Doutor/Mestre, docente do Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas da UEPG;

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Doutor/Mestre, docente do Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas da UEPG;"

Transcrição

1 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PERFIL LIPÍDICO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM UMA INSTITUIÇÃO ASSISTENCIAL NA CIDADE DE PONTA GROSSA, PARANÁ. 1 OTT, Flávia Monastirsky 2 CARVALHO, Amabile 3 BORBA, Luciana Maria 4 MACIEL, Margarete Aparecida Salina Autor 5 : Carmem Antonia Sanches Ito RESUMO As doenças cardiovasculares estão entre os mais sérios problemas de saúde pública e relacionam-se diretamente com as dislipidemias, um dos fatores de risco para o desenvolvimento de lesões ateroscleróticas. A elevação sérica dos triglicerídeos ou do colesterol, ou de ambos, ocasiona um complexo processo patológico de formação de lesões fibrosas comprometendo o fluxo sanguíneo. As evidências indicam que a aterosclerose está associada à instalação precoce das lesões, que pode começar nos primeiros anos de vida e relacionada ao estilo de vida. A consequência clínica desta grave alteração fisiológica manifesta-se na vida adulta e responde por elevadas taxas de morbimortalidade. Alguns autores publicaram estudos sobre o perfil lipídico em escolares para estabelecer intervalos de referência (SEKI e col., 2003), ou para descrever o perfil lipídico em escolares em algumas cidades brasileiras (GRILLO e col., 2005; PEREIRA e col, 2010; MOURA e col., 2000; ROVER e col., 2010). Em 2005, a I Diretriz de Prevenção da Aterosclerose na Infância e na Adolescência, estabeleceu valores de referência para lipídeos para a faixa etária de 2 a 19 anos. O objetivo do presente estudo foi avaliar o perfil lipídico de 211 crianças e adolescentes do sexo masculino com idade entre 6 e 19 anos, escolares em uma instituição educacional na cidade de Ponta Grossa, Paraná. No período compreendido entre os anos de foram analisados Colesterol total (CT), HDL-colesterol (HDL-c), LDL-colesterol (LDL-c) e Triglicerídeos (TG) em soro de sangue venoso, coletado de veia umeral, após horas de jejum. As análises foram realizadas no equipamento Selectra II, com reagentes DiaSys, por método enzimático-colorimétrico (CT e TG) e imuno-químico (HDL-c e LDLc), e os soros Trucal U para calibração e Trulab N e Trulab P para o controle interno de qualidade. Embora os resultados encontrados tenham demonstrado similaridade aos reportados na literatura, de acordo com os valores de referência da I Diretriz, observou-se alteração em CT e HDL-c, respectivamente para as faixas etárias de 6-10 e anos em 19 (25%) e 21 (15%) e em 22 (29%) e 32 (24%) indivíduos; para TG, apenas na faixa etária de anos, houve alteração em 6 (4%) dos indivíduos. 1 Graduanda, acadêmica do curso de Biologia da UEPG; 2 Graduanda, acadêmica do curso de Farmácia da UEPG; 3 Doutora, docente do Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas da UEPG; 4 Doutora, docente do Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas da UEPG; 5 Doutor/Mestre, docente do Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas da UEPG;

2 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 2 PALAVRAS CHAVE lipídeos, infância e adolescência, prevenção da aterosclerose. Introdução As doenças cardiovasculares estão entre as maiores causas de morbidade e mortalidade entre adultos e apresentam tendência de acometer pessoas cada vez mais jovens. A urbanização que ocorreu no século XX no Brasil e no mundo trouxe à nossa sociedade o sedentarismo, alterações nos hábitos alimentares com maior consumo de gorduras, ácidos graxos e de açúcares e redução de alimentos com fibras, causando uma diminuição dos casos de desnutrição e um aumento da prevalência de obesidade e sobrepeso (I Diretriz, 2005). Esses fatores, somados aos hereditários e a idade avançada, são considerados fatores de risco para o desenvolvimento das doenças cardiovasculares, em especial a aterosclerose, uma grave disfunção endotelial, com processo inflamatório e obstrução progressiva da luz arterial por placas de ateroma e trombos. Estudos feitos com crianças encontraram estrias gordurosas, placas fibrosas, células espumosas e infiltrações lipídicas em células musculares lisas nas artérias coronárias de crianças e adolescentes. Crianças e adolescentes com valores lipídicos altos se tornam suscetíveis a doenças coronarianas no futuro, tanto que seus valores coincidem com a prevalência de doenças cardiovasculares nos adultos de sua região. As funções lipídicas tendem a seguir o movimento de tracking a maioria das crianças e adolescentes se mantém os mesmos em valores lipídicos até a vida adulta. (ROVER e col., 2010) No entanto, embora não haja consenso sobre em que fase da vida deva ser iniciada a prevenção, e de que forma deve ser feita, sabe-se que é possível diminuir a incidência das complicações da aterosclerose e é aceito o conceito de que a atenção deve ser iniciada na infância. O perfil lipídico de escolares tem sido avaliado e, relatos recentes vem sendo apresentados na literatura. SEKI e col., (2003a; 2003b) determinaram intervalos de referência na faixa de idade de 2 a 19 anos. MOURA e col., (2000) descreveram o perfil lipídico e CORONELLI e col. (2003) e PEREIRA e col. (2007) estudaram dislipidemias. ROVER e col., (2010), GRILLO e col. (2005), respectivamente, associaram os resultados com fatores de risco e crianças de famílias de baixa renda. Muitos destes estudos demonstraram níveis alterados no perfil lipídico da população infantojuvenil, e a ocorrência de dislipidemias. Em 2005, a Sociedade Brasileira de Cardiologia publicou a I Diretriz de Prevenção da Aterosclerose na Infância e na Adolescência, um instrumento para estabelecer e orientar estratégias individuais e populacionais para o controle dos fatores de risco para aterosclerose, além de propor valores de referência especificamente para crianças e adolescentes. GROSSO e col. (2010) apresentam um levantamento acerca do desconhecimento pelos pediatras na cidade de São Paulo da I Diretriz, fato preocupante por ser este profissional o que acompanha o indivíduo desde o nascimento, e que pode exercer um papel importante na promoção da saúde. O Laboratório Universitário de Análises Clínicas (LUAC) da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) (Figura 1) desenvolve um projeto extensionista em uma instituição assistencial da cidade, realizando exames laboratoriais nas crianças e adolescentes, e integrando ensino, pesquisa e extensão. Para o presente estudo, foram avaliados os resultados das análises de colesterol total e frações e triglicerídeos, determinando o perfil lipídico e verificando as alterações de acordo com os valores de referência da I Diretriz.

3 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 3 Figura 1 Laboratório Universitário de Análises Clínicas da Universidade Estadual de Ponta Grossa, campus de Uvaranas. Objetivos Avaliar o perfil lipídico das crianças e adolescentes de uma instituição assistencial, na cidade de Ponta Grossa, pelos exames laboratoriais realizados pelo LUAC/UEPG. Metodologia No período entre abril de 2007 e dezembro de 2010, foram coletadas amostras de sangue venoso, apos jejum de horas, de 211 crianças e adolescentes do sexo masculino, na rotina do LUAC (Figura 2). As amostras biológicas de sangue foram separadas por centrifugação e os soros transferidos para tubo de ensaio e analisados no mesmo dia. Foram determinados Colesterol total e Triglicerídeos por método enzimático-colorimétrico e HDL-colesterol e LDL-colesterol por método imuno-químico, nos analisadores Selectra II e Selectra Junior, com reagentes DiaSys, e soros TRUCAL U e TRULAB N e P para, respectivamente, calibração e controles internos. O LUAC participa desde 2001 do Programa Nacional de Controle da Qualidade da Sociedade Brasileira de Análises Clínicas, no qual tem obtido permanentemente excelência em desempenho e resultados Os laudos laboratoriais das análises são rotineiramente encaminhados ao médico que atende as crianças e adolescentes, em conformidade com o projeto que o LUAC realiza junto a instituição. Os resultados foram organizados em planilhas, pelas faixas de idade de 6 a 10 (n=77) e 11 a 19 (134) anos, e analisados em relação ao percentual de alteração. Embora I Diretriz de Prevenção da Aterosclerose na Infância e na Adolescência (2005) apresente os valores propostos para os lípides séricos na infância e na adolescência para a faixa de 2 a 19 anos (Tabela 2), alguns autores (SEKI e col., 2003) estudaram os intervalos de referência separadamente para crianças e para adolescentes brasileiros, motivo pelo qual decidiu-se dividir os dados das análises nas faixas etárias de 6 a 10 anos e de 11 a 19 anos.

4 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 4 Figura 2 Coleta de sangue no Laboratório Universitário de Análises Clínicas da UEPG. Resultados Os resultados encontrados nas faixas de idade estudadas estão apresentados abaixo na Tabela 1. Tabela 1 - Valores de Colesterol, HDL-colesterol, LDL-colesterol e Triglicerídeos (mg/dl) por faixa etária (anos). Faixa etária (anos) Lipídeo 6 a 10 (n=77) 11 a 19 (n=134) n % n % Colesterol (mg/dl) < % 82 62% % 31 23% % 21 15% HDL-colesterol (mg/dl) < % 32 24% % % LDL-colesterol (mg/dl) < % % % 17 13% % 6 4% Triglicerídeos (mg/dl) < % % % 11 8% % 0 0%

5 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 5 Na Tabela 2 a seguir, apresenta-se os valores para os lípides séricos propostos pela I Diretriz de Prevenção da Aterosclerose na Infância e na Adolescência (2005). Tabela 2 Valores de referência lipídica para a faixa etária de 2 a 19 anos. Lipídeo Desejável Limítrofe Aumentado (mg/dl) (mg/dl) (mg/dl) Colesterol < HDL-colesterol LDL-colesterol < Triglicerídeos < Fonte: I Diretriz de Prevenção da Aterosclerose na Infância e na Adolescência (2005) De acordo com a I Diretriz, e considerando como ponto de corte os valores limítrofes, observa-se que há semelhança nas alterações verificadas nas duas faixas de idade consideradas. Os resultados para Colesterol total apresentaram-se elevados em 25% (n=19; 6-10 anos) e 15% (n=21; anos); e para HDL-colesterol, diminuídos em 295 (n=22, 6-10 anos) e 24% (n=32; anos). Para LDL-colesterol observa-se uma alteração em 4% (n=6) apenas na faixa de anos. Para Triglicerídeos, em ambos os grupos, não foram verificados valores discordantes dos propostos pela I Diretriz. Com relação aos níveis elevados de Colesterol, MOURA e col. (2000) encontraram 35% em estudo realizado com 1600 escolares (7-14 anos) de primeiro grau, SEKI e col. (2003) 13,1 % em 624 escolares (2-19 anos), e GRILLO e col. (2005) 3,1 % em 257 escolares (3-14 anos) de baixa renda. No entanto, se analisados os resultados do presente estudo considerando-se um só grupo de idade, verifica-se 18,4% de hipercolesterolemia, semelhante ao relatado por SEKI e col. (2003). A I Diretriz orienta para a determinação do Colesterol total em crianças a partir de 10 anos, esse verificado resultado > 170 mg/dl, a análise completa dos lipídeos, com indicações de conduta médica e familiar. Conclusões Os resultados mostram que ocorrem alterações no perfil lipídico na infância e adolescência, e por ser fator de risco para aterosclerose, deve haver investigação, conforme a meta da I Diretriz de Prevenção da Aterosclerose na Infância e Adolescência. A intervenção precoce possibilita o controle dos fatores de risco e a prevenção de transtornos metabólicos e cardiovasculares que tem inicio na infância. Referências 1. I Diretriz de Prevenção da Aterosclerose na infância e adolescência. Departamento de Aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arquivos Brasileiros de Cardiologia - Vol.85, Supl. VI, Dezembro CORONELLI, C.L.S.; MOURA, E.C. Hipercolesterolemia em escolares e seus fatores de risco. Revista Saúde Pública, São Paulo, vol. 37(1): 24-31, GRILLO, L.P. e col. Perfil Lipídico e obesidade em escolares de baixa renda. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, vol.8(1):75-81, GROSSO, A.F.; SANTOS, R.D. Desconhecimento da diretriz de prevenção da aterosclerose na infância e na adolescência por pediatras em São Paulo. Revista da Associação Médica Brasileira, São Paulo, vol. 56(2): , MOURA,E.C. e col. Perfil Lipídico em escolares de Campinas, SP, Brasil. Revista Saúde Pública, São Paulo, v.34(5): , PEREIRA, P.B. e col. Perfil Lipídico em Escolares de Recife -PE. Departamento de Aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arquivos Brasileiros de Cardiologia - vol. 95(5): , 2007.

6 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 6 7. ROVER, M.R.M. Perfil Lipídico e sua relação com fatores de risco para a aterosclerose em crianças e adolescentes. Revista Brasileira de Análises Clínicas, São Paulo, vol.42(3): , SEKI,M. e col. Determinação dos intervalos de referência para lipídeos e lipoproteínas em escolares de 10 a 19 anos de idade de Maracaí (SP). Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial. Rio de Janeiro, vol. 39, n.4: , 2003a. 9. SEKI,M. e col. Perfil Lipídico: intervalos de referência em escolares de 2 a 9 anos em idade escolar da cidade de Maracaí (SP). Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial. Rio de Janeiro, vol. 39, n.2: , 2003b.

ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP

ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP PALAVRAS-CHAVE Lipídios, Dislipidemias, Lipidograma CONEXÃO ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP Alyne Maia Silva 1 Jéssica Fontoura Junqueira 1 Tatiane Kelly Correa

Leia mais

DIABETES: IMPORTANTE FATOR DE RISCO CARDIOVASCULAR

DIABETES: IMPORTANTE FATOR DE RISCO CARDIOVASCULAR 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE DIABETES: IMPORTANTE FATOR DE RISCO CARDIOVASCULAR Apresentador 1 FERREIRA, Marina Abud Apresentador 2 SALINA MACIEL, Margarete Aparecida

Leia mais

ANÁLISE GERAL DO ESTADO DE SAÚDE DE RESIDENTES DO INSTITUTO JOÃO XXIII 1 ANÁLISE GERAL DO ESTADO DE SAÚDE DE ALUNOS E FUNCIONÁRIOS DO

ANÁLISE GERAL DO ESTADO DE SAÚDE DE RESIDENTES DO INSTITUTO JOÃO XXIII 1 ANÁLISE GERAL DO ESTADO DE SAÚDE DE ALUNOS E FUNCIONÁRIOS DO ANÁLISE GERAL DO ESTADO DE SAÚDE DE RESIDENTES DO INSTITUTO JOÃO XXIII 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE ANÁLISE GERAL DO ESTADO DE SAÚDE DE ALUNOS E FUNCIONÁRIOS DO INSTITUDO JOÃO XXIII Apresentador 1 Flávia Monastirsky

Leia mais

Cardiologia. Prof. Claudia Witzel

Cardiologia. Prof. Claudia Witzel Cardiologia Introdução Disfunções circulatórias levam as pessoas a adoecerem. Origem congênita ( já nasce com a doença, como a deficiência na formação de válvulas cardíacas) Origem infecciosa ( bactérias

Leia mais

41 ANOS DE EXISTÊNCIA. 942 Médicos Cooperados 71 mil clientes. 1ª Sede Praça Carlos de Campos

41 ANOS DE EXISTÊNCIA. 942 Médicos Cooperados 71 mil clientes. 1ª Sede Praça Carlos de Campos 41 ANOS DE EXISTÊNCIA 942 Médicos Cooperados 71 mil clientes 1ª Sede Praça Carlos de Campos UNIDADES DE NEGÓCIOS PROGRAMA DR. SAUDÁVEL EQUIPE MEDICINA PREVENTIVA 04 Cooperados Coordenador Médico Supervisor

Leia mais

EXAMES LABORATORIAIS PROF. DR. CARLOS CEZAR I. S. OVALLE

EXAMES LABORATORIAIS PROF. DR. CARLOS CEZAR I. S. OVALLE EXAMES LABORATORIAIS PROF. DR. CARLOS CEZAR I. S. OVALLE EXAMES LABORATORIAIS Coerências das solicitações; Associar a fisiopatologia; Correlacionar os diversos tipos de exames; A clínica é a observação

Leia mais

TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR

TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FARMÁCIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O NÚMERO DE MONÓCITOS E OS VALORES DE COLESTEROL-HDL

RELAÇÃO ENTRE O NÚMERO DE MONÓCITOS E OS VALORES DE COLESTEROL-HDL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RELAÇÃO ENTRE O NÚMERO DE MONÓCITOS E OS VALORES DE COLESTEROL-HDL Amanda Bianchi Trombini 1 ; Caroline Fama Saito 1 ; Edivan Rodrigo de Paula Ramos 2

Leia mais

A Matemática e os Fatores de Risco para Doença Cardiovascular nos Professores da Rede Pública de Major Gercino e Botuverá Categoria: Comunidade

A Matemática e os Fatores de Risco para Doença Cardiovascular nos Professores da Rede Pública de Major Gercino e Botuverá Categoria: Comunidade Página 16 A Matemática e os Fatores de Risco para Doença Cardiovascular nos Professores da Rede Pública de Major Gercino e Botuverá Categoria: Comunidade Nilton Rosini 1 Solange Aparecida Zancanaro Opermann

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO COM ALTERNATIVA PARA O TRATAMENTO DE DISLIPIDÊMICOS

EXERCÍCIO FÍSICO COM ALTERNATIVA PARA O TRATAMENTO DE DISLIPIDÊMICOS EXERCÍCIO FÍSICO COM ALTERNATIVA PARA O TRATAMENTO DE DISLIPIDÊMICOS CINTIA AREND POZZATTI MILESI 1 ANA VALQUIRIA DA FONTOURA CORNEL 2 ROSELIANE NAZARÉ AMARAL DOS SANTOS 3 CATI RECKERBERG AZAMBUJA 4 RESUMO

Leia mais

Interdisciplinar: Revista Eletrônica da UNIVAR ISSN X Ano de publicação: 2014 N.:11 Vol.:1 Págs.

Interdisciplinar: Revista Eletrônica da UNIVAR  ISSN X Ano de publicação: 2014 N.:11 Vol.:1 Págs. Interdisciplinar: Revista Eletrônica da UNIVAR http://revista.univar.edu.br ISSN 1984-431X Ano de publicação: 2014 N.:11 Vol.:1 Págs.:56-60 PERFIL LIPÍDICO DE UMA EQUIPE DE ATLETISMO DO MUNICÍPIO DE BARRA

Leia mais

doi:

doi: doi: http://dx.doi.org/10.5892/ruvrv.2011.93.0307 COMPARAÇÃO DO PERFIL LIPÍDICO EM ADOLESCENTES DE ESCOLA PÚBLICA E PRIVADA DA CIDADE DE ANÁPOLIS-GO COMPARISON OF LIPID PROFILE OF TEENS IN PUBLIC AND PRIVATE

Leia mais

MTAC Aula 6 BIOQUÍMICA DO SANGUE PARTE 1. GLICEMIA e LIPÍDIOS PLASMÁTICOS. 1) Mecanismos de regulação da glicemia: agentes hiper e hipoglicemiante

MTAC Aula 6 BIOQUÍMICA DO SANGUE PARTE 1. GLICEMIA e LIPÍDIOS PLASMÁTICOS. 1) Mecanismos de regulação da glicemia: agentes hiper e hipoglicemiante MTAC Aula 6 BIOQUÍMICA DO SANGUE PARTE 1 GLICEMIA e LIPÍDIOS PLASMÁTICOS GLICEMIA 1) Mecanismos de regulação da glicemia: agentes hiper e hipoglicemiante 2) Métodos para determinação da glicemia: Baseados

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE OS NÍVEIS SÉRICOS DE COLESTEROL-LDL E O NÚMERO DE MONÓCITOS EM TRABALHADORES DE EMPRESAS PRIVADAS

RELAÇÃO ENTRE OS NÍVEIS SÉRICOS DE COLESTEROL-LDL E O NÚMERO DE MONÓCITOS EM TRABALHADORES DE EMPRESAS PRIVADAS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RELAÇÃO ENTRE OS NÍVEIS SÉRICOS DE COLESTEROL-LDL E O NÚMERO DE MONÓCITOS EM TRABALHADORES DE EMPRESAS PRIVADAS Caroline Fama Saito 1 ; Laila Oyera Jeronimo

Leia mais

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CORONARIANA DOS SERVIDORES DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CORONARIANA DOS SERVIDORES DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CORONARIANA DOS SERVIDORES DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Natália Ribeiro (PIBIC/CNPq/FA-UEM), Ana Paula Vilcinski

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Obesidade, Colo do Útero, Teste de Papanicolaou.

PALAVRAS-CHAVE Obesidade, Colo do Útero, Teste de Papanicolaou. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes

AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes Sumário Ver Livro Didático: pág. 37 à 45 e 65 à 71. Lipídeos e Lipoproteínas Sanguíneas Quando pedir ao responsável a análise do perfil lipídico? Pais

Leia mais

PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES RENAIS CRÔNICOS NA FASE PRÉ-TRANSPLANTE

PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES RENAIS CRÔNICOS NA FASE PRÉ-TRANSPLANTE PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES RENAIS CRÔNICOS NA FASE PRÉ-TRANSPLANTE Beatriz de Oliveira Matos1 Milene Peron Rodrigues Losilla2 1 Graduanda do Departamento de Nutrição/Centro

Leia mais

fluxo sanguineo colesterol HDL colesterol LDL

fluxo sanguineo colesterol HDL colesterol LDL colesterol 1 2 3 fluxo sanguineo colesterol HDL colesterol LDL O que é o colesterol? O colesterol é uma gordura (designada por lípido ) que existe no sangue, em todas as células do corpo humano. É um componente

Leia mais

doenças coronárias Factores de Risco

doenças coronárias Factores de Risco doenças coronárias Factores de Risco Com vista a maximizar o diagnóstico clínico-laboratorial, o Centro de Medicina Laboratorial Dr. Germano de Sousa, coloca à disposição um painel de parâmetros bioquímicos

Leia mais

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E DE SAÚDE DE IDOSOS DIABÉTICOS ATENDIDOS NO AMBULATÓRIO DE NUTRIÇÃO DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY

PERFIL NUTRICIONAL E DE SAÚDE DE IDOSOS DIABÉTICOS ATENDIDOS NO AMBULATÓRIO DE NUTRIÇÃO DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY RESUMO PERFIL NUTRICIONAL E DE SAÚDE DE IDOSOS DIABÉTICOS ATENDIDOS NO AMBULATÓRIO DE NUTRIÇÃO DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY FERREIRA 1,Camila da Silva GUIMARÃES, Keyth 2, Sulamitta de Lima

Leia mais

OBESIDADE E DISLIPIDEMIA NA INFANCIA E ADOLESCENCIA

OBESIDADE E DISLIPIDEMIA NA INFANCIA E ADOLESCENCIA I CONGRESSO MÉDICO DA CIDADE DE GUARULHOS OBESIDADE E DISLIPIDEMIA NA INFANCIA E ADOLESCENCIA Ana Margarida B. Moreira Pediatra e Endocrinologia Pediátrica. H.M.C.A Hospital Municipal da Criança e do Adolescente.

Leia mais

Metabolismo do colesterol e das lipoproteínas

Metabolismo do colesterol e das lipoproteínas Metabolismo do colesterol e das lipoproteínas COLESTEROL Estabiliza o arranjo linear dos ácidos graxos saturados das membranas. Origem do colesterol ENDÓGENA EXÓGENA Como ocorre a síntese do colesterol?

Leia mais

Caracterização do Perfil Nutricional, Associados com Dislipidemias em Adolescentes Atendidos no Programa de Atenção à Saúde do Adolescente (PROASA)

Caracterização do Perfil Nutricional, Associados com Dislipidemias em Adolescentes Atendidos no Programa de Atenção à Saúde do Adolescente (PROASA) Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Caracterização do Perfil Nutricional, Associados com Dislipidemias em Adolescentes Atendidos no Programa

Leia mais

PERFIL LIPIDÊMICO EM PACIENTES DE UMA COMUNIDADE RURAL ATENDIDOS PELO PROGRAMA CRUTAC NO DISTRITO DE ITAICOCA NO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA - PR

PERFIL LIPIDÊMICO EM PACIENTES DE UMA COMUNIDADE RURAL ATENDIDOS PELO PROGRAMA CRUTAC NO DISTRITO DE ITAICOCA NO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA - PR 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PERFIL LIPIDÊMICO EM PACIENTES

Leia mais

Aterosclerose. Aterosclerose

Aterosclerose. Aterosclerose ATEROSCLEROSE TROMBOSE EMBOLIA Disciplinas ERM 0207/0212 Patologia Aplicada à Enfermagem Profa. Dra. Milena Flória-Santos Aterosclerose Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública Escola

Leia mais

Interdisciplinar: Revista Eletrônica da UNIVAR ISSN X Ano de publicação: 2014 N.:12 Vol.2 Págs.

Interdisciplinar: Revista Eletrônica da UNIVAR  ISSN X Ano de publicação: 2014 N.:12 Vol.2 Págs. Interdisciplinar: Revista Eletrônica da UNIVAR http://revista.univar.edu.br ISSN 1984-431X Ano de publicação: 2014 N.:12 Vol.2 Págs.71-77 DISLIPIDEMIA NA ADOLESCÊNCIA Elizangela Machado Fernandes Santos

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL LIPÍDICO E RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS

ANÁLISE DO PERFIL LIPÍDICO E RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS ANÁLISE DO PERFIL LIPÍDICO E RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS Fernanda Silva Almeida (1); Karla Simone Maria da Silva (2); Maria Rejane de Sousa Silvino (3); Daniele Oliveira Damacena (4); Heronides dos

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DISLIPIDEMIA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DISLIPIDEMIA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DISLIPIDEMIA DISLIPIDEMIA Dislipidemia, também chamada de hiperlipidemia, refere-se ao aumento dos lipídios (gordura) no sangue, principalmente do colesterol e dos triglicerídeos.

Leia mais

Obesidade e Dislipidemias Prof. Orlando A. Pereira Faculdade de Ciências Médicas UNIFENAS

Obesidade e Dislipidemias Prof. Orlando A. Pereira Faculdade de Ciências Médicas UNIFENAS Obesidade e Dislipidemias Prof. Orlando A. Pereira Faculdade de Ciências Médicas UNIFENAS Obesidade Obesidade Obesidade Tendência secular Obesidade Fatores determinantes da obesidade exógena:

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO RISCO DE INFARTO EM TRABALHADORES DE EMPRESAS PRIVADAS

DETERMINAÇÃO DO RISCO DE INFARTO EM TRABALHADORES DE EMPRESAS PRIVADAS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DETERMINAÇÃO DO RISCO DE INFARTO EM TRABALHADORES DE EMPRESAS PRIVADAS Silvanei Jorge Martins 1 ;Mayara Hilda Guerini 2, Edivan Rodrigo de Paula Ramos

Leia mais

OBESIDADE MAPA DE REVISÕES PROTOCOLO CLINICO. Destinatários. Data Dr. Bilhota Xavier

OBESIDADE MAPA DE REVISÕES PROTOCOLO CLINICO. Destinatários. Data Dr. Bilhota Xavier Palavras-Chave: Destinatários Médicos dos ACES da Unidade Coordenadora Funcional (UCF) de Leiria Elaboração Dr.ª Sandra Ferreira, Dr.ª Carla Loureiro, Dr. Pascoal Moleiro Aprovação Diretor do Serviço Dr.

Leia mais

Colesterol e triglicerídeos

Colesterol e triglicerídeos Colesterol e triglicerídeos Colesterol e triglicerídeos O organismo precisa do colesterol, tanto que o fabrica. Ele exerce funções importantes como a produção de hormônios sexuais e de vitamina D. Contudo,

Leia mais

Paulo C J L Santos, PhD Department of Pharmacology Federal University of Sao Paulo, EPM-UNIFESP, Sao Paulo, Brazil

Paulo C J L Santos, PhD Department of Pharmacology Federal University of Sao Paulo, EPM-UNIFESP, Sao Paulo, Brazil Paulo C J L Santos, PhD Department of Pharmacology Federal University of Sao Paulo, EPM-UNIFESP, Sao Paulo, Brazil Alfenas, MG 2017 Paulo Caleb J. L. Santos, PhD O que é Diabetes O diabetes mellitus é

Leia mais

Síndrome Metabólica. Wilson Marques da Rosa Filho. (Tratamento pela Acupuntura e Homeopatia)

Síndrome Metabólica. Wilson Marques da Rosa Filho. (Tratamento pela Acupuntura e Homeopatia) Síndrome Metabólica (Tratamento pela Acupuntura e Homeopatia) Wilson Marques da Rosa Filho 1 Síndrome Metabólica 1ª edição: maio de 2017 Síndrome Metabólica / Wilson Marques da Rosa Filho São Paulo: Perse

Leia mais

ATEROSCLEROSE E ANGINA PROF. RENATA TORRES ABIB BERTACCO

ATEROSCLEROSE E ANGINA PROF. RENATA TORRES ABIB BERTACCO ATEROSCLEROSE E ANGINA PROF. RENATA TORRES ABIB BERTACCO CONTEÚDO DA AULA: Fisiopatologia e Dietoterapia - Aterosclerose Fisiopatologia da Angina Vídeo - Aterosclerose Atividade V DIRETRIZ BRASILEIRA DE

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE OS NÍVEIS SÉRICOS DE COLESTEROL-TOTAL E PCR-AS COMO FATOR DE RISCO CARDIVASCULAR EM TRABALHADORES DE EMPRESA PRIVADA

RELAÇÃO ENTRE OS NÍVEIS SÉRICOS DE COLESTEROL-TOTAL E PCR-AS COMO FATOR DE RISCO CARDIVASCULAR EM TRABALHADORES DE EMPRESA PRIVADA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RELAÇÃO ENTRE OS NÍVEIS SÉRICOS DE COLESTEROL-TOTAL E PCR-AS COMO FATOR DE RISCO CARDIVASCULAR EM TRABALHADORES DE EMPRESA PRIVADA Leandro Alexandre Krauss

Leia mais

Estudo do perfil lipídico de crianças e jovens até 19 anos de idade

Estudo do perfil lipídico de crianças e jovens até 19 anos de idade ARTIGO ORIGINAL ORIGINAL PAPER Estudo do perfil lipídico de crianças e jovens até 19 anos de idade Recebido em 23/03/01 Aceito para publicação em 18/06/01 Lipidic profile study in children and youngsters

Leia mais

Aterosclerose. Natália Borges de Melo Patrícia Gabriella Zapata Paulo Henrique Maia Vilela

Aterosclerose. Natália Borges de Melo Patrícia Gabriella Zapata Paulo Henrique Maia Vilela Aterosclerose Natália Borges de Melo Patrícia Gabriella Zapata Paulo Henrique Maia Vilela Uberaba MG 31 de Agosto de 2011 Artigo Nature, May 19th 2011 Conceitos: ATEROSCLEROSE: Doença crônica, de origem

Leia mais

PROJETO DIRETRIZES RISCO AUMENTADO PARA CA DE ENDOMÉTRIO ALTERAÇÕES NO METABOLISMO DA GLICOSE RISCO DESENVOLVIMENTO PRECOCE DE DIABETES

PROJETO DIRETRIZES RISCO AUMENTADO PARA CA DE ENDOMÉTRIO ALTERAÇÕES NO METABOLISMO DA GLICOSE RISCO DESENVOLVIMENTO PRECOCE DE DIABETES PROJETO DIRETRIZES OBESIDADE INFERTILIDADE RISCO AUMENTADO PARA CA DE ENDOMÉTRIO ALTERAÇÕES NO METABOLISMO DA GLICOSE RISCO DESENVOLVIMENTO PRECOCE DE DIABETES RISCO AUMENTADO DOENÇAS CARDIOVASCULARES

Leia mais

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União Nota Técnica N 208/2013 Brasília, agosto de 2013. Princípio Ativo: ácido nicotínico Nomes Comerciais 1 : Acinic, Metri, Cordaptive. Sumário 1. O que é o ácido nicotínico?... 2 2. O medicamento possui registro

Leia mais

DIETOTERAPIA INFANTIL DOENÇAS CRÔNICAS NA INFÂNCIA OBESIDADE

DIETOTERAPIA INFANTIL DOENÇAS CRÔNICAS NA INFÂNCIA OBESIDADE DIETOTERAPIA INFANTIL DOENÇAS CRÔNICAS NA INFÂNCIA OBESIDADE Um dos principais problemas de saúde pública da atualidade, Doença nutricional que mais cresce no mundo e de mais difícil tratamento; Etiologia

Leia mais

Artigo. Análise acerca do perfil lipídico de adolescentes de um município do sertão paraibano

Artigo. Análise acerca do perfil lipídico de adolescentes de um município do sertão paraibano Análise acerca do perfil lipídico de adolescentes de um município do sertão paraibano Analysis on the lipid profile of adolescents from a municipality of sertao paraibano Yuryky Maynyson Ferreira de Medeiros

Leia mais

PERFIL LIPÍDICO E FATORES BIOLÓGICOS E AMBIENTAIS

PERFIL LIPÍDICO E FATORES BIOLÓGICOS E AMBIENTAIS PERFIL LIPÍDICO E FATORES BIOLÓGICOS E AMBIENTAIS hjhjh O papel da atividade física Margarida Amorim Fernandes Rodrigues Siopa Orientador: Professor Pedro Manuel Vargues Aguiar Coorientadora: Doutora Mafalda

Leia mais

Perfil Lipídico e Risco de Dislipidemia

Perfil Lipídico e Risco de Dislipidemia Universidade Tuíuti do Paraná Hilda Brito Eurípedes Joilson Campos de Jesus Perfil Lipídico e Risco de Dislipidemia Brasília 2009 5 Universidade Tuiuti do Paraná Hilda Brito Eurípedes Joilson Campos de

Leia mais

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO CARDIOVASCULAR

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO CARDIOVASCULAR ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO CARDIOVASCULAR Março de 2016 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DADOS EPIDEMIOLÓGICOS... 3 3. ESTRATIFICAÇÃO INDIVIDUAL DE RISCO CARDIOVASCULAR... 4 4. CALCULE O SEU RISCO E DE SEUS

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DE ALUNOS DO PROJETO ESCOLA DA BOLA COM BASE NOS TESTES DA PROESP-BR

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DE ALUNOS DO PROJETO ESCOLA DA BOLA COM BASE NOS TESTES DA PROESP-BR 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ÍNDICE DE

Leia mais

Avaliação do Risco Cardiovascular

Avaliação do Risco Cardiovascular NUNO CORTEZ-DIAS, SUSANA MARTINS, ADRIANA BELO, MANUELA FIUZA 20 Abril 2009 Objectivos Avaliação do Risco Cardiovascular Padrões de Tratamento Impacto Clínico Síndrome Metabólica HTA Diabetes Mellitus

Leia mais

PREVALÊNCIA DE DOENÇAS CRÔNICAS AUTORREFERIDAS EM PARTICIPANTES DE UMA CAMPANHA EM PONTA GROSSA-PR

PREVALÊNCIA DE DOENÇAS CRÔNICAS AUTORREFERIDAS EM PARTICIPANTES DE UMA CAMPANHA EM PONTA GROSSA-PR 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Escore de Framingham. Atenção Básica. Cuidado. PET- Saúde.

PALAVRAS-CHAVE Escore de Framingham. Atenção Básica. Cuidado. PET- Saúde. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Prof. Thiago Kastell LIPÍDEOS. Substâncias biológicas insolúveis em água Também conhecida como gordura

Prof. Thiago Kastell LIPÍDEOS. Substâncias biológicas insolúveis em água Também conhecida como gordura Prof. Thiago Kastell LIPÍDEOS Substâncias biológicas insolúveis em água Também conhecida como gordura Funções: Precursores hormonais Armazenamento e fonte energética Componentes funcionais e estruturais

Leia mais

SÍNDROME METABÓLICA E ADOLESCÊNCIA

SÍNDROME METABÓLICA E ADOLESCÊNCIA 44 Manual sobre Insulino-resistência SÍNDROME METABÓLICA E ADOLESCÊNCIA Helena Fonseca Unidade de Medicina do Adolescente, Clínica Universitária de Pediatria Hospital de Santa Maria A prevalência de obesidade

Leia mais

FEIRA DE SAÚDE TESTE DE ACUIDADE VISUAL ESCALA OPTOMÉTRICA DE SNELLEN LIONS CLUBE: LOCAL: DATA: HORÁRIO: Resultado. Nº Nome Legível Telefone

FEIRA DE SAÚDE TESTE DE ACUIDADE VISUAL ESCALA OPTOMÉTRICA DE SNELLEN LIONS CLUBE: LOCAL: DATA: HORÁRIO: Resultado. Nº Nome Legível Telefone TESTE DE ACUIDADE VISUAL ESCALA OPTOMÉTRICA DE SNELLEN Idade Sexo (anos) (M/F) Resultado Olho Direito Olho Esquerdo Observações FAF MODELO / TESTE DE GLICOSE Idade (anos) Sexo (M/F) Antecedentes na família?

Leia mais

Anexo III Resumo das características do medicamento, rotulagem e folheto informativo

Anexo III Resumo das características do medicamento, rotulagem e folheto informativo Anexo III Resumo das características do medicamento, rotulagem e folheto informativo Nota: Estas alterações ao Resumo das Características do Medicamento e ao Folheto Informativo são válidas no momento

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS PARÂMETROS DO PERFIL LIPÍDICO E IMC EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO DA PUC GOIÁS*

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS PARÂMETROS DO PERFIL LIPÍDICO E IMC EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO DA PUC GOIÁS* ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS PARÂMETROS DO PERFIL LIPÍDICO E IMC EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO DA PUC GOIÁS* ALINE REGES DOS SANTOS, NATHANA VANESSA DE ALMEIDA, CLAYSON M. GOMES, SÉRGIO

Leia mais

Relevância Clínica da Síndrome Metabólica nos Indivíduos Não Obesos

Relevância Clínica da Síndrome Metabólica nos Indivíduos Não Obesos CONGRESSO PORTUGUÊS DE CARDIOLOGIA Relevância Clínica da Síndrome Metabólica nos Indivíduos Não Obesos Susana Martins, Nuno Cortez-Dias, Adriana Belo*, Manuela Fiuza Serviço de Cardiologia - Hospital de

Leia mais

CORONARY ARTERY DISEASE EDUCATION QUESTIONNAIRE CADE-Q VERSÃO EM PORTUGUÊS (PORTUGAL)

CORONARY ARTERY DISEASE EDUCATION QUESTIONNAIRE CADE-Q VERSÃO EM PORTUGUÊS (PORTUGAL) CORONARY ARTERY DISEASE EDUCATION QUESTIONNAIRE CADE-Q VERSÃO EM PORTUGUÊS (PORTUGAL) Autor: João Paulo Moreira Eusébio E-mail: eusebio.jp@gmail.com Título do trabalho Reabilitação Cardíaca - Educação

Leia mais

DISLIPIDEMIAS NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

DISLIPIDEMIAS NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA DISLIPIDEMIAS NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA Batista, F.M.A 1,2, Andrade, F.S.F 2, Carvalho, R.C 2, Arisawa, E.A.L 1 1 Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento IP&D Universidade do Vale do Paraíba São José

Leia mais

15º FÓRUM DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA AUDITÓRIO 10

15º FÓRUM DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA AUDITÓRIO 10 Fóruns 28 de setembro de 2013 15º FÓRUM DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA AUDITÓRIO 10 Insuficiência Cardíaca Como abordar na: IC Fração de ejeção reduzida / normal IC descompensada IC Crônica IC Chagásica

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE

Leia mais

SÍNDROME METABÓLICA: FATORES RELACIONADOS A OBESIDADE E COMPLICAÇÕES. METABOLIC SYNDROME: FACTORS RELATED TO OBESITY AND COMPLICATIONS.

SÍNDROME METABÓLICA: FATORES RELACIONADOS A OBESIDADE E COMPLICAÇÕES. METABOLIC SYNDROME: FACTORS RELATED TO OBESITY AND COMPLICATIONS. SÍNDROME METABÓLICA: FATORES RELACIONADOS A OBESIDADE E COMPLICAÇÕES. METABOLIC SYNDROME: FACTORS RELATED TO OBESITY AND COMPLICATIONS. 1 Emanuelle Carvalho Silva, 2 Andréia Cristina Zago Silva. 1 Acadêmica

Leia mais

IV Mostra Interna de Trabalhos de Iniciação Científica do Cesumar 20 a 24 de outubro de 2008

IV Mostra Interna de Trabalhos de Iniciação Científica do Cesumar 20 a 24 de outubro de 2008 20 a 24 de outubro de 2008 PREVALÊNCIA DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E SUA RELAÇÃO COM FATORES DE RISCO CARDIOVASCULARES EM CUIDADORES DE PACIENTES DE CLÍNICAS DE REABILITAÇÃO DA CIDADE DE MARINGÁ Juliana Barbosa

Leia mais

HEPATITES VIRAIS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS EM IDOSOS: BRASIL, NORDESTE E PARAÍBA

HEPATITES VIRAIS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS EM IDOSOS: BRASIL, NORDESTE E PARAÍBA HEPATITES VIRAIS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS EM IDOSOS: BRASIL, NORDESTE E PARAÍBA Larissa Ferreira de Araújo Paz (1); Larissa dos Santos Sousa (1) Polyana Cândido de Andrade (2); Gilson Vasco da Silva

Leia mais

Registro Brasileiros Cardiovasculares. REgistro do pacientes de Alto risco Cardiovascular na prática clínica

Registro Brasileiros Cardiovasculares. REgistro do pacientes de Alto risco Cardiovascular na prática clínica Registro Brasileiros Cardiovasculares REgistro do pacientes de Alto risco Cardiovascular na prática clínica Arquivos Brasileiros de Cardiologia, Julho de 2011 Arquivos Brasileiros de Cardiologia, Agosto

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA ENTENDENDO a doença metabólica A doença metabólica, também chamada de síndrome metabólica ou ainda de plurimetabólica, em geral faz parte de um conjunto de

Leia mais

Angiotomografia Coronária. Ana Paula Toniello Cardoso Hospital Nove de Julho

Angiotomografia Coronária. Ana Paula Toniello Cardoso Hospital Nove de Julho Angiotomografia Coronária Ana Paula Toniello Cardoso Hospital Nove de Julho S Aterosclerose S A aterosclerose é uma doença inflamatória crônica de origem multifatorial que ocorre em resposta à agressão

Leia mais

XXXV Congresso Português de Cardiologia Abril ú ç

XXXV Congresso Português de Cardiologia Abril ú ç XXXV Congresso Português de Cardiologia Abril 2014 é í é A Diabetes em Portugal Prevalência elevada - 39,2% (20-79 anos) Diabetes ou Pré-Diabetes Aumento de 80% na incidência na última década Uma das principais

Leia mais

PRESSÃO ARTERIAL DE ADULTOS JOVENS ESCOLARES: implicações para a formação do enfermeiro

PRESSÃO ARTERIAL DE ADULTOS JOVENS ESCOLARES: implicações para a formação do enfermeiro PRESSÃO ARTERIAL DE ADULTOS JOVENS ESCOLARES: implicações para a formação do enfermeiro Janaine Gomes de Holanda Oliveira 1 Thereza Maria Magalhães Moreira 2 Vagner Rodrigues Silva Junior 3 Ítalo Lennon

Leia mais

AULA: 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana.

AULA: 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana. : 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana. Conteúdo: Doenças relacionadas ao sedentarismo Diabetes. Doenças relacionadas ao sedentarismo Hipertensão arterial e dislipidemias. Habilidades:

Leia mais

Prevalência de dislipidemia infantil em um laboratório no Vale do Rio dos Sinos, RS

Prevalência de dislipidemia infantil em um laboratório no Vale do Rio dos Sinos, RS Artigo Original/Original Article Prevalência de dislipidemia infantil em um laboratório no Vale do Rio dos Sinos, RS Prevalence of child dyslipidemia in a laboratory of Vale do Rio dos Sinos, RS Jéssica

Leia mais

Cristiane Zat² Tatiana Cristina da Silva Hadas³

Cristiane Zat² Tatiana Cristina da Silva Hadas³ & PREVALÊNCIA DAS DISLIPIDEMIAS E A SUA RELAÇÃO COM A OBESIDADE E SEDENTARISMO EM CRIANÇAS DE 3 A 12 ANOS ATENDIDAS NO LABORATÓRIO DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE SAÚDE DE SANTA ROSA¹ Cristiane Zat² Tatiana Cristina

Leia mais

COLESTEROL ALTO. Por isso que, mesmo pessoas que se alimentam bem, podem ter colesterol alto.

COLESTEROL ALTO. Por isso que, mesmo pessoas que se alimentam bem, podem ter colesterol alto. COLESTEROL ALTO Colesterol é uma substância essencial ao organismo, mas quando em excesso, pode prejudicar. Cerca de 40% da população tem colesterol alto. MAS O Colesterol Total não é o valor perigoso,

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Assunto: Risco Global Cardiovascular Nº: 06/DSPCS DATA: 18/04/07 Para: Contacto na DGS: Serviços Prestadores de Cuidados de Saúde do Serviço Nacional de Saúde

Leia mais

IMPLICAÇÕES DA CLASSE DE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E OBESIDADE ABDOMINAL NO RISCO E GRAVIDADE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL

IMPLICAÇÕES DA CLASSE DE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E OBESIDADE ABDOMINAL NO RISCO E GRAVIDADE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL CONGRESSO PORTUGUÊS DE CARDIOLOGIA IMPLICAÇÕES DA CLASSE DE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E OBESIDADE ABDOMINAL NO RISCO E GRAVIDADE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL Susana Martins, Nuno Cortez-Dias, Adriana

Leia mais

ARRASTE FECAL DE LIPÍDIOS EM RATOS ALIMENTADOS COM DIFERENTES FONTES DE GORDURA.

ARRASTE FECAL DE LIPÍDIOS EM RATOS ALIMENTADOS COM DIFERENTES FONTES DE GORDURA. ARRASTE FECAL DE LIPÍDIOS EM RATOS ALIMENTADOS COM DIFERENTES FONTES DE GORDURA. Autor(es): Apresentador: Orientador: Revisor 1: Revisor 2: Instituição: MOURA, Fernanda Aline; NUNES, Débora Vargas; TAVARES,

Leia mais

Fatores de risco para doença aterosclerótica na adolescência

Fatores de risco para doença aterosclerótica na adolescência 0021-7557/01/77-Supl.2/S153 Jornal de Pediatria Copyright 2001 by Sociedade Brasileira de Pediatria Jornal de Pediatria - Vol. 77, Supl.2, 2001 S153 ARTIGO DE REVISÃO Fatores de risco para doença aterosclerótica

Leia mais

CNC-CENTRO DE NEFROLOGIA DE CANINDÉ

CNC-CENTRO DE NEFROLOGIA DE CANINDÉ CNC-CENTRO DE NEFROLOGIA DE CANINDÉ Praça Frei Aurélio 1397,Centro-Canindé-Ce CEP:62.700-000 Fone:(85)3343-1826 Fax:(85)3343-1838 E-mail:cnccaninde@yahoo.com.br RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA CONSULTA DE ENFERMAFGEM PARA PREVENÇÃO DA TROMBOSE VENOSA PROFUNDA EM PUÉRPERAS

IMPORTÂNCIA DA CONSULTA DE ENFERMAFGEM PARA PREVENÇÃO DA TROMBOSE VENOSA PROFUNDA EM PUÉRPERAS 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

20 A dosagem do HDL-colesterol apresenta uma distribuição simétrica com média de 46,5 mg/d1, desvio padrão de 17,9 mg/di e coeficiente de variação de

20 A dosagem do HDL-colesterol apresenta uma distribuição simétrica com média de 46,5 mg/d1, desvio padrão de 17,9 mg/di e coeficiente de variação de 19 V- RESULTADOS A idade no grupo de pacientes virchovianos, apresenta uma média de 54,5 anos, desvio padrão de 16,35 anos e coeficiente de variação de 29,96%. Quanto à distribuição dessas idades, 35,4%

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS DESENVOLVIDAS NO ANO DE Faculdade de Medicina -Universidade Federal da Bahia

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS DESENVOLVIDAS NO ANO DE Faculdade de Medicina -Universidade Federal da Bahia RELATÓRIO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS DESENVOLVIDAS NO ANO DE 2010.2 Faculdade de Medicina -Universidade Federal da Bahia 1. IDENTIFICAÇÃO Nome do Docente: LÍSIA MARCÍLIO RABELO Regime de Trabalho: DE (Dedicação

Leia mais

Adesão a um Programa de Reabilitação Cardíaca: quais os benefícios e impacto no prognóstico?

Adesão a um Programa de Reabilitação Cardíaca: quais os benefícios e impacto no prognóstico? REUNIÃO CONJUNTA DOS GRUPOS DE ESTUDO DE CUIDADOS INTENSIVOS CARDÍACOS E DE FISIOPATOLOGIA DO ESFORÇO E REABILITAÇÃO CARDÍACA Compliance to a Cardiac Rehabilitation Program: what are the benefits and impact

Leia mais

Não dá para confiar mais em nenhum outro exame pq todos foram feitos no mesmo aparelho.

Não dá para confiar mais em nenhum outro exame pq todos foram feitos no mesmo aparelho. Sobre uma uréia errada Não dá para confiar mais em nenhum outro exame pq todos foram feitos no mesmo aparelho. Sobre o PSA Não há mais diferença entre os laboratórios pq todos fazem os exames automatizados.

Leia mais

MUTIRÃO DA SAÚDE. Doutora, Docente do Departamento de Biologia Estrutural, Molecular e Genética da UEPG, 4

MUTIRÃO DA SAÚDE. Doutora, Docente do Departamento de Biologia Estrutural, Molecular e Genética da UEPG, 4 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA MUTIRÃO DA SAÚDE CHAVES, Camila

Leia mais

HEMOGRAMA TATIANA MATIAS MAFRA EDUARDO MIGUEL SCHMIDT

HEMOGRAMA TATIANA MATIAS MAFRA EDUARDO MIGUEL SCHMIDT HEMOGRAMA ERITROGRAMA Hemácias milhões/mm3...: 4,48 3,90 a 5,40 Hemoglobina g/dl...: 12,70 11,00 a 16,10 Hematócrito %...: 38,00 35,00 a 47,00 Vol. Glob. Média em fl...: 84,82 80,00 a 98,00 Hem. Glob.

Leia mais

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL EM POPULAÇÃO ATENDIDA DURANTE ESTÁGIO EM NUTRIÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA DA UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL EM POPULAÇÃO ATENDIDA DURANTE ESTÁGIO EM NUTRIÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA DA UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL EM POPULAÇÃO ATENDIDA DURANTE ESTÁGIO EM NUTRIÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA DA UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO Mariana Melenchon Lopes1 Adriellen Duarte de Moraes2 Jéssica

Leia mais

TÍTULO: OS MARCADORES BIOQUÍMICOS NO DIAGNÓSTICO DO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

TÍTULO: OS MARCADORES BIOQUÍMICOS NO DIAGNÓSTICO DO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: OS MARCADORES BIOQUÍMICOS NO DIAGNÓSTICO DO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES

Leia mais

PESQUISA. Perfil lipídico de adolescentes em uma escola municipal de Barras-PI

PESQUISA. Perfil lipídico de adolescentes em uma escola municipal de Barras-PI PESQUISA Perfil lipídico de adolescentes em uma escola municipal de Barras-PI Lipid profile of adolescents in a municipal school Barras-PI Perfil lipídico de adolescentes en un pasillo de la escuela Barras

Leia mais

Faculdade Ciências da Saúde (FCS) Laboratório de Reabilitação Cardiovascular

Faculdade Ciências da Saúde (FCS) Laboratório de Reabilitação Cardiovascular ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO DE DOENÇA CARDIOVASCULAR PELO ESCORE DE FRAMINGHAM Passos, R. C.K.A. 1,2 ;Silva,F.A.R; Ribeiro W, Lazo-Osório, R. A. L. 1,2 Universidade do Vale do Paraíba - UNIVAP 1 Faculdade

Leia mais

ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO MONITORAMENTO DE DISLIPIDEMIAS SECUNDÁRIAS A PARTIR DE DIABETES, OBESIDADE E ALCOOLISMO

ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO MONITORAMENTO DE DISLIPIDEMIAS SECUNDÁRIAS A PARTIR DE DIABETES, OBESIDADE E ALCOOLISMO ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO MONITORAMENTO DE DISLIPIDEMIAS SECUNDÁRIAS A PARTIR DE DIABETES, OBESIDADE E ALCOOLISMO Alessandra Resende Couto e Silva 1,2, Ana Cláudia Miranda de Faria 1, Ana Cristina Martins

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL ESTUDO POPULACIONAL NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS - MS

EPIDEMIOLOGIA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL ESTUDO POPULACIONAL NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS - MS EPIDEMIOLOGIA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL ESTUDO POPULACIONAL NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS - MS Daniela da Silva Garcia; Discente do curso de Fisioterapia das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS, e-mail:

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PERFIL LIPÍDICO DOS INDIVÍDUOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL APRESENTANDO OU NÃO TRISSOMIA DO CROMOSSOMO 21

AVALIAÇÃO DO PERFIL LIPÍDICO DOS INDIVÍDUOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL APRESENTANDO OU NÃO TRISSOMIA DO CROMOSSOMO 21 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

Lípides e lipoproteínas séricos em crianças e adolescentes ambulatoriais de um hospital universitário público

Lípides e lipoproteínas séricos em crianças e adolescentes ambulatoriais de um hospital universitário público Artigo Original Lípides e lipoproteínas séricos em crianças e adolescentes ambulatoriais de um hospital universitário público Serum lipids and lipoproteins in children and adolescents from a public university

Leia mais

Doença Aterosclerótica Cardiovascular

Doença Aterosclerótica Cardiovascular Doença Aterosclerótica Cardiovascular Leonardo A M Zornoff Departamento de Clínica Médica Faculdade de Medicina de Botucatu UNESP Doença Aterosclerótica Cardiovascular Definição Estrutura da Artéria Normal

Leia mais

Atividade Física e Cardiopatia

Atividade Física e Cardiopatia AF e GR ESPECIAIS Cardiopatia Atividade Física e Cardiopatia Prof. Ivan Wallan Tertuliano E-mail: ivantertuliano@anhanguera.com Cardiopatias Anormalidade da estrutura ou função do coração. Exemplos de

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA:

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: 1 TÍTULO: PROJETO DE ASSISTÊNCIA E PREVENÇÃO DAS DOENÇAS CARDIOVASCULARES E METABÓLICAS NA ADOLESCÊNCIA - HIPERPAPO AUTORES: Profa. Maria Cristina Caetano Kuschnir Coordenadora do Projeto, Mariângela Giana

Leia mais