que faz a Reclamação.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "que faz a Reclamação."

Transcrição

1 Boletim 25* Procedimentos Para Administração de Reclamações Entradaa em Vigor: 1º de agostoo de 2014 Versão: 7 Autor: Políticas de Crédito I. Introdução Este Boletim descreve o processo de abordagem e escalada das Reclamações recebidas pelos funcionários da Fitch. Qualquer funcionário que receberr uma reclamação deverá encaminhá-la ao seu diretor-executivo no escritório. II. Definições Uma Reclamação é definida como uma objeção encaminhada à Fitch, tanto verbalmente, como por escrito, por um terceiro ou por um funcionário, em relação à percepção de (MD) ou diretor sênior, se este for o funcionário mais sênior da Fitch descumprimento das políticas da Fitch, de procedimentos, leis, regulamentações ou do Código de Conduta e outras políticas da Fitch, compreendendo o Código de Ética. Reclamações normalmente se enquadrarão em uma das cinco categorias a seguir: 1. Alegações de violações à lei ou às regulamentações, incluindo leis referentes a valores mobiliários ou quaisquer políticas que envolvam o Código de Ética da Fitch, 2. Relativas aos Ratings de uma Entidade Classificada, 3. Falha ao seguir os Procedimentos e Políticas da Fitch, 4. Aplicação de critérios ou modelos, ou o desempenho analítico de um analista, e 5. Honorários ou atribuição de ratings não solicitados. Um Reclamante é definido como a parte que faz a Reclamação. Uma base de dados de Registro de Reclamação observa os elementos-chave da Reclamação e da categoria, a fim de identificar potenciais tendências ou preocupações e para produzir relatórios. Um Diretor-exec cutivo (MD) é definido pelo cargoo e é(são) o( (s) indivíduo(s) sênior(es) designado(s) a quem um funcionário deverá fornecer detalhess da Reclamação de um terceiro ou de um funcionário. Um Designado é definido como a pessoa que foi designada pelo respectivo Chefe do Grupo Global (GGH) para agir em seu nome. (*) Este documento é uma tradução do texto em inglês, fornecida apenas com o propósito informativo. Embora tenham sido envidados esforços adequados na preparação desta tradução, a Fitch não assume qualquer responsabilidade por eventuais erros, ambiguidades ou omissões que apareçam na tradução e/ou quaisquer outros danos (sejam diretos, indiretos, casuais, consequentes ouu punitivos) que possam surgir em conexão com esta tradução. Em caso de qualquer discrepância entre a tradução e o texto original em inglês, que este documentoo pretende refletir, o texto do documentoo original em inglês deverá prevalecer.

2 III. Diretrizes Para Processamento de Reclamação Salvo disposição em contrário neste procedimento, as seguintes diretrizes gerais deverão ser seguidas: A. Qualquer analista que receba uma Reclamação, seja verbal ou por escrito, deverá imediatamente encaminhá-la ao MD de seu grupo. O MD avaliará o tipo de Reclamação, registrará a Reclamação no Registro de Reclamação, de acordo com a Seção IV, e determinará como abordar a Reclamação incluindo quaisquer dos procediment os de consulta ou escalada especificados abaixo B. Qualquer pessoa que receber uma Reclamação verbal poderá solicitar que o Reclamante forneça uma descrição por escrito da base paraa a Reclamação, de forma que os detalhes da Reclamação sejam claros e completos. 1. O Reclamante poderá recusar-smesmo se o Reclamantee não fornecê-lo. 2. No caso de o Reclamante, inclusive um funcionário, solicitar anonimato, a a fornecer um resumo por escrito. O processo deverá prosseguir, Reclamação deverá ser imediatamente encaminhada ao diretor líder de Compliance da Fitch ( CCO ) ou quem elee designar. Qualquer funcionário tambémm poderá apresentar uma reclamação através de provedor terceirizado independente. Os detalhes estão disponíveis no FX, a intranet dos funcionários s, e em: à resources/report-compliance-violation. 3. Reclamações apresentadas pelo Emissor, ou por seus agentes, com relação categoria dos ratings, à Perspectiva ou à situação de Observação são abordadas pelo Comitê de Apelação, conforme descrito no Manual do Processo de Ratings ( RPM ). Apelações serão documentadas conforme o processo normal de ratings, não sendo necessária nenhuma documentação em separado ou submissão ao Registro de Reclamação. C. A Fitch se esforçará para atender qualquer solicitação com respeito confidenciali idade quanto à fonte da Reclamação o, se solicitada. à D. Consultas ao Grupo de Políticas de Crédito, Grupo Global de Compliance (GCG), Recursos Humanos ou ao Departamento Jurídico são bem-vindas com relação a quaisquer das afirmações acima. E. O CCO ou a pessoa por ele designada terá acesso ao Registro de Reclamação. Esse registro proporcionará a notificação sobre todas as reclamações ao CCO. F. Além das medidas necessárias abaixo, cópias de qualquer Reclamação relativa a Ratings Nacionais devem ser fornecidas peloo MD aos apropriados Líderes dos Negócios no País e aos Diretores de Grupos Regionais. Isso ocorrerá fora do Registro de Reclamação via . 2

3 IV. Documentação Exigida A. Todas as Reclamações devem ser registradas noo website compartilhado Registro de Reclamação e incluir as informações relacionadas abaixo. A submissão será ser efetuada tão logo possível, após o recebimento da Reclamação. Cada submissão ao Registro de Reclamação deverá incluir: 1. Dataa de recebimento. 2. Funcionário da Fitch que recebeu a reclamação. 3. Nome do Reclamante, cargo, firma e informações de contato. Isso ficará em branco se a Reclamação recebida for anônima. 4. Resumo do problema. 5. Ações adotadas pelo MD para abordar a Reclamação. 6. Uma cópia de qualquer submissão porr escrito e a resposta da Fitch ou o resumo da Fitch sobre a Reclamação verbal e sua resposta, se houver. 7. Menção sobre qualquer encaminhamentoo interno e a quem foi enviado (cópia do ou do documento). 8. Observação: o Jurídico deverá rever todas as respostas por escrito, antes do envio ao Reclamante. 9. Emendar a submissão paraa incluir qualquer resposta verbal ou escrita ao Reclamante a ser concluída no prazo de sessenta dias do recebimento inicial. B. Documentaç ão de referência 1. Os documentos de suporte à Reclamaçãoo deverão ser anexados ao formulário de submissão no Registro de Reclamação. Quaisquer documentos gerados posteriormente ao encaminhamento de uma Reclamação à Políticas de Crédito e à Gestão de Negócios e Relacionamento ( BRM ) também deverão ser anexados ao Registro de Reclamação pelo MD, diretorr degional de Crédito ( RCO ) ou pelo MD de BRM que conduzir qualquer revisão. Reclamações relativas a resoluções e qualquer documentação de suporte permanecerão anexadas ao registro e estarão contidas no Registro de Reclamação. 2. A manutenção e arquivamento de qualquer Reclamação encaminhada ao GCG, Grupo de Recursos Humanos ouu ao Departamento Jurídico da Fitch ficarão sob a responsabilidade do grupoo que estiverr tratando da Reclamação (Isso exclui as cartas revisadas pelo Jurídico comoo parte de uma revisão de uma reclamação por CPG ou pelo grupo de análise. As cartas finais serão mantidas no Registro de Reclamação como anexos do Arquivo Encerrado.) V. Tipos de Reclamações e Ações Necessárias A. Reclamações sobre Violações à Lei, aos Regulamentos ou ao Código de Ética 3

4 1. Qualquer reclamação alegando violaçãoo à legislação ou aos regulamentos, inclusive às leis de valores mobiliários, ou quaisquer políticas envolvendo o Código de Ética da Fitch deverão ser imediatamente transmitidass ao CCO ou à pessoa por ele designada. O CCO, ou a pessoa por ele designada, notificará o Departamento Jurídico sobre qualquer Reclamação alegando violação à lei. 2. Qualquer Reclamação que ameace a adoção de ação legal contra a Fitch deverá ser comunicada imediatamentee ao Departamento Jurídico, que conduzirá a revisão. B. Reclamações relativas aos Ratings de uma Entidade Classificada 1. Reclamações que surgirem após a conclusão do processo de Apelação, deverão ser encaminhadas pelo MD envolvido ao RCO em questão, conforme descrito na Seção D abaixo. 2. Reclamações de um investidor ou Emissor relativas à aplicação de metodologia ou a ratings que ocorram fora das comunicações imediatas das ações de rating deverão ser encaminhadas ao RCO pertinente, para revisão conforme a Seção D abaixo. 3. O MD poderá determinar que a Reclamação é não-válida apoiando-se em seu entendimento de que não há base analítica para a Reclamação, que o Reclamante não está sendo razoável, que o Reclamante está simulando ou tentando manipular o sistema (por exemplo, tornando o processo de rating mais vagaroso, fazendo alegações que não têm relação com os processos analíticos usadoss para atribuir um rating, etc.). Um resumo da Reclamação e da resposta ou decisão de não responderr devem ser submetidoss ao Registroo de Reclamação. Uma resposta por escrito ao Reclamante será opcional, mas se enviada, tambémm deverá ser submetida ao Registro de Reclamação. 4. Reclamações múltiplas de um mesmo investidor, emissorr or estruturador repetidas ou consistentes com a Reclamação inicial podem ser enviadas por , que se referirá à resoluçãoo ou à comunicação previamentee fornecida. Não serão necessárias revisões adicionais. Se repetidos s forem recebidos sem nenhuma informação nova, o será retido no Registro de Reclamação, mas nenhuma resposta será fornecida. C. Reclamações Sobre Falhas ao Seguir os Procedimentos e Políticas da Fitch 1. Reclamações sobre a não-observância dee qualquer processo ou procedimento relativo às políticas da Fitch, mesmo se anteriormente aprovadas internamente como exceção, deverão ser registradas noo Registro de Reclamação junto com toda a documentação. Exemplos incluem Reclamações de emissores relativas 4

5 a tempo insuficiente para avaliar ações de rating e/ /ou os fundamentos pelo emissor antes da publicação ou divulgação de informações confidenciais. 2. O MD do grupo de análise envolvido determinará, então, se qualquer ação corretiva ou resposta é necessária. As respostas aoss Reclamantes podem ser verbais ou por escrito. Um resumo de qualquer resposta verbal deverá ser encaminhado ao Registro de Reclamação.. D. Reclamações sobre a Apliacação Analítico de um Analista de Critérios ou Modelos ou o Desempenho 1. Reclamações relativas à aplicação equivocada de metodologias, modelos (incluindo reclamações referentes a premissas) ou desempenho analítico de um analista devem ser imediatamente reportadas pelo MD ao RCO responsável, para exame. A submissão ao Registro dee Reclamação deve seguir o formato fornecido e toda a documentação pertinente deverá ser anexada. 2. Ao receber a reclamação, o RCO deverá acusarr o seu recebimento ao Reclamante via no prazo de 3 dias úteis a. b. c. O RCO iniciará imediatamente a revisão da Reclamação, de acordo com o Código de Conduta da Fitch. O RCO examinará o assunto com o principal Executivo de Crédito (Chief Credit Officer) e o GGH responsável pela área, falará com todas as partes relevantes e tomará as ações que julgar apropriadas. Normalmente no prazo de 30 dias do recebimento, o RCO elaborará um resumo da revisão, por escrito (em forma de carta ao Reclamante), detalhando os aspectos relevantes da Reclamação: i. Referência à tradução em inglês, caso não fornecida inicialmente ii. Como foi conduzida a revisãoo e quais as conclusões alcançadas iii. Quaisquer recomendações de ações corretivas; e iv. O Jurídico revisará o conteúdoo da carta, quando concluída: v. Enviará cópia do resumo ao Reclamante, ao GGH apropriado, ao principal Executivo de Créditoo e ao CCO. d. e. O Relatório e todos os documentos relacionados, reunidos durante a revisão (os Documentos da Reclamação), deverão ser anexados ao Registro de Reclamação. O GGH pertinente, ou a pessoa por ele designada, deverá acusar o recebimento do relatório final por , no prazo de 15 dias úteis do recebimento do Relatório do RCO e incluir uma resposta às conclusões do Relatório do RCO, isto é, 5

6 i. concordando com a ação corretiva ou ii. propondo uma alternativa e iii. estabelecendo uma data limite para a conclusão de qualquer ação corretiva no relatório iv. Se não for necessária nenhuma ação corretiva, então não é necessária nenhuma comunicação. f. Quaisquer discordâncias entre ass ações recomendadas pelo RCO e aquelas propostas pelo GGH serão discutidas, e a ação final deverá ser acordada entre o RCO, o GGH, o principal Executivo de Crédito e o CCO. As ações podem incluir a reclassificação de um emissor ou de uma emissão. Nestes casos, a consideração sobre a colocação de uma Observação pode ser apropriada antes que a avaliação completa dos ratings esteja concluída. g. O GGH confirmará por escrito ao RCO e ao CCO quando as ações corretivas, caso existam, estiverem totalmentee implementadas. O RCO anexará a confirmação o final ao Registro de Reclamação. 3. Reclamações Sem Ações a. Se o RCO determinar que a Reclamação é não-válida ou que não requer uma ação, será anotadaa uma explicação no Registro de Reclamação. O RCO comunicará as conclusões aoo Reclamante, ou verbalmente ou por escrito, logo após ter concluído a revisão. E. Reclamações relativas a Honorários ou à Atribuição de Ratings Não Solicitados 1. Todas as Reclamações nesta categoria deverão ser encaminhadas ao MD de BRM, responsável pelo setor de mercado,, no prazo de dois dias úteis. 2. BRM determinará se uma resposta ou açãoo devem serr tomadas. a. Se BRM determinar que qualquer Reclamação relativa à atribuição de um rating não solicitado se relaciona a uma potencial quebra do processo analítico da Fitch (ao contrário de Reclamações questionando por que o emissor foi escolhidoo para um rating não solicitado), a Reclamação deverá ser devolvida ao MD pelo BRM. O MD irá considerar e documentar os próximos passos conforme descritos acima. 6

7 Anexo I: :Gráfico do Processo Analítico 7

8 8

Política. Boletim 24* Versão: 12. Aplicação da. provedor de. final de qualquer. Trust I. trabalhar em: Para Trabalha. preparação desta.

Política. Boletim 24* Versão: 12. Aplicação da. provedor de. final de qualquer. Trust I. trabalhar em: Para Trabalha. preparação desta. Boletim 24* Política Para Revisão do Trabalho a Que Deixa a Fitch Para Trabalha ar em Uma Entidade Classificada Entradaa em Vigor: 31 de dezembro de 2013 Versão: 12 Autor: Política de Crédito e Gestão

Leia mais

Política de Gestão de Negócios e de Relacionamento

Política de Gestão de Negócios e de Relacionamento Boletim n o 4* Política de Gestão de Negócios e de Relacionamento Entrada em Vigor: 15 de junho de 2015 Versão: 13 Autor: Grupo de Gestão de Negócios e de Relacionamento (BRM) I. INTRODUÇÃO A. Princípios

Leia mais

Estrutura de Controles Internos Para Gerenciar a Atribuição das Classificações de Risco de Crédito 1

Estrutura de Controles Internos Para Gerenciar a Atribuição das Classificações de Risco de Crédito 1 Estrutura de Controles Internos Para Gerenciar a Atribuição das Classificações de Risco de Crédito 1 Data: 20 de fevereiro de 2016 Versão: 6 Autor: Grupo de Compliance Global 1. Introdução Este documento

Leia mais

Política Global de Confidencialidade

Política Global de Confidencialidade Boletim: 41 Política Global de Confidencialidade Data de Entrada em Vigor: 28 de Julho de 2015 Versão: 2 Autor: Departamento Jurídico Fitch Ratings, Inc. Boletim 41 Versão 2 28 de Julho de 2015 1 Índice

Leia mais

Política de Segregação*

Política de Segregação* Boletim: 10 Política de Segregação* Entrada em vigor: 20 de junho de 2013 Versão: 8 Autor: Departamento Jurídico e Compliance I. Fitch Group, Inc. ( Fitch ) através de suas subsidiárias Fitch Ratings,

Leia mais

POLÍTICA DE DENÚNCIAS

POLÍTICA DE DENÚNCIAS (constituída nas Bermudas com responsabilidade limitada) (Código de negociação em bolsa: 1768) (a Sociedade ) POLÍTICA DE DENÚNCIAS 1. Objetivo Esta Política estabelece os meios que: a) os funcionários

Leia mais

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 I. FINALIDADE A finalidade do Comitê de Auditoria da AGCO Corporation (a Empresa ) é auxiliar o Conselho Diretor (o Conselho )

Leia mais

A República Federativa do Brasil. A República Argentina (doravante denominadas as Partes ),

A República Federativa do Brasil. A República Argentina (doravante denominadas as Partes ), ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A REPÚBLICA ARGENTINA RELATIVO À COOPERAÇÃO ENTRE SUAS AUTORIDADES DE DEFESA DA CONCORRÊNCIA NA APLICAÇÃO DE SUAS LEIS DE CONCORRÊNCIA A República

Leia mais

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética 1. Objecto e Âmbito do Regulamento O presente regulamento foi adoptado pelo Conselho Geral e de Supervisão (CGS) e pelo Conselho de Administração Executivo

Leia mais

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição,

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição, DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo dos Estados Unidos da América Relativo à Cooperação entre suas Autoridades de Defesa

Leia mais

Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros

Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros* Objetivo Estabelecer as diretrizes básicas de conduta

Leia mais

Regra de Governança Corporativa da NYSE para Emissoras Norte-Americanas. Abordagem da Vale

Regra de Governança Corporativa da NYSE para Emissoras Norte-Americanas. Abordagem da Vale Comparação das práticas de governança corporativa adotadas pela VALE com aquelas adotadas pelas companhias norte-americanas em cumprimento às exigências da Bolsa de Valores de Nova Iorque De acordo com

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA

REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA PROPÓSITO E AUTORIDADE QUEPASA CORPORATION REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA O comitê de auditoria da mesa diretiva do Quepasa Corporation (a Companhia ) se apresenta diante das responsabilidades

Leia mais

Dia útil: significa um dia de trabalho, conforme definido pelo Provedor nas respectivas Normas suplementares.

Dia útil: significa um dia de trabalho, conforme definido pelo Provedor nas respectivas Normas suplementares. Normas do RRDRP Estas Normas estão em vigor para todos os processos de RRDRP. Os processos administrativos referentes a resolução de disputas nos termos do Procedimento de resolução de disputas de restrições

Leia mais

Fitch Publica Rating A-(bra) da Casan; Perspectiva Estável

Fitch Publica Rating A-(bra) da Casan; Perspectiva Estável Fitch Publica Rating A-(bra) da Casan; Perspectiva Estável Fitch Ratings - Rio de Janeiro, xx de outubro de 2015: A Fitch Ratings publicou, hoje, o Rating Nacional de Longo Prazo A-(bra) (A menos(bra))

Leia mais

Adendo de ao Contrato da Oracle PartnerNetwork

Adendo de ao Contrato da Oracle PartnerNetwork Adendo de ao Contrato da Oracle PartnerNetwork Este Adendo de Validação de Integração de Aplicativos (este "Adendo") é firmado entre você e a Oracle do Brasil Sistemas Limitada. As definições usadas no

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada Política de Gerenciamento de Risco Operacional Ratificada pela Reunião de Diretoria de 29 de abril de 2014 1 Introdução

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Classificação das Informações 5/5/2015 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 CONCEITOS... 3 4 ESTRUTURA NORMATIVA...

Leia mais

A COMISSÃO DE AUDITORIA DA MOTA-ENGIL AFRICA N.V. MANDATO

A COMISSÃO DE AUDITORIA DA MOTA-ENGIL AFRICA N.V. MANDATO -1- A COMISSÃO DE AUDITORIA DA MOTA-ENGIL AFRICA N.V. MANDATO A Mota-Engil Africa N.V. (a "Empresa") adotou um modelo de governação de um nível. Nos termos do disposto no princípio III.5 (e nas disposições

Leia mais

O Que Fazer Se Houver Comprometimento Programa de Segurança da Informação da Conta (AIS) Fevereiro de 2006

O Que Fazer Se Houver Comprometimento Programa de Segurança da Informação da Conta (AIS) Fevereiro de 2006 Programa de Segurança da Informação da Conta (AIS) Fevereiro de 2006 Região Introdução...3 Reportando a Quebra de Segurança...4 Passos e Exigências para as Entidades Comprometidas...5 Passos e Exigências

Leia mais

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO O presente documento tem como objetivo estabelecer diretrizes e orientações para realização

Leia mais

1. Esta Política Institucional de Gestão de Continuidade de Negócios:

1. Esta Política Institucional de Gestão de Continuidade de Negócios: 1. Esta Política Institucional de Gestão de Continuidade de Negócios: a) é elaborada por proposta da área de gestão de continuidade de negócios da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob Sicoob

Leia mais

a) Prova da inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica; b) Certidão negativa de débitos junto à Seguridade social; 1

a) Prova da inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica; b) Certidão negativa de débitos junto à Seguridade social; 1 Regulamento para Cadastramento de Instituições Financeiras e similares, sociedade corretoras e Distribuidoras, Gestoras e Administradoras de Títulos e Valores Mobiliários junto à ORGANIZAÇÃO MUNICIPAL

Leia mais

Política de denúncias

Política de denúncias WWW.USP.ORG/ETHICS Política de denúncias Espera-se que você fale se tiver alguma preocupação de boa-fé. Expresse-se Além de conhecer as normas éticas e legais que se aplicam ao seu cargo, esperase que

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Título: REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 11 EMENDA nº 00 PROCEDIMENTOS E NORMAS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE REGRAS E EMENDAS AOS REGULAMENTOS BRASILEIROS DA AVIAÇÃO CIVIL Aprovação: Resolução

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Segurança da Informação BM&FBOVESPA Última revisão: maio de 2014 Uso interno Índice 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. CONCEITOS... 3 4. ESTRUTURA NORMATIVA... 3 5. DIRETRIZES... 4 6. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP Nº 016/2000 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2000

RESOLUÇÃO CFP Nº 016/2000 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2000 RESOLUÇÃO CFP Nº 016/2000 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2000 Ementa: Dispõe sobre a realização de pesquisa em Psicologia com seres humanos. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de suas atribuições legais e

Leia mais

Ranking ANBIMA de Renda Variável - Valor e Número de Operações

Ranking ANBIMA de Renda Variável - Valor e Número de Operações Ranking ANBIMA de Renda Variável - Valor e Número de Operações Metodologia Janeiro de 2014 Dos Princípios do Ranking 1. O Ranking da ANBIMA tem o objetivo de retratar fidedignamente o que ocorre no mercado

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DEFENDA BUSINESS PROTECTION SERVICES & SOLUTIONS Direitos Autorais Este documento contém informações de propriedade da Defenda Business Protection Services & Solutions.

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO SOCIOAMBIENTAL (PRSA)

POLÍTICA DE RISCO SOCIOAMBIENTAL (PRSA) (PRSA) INTRODUÇÃO A Brickell busca perenidade e sustentabilidade em seus negócios e atividades, de modo a minimizar impactos socioambientais negativos e gerar oportunidades para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher

Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher Os Estados Partes do presente Protocolo, Observando que na Carta das Nações Unidas se reafirma a

Leia mais

Sobre a linha de apoio de compliance do Grupo Generali (EthicsPoint)

Sobre a linha de apoio de compliance do Grupo Generali (EthicsPoint) Sobre a linha de apoio de compliance do Grupo Generali (EthicsPoint) Denúncias - Geral Segurança das denúncias Confidencialidade e proteção de dados Sobre a linha de apoio de compliance do Grupo Generali

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental Sumário 1 Introdução... 1 1.1 Objetivo da Política... 1 1.2 Princípios e Diretrizes... 1 2 Governança... 2 3 Partes Interessadas... 2 4 Definição de Risco Socioambiental...

Leia mais

DECLARAÇÃO DE POSICIONAMENTO DO IIA: O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA

DECLARAÇÃO DE POSICIONAMENTO DO IIA: O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA Permissão obtida junto ao proprietário dos direitos autorais, The Institute of Internal Auditors, 247 Maitland Avenue, Altamonte Springs, Florida 32701-4201, USA, para publicar esta tradução, a qual reflete

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MARÇO, 2015 ÍNDICE OBJETIVO 3 ESCOPO 3 DEFINIÇÕES Risco Inerente 4 DEFINIÇÕES Risco Operacional 4 DEFINIÇÕES Evento de Risco Operacional 4 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

Gerenciamento do Risco Operacional. Gerenciamento do Risco Operacional

Gerenciamento do Risco Operacional. Gerenciamento do Risco Operacional Gerenciamento do Risco Operacional Controle do documento Data Autor Versão Outubro/2010 Compliance 001 Dezembro/2011 Compliance 002 Dezembro/2012 Compliance 003 Agosto/2014 Compliance 004 Revisão do documento

Leia mais

AUDITORIAS AUDITORIAS AUDITORIAS GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE OBJETIVO DA AUDITORIA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE DEFINIÇÕES:

AUDITORIAS AUDITORIAS AUDITORIAS GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE OBJETIVO DA AUDITORIA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE DEFINIÇÕES: OBJETIVO DA AUDITORIA PROCEDIMENTOS VERIFICAR, ATESTAR SE AS ATIVIDADES E OS RESULTADOS A ELA RELACIONADOS, DE UM SISTEMA DE GESTÃO FORMAL, ESTÃO IMPLEMENTADOS EFICAZMENTE. DEFINIÇÕES: AUDITORIA: UM EXAME,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03

RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03 RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03 Aprova a NBC T 12 Da Auditoria Interna. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

Condições Gerais de Compra da Air Products Brasil Ltda.

Condições Gerais de Compra da Air Products Brasil Ltda. Condições Gerais de Compra da Air Products Brasil Ltda. 1. Aplicabilidade 2. Entrega 3. Preços e pagamentos 4. Inspeção 5. Garantia 6. Cancelamento 7. Subcontratação e Cessão 8. Código de conduta 9. Saúde

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

Termos Gerais & Política de Compras da Fon

Termos Gerais & Política de Compras da Fon Termos Gerais & Política de Compras da Fon Definições Termos e Condições: Termos e Condições para a Venda de Equipamento (doravante denominado TCVE ). Fon Technology, S.L.: A Companhia que fornece ou vende

Leia mais

Estrutura da Gestão de Risco Operacional

Estrutura da Gestão de Risco Operacional Conceito No Brasil a Resolução n.º 3380, emitida pelo BACEN em 29 de junho de 2006, seguindo as diretrizes estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional, definiu como: A possibilidade de ocorrência de

Leia mais

Código de Conduta de Negócios & Ética. Efetivo a partir de 1º de abril de 2014

Código de Conduta de Negócios & Ética. Efetivo a partir de 1º de abril de 2014 Código de Conduta de Negócios & Ética Efetivo a partir de 1º de abril de 2014 Mensagem do Presidente & CEO A integridade pessoal, os valores compartilhados e a conduta ética dos negócios por todos os funcionários

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL

PROCEDIMENTO GERENCIAL PÁGINA: 1/10 1. OBJETIVO Descrever o procedimento para a execução de auditorias internas a intervalos planejados para determinar se o sistema de gestão da qualidade é eficaz e está em conformidade com:

Leia mais

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A.

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. 28.03.2013 1. OBJETIVO 1.1 A presente Política de Transações com Partes Relacionadas da BB Seguridade Participações S.A.

Leia mais

Política Institucional Gerenciamento de Capital

Política Institucional Gerenciamento de Capital P a g e 1 1 P a g e 2 Índice: 1. Objetivos... 2 2. Estrutura... 3 Diretoria BNY Mellon Serviços Financeiros Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A e BNY Mellon Banco S.A... 4 Diretor Responsável

Leia mais

CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI)

CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI) CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI) PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº xx, de XX de XXXXXXX de 2011.

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO DE UNIDADES DE SAÚDE Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira

Leia mais

PROCEDIMENTO DE RESOLUÇÃO DE DISPUTAS PÓS- DELEGAÇÃO DE MARCAS (PDDRP DE MARCAS) 4 DE JUNHO DE 2012

PROCEDIMENTO DE RESOLUÇÃO DE DISPUTAS PÓS- DELEGAÇÃO DE MARCAS (PDDRP DE MARCAS) 4 DE JUNHO DE 2012 PROCEDIMENTO DE RESOLUÇÃO DE DISPUTAS PÓS- DELEGAÇÃO DE MARCAS (PDDRP DE MARCAS) 4 DE JUNHO DE 2012 1. Partes da disputa As partes da disputa serão o titular da marca e o operador de registro do gtld.

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA

FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA Exercício 2015 Versão: 6.0 Data: 28/03/2016 Formulário de Referência 2016 Índice Formulário de Referência... 3 1. Identificação das Pessoas Responsáveis pelo Conteúdo do Formulário...

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DOS CURSOS DA FACULDADE DE ENGENHARIA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DOS CURSOS DA FACULDADE

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 9 1. OBJETIVO: Este procedimento estabelece o processo para concessão, manutenção, extensão e exclusão da certificação de Sistema de Gestão de Segurança da Informação, em conformidade com norma ABNT

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE DA DIXCURSOS (ANEXO AOS TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO SITE E CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS)

POLÍTICA DE PRIVACIDADE DA DIXCURSOS (ANEXO AOS TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO SITE E CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS) POLÍTICA DE PRIVACIDADE DA DIXCURSOS (ANEXO AOS TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO SITE E CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS) 1. A aceitação a esta Política de Privacidade se dará com o clique no botão Eu aceito

Leia mais

Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros DELIBERAÇÃO Nº 10

Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros DELIBERAÇÃO Nº 10 Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros DELIBERAÇÃO Nº 10 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros, no exercício

Leia mais

Proibida a reprodução.

Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. MANUAL DO ANALISTA DE VALORES MOBILIÁRIOS 1 INTRODUÇÃO O objetivo deste documento é o de nortear a atuação dos Analistas de Valores Mobiliários em consonância a Instrução CVM nº

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A.

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. O presente Código de Conduta da Multiplan Empreendimentos Imobiliários S.A. (a Companhia ), visa cumprir com as disposições do Regulamento

Leia mais

PROCEDIMENTOS E NORMAS GE- RAIS PARA A ELABORAÇÃO DE REGRAS E EMENDAS AOS REGU- LAMENTOS BRASILEIROS DE AVIAÇÃO CIVIL

PROCEDIMENTOS E NORMAS GE- RAIS PARA A ELABORAÇÃO DE REGRAS E EMENDAS AOS REGU- LAMENTOS BRASILEIROS DE AVIAÇÃO CIVIL REGULAMENTO BRASILEIRO DE AVIAÇÃO CIVIL N 11 RBAC 11 PROCEDIMENTOS E NORMAS GE- RAIS PARA A ELABORAÇÃO DE REGRAS E EMENDAS AOS REGU- LAMENTOS BRASILEIROS DE AVIAÇÃO CIVIL APROVAÇÃO: RESOLUÇÃO XX ANAC,

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.220/09 Aprova a NBC TA 510 Trabalhos Iniciais Saldos Iniciais. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO o processo de

Leia mais

Termos de Serviço do Code Club World

Termos de Serviço do Code Club World Termos de Serviço do Code Club World POR FAVOR LEIA ESTE DOCUMENTO CUIDADOSAMENTE. CONTÉM INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE SEUS DIREITOS E OBRIGAÇÕES. CONTÉM TAMBÉM A ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE E A CLÁUSULA

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU TS01(EC)v09pt PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU 1 Conteúdo 1. ECOCERT: EXPERIÊNCIA EM SERVIÇOS PARA O SETOR DE ORGÂNICOS... 3 2. REGULAMENTOS DA

Leia mais

Política Global de Conflitos de Interesses

Política Global de Conflitos de Interesses Política Global de Conflitos de Interesses Índice 1. DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS... 3 2. INTRODUÇÃO... 3 3. OBJECTIVO... 3 4. ALCANCE... 4 5. REGRAS E REGULAMENTAÇÕES... 5 6. ORIENTAÇÃO GERAL... 6 7. EXEMPLOS

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A.

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A. I - DEFINIÇÕES 1. As definições utilizadas na presente Política de Divulgação de

Leia mais

NBC TA 501 - APROVAÇÃO. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.218, de 03.12.2009

NBC TA 501 - APROVAÇÃO. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.218, de 03.12.2009 NBC TA 501 - APROVAÇÃO RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.218, de 03.12.2009 Aprova a NBC TA 501 Evidência de Auditoria Considerações Específicas para Itens Selecionados. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício

Leia mais

I. Em primeiro lugar apresente a queixa à instituição seguradora autorizada

I. Em primeiro lugar apresente a queixa à instituição seguradora autorizada DECLARAÇÃO DE POLÍTICA A PROSSEGUIR NO TRATAMENTO DE QUEIXAS CONTRA SEGURADORAS, MEDIADORES DE SEGUROS E SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE PENSÕES DE DIREITO PRIVADO Introdução 1. Ao abrigo do Estatuto

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A AUSTRALIAN SECURITIES COMMISSION E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A AUSTRALIAN SECURITIES COMMISSION E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A AUSTRALIAN SECURITIES COMMISSION E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL INTRODUÇÃO 1. A Australian Securities Commission e a Comissão de Valores Mobiliários, reconhecendo

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 Código de prática para a gestão da segurança da informação A partir de 2007, a nova edição da ISO/IEC 17799 será incorporada ao novo esquema de numeração como ISO/IEC 27002.

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade Este documento tem por objetivo definir a Política de Privacidade da Bricon Security & IT Solutions, para regular a obtenção, o uso e a revelação das informações pessoais dos usuários

Leia mais

KINROSS GOLD CORPORATION

KINROSS GOLD CORPORATION POLÍTICA DE DENÚNCIA Esta versão da política substitui todas as versões anteriores e suas cláusulas são aplicáveis a todos os Representantes da Kinross. Aprovado por: Conselho Diretor - 13 de fevereiro

Leia mais

JC 2014 43 27 May 2014. Joint Committee Orientações sobre tratamento de reclamações para os setores dos valores mobiliários (ESMA) e bancário (EBA)

JC 2014 43 27 May 2014. Joint Committee Orientações sobre tratamento de reclamações para os setores dos valores mobiliários (ESMA) e bancário (EBA) JC 2014 43 27 May 2014 Joint Committee Orientações sobre tratamento de reclamações para os setores dos valores mobiliários (ESMA) e bancário (EBA) 1 Índice Orientações sobre tratamento de reclamações para

Leia mais

Lista de checagem do protocolo

Lista de checagem do protocolo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Comitê de Ética em Pesquisa Lista de checagem do protocolo A avaliação do projeto

Leia mais

Política de segurança de rede: White Paper de práticas recomendadas

Política de segurança de rede: White Paper de práticas recomendadas Política de segurança de : White Paper de práticas recomendadas Índice Introdução Preparação Criar declarações de política de uso Realizar uma análise de risco Estabelecer uma Estrutura de Equipe de Segurança

Leia mais

Processo Controle de Documentos e Registros

Processo Controle de Documentos e Registros Dono do Processo Marilusa Lara Bernardes Bittencourt Aprovado por Comitê da Qualidade Analisado criticamente por Representante da Direção Substituto: Kelly Vitoriny 1. OBJETIVOS: Descrever a forma como

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto

Política de Exercício de Direito de Voto Política de Exercício de Direito de Voto Versão 1 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVO...3 2. EXCLUSÕES... 3 3. PRINCÍPIOS GERAIS...3 4. POTENCIAIS SITUAÇÕES DE CONFLITO DE INTERESSE...3 5. DA POLÍTICA DE

Leia mais

Política Institucional

Política Institucional ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DIRETRIZES E PRINCIPIOS... 2 4. PROCEDIMENTOS RELATIVOS A POTENCIAIS CONFLITOS DE INTERESSE... 3 5. PROCESSO DECISÓRIO DE VOTO... 3 6. MATÉRIAS OBRIGATÓRIAS...

Leia mais

Contrato (on-line) de prestação de serviços Papelaria

Contrato (on-line) de prestação de serviços Papelaria Contrato (on-line) de prestação de serviços Papelaria Última modificação: 28/10/2015 Estes Termos e Condições Gerais aplicam-se ao uso dos serviços oferecidos pela DECOLA LOGO LTDA - EPP, empresa devidamente

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES E PROCEDIMENTOS INTERNOS SR RATING

MANUAL DE CONTROLES E PROCEDIMENTOS INTERNOS SR RATING MANUAL DE CONTROLES E PROCEDIMENTOS INTERNOS SR RATING OUTUBRO DE 2014 MANUAL DE CONTROLES E PROCEDIMENTOS INTERNOS SR RATING A atenção com os controles e procedimentos internos na atividade de classificação

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Saúde e Segurança Ocupacional SAS é um certificado de conformidade com a norma:

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Saúde e Segurança Ocupacional SAS é um certificado de conformidade com a norma: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Revisão da documentação SAS conforme ABNT NBR ISO/IEC 17021:2011

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.008/04

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.008/04 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.008/04 Aprova a NBC T 14 Norma sobre a Revisão Externa de Qualidade pelos Pares. O, no exercício de suas atribuições legais e regimentais; CONSIDERANDO que o controle de qualidade constitui

Leia mais

PROC. 07 AUDITORIA INTERNA

PROC. 07 AUDITORIA INTERNA 1 de 12 AUDITORIA INTERNA MACROPROCESSO GESTÃO DE PROCESSOS PROCESSO AUDITORIA INTERNA AUDITORIA INTERNA 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 4.1 PLANEJAMENTO

Leia mais

Código de Conduta. Código de Conduta Schindler 1

Código de Conduta. Código de Conduta Schindler 1 Código de Conduta Código de Conduta Schindler 1 2 Código de Conduta Schindler Código de Conduta da Schindler Os colaboradores do Grupo Schindler no mundo inteiro devem manter o mais alto padrão de conduta

Leia mais

Art. 3º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Contador Juarez Domingues Carneiro Presidente

Art. 3º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Contador Juarez Domingues Carneiro Presidente RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.323/11 Aprova a NBC PA 03 Revisão Externa de Qualidade pelos Pares. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, e com fundamento no disposto

Leia mais

3.2. O USUÁRIO poderá alterar sua senha a qualquer momento, assim como criar uma nova chave em substituição a uma chave já existente;

3.2. O USUÁRIO poderá alterar sua senha a qualquer momento, assim como criar uma nova chave em substituição a uma chave já existente; 1. CONTRATO Os termos abaixo se aplicam aos serviços oferecidos pela Sistemas On Line Ltda., doravante designada S_LINE, e a maiores de 18 anos ou menores com permissão dos pais ou responsáveis, doravante

Leia mais

REGRAS MODELO DE PROCEDIMENTO PARA OS TRIBUNAIS ARBITRAIS AD HOC DO MERCOSUL

REGRAS MODELO DE PROCEDIMENTO PARA OS TRIBUNAIS ARBITRAIS AD HOC DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 30/04 REGRAS MODELO DE PROCEDIMENTO PARA OS TRIBUNAIS ARBITRAIS AD HOC DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Olivos para a Solução de Controvérsias no MERCOSUL

Leia mais

NORMAS PARA REALIZAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA.

NORMAS PARA REALIZAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA COORDENAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) NORMAS PARA REALIZAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM

Leia mais

Análise e Tramitação de Projetos nos Comitês de Ética em Pesquisa

Análise e Tramitação de Projetos nos Comitês de Ética em Pesquisa Análise e Tramitação de Projetos nos Comitês de Ética em Pesquisa Versão 4.0 1 Histórico de Revisão do Manual Versão Autor Data Descrição Equipe suporte Criação do 1.0 Plataforma Brasil 01/11/2011 Documento

Leia mais

Política Global de Negociação de Títulos e Valores Mobiliários e Conflitos de Interesses

Política Global de Negociação de Títulos e Valores Mobiliários e Conflitos de Interesses Boletim 13* Política Global de Negociação de Títulos e Valores Mobiliários e Conflitos de Interesses Entrada em Vigor: 3 de Março de 2015 Versão: 19 Autor: Grupo Global de Compliance (*) Este documento

Leia mais

Rating 'braaa' atribuído à proposta de emissão de debêntures quirografárias da Vale S.A. com vencimento em 2020 e 2022

Rating 'braaa' atribuído à proposta de emissão de debêntures quirografárias da Vale S.A. com vencimento em 2020 e 2022 Data de Publicação: 5 de agosto de 2015 Comunicado à Imprensa Rating 'braaa' atribuído à proposta de emissão de debêntures quirografárias da com vencimento em 2020 e 2022 Analista principal: Diego Ocampo,

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES () Versão 2.0 08/08/2014 Política de Segurança da Informação e Comunicações - SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 2 2 ABRANGÊNCIA... 2 3 CONCEITOS... 2 3.1 Autenticidade...

Leia mais

UNIPAR UNIÃO DE INDÚSTRIAS PETROQUÍMICAS S.A.

UNIPAR UNIÃO DE INDÚSTRIAS PETROQUÍMICAS S.A. UNIPAR UNIÃO DE INDÚSTRIAS PETROQUÍMICAS S.A. (POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE APROVADA NA RCA DE 2002) FINALIDADE A política de divulgação de Ato ou Fato Relevante da Unipar observará

Leia mais

ISRAEL SECURITIES AUTHORITY SECURITIES COMMISSION OF BRAZIL

ISRAEL SECURITIES AUTHORITY SECURITIES COMMISSION OF BRAZIL ISRAEL SECURITIES AUTHORITY SECURITIES COMMISSION OF BRAZIL MEMORANDO DE ENTENDIMENTOS PARA CONSULTA, COOPERAÇÃO E TROCA DE INFORMAÇÕES ENTRE A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS E AS AUTORIDADES ESTATUTÁRIAS

Leia mais