En aparecer a BARULHO DE VASSOURA NA PROSA. Os tradutores. que n:io e uma palav;a.:_~ coisa de cois~ri~cidaill;_s_j.ua.:c:q~eia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "En aparecer a BARULHO DE VASSOURA NA PROSA. Os tradutores. que n:io e uma palav;a.:_~ coisa de cois~ri~cidaill;_s_j.ua.:c:q~eia"

Transcrição

1 Este e o livro que, depois da coletanea A rosa dos ventos (publicada por Cosac Naify e 7Letras, em 2004), trazemos para o lei tor brasileiro, acrescido do minimo de notas que julgamos indispensaveis ao entendimento do seu universo de referencias. Reabertura apds obras, ao qual o autor nega o titulo mas nao a contundencia de urn "manifesto pela poesia'', foi publicado em 2007 na Franp. E urn dos epis6dios mais recentes da obra de Michel Deguy que, aos So anos, continua sen do nao apenas urn dos principais nomes da poesia francesa do ultimo seculo, mas tambem urn dos pensadores mais originais da poesia no contempod.neo. BARULHO DE VASSOURA NA PROSA Os tradutores No silencio da manha bern cedo, o barulho solidrio..da.~ soura de ramos sobre a cal~ada molhada, que o varredor municipal manobra com amplas e peri6dicas bra~adas, como urn ceifador, como urn semeador de Millet, como urn grande ret6rico... 0 barulho solitario dos feixes da vassoura dando lustro as pedras umedecidas da sarjeta em largas bra~adas regulates no final da madrugada... Trata-se de uma perifrase, e claro, e desdobravel. E nao e por acaso: a frase circunda com palavras uma coisa que n:io e uma palav;a.:_~ coisa de cois~ri~cidaill;_s_j.ua.:c:q~eia En aparecer a imagina~ao; ela sugere, como Mallarme gostava de dizer. Ela mostra, susterua~uagem desta lingua (a francesa) aquilo <j!le nao e ver~ dizivel: e tambem pintivel, ou fotografavel... Ao faze-lo, a frase permite i!]laginar por meio do entendimento; embora seja usual, nao se trata de dizer que 10 ~-- 11

2 a frase "traduz". Tampouco haveria uma outra maneira dedizer. As maneiras sio muitas, a opera<;:io e a mesma. Todas as frases que eu mobilizaria para exercitar esse motivo sao bastante parecidas, no cuidado com que se aproximam da coisa, frases por fase. Nao se trata de uma substitui<;ao, pedag6gica ou pudica, como "capital da Fran<;a" por "Paris", segundo Pascal. Trata-se de um~te:;t<;iio lited.ria_grazerosa; o prazer e multiplo, e urn recon ecimento, e que acolhemos com reconhecimentq.:..recovnidio. Kant falaria de sfntese emp' fric;. "' ~ --~- E uma frase proustiana que reativa a procura ("quiri<;io"*, infelizmente, s6 existe em palavras compostas) de urn tempo perdido, de modo tanto mais minucioso quanto o tempo esteja perdido "para sempre". 0 eu-me-lembro tern como correlate favorite - preferido porque favoravel - o tempo perdido; o saber de uma coisa recentemente e para sempre desaparecida, da qual nossos filhos nao podem "lembrar-se" e que recebem da gera<;ao precedence como urn medalhao, uma reliquia familiar, urn fetiche- urn "testemunho"? Uma promessa de felicidade, a ser transposta. ~~'"'~}.," J,~,<il-_) A uma poetica de enfase e de hiperboles epidicticas sucedeu, na modernidade do seculo XX, uma poetica minuciosa que prefere demonstrar acribicamente, no processo-de-fazerse (processo do fazer), a p'o.ematk; d-;, poetico ao res de sua I techne. Exemplo: uma simples eli~ao, "neologizando" discreta- 1 'I 0\&.1'1'\ e.c...c... f~ u. lf:, * "Quite" (procura) e "quisition" ( quiriifiio ), em frances, rem a mesma raiz; na tradudo, a proximidade lexical fica perdida. "Procura" faz refercncia ao titulo conhecido de P;oust, traduzido em portugucs por Em busca do tempo perdido. (N. dot.) ~ mente a lingua cotidiana (aquela que conversa), pode sera isca para urn ~imisculo atentado que nos p6e em alerta. armando o poema, ou dando-lhe destaque com urn tra<;o!evemente "fitico" (Jakobsen), o que ocorre quando Reverdy intitula seu livro Maior parte do tempo, omitindo o artigo definido. 0 poeta contemporimeo apresenta-se de born grado como te6ricp da poesia'. Ele gosta de girar dentro do (e junto como) ' drcul~''que enca~-~-~-~pensamento-da-pot.tica ~J!._po_e_ti<;a- ~p~ament~-~---- " Uma poetica uma "arte poetica" que se manifesta sobre o interesse e a composic;:io de urn poema - associa e articula dois ingredientes principais: uma formalidade com uma revela<;:io. Reconhecemq, aver "poema, u texto poettco, em era!, gra<;as a uma dupla disposi<;iio: a a sequencia da linguagem, ana isavel ' rmalmente", ou nguisticamente por exempfo,"ciimocttspnsttivo-ptoso dll::"''trlrmmn:qu:aaro grafico "justificado" de maneira reconhedvel, a partir dos quais o leitor-ouvinte se diz "isto e urn poema"); ~ do.e':".:".'.::e~to. parafraseavel, ou rela<;ao que induz o ouvinte-leitor a uma compreensao do texto do tipo "e. como ele ve as coisas"**, isto e, a luz daquilo que as mostra como tais. Por urn!ado, algo que diz respeito ao ouvir-dizer ( o modo como uma lingua * Traduzimos, ao longo do texto, o tcrmo ''poiticien" por"te6rico" ou "te6rico da poesia~. (N.doT.) ** Deguy usa frequemementc a expressao francesa "commera~ {assim, desse jeito), cxpressao que, designando uma identifica<iao ( e assim), conn!m tambem uma ideia de compara<iao (como). Em portugucs, usamos porvezcs "como e~ "C como'; "assimcomoc", para nao perder a referenda a comparas:ao, tiio imporrante para o autor. (N. dot.) j

3 vernacular e auscultada uesse aparelho) e, por outro, algo que diz respeiro ao ser-no-mundo, ao ver-este-mundo, ou "ilumina<;ao", na terminologia rimbaudiana. A reflexao de urn comentirio rumina sua dile<;ao e busca "analisar" o segredo de composi<;ao daquilo que esti em estado de indivisao: som e sentido, dizia Valery, em estado de "hesita<;ao prolongada". 0 formalista, por indiferente que se declare a respeito do conteudo, da dose de pensividade, de urn poema, nao pode negar a ambi<;ao de dizer-em-poema. 0 realista, por insensivel que se declare quanto a formalidade, nao pode permanecer surdo a essa dimensao "sui-referencial" do "charme", segundo a qual urn poema aspira a ser poema da, e em, poesia. 0 texto de urn poem~_un!~".~e_de conten<;ao' ~inima da escnta que se declara poetica, preteride(e-tende a) fazer a composi<;ao de dois impulsos: r.~.hmn2funia (de modo muito geral), ou paronomisia, ou ainda itera<;ao de semelhan<;as na sonoridade de determinada lingua, em sua materialidade significa1zt'-. Permitamme extrair urn breve exerripio-doinc;tiide urn de meus prosemas, que interpela os "Balineses abluidos /.../": trata-se de urn alerta para o acordo, a vigilancia da lingua pela lingua, da enuncia<;ao pelo enunciado, ou como queiram chami-lo. A questao do outro "Mas por que ele diz as coisas assim?", a resposta e: as coisas vieram assim; e sua maneira de prestar aten<;io; urn outro de outro modo; e sua lingua no seu cerebro. seu cerebro na sua lingua. 2. O_::gue:"::c!it_o( o Dicto', na solenidade filosofica) e endere<;ado a, ou conteudo, e 0 segundo ingrediente material. Alguma coisa aspira ser dita, dita a outros: e a "mensagem", dizemos as vezes; verdade na garrafa que se joga ao mar... potque quer dizer. A defini<;io da verdade nao e que qualquer uma merece ser dita? 9-uero transmitir i:.~~~:!~da q~~-i?~~turado com minha vida ( introduzido em minha historia, diz :r-&1tfa;~~y: Com esses do is impulsos, reconhecemos o poema. 9u, mais genericamente, o logos. Recentemente, I~ rudo aquilo que, na obra~:::.e relaciona a poesia. E muito interessante, porqu~c~:j a que ele permanece insensivel, ou que nao leva em considera <;io, permitem compreender em que c9nsisre a poesia. Ele procura atingir urn devir moderno da poesia destinada ao "suiddio". Ele nao,di ouvido~ a~uilo q.:'e Mal\arme P{nsa como destruifdo. (fill it V c\ \_p-.. t}e.. <o-[.r ' '.~ ) Se~ desacerto (que nao e de modo algum nm desprezo) repousa sobre o desconhecimento daquilo que Baudelaire ( citado por ele) chama de admirdvel Jaculdade de poesia, ao * 0 rermo original C "contenance~ de dificil tradw;:ao, designando ao mcsmo tempo contelido c a capacidadc de contc-lo. TambCm o movimento de uma certa rcrra11iio ou pudor transparece na palavra. Adotamos, ao longo do texto, o tcrmo "conten11iio': (N.doT.) * Em frances, "diet" e urn neologisrno (com aspecto arcaico, como explica o amor em outra parte do tcxro) a partir do vcrbo "dieter" (ditar): trata-sc da tradw;iio francesa de urn conceito de Heidegger: Dichtung(a pocsia, o dizer). (N. dot.) 14 15

4 acrescentar que "a clareza de ideias e a potencia da esperan~a. constituem [ seu] Unico capital". Sartre separa demais, no cor~ao da pr6pria literatura, a poesia da prosa. Tal decisao baseia-se no axioma segundo o qual o desvelamento (tema epalavra retomados de Heidegger) e urn problema da prosa, da prosa do mundo, uma vez que nao hi desvelamento sem uma vista e uma a~ao prosaica de mudan~a do mundo. Se nao hi a~:io transformadora, n:io hi desvelamento. A dicotomia leva I a ruina. Antes de mais nada, a literatura moderna e hesitafdo entre (Valery); entre prosa e poema, por exemplo. 0 segundo axioma e 0 da destrutibilidade: a linguagem e a lingua (que ele nao distingue) servem para ser destruidos. ~ fim Ora, nem esta nem aquela sao feitas para a destrui~ao. Sartre nao entende a conquista de Mallarme no famoso "Vitoriosamente evitado o suiddio belo": ou seja, nem a duph nega~ao, que e 0 procedimento mallarmeano, nem a dierese. Quero dizer com isso que ele nao a11:sculta nem mesmo a textura significante do verso, tao espantosa, na medida em que esta recusa duas possibilidades de dierese no primeiro hemistiquio a de favorecer aquela que alonga o su-i-d-dio-be-lo. A questao para 0 te6rico, questao da conten~ao poetica, e de estabelecer acordo redproco da dierese (forma) e do "suid,dio-recusado" ( conteudo ).... ~e o surrealismo, que, para S~rtre, e o prolongamento do suiddio e da destrui~ao, nao hi motte nem re~surrei<;io. Hi transformac;ao, muito lenta e por vezes perigosa, a "vigiar de perto", por assim dizer. Qual a raz:io dessa cren~a persistente na destrui~ao da linguae esse estere6- tipo que n:io faz senao agravar-se? De maneira que hoje ( seculo XXI), em uma epoca hem diferente da sartriana, estaft1()s talvez de faro diante de uma destrui~ao, pore~'lue ati~g~ : poesia de seu exterior. m, mos;ava-s~~--- ~ 16 pela desapari~:io da frase, mas conservava a esperan~a na poesia... japonesa. A questiio da poesia francesa <\fo:rn:;:~siderada, a do "e" ( emudecimento e elisio) ~dterereemteral: estiramento, alongamento, sequencia, jogo de acelera~:io e desacelera~ao possiveis. No que toea ao poema, trata-se de(r~)pa~_al a lingua em dmera lentapa:a_~t1:':ult~r_e e[l.:_(!n_d_e!jll!9l?k cldadeouconten-~iio:"e.iistica ondula~ao'~_dizia Ilal!d.~lair"; aolongo:ae, digamos, ao long<l:do ~p~relho ritmico de diapas:io: alternlmcia de "brevidade" (abrevia~:io) e de "dura~:io" (alongamento), distinguidas pela insonora diferen~a. ou pausa, p_or-veze~.- reiteraaa~ ( Quantoao senti:'.() (olr conteudo ): trata-se da questao do par~bjlico, <i~"fab~la",_!lue_l_l~(?j'()cle _sg:_i.soltirjo. Cnao.pode haver discurso "sozinho no mundo"), mas construfvel, edific,becp-;,i~ dlferen~~ ( oposi~it~. ~;;~j~~~~o.:desac()rcfo) em re!a~ao aos ouc~os regimes-de se;tido, o filos6fico, o teol6- gico; onarrai:!vo,o cientlfico: na turba, poreu1 distini:o: Epor isso nossas quest6es: como fica o mito? a religiao? a proposi- ~r:::;~::-~t:~i-~tn c~~;;~:: ::~la nao eo ~odo da literatura, dos recursos \ ret'iracros, d!z1a Mallarme, da conversa<;io comercial cotidiana) do pensamento vernacular. Hi dois: po~~e...p!:9.s.~-~~-~()~".(),l1tra; e_portanto "h'=~ta~ao" (troca, liga, alian~a, ruptura local etc.). ;-op;;-eina e aperitivo e cognitivo. Sua brevi dade e a de urn aperitivo (brinde ou saudafdo, na linguagem- e na experiencia de Mallarme). Nao se acumula nele urn saber- desde que a poesia deixou de ser diditica ou miquina mnemotecnica. 17

5 Reabertura apos obras Sua discursividade nao e "cientifica':_l}_0fc~a->io..consiste erp abrir, em abrir-se, em reabrir. Em correspondencia com a ~ria abertura do mundo, na clareira do mundo, nessa dimensao que a omologia moderna qualifica de aperidade, ou ainda '<grandeza'' mundo, transversalmente ao curse do mun: do, reiteravel como 0 bom-tempo-que-esti, 0 poema e urn incipit continuado: "Wie wenn am Feiertage" holderliniano: como quando. 0 poema e duas vezes "aletheico"; "devo-lhes a verdade em poema~ diz o poema, duas vezes (pelo menos). Uma vez como "desvelamento". Outra vez como "moeda desse absoluto" (Malraux). Que{o~ como proposi,ao ou juizo ve- '--- ri-dico. ~-e_o poe~a e citdv:!j}m de seus eventuais_ mtrir~:),.\ ~~sso oco~re _orgu~;;f-7ie Siias:propasi0es esciarece:ilma " -- -~s.i\p - uma (~ircunstincia"(~allarme). Seus exitos de juizo permitem ~<;io (urn acontedmento) -a luz dessa cita,ao - solicitada -1' - an cia , Em outros termos,- a urn potencihognftfva m alcance gnosiologico) da compara,ao, proxtm~ao, qne caracteriza o pens_a_i!leilto."p~ ( da proximidade) do poema: pois ex!ste diferen'a entre 0 mesmo (homo-logicamente) e 0 que nao e 0 mesmo. Assimila<;io-dissimila<;io. -~ (',/---"' "', ~ A ex;,ressao del(:hat~aubr~ 2::a:briE~Ea!l~e!latli_'"eza feq!":da_, pode ter e~nda-hoje desde que troquemos natureza por mundo: essa e a injun<;ao primeira a qual deve responder a arte, no semido moderno, numa epoca em que a natureza nao tern mais Iugar (diria Mallarme), nem o sagrado ( exceto para aqueles - alias, numerosos - que creem ainda 18 nessas duas destina<;6es). Poderiamos ignorar o complemento e condensar assim a formula:~rir ~ gue novame.vte.se fecha. 0 conhecido topos da abertura, ou grandeza ( ou ';f;eritlade do Ser, na terminologia heideggeriana), ou "mundiamento do mundo" (para traduzir o Welten der Welt do Pensador alemao), retoma os dois termos relacionados pela cita<;io do seculo XVIII, reabrir e grandeza, absolutamente e tautologicamente; os do is termos estao na linhagem semantica da velha admirarao, mae das Musas: a arte e taumaturgia. Contra os incessantes rebaixamentos, ressentimentos, reenclausuramemos diversos, velhos dominios dos academicismos etc. Naturalmente, de urn tal prindpio de espanto nao decorre nenhum programa espedfico para o fazer-obra: nem o conteudo nem as modalidades das tentativas de "vanguarda" ou experimentais podem ser deduzidas dele. Como na ciencia, as expericncias "para ver" seguramente nio sabem "para ondevao,... Para a poesia, hoje, tres proposi<;6es. ~~~"~ --~r =~ ~<"-?>~< - "N,-., -~-<>,~<.- --" ~,, --"--' r. A poesia toma um(~i9 ste ar sao trcs coisas: a) ~~--Y~~a; b) o aspecto; c) a melodia:.. Ni\o -~~~rir fa:lta de ar (para respirar ): nao deixar de ter urn ar ( aspecto); nao perder a melodia. E o que procura urn poema. 2. Em frances, existe urn "AR do tern o" [air du temps]. Ele e chamado tambem de espmto Weltgeist). Esse espirito nao tern nada de urn espirito; ele nao e urn fantasma, nem uma pequena divindade, nem urn djinn noturno, nem, nem. Este espirito e o nosso - humano. Eu poderia chama-lo 19

6 ' santo, por que nao?, com a condi'rao de traduzir essa santidade por tra~os de sabedoria e de idade, de saber e juizo, de psicologia e de am or do bern. A religiao deu a luz a teo-logia. A teologia ensinou ao homem do que ele era capaz. Agora, e necessirio retomar para si essa capacidade (Feuerbach): antropomorfose continuada. Nao quero dizer que nio existe nada alem disso, justamente porque_tudo e origem: a natureza ai em frente, o fundo ~ ~, ~-... ; do universo, o Ser, as «fontes cristas" (Simone Weil), entre outros. J. A literatura, e ~~em suma: a poesia, cuja singularidade consiste em ser audaciosa, atirar-se, ousar, marcar; ela decide, ela nomeia... -, mostra, faz ver, esse espirito, ao torni-lo perceptive!. E sua videncia, ou visao. No passado, adivinho; agora, adivinha. Ela o mostra a suas companheiras, mllsica, pintura, formas volumosas, filmes, conten'r6es novas, pla.sticas... Ela arrasta consigo, ela torna-se ali ada. 0 aspecto talvez mais decisivo de urn poema- o tra~o decisiv~aiiro~-a-iilv:rt!aiire;aquilo.que rest~---~ ~~:::;;:;e~u~:o~:~~~~~~::::f:~~~:~c~~.i-~~:~~: Prontidao - como de urn deus que perde urn rapto, se puder citar a mim mesmo. Divisa, enigma, incipit - cliusula. 0 que explica que ainda se publique, e inesmo que se leia, as miximas, os pensamentos ( dos Pre-Socriticos a La Rochefoucauld, Pascal oujoubert). ou ~- A brevi dade -liga4!,~r,divid\4!,j,q'!!l.q_ql1sf'<rece ser ~u a~~~.":l'~~ "i_~rif~ase:_: ~~:~::~fra:e 0~ seja, 0 l~nto no acelerado, o ~~uiwit~aocapenf~ase e a defim~ao, a perifrase gira em torno aa presa da qual so pode apoderar-se nesses termos. A boa perifrase diz o ser, e nio pode dize-lo senao resumidamente. 0 segredo continua a se ocultar. Pode ser que cada linha (verso) do poema- por que esses "poetas" as destacam, as justificam desta forma? - procure dar (de)fini~ao ao tra~o que penetra o indecidivel, em urn lance perifd.stico; reincidencia vazia. Aquilo que resta hoje, encontramos nos muros, nas paredes do metro, apcn:egmas pichados. No tratamento intimo que o poeta (poema) dirige a si mesmo - como todo sujeito em solil6quio - hi aquele que fala, sujeito na linguagem, "eu" implic_i~.<'o.-'l':: a rigor nao eo mesmo com quem se fay. "Bebn'de ele fala?";p~de-se perguntar, como se dizia n'o-pass.adg_a_qilem.tomav~ a palavra, numa interven~ao, para que ele se justificasse... Resposta: de urn ponto de vista arquimedico, fora do sistema, ponto espiritual (se e que este epiteto mescla adequadamente alma e espirito ), e imortal. Ele e o juiz. E assim que urn universal pode ser construido, uma hip6tese de genero humano, talvez projetivel (parabolicamente...) como institui~ao, de voca~ao cosmopolita, internacional: uma especie de instincia juridica, que pode se pronunciar apenas a respeito do inumano. 0 proprio do juizo e a severidade

7 _ Por _pro :l,,.. <:nt<:!'do: A frase, o fraseado, da fala co mum, dialogal, irrefletida, ~o vernacular, a de Monsieur Jourdain, de Moliere, aquela "detodo-mundo'; desde priscas eras aprendida a base do ditado, na mira do indicador sorridente severo carinhoso dos pais hi seculos - e que s6 relaxou recentemente, intimidado pela inepcia pedag6gica. 2_sg_ alantee.. rr()sador. Aquela que se aprende mais tarde, sempre na escola, que ndo i, expressamente, a poesia. A diferente, a que nao rima, nio conta silabas, nao tern cesura nem enjambement, porque e puro encavalgamento, hiperbato do tipo "maria-vai-com-asoutras". Trata-se da prosa liter:iria, aquela que os jornais confundem com "romance''. Para mim, ~~~~---~---g _er()~a nao coincidem. Nem de Ionge. E quando penso na "pro;a~ -_:::: como p~~~~;;;ento que puxa, que se escreve, elemento em que ou<;o minha lingua e, ate mesmo, o elemento "16gico" (logos) em que minha lingua ausculta a si mesma, buscando beleza -, eu nao penso no romance. Se me perguntam quais sao os grandes prosadores franceses do seculo XX, respondo Claude!, Artaud, Proust, Bataille, Giono e muitos outros, sem consultar a rubrica "romancistas". Alguns romancist~~ -~~o_ prosadores S?.--~~:P_~_()_~_a _como mei_o, ~_teh_ dos _p'?e_mas-em-prosa; os de Baudelaire, por ;,:;~~pio:e que podem ser transpostos em prosa-em-poema. As duas vers6es baudelairianas come<;am a, destacar, a dar relevo a este fato que Valery nomeia "hesita \ :;\:ao entre". ~'!E_~~esitar-d~~i<:liHntre pmsa_e.p.o.em;t, entre _().ll.'ros. Em quea poesia seria prosaica? Ela mostra em -~f~ra lenta ~ capacidade do idioma; em todos seus adornos, seus tropos, suas faculdades. A prosa nao e integralf!!ente prosaica ~uanto a poesia que se mostra, que se isola levantando a ---.:::...=-- ' crista, e precise desconfiar. ---~ Eo pensamento 'l"~.pll.:"~res'±me.rim.baud; que encaminha e encadeia ("prop6e uma palavra depois a outra", como escrevi em FigurarOes); consiste em frases. Rente sobre o vazio. Sem isso, nao hi sequencia ("sequencia nas ideias", diz a lingua), nenhuma "razao" de... prosseguir. 0 pensamento, cria<;io continua, encavalga a descontinuidade, o nada. Como pode este ser apreendido pelos sentidos? Do mesmo modo que, para Mallarme, o vazio era sensardo do nada, digamos que o nada descontinuo a que me referi se apresenta como bran~o da pigina branca. 0 pensamento passa e faz passar atris dele, psicopompo hermttico, guia; ele atravessa o famoso "caminho do pensamento". Sem pensamento do poema, nao hi_ po_em~_; "nada a di;er". ----~ n ~ "' o~fe,;;-~n~uu..ix_e:;:, d.o p_ensamento, antes de ser aquele da comunicac;:ao no sentido atual, e o elem~!:.:.? ::U que o pensamento se e~-~~-~-~~ill: -~o111a consi,s,'t~-~~i-~: aquel~ que os gregos chamavam logikon, I6gica ou vernacular frasico. A maneira pela qual as palavras mantem seu serjunto-a, seu sintagma (sin, ou para-t:itico), sua taxis, e identicamente volteio, tropo. Dito de outro modo: para que as palavras estejam juntas e nao em pulveriza<;ao estocistica; para que estejam ate mesmo uma ao lado da outra em aposi<;ao, em a-sindeto; para que haja o menor valor diferencial entre aposi<;ao e assindeto opositivo, por exemplo, ou entre equivalencia e oximoro (etc.), e nio atomiza<;ao sem nenhuma especie de liga ( diferente de sua 22 23

8 dispersiio pontilhista dada a uma percep~iio humana), e "preciso" que o meio seja tr6pico, tropol6gico. A ~~;!Q_daJiteJ:;tJ:1Jramodernae menos decidida (decisiva) entre prosa e poesia. M~~i~ent~s teci6rllcos-afeta:ram,---..., '"""" _."""'"' o solo:-os do is tra~os principals da modernidade, a saber, a generalizardo e a dissondncia, deslocaram as fronteiras, provocaram sobreposi~6es, indivis6es, redistribui~6es. Q_sgiter poetlso ( ou do poema) em constante inunda~iio infih~_<>~:_s:c..t::~m.~<:>e~()):''3~i!!cl2-4.~leito "afiqpfl:.:~:>.~ o ~o, com justifica~ao bern recortada (linha restrita, estrofes distintas, genero afetado, soneto, balada, epopeia, cantiga, tragedia... ),. derramou: liberdade de versos, poema em prosa, proema, prosema... ainda que a polaridade entre as extremidades a que se liga a "hesita~ii.o'''persi~t;~onstitutiva; e. que continue importante reconstitui-la r esf~s renovados. Aconteceu, como apontei, que p romance ~sorveu todo o interesse do grande publico, ate q~m situa~ao de sinonimia com a prosa e com a literatura: a epoca de Ian~amentouili!.ori!is,_!!~Fran~a, diz muito sobre o estado de nossos h<ibitos. Entre outras consequencias nocivas, aponto esta: o texto fil()s6fi_c.() ~ rejeigqo como!lii() literario, assim como o te;;:~,;-antropol6gico e alguns outros. ~=_s ~,,- e ainda mais inepta se pensarmos que, naquilo que chamamos «exterior", os escritores franceses mais conhecidos sao os fil6sofos, ensaistas e, frequentemente, intelectuais das "ciencias humanas". Entretanto, hi prosas e prosas. Em outras p~a'{ras:. diferen~a e separa~ao subsistem; por urn!ado, a literatur~a "grande literatura", atuai e por vir, ainda tenta ~5'4-el s, e no interior dela a escrituraparabolica geral - pensamento.c. saber, Jics ()$atir~~~~s,;~---.:::_. abs~~~~ geneidades) e, por outro!ado, "litera:_:ita:~:::ia.d_e~spe~a:-') 'COiiiiillka~ao e informa~ao Em outro momcmo, apontei para. "'haerere" (atar) como etimologia de "hesitar;ao~ 24 25

O g É um Gato Enroscado

O g É um Gato Enroscado O g É um Gato Enroscado Editorial Caminho, 1.ª ed., 2003; 2.ª ed., 2007 Guião de trabalho para professores do Ensino Básico I. Breve introdução à leitura da obra O g É um Gato Enroscado (Caminho, 2003)

Leia mais

ALBERTO CAEIRO E A POÉTICA DA NEGAÇÃO RINALDO GAMA. Resumo

ALBERTO CAEIRO E A POÉTICA DA NEGAÇÃO RINALDO GAMA. Resumo ALBERTO CAEIRO E A POÉTICA DA NEGAÇÃO RINALDO GAMA Resumo Ao explicitar, em O Guardador de Rebanhos, a impossibilidade de se atingir o real por meio dos signos, ao mesmo tempo em que se vê na contingência

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Usando Comandos Embutidos:

Usando Comandos Embutidos: Usando Comandos Embutidos: 1. Eu não lhe diria, porque De qualquer forma já estou dizendo, porém, minha negativa inicial quebra a resistência, e a palavra mágica porque atribui autoridade ao que digo ao

Leia mais

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria 1 Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria especiais. Fomos crescendo e aprendendo que, ao contrário dos

Leia mais

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RGS FACULDADE DE LETRAS ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson Disciplina: - Teorias Contemporâneas da Literatura

Leia mais

A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER

A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER Leandro Assis Santos Voluntário PET - Filosofia / UFSJ (MEC/SESu/DEPEM) Orientadora: Profa. Dra. Glória Maria Ferreira Ribeiro - DFIME / UFSJ (Tutora

Leia mais

Uma vanguarda centenária

Uma vanguarda centenária Entrevista Uma vanguarda centenária George Popescu Revista Brasileira Como o senhor interpreta o quadro atual da literatura romena? George Popescu Depois da queda do regime autoritário de Ceauşescu, a

Leia mais

Oficina : Experiências de Ciências para o Ensino Fundamental: uma abordagem vigotskiana

Oficina : Experiências de Ciências para o Ensino Fundamental: uma abordagem vigotskiana UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA Oficina : Experiências de Ciências para o Ensino Fundamental: uma abordagem vigotskiana Introdução

Leia mais

QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO

QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO Bernardo Goytacazes de Araújo Professor Docente de Filosofia da Universidade Castelo Branco Especialista em Filosofia Moderna e Contemporânea

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos O SILÊNCIO: POSSÍVEIS LUGARES E SIGNIFICAÇÕES Wanderson Fernandes Fonseca (UEMS/ UCG) wandersonviol@hotmail.com Miguél Eugenio Almeida (UEMS/UCG) mealmeida_99@yahoo.com.br Era um silêncio esquisito imenso,

Leia mais

Sumário. Introdução, 11. 1 Temperamento: o que não se vê, 14. 2 Os vários nomes do amor, 33. 3 Hedonistas, parceiros no prazer, 43

Sumário. Introdução, 11. 1 Temperamento: o que não se vê, 14. 2 Os vários nomes do amor, 33. 3 Hedonistas, parceiros no prazer, 43 Sumário Introdução, 11 1 Temperamento: o que não se vê, 14 2 Os vários nomes do amor, 33 3 Hedonistas, parceiros no prazer, 43 4 Guardiães, parceiros sociais, 69 5 Idealistas, parceiros de alma, 88 6 Cerebrais,

Leia mais

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8 Conteúdos Objectivos/Competências a desenvolver Tempo* Estratégias Recursos Avaliação Apresentação: Turma e professor Programa Critérios de avaliação Normas de funcionamento Conhecer os elementos que constituem

Leia mais

Observações referentes a Sobre o órgão da alma *

Observações referentes a Sobre o órgão da alma * Observações referentes a Sobre o órgão da alma * Tradução e Notas de ZELJKO LOPARIC UNICAMP / PUC-SP / PUC-RS loparicz@uol.com.br O Honradíssimo Senhor apresenta-me, para apreciação, a sua obra recém-terminada,

Leia mais

Da economia do tempo. Sêneca saúda o amigo Lucílio

Da economia do tempo. Sêneca saúda o amigo Lucílio I Da economia do tempo Sêneca saúda o amigo Lucílio Comporta-te assim, meu Lucílio, reivindica o teu direito sobre ti mesmo e o tempo que até hoje foi levado embora, foi roubado ou fugiu, recolhe e aproveita

Leia mais

ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento

ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento Renomado professor universitário, autor de títulos de não

Leia mais

A origem dos filósofos e suas filosofias

A origem dos filósofos e suas filosofias A Grécia e o nascimento da filosofia A origem dos filósofos e suas filosofias Você certamente já ouviu falar de algo chamado Filosofia. Talvez conheça alguém com fama de filósofo, ou quem sabe a expressão

Leia mais

Palavras. chave: texto; poesia; recorte; enunciação; Manuel Bandeira.

Palavras. chave: texto; poesia; recorte; enunciação; Manuel Bandeira. 197 Eduardo Guimarães 1 Resumo esumo: Este texto tem como objetivo analisar o poema Andorinha, de Manuel Bandeira, a partir de um dispositivo de análise semântica do texto. Para isso, apresenta uma posição

Leia mais

PLANEJAMENTO (Poesia/poema) Expressão na oralidade, leitura fluente, produção textual, compreensão de texto poético.

PLANEJAMENTO (Poesia/poema) Expressão na oralidade, leitura fluente, produção textual, compreensão de texto poético. PLANEJAMENTO (Poesia/poema) Professor (a): Janete Fassini Alves Poesia: Das Flores Competências Objetivo Geral Objetivos Específicos Autor: Armando Wartha Expressão na oralidade, leitura fluente, produção

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

A Vida Simples. A vida simples. Onde ela está? Em qual esquina, em que país, qual será a direção que nos. Claudio Miklos

A Vida Simples. A vida simples. Onde ela está? Em qual esquina, em que país, qual será a direção que nos. Claudio Miklos A Vida Simples Claudio Miklos Nos últimos tempos tenho pensado muito em como seria maravilhoso adquirir o mérito de viver simplesmente, em algum lugar aberto, pleno em verde e azul, abrigado das loucuras

Leia mais

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 5 Lendo e vivendo poemas. Recomendada para EF II ou EM. Tempo previsto: 4 aulas

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 5 Lendo e vivendo poemas. Recomendada para EF II ou EM. Tempo previsto: 4 aulas Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa Situação 5 Lendo e vivendo poemas Recomendada para EF II ou EM Tempo previsto: 4 aulas Elaboração: Equipe Técnica da CENP Apresentação Ler é um ato de recriação praticado

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

LIÇÃO 1 - COMEÇANDO A VIDA CRISTÃ

LIÇÃO 1 - COMEÇANDO A VIDA CRISTÃ 2015 MDA REDE JOVEM Tornar-se um cristão espiritualmente maduro é a ação de maior valor que podemos fazer por nós mesmos. LIÇÃO 1 - COMEÇANDO A VIDA CRISTÃ Jesus foi maior evangelista que o mundo já viu.

Leia mais

Conectar e interrogar Mario Hélio Gomes

Conectar e interrogar Mario Hélio Gomes Conectar e interrogar Mario Hélio Gomes Travessão e hífen não são sinais de menos. São pelo menos elos. Nos diálogos escritos, intercâmbio de vozes e interrogações. Linhas contínuas e descontínuas. Como

Leia mais

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Sem limite para crescer! Resumo das aulas de Filosofia 1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Esses três filósofos foram os inauguradores da filosofia ocidental como a que

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

A arte: o belo e o agradável 1

A arte: o belo e o agradável 1 9 A arte: o belo e o agradável 1 Vilém Flusser (Para Louis Bec) 2 A limitação fundamental da comunicação está no fato de que a experiência concreta é incomunicável. A razão é que essa experiência não é

Leia mais

Uma História que cheira a Café. Não Desprezes os Provérbios. Autor Isabel Vilarinho e Vanda Novais. Autor Abel de Carvalho

Uma História que cheira a Café. Não Desprezes os Provérbios. Autor Isabel Vilarinho e Vanda Novais. Autor Abel de Carvalho Catálogo 2013 Uma História que cheira a Café Isabel Vilarinho e Vanda Novais Não Desprezes os Provérbios Abel de Carvalho Género: Romance N.º Páginas: 112 ISBN: 978-989-20-3065-4 Género: Prosa / Literatura

Leia mais

noite e dia marconne sousa

noite e dia marconne sousa noite e dia marconne sousa Mais uma noite na terra a terra é um lugar tão solitário cheio de pessoas, nada mais onde se esconderam os sentimentos? um dedo que aponta um dedo que desaponta um dedo que entra

Leia mais

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS Mestranda Kézia Dantas Félix 1, UEPB 1 Resumo: Neste artigo estudo o debate estabelecido em torno do cânone literário,

Leia mais

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com 5Passos fundamentais para Conseguir realizar todos os seus SONHOS Autora: Ana Rosa www.novavitacoaching.com O futuro pertence àqueles que acreditam na beleza dos seus sonhos! Eleanor Roosevelt CONSIDERA

Leia mais

Educação Moral e Espiritismo

Educação Moral e Espiritismo Educação Moral e Espiritismo Sérgio Biagi Gregório SUMÁRIO: 1. Introdução. 2. Conceito. 3. Considerações Iniciais. 4. O Problema Moral: 4.1. Ética e Moral; 4.2. Relativismo e Dogmatismo; 4.3. Kant e os

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

O exercício como caminho para o conhecimento 5 Encontro - 11 de julho 2014

O exercício como caminho para o conhecimento 5 Encontro - 11 de julho 2014 O exercício como caminho para o conhecimento 5 Encontro - 11 de julho 2014 RITUAL DE INÍCIO Proposto e conduzido pelo professor Adriano Cypriano (Zazen: cinco minutos de silêncio, escuta e respeito a si

Leia mais

Bíblias para Crianças na Literatura Infantil Brasileira

Bíblias para Crianças na Literatura Infantil Brasileira Bíblias para Crianças na Literatura Infantil Brasileira Ms. Letícia Lopes Ferreira i Resumo: Analisa uma versão em português de uma narrativa da Bíblia (texto base), comparada a três versões da mesma para

Leia mais

Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio. Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa

Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio. Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa 1. Sensibilização e Investigação textual Primeiramente, serão apresentados os excertos dos textos sem

Leia mais

Teoria da Comunicação Funções da Linguagem

Teoria da Comunicação Funções da Linguagem Teoria da Comunicação Funções da Linguagem Professor Rafael Cardoso Ferreira O que é linguagem? A linguagem é o instrumento graças ao qual o homem modela seu pensamento, seus sentimentos, suas emoções,

Leia mais

C A P R I C Ó R N I O : A L U Z D A V I V Ê N C I A

C A P R I C Ó R N I O : A L U Z D A V I V Ê N C I A PLENILÚNIO DE CAPRICÓRNIO (Lua Cheia 5/1/2015 às 1:53 hora de local Argentina e Brasil (nos locais com horário de verão acrescentar uma hora) C A P R I C Ó R N I O : A L U Z D A V I V Ê N C I A Aquele

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

Crescer por dentro. compreender e caminhar rumo ao SER

Crescer por dentro. compreender e caminhar rumo ao SER Crescer por dentro compreender e caminhar rumo ao SER 2 Crescer por dentro compreender e caminhar rumo ao SER Gita Lazarte Primeira Edição São Paulo 2011 3 4 Agradecimentos: A meus filhos Leonardo, Arturo

Leia mais

Por uma prática educativa centrada na pessoa do educando

Por uma prática educativa centrada na pessoa do educando Por uma prática educativa centrada na pessoa do educando Cipriano Carlos Luckesi 1 Recentemente participei, no Programa de Mestrado em Educação, da Universidade do Estado da Bahia --- UNEB, Campus de Salvador,

Leia mais

Judith Sonja Garbers, Psicóloga Jörg Garbers, Mestre de Teologia

Judith Sonja Garbers, Psicóloga Jörg Garbers, Mestre de Teologia Judith Sonja Garbers, Psicóloga Jörg Garbers, Mestre de Teologia C.G.Jung: Espiritualidade Conforme Jung o ser humano desenvolve primeiro uma identidade pessoal, descobre quem é, o que gosta, qual é seu

Leia mais

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Sumário Introdução 1 Desenvolvimento. 1 1. O Conhecimento.. 2 2. A sensação e percepção... 3 3. Kant e o conhecimento como actividade construtiva

Leia mais

Para estudar literatura

Para estudar literatura Para estudar literatura Cícero Galeno Lopes Este material foi preparado para mesa-redonda realizada no Câmpus da UCS em Bento Gonçalves, Câmpus Universitário da Região dos Vinhedos, durante a 26ª Feira

Leia mais

O conceito de amor em Agostinho

O conceito de amor em Agostinho Hannah Arendt 17 a coerção do caráter absoluto da verdade, seja da ciência, seja da filosofia, e ao mesmo tempo uma atitude que sabe como preservar e admirar as coisas do mundo e cuidar delas. Não teria

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Público de Ingresso no Magistério Público Estadual EDITAL Nº 21/2012/SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Professor de Filosofia 11) Sobre a

Leia mais

Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico de Fernando Pessoa

Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico de Fernando Pessoa Crátilo: Revista de Estudos Linguísticos e Literários. Patos de Minas: UNIPAM, (3):118 123, 2010 ISSN 1984 0705 Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico

Leia mais

Entrevistada por Maria Augusta Silva

Entrevistada por Maria Augusta Silva ANA HATHERLY Entrevistada por Maria Augusta Silva Nesta cidade-mundo, num mundo terrível, quem pode criar o verso de júbilo? Todos os mundos têm sido terríveis, mas só falo daquele que diretamente conheço.

Leia mais

PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa

PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa 9 o ano 1 o bimestre PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa Escola: Nome: Turma: n o : Responda às questões 1, 2 e 3, após a leitura de um fragmento do texto Homem no mar, de Rubem Braga. De minha varanda vejo,

Leia mais

EXERCÍCIOS MATINAIS E NOTURNOS EFETUADOS PELO ASPIRANTE ROSACRUZ

EXERCÍCIOS MATINAIS E NOTURNOS EFETUADOS PELO ASPIRANTE ROSACRUZ EXERCÍCIOS MATINAIS E NOTURNOS EFETUADOS PELO ASPIRANTE ROSACRUZ O EXERCÍCIO NOTURNO O exercício noturno, Retrospecção, é mais valioso do que qualquer outro método para adiantar o aspirante no caminho

Leia mais

Bicho de sete cabeças e outros seres fantásticos, de Eucanaã Ferraz: poesia para não ter medo do desconhecido. Ana Paula Klauck

Bicho de sete cabeças e outros seres fantásticos, de Eucanaã Ferraz: poesia para não ter medo do desconhecido. Ana Paula Klauck Publicado na revista eletrônica Tigre Albino Volume 3, Número 3. 2010. ISSN: 1982-9434 Disponível em: http://www.tigrealbino.com.br/texto.php?idtitulo=08f1c7471182e83b619f12bfa4 27e1e0&&idvolume=9a2be2ed7998330d41811b14e9f81f2d

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DE LÍNGUAS

INTERPRETAÇÃO DE LÍNGUAS 1 INTERPRETAÇÃO DE LÍNGUAS OBJETIVO. 7 A manifestação do Espírito é concedida a cada um visando a um fim proveitoso. 8 Porque a um é dada, mediante o Espírito, a palavra da sabedoria; e a outro, segundo

Leia mais

o meu trabalho e resultante das reflexoes que

o meu trabalho e resultante das reflexoes que A APRENDIZAGEM DE LfNGUA PORTUGUESA NA 5~ S~- RIE DO ENSINO DE PRIMEIRO GRAU: UMA EXPERIBNCIA E PRIN- CfPIOS PARA UMA PROPOSTA DE ENSINO. Esta comunicacao pretende expor as linhas gerais de minha dissertacao

Leia mais

Entrevista de António Paiva menção qualidade poesia

Entrevista de António Paiva menção qualidade poesia Entrevista de António Paiva menção qualidade poesia A poesia é útil na sua vida ou o poeta sente-se serviçal da palavra? (Dionísio) Tal como já escrevi; Às palavras tudo darei, até a minha vida. Não diria

Leia mais

O Poder do Pensamento e da Palavra Ter, 02 de Dezembro de 2008 09:04

O Poder do Pensamento e da Palavra Ter, 02 de Dezembro de 2008 09:04 Antes de pronunciar, devemos medir a palavra. O bom ou mau emprego que os homens fazem das palavras e pensamentos é a causa da maioria das misérias ou das felicidades por que passam. Na verdade, o mundo

Leia mais

Recensões. Os Fundadores das Grandes Religiões

Recensões. Os Fundadores das Grandes Religiões Recensões Os Fundadores das Grandes Religiões Recensão do Livro Os Fundadores das Grandes Religiões, de Emma Brunner-Traut (Org.) (Petrópolis: Editora Vozes, 1999. 254 p.) Não há dúvida de que o interesse

Leia mais

V. Tem que amar... de verdade!

V. Tem que amar... de verdade! CLASSE DE CASAIS CURSO: CONSTRUINDO UM CASAMENTO COM AMOR V. Tem que amar... de verdade! Esta lição tem por objetivo... Nós amamos porque Deus nos amou primeiro (I Jo 4.19) (a) Mostrar a diferença entre

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe Formação de Professores para o Pré-Escolar e para o Ensino Primário Opção: Ensino Primário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia

Leia mais

V de Viagem (do Abecedário Deleuze) 77

V de Viagem (do Abecedário Deleuze) 77 LUGAR COMUM Nº23-24, pp.129-134 V de Viagem (do Abecedário Deleuze) 77 Gerardo Silva Havia uma terrível sintonia entre o sonho e a realidade, os dois mundos misturando-se numa tigela de luz, e nós, os

Leia mais

O valor do silêncio na vida do cristão

O valor do silêncio na vida do cristão O valor do silêncio na vida do cristão Salve Maria! Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo! Em nosso blog, temos muitas palavras de profecia sobre o silêncio. E, por Providência Divina, encontramos um

Leia mais

Tema 4: Espiritualidade Na densidade do humano emerge a vida de Deus

Tema 4: Espiritualidade Na densidade do humano emerge a vida de Deus Tema 4: Espiritualidade Na densidade do humano emerge a vida de Deus NA DENSIDADE DO HUMANO EMERGE A VIDA DE DEUS, Nossa espiritualidade marista, aberta ao diálogo interreligioso, a quem está em busca

Leia mais

Latusa Digital Ano 9 N. 49 Junho de 2012. Sobre a letra e o gozo na escrita de Clarice Lispector

Latusa Digital Ano 9 N. 49 Junho de 2012. Sobre a letra e o gozo na escrita de Clarice Lispector Clarisse Boechat 1 Marcia Mello de Lima 2 A obra de Clarice Lispector surpreende o psicanalista de orientação lacaniana, que trabalha com a prática da letra, pois é possível extrair dali alguns conceitos

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

UM JEITO DE AMAR A VIDA

UM JEITO DE AMAR A VIDA UM JEITO DE AMAR A VIDA Maria do Carmo Chaves CONSCIÊNCIA DO MUNDO FICHA TÉCNICA EDIÇÃO: Vírgula (Chancela Sítio do Livro) TÍTULO: Um jeito de amar a vida AUTORA: Maria do Carmo Chaves (escreve de acordo

Leia mais

ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL

ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL ANGELO JOSÉ SANGIOVANNI - Professor da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR)/CAMPUS II FAP) Email: ajsangiovanni@yahoo.com.br Resumo: A partir da análise da tragédia antiga,

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS ESPÍRITOS EM NOSSOS PENSAMENTOS E ATOS

INFLUÊNCIA DOS ESPÍRITOS EM NOSSOS PENSAMENTOS E ATOS INFLUÊNCIA DOS ESPÍRITOS EM NOSSOS PENSAMENTOS E ATOS SINTONIA VIBRATÓRIA E AFINIDADE MORAL Vimos antes que matéria e energia são aspectos de uma mesma realidade. Podem parecer muito diferentes aos nossos

Leia mais

Conclusões do Encontro do Laicato Dominicano

Conclusões do Encontro do Laicato Dominicano Conclusões do Encontro do Laicato Dominicano História OP Quatro elementos foram tomados como pontos de reflexão e ação para os dois primeiros anos. Um dos pontos ou aspetos sobre o qual trabalhar é a compaixão.

Leia mais

Aula 03. o ato de ler. Leitura e conhecimento. Os poemas. Caríssimo aluno,

Aula 03. o ato de ler. Leitura e conhecimento. Os poemas. Caríssimo aluno, Aula 03 o ato de ler Caríssimo aluno, A leitura é componente fundamental do processo de aprendizagem, pois está relacionada a todas as disciplinas de seu curso. Convidamos você para fazermos algumas reflexões

Leia mais

Infinitas são as coisas que consideramos boas, um amor correspondido, uma honesta riqueza, um quitute refinado. Umberto Eco em A História da Beleza

Infinitas são as coisas que consideramos boas, um amor correspondido, uma honesta riqueza, um quitute refinado. Umberto Eco em A História da Beleza Belo junto com gracioso, bonito ou sublime, maravilhoso, soberbo _ é um adjetivo que usamos frequentemente para indicar algo que nos agrada. Nesse sentido, aquilo que é belo é bom e, de fato em diversas

Leia mais

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO?

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? Carlos Eduardo Ferraço Marco Antonio Oliva Gomes DIALOGANDO COM UM SONHO DE KUROSAWA Escolhemos o sonho Corvos de

Leia mais

PLANO DE AULA OBJETIVOS: Refletir sobre a filosofia existencialista e dar ênfase aos conceitos do filósofo francês Jean Paul Sartre.

PLANO DE AULA OBJETIVOS: Refletir sobre a filosofia existencialista e dar ênfase aos conceitos do filósofo francês Jean Paul Sartre. PLANO DE AULA ÁREA: Ética TEMA: Existencialismo HISTÓRIA DA FILOSOFIA: Contemporânea INTERDISCIPLINARIDADE: Psicologia DURAÇÃO: 4 aulas de 50 cada AUTORIA: Angélica Silva Costa OBJETIVOS: Refletir sobre

Leia mais

SUGESTÕES DE ATIVIDADES

SUGESTÕES DE ATIVIDADES PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO. Antes de você iniciar

Leia mais

CURSO DE INTRODUÇÃO À LEITURA DA BÍBLIA Autor: Padre Antônio das Mercês Gomes

CURSO DE INTRODUÇÃO À LEITURA DA BÍBLIA Autor: Padre Antônio das Mercês Gomes BÍBLIA CURSO DE INTRODUÇÃO À LEITURA DA BÍBLIA Autor: Padre Antônio das Mercês Gomes Esta palavra vem do grego. A forma Bíblia, em grego, está no plural e significa livros, pois a Bíblia é um conjunto

Leia mais

ANÁLISE DO DISCURSO AULA 01: CARACTERIZAÇÃO INICIAL DA ANÁLISE DO DISCURSO TÓPICO 01: O QUE É A ANÁLISE DO DISCURSO MULTIMÍDIA Ligue o som do seu computador! OBS.: Alguns recursos de multimídia utilizados

Leia mais

Reflexão sobre o espírito do público na arquitetura contemporânea.

Reflexão sobre o espírito do público na arquitetura contemporânea. XX Congresso Brasileiro de Arquitetos Fortaleza, 22 04 14 Reflexão sobre o espírito do público na arquitetura contemporânea. Arquiteto Sérgio Magalhães Muito boa noite. Minha saudação cordial a todos.

Leia mais

O TEMPO DIRÁ: CULTURA E POESIA!

O TEMPO DIRÁ: CULTURA E POESIA! REVISTA INTER-LEGERE WWW.CCHLA.UFRN.BR/INTERLEGERE O TEMPO DIRÁ: CULTURA E POESIA! TIME WILL TELL: CULTURE AND POETRY! Lenina Lopes Soares Silva 1 Esse tempo nunca passa Nem é de ontem, nem é de hoje Mora

Leia mais

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA A prova de filosofia se mostrou abrangente em relação aos conteúdos propostos. Destacamos algumas pequenas observações nas questões envolvendo o livro X da República de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico de 16 outubro de 2012) No caso específico da disciplina de PORTUGUÊS, do 3.º ano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

RACIONALIDADE E ESPIRITUALIDADE: TENSÕES

RACIONALIDADE E ESPIRITUALIDADE: TENSÕES RACIONALIDADE E ESPIRITUALIDADE: TENSÕES SOLOMON, Robert C. Espiritualidade para céticos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003. Anaxsuell Fernando da Silva 1 1 É doutorando em Ciências Sociais

Leia mais

PROJETO DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA E A IMPOSSIBILIDADE DA ONTOLOGIA ENQUANTO CIÊNCIA

PROJETO DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA E A IMPOSSIBILIDADE DA ONTOLOGIA ENQUANTO CIÊNCIA O PROJETO DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA E A IMPOSSIBILIDADE DA ONTOLOGIA ENQUANTO CIÊNCIA Regenaldo da Costa * RESUMO Conforme a Crítica da Razão Pura de Kant, o conhecimento humano é mediado pela subjetividade

Leia mais

Inglesar.com.br. asasasadsddsçlf

Inglesar.com.br. asasasadsddsçlf 1 Sumário Introdução...04 Passo 1...04 Passo 2...05 Passo 3...05 É possível Aprender Inglês Rápido?...07 O Sonho da Fórmula Mágica...07 Como Posso Aprender Inglês Rápido?...09 Porque isto Acontece?...11

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA O Programa Institucional de Iniciação Científica convida a todos para participar do Seminário de Iniciação Científica da FAJE que acontecerá no dia 06 de Agosto de 2015,

Leia mais

HORÁRIO - 2015 CURSO DE LETRAS 1 ANO - 1º SEMESTRE - PERÍODO DIURNO E NOTURNO

HORÁRIO - 2015 CURSO DE LETRAS 1 ANO - 1º SEMESTRE - PERÍODO DIURNO E NOTURNO 1 ANO - 1º SEMESTRE - PERÍODO DIURNO E NOTURNO Literatura e Cultura Brasileira LTE9788 Habilidades Básicas Integradas do Inglês: produção e recepção de textos orais e escritos *LEM8431 Língua Francesa

Leia mais

Assim como revelado ao Mensageiro de Deus, Marshall Vian Summers em 14 de abril de 2011 em Boulder, Colorado, E.U.A.

Assim como revelado ao Mensageiro de Deus, Marshall Vian Summers em 14 de abril de 2011 em Boulder, Colorado, E.U.A. A Voz da Revelação Assim como revelado ao Mensageiro de Deus, Marshall Vian Summers em 14 de abril de 2011 em Boulder, Colorado, E.U.A. Hoje nós falaremos sobre a Voz da Revelação. A Voz que você está

Leia mais

SUMÁRIO. INTRODUÇÃO...7 Um código e novas condições de utilização...8 Plano da obra... 10

SUMÁRIO. INTRODUÇÃO...7 Um código e novas condições de utilização...8 Plano da obra... 10 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...7 Um código e novas condições de utilização...8 Plano da obra... 10 CAPÍTULO 1 LER, ESCREVER, COMPREENDER E REDIGIR. COMO FAZEM OS ADULTOS?...13 I. Ler e compreender...14 1. O processamento

Leia mais

Conteúdos do 1º Bimestre Ensino Médio

Conteúdos do 1º Bimestre Ensino Médio São Paulo, 6 de abril de 2015. Conteúdos do 1º Bimestre Ensino Médio 1 a Série A Matemática - Profa. Silvia - (Setor A) Resolução de problemas com conjuntos (diagramas); propriedades da potenciação e da

Leia mais

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar Uma Estória Pois esta estória Trata de vida e morte Amor e riso E de qualquer sorte de temas Que cruzem o aval do misterioso desconhecido Qual somos nós, eu e tu Seres humanos Então tomemos acento No dorso

Leia mais

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki Page 1 of 7 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia Cultural Educador: João Nascimento Borges Filho Poética & Filosofia

Leia mais

TINHA UM POEMA NA PROVA DE INGLES DO VESTIBULAR DA UNICAMP Josalba Ramalho Vieira(UFSC) Maria Viviane Costa Pinto(UNICAMP)'

TINHA UM POEMA NA PROVA DE INGLES DO VESTIBULAR DA UNICAMP Josalba Ramalho Vieira(UFSC) Maria Viviane Costa Pinto(UNICAMP)' TINHA UM POEMA NA PROVA DE INGLES DO VESTIBULAR DA UNICAMP Josalba Ramalho Vieira(UFSC) Maria Viviane Costa Pinto(UNICAMP)' A prova de ingl@s do vestibular da Unicamp em 1993 apresentou urnpoema de Emily

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital: a criança e sua dor. Revinter: Rio de Janeiro, 1999.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital: a criança e sua dor. Revinter: Rio de Janeiro, 1999. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital: a criança e sua dor. Revinter: Rio de Janeiro, 1999. Prefácio Só as crianças têm segredos, Dos quais mais tarde já nem lembram! A dor talvez é um deles.

Leia mais

Perguntas para Testar a Compreensao de Filipenses

Perguntas para Testar a Compreensao de Filipenses . to. Perguntas para Testar a Compreensao de Filipenses 1.1-6 PI v 3: 0 que os filipenses fizeram que Paulo agradece? R: A participa

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

ença grave, provavelmente do cérebro, com poucas perspetivas de recuperação e que poderá mesmo, num breve espaço de tempo, levar à morte da paciente.

ença grave, provavelmente do cérebro, com poucas perspetivas de recuperação e que poderá mesmo, num breve espaço de tempo, levar à morte da paciente. I Minhas senhoras e meus senhores! É para mim uma experiência nova e desconcertante apresentar me como conferencista no Novo Mundo diante de um público interessado. Parto do princípio de que esta honra

Leia mais

DONS DE ELOCUÇÃO ONZE REGRAS SOBRE O DOM DE ELOCUÇÃO

DONS DE ELOCUÇÃO ONZE REGRAS SOBRE O DOM DE ELOCUÇÃO DONS DE ELOCUÇÃO Lição 5-4 de Maio de 2014 Texto Áureo: I Pedro 4.11 Se alguém falar, fale segundo as palavras de Deus; se alguém administrar, administre segundo o poder que Deus dá; para que em tudo Deus

Leia mais

Semeadores de Esperança

Semeadores de Esperança Yvonne T Semeadores de Esperança Crônicas de um Convite à Vida Volume 11 Crônicas de um Convite à Vida Livre d IVI Convidados a Viver PREFÁCIO Estou comovida por escrever este prefácio : tudo o que se

Leia mais

É necessário (re)ler Ferdinand de Saussure nos manuscritos originais. Entrevista de Laurent Wolf com Simon BOUQUET

É necessário (re)ler Ferdinand de Saussure nos manuscritos originais. Entrevista de Laurent Wolf com Simon BOUQUET É necessário (re)ler Ferdinand de Saussure nos manuscritos originais Entrevista de Laurent Wolf com Simon BOUQUET Nessa entrevista Simon Bouquet fala da importância de se retornar aos escritos originais

Leia mais