VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL"

Transcrição

1 VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL

2 VLAN Trunking Protocol O VLAN Trunking Protocol (VTP) foi criado pela Cisco (proprietário) para resolver problemas operacionais em uma rede comutada com VLANs. Só deve ser utilizado quando existirem várias VLANs numa mesma rede. As informações VTP são enviadas aos Switches via Links Trunks. Todos os Switches devem pertencer ao mesmo domínio VTP. É necessário configurar um Servidor VTP. Cada Servidor define um domínio VTP Considere o exemplo de um domínio com vários switches interconectados que suportam várias VLANs. Um domínio é um agrupamento lógico de usuários e de recursos sob controle de um Servidor chamado PDC (Primary Domain Controller). Switches de diferentes domínios VTP não trocam informações entre si. 2

3 Além disso, o VTP reduz as complexidades do gerenciamento e monitoramento de 3 redes com VLANs. VLAN Trunking Protocol Proporciona o Gerenciamento centralizado da configuração de VLANs Administrador adiciona, exclui e renomeia VLANs As informações são propagadas a todos os Switchs Benefícios do VTP: Consistência da configuração de VLANs na Rede VLAN trunking em redes mistas (ATM Lane, FDDI) Monitoração de VLAN com registro aprimorado Adição de VLANs plug-and-play Com VTP, a configuração de VLANs é mantida consistentemente em um domínio administrativo comum.

4 VLAN Trunking Protocol Sem VTP: Para manter a conectividade dentro de VLANs, cada VLAN precisa ser manualmente configurada em cada switch. Com o crescimento da organização e o acréscimo de switches à rede, cada novo switch precisa ser manualmente configurado com informações das VLANs. Uma só designação de VLAN incorreta poderia causar dois problemas: VLANs com conexão cruzada devido a inconsistências na configuração das VLANs. Configuração incorreta de VLANs em ambientes de meios físicos mistos, tais como Ethernet e Fiber Distributed Data Interface (FDDI) 4

5 Conceitos do VTP O papel do VTP é manter a consistência de configuração de VLANs através de um domínio de administração de rede comum. O VTP é um protocolo de mensagens que usa quadros de tronco da camada 2 para adicionar, excluir e renomear VLANs em um único domínio. O VTP também permite mudanças centralizadas que são comunicadas aos demais switches na rede. Mensagens VTP são encapsuladas em quadros de protocolo Inter-Switch Link (ISL) da Cisco ou do IEEE 802.1Q e passadas através de links de tronco para outros dispositivos. 5

6 Quadro de Encapsulamento ISL Um domínio VTP consiste em um ou mais dispositivos interconectados que compartilham o mesmo nome de domínio VTP. Um switch pode existir em um só domínio VTP. Ao transmitir mensagens VTP para outros switches na rede, a mensagem VTP é encapsulada em um quadro de protocolo de trunking, tal como ISL ou IEEE 802.1Q. Especificações do Quadro ISL: O cabeçalho tem comprimento de 26 bytes. O CRC é calculado após o encapsulamento. 6

7 Quadro de Encapsulamento ISL O cabeçalho VTP varia conforme o tipo de mensagem VTP, mas geralmente, os mesmos quatro itens encontram-se em todas as mensagens VTP: A versão do protocolo VTP Versão 1 ou 2 O tipo da mensagem VTP Indica um dentre quatro tipos de mensagens O comprimento do nome do domínio de gerenciamento Indica o tamanho do nome que segue Nome do domínio de gerenciamento O nome configurado para o domínio de gerenciamento Os switches VTP operam em um dentre três modos: Servidor Cliente Transparente. 7

8 Modos de Operação do Switch VTP Os SERVIDORES VTP podem criar, modificar e excluir VLANs no domínio inteiro. É o modo default de operação dos Switchs Guardam informações de configuração de VLAN na NVRAM do switch. Propagam informações das VLANs em todo o domínio usando portas de tronco. 8

9 Modos de Operação do Switch VTP Os CLIENTES VTP não podem criar, modificar ou excluir informações de VLANs Esse modo é útil para switches que não possuem memória suficiente para armazenar grandes tabelas de informações de VLANs. O único papel dos clientes VTP é de processar mudanças de VLAN e enviar mensagens VTP para todas as portas de tronco. 9

10 Modos de Operação do Switch VTP Os switches no modo VTP TRANSPARENTE não participam do domínio VTP (ignoram mensagem). Porém, encaminham anúncios VTP Um switch transparente não modificará o seu banco de dados ao receber atualizações nem enviará uma atualização que indique uma mudança no status de suas VLAN. Isto é, seu BD tem significado local, não é compartilhado com outros Switches. O seu objetivo é permitir que Switches remotos recebam informações de um Servidor VTP através de um Switch que não participa da mesma configuração de VLAN (Domínio). Exceto para o encaminhamento de anúncios VTP, o VTP é desativado em um switch transparente. As VLANs detectadas dentro dos anúncios servem de notificação para o switch de que pode ser esperado tráfego com os recém-definidos IDs de VLAN. 10

11 Operação VTP O Switch C transmite uma entrada de BD VTP com adições ou exclusões ao Switch A e ao Switch B. O banco de dados de configuração possui um número de revisão que é incrementado por 1. Um número mais alto de revisão de configuração indica que as informações sobre VLANs sendo recebidas são mais recentes que a cópia armazenada. Sempre que um switch recebe uma atualização cujo número de revisão de configuração é mais alto, o switch sobrescreve as informações já armazenadas com as novas informações enviadas na atualização do VTP. 11

12 Operação VTP Esse processo de sobrescrita significa que se a VLAN não existir no novo banco de dados, ela será excluída do switch. Além disso, o VTP mantém a sua própria configuração na NVRAM O Switch F não processa a atualização porque está em outro domínio. O comando erase startup-configuration limpa a configuração dentro da NVRAM, mas não o número de revisão do banco de dados do VTP. Para redefinir como zero o número de revisão da configuração, o switch precisa ser reinicializado. 12

13 Operação VTP Por default, os domínios de gerenciamento são definidos para um modo não seguro. Isso significa que os switches interagem sem a utilização de senha. Para definir o domínio de gerenciamento automaticamente no modo seguro, pode ser adicionada uma senha. A mesma senha precisa ser configurada em cada switch no domínio de gerenciamento para usar o modo seguro. 13

14 Implementação VTP Com o VTP, cada switch anuncia em suas portas de tronco: O seu domínio de gerenciamento; O número da revisão da configuração; As VLANs que ele conhece; e Parâmetros para cada VLAN conhecida. Esses quadros de aviso são enviados para um endereço de multicast, para que todos os dispositivos vizinhos possam receber os quadros. Todos os dispositivos no mesmo domínio de gerenciamento aprendem sobre novas VLANs configuradas em um dispositivo transmissor. 14

15 Implementação VTP Uma nova VLAN precisa ser criada e configurada em somente um dispositivo no domínio de gerenciamento. Os demais dispositivos no mesmo domínio de gerenciamento automaticamente aprendem as informações. Cada anúncio começa com o número de revisão da configuração em 0. À medida que são feitas mudanças, o número de revisão da configuração é incrementado em 1, ou seja, n + 1. O número de revisão continua a ser incrementado até que chegue a Ao chegar a esse valor, será redefinido como zero. 15

16 Implementação VTP Há dois tipos de anúncios VTP: Solicitações de clientes que desejam informações ao se inicializar Respostas dos servidores Há três tipos de mensagens VTP: Solicitações de anúncios Anúncios sumarizados Anúncios de subconjuntos Com solicitações de anúncios, os clientes solicitam informações de VLAN e o servidor responde com anúncios sumarizados e de subconjuntos. 16

17 Os três tipos de mensagens VTP 17

18 VTP Anúncio Resumido Por default, os Switches Catalyst, Servidores e Clientes, emitem anúncios sumarizados de cinco em cinco minutos. Os servidores informam aos Switches vizinhos daquilo que acreditam ser o atual número de revisão do VTP. Se os nomes de domínio forem idênticos, o servidor ou o cliente faz a comparação do número de revisão da configuração que recebeu. Se o switch receber um número de revisão superior ao atual número de revisão desse switch, emitirá uma solicitação de anúncio para as novas informações de VLAN 18

19 VTP Formato Anúncio Resumido 19

20 Anúncios de subconjunto Os anúncios de subconjunto contêm informações detalhadas sobre VLANs, tais como a versão do VTP, o nome do domínio e campos relacionados a ele, além do número de revisão da configuração. Certas ações podem ativar anúncios de subconjuntos: Criação ou exclusão de uma VLAN Suspensão ou ativação de uma VLAN Mudança no nome de uma VLAN Mudança na MTU (maximum transmission unit) de uma VLAN 20

21 Anúncios de subconjunto Os anúncios podem conter algumas ou todas as seguintes informações: Nome do domínio de gerenciamento Anúncios com nomes diferentes são ignorados. Número de revisão da configuração Um número superior indica uma configuração mais recente. Message Digest 5 (MD5) MD5 é a chave que é enviada com o VTP se foi atribuída uma senha. Se a chave não corresponder, a atualização será ignorada. Identidade do atualizador A identidade do atualizador é a identidade do switch que envia o anúncio sumarizado do VTP. 21

22 VTP Formato do Anúncio de Subconjunto 22

23 Configuração do VTP Etapas específicas precisam ser consideradas antes de serem configurados o VTP e as VLANs na rede: Determinar o número da versão do VTP que será utilizada. Decidir se este switch será membro de um domínio de gerenciamento já existente, ou se deve ser criado um novo domínio. Se existir um domínio de gerenciamento, determinar o nome e a senha do domínio. Escolher um modo de VTP para o switch. Proteger o domínio com senha 23

24 Configuração do VTP Duas versões diferentes de VTP estão disponíveis, Versão 1 e Versão 2. As duas versões não são compatíveis entre si. Se um Switch estiver configurado em um domínio VTP Versão 2, todos os switches no domínio de gerenciamento precisarão ser configurados para o VTP Versão 2. O VTP Versão 1 é o default. O VTP Versão 2 pode ser implementado se os recursos necessários não existirem na Versão 1. O recurso mais freqüentemente exigido é o suporte para VLAN Token Ring. 24

25 Configuração do VTP Para configurar a versão do VTP em um Switch Cisco IOS: Entre no modo de BD de VLAN e configure o número da versão do VTP. Switch#vlan database Switch(vlan)#vtp v2-mode Se o switch for o primeiro switch da rede, o domínio de gerenciamento deverá ser criado. Switch(vlan)#vtp domain cisco O nome do domínio pode ter um comprimento de 32 caracteres 25

26 Configuração do VTP Se o domínio de gerenciamento foi provido de segurança, configure uma senha para o domínio. A senha precisa ter um comprimento de 8 a 64 caracteres. 26

27 Configuração do VTP Para adicionar um Cliente VTP a um domínio VTP já existente, certifiquese de que o seu número de revisão da configuração VTP seja inferior ao número de revisão da configuração dos outros Switches no domínio VTP. Use o comando show vtp status. Os Switches em um domínio VTP sempre usam a configuração das VLANs do Switch com o número de revisão da configuração VTP mais alto. Se for adicionado um switch com um número de revisão superior àquele atualmente existente no domínio VTP, possivelmente serão apagadas todas as informações das VLANs do servidor VTP e do domínio VTP. 27

28 Configuração do VTP Escolha um dos três modos do VTP disponíveis para o switch (Servidor, Cliente ou Transparente). Se este for o primeiro Switch no domínio de gerenciamento e se tiverem que ser adicionados outros Switches, configure o modo como Servidor. Os switches adicionais poderão aprender informações de VLAN desse Switch. Deve existir pelo menos um Servidor. O seguinte comando pode ser usado para definir o modo correto do switch: Switch(vlan)#vtp {client server transparent} 28

29 Configuração do VTP As VLANs podem ser criadas, excluídas e renomeadas à vontade sem que o Switch propague modificações a outros switches. É possível que as VLANs sejam parcialmente sobrepostas se várias pessoas configuram dispositivos dentro de uma rede. Por exemplo, o mesmo ID de VLAN pode ser usado para VLANs com propósitos divergentes. O comando show vtp status é usado para verificar a configuração dos parâmetros VTP em um Switch O comando show vtp counters é usado para exibir estatísticas sobre anúncios enviados e recebidos pelo Switch 29

30 Configuração do VTP 30

31 Configuração do VTP LABORATÓRIO 11 Configuração Cliente e Servidor VTP 31

32 Resumo Um tronco é uma conexão física e lógica entre dois switches, através da qual transita o tráfego da rede. O conceito de trunking tem o seu início nas tecnologias de rádio e telefonia. No contexto de um ambiente de comutação em VLAN, um tronco é um link ponto-a-ponto que suporta várias VLANs. O propósito de um tronco é conservar portas quando é criado um link entre dois dispositivos que implementam VLANs. O trunking agregará vários links virtuais em um só link físico, permitindo que o tráfego para várias VLANs transite sobre um único cabo entre os switches. As tabelas de comutação em ambas as extremidades do tronco podem ser usadas para tomar decisões sobre encaminhamento com base nos endereços MAC de destino dos quadros. Esse processo torna-se mais lento à medida que vai aumentando o número de VLANs que transitam no tronco. Para gerenciar com eficácia a transferência de quadros provenientes de diferentes VLANs em uma só linha física, os protocolos de trunking foram elaborados. Os protocolos de trunking estabelecem um acordo para a distribuição de quadros para as portas associadas em ambas as extremidades do tronco. 32

33 Resumo Existem dois tipos de mecanismos para trunking: filtragem de quadros e frame tagging. Os protocolos de trunking que utilizam o mecanismo de frame tagging atribuem um identificador aos quadros. Isso proporciona um melhor gerenciamento e uma entrega mais rápida. Frame tagging funciona na camada 2 e requer pouco processamento e ocupa poucos recursos administrativos. O ISL, o protocolo proprietário Inter-Switch Link da Cisco, e o 802-1Q, o padrão IEEE, são os esquemas de tagging mais comuns para segmentos Ethernet. Antes de implementar o trunking, determine qual é o encapsulamento que a porta pode suportar mediante a utilização do comando show port capabilities. Para certificar-se de que o trunking foi configurado, use o comando show trunk [mod_num/port_num] a partir do modo Privilegiado do switch. O VLAN Trunking Protocol (VTP) foi criado para resolver problemas operacionais em uma rede comutada com VLANs. Os dois problemas mais comuns são VLANs com conexões cruzadas decorrentes de inconsistências na configuração e falhas na configuração em ambientes de meios físicos mistos. 33

34 Resumo Com o VTP, a configuração de VLANs é mantida consistentemente em um domínio administrativo comum. Um domínio VTP consiste em um ou mais dispositivos interconectados que compartilham o mesmo nome de domínio VTP. Um switch pode existir em um só domínio VTP. Ao transmitir mensagens VTP para outros switches na rede, a mensagem VTP é encapsulada em um quadro de protocolo de trunking, tal como ISL ou IEE 802.1Q. Os switches VTP operam em um dentre três modos. Os modos incluem: servidor, que pode criar, modificar e excluir VLANs e parâmetros de configuração de VLANs para o domínio inteiro - cliente, que processa mudanças de VLAN e envia mensagens VTP através de todas as portas de tronco transparente, que encaminha anúncios VTP mas ignora informações contidas na mensagem. Com o VTP, cada switch anuncia em suas portas de tronco o seu domínio de gerenciamento, o número de revisão da configuração, as VLANs que ele conhece e certos parâmetros para cada VLAN conhecida. 34

35 Resumo Há dois tipos de anúncios VTP: solicitações de clientes e respostas de servidores. Eles geram três tipos de mensagens VTP, que incluem solicitação de anúncio, anúncio sumarizado e anúncio de subconjunto. Com solicitações de anúncios, os clientes solicitam informações de VLAN e o servidor responde com anúncios sumarizados e de subconjuntos. Por default, os switches Catalyst servidores e clientes emitem anúncios sumarizados de cinco em cinco minutos. Os servidores informam aos switches vizinhos o que acreditam ser o atual número de revisão do VTP. É feita a comparação desse número e, se houver diferenças, novas informações são solicitadas. Os anúncios de subconjunto contêm informações detalhadas sobre VLANs, tais como a versão do VTP, o nome do domínio e campos relacionados a ele além do número de revisão da configuração. Antes de configurar o VTP e as VLANs em uma rede, descubra o número da versão do VTP, determine se deve ser criado um novo domínio e estabeleça o modo VTP. Deve existir pelo menos um servidor. Para definir o modo correto do switch com base em comandos do Cisco IOS, use o comando Switch(vlan)#vtp {client server transparent}. 35

36 Resumo Use o comando show vtp status para verificar se o número de revisão da configuração o VTP é inferior ao número de revisão da configuração nos outros switches no domínio VTP antes de adicionar um cliente. Quando um host em um domínio de broadcast deseja comunicar-se com um host em outro domínio de broadcast, um roteador precisa ser utilizado. Em um roteador, uma interface pode ser dividida logicamente em várias subinterfaces virtuais. As subinterfaces representam uma solução flexível para o roteamento de vários fluxos de dados através de uma só interface física. 36

37 Resumo 37

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID

Leia mais

Configuração de VLANS em ambientes CISCO

Configuração de VLANS em ambientes CISCO Configuração de VLANS em ambientes CISCO Vanderlei Lemke Kruger, André Moraes 1 Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas (FATEC - Senac) Rua Gonçalves Chaves, 602 Centro Curso Superior de Tecnologia em Redes

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Edson Rodrigues da Silva Júnior. Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Fevereiro

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR. 48 Hosts Link C 6 Hosts

PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR. 48 Hosts Link C 6 Hosts CTRA C U R S O SUPERIOR EM REDES E AMBIENTES OPERACIONAIS CAR Componentes Ativos de Rede Prof.: Roberto J.L. Mendonça PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR 1. De acordo com a figura abaixo determine os endereços

Leia mais

Virtual Local Area Network VLAN

Virtual Local Area Network VLAN Virtual Local Area Network VLAN 1 Domínios de broadcast com VLANs e Roteadores Permite a criação de Redes Lógicas distintas e independentes em uma mesma rede física Configuração por software (Switch) Hosts

Leia mais

Capítulo 5: Roteamento Inter-VLANS

Capítulo 5: Roteamento Inter-VLANS Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 5: Roteamento Inter-VLANS Roteamento e Comutação Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers 1 Capítulo 5 5.1 Configuração

Leia mais

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Redes Locais Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://professoreduardoaraujo.com Modelo de Rede Hierárquico Camada de

Leia mais

Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN

Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-rede Gateway padrão S1 VLAN 1 192.168.1.2 255.255.255.0

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Laboratório Configuração do SNMP

Laboratório Configuração do SNMP Topologia Tabela de Endereçamento Objetivos Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway padrão R1 G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/0 192.168.2.1 255.255.255.252 N/A R2 S0/0/0 192.168.2.2

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Antes de começar a configurar o seu switch, você deve estabelecer suas conexões. Existem dois tipos de conexões: através da porta de console e através da porta Ethernet. A porta

Leia mais

Laboratório 9.3.6 Configurando o roteamento Inter-VLAN

Laboratório 9.3.6 Configurando o roteamento Inter-VLAN Laboratório 9.3.6 Configurando o roteamento Inter-VLAN Objetivo Criar uma configuração básica de switch e verificá-la. Criar várias VLANs, nomeá-las e atribuir várias portas a elas. Criar uma configuração

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Laboratório 8.2.4 Verificando Configurações de VLANs.

Laboratório 8.2.4 Verificando Configurações de VLANs. Laboratório 8.2.4 Verificando Configurações de VLANs. Objetivo Criar uma configuração básica de switch e verificá-la. Criar duas VLANs. Nomear as VLANs e atribuir várias portas a elas. Testar a funcionalidade,

Leia mais

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2?

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2? 1. Que duas declarações descrevem corretamente os conceitos de distância administrativa e métrica? (Escolha duas.) a) Distância administrativa refere-se a confiabilidade de uma determinada rota. b) Um

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

Aplicando segurança em redes locais através de gerenciamento de ativos de redes.

Aplicando segurança em redes locais através de gerenciamento de ativos de redes. Aplicando segurança em redes locais através de gerenciamento de ativos de redes. Nome do Aluno: Anderson Rauber da Silva Daniel Devegili Descrição da Contribuição: Anderson Rauber da Silva: Introdução

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs

Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs Prof. Rafael Guimarães Redes de Alta Velocidade Tópico 4 - Aula 1 Tópico 4 - Aula 1 Rafael Guimarães 1 / 31 Sumário Sumário 1 Motivação 2 Objetivos

Leia mais

Aula 11 Comutação de pacotes. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 11 Comutação de pacotes. Prof. Dr. S. Motoyama Aula Comutação de pacotes Prof. Dr. S. Motoyama O Problema Como dois hosts que não estão diretamente conectados poderão se comunicar entre si? Algum dispositivo inteligente deve ser colocado entre os hosts

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES. VIRTUAL LANs & VTP

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES. VIRTUAL LANs & VTP GESTÃO DE SISTEMAS E REDES VIRTUAL LANs & VTP OUTLINE VIRTUAL LAN IEEE802.1Q FORMATO DA FRAME ENCAMINHAMENTO DE FRAMES INTERNETWORKING VLAN TRUNKING PROTOCOL DOMÍNIOS MODOS ANÚNCIOS PRUNING VTP- CDP IMPLEMENTAÇÃO

Leia mais

Topologia de rede Ligação Ponto-a-Ponto

Topologia de rede Ligação Ponto-a-Ponto TIPOS DE REDE Tipos de Redes Locais (LAN - Local Area Network), Redes Metropolitanas (MAN - Metropolitan Area Network) e Redes Remotas (WAN - Wide Area Network). Redes que ocupam um pequeno espaço geográfico

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Software IP nos hosts finais O software IP nos hosts finais consiste principalmente dos seguintes módulos: Camada Aplicação; DNS (Domain name system)

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

Acesso Ethernet com Hubs

Acesso Ethernet com Hubs Acesso Ethernet com Hubs O dado é enviado de um por vez Cada nó trafega a 10 Mbps Acesso Ethernet com Bridges Bridges são mais inteligentes que os hubs Bridges reuni os quadros entre dois segmentos de

Leia mais

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch)

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais

VLAN - Virtual Local Area Network

VLAN - Virtual Local Area Network VLAN - Virtual Local Area Network Uma VLAN (Virtual Local Area Network ou Virtual LAN, em português Rede Local Virtual) é uma rede local que agrupa um conjunto de máquinas de maneira lógica e não física.

Leia mais

VLAN - Virtual LAN. Objectivo

VLAN - Virtual LAN. Objectivo Virtual LAN (VLAN) VLAN - Virtual LAN Objectivo Criação de redes locais virtuais sobre uma rede local física composta por um ou mais equipamentos activos Vários domínios de broadcast num (ou mais) switch

Leia mais

Objetivo: Criar redes locais virtuais (VLANs) usando switches e computadores

Objetivo: Criar redes locais virtuais (VLANs) usando switches e computadores Laboratório de IER 7 o experimento Objetivo: Criar redes locais virtuais (VLANs) usando switches e computadores Introdução LANs Ethernet (padrão IEEE 802.3 e extensões) atualmente são construídas com switches

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS Se todos os computadores da sua rede doméstica estiverem executando o Windows 7, crie um grupo doméstico Definitivamente, a forma mais

Leia mais

BACKBONE e LANS VIRTUAIS. Bruna Luyse Soares Joel Jacy Inácio

BACKBONE e LANS VIRTUAIS. Bruna Luyse Soares Joel Jacy Inácio BACKBONE e LANS VIRTUAIS Bruna Luyse Soares Joel Jacy Inácio Redes Backbone Um backbone permite que diversas LANs possam se conectar. Em uma backbone de rede, não há estações diretamente conectadas ao

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação A camada de enlace, cujo protocolo é utilizado para transportar um datagrama por um enlace individual, define o formato dos pacotes trocados entre os nós nas extremidades, bem como

Leia mais

Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário

Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário Estudo de Caso Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário Cisco Networking Academy Program CCNA 3: Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário Visão geral e objetivos O seguinte

Leia mais

Seu manual do usuário BLACKBERRY INTERNET SERVICE http://pt.yourpdfguides.com/dref/1117388

Seu manual do usuário BLACKBERRY INTERNET SERVICE http://pt.yourpdfguides.com/dref/1117388 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para BLACKBERRY INTERNET SERVICE. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a

Leia mais

Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal

Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS 1 Objetivos do Capítulo Descrever a seqüência e a importância da inicialização do IOS nos roteadores

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Topologia Objetivos Parte 1: Acessar a tabela de roteamento de host Parte 2: Examinar as entradas da tabela de roteamento de host IPv4 Parte

Leia mais

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1 1 Sinopse do capítulo Problemas de segurança para o campus. Soluções de segurança. Protegendo os dispositivos físicos. Protegendo a interface administrativa. Protegendo a comunicação entre roteadores.

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Spanning Tree Protocol O STP é executado em bridges e switches compatíveis com 802.1D. O STP foi projetado para contornar os problemas de bridging em redes redundantes. O objetivo

Leia mais

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 LAN Design LAN Switching and Wireless Capítulo 1 Version 4.0 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 Objetivos do Módulo Compreender os benefícios e do uso de uma organização hierárquica

Leia mais

1. Virtual LANs (VLANs) ISEL/DEETC Secção de Redes de Comunicação de Dados

1. Virtual LANs (VLANs) ISEL/DEETC Secção de Redes de Comunicação de Dados 1. Virtual LANs (VLANs) ISEL/DEETC Secção de Redes de Comunicação de Dados VLANS - Virtual LANs Objectivo Criação de redes locais virtuais sobre uma rede local física composta por um ou mais equipamentos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 5.6 e 5.7 Interconexões e PPP Prof. Jó Ueyama Maio/2011 SSC0641-2011 1 Elementos de Interconexão SSC0641-2011 2 Interconexão com Hubs Dispositivo de camada física. Backbone:

Leia mais

Capítulo 4 - Aprendendo sobre Outros Dispositivos

Capítulo 4 - Aprendendo sobre Outros Dispositivos CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 4 - Aprendendo sobre Outros Dispositivos 1 Objetivos do Capítulo Aprender a ativar e desativar o CDP; Usar o comando show cdp neighbors; Determinar

Leia mais

BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1. Visão geral técnica e dos recursos

BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1. Visão geral técnica e dos recursos BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1 Visão geral técnica e dos recursos SWD-1031491-1025120324-012 Conteúdo 1 Visão geral... 3 2 Recursos... 4 Recursos para gerenciar contas de usuário

Leia mais

Guia de administração. BlackBerry Professional Software para Microsoft Exchange. Versão: 4.1 Service pack: 4B

Guia de administração. BlackBerry Professional Software para Microsoft Exchange. Versão: 4.1 Service pack: 4B BlackBerry Professional Software para Microsoft Exchange Versão: 4.1 Service pack: 4B SWD-313211-0911044452-012 Conteúdo 1 Gerenciando contas de usuários... 7 Adicionar uma conta de usuário... 7 Adicionar

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores 3º Ano Sistemas de Informação 2008 Aula 05A: Hub/Switch/Gateway Servidores e Virtualização Prof. Msc. Ricardo Slavov ricardo.slavov@aes.edu.br Roteiro Pedagógico HUB Switch Bridge

Leia mais

REDES PARA TODOS RIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

REDES PARA TODOS RIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br REDES PARA TODOS RIP rffelix70@yahoo.com.br Operação RIP RIP V.01 O RIP usa dois tipos de mensagem especificados no campo Command: Mensagem de solicitação e Mensagem de resposta. Redes e Roteamento RIP

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 3 - Configurando um Roteador 1 Objetivos do Capítulo Dar nome a um roteador; Definir senhas; Examinar comandos show; Configurar uma interface

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Lembrando...desempenho de redes ethernet Instituto de Informátic ca - UFRGS Redes de Computadores Equipamentos de Interconexão de redes Aula 12! Ethernet emprega meio compartilhado para transmitir dados

Leia mais

Link Aggregation IEEE 802.3ad Uma Visão Geral

Link Aggregation IEEE 802.3ad Uma Visão Geral Link Aggregation IEEE 802.3ad Uma Visão Geral Marcelo Fernandes Systems Engineer Dezembro, 2013 Introdução Link Aggregation (LA): Combinação de múltiplos enlaces físicos funcionando como um único enlace

Leia mais

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s:

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s: Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Conceitos Básicos Modelos de Redes: O O conceito de camada é utilizado para descrever como ocorre

Leia mais

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet Edgard Jamhour Ethernet não-comutada (CSMA-CD) A Ethernet não-comutada baseia-se no princípio de comunicação com broadcast físico. a b TIPO DADOS (até 1500

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7

Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7 Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7 Se você tem mais que um computador ou outros dispositivos de hardware, como impressoras, scanners ou câmeras, pode usar uma rede para compartilhar

Leia mais

Comunicando através da rede

Comunicando através da rede Comunicando através da rede Fundamentos de Rede Capítulo 2 1 Estrutura de Rede Elementos de comunicação Três elementos comuns de comunicação origem da mensagem o canal destino da mensagem Podemos definir

Leia mais

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Equipamentos de Redes Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Placas de Rede Placas de Rede Preparação dos quadros para que possam ser enviados pelos cabos. A placa de

Leia mais

Aula 3. Objetivos. A internet.

Aula 3. Objetivos. A internet. Aula 3 Objetivos A internet. Uma rede é... usando Um ambiente onde pessoas se comunicam e trocam idéias que requerem Um conjunto de aplicações e serviços distribuídos criando realizada através de Uma disciplina

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

switches LAN (rede de comunicação local)

switches LAN (rede de comunicação local) O funcionamento básico de uma rede depende de: nós (computadores) um meio de conexão (com ou sem fios) equipamento de rede especializado, como roteadores ou hubs. Todas estas peças trabalham conjuntamente

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Exercícios de Revisão Edgard Jamhour. Quarto Bimestre: IPv6 e Mecanismos de Transiçao

Exercícios de Revisão Edgard Jamhour. Quarto Bimestre: IPv6 e Mecanismos de Transiçao Exercícios de Revisão Edgard Jamhour Quarto Bimestre: IPv6 e Mecanismos de Transiçao Questão 1: Indique a qual versão do IP pertence cada uma das características abaixo: ( ) Verifica erros no cabeçalho

Leia mais

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Prof. Celso Rabelo Centro Universitário da Cidade 1 Objetivo 2 3 4 IGPxEGP Vetor de Distância Estado de Enlace Objetivo Objetivo Apresentar o conceito de. Conceito

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Professor Rene - UNIP 1 Roteamento Dinâmico Perspectiva e histórico Os protocolos de roteamento dinâmico são usados

Leia mais

Software de gerenciamento de impressoras

Software de gerenciamento de impressoras Software de gerenciamento de impressoras Este tópico inclui: "Usando o software CentreWare" na página 3-10 "Usando os recursos de gerenciamento da impressora" na página 3-12 Usando o software CentreWare

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Gerenciamento da rede ATM. Prof. José Marcos C. Brito

Gerenciamento da rede ATM. Prof. José Marcos C. Brito Gerenciamento da rede ATM Prof. José Marcos C. Brito 1 Princípios Gerais O SNMP (Simple Network Management Protocol) é o protocolo mais utilizado. Se o dispositivo ATM é gerenciado de uma estação de gerenciamento

Leia mais

Módulo 8 Ethernet Switching

Módulo 8 Ethernet Switching CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 8 Ethernet Switching Comutação Ethernet 2 Segmentação de Redes Numa Ethernet o meio de transmissão é compartilhado Só um nó pode transmitir de cada vez. O aumento

Leia mais

VLAN (Virtual Local Area Network)

VLAN (Virtual Local Area Network) ISEP - Administração de Sistemas 2007/2008 1/6 VLAN (Virtual Local Area Network) É um grupo de dispositivos de rede no mesmo domínio de broadcast Segmenta de uma forma lógica em contraste com a segmentação

Leia mais

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS. Profº Erinaldo Sanches Nascimento

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS. Profº Erinaldo Sanches Nascimento UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS Profº Erinaldo Sanches Nascimento Objetivos Examinar as várias maneiras para projetar a infraestrutura de cabo para

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04 Prof. André Lucio Competências da aula 3 Servidor de DHCP. Servidor de Arquivos. Servidor de Impressão. Aula 04 CONCEITOS

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL ARP Protocolo de resolução de endereços (Address Resolution Protocol) Descrito na RFC 826 Faz a tradução de endereços IP para endereços MAC da maioria das redes IEEE 802 Executado dentro da sub-rede Cada

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

Ilustração 1: Exemplo de uma rede Frame Relay

Ilustração 1: Exemplo de uma rede Frame Relay Laboratório de RCO2 12 o experimento Objetivo: Introdução Configurar uma rede Frame Relay A tecnologia WAN Frame Relay é uma rede de transporte implantada como infraestrutura em operadoras de serviço (por

Leia mais

Parte 2 Usando o CLI do Roteador

Parte 2 Usando o CLI do Roteador Parte 2 Usando o CLI do Roteador O acesso à CLI Comand Line Interface, é feita pelo usuário no roteador com um terminal ou remotamente. Quando acessamos um roteador, devemos efetuar login nele antes de

Leia mais

Sumário 1 Introdução... 1 2 O Modelo OSI... 13 3 Switching e VLANs... 53

Sumário 1 Introdução... 1 2 O Modelo OSI... 13 3 Switching e VLANs... 53 Sumário 1 Introdução... 1 1.1 Um Resumo da História da Cisco Systems... 1 1.2 Sobre a Certificação Cisco Certified Network Associate CCNA... 2 1.2.1 Por que Tornar-se um CCNA?... 3 1.2.2 Perguntas Freqüentes...

Leia mais

Gerenciador de portas de Switch (es)

Gerenciador de portas de Switch (es) Benefícios para os Negócios Controle Automatizado de Acesso a Portas de Switch(es) de Rede e Hosts Finais A capacidade de planejamento ao acompanhar portas livres, em uso e definidas por usuário. Encontre

Leia mais

Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile

Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile Março de 2015 Introdução O acesso móvel ao site do Novell Vibe pode ser desativado por seu administrador do Vibe. Se não conseguir acessar a interface móvel do

Leia mais

Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco

Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco Disciplina: Dispositivos de Rede I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 3º Semestre Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco 2014/1 Roteiro de Aula Correção Exercícios Aula Anterior O que é o Roteador? Componentes

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Uma Rede de Computadores consistem em dois ou mais dispositivos, tais como computadores, impressoras e equipamentos relacionados, os

Leia mais

WebSphere MQ Everyplace V2.0.2

WebSphere MQ Everyplace V2.0.2 WebSphere MQ Everyplace V2.0.2 ii WebSphere MQ Everyplace V2.0.2 Índice Configurando Comunicações..... 1 Considerações sobre o Sistema Operacional....1 Atributos...............1 Mensagens...............1

Leia mais

O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida.

O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida. O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida. 1 Quando protocolos sem conexão são implementados nas camadas mais inferiores do

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR Introdução as Redes TCP/IP Roteamento com CIDR LAN = Redes de Alcance Local Exemplo: Ethernet II não Comutada Barramento = Broadcast Físico Transmitindo ESCUTANDO ESCUTANDO A quadro B C B A. DADOS CRC

Leia mais