O Futuro da PAC: Principais implicações para a Agricultura Portuguesa

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Futuro da PAC: Principais implicações para a Agricultura Portuguesa"

Transcrição

1 Seminários do Departamento de Economia Agrária ria e Sociologia Rural do Instituto Superior de Agronomia sobre Agricultura, Ambiente e Território rio O Futuro da PAC: Principais implicações para a Agricultura Portuguesa Francisco Avillez (Prof. Cat. ISA/UTL) ISA, 18 de Fevereiro de 2005

2 Esquema da apresentação Aspectos subjacentes à evolução da PAC Linhas de força a do processo de reforma da PAC Principais características dos sistemas de agricultura actualmente dominantes em Portugal Diferentes oportunidades de reconversão futura dos sistemas de agricultura e respectivos riscos Representatividade actual e futura dos diferentes tipos de sistemas de agricultura em Portugal Principais orientações estratégicas de âmbito político tico- institucional Slide Nº.2

3 1. Aspectos subjacentes à evolução da PAC Funções atribuídas à agricultura pelas sociedades dos países mais desenvolvidos; Liberalização crescente dos mercados agrícolas internacionais; Importância decrescente da agricultura na economia e na sociedade Slide Nº.3

4 2. Linhas de força a do processo de reforma da PAC Principais características da PAC no final dos anos 80 Novas orientações decorrentes do processo de reforma da PAC iniciado em 1992: desmantelamento das medidas de suporte de preços e sua substituição por pagamentos aos produtores directamente ligados à produção; desligamento da produção dos pagamentos aos produtores directamente ligados à produção e respectivas regras de condicionalidade; reforço e diversificação das medidas de política de desenvolvimento rural; alteração do enquadramento político-intitucional. Slide Nº.4

5 2.1. Principais características da PAC no final dos anos 80 MSPM (1) 74% das TRT PPLP (2) 11% das TRT PPSP (3) 1% das TRT SGA (4) 10% das TRT TC (5) 4% das TRT (1) Medidas de Suporte aos Preços de Mercado (2) Pagamentos aos Produtores Ligados à Produção (3) Pagamentos aos Produtores Separados (ou desligados) da Produção (4) Serviços Gerais Agrícolas (5) Transferências (ou subsídios) para os Consumidores de produtos agrícolas Slide Nº.5

6 2.2. Evolução verificada na década d de 90 % das TRT MSPM (1) 74% 50% PPLP (2) 11% 35% PPSP (3) 1% 4% SGA (4) 10% 8% TC (5) 4% 3% (1) Medidas de Suporte aos Preços de Mercado (2) Pagamentos aos Produtores Ligados à Produção (3) Pagamentos aos Produtores Separados (ou desligados) da Produção (4) Serviços Gerais Agrícolas (5) Transferências (ou subsídios) para os Consumidores de produtos agrícolas Slide Nº.6

7 2.3. Evolução das medidas de Política Agrícola na UE e nos EUA UE-15 (%) EUA (%) MSPM (1) 74,0 85,4 50,3 84,6 28,1 58,0 17,7 PPLP (2) 11,4 34,3 29,9 9,6 27,3 PPSP (3) 0,7 4,0 2,2 19,2 SGA (4) 9,6 8,1 23,3 28,6 TC (5) 4,3 3,3 16,5 24,9 Total (%) 100,0 100,0 100,0 100,0 M ou M USD (1) Medidas de Suporte aos Preços de Mercado (2) Pagamentos aos Produtores Ligados à Produção (3) Pagamentos aos Produtores Separados (ou desligados) da Produção (4) Serviços Gerais Agrícolas (5) Transferências (ou subsídios) para os Consumidores de produtos agrícolas Slide Nº.7

8 3. Características dos Sistemas de Agricultura (SA) actualmente dominantes Tipologia dos SA de acordo com: orientação funcional; tipo de competitividade. Predominância actual dos SA subsidio-dependentes. Factores explicativos da predominância actual dos SA subsidio-dependentes: factores agro-ecológicos; factores sócio-estruturais; factores político-institucionais. Slide Nº.8

9 3.1. Tipologia dos Sistemas de Agricultura Sistemas de agricultura agro-comerciais (SAC): SAC economicamente competitivos; SAC subsidio-dependentes; SAC socialmente sustentáveis. Sistemas de agricultura agro-ambientais (SAA): SAA subsidio-dependentes; SAA socialmente sustentáveis. Sistemas de agricultura agro-rurais (SAR): SAR subsidio-dependentes; SAR socialmente sustentáveis. Slide Nº.9

10 3.2. Predominância actual dos SA subsidio-dependentes dependentes Mais de 95% da SAU é actualmente ocupada por SAC. Cerca de 67% da SAU actual é ocupada por SA subsidiodependentes: cerca de 55% da SAU é ocupada por SA predominantemente subsídio-dependentes; cerca de 12% da SAU é ocupada por SA principalmente subsidio-dependentes. Apenas 33% da SAU é actualmente ocupada por SA economicamente competitivos: cerca de 27% dessa SAU é ocupada por SA principalmente economicamente competitivos; apenas 6% dessa SAU é ocupada por SA predominantemente economicamente competitivos. Slide Nº.10

11 4. Oportunidade de reconversão futura dos SA e respectivos riscos de abandono Factores determinantes do processo de reconversão dos SA subsídio-dependentes: desmantelamento das MSPM; desligamento dos PPDLP; condicionalidades agronómicas e ambientais; reforço das políticas de desenvolvimentos rural. Oportunidades de reconversão dos SA subsidio-dependentes para: SAC economicamente competitivos ou socialmente sustentáveis SAA e SAR socialmente sustentáveis; Riscos de abandono: da produção; do território. Slide Nº.11

12 4.1. Factores determinantes do processo de reconversão dos SA A ocorrência de riscos de abandono ou de oportunidades de reconversão, resulta, no essencial, do facto de os produtores agrícolas: deixarem de levar em consideração na escolha das actividades de produção agro-comercial a praticar, o valor das ajudas desligadas da produção; terem que internalizar nos respectivos custos de produção, as regras de condicionalidade a que venham a estar sujeitos nas áreas produtivas; passarem a contar com uma actividade alternativa de tipo nãoprodutivo, remunerada pelo regime de pagamento único e sujeita a condições agronómicas e ambientais a estabelecer; estarem sujeitos a restrições no âmbito da escolha das actividades de produção alternativas; obterem direitos associados aos pagamentos únicos que podem ser transferidos e transaccionados. Slide Nº.12

13 4.2. Oportunidades de reconversão de SA subsidio- dependentes A probabilidade de ocorrência de situações de abandono ou de reconversão, vai estar dependente, no essencial, dos seguintes factores: da relação entre os preços no produtor e os custos de produção unitários das actividades de produção agro-comercial actualmente praticadas; da relação entre os preços no produtor e os custos de produção unitários das actividades de produção agro-comercial alternativas futuras; do grau de flexibilidade que venha a ser assegurado no contexto da transferência e do uso de direitos associados com o regime de pagamento único; das regras de condicionalidade que venham a ser estabelecidas; das medidas de políticas de desenvolvimento rural (medidas agroambientais, apoios ao investimento, promoção de mercados,...). Slide Nº.13

14 5. Probabilidade de ocorrência de oportunidades de reconversão, respectivos riscos e principais consequências Da conjugação destes diferentes tipos de factores podem-se considerar as três seguintes situações tipo: Sistemas de agricultura actuais e alternativos com custos unitários superiores aos respectivos preços no produtor, dos quais irão resultar: ou SAA e SAR socialmente sustentáveis; ou abandono do território; Sistemas de agricultura actuais e alternativos com custos unitários inferiores aos respectivos preços no produtor, dos quais irão resultar: ou a manutenção dos SAC economicamente competitivos actuais; ou a reconversão para novos SA economicamente mais competitivos. Sistemas de agricultura actuais com custos unitários superiores aos respectivos preços no produtor e sistemas de agricultura alternativos com custos unitários inferiores aos respectivos preços no produtor, dos quais irão resultar: ou SAC economicamente competitivos;ou SAC socialmente sustentáveis; ou SAA e SAR socialmente sustentáveis ( abandono da produção ). Slide Nº.14

15 6. Representatividade actual e futura dos sistemas de agricultura SA actuais SA futuros SAU Total (3,9 milhões de hectares) SAC economicamente competitivos (1,3 milhoes de hectares) => 33% de SAU total SAC subsidio-dependentes (2,5 milhões de hectares) => 65% de SAU total SAC economicamente competitvos e SAC socialmente sustentáveis (1 milhões de hectares) =>27% da SAU total) SAA e SAR socialmente sustentáveis (2,9 milhões de hectares) =>73% da SAU total SAA e SAR socialmente sustentáveis (0,1 milhões de hectares) => 2% da SAU total Slide Nº.15

16 6.1. Diferentes tipos de sistemas de agricultura mais representativos da situação futura da Sistemas agro-comerciais economicamente competitivos sistemas de produção de vinho, azeite, hortícolas e frutas e produtos pecuários de qualidade; Sistemas agro-comerciais socialmente sustentáveis sistemas de agricultura biológica e bioenergética; Sistemas agro-ambientais socialmente sustentáveis sistemas de ocupação e uso do solo orientados para a conservação da natureza e da biodiversidade e para o ordenamento do território. Slide Nº.16

17 7. Principais tipos de desafios a enfrentar no futuro pelos centros de decisão políticos Consolidar a competitividade futura dos actuais SA economicamente competitivos; Maximizar as oportunidades futuras de reconversão produtiva, tecnológica e estrutural dos SA subsidiodependentes actulmente dominantes; Minimizar os riscos de abandono da produção e do território. Slide Nº.17

18 8. Relações entre as políticas, as funções e a competitividade futura da agricultura em Portugal PAC 1º Pilar: PPMA 1) 2º Pilar: PDR 2) Função Agro-comercial Função Agro-ambiental Função Agro-rural SAC economicamente competitivos SAC socialmente sustentáveis SAA socialmente sustentáveis SAR socialmente sustentáveis 1) 2) As políticas de preços e mercados agrícolas (PPMA) irão integrar as medidas de suporte de preços de mercado (MSPM) e o regime de pagamento único (RPU) As políticas de desenvolvimento rural (PDR) irão integrar medidas de âmbito económico (Eixo 1), ambiental (Eixo 2), social (Eixo 3) e o LEADER (Eixo 4) do novo FEADR Slide Nº.18

19 9. Principais orientações estratégicas futuras São as seguintes as principais orientações estratégicas a adoptar em Portugal ao longo dos próximos anos: 1. Aposta na qualidade (dos produtos, dos processos produtivos, do ambiente e dos territórios) 2. Máxima flexibilidade do mercado dos direitos associados ao regime de pagamento único (total liberdade de transferências e uso de direitos, papel activo do Estado Português na compra e venda de direitos) 3. Visão equilibrada no processo de concepção, aplicação e acompanhamento das condicionalidades 4. Programa coerente de apoio à agricultura biológica 5. Plano nacional de produção de biocombustíveis líquidos 6. Medidas selectivas de apoio ao investimento agrícola, agro-industrial e florestal 7. Medidas adequadas de âmbito agro-ambiental e agro-rural 8. Reforço significativo dos apoios à promoção dos mercados e à comercialização dos produtos agrícolas portugueses a nível interno e externo 9. Reformulação e reforço das acções públicas e privadas no âmbito: da investigação e desenvolvimento agrícolas; do ensino e formação profissional agrícolas. 10. Novo enquadramento institucional ao nível da administração pública e das organizações de produtores Slide Nº.19

Cenários da evolução futura da agricultura em Portugal

Cenários da evolução futura da agricultura em Portugal Congresso Estratégias para as novas agriculturas Cenários da evolução futura da agricultura em Portugal Francisco Avillez (Professor Emérito do ISA/UTL e Coordenador Científico da AGROGES) Lisboa, 5 de

Leia mais

O Futuro da Agricultura em Portugal

O Futuro da Agricultura em Portugal O Futuro da Agricultura em Portugal É nossa convicção, que o impacto da Reforma da PAC, em curso, na agricultura e no mundo rural português irá ser bastante mais profundo do que aquele que se prevê para

Leia mais

O principal objectivo da Reforma da PAC é o de promover uma agricultura capaz de desempenhar as seguintes funções:

O principal objectivo da Reforma da PAC é o de promover uma agricultura capaz de desempenhar as seguintes funções: A Reforma da PAC de Junho de 2003 e o Futuro da Agricultura em Portugal O principal objectivo da Reforma da PAC é o de promover uma agricultura capaz de desempenhar as seguintes funções: produzir bens

Leia mais

A Agricultura Portuguesa e a Reforma da PAC

A Agricultura Portuguesa e a Reforma da PAC Seminário da CAP A Agricultura Portuguesa e a Reforma da PAC Francisco Avillez (Professor Emérito do ISA, UTL e Coordenador Científico da AGROGES) Lisboa, 10 de Março de 2009 1. Introdução Esta apresentação

Leia mais

VII Congresso Ibérico sobre Recursos Genéticos Animais

VII Congresso Ibérico sobre Recursos Genéticos Animais VII Congresso Ibérico sobre Recursos Genéticos Animais A Pecuária em Portugal no Horizonte 2020 Francisco Avillez (Professor Emérito do ISA, UTL) Évora, 13 de Setembro de 2012 Esquema da apresentação 1.

Leia mais

A Política Agrícola Comum Perspectivas para a Agricultura Portuguesa

A Política Agrícola Comum Perspectivas para a Agricultura Portuguesa A Política Agrícola Comum Perspectivas para a Agricultura Portuguesa Raul Jorge Departamento de Economia Agrária e Sociologia Rural Instituto Superior de Agronomia / UTL rjorge@isa.utl.pt 1 1. A origem:

Leia mais

Cofinanciado pela Comissão Europeia

Cofinanciado pela Comissão Europeia Cofinanciado pela Comissão Europeia A NOVA PAC Em vigor a partir de janeiro 2015 Mais direcionado e flexível que nunca Maior escolha de regimes e medidas opcionais Transferências entre pilares Alguns dos

Leia mais

A agricultura de regadio e o desenvolvimento rural

A agricultura de regadio e o desenvolvimento rural A agricultura de regadio e o desenvolvimento rural V CONGRESSO NACIONAL DO MILHO Hotel Altis Lisboa, 14-Fev-2007 José Manuel Lima Santos Departamento de Economia Agrária e Sociologia Rural Instituto Superior

Leia mais

O Futuro da Agricultura Portuguesa com a nova PAC Perspectiva da Administração

O Futuro da Agricultura Portuguesa com a nova PAC Perspectiva da Administração PAC Perspectiva da Administração Colóquio Reforma da PAC A Agricultura como sector estratégico na Economia do País Hugo Costa Ferreira GPP DSPMA 17 de Novembro de 2010 Ponte de Sor Acorpsor Associação

Leia mais

Agricultura Biológica Rumo a um novo modelo de produção. Jaime Ferreira Presidente da Agrobio

Agricultura Biológica Rumo a um novo modelo de produção. Jaime Ferreira Presidente da Agrobio Agricultura Biológica Rumo a um novo modelo de produção Jaime Ferreira Presidente da Agrobio Agricultura Biológica em Portugal 1985 - AGROBIO Associação Portuguesa de Agricultura Biológica, de âmbito nacional,

Leia mais

Desenvolvimento Local. Aula 15. Política de desenvolvimento Rural em Portugal: Principais instrumentos de financiamento para o período

Desenvolvimento Local. Aula 15. Política de desenvolvimento Rural em Portugal: Principais instrumentos de financiamento para o período Desenvolvimento Local Aula 15 Política de desenvolvimento Rural em Portugal: Principais instrumentos de financiamento para o período 2014-2020. PAC 2014-2020 Desafios e objetivos Desafios Objetivos políticos

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 FORUM REGIONAL ALENTEJO 2020 DESAFIOS E OPORTUNIDADES PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO ALENTEJO Joaquim Fialho joaquim.fialho@ccdr-a.gov.pt Vendas

Leia mais

O Impacto da nova PAC na produção de milho em Portugal

O Impacto da nova PAC na produção de milho em Portugal O Impacto da nova PAC na produção de milho em Portugal A produção de milho no âmbito da nova PAC Eng.º Eduardo Diniz Diretor do Gabinete de Planeamento e Políticas 7º Colóquio Nacional do Milho ANPROMIS

Leia mais

O PAPEL ESTRATÉGICO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA Jaime Ferreira Lisboa, 19 Abril 2013

O PAPEL ESTRATÉGICO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA Jaime Ferreira Lisboa, 19 Abril 2013 O PAPEL ESTRATÉGICO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA Jaime Ferreira Lisboa, 19 Abril 2013 1. Situação de referência A agricultura é produção de alimentos Contribuir para a preservação da biodiversidade e recursos

Leia mais

Vital Rosário Licenciado em Urbanismo Adjunto da Coordenação do PROT OVT

Vital Rosário Licenciado em Urbanismo Adjunto da Coordenação do PROT OVT http://consulta-protovt.inescporto.pt/ Vital Rosário Licenciado em Urbanismo Adjunto da Coordenação do PROT OVT PENICHE * 06 DE NOVEMBRO DE 2008 PROT: O QUE É É um instrumento de desenvolvimento territorial

Leia mais

Encontro Técnico Blueprint- Protecção dos recursos hídricos da Europa Perspectivas para Portugal Práticas agrícolas e qualidade da água

Encontro Técnico Blueprint- Protecção dos recursos hídricos da Europa Perspectivas para Portugal Práticas agrícolas e qualidade da água Blueprint Protecção dos recursos hídricos da Europa Perspectivas para Portugal IPQ 9 Abril 2014 Encontro Técnico Blueprint- Protecção dos recursos hídricos da Europa Perspectivas para Portugal Práticas

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 13.2.2015 C(2015) 850 final DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 13.2.2015 que aprova o programa de desenvolvimento rural de Portugal-Açores, para apoio pelo Fundo Europeu Agrícola

Leia mais

S.R. DA AGRICULTURA E AMBIENTE Despacho Normativo n.º 13/2016 de 29 de Fevereiro de 2016

S.R. DA AGRICULTURA E AMBIENTE Despacho Normativo n.º 13/2016 de 29 de Fevereiro de 2016 S.R. DA AGRICULTURA E AMBIENTE Despacho Normativo n.º 13/2016 de 29 de Fevereiro de 2016 Considerando o Regulamento (UE) n.º 228/2013, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 13 de março de 2013, que estabelece

Leia mais

Francisco Avillez. Leonor Freire

Francisco Avillez. Leonor Freire Documento de Trabalho Área sectorial Agro-Florestal Designação do documento Diagnóstico Estratégico/Visão Contacto da equipa Francisco Avillez Leonor Freire Data 2 1 2007 ÍNDICE 1. SUMÁRIO EXECUTIVO 3

Leia mais

Como promover um desenvolvimento sustentável da agricultura portuguesa?

Como promover um desenvolvimento sustentável da agricultura portuguesa? 3º ROTEIRO Como promover um desenvolvimento sustentável da agricultura portuguesa? - promover o crescimento sustentável do VAB agrícola nacional - gerir riscos e estabilizar rendimentos Francisco Avillez

Leia mais

A PAC pós 2013 e o sector da pecuária extensiva em Portugal Continental

A PAC pós 2013 e o sector da pecuária extensiva em Portugal Continental A PAC pós 2013 e o sector da pecuária extensiva em Portugal Continental Francisco Avillez Professor Emérito do ISA/UTL e Coordenador Científico da AGRO.GES, Sociedade de Estudos e Projectos Beja, 18 de

Leia mais

Diogo Soares da Silva Elisabete Figueiredo Isabel Rodrigo Universidade de Aveiro, Portugal

Diogo Soares da Silva Elisabete Figueiredo Isabel Rodrigo Universidade de Aveiro, Portugal Diogo Soares da Silva diogo.silva@ua.pt Elisabete Figueiredo elisa@ua.pt Isabel Rodrigo isarodrigo@isa.ulisboa.pt Universidade de Aveiro, Portugal Através da técnica de Análise de Conteúdo: Analisar, a

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação Turismo, Planeamento e Ordenamento do Território no Algarve Dr. Sérgio Palma Brito sergiopalmabrito@gmail.com Faro, 09 de Novembro 1 Estrutura da Apresentação Proposta de Metodologia O Planeamento do Território

Leia mais

A REINDUSTRIALIZAÇÃO NA EUROPA Desafios e oportunidades. Vila Nova de Cerveira- 19/4/2012

A REINDUSTRIALIZAÇÃO NA EUROPA Desafios e oportunidades. Vila Nova de Cerveira- 19/4/2012 A REINDUSTRIALIZAÇÃO NA EUROPA Desafios e oportunidades Vila Nova de Cerveira- 19/4/2012 Política de coesão para 2014-2020 Ancoragem /Enquadramento geral Estratégia Europa 2020 PNR = Programas Nacionais

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 13.2.2015 C(2015) 853 final DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 13.2.2015 que aprova o programa de desenvolvimento rural de Portugal-Madeira, para apoio pelo Fundo Europeu Agrícola

Leia mais

Convidado a apresentar nesta cerimónia o novo livro do Prof. Francisco Avilez, não hesitei em aceitar.

Convidado a apresentar nesta cerimónia o novo livro do Prof. Francisco Avilez, não hesitei em aceitar. Convidado a apresentar nesta cerimónia o novo livro do Prof. Francisco Avilez, não hesitei em aceitar. Antes de mais pelo autor, que muito prezo como amigo, mas que é hoje uma das mais autorizadas vozes

Leia mais

A REFORMA DA PAC E O APOIO À ACTIVIDADE DE RESINAGEM. Francisco Avillez (Prof. Emérito do Isa/UTL e Coordenador Científico da AGROGES)

A REFORMA DA PAC E O APOIO À ACTIVIDADE DE RESINAGEM. Francisco Avillez (Prof. Emérito do Isa/UTL e Coordenador Científico da AGROGES) A REFORMA DA PAC E O APOIO À ACTIVIDADE DE RESINAGEM Francisco Avillez (Prof. Emérito do Isa/UTL e Coordenador Científico da AGROGES) Esquema da apresentação: Objectivos da PAC pós-2013 Orientações propostas

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL ESTATUTO DA AGRICULTURA FAMILIAR PORTUGUESA. ESAC - Escola Superior Agrária de Coimbra 23 e 24 de Junho 2017

CONFERÊNCIA NACIONAL ESTATUTO DA AGRICULTURA FAMILIAR PORTUGUESA. ESAC - Escola Superior Agrária de Coimbra 23 e 24 de Junho 2017 ESTATUTO DA AGRICULTURA FAMILIAR PORTUGUESA ESAC - Escola Superior Agrária de Coimbra 23 e 24 de Junho 2017 Eng. Tito Rosa, Presidente da LPN Agricultura Familiar e Conservação: Uma Parceria que deve ser

Leia mais

PAC e Desenvolvimento Sustentável

PAC e Desenvolvimento Sustentável PAC e Desenvolvimento Sustentável SÍMPÓSIOS ANIPLA 2017 Perspetiva Económica e Social Hugo Costa- GPP Hotel Sana Metropolitan 30 março I Lisboa PAC e Desenvolvimento Sustentável 1. QUADRO ATUAL 2. AGENDA

Leia mais

A Agricultura e o Desenvolvimento Territorial Integrado Sistemas de Agricultura e Atractividade dos Territórios Rurais

A Agricultura e o Desenvolvimento Territorial Integrado Sistemas de Agricultura e Atractividade dos Territórios Rurais 11 Maio 2016, 1º Roteiro Visão 2020 Agricultura Portuguesa A Agricultura e o Desenvolvimento Territorial Integrado Sistemas de Agricultura e Atractividade dos Territórios Rurais Teresa Pinto Correia ICAAM,

Leia mais

UBERABA, 13 A 15 DE FEVEREIRO DE 2017

UBERABA, 13 A 15 DE FEVEREIRO DE 2017 DISCURSO DE S.E. NELSON COSME, EMBAIXADOR DE ANGOLA NO BRASIL NA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DA CPLP, SOBRE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E ERRADICAÇÃO DA POBREZA POR MEIO DA AGRICULTURA UBERABA, 13 A 15 DE

Leia mais

PAC Ajudas Diretas aos Agricultores e Programa de Desenvolvimento Rural. Dr. Bruno Dimas. Colóquio PAC e Fiscalidade Agrícola

PAC Ajudas Diretas aos Agricultores e Programa de Desenvolvimento Rural. Dr. Bruno Dimas. Colóquio PAC e Fiscalidade Agrícola PAC 2014-2020 Ajudas Diretas aos Agricultores e Programa de Desenvolvimento Rural Dr. Bruno Dimas Diretor Adjunto do GPP Colóquio PAC 2014-2020 e Fiscalidade Agrícola Coop. Agrícola de Barcelos Fórum S.

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural

Programa de Desenvolvimento Rural Programa de Desenvolvimento Rural PDR 2014-2020 do Continente Eduardo Diniz Diretor do Gabinete de Planeamento e Políticas Seminário O setor do tomate de indústria no novo rumo de Portugal Museu das Comunicações

Leia mais

O Desenvolvimento Rural na Região. Carlos Pedro Trindade

O Desenvolvimento Rural na Região. Carlos Pedro Trindade O Desenvolvimento Rural na Região de Lisboa e Vale do Tejo Carlos Pedro Trindade O Desenvolvimento Rural na Região de Lisboa e Vale do Tejo 1. A Agricultura da região de LVT 2. O apoio ao Sector Agrícola

Leia mais

Conversão e optimização da exploração agro-pecuária. Aula 2

Conversão e optimização da exploração agro-pecuária. Aula 2 Conversão e optimização da exploração agro-pecuária Aula 2 Aula 2 Sumário: Principais conceitos associados à elaboração de projetos. Tipos de orçamentos necessários à elaboração do cash-flow do projeto:

Leia mais

PAC pós-2013 e Pacote Leite

PAC pós-2013 e Pacote Leite PAC pós-2013 e Pacote Leite David Gouveia Director de Serviços de Produção e Mercados Agrícolas Gabinete de Planeamento e Políticas MAMAOT APROLEP/AJADP Coop. Agrícola de Vila do Conde 20 de Janeiro de

Leia mais

AGRICULTURA, AMBIENTE E TERRITÓRIO

AGRICULTURA, AMBIENTE E TERRITÓRIO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ECONOMIA AGRÁRIA E SOCIOLOGIA RURAL SEMINÁRIO AGRICULTURA, AMBIENTE E TERRITÓRIO 25 de Fevereiro O REGIME DO PAGAMENTO ÚNICO

Leia mais

AS MEDIDAS AGRO-AMBIENTAIS Conciliação da Actividade Agrícola com a Conservação da Biodiversidade

AS MEDIDAS AGRO-AMBIENTAIS Conciliação da Actividade Agrícola com a Conservação da Biodiversidade AS MEDIDAS AGRO-AMBIENTAIS Conciliação da Actividade Agrícola com a Conservação da Biodiversidade ACOS João Madeira Seminário Desafios para a sustentabilidade do meio rural Mértola, 18 de Novembro de 2010

Leia mais

Agricultura e Alterações Climáticas em Portugal

Agricultura e Alterações Climáticas em Portugal Agricultura e Alterações Climáticas em Portugal IX Congresso Nacional do Milho Hotel ALTIS, Lisboa 30-Jan-2013 José Lima Santos Instituto Superior de Agronomia Universidade Técnica de Lisboa As questões

Leia mais

Agricultura Brasileira: importância, perspectivas e desafios para os profissionais dos setores agrícolas e florestais

Agricultura Brasileira: importância, perspectivas e desafios para os profissionais dos setores agrícolas e florestais Agricultura Brasileira: importância, perspectivas e desafios para os profissionais dos setores agrícolas e florestais Claudio Aparecido Spadotto* A importância da agricultura brasileira Nesse texto o termo

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 5 ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO Ação 5.1 CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÕES DE PRODUTORES Enquadramento Regulamentar Artigo 27.º Criação

Leia mais

de da reforma da PAC: propostas legislativas

de da reforma da PAC: propostas legislativas O exame de saúde de da reforma da PAC: propostas legislativas Análise de políticas agrícolas e perspectivas DG Agricultura e Desenvolvimento Rural Comissão Europeia O contexto actual Avaliar e ajustar

Leia mais

Contribuição para a definição de um Modelo de Desenvolvimento do sector agrícola para Angola

Contribuição para a definição de um Modelo de Desenvolvimento do sector agrícola para Angola A AGRICULTURA NO ACTUAL CONTEXTO DO DESENVOLVIMENTO DE ANGOLA Contribuição para a definição de um Modelo de Desenvolvimento do sector agrícola para Angola Francisco Gomes da Silva (fgsilva@isa.utl.pt)

Leia mais

I - NATURAL II - ESTRUTURAL. Os problemas estruturais que caracterizam a agricultura nacional podem ser de ordem:

I - NATURAL II - ESTRUTURAL. Os problemas estruturais que caracterizam a agricultura nacional podem ser de ordem: Os problemas estruturais que caracterizam a agricultura nacional podem ser de ordem: I - NATURAL Relacionados com condicionalismos naturais, já que a atividade agrícola está muito dependente de fatores

Leia mais

Enquadramento da utilização da biomassa na União Europeia

Enquadramento da utilização da biomassa na União Europeia Enquadramento da utilização da biomassa na União Europeia Cristina Santos 1 Enquadramento na EU 2 Disponibilidades 3 Estratégia nacional 1 Enquadramento Directiva 2001/77/CE relativa às energia renováveis

Leia mais

FORMAÇÃO AGRICULTURA, AMBIENTE E INOVAÇÃO

FORMAÇÃO AGRICULTURA, AMBIENTE E INOVAÇÃO FORMAÇÃO AGRICULTURA, AMBIENTE E INOVAÇÃO PROJECTO RURAL VALUE Desenvolvimento sustentável de sistemas agrícolas extensivos ameaçados Programa Castro Verde Sustentável Centro de Educação Ambiental do Vale

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2007/2013

Programa Operacional Regional Alentejo 2007/2013 Cooperação Territorial Europeia 2007/2013 Que oportunidades para Lisboa e Vale do Tejo? Centro Cultural de Belém 31 de Março 2008 Programa Operacional Regional Alentejo 2007/2013 Cooperação territorial

Leia mais

Produtividade, crescimento e rendimento agrícolas em Portugal na última década. Francisco Avillez

Produtividade, crescimento e rendimento agrícolas em Portugal na última década. Francisco Avillez Produtividade, crescimento e rendimento agrícolas em Portugal na última década Francisco Avillez Maio de 2017 Produtividade, crescimento e rendimento agrícolas em Portugal na última década Francisco Avillez

Leia mais

Comunicação sobre o futuro da PAC

Comunicação sobre o futuro da PAC Comunicação sobre o futuro da PAC «A PAC no horizonte 2020: enfrentar os futuros desafios da alimentação, dos recursos naturais e do território» DG Agricultura e Desenvolvimento Rural Comissão Europeia

Leia mais

Desempregado ou Inactivo? Empreende!

Desempregado ou Inactivo? Empreende! Desempregado ou Inactivo? Empreende! Apoios à criação do próprio emprego ou empresa António Realinho Vice-Presidente da ADRACES ENQUADRAMENTO A ADRACES é a Entidade Gestora do Grupo de Acção Local - GAL

Leia mais

Quadro Comum de Acompanhamento e Avaliação - questões comuns de avaliação relação com os domínios Folha 5

Quadro Comum de Acompanhamento e Avaliação - questões comuns de avaliação relação com os domínios Folha 5 Quadro Comum de Acompanhamento e Avaliação - questões comuns de avaliação relação com os domínios Folha 5 P1 Fomentar a transferência de conhecimentos e a inovação nos setores agrícola e florestal e nas

Leia mais

Mercados e Políticas Agrícolas

Mercados e Políticas Agrícolas Mercados e Políticas Agrícolas Aula 7: Introdução às Políticas Agrárias. Objetivos das Políticas Agrárias. Tipos de Políticas Agrárias. Análise dos efeitos das políticas de suporte de preços e rendimentos,

Leia mais

As políticas agrícolas nos países mais desenvolvidos: os casos da UE e dos EUA

As políticas agrícolas nos países mais desenvolvidos: os casos da UE e dos EUA As políticas agrícolas nos países mais desenvolvidos: 1. Introdução Francisco Avillez Professor Emérito do ISA, UL e Coordenador científico da AGRO.GES As políticas agrícolas em geral e as dos países mais

Leia mais

Inovação e Sustentabilidade na produção de alimentos: - O contributo do Setor Cooperativo PORTO

Inovação e Sustentabilidade na produção de alimentos: - O contributo do Setor Cooperativo PORTO Inovação e Sustentabilidade na produção de alimentos: - O contributo do Setor Cooperativo PORTO 23 de Março de 2017 1. Desafios à Produção Alimentar 2. O contexto nacional A diversidade económica social

Leia mais

Nuno de Santos Loureiro Universidade do Algarve. Combate à Desertificação e Desenvolvimento Sustentável

Nuno de Santos Loureiro Universidade do Algarve. Combate à Desertificação e Desenvolvimento Sustentável Nuno de Santos Loureiro Universidade do Algarve Combate à Desertificação e Desenvolvimento Sustentável 1992, Junho Na Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento, realizada no Rio de

Leia mais

Traços gerais da envolvente externa da actividade agrícola portuguesa

Traços gerais da envolvente externa da actividade agrícola portuguesa Traços gerais da envolvente externa da actividade agrícola portuguesa a crescente globalização dos mercados, em geral, e do mercado dos produtos agrícolas, em particular; crescendo das preocupações com

Leia mais

Financiamento da Rede Natura 2000

Financiamento da Rede Natura 2000 Financiamento da Rede Natura 2000 Oportunidades de financiamento da Rede Natura 2000 pelos Fundos da UE entre 2014 e 2020 Eng.º Eduardo Diniz Diretor do Gabinete de Planeamento e Polí@cas Workshop Salão

Leia mais

Relatório de Execução do Programa de Desenvolvimento. Rural da Região Autónoma da Madeira (PRODERAM)

Relatório de Execução do Programa de Desenvolvimento. Rural da Região Autónoma da Madeira (PRODERAM) Relatório de Execução do Programa de Desenvolvimento Rural da Região Autónoma da Madeira (PRODERAM) Artigo 82º do Regulamento (CE) n.º 1698/2005 Aprovado a 30 de Junho de 2008 (alterado em 11 de Novembro

Leia mais

Diagnóstico Sectorial

Diagnóstico Sectorial Área sectorial Agricultura e Florestas Designação do documento Contacto da equipa Diagnóstico Sectorial Francisco Avilllez Data 12 05 2009 Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS 1.8.2014 L 230/1 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 834/2014 DA COMISSÃO de 22 de julho de 2014 que estabelece regras para a aplicação do quadro comum de acompanhamento

Leia mais

APOIOS À INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA

APOIOS À INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA APOIOS À INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Piedade Valente Vogal da Comissão Diretiva do COMPETE Viana do Castelo, 11

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA. PLANO NACIONAL DIRECTOR DE IRRIGAÇÃO 1 Lisboa, Outubro de 2011

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA. PLANO NACIONAL DIRECTOR DE IRRIGAÇÃO 1 Lisboa, Outubro de 2011 REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PLANO NACIONAL DIRECTOR DE IRRIGAÇÃO 1 Lisboa, Outubro de 2011 OBJECTIVOS - Contribuir para o desenvolvimento económico e social de Angola - Garantir a sustentabilidade

Leia mais

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Alimentar e Nutricional Maputo, 25 de Abril de 2013 Constituição

Leia mais

Processos de candidatura e metodologia de avaliação de projetos

Processos de candidatura e metodologia de avaliação de projetos Processos de candidatura e metodologia de avaliação de projetos Fórum empresarial - Portugal 2020 Beja, 22 de março de 2016 ENQUADRAMENTOS Março de 2016 AJUDAS AO INVESTIMENTO 2 ENQUADRAMENTOS PDR 2020

Leia mais

Avaliação das. externalidades. do regadio em. Portugal. Sumário executivo

Avaliação das. externalidades. do regadio em. Portugal. Sumário executivo Avaliação das externalidades do regadio em Portugal Sumário executivo Março 2013 Dada a reconhecida importância do sistema de produção agrícola em regadio no desenvolvimento social e económico das regiões

Leia mais

Existência de equipas de Sapadores Florestais. Existência de investigação das causas de incêndios.

Existência de equipas de Sapadores Florestais. Existência de investigação das causas de incêndios. CADERNO FICHA 8. PREVENÇÃO 8.4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não podendo, por isso, ser interpretado

Leia mais

Ajudas ao Montado no PDR Portugal

Ajudas ao Montado no PDR Portugal Ajudas ao Montado no PDR Portugal II Congresso Ibérico de la Dehesay el Montado Susana Barradas Badajoz -24 abril 2015 Direção de Serviços de Programação e Políticas GPP 1. Enquadramento 2. O PDR2020 3.

Leia mais

Reunião do Comité de Acompanhamento do PRODERAM. Junho de 2012

Reunião do Comité de Acompanhamento do PRODERAM. Junho de 2012 Apresentação das conclusões principais do relatório de avaliação contínua de 2011 Reunião do Comité de Acompanhamento do PRODERAM Junho de 2012 Estrutura da Apresentação Síntese da implementação do programa

Leia mais

Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores IX Legislatura Horta, 30 de Março a 4 de Abril de 2009 Deputado: Duarte Moreira

Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores IX Legislatura Horta, 30 de Março a 4 de Abril de 2009 Deputado: Duarte Moreira INTERVENÇÃO DE TRIBUNA ORIENTAÇÕES MÉDIO PRAZO 2009-2011 PLANO E ORÇAMENTO 2009 Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores IX Legislatura Horta, 30 de Março a 4 de Abril de 2009 Deputado: Duarte

Leia mais

O Papel dos Fundos Estruturais na promoção da competitividade

O Papel dos Fundos Estruturais na promoção da competitividade O Papel dos Fundos Estruturais na promoção da competitividade "A caminho da EUROPA 2020" Conferência Crescer & Competir Porto, 6 dezembro 2013 Virgílio Martins Unidade G3 Portugal Direção-Geral Política

Leia mais

Política Agrícola Comum

Política Agrícola Comum Workshop Conservação e restauro de habitats prioritários de montanha e biodiversidade associada Política Agrícola Comum 2014-2020 Pagamento Greening Medidas Agroambientais nos Prados e Pastagens Eng.º

Leia mais

S.R. DA AGRICULTURA E FLORESTAS Despacho Normativo n.º 11/2012 de 3 de Fevereiro de 2012

S.R. DA AGRICULTURA E FLORESTAS Despacho Normativo n.º 11/2012 de 3 de Fevereiro de 2012 S.R. DA AGRICULTURA E FLORESTAS Despacho Normativo n.º 11/2012 de 3 de Fevereiro de 2012 Considerando o Regulamento (CE) n.º 247/2006, do Conselho, de 30 de janeiro, que estabelece medidas específicas

Leia mais

Exmo. Ministro da Agricultura, Exma. Diretora da DRAPC, Exmo. Senhor Presidente da ESAC, Exmo. Responsáveis da CNA, Exmo. Convidados e Exmos Colegas

Exmo. Ministro da Agricultura, Exma. Diretora da DRAPC, Exmo. Senhor Presidente da ESAC, Exmo. Responsáveis da CNA, Exmo. Convidados e Exmos Colegas Exmo. Ministro da Agricultura, Exma. Diretora da DRAPC, Exmo. Senhor Presidente da ESAC, Exmo. Responsáveis da CNA, Exmo. Convidados e Exmos Colegas É uma honra e uma satisfação, participar no Trigésimo

Leia mais

1. Explicite os três princípios básicos em que assentam os objetivos da PAC.

1. Explicite os três princípios básicos em que assentam os objetivos da PAC. Agrupamento de Escolas de Esmoriz/ Ovar Norte Escola Secundária Esmoriz Proposta de correção - Ficha avaliação escrita Geografia 11º ano 1. Explicite os três princípios básicos em que assentam os objetivos

Leia mais

Estrutura Etária dos Produtores Total <35 Anos 35 <45 Anos 45 <65 Anos >65 Anos 62% 54% 36% 7% 28%

Estrutura Etária dos Produtores Total <35 Anos 35 <45 Anos 45 <65 Anos >65 Anos 62% 54% 36% 7% 28% Corre Portugal o risco de Desertificação? A desertificação pode ser entendida como a perda da capacidade produtiva dos ecossistemas de uma região, ou no seu sentido mais lato, como o despovoamento uma

Leia mais

Implementação dos princípios gerais da proteção integrada

Implementação dos princípios gerais da proteção integrada Implementação dos princípios gerais da proteção integrada Miriam Cavaco Divisão de Gestão e Autorização de Produtos Fitofarmacêuticos Direção de Serviços de Meios de Defesa Sanitária Seminário do Uso Sustentável,

Leia mais

Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013

Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013 Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013 Francisco Avillez (Professor Emérito do ISA, UTL e coordenado científico da AGR.GES) 16 de Abril de 2013 1. Evolução do pinheiro bravo

Leia mais

Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 4/2015, de 7 de janeiro (CPA)

Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 4/2015, de 7 de janeiro (CPA) 1. OBJECTO A presente norma tem por objeto a definição dos procedimentos a adotar para a atribuição das prioridades de acordo com as regras da União Europeia no desenvolvimento rural e respetivos códigos

Leia mais

Valorizar os Produtos Locais - Importância dos circuitos curtos

Valorizar os Produtos Locais - Importância dos circuitos curtos Valorizar os Produtos Locais - Importância dos circuitos curtos Seminário Pequenos Investimentos Produzir e vender com Qualidade e Segurança Luís Chaves 01 de setembro de 2016 Rio Maior 1. A Federação

Leia mais

Comum. NIPC Correio Electrónico Telefone Telefax

Comum. NIPC Correio Electrónico  Telefone Telefax Pág 1 Ficha de Trabalho Título: Comum A agricultura Portuguesa e a Política Agrícola Data: 27 de Agosto de 2010 Data Limite: 27 de Agosto de 2010 UC/UFCD: STC Núcleo Gerador 6 Formador[a]: Maria João Canudo

Leia mais

BASE JURÍDICA MISSÃO E PRIORIDADES

BASE JURÍDICA MISSÃO E PRIORIDADES SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL A última reforma da política agrícola comum (PAC) manteve a estrutura em dois pilares desta política, continuando o desenvolvimento rural a representar

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO E PAPEL DAS PASTAGENS E FORRAGENS NA PAC PÓS-2013

CONTRIBUIÇÃO E PAPEL DAS PASTAGENS E FORRAGENS NA PAC PÓS-2013 Pastagens e Forragens, vol. 32/33, 2013, p. 135-141 CONTRIBUIÇÃO E PAPEL DAS PASTAGENS E FORRAGENS NA PAC PÓS-2013 Carlos A. F. Marques Universidade de Évora, Escola de Ciências Sociais, Departamento de

Leia mais

TESTE DE GEOGRAFIA A (2º ANO) Nº1/VERSÃO 01

TESTE DE GEOGRAFIA A (2º ANO) Nº1/VERSÃO 01 ESCOLA SECUNDÁRIA D. JOÃO II - SETÚBAL TESTE DE GEOGRAFIA A (2º ANO) Nº1/VERSÃO Nome: Aluno nº: Ano: Turma: Data: / / É obrigatório indicar a versão do teste na folha de respostas. No grupo I em cada um

Leia mais

A PAC pós-2013 - Áreas potencialmente elegíveis e suas implicações nas decisões nacionais

A PAC pós-2013 - Áreas potencialmente elegíveis e suas implicações nas decisões nacionais A PAC pós-2013 - Áreas potencialmente elegíveis e suas implicações nas decisões nacionais Francisco Avillez (Professor Emérito do ISA, UTL e Coordenador Científico da AGRO.GES) CAP, 29 de Novembro de 2012

Leia mais

O Futuro da PAC. Pagamentos Diretos. Eduardo Diniz 31ª OVIBEJA. Diretor do GPP. Beja / Auditório NERBE / ACOS. 2 de maio de 2014

O Futuro da PAC. Pagamentos Diretos. Eduardo Diniz 31ª OVIBEJA. Diretor do GPP. Beja / Auditório NERBE / ACOS. 2 de maio de 2014 O Futuro da PAC Pagamentos Diretos Eduardo Diniz Diretor do GPP 31ª OVIBEJA Beja / Auditório NERBE / ACOS 2 de maio de 2014 1 Nova Arquitetura 2 Decisões nacionais 3 Impactos 4 Notas finais 2 1 Nova Arquitetura

Leia mais

Estratégia para o Crescimento e Inovação Região de Aveiro

Estratégia para o Crescimento e Inovação Região de Aveiro Congresso da 15 de março de 2013 PRIORIDADES Eficiência energética e fontes de energia renovável Eficiente utilização de recursos Inovação e competitividade das PME 2014-2020 Combate à pobreza e à exclusão

Leia mais

A Política Agrícola Comum pós 2013

A Política Agrícola Comum pós 2013 PAC pós 2013 A Política Agrícola Comum pós 2013 Possíveis Cenários em Portugal Bruno Dimas Diretor Adjunto do GPP AGRO 2012 Auditório do Parque de Exposições de Braga 23 Março 2012 1 PAC pós 2013 I. Ponto

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL. Documento(s) Orientador(es): Programa de Geografia A

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL. Documento(s) Orientador(es): Programa de Geografia A AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Geografia A ENSINO SECUNDÁRIO GEOGRAFIA 11ºANO TEMAS/DOMÍNIOS CONTEÚDOS OBJETIVOS

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º637/X APROVA O ESTATUTO DO PROFISSIONAL DE ENOLOGIA. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º637/X APROVA O ESTATUTO DO PROFISSIONAL DE ENOLOGIA. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º637/X APROVA O ESTATUTO DO PROFISSIONAL DE ENOLOGIA Exposição de motivos Ao longo da história, o sector vitivinícola tem tido um papel de relevo no nosso país enquanto actividade produtora

Leia mais

A PAC, os mercados locais e a importância das agriculturas familiares na sustentabilidade dos territórios

A PAC, os mercados locais e a importância das agriculturas familiares na sustentabilidade dos territórios A PAC, os mercados locais e a importância das agriculturas familiares na sustentabilidade dos territórios Ricardo Vicente 8 de Novembro, 2014 II Fórum do Interior Vila Real A agricultura europeia é essencialmente

Leia mais

Decreto Presidencial n.º 216/11, de 8 de Agosto

Decreto Presidencial n.º 216/11, de 8 de Agosto Decreto Presidencial n.º 216/11, de 8 de Agosto Página 1 de 10 Considerando que o acesso à terra é fundamental para o processo de reconstrução, construção e desenvolvimento económico e social do País e

Leia mais

NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE

NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE Luanda 3 de Fevereiro de 2014 2 Novos Hábitos Sustentáveis Quem deve PARTICIPAR? Adquirir Competências. Partilhar Experiências. Decisores, Directores

Leia mais

Regadio, Paisagem Rural e Ordenamento do Território. Os Novos Oásis?...

Regadio, Paisagem Rural e Ordenamento do Território. Os Novos Oásis?... V Congresso Nacional do Milho Os Novos Oásis?... Maria da Graça Amaral Neto Saraiva Profª Associada da UTL MAOTDR gsaraiva@sapo.pt Culturas de Regadio Oportunidades desenvolvimento rural fixação das populações

Leia mais

Plano de Estudos do 2º Ciclo (Mestrado) em Engenharia Agronómica

Plano de Estudos do 2º Ciclo (Mestrado) em Engenharia Agronómica Plano de Estudos do 2º Ciclo (Mestrado) em Engenharia Agronómica O plano de estudos do Mestrado em Engenharia Agronómica contempla sete áreas de especialização: Agro-Pecuária Biotecnologia e Melhoramento

Leia mais

Política de Desenvolvimento de Energias Novas e Renováveis em Moçambique- Biomassa

Política de Desenvolvimento de Energias Novas e Renováveis em Moçambique- Biomassa MINISTÉRIO DA ENERGIA Política de Desenvolvimento de Energias Novas e Renováveis em Moçambique- Biomassa Marcelina Mataveia Direcção Nacional de Energias Novas e Renováveis Maputo - Moçambique 7 de Fevereiro

Leia mais

Seminário Apoios Comunitários para o Ambiente e Energia

Seminário Apoios Comunitários para o Ambiente e Energia Seminário Apoios Comunitários para o Ambiente e Energia 4 de fevereiro de 2015 Enquadramento: Os Fundos Europeus Estruturais e de Investimento (FEEI) para o período de 2014-2020 serão determinantes no

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural 2014 2020 Seminário A PAC rumo a 2020: fazer face aos desafios da sustentabilidade João Marques DSPP 19 de Abril de 2013 1 1 Programação do Desenvolvimento Rural 2014-2020

Leia mais

Parcelário (isip)

Parcelário (isip) Parcelário (isip) 14.12.2016 1. O que é o Parcelário 2. Principais Fontes de Atualização 3. Interação com outras Entidades 4. Projetos em curso 2 1. O que é o Parcelário 1.O que é o Parcelário Enquadramento

Leia mais

PDR DLBC RURAL. A abordagem LEADER em Abrantes, Constância e Sardoal. Setembro 2016

PDR DLBC RURAL. A abordagem LEADER em Abrantes, Constância e Sardoal. Setembro 2016 PDR2020 - DLBC RURAL A abordagem LEADER em Abrantes, Constância e Sardoal Setembro 2016 DLBC Rural Programa para a utilização dos Fundos Europeus Estruturais e de Investimento do Portugal 2020 constituídos

Leia mais