En aparecer a BARULHO DE VASSOURA NA PROSA. Os tradutores. que n:io e uma palav;a.:_~ coisa de cois~ri~cidaill;_s_j.ua.:c:q~eia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "En aparecer a BARULHO DE VASSOURA NA PROSA. Os tradutores. que n:io e uma palav;a.:_~ coisa de cois~ri~cidaill;_s_j.ua.:c:q~eia"

Transcrição

1 Este e o livro que, depois da coletanea A rosa dos ventos (publicada por Cosac Naify e 7Letras, em 2004), trazemos para o lei tor brasileiro, acrescido do minimo de notas que julgamos indispensaveis ao entendimento do seu universo de referencias. Reabertura apds obras, ao qual o autor nega o titulo mas nao a contundencia de urn "manifesto pela poesia'', foi publicado em 2007 na Franp. E urn dos epis6dios mais recentes da obra de Michel Deguy que, aos So anos, continua sen do nao apenas urn dos principais nomes da poesia francesa do ultimo seculo, mas tambem urn dos pensadores mais originais da poesia no contempod.neo. BARULHO DE VASSOURA NA PROSA Os tradutores No silencio da manha bern cedo, o barulho solidrio..da.~ soura de ramos sobre a cal~ada molhada, que o varredor municipal manobra com amplas e peri6dicas bra~adas, como urn ceifador, como urn semeador de Millet, como urn grande ret6rico... 0 barulho solitario dos feixes da vassoura dando lustro as pedras umedecidas da sarjeta em largas bra~adas regulates no final da madrugada... Trata-se de uma perifrase, e claro, e desdobravel. E nao e por acaso: a frase circunda com palavras uma coisa que n:io e uma palav;a.:_~ coisa de cois~ri~cidaill;_s_j.ua.:c:q~eia En aparecer a imagina~ao; ela sugere, como Mallarme gostava de dizer. Ela mostra, susterua~uagem desta lingua (a francesa) aquilo <j!le nao e ver~ dizivel: e tambem pintivel, ou fotografavel... Ao faze-lo, a frase permite i!]laginar por meio do entendimento; embora seja usual, nao se trata de dizer que 10 ~-- 11

2 a frase "traduz". Tampouco haveria uma outra maneira dedizer. As maneiras sio muitas, a opera<;:io e a mesma. Todas as frases que eu mobilizaria para exercitar esse motivo sao bastante parecidas, no cuidado com que se aproximam da coisa, frases por fase. Nao se trata de uma substitui<;ao, pedag6gica ou pudica, como "capital da Fran<;a" por "Paris", segundo Pascal. Trata-se de um~te:;t<;iio lited.ria_grazerosa; o prazer e multiplo, e urn recon ecimento, e que acolhemos com reconhecimentq.:..recovnidio. Kant falaria de sfntese emp' fric;. "' ~ --~- E uma frase proustiana que reativa a procura ("quiri<;io"*, infelizmente, s6 existe em palavras compostas) de urn tempo perdido, de modo tanto mais minucioso quanto o tempo esteja perdido "para sempre". 0 eu-me-lembro tern como correlate favorite - preferido porque favoravel - o tempo perdido; o saber de uma coisa recentemente e para sempre desaparecida, da qual nossos filhos nao podem "lembrar-se" e que recebem da gera<;ao precedence como urn medalhao, uma reliquia familiar, urn fetiche- urn "testemunho"? Uma promessa de felicidade, a ser transposta. ~~'"'~}.," J,~,<il-_) A uma poetica de enfase e de hiperboles epidicticas sucedeu, na modernidade do seculo XX, uma poetica minuciosa que prefere demonstrar acribicamente, no processo-de-fazerse (processo do fazer), a p'o.ematk; d-;, poetico ao res de sua I techne. Exemplo: uma simples eli~ao, "neologizando" discreta- 1 'I 0\&.1'1'\ e.c...c... f~ u. lf:, * "Quite" (procura) e "quisition" ( quiriifiio ), em frances, rem a mesma raiz; na tradudo, a proximidade lexical fica perdida. "Procura" faz refercncia ao titulo conhecido de P;oust, traduzido em portugucs por Em busca do tempo perdido. (N. dot.) ~ mente a lingua cotidiana (aquela que conversa), pode sera isca para urn ~imisculo atentado que nos p6e em alerta. armando o poema, ou dando-lhe destaque com urn tra<;o!evemente "fitico" (Jakobsen), o que ocorre quando Reverdy intitula seu livro Maior parte do tempo, omitindo o artigo definido. 0 poeta contemporimeo apresenta-se de born grado como te6ricp da poesia'. Ele gosta de girar dentro do (e junto como) ' drcul~''que enca~-~-~-~pensamento-da-pot.tica ~J!._po_e_ti<;a- ~p~ament~-~---- " Uma poetica uma "arte poetica" que se manifesta sobre o interesse e a composic;:io de urn poema - associa e articula dois ingredientes principais: uma formalidade com uma revela<;:io. Reconhecemq, aver "poema, u texto poettco, em era!, gra<;as a uma dupla disposi<;iio: a a sequencia da linguagem, ana isavel ' rmalmente", ou nguisticamente por exempfo,"ciimocttspnsttivo-ptoso dll::"''trlrmmn:qu:aaro grafico "justificado" de maneira reconhedvel, a partir dos quais o leitor-ouvinte se diz "isto e urn poema"); ~ do.e':".:".'.::e~to. parafraseavel, ou rela<;ao que induz o ouvinte-leitor a uma compreensao do texto do tipo "e. como ele ve as coisas"**, isto e, a luz daquilo que as mostra como tais. Por urn!ado, algo que diz respeito ao ouvir-dizer ( o modo como uma lingua * Traduzimos, ao longo do texto, o tcrmo ''poiticien" por"te6rico" ou "te6rico da poesia~. (N.doT.) ** Deguy usa frequemementc a expressao francesa "commera~ {assim, desse jeito), cxpressao que, designando uma identifica<iao ( e assim), conn!m tambem uma ideia de compara<iao (como). Em portugucs, usamos porvezcs "como e~ "C como'; "assimcomoc", para nao perder a referenda a comparas:ao, tiio imporrante para o autor. (N. dot.) j

3 vernacular e auscultada uesse aparelho) e, por outro, algo que diz respeiro ao ser-no-mundo, ao ver-este-mundo, ou "ilumina<;ao", na terminologia rimbaudiana. A reflexao de urn comentirio rumina sua dile<;ao e busca "analisar" o segredo de composi<;ao daquilo que esti em estado de indivisao: som e sentido, dizia Valery, em estado de "hesita<;ao prolongada". 0 formalista, por indiferente que se declare a respeito do conteudo, da dose de pensividade, de urn poema, nao pode negar a ambi<;ao de dizer-em-poema. 0 realista, por insensivel que se declare quanto a formalidade, nao pode permanecer surdo a essa dimensao "sui-referencial" do "charme", segundo a qual urn poema aspira a ser poema da, e em, poesia. 0 texto de urn poem~_un!~".~e_de conten<;ao' ~inima da escnta que se declara poetica, preteride(e-tende a) fazer a composi<;ao de dois impulsos: r.~.hmn2funia (de modo muito geral), ou paronomisia, ou ainda itera<;ao de semelhan<;as na sonoridade de determinada lingua, em sua materialidade significa1zt'-. Permitamme extrair urn breve exerripio-doinc;tiide urn de meus prosemas, que interpela os "Balineses abluidos /.../": trata-se de urn alerta para o acordo, a vigilancia da lingua pela lingua, da enuncia<;ao pelo enunciado, ou como queiram chami-lo. A questao do outro "Mas por que ele diz as coisas assim?", a resposta e: as coisas vieram assim; e sua maneira de prestar aten<;io; urn outro de outro modo; e sua lingua no seu cerebro. seu cerebro na sua lingua. 2. O_::gue:"::c!it_o( o Dicto', na solenidade filosofica) e endere<;ado a, ou conteudo, e 0 segundo ingrediente material. Alguma coisa aspira ser dita, dita a outros: e a "mensagem", dizemos as vezes; verdade na garrafa que se joga ao mar... potque quer dizer. A defini<;io da verdade nao e que qualquer uma merece ser dita? 9-uero transmitir i:.~~~:!~da q~~-i?~~turado com minha vida ( introduzido em minha historia, diz :r-&1tfa;~~y: Com esses do is impulsos, reconhecemos o poema. 9u, mais genericamente, o logos. Recentemente, I~ rudo aquilo que, na obra~:::.e relaciona a poesia. E muito interessante, porqu~c~:j a que ele permanece insensivel, ou que nao leva em considera <;io, permitem compreender em que c9nsisre a poesia. Ele procura atingir urn devir moderno da poesia destinada ao "suiddio". Ele nao,di ouvido~ a~uilo q.:'e Mal\arme P{nsa como destruifdo. (fill it V c\ \_p-.. t}e.. <o-[.r ' '.~ ) Se~ desacerto (que nao e de modo algum nm desprezo) repousa sobre o desconhecimento daquilo que Baudelaire ( citado por ele) chama de admirdvel Jaculdade de poesia, ao * 0 rermo original C "contenance~ de dificil tradw;:ao, designando ao mcsmo tempo contelido c a capacidadc de contc-lo. TambCm o movimento de uma certa rcrra11iio ou pudor transparece na palavra. Adotamos, ao longo do texto, o tcrmo "conten11iio': (N.doT.) * Em frances, "diet" e urn neologisrno (com aspecto arcaico, como explica o amor em outra parte do tcxro) a partir do vcrbo "dieter" (ditar): trata-sc da tradw;iio francesa de urn conceito de Heidegger: Dichtung(a pocsia, o dizer). (N. dot.) 14 15

4 acrescentar que "a clareza de ideias e a potencia da esperan~a. constituem [ seu] Unico capital". Sartre separa demais, no cor~ao da pr6pria literatura, a poesia da prosa. Tal decisao baseia-se no axioma segundo o qual o desvelamento (tema epalavra retomados de Heidegger) e urn problema da prosa, da prosa do mundo, uma vez que nao hi desvelamento sem uma vista e uma a~ao prosaica de mudan~a do mundo. Se nao hi a~:io transformadora, n:io hi desvelamento. A dicotomia leva I a ruina. Antes de mais nada, a literatura moderna e hesitafdo entre (Valery); entre prosa e poema, por exemplo. 0 segundo axioma e 0 da destrutibilidade: a linguagem e a lingua (que ele nao distingue) servem para ser destruidos. ~ fim Ora, nem esta nem aquela sao feitas para a destrui~ao. Sartre nao entende a conquista de Mallarme no famoso "Vitoriosamente evitado o suiddio belo": ou seja, nem a duph nega~ao, que e 0 procedimento mallarmeano, nem a dierese. Quero dizer com isso que ele nao a11:sculta nem mesmo a textura significante do verso, tao espantosa, na medida em que esta recusa duas possibilidades de dierese no primeiro hemistiquio a de favorecer aquela que alonga o su-i-d-dio-be-lo. A questao para 0 te6rico, questao da conten~ao poetica, e de estabelecer acordo redproco da dierese (forma) e do "suid,dio-recusado" ( conteudo ).... ~e o surrealismo, que, para S~rtre, e o prolongamento do suiddio e da destrui~ao, nao hi motte nem re~surrei<;io. Hi transformac;ao, muito lenta e por vezes perigosa, a "vigiar de perto", por assim dizer. Qual a raz:io dessa cren~a persistente na destrui~ao da linguae esse estere6- tipo que n:io faz senao agravar-se? De maneira que hoje ( seculo XXI), em uma epoca hem diferente da sartriana, estaft1()s talvez de faro diante de uma destrui~ao, pore~'lue ati~g~ : poesia de seu exterior. m, mos;ava-s~~--- ~ 16 pela desapari~:io da frase, mas conservava a esperan~a na poesia... japonesa. A questiio da poesia francesa <\fo:rn:;:~siderada, a do "e" ( emudecimento e elisio) ~dterereemteral: estiramento, alongamento, sequencia, jogo de acelera~:io e desacelera~ao possiveis. No que toea ao poema, trata-se de(r~)pa~_al a lingua em dmera lentapa:a_~t1:':ult~r_e e[l.:_(!n_d_e!jll!9l?k cldadeouconten-~iio:"e.iistica ondula~ao'~_dizia Ilal!d.~lair"; aolongo:ae, digamos, ao long<l:do ~p~relho ritmico de diapas:io: alternlmcia de "brevidade" (abrevia~:io) e de "dura~:io" (alongamento), distinguidas pela insonora diferen~a. ou pausa, p_or-veze~.- reiteraaa~ ( Quantoao senti:'.() (olr conteudo ): trata-se da questao do par~bjlico, <i~"fab~la",_!lue_l_l~(?j'()cle _sg:_i.soltirjo. Cnao.pode haver discurso "sozinho no mundo"), mas construfvel, edific,becp-;,i~ dlferen~~ ( oposi~it~. ~;;~j~~~~o.:desac()rcfo) em re!a~ao aos ouc~os regimes-de se;tido, o filos6fico, o teol6- gico; onarrai:!vo,o cientlfico: na turba, poreu1 distini:o: Epor isso nossas quest6es: como fica o mito? a religiao? a proposi- ~r:::;~::-~t:~i-~tn c~~;;~:: ::~la nao eo ~odo da literatura, dos recursos \ ret'iracros, d!z1a Mallarme, da conversa<;io comercial cotidiana) do pensamento vernacular. Hi dois: po~~e...p!:9.s.~-~~-~()~".(),l1tra; e_portanto "h'=~ta~ao" (troca, liga, alian~a, ruptura local etc.). ;-op;;-eina e aperitivo e cognitivo. Sua brevi dade e a de urn aperitivo (brinde ou saudafdo, na linguagem- e na experiencia de Mallarme). Nao se acumula nele urn saber- desde que a poesia deixou de ser diditica ou miquina mnemotecnica. 17

5 Reabertura apos obras Sua discursividade nao e "cientifica':_l}_0fc~a->io..consiste erp abrir, em abrir-se, em reabrir. Em correspondencia com a ~ria abertura do mundo, na clareira do mundo, nessa dimensao que a omologia moderna qualifica de aperidade, ou ainda '<grandeza'' mundo, transversalmente ao curse do mun: do, reiteravel como 0 bom-tempo-que-esti, 0 poema e urn incipit continuado: "Wie wenn am Feiertage" holderliniano: como quando. 0 poema e duas vezes "aletheico"; "devo-lhes a verdade em poema~ diz o poema, duas vezes (pelo menos). Uma vez como "desvelamento". Outra vez como "moeda desse absoluto" (Malraux). Que{o~ como proposi,ao ou juizo ve- '--- ri-dico. ~-e_o poe~a e citdv:!j}m de seus eventuais_ mtrir~:),.\ ~~sso oco~re _orgu~;;f-7ie Siias:propasi0es esciarece:ilma " -- -~s.i\p - uma (~ircunstincia"(~allarme). Seus exitos de juizo permitem ~<;io (urn acontedmento) -a luz dessa cita,ao - solicitada -1' - an cia , Em outros termos,- a urn potencihognftfva m alcance gnosiologico) da compara,ao, proxtm~ao, qne caracteriza o pens_a_i!leilto."p~ ( da proximidade) do poema: pois ex!ste diferen'a entre 0 mesmo (homo-logicamente) e 0 que nao e 0 mesmo. Assimila<;io-dissimila<;io. -~ (',/---"' "', ~ A ex;,ressao del(:hat~aubr~ 2::a:briE~Ea!l~e!latli_'"eza feq!":da_, pode ter e~nda-hoje desde que troquemos natureza por mundo: essa e a injun<;ao primeira a qual deve responder a arte, no semido moderno, numa epoca em que a natureza nao tern mais Iugar (diria Mallarme), nem o sagrado ( exceto para aqueles - alias, numerosos - que creem ainda 18 nessas duas destina<;6es). Poderiamos ignorar o complemento e condensar assim a formula:~rir ~ gue novame.vte.se fecha. 0 conhecido topos da abertura, ou grandeza ( ou ';f;eritlade do Ser, na terminologia heideggeriana), ou "mundiamento do mundo" (para traduzir o Welten der Welt do Pensador alemao), retoma os dois termos relacionados pela cita<;io do seculo XVIII, reabrir e grandeza, absolutamente e tautologicamente; os do is termos estao na linhagem semantica da velha admirarao, mae das Musas: a arte e taumaturgia. Contra os incessantes rebaixamentos, ressentimentos, reenclausuramemos diversos, velhos dominios dos academicismos etc. Naturalmente, de urn tal prindpio de espanto nao decorre nenhum programa espedfico para o fazer-obra: nem o conteudo nem as modalidades das tentativas de "vanguarda" ou experimentais podem ser deduzidas dele. Como na ciencia, as expericncias "para ver" seguramente nio sabem "para ondevao,... Para a poesia, hoje, tres proposi<;6es. ~~~"~ --~r =~ ~<"-?>~< - "N,-., -~-<>,~<.- --" ~,, --"--' r. A poesia toma um(~i9 ste ar sao trcs coisas: a) ~~--Y~~a; b) o aspecto; c) a melodia:.. Ni\o -~~~rir fa:lta de ar (para respirar ): nao deixar de ter urn ar ( aspecto); nao perder a melodia. E o que procura urn poema. 2. Em frances, existe urn "AR do tern o" [air du temps]. Ele e chamado tambem de espmto Weltgeist). Esse espirito nao tern nada de urn espirito; ele nao e urn fantasma, nem uma pequena divindade, nem urn djinn noturno, nem, nem. Este espirito e o nosso - humano. Eu poderia chama-lo 19

6 ' santo, por que nao?, com a condi'rao de traduzir essa santidade por tra~os de sabedoria e de idade, de saber e juizo, de psicologia e de am or do bern. A religiao deu a luz a teo-logia. A teologia ensinou ao homem do que ele era capaz. Agora, e necessirio retomar para si essa capacidade (Feuerbach): antropomorfose continuada. Nao quero dizer que nio existe nada alem disso, justamente porque_tudo e origem: a natureza ai em frente, o fundo ~ ~, ~-... ; do universo, o Ser, as «fontes cristas" (Simone Weil), entre outros. J. A literatura, e ~~em suma: a poesia, cuja singularidade consiste em ser audaciosa, atirar-se, ousar, marcar; ela decide, ela nomeia... -, mostra, faz ver, esse espirito, ao torni-lo perceptive!. E sua videncia, ou visao. No passado, adivinho; agora, adivinha. Ela o mostra a suas companheiras, mllsica, pintura, formas volumosas, filmes, conten'r6es novas, pla.sticas... Ela arrasta consigo, ela torna-se ali ada. 0 aspecto talvez mais decisivo de urn poema- o tra~o decisiv~aiiro~-a-iilv:rt!aiire;aquilo.que rest~---~ ~~:::;;:;e~u~:o~:~~~~~~::::f:~~~:~c~~.i-~~:~~: Prontidao - como de urn deus que perde urn rapto, se puder citar a mim mesmo. Divisa, enigma, incipit - cliusula. 0 que explica que ainda se publique, e inesmo que se leia, as miximas, os pensamentos ( dos Pre-Socriticos a La Rochefoucauld, Pascal oujoubert). ou ~- A brevi dade -liga4!,~r,divid\4!,j,q'!!l.q_ql1sf'<rece ser ~u a~~~.":l'~~ "i_~rif~ase:_: ~~:~::~fra:e 0~ seja, 0 l~nto no acelerado, o ~~uiwit~aocapenf~ase e a defim~ao, a perifrase gira em torno aa presa da qual so pode apoderar-se nesses termos. A boa perifrase diz o ser, e nio pode dize-lo senao resumidamente. 0 segredo continua a se ocultar. Pode ser que cada linha (verso) do poema- por que esses "poetas" as destacam, as justificam desta forma? - procure dar (de)fini~ao ao tra~o que penetra o indecidivel, em urn lance perifd.stico; reincidencia vazia. Aquilo que resta hoje, encontramos nos muros, nas paredes do metro, apcn:egmas pichados. No tratamento intimo que o poeta (poema) dirige a si mesmo - como todo sujeito em solil6quio - hi aquele que fala, sujeito na linguagem, "eu" implic_i~.<'o.-'l':: a rigor nao eo mesmo com quem se fay. "Bebn'de ele fala?";p~de-se perguntar, como se dizia n'o-pass.adg_a_qilem.tomav~ a palavra, numa interven~ao, para que ele se justificasse... Resposta: de urn ponto de vista arquimedico, fora do sistema, ponto espiritual (se e que este epiteto mescla adequadamente alma e espirito ), e imortal. Ele e o juiz. E assim que urn universal pode ser construido, uma hip6tese de genero humano, talvez projetivel (parabolicamente...) como institui~ao, de voca~ao cosmopolita, internacional: uma especie de instincia juridica, que pode se pronunciar apenas a respeito do inumano. 0 proprio do juizo e a severidade

7 _ Por _pro :l,,.. <:nt<:!'do: A frase, o fraseado, da fala co mum, dialogal, irrefletida, ~o vernacular, a de Monsieur Jourdain, de Moliere, aquela "detodo-mundo'; desde priscas eras aprendida a base do ditado, na mira do indicador sorridente severo carinhoso dos pais hi seculos - e que s6 relaxou recentemente, intimidado pela inepcia pedag6gica. 2_sg_ alantee.. rr()sador. Aquela que se aprende mais tarde, sempre na escola, que ndo i, expressamente, a poesia. A diferente, a que nao rima, nio conta silabas, nao tern cesura nem enjambement, porque e puro encavalgamento, hiperbato do tipo "maria-vai-com-asoutras". Trata-se da prosa liter:iria, aquela que os jornais confundem com "romance''. Para mim, ~~~~---~---g _er()~a nao coincidem. Nem de Ionge. E quando penso na "pro;a~ -_:::: como p~~~~;;;ento que puxa, que se escreve, elemento em que ou<;o minha lingua e, ate mesmo, o elemento "16gico" (logos) em que minha lingua ausculta a si mesma, buscando beleza -, eu nao penso no romance. Se me perguntam quais sao os grandes prosadores franceses do seculo XX, respondo Claude!, Artaud, Proust, Bataille, Giono e muitos outros, sem consultar a rubrica "romancistas". Alguns romancist~~ -~~o_ prosadores S?.--~~:P_~_()_~_a _como mei_o, ~_teh_ dos _p'?e_mas-em-prosa; os de Baudelaire, por ;,:;~~pio:e que podem ser transpostos em prosa-em-poema. As duas vers6es baudelairianas come<;am a, destacar, a dar relevo a este fato que Valery nomeia "hesita \ :;\:ao entre". ~'!E_~~esitar-d~~i<:liHntre pmsa_e.p.o.em;t, entre _().ll.'ros. Em quea poesia seria prosaica? Ela mostra em -~f~ra lenta ~ capacidade do idioma; em todos seus adornos, seus tropos, suas faculdades. A prosa nao e integralf!!ente prosaica ~uanto a poesia que se mostra, que se isola levantando a ---.:::...=-- ' crista, e precise desconfiar. ---~ Eo pensamento 'l"~.pll.:"~res'±me.rim.baud; que encaminha e encadeia ("prop6e uma palavra depois a outra", como escrevi em FigurarOes); consiste em frases. Rente sobre o vazio. Sem isso, nao hi sequencia ("sequencia nas ideias", diz a lingua), nenhuma "razao" de... prosseguir. 0 pensamento, cria<;io continua, encavalga a descontinuidade, o nada. Como pode este ser apreendido pelos sentidos? Do mesmo modo que, para Mallarme, o vazio era sensardo do nada, digamos que o nada descontinuo a que me referi se apresenta como bran~o da pigina branca. 0 pensamento passa e faz passar atris dele, psicopompo hermttico, guia; ele atravessa o famoso "caminho do pensamento". Sem pensamento do poema, nao hi_ po_em~_; "nada a di;er". ----~ n ~ "' o~fe,;;-~n~uu..ix_e:;:, d.o p_ensamento, antes de ser aquele da comunicac;:ao no sentido atual, e o elem~!:.:.? ::U que o pensamento se e~-~~-~-~~ill: -~o111a consi,s,'t~-~~i-~: aquel~ que os gregos chamavam logikon, I6gica ou vernacular frasico. A maneira pela qual as palavras mantem seu serjunto-a, seu sintagma (sin, ou para-t:itico), sua taxis, e identicamente volteio, tropo. Dito de outro modo: para que as palavras estejam juntas e nao em pulveriza<;ao estocistica; para que estejam ate mesmo uma ao lado da outra em aposi<;ao, em a-sindeto; para que haja o menor valor diferencial entre aposi<;ao e assindeto opositivo, por exemplo, ou entre equivalencia e oximoro (etc.), e nio atomiza<;ao sem nenhuma especie de liga ( diferente de sua 22 23

8 dispersiio pontilhista dada a uma percep~iio humana), e "preciso" que o meio seja tr6pico, tropol6gico. A ~~;!Q_daJiteJ:;tJ:1Jramodernae menos decidida (decisiva) entre prosa e poesia. M~~i~ent~s teci6rllcos-afeta:ram,---..., '"""" _."""'"' o solo:-os do is tra~os principals da modernidade, a saber, a generalizardo e a dissondncia, deslocaram as fronteiras, provocaram sobreposi~6es, indivis6es, redistribui~6es. Q_sgiter poetlso ( ou do poema) em constante inunda~iio infih~_<>~:_s:c..t::~m.~<:>e~()):''3~i!!cl2-4.~leito "afiqpfl:.:~:>.~ o ~o, com justifica~ao bern recortada (linha restrita, estrofes distintas, genero afetado, soneto, balada, epopeia, cantiga, tragedia... ),. derramou: liberdade de versos, poema em prosa, proema, prosema... ainda que a polaridade entre as extremidades a que se liga a "hesita~ii.o'''persi~t;~onstitutiva; e. que continue importante reconstitui-la r esf~s renovados. Aconteceu, como apontei, que p romance ~sorveu todo o interesse do grande publico, ate q~m situa~ao de sinonimia com a prosa e com a literatura: a epoca de Ian~amentouili!.ori!is,_!!~Fran~a, diz muito sobre o estado de nossos h<ibitos. Entre outras consequencias nocivas, aponto esta: o texto fil()s6fi_c.() ~ rejeigqo como!lii() literario, assim como o te;;:~,;-antropol6gico e alguns outros. ~=_s ~,,- e ainda mais inepta se pensarmos que, naquilo que chamamos «exterior", os escritores franceses mais conhecidos sao os fil6sofos, ensaistas e, frequentemente, intelectuais das "ciencias humanas". Entretanto, hi prosas e prosas. Em outras p~a'{ras:. diferen~a e separa~ao subsistem; por urn!ado, a literatur~a "grande literatura", atuai e por vir, ainda tenta ~5'4-el s, e no interior dela a escrituraparabolica geral - pensamento.c. saber, Jics ()$atir~~~~s,;~---.:::_. abs~~~~ geneidades) e, por outro!ado, "litera:_:ita:~:::ia.d_e~spe~a:-') 'COiiiiillka~ao e informa~ao Em outro momcmo, apontei para. "'haerere" (atar) como etimologia de "hesitar;ao~ 24 25

A origem dos filósofos e suas filosofias

A origem dos filósofos e suas filosofias A Grécia e o nascimento da filosofia A origem dos filósofos e suas filosofias Você certamente já ouviu falar de algo chamado Filosofia. Talvez conheça alguém com fama de filósofo, ou quem sabe a expressão

Leia mais

QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO

QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO Bernardo Goytacazes de Araújo Professor Docente de Filosofia da Universidade Castelo Branco Especialista em Filosofia Moderna e Contemporânea

Leia mais

O g É um Gato Enroscado

O g É um Gato Enroscado O g É um Gato Enroscado Editorial Caminho, 1.ª ed., 2003; 2.ª ed., 2007 Guião de trabalho para professores do Ensino Básico I. Breve introdução à leitura da obra O g É um Gato Enroscado (Caminho, 2003)

Leia mais

1º Domingo de Agosto Primeiros Passos 02/08/2015

1º Domingo de Agosto Primeiros Passos 02/08/2015 1º Domingo de Agosto Primeiros Passos 02/08/2015 JESUS ESTÁ COMIGO QUANDO SOU DESAFIADO A CRESCER! OBJETIVO - Saber que sempre que são desafiados a crescer ou assumir responsabilidades, Jesus está com

Leia mais

Semeadores de Esperança

Semeadores de Esperança Yvonne T Semeadores de Esperança Crônicas de um Convite à Vida Volume 11 Crônicas de um Convite à Vida Livre d IVI Convidados a Viver PREFÁCIO Estou comovida por escrever este prefácio : tudo o que se

Leia mais

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria 1 Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria especiais. Fomos crescendo e aprendendo que, ao contrário dos

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 5 Lendo e vivendo poemas. Recomendada para EF II ou EM. Tempo previsto: 4 aulas

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 5 Lendo e vivendo poemas. Recomendada para EF II ou EM. Tempo previsto: 4 aulas Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa Situação 5 Lendo e vivendo poemas Recomendada para EF II ou EM Tempo previsto: 4 aulas Elaboração: Equipe Técnica da CENP Apresentação Ler é um ato de recriação praticado

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: Reuniões Mediúnicas. Palestrante: Carlos Feitosa. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.

Palestra Virtual. Tema: Reuniões Mediúnicas. Palestrante: Carlos Feitosa. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org. Palestra Virtual Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Reuniões Mediúnicas Palestrante: Carlos Feitosa Rio de Janeiro 04/10/2002 Organizadores da Palestra: Moderador: "_Alves_"

Leia mais

Crescer por dentro. compreender e caminhar rumo ao SER

Crescer por dentro. compreender e caminhar rumo ao SER Crescer por dentro compreender e caminhar rumo ao SER 2 Crescer por dentro compreender e caminhar rumo ao SER Gita Lazarte Primeira Edição São Paulo 2011 3 4 Agradecimentos: A meus filhos Leonardo, Arturo

Leia mais

ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL

ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL ANGELO JOSÉ SANGIOVANNI - Professor da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR)/CAMPUS II FAP) Email: ajsangiovanni@yahoo.com.br Resumo: A partir da análise da tragédia antiga,

Leia mais

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer.

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. CAPITULO 3 Ele não é o Homem que eu pensei que era. Ele é como é. Não se julga um Homem pela sua aparência.. Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. Eu costumava saber como encontrar

Leia mais

Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico de Fernando Pessoa

Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico de Fernando Pessoa Crátilo: Revista de Estudos Linguísticos e Literários. Patos de Minas: UNIPAM, (3):118 123, 2010 ISSN 1984 0705 Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

A Crítica do Discurso Poético na República de Platão

A Crítica do Discurso Poético na República de Platão A Crítica do Discurso Poético na República de Platão Adriana Natrielli * Na República Platão descreve o diálogo no qual Sócrates pesquisa a natureza da justiça e da injustiça. Para isso, transferindo a

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

POEMAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A LEITURA REALIZADA ATRAVÉS DE BRINCADEIRAS Elaine da Silva Reis UFPB elainereis1406@gmail.

POEMAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A LEITURA REALIZADA ATRAVÉS DE BRINCADEIRAS Elaine da Silva Reis UFPB elainereis1406@gmail. POEMAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A LEITURA REALIZADA ATRAVÉS DE BRINCADEIRAS Elaine da Silva Reis UFPB elainereis1406@gmail.com 1 INTRODUÇÃO Os estudos mais recentes que tomam a Educação Infantil como objeto

Leia mais

PROCESSO TERAPÊUTICO NA COMUNIDADE TERAPÊUTICA

PROCESSO TERAPÊUTICO NA COMUNIDADE TERAPÊUTICA Terapêutica Nova 1 2 PROCESSO TERAPÊUTICO NA COMUNIDADE TERAPÊUTICA GRUPO DE APOIO PARA FAMILIARES NOVA JORNADA Objetivos do tratamento: Parar a doença Recuperar a pessoa 4 www.novajornada.org.br 1 Terapêutica

Leia mais

Bicho de sete cabeças e outros seres fantásticos, de Eucanaã Ferraz: poesia para não ter medo do desconhecido. Ana Paula Klauck

Bicho de sete cabeças e outros seres fantásticos, de Eucanaã Ferraz: poesia para não ter medo do desconhecido. Ana Paula Klauck Publicado na revista eletrônica Tigre Albino Volume 3, Número 3. 2010. ISSN: 1982-9434 Disponível em: http://www.tigrealbino.com.br/texto.php?idtitulo=08f1c7471182e83b619f12bfa4 27e1e0&&idvolume=9a2be2ed7998330d41811b14e9f81f2d

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY.

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. Silvana da Silva Nogueira (FECLESC/UECE) Priscila Cavalcante Silva (FECLESC/UECE) Resumo O processo de aquisição

Leia mais

ença grave, provavelmente do cérebro, com poucas perspetivas de recuperação e que poderá mesmo, num breve espaço de tempo, levar à morte da paciente.

ença grave, provavelmente do cérebro, com poucas perspetivas de recuperação e que poderá mesmo, num breve espaço de tempo, levar à morte da paciente. I Minhas senhoras e meus senhores! É para mim uma experiência nova e desconcertante apresentar me como conferencista no Novo Mundo diante de um público interessado. Parto do princípio de que esta honra

Leia mais

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Eu queria testar a metodologia criativa com alunos que eu não conhecesse. Teria de

Leia mais

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO.

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. PARTE 1 O QUE É FILOSOFIA? não é possível aprender qualquer filosofia; só é possível aprender a filosofar. Kant Toda às vezes que

Leia mais

TRADUÇÃO Hope Gordon Silva Regina Aranha

TRADUÇÃO Hope Gordon Silva Regina Aranha TRADUÇÃO Hope Gordon Silva Regina Aranha 7 João Desfrutando João ao máximo Pode-se resumir o fato mais relevante de toda a história em quatro palavras: Jesus Cristo é Deus! A maior declaração da Bíblia

Leia mais

O TEMPO DIRÁ: CULTURA E POESIA!

O TEMPO DIRÁ: CULTURA E POESIA! REVISTA INTER-LEGERE WWW.CCHLA.UFRN.BR/INTERLEGERE O TEMPO DIRÁ: CULTURA E POESIA! TIME WILL TELL: CULTURE AND POETRY! Lenina Lopes Soares Silva 1 Esse tempo nunca passa Nem é de ontem, nem é de hoje Mora

Leia mais

Reflexão sobre o espírito do público na arquitetura contemporânea.

Reflexão sobre o espírito do público na arquitetura contemporânea. XX Congresso Brasileiro de Arquitetos Fortaleza, 22 04 14 Reflexão sobre o espírito do público na arquitetura contemporânea. Arquiteto Sérgio Magalhães Muito boa noite. Minha saudação cordial a todos.

Leia mais

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO.

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. Ac. Denise Carla de Deus (PIBIC/CNPq/UFSJ 2000-2002) Orientadora: Prof. Dra. Marilúze Ferreira Andrade e Silva

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

DONS DE ELOCUÇÃO ONZE REGRAS SOBRE O DOM DE ELOCUÇÃO

DONS DE ELOCUÇÃO ONZE REGRAS SOBRE O DOM DE ELOCUÇÃO DONS DE ELOCUÇÃO Lição 5-4 de Maio de 2014 Texto Áureo: I Pedro 4.11 Se alguém falar, fale segundo as palavras de Deus; se alguém administrar, administre segundo o poder que Deus dá; para que em tudo Deus

Leia mais

POR QUE SONHAR SE NÃO PARA REALIZAR?

POR QUE SONHAR SE NÃO PARA REALIZAR? POR QUE SONHAR SE NÃO PARA REALIZAR? Como Encontrar a Verdadeira Felicidade Rosanne Martins Introdução Este livro foi escrito com o intuito de inspirar o leitor a seguir o sonho que traz em seu coração.

Leia mais

Objetivos. Discutir as novas tendências de mercado; Ampliar a visão de Gestão; Compreender os múltiplos papéis do Gestor;

Objetivos. Discutir as novas tendências de mercado; Ampliar a visão de Gestão; Compreender os múltiplos papéis do Gestor; Gestão de Pessoas Objetivos Discutir as novas tendências de mercado; Ampliar a visão de Gestão; Compreender os múltiplos papéis do Gestor; Discernir sobre os efeitos e benefícios da comunicação; Fomentar

Leia mais

LIÇÃO 1 - COMEÇANDO A VIDA CRISTÃ

LIÇÃO 1 - COMEÇANDO A VIDA CRISTÃ 2015 MDA REDE JOVEM Tornar-se um cristão espiritualmente maduro é a ação de maior valor que podemos fazer por nós mesmos. LIÇÃO 1 - COMEÇANDO A VIDA CRISTÃ Jesus foi maior evangelista que o mundo já viu.

Leia mais

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo.

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Sonhos Pessoas Para a grande maioria das pessoas, LIBERDADE é poder fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Trecho da música: Ilegal,

Leia mais

ANÁLISE DO DISCURSO AULA 01: CARACTERIZAÇÃO INICIAL DA ANÁLISE DO DISCURSO TÓPICO 01: O QUE É A ANÁLISE DO DISCURSO MULTIMÍDIA Ligue o som do seu computador! OBS.: Alguns recursos de multimídia utilizados

Leia mais

Livro de Nuno Afonso CENTRO CULTURAL MESTRE JOSÉ RODRIGUES. 8 de Agosto 15.00 horas 1 / 8

Livro de Nuno Afonso CENTRO CULTURAL MESTRE JOSÉ RODRIGUES. 8 de Agosto 15.00 horas 1 / 8 CENTRO CULTURAL MESTRE JOSÉ RODRIGUES 8 de Agosto 15.00 horas 1 / 8 Apresentação do livro de Nuno Baptista-Afonso Nuno Baptista-Afonso nasceu em Mirandela, em 1979, mas é um Alfandeguense, pois aqui foi

Leia mais

Sistema de signos socializado. Remete à função de comunicação da linguagem. Sistema de signos: conjunto de elementos que se determinam em suas inter-

Sistema de signos socializado. Remete à função de comunicação da linguagem. Sistema de signos: conjunto de elementos que se determinam em suas inter- Algumas definições Sistema de signos socializado. Remete à função de comunicação da linguagem. Sistema de signos: conjunto de elementos que se determinam em suas inter- relações. O sentido de um termo

Leia mais

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1 Bíblia Sagrada Novo Testamento Primeira Epístola de São João virtualbooks.com.br 1 Capítulo 1 1 O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos olhos, o que temos contemplado

Leia mais

Atividade 11. Caça ao Tesouro Autômatos de Estados Finitos

Atividade 11. Caça ao Tesouro Autômatos de Estados Finitos Atividade 11 Caça ao Tesouro Autômatos de Estados Finitos Sumário Freqüentemente programas de computador precisam processar uma seqüência de símbolos como letras ou palavras em um documento, ou até mesmo

Leia mais

INSTRUÇÕES DOUTRINÁRIAS

INSTRUÇÕES DOUTRINÁRIAS INSTRUÇÕES DOUTRINÁRIAS Muito pouco foi escrito com referência a instruções doutrinárias na Corrente do Amanhecer. O que se tem, fora o Livro de Leis e Chaves Ritualísticas, são trabalhos isolados, como

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT)

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) Introdução UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) O projeto História das Ideias Linguísticas 1

Leia mais

ALBERTO CAEIRO E A POÉTICA DA NEGAÇÃO RINALDO GAMA. Resumo

ALBERTO CAEIRO E A POÉTICA DA NEGAÇÃO RINALDO GAMA. Resumo ALBERTO CAEIRO E A POÉTICA DA NEGAÇÃO RINALDO GAMA Resumo Ao explicitar, em O Guardador de Rebanhos, a impossibilidade de se atingir o real por meio dos signos, ao mesmo tempo em que se vê na contingência

Leia mais

ARTE E SAUDE - EXPERIMENTAÇÕES LÚDICO-PEDAGÓGICAS NA PESQUISA SOBRE CUIDADO DE ENFERMAGEM RENAN TAVARES

ARTE E SAUDE - EXPERIMENTAÇÕES LÚDICO-PEDAGÓGICAS NA PESQUISA SOBRE CUIDADO DE ENFERMAGEM RENAN TAVARES 1 ARTE E SAUDE - EXPERIMENTAÇÕES LÚDICO-PEDAGÓGICAS NA PESQUISA SOBRE CUIDADO DE ENFERMAGEM RENAN TAVARES UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO/UNIRIO Palavras-chave: JOGO, CORPO, CUIDADO DE

Leia mais

Introdução. 1 P ágina

Introdução. 1 P ágina Introdução O estudo do batimento de cabeça é fonte de revelação espiritual profunda, duradoura, de transformação. Todas as coisas que estão sob a terra possuem maior profundidade do que aparentam. Basta

Leia mais

EXERCÍCIOS MATINAIS E NOTURNOS EFETUADOS PELO ASPIRANTE ROSACRUZ

EXERCÍCIOS MATINAIS E NOTURNOS EFETUADOS PELO ASPIRANTE ROSACRUZ EXERCÍCIOS MATINAIS E NOTURNOS EFETUADOS PELO ASPIRANTE ROSACRUZ O EXERCÍCIO NOTURNO O exercício noturno, Retrospecção, é mais valioso do que qualquer outro método para adiantar o aspirante no caminho

Leia mais

FRIEDRICH N IETZSCHE. A GAlA CIÊNCIA TEXTO INTEGRAL TRADUÇÃO ANTONIO CARLOS BRAGA. escaí.ã

FRIEDRICH N IETZSCHE. A GAlA CIÊNCIA TEXTO INTEGRAL TRADUÇÃO ANTONIO CARLOS BRAGA. escaí.ã ' FRIEDRICH N IETZSCHE A GAlA CIÊNCIA TEXTO INTEGRAL TRADUÇÃO ANTONIO CARLOS BRAGA I escaí.ã 354- Do "GÊNIO DA ESPtCIE" O problema da consciência (ou mais exatamente, do fato de se tornar consciente) só

Leia mais

Elementos da Vida da Pequena Comunidade

Elementos da Vida da Pequena Comunidade Raquel Oliveira Matos - Brasil A Igreja, em sua natureza mais profunda, é comunhão. Nosso Deus, que é Comunidade de amor, nos pede entrarmos nessa sintonia com Ele e com os irmãos. É essa a identidade

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

Conclusões do Encontro do Laicato Dominicano

Conclusões do Encontro do Laicato Dominicano Conclusões do Encontro do Laicato Dominicano História OP Quatro elementos foram tomados como pontos de reflexão e ação para os dois primeiros anos. Um dos pontos ou aspetos sobre o qual trabalhar é a compaixão.

Leia mais

5º ANO 8 8/nov/11 PORTUGUÊS 4º

5º ANO 8 8/nov/11 PORTUGUÊS 4º 5º ANO 8 8/nov/11 PORTUGUÊS 4º 1. Um músico muito importante do nosso país é Milton Nascimento, cantor e compositor brasileiro, reconhecido, mundialmente, como um dos mais influentes e talentosos cantores

Leia mais

A LIÇÃO DAS GENEALOGIAS

A LIÇÃO DAS GENEALOGIAS A LIÇÃO DAS GENEALOGIAS Gn 5 1 Esta é a lista dos descendentes de Adão. Quando criou os seres humanos, Deus os fez parecidos com ele. 2 Deus os criou homem e mulher, e os abençoou, e lhes deu o nome de

Leia mais

Associação Maria Aparição de Cristo Jesus

Associação Maria Aparição de Cristo Jesus Mensagem de Cristo Jesus para a Maratona da Divina Misericórdia em Ávila, Espanha Sexta-feira, 6 de junho de 2014, às 15h Essa segunda jornada da Maratona da Divina Misericórdia foi especial e diferente,

Leia mais

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 03/03/2013 PROFESSORA: A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Versículos para decorar: 1 - O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida. (Jó 33:4)

Leia mais

TIPOS DE RELACIONAMENTOS

TIPOS DE RELACIONAMENTOS 68 Décima-Segunda Lição CONSTRUINDO RELACIONAMENTOS DE QUALIDADE Quando falamos de relacionamentos, certamente estamos falando da inter-relação de duas ou mais pessoas. Há muitas possibilidades de relacionamentos,

Leia mais

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO HISTÓRIA BÍBLICA: Mateus 18:23-34 Nesta lição, as crianças vão ouvir a Parábola do Servo Que Não Perdoou. Certo rei reuniu todas as pessoas que lhe deviam dinheiro.

Leia mais

Teologia e Prática da Espiritualidade. Unidade 01: Espiritualidade e espiritualidades. Introdução

Teologia e Prática da Espiritualidade. Unidade 01: Espiritualidade e espiritualidades. Introdução Teologia e Prática da Espiritualidade Unidade 01: Espiritualidade e espiritualidades Introdução Esta primeira unidade se trata de uma tentativa de encontrar definições possíveis para a espiritualidade,

Leia mais

Uma História que cheira a Café. Não Desprezes os Provérbios. Autor Isabel Vilarinho e Vanda Novais. Autor Abel de Carvalho

Uma História que cheira a Café. Não Desprezes os Provérbios. Autor Isabel Vilarinho e Vanda Novais. Autor Abel de Carvalho Catálogo 2013 Uma História que cheira a Café Isabel Vilarinho e Vanda Novais Não Desprezes os Provérbios Abel de Carvalho Género: Romance N.º Páginas: 112 ISBN: 978-989-20-3065-4 Género: Prosa / Literatura

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Os Quatro Tipos de Solos - Coração

Os Quatro Tipos de Solos - Coração Os Quatro Tipos de Solos - Coração Craig Hill Marcos 4:2-8 Jesus usava parábolas para ensinar muitas coisas. Ele dizia: 3 Escutem! Certo homem saiu para semear. 4 E, quando estava espalhando as sementes,

Leia mais

O MUNDO É A CASA DO HOMEM

O MUNDO É A CASA DO HOMEM O MUNDO É A CASA DO HOMEM Nichan Dichtchekenian Há dois motivos principais que me levam a fazer esta apresentação: O primeiro é fazer um esclarecimento e uma defesa da Fenomenologia, buscando, este esclarecimento,

Leia mais

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Manoel Tosta Berlinck Um projeto de pesquisa é um objeto escrito que resulta de um processo de elaboração, esclarecimento e precisão.

Leia mais

A.JOSÉ C.COELHO JOSEPH SHAFAN. Baratas em fabelas e Filosofias fabulosas

A.JOSÉ C.COELHO JOSEPH SHAFAN. Baratas em fabelas e Filosofias fabulosas A.JOSÉ C.COELHO JOSEPH SHAFAN Baratas em fabelas e Filosofias fabulosas J OSEPH S HAFAN Baratas em fabelas e Filosofias fabulosas 2005 A.José C.Coelho. Todos os direitos reservados. E-book Caprice lelahel.aj@uol.com.br

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO

2015 O ANO DE COLHER ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO Texto: Apocalipse 22:1-2 Então o anjo me mostrou o rio da água da vida que, claro como cristal, fluía do trono de Deus e do Cordeiro, no meio da RUA principal da cidade. De

Leia mais

Como fazer seu blog se destacar dos outros

Como fazer seu blog se destacar dos outros Como fazer seu blog se destacar dos outros Fama. Tráfego. Reconhecimento. Muito dinheiro no bolso. Esses itens certamente estão presentes na lista de desejos de quase todos os blogueiros. Afinal, ninguém

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

pensamentos para o seu dia a dia

pensamentos para o seu dia a dia pensamentos para o seu dia a dia Israel Belo de Azevedo 1Vida e espiritualidade 1 Adrenalina no tédio O interesse por filmes sobre o fim do mundo pode ser uma forma de dar conteúdo ao tédio. Se a vida

Leia mais

QUESTÕES ELABORADAS A PARTIR DO TEXTO O CARISMA FUNDADOR Discurso de Chantilly Pe. Henri Caffarel

QUESTÕES ELABORADAS A PARTIR DO TEXTO O CARISMA FUNDADOR Discurso de Chantilly Pe. Henri Caffarel QUESTÕES ELABORADAS A PARTIR DO TEXTO O CARISMA FUNDADOR Discurso de Chantilly Pe. Henri Caffarel 1. Pe. Caffarel afirma que carisma fundador é muito mais do que uma simples boa idéia. Então, o que ele

Leia mais

Hebe Laghi de Souza. DARWIN e KARDEC

Hebe Laghi de Souza. DARWIN e KARDEC Hebe Laghi de Souza DARWIN e KARDEC U M D I Á L O G O P O S S Í V E L CAMPINAS SP 2007 Sumário prefácio...xvii Capítulo 1 novos conhecimentos... 1 Dois livros, duas teorias um novo rumo...1 Detonando o

Leia mais

Você foi criado para tornar-se semelhante a Cristo

Você foi criado para tornar-se semelhante a Cristo 4ª Semana Você foi criado para tornar-se semelhante a Cristo I- CONECTAR: Inicie o encontro com dinâmicas que possam ajudar as pessoas a se conhecer e se descontrair para o tempo que terão juntas. Quando

Leia mais

PLANO DE AULA OBJETIVOS: Refletir sobre a filosofia existencialista e dar ênfase aos conceitos do filósofo francês Jean Paul Sartre.

PLANO DE AULA OBJETIVOS: Refletir sobre a filosofia existencialista e dar ênfase aos conceitos do filósofo francês Jean Paul Sartre. PLANO DE AULA ÁREA: Ética TEMA: Existencialismo HISTÓRIA DA FILOSOFIA: Contemporânea INTERDISCIPLINARIDADE: Psicologia DURAÇÃO: 4 aulas de 50 cada AUTORIA: Angélica Silva Costa OBJETIVOS: Refletir sobre

Leia mais

Renovação Carismática Católica do Brasil Ministério Universidades Renovadas

Renovação Carismática Católica do Brasil Ministério Universidades Renovadas Seta => Abraçar a Cruz I - Um novo estilo de realização - A Cruz Leandro Rua Médico UFES Conselheiro do MUR Desde a nossa infância somos estimulados a construir um caminho de realização pessoal que tem

Leia mais

Judith Sonja Garbers, Psicóloga Jörg Garbers, Mestre de Teologia

Judith Sonja Garbers, Psicóloga Jörg Garbers, Mestre de Teologia Judith Sonja Garbers, Psicóloga Jörg Garbers, Mestre de Teologia C.G.Jung: Espiritualidade Conforme Jung o ser humano desenvolve primeiro uma identidade pessoal, descobre quem é, o que gosta, qual é seu

Leia mais

Projeto. Pedagógico ÁGUIA SONHADORA

Projeto. Pedagógico ÁGUIA SONHADORA Projeto Pedagógico ÁGUIA SONHADORA 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro narra a história de uma águia inquieta para alçar o primeiro voo; ainda criança, sai pela floresta

Leia mais

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Sumário Introdução 1 Desenvolvimento. 1 1. O Conhecimento.. 2 2. A sensação e percepção... 3 3. Kant e o conhecimento como actividade construtiva

Leia mais

um TCC sem cometer PLÁGIO?

um TCC sem cometer PLÁGIO? Aula Reforço com base na NBR 10520 (ABNT) Prof. MSc Ricardo Aureliano Como transcrever textos para um TCC sem cometer PLÁGIO? Não há problema algum de se recortar e colar textos que se encontram na internet

Leia mais

LIÇÃO 1 Deus Tem Dons para Nós

LIÇÃO 1 Deus Tem Dons para Nós LIÇÃO 1 Deus Tem Dons para Nós Esta é a primeira de duas lições que lhe darão um bom fundamento para tudo quanto estudar neste curso. Nesta primeira lição, estudará a sua importância no corpo de Cristo.

Leia mais

Duplo sentido e ironia / Maria Irma Hadler Coudry. Caro Aluno:

Duplo sentido e ironia / Maria Irma Hadler Coudry. Caro Aluno: 1 Caro Aluno: Essa atividade pós-exibição é a quinta, de um conjunto de 7 propostas, que têm por base o primeiro episódio do programa de vídeo Viagem ao cérebro. As atividades pós-exibição são compostas

Leia mais

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA Rita Bomfati. UNESPAR- FAP ritabomfati1@gmail.com Resumo: A importância da formação musical do musicoterapeuta (conhecimento de ritmos e instrumentos, história da

Leia mais

Cordel do Software Livre Cárlisson Galdino 1

Cordel do Software Livre Cárlisson Galdino 1 Cordel do Software Livre Cárlisson Galdino 1 Este cordel pode ser distribuído e modificado, desde que você respeite a licença Creative Commons Atribuição Compartilhamento pela Mesma Licença. Ou seja, você

Leia mais

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO Lucia Serrano Pereira 1 Afirmo em nada mais ser entendido, senão nas questões do amor. Isso é o que está dito por Sócrates na obra de Platão O Banquete. O Banquete nos é indicado

Leia mais

sincretismo A visão segundo a qual não existe na história nenhuma revelação única; ela diz que existem várias e diferentes maneiras de se alcançar a realidade divina, que todas as formulações de verdade

Leia mais

ZALMINO ZIMMERMANN ESPIRITISMO, SÉCULO XXI

ZALMINO ZIMMERMANN ESPIRITISMO, SÉCULO XXI ZALMINO ZIMMERMANN ESPIRITISMO, SÉCULO XXI CAMPINAS SP 2011 SUMÁRIO Horizontes... 9 Primeiras Palavras... 11 Capítulo I. Conceito de Espiritismo... 13 Capítulo II. Espiritismo e Ciência... 31 Capítulo

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Utilizar na comunicação 4 ouvidos

Utilizar na comunicação 4 ouvidos Utilizar na comunicação 4 ouvidos Desafio para a relação catequética Estimado catequista, imagine que se encontra com o Luís sorriso no pátio do centro paroquial. O Luís Sorriso vai cumprimentá-lo de forma

Leia mais

FILOSOFIA SEM FILÓSOFOS: ANÁLISE DE CONCEITOS COMO MÉTODO E CONTEÚDO PARA O ENSINO MÉDIO 1. Introdução. Daniel+Durante+Pereira+Alves+

FILOSOFIA SEM FILÓSOFOS: ANÁLISE DE CONCEITOS COMO MÉTODO E CONTEÚDO PARA O ENSINO MÉDIO 1. Introdução. Daniel+Durante+Pereira+Alves+ I - A filosofia no currículo escolar FILOSOFIA SEM FILÓSOFOS: ANÁLISE DE CONCEITOS COMO MÉTODO E CONTEÚDO PARA O ENSINO MÉDIO 1 Daniel+Durante+Pereira+Alves+ Introdução O+ ensino+ médio+ não+ profissionalizante,+

Leia mais

TRIMESTRE MORTE E RESSURREIÇÃO LIÇÃO 12. www.classedaescolasabatina.com.br

TRIMESTRE MORTE E RESSURREIÇÃO LIÇÃO 12. www.classedaescolasabatina.com.br TRIMESTRE MORTE E RESSURREIÇÃO LIÇÃO 12 www.classedaescolasabatina.com.br LIÇÃO 11 relembrando LIÇÃO 11 relembrando CRISTO, O CRIADOR DO SÁBADO LIÇÃO 11 relembrando CRISTO, O CRIADOR DO SÁBADO CRISTO,

Leia mais

APOSTILA DO DOUTRINADOR INTRODUÇÃO

APOSTILA DO DOUTRINADOR INTRODUÇÃO APOSTILA DO DOUTRINADOR INTRODUÇÃO PROJETO AXÉ-MIRIM Chegou a hora de fazermos a diferença. É momento de se criar uma nova consciência sobre o que é a religião de Umbanda. Assim sendo, o Projeto Axé -Mirim

Leia mais

igrejabatistaagape.org.br [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo concedeu-lhe liberdade de escolha.

igrejabatistaagape.org.br [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo concedeu-lhe liberdade de escolha. O Plano da Salvação Contribuição de Pr. Oswaldo F Gomes 11 de outubro de 2009 Como o pecado entrou no mundo e atingiu toda a raça humana? [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS ESPÍRITOS EM NOSSOS PENSAMENTOS E ATOS

INFLUÊNCIA DOS ESPÍRITOS EM NOSSOS PENSAMENTOS E ATOS INFLUÊNCIA DOS ESPÍRITOS EM NOSSOS PENSAMENTOS E ATOS SINTONIA VIBRATÓRIA E AFINIDADE MORAL Vimos antes que matéria e energia são aspectos de uma mesma realidade. Podem parecer muito diferentes aos nossos

Leia mais

UFMG - 2004 4º DIA FILOSOFIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2004 4º DIA FILOSOFIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2004 4º DIA FILOSOFIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Filosofia Questão 01 Leia este trecho:... aquele que não faz parte de cidade alguma [ápolis], por natureza e não por acaso, é inferior ou

Leia mais

NOTA: Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto 1 Todas as cartas de amor são. Ridículas. Não seriam de amor se não fossem. Ridículas.

NOTA: Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto 1 Todas as cartas de amor são. Ridículas. Não seriam de amor se não fossem. Ridículas. GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: LITERATURA SÉRIE: 1º ANO ALUNO (a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem LISTA DE EXERCÍCIOS - P1 3º BIMESTRE Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto

Leia mais

SEU NOME SERÁ CHAMADO DE "EMANUEL"

SEU NOME SERÁ CHAMADO DE EMANUEL Portanto o mesmo Senhor vos dará um sinal: Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, e chamará o seu nome Emanuel. Isaías 7.14 Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, E chamá-lo-ão

Leia mais

Poesia do Maternal ao Fundamental: Outros caminhos para o saber

Poesia do Maternal ao Fundamental: Outros caminhos para o saber Poesia do Maternal ao Fundamental: Outros caminhos para o saber Elaine Gai Torres 1 RESUMO Unir poesia, linguagem e brincadeira para compor a interiorização do imaginário infantil inegavelmente significa

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

Guia Prático para Encontrar o Seu. www.vidadvisor.com.br

Guia Prático para Encontrar o Seu. www.vidadvisor.com.br Guia Prático para Encontrar o Seu Propósito de Vida www.vidadvisor.com.br "Onde os seus talentos e as necessidades do mundo se cruzam: aí está a sua vocação". Aristóteles Orientações Este é um documento

Leia mais

José Aerton Rodrigues da Silva

José Aerton Rodrigues da Silva José Aerton Rodrigues da Silva Redação fácil para o Enem concursos públicos civis e militares Nilópolis RJ 2014 Edição do autor p. 1 Revisão: José Aerton Capa: Roberta Dias Aerton, José, Redação fácil

Leia mais