Ajuda humanitária e proteção civil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ajuda humanitária e proteção civil"

Transcrição

1 COMPREENDER AS POLÍTICAS DA UNIÃO EUROPEIA Ajudar as vítimas de catástrofes e conflitos e proteger as pessoas em risco Ajuda humanitária e proteção civil «A ajuda humanitária europeia é fundamental para milhares e milhares de pessoas que sabem que a Europa defende os valores universais essenciais indispensáveis para que o mundo seja um lugar melhor para viver.» Kristalina Georgieva, comissária europeia responsável pela cooperação internacional, ajuda humanitária e resposta a situações de crise

2 ÍNDICE COMPREENDER AS POLÍTICAS DA UNIÃO EUROPEIA A presente publicação faz parte de uma coleção que descreve a ação da União Europeia em vários domínios, as razões da sua intervenção e os resultados obtidos. Outros títulos disponíveis para descarregamento em linha: Por que razão precisamos de uma política de ajuda humanitária e de proteção civil da União Europeia salvar vidas e prevenir o sofrimento humano... 3 A abordagem da União Europeia uma abordagem baseada nas necessidades... 7 O que faz a União Europeia cumprir os compromissos...10 O futuro satisfazer as necessidades...15 Mais informações...16 Como funciona a União Europeia «Europa 2020»: a estratégia europeia de crescimento Os pais fundadores da União Europeia Ação climática Agenda digital Agricultura Ajuda humanitária e proteção civil Alargamento Alfândegas Ambiente A União Económica e Monetária e o euro Comércio Concorrência Consumidores Cultura e audiovisual Desenvolvimento e cooperação Educação, formação, juventude e desporto Emprego e assuntos sociais Empresas Energia Fiscalidade Fronteiras e segurança Investigação e inovação Justiça, cidadania e direitos fundamentais Luta contra a fraude Mercado interno Migração e asilo Orçamento Pescas e assuntos marítimos Política externa e de segurança comum Política regional Saúde pública Segurança dos alimentos Transportes Compreender as políticas da União Europeia: Ajuda humanitária e proteção civil Comissão Europeia Direção-Geral da Comunicação Publicações 1049 Bruxelas BÉLGICA Manuscrito atualizado em fevereiro de 2014 Fotografia da capa: Jupiterimages 16 p. 21 x 29,7 cm ISBN doi: /32209 Luxemburgo: Serviço das Publicações da União Europeia, 2014 União Europeia, 2014 Reprodução autorizada. As fotografias só podem ser utilizadas ou reproduzidas mediante autorização prévia dos titulares dos direitos de autor.

3 A j u d a h u m a n i t á r i a e p r o t e ç ã o c i v i l 3 Por que razão precisamos de uma política de ajuda humanitária e de proteção civil da União Europeia Salvar vidas e prevenir o sofrimento humano Todas as semanas, aparecem nos ecrãs de televisão e nas primeiras páginas dos jornais imagens de guerras e catástrofes. A União Europeia, através da Direção-Geral da Ajuda Humanitária e Proteção Civil (ECHO), presta assistência às vítimas o mais rapidamente possível em qualquer parte do mundo, contribuindo igualmente para prevenir as crises humanitárias. Este esforço está no cerne da sua ação. Em consonância com os seus valores fundamentais (solidariedade, respeito pela dignidade humana, igualdade e tolerância), a União intervém para proteger vidas humanas, reduzir e prevenir o sofrimento e salvaguardar a dignidade das pessoas afetadas por situações de crise. A União Europeia está presente nas zonas de crise do mundo inteiro, nomeadamente na Síria, no Afeganistão, nos Territórios Palestinianos Ocupados, na região do Sahel e em muitas outros países de África, da América do Sul, da América Central e do Sudeste Asiático, bem como em regiões caídas no esquecimento que vivem situações de crise prolongada ou de instabilidade pós-conflito. Ajudar as populações mais vulneráveis do mundo inteiro é um imperativo moral para a comunidade internacional e a Comissão Europeia assumiu, desde há muito, esse compromisso. O seu serviço de ajuda humanitária presta ajuda de emergência diretamente às pessoas afetadas, independentemente da sua nacionalidade, religião, sexo ou origem étnica. reforçar a resistência global das populações, por exemplo combinando a ajuda de emergência com instrumentos de recuperação e desenvolvimento a mais longo prazo. A fim de ajudar os países a evitarem as catástrofes, a preparem-se para situações de emergência e a reunirem recursos para colocar à disposição dos países sinistrados, foi criado o mecanismo de proteção civil da União Europeia. Enquanto a ajuda humanitária da União se dirige aos países terceiros, este mecanismo pode ser mobilizado em caso de emergência dentro ou fora da União Europeia. O mecanismo de proteção civil da União reforça a cooperação europeia em matéria de proteção civil, fornecendo ferramentas eficazes de prevenção, preparação e resposta a catástrofes naturais e de origem humana, em apoio dos esforços dos Estados- -Membros a nível nacional, regional e local. Juntos podemos fazer a diferença A União Europeia é um dos principais doadores de ajuda humanitária do mundo. Esta contribuição tem um enorme impacto no terreno. Em 2012, a União prestou assistência a 122 milhões de pessoas em mais de 90 países terceiros. As atividades da Comissão Europeia não se limitam a lidar com consequências imediatas, abrangendo o ciclo completo das catástrofes: prevenção, preparação, resposta e recuperação. Assim, a resposta às catástrofes conjuga-se com uma vasta gama de outras atividades para: reduzir o risco de catástrofes, através, por exemplo, de estratégias de atenuação das alterações climáticas; melhorar a preparação para situações de catástrofe, por exemplo mediante o desenvolvimento de instrumentos como os sistemas de alerta rápido; assegurar uma transição pacífica no final das operações de emergência, nomeadamente definindo estratégias de saída adequadas; ACTED A União Europeia financia a ajuda humanitária na Índia desde

4 C O M P R E E N D E R A S P O L Í T I C A S D A U N I Ã O E U R O P E I A 4 Embora representem menos de 1% do orçamento da União Europeia, os mais de mil milhões de euros consagrados anualmente à ajuda humanitária são determinantes para satisfazer necessidades em situações de crise, graças a uma coordenação eficaz a nível europeu. Desde intervenções no Haiti, para estabilizar o país no rescaldo do sismo de 2010, à proteção da população civil na Líbia, na sequência do conflito de 2011, passando pela ajuda a milhões de vítimas da fome no Sahel, em 2012, até aos esforços atualmente em curso para apoiar as centenas de milhares de refugiados sírios que fogem ao terrível conflito que assola o seu país, a assistência prestada pela União tem tido um verdadeiro impacto para os que dela necessitam. Face à evolução das ameaças globais, são necessárias adaptações constantes ao quadro existente para conseguir fazer face aos novos desafios. Com vista a melhorar a eficácia da sua resposta a situações de crise, em 2010 a União Europeia reuniu a ajuda humanitária e a proteção civil sob a mesma alçada. Nesse mesmo ano, Kristalina Georgieva tornou- -se a primeira comissária europeia especificamente responsável pela cooperação Internacional, a ajuda humanitária e a resposta a situações de crise. Este quadro racionalizado possibilita uma maior eficácia na coordenação das respostas e na utilização dos recursos pela União. Unidos na solidariedade Um estudo realizado em 2012 revelou que nove em cada dez cidadãos europeus são favoráveis ao financiamento da ajuda humanitária pela União Europeia. Apesar da crise económica, estes valores mostram que há um forte apoio à ação europeia neste domínio. Mais de 80% dos inquiridos concordam que, para lidar com as catástrofes, a ação coordenada da União no domínio da proteção civil é mais eficaz do que as intervenções nacionais. A União Europeia e os Estados-Membros partilham a responsabilidade de disponibilizar ajuda humanitária, prestada em cooperação com organizações internacionais e agentes locais. No domínio da proteção civil, a União é responsável por apoiar, coordenar e complementar as atividades dos Estados-Membros. O seu papel de coordenação permite-lhe ter objetivos mais ambiciosos e concentrar recursos e conhecimentos, o que contribui para aumentar o impacto positivo da ajuda e assegurar que todas as intervenções em situações de crise satisfazem normas de qualidade elevadas. É graças a esta abordagem que a União Europeia tem sido capaz de reagir de forma eficiente a situações de crise sem precedentes, como as inundações provocadas pela monção de 2010 no Paquistão. Para gerir o impacto das catástrofes a mais longo prazo e melhorar a prevenção e a preparação, a ajuda humanitária e a resposta a situações de crise devem ser acompanhadas por atividades noutros domínios, incluindo a cooperação para o desenvolvimento e a proteção do ambiente. Este requisito torna indispensável uma coordenação a nível da União Europeia. European Union Esta família de refugiados do Burundi pôde regressar ao seu país de origem graças ao apoio à reinstalação concedido pela União Europeia.

5 A j u d a h u m a n i t á r i a e p r o t e ç ã o c i v i l 5 Por que razão é necessário reforçar a capacidade de resistência das populações vulneráveis Todos os anos, milhões de pessoas são afetadas por inundações, desabamentos de terras, secas, cimos, maremotos, ciclones, incêndios florestais e outras catástrofes. Cerca de 97% das mortes relacionadas com catástrofes naturais ocorrem nos países em desenvolvimento, que são também os mais afetados em termos de perda de meios de subsistência. Só em África, crises recentes e recorrentes desde 2010 afetaram 31 milhões de pessoas nas regiões do Corno de África e do Sahel. Por conseguinte, é necessária uma política sólida para aumentar a capacidade de resistência das populações vulneráveis dos países em desenvolvimento, a fim de que possam fazer face e resistir melhor às catástrofes. O que faz a União Europeia? O reforço da capacidade de resistência situa-se no ponto de convergência entre a ajuda humanitária e a ajuda ao desenvolvimento. Nesta ótica, em 2012, a Comissão Europeia apresentou uma proposta ao Parlamento Europeu e ao Conselho sobre a forma como a ajuda ao desenvolvimento e a ajuda humanitária da União Europeia devem ser adaptadas para aumentar a capacidade de resistência e reduzir a vulnerabilidade das populações afetadas por catástrofes. Esta proposta define dez medidas, que incluem o apoio à conceção de estratégias nacionais de resistência, à elaboração de planos de gestão de catástrofes e à criação de sistemas eficientes de alerta rápido em países de risco, bem como abordagens inovadoras da gestão do risco em associação com o setor dos seguros. A nova política assentará nos resultados promissores das iniciativas de desenvolvimento das capacidades de resistência lançadas pela Comissão no Sahel e no Corno de África no âmbito da sua resposta às crises provocadas pela seca nestas regiões. Estas iniciativas (respetivamente, «AGIR-Sahel» e «SHARE») tentam quebrar o ciclo vicioso «seca, fome e pobreza» através da identificação de sinergias potenciais e do reforço da coordenação entre a ajuda humanitária e a ajuda ao desenvolvimento. Em 2012 e 2013, a Comissão conta afetar 270 milhões de euros à iniciativa «SHARE» no Corno de África. A iniciativa «AGIR- -Sahel» tem o objetivo ambicioso de mobilizar 750 milhões de euros ao longo dos próximos três anos. A importância atribuída pela Comissão Europeia à questão da resistência permitirá salvar mais vidas, ser mais eficaz em termos de custos e contribuir para reduzir a pobreza, reforçando, assim, o impacto da ajuda e a promovendo o desenvolvimento sustentável. Uma resposta comum às ameaças crescentes European Union Crianças em Vanuatu ajudam a construir um modelo do vulcão do monte Gharat, a principal ameaça à sua sobrevivência. A escala e a frequência das situações de emergência humanitária que todos os anos ocorrem no mundo inteiro estão a aumentar. Só o número de catástrofes naturais passou de 78, em 1975, para quase 400, em As alterações climáticas, o crescimento demográfico e o subsequente aumento da pressão sobre os recursos naturais, em conjunto com a urbanização, as atividades industriais e a degradação do ambiente, constituem as principais causas desse aumento. O problema é agravado pelo crescente número de Estados frágeis em risco de instabilidade

6 C O M P R E E N D E R A S P O L Í T I C A S D A U N I Ã O E U R O P E I A 6 e de conflitos civis e pela ameaça latente de ataques terroristas. A União Europeia está a tentar adaptar a forma como responde a situações de risco, não só porque a crise financeira limita os seus recursos, mas também porque nem todos os países que necessitam de ajuda têm o mesmo nível de desenvolvimento. Desde 1992, a União Europeia tem-se mostrado à altura dos novos desafios humanitários. Nesse ano, a sua intervenção na antiga Jugoslávia destruída pela guerra foi a maior operação de ajuda humanitária levada a cabo por uma organização internacional num só país. A operação que se seguiu ao tsunami no oceano Índico, em 2004, foi a mais importante desde a criação do mecanismo de proteção civil da União Europeia, em foi o ano mais desfavorável em termos de catástrofes naturais nas últimas décadas, o que obrigou a União a recorrer a algumas das suas reservas de emergência. Esta tendência manteve-se em 2011 e Ao longo dos anos, a capacidade de ajuda humanitária da União Europeia foi constantemente alargada em função das necessidades e continuará a sê-lo nos próximos anos. Atenuação dos efeitos das catástrofes relacionadas com as alterações climáticas: o caso de Vanuatu No arquipélago de Vanuatu no Pacífico, um dos países menos desenvolvidos do mundo, as alterações climáticas agravaram a ameaça de catástrofes naturais, como ciclones ou inundações. A União Europeia ajuda as comunidades locais a lidarem com os efeitos das catástrofes e a prepararem-se melhor para lhes fazer face, por exemplo avaliando ameaças, elaborando planos de contingência e construindo abrigos contra os ciclones. Entre 2007 e 2012, a União Europeia disponibilizou um total de 4, 3 milhões de euros para apoiar ações de preparação para as catástrofes e 2,3 milhões de euros para ajudar as comunidades afetadas por catástrofes naturais na região do Pacífico ocidental. Ocorrência e vítimas de catástrofes Vítimas (em milhões) (*) Número de catástrofes notificadas Número de vítimas notificadas (em milhões) (*) Número de catástrofes notificadas (*) Vítimas: vítimas mortais e outras. Fonte: Centro de Investigação sobre a Epidemiologia de Catástrofes.

7 A j u d a h u m a n i t á r i a e p r o t e ç ã o c i v i l 7 A abordagem da União Europeia Uma abordagem baseada nas necessidades A União Europeia adotou estratégias eficazes para garantir que o orçamento disponível para a ajuda humanitária é usado em benefício das populações com necessidades mais urgentes em qualquer parte do mundo. Para assegurar decisões de financiamento adequadas e garantir que a ajuda é prestada no local certo e no momento certo, a União faz uma avaliação permanente das necessidades. Foram, assim, desenvolvidos vários instrumentos. Para avaliar a natureza das necessidades humanitárias, definiram-se critérios que permitem identificar situações de crise e determinar o alcance do apoio necessário em função da dimensão da catástrofe e da situação dos países e regiões em causa. A União Europeia atribui especial importância às situações de crise que deixaram de estar no centro das atenções dos meios de comunicação social e dos doadores internacionais, embora as necessidades das populações afetadas continuem a ser muitas. São levadas a cabo avaliações específicas para identificar e disponibilizar ajuda neste tipo de «crises esquecidas». Ajudar onde e quando necessário As intervenções em matéria de proteção civil e de ajuda humanitária são quase sempre, por definição, efetuadas em circunstâncias extremas: a ajuda tem de chegar aos beneficiários num lapso de tempo muito curto e ser adaptada às suas necessidades específicas. Frequentemente, o acesso às zonas sinistradas é ainda dificultado por condicionalismos logísticos e de segurança. A União Europeia criou estruturas de controlo e de coordenação para levar cabo esta tarefa complexa, tendo, nomeadamente, estabelecido uma rede mundial de gabinetes locais especializados em ajuda humanitária. Em situações de crise, esses gabinetes dão apoio técnico às operações financiadas pela União, acompanham as intervenções e ajudam a coordenar os doadores a nível local. Contribuem igualmente para a elaboração de estratégias e políticas de intervenção. Em 2012, a DG ECHO dispunha de 44 gabinetes locais em todo o mundo, com um total de 145 peritos em ajuda humanitária e 293 agentes locais. Em vez de intervir diretamente no terreno, a União Europeia financia cerca de 200 parceiros, incluindo agências especializadas das Nações Unidas (ONU), organizações não governamentais (ONG), agências e organizações dos Estados-Membros, tais como o Comité Internacional da Cruz Vermelha e a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho. O financiamento é concedido a estes parceiros com base nas suas propostas de resposta às necessidades das populações vítimas de catástrofes. A União Europeia instaurou vários mecanismos para assegurar a coordenação entre os fundos que disponibiliza e os que são diretamente disponibilizados pelos Estados-Membros e outros intervenientes humanitários. Como a necessidade de ajuda humanitária aumenta mais rapidamente do que os recursos disponíveis, foi lançada a iniciativa «Voluntários da União Europeia» para apoiar e complementar os regimes existentes. Valores fundamentais comuns Os parceiros da União Europeia em matéria de ajuda humanitária devem subscrever os princípios humanitários fundamentais subjacentes a todas as suas ações: Humanidade: é sempre necessário dar uma resposta ao sofrimento, em especial ao das populações mais vulneráveis. Neutralidade: a ajuda não deve favorecer nenhuma faixa específica da população. Imparcialidade: a ajuda deve ser prestada unicamente em função das necessidades, sem discriminação. Independência: a ajuda humanitária tem como único objetivo aliviar o sofrimento humano e não pode servir objetivos políticos, económicos ou militares.

8 C O M P R E E N D E R A S P O L Í T I C A S D A U N I Ã O E U R O P E I A 8 No terreno Para satisfazer as necessidades básicas das vítimas de uma catástrofe e ajudar a manter os seus meios de subsistência, a ajuda humanitária financiada pela União Europeia pode assumir diversas formas, consoante a natureza e as circunstâncias em causa. A ajuda alimentar pode incluir o abastecimento alimentar de emergência das populações afetadas por catástrofes ou o fornecimento de numerário ou vales, bem como de produtos nutricionais específicos para crianças em estado de subnutrição avançado ou de sementes e adubos para agricultores vulneráveis. A ajuda médica passa, por exemplo, por campanhas de vacinação para prevenir epidemias, pelo tratamento de lesões e pela implantação de centros de cuidados de saúde primários. Estão igualmente previstos o fornecimento de medicamentos, de equipamento hospitalar e de cuidados básicos de saúde e a formação de pessoal, com especial atenção para os grupos mais vulneráveis, como as mulheres grávidas e as crianças. Atribuição da ajuda humanitária da União Europeia em 2012 (em milhões de euros) Região/País Montante % África Sudão e Chade 207 África Central 92 Corno de África 162 África Austral, oceano Índico 32 África Ocidental 188 Médio Oriente, Mediterrâneo Médio Oriente 255 Mediterrânico 10 Ásia, Pacífico Ásia Central e Sudoeste Asiático 110 Ásia Meridional e Central 32 Sudeste Asiático e Pacífico 56 América Latina, Caraíbas 68 5 América Latina 30 Caraíbas 38 Catástrofes mundiais 19 1 Proteção civil 27 2 Na União Europeia 21 Fora da União Europeia 6 Assistência e apoio a nível mundial 86 6 TOTAL Fonte: Comissão Europeia. A água e o saneamento são uma prioridade nas zonas afetadas por catástrofes. Com efeito, a água potável e as instalações sanitárias são fundamentais para evitar a propagação de doenças. A ajuda abrange a construção de poços, furos e latrinas, a canalização da água, o tratamento das águas residuais, a educação sanitária, etc. As pessoas cujas casas foram destruídas recebem tendas, proteções de plástico ou outros tipos de abrigos. As operações de emergência podem também incluir reparações das infraestruturas, ações de desminagem, apoio psicológico e educação. Muitas operações também incluem a preparação dos residentes locais para fazerem face a eventuais futuras catástrofes e atenuarem o seu impacto nas respetivas comunidades. Programa «Dipecho»: reforçar a preparação a nível mundial para as catástrofes Quando não é possível prever os riscos e evitar as catástrofes, melhorar a preparação das populações e instaurar mecanismos de resposta adequados permite, frequentemente, reduzir os prejuízos. É esse o objetivo do programa de preparação para as catástrofes «Dipecho» da União Europeia. Os projetos no âmbito do «Dipecho» incidem na formação, no desenvolvimento de capacidades, na sensibilização, na criação ou melhoria dos sistemas de alerta precoce e na elaboração de planos de contingência, incluindo medidas preparatórias simples que podem frequentemente ser aplicadas pelas populações locais, que, na maioria dos casos, contribuem ativamente para as atividades do programa. Os projetos são levados a cabo por agências humanitárias estabelecidas na Europa e por agências das Nações Unidas, em cooperação com ONG e autoridades locais. O «Dipecho» abrange oito regiões sujeitas a catástrofes: Caraíbas, América Central, América do Sul, Ásia Central, Ásia Meridional, Sudeste Asiático, Sudeste Africano, Sudoeste do oceano Índico e região do Pacífico.

9 A j u d a h u m a n i t á r i a e p r o t e ç ã o c i v i l 9 Unir forças para enfrentar crises dentro e fora da União Europeia O mecanismo de proteção civil da União Europeia abrange todo o ciclo das catástrofes, desde a prevenção e a preparação à fase de resposta. Atualmente, conta com a participação de 32 países: os 28 Estados-Membros da União Europeia, a Islândia, o Listenstaine, a Noruega e a antiga República jugoslava da Macedónia. Qualquer país, dentro ou fora da União Europeia, cujas capacidades sejam gravemente afetadas por uma catástrofe pode pedir assistência através do mecanismo de proteção civil. As catástrofes incluem inundações, incêndios florestais, sismos, tempestades ou maremotos, bem como atos de terrorismo, acidentes tecnológicos ou radiológicos ou ainda catástrofes ambientais, como a poluição marinha. Quando um país sinistrado pede assistência, o Centro de Coordenação de Resposta de Emergência (CCRE) da União Europeia comunica as necessidades específicas do país atingido a todos os países que participam no mecanismo de proteção civil. Os países participantes oferecem-se então para disponibilizar peritos e assistência em espécie com vista a apoiar a resposta de emergência no local, nomeadamente, equipas de busca e salvamento, postos médicos, bombas de grande capacidade, unidades de purificação de água e outro material de primeira necessidade. O CCRE contribui para a coordenação da resposta europeia, centralizando os pedidos e as ofertas de ajuda e facilitando ou, muitas vezes, cofinanciando o transporte da ajuda, enviando, se necessário, equipas para acompanhar a situação no terreno. O CCRE está acessível 24 horas por dia e sete dias por semana. O mecanismo de proteção civil da União Europeia também reforça a preparação para situações de catástrofe nos países participantes, por exemplo através de programas de formação, exercícios ou intercâmbio de peritos dos vários países. Todas estas iniciativas proporcionam oportunidades de aprendizagem para o pessoal da proteção civil dos países participantes, ajudam a melhorar a rapidez e a coordenação das intervenções de proteção civil e promovem a transferência de conhecimentos e a criação de redes. Está igualmente previsto financiamento para projetos de prevenção e de preparação, nomeadamente para investigação sobre temas relacionados com as catástrofes, o reforço dos instrumentos de alerta precoce ou campanhas de sensibilização destinadas ao grande público. O mecanismo de proteção civil da União Europeia concentra-se nas áreas em que uma abordagem comum europeia pode proporcionar mais valor acrescentado e estabelece a correlação entre a proteção civil e outros domínios de intervenção da União, de modo a maximizar o seu impacto. Preparação através da simulação A encenação de uma colisão entre um comboio que transportava adeptos de futebol e outro que transportava substâncias perigosas foi um dos vários exercícios organizados na Polónia em O chamado evento «Carpathex» preparou equipas de emergência para situações reais: a simulação do choque entre comboios pôs à prova a capacidade de resposta durante eventos como o campeonato europeu de futebol da UEFA de Foram também realizados exercícios de simulação em que, por exemplo, um incêndio florestal era provocado por faíscas provenientes dos freios de um comboio ou uma aldeia era inundada na sequência da rutura de um sistema de reservatórios. Todos os anos, são organizados exercícios deste tipo com o apoio financeiro da União Europeia. European Union Formação de voluntários no Tajiquistão, que integrarão equipas de resposta de emergência, no âmbito do programa «Dipecho».

10 C O M P R E E N D E R A S P O L Í T I C A S D A U N I Ã O E U R O P E I A 10 O que faz a União Europeia Cumprir os compromissos Desde 1992, a União Europeia ajudou milhões de vítimas de catástrofes em todo o mundo, tendo mobilizado mais de 15 mil milhões de euros para fornecer assistência de emergência em mais de 140 países. Atualmente, a União disponibiliza, em média, mais de mil milhões de euros por ano para apoiar as populações mais vulneráveis no mundo inteiro. Se juntarmos a este montante o financiamento concedido pelos Estados-Membros, a União Europeia é o principal doador de ajuda humanitária a nível mundial, contribuindo com mais de metade da ajuda humanitária oficial. Só em 2012, a União Europeia concedeu ajuda humanitária a cerca de 122 milhões de pessoas em 92 países terceiros e o mecanismo de proteção civil foi ativado 21 vezes para intervir em situações de crise dentro e fora da União. Mas os resultados não podem ser medidos só em termos estatísticos: apesar do seu impacto ser menos visível, as ações de prevenção e preparação para eventuais catástrofes desempenham um papel igualmente importante na abordagem da ajuda humanitária e da proteção civil da União Europeia. O enquadramento atual permite que os Estados-Membros colaborem de forma eficaz em todas as frentes e promove o respeito e a observância do direito internacional humanitário, estabelecendo as bases para evitar um agravamento do sofrimento humano nos próximos anos. Duas décadas de solidariedade e de contas A Direção-Geral da Ajuda Humanitária da Comissão Europeia e da Proteção Civil (ECHO) celebrou o seu vigésimo aniversário em 2012, tendo percorrido um longo caminho desde a sua criação. A decisão de lançar a ECHO foi tomada pelos 12 Estados-Membros que então constituíam a União Europeia e se confrontavam com as limitações da capacidade de resposta da Europa face às crises humanitárias que assolavam o mundo. Catástrofes de grande amplitude como o conflito na antiga Jugoslávia, um ciclone no Bangladeche ou a fome na Somália, exigiram um reforço da coordenação a nível da União para poder reagir mais rápida e eficazmente. No início, a ECHO contava cerca de 40 colaboradores. Atualmente, é uma grande organização eficiente, com 300 pessoas a trabalhar na sua sede em Bruxelas e 400 peritos em ajuda humanitária nos seus 44 gabinetes locais, situados nos países mais gravemente afetados por crises em África, na Ásia e na América Latina. Os seus recursos humanos e financeiros e o seu quadro de ação foram sendo constantemente adaptados, por forma a permitir à UE enfrentar desafios cada vez maiores. Em 2007, as instituições da União Europeia e os 27 Estados- -Membros chegaram a acordo sobre um documento estratégico intitulado «Consenso Europeu em matéria de ajuda humanitária», no qual se salienta que a ajuda humanitária da União Europeia não é um instrumento político e se reafirmam os seus princípios orientadores (neutralidade, humanidade, independência e imparcialidade). Este documento também estabelece claramente os papéis dos diferentes intervenientes humanitários em zonas de crise para reforçar a capacidade de ajuda da União. European Union Afegãos recebem instrumentos de trabalho financiados pela DG ECHO no âmbito da resposta à seca que causou fome e levou à deslocação da população.

11 A j u d a h u m a n i t á r i a e p r o t e ç ã o c i v i l 11 O Tratado de Lisboa, que entrou em vigor em 1 de dezembro de 2009, introduziu uma base jurídica para as políticas de ajuda humanitária e de proteção civil da União Europeia, definindo o papel da União na melhoria da proteção e da prevenção de catástrofes e afirmando que a União Europeia deve aplicar o direito humanitário internacional, incluindo os princípios da imparcialidade e da não- -discriminação. Mas ainda há margem para melhoramentos. Estão atualmente a ser estudados planos para reforçar a forma como a União Europeia gere a sua resposta às catástrofes, que preveem a passagem de uma coordenação ad hoc para um sistema que assegure uma maior previsibilidade. Quando um terramoto e um maremoto devastadores atingiram o Japão em março de 2011, a União Europeia forneceu quase 400 toneladas de assistência em géneros e enviou uma equipa de proteção civil europeia, incluindo peritos em logística e radiologia. A ajuda financeira europeia foi distribuída às famílias nas províncias mais afetadas. Foi dada proteção e assistência a milhares de civis durante o conflito na Líbia, em Em 2012, a União Europeia ajudou milhões de vítimas da fome no Sahel e a assistência humanitária chegou a centenas de milhares de refugiados sírios em fuga do conflito em curso no seu país. Uma resposta pronta e eficiente Ao longo dos anos, a União Europeia tem prestado assistência às vítimas de numerosas catástrofes em todo o mundo. Segue-se uma breve seleção das suas principais intervenções. Em 1992, a guerra na antiga Jugoslávia deixou centenas de milhares de pessoas deslocadas, esfomeadas e traumatizadas. A ajuda da União Europeia incluiu toneladas de alimentos, cobertores, colchões e artigos de higiene corporal. As vítimas que fugiram das suas casas após o genocídio ruandês de 1994 receberam ajuda da União Europeia, nomeadamente cuidados médicos como a reidratação e vacinas para as crianças. As pessoas que regressaram às aldeias destruídas receberam kits de reinstalação. Quando o furacão Mitch devastou a América Central em 1998, a União Europeia forneceu água potável e ajudou a evitar a propagação de doenças transmitidas pela água. Desde a queda do regime talibã em 2001, a União Europeia concedeu mais de 483 milhões de euros de ajuda para satisfazer as necessidades básicas do povo afegão. Em 2004, o tsunami no oceano Índico provocou a morte de mais de pessoas. A resposta inicial da União Europeia centrou-se na sobrevivência. Os projetos a mais longo prazo incluíram a construção de campos para pessoas sem abrigo, o financiamento de profissionais da saúde e a compra de navios de pesca. No decurso de 2010, um ano recorde, as maiores operações tiveram lugar na região do Sudão e do Paquistão. No Sudão, a União Europeia apoiou a prestação de ajuda humanitária a seis milhões de pessoas na sequência de conflitos e das inundações sazonais. No Paquistão, 12 milhões e meio de pessoas beneficiaram de abrigo, alimentos, água potável, cuidados de saúde e saneamento, depois de o país ter sido afetado por inundações. Intensificar a prevenção para salvar vidas A ação da União Europeia destinada a prevenir as catástrofes e a minimizar o seu impacto quando são inevitáveis contribuiu de forma crucial para evitar o sofrimento e salvar vidas. Foram feitos esforços dentro e fora da União, com resultados que vão de uma coordenação eficaz a nível europeu à formação de especialistas locais noutras partes do mundo. Desde o lançamento do programa «Dipecho» em 1996, a União Europeia investiu mais de 255 milhões de euros no domínio da preparação para situações de catástrofe em todo o mundo. Os projetos financiados pelo programa revelaram-se fundamentais para limitar os danos e permitiram que as comunidades em risco salvassem vidas e meios de subsistência. Desde 2007, a União Europeia esteve envolvida no lançamento de diversas iniciativas de alerta rápido, incluindo a plataforma Internet «Meteoalarm» e o «Sistema mundial de alerta e coordenação em caso de catástrofe», um sistema permanente de alerta e de recolha de dados. Foram igualmente feitos investimentos em sistemas de alerta para perigos específicos, como inundações, incêndios florestais e maremotos. O investimento da União Europeia na prevenção de catástrofes e nas tecnologias de atenuação e a estreita cooperação com outros parceiros levaram ao desenvolvimento do «Sistema europeu de informação sobre incêndios florestais» e do «Sistema europeu de alerta para inundações». Só em 2010, 873 pessoas participaram em cursos de formação ministrados por determinados organismos de proteção civil e foram realizados quatro exercícios em cenários de inundações, sismos, fugas de materiais perigosos e ataques terroristas.

12 C O M P R E E N D E R A S P O L Í T I C A S D A U N I Ã O E U R O P E I A 12 ESTUDO DE CASO Haiti: transição da ajuda de emergência para a recuperação O enorme sismo que assolou o Haiti em janeiro de 2010 fez vítimas mortais e deixou cerca de pessoas desalojadas. A União Europeia continua a ajudar o Haiti durante todas as fases da sua recuperação. Imediatamente após o sismo, a União Europeia afetou mais de 100 milhões de euros a medidas de resposta e 25 países da União canalizaram ajuda em espécie para o Haiti através do mecanismo de proteção civil. Cerca de cinco milhões de pessoas beneficiaram de apoio da União Europeia nesta fase. A ajuda foi usada para disponibilizar abrigos, latrinas e chuveiros, água potável, alimentos, cobertores, utensílios de cozinha e artigos de higiene a centenas de milhares de vítimas, tendo igualmente contribuído para financiar medidas de apoio a pessoas deslocadas que procuraram refúgio noutras partes do país. A falta de eficiência do sistema de saúde e a dificuldade de acesso à água potável levaram à eclosão de uma epidemia de cólera no final de A União Europeia disponibilizou 22 milhões de euros para instalações de tratamento da cólera e medidas destinadas a impedir a propagação da doença. Cerca de três milhões de pessoas beneficiaram deste apoio. Nos dois anos seguintes, a União Europeia adotou medidas graduais para ajudar o país a recuperar. A resposta de emergência a longo prazo complementa as medidas estruturais destinadas a reconstruir as infraestruturas e os serviços sociais, melhorando simultaneamente a redução do risco de catástrofes e estabelecendo a ligação entre ajuda humanitária e desenvolvimento. A União Europeia é o principal doador de ajuda ao Haiti, tendo-se comprometido a disponibilizar um total de milhões de euros, provenientes de fundos da Comissão Europeia, dos países da União e do Banco Europeu de Investimento. A União Europeia continuará a apoiar a recuperação e o desenvolvimento do país durante os próximos anos. European Union No Haiti, a União Europeia apoiou a restabelecimento de serviços básicos, como a distribuição de água corrente e o saneamento, em pequenas cidades como Petit Goave.

13 A j u d a h u m a n i t á r i a e p r o t e ç ã o c i v i l 13 ESTUDO DE CASO Paquistão: a resposta a uma crise multifacetada Em 2010, o Paquistão foi atingido por uma das piores inundações de monção dos últimos 80 anos. A essa catástrofe, que matou mais de pessoas e afetou mais de 18 milhões, seguiu-se outra grande cheia no ano seguinte. A situação foi agravada pelo conflito armado de 2009, que levou ao deslocamento de três milhões de pessoas. Os esforços europeus de assistência, que combinaram ajuda humanitária e proteção civil, revelaram-se eficazes para lidar com uma catástrofe sem precedentes, pela sua dimensão e complexidade. A UE disponibilizou 150 milhões de euros em ajuda humanitária para dar resposta às necessidades imediatas da população. Foi ainda concedido um montante adicional de 70 milhões de euros para ajudar as pessoas deslocadas que viviam em campos ou em famílias de acolhimento. As condições locais dificultaram a prestação da ajuda. No entanto, a União Europeia foi capaz de reagir rápida e eficazmente graças ao destacamento atempado de peritos em ajuda humanitária, seguido de uma equipa de proteção civil da União Europeia. Esta equipa de peritos foi enviada para o Paquistão para facilitar a coordenação da assistência e os contactos com as autoridades nacionais e as equipas da ONU. As autoridades paquistanesas solicitaram ajuda através do Centro de Coordenação de Resposta de Emergência. Os países que participam no mecanismo de proteção civil disponibilizaram ajuda num valor total de 271 milhões de euros. A ajuda em espécie incluiu unidades de purificação da água (nomeadamente pastilhas e líquidos), abrigos e kits médicos. A União Europeia também cofinanciou o encaminhamento da ajuda para o país. Estando o Paquistão fortemente sujeito a catástrofes naturais, esta crise recente sublinhou a necessidade de integrar a redução do risco de catástrofes na política de ajuda humanitária. A União Europeia continua a trabalhar para reduzir a vulnerabilidade da população e reforçar a sua capacidade para fazer face às catástrofes. European Union A distribuição da ajuda humanitária no Paquistão após as inundações da monção de 2010 foi dificultada pelo mau estado das infraestruturas.

14 C O M P R E E N D E R A S P O L Í T I C A S D A U N I Ã O E U R O P E I A 14 ESTUDO DE CASO Sahel: alertar o mundo para uma crise esquecida O Sahel, que se estende por todo o norte de África, é uma das regiões mais pobres do mundo. A seca, o subdesenvolvimento e a insegurança alimentar estão a colocar dezenas de milhões de pessoas em risco de fome. À medida que a amplitude desta crise humanitária aumenta, aumenta também o apoio da União Europeia. Desde o início de 2012, a União Europeia aumentou a ajuda a esta região para 337 milhões de euros. A sua intervenção assenta numa abordagem gradual que conjuga o desenvolvimento das capacidades de resistência com a resposta de emergência durante a estação de maior escassez e prevê medidas de recuperação na fase seguinte. A resposta humanitária à crise conseguiu salvar muitas vidas e reduzir o seu impacto na economia das famílias. A União Europeia teve um papel determinante no regresso desta crise ao centro das atenções dos meios de comunicação internacionais. Para além da ajuda de emergência fornecida, a União esforça-se para promover o reconhecimento da insegurança alimentar enquanto questão estrutural, realçando o seu papel fundamental na luta contra a pobreza. Estrelas do futebol como Raúl González e Patrick Vieira aderiram à luta contra a fome na região do Sahel assumindo o papel de embaixadores de boa vontade na campanha «O futebol contra a fome», que apela a uma maior vontade política para acabar com a fome. A fome e a subnutrição estão novamente a aumentar em todo o mundo. Em 2010, mais de mil milhões de pessoas no mundo inteiro foram consideradas em situação de insegurança alimentar. Nas regiões do Sahel e do Corno de África, a seca provocou uma situação de insegurança alimentar grave para milhões de pessoas. Mas os problemas de segurança alimentar e de nutrição afetam também populações vulneráveis de outros países, como o Paquistão e o Iémen. A ajuda alimentar representa a maior fração do orçamento da ajuda humanitária da União Europeia. Em 2011, a União disponibilizou um total de 509 milhões de euros para a ajuda alimentar e a nutrição. FAO Raúl González visita o Chade no âmbito da campanha «O futebol contra a fome».

15 A j u d a h u m a n i t á r i a e p r o t e ç ã o c i v i l 15 O futuro Satisfazer as necessidades É essencial que os mecanismos criados para lidar com as situações de emergência consigam fazer face aos desafios de um mundo cada vez mais vulnerável. A União Europeia está atualmente a trabalhar na criação de um sistema que deverá permitir mais previsibilidade e fiabilidade. A futura «capacidade europeia de resposta» deverá aumentar a eficácia e a coerência da reação da União através de um planeamento antecipado. A prevenção de catástrofes e a gestão do risco têm igualmente de ser melhoradas. Na prática, uma reserva voluntária de equipas e equipamento especializado seria disponibilizada para utilização imediata em caso de crise. Está igualmente prevista a simplificação das disposições em matéria de transporte, a fim de permitir uma utilização mais rápida da assistência da União Europeia. O planeamento da resposta às catástrofes deve ser melhorado através do desenvolvimento de cenários de referência, do recenseamento dos recursos dos países da União e da elaboração de planos de emergência. Outras medidas em preparação incluem o aumento do investimento na formação comum e exercícios transfronteiriços, bem como o desenvolvimento de um panorama dos riscos de catástrofe à escala da União Europeia. Para gerir o novo sistema, a União criou um centro de coordenação de resposta de emergência para facilitar a coordenação em caso de emergência. O centro proporcionará um serviço permanente para reforçar o fluxo de informação. No âmbito do debate sobre o financiamento futuro da União, a União Europeia procura soluções para integrar de forma mais coerente na sua política de desenvolvimento a preparação para as catástrofes e a transição da ajuda humanitária para a ajuda ao desenvolvimento. O orçamento da União para o período deverá apoiar ações destinadas a antecipar melhor as catástrofes, acelerar a resposta e assegurar uma transição harmoniosa para ações de desenvolvimento a mais longo prazo. Voluntários da União Europeia Para que os europeus que pretendem contribuir para as operações humanitárias da União Europeia nelas possam participar, a União está a criar um corpo voluntário europeu de ajuda humanitária. Introduzida European Union Diana Tonea, uma romena destacada no Haiti como membro do corpo de voluntários, descreve a sua experiência como «um desafio e uma realização». pelo Tratado de Lisboa, a iniciativa «Voluntários da União Europeia» irá valorizar a prestação da ajuda humanitária da União e completar os atuais regimes. Em setembro de 2012, a Comissão Europeia apresentou planos para que cerca de pessoas possam trabalhar como voluntários em operações de ajuda humanitária no mundo inteiro entre 2014 e Os participantes no programa podem ser jovens que planeiam enveredar por uma carreira neste domínio ou peritos em ajuda humanitária. Os voluntários serão enviados para onde as suas competências forem mais necessárias, complementado as capacidades locais e o voluntariado local. A segurança dos voluntários é uma prioridade máxima. Na primeira série de projetos-piloto, já foram enviados mais de 200 europeus para mais de 30 países, incluindo a República do Haiti, a Indonésia, Moçambique e o Tajiquistão, que, antes de serem destacados, receberam uma formação teórica e prática para os preparar para o trabalho no terreno. O programa, que continuará a ser desenvolvido nos próximos anos, tem potencial para formar os futuros responsáveis pela ajuda humanitária, dando simultaneamente aos jovens europeus a oportunidade de demonstrarem a sua solidariedade com as populações necessitadas.

16 C O M P R E E N D E R A S P O L Í T I C A S D A U N I Ã O E U R O P E I A A União Europeia oferece o montante do seu prémio Nobel da Paz de 2012 para ajudar as vítimas mais jovens de conflitos Em 10 de dezembro de 2012, a União Europeia recebeu o prémio Nobel da Paz. Esta distinção incluía um prémio monetário no valor de 8 milhões de coroas suecas (cerca de euros). A União Europeia completou esse montante para doar um total de 2 milhões de euros de ajuda humanitária. O prémio Nobel da Paz é um símbolo da reconciliação em todo o mundo. O dinheiro do prémio deverá beneficiar as vítimas de conflitos futuros, mas também as crianças que não puderam crescer em paz e desenvolver-se plenamente devido a guerras e conflitos atuais e passados. 16 Nesta perspetiva, a Comissão Europeia convidou as suas organizações e agências humanitárias parceiras a apresentarem projetos de financiamento neste domínio. Foi assim decidido que o dinheiro do prémio Nobel da Paz deveria ser repartido por quatro projetos ao abrigo da iniciativa «Crianças da paz» da União Europeia. Em conjunto, estes projetos beneficiam mais de crianças no Iraque, na Colômbia, no Equador, na Etiópia, na República Democrática do Congo e no Paquistão, facultando-lhes o acesso ao ensino básico, bem como a espaços próprios para crianças, e proporcionando-lhes proteção, educação e a possibilidade de um futuro melhor. NA PT-C Em 2012, 90% das vítimas de conflitos eram civis, metade dos quais crianças. Existem sete milhões de crianças refugiadas e 12,4 milhões de crianças deslocadas dentro do seu próprio país na sequência de conflitos. Uma das melhores formas de ajudar e proteger as crianças vítimas de conflitos violentos é dar-lhes a oportunidade de voltar à escola e de ter acesso à educação. Caso contrário, o seu futuro ficará ainda mais comprometido. Dos cerca de 75 milhões de crianças, dos quais 20 milhões de raparigas, que não podem frequentar a escola em todo o mundo, mais de metade vive em zonas afetadas por conflitos. A escolarização contribui para que as crianças que vivem em zonas de conflito possam continuar a ser crianças. A União Europeia e as crianças vítimas de conflitos (http://ec.europa.eu/echo/ EU4children/index_en.htm) Mais informações XX Ajuda humanitária e proteção civil na União Europeia: XX Voluntários da União Europeia: XX A União Europeia e as crianças vítimas de conflitos: XX Tem perguntas sobre a União Europeia? O Europe Direct pode ajudá-lo: ISBN doi: /32209

Ajuda humanitária e proteção civil

Ajuda humanitária e proteção civil COMPREENDER AS POLÍTICAS DA UNIÃO EUROPEIA Ajudar as vítimas de catástrofes e conflitos e proteger as pessoas em risco Ajuda humanitária e proteção civil A ajuda humanitária europeia é fundamental para

Leia mais

AJUDA HUMANITÁRIA BASE JURÍDICA QUADRO REGULAMENTAR E POLÍTICO

AJUDA HUMANITÁRIA BASE JURÍDICA QUADRO REGULAMENTAR E POLÍTICO AJUDA HUMANITÁRIA A UE é o maior doador de ajuda humanitária à escala mundial. Conjuntamente, a Comissão Europeia e os Estados-Membros fornecem a maior percentagem do financiamento global das operações

Leia mais

(Atos legislativos) REGULAMENTOS

(Atos legislativos) REGULAMENTOS 24.4.2014 L 122/1 I (Atos legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) N. o 375/2014 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 3 de abril de 2014 que cria o Corpo Voluntário Europeu para a Ajuda Humanitária

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 28.8.2014 COM(2014) 537 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Relatório anual sobre as políticas da União Europeia em matéria de ajuda humanitária

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nomeadamente o artigo 78. o, n. o 2, e o artigo 79. o, n.

Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nomeadamente o artigo 78. o, n. o 2, e o artigo 79. o, n. L 150/168 Jornal Oficial da União Europeia 20.5.2014 REGULAMENTO (UE) N. o 516/2014 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 16 de abril de 2014 que cria o Fundo para o Asilo, a Migração e a Integração,

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões adotadas pelo Conselho Europeu na reunião em epígrafe.

Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões adotadas pelo Conselho Europeu na reunião em epígrafe. Conselho Europeu Bruxelas, 26 de junho de 2015 (OR. en) EUCO 22/15 CO EUR 8 CONCL 3 NOTA DE ENVIO de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações Assunto: Reunião do Conselho Europeu (25 e 26 de junho

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP-UE ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP-UE Comissão dos Assuntos Sociais e do Ambiente 13.6.2015 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre como melhorar as condições económicas e

Leia mais

Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim

Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim Girma Agune Chefe a.i. Serviço das Competências e da Empregabilidade

Leia mais

RISCOS - Associação Portuguesa de Riscos, Prevenção e Segurança OS RISCOS E O SISTEMA EUROPEU DE PROTECÇÃO CIVIL *

RISCOS - Associação Portuguesa de Riscos, Prevenção e Segurança OS RISCOS E O SISTEMA EUROPEU DE PROTECÇÃO CIVIL * OS RISCOS E O SISTEMA EUROPEU DE PROTECÇÃO CIVIL * Fernando Manuel Paiva Monteiro Comandante da Academia Militar e ex-presidente do Serviço Nacional de Bombeiros e 228 Introdução Os desastres naturais

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B6-0000/2007 nos termos do nº 5 do artigo

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. o reforço de capacidades das organizações de acolhimento e a assistência técnica às organizações de envio,

COMISSÃO EUROPEIA. o reforço de capacidades das organizações de acolhimento e a assistência técnica às organizações de envio, C 249/8 PT Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2015 COMISSÃO EUROPEIA CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS EACEA 25/15 Iniciativa Voluntários para a Ajuda da UE: Destacamento de Voluntários para a Ajuda

Leia mais

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL A última reforma da política agrícola comum (PAC) manteve a estrutura em dois pilares desta política, continuando o desenvolvimento rural a representar

Leia mais

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE PRINCÍPIOS PARA UMA INTERVENÇÃO INTERNACIONAL EFICAZ EM ESTADOS PRINCÍPIOS - Março 2008 Preâmbulo Uma saída sustentável da pobreza e da insegurança nos Estados mais frágeis do mundo terá de ser conduzida

Leia mais

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 IV (Actos adoptados, antes de 1 de Dezembro de 2009, em aplicação do Tratado CE, do Tratado da UE e do Tratado Euratom) DECISÃO DO CONSELHO de 27 de Novembro

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 26.1.2006 COM(2006)29 final 2006/0009(CNS) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO que estabelece um mecanismo comunitário no domínio da protecção civil (reformulada)

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU 2014-2019. Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar PROJETO DE PARECER

PARLAMENTO EUROPEU 2014-2019. Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar PROJETO DE PARECER PARLAMENTO EUROPEU 2014-2019 Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar 2014/2204(INI) 5.1.2015 PROJETO DE PARECER da Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 21.8.2015 COM(2015) 406 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Relatório anual sobre as políticas de ajuda humanitária e de proteção civil da União

Leia mais

PROJETO DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PROJETO DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Parlamento Europeu 2014-2019 Documento de sessão 17.7.2015 B8-0000/2015 PROJETO DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B8-0000/2015 nos termos do artigo

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia 2011/2284(INI) 7.2.2012 PROJETO DE RELATÓRIO sobre a proteção das infraestruturas críticas da informação Realizações e próximas

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 18.3.2004 L 80/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 491/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 10 de Março de 2004 que estabelece um programa de assistência

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2014-2019 Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais 2014/2255(INI) 5.5.2015 PROJETO DE RELATÓRIO relativo ao Relatório sobre a implementação, os resultados e a avaliação global do Ano

Leia mais

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179.

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179. REGULAMENTO (CE) N.º 806/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Abril de 2004 relativo à promoção da igualdade entre homens e mulheres na cooperação para o desenvolvimento O PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento PROJECTO DE PARECER. destinado à Comissão dos Assuntos Externos

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento PROJECTO DE PARECER. destinado à Comissão dos Assuntos Externos PARLAMENTO EUROPEU 2004 ««««««««««««Comissão do Desenvolvimento 2009 PROVISÓRIO 2004/2168(INI) 22.2.2005 PROJECTO DE PARECER da Comissão do Desenvolvimento destinado à Comissão dos Assuntos Externos sobre

Leia mais

O que fazemos em Moçambique

O que fazemos em Moçambique 2008/09 O que fazemos em Moçambique Estamos a ajudar 79.850 crianças afectadas pelas inundações Estamos a proporcionar kits para a escola a 1.000 órfãos e crianças vulneráveis Registámos 1.745 crianças

Leia mais

Carne de cavalo: um ano depois medidas anunciadas e realizadas!

Carne de cavalo: um ano depois medidas anunciadas e realizadas! COMISSÃO EUROPEIA MEMORANDO Bruxelas, 14 de fevereiro de 2014 Carne de cavalo: um ano depois medidas anunciadas e realizadas! Há cerca de um ano, o escândalo da carne de cavalo foi notícia de primeira

Leia mais

A CAMPANHA INTERNACIONAL CIDADES RESILIENTES: A IMPORTÂNCIA DO NÍVEL LOCAL

A CAMPANHA INTERNACIONAL CIDADES RESILIENTES: A IMPORTÂNCIA DO NÍVEL LOCAL A CAMPANHA INTERNACIONAL CIDADES RESILIENTES: A IMPORTÂNCIA DO NÍVEL LOCAL Luís Carvalho Promotor Nacional da UNISDR Cidades Resilientes Making Cities Resilient Campaign Advocate ÍNDICE 1. EVOLUÇÃO DA

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HANÔVER

DECLARAÇÃO DE HANÔVER DECLARAÇÃO DE HANÔVER de Presidentes de Câmara de Municípios Europeus na Viragem do Século XXI (versão traduzida do texto original em Inglês, de 11 de Fevereiro de 2000, pelo Centro de Estudos sobre Cidades

Leia mais

Criação de um fundo de ajuda de urgência da UPU para os países atingidos por catástrofes naturais e/ou que se encontrem em situações particulares

Criação de um fundo de ajuda de urgência da UPU para os países atingidos por catástrofes naturais e/ou que se encontrem em situações particulares CA C 2 2010.1 Doc 2b CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO/CONSELHO OPERAÇÕES POSTAIS Comissão mista 2 (Desenvolvimento e cooperação) Criação de um fundo de ajuda de urgência da UPU para os países atingidos por catástrofes

Leia mais

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite para participar neste debate e felicitar os organizadores pela importância desta iniciativa. Na minha apresentação irei falar brevemente da

Leia mais

Investir na ação climática. investir no LIFE PANORÂMICA DO NOVO SUBPROGRAMA LIFE AÇÃO CLIMÁTICA 2014-2020. Ação Climática

Investir na ação climática. investir no LIFE PANORÂMICA DO NOVO SUBPROGRAMA LIFE AÇÃO CLIMÁTICA 2014-2020. Ação Climática Investir na ação climática investir no LIFE PANORÂMICA DO NOVO SUBPROGRAMA LIFE AÇÃO CLIMÁTICA 2014-2020 Ação Climática O que é o novo subprograma LIFE Ação Climática? Em fevereiro de 2013, os Chefes de

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO ACP-EU JOINT PARLIAMENTARY ASSEMBLY ASSEMBLEE PARLEMENTAIRE PARITAIRE ACP-UE Comissão dos Assuntos Políticos ACP-EU/101.967/B 24.09.2015 PROJETO DE RELATÓRIO sobre a avaliação do Mecanismo de Apoio à Paz

Leia mais

Yann Arthus-Bertrand / Altitude. O Parlamento Europeu está empenhado no desenvolvimento

Yann Arthus-Bertrand / Altitude. O Parlamento Europeu está empenhado no desenvolvimento Yann Arthus-Bertrand / Altitude O Parlamento Europeu está empenhado no desenvolvimento O Ano Europeu do Desenvolvimento 2015 (AED 2015) tem por objetivo dar a conhecer as relações da União Europeia (UE)

Leia mais

COMUNICAÇÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO EUROPEU E AO CONSELHO

COMUNICAÇÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO EUROPEU E AO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 23.9.2015 COM(2015) 490 final COMUNICAÇÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO EUROPEU E AO CONSELHO Gerir a crise dos refugiados: medidas operacionais, orçamentais e legislativas

Leia mais

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS EM POUCAS PALAVRAS OS PRIMEIROS PASSOS DATA/LOCAL DE ASSINATURA E ENTRADA EM VIGOR PRINCIPAIS MENSAGENS QUIZ 10 PERGUNTAS E RESPOSTAS OS PRIMEIROS PASSOS No século XX depois das Guerras No século XX, depois

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão do Desenvolvimento Regional 2014/2247(INI) 18.6.2015 PROJETO DE RELATÓRIO sobre a política de coesão e as comunidades marginalizadas (2014/2247(INI)) Comissão do Desenvolvimento

Leia mais

NOTÍCIAS À SEXTA 02.10.2015 INFORMAÇÕES DA CNIS

NOTÍCIAS À SEXTA 02.10.2015 INFORMAÇÕES DA CNIS INFORMAÇÕES DA CNIS Fonte: Estudo sobre o Acesso e a qualidade nos cuidados de saúde mental, Entidade Reguladora da Saúde, set.2015 REPRESENTAÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO Assembleia Parlamentar Paritária ACP-UE Comissão dos Assuntos Políticos 31.7.2014 PROJETO DE RELATÓRIO sobre o desafio da reconciliação nacional nos países em situação de pósconflito e de pós-crise Correlatores:

Leia mais

DIREITOS DOS TRABALHADORES À INFORMAÇÃO, CONSULTA E PARTICIPAÇÃO

DIREITOS DOS TRABALHADORES À INFORMAÇÃO, CONSULTA E PARTICIPAÇÃO DIREITOS DOS TRABALHADORES À INFORMAÇÃO, CONSULTA E PARTICIPAÇÃO A União Europeia complementa as atividades dos Estados-Membros em matéria dos direitos dos trabalhadores à informação e consulta através

Leia mais

RESUMO. Contribuição da UE: 128 165 000 EUR Base jurídica Artigo 6. do Regulamento (CE) n.º 1889/2006 de 20.12.2006 (JO L 386 de 29.12.2006, p.

RESUMO. Contribuição da UE: 128 165 000 EUR Base jurídica Artigo 6. do Regulamento (CE) n.º 1889/2006 de 20.12.2006 (JO L 386 de 29.12.2006, p. RESUMO Programa de Ação Anual 2013, ao abrigo do Instrumento Europeu para a Democracia e os Direitos Humanos (IEDDH), a financiar pela rubrica orçamental 19 04 01 do orçamento geral da União Europeia 1.

Leia mais

O CONSENSO EUROPEU EM MATÉRIA DE AJUDA HUMANITÁRIA

O CONSENSO EUROPEU EM MATÉRIA DE AJUDA HUMANITÁRIA O CONSENSO EUROPEU EM MATÉRIA DE AJUDA HUMANITÁRIA O desafio humanitário Louis Michel Comissário Europeu responsável pelo Desenvolvimento e pela Ajuda Humanitária Unidos em torno de um projecto comum Os

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO I. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 2.9.2015 COM(2015) 419 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Rumo à Cimeira Humanitária Mundial: Uma parceria global para uma ação humanitária

Leia mais

Programa de trabalho anual em matéria de subvenções 2006 - DG ELARG

Programa de trabalho anual em matéria de subvenções 2006 - DG ELARG Bósnia e Herzegovina, Croácia, Sérvia e Montenegro Regulamento (CE) n 2666/2000 do Conselho de 5 de Dezembro de 2000, com a última redacção que lhe foi dada pelo Regulamento (CE) n 2112/2005 do Conselho

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP-UE Comissão dos Assuntos Sociais e do Ambiente 26.2.2010 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre "Cumprir os ODM: respostas inovadoras aos desafios sociais e económicos" Co-relatores:

Leia mais

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO FOLHETO CICV O Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho O Movimento Internacional

Leia mais

CONSELHO EUROPEU Bruxelas, 14 de março de 2013 (OR. en)

CONSELHO EUROPEU Bruxelas, 14 de março de 2013 (OR. en) CONSELHO EUROPEU Bruxelas, 14 de março de 2013 (OR. en) EUCO 23/13 CO EUR 3 CONCL 2 NOTA DE ENVIO de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações Assunto: CONSELHO EUROPEU 14/15 de março de 2013 CONCLUSÕES

Leia mais

Boletim Informativo. Ação Humanitária: Porque é necessária?

Boletim Informativo. Ação Humanitária: Porque é necessária? Boletim Informativo edição nº 98 agosto 2015 Notícias # Ajuda Humanitária # Estatísticas e Opiniões Carreiras Internacionais # Apresentação de Candidaturas Prémios e Concursos # Proposta de Leitura Dicas

Leia mais

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO 14.6.2014 PT Jornal Oficial da União Europeia C 183/5 Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados Membros, reunidos no Conselho, de 20 de maio de 2014, sobre um Plano de Trabalho

Leia mais

TRANSPORTE MARÍTIMO: REGRAS DE TRÁFEGO E DE SEGURANÇA

TRANSPORTE MARÍTIMO: REGRAS DE TRÁFEGO E DE SEGURANÇA TRANSPORTE MARÍTIMO: REGRAS DE TRÁFEGO E DE SEGURANÇA Ao longo dos últimos anos, as diretivas e regulamentos da UE, em particular os três pacotes legislativos adotados no seguimento dos desastres que envolveram

Leia mais

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE Conferência Internacional sobre a Saúde Materna, Neonatal e Infantil em África 01 a 03 de agosto de 2013, Joanesburgo, África do Sul Comunicado Primeiras Consultas Ministeriais Multisetoriais sobre a Saúde

Leia mais

Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas

Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC) Global Health Security Agenda (GHSA) Enquadramento A Plataforma de Resposta

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nomeadamente o artigo 77. o, n. o 2,

Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nomeadamente o artigo 77. o, n. o 2, 20.5.2014 Jornal Oficial da União Europeia L 150/143 REGULAMENTO (UE) N. o 515/2014 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 16 de abril de 2014 que cria, no âmbito do Fundo para a Segurança Interna, um

Leia mais

DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A GOVERNANÇA DA TERRA. Alan Bojanic Representante da FAO no Brasil

DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A GOVERNANÇA DA TERRA. Alan Bojanic Representante da FAO no Brasil DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A GOVERNANÇA DA TERRA Alan Bojanic Representante da FAO no Brasil SEGURANÇA ALIMENTAR - O DUPLO DESAFIO ERRADICAR A FOME DO PRESENTE; ALIMENTAR A POPULAÇÃO DO FUTURO E NÃO TER

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RECOMENDAÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RECOMENDAÇÕES CONSELHO 26.4.2013 Jornal Oficial da União Europeia C 120/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RECOMENDAÇÕES CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO de 22 de abril de 2013 relativa ao estabelecimento de uma Garantia

Leia mais

Assegurar que o Progress produz resultados

Assegurar que o Progress produz resultados Assegurar que o Progress produz resultados Quadro estratégico para a execução do Progress, programa comunitário para o emprego e a solidariedade social (2007 2013) Comissão Europeia Assegurar que o Progress

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA CONJUNTO. Para uma nova Política Europeia de Vizinhança

DOCUMENTO DE CONSULTA CONJUNTO. Para uma nova Política Europeia de Vizinhança COMISSÃO EUROPEIA ALTA REPRESENTANTE DA UNIÃO EUROPEIA PARA OS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS E A POLÍTICA DE SEGURANÇA Bruxelas, 4.3.2015 JOIN(2015) 6 final DOCUMENTO DE CONSULTA CONJUNTO Para uma nova Política

Leia mais

DIREITOS HUMANOS BASE JURÍDICA

DIREITOS HUMANOS BASE JURÍDICA DIREITOS HUMANOS Nas suas relações externas, a União Europeia está empenhada em defender uma política em prol da Democracia e dos Direitos Humanos assente nos seus princípios fundadores de liberdade, Democracia,

Leia mais

Posição da PERCO - Necessidade de criar vias de acesso legais de protecção internacional dentro da União Europeia

Posição da PERCO - Necessidade de criar vias de acesso legais de protecção internacional dentro da União Europeia Posição da PERCO - Necessidade de criar vias de acesso legais de protecção internacional dentro da União Europeia Aprovado na Assembleia Geral Ordinária PERCO no Chipre - 2012 Em Outubro de 2011, a PERCO,

Leia mais

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya Documento em construção Declaração de Aichi-Nagoya Declaração da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Nós, os participantes da Conferência Mundial da UNESCO para a Educação para o Desenvolvimento

Leia mais

Fórum Africano sobre as Reformas do Setor de Segurança

Fórum Africano sobre as Reformas do Setor de Segurança Fórum Africano sobre as Reformas do Setor de Segurança A Reforma do Setor de Segurança como Componente-Chave dos Processos de Estabilização e de Consolidação da Paz em África 24-26 Novembro 2014 Organizado

Leia mais

POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL

POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIAP. O. Box 3243Telephone +251 11 5517 700 Fax : 00251 11 5517844 www.au.int POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL

Leia mais

ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer

ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer Crianças e jovens numa visita de estudo, Moçambique 2008 Produzir materiais informativos sobre cada um dos temas e distribuir em toda a escola

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Refúgio no Brasil Uma Análise Estatística Janeiro de 2010 a Outubro de 2014

Refúgio no Brasil Uma Análise Estatística Janeiro de 2010 a Outubro de 2014 Refúgio no Brasil Uma Análise Estatística Janeiro de 21 a Outubro de 214 O Brasil é signatário dos principais tratados internacionais de direitos humanos e é parte da Convenção das Nações Unidas de 1951

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO EUROPEIA

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO EUROPEIA 28.10.2014 C 382/1 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO EUROPEIA CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS EACEA/31/2014 Programa Erasmus+, Ação-chave 3 Apoio à reforma de políticas Cooperação com

Leia mais

PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010

PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 17.6.2010 COM(2010) 315 final PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010 MAPA DE RECEITAS E DE DESPESAS POR SECÇÃO Secção II Conselho Europeu e Conselho

Leia mais

de 24 de Outubro de 2006 que estabelece um Programa Comunitário para o Emprego e a Solidariedade Social Progress

de 24 de Outubro de 2006 que estabelece um Programa Comunitário para o Emprego e a Solidariedade Social Progress 15.11.2006 PT Jornal Oficial da União Europeia L 315/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) DECISÃO N. o 1672/2006/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 24 de Outubro de 2006

Leia mais

Alta Representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança /Vice-Presidente da Comissão Europeia. Federica Mogherini

Alta Representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança /Vice-Presidente da Comissão Europeia. Federica Mogherini Alta Representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança /Vice-Presidente da Comissão Europeia Federica Mogherini Assembleia da República, 17 fevereiro de 2015 CURRICULUM

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP-UE Comissão dos Assuntos Sociais e do Ambiente 29.8.2006 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a água nos países em desenvolvimento Co-relatores: Achille Tapsoba (Burkina-Faso)

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

Agenda de. Desenvolvimento. Pós-2015

Agenda de. Desenvolvimento. Pós-2015 Agenda de Desenvolvimento Pós-2015 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável O INÍCIO: ANO 2000 Combate a inimigos históricos da humanidade: Pobreza e fome Desigualdade de gênero Doenças transmissíveis

Leia mais

POLÍTICA COMUM DE SEGURANÇA E DEFESA

POLÍTICA COMUM DE SEGURANÇA E DEFESA POLÍTICA COMUM DE SEGURANÇA E DEFESA Parte integrante da Política Externa e de Segurança Comum (PESC) da União Europeia, a Política Comum de Segurança e Defesa (PCSD) abrange as operações militares e as

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA CADERNO FICHA 11. RECUPERAÇÃO 11.4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não podendo, por isso, ser interpretado

Leia mais

O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT?

O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT? Cosme 1 O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT? Neste EU Report abordamos, em particular, o COSME, o novo programa quadro europeu para a competitividade das Empresas e das PME (pequenas e médias

Leia mais

RESPOSTAS AO PARLAMENTO EUROPEU QUESTIONÁRIO DESTINADO AO COMISSÁRIO INDIGITADO Dimitris AVRAMOPOULOS Migração e assuntos internos

RESPOSTAS AO PARLAMENTO EUROPEU QUESTIONÁRIO DESTINADO AO COMISSÁRIO INDIGITADO Dimitris AVRAMOPOULOS Migração e assuntos internos PT RESPOSTAS AO PARLAMENTO EUROPEU QUESTIONÁRIO DESTINADO AO COMISSÁRIO INDIGITADO Dimitris AVRAMOPOULOS Migração e assuntos internos 1: Competência geral, empenho europeu e independência pessoal Quais

Leia mais

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa.

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa. DOCUMENTO DE CONSULTA: COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EUROPEIA SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (2011-2014) 1 Direitos da Criança Em conformidade com o artigo 3.º do Tratado da União Europeia, a União promoverá os

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 23.11.2010 COM(2010) 683 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO O voluntariado como expressão da solidariedade dos cidadãos da UE: primeiras

Leia mais

20.12.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 347/281

20.12.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 347/281 20.12.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 347/281 REGULAMENTO (UE) N. o 1300/2013 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 17 de dezembro de 2013 relativo ao Fundo de Coesão e que revoga o Regulamento

Leia mais

FEC 25 anos: Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Iremos lembrar 2015 como um ano chave no setor do desenvolvimento?

FEC 25 anos: Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Iremos lembrar 2015 como um ano chave no setor do desenvolvimento? SEMINÁRIO INTERNACIONAL REPENSAR O DESENVOLVIMENTO REINVENTAR A COOPERAÇÃO ENQUADRAMENTO : Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Lisboa, 19 de novembro de 2015 Iremos lembrar

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Resolução do Conselho de Ministros

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Resolução do Conselho de Ministros Resolução do Conselho de Ministros A Resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas n.º 1325 (2000) sobre mulheres, paz e segurança, aprovada em 31 de outubro de 2000, alerta para o impacto desigual

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

HELEN CLARK. Um mundo melhor, mais justo e seguro. A candidata neozelandesa a Secretária-Geral das Nações Unidas

HELEN CLARK. Um mundo melhor, mais justo e seguro. A candidata neozelandesa a Secretária-Geral das Nações Unidas HELEN CLARK Um mundo melhor, mais justo e seguro A candidata neozelandesa a Secretária-Geral das Nações Unidas Segunda-feira, 11 de abril de 2016 Excelentíssimo Senhor: Estou honrada por ser a candidata

Leia mais

Boletim Informativo. Segurança Alimentar

Boletim Informativo. Segurança Alimentar Boletim Informativo edição nº 100 outubro 2015 Eventos # Notícias # Segurança Alimentar # Estatísticas e Opiniões Carreiras Internacionais # Apresentação de Candidaturas Prémios e Concursos # Proposta

Leia mais

Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável

Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável Das origens ao futuro 1. Nós, representantes dos povos do mundo, reunidos durante a Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável em Joanesburgo,

Leia mais

União das Freguesias de Carregado e Cadafais. Loja Social do Carregado. Regulamento Interno. Preâmbulo

União das Freguesias de Carregado e Cadafais. Loja Social do Carregado. Regulamento Interno. Preâmbulo Preâmbulo A, no enquadramento legal do artigo 241º, da Constituição da República Portuguesa, e da Lei 75/2013, de 18 de Setembro, é um espaço dinamizado por um corpo de voluntários, com o apoio e promoção

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, COM(2008)XXX COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES UE, África e

Leia mais

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a Migração no Mediterrâneo Ocidental Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Diálogo 5 + 5 Quinta Conferência Ministerial sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Conclusões da Presidência Nos dias 12 e 13 de Dezembro de 2006 teve lugar

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO Objectivo da Carta... 3 Definição e âmbito de aplicação da Carta... 3 O movimento desportivo... 4 Instalações e actividades... 4 Lançar as bases... 4 Desenvolver a participação...

Leia mais

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Apresentação ERASMUS+ - Ensino Superior O Erasmus+ é o novo programa da UE dedicado à educação, formação, juventude e desporto. O programa tem início

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 23.2.2009 COM(2009) 84 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU ESTRATÉGIA DA UE DE APOIO À REDUÇÃO DO RISCO DE CATÁSTROFES

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO A Carta Europeia do Desporto do Conselho da Europa é uma declaração de intenção aceite pelos Ministros europeus responsáveis pelo Desporto. A Carta Europeia do Desporto

Leia mais

11 Outubro Dia Internacional da Rapariga

11 Outubro Dia Internacional da Rapariga 11 Outubro Dia Internacional da Rapariga As meninas enfrentam discriminação, violência e abuso todos os dias, em todo o mundo. Esta realidade alarmante justifica o Dia Internacional das Meninas, uma nova

Leia mais