Aula 04. Teoria dos capítulos de sentença

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula 04. Teoria dos capítulos de sentença"

Transcrição

1 Turma e Ano: Curso de Direito Processual Civil 2015 módulo B Matéria / Aula: teoria dos capítulos de sentença/ improcedência liminar do pedido/ coisa julgada formal e material/ natureza jurídica da coisa julgada/ coisa julgada especial Aula 4 Professor: Edward Carlyle (Juiz Federal) Monitor: Lino Ribeiro Aula 04 Teoria dos capítulos de sentença Trata-se de uma teoria antigamente muito propagada por Dinamarco que propõem que a decisão pode ser dividida em diferentes capítulos. Os capítulos são as partes em que ideologicamente se decompõem a decisão judicial, cada uma delas dando ensejo a um julgamento distinto. É necessário observar que a interpretação do capítulo poderá ocorrer de duas formas: (1) todos os capítulos têm que ser interpretados em conjunto com a sentença; (2) o capítulo poderá ser interpretado individualmente de modo a que eles se correlacionem formando a sentença. A ideia da segunda interpretação é a de preservar o capítulo que não tem vício. Sendo assim, a interpretação conjunta não afasta a interpretação individual. Divisão dos Capítulos Primeira hipótese (cada fase) A divisão da sentença em dois capítulos: (1) envolve as preliminares, requisitos de admissibilidade ao mérito (pressuposto, legitimidade e interesse) e a aplicação de alguma nulidade ou recurso interposto (2) mérito; SENTENÇA CAPÍTULO 1 CAPÍTULO 2 PRELIMINARES REQUISITOS DE ADMISSIBILIDADE APLICAÇÃO DE NULIDADE RECURSO INTERPOSTO MÉRITO

2 Segunda hipótese (cada pedido) envolve a cumulação de pedidos. Cada pedido será um capítulo diferente; CUMULAÇÃO DE PEDIDOS SENTENÇA PEDIDO (1): CARRO CAPÍTULO (1): CARRO PEDIDO (2): CASA CAPÍTULO (2): CASA PEDIDO (3): GELADEIRA CAPÍTULO (3): GELADEIRA Terceira hipótese pedido decomponível. Indenização no valor de 100 mil (60 mil principal; 30 mil juros e 10 mil correção monetária). Cada uma das partes é um capítulo é diferente. PEDIDO DECOMPONÍVEL SENTENÇA PEDIDO (1): 60 MIL - PRINCIPAL CAPÍTULO (1): 60 MIL - PRINCIPAL PEDIDO (2): 30 MIL - JUROS CAPÍTULO (2): 30 MIL - JUROS PEDIDO (3): 10 MIL CORREÇÃO MONETÁRIA CAPÍTULO (3): 10 MIL CORREÇÃO MONETÁRIA

3 Quarta hipótese custas e honorários advocatícios (sucumbência) é diferente do mérito. Recurso que só discute os honorários advocatícios. Embora compactados formam uma decisão e devem ser visualizados individualizados. O novo código de processo civil (NCPC) de 2015 aborda a teoria dos capítulos da sentença, de acordo com os artigos 966, 3º e 1034, único 1. Obs.: Essa teoria é importante para solucionar problemas de nulidade, e efeito devolutivo do recurso, coisa julgada e ação rescisória. IMPROCEDENCIA LIMINAR DO PEDIDO Previsão no CPC/73 no artigo 285 A e no NCPC/2015 no artigo 302. Obs.: Tanto no antigo código no artigo 285-A 2 como no novo código no artigo 332 3, caput a ausência de citação do réu é constitucional, tendo em vista que o julgamento é de improcedência, logo não há prejuízo para o réu; 1 Art A decisão de mérito, transitada em julgado, pode ser rescindida quando: (...) 3 o A ação rescisória pode ter por objeto apenas 1 (um) capítulo da decisão. Art Admitido o recurso extraordinário ou o recurso especial, o Supremo Tribunal Federal ou o Superior Tribunal de Justiça julgará o processo, aplicando o direito. Parágrafo único. Admitido o recurso extraordinário ou o recurso especial por um fundamento, devolve-se ao tribunal superior o conhecimento dos demais fundamentos para a solução do capítulo impugnado. 2 Art. 285-A. Quando a matéria controvertida for unicamente de direito e no juízo já houver sido proferida sentença de total improcedência em outros casos idênticos, poderá ser dispensada a citação e proferida sentença, reproduzindo-se o teor da anteriormente prolatada. 1º Se o autor apelar, é facultado ao juiz decidir, no prazo de 5 (cinco) dias, não manter a sentença e determinar o prosseguimento da ação. 2º Caso seja mantida a sentença, será ordenada a citação do réu para responder ao recurso.(incluído pela Lei nº , de 2006) 3 Art Nas causas que dispensem a fase instrutória, o juiz, independentemente da citação do réu, julgará liminarmente improcedente o pedido que contrariar: I - enunciado de súmula do Supremo Tribunal Federal ou do Superior Tribunal de Justiça; II - acórdão proferido pelo Supremo Tribunal Federal ou pelo Superior Tribunal de Justiça em julgamento de recursos repetitivos;

4 O NCPC é mais rígido do que o anterior, em razão de determinar nos incisos do artigo 332 as hipóteses para o julgamento de improcedência. O objetivo do legislador é a de prevalecer a ideia do precedente judicial que tem que vir de um tribunal superior. Na redação anterior o juiz de primeiro grau ele poderia aplicar o artigo 285 A, caso já tivesse decidido aquela matéria por mais de uma vez. Na hipótese do autor não apelar o réu será intimado. O julgamento de improcedência é um julgamento de mérito e faz coisa julgada, em virtude desse fato o autor não poderá propor a mesma demanda, do contrário iria violar um pressuposto processual negativo (coisa julgada). Mas o réu só poderá argüir essa violação se o mesmo souber do trânsito em julgado. Na hipótese do autor apelar o juiz poderá se retratar em 5 dias. Trata-se do efeito regressivo. Em regra é um efeito típico do agravo, mas às vezes atua na apelação. Prosseguimento: (1) retratação aceita o próximo passo e citar o réu; (2) retração não aceita o próximo passo e citar o réu para contrarrazoar a apelação no prazo de 15. O réu deverá argüir toda a matéria defensiva, já que se o tribunal afastar a improcedência liminar do pedido poderá em seguida analisar o mérito. III - entendimento firmado em incidente de resolução de demandas repetitivas ou de assunção de competência; IV - enunciado de súmula de tribunal de justiça sobre direito local. 1 o O juiz também poderá julgar liminarmente improcedente o pedido se verificar, desde logo, a ocorrência de decadência ou de prescrição. 2 o Não interposta a apelação, o réu será intimado do trânsito em julgado da sentença, nos termos do art o Interposta a apelação, o juiz poderá retratar-se em 5 (cinco) dias. 4 o Se houver retratação, o juiz determinará o prosseguimento do processo, com a citação do réu, e, se não houver retratação, determinará a citação do réu para apresentar contrarrazões, no prazo de 15 (quinze) dias.

5 IMPROCEDENCIA LIMINAR DO PEDIDO (SEM CITAÇÃO DO RÉU) dispensa a fase instrutória Na dispensa da fase de instrução não há necessidade de nenhuma outra prova é possível o julgamento de improcedência do pedido. julgará liminarmente improcedente o pedido que contrariar: independentemente da citação do réu 1 o O juiz também poderá julgar liminarmente improcedente o pedido se verificar, desde logo, a ocorrência de decadência ou de prescrição como não há possibiliade do réu se prejudicar a ausência de citação do réu é considerada constitucional A doutrina considera como Única hipótese de ouvir o juiz decidir de oficio sem ouvir as partes I - enunciado de súmula do Supremo Tribunal Federal ou do Superior Tribunal de Justiça; II - acórdão proferido pelo Supremo Tribunal Federal ou pelo Superior Tribunal de Justiça em julgamento de recursos repetitivos; III - entendimento firmado em incidente de resolução de demandas repetitivas ou de assunção de competência IV - enunciado de súmula de tribunal de justiça sobre direito local.

6 COISA JULGADA COISA JULGADA ART. 6, 3 DA LINDB ART. 497 DO CPC ART. 502 DO NCPC Art. 6º A Lei em vigor terá efeito imediato e geral, respeitados o ato jurídico perfeito, o direito adquirido e a coisa julgada. 3º Chama-se coisa julgada ou caso julgado a decisão judicial de que já não caiba recurso. Art Denomina-se coisa julgada material a eficácia, que torna imutável e indiscutível a sentença, não mais sujeita a recurso ordinário ou extraordinário Art Denomina-se coisa julgada material a autoridade que torna imutável e indiscutível a decisão de mérito não mais sujeita a recurso. Obs.: No art. 6, 3º da LINDB caso julgado é um termo português; No art. 502 do NCPC CUIDADO - não é exatamente coisa julgada quando não é mais possível recurso. Coisa julgada e transito em julgado são institutos diferentes; Trânsito em julgado é o momento em que a decisão judicial não pode mais ser objeto de qualquer alteração ou modificação, seja porque não há mais nenhum recurso previsto, ou todos os recursos cabíveis se esgotaram, ou não é caso de reexame necessário. E nesse momento que a sentença deixa de ser instável e passa a ser estável; A coisa julgada na visão do CPC 73 é uma qualidade; A coisa julgada na visão do NCPC 2015 é uma autoridade, em razão das características da imutabilidade e da indiscutibilidade;

7 COISA JULGADA CPC/73 NCPC/2015 QUALIDADE AUTORIDADE IMUTABILIDADE INDISCUTIBILIDADE sentença apelação embargos infringentes RESP REXT TRANSITO EM JULGADO TERMINATIVA DEFINITIVA INSTÁVEL ESTÁVEL SEM RESOLUÇÃO DO MÉRITO (art. 485 NCPC) DE MÉRITO EFEITOS Essa qualidade é COISA JULGADA - VISÃO CPC/73 COISA JULGADA FORMAL OU PRECLUSÃO MÁXIMA COISA JULGADA MATERIAL IMUTÁVEL AUTORIDADE - VISÃO NCPC/ 2015 INDISCUTÍVEL

8 É preciso ter cautela com a definição da coisa julgada do NCPC. O NCPC define no art. 502 o que é a coisa julgada material, no entanto essa assertiva está se pautando na premissa de que essa sentença é de mérito. Ocorre que a sentença pode ser definitiva (com resolução do mérito) ou terminativa (sem resolução do mérito). É importante salientar que qualquer que seja a sentença seja definitiva ou terminativa em um determinado momento irá transitar em julgado. No caso da sentença terminativa ela vai extinguir o processo sem resolução do mérito, com base no art. 485 do NCPC, contudo ela não se enquadra na coisa julgada material. Na verdade essa hipótese trata-se da coisa julgada formal. A coisa julgada formal ocorre quando dentro do processo a sentença se torna imutável e indiscutível. Chiovenda denomina de preclusão máxima, porque com o trânsito em julgado não será mais possível modificá-la. Quando a sentença é de mérito ela também não pode ser modificada, mas ela produz efeitos para fora do processo (efeitos declaratórios, condenatórios e constitutivos). Para o CPC/73 a coisa julgada material é quando esses efeitos adquirem a imutabilidade e indiscutibilida. Coisa julga formal sempre vai acontecer. Já a de mérito a doutrina afirmava que a imutabilidade e indiscutibilida dos efeitos dariam ensejo a coisa julgada material. A coisa julgada material é a coisa julgada formal mais a imutabilidade e indiscutibilida dos efeitos dariam ensejo a coisa julgada material. Natureza jurídica da coisa julgada Inicialmente a doutrina adotava a ideia de Chiovenda, mas ela não logrou êxito. A natureza jurídica da coisa julgada pode ser: 1. Efeito da sentença: Para o Chiovenda além dos três efeitos conhecidos ele acrescentou um quarto efeito que é o da coisa julgada. O efeito da coisa julgada iria ficar hibernando até o trânsito em julgado. A coisa julgada seria um efeito da sentença. A doutrina não acolheu essa tese.

9 DECLARATÓRIA CONSTITUTIVA SENTENÇA DE MÉRITO CONDENATÓRIA EFEITO DA COISA JULGADA (hibernação) 2. Qualidade: Para Liebman a Coisa julgada é uma qualidade que esta fora da sentença e incide sobre a sentença e sobre seus efeitos. A coisa julgada tem como característica a imutabilidade e a indiscutibilidade. Quando ela atinge a sentença tem coisa julgada formal, já quando atinge os efeitos terá a coisa julgada material. Trata-se da corrente dominante. DECLARATÓRIA (coisa julgada material) SENTENÇA DE MÉRITO (coisa julgada formal) CONSTITUTIVA (coisa julgada material) CONDENATÓRIA (coisa julgada material)

10 3. Nova situação jurídica: Para Barbosa Moreira o Liebman estava errado. Os efeitos da sentença de mérito podem ser modificados. Sua teoria tem influência do professor Luis machado Guimarães. Atualmente o Alexandre Câmara também adota essa teoria. Exemplos: (1) o credor de uma dívida pode abrir mão de cobrar; (2) após a sentença de divorcio é juridicamente possível se casar com a mesma pessoa. Os efeitos podem ser modificados, o que não pode é o conteúdo. A coisa julgada é uma nova situação jurídica que se caracteriza pela imutabilidade e indiscutibilidade da sentença e de seu conteúdo. Quando atinge a sentença esta diante da coisa julgada formal. Quando atinge o conteúdo e coisa julgada material. O conteúdo e a aplicação da lei ao caso concreto. A base dessa teoria se encontra no direito alemão. 4. Autoridade: O legislador definiu no artigo 502 do NCPC a coisa julgada material como sendo a autoridade da qual não cabe mais recursos. Pergunta prova oral: Sobre o que a coisa julgada incide? Resposta: Depende da teoria adotada. 1 Teoria do Chiovenda: incide sobre a sentença, porque e um efeito da sentença; 2- Teoria do Liebman: incide sobre a sentença e os efeitos da sentença, porque e uma qualidade; 3 Teoria do Barbosa Moreira: incide sobre a sentença e principalmente sobre seu conteúdo. 4 A teoria no Sul: a coisa julgada é uma qualidade ou autoridade ou uma nova situação jurídica que incide sobre os efeitos declaratórios de toda e qualquer sentença. Tese defendida por Olvidio Batista Sentenças e espécies de cargas Obs.: As sentenças são preponderantemente de uma determinada carga. Todas as sentenças têm carga declaratória

11 DECLARATÓRIA - carga declaratória SENTENÇA CONSTITUTIVA - preponderantemente constitutiva + carga declaratória CONDENATÓRIA - preponderantemente condenatória + carga declaratória COISA JULGADA DE ACORDO COM O NCPC Primeiro ponto. O que é uma questão? Originariamente Carnelutti defendia que qualquer alegação feita por uma das partes deveria tecnicamente ganhar o nome de ponto de fato ou de direito. Alem de poder ser um ponto de fato ou de direito esse ponto pode ser controvertido ou incontroverso. Questão é o ponto controvertido de fato ou de direito. No código a palavra questão pode ser mais amplo ou mais restrito. Quando o código falar em questão principal provavelmente deve estar falando de mérito. O mérito da causa é sinônimo de pedido. (Posição tradicional) é corroborada com o artigo do NCPC. Exceções: Em algumas demanda o mérito da causa é o pedido mais a causa de pedir. Exemplo: Petição de herança. Caso na petição herança o pedido seja um carro e o processo seja extinto com resolução do mérito. Com base na regra geral caso o autor viesse pleitear ao invés do carro um 4 Art Não fazem coisa julgada: I - os motivos, ainda que importantes para determinar o alcance da parte dispositiva da sentença; II - a verdade dos fatos, estabelecida como fundamento da sentença.

12 apartamento, tal ação seria cabível, porque a coisa julgada atinge o pedido. Sendo assim, nesse caso específico a coisa julgada vai atingir tanto o pedido quanto a causa de pedir; O artigo do NCPC não admite o julgamento implícito. Com o advento do NCPC não cabe mais ação declaratória incidental, com base no artigo 503, 1º, trata-se da coisa julgada especial. Coisa julgada especial Para ocorrer à coisa julgada especial é preciso que a questão prejudicial seja homogênea, que tenha ocorrido ampla cognição e não é necessário pedido, mas é preciso deixar claro que existe o contraditório, que depende da questão prejudicial para decidir o mérito e que tenha competência para fazer. É a coisa julgada especial que atingi a questão prejudicial. Vale ressaltar que é possível a questão prejudicial ser julgada como fundamento. dessa resolução depender o julgamento do mérito COISA JULGADA ESPECIAL - É A RESOLUÇÃO DA QUESTÃO PREJUDICIAL NOS TERMOS DO ART.503, 1 DO NCPC resolução de questão prejudicial, decidida expressa e incidentemente no processo, se: a seu respeito tiver havido contraditório prévio e efetivo, não se aplicando no caso de revelia juízo tiver competência em razão da matéria e da pessoa para resolvê-la como questão principal 5 Art A decisão que julgar total ou parcialmente o mérito tem força de lei nos limites da questão principal expressamente decidida. 1 o O disposto no caput aplica-se à I - dessa resolução depender o julgamento do mérito; II - a seu respeito tiver havido contraditório prévio e efetivo, não se aplicando no caso de revelia; III - o juízo tiver competência em razão da matéria e da pessoa para resolvê-la como questão principal. 2 o A hipótese do 1 o não se aplica se no processo houver restrições probatórias ou limitações à cognição que impeçam o aprofundamento da análise da questão prejudicial.

1ª PARTE PREMISSAS DO ESTUDO

1ª PARTE PREMISSAS DO ESTUDO SUMÁRIO 1ª PARTE PREMISSAS DO ESTUDO Capítulo 1 O FENÔMENO JURÍDICO À LUZ DA TEORIA DO FATO JU- RÍDICO... 25 1.1. Perspectiva Normativa... 25 1.2. Dogmática jurídica (= ciência do direito stricto sensu)

Leia mais

Aula 101. Julgamento conforme o estado do processo (Parte II):

Aula 101. Julgamento conforme o estado do processo (Parte II): Turma e Ano: Direito Processual Civil - NCPC (2016) Matéria / Aula: Julgamento conforme o Estado do Processo (Parte II) / 101 Professor: Edward Carlyle Monitora: Laryssa Marques Aula 101 Julgamento conforme

Leia mais

Petição Inicial II. Professor Zulmar Duarte

Petição Inicial II. Professor Zulmar Duarte Petição Inicial II Professor Zulmar Duarte Petição Inicial Controle de Admissibilidade pelo Juiz (arts. 321, 330, 332 e 334) Petição Inicial Emenda da Inicial Juízo de Admissibilidade Improcedência Liminar

Leia mais

PI juízo de admissibilidade (negativo) sentença 485, I, CPC (sem a citação).

PI juízo de admissibilidade (negativo) sentença 485, I, CPC (sem a citação). 1) Juca propôs ação de cobrança, pelo procedimento comum, em face de Marcio. Ocorre que, de plano, a ação foi extinta sem resolução de mérito, nos termos do artigo 485 do Código de Processo Civil, sem

Leia mais

AULA ) Competência de 1 Grau para exame da Tutela Provisória. 12.8) Natureza Jurídica da Decisão da Tutela Provisória

AULA ) Competência de 1 Grau para exame da Tutela Provisória. 12.8) Natureza Jurídica da Decisão da Tutela Provisória Turma e Ano: Master A (2015) 06/07/2015 Matéria / Aula: Direito Processual Civil / Aula 23 Professor: Edward Carlyle Silva Monitor: Alexandre Paiol CONTEÚDO DA AULA: Tutela provisória : AULA 23 12.7) Competência

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Sentença e coisa julgada. Prof. Luiz Dellore

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Sentença e coisa julgada. Prof. Luiz Dellore DIREITO PROCESSUAL CIVIL Sentença e coisa julgada Prof. Luiz Dellore 1. Providências preliminares Após a inicial e contestação, pode ser que uma destas ocorram no processo: - especificação de provas, caso

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL

DIREITO PROCESSUAL CIVIL DIREITO PROCESSUAL CIVIL Reinaldo Branco de Moraes (Juiz do Trabalho do TRT12) -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Art Os atos do juiz consistirão em sentenças, decisões interlocutórias e despachos.

Art Os atos do juiz consistirão em sentenças, decisões interlocutórias e despachos. SENTENÇA Nos termos dos artigos 162, 1º do CPC: Art. 162. Os atos do juiz consistirão em sentenças, decisões interlocutórias e despachos. 1º Sentença é o ato do juiz que implica alguma das situações previstas

Leia mais

LEGALE - PÓS GRADUAÇÃO DIREITO ACIDENTÁRIO

LEGALE - PÓS GRADUAÇÃO DIREITO ACIDENTÁRIO LEGALE - PÓS GRADUAÇÃO DIREITO ACIDENTÁRIO Recurso Ordinário / Contrarrazões / Recurso Adesivo Professor: Rogério Martir Doutorando em Ciências Jurídicas e Sociais, Advogado militante e especializado em

Leia mais

Sistema Recursal no Novo Código de Processo Civil

Sistema Recursal no Novo Código de Processo Civil Sistema Recursal no Novo Código de Processo Civil Prof. Ms. Gabriel Bressan gabriel.bressan@aglaw.com.br ALMEIDA GUILHERME Advogados Associados www.aglaw.com.br PARTE GERAL www.aglaw.com.br PARTE GERAL

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Coisa Julgada. Professor Rafael Menezes

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Coisa Julgada. Professor Rafael Menezes DIREITO PROCESSUAL CIVIL Coisa Julgada Professor Rafael Menezes Conceitos Gerais Substantivista (Kolher) Processualista (Stein) Carnelutti Imperatividade Liebman Imutabilidade Art. 467. Denomina-se coisa

Leia mais

O recurso de apelação está previsto nos arts a do CPC/2015.

O recurso de apelação está previsto nos arts a do CPC/2015. APELAÇÃO RESUMO BASE LEGAL O recurso de apelação está previsto nos arts. 1.009 a 1.014 do CPC/2015. CABIMENTO A apelação é cabível contra sentença e decisão interlocutória não recorrível em separado (art.

Leia mais

DPRCIV3 Direito Processual Civil III. Plano de Ensino - 3. Do Indeferimento da Petição inicial. (arts. 295 a 285-A)

DPRCIV3 Direito Processual Civil III. Plano de Ensino - 3. Do Indeferimento da Petição inicial. (arts. 295 a 285-A) DPRCIV3 Direito Processual Civil III Plano de Ensino - 3. Do Indeferimento da Petição inicial. (arts. 295 a 285-A) Questões para Fixação da Aula Indeferimento da Inicial (arts. 295 a 296) 1. O art. 295,

Leia mais

Sumário Capítulo 1 Prazos Capítulo 2 Incompetência: principais mudanças

Sumário Capítulo 1 Prazos Capítulo 2 Incompetência: principais mudanças Sumário Capítulo 1 Prazos 1.1. Forma de contagem: somente em dias úteis 1.2. Prática do ato processual antes da publicação 1.3. Uniformização dos prazos para recursos 1.4. Prazos para os pronunciamentos

Leia mais

RECURSOS EM ESPÉCIE RECURSOS ESPECIAL E EXTRAORDINÁRIO PARTE 1. Prof. ANA PAULA LEIKO SAKAUIE - DPC III 1

RECURSOS EM ESPÉCIE RECURSOS ESPECIAL E EXTRAORDINÁRIO PARTE 1. Prof. ANA PAULA LEIKO SAKAUIE - DPC III 1 RECURSOS EM ESPÉCIE RECURSOS ESPECIAL E EXTRAORDINÁRIO PARTE 1 Prof. ANA PAULA LEIKO SAKAUIE - DPC III 1 RECURSO EXTRAORDINÁRIO E RECURSO ESPECIAL FINALIDADE: IMPEDIR QUE AS DECISÕES JUDICIAIS CONTRARIEM

Leia mais

06/02/2017 AÇÃO DISTRIBUIÇÃO DESPACHO CITAÇÃO CONTESTAÇÃO

06/02/2017 AÇÃO DISTRIBUIÇÃO DESPACHO CITAÇÃO CONTESTAÇÃO Professor: Joaquim Estevam de Araújo Neto Fone: (95) 99112-3636 - netobv@hotmail.com Protegido pela Lei nº 9.610/98 - Lei de Direitos Autorais 1 PROCESSO AÇÃO DISTRIBUIÇÃO DESPACHO CITAÇÃO CONTESTAÇÃO

Leia mais

PRECEDENTES NO CPC João Eberhardt Francisco

PRECEDENTES NO CPC João Eberhardt Francisco PRECEDENTES NO CPC 2015 João Eberhardt Francisco TEMOS UM SISTEMA DE PRECEDENTES NO CPC 2015? Os tribunais devem uniformizar sua jurisprudência e mantê-la estável, íntegra e coerente (art. 926 do CPC)

Leia mais

Manual de Prática Trabalhista - 6ª Edição - Cinthia Machado de Oliveira. Título I PETIÇÃO INICIAL Capítulo I PETIÇÃO INICIAL EM DISSÍDIO INDIVIDUAL

Manual de Prática Trabalhista - 6ª Edição - Cinthia Machado de Oliveira. Título I PETIÇÃO INICIAL Capítulo I PETIÇÃO INICIAL EM DISSÍDIO INDIVIDUAL SUMÁRIO Título I PETIÇÃO INICIAL PETIÇÃO INICIAL EM DISSÍDIO INDIVIDUAL Fundamento legal... 15 Cabimento... 15 Espécies de ritos do processo do trabalho... 16 Rito sumário... 16 Rito sumaríssimo... 16

Leia mais

PROCESSO CIVIL 1. PEDIDO

PROCESSO CIVIL 1. PEDIDO 1 PROCESSO CIVIL PONTO 1: Pedido PONTO 2: Espécies de Pedido PONTO 3: O Pedido e as Prestações Periódicas PONTO 4: Obrigação Indivisível PONTO 5: Cumulação de Pedidos PONTO 6: Interpretação do Pedido PONTO

Leia mais

Petição inicial. Direito Processual Civil II. Prof. Leandro Gobbo 1

Petição inicial. Direito Processual Civil II. Prof. Leandro Gobbo 1 Petição inicial Direito Processual Civil II Prof. Leandro Gobbo 1 Petição inicial - conceito É o ato que dá início ao processo, e define os limites subjetivo e objetivo da lide, que deverão ser respeitados

Leia mais

Professor Rogerio Licastro Torres de Mello

Professor Rogerio Licastro Torres de Mello Professor Rogerio Licastro Torres de Mello Doutor e Mestre em Direito Direito Processual Civil pela PUC / SP Facebook: Rogerio Licastro NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Recurso de apelação, agravo e outros

Leia mais

CAPÍTULO 1 Jurisdição... 1 CAPÍTULO 2 AÇÃO... 23

CAPÍTULO 1 Jurisdição... 1 CAPÍTULO 2 AÇÃO... 23 CAPÍTULO 1 Jurisdição... 1 1. Origem... 1 2. A Jurisdição: poder, função ou atividade?... 2 3. A Trilogia Estrutural do Processo Civil... 3 4. O Conceito de Jurisdição... 4 4.1. Teoria Unitária do Ordenamento

Leia mais

O agravo de instrumento no novo CPC

O agravo de instrumento no novo CPC O agravo de instrumento no novo CPC Advogado; GILBERTO GOMES BRUSCHI Mestre e Doutor em Processo Civil pela PUC/SP; Sócio efetivo do Instituto Brasileiro de Direito Processual (IBDP); Membro do Centro

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL

MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL Coordenador: Leonardo Barreto Moreira Alves MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL Promotor de Justiça Estadual 2ª edição 2016 DIREITO PROCESSUAL CIVIL Renato Bretz Pereira 1. DO PROCESSO DE CONHECIMENTO (MPE/SP/Promotor/2015)

Leia mais

Formação, suspensão e extinção do processo

Formação, suspensão e extinção do processo Formação, suspensão e extinção do processo Direito Processual Civil I Prof. Leandro Gobbo 1 Princípios norteadores da formação do processo Art. 2 o O processo começa por iniciativa da parte e se desenvolve

Leia mais

AULA 24. Os pressupostos genéricos são a probabilidade do direito, perigo de dano ou risco ao resultado útil do processo.

AULA 24. Os pressupostos genéricos são a probabilidade do direito, perigo de dano ou risco ao resultado útil do processo. Turma e Ano: Master A (2015) 06/07/2015 Matéria / Aula: Direito Processual Civil / Aula 24 Professor: Edward Carlyle Silva Monitor: Alexandre Paiol AULA 24 CONTEÚDO DA AULA: Tutela provisória : tutela

Leia mais

Juizados Especiais. Aula 8 ( ) Vinicius Pedrosa Santos (magistrado e professor)

Juizados Especiais. Aula 8 ( ) Vinicius Pedrosa Santos (magistrado e professor) Juizados Especiais Aula 8 (09.04.13) Vinicius Pedrosa Santos (magistrado e professor) e-mail: vinipedrosa@uol.com.br Ementa da aula Recursos e embargos de declaração Mandado de segurança, habeas corpus

Leia mais

Processo Civil. - Efetiva repetição de demandas e não potencial repetição de demandas;

Processo Civil. - Efetiva repetição de demandas e não potencial repetição de demandas; Incidente de Resolução de Demandas Repetitivas IRDR A admissibilidade e o mérito serão apreciados pelos Tribunais de Segundo Grau. Do acórdão que julga o IRDR poderá ocorrer Resp ou Rext. Fixado o precedente,

Leia mais

A lei alterou de certa forma a aplicação dos embargos infringentes, passando o CPC a dispor:

A lei alterou de certa forma a aplicação dos embargos infringentes, passando o CPC a dispor: A essência dos embargos infringentes Valter Nilton Felix Se há votos vencidos, talvez o mérito pudesse ser outro, a sentença merece revisão, quem sabe a decisão tenha sido equivocada, a parte vencida pode

Leia mais

PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA. PETIÇÃO INICIAL Artigo 319 do CPC

PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA. PETIÇÃO INICIAL Artigo 319 do CPC PETIÇÃO INICIAL Artigo 319 do CPC 1. Conceito Art. 319 do NCPC A petição inicial é o ato formal do autor que dá início à causa. É um requerimento que contém a exposição do fato e dos fundamentos jurídicos

Leia mais

INCIDENTE DE ASSUNÇÃO DE COMPETÊNCIA. 1. Qual a novidade? O CPC de 2015 procurou aprimorar a regra de

INCIDENTE DE ASSUNÇÃO DE COMPETÊNCIA. 1. Qual a novidade? O CPC de 2015 procurou aprimorar a regra de INCIDENTE DE ASSUNÇÃO DE COMPETÊNCIA 1. Qual a novidade? O CPC de 2015 procurou aprimorar a regra de assunção de competência existente no art. 555, 1º do CPC/73, que permitia fosse o recurso julgado por

Leia mais

CPC 2015 X PLC Nº 168/2015

CPC 2015 X PLC Nº 168/2015 CPC 2015 X PLC Nº 168/2015 QUADRO COMPARATIVO Janeiro/2016 CPC/2015- LEI Nº 13.105 16/03/2015 PLC Nº 168, DE 2015 Art. 12. Os juízes e os tribunais deverão obedecer à ordem cronológica de conclusão para

Leia mais

Aula 91. Contestação (Parte IV): Art Incumbe ao réu, antes de discutir o mérito, alegar: II - incompetência absoluta e relativa.

Aula 91. Contestação (Parte IV): Art Incumbe ao réu, antes de discutir o mérito, alegar: II - incompetência absoluta e relativa. Turma e Ano: Direito Processual Civil - NCPC (2016) Matéria / Aula: Contestação. Defesas processuais Artigo 337, II a VII / 91 Professor: Edward Carlyle Monitora: Laryssa Marques Aula 91 Contestação (Parte

Leia mais

É preciso diferenciar a natureza jurídica da antecipação de tutela da decisão de antecipação de tutela, não sendo expressões sinônimas.

É preciso diferenciar a natureza jurídica da antecipação de tutela da decisão de antecipação de tutela, não sendo expressões sinônimas. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Civil / Aula 24 Professor: Edward Carlyle Conteúdo: Antecipação de Tutela: Efetividade, Momento do Requerimento; Revogação e Modificação; Fungibilidade;

Leia mais

PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA OFICINA DO NOVO CPC RECURSOS

PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA OFICINA DO NOVO CPC RECURSOS OFICINA DO NOVO CPC RECURSOS RECURSO DE APELAÇÃO Artigos 1.009 a 1.014 do Código de Processo Civil 1. Recurso de Apelação Conceito Cabe recurso de apelação contra a sentença do juiz que põe fim à fase

Leia mais

Temos ainda um Juízo de admissibilidade (a quo) e um Juízo de julgamento (ad quem).

Temos ainda um Juízo de admissibilidade (a quo) e um Juízo de julgamento (ad quem). PARTE II TEORIA GERAL DOS RECURSOS Conceito: Recurso é o direito que a parte vencida ou o terceiro prejudicado possui de, uma vez atendidos os pressupostos de admissibilidade, submeter a matéria contida

Leia mais

SUMÁRIO SUMÁRIO. 1. A evolução do MS no sistema constitucional Direito líquido e certo a evolução conceitual... 27

SUMÁRIO SUMÁRIO. 1. A evolução do MS no sistema constitucional Direito líquido e certo a evolução conceitual... 27 SUMÁRIO SUMÁRIO..................... 1. A evolução do MS no sistema constitucional... 25 2. Direito líquido e certo a evolução conceitual... 27... 1. MS como tutela jurisdicional diferenciada com cognição

Leia mais

TEORIA GERAL DOS RECURSOS

TEORIA GERAL DOS RECURSOS TEORIA GERAL DOS RECURSOS FUNDAMENTO, CONCEITO E NATUREZA JURIDICA Fundamentos: A necessidade psicológica do vencido irresignação natural da parte A falibidade humana do julgador Razões históricas do próprio

Leia mais

Gustavo Filipe Barbosa Garcia CPC. Novo. e Processo do Trabalho. Atualizado com as Instruções Normativas 39 e 40 de 2016 do TST

Gustavo Filipe Barbosa Garcia CPC. Novo. e Processo do Trabalho. Atualizado com as Instruções Normativas 39 e 40 de 2016 do TST Gustavo Filipe Barbosa Garcia Novo CPC e Processo do Trabalho Atualizado com as Instruções Normativas 39 e 40 de 2016 do TST 2016 NOVO CPC E PROCESSO DO TRABALHO Gustavo Filipe Barbosa Garcia havendo retratação,

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Componente Curricular: DIREITO PROCESSUAL CIVIL II PLANO DE CURSO

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Componente Curricular: DIREITO PROCESSUAL CIVIL II PLANO DE CURSO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Componente Curricular: DIREITO PROCESSUAL CIVIL II Código: DIR-369c CH Total: 60H Pré-requisito: Direito Processual Civil I Período Letivo: 2016.1 Turma: 5º semestre Professor:

Leia mais

O PRINCÍPIO DO CONTRADITÓRIO E A GARANTIA DA NÃO SURPRESA NA APLICAÇÃO DA IMPROCEDÊNCIA LIMINAR DO PEDIDO PARA JUÍZOS PRIMA FACIE DE PRECEDENTES

O PRINCÍPIO DO CONTRADITÓRIO E A GARANTIA DA NÃO SURPRESA NA APLICAÇÃO DA IMPROCEDÊNCIA LIMINAR DO PEDIDO PARA JUÍZOS PRIMA FACIE DE PRECEDENTES O PRINCÍPIO DO CONTRADITÓRIO E A GARANTIA DA NÃO SURPRESA NA APLICAÇÃO DA IMPROCEDÊNCIA LIMINAR DO PEDIDO PARA JUÍZOS PRIMA FACIE DE PRECEDENTES Juliana Provedel Cardoso 1 PALAVRAS-CHAVE: Processo Civil.

Leia mais

Teoria geral dos recursos e apelação. 1. Normais fundamentais 2. Classificação 3. Princípios 4. Efeitos dos recursos 5. Apelação

Teoria geral dos recursos e apelação. 1. Normais fundamentais 2. Classificação 3. Princípios 4. Efeitos dos recursos 5. Apelação 1. Normais fundamentais 2. Classificação 3. Princípios 4. Efeitos dos recursos 5. Apelação 1. Normais fundamentais: Duração razoável : rol AI, IRDR, RE e REsp repetitivos. Isonomia: Vinculação dos precedentes;

Leia mais

SUMÁRIO SIGLAS NOTA À 2ª EDIÇÃO INTRODUÇÃO Parte I: TEORIA GERAL DOS RECURSOS. Capítulo I Teoria geral dos recursos...

SUMÁRIO SIGLAS NOTA À 2ª EDIÇÃO INTRODUÇÃO Parte I: TEORIA GERAL DOS RECURSOS. Capítulo I Teoria geral dos recursos... SUMÁRIO SIGLAS... 25 NOTA À 2ª EDIÇÃO... 27 INTRODUÇÃO... 29 Parte I: TEORIA GERAL DOS RECURSOS Capítulo I Teoria geral dos recursos... 33 1. Introdução e conceito... 33 2. Modalidades recursais e competência

Leia mais

NOVO CODIGO DE PROCESSO CIVIL

NOVO CODIGO DE PROCESSO CIVIL NOVO CODIGO DE PROCESSO CIVIL INSTITUTOS IMPORTANTES PARA O MERCADO DE SEGUROS MARCIO MALFATTI NOVEMBRO 2016 DO INCIDENTE DE RESOLUÇÃO DE DEMANDAS REPETITIVAS IRDR DO CABIMENTO Art. 976. É cabível a instauração

Leia mais

RESOLUÇÃO DE CONFLITOS DE MASSA

RESOLUÇÃO DE CONFLITOS DE MASSA RESOLUÇÃO DE CONFLITOS DE MASSA Perfil do advogado contencioso; Sistemática atual - mecanismos existentes: - Repercussão geral, Súmula Vinculante, Recursos repetitivos. - Art. 285 A e 557 do Atual Código

Leia mais

Sumário PARTE I ASPECTOS PROCESSUAIS GERAIS

Sumário PARTE I ASPECTOS PROCESSUAIS GERAIS Sumário PARTE I ASPECTOS PROCESSUAIS GERAIS 1 Jurisdição 1.1 Introdução 1.2 Conceito e características 1.3 Divisão da jurisdição 1.4 Organização judiciária 2 Direito Processual Civil 2.1 Conceito e delimitação

Leia mais

1. A Evolução do MS no Sistema Constitucional Direito Líquido e Certo a Evolução Conceitual... 24

1. A Evolução do MS no Sistema Constitucional Direito Líquido e Certo a Evolução Conceitual... 24 XXSUMÁRIO Nota Á 4ª Edição... 13 Nota à 3ª Edição... 15 Nota à 2ª Edição... 17 Nota à 1ª Edição... 19 Abreviaturas e Siglas... 21 01 Notícia Histórica Utilização do MS no Ordenamento Jurídico Brasileiro

Leia mais

Competência no Processo Civil

Competência no Processo Civil Competência no Processo Civil Direito Processual Civil I Prof. Leandro Gobbo 1 Conceito Princípio do juiz natural. A competência quantifica a parcela de exercício de jurisdição atribuída a determinado

Leia mais

Questão 1 (FCC TJ-PE - Técnico Judiciário - Área Judiciária - e Administrativa)

Questão 1 (FCC TJ-PE - Técnico Judiciário - Área Judiciária - e Administrativa) CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROCESSO CIVIL PONTO A PONTO PARA TRIBUNAIS MÓDULO 10 RECURSOS. Professora: Janaína Noleto Curso Agora Eu Passo () Olá, pessoal! Chegamos ao nosso décimo módulo. No módulo

Leia mais

RECURSOS ORDINÁRIOS. Prof. Bianca Bastos

RECURSOS ORDINÁRIOS. Prof. Bianca Bastos RECURSOS ORDINÁRIOS Prof. Bianca Bastos Alteração da Lei 13.015/2014 RECURSOS: classificação 1. ORDINÁRIOS revisão do direito material (fatos jurídicos) e do direito processual 2. EXTRAORDINÁRIOS tratam

Leia mais

TJ - SP Processo Penal NILMAR DE AQUINO

TJ - SP Processo Penal NILMAR DE AQUINO TJ - SP Processo Penal NILMAR DE AQUINO 1)Cabe recurso de apelação das decisões em que a) julgarem procedentes as exceções, salvo a de suspeição b) decretar a prescrição ou julgar, por outro modo, extinta

Leia mais

Preparo efetuado. 1. Data e assinatura.

Preparo efetuado. 1. Data e assinatura. 1. RECEBIMENTO DE PETIÇÃO INICIAL (Rito ordinário) Autos n. Comarca de Preparo efetuado. 1 282). Recebo a petição inicial, por ser a mesma apta (CPC, art. Cite-se o requerido para que, caso queira, apresente

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Correlação entre acusação e sentença. Gustavo Badaró aula de

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Correlação entre acusação e sentença. Gustavo Badaró aula de Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Correlação entre acusação e sentença Gustavo Badaró aula de 11.08.2015 1. Noções Gerais PLANO DA AULA 2. Distinção entre fato penal e fato processual penal

Leia mais

Plano de Ensino 1. Petição inicial. Requisitos.

Plano de Ensino 1. Petição inicial. Requisitos. Plano de Ensino 1. Petição inicial. Requisitos. (CPC, arts. 282 a 285-A) Petição Inicial Conceito: petição inicial é o ato formal do autor que introduz a causa em juízo (Vicente, 135). Características:

Leia mais

LIMITES DE ATUAÇÃO DO CARF

LIMITES DE ATUAÇÃO DO CARF LIMITES DE ATUAÇÃO DO CARF CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/DEF-FDUSP 2012 RICARDO MARIZ DE OLIVEIRA LIMITES INSTITUCIONAIS LIMITES IMPLICAM EM FRONTEIRAS MÍNIMAS E MÁXIMAS:

Leia mais

APELAÇÃO (NCPC) PROCESSO CIVIL. Curso de Direito Processual Civil de Fredie Didier (2017)

APELAÇÃO (NCPC) PROCESSO CIVIL. Curso de Direito Processual Civil de Fredie Didier (2017) APELAÇÃO (NCPC) PROCESSO CIVIL Curso de Direito Processual Civil de Fredie Didier (2017) DAS SENTENÇAS - Tradicionalmente, a apelação é o recurso cabível contra sentença (qualquer sentença: jurisdição

Leia mais

Aula 11 de Processo do trabalho II Procedimentos especiais na Justiça do Trabalho.

Aula 11 de Processo do trabalho II Procedimentos especiais na Justiça do Trabalho. Aula 11 de Processo do trabalho II Procedimentos especiais na Justiça do Trabalho. O artigo 114 da Constituição Federal traz que o Poder Judiciário Trabalhista também deve julgar...outras controvérsias

Leia mais

AULA ) PROCEDIMENTO COMUM (art. 270 e seguintes do CPC a 318 e

AULA ) PROCEDIMENTO COMUM (art. 270 e seguintes do CPC a 318 e Turma e Ano: Master A (2015) 08/06/2015 Matéria / Aula: Direito Processual Civil / Aula 18 Professor: Edward Carlyle Silva Monitor: Alexandre Paiol AULA 18 CONTEÚDO DA AULA: Procedimento, contestação 10)

Leia mais

Direito Processual Civil

Direito Processual Civil Direito Processual Civil Da Sentença e da Coisa Julgada Professor Giuliano Tamagno www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Processual Civil DA SENTENÇA E DA COISA JULGADA Seção I DISPOSIÇÕES GERAIS Art.

Leia mais

PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA OFICINA DO NOVO CPC EMBARGOS DE DECLARAÇÃO

PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA OFICINA DO NOVO CPC EMBARGOS DE DECLARAÇÃO OFICINA DO NOVO CPC EMBARGOS DE DECLARAÇÃO Artigos 1.022 a 1.026 do Código de Processo Civil 1. Conceito Os embargos declaratórios são opostos contra qualquer decisão que contenha obscuridade, omissão,

Leia mais

COISA JULGADA (ART. 467 A 475, CPC)

COISA JULGADA (ART. 467 A 475, CPC) COISA JULGADA (ART. 467 A 475, CPC) Proferida a sentença, seja ela terminativa ou definitiva, é possível a interposição de recurso, para que outro órgão jurisdicional reexamine o que foi objeto de decisão.

Leia mais

SUMÁRIO. Parte I: TEORIA GERAL DOS RECURSOS. Capítulo I Teoria geral dos recursos Modalidades recursais e competência legislativa...

SUMÁRIO. Parte I: TEORIA GERAL DOS RECURSOS. Capítulo I Teoria geral dos recursos Modalidades recursais e competência legislativa... SIGLAS... 25 INTRODUÇÃO... 27 Parte I: TEORIA GERAL DOS RECURSOS Capítulo I Teoria geral dos recursos... 31 1. Introdução e conceito... 31 2. Modalidades recursais e competência legislativa... 32 3. Características...

Leia mais

NOÇÕES PRELIMINARES SOBRE O PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE LANÇAMENTO DE OFÍCIO NO ESTADO DE SÃO PAULO 7ª PARTE

NOÇÕES PRELIMINARES SOBRE O PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE LANÇAMENTO DE OFÍCIO NO ESTADO DE SÃO PAULO 7ª PARTE NOÇÕES PRELIMINARES SOBRE O PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE LANÇAMENTO DE OFÍCIO NO ESTADO DE SÃO PAULO 7ª PARTE Alencar Frederico Mestre em Direito pela Universidade Metodista de Piracicaba;

Leia mais

PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA RECURSOS ESPECIAL E EXTRAORDINÁRIO

PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA RECURSOS ESPECIAL E EXTRAORDINÁRIO RECURSOS ESPECIAL E EXTRAORDINÁRIO O Recurso Especial é interposto contra acórdão que desrespeita matéria infraconstitucional. O Recurso Extraordinário, contra acórdão que violar a Constituição Federal.

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL

DIREITO PROCESSUAL CIVIL DIREITO PROCESSUAL CIVIL FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS (FCC) TÉCNICO TRT s 07 PROVAS 34 QUESTÕES (2012 2010) A apostila contém provas de Direito Processual Civil de concursos da Fundação Carlos Chagas (FCC),

Leia mais

PROCESSO DE CONHECIMENTO PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO FASE POSTULATÓRIA

PROCESSO DE CONHECIMENTO PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO FASE POSTULATÓRIA PROCESSO DE CONHECIMENTO PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO FASE POSTULATÓRIA FLUXOGRAMA DA FASE POSTULATÓRIA DISTRIBUIÇÃO ART. 252 PETIÇÃO INICIAL AUTUAÇÃO ART. 166 FASE POSTULATÓRIA MODIFICAÇÃO DA PETIÇÃO

Leia mais

Aula 12. Art Compete ao Supremo Tribunal Federal, precipuamente, a guarda da Constituição, cabendo-lhe:

Aula 12. Art Compete ao Supremo Tribunal Federal, precipuamente, a guarda da Constituição, cabendo-lhe: Turma e Ano: Curso de Direito Processual Civil 2015 módulo B Matéria / Aula: ROC/RESP Aula 12 Professor: Edward Carlyle (Juiz Federal) Monitor: Lino Ribeiro Aula 12 RECURSO ORDINÁRIO CONSTITUCIONAL A palavra

Leia mais

PONTO 1: Efeitos dos Recursos 1. EFEITOS DOS RECURSOS

PONTO 1: Efeitos dos Recursos 1. EFEITOS DOS RECURSOS 1 PROCESSO CIVIL PROCESSO CIVIL PONTO 1: Efeitos dos Recursos a) EFEITO DEVOLUTIVO: 1. EFEITOS DOS RECURSOS Ambos efeitos devolutivo e o translativo compõem a cognição no plano horizontal (aquilo que o

Leia mais

ATUALIZAÇÃO PROFISSIONAL DIANTE DO NOVO CPC: DESAFIOS PRESENTES E FUTUROS

ATUALIZAÇÃO PROFISSIONAL DIANTE DO NOVO CPC: DESAFIOS PRESENTES E FUTUROS ATUALIZAÇÃO PROFISSIONAL DIANTE DO NOVO CPC: DESAFIOS PRESENTES E FUTUROS Clarisse Frechiani Lara Leite Formada pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP) em 2002. Mestre e doutora em

Leia mais

SUMÁRIO 1. CONSIDERAÇÕES PREAMBULARES As reformas do Código de Processo Civil maiores esclarecimentos... 25

SUMÁRIO 1. CONSIDERAÇÕES PREAMBULARES As reformas do Código de Processo Civil maiores esclarecimentos... 25 SUMÁRIO 1. CONSIDERAÇÕES PREAMBULARES... 23 1.1. As reformas do Código de Processo Civil maiores esclarecimentos... 25 2. ASPECTOS RELEVANTES DA TEORIA GERAL DO PROCESSO... 29 2.1. Notas introdutórias...

Leia mais

OAB 2º Fase Tributário Prof. Lucas Morais TEORIA GERAL DOS RECURSOS. Recurso Ordinário Constitucional. Recurso Especial. Recurso Extraordinário

OAB 2º Fase Tributário Prof. Lucas Morais TEORIA GERAL DOS RECURSOS. Recurso Ordinário Constitucional. Recurso Especial. Recurso Extraordinário OAB 2º Fase Tributário Prof. Lucas Morais TEORIA GERAL DOS RECURSOS Recurso Ordinário Constitucional Recurso Especial Recurso Extraordinário RECURSOS - CARACTERÍSTICAS Interposição na mesma relação processual

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Cumprimento de sentença II. Prof. Luiz Dellore

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Cumprimento de sentença II. Prof. Luiz Dellore DIREITO PROCESSUAL CIVIL Cumprimento de sentença II Prof. Luiz Dellore 1. Liquidação de sentença: cabível quando o título não determinar exatamente o valor devido pela condenação. Enquanto estiver pendente

Leia mais

NOTAS DOS AUTORES À DÉCIMA SEGUNDA EDIÇÃO... 15

NOTAS DOS AUTORES À DÉCIMA SEGUNDA EDIÇÃO... 15 S NOTAS DOS AUTORES À DÉCIMA SEGUNDA EDIÇÃO... 15 Capítulo I TEORIA DOS RECURSOS... 17 1. Conceito de recurso... 17 2. O princípio do duplo grau de jurisdição... 18 3. O recurso no sistema dos meios de

Leia mais

O PRINCÍPIO DA PRIMAZIA DA RESOLUÇÃO DE MÉRITO NO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL E SUA APLICAÇÃO AO PROCESSO DO TRABALHO. José Alberto Couto Maciel

O PRINCÍPIO DA PRIMAZIA DA RESOLUÇÃO DE MÉRITO NO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL E SUA APLICAÇÃO AO PROCESSO DO TRABALHO. José Alberto Couto Maciel O PRINCÍPIO DA PRIMAZIA DA RESOLUÇÃO DE MÉRITO NO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL E SUA APLICAÇÃO AO PROCESSO DO TRABALHO José Alberto Couto Maciel Da Academia Nacional de Direito do Trabalho Quando a parte

Leia mais

AULA 12 RECURSOS TRABALHISTAS DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO PROFª KILMA GALINDO DO NASCIMENTO

AULA 12 RECURSOS TRABALHISTAS DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO PROFª KILMA GALINDO DO NASCIMENTO AULA 12 RECURSOS TRABALHISTAS DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO PROFª KILMA GALINDO DO NASCIMENTO RECURSO ORDINÁRIO Art. 895, CLT - Cabe recurso ordinário para a instância superior: I - das decisões

Leia mais

AGRADECIMENTOS INTRODUÇÃO... 19

AGRADECIMENTOS INTRODUÇÃO... 19 Sumário AGRADECIMENTOS... 17 INTRODUÇÃO... 19 Capítulo 1 DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO... 23 1. Conceito... 23 2. Autonomia do direito processual do trabalho... 23 3. Fontes do direito processual do trabalho...

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO. Homologação de Decisão Estrangeira. Prof. Renan Flumian

DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO. Homologação de Decisão Estrangeira. Prof. Renan Flumian DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO Homologação de Decisão Estrangeira Prof. Renan Flumian 1. Homologação de decisão estrangeira - A sentença judicial é um ato soberano - A sentença, como todo ato soberano,

Leia mais

DISPOSIÇÕES APLICÁVEIS EM CURSO NO JEF. Dra. Fiorella Ignacio Bartalo.

DISPOSIÇÕES APLICÁVEIS EM CURSO NO JEF. Dra. Fiorella Ignacio Bartalo. DISPOSIÇÕES APLICÁVEIS DO NCPC NOS PROCESSOS EM CURSO NO JEF Dra. Fiorella Ignacio Bartalo fiorella@aasp.org.br Artigo 985: Incidente de Resolução de Demandas Repetitivas Julgado o incidente, a tese jurídica

Leia mais

Título I PETIÇÃO INICIAL Capítulo I PETIÇÃO INICIAL EM DISSÍDIO INDIVIDUAL Fundamento legal Cabimento Espécies de ritos do processo do

Título I PETIÇÃO INICIAL Capítulo I PETIÇÃO INICIAL EM DISSÍDIO INDIVIDUAL Fundamento legal Cabimento Espécies de ritos do processo do Sumário Manual de Prática Trabalhista Título I PETIÇÃO INICIAL PETIÇÃO INICIAL EM DISSÍDIO INDIVIDUAL Fundamento legal... 19 Cabimento... 19 Espécies de ritos do processo do trabalho... 19 Rito sumário...

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0024.13.024213-4/001 Númeração 0242134- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Jair Varão Des.(a) Jair Varão 20/02/2014 14/03/2014 EMENTA: PROCESSUAL CIVIL

Leia mais

Sem Solução de mérito (artigo 485 CPC) Com Solução de mérito (artigo 487 CPC) Com satisfação da obrigação (artigo 924 CPC) Fase Cognitiva

Sem Solução de mérito (artigo 485 CPC) Com Solução de mérito (artigo 487 CPC) Com satisfação da obrigação (artigo 924 CPC) Fase Cognitiva Processo Civil de Conhecimento Aula VIII 04/05/2017 Extinção do Processo Extinção Sem Solução de mérito (artigo 485 CPC) Com Solução de mérito (artigo 487 CPC) Com satisfação da obrigação (artigo 924 CPC)

Leia mais

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação.

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação. Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação. DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO I PROFESSOR: UDNO ZANDONADE TURMAS: 4º ANO INTEGRAL PLANO DE CURSO

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO CIVIL.

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO CIVIL. CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO CIVIL. Aula Ministrada pelo Prof. Joseval Martins Viana (Aula 16/08/2017). E-mail: joseval@legale.com.br Ação de divórcio litigioso. Como escrever artigo científico: https://www.youtube.com/watch?v=hfhpawxjlme

Leia mais

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula. Semana

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula. Semana PLANO DE CURSO DISCIPLINA: RECURSOS CÍVEIS (CÓD.: ENEX 60128) ETAPA: 5ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo de aula Habilidades e Competências Textos, filmes

Leia mais

PARTE 1 PRINCIPAIS TEMAS DISCUTIDOS NA JUSTIÇA DO TRABALHO

PARTE 1 PRINCIPAIS TEMAS DISCUTIDOS NA JUSTIÇA DO TRABALHO Sumário PARTE 1 PRINCIPAIS TEMAS DISCUTIDOS NA JUSTIÇA DO TRABALHO 1.1. Gratuidade de Justiça... 17 1.2. Honorários Advocatícios... 18 1.3. Homologação de Verbas Rescisórias e Multa do art. 477, 8o, da

Leia mais

PRECLUSÃO PROCESSUAL CIVIL

PRECLUSÃO PROCESSUAL CIVIL HEITOR VITOR MENDONÇA SICA Bacharel, mestre e doutorando em Direito Processual pela Universidade de São Paulo. Especialista em Direito da Economia e da Empresa pela Fundação Getúlio Vargas PRECLUSÃO PROCESSUAL

Leia mais

SUMÁRIO. Direito do Trabalho Direito Processual Civil Direito Processual do Trabalho

SUMÁRIO. Direito do Trabalho Direito Processual Civil Direito Processual do Trabalho SUMÁRIO Direito do Trabalho... 05 Direito Processual Civil... 139 Direito Processual do Trabalho... 195 DIREITO DO TRABALHO ÍNDICE CAPÍTULO 01... 7 Fontes e Princípios de Direito do Trabalho... 7 Surgimento

Leia mais

SUMÁRIO PARTE 1 PARTE 2 DICAS PARA A REALIZAÇÃO DE UMA BOA PROVA...17 PRINCIPAIS TEMAS DISCUTIDOS NA JUSTIÇA DO TRABALHO...23

SUMÁRIO PARTE 1 PARTE 2 DICAS PARA A REALIZAÇÃO DE UMA BOA PROVA...17 PRINCIPAIS TEMAS DISCUTIDOS NA JUSTIÇA DO TRABALHO...23 SUMÁRIO PARTE 1 DICAS PARA A REALIZAÇÃO DE UMA BOA PROVA...17 PARTE 2 PRINCIPAIS TEMAS DISCUTIDOS NA JUSTIÇA DO TRABALHO...23 2.1. Gratuidade de justiça...23 2.2. Honorários advocatícios...24 2.3. Homologação

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Revisão Criminal. Gustavo Badaró aula de

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Revisão Criminal. Gustavo Badaró aula de Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Revisão Criminal Gustavo Badaró aula de 10.11.2015 PLANO DA AULA 1. Noções gerais 2. Condições da ação 3. Pressupostos processuais 4. Procedimento 1. NOÇÕES

Leia mais

LIVRO I Do Processo de Conhecimento...1

LIVRO I Do Processo de Conhecimento...1 Sumário LIVRO I Do Processo de Conhecimento...1 Capítulo 1 Da Jurisdição...3 1.1. Conceito de Jurisdição... 5 1.2. Exercício da Jurisdição Quem Exerce a Jurisdição?...15 1.3. Características da Jurisdição...17

Leia mais

O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL E O CONCEITO LEGAL DE CITAÇÃO E INTIMAÇÃO

O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL E O CONCEITO LEGAL DE CITAÇÃO E INTIMAÇÃO O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL E O CONCEITO LEGAL DE CITAÇÃO E INTIMAÇÃO José Carlos Batista da SILVA 1 RESUMO: Este artigo apresenta os conceitos legais e doutrinários da citação dentro do processo civil.

Leia mais

O EFEITO TRANSLATIVO NOS RECURSOS

O EFEITO TRANSLATIVO NOS RECURSOS O EFEITO TRANSLATIVO NOS RECURSOS 1 CONCEITO DE EFEITO TRANSLATIVO O efeito translativo tem origem no Princípio Inquisitório 1 diferentemente do efeito devolutivo que tivera origem no Princípio Dispositivo

Leia mais

Tutelas no novo CPC: Liminares?

Tutelas no novo CPC: Liminares? Tutelas no novo CPC: Liminares? Valter Nilton Felix Quando os efeitos da tutela definitiva são antecipados pelo juízo, tem-se a tutela provisória, satisfativa (fornecimento de certidão negativa é ordenada

Leia mais

REVELIA (ART. 319 A 322)

REVELIA (ART. 319 A 322) REVELIA (ART. 319 A 322) Ocorre quando o réu, regularmente citado, deixa de responder à demanda. O CPC regulou esse instituto, considerando revel o réu que deixa de oferecer contestação após regularmente

Leia mais

PROCESSO DE CONHECIMENTO. Petição Inicial (282 do CPC)

PROCESSO DE CONHECIMENTO. Petição Inicial (282 do CPC) PROCESSO DE CONHECIMENTO Petição Inicial (282 do CPC) Juiz; Qualificações; Fatos e Fundamentos; DEVERÁ INDICAR Pedido; Valor da Causa; Provas; Requerimento. PEDIDO (ART. 282, CPC) O pedido é o último elemento

Leia mais

RECURSO DE APELAÇÃO. Pode ser interposto contra qualquer sentença, seja ou não de mérito;

RECURSO DE APELAÇÃO. Pode ser interposto contra qualquer sentença, seja ou não de mérito; RECURSO DE APELAÇÃO O recurso de apelação é a modalidade recursal mais importante no sistema jurídico brasileiro. Através dele se atua o princípio do duplo grau de jurisdição. O Código de Processo Civil

Leia mais

DA FORMAÇÃO, SUSPENSÃO E EXTINÇÃO DO PROCESSO. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO

DA FORMAÇÃO, SUSPENSÃO E EXTINÇÃO DO PROCESSO. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO DA FORMAÇÃO, SUSPENSÃO E EXTINÇÃO DO PROCESSO Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO Formação do processo ETAPAS DA ESTABILIZAÇÃO DO PROCESSO DA FORMAÇÃO DO PROCESSO Art. 262. O processo civil começa por

Leia mais

SUMÁRIO. Agradecimentos... Nota do autor...

SUMÁRIO. Agradecimentos... Nota do autor... SUMÁRIO Agradecimentos......... 7 Nota do autor............. 9 Abreviaturas...... 11 Prefácio da jq edição...... 31 1. Introdução...... 33 2. Estado e Direito...... 41 2.1. Estado... 41 2.2. As Declarações

Leia mais

TST altera súmulas e orientações jurisprudenciais em função do novo CPC

TST altera súmulas e orientações jurisprudenciais em função do novo CPC TST altera súmulas e orientações jurisprudenciais em função do novo CPC TST altera súmulas e orientações jurisprudenciais em função do novo CPC TST 19/04/2016 O Pleno do Tribunal Superior do Trabalho aprovou,

Leia mais

SUMÁRIO. Capítulo 1 INTRODUÇÃO AO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO. Capítulo 2 JUSTIÇA DO TRABALHO E MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

SUMÁRIO. Capítulo 1 INTRODUÇÃO AO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO. Capítulo 2 JUSTIÇA DO TRABALHO E MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO SUMÁRIO Capítulo 1 INTRODUÇÃO AO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO 1.1 Evolução histórica... 19 1.2 Direito estrangeiro... 22 1.3 Denominação... 25 1.4 Conceito... 25 1.5 Abrangência... 26 1.6 Autonomia...

Leia mais