A utilização de fibra de vidro como reforço em Madeira Compensada

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A utilização de fibra de vidro como reforço em Madeira Compensada"

Transcrição

1 Voltar MADEIRA arquitetura e engenharia nº 10 artigo 5 A utilização de fibra de vidro como reforço em Madeira Compensada Fabricio Moura Dias, Universidade de São Paulo, Interunidades em Ciência e Engenharia de Materiais, São Carlos, SP. Juliano Fiorelli, Universidade Estadual Paulista, Unidade Diferenciada de Dracena, Dracena, SP. Francisco Antonio Rocco Lahr e Antonio Alves Dias, Universidade de São Paulo, Departamento de Engenharia de Estruturas, Laboratório de Madeiras e de Estruturas de Madeira, São Carlos, SP. e Resumo: Nos painéis de madeira compensada, os valores das propriedades mecânicas na direção paralela são superiores aos da direção perpendicular à grã das lâminas externas. Com o objetivo de diminuir esta diferença, este trabalho apresenta um estudo teórico-experimental em madeira compensada reforçada com fibra de vidro. Foram manufaturados painéis com sete lâminas da espécie Eucalyptus grandis. Adicionou-se o tecido de fibra de vidro laminada com resina epóxi na última linha de cola. A eficiência dos painéis foi avaliada pelos ensaios físicomecânicos propostos pela Associação Brasileira de Normas Técnicas. Os resultados indicam um aumento significativo nas propriedades mecânicas dos painéis reforçados, com a conseqüente redução do índice de anisotropia. Palavras-chave: madeira compensada, fibra de vidro, propriedades físico-mecânicas. Abstract: In plywood panels, the mechanical properties values in parallel direction to the grain are above of perpendicular direction to external layers grain. Aim to reduce this difference, this work presents a theoretical-experimental study in plywood reinforced with glass fiber. The plywood was manufactured with seven layers of the Eucalyptus grandis wood. The glass fiber was glued with epoxy adhesive in the last glue line. The plywood s performance was evaluated based on the results of physical and mechanical tests recommended by the Brazilian code, ABNT.The results indicate a significant increase in the mechanical properties of the reinforced panels, with reduction of the anisotropy index. Keywords: plywood, glass fiber, physical-mechanics properties.

2 1. Introdução O uso da madeira compensada, ou compensados, na construção civil é difundido internacionalmente. Dentre as principais indicações se destacam a aplicação em formas para concreto armado e protendido, painéis estruturais e de vedação. No Brasil, as propriedades de resistência e rigidez dos compensados são determinadas segundo as recomendações dos documentos normativos da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). As propriedades físico-mecânicas analisadas nesta caracterização são: Massa específica aparente; Teor de umidade; Absorção de água; Inchamento; Módulos de resistência e elasticidade obtidos no ensaio de flexão estática; Resistência da colagem ao esforço de cisalhamento. No caso de flexão, é importante diferenciar os valores das propriedades mecânicas obtidas na direção paralela com os da direção perpendicular à grã das lâminas externas. Segundo Dias e Lahr (2002) (1) os compensados tradicionalmente utilizados apresentam diferenças significativas nos valores de propriedades de resistência e rigidez quando avaliadas nas suas diferentes direções. Os valores obtidos para a direção paralela são superiores aos da direção perpendicular à grã das lâminas externas. Stamato (1998) (2) apresentou a caracterização de diversos compensados comerciais utilizados pela indústria da construção civil e moveleira brasileira. Para todos os compensados avaliados, os valores das propriedades na direção paralela foram 30% a 50% superiores aos obtidos para a direção perpendicular à grã das lâminas externas. É constante a busca de soluções para diminuir a diferença entre os valores das propriedades nas diferentes direções da chapa de compensado e melhorar suas propriedades mecânicas. Estudos realizados no Laboratório de Madeiras e de Estruturas de Madeira - SET/EESC/USP indicam a eficiência do reforço de fibras de vidro em vigas de madeira. Para estruturas de madeira serrada, a utilização de polímeros reforçados com fibras (PRF) é uma alternativa promissora para reforçar e recuperar elementos estruturais de madeira. Fiorelli e Dias (2002) (3) avaliaram o comportamento de vigas de madeira reforçados com fibra de vidro. Resultados obtidos indicaram um incremento significativo na resistência e na rigidez de peças reforçadas, chegando a valores até 60% superiores em comparação com vigas sem reforço. As propriedades físicas, mecânicas e químicas dos PRF são muito versáteis e podem ser um complemento para as propriedades ortotrópicas da madeira. Segundo Dagher (2000) (4) a utilização de PRF para reforço de elementos estruturais de madeira é uma alternativa promissora, pois se trata de um material resistente a corrosão, que proporciona boa economia e um pequeno aumento do peso próprio. Segundo o boletim da APA (1998) (5), a combinação de chapa de madeira compensada com PRF é vantajosa, pois origina um produto que possui as propriedades estruturais da madeira compensada (resistência à flexão, rigidez e estabilidade dimensional) e também as propriedades de resistência e durabilidade da fibra de vidro, resultando em um produto mais resistente e mais durável. No estudo apresentado por APA (5) o PRF foi aplicado externamente nas duas faces da chapa de madeira compensada. 2. Madeira compensada A chapa de madeira compensada é um produto obtido pela colagem de lâminas de madeira sobrepostas, com as fibras cruzadas perpendicularmente. Estas chapas são produzidas sob duas principais especificações: a) para uso interno com colagem à base de resina de uréiaformaldeído, sendo empregado basicamente na indústria moveleira; b) para uso externo com

3 colagem à base de resina de fenol-formaldeído, sendo normalmente utilizado na construção civil (Maloney,1996) (6). A laminação cruzada do compensado resulta em propriedades físicas e mecânicas mais desejáveis nas solicitações biaxiais, como é o caso de almas de viga e de painéis de contraventamento. A resistência da madeira na direção paralela às fibras é maior que na direção perpendicular. As fibras cruzadas aumentam significativamente a resistência e a rigidez na direção normal às fibras, do compensado em comparação com a madeira maciça. Portanto, painéis de compensado possuem boa rigidez e resistência na direção perpendicular e paralela às fibras da lâmina de face (Olin, 1990) (7). 3. Polímero reforçado com fibra de vidro Os polímeros reforçados com fibras (PRF) são formados a partir da combinação de dois materiais: as fibras, responsáveis pela resistência do compósito e o adesivo que as une, sendo responsável pela transmissão dos esforços entre as fibras e o material reforçado. Entre os adesivos mais utilizados na laminação destes tecidos podem ser destacados as resinas a base de epóxi, poliéster e vinil Adesivo epóxi Dentre os adesivos utilizados para reforços em estruturas de madeira, Fiorelli e Dias (2002) (3) recomendam o uso do adesivo epóxi na produção do polímero reforçado com fibra de vidro. Este adesivo apresenta bons resultados no processo de laminação e colagem das fibras à madeira. Dentre as formulações existentes no mercado de adesivos brasileiro, o epóxi AR-300, tem sua utilização difundida para fixação de fibra de vidro à madeira Adesivo epóxi AR-300 Este tipo de adesivo é constituído por resina (AR-300) e endurecedor (AH-30), foi desenvolvido para fornecer uma excelente penetração a todos os tipos de fibras. Possui uma viscosidade extremamente baixa, possuindo um manuseio semelhante a uma resina poliéster. Este sistema de resina não desenvolve uma superfície pegajosa após o processo de cura, possibilitando laminações sucessivas de outras camadas de fibras (Pardini, 1990) (8). As Propriedades mecânicas do adesivo AR-300 são apresentadas na tab. 1. Tabela 1 - Propriedades do adesivo epóxi AR 300. Propriedades mecânicas do Adesivo AR Resistência à flexão Resistência à compressão 103 MPa 154 MPa 3.2. Fibra de vidro As fibras de vidro são produzidas a partir de sílica (SiO 2 ), através da adição de óxido de cálcio, boro, sódio e alumínio. São materiais amorfos e sua cristalização ocorre depois de prolongado tratamento com altas temperaturas. Dentre as vantagens do uso de fibra de vidro em reforços de estruturas podem ser destacadas: baixo custo, em relação a outras fibras (carbono e aramid), alta resistência ao impacto e à corrosão. Pode ser destacado como um produto que também é fabricado no Brasil.

4 4. Materiais e métodos Foram manufaturadas chapas de madeira compensada reforçada com fibra de vidro e chapas convencionais sem o reforço. A manufatura obedeceu às etapas adotadas para fabricação de produtos desta natureza, como apresentado a seguir: Secaram-se as lâminas de madeira em estufas até atingirem o teor de umidade entre 4 a 6%. Aplicou-se o adesivo poliuretano à base de mamona, bicomponente, formado pelo poliol B1640 e o prepolímero A249, com pincéis, em linha simples, para garantir uma boa uniformidade de distribuição do adesivo na superfície da lâmina. A gramatura, quantidade de adesivo a ser aplicado por área, foi de 250 g/m 2. Estudos apresentados por Dias e Lahr (2003) (9) confirmam a eficiência deste adesivo na manufatura de compensados. As lâminas foram colocadas ortogonalmente umas sobre as outras e prensadas por 10 min. com pressão de 12 dan/cm 2 e temperatura de prensagem de 60ºC para acelerar a cura do adesivo. Após a prensagem, esperou-se o resfriamento da prensa e retirou-se a chapa, mantendo-a em posição vertical. Esperou-se o período de duas semanas para uniformizar a adesão e retiraram-se os corpos-de-prova. As chapas de madeira compensada foram fabricadas com sete lâminas obtidas da espécie Eucalyptus grandis, com 2mm de espessura nominal. Foram fabricadas quatro chapas de espessura nominal 14mm e área de 60x60cm. Duas chapas foram produzidas com a adição de uma camada de fibra de vidro bi-direcional, de espessura 0,25 mm e adesivo epóxi AR-300 antes da última lâmina, conforme desenho esquemático apresentado na fig. 1. Para comparação entre resultados, foram produzidas duas chapas sem reforço de fibra de vidro. Destas extraíram-se os corpos-de-prova para determinação das propriedades físico-mecânicas. (a) Lâmina externa Fibra de vidro Figura 1 - Representação da chapa de madeira compensada reforçada com fibra de vidro. Para se produzir uma chapa de madeira compensada reforçada com fibra de vidro apenas de um lado, será necessário especificar o lado para garantir sua correta utilização. A opção pela adição de fibra de vidro apenas de um lado é para não onerar demasiadamente o produto final Experimentação Os ensaios realizados para a caracterização das chapas de madeira compensada obedeceram às prescrições de documentos normativos da Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT. Foram determinados: teor de umidade, NBR 9484 (1986) (10) ; massa específica aparente, NBR 9485 (1986) (11) ; módulos de resistência e elasticidade obtidos no ensaio de flexão estática, NBR 9533 (1986) (12).

5 Para o ensaio de flexão estática, o aparato de ensaio é constituído essencialmente de dois apoios, paralelos, auto-ajustáveis e alinháveis no plano horizontal quando do carregamento, e um cutelo, para aplicação das forças. Foram retirados, de cada chapa de compensado, no mínimo cinco corpos-de-prova de cada direção (paralela e perpendicular à grã das lâminas externas). Na fig. 2 é apresentado o ensaio da madeira compensada à flexão estática. Figura 2 - Ensaio de flexão estática na madeira compensada. No ensaio de flexão estática os corpos-de-prova foram posicionados com o lado que contem a fibra para baixo. Nos ensaios de flexão de madeira compensada, a ruptura do corpo-de-prova ocorre na lâmina superior por compressão, seguida por uma ruptura frágil de tração na lâmina inferior Estudo teórico As chapas de madeira compensada reforçadas foram analisadas de acordo com a teoria clássica da flexão (Beer e Russell, 1995) (13), que considera os alongamentos e encurtamentos das fibras longitudinais proporcionais às suas distâncias ao eixo neutro. Para este tipo de chapa, constituída por dois materiais diferentes, basta determinar a seção equivalente da chapa idealizada, constituída por apenas um dos materiais. 5. Análise dos resultados Nas tabelas 2 e 3 são apresentados os valores das propriedades físico-mecânicas dos corposde-prova da madeira compensada manufaturada sem o reforço da fibra de vidro. As tabelas 4 e 5 apresentam os valores para a madeira compensada com reforço de fibra de vidro. Os resultados são apresentados para as direções paralela e normal às fibras da lâmina externa. Nestas tabelas têm-se: f M = módulo de resistência à flexão estática; E b = Módulo de elasticidade à flexão estática; CV = Coeficiente de variação; Mea = Massa específica aparente. Tabela 2 - Valores médios de propriedades para a chapa de compensado sem reforço (Direção paralela à grã da lâmina externa). Valores f M (MPa) E b (MPa) Média CV (%) 15 6 Mea (g/cm 3 ) 0,80 Teor de umidade (%) 11,4 Número de amostras 07

6 Tabela 3 - Valores médios de propriedades para a chapa de compensado sem reforço (Direção perpendicular à grã da lâmina externa). Valores f M (MPa) E b (MPa) Média CV (%) 15 5 Mea (g/cm 3 ) 0,80 Teor de umidade (%) 11,4 Número de amostras 07 Tabela 4 - Valores médios de propriedades para a chapa de compensado com reforço (Direção paralela à grã da lâmina externa). Valores f M (MPa) E b (MPa) Média CV (%) Mea (g/cm 3 ) 0,82 Teor de umidade (%) 11,6 Número de amostras 07 Tabela 5 - Valores médios de propriedades para a chapa de compensado com reforço (Direção perpendicular à grã da lâmina externa). Valores f M (MPa) E b (MPa) Média CV (%) 8 12 Mea (g/cm 3 ) 0,82 Teor de umidade (%) 11,6 Número de amostras 07 Ao comparar os valores da tabelas 2 e 3 com os das tabelas 4 e 5, observa-se que a utilização de reforço de fibra de vidro nas chapas de madeira compensada aumentou de 2 e 5% na resistência à flexão nas direções paralelas e perpendiculares a grã da lâmina externa, respectivamente. Este aumento pode ser visualizado pela fig. 3.

7 100 Resistência à flexão (MPa) S/ Reforço C/ Reforço Paralela S/ Reforço C/ Reforço Perpendicular Figura 3 - Resistência à flexão para compensados com e sem reforço. A figura 4 apresenta uma comparação do módulo de elasticidade para chapas de madeira compensada sem e com reforço de fibra de vidro. Observa-se que para a direção perpendicular houve um aumento de 42% na rigidez à flexão e para a direção paralela à grã da lâmina externa, um aumento de 27%. O aumento foi maior na direção perpendicular à grã da lâmina externa. Esta diminuição na rigidez diminui o índice de anisotropia das chapas. Módulo de elasticidade (MPa) S/ Reforço C/ Reforço Paralela S/ Reforço C/ Reforço Perpendicular Figura 4 - Módulo de elasticidade para compensados com e sem reforço Análise teórica chapa de madeira reforçada com fibra de vidro Este item apresenta um modelo teórico de cálculo da rigidez de chapas de madeira compensada reforçadas com fibra de vidro. A análise utilizou o método da seção transformada. A determinação da rigidez teórica de chapas de madeira compensada constituiu em avaliar chapas com seção retangular (7,5 x 1,4 cm) reforçadas com a respectiva fibra. As chapas reforçadas são constituídas por dois materiais, madeira e fibra. A madeira está posicionada em duas diferentes direções, paralela e perpendicular à grã da lâmina externa. Isto acarreta diferenças nos valores dos módulos de elasticidade de uma direção em relação á outra. Para a determinação da rigidez à flexão, considerou-se o cálculo da seção equivalente da chapa idealizada, constituída por apenas um dos materiais. A seção retangular, apresentada na fig. 5, constituída por madeira na direção paralela (material 1), madeira na direção perpendicular (material 2) e fibra (material 3), ilustra este modelo. Para o reforço de fibra foi estabelecida espessura e e para as lâminas de madeira espessura igual a c.

8 b b 1 h 2 3 (a) 1 b (b) Y cg c e Figura 5 - (a) Chapa constituída por materiais diferentes e (b) seção equivalente. A seção transversal equivalente, apresentada na fig.5 (b), é considerada como sendo constituída apenas pelo material 1 (madeira). As larguras b e b são determinadas pelo produto da relação dos módulos de elasticidade pela largura b (eq. 1 e 2). ' E2 b = b (1) E 1 '' E3 b = b (2) E Para a seção equivalente, foi determinada a posição do centro de gravidade da peça (y cg ), cotado em relação à borda superior da viga de madeira. O valor do momento de inércia para a seção equivalente (Figura 5 (b)) da chapa com reforço (Ir) é dado pela eq.3. 1 n 3 bh = + Ai i= 1 2 i I r.d (3) 12 Para a seção equivalente, foi determinada a posição do centro de gravidade da peça (y cg ) Comparação da rigidez à flexão experimental e teórica A comparação entre a rigidez à flexão (EI), experimental e teórica, de chapas de madeira compensada com reforço de fibra de vidro, experimental e teórico, para as direções paralela e perpendicular é apresentada na fig. 6.

9 2000 Rigidez à flexão - EI (kn.cm2) Experimental Teórico Paralela Experimental Teórico Perpendicular Figura 6 - Rigidez à flexão experimental e teórico para chapas com reforço de fibra de vidro. Ao observar os valores apresentados na fig. 6, notamos que, o modelo teórico para determinação da rigidez à flexão de chapas de madeira compensada reforçada, conduz a valores próximos dos obtidos experimentalmente. Os valores dos módulos de elasticidade das lâminas de madeira, nas direções paralela e perpendicular utilizados nos cálculos teóricos foram determinados a partir do valor experimental dos módulos de elasticidade à flexão. Para a fibra o valor do módulo de elasticidade foi obtido experimentalmente, seguindo as recomendações da norma ASTM D3039 (1995) (14) - Standard Test Method for Tensile Properties of Polymer Matrix Composite Materials. Os valores destes módulos de elasticidade são apresentados na tab. 6. Tabela 6 - Valores dos módulos de elasticidade para as lâminas de madeira e para a fibra de vidro. Material Módulo de elasticidade (MPa) Madeira Paralela Madeira Perpendicular Fibra de vidro Conclusões A utilização de reforço de fibra de vidro em chapas de madeira compensada proporcionou um ganho na resistência e na rigidez do material reforçado. O aumento da rigidez foi mais significativo para os corpos-de-prova na direção perpendicular à grã da lâmina externa. Diminuindo assim, o índice anisotrópico da chapa. O modelo teórico para determinação da rigidez à flexão de chapas de madeira compensada reforçada apresentou valores próximos dos obtidos experimentalmente. Vale ressaltar que as chapas foram reforçadas com apenas uma camada de fibra de vidro entre as duas últimas lâminas. Estudos devem ser conduzidos para avaliar a relação custo/benefício, o aumento no número de camadas de fibras e também a eficiência de outros tipos de adesivos. 7. Agradecimentos Os autores agradecem à Fundação de amparo á Pesquisa do estado de São Paulo FAPESP e ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e tecnológico CNPq.

10 8. Referências bibliográficas (1) Dias, F.M., Lahr, F.A.R. (2000). Estudo do comportamento estrutural de madeira compensada fabricada com adesivo alternativo á base de mamona. In: Jornadas Sul- Americanas de Engenharia Estrutural, Anais cd-room, Brasília, Brasil. (2) Stamato, G.C. (1998). Utilização de compensado, laminated veneer lumber e oriented strainboard em estruturas permanentes. São Carlos. Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Paulo. (3) Fiorelli, J., Dias, A.A. (2002). Reforço de estruturas de madeira com fibra de vidro e com fibra de carbono. In. Revista da Madeira Wood Magazine, Ano 11, Nº64. (4) Dagher, H.J. (2000). High Performance Wood Composites for Construction. In: VII EBRAMEM, Anais Cd-room, São Carlos, Brasil. (5) APA. (1998). FRP Plywood. The Engineered Wood Association. (6) Maloney, T.M. (1996). The family of wood composite materials. Forest Products Journal, v.10, n.2., p (7) Olin, H.W. (1990). Wood. In: Construction: Principles, Materials & Methods. Ed. Van Nostrand Reinhold, New York, p (8) Pardini, L.C. (1990). Comportamento dinãmico-mecânico à fratura de materiais compostos epóxi/elastõmero/fibra de carbono. São Carlos. Dissertação (Mestrado), Universidade Federal de São Carlos. (9) Dias, F.M., Lahr, F.A.R. (2003). Adesivo à base de mamona para compensado. In: Revista da Madeira wood magazine. Ano 13, Nº72. (10) Associação Brasileira de Normas Técnicas. (1986). NBR Chapas de madeira compensada: determinação do teor de umidade. Rio de Janeiro, 3p. (11). (1986). NBR Chapas de madeira compensada: determinação da massa específica aparente. Rio de Janeiro, 3p. (12) Associação Brasileira de Normas Técnicas. (1986). NBR 9533/86 - Compensado: determinação da resistência à flexão estática. Rio de Janeiro, 3p. (13) Beer, F.P., Russel, J. Jr. (1995). Resistência dos materiais. Makron Books. 1255p. 3 a edição. (14) American Society for Testing and Materials. (1995). D Standard Test Method for Tensile Properties of Polymer Matrix Composite Materials.

ANÁLISE NUMÉRICO-EXPERIMENTAL DE VIGAS DE MADEIRA REFORÇADAS POR PRFC

ANÁLISE NUMÉRICO-EXPERIMENTAL DE VIGAS DE MADEIRA REFORÇADAS POR PRFC ANÁLISE NUMÉRICO-EXPERIMENTAL DE VIGAS DE MADEIRA REFORÇADAS POR PRFC George W. A. Rangel (1); Dogmar A. de Souza Junior (2); Francisco A. R. Gesualdo (3); Antonio C. dos Santos (3); Carlos H. Barreiro

Leia mais

AVALIAÇÃO DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES COMPOSIÇÕES DE LÂMINAS EM COMPENSADOS ESTRUTURAIS DE Pinus elliottii e Eucalyptus saligna

AVALIAÇÃO DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES COMPOSIÇÕES DE LÂMINAS EM COMPENSADOS ESTRUTURAIS DE Pinus elliottii e Eucalyptus saligna AVALIAÇÃO DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES COMPOSIÇÕES DE LÂMINAS EM COMPENSADOS ESTRUTURAIS DE Pinus elliottii e Eucalyptus saligna Setsuo Iwakiri 1, Ingrid Raquel Nielsen 2 e Reinaldo A. R. Alberti 2 RESUMO:

Leia mais

2 Técnicas de Reforço com Materiais Compósitos em Estruturas de Concreto

2 Técnicas de Reforço com Materiais Compósitos em Estruturas de Concreto 2 Técnicas de Reforço com Materiais Compósitos em Estruturas de Concreto 2.1. Notas Iniciais Este capítulo trata de algumas propriedades dos materiais compósitos, as características físico-químicas da

Leia mais

Ariosvaldo S. Vieira Coord. Desenvolvimento Novos Produtos e Processos

Ariosvaldo S. Vieira Coord. Desenvolvimento Novos Produtos e Processos Ariosvaldo S. Vieira Coord. Desenvolvimento Novos Produtos e Processos Introdução Concreto, aço e madeira têm sido os materiais proeminentes utilizados na indústria da construção civil por muitas décadas,

Leia mais

Análise do desempenho físico-mecânico de compensados produzidos com adesivos a base de PVA

Análise do desempenho físico-mecânico de compensados produzidos com adesivos a base de PVA Análise do desempenho físico-mecânico de compensados produzidos com adesivos a base de PVA Bruno Santos Ferreira, Marcellus Silveira da Silva e Cristiane Inácio de Campos, Universidade Estadual Paulista

Leia mais

Soluções em Adesão Estrutural, Fixação e Vedação para Indústria Náutica

Soluções em Adesão Estrutural, Fixação e Vedação para Indústria Náutica Engineered Polymers Soluções em Adesão Estrutural, Fixação e Vedação para Indústria Náutica Polymers Sealants Polymers Adhesives PP&F Asia Polymers South America Aperfeiçoando a produção de barcos com

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE ADESIVO PVA EM COMPENSADOS DE Pinus sp. E Eucalyptus sp. * UNESP - Univ Estadual Paulista, Campus de Itapeva, SP, Brasil 2

UTILIZAÇÃO DE ADESIVO PVA EM COMPENSADOS DE Pinus sp. E Eucalyptus sp. * UNESP - Univ Estadual Paulista, Campus de Itapeva, SP, Brasil 2 UTILIZAÇÃO DE ADESIVO PVA EM COMPENSADOS DE Pinus sp. E Eucalyptus sp. * C. I. De Campos 1, B. S. Ferreira 2, G. A. Prates 1, D. Goveia 1, L. V. O. D. Valentina 3 1 UNESP - Univ Estadual Paulista, Campus

Leia mais

PROPRIEDADES FÍSICO-MECÂNICAS DE PAINEL DE COMPENSADO PRODUZIDO COM ADESIVO ALTERNATIVO

PROPRIEDADES FÍSICO-MECÂNICAS DE PAINEL DE COMPENSADO PRODUZIDO COM ADESIVO ALTERNATIVO PROPRIEDADES FÍSICO-MECÂNICAS DE PAINEL DE COMPENSADO PRODUZIDO COM ADESIVO ALTERNATIVO C. I. de Campos, B.S. Ferreira Rua: Geraldo Alckmin, 519 Vila Nossa Senhora de Fátima - Itapeva/SP CEP: 18.409-010

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FRP PARA REFORÇO DE VIGAS DE MADEIRA

UTILIZAÇÃO DE FRP PARA REFORÇO DE VIGAS DE MADEIRA UTILIZAÇÃO DE FRP PARA REFORÇO DE VIGAS DE MADEIRA Juliano Fiorelli (1); Antonio Alves Dias (2) (1) Aluno de mestrado Escola de Engenharia de São Carlos EESC USP, e-mail: fiorelli@sc.usp.br (2) Professor

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC CENTRO DE ENGENHARIA, MODELAGEM E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES (BC 1105)

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC CENTRO DE ENGENHARIA, MODELAGEM E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES (BC 1105) UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC CENTRO DE ENGENHARIA, MODELAGEM E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES (BC 1105) ENSAIOS MECÂNICOS PARTE A ENSAIOS DE TRAÇÃO E FLEXÃO 2 1. INTRODUÇÃO Algumas

Leia mais

3 Elementos Estruturais Derivados da Madeira

3 Elementos Estruturais Derivados da Madeira 3 Elementos Estruturais Derivados da Madeira Prof. Guilherme Corrêa Stamato e Prof. Jorge Luís Nunes de Góes Disciplina: Estruturas de Madeira Curso: Engenharia de Estruturas A TRANSFORMAÇÃO DAS MADEIRAS

Leia mais

Ciência Florestal, Santa Maria, v. 11, n. 2, p ISSN

Ciência Florestal, Santa Maria, v. 11, n. 2, p ISSN Ciência Florestal, Santa Maria, v. 11, n. 2, p. 71-77 71 ISSN 0103-9954 PRODUÇÃO DE CHAPAS DE MADEIRA COMPENSADA DE CINCO ESPÉCIES DE PINUS TROPICAIS PLYWOOD MANUFACTURE FROM FIVE SPECIES OF TROPICAL PINE

Leia mais

MADEIRA Vigas de madeira laminada e colada submetidas à flexão simples

MADEIRA Vigas de madeira laminada e colada submetidas à flexão simples MATERIAIS TÉCNICAS E ESTRUTURASII MADEIRA Vigas de madeira laminada e colada submetidas à flexão simples Critérios de dimensionamento para peças submetidas à flexão simples reta Vigas de madeira laminada

Leia mais

EFEITO DO TRATAMENTO TÉRMICO NA ESTABILIDADE DIMENSIONAL DE PAINÉIS AGLOMERADOS DE Eucalyptus grandis

EFEITO DO TRATAMENTO TÉRMICO NA ESTABILIDADE DIMENSIONAL DE PAINÉIS AGLOMERADOS DE Eucalyptus grandis EFEITO DO TRATAMENTO TÉRMICO NA ESTABILIDADE DIMENSIONAL DE PAINÉIS AGLOMERADOS DE Eucalyptus grandis D. R. Borella; C. A. L. Pereira J. Bressan; N. T. Rissi; L. D. Libera; R. R. Melo* Universidade Federal

Leia mais

Soluções em Fibra de Vidro para Nacelles. By: Sinésio Baccan

Soluções em Fibra de Vidro para Nacelles. By: Sinésio Baccan Soluções em Fibra de Vidro para Nacelles By: Sinésio Baccan Agenda 1. Necessidades do Mercado 2. Vidro Advantex 3. Características que Definem o Tecido 4. Tecidos Costurados 5. Vidro de Alta Performance

Leia mais

Avaliação do ciclo de vida de painéis compósitos à base de madeira: estudo de caso em painéis OSB

Avaliação do ciclo de vida de painéis compósitos à base de madeira: estudo de caso em painéis OSB Avaliação do ciclo de vida de painéis compósitos à base de madeira: estudo de caso em painéis OSB Fabiane S. Ferro; Rosilene R. Brugnera; Diogo A. L. Silva; Francisco A. Rocco Lahr E-mail: fsferro@usp.br

Leia mais

Aplicação da Estatística de Weibull na Avaliação da Tensão de Ruptura a Flexão de Revestimento Cerâmico

Aplicação da Estatística de Weibull na Avaliação da Tensão de Ruptura a Flexão de Revestimento Cerâmico Aplicação da Estatística de Weibull na Avaliação da Tensão de Ruptura a Flexão de Revestimento Cerâmico Bruno Carlos Alves Pinheiro 1, Gustavo Matias Estevão 2, Ricardo da Rocha Vitor 3 1 Introdução Devido

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE PROPRIEDADES MECÂNICAS DO OSB DETERMINATION OF MECHANICAL PROPERTIES OF OSB

DETERMINAÇÃO DE PROPRIEDADES MECÂNICAS DO OSB DETERMINATION OF MECHANICAL PROPERTIES OF OSB IX ENCONTRO BRASILEIRO EM MADEIRAS E EM ESTRUTURAS DE MADEIRA CUIABÁ JULHO DE 2004 DETERMINAÇÃO DE PROPRIEDADES MECÂNICAS DO OSB Gustavo Lacerda Dias (gustlad@hotmail.com), Altevir Castro dos Santos (altevir@unioeste.br),

Leia mais

Avaliação do desempenho mecânico de vigas de madeira reforçadas com chapas de aço solidarizadas por pregos

Avaliação do desempenho mecânico de vigas de madeira reforçadas com chapas de aço solidarizadas por pregos Avaliação do desempenho mecânico de vigas de madeira reforçadas com chapas de aço solidarizadas por pregos Resumo Autor: Carlos Roberto Demarchi Professor Orientador: Dr. Adão Marques Batista* Faculdade

Leia mais

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM COMPÓSITO NATURAL DESENVOLVIDO COM FIBRA DE CARNAÚBA

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM COMPÓSITO NATURAL DESENVOLVIDO COM FIBRA DE CARNAÚBA ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM COMPÓSITO NATURAL DESENVOLVIDO COM FIBRA DE CARNAÚBA M. H. de F. Fonseca, U. P. de Lucena Junior, R. O. C. Lima Universidade Federal Rural do Semi-Árido Rua José

Leia mais

REPARO DE DUTOS DANIFICADOS UTILIZANDO MATERIAIS COMPÓSITOS

REPARO DE DUTOS DANIFICADOS UTILIZANDO MATERIAIS COMPÓSITOS REPARO DE DUTOS DANIFICADOS UTILIZANDO MATERIAIS COMPÓSITOS Lizabeth Grace Castellares CENPES/PETROBRÁS Trabalho apresentado na 6 Conferência Sobre Tecnologia de Equipamentos, Salvador, agosto, 2002 As

Leia mais

PAINEL LAMINADO DE MADEIRA E TETRA PAK. Apresentado no

PAINEL LAMINADO DE MADEIRA E TETRA PAK. Apresentado no PAINEL LAMINADO DE MADEIRA E TETRA PAK DIXON GOMES AFONSO 1*, SUELEM MARINA DE ARAÚJO PONTES 2, DANIEL DO NASCIMENTO LIMA 3, CLAUDIANE BEATRIZ GURGEL DO AMARAL CANTO SALES 4* 1 Tecnólogo, FUNTAC, Rio Branco-AC,

Leia mais

PRODUÇÃO DE VIGAS ESTRUTURAIS EM PERFIL I COM PAINÉIS DE MADEIRA RECONSTITUÍDA DE Pinus taeda L. E Eucalyptus dunnii Maiden

PRODUÇÃO DE VIGAS ESTRUTURAIS EM PERFIL I COM PAINÉIS DE MADEIRA RECONSTITUÍDA DE Pinus taeda L. E Eucalyptus dunnii Maiden PRODUÇÃO DE VIGAS ESTRUTURAIS EM PERFIL I COM PAINÉIS DE MADEIRA RECONSTITUÍDA DE Pinus taeda L. E Eucalyptus dunnii Maiden Alexandre de Luna Pedrosa*, Setsuo Iwakiri**, Jorge Luis Monteiro de Matos***

Leia mais

L U M I N U M MANUAL TÉCNICO. Francisco Ceará Barbosa, Campo dos Amarais - Campinas - SP

L U M I N U M MANUAL TÉCNICO. Francisco Ceará Barbosa, Campo dos Amarais - Campinas - SP L U M I N U M MANUAL TÉCNICO Francisco Ceará Barbosa, 859 - Campo dos Amarais - Campinas - SP - 1.08-00 fibralit.com.br - PABX: 19 16 000 - DDG: 0800 701 0809 - luminum@fibralit.com.br PROPRIEDADES DOS

Leia mais

Resolva seus problemas de mapeamento de fibras, redução de peso e bolhas - Facilitadores Soluções Produtivas - FSP

Resolva seus problemas de mapeamento de fibras, redução de peso e bolhas - Facilitadores Soluções Produtivas - FSP Resolva seus problemas de mapeamento de fibras, redução de peso e bolhas - Facilitadores Soluções Produtivas - FSP cromitec Há 20 anos fabricando resinas poliéster insataturado Tecnologia da Euromere para

Leia mais

4 ENSAIO DE FLEXÃO. Ensaios Mecânicos Prof. Carlos Baptista EEL

4 ENSAIO DE FLEXÃO. Ensaios Mecânicos Prof. Carlos Baptista EEL 4 ENSAIO DE FLEXÃO Ensaio de Flexão: Bastante aplicado em materiais frágeis ou de alta dureza - Exemplos: cerâmicas estruturais, aços-ferramenta - Dificuldade de realizar outros ensaios, como o de tração

Leia mais

Tecnologia da Construção Civil - I Estruturas de concreto. Roberto dos Santos Monteiro

Tecnologia da Construção Civil - I Estruturas de concreto. Roberto dos Santos Monteiro Tecnologia da Construção Civil - I Estruturas de concreto Estruturas de concreto As estruturas das edificações, sejam eles de um ou vários pavimentos, são constituídas por diversos elementos cuja finalidade

Leia mais

TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I

TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br BLOCOS CERÂMICOS ABNT NBR 15270 / 2005 Componentes

Leia mais

Caderno de Estruturas em Alvenaria e Concreto Simples

Caderno de Estruturas em Alvenaria e Concreto Simples Caderno de Estruturas em Alvenaria e Concreto Simples CONTEÚDO CAPÍTULO 1 - RESISTÊNCIA DO MATERIAL 1.1. Introdução 1.2. Definição: função e importância das argamassas 1.3. Classificação das alvenarias

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO OBJETIVO DA DISCIPLINA: Fornecer ao aluno as informações necessárias sobre a constituição,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MECÂNICA DE COMPÓSITOS POLIMÉRICOS BOBINADOS EM DIVERSAS ORIENTAÇÕES DO REFORÇO

CARACTERIZAÇÃO MECÂNICA DE COMPÓSITOS POLIMÉRICOS BOBINADOS EM DIVERSAS ORIENTAÇÕES DO REFORÇO CARACTERIZAÇÃO MECÂNICA DE COMPÓSITOS POLIMÉRICOS BOBINADOS EM DIVERSAS ORIENTAÇÕES DO REFORÇO Eduardo da Silva Leitão 1, Gerson Marinucci 2, Osni de Carvalho 1, Arnaldo H.P. de Andrade 2 1-Centro Tecnológico

Leia mais

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas Referências Bibliográficas AMERICAN CONCRETE INSTITUTE. ACI 440 2000: Guide for the Design and Construction of the Externally Bonded FRP Systems for Strengthening Concrete Structures; U.S.A. AMERICAN SOCIETY

Leia mais

Exercícios de Resistência dos Materiais A - Área 3

Exercícios de Resistência dos Materiais A - Área 3 1) Os suportes apóiam a vigota uniformemente; supõe-se que os quatro pregos em cada suporte transmitem uma intensidade igual de carga. Determine o menor diâmetro dos pregos em A e B se a tensão de cisalhamento

Leia mais

Foram realizados nos corpos de prova prismáticos com base no método A da norma ASTM

Foram realizados nos corpos de prova prismáticos com base no método A da norma ASTM 54 4.4.2 Ensaio de impacto Foram realizados nos corpos de prova prismáticos com base no método A da norma ASTM D 256-03 (método Izod), na temperatura de 28 C, em um equipamento de impacto por pêndulo conforme

Leia mais

Marco Antonio Carnio

Marco Antonio Carnio RADIERS EM CONCRETO REFORÇADO COM FIBRAS (CRF) APLICAÇÕES DO CRF Aplicações nas quais a distribuição de tensões é bastante variável ou não está bem definida (pavimentos, radiers, revestimento de túneis

Leia mais

Propagação de ondas ultrasônicas através da espessura de chapas OSB e correlação com suas propriedades físico-mecânicas

Propagação de ondas ultrasônicas através da espessura de chapas OSB e correlação com suas propriedades físico-mecânicas Propagação de ondas ultrasônicas através da espessura de chapas OSB e correlação com suas propriedades físico-mecânicas Elen Aparecida Martines Morales, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Campus Experimental

Leia mais

Produção de painéis de madeira aglomerada de alta densificação com diferentes tipos de resinas

Produção de painéis de madeira aglomerada de alta densificação com diferentes tipos de resinas SCIENTIA FORESTALIS n. 68, p.39-43, ago. 2005 Produção de painéis de madeira aglomerada de alta densificação com diferentes tipos de resinas Production of high density particleboard with different types

Leia mais

12º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHEIRA MECÂNICA Guayaquil, 10 a 13 de Novembro de 2015

12º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHEIRA MECÂNICA Guayaquil, 10 a 13 de Novembro de 2015 12º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHEIRA MECÂNICA Guayaquil, 10 a 13 de Novembro de 2015 CARACTERIZAÇÃO DO COMPÓSITO SANDUÍCHE CONSTITUÍDO POR FIBRA DE JUTA, FIBRA DE VIDRO E RESINA POLIÉSTER CRISTAL

Leia mais

Resistência dos Materiais Teoria 2ª Parte

Resistência dos Materiais Teoria 2ª Parte Condições de Equilíbrio Estático Interno Equilíbrio Estático Interno Analogamente ao estudado anteriormente para o Equilíbrio Estático Externo, o Interno tem um objetivo geral e comum de cada peça estrutural:

Leia mais

7 Technological Constraints. est of tructural dhesives. connections. resistance. high

7 Technological Constraints. est of tructural dhesives. connections. resistance. high Oct. >> Dec. Jan. >> Apr. Apr. >> Sep. 7 Technological Constraints est of tructural dhesives high connections resistance 1 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS... 82 1.1 COLAGEM COM ADESIVOS ESTRUTURAIS... 82 2 ESTUDO

Leia mais

Painel Náutico Florianópolis

Painel Náutico Florianópolis Painel Náutico 2015 Florianópolis Presença da TEXIGLASS no mundo 4 Tipos de Reforços Os reforços podem Fibra Picada (spray up) Na Forma de Mantas Na Forma de TECIDOS Fios dos Tecidos Os fios podem ser

Leia mais

Comparação entre módulos de elasticidade longitudinais por métodos de cálculo alternativos em vigas de madeira de Eucalyptus grandis

Comparação entre módulos de elasticidade longitudinais por métodos de cálculo alternativos em vigas de madeira de Eucalyptus grandis Comparação entre módulos de elasticidade longitudinais por métodos de cálculo alternativos em vigas de madeira de Eucalyptus grandis André Luis Christoforo, Departamento de Engenharia Mecânica, Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DE LIGAÇÃO MISTA MADEIRA-CONCRETO COM CHAPAS PERFURADAS COLADAS

AVALIAÇÃO DE LIGAÇÃO MISTA MADEIRA-CONCRETO COM CHAPAS PERFURADAS COLADAS cleber-cbs@hotmail.com AVALIAÇÃO DE LIGAÇÃO MISTA MADEIRA-CONCRETO COM CHAPAS PERFURADAS COLADAS Cleber Barbosa da Silva1; Claudio Lisias Lucchese2; Andrés Batista Cheung3, Silva, C. B. 1,*, Lucchese,

Leia mais

PRODUÇÃO DE COMPENSADOS DE Pinus taeda E Pinus oocarpa COM RESINA FENOL-FORMALDEÍDO

PRODUÇÃO DE COMPENSADOS DE Pinus taeda E Pinus oocarpa COM RESINA FENOL-FORMALDEÍDO Produção de compensados de Pinus taeda e Pinis oocarpa com resina fenol-formaldeído. 92 PRODUÇÃO DE COMPENSADOS DE Pinus taeda E Pinus oocarpa COM RESINA FENOL-FORMALDEÍDO Setsuo Iwakiri¹, Claudio S. Del

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA MADEIRA LAMINADA COLADA DO GÊNERO Eucalyptus PRODUZIDA COM ADESIVOS RESORCINOL-FENOL-FORMALDEÍDO E POLIURETANO

CARACTERIZAÇÃO DA MADEIRA LAMINADA COLADA DO GÊNERO Eucalyptus PRODUZIDA COM ADESIVOS RESORCINOL-FENOL-FORMALDEÍDO E POLIURETANO XV EBRAMEM - Encontro Brasileiro em Madeiras e em Estruturas de Madeira 09-11/Mai, 2016, Curitiba, PR, Brasil CARACTERIZAÇÃO DA MADEIRA LAMINADA COLADA DO GÊNERO Eucalyptus PRODUZIDA COM ADESIVOS RESORCINOL-FENOL-FORMALDEÍDO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BANANEIRA. Viviane da Costa Correia 1, José Dafico Alves 2

AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BANANEIRA. Viviane da Costa Correia 1, José Dafico Alves 2 AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BANANEIRA Viviane da Costa Correia 1, José Dafico Alves 2 1 Bolsista PBIC/UEG, graduada no Curso de Engenharia Agrícola, UNUCET - UEG. 2 Orientador, docente

Leia mais

GEOGRELHA GEOFOCO. Especificações Técnicas. Fabricado com padrão de qualidade ISO 9001

GEOGRELHA GEOFOCO. Especificações Técnicas. Fabricado com padrão de qualidade ISO 9001 GEOGRELHA GEOFOCO Especificações Técnicas Fabricado com padrão de qualidade ISO 9001 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS GEOGRELHA PAVIMENTO 50/50 A GEOGRELHA PARA PAVIMENTO GEOFOCO é feita à partir de filamentos

Leia mais

3. MATERIAIS E MÉTODOS

3. MATERIAIS E MÉTODOS 53 3. MATERIAIS E MÉTODOS Para o estudo do comportamento mecânico de vigas compostas e suas ligações se faz necessária, além da análise teórica, a realização de ensaios de laboratório para aferir os modelos

Leia mais

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS CONTROLE DE QUALIDADE INDUSTRIAL Aula 03 TENSÃO

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS CONTROLE DE QUALIDADE INDUSTRIAL Aula 03 TENSÃO CONTROLE DE QUALIDADE INDUSTRIAL Tensão Tensão é ao resultado da ação de cargas externas sobre uma unidade de área da seção analisada na peça, componente mecânico ou estrutural submetido à solicitações

Leia mais

Ciência Florestal ISSN: Universidade Federal de Santa Maria Brasil

Ciência Florestal ISSN: Universidade Federal de Santa Maria Brasil Ciência Florestal ISSN: 0103-9954 cf@ccr.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Iwakiri, Setsuo; Razera Neto, Antonio; De Almeida, Benedito Carlos; Petro Biasi, Cândido; Chies, Daniel; Prado

Leia mais

Professora: Engª Civil Silvia Romfim

Professora: Engª Civil Silvia Romfim Professora: Engª Civil Silvia Romfim CRITÉRIOS DE DIMENSIONAMENTO Flexão simples reta Flexão oblíqua Flexão composta Flexo-tração Flexo-compressão Estabilidade lateral de vigas de seção retangular Flexão

Leia mais

PRODUÇÃO DE CHAPAS DE MADEIRA AGLOMERADA DE CINCO ESPÉCIES DE PINUS TROPICAIS RESUMO ABSTRACT

PRODUÇÃO DE CHAPAS DE MADEIRA AGLOMERADA DE CINCO ESPÉCIES DE PINUS TROPICAIS RESUMO ABSTRACT PRODUÇÃO DE CHAPAS DE MADEIRA AGLOMERADA DE CINCO ESPÉCIES DE PINUS TROPICAIS RESUMO Setsuo Iwakiri 1 José Reinaldo Moreira da Silva 2 Selma Lúcia Schmidlin Matoski 2 Gabriela Leonhadt 2 José Caron 2 Esta

Leia mais

ALTERNATIVAS PARA RECUPERAÇÕA DE ESTRUTURAS DE MADEIRA ESTUDO DE CASO

ALTERNATIVAS PARA RECUPERAÇÕA DE ESTRUTURAS DE MADEIRA ESTUDO DE CASO ALTERNATIVAS PARA RECUPERAÇÕA DE ESTRUTURAS DE MADEIRA ESTUDO DE CASO Juliano Fiorelli (1); Antonio Alves Dias (2); Akemi Ino (3) (1) Aluno de mestrado Escola de Engenharia de São Carlos EESC USP, fiorelli@sc.usp.br

Leia mais

A norma australiana considera que a capacidade característica, R k, é uma estimativa da

A norma australiana considera que a capacidade característica, R k, é uma estimativa da Cap. 2 Revisão bibliográfica 38 2.3.2 Norma australiana A norma australiana referente ao projeto das estruturas de madeira AS 1720.1 (Timber Structures) foi publicada em 1997 pela Standards Association

Leia mais

CONTROLES DE QUALIDADE EM INDÚSTRIAS DE COMPENSADOS: PROCESSO PRODUTIVO E PRODUTO

CONTROLES DE QUALIDADE EM INDÚSTRIAS DE COMPENSADOS: PROCESSO PRODUTIVO E PRODUTO ERNESTO AUGUSTO GARBE CONTROLES DE QUALIDADE EM INDÚSTRIAS DE COMPENSADOS: PROCESSO PRODUTIVO E PRODUTO Micro-Tese apresentada ao Mestrado de Tecnologia de Produtos Florestais, do Departamento de Engenharia

Leia mais

Estudo comparativo das propriedades físicas e mecânicas da madeira e do LVL de Pinus merkusii

Estudo comparativo das propriedades físicas e mecânicas da madeira e do LVL de Pinus merkusii , pp. 191-195 191 Estudo comparativo das propriedades físicas e mecânicas da madeira e do LVL de Comparative study of the physical and mechanical properties of the wood and of LVL of GERALDO BORTOLETTO

Leia mais

INFLUÊNCIA DA DENSIDADE E DO TIPO DE RESINA NAS PROPRIEDADES TECNOLÓGICAS DE PAINÉIS OSB DE Pinus taeda L.

INFLUÊNCIA DA DENSIDADE E DO TIPO DE RESINA NAS PROPRIEDADES TECNOLÓGICAS DE PAINÉIS OSB DE Pinus taeda L. INFLUÊNCIA DA DENSIDADE E DO TIPO DE RESINA NAS PROPRIEDADES TECNOLÓGICAS DE PAINÉIS OSB DE Pinus taeda L. Leopoldo Karman Saldanha 1, Setsuo Iwakiri 2 1 Eng. Florestal, M.Sc., Ge Quimica/ Brasceras, Barueri,

Leia mais

1.8 Desenvolvimento da estrutura de edifícios 48

1.8 Desenvolvimento da estrutura de edifícios 48 Sumário Capítulo 1 Desenvolvimento histórico de materiais, elementos e sistemas estruturais em alvenaria 23 1.1 História dos materiais da alvenaria 24 1.2 Pedra 24 1.3 Tijolos cerâmicos 26 1.4 Blocos sílico-calcários

Leia mais

Soluções em Poliuretanos Bayer para Aplicações Automotivas. Novembro de 2014 Fernanda Porto Painel Automotivo

Soluções em Poliuretanos Bayer para Aplicações Automotivas. Novembro de 2014 Fernanda Porto Painel Automotivo Soluções em Poliuretanos Bayer para Aplicações Automotivas Novembro de 2014 Fernanda Porto Painel Automotivo Agenda O Mercado Automotivo Cenário Atual e Desafios A versatibilidade do Poliuretano e sua

Leia mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE LTs. Prof. Dr. Alexandre Rasi Aoki

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE LTs. Prof. Dr. Alexandre Rasi Aoki CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE LTs Prof. Dr. Alexandre Rasi Aoki AGENDA Cabos condutores Isoladores e ferragens Estruturas das LTs Cabos para-raios Prof. Dr. Alexandre Rasi Aoki TE-140 2 CABOS CONDUTORES Prof.

Leia mais

Produção e avaliação de vigas de madeira laminada colada confeccionadas com lâminas de eucalipto

Produção e avaliação de vigas de madeira laminada colada confeccionadas com lâminas de eucalipto Produção e avaliação de vigas de madeira laminada colada confeccionadas com lâminas de eucalipto José Luiz Miotto 1 ; Antonio Alves Dias 2 1 Prof. Dr., Universidade Estadual de Maringá UEM, Departamento

Leia mais

5. PROPRIEDADES. O que são propriedades? Você conhece alguma propriedade dos vidro?

5. PROPRIEDADES. O que são propriedades? Você conhece alguma propriedade dos vidro? 5. PROPRIEDADES O que são propriedades? Você conhece alguma propriedade dos vidro? As propriedades intrínsecas e essenciais do vidro são transparência e durabilidade. Outras propriedades tornam-se significantes

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Aços para concreto armado

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Aços para concreto armado Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas Aços para concreto armado Notas de aula da disciplina AU414 - Estruturas IV Concreto armado Prof. Msc. Luiz Carlos

Leia mais

TC 071 PONTES E ESTRUTURAS ESPECIAIS II

TC 071 PONTES E ESTRUTURAS ESPECIAIS II TC 071 PONTES E ESTRUTURAS ESPECIAIS II 16ª AULA (19/10/2.010) MEZOESTRUTURA DE PONTES A mezoestrutura de ponte é a parte da estrutura (pilares) responsável por transmitir as cargas da superestrutura à

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais. Cálculo Estrutural EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO. Profa.

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais. Cálculo Estrutural EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO. Profa. Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Cálculo Estrutural EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons Objetivo: Projeto e dimensionamento de estruturas estáticas ou dinâmicas

Leia mais

MATERIAL COMPÓSITO DE MATRIZ POLIÉSTER REFORÇADO POR FIBRAS DE ALGODÃO CONTÍNUAS E ALINHADAS. 1 Universidade Federal do Pará

MATERIAL COMPÓSITO DE MATRIZ POLIÉSTER REFORÇADO POR FIBRAS DE ALGODÃO CONTÍNUAS E ALINHADAS. 1 Universidade Federal do Pará MATERIAL COMPÓSITO DE MATRIZ POLIÉSTER REFORÇADO POR FIBRAS DE ALGODÃO CONTÍNUAS E ALINHADAS C. T. N. M. Branco (1) ; W. R. El Banna (1) ; D. S. Costa (1), F. S. Souza (2), E. G. Oliveira Filho (2), R.

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Lista para a primeira prova. 2m 3m. Carga de serviço sobre todas as vigas: 15kN/m (uniformemente distribuída)

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Lista para a primeira prova. 2m 3m. Carga de serviço sobre todas as vigas: 15kN/m (uniformemente distribuída) ESTRUTURS DE CONCRETO RMDO Lista para a primeira prova Questão 1) P1 V1 P2 V4 P3 V2 V3 4m 2m 3m V5 P4 h ' s s b d Seção das vigas: b=20cm ; h=40cm ; d=36cm Carga de serviço sobre todas as vigas: 15kN/m

Leia mais

Utilização de resíduos do processamento de chapas laminadas de bambu para a produção de chapas recompostas

Utilização de resíduos do processamento de chapas laminadas de bambu para a produção de chapas recompostas Utilização de resíduos do processamento de chapas laminadas de bambu para a produção de chapas recompostas KRAVCHENkO, G. A. a,a*, FERREIRA, E. M. a,b, PASQUALETTO, A. a,c a. PUC Goiás, Goiânia, Goiás,

Leia mais

INDUSTRIA DO PETROLEO E GAS

INDUSTRIA DO PETROLEO E GAS APLICAÇÕES DE PERFÍS PULTRUDADOS INDUSTRIA DO PETROLEO E GAS Palestrante : Carlos Viegas Apoio O QUE É UM COMPÓSITO ROVING CONTÍNUO RESINA POLIESTER VINIL ESTER FENOLICA EPOXI MANTA DE FIBRA DE VIDRO VÉU

Leia mais

Influência da junta vertical no comportamento mecânico da alvenaria de blocos de concreto

Influência da junta vertical no comportamento mecânico da alvenaria de blocos de concreto BE00 Encontro Nacional Betão Estrutural 00 Guimarães 5,, 7 de Novembro de 00 Influência da junta vertical no comportamento mecânico da alvenaria de blocos de concreto Gihad Mohamad 1 Paulo Brandão Lourenço

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS A BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS Última atualização Dez/2009 VERSÃO DEZ/2009 ACABAMENTOS NATURAL: O acabamento padrão da chapa possui baia reflectância e pode apresentar variações de brilho. BRILHANTE: Esse

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 12 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO

Leia mais

T v. T f. Temperatura. Figura Variação da viscosidade com a temperatura para materiais vítreos e cristalinos (CARAM, 2000).

T v. T f. Temperatura. Figura Variação da viscosidade com a temperatura para materiais vítreos e cristalinos (CARAM, 2000). 7 ESTRUTURAS AMORFAS 7.1 Introdução Também chamadas de estruturas vítreas, as estruturas amorfas são formadas por arranjos atômicos aleatórios e sem simetria ou ordenação de longo alcance. Esse tipo de

Leia mais

Curso de Dimensionamento de Pilares Mistos EAD - CBCA. Módulo

Curso de Dimensionamento de Pilares Mistos EAD - CBCA. Módulo Curso de Dimensionamento de Pilares Mistos EAD - CBCA Módulo 4 Sumário Módulo 4 Dimensionamento de Pilares Mistos 4.1. Considerações Gerais página 3 4.2. Critérios de dimensionamento página 3 4.3. Dimensionamento

Leia mais

Palavras-chave: compósitos, laminados, tração, propriedades específicas.

Palavras-chave: compósitos, laminados, tração, propriedades específicas. AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA A TRAÇÃO DE COMPÓSITOS LAMINADOS DE ALUMÍNIO COM RESINA EPÓXI REFORÇADA POR FIBRAS DE VIDRO Otavio Henrique Paiva Martins Fontes Fernando Luiz Bastian COPPE/UFRJ, Programa de Engenharia

Leia mais

Materiais de Construção II

Materiais de Construção II Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Materiais de Construção II Propriedades Mecânicas do Concreto em seu estado ENDURECIDO Professora: Mayara Moraes Propriedades no estado endurecido

Leia mais

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE BARRAS E PERFIS AÇO PARA INDÚSTRIA TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE Quando você usa a ampla linha de barras e perfis Gerdau, você coloca mais qualidade no seu trabalho. Cada produto foi desenvolvido

Leia mais

PAINEIS DE MADEIRAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. ago. 2014

PAINEIS DE MADEIRAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. ago. 2014 PAINEIS DE MADEIRAS RECONSTITUÍDAS ago. 2014 Madeira Reconstituída Madeira reconstituída são aquelas que utilizam partículas, fibras ou lâminas de madeira natural como principal matéria prima, aglutinadas

Leia mais

JOSÉ GUILHERME PRATA PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE COMPENSADO

JOSÉ GUILHERME PRATA PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE COMPENSADO JOSÉ GUILHERME PRATA PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE COMPENSADO CURITIBA 2006 ÍNDICE DEFINIÇÃO COMPENSADO MULTILAMINADO...2 ETAPA 1 JUNÇÃO DE LÂMINAS...3 ETAPA 2 APLICAÇÃO DE ADESIVO...6 ETAPA 3 MONTAGEM...7

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO TANQUE

ESPECIFICAÇÃO DO TANQUE ESPECIFICAÇÃO DO TANQUE FILTRO ASCENDENTE DE UMA ETE TANQUE CILINDRICO VERTICAL COM FUNDO PLANO APOIADO DIÂMETRO DO COSTADO: 2500 mm ALTURA DO COSTADO : 3700 mm LINER: 0,5 mm BARREIRA DE CORROSÃO: 2,0

Leia mais

Telas Soldadas Nervuradas Belgo

Telas Soldadas Nervuradas Belgo Telas Soldadas Nervuradas Belgo As Telas Soldadas de Aço Nervurado são uma armadura pré-fabricada, constituída por fios de aço Belgo 60 nervurado longitudinais e transversais, de alta resistência mecânica,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Curso de Graduação em Engenharia Civil ECC 1006 Concreto Armado A ESTRUTURAS. Gerson Moacyr Sisniegas Alva

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Curso de Graduação em Engenharia Civil ECC 1006 Concreto Armado A ESTRUTURAS. Gerson Moacyr Sisniegas Alva UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Curso de Graduação em Engenharia Civil ECC 1006 Concreto Armado A COMPORTAMENTO DOS MATERIAIS E DAS ESTRUTURAS Gerson Moacyr Sisniegas Alva A prática sem teoria é cega

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ARGAMASSAS COMPOSTAS PELO CIMENTO PORTLAND CP IV-32 E PELA ADIÇÃO MINERAL DE METACAULIM PARA ELABORAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL

AVALIAÇÃO DE ARGAMASSAS COMPOSTAS PELO CIMENTO PORTLAND CP IV-32 E PELA ADIÇÃO MINERAL DE METACAULIM PARA ELABORAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL AVALIAÇÃO DE ARGAMASSAS COMPOSTAS PELO CIMENTO PORTLAND CP IV-32 E PELA ADIÇÃO MINERAL DE METACAULIM PARA ELABORAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL Autores: ANDERSON RENATO VOBORNIK WOLENSKI - Universidade

Leia mais

VIGAS DE CONCRETO ARMADO EM SERVIÇO, SUBMETIDAS À CARBONATAÇÃO

VIGAS DE CONCRETO ARMADO EM SERVIÇO, SUBMETIDAS À CARBONATAÇÃO ISSN 189-86 VIGAS DE CONCRETO ARMADO EM SERVIÇO, SUBMETIDAS À CARBONATAÇÃO Valdirene Maria Silva 1 & Jefferson Benedicto Libardi Liborio 2 Resumo Este trabalho apresenta uma análise do comportamento da

Leia mais

MEDIÇÃO DE DEFORMAÇÃO UTILIZANDO-SE EXTENSÔMETROS ELÉTRICOS SOLDADOS ATÉ A TEMPERATURA DE 422ºC

MEDIÇÃO DE DEFORMAÇÃO UTILIZANDO-SE EXTENSÔMETROS ELÉTRICOS SOLDADOS ATÉ A TEMPERATURA DE 422ºC MEDIÇÃO DE DEFORMAÇÃO UTILIZANDO-SE EXTENSÔMETROS ELÉTRICOS SOLDADOS ATÉ A TEMPERATURA DE 422ºC Paulo de Tarso Vida Gomes Osmar Ribeiro Lourenço Tanius Rodrigues Mansur Comissão Nacional de Energia Nuclear

Leia mais

Design de Móveis. Chapas de madeira processada

Design de Móveis. Chapas de madeira processada Design de Móveis Chapas de madeira processada O que são chapas de madeira processada? São chapas formadas por madeira em formatos diferenciados (lâminas, fibras, partículas, etc.), processadas industrialmente

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PAINÉIS MDF UTILIZANDO A FIBRA DO COCO BABAÇU E EUCALIPTO

DESENVOLVIMENTO DE PAINÉIS MDF UTILIZANDO A FIBRA DO COCO BABAÇU E EUCALIPTO DESENVOLVIMENTO DE PAINÉIS MDF UTILIZANDO A FIBRA DO COCO BABAÇU E EUCALIPTO L. F. S de Azevedo 1, R. A.E.M. Paiva 1 1 - Departamento de Mecânica e Materiais, IFMA-Campus São Luís Monte Castelo E-mail:

Leia mais

PHENOTAN M Madeira Compensada

PHENOTAN M Madeira Compensada PHENTAN M Madeira Compensada PHENTAN M é uma resina modificada quimicamente, de origem vegetal, destinada à colagem de madeira compensada, especialmente aquelas que exigem resistência à água. CNSTITUIÇÃ

Leia mais

PREGÃO SESC/AN Nº 17/0001 PG COM PRÉ-QUALIFICAÇÃO ANEXO IA - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA COMPLEMENTAR

PREGÃO SESC/AN Nº 17/0001 PG COM PRÉ-QUALIFICAÇÃO ANEXO IA - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA COMPLEMENTAR PREGÃO SESC/AN Nº 17/0001 PG COM PRÉ-QUALIFICAÇÃO ANEXO IA - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA COMPLEMENTAR 01. Cadeira Operacional para Chefe de Departamento (ABNT - Tipo A ), espaldar alto, regulagem de altura e

Leia mais

Flexão. Diagramas de força cortante e momento fletor. Diagramas de força cortante e momento fletor

Flexão. Diagramas de força cortante e momento fletor. Diagramas de força cortante e momento fletor Capítulo 6: Flexão Adaptado pela prof. Dra. Danielle Bond Diagramas de força cortante e momento fletor Elementos delgados que suportam carregamentos aplicados perpendicularmente a seu eixo longitudinal

Leia mais

Produção de aglomerados com resíduos de Paricá (Schizolobium parayba var. Amazonicum)

Produção de aglomerados com resíduos de Paricá (Schizolobium parayba var. Amazonicum) Produção de aglomerados com resíduos de Paricá (Schizolobium parayba var. Amazonicum) Rogério Adalberto Soliani Amstalden, Universidade de São Paulo, Escola de Engenharia de São Carlos, São Carlos, SP.

Leia mais

Concreto de Alto Desempenho

Concreto de Alto Desempenho Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Concretos Especiais Concreto de Alto Desempenho Material de alta resistência

Leia mais

3 Boletim 1 Técnico. Thinsulate TM Manta para Absorção Acústica pag.1 de Composição: 2. Modelos e tipos disponíveis:

3 Boletim 1 Técnico. Thinsulate TM Manta para Absorção Acústica pag.1 de Composição: 2. Modelos e tipos disponíveis: 3 Boletim 1 Técnico Thinsulate TM Manta para Absorção Acústica pag.1 de 5 1. Composição: Composto aproximadamente de 67% de fibras polipropileno e 33% de fibras de poliéster. Esta manta em não tecido pode

Leia mais

VALORIZAÇÃO DA CINZA DE CALDEIRA DE INDÚSTRIA DE TINGIMENTO TÊXTIL PARA PRODUÇÃO DE ARGAMASSAS SUSTENTÁVEIS

VALORIZAÇÃO DA CINZA DE CALDEIRA DE INDÚSTRIA DE TINGIMENTO TÊXTIL PARA PRODUÇÃO DE ARGAMASSAS SUSTENTÁVEIS VALORIZAÇÃO DA CINZA DE CALDEIRA DE INDÚSTRIA DE TINGIMENTO TÊXTIL PARA PRODUÇÃO DE ARGAMASSAS SUSTENTÁVEIS A. Reis ¹, E. P. Manfroi 2 Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE, Departamento de Engenharia

Leia mais

Usina Fortaleza - Rua São Paulo, 02 - Engenho Novo Barueri SP

Usina Fortaleza - Rua São Paulo, 02 - Engenho Novo Barueri SP PÁGINA 01/05 RELATÓRIO DE ENSAIO : Ensaio em argamassa texturizada INTERESSADO : Usina Fortaleza - Rua São Paulo, 02 - Engenho Novo Barueri SP REFERÊNCIA : n/d NATUREZA DO TRABALHO : Determinação da resistência

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DE SINALIZAÇÃO

MANUAL TÉCNICO DE SINALIZAÇÃO MANUAL TÉCNICO DE SINALIZAÇÃO ÍNDICE FICHA TÉCNICA DAS PLACAS DE SINALIZAÇÃO FIBRALIT SIGNUM ENSAIO DE CIZALHAMENTO - NORMA ASTM 8 ENSAIO DE TRAÇÃO - NORMA ASTM D 8 RECOMENDAÇÕES DE FIXAÇÃO PREPARAÇÃO

Leia mais

1.4. Sistemas estruturais em madeira

1.4. Sistemas estruturais em madeira 1.4. Sistemas estruturais em madeira 1.4.1. Análise estrutural Estuda as estruturas se preocupando basicamente com a determinação dos esforços e das deformações a que elas estão submetidas quando solicitadas

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE PAINÉIS DE FIBRAS DE MÉDIA DENSIDADE (MDF) PRODUZIDOS PELAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE PAINÉIS DE FIBRAS DE MÉDIA DENSIDADE (MDF) PRODUZIDOS PELAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE PAINÉIS DE FIBRAS DE MÉDIA DENSIDADE (MDF) PRODUZIDOS PELAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Luciane Paes Torquato 1, Setsuo Iwakiri 2, Ghislaine Miranda Bonduelle

Leia mais