Dimensões do produto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dimensões do produto"

Transcrição

1

2 Quatro dimensões semióticas: Material: dimensão hílica Sintaxe: dimensão técnica ou construtiva Semântica: dimensão da forma Pragmática: dimensão do uso

3 Dimensão Material: Ou dimensão hílica: É a dimensão física, corpórea do objeto.

4 Dimensão Sintática: Abrange a estrutura do produto e o seu funcionamento técnico. A estrutura consiste das partes e do modo como elas estão conectadas umas às outras.

5 Dimensão Sintática: A sintaxe de um produto pode ser ilustrada por desenhos técnicos e modelos. A dimensão sintática inclui tanto a análise da construção técnica do produto quanto à análise de detalhes visuais como juntas, aberturas, orifícios, superposições, texturas desenhos e cores.

6 Dimensão Sintática: Esses detalhes também podem ser descritos como aspectos da composição formal, como simplicidade e complexidade da forma como um todo, simetria e equilíbrio, dinamismo e ritmo. Podem ser consideradas de qualidades matemáticas da forma.

7 Dimensão Sintática: Há distinção entre qualidades aritméticas, geométricas e topológicas e da forma. Ritmo, por exemplo, é uma qualidade aritmética e uma ferramenta eficaz e útil para a composição visual.

8 Dimensão Sintática: Requer a repetição de um detalhe visual na forma. Ele pode ser regular ou fragmentado, suave ou marcado.

9 Dimensão Sintática: Um detalhe não pode influir só em um outro componente formal. Sua ação se exerce também sobre a forma total. Do mesmo modo, uma cor afeta outra cor em uma composição. A cor afeta também a impressão visual de tamanho e o dinamismo da forma, além de outros de seus aspectos.

10 Dimensão Sintática: A relação entre a construção técnica do produto e o seu ambiente pode ser identificada. Um produto pode se destacar de seu entorno ou pode se incorporar a ele. A relação pode ser neutra ou dominante, tanto pelo produto quanto pelo ambiente em que o produto possa se fundir.

11 Dimensão Sintática: Dimensões do produto

12 Dimensão Sintática: Uma forma do produto pode ser coerente, divergente, ou ambígua. Muitos equipamentos domésticos, por exemplo, foram projetados para serem neutros e desaparecerem no ambiente da cozinha.

13 Dimensão Sintática: A dimensão sintática pode estar escondida em uma caixa ou colocada sob uma cobertura. Então ela é mediatizada ao observador só por meio de uma foto.

14 Dimensão Sintática: Uma sintaxe oculta pode ser ilustrada em uma perspectiva explodida, mesmo assim uma pessoa não pode ver todos os aspectos sintáticos: por exemplo, os movimentos realizados durante a interação do produto com o usuário.

15 Dimensão Pragmática: É analisada sob um outro ponto de vista de seu uso por exemplo, de um ponto de vista ergonômico ou sociológico (quem usa o produto, em que tipo de situação o produto é usado).

16 Dimensão Pragmática: Em um sentido amplo, a dimensão pragmática inclui todo um ciclo de vida, desde a sala de projeto do designer à lixeira.

17 Dimensão Pragmática: Diferentes tipos de usos de produtos podem ser analisados. O uso deles inclui a aplicação prática, social e estética do produto.

18 Dimensão Pragmática: Uma análise, por exemplo, de facas domésticas, como as de pão, de carne ou a de manteiga, não tem sentido sem se conhecer as suas pragmáticas.

19 Dimensão Pragmática: Do mesmo modo, a faca de um açougueiro ou a de um pescador teriam descrições estranhas se elas não forem consideradas em seu contexto de uso, que revelaria o maior propósito das facas.

20 Dimensão Pragmática: Ex: a cortiça do cabo da faca do pescador. A escolha do material do cabo é determinada pelas condições de uso, e não simplesmente devido a requisitos de empunhadura para corte.

21 Dimensão Pragmática: Aqui, uso é entendido como a utilização prática de um produto, compreendendo toda a existência do mesmo, de seu planejamento a destruição, reuso ou reciclagem.

22 Dimensão Pragmática: Inclui o conhecimento sobre os seus usuários e sobre o seu impacto ambiental e, também, sobre negócios e produção.

23 Dimensão Pragmática: Um produto pode ter muitas funções e propósitos. Esta multiplicidade não impede que alguém defina a principal função para a qual um Objeto foi projetado.

24 Dimensão Pragmática: Entretanto, ao estabelecer a relação de um produto com a função primordial para a qual foi projetado, uma pessoa não está impedida de apontar outros usos para um mesmo produto.

25 Dimensão Pragmática: Quando todo o ciclo de vida do produto está incluído na sua dimensão pragmática, ela compreende o conhecimento sobre o designer, o fabricante, o marketing, as vendas, os compradores, o consumo, a legislação, a história.

26 Dimensão Pragmática: Um produto, como o telefone, pode não ser definido só por aspectos técnicos ou mesmo ergonômicos, nem por suas funções práticas ou ambientais, mas por uma evocação que ele provoque, como um personagem de história em quadrinhos ou uma garrafa de refrigerante.

27 Dimensão Pragmática: Parece claro, assim, que a dimensão pragmática, com o apoio das dimensões material e sintática, não será suficiente para a descrição e explicação de um produto.

28 Dimensão Semântica: As qualidades expressiva e representacional de um produto são aspectos centrais da dimensão semântica. Ela agrega aspectos de referência à dimensão sintática e à material, seus decritores.

29 Dimensão Semântica: O que o produto representa? Como o objetivo do produto é expresso ou representado? A que ambiente o produto parece pertencer?

30 Dimensão Semântica: Uma cadeira, por exemplo, apresenta o seu objetivo de uso e, ao mesmo tempo, propicia um modo de sentar. As questões na dimensão semântica são: Como a cadeira propicia o sentar? Como ela apresenta a possibilidade de sentar? O que mais ela expressa?

31

32 Dimensão Semântica: São diferentes as qualidades representacionais de uma cadeira de jardim, de uma cadeira de escritório, de uma cadeira de mesa de jantar. Os motivos não são só pragmáticos e materiais, mas também uma questão de representação.

33 Dimensão Semântica: A semântica do produto está sujeita a mudanças se o material dele muda. Por exemplo, um bule pode ser de porcelana ou de aço inoxidável.

34 Dimensão Semântica: A função prática é a mesma em ambos os casos, mas a qualidade dos bules não é a mesma, pois os dois bules são feitos de materiais diferentes e têm modos também diferentes de expressar as respectivas qualidade de bule. Portanto, são descritos de modos distintos.

35 OBRIGADO!

Revisão de Semiótica

Revisão de Semiótica Revisão de Semiótica O que é semiótica? É a ciência dos signos e dos processos significativos (semiose) na natureza e na cultura. Winfried Nöth É a teoria geral dos signos (algo que representa alguma coisa

Leia mais

RESPOSTA ESPERADA Prova de Habilidade Específica Arquitetura e Urbanismo

RESPOSTA ESPERADA Prova de Habilidade Específica Arquitetura e Urbanismo Processo Seletivo UEG 2014/1 Sistema de Avaliação Seriado SAS/UEG 2011/3 Domingo, 20 de outubro de 2013. RESPOSTA ESPERADA Prova de Habilidade Específica Arquitetura e Urbanismo CADERNO I - Desenho à Mão

Leia mais

DISCIPLINA CRÉD CH PRÉ-REQUISITO 1ª FASE Desenho Geométrico

DISCIPLINA CRÉD CH PRÉ-REQUISITO 1ª FASE Desenho Geométrico CURSO DE BACHARELADO EM DESIGN HABILITAÇÃO EM DESIGN GRÁFICO AUTORIZAÇÃO: Resolução nº 75/2000 CONSUNI RECONHECIMENTO: Decreto Estadual nº 5495/2002 renovado pelo Decreto Estadual nº 2285/2014 PERÍODO

Leia mais

Algoritmos e Programação. Ederson Luiz da Silva Ciência da Computação

Algoritmos e Programação. Ederson Luiz da Silva Ciência da Computação Algoritmos e Programação Ederson Luiz da Silva Ciência da Computação Conteúdo ALGORITMOS Conceitos e características; Formas de representação; Diretrizes para criação de algoritmos; Fluxogramas; Pseudocódigo

Leia mais

Sistemas de leitura visual

Sistemas de leitura visual Sistemas de leitura visual Sistemas de leitura visual Vários e com enfoques distintos Pode-se analisar imagens através da semiótica, sintaxe, literatura, filosofia, estrutura, relações, formas, etc Leitura

Leia mais

BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes.

BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes. 1 BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes. BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA (1) Período Clássico; (2) Período Medieval; (3) Racionalismo; (4) Empirismo Britânico; (5)

Leia mais

RESPOSTA ESPERADA Prova de Habilidade Específica

RESPOSTA ESPERADA Prova de Habilidade Específica Processo Seletivo UEG 2015/2 Domingo, 17 de maio de 2015. RESPOSTA ESPERADA Prova de Habilidade Específica Arquitetura e Urbanismo CADERNO I - Desenho à Mão Livre PS/UEG 2015/2 Prova de Habilidade Específica

Leia mais

METODOLOGIA DE PROJETO

METODOLOGIA DE PROJETO METODOLOGIA DE PROJETO DE INTERIORES AULA 10: PLANEJAMENTO E PRINCÍPIOS DO DESIGN Disciplina do Curso Superior em Design de Interiores da UNAES/Anhanguera Educacional Arq. Urb. Octavio F. Loureiro Data:

Leia mais

GESTÃO DE CONTEÚDOS 2017/2018

GESTÃO DE CONTEÚDOS 2017/2018 GESTÃO DE CONTEÚDOS 2017/2018 Ensino Básico 1.º Ciclo EXPRESSÕES ARTÍSTICAS 3.º ANO Domínios Subdomínios Conteúdos programáticos Nº Tempos previstos (Horas) Modelagem e escultura. Construções. - Estimular

Leia mais

ESBOÇOS RÁPIDOS - AQUECIMENTO min

ESBOÇOS RÁPIDOS - AQUECIMENTO min FORMAS ARTIFICIAIS SINOPSE: Desenho à vista de um objecto do quotidiano. Exercício a realizar em várias fases: 1º. Em A4,vários esboços segundo diversos pontos de vista captando a morfologia global do

Leia mais

Requisitos de sistemas

Requisitos de sistemas Requisitos de sistemas Unidade III - Casos de Uso Identificação de casos de uso Conceitos de orientação a objetos Modelagem do diagrama de classes e casos de uso 1 Casos de uso CONCEITO Especifica o comportamento

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DESIGN

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DESIGN MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DESIGN (Vigência a partir do segundo semestre de 2007) Fase Cód. Disciplinas Pré- Requisito Créditos Carga Horária 01 Integração ao Ensino Superior 1 18 02 Oficinas de Integração

Leia mais

Programação I Apresentação

Programação I Apresentação Programação I Apresentação Prof. Carlos Alberto carlos.batista@facape.br carlos36_batista@yahoo.com.br Referências JUNIOR, D. P.; NAKAMITI, G. S.; ENGELBRECHT, A. de M. E.; BIANCHI, F. Algoritmos e Programação

Leia mais

-Percepção: função cerebral que atribui significado a estímulos sensoriais;

-Percepção: função cerebral que atribui significado a estímulos sensoriais; Design e Percepção -Percepção: função cerebral que atribui significado a estímulos sensoriais; -É a aquisição, interpretação, seleção e organização das informações obtidas pelos sentidos; -O Design trabalha

Leia mais

Semiótica. O que é semiótica? Semiótica X Semiologia. Para quem ainda discute. Gerações da semiótica

Semiótica. O que é semiótica? Semiótica X Semiologia. Para quem ainda discute. Gerações da semiótica Design & Percepção 3 Lígia Fascioni Semiótica Para entender a cultura contemporânea, você tem que entender semiótica Paul Cobley Semiótica para Principiantes, 2004 O que é semiótica? Semiótica X Semiologia

Leia mais

1ª Série. 6DGN130 NARRATIVAS GRÁFICAS Desenvolvimento de narrativas gráficas: história em quadrinhos e storyboard.

1ª Série. 6DGN130 NARRATIVAS GRÁFICAS Desenvolvimento de narrativas gráficas: história em quadrinhos e storyboard. 1ª Série 6ART051 DESENHO DE OBSERVAÇÃO E EXPRESSÃO Estudo perceptivo do objeto tridimensional, sua estrutura, relações e proporções na representação bidimensional. Leis da perspectiva e as leis que a regem.

Leia mais

DECORAÇÃO DE INTERIORES

DECORAÇÃO DE INTERIORES 5 DICAS PRÁTICAS COMO SE ESPECIALIZAR EM DECORAÇÃO DE INTERIORES E FATURAR MAIS! Projeto da aluna Ana Chiste O QUE É O projeto #VivendoDeCoração veio com a força e a inspiração que só quem vive de coração

Leia mais

Critérios Específicos de Avaliação. PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (7.º Ano) 2016/2017

Critérios Específicos de Avaliação. PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (7.º Ano) 2016/2017 Critérios Específicos de Avaliação PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (7.º Ano) 2016/2017 Domínio de Avaliação Saber e Saber Fazer Instrumentos de Avaliação. Atividades de planeamento de produções orais: grelhas

Leia mais

Lista de Produtos EXPORTHOME 2009 APLIQUES ARTIGOS DE DECORAÇÃO CAMAS CANDEEIROS DE MESA CANDEEIROS DE PÉ. pág. 1 de 6 mod. 093a.

Lista de Produtos EXPORTHOME 2009 APLIQUES ARTIGOS DE DECORAÇÃO CAMAS CANDEEIROS DE MESA CANDEEIROS DE PÉ. pág. 1 de 6 mod. 093a. APLIQUES 10001 ABAT-JOURS 10494 APLIQUES EM CERÂMICA 10495 APLIQUES EM CRISTAL 10496 APLIQUES EM FERRO FORJADO 10497 APLIQUES EM MADEIRA 10498 APLIQUES EM MATÉRIA PLÁSTICA 10499 APLIQUES EM METAL 10500

Leia mais

Universidade Federal de Alfenas

Universidade Federal de Alfenas Universidade Federal de Alfenas Linguagens Formais e Autômatos Aula 04 Linguagens Formais humberto@bcc.unifal-mg.edu.br Última aula... Relação da teoria dos conjuntos com LFA; Relação dos grafos com LFA.

Leia mais

A cor será estudada a diversos níveis: a sua sintaxe, natureza, aspectos técnicos e valores perceptivos, psicológicos, estéticos e culturais.

A cor será estudada a diversos níveis: a sua sintaxe, natureza, aspectos técnicos e valores perceptivos, psicológicos, estéticos e culturais. COR E PERCEÇÃO VISUAL [11512] GERAL Regime: Semestre: OBJETIVOS Que elementos da linguagem visual devo utilizar para comunicar com sucesso uma determinada mensagem? Que impacto emocional essa mensagem

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Mundi - Centro de Formação Técnica Unidade Vitória da Conquista BA Professor: Philipe do Prado Santos Curso Técnico de Edificações

Leia mais

talheres em aço inox da China

talheres em aço inox da China talheres em aço inox da China Pg. 2 TALHERES EM AÇO INOX, da China Série Hyundai Pg. 02 - Pg. 03 ÍNDICE Série Clássica Pg. 03 - Pg. 14 Série Moderna Pg. 15 - Pg. 21 Série Infantil Pg. 21 SÉRIE HYUNDAI

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 7 semestres. Prof. Dr. Paulo de Tarso Mendes Luna

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 7 semestres. Prof. Dr. Paulo de Tarso Mendes Luna Documentação: Objetivo: Titulação: Diplomado em: Resolução 12/CGRAD/2015 de 09/09/2015 Fornecer meios para formação de profissionais capazes para atuar em ambientes dinâmicos plurais, atendendo necessidades

Leia mais

CONCEITOS DE ALGORITMOS

CONCEITOS DE ALGORITMOS CONCEITOS DE ALGORITMOS Fundamentos da Programação de Computadores - 3ª Ed. 2012 Editora Prentice Hall ISBN 9788564574168 Ana Fernanda Gomes Ascênsio Edilene Aparecida Veneruchi de Campos Algoritmos são

Leia mais

A Usabilidade no Design de Informação

A Usabilidade no Design de Informação A Usabilidade no Design de Informação Muitos veem o Design Gráfico como arte, ou seja, o Design Gráfico sendo usado como ornamento, com enfeite da informação ou comunicação que deseja ser passada. Porém

Leia mais

PARADIGMA DE COMUNICAÇÃO

PARADIGMA DE COMUNICAÇÃO A HIPERMÍDIA É UM NOVO A HIPERMÍDIA É UM NOVO PARADIGMA DE COMUNICAÇÃO O texto identifica e organiza os elementos constitutivos da roteirização de produções audiovisuais como o cinema ou a televisão, e

Leia mais

VERIFICAÇÃO & VALIDAÇÃO

VERIFICAÇÃO & VALIDAÇÃO VERIFICAÇÃO & VALIDAÇÃO Validação: Estamos construindo o produto certo? Verificação envolve checar se o software cumpre com suas especificações. Verificação: Estamos construindo certo o produto? Validação

Leia mais

Para que possamos utilizar Sistemas de informação, primeiro precisamos entender onde nascem as informações.

Para que possamos utilizar Sistemas de informação, primeiro precisamos entender onde nascem as informações. DADO E INFORMAÇÃO 9 Dado Para que possamos utilizar Sistemas de informação, primeiro precisamos entender onde nascem as informações. Tudo começa através da interpretação de Dados O que são dados? DADO:

Leia mais

Introdução à Direção de Arte

Introdução à Direção de Arte Introdução à Direção de Arte A Tarefa do Publicitário O objetivo final de toda propaganda é vender mercadoria, mas para consegui-lo, o publicitário precisa vencer alguns obstáculos. A Tarefa do Publicitário

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso Superior de Tecnologia em Design de Moda Campus: Petrópolis Missão O CST em Design de Moda tem como missão formar profissionais para a indústria da moda, levando em consideração

Leia mais

EMENTÁRIO DE DESIGN DE PRODUTO 1 ANO

EMENTÁRIO DE DESIGN DE PRODUTO 1 ANO EMENTÁRIO DE DESIGN DE PRODUTO 1 ANO Introdução ao Design de Produtos História do Desenho Industrial. O Design como solução de problemas do cotidiano. O Design como solução estética. Os diferentes tipos

Leia mais

- LÍNGUA PORTUGUESA -

- LÍNGUA PORTUGUESA - - LÍNGUA PORTUGUESA - Compreensão e interpretação de textos, com 1 razoável grau de complexidade; Reconhecimento da finalidade de textos de 2 diferentes gêneros; 3 Localização de informações explícitas

Leia mais

Técnicas Visuais. Tarcio Carvalho

Técnicas Visuais. Tarcio Carvalho Técnicas Visuais Tarcio Carvalho Não há palavra melhor do que layout para sintetizar a ideia, a forma, o arranjo ou composição de uma página. (Allen Hurlburt) Todos os elementos de um layout serão lidos

Leia mais

1 Computação (2.º Semestre): Documentos para consulta no exame N.º. Nome completo: Curso: Foto:

1 Computação (2.º Semestre): Documentos para consulta no exame N.º. Nome completo: Curso: Foto: 1 N.º Nome completo: Curso: Foto: 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60

Leia mais

CABOS NATURAIS. Sobre os Cabos Naturais

CABOS NATURAIS. Sobre os Cabos Naturais CABOS NATURAIS Sobre os Cabos Naturais TRADICIONAL DYNAMIC O brilho do aço inox realça os tons acastanhados da madeira, levando à mesa uma combinação única entre o rústico e o contemporâneo. Nas mãos,

Leia mais

Introdução à Programação de Computadores Fabricação Mecânica

Introdução à Programação de Computadores Fabricação Mecânica Introdução à Programação de Computadores Fabricação Mecânica Edilson Hipolito da Silva edilson.hipolito@ifsc.edu.br - http://www.hipolito.info Aula 06 - Introdução a algoritmos Roteiro Algoritmos Formas

Leia mais

PLANIFICAÇÃO CURRICULAR Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017

PLANIFICAÇÃO CURRICULAR Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO CURRICULAR Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017 ÁREAS COMPONENTES APRENDIZAGENS A PROMOVER Construção da identidade e da auto estima *Conhecer e aceitar as suas caraterísticas pessoais

Leia mais

02/05/14. Para início de Conversa. Tema 1 - A importância das Artes na Infância. Objetivos

02/05/14. Para início de Conversa. Tema 1 - A importância das Artes na Infância. Objetivos Tema 1 - A importância das Artes na Infância Para início de Conversa Objetivos Conhecer a importância do ensino das artes na educação infantil. Compreender a diferença das abordagens inatista e pragmática

Leia mais

Comunicação; Planejamento; Modelagem; Análise; Projeto; Construção; Teste; e Implantação.

Comunicação; Planejamento; Modelagem; Análise; Projeto; Construção; Teste; e Implantação. Disciplina: Projeto de Desenvolvimento de Software AULA 02 Comunicação; Planejamento; Modelagem; Análise; Projeto; Construção; Teste; e Implantação. Baseado nos slides do professor Fábio Procópio, do IFRN.

Leia mais

Polywood. P olywood é uma madeira

Polywood. P olywood é uma madeira Polywood P olywood é uma madeira tratada, resistente à maquina de lavar, à altas temperaturas e impactos. Os produtos de polywood possuem garantia de 5 anos. Madeira tratada Polywood. Resistente a impactos.

Leia mais

CONJUNTOS MECÂNICOS. Figura 1. Representação de conjunto mecânico usando vistas ortográficas.

CONJUNTOS MECÂNICOS. Figura 1. Representação de conjunto mecânico usando vistas ortográficas. CONJUNTOS MECÂNICOS Tão importante quanto conhecer os elementos de máquinas e projetá-los, é saber representar graficamente e interpretar esses elementos em desenhos técnicos. Máquinas (torno mecânico,

Leia mais

Visualidade nas provas de vestibular: tipografia e princípios básicos de design

Visualidade nas provas de vestibular: tipografia e princípios básicos de design Visualidade nas provas de vestibular: tipografia e princípios básicos de design Tipografia Letra serifada Em uma definição resumida, serifa é a haste perpendicular que finaliza os principais traços de

Leia mais

DESENHO DE OBSERVAÇÃO

DESENHO DE OBSERVAÇÃO QUESTÃO 1 DESENHO DE OBSERVAÇÃO Tendo como motivação as imagens abaixo, desenhe, no espaço reservado da página seguinte, o que está apresentado à sua frente, buscando, sobretudo, registrar o movimento.

Leia mais

O formato determina a composição. O formato exerce um papel fundamental no resultado final da composição.

O formato determina a composição. O formato exerce um papel fundamental no resultado final da composição. Composição Introdução UMA DAS PEÇAS ELEMENTARES NO DESENHO É A COMPOSIÇÃO... Uma pintura ou desenho muito bem feito pode perder todo o seu poder, se não estiver enquadrado dentro de uma composição bem

Leia mais

Professor Rodrigo de Aquino Gomes

Professor Rodrigo de Aquino Gomes Professor Rodrigo de Aquino Gomes Missão Design é uma atividade criativa cuja finalidade é estabelecer as qualidades multifacetadas de objetos, processos, serviços e seus sistemas, compreendendo todo

Leia mais

Design de Produto - Curso de Graduação

Design de Produto - Curso de Graduação SOBRE O CURSO A formação do senso crítico e o espírito realizador guiam a graduação em Design de Produto no IED São Paulo. Os novos materiais e de processos fabricação, as novas indústrias e as mudanças

Leia mais

PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA

PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA PROCESSO SELETIVO UEG 2013/1 SISTEMA DE AVALIAÇÃO SERIADO SAS/UEG 2010/3 Domingo, 30 de setembro de 2012. PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA ARQUITETURA E URBANISMO CADERNO I Desenho à mão livre Instruções

Leia mais

LINHA JULIE. APJ40-30 Aparelho de jantar 30 peças Julie

LINHA JULIE. APJ40-30 Aparelho de jantar 30 peças Julie LINHA JULIE APJ40-30 Aparelho de jantar 30 peças Julie 6 pratos rasos Ø27cm 6 pratos fundos Ø23 cm 6 pratos sobremesa Ø20,5 cm 6 pires de chá Ø15,5cm 6 xícaras de chá 220ml Material: porcelana EAN13: 7891060022957

Leia mais

METODOLOGIA DE ANÁLISE DE PROJETO

METODOLOGIA DE ANÁLISE DE PROJETO METODOLOGIA DE ANÁLISE DE PROJETO construindo o discurso pela análise gráfica leitura de projeto REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS SUJESTÃO DE CONSULTA: REIS, Antônio T. Repertório, Análise e síntese: Uma introdução

Leia mais

Hélio Fonseca de Araújo

Hélio Fonseca de Araújo Hélio Fonseca de Araújo L I B R A S Língua Brasileira de Sinais helio.libras@globomail.com Autores: Hélio Fonseca de Araújo Formado em Pedagogia Proficiência em Tradução e Interpretação da LIBRAS/Língua

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Mundi - Centro de Formação Técnica Unidade Vitória da Conquista BA Professor: Philipe do Prado Santos Curso Técnico de Edificações

Leia mais

Conteúdo do Exame de Admissão para o 6º Ano do Ensino Fundamental

Conteúdo do Exame de Admissão para o 6º Ano do Ensino Fundamental Conteúdo do Exame de Admissão para o 6º Ano do Ensino Fundamental MATEMÀTICA 1) NÚMEROS NATURAIS, SISTEMAS DE NÚMERAÇÃO DECIMAL E NÚMEROS RACIONAIS 1.1) Números Naturais Reconhecimento de números naturais

Leia mais

Crase. A + A = À A + Aquele = Àquele

Crase. A + A = À A + Aquele = Àquele Crase A + A = À A + Aquele = Àquele Explicação etimológica Do grego κρᾶσις (ação de misturar, mistura de elementos que se combinam num todo, temperamento, fusão de sons), adaptado ao latim tardio crásis

Leia mais

Ciência da Computação. Análise e Projeto Orientado a Objetos UML. Anderson Belgamo

Ciência da Computação. Análise e Projeto Orientado a Objetos UML. Anderson Belgamo Ciência da Computação Análise e Projeto Orientado a Objetos UML Anderson Belgamo 1 Evolução do Software O rápido crescimento da capacidade computacional das máquinas resultou na demanda por sistemas de

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL

ÁREA DE FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL PLANO CURRICULAR ÁREA DE FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL Componentes Construção da identidade e da autoestima Conhecer e aceitar as suas características pessoais e a sua identidade social e cultural, situando-as

Leia mais

Agentes Baseados em Conhecimento

Agentes Baseados em Conhecimento Raciocínio Lógico Agentes Baseados em Conhecimento Conhecem alguma coisa sobre o mundo. Podem raciocinar para decidir sobre suas possíveis ações. São capazes de aceitar novas tarefas metas explícitas.

Leia mais

O que é Cartografia?

O que é Cartografia? O que é Cartografia? Nações Unidas As Nações Unidas, definiu em 1949, através de comissão especializada, cartografia como sendo A ciência que se ocupa da elaboração de mapas de toda espécie. Abrange todas

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO EM PROGRAMAÇÃO VISUAL. Aula I. Prof. Carlos Café Dias

CURSO DE EXTENSÃO EM PROGRAMAÇÃO VISUAL. Aula I. Prof. Carlos Café Dias CURSO DE EXTENSÃO EM PROGRAMAÇÃO VISUAL Aula I Prof. Carlos Café Dias APRESENTAÇÃO O CURSO O curso de extensão em Programação visual aborda a teoria e prática da comunicação visual, oportunizando o estudo

Leia mais

UM CURSO ÚNICO DESENHADO POR E PARA VOCÊ.

UM CURSO ÚNICO DESENHADO POR E PARA VOCÊ. CURSO DE DESIGN UM CURSO ÚNICO DESENHADO POR E PARA VOCÊ. Um profissional de Design é alguém que busca criar trabalhos com identidade própria. E é muito lógico que essa identidade também deva fazer parte

Leia mais

O ESPAÇO NA PEDAGOGIA-EM- -PARTICIPAÇÃO

O ESPAÇO NA PEDAGOGIA-EM- -PARTICIPAÇÃO I O ESPAÇO NA PEDAGOGIA-EM- -PARTICIPAÇÃO Júlia Oliveira-Formosinho Filipa Freire de Andrade Introdução Espaço(s) em Participação Na Pedagogia -em-participação damos muita importância à organização do(s)

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado Santos

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL Português 8ºano Ano Letivo 2016/2017

PLANIFICAÇÃO ANUAL Português 8ºano Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL Português 8ºano Ano Letivo 2016/2017 Domínios/Conteúdos Objetivos,,, PNL e BE/CRE (5 tempos) s Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar,

Leia mais

Arquitetura de software

Arquitetura de software Arquitetura de software Problema: vamos implementar um clone do compraentrega.com.br Mantém preços atualizados Recebe encomendas e pagamento Recomenda itens a usuários Por onde começamos? Arquitetura =

Leia mais

COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA

COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA SGAS Quadra 906 Conjunto E Brasília - DF Telefone: (61) 3443-7878 Site: www.lasalledf.com.br E-mail: lasalledf@lasalledf.com.br DIRETRIZES CURRICULARES Maternal 3 1º Período Conteúdo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Cartografia Sistemática e Temática (IAD319) Prof. pablosantos@ufba.br 02 a Aula CARTOGRAFIA SISTEMÁTICA

Leia mais

AULA - 3. ATELIÊ DE PROJETOS II Código da Disciplina CCE0041 PROJETOS DE REFERÊNCIA.

AULA - 3. ATELIÊ DE PROJETOS II Código da Disciplina CCE0041 PROJETOS DE REFERÊNCIA. ATELIÊ DE PROJETOS II Código da Disciplina CCE0041 PROJETOS DE REFERÊNCIA. AULA - 3 e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Prêmio Architizer (2014) ATELIÊ DE PROJETOS -

Leia mais

ROTAS DE APRENDIZAGEM Educação Visual 6º ano 1ºPERÍODO

ROTAS DE APRENDIZAGEM Educação Visual 6º ano 1ºPERÍODO ROTAS DE APRENDIZAGEM 2016-2017 Educação Visual 6º ano 1ºPERÍODO Projeto 1 Executar uma capa individual - Decorar e identificar a capa Tema: desafia-te a fazer Maravilhas TEMPO PREVISTO - 3 quinzenas -

Leia mais

design > comunicação visual Profa. Julie Pires

design > comunicação visual Profa. Julie Pires design > comunicação visual Profa. Julie Pires Teorias do Design 1 [BAV105] DESIGN Design é inventar, projetar, programar, coordenar uma longa lista de fatores humanos e técnicos, traduzir o invisível

Leia mais

GABARITO PROVA INTEGRADORA - ICA - NOITE

GABARITO PROVA INTEGRADORA - ICA - NOITE GABARITO PROVA INTEGRADORA - ICA - NOITE Análise Crítica da Mídia 1932 1 C 1932 2 A 1932 3 A 1932 4 A 1932 5 C Animação 1937 1 E 1937 2 B 1937 3 C 1937 4 D 1937 5 C 1937 6 D Comunicação e Sociedade 1949

Leia mais

Introdução à Pseudo-código PROGRAMAÇÃO I (COM06842) LÓGICA E TÉCNICA DE PROGRAMAÇÃO (COM06039)

Introdução à Pseudo-código PROGRAMAÇÃO I (COM06842) LÓGICA E TÉCNICA DE PROGRAMAÇÃO (COM06039) Introdução à Pseudo-código PROGRAMAÇÃO I (COM06842) LÓGICA E TÉCNICA DE PROGRAMAÇÃO (COM06039) F REDDY BRASILEIRO www.inf.ufes.br/~fbrasileiro fbrasileiro@inf.ufes.br Conteúdo 4. Elementos fundamentais

Leia mais

5 Usando as Representações de Design Rationale

5 Usando as Representações de Design Rationale 5 Usando as Representações de Design Rationale Como mencionamos anteriormente, representar design rationale em uma linguagem formal usando o modelo formal dos artefatos nos permite atribuir semântica ao

Leia mais

Design. O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos:

Design. O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos: Design Padrão de Resposta O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos: A A ideia de que desenvolvimento sustentável pode ser entendido como proposta ou processo que atende

Leia mais

CURRICULUM SIMPLIFICADO

CURRICULUM SIMPLIFICADO Curso Desenho Industrial - Reconhecido pelo Decreto nº 70.956 de 09/08/ Turno: NOT_ART - Artes Noite Padrão Regime: Semestral Prazo Máximo: 14 Série: 1-1º Semestre 5DB127 DESENHO DE OBSERVAÇÃO I 2.0 5DB123

Leia mais

Português - 8º Ano Ano letivo 2014/2015 (Para)Textos 8

Português - 8º Ano Ano letivo 2014/2015 (Para)Textos 8 Português - 8º Ano Ano letivo 2014/2015 (Para)Textos 8 Plano anual De acordo com a informação disponibilizada pelo Ministério da Educação e Cultura, «conjuntamente com os atuais Programas de cada disciplina,

Leia mais

Índice 7º ANO 2009/2010 ESCOLA BÁSICA 1, 2, 3 / JI DE ANGRA DO HEROÍSMO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO VISUAL

Índice 7º ANO 2009/2010 ESCOLA BÁSICA 1, 2, 3 / JI DE ANGRA DO HEROÍSMO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO VISUAL Índice COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS da EDUCAÇÃO ARTÍSTICA Competências Gerais e Específicas da Educação Artística Dimensões das Competências Específicas Competências Especificas do 3º ciclo - Visual Competências

Leia mais

Disciplina de Desenho A do Décimo primeiro ano de escolaridade

Disciplina de Desenho A do Décimo primeiro ano de escolaridade Escola Secundária do Padrão da Légua (402412) ÁREA DISCIPLINAR DE EXPRESSÃO VISUAL Disciplina de Desenho A do Décimo primeiro ano de escolaridade CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS AULAS PREVISTAS Unidade 1 Desenho

Leia mais

Discreto, mas com PERSONALIDADE. inspiração

Discreto, mas com PERSONALIDADE. inspiração Discreto, mas com PERSONALIDADE Ainda que não exista decoração para homem ou para mulher, o público masculino, eventualmente, acaba optando por cartelas de cores sóbrias e design clássico. Ah, mas isso

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Departamento da Educação Pré-Escolar Planificação Mensal Ano Letivo 2015/2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Departamento da Educação Pré-Escolar Planificação Mensal Ano Letivo 2015/2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Departamento da Educação Pré-Escolar Planificação Mensal Ano Letivo 2015/2016 MÊS: maio Área de Conteúdo Domínio Objetivos Estratégias Formação Pessoal e Social

Leia mais

FICHA TÉCNICA DA SOLUÇÃO EDUCACIONAL

FICHA TÉCNICA DA SOLUÇÃO EDUCACIONAL Programa Sebraetec Área Design Subárea Design de Comunicação Solução Aperfeiçoamento Tecnológico/Identidade Visual, Marca e Sinalização OBJETIVO O QUE É APERFEIÇOAMENTO TECNOLÓGICO: Serviço que visa adequar

Leia mais

Metodologia de Elaboração de Projeto Arquitetônico

Metodologia de Elaboração de Projeto Arquitetônico Metodologia de Elaboração de Projeto Arquitetônico O processo de projetar na Arquitetura É representado por uma progressão, que parte de um ponto inicial O PROBLEMA e evolui em direção a uma proposta A

Leia mais

TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX

TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX Abordagens extrínsecas Literatura e Biografia Tese: a biografia do autor explica e ilumina a obra. Objeções: 1) O conhecimento biográfico pode ter valor exegético,

Leia mais

SEM DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I

SEM DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I SEM 0564 - DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Notas de Aulas v.2017 Aula 02 Projeção: tipos, vistas e diedros Prof. Assoc. Carlos Alberto Fortulan Departamento de Engenharia Mecânica Escola de Engenharia de São

Leia mais

RESPOSTA ESPERADA Prova de Habilidade Específica Arquitetura e Urbanismo

RESPOSTA ESPERADA Prova de Habilidade Específica Arquitetura e Urbanismo Processo Seletivo UEG 2015/1 Sistema de Avaliação Seriado SAS/UEG 2012/3 Domingo, 19 de outubro de 2014. RESPOSTA ESPERADA Prova de Habilidade Específica Arquitetura e Urbanismo CADERNO II - Desenho Geométrico,

Leia mais

CONTABILIDADE. O OBJETO da Contabilidade é o patrimônio das entidades. Patrimônio administrável e em constante alteração.

CONTABILIDADE. O OBJETO da Contabilidade é o patrimônio das entidades. Patrimônio administrável e em constante alteração. 1 CONTABILIDADE 1.1 CONCEITO É a ciência que tem como objetivo observar, registrar e informar os fatos econômico-financeiros acontecidos dentro de um patrimônio pertencente a uma entidade; mediante a aplicação

Leia mais

REPRESENTAÇÕES EM MÚLTIPLAS VISTAS

REPRESENTAÇÕES EM MÚLTIPLAS VISTAS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA REPRESENTAÇÕES EM MÚLTIPLAS VISTAS Professor: João Carmo INTRODUÇÃO A representação de Objetos em Desenho Técnico é feita, principalmente, a partir de

Leia mais

Modelos Conceituais de Dados

Modelos Conceituais de Dados Modelos Conceituais de Dados 2. Modelagem Conceitual de Dados Geográficos A partir de idéias conceituais de fenômenos geográficos é possível formalizar a representação do espaço e de propriedades espaciais.

Leia mais

SEM DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 03 Cortes, hachuras, semi-cortes, corte composto e seções

SEM DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 03 Cortes, hachuras, semi-cortes, corte composto e seções SEM 0564 - DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Notas de Aulas v.2016 Aula 03 Cortes, hachuras, semi-cortes, corte composto e seções Departamento de Engenharia Mecânica Escola de Engenharia de São Carlos Universidade

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso Superior de Tecnologia em Design de Moda Campus: Niterói Missão O Curso Superior de Tecnologia em Design de Interiores busca a formação de profissionais generalistas, críticos,

Leia mais

Embalagens com visão de futuro

Embalagens com visão de futuro Embalagens com visão de futuro Uma embalagem não deve ser apenas reciclável. Deve ser, de fato, reciclada. E o PET (Poli) Tereftalato de Etileno é o material termoplástico mais reciclado no Brasil e no

Leia mais

INTERFERÊNCIA E DIFRAÇÃO DA LUZ

INTERFERÊNCIA E DIFRAÇÃO DA LUZ INTERFERÊNCIA E DIFRAÇÃO DA LUZ INTRODUÇÃO A luz é uma onda eletromagnética; portanto é constituída por campos elétrico e magnético que oscilam, periodicamente, no tempo e no espaço, perpendiculares entre

Leia mais

Desenho Auxiliado por Computador

Desenho Auxiliado por Computador UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA ENE073 Seminários em Eletrotécnica Desenho Auxiliado por Computador (CAD - Computer Aided Design) Prof. Flávio Vanderson Gomes E-mail: flavio.gomes@ufjf.edu.br Aula

Leia mais

O que vem a ser computação quântica?

O que vem a ser computação quântica? O que vem a ser computação quântica? Encontro Regional de Ciências Roberto Imbuzeiro Oliveira (IMPA) Rio de Janeiro, 02/08/2012 Computação quântica? Por que isso pode ser útil? Computação quântica? Por

Leia mais

Lista de Exercícios 8: Soluções Relações

Lista de Exercícios 8: Soluções Relações UFMG/ICEx/DCC DCC111 Matemática Discreta Lista de Exercícios 8: Soluções Relações Ciências Exatas & Engenharias 2 o Semestre de 2016 Definição 1 [Composição de relações]. Seja R uma relação do conjunto

Leia mais

Algoritmos e Programação

Algoritmos e Programação ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

Leia mais

Planificação Desenho A 11º Ano

Planificação Desenho A 11º Ano Planificação Desenho A 11º Ano Ano lectivo 2013/2014 O programa é elaborado dentro dos princípios de flexibilidade, continuidade e adequação à realidade. Também de acordo com as indicações referente aos

Leia mais

Linha de móveis para escritório

Linha de móveis para escritório Linha de móveis para escritório Como utilizar dos conceitos de Design para desenvolver uma linha de móveis para escritório? Objetivo geral Criar uma linha de móveis com formas e materiais de acordo com

Leia mais

Prof. MSc. David Roza José 1/23

Prof. MSc. David Roza José 1/23 1/23 Introdução Vimos, na aula anterior, que forças aplicadas em um braço de alavanca em relação a um referencial geram um momento ou torque. Assim, para termos o equilíbrio estático de um corpo rígido

Leia mais