Soluções Composição qualitativa

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Soluções Composição qualitativa"

Transcrição

1 Soluções oposição qualitativa As soluções são istuas de difeetes substâcias. Ua solução te dois tipos de copoetes: o solvete a substâcia ode se dissolve o soluto e os solutos as substâcias que se dissolve. Assi, ua solução apeseta apeas u solvete as pode te u ou ais solutos. Soluções cujo solvete é a água desiga-se soluções aquosas. Já as soluções cujo solvete é o álcool são soluções alcoólicas. Água co sal (cloeto de sódio) Solução aquosa Solvete: água Soluto: loeto de sódio (Nal) auode Solução alcoólica de iodopovidoa Solvete: álcool (-popaol) Soluto: iodopovidoa No etato, o auode te outos solutos: iodeto de potássio; fosfato disódico di-hidatado; água puificada

2 Soluções oposição quatitativa As soluções são istuas hoogéeas, logo, são costituídas po ua úica fase ão se distiguido o soluto (dispeso) do solvete (dispesate). As soluções pode existi e qualque dos tês estados físicos: sólido, líquido ou gasoso. Paa distigui as soluções ete si é ecessáio expessa as suas coposições qualitativa e quatitativa. A coposição quatitativa de soluções expie a popoção e que o soluto(s) e solvete se istua paa oigia a efeida solução e expessa-se, vulgaete, e: ocetação ássica, ; ocetação ola ou, apeas, cocetação, ; Pecetage e volue, %(/); Pecetage e assa, %(/); Fação ola, x; Pates po ilhão, pp.

3 Soluções oposição quatitativa O Sistea Iteacioal de Uidades (SI) te sete gadezas fudaetais e, cosequeteete, sete uidades fudaetais. Alé destas, existe todas as outas gadezas que se defie a pati das fudaetais, atavés de expessões ateáticas e que se desiga po gadezas deivadas, de acodo co o diagaa. Sistea Iteacioal de Uidades (SI) deteia Fudaetais coo po exeplo opieto () Tepeatua assa (K) (kg) Quatidade de substâcia (ol) Gadezas e Uidades figua os Resultados das edições Deivadas coo po exeplo olue ( ) Desidade (kg/ )

4 Soluções oposição quatitativa Quatidade de substâcia Defie-se quatidade de substâcia ou quatidade quíica (síbolo ) cuja uidade é a ole (síbolo ol) coo a quatidade de substâcia ou de atéia que coté tatas uidades eleetaes (átoos, oléculas, iões ou outas patículas eleetaes) coo as que existe e 0,01 kg de caboo-1. Deste odo, ua ole de qualque substâcia coté sepe o eso úeo de patículas de substâcia 6,0 x 10. A este valo dá-se o oe de costate de Avogado e epeseta-se po N A. 1 ol Te associada ua assa Te associado u volue Nueicaete igual à assa atóica elativa, A, se a atéia fo ua substâcia atóica, sedo expessa e gaa. Nueicaete igual à assa olecula elativa,, se a atéia fo ua substâcia olecula, sedo expessa e gaa. Apeas o caso dos gases e que vale, d, as codições PTN (pessão e tepeatua oais 1 at e 5 ⁰)

5 Soluções oposição quatitativa À assa de 1 ol de deteiada substâcia chaa-se assa ola, epeseta-se pelo síbolo e expie-se usualete e gaas po ole (g/ol). O úeo que expie o valo da assa ola (expesso e gaas po ole) é idêtico ao da assa atóica elativa (A ), paa átoos, ou da assa olecula elativa ( ) paa oléculas. Exeplos: Se A () = 1,01 etão () = 1,01 g/ol Se A (u) = 6,55 etão (u) = 6,55 g/ol Se ( ) = x1,01 ( ) =,0 etão ( ) =,0 g/ol Se ( O) = x1,01+16,00 ( O) = 18,0 etão ( O) = 18,0 g/ol Podeos elacioa a assa () de ua dada aosta de substâcia co a sua assa ola () e a sua quatidade quíica () atavés da expessão: Uidades: [] = ol [] = g [] = g/ol

6 Questão: 1. Qual a assa de 0,500 ol de oléculas de SO? g 9,0 SO 98,09 g/ol 0,500 ol SO 98,09 g/ol SO 98,09 SO 16,00,07 1,01 SO O S SO? SO 0,500 ol SO A A A Soluções oposição quatitativa

7 oposição quatitativa de soluções ocetação ássica, E que: assa do soluto ; volue da solução. Uidade SI: [ ] = kg/ Nota: usa-se oalete o subúltiplo g/d Exeplo: Nu ecipiete de 1,00 L dissolvea-se 5,8 g de cloeto de sódio. Deteie a cocetação ássica da solução esultate. Nal solução 5,8 g 1,00 L 1,00 d Nal Nal solução 5,8 g 1,00 d Nal Nal 5,8 g / d

8 oposição quatitativa de soluções ocetação ou ocetação ola, E que: quatidade do soluto ; volue da solução. Uidade SI: [] = ol/ Nota: usa-se oalete o subúltiplo ol/d Exeplo: Nu ecipiete de 1,00 L dissolvea-se 5,8 g de cloeto de sódio. Deteie a cocetação da solução esultate. Nal 5,8 g Nal A Na A l solução 1,00 L 1,00 d Nal,99 5,5 Nal Nal solução Nal 0,100 ol / d Nal 0,100 ol 1,00 d Nal Nal Nal 58, 58, g / ol 5,8g 58, g/ol Nal 0,100 ol

9 oposição quatitativa de soluções Pecetage e assa, %(/) Adiesioal %( / ) A E que: assa do soluto ; i assa de cada substâcia pesete a solução. Exeplo: osidee ua solução que coteha 0 g de etaol, 6 O, 60 g de água, O, e 5, g de cloeto de sódio, Nal. Deteie a pecetage e assa de cada ua das substâcias.

10 oposição quatitativa de soluções % / total 100 % / % / % / etaol água cloeto desódio 0 g , 60 g , 5, g , 100 g 100 g % / % / 100 g % etaol água 5,7 % 55,9 % / 8, % cloeto desódio

11 oposição quatitativa de soluções Pecetage e volue, %(/) %( / ) 100 solução E que: volue do soluto ; solução volue total da solução. Adiesioal Exeplo: E 50 d de a existe 5 d de dioxigéio, O, e 175 d diazoto, N. Deteie a pecetage e volue de cada ua das substâcias. % / total 100 % % 175 d 50 d / 100 % / N 5 d 50 d 70,0 % / 100 % / 0,8 % O N O

12 oposição quatitativa de soluções Fação ola, x Adiesioal x A... E que: quatidade do soluto ; i quatidade de cada substâcia pesete a solução. Nota: a soa das fações olaes de todas as substâcias pesetes a solução é 1. Exeplo: osidee ua solução que coteha 0 g de etaol, 6 O, 60 g de água, O, e 5, g de cloeto de sódio, Nal. Deteie a fação ola de cada ua das substâcias. eifique que a soa das fações olaes de todas as substâcias é 1.

13 oposição quatitativa de soluções 6O 0 g 6O O 60 g O? Nal 5, g Nal? 6O 1,01 61,0116,00 6O 6,08 6O O 1,0116,00 O 18,0 O Nal,99 5,5 Nal 58, Nal 0 g 6,08 g ol O O 60 g 18,0 g ol O O 5, g 58, g ol?,99 ol 0,0 ol O O 0,91 ol ,08 g ol 18,0 g ol 1 18,0 g ol 1 1

14 oposição quatitativa de soluções x A x x x O 6 Nal O,99 x 0,0,99 0,91 0,0 x 0,0,99 0,91 0,91 x 0,0,99 0,91 O Nal 6 O 0,19 0,77 0,06 x 6 O x O x Nal 0,19 0,77 0,06 1,001 1 (o valo 1,001deve - se às apoxiaçõ es efetuadas duate os cálculos iteédios)

15 oposição quatitativa de soluções Pates po ilhão, pp Adiesioal pp pp solução solução E que: assa do soluto ; solução assa total da solução. volue do soluto ; solução volue total da solução. 1 g / 10 6 g de solução 1 g/10 g de solução 1 g/kg de solução Nota: uito cou quado se tabalha co soluções uito diluídas.

16 oposição quatitativa de soluções O valo 1,5% vol. o ótulo do viho idica que e 10 c deste viho há 1,5 c de álcool. O valo 5⁰ sigifica que e 100 c deste viage há 5 c de ácido acético (o soluto). O valo 7% o ótulo idica que e 100 g de solução haveá 7 g de soluto (cloeto de hidogéio). O valo 96% vol. Sigifica que, e 100 c de solução há 96 c de álcool etílico.

17 Execício osidee ua gaafa de água de 75,0 cl e o espetivo ótulo. Respoda às questões que são colocadas, selecioado a opção coeta. 1. Qual a cocetação ássica de sílica (SiO) esta gaafa de água?. Qual a assa de ião cloeto (l - ) existete e 75,0 cl desta água?. Paa igei,600 g de agésio, que volue de água seá ecessáio bebe?

18 Poposta de esolução do execício 1. De acodo co o ótulo, e 75 cl de água existe 1,5 g de sílica. osideado que 1 lito de água te 1 kg: 1 L 0,75 L 1 kg 0, ,75 kg 750 g 75 cl 0,75L 1,5 g 0,75 L 16,7 g/l. De acodo co o ótulo, a cocetação ássica do ião cloeto é 9,0 g/l 1 L 0,75 L 9,0 g l l 0,75 L9,0 g 1 L l 6,75 g

19 Poposta de esolução do execício. De acodo co o ótulo, a cocetação ássica do ião agésio é 1,6 g/l Petede-se igei,600 g de agésio. Qual o volue de solução ecessáio? 1L solução 1,6 g,600 g solução 1L,600 g 1,6 g solução 1,65 L

Massa atômica, molecular e mol

Massa atômica, molecular e mol assa atôica, olecular e ol Gabarito: Resposta da questão 1: [A] Tereos: O bóso de Higgs, apesar de ser ua partícula fudaetal da atureza, te assa da orde de 16 vezes aior que a do próto, etão: etade da

Leia mais

AULA 23 FATORES DE FORMA DE RADIAÇÃO TÉRMICA

AULA 23 FATORES DE FORMA DE RADIAÇÃO TÉRMICA Notas de aula de PME 336 Pocessos de Tasfeêcia de Calo e Massa 98 AULA 3 ATORES DE ORMA DE RADIAÇÃO TÉRMICA Cosidee o caso de duas supefícies egas quaisque que tocam calo po adiação témica ete si. Supoha

Leia mais

Curso Semi-extensivo LISTA EXERCÍCIOS - 03 Disciplina: Química Professor: Eduar Fernando Rosso

Curso Semi-extensivo LISTA EXERCÍCIOS - 03 Disciplina: Química Professor: Eduar Fernando Rosso Curso Sei-extensivo LISTA EXERCÍCIOS - 03 Disciplina: Quíica Professor: Eduar Fernando Rosso assa Atôica, assa olecular e ol 01 (Ufpr 2017) E oentos de estresse, as glândulas suprarrenais secreta o horônio

Leia mais

Exercícios. setor 1302. Aulas 39 e 40. 1L (mar) 30 g x 60 10 3 g x = 2 10 3 L ou m 1 C = V 60 10. τ = m 1 V = 2 10 3 L

Exercícios. setor 1302. Aulas 39 e 40. 1L (mar) 30 g x 60 10 3 g x = 2 10 3 L ou m 1 C = V 60 10. τ = m 1 V = 2 10 3 L setor 1302 13020508 Aulas 39 e 40 CONCENTRAÇÃO COMUM, PORCENTAGEM EM MASSA DE SOLUTO E NOÇÃO DE PPM (PARTES POR MILHÃO) Concentração Concentração Cou (C) C 1 Densidade (d) g/l; g/ 3, etc d 1+ 2 g/c 3,

Leia mais

Exercícios 1. Deduzir a relação:

Exercícios 1. Deduzir a relação: setor 1322 13220509 13220509-SP Aula 35 RELAÇÕES ENTRE ÁRIOS TIPOS DE CONCENTRAÇÃO Tipo de concentração Cou E ol/l As conversões entre esses tipos de concentração pode ser feitas: Aditindo-se 1,0 L de

Leia mais

Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano. Módulo Q 2 Soluções.

Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano. Módulo Q 2 Soluções. Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano Docuento de apoio Módulo Q 2 Soluções. 1. Dispersões 1.1. Disperso e dispersante Dispersão Ua dispersão é ua istura de duas ou ais substâncias,

Leia mais

do sistema. A aceleração do centro de massa é dada pela razão entre a resultante das forças externas ao sistema e a massa total do sistema:

do sistema. A aceleração do centro de massa é dada pela razão entre a resultante das forças externas ao sistema e a massa total do sistema: Colisões.F.B, 004 Física 004/ tua IFA AULA 3 Objetio: discuti a obseação de colisões no efeencial do cento de assa Assuntos:a passage da descição no efeencial do laboatóio paa o efeencial do cento de assa;

Leia mais

CUSC MEDICINA CENTRO UNIVERSITÁRIO SÃO CAMILO

CUSC MEDICINA CENTRO UNIVERSITÁRIO SÃO CAMILO CUSC 2014 - MEDICINA CENTRO UNIVERSITÁRIO SÃO CAMILO CONHECIMENTOS GERAIS Leia o texto para respoder às questões de úeros 27 e 28. O selêio (Se) é u icroutriete que te sido associado à redução de risco

Leia mais

Universidade de São Paulo Instituto de Física. Física Moderna II. Profa. Márcia de Almeida Rizzutto 2 o Semestre de Física Moderna 2 Aula 20

Universidade de São Paulo Instituto de Física. Física Moderna II. Profa. Márcia de Almeida Rizzutto 2 o Semestre de Física Moderna 2 Aula 20 Uivesidade de São Paulo Istituto de Física Física Modea II Pofa. Mácia de Almeida Rizzutto o Semeste de 14 Física Modea 1 Todos os tipos de ligação molecula se devem ao fato de a eegia total da molécula

Leia mais

UNISA MEDICINA 2017 UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO

UNISA MEDICINA 2017 UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO UNISA EDIINA 017 UNIVERSIDADE DE SANT AAR 01. s etais alcalios reage violetaete co água por reações de deslocaeto, produzido u coposto iôico e u gás cobustível. A reatividade desses etais varia o grupo

Leia mais

Operadores Lineares e Matrizes

Operadores Lineares e Matrizes Operadores Lieares e Matrizes Ua Distição Fudaetal e Álgebra Liear Prof Carlos R Paiva Operadores Lieares e Matrizes Coeceos por apresetar a defiição de operador liear etre dois espaços lieares (ou vectoriais)

Leia mais

PROVA MODELO 1 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PROVA MODELO 1 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PROVA MODELO PROPOSTA DE RESOLUÇÃO GRUPO I. A frase do texto que traduz u facto e que Aristóteles e Galileu era concordantes será Tal coo Aristóteles, descobriu ser uito difícil edir diretaente as trajetórias

Leia mais

UNIFEV MEDICINA - Segundo Semestre CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOTUPORANGA

UNIFEV MEDICINA - Segundo Semestre CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOTUPORANGA UNIFEV 01 - MEDIINA - Segundo Seestre ENTR UNIVERSITÁRI DE VTUPRANGA 07. A istura de gás oxigênio co acetileno ( H ) é utilizada na soldage de peças nas oficinas ecânicas. acetileno pode ser produzido

Leia mais

4.º Teste de Física e Química A 10.º A Fev minutos /

4.º Teste de Física e Química A 10.º A Fev minutos / 4.º Teste de Física e Quíica A 10.º A Fev. 2013 90 inutos / Noe: n.º Classificação Professor E.E. GRUPO I As seis questões deste grupo são todas de escolha últipla. Para cada ua delas são indicadas quatro

Leia mais

. Com base nos dados fornecidos, calcule o ponto de ebulição da água. Aproxime Η por Η e S POR S. Dados termodinâmicos: T= 369,74 370K

. Com base nos dados fornecidos, calcule o ponto de ebulição da água. Aproxime Η por Η e S POR S. Dados termodinâmicos: T= 369,74 370K SOLUÇÃO IDEL: QUÍIC IE 6/7 ) O oxigêio e o hidrogêio cobia-se, e células de cobustíel, produzido água liquida e gerado correte elétrica. O áxio trabalho elétrico útil que essas células produze é dado por

Leia mais

Centro Universitário Anchieta Engenharia Química Físico Química I Prof. Vanderlei I Paula Nome: R.A. Gabarito 4 a lista de exercícios

Centro Universitário Anchieta Engenharia Química Físico Química I Prof. Vanderlei I Paula Nome: R.A. Gabarito 4 a lista de exercícios Engenharia Quíica Físico Quíica I. O abaixaento da pressão de vapor do solvente e soluções não eletrolíticas pode ser estudadas pela Lei de Raoult: P X P, onde P é a pressão de vapor do solvente na solução,

Leia mais

1 - CORRELAÇÃO LINEAR SIMPLES rxy

1 - CORRELAÇÃO LINEAR SIMPLES rxy 1 - CORRELAÇÃO LINEAR IMPLE Em pesquisas, feqüetemete, pocua-se veifica se existe elação ete duas ou mais vaiáveis, isto é, sabe se as alteações sofidas po uma das vaiáveis são acompahadas po alteações

Leia mais

Seu sonho, nossa meta Pa. Resposta da questão 1: [B]

Seu sonho, nossa meta Pa. Resposta da questão 1: [B] RESOSTAS CAÍTULO 6-GASES Resposta da questão 1: [B] A pressão parcial do gás oxigênio ao nível do ar é igual a 1% da pressão atosférica do ar, assi teos: O 0,1100000 po 1000O 0,1100000 po 1000 a O E La

Leia mais

Curso Semiextensivo LISTA EXERCÍCIOS Disciplina: Química Professor: Eduar Fernando Rosso

Curso Semiextensivo LISTA EXERCÍCIOS Disciplina: Química Professor: Eduar Fernando Rosso Curso Seiextesivo LISTA EXERCÍCIOS Disciplia: Quíica Professor: Eduar Ferado Rosso SOLUÇÕES 1. (Ee 015) A hidropoia pode ser defiida coo ua técica de produção de vegetais se ecessariaete a preseça de solo.

Leia mais

QUÍMICA PRISE II SOLUÇÕES 4.1 FENÔMENO DE SATURAÇÃO DE UMA SOLUÇÃO. Sal (soluto) Água (solvente) 1. INTRODUÇÃO

QUÍMICA PRISE II SOLUÇÕES 4.1 FENÔMENO DE SATURAÇÃO DE UMA SOLUÇÃO. Sal (soluto) Água (solvente) 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO QUÍMICA PRISE II SOLUÇÕES 4.1 FENÔMENO DE SATURAÇÃO DE UMA SOLUÇÃO Quando a istura apresenta as esas características e toda a extensão do recipiente teos ua istura hoogênea e, se tiver ais

Leia mais

Aula-10 Indução e Indutância

Aula-10 Indução e Indutância Aula-1 Idução e Idutâcia Idução Apedeos que: Ua espia codutoa pecoida po ua coete i a peseça de u capo agético sofe ação de u toque: espia de coete + capo agético toque as... Se ua espia, co a coete desligada,

Leia mais

Física e Química A Tabela de Constantes Formulário Tabela Periódica

Física e Química A Tabela de Constantes Formulário Tabela Periódica Física e Quíica A Tabela de Constantes Forulário Tabela Periódica http://fisicanalixa.blogspot.pt/ CONSTANTES Velocidade de propagação da luz no vácuo c = 3,00 10 8 s 1 Módulo da aceleração gravítica de

Leia mais

Secção 3. Aplicações das equações diferenciais de primeira ordem

Secção 3. Aplicações das equações diferenciais de primeira ordem 3 Aplicações das equações diferenciais de prieira orde Secção 3 Aplicações das equações diferenciais de prieira orde (Farlow: Sec 23 a 26) hegou a altura de ilustrar a utilidade prática das equações diferenciais

Leia mais

Capítulo I Erros e Aritmética Computacional

Capítulo I Erros e Aritmética Computacional C. Balsa e A. Satos Capítulo I Eos e Aitmética Computacioal. Itodução aos Métodos Numéicos O objectivo da disciplia de Métodos Numéicos é o estudo, desevolvimeto e avaliação de algoitmos computacioais

Leia mais

TRANSIÇÕES DE FASE DE SUBSTÂNCIAS PURAS

TRANSIÇÕES DE FASE DE SUBSTÂNCIAS PURAS RANSIÇÕES DE FASE DE SUBSÂNCIAS URAS rof. Harley. Martins Filho A explosão do space shuttle Chalenger 1 1. Fases e ições Fase de ua substância: Fora da atéria que é hoogênea e coposição quíica e propriedades

Leia mais

Números Complexos (Parte II) 1 Plano de Argand-Gauss. 2 Módulo de um número complexo. Prof. Gustavo Adolfo Soares

Números Complexos (Parte II) 1 Plano de Argand-Gauss. 2 Módulo de um número complexo. Prof. Gustavo Adolfo Soares Númeos Complexos (Pate II) 1 Plao de Agad-Gauss Das defiições de que um úmeo complexo é um pa odeado de úmeos eais x e y e que C = R R, temos que: A cada úmeo complexo coespode um úico poto do plao catesiao,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS COIMBRA 12º ANO DE ESCOLARIDADE MATEMÁTICA A. Tarefa nº 7 do plano de trabalho nº 1

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS COIMBRA 12º ANO DE ESCOLARIDADE MATEMÁTICA A. Tarefa nº 7 do plano de trabalho nº 1 ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS COIMBRA º ANO DE ESCOLARIDADE MATEMÁTICA A Taefa º 7 do plao de tabalho º. Comece po esolve o execício 3 da págia 0.. Muitas das geealizações feitas as divesas ciêcias,

Leia mais

resoluções de exercícios

resoluções de exercícios resoluções de exercícios QUÍMICA I Capítulo Água 07 Estudo das Soluções Cada 100 g de CaCO 3 reove g de sílica: 100 g g y g 1,9 t 196, 100 y 3,t BOCO 0 BOCO 01 01 A Ouro de 18 quilates: istura hoogêea

Leia mais

4. Grandezas e unidades utilizadas na caracterização da atenuação dos raios-x nos tecidos biológicos

4. Grandezas e unidades utilizadas na caracterização da atenuação dos raios-x nos tecidos biológicos 4. Grandezas e unidades utilizadas na caracterização da atenuação dos raios-x nos tecidos biológicos Antes de prosseguir co o estudo dos equipaentos e das iagens obtidas através dos raios-x propriaente

Leia mais

Resolução QUÍMICA CADERNO 1 TAREFA PROPOSTA

Resolução QUÍMICA CADERNO 1 TAREFA PROPOSTA TAREFA PRPSTA Resolução QUÍMIA Reprodução proibida Art 84 do ódigo Peal e Lei 960 de 9 de fevereiro de 998 QG0 d A adição de açúcar provoca aueto da assa da solução se cosiderável aueto de volue oo d =,

Leia mais

Matrizes e Polinômios

Matrizes e Polinômios Matrizes e oliôios Duas atrizes A, B Mat R) são seelhates quado existe ua atriz ivertível Mat R) tal que B = A Matrizes seelhates possue o eso poliôio característico, já que: det A λ ) = det A λ ) ) =

Leia mais

GABARITO. Resposta: Teremos:

GABARITO. Resposta: Teremos: Cetro Uiversitário Achieta Egeharia Quíica Físico Quíica I Prof. Vaderlei I Paula Noe: R.A. a lista de exercícios/ Data: /08/04 // gabarito /08/04 GABARITO 0 - E u rocesso idustrial, u reator de 50 L é

Leia mais

Curso de Física Básica - H. Moysés Nussenzveig Resolução do Volume III Capítulo 2 A Lei de Coulomb

Curso de Física Básica - H. Moysés Nussenzveig Resolução do Volume III Capítulo 2 A Lei de Coulomb uso e Física Básica - H Mosés Nussenzveig Resolução o Volue III apítulo A Lei e oulob - Moste que a azão a atação eletostática paa a atação gavitacional ente u eléton e u póton é inepenente a istância

Leia mais

Semana 05. em que m e e m a são as massas de etanol e de água na mistura, respectivamente, a uma temperatura de 20 o C.

Semana 05. em que m e e m a são as massas de etanol e de água na mistura, respectivamente, a uma temperatura de 20 o C. Seana 05 Seana 05 01. (Ene 016) Para cada litro de etanol produzido e ua indústria de cana-de-açúcar são gerados cerca de 18 L de vinhaça que é utilizada na irrigação das plantações de cana-de-açúcar,

Leia mais

Análise de uma Fila Única

Análise de uma Fila Única Aálise de ua Fila Úica The A of oue Syses Pefoace Aalysis Ra Jai a. 3 Fila Úica O odelo de filas ais siles coé aeas ua fila Pode se usado aa aalisa ecusos idividuais e siseas de couação Muias filas ode

Leia mais

Professora Sonia. CUSC MEDICINA - Segundo Semestre CENTRO UNIVERSITÁRIO SÃO CAMILO

Professora Sonia. CUSC MEDICINA - Segundo Semestre CENTRO UNIVERSITÁRIO SÃO CAMILO CUSC 2017 - MEDICINA - Segudo Semestre CENTR UNIVERSITÁRI SÃ CAMIL 01. maracujá, por ser rico em potássio, cotribui para o cotrole da pressão arterial. A tabela apreseta os pricipais mierais ecotrados

Leia mais

FORÇAS EXTERIORES AS FORÇAS DE ATRITO COMO FORÇAS DE LIGAÇÃO

FORÇAS EXTERIORES AS FORÇAS DE ATRITO COMO FORÇAS DE LIGAÇÃO OÇS EXTEIOES s foças xtios qu atua sob u copo pod faoc o ointo dss copo dsigna-s, nst caso, po foças aplicadas. o caso das foças xtios stingi o ointo do copo, dsigna-s po foças d ligação. S OÇS DE TITO

Leia mais

GGE RESPONDE - VESTIBULAR IME 2011 (MATEMÁTICA FÍSICA QUÍMICA)

GGE RESPONDE - VESTIBULAR IME 2011 (MATEMÁTICA FÍSICA QUÍMICA) GGE REPNE - VETIBULR IME (MTEMÁTI FÍI QUÍMI) MTEMÁTI. eja o tiâgulo etâgulo B co os catetos edido c e 4 c. s diâetos dos tês seicículos, taçados a figua abaio, coicide co os lados do tiâgulo B. soa das

Leia mais

Interbits SuperPro Web. Gabarito: Ca(OH) 2HC CaC H O. 200mL 1 mol/l n 0,2 1 0,2mol. Na CO 2HC 2NaC H O CO. 22mL 0,4000M. n ,4000.

Interbits SuperPro Web. Gabarito: Ca(OH) 2HC CaC H O. 200mL 1 mol/l n 0,2 1 0,2mol. Na CO 2HC 2NaC H O CO. 22mL 0,4000M. n ,4000. Gabarito: Resposta da questão 1: [E] Ca(OH) 2HC CaC H O ác 2 2 2 200L 1 ol/l n 0,2 1 0,2ol Titulação co excesso: HC NaOH NaC H2O 200L 0,5M n 0,1ol (excesso) n 0,2 0,1ol reagiu Proporção da reação da 1ª

Leia mais

propriedade _ elástica _ do _ meio propriedade _ inercial

propriedade _ elástica _ do _ meio propriedade _ inercial Cap 17 (8 a edição) Odas Sooras II Odas ecâicas: ecessita de u eio de propagação. Elas pode ser trasersais e logitudiais. Oda soora: Logitudial (so, soar, radar) Neste capítulo: odas se propaga o ar e

Leia mais

UNISA MEDICINA 2014 UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO

UNISA MEDICINA 2014 UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO UNISA MEDIINA 2014 UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO ONHEIMENTOS GERAIS 50. A vida no planeta Terra está baseada e dois eleentos essenciais. U deles está presente e todos os copostos orgânicos e é versátil,

Leia mais

Exercícios de Matemática Binômio de Newton

Exercícios de Matemática Binômio de Newton Exercícios de Mateática Biôio de Newto ) (ESPM-995) Ua lachoete especializada e hot dogs oferece ao freguês 0 tipos diferetes de olhos coo tepero adicioal, que pode ser usados à votade. O tipos de hot

Leia mais

Caloria (símbolo: cal) é uma unidade de medida de ENERGIA não pertencente ao Sistema Internacional de Unidade.

Caloria (símbolo: cal) é uma unidade de medida de ENERGIA não pertencente ao Sistema Internacional de Unidade. TERMODINÂMICA E TRANSFERÊNCIA DE CALOR Profa. Dra. Maria Laura Goes Silva da Luz 206 UNIDADE I - PROPRIEDADES TERMODINÂMICAS Terodinâica: do grego THÉRME + DÝNAMIS calor força Terodinâica é a ciência que

Leia mais

XForça. Um corpo, sobre o qual não age nenhuma força, tende a manter seu estado de movimento ou de repouso. Leis de Newton. Princípio da Inércia

XForça. Um corpo, sobre o qual não age nenhuma força, tende a manter seu estado de movimento ou de repouso. Leis de Newton. Princípio da Inércia Física Aistotélica of. Roseli Constantino Schwez constantino@utfp.edu.b Aistóteles: Um copo só enta em movimento ou pemanece em movimento se houve alguma foça atuando sobe ele. Aistóteles (384 a.c. - 3

Leia mais

a) Qual é a energia potencial gravitacional, em relação à superfície da água, de um piloto de 60kg, quando elevado a 10 metros de altura?

a) Qual é a energia potencial gravitacional, em relação à superfície da água, de um piloto de 60kg, quando elevado a 10 metros de altura? 1. (Espcex (Aan) 17) U cubo de assa 4 kg está inicialente e epouso sobe u plano hoizontal se atito. Duante 3 s, aplica-se sobe o cubo ua foça constante, hoizontal e pependicula no cento de ua de suas faces,

Leia mais

Física Geral I. 1º semestre /05. Indique na folha de teste o tipo de prova que está a realizar: A, B ou C

Física Geral I. 1º semestre /05. Indique na folha de teste o tipo de prova que está a realizar: A, B ou C Física Geral I 1º seestre - 2004/05 1 TESTE DE AVALIAÇÃO 2668 - ENSINO DE FÍSICA E QUÍMICA 1487 - OPTOMETRIA E OPTOTÉCNIA - FÍSICA APLICADA 8 de Novebro, 2004 Duração: 2 horas + 30 in tolerância Indique

Leia mais

GERADORES. Figura 5.1 (a) Gerador não ideal. (b) Gerador não ideal com a resistência interna r explicita no diagrama.

GERADORES. Figura 5.1 (a) Gerador não ideal. (b) Gerador não ideal com a resistência interna r explicita no diagrama. ELEICIDADE CAPÍULO 5 GEADOES Cofome visto o Capítulo, o geado é uma máquia elética capaz de estabelece uma difeeça de potecial elético (ddp) costate (ou fime) ete os extemos de um coduto elético, de maeia

Leia mais

LEIS DE NEWTON APLICADAS AO MOVIMENTO DE FOGUETES

LEIS DE NEWTON APLICADAS AO MOVIMENTO DE FOGUETES LEIS DE NEWTON APLICADAS AO OVIENTO DE OGUETES 1ª Lei de Newton U copo e oviento continuaá e oviento, co velocidade constante, a não se que actue ua foça, ou u sistea de foças, de esultante não-nula, que

Leia mais

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 1º ANO OLÍMPICO

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 1º ANO OLÍMPICO EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 1º ANO OLÍMPICO E u laboratório, duas toreiras eche dois recipietes, de eso volue V, co diferetes soluções aquosas. Observe os dados da tabela: assa olar do I 2 assa olar do S Recipiete

Leia mais

Prova Escrita de Matemática A

Prova Escrita de Matemática A EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Pova Escita de Matemática A 12.º Ano de Escolaidade Deceto-Lei n.º 19/2012, de 5 de julho Pova 65/1.ª Fase Citéios de Classificação 11 Páginas 2016 Pova 65/1.ª

Leia mais

Exercícios e outras práticas sobre as aplicações da Termodinâmica Química 1 a parte

Exercícios e outras práticas sobre as aplicações da Termodinâmica Química 1 a parte 5 Capítulo Capítulo Execícios e outas páticas sobe as aplicações da emodinâmica Química 1 a pate Só queo sabe do que pode da ceto Não tenho tempo a pede. (leta da música Go Back, cantada pelo gupo itãs.

Leia mais

COLÉGIO ANCHIETA-BA UII_ 3EM_MAIO DE 2014 ORGANIZAÇÃO: PROF. ADRIANO CARIBÉ E PROF. WALTER PORTO. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C.

COLÉGIO ANCHIETA-BA UII_ 3EM_MAIO DE 2014 ORGANIZAÇÃO: PROF. ADRIANO CARIBÉ E PROF. WALTER PORTO. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. RESOUÇÃO DA a AVAIAÇÃO DE MATEMÁTICA COÉGIO ANCHIETA-BA UII_ EM_MAIO DE 0 ORGANIZAÇÃO: PROF. ADRIANO CARIBÉ E PROF. WATER PORTO. PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Questão 0. Obseve e cassifique as afiações

Leia mais

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 18/09/06

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 18/09/06 P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 18/09/06 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assiatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 10,0 Dados R 0,081 atm L -1 K -1 T (K ) T ( C) + 73,15 1 atm

Leia mais

2 - Circuitos espelho de corrente com performance melhorada:

2 - Circuitos espelho de corrente com performance melhorada: Electóica 0/3 - Cicuitos espelho de coete com pefomace melhoada: Po ezes é ecessáio aumeta a pefomace dos cicuitos espelho de coete, tato do poto de ista da pecisão da taxa de tasfeêcia de coete como da

Leia mais

setor 1214 Aulas 35 e 36

setor 1214 Aulas 35 e 36 seto 114 1140509 1140509-SP Aulas 35 e 36 LANÇAMENTO HORIZONTAL E OBLÍQUO O oviento de u copo lançado hoizontalente no vácuo (ou e cicunstâncias tais que a esistência do a possa se despezada) é a coposição

Leia mais

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa:

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa: 6 FUVEST 09/0/202 Seu é Direito nas Melhores Faculdades 07. Obras célebres da literatura brasileira fora abientadas e regiões assinaladas neste apa: Co base nas indicações do apa e e seus conhecientos,

Leia mais

Campo Gravítico da Terra

Campo Gravítico da Terra 5. Campo Gavítico ómalo elação ete o potecial gavítico e o potecial omal é dada po: W ( x, y, z = U( x, y,z + ( x, y,z O campo gavítico aómalo ou petubado é etão defiido pela difeeça do campo gavítico

Leia mais

SÍNTESE CLORETO DE CHUMBO

SÍNTESE CLORETO DE CHUMBO Escola Secundária do Padre António Martins Oliveira de Laoa Técnicas Laboratoriais de Quíica SÍNTESE DO CLORETO DE CHUMBO Pedro Pinto Nº 14 11ºA 06/10/00 Objectivo do Trabalho O objectivo da experiência

Leia mais

Resoluções de Exercícios

Resoluções de Exercícios Resoluções de Exercícios QUÍMICA II Trasforações Quíicas Capítulo 01 Modelos Atôicos BLOCO 01 Maior absorção da radiação eletroagética pelos átoos de cálcio BLOCO 0 BLOCO 01 Segudo Dalto, os átoos era

Leia mais

Seção 24: Laplaciano em Coordenadas Esféricas

Seção 24: Laplaciano em Coordenadas Esféricas Seção 4: Laplaciano em Coodenadas Esféicas Paa o leito inteessado, na pimeia seção deduimos a expessão do laplaciano em coodenadas esféicas. O leito ue estive disposto a aceita sem demonstação pode dietamente

Leia mais

x = Acos (Equação da posição) v = Asen (Equação da velocidade) a = Acos (Equação da aceleração)

x = Acos (Equação da posição) v = Asen (Equação da velocidade) a = Acos (Equação da aceleração) Essa aula trata de ovientos oscilatórios harônicos siples (MHS): Pense nua oscilação. Ida e volta. Estudando esse oviento, os cientistas encontrara equações que descreve o dito oviento harônico siples

Leia mais

Matemática FUVEST ETAPA QUESTÃO 1. b) Como f(x) = = 0 + x = 1 e. Dados m e n inteiros, considere a função f definida por m

Matemática FUVEST ETAPA QUESTÃO 1. b) Como f(x) = = 0 + x = 1 e. Dados m e n inteiros, considere a função f definida por m Mateática FUVEST QUESTÃO 1 Dados e iteiros, cosidere a fução f defiida por fx (), x para x. a) No caso e que, ostre que a igualdade f( ) se verifica. b) No caso e que, ache as iterseções do gráfico de

Leia mais

defi departamento de física

defi departamento de física defi departaento de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt Capacidade térica ássica de u líquido Instituto Superior de Engenharia do Porto- Departaento de Física Rua Dr. António Bernardino

Leia mais

Cap.2 - Mecanica do Sistema Solar II: Leis de Kepler do movimento planetário

Cap.2 - Mecanica do Sistema Solar II: Leis de Kepler do movimento planetário Cap. - Mecanica do Sistea Sola II: Leis de Keple do oviento planetáio Johannes Keple Tycho Bahe Mateático e Astônoo Aleão 57-630 Astônoo Dinaaquês 546-60 = Cicunfeência achatada = Elipse Lei das Elipses

Leia mais

A QUÍMICA E A INDÚSTRIA

A QUÍMICA E A INDÚSTRIA A QUÍMICA E A INDÚSTRIA A idústria química, a partir de um pequeo úmero de substâcias aturais (matérias-primas), como a água do mar, o ar, o calcário, o salgema, o carvão, o petróleo e o gás atural, produz

Leia mais

Aplicação do Torque Residual para Satélites Artificiais Estabilizados por Rotação em Órbita Elíptica

Aplicação do Torque Residual para Satélites Artificiais Estabilizados por Rotação em Órbita Elíptica Aplicação do oque Residual paa Satélites Atificiais Estabilizados po Rotação e Óbita Elíptica Maia Cecília Zaadi, Robeta Veloso Gacia GRUPO DE DIÂMICA ORIAL E PLAEOLOGIA FEG Faculdade de Egehaia de Guaatiguetá

Leia mais

Ð Ð Ð. Estudo das soluções. ÐÐDissolução exotérmica O soluto se dissolve liberando. Coeficiente de solubilidade (C S. Gráfico de solubilidade

Ð Ð Ð. Estudo das soluções. ÐÐDissolução exotérmica O soluto se dissolve liberando. Coeficiente de solubilidade (C S. Gráfico de solubilidade Autoria: Alexandre liveira Edição de texto Érick eodósio Estudo das soluções Coeficiente de solubilidade ( ) coeficiente de solubilidade indica a quantidade áxia de ua substância que, e deterinadas condições

Leia mais

Cinética de congelamento do feijão (Phaseolus vulgaris L.) a baixas temperaturas

Cinética de congelamento do feijão (Phaseolus vulgaris L.) a baixas temperaturas Ciética de cogelaeto do feijão (Phaseolus vulgais L.) a baixas tepeatuas 667 Revista Basileia de Egehaia Agícola e Abietal v.6,.6, p.667 674, 0 Capia Gade, PB, UAEA/UFCG http://www.agiabi.co.b Potocolo

Leia mais

TE220 DINÂMICA DE FENÔMENOS ONDULATÓRIOS

TE220 DINÂMICA DE FENÔMENOS ONDULATÓRIOS TE0 DINÂMICA DE FENÔMENOS ONDULATÓRIOS Bibliografia: 1. Fundaentos de Física. Vol : Gravitação, Ondas e Terodinâica. 8 va edição. Halliday D., Resnick R. e Walker J. Editora LTC (008). Capítulos 15, 16

Leia mais

GRÁFICOS DE CONTROLE PARA X e S

GRÁFICOS DE CONTROLE PARA X e S Setor de Tecologia Departaeto de Egeharia de Produção Prof. Dr. Marcos Augusto Medes Marques GRÁFICOS DE CONTROLE PARA X e S E duas situações os gráficos de cotrole X e S são preferíveis e relação aos

Leia mais

Estudo de um modelo do núcleo do deuterão

Estudo de um modelo do núcleo do deuterão Estudo de um modelo do úcleo do deuteão Goçalo Oliveia º 5789 Pedo Ricate º 578 Física Quâtica da Matéia Istituto Sueio Técico Maio, 8 Resumo Cosidea-se um modelo simles aa o úcleo do deuteão, ode a iteacção

Leia mais

O MÉTODO DE VARIAÇÃO DAS CONSTANTES

O MÉTODO DE VARIAÇÃO DAS CONSTANTES O MÉTODO DE VARIAÇÃO DAS CONSTANTES HÉLIO BERNARDO LOPES O tea das equações difereciais está resete a esagadora aioria dos laos de estudos dos cursos de liceciatura ode se estuda teas ateáticos. E o eso

Leia mais

Módulo Q2 - Soluções SOLUÇÕES

Módulo Q2 - Soluções SOLUÇÕES Módulo Q2 - Soluções SOLUÇÕES Soluções o que são? Uma grande parte dos materiais que nos rodeiam desde a água do mar ao ar que respiramos são soluções. Uma solução é uma mistura homogénea de duas ou mais

Leia mais

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 02/04/05

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 02/04/05 P1 - PRVA DE QUÍMICA GERAL 0/04/05 Nome: Nº Matrícula: (Gabarito) Turma: Assiatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a,0 a,0 3 a,0 4 a,0 5 a,0 Total 10,0 Dados R 0,081 atm L -1 K -1 K C + 73,15 1 atm 760,0

Leia mais

Capítulo 4 Variáveis Aleatórias Discretas. Prof. Fabrício Maciel Gomes

Capítulo 4 Variáveis Aleatórias Discretas. Prof. Fabrício Maciel Gomes Capítulo 4 Vaiáveis Aleatóias Discetas Pof. Fabício Maciel Gomes Picipais Distibuições de Pobabilidade Discetas Equipovável Beoulli Biomial Poisso Geomética Pascal Hipegeomética Distibuição Equipovável

Leia mais

H inicial. ΔH = H final H inicial ΔH = [+ 10] [2(+ 34)] ΔH = 58 kj. ΔH em kj por mol de NO 2 que dimeriza? NO 2 N 2 O 4 ΔH = 58/2 kj

H inicial. ΔH = H final H inicial ΔH = [+ 10] [2(+ 34)] ΔH = 58 kj. ΔH em kj por mol de NO 2 que dimeriza? NO 2 N 2 O 4 ΔH = 58/2 kj setor 13 130409 130409-SP Aula 5 CÁLCULO DE ΔH DE REAÇÃO ATRAVÉS DE ENTALPIAS DE FORMAÇÃO + x zero y H (kcal ou kj) A entalpia (H) de 1,0 ol de ua substância coposta é nuericaente igual ao respectivo Calor

Leia mais

GABARITO - Revisão UNESP/ UNIFESP 2015

GABARITO - Revisão UNESP/ UNIFESP 2015 GABARITO - Revisão UNESP/ UNIFESP 015 Resposta da questão 1: a) Coposto 1: aida. Coposto : álcool. b) A estrutura 1 apresenta isoeria óptica, pois possui carbono quiral ou assiétrico (*). O caráter ácido-básico

Leia mais

Resoluções de Atividades

Resoluções de Atividades LUME QUÍMICA Resoluções de Atividades Suário Capítulo 5 Cálculo estequioétrico II Capítulo 6 Cálculo estequioétrico III 6 Capítulo 7 Estudo dos gases I 0 Capítulo 8 Estudo dos gases II Capítulo 9 Estudo

Leia mais

Prof. Daniel I. De Souza, Jr., Ph.D.

Prof. Daniel I. De Souza, Jr., Ph.D. CONAMET/SAM 26 TESTE DE VIDA SEQÜENCIAL APLICADO A UM TESTE DE VIDA ACELERADO COM UMA DISTRIBUIÇÃO DE AMOSTRAGEM WEIBULL DE TRÊS PARÂMETROS - UMA ABORDAGEM UTILIZANDO-SE O MÉTODO DO MAXIMUM LIKELIHOOD

Leia mais

Gases. 4. Pressão. 1. Fases de agregação. 2.2 Fator de compressibilidade (Z)

Gases. 4. Pressão. 1. Fases de agregação. 2.2 Fator de compressibilidade (Z) Gases 1. Fases de agregação O grau de organização das oléculas que fora a atéria varia desde uito organizado (fase sólida), passando por u grau de organização interediário (fase líquida) até u alto grau

Leia mais

EXERCÍCIOS QUÍMICA - 2

EXERCÍCIOS QUÍMICA - 2 EXERCÍCIOS QUÍMICA - 1. (Ita 015) Cotribuíra de fora direta para o desevolvieto do coceito de pressão atosférica a) Friedrich August Kekulé e Joh Dalto. b) Michael Faraday e Fritz Haber. c) Galileu Galilei

Leia mais

Afinação e Temperamento

Afinação e Temperamento Hidetoshi Arakawa Afinação e Teperaento Teoria e rática Hidetoshi Arakawa 00 Edição do Autor Capinas, Brasil upleento Hidetoshi Arakawa Caixa ostal 0 Capinas, 08-90 arakawah@correionet.co.br 00 refácio

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2012 DA UNICAMP-FASE 2. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2012 DA UNICAMP-FASE 2. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR DA UNICAMP-FASE PROFA MARIA ANTÔNIA C GOUVEIA O velocíetro é u istrueto que idica a velocidade de u veículo A figura abaio ostra o velocíetro de u carro que

Leia mais

TE220 DINÂMICA DE FENÔMENOS ONDULATÓRIOS

TE220 DINÂMICA DE FENÔMENOS ONDULATÓRIOS TE0 DINÂMICA DE FENÔMENOS ONDULATÓRIOS Bibliografia: 1. Fundaentos de Física. Vol : Gravitação, Ondas e Terodinâica. 8 va edição. Halliday D., Resnick R. e Walker J. Editora LTC (008). Capítulos 15, 16

Leia mais

1. Mecanica do Sistema Solar (II): Leis de Kepler do movimento planetário

1. Mecanica do Sistema Solar (II): Leis de Kepler do movimento planetário . Mecanica do Sistea Sola (II): Leis de Keple do oviento planetáio Astonoy: A Beginne s Guide to the Univese, E. Chaisson & S. McMillan (Caps. 0 e ) Intoductoy Astonoy & Astophysics, M. Zeilek, S. A. Gegoy

Leia mais

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 22/03/2014

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 22/03/2014 P1 - PROV DE QUÍMIC GERL 22/03/2014 Noe: Nº de Matrícula: GRITO Tura: ssinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Dados R = 0,0821 at L ol -1 K -1 T (K) = T ( C) +

Leia mais

SOLUÇÕES e GASES- EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

SOLUÇÕES e GASES- EXERCÍCIOS RESOLVIDOS rof. Vieira Filho SOLUÇÕES e GSES- EXERCÍCIOS RESOLVIDOS SOLUÇÕES. em-se 500g de uma solução aquosa de sacarose (C O ), saturada a 50 C. Qual a massa de cristais que se separam da solução, quado ela é

Leia mais

Matemática do Ensino Médio vol.2

Matemática do Ensino Médio vol.2 Matemática do Ensino Médio vol.2 Cap.11 Soluções 1) a) = 10 1, = 9m = 9000 litos. b) A áea do fundo é 10 = 0m 2 e a áea das paedes é (10 + + 10 + ) 1, = 51,2m 2. Como a áea que seá ladilhada é 0 + 51,2

Leia mais

Colisões. m 2. F x = mv v. dv dt. dp dt. dv dt

Colisões. m 2. F x = mv v. dv dt. dp dt. dv dt 7 9 7. Ipulso Colisão pode se deinida coo sendo a inteação oentânea ente dois copos. Duante o intealo de tepo e que ocoe a colisão, as oças ente os copos altea-se sensielente. As leis de conseação e Física

Leia mais

CARGA ELÉTRICA ELETRIZAÇÃO POR FRICÇÃO

CARGA ELÉTRICA ELETRIZAÇÃO POR FRICÇÃO CRG LÉTRIC caga elética é uma popiedade, dos mateiais, esponsável pelas inteações eletostáticas. xistem dois tipos de caga elética a que se convencionou chama caga positiva e caga negativa. LTRIZÇÃO POR

Leia mais

Exercícios Resolvidos Astronomia (Gravitação Universal)

Exercícios Resolvidos Astronomia (Gravitação Universal) Execícios Resolvios Astonoia (Gavitação Univesal) 0 - Cite as leis e Keple o oviento os copos celestes I "As óbitas que os planetas esceve ao eo o Sol são elípticas, co o Sol ocupano u os focos a elipse"

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA GABARITO PROCESSO SELETIVO INGRESSO EM 217/2 1ª Questão (a) (2, pontos) E = hc/λ E = (6,622 1 34 J s) (2,998 1 8 m s 1 ) / 254 1 9 m E = 7,82 1 19 J (b) (2, pontos) E = hc/λ E = (6,622 1 34 J s) (2,998

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA REAÇÃO DE TRANSESTERIFICAÇÃO DO ÓLEO DE MAMONA

OTIMIZAÇÃO DA REAÇÃO DE TRANSESTERIFICAÇÃO DO ÓLEO DE MAMONA Página 168 OTIMIZAÇÃO DA REAÇÃO DE TRANSESTERIFICAÇÃO DO ÓLEO DE MAMONA Marcos Luciano Guiarães Barreto 1 ; Gabrielly Pereira da Silva 1 ; Fernanda Rocha Morais; Gabriel Francisco da Silva 1 1 Universidade

Leia mais

Nome: Ano: Turma: Nº.: Duração da prova: 60 minutos

Nome: Ano: Turma: Nº.: Duração da prova: 60 minutos PGA - Prova Global do Agrupamento Direção de Serviços Região Algarve Agrupamento de Escolas Silves Sul Departamento de Ciências Físicas e Naturais Físico Química 8º Ano Prova B Nome: Ano: Turma: Nº.: Data:

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 16/05/09

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 16/05/09 P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 16/05/09 Nome: GABARITO Nº de Matrícula: Turma: Assiatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Costates: R 8,314 J mol -1 K -1 0,0821 atm

Leia mais

META: Apresentar o conceito de módulo de números racionais e sua representação

META: Apresentar o conceito de módulo de números racionais e sua representação Racioais META: Apresetar o coceito de ódulo de úeros racioais e sua represetação decial. OBJETIVOS: Ao fi da aula os aluos deverão ser capazes de: Idetificar a fora decial de u úeros racioal. Idetificar

Leia mais

USCS MEDICINA - Primeiro Semestre - Segunda Prova UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL

USCS MEDICINA - Primeiro Semestre - Segunda Prova UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL USS 2017 - MEDIINA - Prieiro Seestre - Segunda Prova UNIVERSIDADE MUNIIPAL DE SÃO AETANO DO SUL 01. A figura representa ua estação de trataento de água (ETA), responsável pela produção de água potável.

Leia mais

Química Analítica I Tratamento dos dados analíticos Soluções analíticas

Química Analítica I Tratamento dos dados analíticos Soluções analíticas Química Analítica I Tratamento dos dados analíticos Soluções analíticas Profª Simone Noremberg Kunz 2 Mol Medidas em química analítica É a quantidade de uma espécie química que contém 6,02x10 23 partículas

Leia mais

UFSC ( ) Física (Amarela) 21) Resposta: 19. Comentário

UFSC ( ) Física (Amarela) 21) Resposta: 19. Comentário UFSC Física (Aarela) 1) Resposta: 19 Coetário No Everest o valor da aceleração da gravidade é eor, e portato o período de oscilação ficará aior, provocado u atraso o horário do relógio B. 0. Correta. Devido

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 21/10/06

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 21/10/06 P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 21/10/06 Nome: Nº de Matrícula: Gabarito Turma: Assiatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 a 2,5 Total 10,0 Costates: R = 8,31 J mol -1 K -1 = 0,0821 atm

Leia mais