Física dos Sistemas Dinâmicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Física dos Sistemas Dinâmicos"

Transcrição

1 Física dos Sistemas Dinâmicos Trabalho Prático nº 1 Equação de Friedmann Trabalho de: Marcos Liberal (ei04050) 1

2 Índice: Introdução 3 Um pouco de história 4 Equação de Friedmann 5 Análise geral 6 Análise de exemplos práticos 6 Conclusões 9 Um pequeno aparte 9 Bibliografia 10 2

3 Introdução O nascimento do universo, a sua forma, constituição e dinâmica, sempre foram temas que estimularam a curiosidade humana e são agora temas de grande foco por parte da comunidade científica. Graças às importantes descobertas feitas no século passado nas áreas da Física (mais precisamente da Astrofísica) e da Cosmologia, foi possível o aparecimento de novas e mais credíveis teorias acerca do universo, como a teoria do Big Bang. Neste trabalho, realizado no âmbito da cadeira de Física dos Sistemas Dinâmicos, pretende se analisar a equação de Friedmann, formulada por um grande matemático chamado Alexander Friedmann e que descreve a expansão do universo ao longo do tempo. Além desta análise, pretende se também contar um pouco da história da Cosmologia para demonstrar a evolução dos modelos do universo desde a antiguidade até aos nossos dias. Toda a análise realizada neste trabalho foi feita com auxílio do Maxima, e para cada caso todos os comandos usados estão guardados num ficheiro batch, sendo no total três ficheiros batch. 3

4 Um pouco de historia ¹ Na antiguidade, filósofos como Aristóteles e Ptolomeu, criaram modelos descritivos da estrutura do universo. O modelo de Aristóteles e Ptolomeu era um modelo geocêntrico, em que a terra era o centro do universo, e todos os restantes corpos celestes giravam em seu redor. Essa visão geocêntrica tradicional foi abalada por Nicolau Copérnico em 1514, quando este começou a divulgar um modelo cosmológico em que os corpos celestes giravam ao redor do Sol, e não da Terra (modelo heliocêntrico). Quase um século mais tarde, Galileu Galilei graças a descoberta do telescópio, reforçou o modelo heliocêntrico e descobriu a existência de satélites ao redor de Júpiter, além de observar Saturno e seus anéis. Na era moderna, a partir da dinâmica clássica, a cosmologia científica começou a tomar corpo e desenvolveu se. No início vagarosamente, pois havia a necessidade de construção da sua base. Com o passar dos anos e a descoberta de novos métodos de pesquisa a cosmologia foi acelerando tecnologicamente. No início do século XX, com novas técnicas de cálculo, com o advento da teoria da relatividade de Albert Einstein, e o desenvolvimento de novos equipamentos de observação, os pesquisadores estabeleceram um conjunto de parâmetros e variáveis mediante os quais se criou uma metodologia destinada a definir a estrutura do universo e as leis que o regem, chamada de Astrofísica. Em 1917 o astrónomo Willen de Sitter desenvolveu um modelo não estático do Universo, que contrariava o modelo estático proposto por Einstein. A teoria segundo a qual o universo está em expansão, formulada na década de 1920 e demonstrada por Edwin Hubble, acabou por constituir a moderna base da cosmologia. Em 1922 o modelo do universo em expansão foi adoptado pelo matemático russo Alexander Friedmann, o qual viria a formular uma equação que descreve a expansão do universo (equação esse que será estudada neste trabalho). Em 1927 o sacerdote belga Georges Lemaître introduziu a ideia do núcleo primordial. A teoria afirmava que as galáxias são fragmentos da explosão desse núcleo, resultando na consequente expansão do Universo. Foi esse o começo da teoria do Big Bang que tenta explicar a origem do Cosmos. 4

5 1 partes do texto retiradas de Equação de Friedmann Alexander Friedmann foi um matemático russo, que baseando se no modelo dinâmico do universo (considerava que o universo estava em crescimento ou em regressão) desenvolveu uma equação que descreve a expansão do universo. Essa equação é conhecida por equação de Friedmann que é uma equação diferencial de segunda ordem. Na equação, R é o tamanho do universo, k é a curvatura do universo, c é a velocidade da luz, A é a constante cosmológica, ρ é a densidade inicial do universo e G é a constante gravitacional. Duas constantes pouco familiares nesta equação são a constante cosmológica e a curvatura do universo. A curvatura do universo, é uma constante que define o formato do universo. Existem três formatos possíveis para o universo, pode ser curvado e fechado, por exemplo uma esfera, (k > 0), pode ser curvado aberto (k < 0), ou pode ser plano (k = 0). A figura seguinte mostra os três formatos possíveis para o universo. Figura 1 possíveis formas do universo A constante cosmológica é uma constante mais complicada que tem a ver com a densidade de energia do vácuo. O conceito por detrás da constante cosmológica é muito 5

6 complicado e não será abordado por esse motivo e por ser irrelevante na análise feita neste trabalho. Para facilitar a análise da equação, vamos transforma la num sistema de equações diferenciais de primeira ordem. Vamos mudar a variável R (que representa o tamanho do universo) para e considerar. Com estas condições obtemos o sistema que é um sistema de equações diferenciais, não linear, continuo de segunda ordem. Análise geral Durante a análise do sistema e também nos exemplos que se seguem iremos sempre considerar que o universo é uma curva fechada, sendo k = 1.0 * 10^( 8). A velocidade da luz (c) e a constante gravitacional (G) vão tomar os valores conhecidos de * 10^8 m/s e * 10^( 11) Nm^2/Kg^2 respectivamente. A relação entre a constante cosmológica (A) e a densidade inicial (ρ) vai ser o foco de interesse, pois não sendo conhecidos os valores exactos destas constantes será interessante analisar o comportamento do sistema para diferentes valores dessas constantes. Para as condições enunciadas anteriormente, o sistema possui sempre dois pontos fixos, um positivo e outro negativo (ver ficheiro batch analise_geral.txt ), mas dependendo da relação entre A e ρ esses pontos fixos podem ser reais ou imaginários, o que no plano real resulta na existência ou inexistência de pontos fixos. Para que haja pontos fixos reais é necessário que a seguinte condição se verifique: ρ > *A Caso esta condição não se verifique teremos pontos fixos imaginários. Estas duas situações serão estudadas de seguida através de dois exemplos práticos. Análise de exemplos práticos Vamos de seguida analisar alguns exemplos que descrevem o que poderá estar de facto a acontecer com o universo. 6

7 Exemplo nº1 Considerando que não existe constante cosmológica (A = 0) e que ρ = 2.0 * 10^8, vamos localizar os pontos fixos do sistema, determinar a sua estabilidade e desenhar um retrato de fase nestas condições. Nestas condições, o sistema tem dois pontos fixos: x = , y = 0 e x = , y = 0 Pela análise da matriz jacobiana do sistema, obtemos para ambos os pontos fixos valores próprios que são imaginários puros. Daí resulta que ambos os pontos fixos são centros. Como não existem tamanhos negativos vamos considerar apenas a parte positiva do eixo dos xx, e como pela teoria do Big Bang, o universo teve inicio numa explosão, a velocidade inicial considerada deve ser sempre positiva. A figura seguinte mostra o retrato de fase deste sistema: Figura 2 Retrato de fase do sistema considerado no exemplo nº 1, e algumas soluções do sistema (curvas a vermelho) O eixo dos xx representa o tamanho do universo e o eixo dos yy representa a velocidade de crescimento do universo. Deduz se facilmente a existência de uma assímptota em x = 0 olhando para a figura ou então para a segunda equação do sistema, pois esta não está definida para x = 0, pois obtemos uma divisão por 0 o que é impossível. Isto tem como significado prático, a inexistência de um tamanho nulo. Para estes valores de A e ρ, a diferença A 8πρ G dá um valor negativo, e sejam quais forem as condições iniciais dadas (tamanho e velocidade iniciais) temos um universo que acaba mais cedo ou mais tarde por colapsar ou por oscilar entre um valor máximo e um valor mínimo de tamanho, aumentando de tamanho durante um 7

8 determinado período de tempo, passando depois a diminuir de tamanho até um determinado tamanho mínimo repetindo se o processo infinitamente. Exemplo nº2 Vamos agora considerar as seguintes condições: A = 0.67 e ρ = 2.0 * 10^8 Para este conjunto de condições, não se verifica a condição ρ > *A, logo vamos ter dois pontos fixos imaginários, o que significa que no plano real não vamos ter qualquer ponto fixo. Mais uma vez consideramos apenas a parte positiva do eixo dos xx e vamos atribuir valores positivos à velocidade inicial pelos mesmos motivos enunciados anteriormente. O retrato de fase que se segue mostra o comportamento do sistema para estas novas condições, mantendo se o significado dos eixos coordenados: Figura 3 Retrato de fase do exemplo nº2 Continuamos a ter uma assímptota vertical para x = 0, no entanto, a diferença A 8πρ G é agora um valor positivo, e sejam quais forem as condições iniciais dadas (dentro dos parâmetros enunciados anteriormente) vamos ter um universo em constante expansão. 8

9 Conclusões Nestes dois últimos exemplos, demonstrámos uma teoria sobre a expansão do universo que diz que o universo ou está a aumentar ou a diminuir de tamanho, e segundo a equação de Friedmann, ambas as hipóteses são possíveis, dependendo tudo dos valores das constantes A e ρ, cuja relação entre elas provou ser extremamente importante. Hoje em dia pensa se que o universo se encontra em expansão, devido ao facto de se observar que as galáxias se estão a afastar umas das outras, mas como foi possível verificar no exemplo 1, isso pode ser apenas passageiro, e o universo pode ainda vir a colapsar, mas para nossa sorte, se isso vier a acontecer não será num futuro próximo. Um pequeno aparte A análise do tema escolhido, foi uma análise muito geral e com muitas questões ainda por resolver, mas espero que sirva para despertar o interesse de quem ler este trabalho e que sirva de apoio para futuros trabalhos sobre este tema, visto que existe muito pouca informação disponível. 9

10 Bibliografia Toda a informação usada para a realização deste trabalho encontra se nos seguintes links: astr.gsu.edu/hbase/astro/fried.html 10

OS PRIMEIROS MODELOS COSMOLÓGICOS MODERNOS. Anderson Moraes

OS PRIMEIROS MODELOS COSMOLÓGICOS MODERNOS. Anderson Moraes OS PRIMEIROS MODELOS COSMOLÓGICOS MODERNOS Anderson Moraes Modelos Cosmológicos modernos. Einstein De Sitter Lemaitre Friedmam Eddington COSMOLOGIA Cosmologia é o estudo em larga escala do Universo, sua

Leia mais

Sumário. O Universo. Modelo geocêntrico

Sumário. O Universo. Modelo geocêntrico Sumário 2- Estudo do Universo - Modelos de organização do Universo: Teoria Geocêntrica e Teoria Heliocêntrica. - Da Astronomia a olho nu às lunetas e telescópios. Explorando o espaço. - Teoria do Big Bang

Leia mais

Minicurso: Cosmologia. Alexandre Bagdonas Henrique Marcelo Nogueira Tiago Almeida

Minicurso: Cosmologia. Alexandre Bagdonas Henrique Marcelo Nogueira Tiago Almeida Minicurso: Cosmologia Alexandre Bagdonas Henrique Marcelo Nogueira Tiago Almeida Atividade I: Introdução a história da cosmologia Aulas: 1) O que é cosmologia? 2) Big Bang Brasil: modelos de universo estático

Leia mais

Cosmologia 1. Gastão B. Lima Neto Vera Jatenco-Pereira IAG/USP.

Cosmologia 1. Gastão B. Lima Neto Vera Jatenco-Pereira IAG/USP. Aspectos históricos Princípio cosmológico Base teórica Expansão do Universo Lei de Hubble Parâmetros cosmológicos Evolução do Universo Cosmologia 1 Gastão B. Lima Neto Vera Jatenco-Pereira IAG/USP www.astro.iag.usp.br/~aga210

Leia mais

Profº Carlos Alberto

Profº Carlos Alberto Gravitação Disciplina: Mecânica Básica Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: As leis que descrevem os movimentos dos planetas, e como trabalhar com

Leia mais

Capítulo 6. Gravitação Universal

Capítulo 6. Gravitação Universal Capítulo 6 Gravitação Universal Os céus manifestam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras das suas mãos. Um dia discursa a outro dia, e uma noite revela conhecimento a outra noite. Não há linguagem,

Leia mais

COSMOLOGIA. Victor O. Rivelles

COSMOLOGIA. Victor O. Rivelles COSMOLOGIA Victor O. Rivelles rivelles@fma.if.usp.br Instituto de Física Universidade de São Paulo http://www.fma.if.usp.br/ rivelles/ CURSO DE VERÃO DO IFUSP - 2006 COSMOLOGIA p. 1/40 Cosmologia é o estudo

Leia mais

O LADO ESCURO DO UNIVERSO. Pedro Abreu LIP/IST, Lisboa Escola de Profs no CERN em Língua Portuguesa 2013

O LADO ESCURO DO UNIVERSO. Pedro Abreu LIP/IST, Lisboa Escola de Profs no CERN em Língua Portuguesa 2013 O LADO ESCURO DO UNIVERSO Pedro Abreu LIP/IST, Lisboa Escola de Profs no CERN em Língua Portuguesa 2013 (Heinrich Wilhelm Olbers, 1823) Universo Porque é que o Universo é escuro? E porque era isto um paradoxo?

Leia mais

1ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos de Física e Química do 7ºAno Data: outubro 2012 Professora: Paula Melo Silva

1ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos de Física e Química do 7ºAno Data: outubro 2012 Professora: Paula Melo Silva Página1 1ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos de Física e Química do 7ºAno Ano Letivo: 2012/2013 Data: outubro 2012 Professora: Paula Melo Silva Critérios de Correção 1. 11 pontos 1.1. Opção A 1.2. Opção

Leia mais

O Universo e o Sistema Solar

O Universo e o Sistema Solar O Universo e o Sistema Solar 1 O cientista não estuda a natureza porque ela é útil; ele a estuda porque tem prazer nisso, e ele tem prazer nisso porque ela é linda. Se a natureza não fosse linda, não valeria

Leia mais

NIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

NIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA NIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA LABORATÓRIO DE FÍSICA NUCLEAR APLICADA (LFNA) criado em 1977 VISITE NOSSO SITE: http://www.fisica.uel.br/gfna Venha conhecer o laboratório! Micro e Macrocosmos Uma rápida

Leia mais

FIS Capítulo 6 do BR Roteiro para solução dos problemas Prof. Basílio X. Santiago

FIS Capítulo 6 do BR Roteiro para solução dos problemas Prof. Basílio X. Santiago FIS212 - Capítulo 6 do BR Roteiro para solução dos problemas Prof. Basílio X. Santiago 6.1) Trata-se de um Universo com geometria de curvatura positiva, k = 1 e dominado pela matéria, sendo que a densidade

Leia mais

Estrutura da Matéria Prof. José Antonio Souza

Estrutura da Matéria Prof. José Antonio Souza Estrutura da Matéria Prof. José Antonio Souza Aula 1 Estrutura do Universo Interações fundamentais O Universo geocentrismo vs heliocentrismo Nicolau Copérnico Tycho Brahe Galileu e Galilei Ptolomeu afirmava

Leia mais

MODELANDO O COSMO CSA 9ºANO

MODELANDO O COSMO CSA 9ºANO MODELANDO O COSMO CSA 9ºANO - Característica e importância dos modelos e teorias científicas; - Disputas entre teorias científicas; - Modelos geocêntrico e heliocêntrico para o cosmo; - Introdução do conceito

Leia mais

Espaço. 1. Universo. Ciências Físico-Químicas 7º Ano Nelson Alves Correia Escola Básica Manuel Figueiredo Agrupamento de Escolas Gil Paes

Espaço. 1. Universo. Ciências Físico-Químicas 7º Ano Nelson Alves Correia Escola Básica Manuel Figueiredo Agrupamento de Escolas Gil Paes Espaço 1. Universo Ciências Físico-Químicas 7º Ano Nelson Alves Correia Escola Básica Manuel Figueiredo Agrupamento de Escolas Gil Paes Corpos celestes 1.1 Distinguir vários corpos celestes. Estrela Astro

Leia mais

Ficha de Avaliação Sumativa 1

Ficha de Avaliação Sumativa 1 Ficha de Avaliação Sumativa 1 DISCIPLINA: Física e Química 7 ºAno de escolaridade 2015/2016 Data: Nome: Turma: N.º Classificação: (%) A Docente: E. E: As respostas às questões deste enunciado devem ser

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE. 2. CONTEÚDOS BÁSICOS Empuxo, Densidade, Flutuação de Corpos, Pressão, O Princípio de Pascal, Vazão.

PLANO DE TRABALHO DOCENTE. 2. CONTEÚDOS BÁSICOS Empuxo, Densidade, Flutuação de Corpos, Pressão, O Princípio de Pascal, Vazão. Colégio Estadual São José Ensino Fundamental e Médio. Professor.: José Renato Batista Área de Conhecimento.: Física Série.: 1º Ano do Ensino Médio Período.: 2º Semestre 2010 PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1.

Leia mais

Física. José Arnaldo de Assis Pina Neto

Física. José Arnaldo de Assis Pina Neto Física José Arnaldo de Assis Pina Neto 9 de abril de 2013 Sumário 1 Física 2 1.1 Visão Geral............................ 2 2 Vetorial 4 2.1 Tipos de Grandezas........................ 4 2.1.1 Grandezas

Leia mais

A gravitação universal de Newton nos diz que dois corpos se atraem se suas massas são positivas e se repelem se elas são negativas.

A gravitação universal de Newton nos diz que dois corpos se atraem se suas massas são positivas e se repelem se elas são negativas. 1. Marque a resposta certa: Os livros "Commentariolus", "Philosophiae Naturalis Principia Mathematica", "Harmonice mundi", "De Revolutionibus Orbium Coelestium", "Astronomia nova aitologetos", "Dialogo

Leia mais

Movimentos da Terra e da Lua e eclipses. Gastão B. Lima Neto IAG/USP

Movimentos da Terra e da Lua e eclipses. Gastão B. Lima Neto IAG/USP Movimentos da Terra e da Lua e eclipses Gastão B. Lima Neto IAG/USP AGA 210 2 semestre/2006 Nascer do Sol Movimento aparente do Sol Movimento aparente dos astros frequência quotidiana. Interpretação? (1)

Leia mais

Astrofísica Geral. Tema 22: O Big Bang

Astrofísica Geral. Tema 22: O Big Bang ema 22: O Big Bang Outline 1 Modelos cosmológicos 2 Expansão do universo 3 Big Bang 4 Evidências do Big Bang 5 Bibliografia 2 / 29 Índice 1 Modelos cosmológicos 2 Expansão do universo 3 Big Bang 4 Evidências

Leia mais

As origens das teorias da relatividade. Marcos Santos Bonaldi Nº USP

As origens das teorias da relatividade. Marcos Santos Bonaldi Nº USP As origens das teorias da relatividade Marcos Santos Bonaldi Nº USP 5126531 Relatividade Galileu Galilei: Não existe sistema de referência absoluto. Logo: movimento e repouso não são conceitos absolutos.

Leia mais

CONCEITOS DE GRAVITAÇÃO E NOÇÕES DE BURACOS NEGROS

CONCEITOS DE GRAVITAÇÃO E NOÇÕES DE BURACOS NEGROS Universidade de São Paulo Faculdade de Educação Metodologia do Ensino de Física Professor Maurício Pietrocola São Paulo 2008 André Quirino Pereira 4895646 Caio Correia Gomes 4897839 Clayton Alves Figueiredo

Leia mais

Programação Linear. (2ª parte) Informática de Gestão Maria do Rosário Matos Bernardo 2016

Programação Linear. (2ª parte) Informática de Gestão Maria do Rosário Matos Bernardo 2016 Programação Linear (2ª parte) Informática de Gestão 61020 Maria do Rosário Matos Bernardo 2016 Conteúdos Representação e resolução gráfica dos problemas de programação linear Problema de minimização Problema

Leia mais

4 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 15 de Abril de :00

4 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 15 de Abril de :00 4 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 15 de Abril de 2009 15:00 Duração máxima 120 minutos Nota: Ler atentamente todas as questões. Existe uma tabela com dados no final

Leia mais

Universo Competências a atingir no final da unidade

Universo Competências a atingir no final da unidade Universo Competências a atingir no final da unidade Constituição e origem do Universo. Como é constituído globalmente o Universo. Saber mencionar e distinguir objectos celestes como galáxia, supernova,

Leia mais

FEUP - MIEIC FÍSICA I - EIC /2009

FEUP - MIEIC FÍSICA I - EIC /2009 FEUP - MIEIC FÍSICA I - EIC0010-2008/2009 NOME: LOG-IN FEUP: Exame final 30 de Junho de 2009 Duração: Duas horas. Com consulta de formulário. Pode usar calculadora, mas apenas para fazer contas e nunca

Leia mais

Geometria para entender o Universo

Geometria para entender o Universo Geometria para entender o Universo IMPA - Rio de Janeiro Outline Conceitos fundamentais 1 Conceitos fundamentais 2 3 4 Outline Conceitos fundamentais Variedades Motivações Problema da classificação 1 Conceitos

Leia mais

Como tudo começou... A origem do universo, da Terra e da vida. Natália Paludetto

Como tudo começou... A origem do universo, da Terra e da vida. Natália Paludetto Como tudo começou... A origem do universo, da Terra e da vida Natália Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com A origem do Universo Teoria mais aceita: Big Bang (George Gamow e Georges Lemaître 1948) Apoia-se,

Leia mais

Ficha de Avaliação Sumativa 2

Ficha de Avaliação Sumativa 2 Ficha de Avaliação Sumativa 2 DISCIPLINA: Física e Química 7 ºAno de escolaridade 2015/2016 Data: Nome: Turma: N.º Classificação: (%) A Docente: E. E: As respostas às questões deste enunciado devem ser

Leia mais

Modelos do Sistema Solar. Roberto Ortiz EACH/USP

Modelos do Sistema Solar. Roberto Ortiz EACH/USP Modelos do Sistema Solar Roberto Ortiz EACH/USP Grécia antiga (750 a.c. 146 a.c.) Desenvolvimento da Matemática, Geometria, Astronomia, Filosofia, Política, etc. Em sua obra Metafísica, Aristóteles (384

Leia mais

Física I Prova 3 7/06/2014

Física I Prova 3 7/06/2014 Nota Física I Prova 3 7/06/2014 NOME MATRÍCULA TURMA PROF. Lembrete: A prova consta de 2 questões discursivas (que deverão ter respostas justificadas, desenvolvidas e demonstradas matematicamente) e 12

Leia mais

2. Observe atentamente o mapa PLANISFÉRIO FUSOS HORÁRIOS.

2. Observe atentamente o mapa PLANISFÉRIO FUSOS HORÁRIOS. SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 6ª Ano

Leia mais

EQUAÇÕES DE MAXWELL, POTENCIAL MAGNÉTICO E EQUAÇÕES DE CAMPO

EQUAÇÕES DE MAXWELL, POTENCIAL MAGNÉTICO E EQUAÇÕES DE CAMPO 99 15 EQUAÇÕES DE MAXWELL, POTENCIAL MANÉTICO E EQUAÇÕES DE CAMPO 15.1 - AS QUATRO EQUAÇÕES DE MAXWELL PARA CAMPOS ELÉTRICOS E MANÉTICOS ESTACIONÁRIOS Como pudemos observar em todo o desenvolvimento deste

Leia mais

A filosofia Moderna. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes 1º Ano Ensino Médio Terceiro Trimestre

A filosofia Moderna. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes 1º Ano Ensino Médio Terceiro Trimestre A filosofia Moderna Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes 1º Ano Ensino Médio Terceiro Trimestre Uma nova forma de se pensar a realidade A era moderna é marcada por um

Leia mais

RELATÓRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

RELATÓRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Universidade Estadual de Campinas Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica RELATÓRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Aproximações para os Tempos de Trânsito Prof. Dr. Lúcio Tunes dos Santos

Leia mais

5. Expressões aritméticas

5. Expressões aritméticas 5. Expressões aritméticas 5.1. Conceito de Expressão O conceito de expressão em termos computacionais está intimamente ligado ao conceito de expressão (ou fórmula) matemática, onde um conjunto de variáveis

Leia mais

Escrita correta de resultados em notação

Escrita correta de resultados em notação Notas de Aula Laboratório de Física 1 e A Escrita correta de resultados em notação científica e confecção de gráficos 1 Prof. Alexandre A. C Cotta 1 Departamento de Física, Universidade Federal de Lavras,

Leia mais

Se as partículas A e B são os átomos que formam uma molécula diatômica, a energia potencial do sistema pode ser expressa pela seguinte função:

Se as partículas A e B são os átomos que formam uma molécula diatômica, a energia potencial do sistema pode ser expressa pela seguinte função: Curvas de Energia Potencial Consideremos o sistema formado por duas partículas, A e B, cujos movimentos estão limitados à mesma linha reta, o eixo x do referencial. Além disso, vamos considerar que o referencial

Leia mais

INTRODUÇÃO À GRAVITAÇÃO E À COSMOLOGIA

INTRODUÇÃO À GRAVITAÇÃO E À COSMOLOGIA INTRODUÇÃO À GRAVITAÇÃO E À COSMOLOGIA Victor O. Rivelles Aula 4 Instituto de Física da Universidade de São Paulo e-mail: rivelles@fma.if.usp.br http://www.fma.if.usp.br/~rivelles Escola Norte-Nordeste

Leia mais

Funções Hiperbólicas:

Funções Hiperbólicas: Funções Hiperbólicas: Estas funções são parecidas as funções trigonométricas e possuem muitas aplicações como veremos ao longo da disciplina. Definiremos primeiro as funções seno hiperbólico e cosseno

Leia mais

h mc 2 =hν mc 2 =hc/ λ

h mc 2 =hν mc 2 =hc/ λ Louis de Broglie investigou as propriedades ondulatórias da matéria na década de 30. Ele supôs que o e-, em seu movimento ao redor do núcleo, tinha associado a ele um λ. Ele igualou as duas expressões

Leia mais

Superaglomerados de galáxias

Superaglomerados de galáxias Superaglomerados de galáxias O esqueleto do Universo Marcio A.G. Maia Ciência às seis e meia SBPC-RJ 19/10/2005 Olhando à nossa volta Olhando à nossa volta Olhando à nossa volta (um pouco mais longe) Olhando

Leia mais

Observamos no gráfico acima que não passa uma reta por todos os pontos. Com base nisso, podemos fazer as seguintes perguntas:

Observamos no gráfico acima que não passa uma reta por todos os pontos. Com base nisso, podemos fazer as seguintes perguntas: Título : B1 AJUSTE DE CURVAS Conteúdo : Em matemática e estatística aplicada existem muitas situações em que conhecemos uma tabela de pontos (x; y). Nessa tabela os valores de y são obtidos experimentalmente

Leia mais

CEDERJ - CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CEDERJ - CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CEDERJ - CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO MATERIAL DIDÁTICO IMPRESSO CURSO: Física DISCIPLINA: Informática para o Ensino de Física CONTEUDISTA: Carlos Eduardo Aguiar

Leia mais

Relatividade Especial Virtual - Uma Generalização da Relatividade Especial de Einstein

Relatividade Especial Virtual - Uma Generalização da Relatividade Especial de Einstein Relatividade Especial Virtual - Uma Generalização da Relatividade Especial de Einstein Edigles Guedes e-mail: edigles.guedes@gmail.com 24 de junho de 2012. RESUMO Nós construímos a Teoria da Relatividade

Leia mais

Geometria para entender o Universo

Geometria para entender o Universo Geometria para entender o Universo IMPA - Rio de Janeiro Outline Conceitos fundamentais 1 Conceitos fundamentais 2 3 4 5 Outline Conceitos fundamentais Variedades Motivações Problema da classificação 1

Leia mais

1.2 Roteiro para obter um gráfico de qualidade

1.2 Roteiro para obter um gráfico de qualidade CAPÍTULO 1 Análise Gráfica de Resultados Experimentais Prof. Cláudio Graça, Dep. Física UFSM 1.1 Objetivos encontrar uma função que represente um modelo físico a partir de medidas feitas em laboratório;

Leia mais

Investigação Operacional

Investigação Operacional Métodos de Programação Linear: Gráfica, (Mestrado) Engenharia Industrial http://dps.uminho.pt/pessoais/zan - Escola de Engenharia Departamento de Produção e Sistemas 1 Representação Gráfica Considere o

Leia mais

Cap. 2. Conceito do meio contínuo, objectivos e restrições de MMC

Cap. 2. Conceito do meio contínuo, objectivos e restrições de MMC Cap. 2. Conceito do meio contínuo, objectivos e restrições de MMC 1. Hierarquia de Mecânica Clássica ou Newtoniana 2. Meio contínuo 3. Objectivos de MMC 3.1 Carregamento 3.2 Resposta ao carregamento 3.3

Leia mais

Introdução à Óptica ( ) Prof. Adriano Mesquita Alencar Dep. Física Geral Instituto de Física da USP B02. Equação de Onda

Introdução à Óptica ( ) Prof. Adriano Mesquita Alencar Dep. Física Geral Instituto de Física da USP B02. Equação de Onda Introdução à Óptica (4300327) Prof. Adriano Mesquita Alencar Dep. Física Geral Instituto de Física da USP B02 Equação de Onda 1 2 Luz propaga-se na forma de ondas. No espaço, as ondas de luz viajam com

Leia mais

Geometria do Espaço-Tempo de um par de Buracos-Negros de Reissner-Nordstrom

Geometria do Espaço-Tempo de um par de Buracos-Negros de Reissner-Nordstrom Geometria do Espaço-Tempo de um par de Buracos-Negros de Reissner-Nordstrom Hanna Nencka Laurindo Sobrinho Universidade da Madeira Setembro de 1996 1-Introdução No presente trabalho procedemos ao estudo

Leia mais

EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO PRODUTOR VIII Teoria da produção (analise em período curto)

EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO PRODUTOR VIII Teoria da produção (analise em período curto) EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO PRODUTOR VIII Teoria da produção (analise em período curto) Exercício Nº 1 Defina e caracterize os seguintes conceitos: a) Função produção É uma relação técnica entre os factores

Leia mais

Tópicos de Física Geral I Cosmologia: o que sabemos sobre a história do universo? Miguel Quartin

Tópicos de Física Geral I Cosmologia: o que sabemos sobre a história do universo? Miguel Quartin Tópicos de Física Geral I 2016 Cosmologia: o que sabemos sobre a história do universo? Miguel Quartin Instituto de Física, UFRJ Grupo: Astrofísica, Relatividade e Cosmologia (ARCOS) 1 Resumo do Seminário

Leia mais

Você acha que só no nosso planeta há vida? Como você acha que a vida surgiu? Quando e como?

Você acha que só no nosso planeta há vida? Como você acha que a vida surgiu? Quando e como? Atividade: Vida Entregar dia: 11/02/2016 (2 feira) Manuscrito Cabeçalho; Data; Nome O que é vida? O que significa para você estar vivo? O que é um ser vivo? Você acha que só no nosso planeta há vida? Como

Leia mais

Resolução da 1ª Prova de Álgebra Linear II da UFRJ, período

Resolução da 1ª Prova de Álgebra Linear II da UFRJ, período www.engenhariafacil.net Resolução da 1ª Prova de Álgebra Linear II da UFRJ, período 2014.2 OBS: Todas as alternativas corretas são as letras A. 1) Vamos falar um pouco de interseção, união e soma de subespaços.

Leia mais

A Relatividade Geral de Einstein e suas aplicações à Geometria Riemanniana. Carlos Matheus Silva Santos

A Relatividade Geral de Einstein e suas aplicações à Geometria Riemanniana. Carlos Matheus Silva Santos A Relatividade Geral de Einstein e suas aplicações à Geometria Riemanniana Carlos Matheus Silva Santos 15 de setembro de 2006 Matemática ajudando a Física Newton (1642): 1. Mecânica Newtoniana: movimento

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ANDRADINA NOME DO(S) AUTOR(ES) EM ORDEM ALFABÉTICA TÍTULO DO TRABALHO: SUBTÍTULO DO TRABALHO, SE HOUVER

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ANDRADINA NOME DO(S) AUTOR(ES) EM ORDEM ALFABÉTICA TÍTULO DO TRABALHO: SUBTÍTULO DO TRABALHO, SE HOUVER FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ANDRADINA NOME DO(S) AUTOR(ES) EM ORDEM ALFABÉTICA TÍTULO DO TRABALHO: SUBTÍTULO DO TRABALHO, SE HOUVER ANDRADINA/SP 2016 NOME DO(S) AUTOR(ES) EM ORDEM ALFABÉTICA TÍTULO DO TRABALHO:

Leia mais

Tema IV Conhecimento e Racionalidade Científica e Tecnológica

Tema IV Conhecimento e Racionalidade Científica e Tecnológica Tema IV Conhecimento e Racionalidade Científica e Tecnológica 2. ESTATUTO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO 2.3 A Racionalidade Científica e a Questão da Objectividade IV Conhecimento e Racionalidade Científica

Leia mais

A velocidade instantânea (Texto para acompanhamento da vídeo-aula)

A velocidade instantânea (Texto para acompanhamento da vídeo-aula) A velocidade instantânea (Texto para acompanamento da vídeo-aula) Prof. Méricles Tadeu Moretti Dpto. de Matemática - UFSC O procedimento que será utilizado neste vídeo remete a um tempo em que pesquisadores

Leia mais

2. METODOLOGIA DE PESQUISA

2. METODOLOGIA DE PESQUISA 2. METODOLOGIA DE PESQUISA O presente capítulo apresenta a metodologia de pesquisa proposta e procura-se dar uma visão geral do que será feito para atingir os objetivos. Está dividido em seis partes: i)

Leia mais

Fundamentos de Astronomia e Astrofísica TEORIA DO BIG BANG. Clayton B. O. dos Reis Deyvson G. Borba

Fundamentos de Astronomia e Astrofísica TEORIA DO BIG BANG. Clayton B. O. dos Reis Deyvson G. Borba Fundamentos de Astronomia e Astrofísica TEORIA DO BIG BANG Clayton B. O. dos Reis Deyvson G. Borba Resumo de como surgiu a teoria: No ano de 1927, O padre e cosmólogo belga Georges- Henri Édouard Lemaître,

Leia mais

Astrofísica Geral. Tema 03: Noções de Gravitação

Astrofísica Geral. Tema 03: Noções de Gravitação ma 03: Noções de Gravitação Outline 1 Leis de Kepler 2 Lei da gravitação de Newton 3 Força de maré 4 Limite de Roche 5 Conceitos de Relatividade 6 Bibliografia 2 / 46 Outline 1 Leis de Kepler 2 Lei da

Leia mais

Cálculo a Várias Variáveis I - MAT Cronograma para P2: aulas teóricas (segundas e quartas)

Cálculo a Várias Variáveis I - MAT Cronograma para P2: aulas teóricas (segundas e quartas) Cálculo a Várias Variáveis I - MAT 116 0141 Cronograma para P: aulas teóricas (segundas e quartas) Aula 10 4 de março (segunda) Aula 11 6 de março (quarta) Referências: Cálculo Vol James Stewart Seções

Leia mais

MÓDULO 1 FÍSICA, PARA QUE SERVE ISSO? PROF.EMERSON

MÓDULO 1 FÍSICA, PARA QUE SERVE ISSO? PROF.EMERSON MÓDULO 1 FÍSICA, PARA QUE SERVE ISSO? PROF.EMERSON INTRODUÇÃO À FÍSICA DEFINIÇÃO A FÍSICA é a ciência das coisas naturais, cujo objetivo é a formação de leis que regem os fenômenos da natureza, estudando

Leia mais

Campo Elétrico [N/C] Campo produzido por uma carga pontual

Campo Elétrico [N/C] Campo produzido por uma carga pontual Campo Elétrico Ao tentar explicar, ou entender, a interação elétrica entre duas cargas elétricas, que se manifesta através da força elétrica de atração ou repulsão, foi criado o conceito de campo elétrico,

Leia mais

E. S. JERÓNIMO EMILIANO DE ANDRADE DE ANGRA DO HEROISMO. Conteúdo Programáticos / Matemática e a Realidade. Curso de Nível III Técnico de Laboratório

E. S. JERÓNIMO EMILIANO DE ANDRADE DE ANGRA DO HEROISMO. Conteúdo Programáticos / Matemática e a Realidade. Curso de Nível III Técnico de Laboratório E. S. JERÓNIMO EMILIANO DE ANDRADE DE ANGRA DO HEROISMO Curso de Nível III Técnico de Laboratório Técnico Administrativo PROFIJ Conteúdo Programáticos / Matemática e a Realidade 2º Ano Ano Lectivo de 2008/2009

Leia mais

PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu

PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu O que será abordado neste curso: O Caminho até a Teoria da Gravitação de Newton: Parte 1 (4 aulas) Conceitos básicos de Astronomia: Movimento do Sol e dos

Leia mais

Módulo de Números Naturais. Divisibilidade e Teorema da Divisão Euclideana. 8 ano E.F.

Módulo de Números Naturais. Divisibilidade e Teorema da Divisão Euclideana. 8 ano E.F. Módulo de Números Naturais. Divisibilidade e Teorema da Divisão Euclideana. 8 ano E.F. Módulo de Números Naturais. Divisibilidade e Teorema da Divisão Euclideana. 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1.

Leia mais

ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011

ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011 ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011 Nome: 7.º Ano Turma Nº: Encarregado de Educação: Classificação: Professor: 1. Observe a figura seguinte,

Leia mais

Lista de exercícios 2 Sistemas de equações lineares II

Lista de exercícios 2 Sistemas de equações lineares II Universidade Federal do Paraná 2 semestre 2016. Algebra Linear, CM 005 Olivier Brahic Lista de exercícios 2 Sistemas de equações lineares II Exercício 1: As matrizes aumentadas seguintes estão na forma

Leia mais

Profa. Andréa Cardoso UNIFAL-MG MATEMÁTICA-LICENCIATURA 2015/1

Profa. Andréa Cardoso UNIFAL-MG MATEMÁTICA-LICENCIATURA 2015/1 Profa. Andréa Cardoso UNIFAL-MG MATEMÁTICA-LICENCIATURA 2015/1 Aula 25: Funcionalidade e Funções 01/06/2015 2 Funcionalidade na Antiguidade Ideia de correspondência ou noção de dependência. Tabelas babilônicas

Leia mais

A história da Astronomia

A história da Astronomia ASTRONOMIA A história da Astronomia Profª Eliana D'Avila OBSERVANDO O CÉU Desde a antiguidade o ser humano observa o céu. As especulações sobre a natureza do Universo devem remontar aos tempos pré-históricos,

Leia mais

Queda Livre e Lançamentos no Espaço

Queda Livre e Lançamentos no Espaço LOGO FQA Queda Livre e Lançamentos no Espaço (Com resistência do ar desprezável) Queda Livre de Objetos A queda livre é o movimento de um objeto que se desloca livremente, unicamente sob a influência da

Leia mais

PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu

PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu O que será abordado neste curso: O Caminho até a Teoria da Gravitação de Newton: Parte 1 (4 aulas) Conceitos básicos de Astronomia: Movimento do Sol e dos

Leia mais

CONTEÚDO: GRAVITAÇÃO UNIVERSAL FÍSICA NO ENEM COM IVÃ

CONTEÚDO: GRAVITAÇÃO UNIVERSAL FÍSICA NO ENEM COM IVÃ O ENEM AO LONGO DOS ANOS CONTEÚDO: GRAVITAÇÃO UNIVERSAL 1) (1998) Se compararmos a idade do planeta Terra, avaliada em quatro e meio bilhões de anos (4,5.10 9 anos), com a de uma pessoa de 45 anos, então,

Leia mais

O Lado Escuro do Universo

O Lado Escuro do Universo O Lado Escuro do Universo Thaisa Storchi Bergmann Departamento de Astronomia, Instituto de Física, UFRGS, Porto Alegre, RS, Brasil Em 400 anos Telescópio Espacial Hubble (2.4m) Telescópio de Galileu (lente

Leia mais

MOVIMENTO EM UMA LINHA RETA

MOVIMENTO EM UMA LINHA RETA MOVIMENTO EM UMA LINHA RETA MOVIMENTO EM UMA LINHA RETA Objetivos de aprendizagem: Descrever o movimento em uma linha reta em termos de velocidade média, velocidade instantânea, aceleração média e aceleração

Leia mais

Conjuntos Numéricos. I) Números Naturais N = { 0, 1, 2, 3,... }

Conjuntos Numéricos. I) Números Naturais N = { 0, 1, 2, 3,... } Conjuntos Numéricos I) Números Naturais N = { 0, 1, 2, 3,... } II) Números Inteiros Z = {..., -2, -1, 0, 1, 2,... } Todo número natural é inteiro, isto é, N é um subconjunto de Z III) Números Racionais

Leia mais

Big Bang Evolução de uma Idéia

Big Bang Evolução de uma Idéia Big Bang Evolução de uma Idéia Tina Andreolla 1 Até o século XIV, acreditava-se que o universo era formado pela Terra, ao centro, e pelo céu girando ao redor dela, com seus elementos fixos nele. Esta idéia

Leia mais

F = 1/4πɛ 0 q 1.q 2 /r 2. F = G m 1.m 2 /r 2 ENERGIA POTENCIAL 04/05/2015. Bacharelado em Engenharia Civil. Física III

F = 1/4πɛ 0 q 1.q 2 /r 2. F = G m 1.m 2 /r 2 ENERGIA POTENCIAL 04/05/2015. Bacharelado em Engenharia Civil. Física III ENERGIA POTENCIAL Bacharelado em Engenharia Civil Física III Prof a.: D rd. Mariana de Faria Gardingo Diniz A energia potencial é a energia que está relacionada a um corpo em função da posição que ele

Leia mais

Métodos de Estudo & Investigação Científica. Elaborando um projeto de pesquisa

Métodos de Estudo & Investigação Científica. Elaborando um projeto de pesquisa Elaborando um projeto de pesquisa A pesquisa é a realização concreta de uma investigação planeada, desenvolvido e redigida de acordo com as normas das metodologias consagradas pela ciência; Requerida quando

Leia mais

Cadeias de Markov no ensino básico.

Cadeias de Markov no ensino básico. Cadeias de Markov no ensino básico Rodrigo Sychocki da Silva Porto Alegre, 3 de Dezembro de 200 Cadeias de Markov no ensino básico Rodrigo Sychocki da Silva* Maria Paula Gonçalves Fachin** Resumo Neste

Leia mais

TC I e a LEIC. O que é um Engenheiro da LEIC FEUP? Objectivos da LEIC FEUP: Requisitos de Conhecimentos: Que desafios presentes e futuros?

TC I e a LEIC. O que é um Engenheiro da LEIC FEUP? Objectivos da LEIC FEUP: Requisitos de Conhecimentos: Que desafios presentes e futuros? TC I e a LEIC O que é um Engenheiro da LEIC FEUP? Que desafios presentes e futuros? Objectivos da LEIC FEUP: Conhecimentos, capacidades e atitudes para exercer a profissão? Componentes de "educação liberal

Leia mais

Consideremos uma função definida em um intervalo ] [ e seja ] [. Seja um acréscimo arbitrário dado a, de forma tal que ] [.

Consideremos uma função definida em um intervalo ] [ e seja ] [. Seja um acréscimo arbitrário dado a, de forma tal que ] [. 6 Embora o conceito de diferencial tenha sua importância intrínseca devido ao fato de poder ser estendido a situações mais gerais, introduziremos agora esse conceito com o objetivo maior de dar um caráter

Leia mais

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 5) 1 Extremos de Funções Escalares. Exemplos

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 5) 1 Extremos de Funções Escalares. Exemplos Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Prof. Gabriel Pires CDI-II Resumo das Aulas Teóricas (Semana 5) 1 Etremos de Funções Escalares. Eemplos Nos eemplos seguintes

Leia mais

Curso de Iniciação à. Astronomia e Astrofísica. Observatório Astronómico de Lisboa. Rui Jorge Agostinho José Manuel Afonso. Janeiro e Junho de 2013

Curso de Iniciação à. Astronomia e Astrofísica. Observatório Astronómico de Lisboa. Rui Jorge Agostinho José Manuel Afonso. Janeiro e Junho de 2013 Curso de Iniciação à Astronomia e Astrofísica do Observatório Astronómico de Lisboa Rui Jorge Agostinho José Manuel Afonso Janeiro e Junho de 2013 Conteúdo Objectivos e Estrutura do Curso.............................

Leia mais

CURSO de ENGENHARIA (MECÂNICA) NITERÓI - Gabarito

CURSO de ENGENHARIA (MECÂNICA) NITERÓI - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2008 e 1 o semestre letivo de 2009 CURSO de ENGENHARIA (MECÂNICA) NITERÓI - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este caderno

Leia mais

10 - Sinal da velocidade (Movimento Progressivo e Movimento Retrógrado)

10 - Sinal da velocidade (Movimento Progressivo e Movimento Retrógrado) 9- Movimento Uniforme (MU) Todo movimento uniforme possui velocidade constante e, portanto, a velocidade média é a própria velocidade do movimento, pois ela não varia. Raciocinando desta forma, podemos

Leia mais

Material de Aperfeiçoamento de Estudos MAE 5ª série 1º Bimestre Professora MaristelA Borges

Material de Aperfeiçoamento de Estudos MAE 5ª série 1º Bimestre Professora MaristelA Borges Material de Aperfeiçoamento de Estudos MAE 5ª série 1º Bimestre Professora MaristelA Borges Um pouco de história da Astronomia A regularidade dos movimentos do Sol e das outras estrelas, da Lua, o aparecimento

Leia mais

Instituto Federal Fluminense Campus Campos Centro Programa Tecnologia Comunicação Educação (PTCE)

Instituto Federal Fluminense Campus Campos Centro Programa Tecnologia Comunicação Educação (PTCE) Instituto Federal Fluminense Campus Campos Centro Programa Tecnologia Comunicação Educação (PTCE) Apostila Organizada por: Kamila Gomes Ludmilla Rangel Cardoso Silva Carmem Lúcia Vieira Rodrigues Azevedo

Leia mais

... RIO DE JANEIRO, 22 DE NOVEMBRO DE 2009

... RIO DE JANEIRO, 22 DE NOVEMBRO DE 2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COLÉGIO PEDRO II DIREÇÃO-GERAL DIRETORIA DE ENSINO EXAME DE SELEÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CANDIDATOS À MATRÍCULA NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 2010 UNIDADE ESCOLAR NOME DO(A) CANDIDATO(A):......

Leia mais

Comportamento ondulatório da matéria

Comportamento ondulatório da matéria Louis de Broglie investigou as propriedades ondulatórias da na década de 30. Ele supôs que o e-, em seu movimento ao redor do núcleo, tina associado a ele um λ. Ele igualou as duas expressões conecidas

Leia mais

A Radiação Cósmica de Fundo em Microondas e a Origem do Universo

A Radiação Cósmica de Fundo em Microondas e a Origem do Universo A Radiação Cósmica de Fundo em Microondas e a Origem do Universo Carlos Alexandre Wuensche INPE - Divisão de Astrofísica ca.wuensche@inpe.br 67a. Reunião Anual da SBPC UFSCar São Carlos, SP 16/07/2015

Leia mais

Matemática Básica Relações / Funções

Matemática Básica Relações / Funções Matemática Básica Relações / Funções 04 1. Relações (a) Produto cartesiano Dados dois conjuntos A e B, não vazios, denomina-se produto cartesiano de A por B ao conjunto A B cujos elementos são todos os

Leia mais

Módulo 05 - Balança Hidrostática

Módulo 05 - Balança Hidrostática Módulo 05 - Balança Hidrostática No século III a.c., o grande filósofo, matemático e físico Arquimedes, realizando experiências cuidadosas, descobriu uma maneira de calcular o empuxo que atua em corpos

Leia mais

Calendarização da Componente Letiva

Calendarização da Componente Letiva AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANDRÉ SOARES (150952) Calendarização da Componente Letiva 7º Ano Físico-Química Períodos 1º 2º 3º Período Período Período Número de aulas previstas (45 minutos) 39 36 25 Apresentação

Leia mais

2.2 Os planetas e as características que os distinguem

2.2 Os planetas e as características que os distinguem Período de rotação O tempo que um planeta demora para realizar uma rotação completa em torno do seu eixo chama-se período de rotação e corresponde a um dia nesse planeta. Mercúrio Vénus Saturno 59 dias

Leia mais

Ficha de Exercícios nº 1

Ficha de Exercícios nº 1 Nova School of Business and Economics Álgebra Linear Ficha de Exercícios nº 1 Espaços Vectoriais 1 Qual das seguintes afirmações é verdadeira? a) Um espaço vectorial pode ter um número ímpar de elementos.

Leia mais

Plotar Gráficos com Recursos Computacionais

Plotar Gráficos com Recursos Computacionais Plotar 1 Gráficos com Recursos Computacionais Plotar (esboçar) o gráfico de uma função nem sempre é uma tarefa fácil. Para facilitar nosso trabalho, podemos utilizar softwares matemáticos especialmente

Leia mais