PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR PRONAF

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR PRONAF"

Transcrição

1 C. S. Tecnologia do Agronegócio 3º Semestre PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR PRONAF Acadêmicos: Bruno Farias, Clodinei Uria,Mauricio, Renan Fontoura, Milton Fábrica, Ricardo e Ruth

2 O que é o PRONAF? O Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PRONAF é um programa do Governo Federal criado em 1995, com o intuito de atender de forma diferenciada os mini e pequenos produtores rurais que desenvolvem suas atividades mediante emprego direto de sua força de trabalho e de sua família.

3 Qual o objetivo? Tem como objetivo o fortalecimento das atividades desenvolvidas pelo produtor familiar, de forma a integrá-lo à cadeia de agronegócios, proporcionando-lhe aumento de renda e agregando valor ao produto e à propriedade, mediante a modernização do sistema produtivo, valorização do produtor rural e a profissionalização dos produtores familiares.

4 Quais as vantagens do PRONAF? a) Para os produtores: I. Obtenção de financiamento de custeio e investimento com encargos e condições adequadas a realidade da agricultura familiar, de forma ágil e sem custos adicionais; II. O aumento de renda mediante melhoria de produtividade, do uso racional da terra e da propriedade; III. Melhoria das condições de vida do produtor e de sua família;

5 IV. Agilidade no atendimento; V. Para os produtores que honrarem seus compromissos, garantia de recursos para a safra seguinte, com a renovação do crédito até 5 anos, no caso de custeio das atividades. b) Para o país: I. Maior oferta de alimentos, principalmente dos que compõem a cesta básica: arroz, feijão, mandioca milho, trigo e leite; II. Estimula a permanência do agricultor no campo cm mais dignidade e qualidade de vida.

6 Quem pode obter o financiamento? Os Produtores rurais que atendam as condições abaixo e apresentem a Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP, emitida pelas instituições e órgãos oficiais autorizados. a) explorem a terra na condição de proprietário, posseiro, arrendatário, parceiro ou concessionário do Programa Nacional de Reforma Agrária; b) residam na propriedade ou em local próximo; c) possuam, no máximo 4 módulos fiscais (6 módulos fiscais, no caso de atividade pecuária); d) tenham o trabalho familiar como base da exploração do estabelecimento; e) tenham renda bruta anual, conforme apresentado no Quadro 1

7 Quadro 1 Beneficiários do PRONAF Grupos Características A Agricultores familiares assentados pelo Programa Nacional de Reforma Agrária que não foram contemplados com operação de investimento sob à égide do PROCERA ou com crédito de investimento para estruturação no âmbito do PRONAF; e beneficiados por programas de crédito fundiário do Governo Federal. A/C Agricultores familiares egressos do Grupo A, que se enquadrem nas condições do Grupo C e que se habilitem ao primeiro crédito de custeio isolado B Agricultores familiares, inclusive remanescentes de quilombos, trabalhadores rurais e indígenas que obtém renda bruta anual de até R$ 2.000,00, excluídos os proventos vinculados a benefícios previdenciários decorrentes das atividades rurais. C Agricultores familiares e trabalhadores rurais, inclusive os egressos do PROCERA e/ou Grupo A, que obtém renda bruta anual familiar acima de R$ 2.000,00 e até R$ ,00, excluídos os proventos vinculados a benefícios previdenciários decorrentes das atividades rurais.. D Agricultores familiares e trabalhadores rurais, inclusive os egressos do PROCERA e/ou Grupo A, que obtém renda bruta anual familiar acima de R$ ,00 e até R$ ,00, excluídos os proventos vinculados a benefícios previdenciários decorrentes das atividades rurais. E Agricultores sociais e trabalhadores rurais egressos do PRONAF ou ainda beneficiários daquele programa, que obtém renda bruta anual familiar de até R$ ,00, excluídos os proventos vinculados a benefícios previdenciários decorrentes de atividades rurais.

8 Quais as demais condições de financiamento do PRONAF? Quadro 2 Condições do Financiamento Grupos ENCARGOS FINANCEIR REB ATE PRA ZO PISO / TETO OS Custeio Invest. Custeio Invest. Custeio Invest. Custeio Invest. A - Até R$ ,15% ao ano - 40% s/ principal - Até 10 anos c/até 5 anos de carência B - R$ % ao ano - 25% s/saldo devedor - Até 2 anos c/ até 1 ano carênci a A/C R$ 500 a R$ % ao ano - R$ Até 2 anos - C R$ 500 a R$ R$ a R$ % ao ano 4% ao ano R$ % s/encargos + R$ 700 Até 2 anos Até 8 anos c/ até 5 anos carência D R$ R$ % ao ano 4% ao ano - 25% s/ encargos Até 2 anos Até 8 anos c/ até 5 anos carência E (**) R$ (***) R$ (***) 7,25% ao ano 7,25% ao ano Obs.: (*) 40% sobre o principal, no ato de cada amortização ou da liquidação; (**) Proger Rural Familiar; (***) o somatório do crédito de custeio com o de investimento não pode ultrapassar 60% da renda bruta anual do beneficiário; - - Até 2 anos Até 8 anos c/ até 3 anos carência

9 Os valores mencionados no quadro 2 poderão ser aumentados, nos seguintes casos: Em operações de Custeio (não cumulativos): Do Grupo C os limites dos créditos podem ser aumentados em até 50%, desde que: a) a proposta contemple novas atividades agregadoras de renda ou aumento da área explorada; b) os recursos sejam destinados: I. à bovinocultura de corte ou de leite, bubalinocultura, carcinicultura, fruticultura, olericultura e ovinocaprinocultura; II. à avicultura e suinocultura desenvolvidas fora do regime de parceria ou integração com agroindústrias; III. a agricultores em fase de transição para a produção agroecológica,mediante comprovação por empresa credenciada; IV. a sistemas agroecológicos de produção, cujo produto sejam certificados; V. ao atendimento de propostas relacionadas com projetos de interesse da esposa ou companheira ou de jovens com idade entre 16 a 25 anos, que tenham concluído ou estejam concluído o último ano em centros familiares de formação por alternância ou em escolas técnicas agrícolas de nível médio ou que tenham participado de cursos de formação. Dos Grupos A/C, C ou D os agricultores terão 30% a mais de limite/teto de crédito para a produção de arroz, feijão, mandioca, milho e trigo considerados alimentos básicos para a mesa dos brasileiros (Pronaf Alimentos)

10 Em operações de Investimento (não cumulativos): Dos Grupos C ou D os limites de créditos poderão ser elevados em até 50%, desde que o projeto técnico ou proposta de crédito contemple novas atividades agregadoras de renda ou o aumento da área explorada e os recursos sejam destinados a: a) bovinocultura de corte ou de leite, bubalinocultura, carcinicultura, fruticultura, olericultura e ovinocaprinocultura; b) avicultura e suinocultura desenvolvida fora do regime de parceria ou integração com agroindústrias; c) a agricultores em fase de transição para a produção agroecológica, mediante comprovação por empresa credenciada; d) a sistemas agroecológicos de produção, cujo produto seja certificado; e) atividades relacionadas com o turismo rural (Pronaf Turismo) f) aquisição de máquinas, tratores e implementos agrícolas, veículos utilitários, embarcações, equipamentos de irrigação e outros bens dessa natureza destinados especificamente à atividade agropecuária (Pronaf Máquinas e Equipamentos)

11 Quais as novas linhas de crédito do PRONAF? Pronaf Alimentos crédito especial para estimular a produção de cinco alimentos básicos da mesa dos brasileiros arroz, feijão, mandioca, milho e trigo. Os agricultores terão 30% a mais de crédito para a produção dessas culturas. Pronaf Mulher crédito especial de investimento relacionados com projetos específicos de interesse das esposas ou companheiras dos agricultores familiares, sempre que o projeto técnico ou a proposta contemplar atividades agregadoras de renda e/ou novas atividades exploradas pela unidade familiar, observadas as condições previstas para os Grupos C, D e E, limitado a um crédito em cada grupo, independentemente dos tetos de investimentos já concedidos a unidade familiar.

12 Pronaf Jovem crédito especial de investimento relacionados com projetos específicos de interesse de jovens, de 16 a 25 anos, que tenham concluído ou estejam cursando o último ano em centros familiares de formação por alternância ou em escolas técnicas agrícolas de nível médio ou que tenham participado de curso de formação profissional, filhos(as) dos agricultores familiares enquadrados nos Grupos C, D e E, que apresentem projeto técnico ou proposta contemplando as atividades agregadoras de renda e/.ou novas atividades exploradas pela unidade familiar, observadas as condições: juros 1% ao ano e prazo de pagamento de até 10 anos, com 5 anos de carência e teto máximo de R$ 6.000,00, limitado a um crédito em cada grupo, independentemente dos tetos de investimentos já concedidos a unidade familiar. Pronaf Semi-Árido crédito especial para os agricultores da região do semi-árido, enquadrados nos Grupos C e D, destinados à construção de pequenas obras hídricas, como cisternas, barragens para irrigação e dessalinização da água, com juros de 1% ao ano e prazo para pagamento de 10 anos, com até 3 anos de carência.

13 Pronaf Florestal Crédito especial de investimento destinados ao financiamento de projetos de silvicultura e sistemas agroflorestais e exploração extrativista sustentável, para produtores enquadrados nos Grupos C e D, observadas as condições de juros de 4% ao ano, com bônus de adimplência de 25% na taxa de juros; prazo de até 12 anos, com até 8 anos de carência; limites/tetos de R$ 4.000,00 (Grupo C) e R$ 6.000,00 (Grupo D), limitado a dois créditos por unidade familiar independentemente dos tetos de investimentos já concedidos a unidade familiar.

14 Pronaf Agroindústria Créditos de investimento para Agregação de renda à atividade rural (agroindústria), destinado a produtores enquadrados nos Grupos C, D e E, cooperativas, associações ou outras pessoas jurídicas e que comprovam, em projeto técnico, que mais de 70% da matéria prima a ser beneficiada ou industrializada seja de produção própria ou de associados participantes, observadas as condições: juros de 4% ao ano, com bônus de adimplência de 25% na taxa de juros; prazo de pagamento de até 16 anos, quando envolvidos os recursos dos Fundos Constitucionais e até 8 anos, com até 5 anos de carência, quando envolver as demais fontes de recursos; limites/tetos de R$ ,00 por beneficiário em uma ou mais operações.

15

MUDANÇAS NO PRONAF. 1. Enquadramento no Pronaf. - assentados da Reforma Agrária e beneficiários do Crédito Fundiário que

MUDANÇAS NO PRONAF. 1. Enquadramento no Pronaf. - assentados da Reforma Agrária e beneficiários do Crédito Fundiário que MUDANÇAS NO PRONAF O Banco Central publicou, em 28 de março de 2008, a Resolução No. 3.559 promovendo alterações no Capítulo 10 do MCR Manual de Crédito Rural, que trata do PRONAF Programa Nacional de

Leia mais

Antonio Trevisan, eng.agr. Secretaria de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural

Antonio Trevisan, eng.agr. Secretaria de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural Fonte: Res. 3.375, de 19/06/2006 - Pronaf Res.. 3.369 e 3.370, de 14/06/06 Bedes e R.P. Atualização MCR 477, de 16/03/2006 do Bacen Governo do Estado Antonio Trevisan, eng.agr. Secretaria de Estado da

Leia mais

PRONAF - AGRICULTURA FAMILIAR ANO AGRÍCOLA 2015/2016

PRONAF - AGRICULTURA FAMILIAR ANO AGRÍCOLA 2015/2016 PRONAF - AGRICULTURA FAMILIAR ANO AGRÍCOLA 2015/2016 Linha Risco Beneficiários (1) Finalidade Limites (R$) Juros Prazo/Carência CUSTEIO Pronaf Custeio Grupo "A/C" (2) /FCO Assentados da Reforma Agrária

Leia mais

Como acessar. Crédito Rural. Banco do Brasil. seu

Como acessar. Crédito Rural. Banco do Brasil. seu Como acessar seu Crédito Rural no Banco do Brasil Produtor Familiar Documentos necessários Produtor Familiar Documentação necessária: - Documento de Identidade e CPF; - DAP Declaração de Aptidão ao Pronaf;

Leia mais

Palma de Óleo. Pronaf Eco Dendê

Palma de Óleo. Pronaf Eco Dendê Palma de Óleo Pronaf Eco Dendê 1 A Archer Daniels Midland Company (ADM) O que fazemos: Líder no processamento e transformação de produtos agrícolas; Uma das empresas mais admiradas no ramo de produção

Leia mais

Mais Crédito para a Produção de Alimentos Saudáveis. 30 Bilhões 2017/ Bilhões 2016/ ,9 Bilhões

Mais Crédito para a Produção de Alimentos Saudáveis. 30 Bilhões 2017/ Bilhões 2016/ ,9 Bilhões Mais Crédito para a Produção de Alimentos Saudáveis 30 Bilhões 2017/2018 30 Bilhões 2016/2017 28,9 Bilhões 2015/2016 FACILIDADES DO CRÉDITO RURAL DA CRESOL OS JUROS FORAM MANTIDOS Para diminuir o custo

Leia mais

Quadro resumo do crédito do Pronaf

Quadro resumo do crédito do Pronaf Pronaf custeio Quadro resumo do crédito do Pronaf 2016-2017 Linha Finalidade/empreendimento Condições Encargos (taxa de juros) Para financiamentos destinados ao cultivo de arroz, feijão, mandioca, feijão

Leia mais

CONVERSANDO COM OS CONSULTORES

CONVERSANDO COM OS CONSULTORES CONVERSANDO COM OS CONSULTORES Pronaf Mais Alimentos: É a linha mais geral e mais usada. Não tem uma finalidade ou beneficiário específico, atende a basicamente todos os produtores rurais em diversos itens

Leia mais

Delegacia Federal de Desenvolvimento Agrário - DFDA-ES. Políticas Estruturantes da SEAD: DAP, Crédito e ATER. Eng. Agrônomo Max Ribas

Delegacia Federal de Desenvolvimento Agrário - DFDA-ES. Políticas Estruturantes da SEAD: DAP, Crédito e ATER. Eng. Agrônomo Max Ribas Delegacia Federal de Desenvolvimento Agrário - DFDA-ES Políticas Estruturantes da SEAD: DAP, Crédito e ATER Eng. Agrônomo Max Ribas Identificação e acesso à políticas públicas Dados sobre a DAP PESSOA

Leia mais

TÍTULO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SECRETARIA DA AGRICULTURA FAMILIAR. Declaração de Aptidão ao Pronaf - DAP

TÍTULO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SECRETARIA DA AGRICULTURA FAMILIAR. Declaração de Aptidão ao Pronaf - DAP TÍTULO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SECRETARIA DA AGRICULTURA FAMILIAR Declaração de Aptidão ao Pronaf - DAP Legislação Os normativos do enquadramento do agricultores familiares 1) Lei 11.326/06

Leia mais

Resolução CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL CMN (BACEN) nº de

Resolução CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL CMN (BACEN) nº de Resolução CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL CMN (BACEN) nº 3.375 de 19.06.2006 D.O.U.: 21.06.2006 Altera o Regulamento do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e outros dispositivos

Leia mais

Linhas de Financiamento Belo Horizonte, MG - 26/06/2017

Linhas de Financiamento Belo Horizonte, MG - 26/06/2017 Linhas de Financiamento Belo Horizonte, MG - 26/06/2017 :: FINANCIAMENTOS RESPONSABILIDADES Esclarecimentos e orientação às empresas associadas e seus clientes sobre linhas de financiamento disponíveis

Leia mais

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe.

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe. O Brasil Melhorou 36 milhões de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos 42 milhões de brasileiros ascenderam de classe Fonte: SAE/PR O Brasil Melhorou O salário mínimo teve um aumento real de 70% Em 2003,

Leia mais

Programa BB-Florestal. Banco do Brasil S.A. -- Superintendência Estadual de Minas Gerais

Programa BB-Florestal. Banco do Brasil S.A. -- Superintendência Estadual de Minas Gerais Programa BB-Florestal Programa BB-Florestal Momento atual produto x demanda disponibilidade de recursos naturais alta tecnologia das empresas do setor mercado consumidor diversificado questão ambiental

Leia mais

Diretoria de Agronegócios. BB e o Agronegócio

Diretoria de Agronegócios. BB e o Agronegócio Diretoria de Agronegócios BB e o Agronegócio Importância do Agronegócio no Brasil + 35% nas exportações do país 197,9 40,9% 41,1% 37,4% 55,1 58,2 60,4 20,6 23,8 24,8 41,9% 73,1 30,6 160,6 40,4% 137,5 118,3

Leia mais

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Janeiro - 2011 Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer

Leia mais

Linhas de Investimento Baixa emissão de carbono Suinocultura

Linhas de Investimento Baixa emissão de carbono Suinocultura Linhas de Investimento Baixa emissão de carbono Suinocultura Eng. Agr. Leandro Capuzzo Banco do Brasil S/A #interna Pré-requisitos para o crédito Ø Cadastro atualizado Ø Verificação de situações impeditivas

Leia mais

Linhas Especiais de Investimento

Linhas Especiais de Investimento Banco do Brasil S/A Linhas Especiais de Investimento ATNC Cascavel - PR Finalidades - Pronaf Investimento Especial - Pronamp Simples - Finame Rural PSI Banco do Brasil S/A PRONAF INVESTIMENTO ESPECIAL

Leia mais

Mais de 200 anos de história

Mais de 200 anos de história Atuação do Banco do Brasil no Agronegócio Cooperativas Agropecuárias Safra 2017/18 Perfil Corporativo Postos de Atendimento1 16.492 Fundado em 1808 1ª empresa listada em bolsa de valores no Brasil Maior

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário 2009/2010

Plano Agrícola e Pecuário 2009/2010 Plano Agrícola e Pecuário 2009/2010 EDILSON GUIMARÃES Secretário de Política Agrícola Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 26 de junho de 2009 Principais Objetivos do PAP 2009-2010 Aumentar

Leia mais

Programa de Aquisição de Alimentos - PAA

Programa de Aquisição de Alimentos - PAA Programa de Aquisição de Alimentos - PAA Concepção do Programa Antecedentes Até 2002: poucas experiências de aquisição da agricultura familiar, desenvolvidas a nível ( escolar municipal e estadual (alimentação

Leia mais

O papel da AGRICULTURA FAMILIAR no

O papel da AGRICULTURA FAMILIAR no O papel da AGRICULTURA FAMILIAR no desenvolvimento do RS e do BRASIL Oportunidades de negócios para a Região Nordeste do Estado do Rio Grande do Sul Ministro Pepe Vargas Agricultura Familiar RS Receitas

Leia mais

BANCO DO NORDESTE OVINOCAPRINOCULTURA -PRONAF

BANCO DO NORDESTE OVINOCAPRINOCULTURA -PRONAF BANCO DO NORDESTE OVINOCAPRINOCULTURA -PRONAF Fortaleza(CE)., 07 de maio de 2014 Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer a agricultura familiar, mediante o financiamento

Leia mais

PLANO-SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2017/2018

PLANO-SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2017/2018 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES RURAIS AGRICULTORES E AGRICULTORAS FAMILIARES PLANO-SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2017/2018 PAUTA DE NEGOCIAÇÃO 17 DE ABRIL DE 2017 BRASÍLIA/DF, PLANO-SAFRA DA AGRICULTURA

Leia mais

Balanço 2016 Perspectivas Empreendedores Familiares Rurais

Balanço 2016 Perspectivas Empreendedores Familiares Rurais Empreendedores Familiares Rurais 159 160 Balanço 2016 Perspectivas 2017 Perspectivas 2017 NOVAS CONDIÇÕES PARA O CRÉDITO PODEM AMPLIAR A PRODUÇÃO DOS EMPREEN- DEDORES FAMILIARES RURAIS Mudanças nos limites

Leia mais

CRÉDITO RURAL PRINCÍPIOS E APLICAÇÃO NO BRASIL

CRÉDITO RURAL PRINCÍPIOS E APLICAÇÃO NO BRASIL CRÉDITO RURAL PRINCÍPIOS E APLICAÇÃO NO BRASIL Crédito Rural Conceito Suprimento de recursos financeiros pelo SNCR, para aplicação exclusiva nas finalidades e condições do MCR (MCR 1-1) Elemento unificador

Leia mais

Banco do Brasil Desenvolvimento Sustentável. Financiamento do Desenvolvimento Regional

Banco do Brasil Desenvolvimento Sustentável. Financiamento do Desenvolvimento Regional Banco do Brasil Desenvolvimento Sustentável Financiamento do Desenvolvimento Regional Desenvolvimento Regional Sustentável - DRS Visão Participativa - Concertação BB Associações Universidades Região Empresas

Leia mais

Lei Copright 2010 Top Brands. Proibida reprodução. Todos os direitos reservados.

Lei Copright 2010 Top Brands. Proibida reprodução. Todos os direitos reservados. Lei 13.340 Vantagens para o Produtor Rural Desconto de até 95% para liquidação Renegociação/Liquidação de dívidas contratadas até 2011 Ampliação do prazo para pagamento, com carência até 2020, sendo a

Leia mais

O crédito como agente de desenvolvimento da política agrícola no Brasil

O crédito como agente de desenvolvimento da política agrícola no Brasil O crédito como agente de desenvolvimento da política agrícola no Brasil aperfeiçoamentos nos instrumentos e políticas inerentes ao setor rural redução da volatilidade da renda agrícola e pecuária, em decorrência

Leia mais

O Mercado Institucional para a agricultura Familiar

O Mercado Institucional para a agricultura Familiar O Mercado Institucional para a agricultura Familiar Porto Alegre, 14 de novembro de 2014 Lecian Gilberto Conrad Assessor Técnico SDR/IICA lecian.conrad@iica.int (51) 3218.3378 Mercado institucional conceito

Leia mais

DECRETO Nº , DE (DOE RS de )

DECRETO Nº , DE (DOE RS de ) _ DECRETO Nº 52.914, DE 18.02.2016 (DOE RS de 19.02.2016) Estabelece os limites de subsídios e a forma dos financiamentos que poderão ser efetuados pelo Fundo Estadual de Apoio ao Desenvolvimento dos Pequenos

Leia mais

Apresentar alternativas compensatórias a estas medidas.

Apresentar alternativas compensatórias a estas medidas. SUSTENTABILIDADE DOS FUNDOS CONSTITUCIONAIS DE FINANCIAMENTO: efeito das medidas excepcionais necessárias frente à manutenção do patrimônio dos Fundos Constitucionais de Financiamento. Discutir os efeitos

Leia mais

Público-Alvo Produtores rurais, pessoas físicas ou jurídicas, e suas cooperativas. Teto Até R$ 1 milhão por beneficiário, por ano-safra.

Público-Alvo Produtores rurais, pessoas físicas ou jurídicas, e suas cooperativas. Teto Até R$ 1 milhão por beneficiário, por ano-safra. Linha de Crédito Público-Alvo Produtores rurais, pessoas físicas ou jurídicas, e suas cooperativas. Teto Até R$ 1 milhão por beneficiário, por ano-safra. Limite financiável Até100% do valor dos itens objeto

Leia mais

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. PISCICULTURA CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito

Leia mais

FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NA AGRICULTURA NO RIO GRANDE DO SUL FETAG-RS PLANO SAFRA

FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NA AGRICULTURA NO RIO GRANDE DO SUL FETAG-RS PLANO SAFRA FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NA AGRICULTURA NO RIO GRANDE DO SUL FETAG-RS PLANO SAFRA 2016-17 BENEFICIÁRIOS GRUPO A Grupo A : assentados pelo PNRA ou beneficiários do Programa Nacional de Crédito Fundiário

Leia mais

ANO INTERNACIONAL DO COOPERATIVISMO Audiência pública da Comissão de Agricultura Câmara dos Deputados

ANO INTERNACIONAL DO COOPERATIVISMO Audiência pública da Comissão de Agricultura Câmara dos Deputados Ministério do Desenvolvimento Agrário - MDA ANO INTERNACIONAL DO COOPERATIVISMO Audiência pública da Comissão de Agricultura Câmara dos Deputados Cesar José de Oliveira MDA 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO COOPERATIVISMO

Leia mais

Lançamento do Plano Safra 2012/2013 Banco do Brasil

Lançamento do Plano Safra 2012/2013 Banco do Brasil Lançamento do Plano Safra 2012/2013 Banco do Brasil Plano Safra 2011/2012 Volume de crédito rural desembolsado R$ 2.965,9 bilhões CRESCIMENTO de 59,8% Plano Safra 2011/2012 Comparativo: Safras 2010/2011

Leia mais

Soluções para o Cooperativismo Expansão e competitividade para as cooperativas.

Soluções para o Cooperativismo Expansão e competitividade para as cooperativas. Soluções para o Cooperativismo Expansão e competitividade para as cooperativas. Banco dos Brasileiros BB COOPINSUMOS Crédito de custeio para aquisição de insumos agropecuários como fertilizantes, sementes,

Leia mais

Necessidades e Oportunidades de Investimentos no Agronegócio: da Pesquisa ao Consumo. Como chegar ao campo os avanços da ciência e da tecnologia

Necessidades e Oportunidades de Investimentos no Agronegócio: da Pesquisa ao Consumo. Como chegar ao campo os avanços da ciência e da tecnologia Necessidades e Oportunidades de Investimentos no Agronegócio: da Pesquisa ao Consumo Como chegar ao campo os avanços da ciência e da tecnologia Como transmitir o conhecimento às Assistência Técnica: pessoas

Leia mais

ENTENDA UM POUCO. Os agentes financeiros aptos a aplicar o Recurso no MS, são:

ENTENDA UM POUCO. Os agentes financeiros aptos a aplicar o Recurso no MS, são: ENTENDA UM POUCO Com objetivo de contribuir para o desenvolvimento econômico e social do MS o FCO é um recurso que beneficia as empresas e os produtores rurais que desejam iniciar, ampliar, modernizar

Leia mais

Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AGRIS. Ass.: Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PRONAF Investimento

Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AGRIS. Ass.: Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PRONAF Investimento CIRCULAR SUP/AGRIS Nº 19/2016-BNDES Rio de Janeiro, 07 de junho de 2016 Ref.: BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PRONAF Investimento O Superintendente da

Leia mais

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. FINAME (Agência Especial de Financiamento Industrial) BNDESPAR (BNDES Participações)

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. FINAME (Agência Especial de Financiamento Industrial) BNDESPAR (BNDES Participações) Mercado Financeiro Os segmentos do Mercado Financeiro e seus Principais Produtos: Fontes de Financiamento de Longo Prazo Módulo: Mercado Financeiro 1 Mercado Financeiro Fontes de Longo Prazo O Banco Nacional

Leia mais

PLANO SAFRA AMAZÔNIA

PLANO SAFRA AMAZÔNIA Ministério do Desenvolvimento Agrário Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária Incra PLANO SAFRA AMAZÔNIA Janeiro 2014 AMAZÔNIA LEGAL 771 MUNICÍPIOS 9 ESTADOS 61% DO TERRITÓRIO BRASILEIRO 5.217.423

Leia mais

Gerência de Assessoramento Técnico ao Agronegócio Gerag SP

Gerência de Assessoramento Técnico ao Agronegócio Gerag SP Gerência de Assessoramento Técnico ao Agronegócio Gerag SP Diretoria de Agronegócios Gerag São Paulo Safra 2012/2013 Programa ABC Agricultura de Baixo Carbono ABC - Mitigar a Emissões de GEE pela Agropecuária

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item Crédito Rural

Conhecimentos Bancários. Item Crédito Rural Conhecimentos Bancários Item 2.2.7- Crédito Rural Conhecimentos Bancários Item 2.2.7- Crédito Rural Sistema Nacional de Crédito Rural (SNCR) Normas BACEN Conhecimentos Bancários Item 2.2.7- Crédito Rural

Leia mais

RESOLUÇÃO N RESOLVEU:

RESOLUÇÃO N RESOLVEU: RESOLUÇÃO N 3.475 Dispõe sobre redução de encargos financeiros aplicáveis aos financiamentos com recursos controlados do crédito rural e às operações do Programa de Geração de Emprego e Renda Rural (Proger

Leia mais

REGULARIZAÇÃO DE DÍVIDAS RURAIS

REGULARIZAÇÃO DE DÍVIDAS RURAIS SUPERINTENDÊNCIA ESTADUAL DA PARAÍBA CONDIÇÕES PARA REGULARIZAÇÃO DE DÍVIDAS RURAIS Maio/2013 Lei 12.249 Art. 70-A Beneficiários: Agricultores Familiares Empreendimentos localizados em municípios da estiagem;

Leia mais

FINANCIAMENTOS AGRÍCOLAS PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR (PRONAF)

FINANCIAMENTOS AGRÍCOLAS PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR (PRONAF) FINANCIAMENTOS AGRÍCOLAS PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR (PRONAF) Edinele Pissoli Prof. Emerson Ricardo Cesa Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Curso Ciências

Leia mais

Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP

Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP É o instrumento que identifica os agricultores familiares e/ou suas formas associativas organizadas em pessoas jurídicas, aptos a realizarem operações de crédito rural

Leia mais

RESUMO DE PROPOSTAS AO PLANO AGRÍCOLA E PECUÁRIO 2017/2018

RESUMO DE PROPOSTAS AO PLANO AGRÍCOLA E PECUÁRIO 2017/2018 RESUMO 1 RESUMO DE PROPOSTAS AO PLANO AGRÍCOLA E PECUÁRIO 2017/2018 1 - Que sejam disponibilizados recursos da ordem de R$ 205 bilhões de reais para o Plano Agrícola e Pecuário 2017/2018; 2 - Seja mantida

Leia mais

Ass.: Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PRONAF Investimento

Ass.: Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PRONAF Investimento CIRCULAR SUP/AGRIS Nº 19/2016-BNDES Rio de Janeiro, 07 de junho de 2016 Ref.: BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PRONAF Investimento O Superintendente da

Leia mais

Dívidas dos pequenos agricultores junto ao Banco do Nordeste do Brasil S.A. Audiência Pública 13/3/2012

Dívidas dos pequenos agricultores junto ao Banco do Nordeste do Brasil S.A. Audiência Pública 13/3/2012 1 Dívidas dos pequenos agricultores junto ao Banco do Nordeste do Brasil S.A. Audiência Pública 13/3/2012 1 2 2003 - Lei 10.696 (MP 114, de 31/3/2003), de 02/07/2003 Repactuação e alongamento de dívidas

Leia mais

Análise Técnico-econômica

Análise Técnico-econômica Análise Técnico-econômica Plano Safra 2017-2020 Gilson Martins 1 ; Maiko Zanella 2 ; Flavio Enir Turra 3 ; Medidas anunciadas para o Plano Safra 2017/2020 Agricultura Familiar 1. Resumo Curitiba, 31 de

Leia mais

Principais Objetivos PAP 2011/2012

Principais Objetivos PAP 2011/2012 Cenário Cenário Cenário Baixos estoques mundiais de alimentos Tendência de elevação gradual da Selic Relativa estabilidade da taxa de câmbio Preços agrícolas em níveis historicamente elevados Crescente

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL Conceito: É uma estratégia do Banco do Nordeste para contribuir com o desenvolvimento local e territorial por meio da organização, fortalecimento e elevação da competitividade

Leia mais

F N O - PROGRAMAS DE FINANCIAMENTO

F N O - PROGRAMAS DE FINANCIAMENTO F N O - PROGRAMAS DE FINANCIAMENTO NO SETOR RURAL Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PRONAF Programa de Financiamento às Atividades Agropecuárias Programa a de Financiamento a

Leia mais

Ass.: Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PRONAF Investimento

Ass.: Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PRONAF Investimento CIRCULAR SUP/AGRIS Nº 16/2015-BNDES Rio de Janeiro, 01 de julho de 2015 Ref.: BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PRONAF Investimento O Superintendente da

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO CRÉDITO RURAL EM MINAS GERAIS

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO CRÉDITO RURAL EM MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO CRÉDITO RURAL EM MINAS GERAIS Maio/2014 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO RURAL DISPONIBILIZADO - BRASIL (R$ BILHÕES)

Leia mais

Os mercados institucionais: mecanismos e modalidades de compras públicas

Os mercados institucionais: mecanismos e modalidades de compras públicas Os mercados institucionais: mecanismos e modalidades de compras públicas Lecian Gilberto Conrad Especialista em cooperativismo e Consultor em Políticas Públicas para a Agricultura Familiar. leciangilberto@yahoo.com.br

Leia mais

Fundo de Desenvolvimento do Nordeste FDNE. Martinho Leite de Almeida. Coordenação de Fundos/Sudene

Fundo de Desenvolvimento do Nordeste FDNE. Martinho Leite de Almeida. Coordenação de Fundos/Sudene Fundo de Desenvolvimento do Nordeste FDNE Martinho Leite de Almeida Coordenação de Fundos/Sudene Fundo de Desenvolvimento do Nordeste - FDNE 1 Finalidade: Assegurar recursos para a realização de investimentos

Leia mais

O fazer de nossas mãos pelo fortalecimento sindical.

O fazer de nossas mãos pelo fortalecimento sindical. O fazer de nossas mãos pelo fortalecimento sindical. CONTRIBUIÇÃO SINDICAL O que é? É um tributo previsto na Constituição Federal (CF) e Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), cujo recolhimento é obrigatório.

Leia mais

As fotos mostram beneficiários dos programas sociais do Fome Zero.

As fotos mostram beneficiários dos programas sociais do Fome Zero. As fotos mostram beneficiários dos programas sociais do Fome Zero. O Programa de Aquisição de Alimentos PAA, instituído pelo artigo 19 da Lei nº 10.696 de 2 de julho de 2003 e regulamentado pelo Decreto

Leia mais

c) o valor do crédito de custeio concedido na forma deste item é independente do limite estabelecido no item 5 por tomador." (NR)

c) o valor do crédito de custeio concedido na forma deste item é independente do limite estabelecido no item 5 por tomador. (NR) RESOLUCAO 3.986 Altera condições para contratação de operações de custeio, comercialização, Empréstimo do Governo Federal (EGF), Linha Especial de Crédito (LEC), e dos Programas do BNDES, Moderagro, Prodecoop

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.483, DE 3 DE MAIO DE 2016

RESOLUÇÃO Nº 4.483, DE 3 DE MAIO DE 2016 RESOLUÇÃO Nº 4483, DE 3 DE MAIO DE 2016 Ajusta as normas a serem aplicadas às operações contratadas no âmbito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) a partir de 1º de julho

Leia mais

Apresentação. Hanns R. Neumann Stiftung do Brasil

Apresentação. Hanns R. Neumann Stiftung do Brasil 1 Apresentação Hanns R. Neumann Stiftung do Brasil www.hrnstiftung.org Rua Eduardo Gomes Teixeira Coelho, 148, Bairro Vila Murad Lavras - MG, Brasil CEP 37.200-000 Tel. (035) 3821-7869 www.coffeeandclimate.org

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 15-CNA Brasília, 09 de maio de 2006.

NOTA TÉCNICA Nº 15-CNA Brasília, 09 de maio de 2006. NOTA TÉCNICA Nº 15-CNA Brasília, 09 de maio de 2006. Autor: Anaximandro Doudement Almeida Assessor Técnico Promotor: Comissão Nacional de Assuntos Fundiários Assunto: Índice de inadimplência dos créditos

Leia mais

agricultura Crédito que fortalece as raízes do campo.

agricultura Crédito que fortalece as raízes do campo. agricultura PRONAF BRB familiar Crédito que fortalece as raízes do campo. O Banco de brasília e O PRONAF O Pronaf Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar foi criado pelo Governo Federal

Leia mais

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer a agricultura familiar, mediante o financiamento da infra-estrutura de produção

Leia mais

PROGRAMA LEITE GAÚCHO MANUAL OPERATIVO

PROGRAMA LEITE GAÚCHO MANUAL OPERATIVO PROGRAMA LEITE GAÚCHO MANUAL OPERATIVO PORTO ALEGRE, NOVEMBRO DE 2011 GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL TARSO GENRO SECRETÁRIO DE DESENVOLVIMENTO RURAL, PESCA E COOPERATIVISMO IVAR PAVAN DIRETOR

Leia mais

O Desenvolvimento da Agricultura e Política Rural

O Desenvolvimento da Agricultura e Política Rural 7º Seminário Estadual de Agricultura O Desenvolvimento da Agricultura e Política Rural Deputado Estadual José Milton Scheffer Vice-Presidente da Comissão de Agricultura e Política Rural da ALESC Território

Leia mais

PRONAF : uma discussão...

PRONAF : uma discussão... PRONAF : uma discussão...... entre... Representação da agroindustria, agronegócio, setor patronal e dos grandes proprietários fundários Defesa de uma linha de continuidade para a modernização conservadora

Leia mais

Plano Safra da Agricultura Familiar 2014-2015

Plano Safra da Agricultura Familiar 2014-2015 Plano Safra da Agricultura Familiar 2014-2015 Histórico de contratação de financiamentos, no âmbito do PRONAF, para apicultura. Ano Agrícola Contratos Valor 2002/2003 152 811.931 2003/2004 1.088 4.758.640

Leia mais

AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL

AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL Critérios para a Classificação dos Condados Norte-Americanos segundo o Rural-Urban Continuum Code Condados Metropolitanos 0 1 2 3 Condados centrais de áreas metropolitanas

Leia mais

Programa Nacional de Crédito Fundiário

Programa Nacional de Crédito Fundiário Programa Nacional de Crédito Fundiário PRINCÍPIOS GERAIS E MODELO DE GESTÃO Participação Descentralização Transparência Projeto complementar à RA: financia aquisição de imóveis não desapropriáveis (< 15

Leia mais

Novidades no Plano Safra da Agricultura Familiar

Novidades no Plano Safra da Agricultura Familiar Novidades no Plano Safra da Agricultura Familiar Valter Bianchini 1 O Plano Safra 2011/2012 que será lançado no dia 12 de julho em Francisco Beltrão, no Paraná, mantem o volume de crédito de R$ 16 bilhões

Leia mais

Banco do Brasil e o Agronegócio. Fevereiro 2012

Banco do Brasil e o Agronegócio. Fevereiro 2012 Banco do Brasil e o Agronegócio Fevereiro 2012 Banco do Brasil e o Agronegócio 61,6% do Crédito Rural/Agroindustrial no País (SNCR 31.09.2011); 77% dos valores aplicados no Pronaf (SNCR); 1,4 milhões de

Leia mais

BNDES - Apoio às MPMEs

BNDES - Apoio às MPMEs BNDES - Apoio às MPMEs ABIGRAF - SP 14 de maio de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal fonte de crédito de longo prazo; Apoio

Leia mais

Ass.: Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PRONAF Investimento

Ass.: Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PRONAF Investimento CIRCULAR SUP/AGRIS Nº 08/2014-BNDES Rio de Janeiro, 11 de março de 2014 Ref.: BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PRONAF Investimento O Superintendente da

Leia mais

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos Linhas de crédito para o setor florestal Homero José Rochelle Engº Agrônomo ESALQ 1979 Plano de Safra 2014/2015 MAPA - Ministério

Leia mais

Razões para o surgimento do AgroAMIGO

Razões para o surgimento do AgroAMIGO Razões para o surgimento do AgroAMIGO Alta concentração em atividade agropecuária Baixo nível de orientação e acompanhamento ao crédito Reembolso do crédito em apenas 1 parcela Baixa aplicação em atividades

Leia mais

Linhas Agrícolas Agosto 2013

Linhas Agrícolas Agosto 2013 Linhas Agrícolas Agosto 2013 MERCADO DE CRÉDITO DÍVIDA PRIVADA Dividido em 3 Principais Classes de Ativo: Crédito Geral: Linha de KG, Conta Garantida, Finame, PSI; CCB, Debênture; Crédito Imobiliário:

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO CRÉDITO RURAL EM MINAS GERAIS

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO CRÉDITO RURAL EM MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO CRÉDITO RURAL EM DEZEMBRO/2013 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO RURAL DISPONIBILIZADO - BRASIL (R$ BILHÕES) 157* 32,6

Leia mais

Serviços Técnicos e Gestão Ambiental no Agronegócio Diretoria de Agronegócios

Serviços Técnicos e Gestão Ambiental no Agronegócio Diretoria de Agronegócios 47º Café com Sustentabilidade - Febraban Pecuária Sustentável: Agentes financeiros como indutores de boas práticas Modelos de financiamento e investimento: incentivos à adoção de boas práticas socioambientais

Leia mais

DEMPI Micro, pequena e média

DEMPI Micro, pequena e média LINHAS DE FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO ACESSO AO CRÉDITO MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS FIESP - 15/8/14 COMPESCA LINHAS DE FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO AGÊNCIAS DE FOMENTO As agências de fomento são

Leia mais

Rede de Pesquisa, Inovação, Tecnologia, Serviços e Desenvolvimento Sustentável. em Microbacias Hidrográficas

Rede de Pesquisa, Inovação, Tecnologia, Serviços e Desenvolvimento Sustentável. em Microbacias Hidrográficas PROGRAMA RIO RURAL Núcleo de Pesquisa Participativa Pesagro-Rio / Rio Rural Rede de Pesquisa, Inovação, Tecnologia, Serviços e Desenvolvimento Sustentável em Microbacias Hidrográficas Facilitar a integração

Leia mais

Ass.: Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PRONAF Investimento

Ass.: Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PRONAF Investimento CIRCULAR SEAGRI N 19/2011 Rio de Janeiro, 02 de setembro de 2011. Ref.: BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PRONAF Investimento O Chefe da Secretaria de Gestão

Leia mais

Lista de Siglas e Abreviaturas

Lista de Siglas e Abreviaturas Lista de Siglas e Abreviaturas - ADENE - Agência de Desenvolvimento do Nordeste - APA - Área de Proteção Ambiental - ASA - Projetos de Articulação do Semi-Árido - BDMG - Banco de Desenvolvimento de Minas

Leia mais

Banco do Nordeste do Brasil S.A.

Banco do Nordeste do Brasil S.A. Banco do Nordeste do Brasil S.A. POLÍTICAS DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL PARA O NORDESTE Novembro 2003 Banco do Nordeste do Brasil S.A. Instituição financeira pública, de caráter regional, criado pela Lei

Leia mais

Crédito Agro Principais Linhas de Crédito. Fortaleza (CE), maio de 2014

Crédito Agro Principais Linhas de Crédito. Fortaleza (CE), maio de 2014 Crédito Agro Principais Linhas de Crédito Fortaleza (CE), maio de 2014 Agricultura Familiar Principais Linhas de Crédito Pronaf Custeio - Beneficiários: Agricultores familiares, exceto dos grupos A e B;

Leia mais

A MANDIOCA NA AGRICULTURA FAMILIAR

A MANDIOCA NA AGRICULTURA FAMILIAR A MANDIOCA NA AGRICULTURA FAMILIAR 13º CONGRESSO BRASILEIRO DE MANDIOCA Kelma Christina M. S. Cruz Botucatu/SP, 15 de julho de 2009 SISAN Alimentação Escolar PAA Política de Abastecimento Sociobio diversidade

Leia mais

Agronego cio ALTERNATIVAS PARA MANTER E AMPLIAR A COMPETITIVIDADE DO AGRONEGÓCIO GAÚCHO

Agronego cio ALTERNATIVAS PARA MANTER E AMPLIAR A COMPETITIVIDADE DO AGRONEGÓCIO GAÚCHO Agronegócio Agronego cio É incontestável o impacto do Agronegócio no desempenho da economia do Estado. Isto é, seu comportamento influencia sensivelmente os resultados dos indicadores econômicos do Rio

Leia mais

AGRONEGÓCIO NO BRASIL O CAMPO E A GERAÇÃO DE RIQUEZA MODELOS DE FINANCIAMENTO E NOVAS FONTES RENATO BURANELLO

AGRONEGÓCIO NO BRASIL O CAMPO E A GERAÇÃO DE RIQUEZA MODELOS DE FINANCIAMENTO E NOVAS FONTES RENATO BURANELLO AGRONEGÓCIO NO BRASIL O CAMPO E A GERAÇÃO DE RIQUEZA MODELOS DE FINANCIAMENTO E NOVAS FONTES RENATO BURANELLO RENATO BURANELLO Doutor e Mestre em Direito Comercial pela Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

CAPÍTULO 3 - AGROPECUÁRIA E AGRONEGÓCIO PROFESSOR LEONAM JUNIOR COLÉGIO ARI DE SÁ 7º ANO

CAPÍTULO 3 - AGROPECUÁRIA E AGRONEGÓCIO PROFESSOR LEONAM JUNIOR COLÉGIO ARI DE SÁ 7º ANO CAPÍTULO 3 - AGROPECUÁRIA E AGRONEGÓCIO PROFESSOR LEONAM JUNIOR COLÉGIO ARI DE SÁ 7º ANO QUEM SÃO OS TRABALHADORES BRASILEIROS E ONDE DESENVOLVEM SUAS ATIVIDADES ECONÔMICAS P. 37 PEA do Brasil: 100 milhões

Leia mais

Considerações Sobre a Evolução e Perspectivas do Pronaf

Considerações Sobre a Evolução e Perspectivas do Pronaf 57-965 Considerações Sobre a Evolução e Perspectivas do Pronaf 57 Circular Técnica Corumbá, MS Agosto, 2005 Autores Frederico Olivieri Lisita Pesquisador, MSc. em Administração Rural e Desenvolvimento

Leia mais

SÃO PAULO ORGÂNICO. Fotos: Akamiyama

SÃO PAULO ORGÂNICO. Fotos: Akamiyama SÃO PAULO ORGÂNICO Fotos: Akamiyama SÃO PAULO ORGÂNICO Ação de Governo realizada através da SMA e SAA, em parceria com instituições do setor orgânico. OBJETIVOS Políticas públicas e soluções para fomentar

Leia mais

Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: I - construir uma sociedade livre, justa e solidária

Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: I - construir uma sociedade livre, justa e solidária Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: I - construir uma sociedade livre, justa e solidária Constituição do Brasil O que é SCJS Uma Estrategia De Reconhecimento e

Leia mais

Semana SEBRAE do Agronegócio - 2010 Agricultura Familiar - Acesso a Serviços Financeiros Desafios e Perspectivas

Semana SEBRAE do Agronegócio - 2010 Agricultura Familiar - Acesso a Serviços Financeiros Desafios e Perspectivas Semana SEBRAE do Agronegócio - 2010 Agricultura Familiar - Acesso a Serviços Financeiros Desafios e Perspectivas Brasília 2010 Adoniram Sanches Percaci SAF/MDA ÌNDICE I. Responsabilidades da Agricultura;

Leia mais

Rurais no Brasil ( )

Rurais no Brasil ( ) Contextualização das Políticas Públicas Rurais no Brasil (2003-2016) Karina Kato (OPPA/CPDA) Chapecó, 12 de setembro de 2016. Panorama Geral das Políticas Públicas para o Desenvolvimento Rural (2003-2016)

Leia mais

Ciências Humanas e suas Tecnologias - Geografia 1ª Série Ensino Médio A Estrutura Agrária do Brasil

Ciências Humanas e suas Tecnologias - Geografia 1ª Série Ensino Médio A Estrutura Agrária do Brasil Ciências Humanas e suas Tecnologias - Geografia 1ª Série Ensino Médio A Estrutura Agrária do Brasil AGRICULTURA Conceito: técnica de plantio e uso do solo. Objetivos: alimentação, matéria-prima;. FATORES

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 047/2017 DE 02 DE JUNHO DE 2017.

PROJETO DE LEI Nº 047/2017 DE 02 DE JUNHO DE 2017. PROJETO DE LEI Nº 047/2017 DE 02 DE JUNHO DE 2017. INSTITUI A PATRULHA AGRÍCOLA MUNICIPAL, VINCULADA A SECRETARIA DA AGRICULTURA E MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE ARROIO DO TIGRE, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais