ÍNDICE VOLUME I INTRODUÇÃO 11 PARTE I ENQUADRAMENTO TEÓRICO E CONCEPTUAL 16 CAPÍTULO I O CONTEXTO DA SUPERVISÃO CLÍNICA EM ENFERMAGEM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE VOLUME I INTRODUÇÃO 11 PARTE I ENQUADRAMENTO TEÓRICO E CONCEPTUAL 16 CAPÍTULO I O CONTEXTO DA SUPERVISÃO CLÍNICA EM ENFERMAGEM"

Transcrição

1 ÍNDICE VOLUME I INTRODUÇÃO 11 PARTE I ENQUADRAMENTO TEÓRICO E CONCEPTUAL 16 CAPÍTULO I O CONTEXTO DA SUPERVISÃO CLÍNICA EM ENFERMAGEM 1. O ENSINO CLÍNICO NA FORMAÇÃO EM ENFERMAGEM CONCEPÇÕES SOBRE SUPERVISÃO PEDAGÓGICA Os Cenários de Supervisão Pedagógica à Luz dos Paradigmas Alternativos de Formação 3. A SUPERVISÃO CLÍNICA COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO EM ENFERMAGEM Entre a Escola e o Hospital Uma Parceria Dialogante em Busca da Excelência CAPÍTULO II ORIGEM E CONSTRUÇÃO DE COMPETÊNCIAS E DE SABERES DO ENFERMEIRO ORIENTADOR/SUPERVISOR 1. COMPETÊNCIAS E SABERES DO SUPERVISOR DA PRÁTICA HOSPITALAR 1.1. A Figura do Supervisor das Práticas A Definição de Um Papel Que Competências e que Saberes? NATUREZA E FONTES DO SABER DO SUPERVISOR A Aprendizagem pela Experiência da Supervisão Clínica Da Reflexão ao Desenvolvimento de Saberes PARTE II TRABALHO EMPÍRICO 89 CAPÍTULO I ENQUADRAMENTO METODOLÓGICO DA PROBLEMÁTICA AOS OBJECTIVOS DO ESTUDO NATUREZA DA INVESTIGAÇÃO Estudo Descritivo e Abordagem Qualitativa As Etapas da Investigação O TERRENO DA PESQUISA E A SELECÇÃO/CARACTERIZAÇÃO DOS SUPERVISORES PARTICIPANTES NO ESTUDO 4. TÉCNICA DE RECOLHA DE INFORMAÇÃO 99 94

2 4.1. A Entrevista Semi-Estruturada Da Preparação à Realização TÉCNICA DE ANÁLISE E TRATAMENTO DE INFORMAÇÃO: A ANÁLISE DE CONTEÚDO 104 CAPÍTULO II APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS CONCEPÇÕES SOBRE A FUNÇÃO DE SUPERVISÃO CLÍNICA Motivações para o Exercício da Função de Supervisão ACTIVIDADES DESENVOLVIDAS NO ÂMBITO DA SUPERVISÃO CLÍNICA Papéis Inerentes à Função de Supervisão COMPETÊNCIAS E SABERES MOBILIZADOS NO ÂMBITO DA SUPERVISÃO CLÍNICA 3.1. Competências Mobilizadas FONTES DO SABER PROFISSIONAL DO SUPERVISOR Factores Pessoais Experiência Enquanto Aluno de Enfermagem Factores Profissionais Formação Académica Formação Profissional Auto-Formação NOTAS CONCLUSIVAS 138 REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS 147 ANEXOS 158 ANEXO I PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO PARA A RECOLHA DE DADOS NA INSTITUIÇÃO ANEXO II FICHA BIOGRÁFICA DOS ENTREVISTADOS 162 ANEXO III GUIÃO DAS ENTREVISTAS 164 ANEXOIV MATRIZ FINAL DA ANÁLISE DE CONTEÚDO

3 ÍNDICE DE QUADROS DO ENQUADRAMENTO METODOLÓGICO QUADRO N.º 1 CICLO DO PROCESSO DE SUPERVISÃO CLÍNICA 50 QUADRO N.º 2 CAPACIDADES INERENTES À FUNÇÃO DE SUPERVISÃO 58 QUADRO N.º 3 O PAPEL DO SUPERVISOR CLÍNICO 61 QUADRO N.º 4 TIPOLOGIA DE SABERES SEGUNDO DUBAR 64 QUADRO N.º 5 TIPOS DE SABERES, FUNÇÕES E MODOS DE AQUISIÇÃO SEGUNDO LE BOTERF 65 QUADRO N.º 6 AS ETAPAS DA INVESTIGAÇÃO 93 QUADRO Nº7 BLOCOS TEMÁTICOS DA ENTREVISTA E SEUS OBJECTIVOS 102 QUADRO N.º 8 SÍNTESE DAS ETAPAS NO PROCESSO DA ANÁLISE DE CONTEÚDO 105 QUADRO N.º 9 GRELHA DE REGISTO DA ANÁLISE DE CONTEÚDO 108 DA APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS QUADRO N.º 10 TEMAS E CATEGORIAS DE ANÁLISE DE CONTEÚDO 109 QUADRO N.º 11 MOTIVAÇÕES PARA O EXERCÍCIO DA FUNÇÃO DE SUPERVISÃO 111 QUADRO N.º 12 PAPÉIS INERENTES À FUNÇÃO SUPERVISIVA 116 QUADRO N.º 13 COMPETÊNCIAS E SABERES MOBILIZADOS NO ÂMBITO DA SUPERVISÃO CLÍNICA 120 QUADRO N.º 14 FACTORES PESSOAIS 126 QUADRO N.º 15 EXPERIÊNCIA ENQUANTO ALUNO DE ENFERMAGEM 127 QUADRO N.º 16 FACTORES PROFISSIONAIS 129 QUADRO N.º 17 FORMAÇÃO ACADÉMICA 133 QUADRO N.º 18 FORMAÇÃO PROFISSIONAL 134 QUADRO N.º 19 AUTO-FORMAÇÃO 135

4 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1 CICLO DE APRENDIZAGEM SEGUNDO LEWIN 79 Figura 2 A APRENDIZAGEM EM CONTEXTO CLÍNICO 81 ÍNDICE DE GRÁFICOS Gráfico 1 DISTRIBUIÇAÕ DOS ENFERMEIROS SEGUNDO O GÉNERO 95 Gráfico 2 DISTRIBUIÇÃO DOS ENFERMEIROS SEGUNDO A IDADE 96 Gráfico 3 DISTRIBUIÇÃO DOS ENFERMEIROS SEGUNDO A FORMAÇÃO PROFISSIONAL Gráfico 4 DISTRIBUIÇÃO DOS ENFERMEIROS SEGUNDO OS CURSOS DE FORMAÇÃO FREQUENTADOS Gráfico 5 DISTRIBUIÇÃO DOS ENFERMEIROS SEGUNDO O TEMPO DE SERVIÇO NA PROFISSÃO Gráfico 6 DISTRIBUIÇÃO DOS ENFERMEIROS SEGUNDO OS ANOS DE EXERCÍCIO NA FUNÇÃO DE SUPERVISÃO/ORIENTAÇÃO Gráfico 7 DISTRIBUIÇÃO DOS ENFERMEIROS SEGUNDO O NÚMERO DE ALUNOS ORIENTADOS

5 VOLUME II ÍNDICE ÍNDICE 1 ANEXOS 2 ANEXO I PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO PARA A RECOLHA DOS DADOS 3 ANEXO II FICHA BIOGRÁFICA DOS ENFERMEIROS ORIENTADORES 6 ANEXO III GUIÃO DA ENTREVISTA 8 ANEXO IV PROTOCOLO DAS ENTREVISTAS 12 ENTREVISTA E1 13 ENTREVISTA E2 28 ENTREVISTA E3 41 ENTREVISTA E4 52 ENTREVISTA E5 65 ENTREVISTA E6 80 ENTREVISTA E7 90 ENTREVISTA E8 100 ENTREVISTA E9 111 ENTREVISTA E ENTREVISTA E ANEXO V ANÁLISE DE CONTEÚDO 149 ANEXO VI MATRIZ FINAL DA ANÁLISE DE CONTEÚDO 229

1.1 A paternidade como uma etapa de desenvolvimento para o homem no contexto da família

1.1 A paternidade como uma etapa de desenvolvimento para o homem no contexto da família INDICE pp. INTRODUÇÃO 1 CAPÍTULO I - A TRANSIÇÃO PARA A PATERNIDADE 1. A parentalidade 1.1 A paternidade como uma etapa de desenvolvimento para o homem no contexto da família 10 10 14 1.2 O desejo de paternidade

Leia mais

Agradecimentos. Ao meu orientador, Prof. Doutor José António Espírito Santo, pela confiança que depositou no meu trabalho. e nas minhas capacidades,

Agradecimentos. Ao meu orientador, Prof. Doutor José António Espírito Santo, pela confiança que depositou no meu trabalho. e nas minhas capacidades, Agradecimentos Ao meu orientador, Prof. Doutor José António Espírito Santo, pela confiança que depositou no meu trabalho e nas minhas capacidades, pelo apoio incansável nos momentos mais aflitivos, pelas

Leia mais

No final do estágio, o estudante deverá realizar um balanço global do mesmo (cf. Anexo 3) que deverá anexar no seu relatório final.

No final do estágio, o estudante deverá realizar um balanço global do mesmo (cf. Anexo 3) que deverá anexar no seu relatório final. No final do estágio, o estudante deverá realizar um balanço global do mesmo (cf. Anexo 3) que deverá anexar no seu relatório final. 2.1. Relatório de Estágio O relatório final do estágio tem uma dimensão

Leia mais

Apoio Social, Expectativas e Satisfação com o Parto em Primíparas com e sem Preparação para o Parto

Apoio Social, Expectativas e Satisfação com o Parto em Primíparas com e sem Preparação para o Parto ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 CAPÍTULO I ENQUADRAMENTO TEÓRICO 5 1 - O processo de transição à maternidade 5 1.1 - Factores que influenciam a transição para a maternidade 8 1.1.1 - Características Pessoais 8 1.1.2

Leia mais

Curso de Pós - Licenciatura de Especialização em Enfermagem Médico-Cirúrgica

Curso de Pós - Licenciatura de Especialização em Enfermagem Médico-Cirúrgica ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA ÁREA CIENTÍFICA DE ENFERMAGEM DO ADULTO E IDOSO Curso de Pós - Licenciatura de Especialização em Enfermagem Médico-Cirúrgica REGIME DE FREQUÊNCIA, AVALIAÇÃO, PRECEDÊNCIAS

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE:

EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE: Amâncio Carvalho * Graça Carvalho EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE: CONCEITOS, PRÁTICAS E NECESSIDADES DE FORMAÇÃO LUSOCIÊNCIA Dedico este livro: Ao André e à Nucha pelo seu apoio incondicional A todos os enfermeiros,

Leia mais

1. ORIGENS, CONCEITOS E RELAÇÕES DO DESIGN NA PROCURA DA IDENTIDADE

1. ORIGENS, CONCEITOS E RELAÇÕES DO DESIGN NA PROCURA DA IDENTIDADE ÍNDICE GERAL Lista de abreviaturas e acrónimos Lista de figuras Lista de tabelas Lista de gráficos Lista de quadros Lista de anexos XXVII XXIV XXVI XXVIII XXXII XXXIII INTRODUCCIÓN INTRODUÇÃO 1 14 CAPÍTULO

Leia mais

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente Agrupamento de Escolas de Auto-Regulação e Melhoria das Escolas Auto-avaliação - uma PRIORIDADE Equipa de Avaliação Interna 2009/2010 1 Agrupamento de Escolas de Enquadramento legal Justificação Novo Paradigma

Leia mais

Serra do Saber. Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Serra do Saber. Formação Pedagógica Inicial de Formadores Formação Pedagógica Inicial de Formadores Fundamentação Este curso apresenta de uma forma clara e recorrendo a uma metodologia teórico-prática, os conhecimentos necessários para a formação de formadores

Leia mais

Miguel Dias. Como elaborar um projeto de pesquisa para TCC.

Miguel Dias. Como elaborar um projeto de pesquisa para TCC. Como elaborar um projeto de pesquisa para TCC. migdias@gmail.com www.migdias.weebly.com www.facebook.com/migueldias.pt Miguel Dias Bolsista PNPD/CAPES Universidade do Estado do Rio Grande do Norte O que

Leia mais

O novo Mestrado em Engenharia Informática da FCT/UNL FCT/UNL. Departamento de Informática (2007/2008)

O novo Mestrado em Engenharia Informática da FCT/UNL FCT/UNL. Departamento de Informática (2007/2008) O novo Mestrado em Engenharia Informática da FCT/UNL (2007/2008) Departamento de Informática FCT/UNL Contexto Processo de Bolonha Novo enquadramento legal Novo paradigma de 3 ciclos de estudos Redefinição

Leia mais

Anexo D. Guião de Entrevista. Medição do Grau de Uso das Práticas de. Gestão da Qualidade na Organização

Anexo D. Guião de Entrevista. Medição do Grau de Uso das Práticas de. Gestão da Qualidade na Organização Anexo D Guião de Entrevista Medição do Grau de Uso das Práticas de Gestão da Qualidade na Organização 151 Medição do Grau de Uso das Práticas de Gestão da Qualidade na Organização Guião de Entrevista Organizações:

Leia mais

Universidade Fernando Pessoa 1º Ciclo de Estudos em Criminologia Regulamento de Estágio e Projecto de Graduação

Universidade Fernando Pessoa 1º Ciclo de Estudos em Criminologia Regulamento de Estágio e Projecto de Graduação Universidade Fernando Pessoa 1º Ciclo de Estudos em Criminologia Regulamento de Estágio e Projecto de Graduação 1. Descrição da unidade curricular A unidade curricular de Estágio e Projecto de Graduação

Leia mais

Competências dos Ortoptistas no Rastreio Visual Infantil

Competências dos Ortoptistas no Rastreio Visual Infantil Competências dos Ortoptistas no Rastreio Visual Infantil Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa IPL Carla Costa Lança carla.costa@estesl.ipl.pt 2010 Introdução As competências profissionais no

Leia mais

A Entrevista Como método de recolha de dados em Investigação em Educação

A Entrevista Como método de recolha de dados em Investigação em Educação A Entrevista Como método de recolha de dados em Investigação em Educação Adaptado de: Cristina Costa Guida Rocha Mónica Acúrcio O que é a entrevista? A entrevista é uma conversa intencional, geralmente

Leia mais

Ensino Superior: Exigências e Competências de. Novembro de Magda Pinheiro

Ensino Superior: Exigências e Competências de. Novembro de Magda Pinheiro Ensino Superior: Exigências e Competências de Aprendizagem Novembro de 2010 Magda Pinheiro Competências de Escrita Académica Objectivos da sessão: Perceber a importância da escrita no contexto académico;

Leia mais

Estratégias de Observação na Investigação Sobre Práticas de Ensino e Avaliação de Docentes do Ensino Superior

Estratégias de Observação na Investigação Sobre Práticas de Ensino e Avaliação de Docentes do Ensino Superior Estratégias de Observação na Investigação Sobre Práticas de Ensino e Avaliação de Docentes do Ensino Superior Domingos Fernandes University of Lisboa Institute of Education dfernandes@ie.ulisboa.pt Sumário

Leia mais

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa I. INTRODUÇÃO A orientação para a qualidade deve constituir um pressuposto fundamental na actividade das entidades formadoras, traduzida na

Leia mais

P S I C O L O G I A B 1 2 º A N O

P S I C O L O G I A B 1 2 º A N O DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS GRUPO 10º B FILOSOFIA P S I C O L O G I A B 1 2 º A N O D I S POSITIVO DE AV AL I AÇ Ã O (Versão de 2010-2011) Psicologia B Avaliação / Pág. 1 de 8 1. MATRIZES

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA CLÍNICA Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA CLÍNICA Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA CLÍNICA Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Psicologia Clínica 3. Ciclo

Leia mais

Desenvolvimento de competências em leitura funcional

Desenvolvimento de competências em leitura funcional Balula 2010 Desenvolvimento de competências em leitura funcional João Paulo Balula jpbalula@esev.ipv.pt Paulo Martins Plano Introdução Objectivos Percurso didáctico Materiais/Instrumentos Tratamento dos

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Aradas Trabalho Desenvolvido Equipa de Avaliação Interna

Agrupamento de Escolas de Aradas Trabalho Desenvolvido Equipa de Avaliação Interna AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARADAS Agrupamento de Escolas de Aradas Trabalho Desenvolvido Equipa de Avaliação Interna 2006-2013 Equipa de Avaliação Interna Página 1 [ES C R E V E R O E N D E R E Ç O D A

Leia mais

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH AEP Seminário 02 de Abril de 2008 Breves reflexões sobre a GRH - Programas de desenvolvimento dos recursos humanos não estão interligados com a estratégia - Recursos Humanos geridos como centros de custo

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO EM CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS

CURSO DE FORMAÇÃO EM CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS 1 CURSO DE FORMAÇÃO EM CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS INTRODUÇÃO Os Cuidados de Saúde Primários (CSP), em Portugal, atravessam um momento de grande crescimento científico e afirmação como pilar essencial

Leia mais

Competências do Enfermeiro Gest0r o caminho percorrido Enf. Ricardo Silva. Tânia Lourenço, 2013

Competências do Enfermeiro Gest0r o caminho percorrido Enf. Ricardo Silva. Tânia Lourenço, 2013 Competências do Enfermeiro Gest0r o caminho percorrido Enf. Ricardo Silva Competências do Enfermeiro Gest0r Do caminho percorrido. Regulação da Gestão em Enfermagem. ENFERMAGEM A Profissão de Enfermagem

Leia mais

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Iª JORNADAS IGOT DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Maria Helena Esteves 7 de Setembro de 2013 Apresentação O que é a Educação para a Cidadania Educação

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas)

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas) FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas) DESTINATÁRIOS: O curso de Formação Pedagógica Inicial de Formadores da SALSUS destina-se a 14 formandos por grupo, sendo que deverá cumprir as seguintes

Leia mais

GUIÃO DA ENTREVISTA E Enfermeira Chefe do BO da Organização Hospitalar em Análise

GUIÃO DA ENTREVISTA E Enfermeira Chefe do BO da Organização Hospitalar em Análise GUIÃO DA ENTREVISTA E Enfermeira Chefe do BO da Organização Hospitalar em Análise Objectivos: Conhecer a percepção da gestão topo no que se refere à tomada cisão: mudar o molo formação actual para um formato

Leia mais

Formação de Merendeiras: análise das formações pelos Cecanes. Lorena Chaves Nutricionista/RT COTAN/FNDE Cecane UnB Mestranda Unifesp

Formação de Merendeiras: análise das formações pelos Cecanes. Lorena Chaves Nutricionista/RT COTAN/FNDE Cecane UnB Mestranda Unifesp Formação de Merendeiras: análise das formações pelos Cecanes Lorena Chaves Nutricionista/RT COTAN/FNDE Cecane UnB Mestranda Unifesp Estrutura de apresentação Levantamento bibliográfico Projeto de pesquisa

Leia mais

GUIÃO DE APOIO AO RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES / RELATÓRIO DE ESTÁGIO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM TÉCNICAS DE GERONTOLOGIA

GUIÃO DE APOIO AO RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES / RELATÓRIO DE ESTÁGIO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM TÉCNICAS DE GERONTOLOGIA Campus Universitário de Viseu GUIÃO DE APOIO AO RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES / RELATÓRIO DE ESTÁGIO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM TÉCNICAS DE GERONTOLOGIA Ano Letivo de 2012-2013 Aspetos a

Leia mais

CENTRO PSICOPEDAGÓGICO DA LINHA. Programa Formativo. Atenção! Este Programa Formativo pode ser atualizado a qualquer momento! Mantenha-se Informado!

CENTRO PSICOPEDAGÓGICO DA LINHA. Programa Formativo. Atenção! Este Programa Formativo pode ser atualizado a qualquer momento! Mantenha-se Informado! Atenção! Este pode ser atualizado a qualquer momento! Mantenha-se Informado! Treino de Competências Sociais em Crianças e Jovens: Uma Abordagem Prática Contribuir para o enriquecimento teo rico-pra tico

Leia mais

A SUPERVISÃO PEDAGÓGICA NA COORDENAÇÃO DOS DEPARTAMENTOS CURRICULARES Estudo de caso numa escola básica da RAM

A SUPERVISÃO PEDAGÓGICA NA COORDENAÇÃO DOS DEPARTAMENTOS CURRICULARES Estudo de caso numa escola básica da RAM A SUPERVISÃO PEDAGÓGICA NA COORDENAÇÃO DOS DEPARTAMENTOS CURRICULARES Estudo de caso numa escola básica da RAM DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SUPERVISÃO PEDAGÓGICA Mestranda: Fabiana Isabel

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA, ESCRITA E APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS DE INVESTIGAÇÃO 4 e 11 Junho - 9h às 16h

ANÁLISE CRÍTICA, ESCRITA E APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS DE INVESTIGAÇÃO 4 e 11 Junho - 9h às 16h CONSTRUÇÃO ONLINE DE QUESTIONÁRIOS 21 e 28 Maio - 9h às 16h ANÁLISE CRÍTICA, ESCRITA E APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS DE INVESTIGAÇÃO 4 e 11 Junho - 9h às 16h A ESCRITA DA ESCRITA CIENTÍFICA 18 e 25 Junho -

Leia mais

3.1 FUNDAMENTOS BIOLÓGICOS DA MORALIDADE: AGRESSIVIDADE E EMPATIA A ÉTICA EVOLUCIONÁRIA A PRODUÇÃO CULTURAL DA MORALIDADE

3.1 FUNDAMENTOS BIOLÓGICOS DA MORALIDADE: AGRESSIVIDADE E EMPATIA A ÉTICA EVOLUCIONÁRIA A PRODUÇÃO CULTURAL DA MORALIDADE ÍNDICE AGRADECIMENTOS XV PREÂMBULO XIX INTRODUÇÃO XXIII SER MORAL É A ESSÊNCIA DA CONDIÇÃO HUMANA XXIII ESTRUTURA DA DISSERTAÇÃO XXVI PARTE I PSICOLOGIA DA MORALIDADE: REVISÃO E CRÍTICA CAPÍTULO 1. GÉNESE

Leia mais

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS ESTRUTURA PROGRAMÁTICA DO CURSO MÓDULOS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Acolhimento dos formandos e Apresentação do Curso A entidade formadora;

Leia mais

QUESTIONÁRIO: ADAPTAÇÃO, CONSTRUÇÃO E VALIDAÇÃO 9 Julho - 9h às 13h e 14h às 18h

QUESTIONÁRIO: ADAPTAÇÃO, CONSTRUÇÃO E VALIDAÇÃO 9 Julho - 9h às 13h e 14h às 18h INICIAÇÃO AO SPSS 9, 16 e 23 Abril - 9h às 12h e 13h às 16h INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS QUALITATIVOS 30 Abril - 9h às 13h e 14h às 18h ANÁLISE DE DADOS MULTIVARIADA 7 e 14 Maio - 9h às 13h e 14h às 18h CONSTRUÇÃO

Leia mais

Psicologia Cognitiva I

Psicologia Cognitiva I 1 Psicologia Cognitiva I 1. Resumo descritivo 1.1. Elementos básicos Curso Unidade Curricular Área Científica Ano / Semestre ECTS Horas de Contacto Professores responsáveis Docentes 1.2. Síntese descritiva

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES/AS

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES/AS Entidade Formadora: Questão de Igualdade Entidade Promotora: Edufoco FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES/AS Apresentação do curso e condições de frequência Certificado de Autorização de Funcionamento

Leia mais

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE ESCOLA SECUNDÁRIA DO RESTELO 402679 PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE 2010-2011 Desp.n.º 16034-2010, ME (20 Out.) VERTENTE PROFISSIONAL, SOCIAL E ÉTICA Compromisso com a construção e o uso do conhecimento

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPETÊNCIA EM CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPETÊNCIA EM CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPETÊNCIA EM CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Instituição Certificadora: FALC Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001 Resolução CNE CES 1 2007 Carga Horária: 520 h Período de Duração:

Leia mais

O inquérito por entrevista

O inquérito por entrevista O inquérito por entrevista Entrevista Técnica de investigação que permite recolher informações, dados, utilizando a comunicação verbal. A entrevista é uma conversa com um objectivo (Bingham & Moore, 1924)

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular EXPRESSÃO CORPORAL E ARTÍSTICA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular EXPRESSÃO CORPORAL E ARTÍSTICA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular EXPRESSÃO CORPORAL E ARTÍSTICA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

Apresentação de Resultados CAF

Apresentação de Resultados CAF Apresentação de Resultados CAF Sumário Introdução Ponto de situação do projeto Fases do Projeto Resultados CAF Modelo CAF Resultados da(s) Grelha(s) de Autoavaliação Resultados dos questionários Plano

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS DISCIPLINAS 1. Introdução à Pesquisa em Letras 2. Metodologia de ensino de línguas estrangeiras I: perspectivas teóricas e abordagens

Leia mais

BIBLIOTECAS ESCOLARES AUTO-AVALIAÇÃO BIBLIOTECA ESCOLAR DE MARRAZES 2009/2010

BIBLIOTECAS ESCOLARES AUTO-AVALIAÇÃO BIBLIOTECA ESCOLAR DE MARRAZES 2009/2010 BIBLIOTECAS ESCOLARES AUTO-AVALIAÇÃO BIBLIOTECA ESCOLAR DE MARRAZES 2009/2010 ONTEM... tendo magníficas colecções de informação, um ambiente físico inspirador ou uma rede avançada de tecnologia de informação.

Leia mais

Introdução. 2. O domínio da Língua Portuguesa, ferramenta essencial de acesso ao conhecimento

Introdução. 2. O domínio da Língua Portuguesa, ferramenta essencial de acesso ao conhecimento Agrupamento de Escolas de Torre de Dona Chama Biblioteca Escolar/Área de Projecto Novas leituras, outros horizontes Ano Lectivo 2010/2011 ÍNDICE Introdução 3 1. A Escola novos desafios 3 2. O domínio da

Leia mais

O Toque Terapêutico é uma técnica energética, holística, não invasiva, com fins terapêuticos.

O Toque Terapêutico é uma técnica energética, holística, não invasiva, com fins terapêuticos. Descrição O Toque Terapêutico é uma técnica energética, holística, não invasiva, com fins terapêuticos. É uma técnica de imposição de mãos com raízes milenares em que o terapeuta usa as suas mãos e objectivamente

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina EFG383 Gerência em Enfermagem II

Programa Analítico de Disciplina EFG383 Gerência em Enfermagem II 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Medicina e Enfermagem - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: 8 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal

Leia mais

FORM-COMMERCE: FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM VITRINISMO E ATENDIMENTO AO PÚBLICO ÁREA DE COMPETÊNCIA: 2. ATENDIMENTO AO PÚBLICO

FORM-COMMERCE: FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM VITRINISMO E ATENDIMENTO AO PÚBLICO ÁREA DE COMPETÊNCIA: 2. ATENDIMENTO AO PÚBLICO OBJECTIVOS Contribuir para um melhor conhecimento do Clientes e para a satisfação das suas necessidades e expectativas; Contribuir para a atracção e fidelização de novos Clientes; Contribuir para a melhoria

Leia mais

Identificar e avaliar criticamente uma variedade métodos de investigação utilizados pelos investigadores.

Identificar e avaliar criticamente uma variedade métodos de investigação utilizados pelos investigadores. METODOLOGIAS DE INVESTIGAÇÃO [25800] GERAL Regime: Semestre: OBJETIVOS Fornecer os conceitos teóricos inerentes ao conhecimento científico e, por outro lado, fornecer os instrumentos metodológicos essenciais

Leia mais

ACÇÃO 5 A Avaliação do Desempenho Docente e Supervisão Pedagógica

ACÇÃO 5 A Avaliação do Desempenho Docente e Supervisão Pedagógica ACÇÃO 5 A Avaliação do Desempenho Docente e Supervisão Pedagógica Nem tudo o que pode ser medido conta; Nem tudo o que conta pode ser medido. Albert Einstein Objectivos 1. Proporcionar a aquisição de conceitos

Leia mais

Tema do Painel: Um novo paradigma de desenvolvimento profissional: Valorização de percursos e competências. Tema da Comunicação:

Tema do Painel: Um novo paradigma de desenvolvimento profissional: Valorização de percursos e competências. Tema da Comunicação: Tema do Painel: Um novo paradigma de desenvolvimento profissional: Valorização de percursos e competências Tema da Comunicação: O envolvimento das organizações e dos enfermeiros no desenvolvimento e reconhecimento

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO O Projeto Pedagógico do Curso de Enfermagem do Centro Universitário do Cerrado - Patrocínio (UNICERP) fundamenta a ação pedagógica, a ser desenvolvida junto aos alunos, na

Leia mais

DESENHO E MONTAGEM DE EXPOSIÇ ÕE

DESENHO E MONTAGEM DE EXPOSIÇ ÕE Fundamentos de DESENHO E MONTAGEM DE EXPOSIÇ ÕE S Formador Bruno Filipe Soares Cabede Pág. 1 de 9 0 INDÍCE DIAGNÓSTICO PÁG. 03 JUSTIFICAÇÃO PÁG. 04 ÁREA TEMÁTICA PÁG. 04 MODALIDADES PÁG. 04 PÚBLICOS-ALVO

Leia mais

Ensino em arquitetura e urbanismo: meios digitais e processos de projeto

Ensino em arquitetura e urbanismo: meios digitais e processos de projeto PROJETO DE PESQUISA PÓS-DOUTORADO Ensino em arquitetura e urbanismo: meios digitais e processos de projeto Candidata: Mayara Dias de Souza Supervisor: Prof. Associado Dr. Marcelo Tramontano 1 RESUMO Reflexões

Leia mais

TCC DE LETRAS LICENCIATURA E BACHARELADO MANUAL DE ORIENTAÇÕES

TCC DE LETRAS LICENCIATURA E BACHARELADO MANUAL DE ORIENTAÇÕES TCC DE LETRAS LICENCIATURA E BACHARELADO MANUAL DE ORIENTAÇÕES 2014 TCC LETRAS BACHARELADO PORTUGUÊS/INGLÊS O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) dos alunos que cursam o Bacharelado constituise como trabalho

Leia mais

A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho.

A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho. A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho. Finalidades Identificar pontos fortes e fracos e oportunidades de

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO Identificação do avaliado Nome Categoria profissional actual Anos de serviço no ensino superior Anos de serviço na Unidade

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS Ano Lectivo 2016/2017

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS Ano Lectivo 2016/2017 Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS Ano Lectivo 2016/2017 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Economia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

1.7. Número de unidades curriculares em que participou no segundo semestre de 2006/2007:

1.7. Número de unidades curriculares em que participou no segundo semestre de 2006/2007: INQUÉRITO AOS DOCENTES SOBRE CONDIÇÕES E ACTIVIDADES DE ENSINO/APRENDIZAGEM ANO LECTIVO 2006/2007-2º SEMESTRE 1.1. Categoria e Vínculo Doutorado Convidado Tempo Integral Doutorado Convidado Tempo Parcial

Leia mais

Formação Pedagógica Inicial de Formadores Objetivos Gerais Este Curso, homologado pelo IEFP, visa dotar os participantes das técnicas, conhecimentos e competências necessárias á apresentação com sucesso

Leia mais

Guia do formador. Relações interpessoais e qualidade do serviço

Guia do formador. Relações interpessoais e qualidade do serviço Guia do formador Relações interpessoais e qualidade do serviço Objectivo do módulo: Saber adoptar comportamentos susceptíveis de contribuir para a valorização da imagem de marca de uma empresa de transporte.

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA PLANO DE ATIVIDADES CONSELHO PEDAGÓGICO ANO LETIVO 2013/2014 COIMBRA, 2013 ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA PLANO DE ATIVIDADES CONSELHO PEDAGÓGICO ANO

Leia mais

Psicologia da Educação Curso de Professores do Ensino Básico 1º Ciclo 2º Ano

Psicologia da Educação Curso de Professores do Ensino Básico 1º Ciclo 2º Ano Psicologia da Educação Curso de Professores do Ensino Básico 1º Ciclo 2º Ano Ano lectivo 2007/2008 Copyright, 2008 José Farinha, Prof. Adjunto Sumário da aula de hoje: Apresentação: Da equipa pedagógica

Leia mais

AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INTERNA TERCEIRO CICLO DO ENSINO BÁSICO 7.º ANO. Ano letivo 2013/2014

AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INTERNA TERCEIRO CICLO DO ENSINO BÁSICO 7.º ANO. Ano letivo 2013/2014 AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO TERCEIRO CICLO DO ENSINO BÁSICO 7.º ANO Ano letivo 2013/2014 AVALIAÇÃO INTERNA A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática educativa que permite a recolha

Leia mais

AVALIAÇÃO DE TRABALHO ESCRITO/ ORAL

AVALIAÇÃO DE TRABALHO ESCRITO/ ORAL AVALIAÇÃO DE TRABALHO ESCRITO/ ORAL CURSO Ano lectivo Unidade Curricular: Ano Sem. Estudante nº Nome Trabalho AVALIAÇÃO DE TRABALHO ESCRITO ponderação 1% Classificação AVALIAÇÃO DA APRESENTAÇÃO ORAL ponderação

Leia mais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Cargo/Carreira/categoria Atribuições / Competências/Actividades Nº de postos Planeados Nº de postos de trabalho providos Observações (Universo

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Estágio Curricular Supervisionado em Educação Infantil I Código da Disciplina: EDU Curso: Pedagogia Semestre de oferta da disciplina: 5º Faculdade responsável: Pedagogia

Leia mais

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA CAMPOS DE ANÁLISE DE DESEMPENHO Como elemento fundamental de preparação da avaliação, solicita-se a cada escola 1 em processo de avaliação que elabore um texto que:

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA PROFESSOR: Alexei Manso Correa Machado 1. EMENTA: A disciplina tem como objetivo apresentar aos alunos os fundamentos da construção do

Leia mais

O Projeto Ensino de Química a Alunos com Deficiência Visual da UnB: 8 anos depois.

O Projeto Ensino de Química a Alunos com Deficiência Visual da UnB: 8 anos depois. Universidade de Brasília Instituto de Química O Projeto Ensino de Química a Alunos com Deficiência Visual da UnB: 8 anos depois. Larine Araújo Pires Orientadores: Gerson Mól e Patrícia Raposo Objetivos

Leia mais

APOIO AO ESTUDO 1º CICLO LINHAS ORIENTADORAS 2015/ INTRODUÇÃO

APOIO AO ESTUDO 1º CICLO LINHAS ORIENTADORAS 2015/ INTRODUÇÃO APOIO AO ESTUDO DEPARTAMENTO CURRICULAR DO 1.º CICLO LINHAS ORIENTADORAS 2015/20164 1º CICLO 1. INTRODUÇÃO O despacho normativo nº7/2013 tem como objetivo conceder maior flexibilidade na constituição das

Leia mais

CICLO DE FORMAÇÃO EM INVESTIGAÇÃO CLÍNICA

CICLO DE FORMAÇÃO EM INVESTIGAÇÃO CLÍNICA CICLO DE FORMAÇÃO EM INVESTIGAÇÃO CLÍNICA Organização 1. O Ciclo de Formação em Investigação Clínica, organizado pelo Serviço de Cirurgia B do Hospital Prof. Doutor Fernando da Fonseca e pela X2 Science

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

Campus Itaqui Curso de Ciência e Tecnologia de Alimentos Normas para o Trabalho de Conclusão de Curso

Campus Itaqui Curso de Ciência e Tecnologia de Alimentos Normas para o Trabalho de Conclusão de Curso Campus Itaqui Curso de Ciência e Tecnologia de Alimentos Normas para o Trabalho de Conclusão de Curso 1. ASPECTOS LEGAIS: O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é uma exigência curricular para a colação

Leia mais

A Educação para os Media em Portugal

A Educação para os Media em Portugal A Educação para os Media em Portugal Experiências, Actores e Contextos Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade Novembro de 2009 1. Enquadramento Teórico A Educação para os Media é hoje uma área-chave

Leia mais

PLANO DE CARREIRA PARA OS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE E AGENTE DE COMBATE A ENDEMIA

PLANO DE CARREIRA PARA OS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE E AGENTE DE COMBATE A ENDEMIA PLANO DE CARREIRA PARA OS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE E AGENTE DE COMBATE A ENDEMIA Nossa Equipe Coordenadora: Professora Maria José Menezes Brito (Escola de Enfermagem UFMG) Co-coordenador: Professor

Leia mais

LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA OS RELATÓRIOS DE AVALIAÇÃO

LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA OS RELATÓRIOS DE AVALIAÇÃO LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA OS RELATÓRIOS DE AVALIAÇÃO 2014 FICHA TÉCNICA Título: Linhas de Orientação para os Relatórios de Avaliação Edição: Gabinete de Avaliação e Auditoria Camões, Instituto da Cooperação

Leia mais

A INFLUENCIA DO ESPAÇO NA CRIAÇÃO DE ESPAÇOS DE APRENDIZAGEM DE ALTA QUALIDADE. Pedro Nuno Moreira da Silva

A INFLUENCIA DO ESPAÇO NA CRIAÇÃO DE ESPAÇOS DE APRENDIZAGEM DE ALTA QUALIDADE. Pedro Nuno Moreira da Silva A INFLUENCIA DO ESPAÇO NA CRIAÇÃO DE ESPAÇOS DE APRENDIZAGEM DE ALTA QUALIDADE. Pedro Nuno Moreira da Silva psilva@est.ipcb.pt Apresentação do Trabalho Phd. Universidade de Évora Doutoramento em Sistemas

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas de Sines Escola Sede: E. B. Vasco da Gama de Sines. Avaliação Desempenho Pessoal Docente Contrato

Agrupamento Vertical de Escolas de Sines Escola Sede: E. B. Vasco da Gama de Sines. Avaliação Desempenho Pessoal Docente Contrato Avaliação Desempenho Pessoal Docente Contrato 2011/2012 INTRODUÇÃO Este documento tem como objetivo o enquadramento do processo de avaliação do pessoal docente regime contrato para o ano letivo 2011/2012.

Leia mais

PARA ENFERMEIROS (FEV 2016) PORTO

PARA ENFERMEIROS (FEV 2016) PORTO GESTãO PARA ENFERMEIROS (FEV 2016) PORTO Gestão para Enfermeiros, curso criado com o objetivo de proporcionar uma abordagem verdadeiramente transversal das matérias de gestão mais relevantes que possa

Leia mais

A Farmácia no Sistema de Saúde

A Farmácia no Sistema de Saúde A Farmácia no Sistema de Saúde João Silveira 24 de Abril de 2008 A Farmácia O Farmacêutico O Medicamento O Doente Farmacêuticos - Competências 1. I&D, fabrico, qualidade, registo, distribuição e dispensa

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRIO / PROFISSIONAL À DESCOBERTA DO MODELO DE NEGÓCIO

ENSINO SECUNDÁRIO / PROFISSIONAL À DESCOBERTA DO MODELO DE NEGÓCIO ENSINO SECUNDÁRIO / PROFISSIONAL À DESCOBERTA DO MODELO DE NEGÓCIO Ensino Secundário / Profissional Breve descrição Esta atividade pretende aprofundar um pouco o tema Modelos de Negócio e ajudar os alunos

Leia mais

Métodos e Técnicas do Trabalho Científico e da Pesquisa

Métodos e Técnicas do Trabalho Científico e da Pesquisa 2014. 1 Métodos e Técnicas do Trabalho Científico e da Pesquisa FACULDADE POLIS DAS ARTES Professor: Tiago Silva de Oliveira E-mail: psicotigl@yahoo.com.br Noturno/2014.1 Carga Horária 80h 1 Dia da Semana

Leia mais

GUIA DO CURSO. 2ª Edição ( ) COORDENADOR: Prof. Doutor Mário do Carmo

GUIA DO CURSO. 2ª Edição ( ) COORDENADOR: Prof. Doutor Mário do Carmo GUIA DO CURSO 2ª Edição (-2011) COORDENADOR: Prof. Doutor Mário do Carmo ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO...3 2. CARACTERIZAÇÃO DO CURSO...9 2.1. Destinatários...9 2.2. Condições de Acesso...9 2.3 Objectivos...9

Leia mais

CONCEPÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA ENTRE DOCENTES DE ENSINO SUPERIOR: A EDUCAÇÃO FÍSICA EM QUESTÃO

CONCEPÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA ENTRE DOCENTES DE ENSINO SUPERIOR: A EDUCAÇÃO FÍSICA EM QUESTÃO 1 CONCEPÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA ENTRE DOCENTES DE ENSINO SUPERIOR: A EDUCAÇÃO FÍSICA EM QUESTÃO Danielle Batista Mestranda em Educação Universidade Federal de Mato Grosso Bolsista Capes Profº. Dr.

Leia mais

EMENTAS BIBLIOTECONOMIA INGRESSANTES 2016/1 E 2016/2

EMENTAS BIBLIOTECONOMIA INGRESSANTES 2016/1 E 2016/2 EMENTAS BIBLIOTECONOMIA INGRESSANTES 2016/1 E 2016/2 EMENTAS COMUNS ÀS MATRIZES LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS Produção de textos (orais e escritos), leitura e análise linguística de textos em diferentes

Leia mais

TÍTULO: OS DESAFIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA REGIÃO MÉDIO PARAÍBA

TÍTULO: OS DESAFIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA REGIÃO MÉDIO PARAÍBA TÍTULO: OS DESAFIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA REGIÃO MÉDIO PARAÍBA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO

Leia mais

Inscrição e Alargamento do Prazo

Inscrição e Alargamento do Prazo 3, 4 e 5 de fevereiro 2017 Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa Inscrição e Alargamento do Prazo Desde a sua criação legal em 1983 (DL n.º 310/83, de 1 de julho), o Ensino Artístico Especializado tem vindo

Leia mais

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1 FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1 ENFERMAGEM NOS CUIDADOS INTEGRAIS AO ADULTO E IDOSO NO PERÍODO PERI OPERATÓRIO Acadêmico: Curso: Período: Turno: Disciplina(s): Local: Campos de Observação: Profissional responsável

Leia mais

Plano Nacional de Leitura

Plano Nacional de Leitura 2012-2014 Plano Nacional de Leitura 1 I. O que motivou o projeto? Centralidade da leitura Leitura como ponto de partida para: - Aprender (competência transversal ao currículo) - Colaborar - Interagir /

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 OBJETIVOS Discutir e fomentar conhecimentos sobre a compreensão das potencialidades,

Leia mais

Grelha de Avaliação Oral (a preencher pelo professor)

Grelha de Avaliação Oral (a preencher pelo professor) 1 Grelha de Avaliação Oral (a preencher pelo professor) Compreende as instruções do professor Compreende enunciados orais simples Compreende enunciados orais complexos Escuta atentamente COMPREENSÃO O

Leia mais

Mestrado em Educação Área de Especialização: Didáctica da Matemática Metodologia da Investigação I. A Entrevista

Mestrado em Educação Área de Especialização: Didáctica da Matemática Metodologia da Investigação I. A Entrevista Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Departamento de Educação Mestrado em Educação Área de Especialização: Didáctica da Matemática Metodologia da Investigação I A Entrevista Cristina Costa Guida

Leia mais

Módulo A Aspectos gerais de Metodologia de Investigação

Módulo A Aspectos gerais de Metodologia de Investigação Métodos e Técnicas de Investigação (MTI) UC Obrigatória, 1º semestre Prof. Doutor José António Pereirinha (pereirin@iseg.utl.pt) Profª Doutora Ilona Kovacs (ilona@iseg.utl.pt) Prof. Doutor Carlos Farinha

Leia mais

EESTÁGIO PROFISSIONAL

EESTÁGIO PROFISSIONAL CAPÍTULO I Artigo 1.º Regime aplicável 1. O presente regulamento refere-se aos procedimentos de regulação do Estágio do 1.º ano do ramo de Design, da licenciatura do Curso de Arte e Design da Escola Superior

Leia mais

Memórias do trabalho

Memórias do trabalho Universidade Popular do Porto Candidatura de projecto à Porto 2001 SA, Capital da Cultura Memórias do trabalho testemunhos do Porto laboral no sé culo XX Agosto de 1999 (reformulação em Setembro de 2000)

Leia mais

EDITAL PIC ISEPRO Nº. 001/2015 PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIC ISEPRO) SELEÇÃO

EDITAL PIC ISEPRO Nº. 001/2015 PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIC ISEPRO) SELEÇÃO EDITAL PIC ISEPRO Nº. 001/2015 PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIC ISEPRO) SELEÇÃO 2015.1 1. O INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO PROGRAMUS ISEPRO, torna pública a abertura de inscrições para o preenchimento

Leia mais

CURSO OPERADOR DE INFORMÁTICA

CURSO OPERADOR DE INFORMÁTICA Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro SETOR DE COORDENAÇÃO E SUPERVISÃO PEDAGÓGICA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO ANO LETIVO DE 2016/2017

Leia mais