologia

Leia mais

MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATO DE EXPERIÊNCIA

MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATO DE EXPERIÊNCIA MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATO DE EXPERIÊNCIA Gisele Cristina Tertuliano RESUMO Este artigo é um relato de experiência sobre o processo de aprendizagem de aprendizagem para

Leia mais

FLUXOGRAMA CURRICULAR PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA

FLUXOGRAMA CURRICULAR PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA FLUXOGRAMA CURRICULAR PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA Período Código Disciplina Pré-requisito C/H - Teórica C/H - Prática C/H - Total Créditos 1º LE1.01 Análise e Produção Textual em Língua Portuguesa - 04-04

Leia mais

A ATUALIDADE DO PLANO ORIENTADOR DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Timothy Mulholland

A ATUALIDADE DO PLANO ORIENTADOR DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Timothy Mulholland A ATUALIDADE DO PLANO ORIENTADOR DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Timothy Mulholland O Plano Orientador de Anísio Teixeira e Darcy Ribeiro e o início da Universidade de Brasília 1962 Universidade de Brasília

Leia mais

Não é possível pensar em sociedade separada do espaço que ocupa.

Não é possível pensar em sociedade separada do espaço que ocupa. O ESPAÇO GEOGRÁFICO As sociedades humanas desenvolvem, durante sua história, modos próprios de vida. Estes decorreram da combinação de formas de subsistência material - com culturas diversas -, de diferentes

Leia mais

Seminário: Textos - O Desafio do Conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde (Minayo,2008)

Seminário: Textos - O Desafio do Conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde (Minayo,2008) UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA LABORATÓRIO NACIONAL DE COMPUTAÇÃO CIENTÍFICA/MCT UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC INSTITUTO FEDERAL DE

Leia mais

RESOLUÇÃO n 048 TÍTULO I DA NATUREZA, DEFINIÇÃO E PRINCÍPIOS

RESOLUÇÃO n 048 TÍTULO I DA NATUREZA, DEFINIÇÃO E PRINCÍPIOS RESOLUÇÃO n 048 0 CONSUPER/2012 Regulamenta o Programa de Assistência Estudantil do Instituto Federal Catarinense. Processo nº 23348.000931/2012-24. O Presidente do do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Unidade II Sociedade, natureza e espaço II. Aula 4.1 Conteúdo:

Unidade II Sociedade, natureza e espaço II. Aula 4.1 Conteúdo: Unidade II Sociedade, natureza e espaço II. Aula 4.1 Conteúdo: A produção teórica dos clássicos da Sociologia. 2 Habilidade: Conhecer as teorias sociológicas clássicas e seus principais objetos de estudos.

Leia mais

A REGIONALIZAÇÃO DO ESPAÇO MUNDIAL Parte III. Referências ( Livros): BibliEx e PNLD

A REGIONALIZAÇÃO DO ESPAÇO MUNDIAL Parte III. Referências ( Livros): BibliEx e PNLD A REGIONALIZAÇÃO DO ESPAÇO MUNDIAL Parte III Referências ( Livros): BibliEx e PNLD DIFERENTES MODOS DE VER O MUNDO Regionalização do Mundo (outro critério) Critério utilizado Econômico A regionalização

Leia mais

processo histórico produzido dentro das regras de expansão do próprio sistema delegou

processo histórico produzido dentro das regras de expansão do próprio sistema delegou Subdesenvolvimento O subdesenvolvimento é um processo histórico autônomo, uma outra forma de capitalismo produzido dentro das regras de expansão do próprio sistema, onde as diferenças estruturais são naturais

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL Introdução ao Serviço Social A prática profissional no Serviço Social na atualidade: o espaço sócioocupacional que a particulariza e identifica;

Leia mais

Texto da questão. I. A primeira Revolução Industrial aconteceu na Grã-Bretanha, com o algodão.

Texto da questão. I. A primeira Revolução Industrial aconteceu na Grã-Bretanha, com o algodão. Questão 1 No final do século XVIII e durante todo o século XIX aconteceu na Inglaterra a Revolução Industrial. Quais afirmativas são corretas com relação à Revolução Industrial? I. A primeira Revolução

Leia mais

ANUALIZAÇÃO 2015/2016

ANUALIZAÇÃO 2015/2016 ESCOLA EB 3,3/S DE VILA FLOR HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 6º ANO ANUALIZAÇÃO 2015/2016 OBJETIVOS CONTEÚDOS AVALIAÇÃO GESTÃO LETIVA (POR PERÍODO) - Conhecer a sociedade portuguesa no século XVIII -

Leia mais

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia 1 PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06 Prof.: Franklin M. Correia NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... Atividades de Gerenciamento Planejamento de Projetos Programação de Projeto O QUE TEMOS PARA HOJE!!

Leia mais

Pesquisa, metodologia e métodos (O qué que eu faço...?)

Pesquisa, metodologia e métodos (O qué que eu faço...?) Pesquisa, metodologia e métodos (O qué que eu faço...?) O que é Pesquisa? O que é Metodologia? David González david.epidemio@gmail.com O que é Método? E dai? Pesquisa 1. Indagação; inquirição; busca; investigação;

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE CURSO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE CURSO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Componente Curricular: Sociologia Código: ADM 110 Pré-requisito: --- Período Letivo: 2013.1 Professor: Josselito dos santos Titulação: Doutor CH Total: 60 horas Turma: 1º Semestre

Leia mais

Processo Seletivo/UFU - julho 2006-1ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 SOCIOLOGIA QUESTÃO 51

Processo Seletivo/UFU - julho 2006-1ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 SOCIOLOGIA QUESTÃO 51 SOCIOLOGIA QUESTÃO 51 Quanto ao contexto do surgimento da Sociologia, marque a alternativa correta. A) A Sociologia nasceu como ciência a partir da consolidação da sociedade burguesa urbana-industrial

Leia mais

2.2 ATIVIDADES Atividade Formulação e validação dos processos e instrumentos de avaliação de políticas públicas no MEC.

2.2 ATIVIDADES Atividade Formulação e validação dos processos e instrumentos de avaliação de políticas públicas no MEC. Impresso por: Consulta Seleção de Consultores - oei.org.br Data da impressão: 11/07/2016-15:22:50 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2904 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA

Leia mais

CABE A ESCOLA TANTO A APRENDIZAGEM DAS HABILIDADES BÁSICAS DE LEITURA E ESCRITA (Alfabetização), QUANTO O DESENVOLVIMENTO, PARA ALÉM DESSA HABILIDADE

CABE A ESCOLA TANTO A APRENDIZAGEM DAS HABILIDADES BÁSICAS DE LEITURA E ESCRITA (Alfabetização), QUANTO O DESENVOLVIMENTO, PARA ALÉM DESSA HABILIDADE CABE A ESCOLA TANTO A APRENDIZAGEM DAS HABILIDADES BÁSICAS DE LEITURA E ESCRITA (Alfabetização), QUANTO O DESENVOLVIMENTO, PARA ALÉM DESSA HABILIDADE BÁSICA, DAS HABILIDADES, DOS CONHECIMENTOS E DAS ATITUDES

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Goiás. Adriely Felipe Tatagiba Sueli Correa

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Goiás. Adriely Felipe Tatagiba Sueli Correa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Goiás Adriely Felipe Tatagiba Sueli Correa Proeja no IFG - Campus Goiânia: os desafios do trabalho docente

Leia mais

A Política de Assistência Social Um novo desenho.

A Política de Assistência Social Um novo desenho. A Política de Assistência Social Um novo desenho. Profª. Eline Alcoforado Maranhão Sá Profª. Maria Aparecida Guimarães Skorupski Profª Regina Coeli Climaco Matos A Assistência Social como política de proteção

Leia mais

Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi

Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi Saúde Mental e Trabalho Abordagens de estudo Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi Considerações gerais: Le Guillant (há 50 anos). - De um lado, o trabalho que demandava intervenção

Leia mais

I ENCONTRO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NOS CURSOS DE LICENCIATURA LICENCIATURA EM PEDAGOGIA: EM BUSCA DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO PEDAGOGO

I ENCONTRO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NOS CURSOS DE LICENCIATURA LICENCIATURA EM PEDAGOGIA: EM BUSCA DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO PEDAGOGO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA: EM BUSCA DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO PEDAGOGO Palavras-chave: Identidade do Pedagogo. Formação de Professores. Licenciatura em Pedagogia. LDB 9394/96. Introdução Este trabalho

Leia mais

ORÇAMENTO EMPRESARIAL CONCEITOS E APLICAÇÕES PROF. SILVIA FLORES ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ORÇAMENTO EMPRESARIAL CONCEITOS E APLICAÇÕES PROF. SILVIA FLORES ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ORÇAMENTO EMPRESARIAL CONCEITOS E APLICAÇÕES PROF. SILVIA FLORES ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ORÇAMENTO É um plano administrativo que cobre todas as operações da empresa, para um período de

Leia mais

IMMANUEL KANT ( )

IMMANUEL KANT ( ) CONTEXTO HISTÓRICO Segunda metade do século XVIII época de transformações econômicas, sociais, políticas e cultural-ideológicas. A Revolução Industrial e a consolidação do Capitalismo. A Revolução Científica,

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE SOCIOLOGIA

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE SOCIOLOGIA COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE SOCIOLOGIA General Carneiro 2010 A Apresentação da Disciplina de Sociologia A Sociologia enquanto ciência

Leia mais

Anna Bernardes da Silveira Rocha

Anna Bernardes da Silveira Rocha PAULO GUARACY SILVEIRA Consulta sobre expedição de registro profissional de especialista de educação. Anna Bernardes da Silveira Rocha 0 Sr.PAULO GUARACY SILVEIRA requereu â Delegacia do Ministério da

Leia mais

PROVA BRASIL: LEITURA E INTERPRETAÇÃO

PROVA BRASIL: LEITURA E INTERPRETAÇÃO PROVA BRASIL: LEITURA E INTERPRETAÇÃO Pamella Soares Rosa Resumo:A Prova Brasil é realizada no quinto ano e na oitava série do Ensino Fundamental e tem como objetivo medir o Índice de Desenvolvimento da

Leia mais

REORGANIZAÇÃO DAS LICENCIATURAS DA U. M.

REORGANIZAÇÃO DAS LICENCIATURAS DA U. M. CAc P 1-02/03 REORGANIZAÇÃO DAS LICENCIATURAS DA U. M. 1. Introdução A expansão da rede do Ensino Superior Público e Privado, que ocorreu nas décadas de 80 e 90, trouxe como consequência, aliás previsível,

Leia mais

Conceito de raça e relações étnico-raciais

Conceito de raça e relações étnico-raciais Conceito de raça e relações étnico-raciais Mestre em Economia UNESP Graduado em História UNESP email: prof.dpastorelli@usjt.br blog: danilopastorelli.wordpress.com Você já sofreu ou conhece alguém que

Leia mais

A Ecologia Industrial no Contexto das Políticas Públicas de Meio Ambiente

A Ecologia Industrial no Contexto das Políticas Públicas de Meio Ambiente A Ecologia Industrial no Contexto das Políticas Públicas de Meio Ambiente - Uma discussão preliminar sobre as oportunidades e limites da incorporação da ecologia industrial à gestão pública do meio ambiente

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO CONSTITUCIONAL Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO CONSTITUCIONAL Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular DIREITO CONSTITUCIONAL Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Direito (1º Ciclo) 2. Curso Direito 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular DIREITO CONSTITUCIONAL (02308)

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO COMISSÃO DE EDUCAÇÃO Autor: Deputado RICARDO IZAR : I RELATÓRIO O projeto de lei em exame tem por objetivo regulamentar o exercício da profissão de paisagista. Tem a forma usual das proposições voltadas

Leia mais

Crise Social & Crise das Políticas Sociais

Crise Social & Crise das Políticas Sociais V Seminário International do CESSS Crise Social & Crise das Políticas Sociais Lisboa 31Maio & 1 Junho 2012 Sala 121 FCH I. Contexto e Objectivos Este seminário enquadra-se no âmbito do plano de actividades

Leia mais

A CONFLUÊNCIA ENTRE A FORMAÇÃO DO PROFESSOR E O CURRÍCULO: A INCLUSÃO EDUCACIONAL DO ALUNO SURDO.

A CONFLUÊNCIA ENTRE A FORMAÇÃO DO PROFESSOR E O CURRÍCULO: A INCLUSÃO EDUCACIONAL DO ALUNO SURDO. A CONFLUÊNCIA ENTRE A FORMAÇÃO DO PROFESSOR E O CURRÍCULO: A INCLUSÃO EDUCACIONAL DO ALUNO SURDO. Lucineide Machado Pinheiro Universidade Federal de São Paulo / Campus Guarulhos Eixo Temático: Formação

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECIS SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA INCLUSÃO SOCIAL

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECIS SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA INCLUSÃO SOCIAL MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECIS SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA INCLUSÃO SOCIAL PROJETOS ESTRUTURANTES CVTs CENTROS VOCACIONAIS TECNOLÓGICOS O QUE É O CVT? É um espaço voltado

Leia mais

MAS QUE SOCIEDADE É ESTA?

MAS QUE SOCIEDADE É ESTA? O Professor Gestor Vivemos em um mundo de transformações, um mundo acelerado, com características diferentes da sociedade ou época em que uma grande maioria, dos professores atuais foi formada. Em consequência

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS Jaiana Cirino dos Santos Graduanda de Pedagogia CFP / UFCG jaianacz@hotmail.com Alzenira Cândida Alves Graduanda de Pedagogia CFP /UFCG

Leia mais

Transferências de Recursos da União Transferências Voluntárias

Transferências de Recursos da União Transferências Voluntárias Transferências Constitucionais Transferências Legais da União Transferências Voluntárias da União Transferências Constitucionais Correspondem a parcelas de recursos arrecadados e repassados de um ente

Leia mais

Objetivo da aula: Origens da ciência econômica. A Economia Política e sua critica (aula 1 Adam Smith)

Objetivo da aula: Origens da ciência econômica. A Economia Política e sua critica (aula 1 Adam Smith) Ciências Sociais (P.I) A Economia Política e sua critica (aula 1 Adam Smith) Temática: Economia e funcionamento social: fundamentos Adam Smith. Profa. Luci Praun Objetivo da aula: Conhecer as formulações

Leia mais

Professor Roberto César. O que é qualidade?

Professor Roberto César. O que é qualidade? O que é qualidade? O que é qualidade? Século XX até o início dos anos 50 Sinônimo de perfeição técnica Década de 50 - Juran Satisfação do cliente quanto a adequação do cliente ao uso Feugenbaum (1986)

Leia mais

Idéias sobre a Educação visando ao Desenvolvimento e Crescimento Sustentável

Idéias sobre a Educação visando ao Desenvolvimento e Crescimento Sustentável Chave: Educação Idéias sobre a Educação visando ao Desenvolvimento e Crescimento Sustentável Educação é responsabilidade da Sociedade como um TODO e não apenas dos Governos. A Responsabilidade da Educação

Leia mais

MAPEAMENTO DA SITUAÇÃO EDUCACIONAL DOS SURDOS NA REGIÃO DE ABRANGÊNCIA DO NÚCLEO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE IRATI/PR

MAPEAMENTO DA SITUAÇÃO EDUCACIONAL DOS SURDOS NA REGIÃO DE ABRANGÊNCIA DO NÚCLEO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE IRATI/PR MAPEAMENTO DA SITUAÇÃO EDUCACIONAL DOS SURDOS NA REGIÃO DE ABRANGÊNCIA DO NÚCLEO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE IRATI/PR Patrícia Paula Schelp (PQE/UNICENTRO), e-mail: patricia@schelp.com.br Universidade

Leia mais

CIBERESPAÇO E O ENSINO: ANÁLISE DAS REDES SOCIAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL II NA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR VIANA

CIBERESPAÇO E O ENSINO: ANÁLISE DAS REDES SOCIAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL II NA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR VIANA 203 CIBERESPAÇO E O ENSINO: ANÁLISE DAS REDES SOCIAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL II NA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR VIANA INTRODUÇÃO ¹ Elias Barbosa de Lima filho ² Dr. Flamarion Dutra Alves ¹ eliasbarbosalima141@gmail.com

Leia mais

LABORATÓRIO SEGURO. Preservando vidas.

LABORATÓRIO SEGURO. Preservando vidas. LABORATÓRIO SEGURO Preservando vidas. O Grupo de Trabalho Laboratório Seguro foi formado com o objetivo de discutir as questões que envolvem a segurança dos alunos de graduação, pós-graduação, extensão

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR REGULAMENTO DA ESCOLA DE TEATRO TIA MICAS

MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR REGULAMENTO DA ESCOLA DE TEATRO TIA MICAS MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR REGULAMENTO DA ESCOLA DE TEATRO TIA MICAS REGULAMENTO DA ESCOLA DE TEATRO TIA MICAS PREÂMBULO O desenvolvimento equilibrado e harmonioso da sociedade não dispensa a prática

Leia mais

O Papel do Gerente/Administrador Financeiro das Empresas

O Papel do Gerente/Administrador Financeiro das Empresas O Papel do Gerente/Administrador Financeiro das Empresas Autora: Begail da Silva Casagrande (UNIC) * Co-autor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: Administrar uma empresa não é uma tarefa fácil.

Leia mais

Mobilidade: implicações económicas. Prof. João Confraria ( UCP )

Mobilidade: implicações económicas. Prof. João Confraria ( UCP ) Mobilidade Uma presença pervasiva no quotidiano das sociedades modernas 21 de Outubro de 2004 Hotel Le Meridien Mobilidade: implicações económicas Prof. João Confraria ( UCP ) Patrocínio Organização Mobilidade:

Leia mais

Preparando um projeto de pesquisa - ideias apresentadas no texto de Raul Wazlawick Metodologia de Pesquisa para Ciência da Com

Preparando um projeto de pesquisa - ideias apresentadas no texto de Raul Wazlawick Metodologia de Pesquisa para Ciência da Com Preparando um projeto de pesquisa - ideias apresentadas no texto de Raul Wazlawick Metodologia de Pesquisa para Ciência da Computação Maria Angélica de Oliveira Camargo Brunetto Universidade Estadual de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA SELEÇÃO DE BOLSISTA. No.09/2016 BOLSA DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO

TERMO DE REFERÊNCIA PARA SELEÇÃO DE BOLSISTA. No.09/2016 BOLSA DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO TERMO DE REFERÊNCIA PARA SELEÇÃO DE BOLSISTA No.09/2016 BOLSA DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO Área de Concentração em Desenvolvimento Científico e Tecnológico Linha de Desenvolvimento de CTI

Leia mais

É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem.

É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem. É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem. Está pautada no compromisso, no diálogo, no planejamento

Leia mais

Contribuições à proposta da ARSESP para Metodologia da Revisão Tarifária das Concessionárias de Distribuição de Gás Canalizado do Estado de São Paulo

Contribuições à proposta da ARSESP para Metodologia da Revisão Tarifária das Concessionárias de Distribuição de Gás Canalizado do Estado de São Paulo Contribuições à proposta da ARSESP para Metodologia da Revisão Tarifária das Concessionárias de Distribuição de Gás Canalizado do Estado de São Paulo Ref. Consulta Pública de Distribuição de Gás Canalizado

Leia mais

GABARITOS PRELIMINARES

GABARITOS PRELIMINARES Agente Educacional I Tipo 1 C A B E D C B D D D A B B E B C A D E B B A C B B C C E D A C E A D D E A C C D 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 B E A B D D C E B A Agente Educacional I Tipo 2 A C C B B E D D

Leia mais

PORQUE CHOVE? OBJECTIVOS. Objectivo Geral: - Compreender o ciclo da água na Natureza

PORQUE CHOVE? OBJECTIVOS. Objectivo Geral: - Compreender o ciclo da água na Natureza PORQUE CHOVE? OBJECTIVOS Objectivo Geral: - Compreender o ciclo da água na Natureza Objectivos específicos: - Observar as várias transformações da água - Descrever as várias alterações do estado da água

Leia mais

CONSOLIDADOR DA SOCIOLOGIA ALEMÃ MAX WEBER ( )

CONSOLIDADOR DA SOCIOLOGIA ALEMÃ MAX WEBER ( ) CONSOLIDADOR DA SOCIOLOGIA ALEMÃ MAX WEBER (1864-1920) Via o capitalismo como expressão da modernização e da racionalização MAS acreditava que essa racionalização levaria a um mundo cada vez mais tecnicista

Leia mais

Comportamento empreendedor dos alunos em uma Instituição de Ensino Superior. Cristiane Bertolino

Comportamento empreendedor dos alunos em uma Instituição de Ensino Superior. Cristiane Bertolino Comportamento empreendedor dos alunos em uma Instituição de Ensino Superior Cristiane Bertolino Problema de pesquisa A partir da década de 1990 Visão renovada da empreendedorismo Promover o desenvolvimento

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Domínio Cognitivo (Nível dos Conhecimentos) Compreensão oral e escrita; Conhecimento de formas e regras de funcionamento da língua materna; Conhecimento e compreensão de conceitos

Leia mais

NOVO PROGRAMA. Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL

NOVO PROGRAMA. Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 1 PETROBRAS Fundada em 1953, a partir de uma campanha popular O petróleo é nosso. Empresa integrada de energia Sociedade anônima de capital aberto

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO Sistema de Ensino CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO UNO Ensino Médio Sociologia 1 Módulo I Nascimento da Sociologia I Do início 1. Da era pré-científica ao Renascimento I. O conhecimento como característica

Leia mais

Industrialização Brasileira

Industrialização Brasileira Industrialização Brasileira Aula 26 LEMBRAR QUE A URBANIZAÇÃO SEMPRE FOI INFLUENCIADA PELA ECONOMIA. Algodão Maranhão. Açúcar Nordeste Brasileiro. Borracha Acre. Café- Sudeste. Minério- Minas Gerais. A

Leia mais

Visão Geral do Trabalho de Pesquisa

Visão Geral do Trabalho de Pesquisa Visão Geral do Trabalho de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Etapas do Trabalho de Pesquisa Escolha do

Leia mais

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação 25 de maio de 2016 EIXO 1: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e avaliação Fragilidades Melhorar as reuniões da CPA e reestruturar

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DA AMAPÁ COMISSÃO DO PROCESSO SELETIVO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DA AMAPÁ COMISSÃO DO PROCESSO SELETIVO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DA AMAPÁ COMISSÃO DO PROCESSO SELETIVO EDITAL PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICADO DE PROFESSORES DA REDE E-TEC BRASIL campus/polos MACAPÁ, SANTANA, PORTO GRANDE E

Leia mais

PRIMEIRO SEMESTRE. Disciplina Métodos e Técnicas de Pesquisa Quantitativa

PRIMEIRO SEMESTRE. Disciplina Métodos e Técnicas de Pesquisa Quantitativa PRIMEIRO SEMESTRE Disciplina Métodos e Técnicas de Pesquisa Quantitativa Professor: Dr. Reginaldo Santana Figueiredo Créditos: 2 Carga Horária: 30h Ementa Introdução à Estatística. Regras de Somatório.

Leia mais

Unidade 01. Prof.ª Fernanda Mendizabal Instituto de Educação Superior de Brasília

Unidade 01. Prof.ª Fernanda Mendizabal Instituto de Educação Superior de Brasília Unidade 01 Prof.ª Fernanda Mendizabal Instituto de Educação Superior de Brasília Afirmar a importância do estudo da história para a compreensão da Psicologia contemporânea. Destacar a relevância das forças

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DR. MARTINHO MARQUES AILTON GORDIANO ELIANA PIGARI BAPTISTA. A criação e a Evolução Biológica dos Seres Vivos

ESCOLA ESTADUAL DR. MARTINHO MARQUES AILTON GORDIANO ELIANA PIGARI BAPTISTA. A criação e a Evolução Biológica dos Seres Vivos ESCOLA ESTADUAL DR. MARTINHO MARQUES AILTON GORDIANO ELIANA PIGARI BAPTISTA A criação e a Evolução Biológica dos Seres Vivos TAQUARUSSU MS AGOSTO/2009 ESCOLA ESTADUAL DR. MARTINHO MARQUES AILTON GORDIANO

Leia mais

O que é Ideologia? Federação Anarquista Uruguaia (FAU) Tradução: Felipe Corrêa

O que é Ideologia? Federação Anarquista Uruguaia (FAU) Tradução: Felipe Corrêa O que é Ideologia? Federação Anarquista Uruguaia (FAU) Tradução: Felipe Corrêa 2009 Projeto de capa: Luiz Carioca Ilustração da capa: Eduardo Marinho Diagramação: Farrer (C) Copyleft - É livre, e inclusive

Leia mais

Nossos diferenciais COLÉGIO BILÍNGUE E BICULTURAL COLEGIO BILINGUE Y BICULTURAL FORMAÇÃO INTEGRAL FORMACIÓN INTEGRAL

Nossos diferenciais COLÉGIO BILÍNGUE E BICULTURAL COLEGIO BILINGUE Y BICULTURAL FORMAÇÃO INTEGRAL FORMACIÓN INTEGRAL Ensino Médio 2016 COLÉGIO BILÍNGUE E BICULTURAL COLEGIO BILINGUE Y BICULTURAL FORMAÇÃO INTEGRAL FORMACIÓN INTEGRAL DIPLOMAS E CERTIFICADOS VÁLIDOS NO BRASIL E ESPANHA DIPLOMAS Y ESTUDIOS VÁLIDOS EN BRASIL

Leia mais

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú Catalogação: Cleide de Albuquerque Moreira Bibliotecária/CRB 1100 Revisão: Elias Januário Revisão Final: Karla Bento de Carvalho Consultor: Luís Donisete Benzi Grupioni Projeto Gráfico/Diagramação: Fernando

Leia mais

CAUSAS DA EMIGRAÇÃO PORTUGUESA

CAUSAS DA EMIGRAÇÃO PORTUGUESA Portugal é por tradição um país de migrações, dado que apesar do incremento da imigração, os portugueses continuam a emigrar... CAUSAS DA EMIGRAÇÃO PORTUGUESA A motivação económica, que se traduz pela

Leia mais

INICIATIVAS DO SEBRAE NA PRODUÇÃO DE ESTUDOS DE CASOS

INICIATIVAS DO SEBRAE NA PRODUÇÃO DE ESTUDOS DE CASOS INICIATIVAS DO SEBRAE NA PRODUÇÃO DE ESTUDOS DE CASOS 1 JORNADA ESTUDOS DE CASOS DA PEQUENA EMPRESA Concurso cuja proposta é firmar parcerias com instituições de ensino superior e estimular os alunos de

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC).

TECNOLOGIA WEB. Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). DOCENTE PROFESSOR CELSO CANDIDO Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Conhecimentos: o Web Designer; o Arquitetura de Máquina; o Implementação

Leia mais

Anais da Semana de Integração Acadêmica 02 a 06 de setembro de 2013

Anais da Semana de Integração Acadêmica 02 a 06 de setembro de 2013 EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM DEBATE NO 7º ANO DO COLÉGIO ESTADUAL PRINCESA IZABEL DE TAQUARAL DE GOIÁS INTRODUÇÃO SILVA, Nabio Vanutt da Universidade Estadual de Goiás/UnU Goiás Acadêmico do I ano de História

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONSTRUÇÃO DA GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICIPIOS BRASILEIROS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICIPIO DE COLINAS DO TOCANTINS

Leia mais

EDUCADOR, MEDIADOR DE CONHECIMENTOS E VALORES

EDUCADOR, MEDIADOR DE CONHECIMENTOS E VALORES EDUCADOR, MEDIADOR DE CONHECIMENTOS E VALORES BREGENSKE, Édna dos Santos Fernandes* Em seu livro, a autora levanta a questão da formação do educador e a qualidade de seu trabalho. Deixa bem claro em diversos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CEDUC CURSO DE PEDAGOGIA DISCIPLINA: TIC S PROFESSORA: TERESA KÁTIA ALBUQUERQUE TV ESCOLA UM SALTO PARA O FUTURO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CEDUC CURSO DE PEDAGOGIA DISCIPLINA: TIC S PROFESSORA: TERESA KÁTIA ALBUQUERQUE TV ESCOLA UM SALTO PARA O FUTURO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CEDUC CURSO DE PEDAGOGIA DISCIPLINA: TIC S PROFESSORA: TERESA KÁTIA ALBUQUERQUE TV ESCOLA UM SALTO PARA O FUTURO BOA VISTA RR 2010 1 CONCEIÇÃO SOUSA EDGARD GARCIA JOSILÉIA

Leia mais

Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos QUESTÃO 01 Descreva as principais características do populismo no Brasil: (valor 1,0) QUESTÃO 02 Após a Segunda Guerra Mundial, consolidou-se uma ordem político-econômica

Leia mais

Empreendedorismo e Plano de Negócios. Profa. Bruna Panzarini

Empreendedorismo e Plano de Negócios. Profa. Bruna Panzarini Empreendedorismo e Plano de Negócios. Profa. Bruna Panzarini Introdução Estatísticas do SEBRAE indicam que 60% das 500 mil pequenas e micro-empresas que são abertas todos os anos no Brasil fecham as portas

Leia mais