PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM JANEIRO DE 2004: AVANÇOS E RECUOS

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM JANEIRO DE 2004: AVANÇOS E RECUOS"

Transcrição

1 PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM JANEIRO DE 2004: AVANÇOS E RECUOS Segundo o IBGE, a produção física industrial brasileira cresceu 0,8% em comparação com o mês de dezembro, descontadas as influências sazonais. Em relação ao mês de janeiro de 2003, houve uma expansão de 1,7% da indústria geral, sustentada pelo dinamismo do setor exportador. Nos últimos doze meses, a produção da indústria geral permaneceu virtualmente sem variação(0,2%). Descontados os efeitos sazonais, a análise da produção industrial por categoria de uso revela crescimento em janeiro em todos os setores, com exceção de bens intermediários (-0,8%). Os segmentos de bens de capital e de bens de consumo apresentaram os maiores aumentos: 4,5% e 3,0% em relação ao mês de dezembro. Já o setor de bens de consumo semiduráveis e não-duráveis expandiu 2,2%, após três meses consecutivos de queda. Na série mensal (janeiro de 2004 contra janeiro de 2003), a produção do setor de bens de consumo semiduráveis e nãoduráveis recuou 4,6%, reflexo da retração da renda real e do desemprego elevado. Todos os demais setores expandiram, com destaque para bens duráveis (8,6%), estimulado pelo crédito e corte de impostos, e para bens de capital (7,8%), impulsionado pelo dinamismo do agronegócio. As estatísticas mostram que, além de apresentar oscilações, alternando crescimento modesto e recuo, o ritmo da produção industrial permanece limitado pelas condições adversas do mercado interno. Desempenho da Indústria em Janeiro Em janeiro, a produção industrial brasileira registrou aumento de 0,8% em relação ao mês de dezembro, descontados os efeitos sazonais. Na comparação com janeiro de 2003, a expansão da indústria geral foi de 1,7%. A variação acumulada em doze meses foi de 0,2% (contra 0,3% em doze meses terminados em dezembro), o que indica queda no ritmo de recuperação. A indústria de transformação cresceu 1,7% na série dessazonalizada e 2,8% na série mensal. Já a indústria extrativa mineral recuou 1,5% em relação a dezembro e 5,7% na comparação com janeiro de 2003, em virtude, segundo o IBGE, da paralisação das atividades de uma importante plataforma petrolífera. As exportações e o setor de agronegócios continuam exercendo um papel-chave para o desempenho industrial. Todavia, a expansão da produção industrial de forma consistente e com ritmo mais intenso depende da melhoria das condições do mercado interno, o que pressupõe redução das taxas do crédito e recuperação dos setores mais empregadores. Produção Industrial em Janeiro de 2004: Avanços e Recuos 1

2 150 Evolução da Indústria Geral jan/01 mar/01 mai/01 jul/01 set/01 nov/01 jan/02 mar/02 mai/02 jul/02 set/02 nov/02 jan/03 mar/03 mai/03 jul/03 set/03 nov/03 jan/04 Indice de Base Fixa Mensal sem Ajuste Sazonal Indíce Acumulado: Igual Período do Ano Anterior Igual Mês do Ano Anterior Indice de Base Física Mensal com Ajuste Sazonal Indice Acumulado: Últimos 12 Meses 220 Evolução da Produção Física Industrial com Ajuste Sazonal (Base: Média de 1991=100) jan/01 mar/01 mai/01 jul/01 set/01 nov/01 jan/02 mar/02 mai/02 jul/02 set/02 nov/02 jan/03 mar/03 mai/03 jul/03 set/03 nov/03 jan/04 Indústria Geral Indústria Extrativa Mineral Indústria de Transformação Produção Industrial em Janeiro de 2004: Avanços e Recuos 2

3 Indicadores Conjunturais da Indústria em Janeiro de 2004 Variação % Segmentos Jan04/Dez03 Acumulado Acumulado Jan04/Jan03 (com ajuste) no Ano em 12 Meses Classe de Indústria Indústria Geral 0,8 1,7 1,7 0,2 Indústria Extrativa Mineral -1,5-5,7-5,7 1,5 Indústria de Transformação 1,7 2,8 2,8 0,1 Categorias de Uso Bens de Capital 4,5 7,8 7,8 1,4 Bens Intermediários -0,8 1,7 1,7 1,4 Bens de Consumo 2,5-1,6-1,6-4,2 Duráveis 3,0 8,6 8,6-0,2 Semiduráveis e não Duráveis 2,2-4,6-4,6-5,3 Fonte: IBGE - Pesquisa Industrial Mensal. Elaboração Própria. Produção Industrial por Categoria de Uso Em janeiro, descontadas as influências sazonais, a produção industrial cresceu em todos os setores da indústria classificados por categoria de uso. A única exceção foi o segmento de bens intermediários que, após seis meses contínuos de expansão, recuou 0,8%. As taxas de crescimento mais elevadas foram em bens de capital (4,5%), que havia caído 5,5% em dezembro, e bens de consumo duráveis (3,0%). De acordo com o IBGE, a produção de bens duráveis atingiu em janeiro o nível mensal mais elevado desde dezembro de Também cresceu na comparação com dezembro, a produção de bens de consumo semiduráveis e não-duráveis (2,2%). Embora este resultado positivo tenha interrompido uma seqüência de três meses de queda, ainda não é possível afirmar que esteja ocorrendo uma recuperação do setor, a qual depende da reativação do mercado de trabalho e da recomposição da renda. Na comparação com janeiro de 2003, os setores de bens de consumo duráveis e bens de capital também lideraram a expansão industrial por categoria de uso, registrando aumento, respectivamente, de 8,6% e 7,8%. No primeiro caso, os destaques foram produção de automóveis que cresceu 14,4%, e eletrodomésticos com 11,7% de expansão. Redução de impostos (IPI para automóveis), promoções e melhores condições do crediário para bens duráveis são fatores explicativos importantes para estes desempenhos. No segmento de bens de capital, o excelente desempenho do setor de exportador e, particularmente, do segmento de agronegócio, tem assegurado dinamismo da demanda por máquinas e equipamentos agrícolas. Em comparação com janeiro de 2003, a produção de bens de capitais agrícolas aumentou 30,9%, enquanto a produção de bens de capital para fins industriais expandiu 4,2%. Já a produção de bens de capital sob encomenda, associados aos investimentos de médio e longo prazo, caiu 21,8%, segundo o IBGE. O setor de bens intermediários também apresentou em janeiro um resultado positivo (1,7%). Houve expansão da produção de alimentos e bebidas elaboradas para a indústria (11,7%) e de combustíveis e lubrificantes elaborados (10,0%). Ressalte-se, porém, que a produção de insumos para a construção civil contraiu registrou queda de 8,9%, mantendo a seqüência de resultados negativos observados desde março de Ainda na série mensal (janeiro de contra janeiro de 2003) destaca-se a retração de 4,6% na produção de bens de consumo semiduráveis e não-duráveis. Para este resultado contribuíram as quedas na produção de vestuário (-14,9%), de matérias plásticas (14,5%), medicamentos (9,9%) e alimentos (-0,9%). Produção Industrial em Janeiro de 2004: Avanços e Recuos 3

4 Em doze meses, tanto o segmento de bens de consumo duráveis como o de bens de consumo semiduráveis e não duráveis ainda apresentaram variação negativa, respectivamente: de 0,2% e 5,3%. Já os setores de bens de capital e de bens intermediários cresceram 1,4%, mantendose acima da média global da indústria (0,2%). Variação da Produção Industrial por Categoria de Uso (%) 7,8 7,8 8,6 8,6 4,5 1,4 1,7 1,4 1,7 2,5 3,0 2,2-0,8-1,6-1,6-0,2-4,2-4,6-5,3-4,6 Bens de capital Bens intermediários Bens de consumo Bens de consumo duráveis Semiduráveis e não duráveis Jan04/Dez03 (com ajuste) Jan04/Jan03 12 Meses No Ano Categorias de Uso Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior fev/03 mar/03 abr/03 mai/03 jun/03 jul/03 ago/03 set/03 out/03 nov/03 dez/03 jan/04 Bens de capital 0,8-1,8-6,5-0,3-5,4-5,6-2,8 8,8 6,8 8,3 8,9 7,8 1.Bens de capital - exclusive (2) -2,7-2,2-5,3 0,5-5,8-4,4-0,5 8,9 8,1 8,5 10,0 14,6 2.Equipamentos de transporte industrial 13,0-0,6-10,5-2,8-3,8-9,1-10,1 8,4 2,6 7,8 5,0-10,6 Bens intermediários 4,5 3,7-1,5-0,2-2,5-0,5 0,3 4,4 1,8 0,8 4,9 1,7 1.Alimentação e bebidas básicos para indústria 6,5-11,3-20,4-12,5-27,0-5,9-10,1-0,4 6,0 3,2 10,5-6,0 2.Alimentação e bebidas elaborados para indústria -7,4-11,9-9,2 5,0 0,6 0,4 3,8 11,5-1,7 3,3 3,8 11,7 3.Insumos industriais básicos 5,7 11,6-0,2 2,0-3,9-20,0-1,9 12,3 4,0 4,6 11,7 1,1 4.Insumos industriais elaborados 4,5 2,5-2,7-2,0-2,5-0,9-1,4 2,1 0,9-0,9 1,7 1,3 5.Combustíveis e lubrificantes básicos 6,8 3,3 3,1 0,0-8,7 2,2 1,1 0,5-0,6 2,7 6,5-6,4 6.Combustíveis e lubrificantes elaborados -3,8 4,8-0,2 0,8 2,6-2,9-1,9 5,8 1,0-5,7 9,0 10,0 7.Peças e acessórios para bens de capital 34,0 38,4 15,7 14,8 2,2 16,7 18,0 25,3 25,0 25,6 6,5 8,2 8.Pçs e acess. para equip. de transporte industrial 3,4 0,1-7,6-0,4 1,7 1,6 4,4 8,4 5,2 4,3 15,1 4,2 Bens de consumo 2,5-7,6-11,3-4,4-2,5-6,3-8,5 0,7-2,0-4,3-3,9-1,6 Bens de consumo duráveis 10,3-14,8-12,8-6,9-2,0-5,8-3,2 8,2 4,3 4,6 10,3 8,6 1.Duráveis - exclusive (2) e (3) 3,7-20,8-15,5-12,1-8,3-8,1-10,1 8,4 8,6 7,4 10,7 5,7 2.Veículos automotores para passageiros 11,1-14,1-17,3-5,0-5,2-1,0 4,1 7,8-0,1 2,7 20,6 14,4 3.Equipamentos de transporte não industrial 34,6 7,1 8,3 8,4 35,4-6,6 9,9 8,7-2,6-2,4-14,4 6,0 Semiduráveis e não duráveis 0,3-5,5-10,8-3,7-2,6-6,5-9,8-1,4-3,8-7,0-7,5-4,6 4.Semiduráveis -2,6-16,9-22,4-15,1-9,8-10,6-13,7-7,5-1,4-11,4-10,8-8,9 5.Não duráveis - exclusive (6) a (8) 14,8 2,1-8,3 2,0 12,9-6,9-15,7-1,3-7,0-8,4-13,9-10,0 6.Alimentação e bebidas básicos para consumo doméstico -13,1 20,4-13,5 31,3 15,2 24,4 66,2 12,0 12,8 11,3-1,8-23,4 7.Alimentação e bebidas elaborados para consumo doméstico -0,4-2,2-7,8-2,4-8,5-7,0-9,5-3,8-6,3-6,3-1,7-0,4 8.Carburantes (gasolina e álcool hidratado) -14,6-8,7-1,2 1,3 1,8-0,2 0,0 13,7 3,5 1,1-12,1-2,4 Produção Industrial em Janeiro de 2004: Avanços e Recuos 4

5 Gêneros e Ramos da Indústria de Transformação A indústria de transformação apresentou resultado positivo tanto na comparação com dezembro (1,7%, descontadas as influências sazonais) como em relação ao mês de janeiro de 2003 (2,8%), sustentando o desempenho da indústria geral. 20 Produção Física Indústria Geral e de Transformação Variação em Igual Período do Ano Anterior (%) jan/00 mar/00 mai/00 jul/00 set/00 nov/00 jan/01 mar/01 mai/01 jul/01 set/01 nov/01 jan/02 mar/02 mai/02 jul/02 set/02 nov/02 jan/03 mar/03 mai/03 jul/03 set/03 nov/03 jan/04 Indústria Geral Indústria de Transformação Em janeiro, na série com ajuste sazonal, registraram resultado positivo dezessete dos vinte gêneros industriais pesquisados. Dentre estes, destacam-se mecânica (4,5%) e química (2,5%), de grande importância para o resultado global da indústria de transformação. Em contraposição, as indústrias de material de transporte diminuíram a produção em, respectivamente, 3,1% e 0,6%. Produção Industrial em Janeiro de 2004: Avanços e Recuos 5

6 Gêneros de Indústrias Selecionados Variação em Relação ao Mês Anterior com Ajuste Sazonal (%) Material de transporte -3,1 Vestuários, calçados e artefatos de tecidos -0,6 Perfumaria, sabões e velas Bebidas Transf. de produtos de minerais não-metálicos Metalúrgica 0,1 0,2 0,6 0,8 Química Têxtil 2,5 2,5 Mecânica 4,5 Borracha Couros e peles 5,6 5,8 Produtos de matérias plásticas 7,9 Farmacêutica 11,8 Em relação a janeiro de 2003, onze das vinte indústrias pesquisadas cresceram, dentro os quais destacam-se pelo impacto na média global: mecânica (11,8%), química (5,0%) e metalúrgica (3,5%). Em contraste, declinaram as indústrias: de vestuário e calçado (-4,9%), farmacêutica (-9,9%), fumo (-18,5%) e transformação de minerais não metálicos (-8,0%). Uma característica do ano de 2003 que, aparentemente, o primeiro mês de 2004 reproduz é a grande alternância de muito altas e muito baixas taxas de crescimento entre os segmentos da indústria. Na classificação industrial mais desagregada divulgada pelo IBGE (Nível 100), destaca-se em janeiro (com relação a janeiro de 2003) o desempenho positivo da produção naval (152%), aparelhos de áudio e vídeo (40,8%), óleos vegetais (36,6%), tratores e máquinas (35,1%), fertilizantes e adubos (24,9%), fundidos e forjados de aço (24,4%), material para produtos eletrônicos e de comunicação (22,6%). Do outro lado, estão segmentos como indústria ferroviária (-29,3%), artigos de vestuário e acessório (-23,2%), extração de minerais não-metálicos (-20,6%), destilação de álcool (-15,5%)e peças e estruturas de cimento (-13,2%). Produção Industrial em Janeiro de 2004: Avanços e Recuos 6

7 Gêneros de Indústrias Selecionados Variação em Relação a Igual Mês do Ano Anterior (%) Mecânica 11,8 Química Borracha Papel e papelão Metalúrgica Material de transporte Perfumaria, sabões e velas Indústria de Transformação Indústria Geral 5,0 4,6 4,5 3,5 3,5 3,3 2,8 1,7 Mobiliário -1,3 Couros e peles -4,4 Madeira Transf. de produtos de minerais não-metálicos Fumo Farmacêutica -7,4-8,0-8,5-9,9 Vestuários, calçados e artefatos de tecidos -14,9 O indicador acumulado em doze meses (fevereiro de 2003 a janeiro de 2004) revela virtual estagnação (0,1%) para a indústria de transformação. Para este resultado contribuíram positivamente a indústria mecânica (8,9%), borracha (5,7%) e metalúrgica (3,9%). No sentido oposto, os principais impactos negativos originaram-se de: farmacêutica (-18,4%), vestuário (- 12,8%), matérias plásticas (-10,3%) e fumo (-8,8%). Ainda neste mesmo indicador, destacam-se, dentre os ramos industriais, o bom desempenho da indústria naval (91%), de fundidos e forjados de aço (20,6%), tratores (16,4%), celulose e pasta mecânica (13,9%), adubos e fertilizantes (13,7%) e destilação de álcool (12,4%). As quedas mais acentuadas foram registradas, mais uma vez, nas indústrias de equipamento para produção e distribuição de energia elétrica (-21%), indústria de conservas e sucos (20,9%), indústria ferroviária (-20,2%) e indústria farmacêutica (18,4%). Produção Industrial em Janeiro de 2004: Avanços e Recuos 7

8 Classes e Gêneros de Indústrias Selecionados Variação Acumulada em 12 Meses (%) Mecânica 8,9 Borracha 5,7 Metalúrgica Papel e papelão Madeira Couros e peles Química Indústria Geral Indústria de Transformação 3,9 3,0 2,7 1,5 1,3 0,2 0,1 Transf. de produtos de minerais não-metálicos Bebidas -6,8-7,3 Fumo Produtos de matérias plásticas -10,3-8,8 Vestuários, calçados e artefatos de tecidos -12,8 Farmacêutica -18,4 Equipamentos para produção e distribuição de energia elétrica Conservação de frutas e legumes - inclusive sucos e condimentos Indústria ferroviária - inclusive reparação Indústria farmacêutica Artigos do vestuário e acessórios Cimento e Clínquer Peças e estruturas de concreto, cimento e fibrocimento Artigos de material plástico Outros produtos metalúrgicos Indústria do fumo Extração de carvão mineral Condutores e outros materiais elétricos - exclusive para veículos Indústria da borracha Siderurgia Máquinas, equipamentos e instalações - inclusive peças e acessórios Fabricação de outros veículos Extração de minerais metálicos Destilação de álcool Adubos, fertilizantes e corretivos para o solo Celulose e pasta mecânica Tratores e máquinas rodoviárias - inclusive peças e acessórios Fundidos e forjados de aço Indústria naval - inclusive reparação Indústria Geral Indústria Geral e Setores Selecionados Variação Acumulada em 12 Meses (%) -21,0-20,9-20,2-18,4-18,0-14,5-14,2-12,2-9,7-8,8-8,7 0,2 5,2 5,7 6,8 7,5 7,8 9,7 12,4 13,7 13,9 16,4 20,6 91,0 Produção Industrial em Janeiro de 2004: Avanços e Recuos 8

9 Variação em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior (%) Média 1991=100 Segmentos jan/02 fev/02 mar/02 abr/02 mai/02 jun/02 jul/02 ago/02 set/02 out/02 nov/02 dez/02 jan/03 fev/03 mar/03 abr/03 mai/03 jun/03 jul/03 ago/03 set/03 out/03 nov/03 dez/03 jan/04 Classe de Indústria Indústria Geral -1,2-1,2-3,5 6,3-0,8 0,8 3,4 1,0 5,6 8,9 4,7 5,2 2,6 3,9 0,4-3,9-0,8-2,3-2,3-2,0 4,1 1,3 0,4 3,0 1,7 Indústria Extrativa Mineral 7,1 5,1 13,2 13,7 18,8 13,4 10,4 14,7 11,4 22,3 4,4-4,0 4,2 6,7 3,8 3,5 1,6-7,0 2,3 1,7 2,1 0,2 3,0 7,3-5,7 Indústria de Transformação -2,3-2,0-5,4 5,4-2,9-0,6 2,6-0,5 4,9 7,5 4,8 6,6 2,4 3,6-0,1-4,9-1,1-1,6-2,8-2,5 4,4 1,4 0,1 2,4 2,8 Categorias de Uso Bens de Capital -3,8 4,4-5,3 6,9-5,6-1,3-1,1-11,0-0,8 2,4 5,3 0,5 2,9 0,8-1,8-6,5-0,3-5,4-5,6-2,8 8,8 6,8 8,3 8,9 7,8 Bens Intermediários -1,8-1,3-2,9 5,0 0,7 2,3 3,4 2,8 6,3 9,9 6,9 6,8 4,9 4,5 3,7-1,5-0,2-2,5-0,5 0,3 4,4 1,8 0,8 4,9 1,7 Bens de Consumo 1,2-2,6-4,7 9,1-4,0-3,1 3,4-0,3 4,2 6,5-0,9 2,3-4,0 2,5-7,6-11,3-4,4-2,5-6,3-8,5 0,7-2,0-4,3-3,9-1,6 Duráveis -3,9-10,6-10,7 10,0-10,1-5,4 9,0 6,3 17,7 17,4 9,0 9,0 5,6 10,3-14,8-12,8-6,9-2,0-5,8-3,2 8,2 4,3 4,6 10,3 8,6 Semiduráveis e não Duráveis 2,6-0,1-2,8 8,9-2,0-2,4 2,1-1,8 1,0 3,7-3,5 0,7-6,5 0,3-5,5-10,8-3,7-2,6-6,5-9,8-1,4-3,8-7,0-7,5-4,6 Gêneros da Indústria de Transformação Transf. prod. de min. não-metálicos 4,0 4,9 1,2 5,5 3,3 1,0 1,5-0,6-3,6-1,7-8,0-2,9-3,4-8,4-4,3-3,1-6,0-3,4-4,5-7,2-3,0-3,5 2,4 1,2 2,6 Metalúrgica -0,6-1,5 0,4 3,8-2,2 0,3-0,7 0,8 0,4-5,6-14,9-12,3-14,1-10,2-9,0-7,6-5,3-2,7-4,4-6,1-0,3-0,6 5,5 13,9 19,6 Mecânica -5,7 4,1-1,9 6,3-1,7 6,2-7,1 2,8-6,0-7,5-15,6-12,5-12,3-14,8-11,1-11,3-13,5-11,5-6,6-16,6-8,9-6,9-1,2 3,1 21,1 Material elétrico e de comunicação -20,0-25,4-15,9-2,6-12,8 2,4-5,9-1,9-9,4-19,4-18,7-9,1 5,7-4,6-16,9-17,3-18,0-24,2-18,0-16,3-5,3-4,0-3,3-0,7-4,0 Material de transporte -13,9-8,7-11,8 0,6-9,7 1,1-6,2-13,0-12,6-18,1-36,9-27,4-28,2-15,2-10,7-10,6-13,6-20,4-15,4-12,4-0,7-5,2 10,6 28,9 38,1 Madeira -0,9-3,5-2,4 5,0-8,5 0,0-6,1-5,0-9,4-15,9-18,1-4,5-1,1 0,0 4,6-1,1 0,6 4,7 5,5 3,9 13,0 12,4 16,1 10,8 14,4 Mobiliário -13,1-24,5-17,8-3,2-15,1-10,2-9,5-10,5 1,9-7,8-12,8 4,0 10,0-3,0-1,4-1,1-12,4-10,2 1,8-6,5 3,9 1,3 0,9-2,0 1,6 Papel e papelão 1,5-2,0-0,9 2,6 0,6 1,5 3,0 2,5-0,2-0,4-3,5-0,5 1,6 3,7 4,1 1,9 5,2 4,9 7,2 2,3 7,4 5,1 11,9 11,1 10,3 Borracha -0,6-4,7 3,0 10,9-7,9-7,5-3,5-3,3-4,8-16,7-15,7-15,5-27,0-4,1-5,0-2,9 7,1 6,3-5,9-5,3-2,9 14,5 13,2 21,7 35,2 Couros e peles -10,2-17,1-12,8-3,4-10,8-5,6-16,4-13,5-21,0-17,8-18,2-9,4-16,7-12,4-6,0-7,2-15,2-13,2-0,5-7,1 14,3-1,7 0,9 2,5 8,7 Química 3,7 6,5 11,6 6,9 9,0 1,3 6,1 4,7-1,1 0,5 1,8 5,4-0,1-2,1-4,1 0,8 3,7 2,3-0,6-2,8-0,2 2,3 2,8 2,5 6,0 Farmacêutica 7,7-5,8-2,2-2,2-9,2 11,6 4,0 12,1 12,7 3,2 3,2 11,3 7,8-1,9 0,7 15,0 5,8 5,6 5,3-8,3-4,2 1,1-6,7-14,5 1,0 Perfumaria, sabões e velas -0,3 2,2 0,3 4,0-3,0 9,3 3,3-3,7 6,9-1,4 2,0 13,1 6,8 3,8-6,0 8,5 7,0 9,1 10,2 9,9 2,4 5,9 7,6 10,6 16,3 Produtos de matérias plásticas -2,5-3,6-5,4 1,7-6,2 1,5 2,5 1,7 0,8-6,2-8,5-3,7-2,8-2,7 1,4-3,1-5,3-6,4-10,1-13,3-12,4-10,4-7,1-2,7-0,7 Têxtil -23,8-20,3-14,8-8,6-17,0-6,4-8,3-10,9-5,4-4,8-0,3 9,7 15,4 6,9-0,3 1,7-0,2-1,3 1,9 2,2 2,4 2,9 1,1 3,9 6,2 Vestuários, calçados e art. de tecidos -13,6-19,8-8,4-0,1-7,1-1,1-8,1-1,9-0,1-1,3-5,5-2,6-1,8 1,5-1,5 2,1 0,8-3,3-4,8-9,0-3,6-10,8-8,8-1,8 4,7 Produtos alimentares 1,4-2,2 4,7 2,7-2,5 0,5 7,1 5,8 1,8-3,4-5,5 8,1 0,6-2,7-2,8 5,2 2,3 12,5 3,5-2,7 7,0 5,6 5,9-0,4 2,8 Bebidas -1,2-3,3-1,9 24,6-23,2-3,4-0,5-1,3-4,9-6,6-3,3-0,8 4,7-14,2-5,9-8,9 28,0-4,9-5,0-9,2 2,4 4,0 5,1 6,4 2,7 Fumo -14,0-14,0-6,2-6,5-14,0-15,3-17,8-56,3-54,8-31,4-29,5-25,7-14,0-41,7-47,3-9,5-13,4-1,3 3,3 97,8 53,2-44,2-41,4-40,2-33,5 Produção Industrial em Janeiro de 2004: Avanços e Recuos 9

10 Produção Física Industrial - Nível 100 Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior fev/03 mar/03 abr/03 mai/03 jun/03 jul/03 ago/03 set/03 out/03 nov/03 dez/03 jan/04 Extração de minerais metálicos 3,6 10,6 8,1 15,5 9,1 3,6 8,9 18,9 8,0 8,6 16,3 5,9 Extração de minerais não metálicos 12,0-6,8-0,9 9,0-4,0 4,5-6,7 2,7-1,0-6,8-0,1-20,6 Extração de petróleo e gás natural 7,0 3,4 3,2 0,2-8,9 2,2 1,3 0,6-0,4 2,7 6,7-6,4 Extração de carvão mineral -6,2-6,8-8,9-13,8 32,2-0,6-18,2-13,1-25,6-6,4-14,1-12,6 Cimento e Clínquer -4,6-15,9-20,7-11,0-12,4-10,6-15,6-16,8-16,5-20,3-15,8-10,6 Peças e estruturas de concreto, cimento e fibrocimento 3,9-13,1-21,8-12,6-19,9-16,7-21,1-12,5-10,7-12,9-19,2-13,2 Vidro e artigos de vidro 3,2 4,7 1,0-5,8-8,2 1,9 5,4 9,9 10,8 3,1 8,8-5,9 Outros produtos de minerais não metálicos 2,4-3,3-5,6-1,0 0,5-3,4-5,0-2,3-2,5-6,9-4,3-6,0 Siderurgia 10,2 15,1 9,4 8,1 10,9 5,4 6,4 5,5 3,2 5,1 3,8 0,4 Metalurgia dos não ferrosos -0,8 5,0-3,5 3,0 0,7 12,3 3,4 9,8 6,2 6,1 2,0 3,6 Fundidos e forjados de aço 26,0 19,6 12,8 15,2 15,5 22,0 17,6 25,8 21,5 21,8 27,1 24,4 Outros produtos metalúrgicos -3,7-9,1-12,3-1,3-6,7-11,9-18,8-10,5-17,2-15,8-4,6-0,5 Máquinas, equipamentos e instalações - inclusive peças e acessórios 12,6 10,2 10,1 11,2 1,3 5,3 3,3 8,2 5,7 7,6 5,9 8,7 Tratores e máquinas rodoviárias - inclusive peças e acessórios 14,1 9,4 5,8 27,5 22,4 3,0 21,5 20,6 13,8 17,4 15,3 35,1 Equipamentos para produção e distribuição de energia elétrica -36,1-35,2-35,6-35,6-31,9-10,2-25,2 2,2 9,9-10,6-10,3 0,8 Condutores e outros materiais elétricos - exclusive para veículos 32,4 30,0 1,3-0,5 20,7-1,3-6,6 10,3-1,7 5,5-6,1-10,0 Aparelhos e equip. elétricos - inclusive eletrodom., máquinas de escritório 21,9 0,5-1,7 3,8 11,5 2,6-2,4 12,0 10,9 2,9-3,1-2,4 Material para aparelhos eletrônicos e de comunicação 21,1 23,8-13,0-11,7-38,0-23,7-0,1 0,4 25,1 30,2 42,9 22,6 Aparelhos receptores de TV, rádio e equipamentos de som -6,5-34,2-18,8-27,5-18,7-8,5-4,2 17,3 21,0 20,7 61,2 40,8 Automóveis, utilitários, caminhões e ônibus 14,1-8,3-15,1-2,3-1,3 3,0 8,9 16,2 5,6 8,1 24,2 10,1 Motores e peças para veículos 5,3-2,7-9,5-3,0-1,8-3,1-1,8 7,2 3,6 4,6 18,5 4,6 Indústria naval - inclusive reparação -4,6 164,7 30,0 71,2-0,6 117,3 83,0 131,2 84,9 110,8 146,9 152,0 Indústria ferroviária - inclusive reparação -9,6-8,5-18,6-13,7-20,2-31,1-30,3-20,9-22,5-10,0-22,1-29,3 Fabricação de outros veículos 37,8 7,6 6,2 8,9 27,0-1,5 6,2 10,4 2,5 0,1-5,3 4,5 Indústria da madeira 7,3 8,9-1,7 0,3 0,7 5,1-1,5 8,5 10,4 1,4 1,4-7,4 Indústria do mobiliário 4,3-20,2-20,0-3,6-5,6-7,0-11,4 5,8 3,6 9,7 4,1-1,3 Celulose e pasta mecânica 19,1 22,4 25,0 19,6 12,7 12,0 8,0 17,4 16,0 1,8 7,7 10,2 Papel, papelão e artefatos de papel 1,2-2,2-3,9-2,0 0,8 4,0-4,1-0,6-1,7 0,8 2,1 2,7 Indústria da borracha 5,2 4,6-1,4 4,6 10,2 7,6 8,5 7,9 8,1 3,8 5,0 4,6 Elementos químicos, não petroquímicos ou carboquímicos -5,3-2,1 7,2 1,4 5,0-0,6-3,2 7,2 0,7 2,3 15,0 3,4 Destilação de álcool -15,4-61,7 67,5 16,5 3,9 9,3 8,4 20,7 14,3 27,8-0,7-15,5 Refino de petróleo -4,1 0,7-4,7-3,9-0,3-6,0-4,8 5,3-0,4-6,8 1,1 6,4 Petroquímica básica e intermediária -0,4 15,0 25,9-6,9-8,2 0,1 15,7 10,6-0,1-10,9 10,4-5,3 Resinas, fibras e elastômeros -2,7 8,2 5,4-4,2-4,3-1,9 4,8 4,1 1,9-0,3 6,9-1,6 Adubos, fertilizantes e corretivos para o solo 15,0 36,0 9,2 3,2 0,6 4,8 8,9 7,9 27,0 27,6 18,9 24,9 Produtos químicos diversos 14,8 3,7-2,6-2,7-11,3-3,6-10,2-3,0 3,6-5,6-9,1 6,2 Indústria farmacêutica -7,8-27,7-24,9-18,5-10,8-23,8-23,8-9,4-16,8-18,3-22,2-9,9 Indústria de perfumaria, sabões e velas 2,4-6,1-8,0 3,5-0,2 3,3-1,0 0,6-1,5-8,7 3,0 3,3 Laminados plásticos -7,6-8,6-13,0-8,8-10,7-7,5-10,7 0,4-1,7 4,9 1,9 1,6 Artigos de material plástico -1,9-18,6-23,5-16,2-14,6-11,7-9,2-12,0-12,4-10,8-13,0 0,7 Beneficiamento, fiação e tecelagem de fibras têxteis naturais -6,4-8,5-16,1-10,2-11,3-7,3-6,6-3,5-3,2-8,8-7,1-1,0 Fiação e tecelagem de fibras artificiais ou sintéticas 0,3-8,5-15,9-10,1-8,5-13,1-4,5-0,7-3,4-0,5-4,9-3,3 Outras indústrias têxteis -7,3-2,0-10,6-1,0-9,5-5,7-12,3-3,4 7,5-7,0-2,3 4,4 Artigos do vestuário e acessórios -11,3-23,7-31,3-21,7-14,5-18,2-22,9-10,8-4,5-16,9-16,4-23,2 Indústria de couros e peles e artigos para viagem 11,9 1,7 2,3 10,4 4,4-6,1-3,1 11,8 1,3-5,5-3,3-4,4 Calçados 6,1-13,7-16,3-10,1 0,8-2,1-0,8 0,7-0,4-5,3-8,4-4,7 Indústria do café -0,2-0,7-5,1-9,6-16,0 3,2-1,8 12,3-1,7 10,3 1,6 13,0 Beneficiamento de arroz 0,4-12,7-4,5-2,7-11,0 3,1-17,2-11,3-6,8-10,1 4,1-9,9 Moagem de trigo -0,9-1,0-11,8-0,6-7,7-1,7 10,0 14,1 6,1 9,1 7,8 6,6 Conservação de frutas e legumes - inclusive sucos e condimentos -25,4-21,2-24,1-30,5-35,1-24,9-20,6-24,6-21,0-16,6-11,8-5,7 Beneficiamento de outros produtos de origem vegetal para alimentação 20,2 4,2 9,0 8,8-4,4-5,7-4,3 2,8 11,9 8,3 6,7 4,2 Indústria do fumo 13,2 17,7-3,7-6,3-19,8-60,0-41,5-13,0 3,2-2,1-1,7-8,5 Abate de animais (exclusive aves) e preparação de carnes 11,8 12,2 1,6 5,2 1,5 0,6-2,3 0,9 0,5-4,2-0,9-0,4 Abate e preparação de aves 0,0 2,0-9,5-1,3-4,0-6,9-8,3 0,8 0,3 3,6 10,2 0,9 Resfriamento e preparação do leite e laticínios 12,4 7,2-0,4-1,7-5,0-5,9-5,1-5,7-8,6-9,9-4,3-6,4 Indústria do açúcar -21,5-45,1-19,6 8,0-0,1 3,3 7,1 14,9 0,0 10,0-0,1-6,5 Óleos vegetais em bruto -2,8-1,9-7,5 1,6 2,2-5,6-6,2 1,8-6,7-6,7 5,0 36,6 Refino de óleos vegetais e fabricação de gorduras para alimentação -4,8-9,8-18,1 1,9-5,1 0,0 0,6 15,1-1,0-11,6 0,0 6,5 Alimentos para animais 2,4 2,9-1,3 2,9-4,1-3,3-6,1-1,6-2,6-4,7-2,0-1,3 Outras indústrias alimentares -1,7 2,0-3,7 2,0 1,1-4,5 0,6 7,1-0,6-1,8-4,9 1,9 Indústria de bebidas 2,8-7,7-15,6 0,0-11,4-9,5-16,7-7,6-9,8-11,8 3,6 0,7 Tendências da Indústria Nossos indicadores de tendência mostram que a retomada da atividade industrial continua, embora seja claro que a etapa de maior dinamismo da recuperação tenha se dado entre julho e setembro. A indústria geral, a indústria de transformação e todas as categorias de uso (com destaque para bens duráveis de consumo) apresentam uma tendência de crescimento. A exceção é o segmento de bens de consumo semiduráveis e não-duráveis, cuja recuperação ainda depende da reativação do mercado interno. Produção Industrial em Janeiro de 2004: Avanços e Recuos 10

11 135 Indicador de Tendência da Indústria = jan/01 abr/01 jul/01 out/01 jan/02 abr/02 jul/02 out/02 jan/03 abr/03 jul/03 out/03 jan/04 Tendência - Ind. Transformação Tendência - Ind. Geral Fonte: IBGE Pesquisa Industrial Mensal. Elaboração Própria. Obs: Os dados de tendência utilizam o filtro de Kalman (metodologia desenvolvida por Andrew Harvey). 180 Indicador de Tendência da Indústria Categorias de Uso = jan/01 abr/01 jul/01 out/01 jan/02 abr/02 jul/02 out/02 jan/03 abr/03 jul/03 out/03 jan/04 Tendência - Ind. Bens de Capital Tendência - Ind. Bens Não Duráveis de Consumo Tendência - Ind. Bens Duráveis de Consumo Tendência - Ind. Bens Intermediários Fonte: IBGE Pesquisa Industrial Mensal. Elaboração Própria. Obs: Os dados de tendência utilizam o filtro de Kalman (metodologia desenvolvida por Andrew Harvey). Produção Industrial em Janeiro de 2004: Avanços e Recuos 11

12 Desempenho Industrial Comparado: Brasil e Países Selecionados Na comparação internacional, para um conjunto de países desenvolvidos, nota-se que as indústrias japonesa e irlandesa vêm apresentando crescimento expressivo, respectivamente, 3,1% (em dezembro) e 4,5% (em novembro) na média nos últimos doze meses. Ressalte-se também, o declínio da produção industrial no Reino Unido (-0,7%) França (-0,5%) e Itália (0,5%), em doze meses terminados em novembro. Já dentre as economias em desenvolvimento, os destaques são as indústrias polonesa e sulcoreana, que cresceram 8,7% e 4,8% nos últimos doze meses encerrados em dezembro, e as indústrias da Turquia, República Checa e Hungria, com expansão, respectivamente, de 8,5%, 5,8% e 5,5% em doze meses terminados em novembro de Em contraposição, ressalta-se o modesto desempenho da produção industrial brasileira (0,2% em janeiro de 2004), o qual só melhor do que o do México (-0,7% em novembro). Pela comparação do último mês disponível com o mesmo mês do ano anterior, o declínio da produção industrial britânica (-0,4% em novembro) foi o pior registrado dentre todas as economias incluídas na amostra. As taxas de crescimento mais expressivas foram registradas na Polônia (12,9% em relação a dezembro de 2002), na Coréia (7,7% em dezembro), Irlanda (13,1%) e Hungria (9,2%), ambas na comparação com novembro de Em posição relativamente próxima à indústria no Brasil, cujo crescimento em relação ao mesmo mês do ano anterior foi de 1,7%, estão Espanha (1,9 % em novembro), Alemanha (1,4% em novembro) e Área do Euro (1,3% em novembro). Enquanto o Japão e os Estados Unidos registraram taxa de crescimento industrial mensal superior à brasileira (respectivamente, 3,4% e 2,3%, em dezembro). Brasil e Países Selecionados: Variação da Produção Industrial (%) Alemanha (Nov/03) Área do Euro (Nov/03) Brasil (Jan/04) Coréia do Sul (Dez/03) Espanha (Nov/03) Estados Unidos (Dez/03) França (Nov/03) Hungria (Nov/03) Irlanda (Nov/03) Itália (Nov/03) Japão (Dez/03) México (Nov/03) Reino Unido (Nov/03) República Checa (Nov/03) Polônia (Dez/03) Turquia (Nov/03) -0,5-0,5-0,7-0,7-0,4 0,6 1,4 0,3 1,3 0,2 1,7 1,6 1,9 0,3 2,3 1,1 0,0 3,1 3,4 0,6 4,8 5,5 4,5 5,8 7,7 9,2 7,0 8,7 8,5 7,3 13,1 12,9 Acumulado em 12 meses Igual mês do ano anterior Fonte: IBGE-PIM (Brasil) e OECD - Main Economic Indicators, February Elaboração Própria. Produção Industrial em Janeiro de 2004: Avanços e Recuos 12

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM AGOSTO DE 2003: FREIO NA RECESSÃO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM AGOSTO DE 2003: FREIO NA RECESSÃO PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM AGOSTO DE 2003: FREIO NA RECESSÃO De acordo com o IBGE, a produção industrial brasileira cresceu 1,5% em agosto na comparação com o mês de julho, na série com ajuste sazonal. Em

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM ABRIL DE 2003: DEMANDA INTERNA DEPRIMIDA AFETA INDÚSTRIA

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM ABRIL DE 2003: DEMANDA INTERNA DEPRIMIDA AFETA INDÚSTRIA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM ABRIL DE 2003: DEMANDA INTERNA DEPRIMIDA AFETA INDÚSTRIA A produção industrial brasileira contraiu-se 4,2% em abril de 2003 em relação ao mesmo mês do ano anterior e com março caiu

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM NOVEMBRO DE 2003:

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM NOVEMBRO DE 2003: PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM NOVEMBRO DE 2003: CONDIÇÕES ADVERSAS DO MERCADO INTERNO LIMITAM A RECUPERAÇÃO INDUSTRIAL Segundo o IBGE, em novembro, a produção industrial cresceu 0,8% na comparação com o mês outubro,

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM MAIO DE 2003: O SETOR DE BENS DE CONSUMO DURÁVEIS TEM O PIOR DESEMPENHO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM MAIO DE 2003: O SETOR DE BENS DE CONSUMO DURÁVEIS TEM O PIOR DESEMPENHO PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM MAIO DE 2003: O SETOR DE BENS DE CONSUMO DURÁVEIS TEM O PIOR DESEMPENHO De acordo com o IBGE, em maio, a produção industrial brasileira manteve-se praticamente no mesmo patamar de

Leia mais

DESEMPENHO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM JANEIRO DE 2003

DESEMPENHO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM JANEIRO DE 2003 DESEMPENHO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM JANEIRO DE 2003 De acordo com o IBGE, a produção industrial brasileira voltou a crescer em janeiro de 2003 ainda que a uma taxa modesta: 0,7% em relação ao mês anterior,

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM ABRIL DE 2004: FÔLEGO CURTO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM ABRIL DE 2004: FÔLEGO CURTO PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM ABRIL DE 2004: FÔLEGO CURTO Segundo o IBGE, a produção física industrial brasileira permaneceu virtualmente estagnada, com variação positiva de 0,1% em abril na comparação com o

Leia mais

DESEMPENHO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM 2002

DESEMPENHO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM 2002 DESEMPENHO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM 2002 De acordo com os dados da pesquisa industrial mensal do IBGE, a produção industrial brasileira terminou o ano de 2002 com um crescimento médio de 2,4%. Na comparação

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM FEVEREIRO DE 2004: OUTRA VEZ EM RETRAÇÃO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM FEVEREIRO DE 2004: OUTRA VEZ EM RETRAÇÃO PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM FEVEREIRO DE 2004: OUTRA VEZ EM RETRAÇÃO A decisão do Banco Central em interromper a redução da taxa de juros básica em janeiro funcionou como balde de água-fria na expectativa dos

Leia mais

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF BRASIL. Resultados de Fevereiro de 2017

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF BRASIL. Resultados de Fevereiro de 2017 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF BRASIL Resultados de ereiro de 2017 Data: 04/04/2017 Resumo ereiro/2017 Variação (%) Grandes Categorias Econômicas Acumulado nos ereiro 2017/eiro

Leia mais

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF BRASIL. Resultados de Maio de 2017

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF BRASIL. Resultados de Maio de 2017 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF BRASIL Resultados de o de 2017 Data: 04/07/2017 Resumo o/2017 Variação (%) Grandes Categorias Econômicas Acumulado nos o 2017/il 2017* o 2017/o 2016

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL Outubro de 2013

PRODUÇÃO INDUSTRIAL Outubro de 2013 PRODUÇÃO INDUSTRIAL Outubro de 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO A produção industrial de cresceu 4,9% em outubro, em relação ao mesmo mês do ano anterior. É a quinta taxa positiva consecutiva neste tipo de comparação.

Leia mais

Resultados do 2º trimestre de 2012

Resultados do 2º trimestre de 2012 4º T 2007 1º T 2008 2º T 2008 3º T 2008 4º T 2008 1º T 2009 2º T 2009 3º T 2009 4º T 2009 1º T 2010 2º T 2010 3º T 2010 4º T 2010 1º T 2011 2º T 2011 3º T 2011 4º T 2011 1º T 2012 2º T 2012 4º Tri/2007=100

Leia mais

Produção Física - Subsetores Industriais Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior

Produção Física - Subsetores Industriais Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior Abate e fabricação de produtos de carne 4,3-3,7-7,1-3,8 0,5 2,0-0,9 4,9-11,8 2,4 4,5 5,2 Abate de reses, exceto suínos 1,1-9,2-9,2-10,0-7,3-6,0-4,3 4,9-19,6-1,8 5,7 10,0 Abate de suínos, aves e outros

Leia mais

Produção Física - Subsetores Industriais Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior

Produção Física - Subsetores Industriais Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior Abate e fabricação de produtos de carne -3,7 4,3-3,7-7,1-3,8 0,5 2,0-0,9 4,9-11,8 2,4 5,0 Abate de reses, exceto suínos 0,1 1,1-9,2-9,2-10,0-7,3-6,0-4,3 4,9-19,6-1,8 6,9 Abate de suínos, aves e outros

Leia mais

Produção Física - Subsetores Industriais Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior

Produção Física - Subsetores Industriais Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior Abate e fabricação de produtos de carne 12,2-19,0-0,9-1,6 0,7-1,3 1,1-1,5-7,8 2,5 7,6-2,5 1,9 Abate de reses, exceto suínos 27,7-10,5 10,3 6,6 10,1 7,2 8,7 4,6-4,7 3,8 10,3-4,7-1,2 Abate de suínos, aves

Leia mais

Produção Física - Subsetores Industriais Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior

Produção Física - Subsetores Industriais Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior Abate e fabricação de produtos de carne -7,1-3,8 0,5 2,0-0,9 4,9-11,8 2,5 4,7 5,4 1,1 5,7 Abate de reses, exceto suínos -9,2-10,0-7,3-6,0-4,3 5,0-19,7-1,6 6,1 11,3 3,4 6,2 Abate de suínos, aves e outros

Leia mais

Produção Física - Subsetores Industriais Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior

Produção Física - Subsetores Industriais Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior Abate e fabricação de produtos de carne 4,2 0,0 3,8-3,8-3,4 12,2-19,1 1,3-1,6 0,7-1,3 1,4-0,5 Abate de reses, exceto suínos 10,8 12,7 7,0-4,0 1,0 27,7-10,5 10,2 6,6 10,1 7,2 8,7 6,3 Abate de suínos, aves

Leia mais

Produção Industrial Maio de 2014

Produção Industrial Maio de 2014 Produção Industrial Maio de 214 PRODUÇÃO INDU S TRI AL DE SANTA C AT AR INA EM M AIO/14 A produção industrial de Santa Catarina ficou estável em maio (,%), em relação ao mesmo mês do ano anterior. Resultado

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Além da forte queda da indústria (-18,5%), ressalta-se o fato de que somente

Leia mais

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL. Resultados de Janeiro de 2017

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL. Resultados de Janeiro de 2017 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL Resultados de Janeiro de 2017 Data: 14/03/2017 RESUMO (Janeiro/2017) Variação (%) Locais Acumulado nos Janeiro 2017/Dezembro 2016* Janeiro

Leia mais

Nos últimos 12 meses, a retração da indústria de SC foi de 7,9% e a brasileira de 9%.

Nos últimos 12 meses, a retração da indústria de SC foi de 7,9% e a brasileira de 9%. ABRIL/2016 Sumário Executivo Produção Industrial - Fevereiro 2016 Variação percentual mensal (Base: mês anterior): A indústria catarinense diminuiu a produção em 3,3%, ante uma contração da indústria nacional

Leia mais

de Setembro de n 483

de Setembro de n 483 483 http://www.iedi.org.br/ instituto@iedi.org.br 2 de Setembro de 2011 - n 483 Veja também Produção Industrial em Julho de 2011: Perda de Ritmo2 de Setembro no site de 2011 do IEDI - nº Em julho, a produção

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação

Coeficientes de Exportação e Importação Coeficientes de Exportação e Importação Divulgação dos Resultados da Indústria Geral e Setorial 1º Trimestre de 2011 Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Maio de 2011 Objetivos Calcular

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Fevereiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Fevereiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Fevereiro 2013 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM FEVEREIRO Exportações Apesar da queda nos embarques para a Argentina (6%), trata-se do melhor

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Novembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Novembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Novembro 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM NOVEMBRO Exportações A base de comparação está elevada pela contabilização como exportação

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro 2012 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM SETEMBRO Exportações A queda de 28% na comparação mensal pode ser explicada por: 1) Dois

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Março Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Março Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Março 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS NO 1º TRIMESTRE Exportações Das 24 categorias da indústria, apenas 4 apresentaram crescimento em

Leia mais

Diretoria de Pesquisas. Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL. Resultados de Agosto de 2017

Diretoria de Pesquisas. Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL. Resultados de Agosto de 2017 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL Resultados de Agosto de 2017 Resumo - Agosto/2017 Variação (%) Locais Acumulado nos Agosto 2017/Julho 2017* Agosto 2017/Agosto 2016 Acumulado

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2011 Unidade de Estudos Econômicos PRINCIPAIS ESTADOS EXPORTADORES NO MÊS jan/10 Part(%) jan/11 Part(%) Var (%) SAO PAULO 3.127 27,7% 3.328 21,9% 6,4% 201

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Março Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Março Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Março 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS NO TRIMESTRE Exportações A retração das vendas da indústria do Rio Grande do Sul estiveram concentradas

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Junho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Junho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Junho 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JUNHO Exportações A forte redução no mês foi causada pela contabilização como exportação da

Leia mais

Região Norte. Regional Maio 2015

Região Norte. Regional Maio 2015 Regional Maio 2015 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Norte engloba a Fiemg Regional Norte, Vale do Jequitinhonha e Mucuri. Região Norte

Leia mais

Diretoria de Pesquisas. Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL. Resultados de Julho de 2017

Diretoria de Pesquisas. Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL. Resultados de Julho de 2017 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL Resultados de Julho de 2017 Resumo - Julho/2017 Variação (%) Locais Acumulado nos Julho 2017/Junho 2017* Julho 2017/Julho 2016 Acumulado

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM SETEMBRO Exportações Houve contabilização como exportação de uma plataforma de petróleo e

Leia mais

Resultados do 3º trimestre de 2012

Resultados do 3º trimestre de 2012 4º T 07 1º T 08 2º T 08 3º T 08 4º T 08 1º T 09 2º T 09 3º T 09 4º T 09 1º T 10 2º T 10 3º T 10 4º T 10 1º T 11 2º T 11 3º T 11 4º T 11 1º T 12 2º T 12 3º T 12 São Paulo, 12 de novembro de 2012 Resultados

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM AGOSTO Exportações As exportações da indústria registraram o nível mais baixo para o mês desde

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Outubro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Outubro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Outubro 2012 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM OUTUBRO Exportações A exportação de produtos básicos registrou queda de 87,3% ante outubro

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Fevereiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Fevereiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Fevereiro 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM FEVEREIRO Exportações As exportações registraram queda, mesmo com o efeito favorável do

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Março Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Março Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Março 2013 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM MARÇO Exportações As exportações ficaram praticamente estáveis em comparação com o mesmo mês

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Junho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Junho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Junho 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS NO 2º TRIMESTRE Exportações As exportações da indústria de transformação tiveram o nível mais baixo

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM AGOSTO Exportações As retrações da Argentina (-32,8%) e dos Estados Unidos (-8,8%) explicam

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2012 Unidade de Estudos Econômicos PRINCIPAIS ESTADOS EXPORTADORES NO MÊS jan/11 Part(%) jan/12 Part(%) Var (%) SAO PAULO 3.328 21,9% 3.672 22,7% 10,3% 344

Leia mais

Aspectos do comportamento da indústria brasileira no primeiro trimestre de Luiz Dias Bahia Nº 12

Aspectos do comportamento da indústria brasileira no primeiro trimestre de Luiz Dias Bahia Nº 12 Aspectos do comportamento da indústria brasileira no primeiro trimestre de 2013 Luiz Dias Bahia Nº 12 Brasília, julho de 2013 ASPECTOS DO COMPORTAMENTO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE

Leia mais

Produção Industrial Fevereiro de 2014

Produção Industrial Fevereiro de 2014 Produção Industrial Fevereiro de 2014 Produção Industrial mantém ritmo moderado de crescimento A produção industrial de Santa Catarina cresceu 1,8% em fevereiro, em relação ao mesmo mês do ano anterior.

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Fevereiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Fevereiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Fevereiro 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM FEVEREIRO Exportações Em nível, as exportações da indústria gaúcha estão no pior patamar

Leia mais

Pressão Inflacionária. DEPECON / FIESP Fevereiro de 2005

Pressão Inflacionária. DEPECON / FIESP Fevereiro de 2005 1 Pressão Inflacionária DEPECON / FIESP Fevereiro de 2005 PIB Potencial e Hiato do Produto 2 Conceitos: PIB Potencial: é a quantidade máxima de bens e serviços que uma economia é capaz de produzir considerando

Leia mais

Produção Industrial Julho de 2014

Produção Industrial Julho de 2014 Produção Industrial Julho de 2014 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SANTA CATARINA EM JULHO/14 A produção da indústria catarinense recuou 2,7% em julho, enquanto a produção brasileira teve queda de 3,6%, ambos sobre

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2016 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações O principal destaque negativo ficou por conta do impacto contracionista

Leia mais

Indústria Geral - Crescimento % com relação Mês Anterior Produção Física com Ajuste Sazonal 1,6 1,3 1,3 0,1 0,4 0,3 -0,3 -0,6 -1,1-1,7

Indústria Geral - Crescimento % com relação Mês Anterior Produção Física com Ajuste Sazonal 1,6 1,3 1,3 0,1 0,4 0,3 -0,3 -0,6 -1,1-1,7 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DESEMPENHO EM MAIO DE : BRASIL E PAÍSES SELECIONADOS Os dados divulgados no dia 8 de julho pelo IGBE relativos ao desempenho da produção industrial no mês de maio revelam uma queda

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Ago.2016 REGIÃO CENTRO-OESTE. Regional Centro-Oeste Divinópolis ANÁLISE SETORIAL

INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Ago.2016 REGIÃO CENTRO-OESTE. Regional Centro-Oeste Divinópolis ANÁLISE SETORIAL #8 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS Ago.2016 REGIÃO CENTRO-OESTE Regional Centro-Oeste Divinópolis INDICADORES ANÁLISE SETORIAL TABELAS I N D I CADORES IN DUST RIAIS D A RE GIÃO LESTE FIEMG INDEX.

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Outubro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Outubro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Outubro 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM OUTUBRO Exportações A separação por categoria de atividade econômica mostra que a indústria

Leia mais

Índice de Preços ao Produtor

Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas COIND Índice de Preços ao Produtor Indústrias Extrativas e de Transformação Indústrias Extrativas e de Transformação Resultados Novembro de 2016 Principais Indicadores Indústria

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho 2013 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JULHO Exportações O principal destaque ficou por conta do aumento das vendas de tratores e de

Leia mais

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Diretoria Adjunta de Análise e Disseminação de Informações Gerência de Indicadores Econômicos Em fevereiro de 2016, no acumulado de 12 meses,

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Fevereiro/2017

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Fevereiro/2017 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação Trimestre terminado em Fevereiro/2017 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Novembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Novembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Novembro 2012 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM NOVEMBRO Exportações As retrações nos embarques para a China (produtos básicos e semimanfaturados)

Leia mais

N 106. Taxas de câmbio: metodologias e resultados. Eduardo Augusto Guimarães

N 106. Taxas de câmbio: metodologias e resultados. Eduardo Augusto Guimarães N 106 Taxas de câmbio: metodologias e resultados Eduardo Augusto Guimarães Abril de 1995 Taxas de câmbio setoriais: metodologia e resultados Eduardo Augusto Guimarães Abril de 1995 FBB FUNDAÇÃO BANCO DO

Leia mais

ano XIX n 3 Março de 2015

ano XIX n 3 Março de 2015 ano XIX n 3 EM FOCO O Índice de preços das exportações totais apresentou acentuada queda de 17,6% em fevereiro, na comparação com fevereiro de 2014, em função das variações negativas registradas em todas

Leia mais

Conjuntura PRODUÇÃO INDUSTRIAL

Conjuntura PRODUÇÃO INDUSTRIAL Indicadores da Industria Mensal Jan-Mar/2017 ECONÔMICA Conjuntura NO PRIMEIRO QUADRIMESTRE DE 2018, PRODUÇÃO INDUSTRIAL AVANÇA 4,5, FATURAMENTO PRODUÇÃO INDUSTRIAL ATINGE 6,9% Em abril de 2018, a produção

Leia mais

RIO EXPORTA Boletim de comércio exterior do Rio de Janeiro

RIO EXPORTA Boletim de comércio exterior do Rio de Janeiro ABRIL DE 2014 1 RIO EXPORTA Boletim de comércio exterior do Rio de Janeiro Expediente Abril de 2014 Ano XII - nº 04 Sistema FIRJAN Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro PRESIDENTE Eduardo

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2013 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações A queda das exportações para a Argentina (43%) foi determinante para esse

Leia mais

REGIÃO LESTE. Fev.2016 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Regional Vale do Aço - Ipatinga Regional Rio Doce Governador Valadares

REGIÃO LESTE. Fev.2016 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Regional Vale do Aço - Ipatinga Regional Rio Doce Governador Valadares #2 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS Fev.2016 REGIÃO LESTE Regional Vale do Aço - Ipatinga Regional Rio Doce Governador Valadares INDICADORES ANÁLISE SETORIAL TABELAS I N D I CADORES IN DUST RIAIS

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JULHO Exportações As exportações da indústria atingiram o nível mais baixo desde 2006 para o

Leia mais

Região Sul. Regional Abril 2015

Região Sul. Regional Abril 2015 Regional Abril 2015 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Sul engloba a Fiemg Regional Sul. Região Sul GLOSSÁRIO Setores que fazem parte

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro 2013 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM 2013 Exportações A contabilização como exportação de três plataformas de petróleo e gás somou

Leia mais

Janeiro de Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL

Janeiro de Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional Janeiro de 2014 Em janeiro de 2014, a taxa anualizada da produção física da indústria de transformação da Bahia cresceu 3,3%, abaixo da registrada em dezembro

Leia mais

Índice de Preços ao Produtor

Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria Índice de Preços ao Produtor Indústrias Extrativas e de Transformação Índice de Preços ao Produtor Indústrias Extrativas e de Transformação Resultados Julho

Leia mais

Atividade industrial acentua queda em dezembro

Atividade industrial acentua queda em dezembro Destaques 2 3 4 Faturamento real Efeito acomodação leva faturamento a crescer em dezembro no dado dessazonalizado Horas trabalhadas na produção Horas trabalhadas recuam fortemente, no indicador dessazonalizado,

Leia mais

A INDÚSTRIA EM AGOSTO DE 2005: CRESCIMENTO IRREGULAR

A INDÚSTRIA EM AGOSTO DE 2005: CRESCIMENTO IRREGULAR A INDÚSTRIA EM AGOSTO DE 2005: CRESCIMENTO IRREGULAR Os dados divulgados pelo IBGE mostram que em agosto a produção industrial brasileira apresentou alta de 1,1% em relação ao mês de julho, descontadas

Leia mais

Região Centro-Oeste. Regional Fevereiro 2015

Região Centro-Oeste. Regional Fevereiro 2015 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Centro- Oeste engloba a Regional Fiemg Centro-Oeste. Região Centro-Oeste GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

REGIÃO LESTE. Mar.2016 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Regional Vale do Aço - Ipatinga Regional Rio Doce Governador Valadares

REGIÃO LESTE. Mar.2016 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Regional Vale do Aço - Ipatinga Regional Rio Doce Governador Valadares #3 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS Mar.2016 REGIÃO LESTE Regional Vale do Aço - Ipatinga Regional Rio Doce Governador Valadares INDICADORES ANÁLISE SETORIAL TABELAS I N D I CADORES IN DUST RIAIS

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Agosto/2017

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Agosto/2017 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação Trimestre terminado em Agosto/2017 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Abril 2016

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Abril 2016 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Abril 2016 As exportações do Estado do Paraná, em abril de 2016, foram de US$ 1,499 bilhão. As principais contribuições foram de produtos alimentares (complexo

Leia mais

Índice de Preços ao Produtor

Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas COIND Índice de Preços ao Produtor Indústrias Extrativas e de Transformação Indústrias Extrativas e de Transformação Resultados Fevereiro de 2017 Principais Indicadores Indústria

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA FEVEREIRO 2012

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA FEVEREIRO 2012 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA FEVEREIRO 2012 US$ milhões FOB Período Dias Úteis EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO CORR. COMÉRCIO SALDO Média Média Média Média Valor Valor Valor Valor p/dia útil p/dia útil p/dia útil

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Julho/2016

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Julho/2016 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação Trimestre terminado em Julho/2016 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Agosto/2016

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Agosto/2016 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação Trimestre terminado em Agosto/2016 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção

Leia mais

Região Norte. Regional Abril 2014

Região Norte. Regional Abril 2014 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Norte engloba a Fiemg Regional Norte, Vale do Jequitinhonha e Mucuri. Região Norte GLOSSÁRIO Setores

Leia mais

ano I, n 5, setembro de 2011

ano I, n 5, setembro de 2011 ,, setembro de 2011 SÍNTESE AGOSTO DE 2011 (Em US$ milhões) Período Exportações Importações Saldo Agosto 26.159 22.285 3.874 Variação em relação a agosto de 2010 36,0 % 32,5 % + US$ 1.461 milhões Janeiro-Agosto

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Outubro/2016

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Outubro/2016 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação Trimestre terminado em Outubro/2016 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção

Leia mais

ano XVI, n 6, junho de 2012

ano XVI, n 6, junho de 2012 ,, junho de 2012 EM FOCO O índice de preços das exportações apresentou alta de 0,3% em maio na comparação com abril, causada pela evolução positiva em produtos básicos e manufaturados (0,4%). Contudo,

Leia mais

Triângulo Mineiro. Regional Maio 2010

Triângulo Mineiro. Regional Maio 2010 Triângulo Mineiro O mapa mostra a Divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Triângulo engloba as Regionais Fiemg Pontal do Triângulo, Vale do Paranaíba e Vale

Leia mais

Faturamento da indústria recua 4,3% em janeiro

Faturamento da indústria recua 4,3% em janeiro Destaques 2 Faturamento real Queda de dois dígitos na comparação com o mesmo mês do ano anterior Faturamento da indústria recua 4,3% em janeiro ISSN 1983-621X Ano 20 Número 1 janeiro de 2009 www.cni.org.br

Leia mais

N 134. Índices de preço e quantum do comércio exterior. Ricardo A. Markwald, Armando Castelar Pinheiro, Carmen Falcão e Henry Pourchet

N 134. Índices de preço e quantum do comércio exterior. Ricardo A. Markwald, Armando Castelar Pinheiro, Carmen Falcão e Henry Pourchet N 134 Índices de preço e quantum do comércio exterior Ricardo A. Markwald, Armando Castelar Pinheiro, Carmen Falcão e Henry Pourchet Março de 1998 Índices de preço e quantum do comércio exterior* Séries

Leia mais

ano XVII, n 10, outubro de 2013

ano XVII, n 10, outubro de 2013 ano XVII, n 10, outubro de 2013 EM FOCO O índice de preços das exportações registrou alta de 2,3% em setembro na comparação com o mês de agosto. A elevação dos preços mostra-se discreta, mas generalizada,

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL jun/09 out/09 fev/10 jun/10 out/10 fev/11 jun/11 out/11 fev/12 INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL Junho de 2015-0,2% + 3,9% + 0,3% - 0,5 % + 0,6% + 0,5% Pior desempenho em seis s Em junho, o IDI/RS

Leia mais

Resultados do 1º trimestre de 2012

Resultados do 1º trimestre de 2012 Resultados do 1º trimestre de 2012 São Paulo, 14 de maio de 2012 Contextualização Após a forte contração de 1,6% da produção industrial no último trimestre de 2011 frente ao período imediatamente anterior

Leia mais

INDX registra queda de 1,66% em março

INDX registra queda de 1,66% em março INDX registra queda de 1,66% em março Dados de Março/13 Número 73 São Paulo O Índice do Setor Industrial (INDX), composto pelas ações mais representativas do segmento, encerrou o mês de março de 2013 com

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL MAIO DE 2014 Apesar do crescimento, cenário segue desfavorável Maio de 2014 www.fiergs.org.br Após dois meses de queda, o Índice de Desempenho Industrial do Rio

Leia mais

LEVANTAMENTO DE CONJUNTURA INA - INDICADOR DE NÍVEL DE ATIVIDADE RESULTADOS AGOSTO / 2010

LEVANTAMENTO DE CONJUNTURA INA - INDICADOR DE NÍVEL DE ATIVIDADE RESULTADOS AGOSTO / 2010 LEVANTAMENTO DE CONJUNTURA INA - INDICADOR DE NÍVEL DE ATIVIDADE RESULTADOS AGOSTO / 2010 29/09/2010 1 1 INA Total da Indústria Divulgado 26/08/2010 Com ajuste sazonal Jul/10 Jun/10 INA Total da Indústria

Leia mais

ano I, n 8 dezembro de 2011

ano I, n 8 dezembro de 2011 , dezembro de 2011 SÍNTESE NOVEMBRO DE 2011 (Em US$ milhões) Período Exportações Importações Saldo Novembro 21.773 21.191 583 Variação em relação a novembro/2010 23,1 % 21,8 % + US$ 291 milhões Janeiro-

Leia mais

RIO EXPORTA Boletim de comércio exterior do Rio de Janeiro

RIO EXPORTA Boletim de comércio exterior do Rio de Janeiro MAIO DE 2014 1 RIO EXPORTA Boletim de comércio exterior do Rio de Janeiro Expediente Maio de 2014 Ano XII - nº 05 Sistema FIRJAN Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro PRESIDENTE Eduardo

Leia mais

DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos. Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria

DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos. Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria Julho de 2017 Este relatório visa a fornecer informações econômicas sobre a Indústria de Transformação

Leia mais

RIO EXPORTA Boletim de comércio exterior do Rio de Janeiro

RIO EXPORTA Boletim de comércio exterior do Rio de Janeiro SETEMBRO DE 2013 1 RIO EXPORTA Boletim de comércio exterior do Rio de Janeiro Expediente Setembro de 2013 Ano XI - nº 08 Sistema FIRJAN Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro PRESIDENTE Eduardo

Leia mais

ano XVIII, n 1, Janeiro de 2014

ano XVIII, n 1, Janeiro de 2014 ano XVIII, n 1, Janeiro de 2014 EM FOCO O índice de preços das exportações encerrou o ano de 2013 com queda de 3,2% em relação ao ano anterior. A redução dos preços de exportação foi generalizada, afetando

Leia mais

PAINEL DO MERCADO DE TRABALHO

PAINEL DO MERCADO DE TRABALHO PAINEL DO MERCADO DE TRABALHO JANEIRO DE 212 - CAGED Emprego Formal na Economia Emprego no mês de Janeiro 213 - Ocorreu um saldo positivo de 28.9 postos de emprego e no comparativo dos meses de janeiro,

Leia mais

ano XV, n 9, setembro de 2011

ano XV, n 9, setembro de 2011 ,, EM FOCO O crescimento das exportações no mês de agosto foi, mais uma vez, determinado pelos ganhos de preços, com variação de 24,2%. O quantum teve aumento de 9,4% no período. O crescimento do quantum

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA SETEMBRO 2012

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA SETEMBRO 2012 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA SETEMBRO 2012 Período Dias Úteis US$ milhões FOB EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO CORR. COMÉRCIO SALDO Média Média Média Média Valor Valor Valor Valor p/dia útil p/dia útil p/dia útil

Leia mais

Triângulo Mineiro. Regional Setembro 2010

Triângulo Mineiro. Regional Setembro 2010 Triângulo Mineiro O mapa mostra a Divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Triângulo engloba as Regionais Fiemg Pontal do Triângulo, Vale do Paranaíba e Vale

Leia mais

Indicadores Conjunturais

Indicadores Conjunturais Ano 23 número11 j aneiro 2009 Indicadores Conjunturais SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - DEPARTAMENTO ECONÔMICO Resultados de Novembro de 2008 Vendas Industriais página 04 O resultado

Leia mais