Racionalmente sensível

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Racionalmente sensível"

Transcrição

1 R E S E N H A 181 Racionalmente sensível CARRASCOZA, João Anzanello. Razão e sensibilidade no texto publicitário. Prefácio de Washington Olivetto. São Paulo: Futura, 2004, 331 p. por Christiane Santarelli 1 A trama de persuasão, tecida pelo redator publicitário em seu ofício, pode ser categorizada em dois modelos básicos: o apolíneo e o dionisíaco. Essas definições, que estão amarradas a conceitos estudados por Nietzsche no século XIX, já serviram de inspiração para inúmeras reflexões sobre as artes e constituem o fio condutor da análise de Carrascoza sobre o discurso da propaganda em seu novo livro Razão e sensibilidade no texto publicitário. Nietzsche, em sua primeira obra, A origem da tragédia (1871), busca respostas filosóficas para a origem da valorização da razão na cultura ocidental e resgata a tragédia grega, nascida do culto ao deus do vinho Dionísio, como gênero fundador das artes cênicas. O espírito dionisíaco representa os excessos, a irracionalidade e as emoções extremas, e o seu inverso, o espírito apolíneo, caracteriza a ordem, a racionalidade e a moderação ou o mundo idealizado dos sonhos, e no teatro grego está ligado à epopéia. A arte é sempre tensão e desequilíbrio entre esses dois espíritos. Transpondo os conceitos nietzschianos para a realidade do texto publicitário, segundo Carrascoza, o modelo apolíneo seria o esquema tradicional de formatação do anúncio, de cunho racional e persuasivo. Em um contraponto, a estrutura do modelo dionisíaco é mais solta, criada no formato narrativo ou poético em que a persuasão é diluída e seduz 1 Christiane Santarelli é doutoranda em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP) com a tese: A publicidade de moda: processos de análise da imagem gráfica. Na mesma instituição se formou bacharel em Comunicação Social e mestre em Ciências da Comunicação. Também cursou Comunicação Social na ESPM-SP. Atua como professora universitária e publicitária.

2 182 R E S E N H A RACIONALMENTE SENSÍVEL 2 Curiosamente a obra de maior divulgação no Brasil, com 84 milhões de exemplares atingidos em pelos aspectos emocionais contidos na narrativa. O texto dionisíaco é aparentemente muito pouco usual no discurso publicitário de mídia impressa e assume ares de contemporaneidade. Entretanto, o percurso histórico feito pelo autor nos apresenta o modelo dionisíaco de maneira embrionária nos reclames do século XIX e mostra sua consagração no célebre anúncio de Monteiro Lobato, com o personagem Jeca Tatu, criado para o laboratório Fontoura na década de Razão e sensibilidade no texto publicitário está dividido basicamente em três partes. Após os primeiros esclarecimentos sobre o texto publicitário, vem a descrição do modelo apolíneo. Esse tipo textual está preso a um esquema de persuasão retórico, o esquema aristotélico de discurso deliberativo que visa aconselhar ou desaconselhar alguém e tem geralmente o formato dissertativo. Além dessa especificidade, ele agrega uma série de características próprias, como o apelo à autoridade, as afirmações e repetições, a circularidade da mensagem, o uso de estereótipos, os argumentos de superação, a rede semântica, entre outros. Nesse capítulo, Carrascoza retoma conceitos já explorados em seu primeiro livro, A evolução do texto publicitário, de uma maneira mais concisa, mas igualmente interessante. A segunda parte da obra segue com a apresentação do modelo dionisíaco e suas características, como o uso da narrativa, das funções emotivas e poéticas de um texto, da intertextualidade, dos testemunhais e outras características do texto dionisíaco. Essa divisão representa a linha mestra do livro, e vem seguida de um percurso histórico da presença da narrativa e da poesia na publicidade impressa brasileira. No último capítulo o autor une as linhas de persuasão apolínea e dionisíaca e ressalta que elas não são excludentes, e sim complementares. Também frisa que para ser um bom redator publicitário hoje em dia não é mais suficiente dominar E S C O L A S U P E R I O R D E P R O P A G A N D A E M A R K E T I N G

3 CHRISTIANE SANTARELLI R E S E N H A 183 as técnicas já estabelecidas, é preciso ir além e saber criar nos limites do gênero literário, até mesmo pela exigência de um discurso irracional para a valorização de produtos cada vez mais simbólicos. Com a leitura entendemos que o aparente encantamento provocado pelo texto publicitário dionisíaco revela uma faceta bem menos emocional ao extrairmos de sua essência as reais intenções da publicidade, que são persuadir e convencer. No processo de criação do anúncio narrativo, a sensibilidade oculta uma outra dimensão que esconde o verdadeiro intuito do anúncio e do anunciante, o redator jamais perde de vista o seu briefing e o aparente flerte com a literatura, e toda a carga emocional que ela suporta é mais um aparato persuasivo racional. O convencimento pode ser mais efetivo, pois o texto dionisíaco utiliza ferramentas do inconsciente. A narrativa, encobrindo parcialmente a informação principal, introduz continuamente sugestões sutis que se transformam em chaves de persuasão. A esse respeito, uma das considerações essenciais do livro, e do modelo dionisíaco, é a apropriação da teoria de Ricardo Piglia (in O laboratório do escritor) sobre o conto, em que, conforme o escritor, sempre relata duas histórias. A primeira é a narrativa simples, e a segunda é a história paralela que se desenvolve oculta, de forma elíptica e fragmentária, e que só é revelada no final para a surpresa do leitor. Somadas à tese de Piglia, Carrascoza acrescenta considerações de Umberto Eco sobre o leitor em seu livro Sobre literatura. Para Eco existem dois tipos de leitor: o semântico (interessado nos acontecimentos) e o semiótico (aquele que deseja descobrir como é feita a narrativa). Costurando as duas teorias no contexto do discurso publicitário, Carrascoza concebe que a narrativa verbal publicitária é concebida objetivamente para se dirigir ao leitor semântico, capaz e disposto apenas a ler, ou consumir, a história 1, já que

4 184 R E S E N H A RACIONALMENTE SENSÍVEL a história 2 só será captada pelo leitor semiótico, que não vê nesse tipo de discurso unicamente um relato (p. 130). E ainda complementa que nos contos publicitários variam a história 1, mas a história 2 é, em essência, a mesma: a de quem se satisfaz e é feliz por consumir tal ou qual produto/ serviço. E essa história 2, secreta, é construída com o nãodito, com o subentendido e a alusão (p. 131). O livro arremata uma trilogia iniciada em 1999, com A evolução do texto publicitário, publicação que nasceu da dissertação de mestrado do autor. Em 2003 Carrascoza lançou Redação publicitária: estudos sobre a retórica do consumo, uma coletânea de oito ensaios publicados ao longo de sua carreira acadêmica. Razão e sensibilidade no texto publicitário, de 2004, é a obra mais completa sobre o tema. Nela temos mostras claras do amadurecimento dos conceitos desenvolvidos anteriormente somados a uma fundamentação teórica consistente, que dá sustentação às propostas e análises. As três publicações exibem a técnica do redator publicitário, a simplicidade e a sutileza do contista e a fluência didática e o conhecimento do acadêmico. No cruzamento dessas qualidades do autor (que efetivamente atua nesses três campos, integrando uma nata de intelectuais brasileiros) surge um texto leve, preciso e informativo, como poucos livros nascidos de teses. O leitor é seduzido, pois as técnicas expostas se tornam texto e metalinguagem. Assim, uma leitura que presumidamente deveria ser técnica e conseqüentemente árida se torna envolvente. Esse aspecto é reforçado pela interposição de anúncios antigos e novos que fazem a alegria de qualquer publicitário e aficionado pelo assunto. Outra preocupação deliberada do autor é a de aliar o conhecimento formal com a prática da profissão, assim tudo o que é proposto tem sua funcionalidade, mas carrega o refinamento acadêmico das origens das fórmulas propostas e das chaves do seu funcionamento. E S C O L A S U P E R I O R D E P R O P A G A N D A E M A R K E T I N G

5 CHRISTIANE SANTARELLI R E S E N H A 185 Em uma área carente de produção acadêmica, onde as poucas obras disponíveis estão mais próximas de receitas para se fazer anúncios do que uma reflexão formal sobre o assunto, o autor dá um passo além e merece todo o respaldo dado pela academia na validação do seu texto. Uma comprovação do seu mérito é o fato de que seus dois livros anteriores já foram incorporados como bibliografia básica na disciplina Redação Publicitária em cursos de graduação de todo o Brasil. As publicações também são legitimadas pelo mercado publicitário, já que as três obras foram prefaciadas por profissionais de destaque, como Luiz Celso de Piratininga (A evolução do texto publicitário), Roberto Dualibi (Redação publicitária: estudos sobre a retórica do consumo) e Washington Olivetto (Razão e sensibilidade no texto publicitário). Olivetto justifica a relevância desta última obra para profissionais e estudantes porque reposiciona o valor do conhecimento teórico e sólido num universo que, ingenuamente, exalta a onipresença do prático e leve (p. 9). Utilizar a própria teoria do autor numa tentativa de classificação do livro em um dos modelos propostos é cair em uma rede de persuasão, pois se os argumentos e o convencimento do leitor é racional, e portanto faz parte da proposta apolínea, o plano de fundo é dionisíaco. E, após encerrar sua leitura, estamos definitivamente convencidos das proposições do hábil escritor/redator, que nem de perto esgotou suas reflexões sobre o assunto e continuará tecendo suas contribuições. Assim aguardamos...

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ARTES DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL. Plano de Ensino

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ARTES DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL. Plano de Ensino UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ARTES DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Universidade Federal do Espírito Santo Plano de Ensino Campus Goiabeiras Curso: Publicidade e Propaganda Departamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ARTES DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL. Plano de Ensino

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ARTES DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL. Plano de Ensino UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ARTES DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Universidade Federal do Espírito Santo Plano de Ensino Campus Goiabeiras Curso: Publicidade e Propaganda Departamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ARTES DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL. Plano de Ensino

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ARTES DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL. Plano de Ensino UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ARTES DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Universidade Federal do Espírito Santo Plano de Ensino Campus Goiabeiras Curso: Publicidade e Propaganda Departamento

Leia mais

Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão. Maria Cecilia Bonato Brandalize º Semestre

Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão. Maria Cecilia Bonato Brandalize º Semestre Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão Maria Cecilia Bonato Brandalize 2015 1º Semestre O que é gênero? São as características peculiares a cada tipo de texto ou fala, ou seja, a maneira como

Leia mais

Criação Publicitária. Ficha de apoio Teórico. Tema Publicitário

Criação Publicitária. Ficha de apoio Teórico. Tema Publicitário Criação Publicitária Ficha de apoio Teórico Tema Publicitário Fragmentos de Textos de Armando Sant'Anna em seu livro Propaganda. Teoria, Técnica Prática A campanha deve obedecer a um tema porque assim

Leia mais

Redação Publicitária I. Parte 1- Texto publicitário e intertextualidade Professora Luciana Moura

Redação Publicitária I. Parte 1- Texto publicitário e intertextualidade Professora Luciana Moura Redação Publicitária I Parte 1- Texto publicitário e intertextualidade Professora Luciana Moura Intertextualidade Trata-se da possibilidade de os textos serem criados a partir de outros textos. Faz parte

Leia mais

Estudo dos gêneros literários

Estudo dos gêneros literários Estudo dos gêneros literários Os gêneros literários são um conjunto de obras que apresentam características semelhantes tanto em termos de forma como conteúdo. Existem três categorias básicas de gênero:

Leia mais

¹A utilização de técnicas publicitárias na produção de anúncio impresso para os notebooks HP

¹A utilização de técnicas publicitárias na produção de anúncio impresso para os notebooks HP ¹A utilização de técnicas publicitárias na produção de anúncio impresso para os notebooks HP ²Adelmo Álvaro dos REIS ³Adelson Alves dos Santos JÚNIOR Universidade Federal de Sergipe Resumo: Trabalho prático,

Leia mais

Gestão cultural.

Gestão cultural. Universidade de São Paulo Biblioteca Digital da Produção Intelectual - BDPI Museu de Arte Contemporânea - MAC Artigos e Materiais de Revistas Científicas - MAC 2009 Gestão cultural http://www.producao.usp.br/handle/bdpi/51141

Leia mais

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa.

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social 1º ano Respeito à fala do outro e aos seus modos de falar. texto, com foco

Leia mais

AULA 01 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos

AULA 01 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos 1 AULA 01 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos Ernesto F. L. Amaral 08 de março de 2012 Metodologia (DCP 033) Fonte: Severino, Antônio Joaquim. 2007. Metodologia do trabalho científico.

Leia mais

do seu consumidor, provocar uma ação e ser fixada em sua memória, pois é preciso lembrar que essa ferramenta está ali para apenas um fim: vender

do seu consumidor, provocar uma ação e ser fixada em sua memória, pois é preciso lembrar que essa ferramenta está ali para apenas um fim: vender 15 INTRODUÇÃO A teledramaturgia tem uma importância única para a televisão brasileira, pois desde seu início na década de 1950, a TV destina grandes espaços de sua programação para produtos como telenovelas,

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE MARKETING DIRECIONADAS A CRIANÇAS NA INTERNET

ESTRATÉGIAS DE MARKETING DIRECIONADAS A CRIANÇAS NA INTERNET - LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO - ESTRATÉGIAS DE MARKETING DIRECIONADAS A CRIANÇAS NA INTERNET (dissertações de mestrado e teses de doutorado) Consultoria em pesquisas Projeto Criança e Consumo do Instituto

Leia mais

ELEMENTOS DE TEXTUALIDADE

ELEMENTOS DE TEXTUALIDADE ELEMENTOS DE TEXTUALIDADE NOÇÃO DE TEXTO Texto ou discurso é uma ocorrência linguística falada ou escrita, de qualquer extensão. Para ser considerada um texto, uma ocorrência linguística precisa ser percebida

Leia mais

significados que pretende comunicar em um determinado contexto sócio-cultural. A Linguística Sistêmico-Funcional (LSF) leva em consideração que as

significados que pretende comunicar em um determinado contexto sócio-cultural. A Linguística Sistêmico-Funcional (LSF) leva em consideração que as 1 Introdução No nosso dia-a-dia, estamos a todo momento emitindo opiniões, defendendo ideias. Opinamos em casa, no trabalho, na escola, na rua, em todos os lugares. Opinar, argumentar, persuadir o outro

Leia mais

Redação Publicitária reflexões sobre teoria e prática 1

Redação Publicitária reflexões sobre teoria e prática 1 Redação Publicitária reflexões sobre teoria e prática 1 AUTOR: MAGOGA, Bernardo CURSO: Comunicação Social Publicidade e Propaganda/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: MARTINS, Jorge S. Redação publicitária Teoria

Leia mais

Descrição da Escala Língua Portuguesa - 7 o ano EF

Descrição da Escala Língua Portuguesa - 7 o ano EF Os alunos do 7º ano do Ensino Fundamental 150 identificam a finalidade de produção do texto, com auxílio de elementos não verbais e das informações explícitas presentes em seu título, em cartaz de propaganda

Leia mais

A R G U M E N T A Ç ÃO. João Bosco Medeiros

A R G U M E N T A Ç ÃO. João Bosco Medeiros A R G U M E N T A Ç ÃO João Bosco Medeiros Argumentação é um procedimento que se utiliza para tornar uma tese aceitável. Argumentos e provas motivam o convencimento, levam à persuasão. A marca do texto

Leia mais

AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos

AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos 1 AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos Ernesto F. L. Amaral 19 de março de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Severino, Antônio Joaquim. 2007. Metodologia do trabalho científico.

Leia mais

Géneros textuais e tipos textuais Armando Jorge Lopes

Géneros textuais e tipos textuais Armando Jorge Lopes Géneros textuais e tipos textuais [texto de apoio para o curso de doutoramento em ciências da linguagem aplicadas ao ensino de línguas/universidade Pedagógica, Maputo, Outubro de 2015] Armando Jorge Lopes

Leia mais

MÍDIA KIT Cachos e Fatos

MÍDIA KIT Cachos e Fatos MÍDIA KIT Cachos e Fatos Criado em 2012, o site Cachos e Fatos é um blog de comportamento e beleza com enfoque no empoderamento feminino através da redescoberta do cabelo natural. Sua abordagem vai além

Leia mais

Atividade externa Resenha. MÁTTAR NETO, João Augusto. Metodologia científica na era da informática. São Paulo: Saraiva, p.

Atividade externa Resenha. MÁTTAR NETO, João Augusto. Metodologia científica na era da informática. São Paulo: Saraiva, p. 1 Universidade de São Paulo ECA Depto. de Biblioteconomia e Documentação Disciplina: CBD0100 - Orientação à Pesquisa Bibliográfica Matutino Responsável: Profa. Dra. Brasilina Passarelli Aluna: Rita de

Leia mais

Durante. Utilize os conteúdos multimídia para ilustrar a matéria de outras formas.

Durante. Utilize os conteúdos multimídia para ilustrar a matéria de outras formas. Olá, Professor! Assim como você, a Geekie também tem a missão de ajudar os alunos a atingir todo seu potencial e a realizar seus sonhos. Para isso, oferecemos recomendações personalizadas de estudo, para

Leia mais

GRUPO 1 GRUPO 2 GRUPOS 3e4

GRUPO 1 GRUPO 2 GRUPOS 3e4 GRUPO 1 GRUPO GRUPOS 3e UFG/CS RESPOSTAS ESPERADAS OFICIAIS GRUPO I ADEQUAÇÃO A-ao tema = 0 a pontos B-à leitura da coletânea = 0 a pontos C-ao gênero textual = 0 a pontos D-à modalidade = 0 a pontos CRITÉRIOS

Leia mais

O objectivo da argumentação é estudar as estratégias capazes de tornar os argumentos convincentes.

O objectivo da argumentação é estudar as estratégias capazes de tornar os argumentos convincentes. Francisco Cubal Chama-se argumentação à actividade social, intelectual e discursiva que, utilizando um conjunto de razões bem fundamentadas (argumentos), visa justificar ou refutar uma opinião e obter

Leia mais

AS FORMAS BÁSICAS DE COMPOSIÇÃO DO TEXTO

AS FORMAS BÁSICAS DE COMPOSIÇÃO DO TEXTO AS FORMAS BÁSICAS DE COMPOSIÇÃO DO TEXTO O texto pode ser: Argumentativo Dissertativo Descritivo narrativo Argumentativo Tipo de texto em que se sobressai a preocupação do autor em persuadir e convencer

Leia mais

Gêneros Textuais. E aí, beleza!? Vamos juntos dar uma olhada em algumas dicas importantes de gêneros textuais?

Gêneros Textuais. E aí, beleza!? Vamos juntos dar uma olhada em algumas dicas importantes de gêneros textuais? Gêneros Textuais E aí, beleza!? Vamos juntos dar uma olhada em algumas dicas importantes de gêneros textuais? Para começar, vamos observar as imagens abaixo, reproduções de uma receita, uma manchete de

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO ANUAL

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO ANUAL ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 - ESTREMOZ Competências Gerais PLANIFICAÇÃO ANUAL DISCIPLINA: LITERATURA PORTUGUESA 2016-2017 - 10º Ano COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS Leitura / Oralidade Seguir

Leia mais

Comunicação Integrada. Principais ferramentes de comunicação

Comunicação Integrada. Principais ferramentes de comunicação Comunicação Integrada Principais ferramentes de comunicação Marca (qualidade) $ Posicionamento Embalagem Vendedor Promoção de Vendas (P.D.V) Posição( Visibilidade) Nomes usados no mercado Branding MKT

Leia mais

Objectivos da Sessão. Curso de Iniciação ao Marketing & Publicidade. Introdução à Publicidade 1

Objectivos da Sessão. Curso de Iniciação ao Marketing & Publicidade. Introdução à Publicidade 1 Objectivos da Sessão Compreender o Conceito de Publicidade Análise da mensagem Publicitária Conceito de mensagem publicitária Tipos de mensagem publicitária Curso de Iniciação ao Marketing & Publicidade

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO 42951 CÓD. DISC. 120.3536.1 UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA PROCESSOS DE CRIAÇÃO PROJETO II ETAPA 5ª CH ANO 2011 OBJETIVO

Leia mais

A PRODUÇÃO DIDÁTICA DA PROFESSORA MARIA DE LOURDES GASTAL E A REVISTA DO ENSINO DO RIO GRANDE DO SUL

A PRODUÇÃO DIDÁTICA DA PROFESSORA MARIA DE LOURDES GASTAL E A REVISTA DO ENSINO DO RIO GRANDE DO SUL 2 A PRODUÇÃO DIDÁTICA DA PROFESSORA MARIA DE LOURDES GASTAL E A REVISTA DO ENSINO DO RIO GRANDE DO SUL Cícera Marcelina Vieira - UFPel Resumo: O presente texto tem por objeto apresentar os resultados de

Leia mais

REDAÇÃO. Professor Moacir Cabral

REDAÇÃO. Professor Moacir Cabral REDAÇÃO Professor Moacir Cabral Redação (redigir/escrever): ação ou resultado de escrever com ordem e método. Tipos de texto: Narrativo Descritivo Dissertativo Qualidades fundamentais do texto Clareza:

Leia mais

GENEROS TEXTUAIS E O LIVRO DIDÁTICO: DESAFIOS DO TRABALHO

GENEROS TEXTUAIS E O LIVRO DIDÁTICO: DESAFIOS DO TRABALHO GENEROS TEXTUAIS E O LIVRO DIDÁTICO: DESAFIOS DO TRABALHO Fernanda Félix da Costa Batista 1 INTRODUÇÃO O trabalho com gêneros textuais é um grande desafio que a escola tenta vencer, para isso os livros

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 4 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira

TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira COMUNICAÇÃO LINGUAGEM LÍNGUA FALA ESCRITA DISCURSO Forma de linguagem escrita (texto) ou falada (conversação no seu contexto social, político ou cultural).

Leia mais

APURAÇÃO DAS INFORMAÇÕES. Laboratório de Iniciação ao Jornalismo Prof. Dr. Dennis de Oliveira

APURAÇÃO DAS INFORMAÇÕES. Laboratório de Iniciação ao Jornalismo Prof. Dr. Dennis de Oliveira APURAÇÃO DAS INFORMAÇÕES Laboratório de Iniciação ao Jornalismo Prof. Dr. Dennis de Oliveira RUMORES, VERSÕES E DADOS O jornalismo trabalha com a articulação de outros discursos. O jornalista reconstrói

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS REDAÇÃO

LISTA DE EXERCÍCIOS REDAÇÃO LISTA DE EXERCÍCIOS REDAÇÃO P1-1º BIMESTRE 8 º ANO FUNDAMENTAL II Aluno (a): Turno: Turma: Unidade Data: / /2016 HABILIDADES E COMPETÊNCIAS Comparar textos, buscando semelhança e diferenças quanto às ideias

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DAS RELIGIÕES

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DAS RELIGIÕES Página 1 de 5 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DAS RELIGIÕES 1) Candidato: 582.172.157-15 A candidata alega as razões pelas quais deseja fazer o mestrado, trazendo

Leia mais

ÍNDICE. Bibliografia CRES-FIL11 Ideias de Ler

ÍNDICE. Bibliografia CRES-FIL11 Ideias de Ler ÍNDICE 1. Introdução... 5 2. Competências essenciais do aluno... 6 3. Como ler um texto... 7 4. Como ler uma pergunta... 8 5. Como fazer um trabalho... 9 6. Conteúdos/Temas 11.º Ano... 11 III Racionalidade

Leia mais

Introdução à Direção de Arte

Introdução à Direção de Arte Introdução à Direção de Arte A Tarefa do Publicitário O objetivo final de toda propaganda é vender mercadoria, mas para consegui-lo, o publicitário precisa vencer alguns obstáculos. A Tarefa do Publicitário

Leia mais

Comunicação de Moda: Retórica da Palavra e Retórica da Imagem Fashion merchandising: Rhetoric of the word e Rhetoric of the image

Comunicação de Moda: Retórica da Palavra e Retórica da Imagem Fashion merchandising: Rhetoric of the word e Rhetoric of the image Comunicação de Moda: Retórica da Palavra e Retórica da Imagem Fashion merchandising: Rhetoric of the word e Rhetoric of the image Ricardo Brito Almeida 1 rbai@ig.com.br Resumo Comunicação de Moda: Retórica

Leia mais

LINGUAGEM PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE OS RECURSOS ESTILÍSTICOS UTILIZADOS PELOS COMUNICADORES

LINGUAGEM PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE OS RECURSOS ESTILÍSTICOS UTILIZADOS PELOS COMUNICADORES 1 LINGUAGEM PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE OS RECURSOS ESTILÍSTICOS UTILIZADOS PELOS COMUNICADORES Educação, Linguagem e Memória Lucas Pereira Damazio Introdução Muitas razões de ordem pessoal e de cunho

Leia mais

Linguagem Publicitária

Linguagem Publicitária Linguagem Publicitária Evolução da Linguagem Publicitária O advento do jornalismo no Brasil nos anos 1800, tudo aquilo que se fazia na Europa, em termos de propaganda impressa, foi logo assimilado e posto

Leia mais

Priscila Rosa Martins*

Priscila Rosa Martins* Resenha UM PASSEIO CARIOCA Priscila Rosa Martins* Afinal, mais importante do que o suicídio, mais importante do que a morte, é a vida, que nem sequer pede licença para prosseguir. (Luiz Carlos Simon)

Leia mais

Sumário. Introdução, 1

Sumário. Introdução, 1 Sumário Introdução, 1 1 Como tomar o estudo e a aprendizagem mais eficazes, 5 1 Eficácia nos estudos, 5 2 Anotação, 8 2.1 Anotações corridas, 9 2.2 Anotações esquemáticas, 10 2.3 Anotações resumidas, 12

Leia mais

FUNÇÕES DA LINGUAGEM

FUNÇÕES DA LINGUAGEM FUNÇÕES DA LINGUAGEM O estudo das funções da linguagem depende de seus fatores principais. Destacamos cada um deles em particular: *emissor quem fala ou transmite uma mensagem a alguém *receptor (ou interlocutor)

Leia mais

Introdução 1 Língua, Variação e Preconceito Linguístico 1 Linguagem 2 Língua 3 Sistema 4 Norma 5 Português brasileiro 6 Variedades linguísticas 6.

Introdução 1 Língua, Variação e Preconceito Linguístico 1 Linguagem 2 Língua 3 Sistema 4 Norma 5 Português brasileiro 6 Variedades linguísticas 6. Introdução 1 Língua, Variação e Preconceito Linguístico 1 Linguagem 2 Língua 3 Sistema 4 Norma 5 Português brasileiro 6 Variedades linguísticas 6.1 Padrão vs. não padrão 6.2 Variedades sociais 6.3 Classificação

Leia mais

LETRAMENTO EM MARKETING ou A FORMAÇÃO DE LEITORES-CONSUMIDORES CRÍTICOS NAS ESCOLAS. Instância textual. PÚBLICO-ALVO da ação. Instância discursiva

LETRAMENTO EM MARKETING ou A FORMAÇÃO DE LEITORES-CONSUMIDORES CRÍTICOS NAS ESCOLAS. Instância textual. PÚBLICO-ALVO da ação. Instância discursiva LETRAMENTO EM MARKETING ou A FORMAÇÃO DE LEITORES-CONSUMIDORES CRÍTICOS NAS ESCOLAS L E I T U R A abc Instância textual OBJETIVOS da ação de comunicação PÚBLICO-ALVO da ação Instância discursiva Estratégias

Leia mais

2) produções artísticas autorais (conto, poesia, peça curta, etc.);

2) produções artísticas autorais (conto, poesia, peça curta, etc.); EDITAL 03/2017 REGULAMENTA O PROCESSO SELETIVO PARA A REVISTA ARGUMENTO DA ACADEMIA CENA HUM DE ARTES CÊNICAS A Academia Cena Hum de Artes Cênicas torna pública a abertura de edital para seleção de: 1)

Leia mais

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS 2017 / 2018

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS 2017 / 2018 DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS 2017 / 2018 PLANIFICAÇÃO PORTUGUÊS -12º ANO Unidade 0 Diagnose. Artigo de opinião..texto de opinião. Identificar temas e ideias principais. Fazer inferências. Texto poético: estrofe,

Leia mais

Monteiro Lobato e Sítio do Picapau Amarelo nas práticas pedagógicas de alfabetização.

Monteiro Lobato e Sítio do Picapau Amarelo nas práticas pedagógicas de alfabetização. Monteiro Lobato e Sítio do Picapau Amarelo nas práticas pedagógicas de alfabetização. A Literatura Infantil corresponde a um importante instrumento de construção de aprendizagem, tanto no que se refere

Leia mais

Descrição da Escala Língua Portuguesa - 5 o ano EF

Descrição da Escala Língua Portuguesa - 5 o ano EF Os alunos do 5º ano do Ensino Fundamental < 125 identificam o sentido de expressão típica da fala coloquial utilizada em segmento de história em quadrinhos; e o local em que se desenrola o enredo, em anedota.

Leia mais

O TEXTO PUBLICITÁRIO NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA: A IMPORTÂNCIA DE UMA PERSPECTIVA FUNCIONAL E SOCIODISCURSIVA

O TEXTO PUBLICITÁRIO NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA: A IMPORTÂNCIA DE UMA PERSPECTIVA FUNCIONAL E SOCIODISCURSIVA O TEXTO PUBLICITÁRIO NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA: A IMPORTÂNCIA DE UMA PERSPECTIVA FUNCIONAL E SOCIODISCURSIVA 1. Introdução Hugo Bulhões Cordeiro Universidade Federal da Paraíba hbcordeiro@gmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária: CCL Curso: Propaganda, Publicidade e Criação Disciplina: Criação Publicitária I Professor(es): João Batista Vanise Selma Milton Lara Marcio Paulo Panontin Paula Renata DRT: 113074-8

Leia mais

Sumário. Introdução, 1. 1 Português jurídico, 5 1 Linguagem, sistema, língua e norma, 5 2 Níveis de linguagem, 11 Exercícios, 24

Sumário. Introdução, 1. 1 Português jurídico, 5 1 Linguagem, sistema, língua e norma, 5 2 Níveis de linguagem, 11 Exercícios, 24 Sumário Introdução, 1 1 Português jurídico, 5 1 Linguagem, sistema, língua e norma, 5 2 Níveis de linguagem, 11 Exercícios, 24 2 Como a linguagem funciona, 31 1 Análise do discurso, 31 2 O estudo da linguagem,

Leia mais

REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BACHARELADO EM CIÊNCIAS SOCIAIS LINHA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA

REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BACHARELADO EM CIÊNCIAS SOCIAIS LINHA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA 1 REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BACHARELADO EM CIÊNCIAS SOCIAIS LINHA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA Em conformidade com o que estabelece o Projeto Pedagógico do Curso de Ciências Sociais

Leia mais

Nota Prévia 7 Prefácio... 23

Nota Prévia 7 Prefácio... 23 Indice Nota Prévia 7 Prefácio................................................... 23 I PARTE - Definição, classificações e funções da Publicidade 25 O Que é Publicidade? 27 Importância e Desenvolvimento

Leia mais

Comunhão A revista da família Cristã. Uma publicação

Comunhão A revista da família Cristã. Uma publicação Comunhão A revista da família Cristã Uma publicação ApresentAção: Comunhão é a mais expressiva e frequente publicação do país para o segmento evangélico. Um veículo editorial moderno e formador de opinião

Leia mais

MANUAL DE MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA CIENTÍFICA MANUAL OF METHODS AND TECHNIQUES OF SCIENTIFIC RESEARCH

MANUAL DE MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA CIENTÍFICA MANUAL OF METHODS AND TECHNIQUES OF SCIENTIFIC RESEARCH MANUAL DE MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA CIENTÍFICA MANUAL OF METHODS AND TECHNIQUES OF SCIENTIFIC RESEARCH Raquel Figueiredo Barretto 1 Todo pesquisador, iniciante ou não, pode já ter se sentido um pouco

Leia mais

Excelência acadêmica para a vivência dos valores humanos e cristãos. Admissão de Alunos CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II

Excelência acadêmica para a vivência dos valores humanos e cristãos. Admissão de Alunos CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II Excelência acadêmica para a vivência dos valores humanos e cristãos. Admissão de Alunos 2018 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II CIÊNCIAS 1. O CORPO HUMANO 1.1 Células procariotas e eucariotas.

Leia mais

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodológica científica. 3. ed. rev. e ampl. São Paulo: Atlas, p

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodológica científica. 3. ed. rev. e ampl. São Paulo: Atlas, p LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodológica científica. 3. ed. rev. e ampl. São Paulo: Atlas, 1993. p.238-243. 1. ARTIGOS CIENTÍFICOS Os artigos científicos são pequenos estudos, porém

Leia mais

Divulgação Leve: Um Novo Conceito de Chocolate 1

Divulgação Leve: Um Novo Conceito de Chocolate 1 Divulgação Leve: Um Novo Conceito de Chocolate 1 Gimiely Soares Rocha Liana Rebeca de Lima CHAGAS 3 Neiryane Maciel da Cruz Pedro Henrique Gomes Rafael Dilson Diniz dos SANTOS 2 Ronaldo Mendes NEVES 4

Leia mais

INTRODUÇÃO 10.º ANO ENSINO SECUNDÁRIO LITERATURA PORTUGUESA APRENDIZAGENS ESSENCIAIS ARTICULAÇÃO COM O PERFIL DOS ALUNOS

INTRODUÇÃO 10.º ANO ENSINO SECUNDÁRIO LITERATURA PORTUGUESA APRENDIZAGENS ESSENCIAIS ARTICULAÇÃO COM O PERFIL DOS ALUNOS APRENDIZAGENS ESSENCIAIS ARTICULAÇÃO COM O PERFIL DOS 10.º ANO ENSINO SECUNDÁRIO LITERATURA PORTUGUESA INTRODUÇÃO O papel da literatura é determinante na formação dos alunos, na vertente da experiência

Leia mais

Maria Pia Banchieri Publicitária, Docente, Redatora e Consultora na área de Comunicação e Marketing

Maria Pia Banchieri Publicitária, Docente, Redatora e Consultora na área de Comunicação e Marketing CRIAÇÃO PUBLICITÁRIA AULA 1 Maria Pia Banchieri Publicitária, Docente, Redatora e Consultora na área de Comunicação e Marketing Aula 1 - Conteúdo Apresentação do Docente e do Conteúdo Programático Conceitos

Leia mais

O Sentimento é o Segredo

O Sentimento é o Segredo O Sentimento é o Segredo Por Neville Goddard - Obra de 1944 Traduzido por Marcos Trombetta Parabéns! Você acabou de encontra a fonte dos desejos. Está em suas mãos a chave que abre todas as portas do céu.

Leia mais

PRODUÇÃO DE TEXTO RECUPERAÇÃO ROTEIRO E TRABALHO

PRODUÇÃO DE TEXTO RECUPERAÇÃO ROTEIRO E TRABALHO PRODUÇÃO DE TEXTO RECUPERAÇÃO ROTEIRO E TRABALHO ANO: 9º TURMAS: A B C D E ETAPA: 1ª DATA: /05/2017 PROFESSORAS: RAQUEL MARIA VALOR: 3,0 PONTOS ALUNO(A): Nº: NOTA: I INTRODUÇÃO Este roteiro tem como objetivo

Leia mais

PRÉ-REQUISITOS Haver concluído a disciplina Introdução aos Estudos Linguísticos ou disciplina equivalente..

PRÉ-REQUISITOS Haver concluído a disciplina Introdução aos Estudos Linguísticos ou disciplina equivalente.. GÊNEROS TEXTUAIS PROJETO DIDÁTICO Aula 10 META Apresentar a criação de um produto fi nal, a partir de atividades de leitura e escrita, como possibilidade de ressignifi cação da aprendizagem dos gêneros

Leia mais

PROSA CONTEMPORÂNEA DOMINGOS PELLEGRINI

PROSA CONTEMPORÂNEA DOMINGOS PELLEGRINI PROSA CONTEMPORÂNEA DOMINGOS PELLEGRINI Domingos Pellegrini nasceu em Londrina em 23 de julho de 1949. Filho de um barbeiro e de uma dona de pensão, desde pequeno ouviu muitos "causos" contados por viajantes

Leia mais

Portuguesa. divulgação. Língua. Comparativos curriculares. Material de

Portuguesa. divulgação. Língua. Comparativos curriculares. Material de Comparativos curriculares SM Língua Portuguesa Material de divulgação de Edições SM A coleção Ser Protagonista Língua Portuguesa e o currículo do Estado de Santa Catarina Apresentação Professor, Devido

Leia mais

Relações entre o visual e o verbal em propaganda.

Relações entre o visual e o verbal em propaganda. JULIA HELENA DA ROCHA URRUTIA Relações entre o visual e o verbal em propaganda. Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Textos Comunicacionais Profa. Dra. Irene Machado São Paulo,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE SELEÇÃO PROCESSO SELETIVO PARA O PREENCHIMENTO DE VAGAS DISPONÍVEIS/2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE SELEÇÃO PROCESSO SELETIVO PARA O PREENCHIMENTO DE VAGAS DISPONÍVEIS/2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE SELEÇÃO PROCESSO SELETIVO PARA O PREENCHIMENTO DE VAGAS DISPONÍVEIS/015 I ADEQUAÇÃO A- ao tema = 0 a pontos B- à leitura da coletânea =

Leia mais

INOVAÇÃO EM STORYTELLING: DO BRANDED CONTENT À TRANSMÍDIA INTENSIVO

INOVAÇÃO EM STORYTELLING: DO BRANDED CONTENT À TRANSMÍDIA INTENSIVO INOVAÇÃO EM STORYTELLING: DO BRANDED CONTENT À TRANSMÍDIA INTENSIVO Objetivos O mercado de comunicação no Brasil e no mundo está redescobrindo a utilização de storytelling como técnica de comunicação capaz

Leia mais

Guião de exploração pedagógica painel 8. Autoria: Maria José Marques

Guião de exploração pedagógica painel 8. Autoria: Maria José Marques Autoria: Maria José Marques A Exposição Itinerante Santillana é da autoria de Maria José Marques e foi exibida pela primeira vez na Universidade de Verão Santillana, nos dias 9, 10 e 11 de julho de 2012,

Leia mais

Outdoor Pós graduação Uni-anhanguera 1 Aline MAIA 2 Raquel RIBEIRO 3 Tereza YOSHIMURA 4 Centro Universitário de Goiás Uni-Anhanguera

Outdoor Pós graduação Uni-anhanguera 1 Aline MAIA 2 Raquel RIBEIRO 3 Tereza YOSHIMURA 4 Centro Universitário de Goiás Uni-Anhanguera Outdoor Pós graduação Uni-anhanguera 1 Aline MAIA 2 Raquel RIBEIRO 3 Tereza YOSHIMURA 4 Centro Universitário de Goiás Uni-Anhanguera Resumo do trabalho O outdoor referente ao curso de pós-graduação da

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007 Homologa o Parecer nº 034/07-CEG, que aprova o Projeto Político

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol 1 Compre, compre, compre... Você já deve ter percebido a guerra que determinados anúncios ou

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: gestalt; cartaz; champagne; proximidade; propaganda, semelhança.

PALAVRAS-CHAVE: gestalt; cartaz; champagne; proximidade; propaganda, semelhança. Análise de anúncio impresso de acordo com estudos da Gestalt Champagne Veuve Cliquot: O Champagne das estações Phellippe Samarone Camargos Silva 1 Professor orientador: Paulo Falabella Centro Universitário

Leia mais

Artigo 2 - O Curso de Letras habilitará o aluno em Português e uma Língua Estrangeira e suas respectivas literaturas.

Artigo 2 - O Curso de Letras habilitará o aluno em Português e uma Língua Estrangeira e suas respectivas literaturas. Resolução Unesp-41, de 12-7-2007 Publicada no D.O.E. de 13/07/2007 - Seção I pag 53 (Alterada pela Resolução UNESP 20 de 31-3-2009 Publicada no D.O.E. de 01/04/2009, Seção I, página 42 e Resolução UNESP

Leia mais

CRITÉRIOS DE CORREÇÃO DA PROVA DE REDAÇÃO PARA O CURSO LETRAS LIBRAS. I ADEQUAÇÃO Adequação ao tema

CRITÉRIOS DE CORREÇÃO DA PROVA DE REDAÇÃO PARA O CURSO LETRAS LIBRAS. I ADEQUAÇÃO Adequação ao tema UFG/CS PS/011-1 RESPOSTAS ESPERADAS OFICIAIS CRITÉRIOS DE CORREÇÃO DA PROVA DE REDAÇÃO PARA O CURSO LETRAS LIBRAS I ADEQUAÇÃO (SERÁ CONSIDERADO O USO DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO SEGUNDA LÍNGUA) A- ao tema

Leia mais

Nossos diferenciais COLÉGIO BILÍNGUE E BICULTURAL COLEGIO BILINGUE Y BICULTURAL FORMAÇÃO INTEGRAL FORMACIÓN INTEGRAL

Nossos diferenciais COLÉGIO BILÍNGUE E BICULTURAL COLEGIO BILINGUE Y BICULTURAL FORMAÇÃO INTEGRAL FORMACIÓN INTEGRAL Ensino Médio 2016 COLÉGIO BILÍNGUE E BICULTURAL COLEGIO BILINGUE Y BICULTURAL FORMAÇÃO INTEGRAL FORMACIÓN INTEGRAL DIPLOMAS E CERTIFICADOS VÁLIDOS NO BRASIL E ESPANHA DIPLOMAS Y ESTUDIOS VÁLIDOS EN BRASIL

Leia mais

Título do projeto: subtítulo. Nome completo do(a) Mestrando(a)

Título do projeto: subtítulo. Nome completo do(a) Mestrando(a) ANEXO 05 ao Edital nº 001/2016 PPGDH MODELO DO PROJETO DE PESQUISA Número de páginas: mínimo de 10 e máximo de 15 Título do projeto: subtítulo Nome completo do(a) Mestrando(a) João Pessoa-PB Mês / ano

Leia mais

MONITORIA_2015. DISCIPLINA: Redação. AULA: A Dissertação Argumentativa

MONITORIA_2015. DISCIPLINA: Redação. AULA: A Dissertação Argumentativa MONITORIA_2015 DISCIPLINA: Redação AULA: A Dissertação Argumentativa Dissertar Falar sobre; discorrer sobre 1) Modelo dissertativo 1) Expositivo: Panorama imparcial de ideias, informações neutras, exposições.

Leia mais

FUNÇÕES DA LINGUAGEM

FUNÇÕES DA LINGUAGEM FUNÇÕES DA LINGUAGEM FUNÇÕES DA LINGUAGEM Funções da Linguagem: são o conjunto das finalidades comunicativas realizadas por meio dos enunciados da língua. Enunciado: é tudo aquilo que é dito ou escrito

Leia mais

Lógica Proposicional. 1- O que é o Modus Ponens?

Lógica Proposicional. 1- O que é o Modus Ponens? 1- O que é o Modus Ponens? Lógica Proposicional R: é uma forma de inferência válida a partir de duas premissas, na qual se se afirma o antecedente do condicional da 1ª premissa, pode-se concluir o seu

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Português do Ensino Básico e Metas Curriculares de Português do Ensino Básico

Leia mais

Programação da 2ª Etapa 8º Ano do Ensino Fundamental Débora e Rafaella

Programação da 2ª Etapa 8º Ano do Ensino Fundamental Débora e Rafaella Programação da 2ª Etapa 8º Ano do Ensino Fundamental Débora e Rafaella Língua Portuguesa QUAL DEVE SER NOSSO ANSEIO TODO DIA? PLANEJAR SEMPRE O MELHOR, MAS SEM NUNCA CANSAR DE PLANEJÁ- LO. Sto. Agostinho

Leia mais

LIVRO PARADIDÁTICO: OU ISTO OU AQUILO

LIVRO PARADIDÁTICO: OU ISTO OU AQUILO LIVRO PARADIDÁTICO: OU ISTO OU AQUILO (MEIRELES, Cecília. Ou isto ou aquilo. São Paulo: Global, 2012.) Cantigas de ninar, cantigas de roda, parlendas, adivinhas e trava-línguas originários do folclore

Leia mais

Guia de carreiras Newton Publicidade e Propaganda 11

Guia de carreiras Newton Publicidade e Propaganda 11 Guia de carreiras Newton Publicidade e Propaganda 11 Introdução O curso de Publicidade e Propaganda é voltado para o conhecimento de como a comunicação pode ser trabalhada para que alguém seja convencido,

Leia mais

A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1

A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1 A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1 Andrey Scariott FILIPPI 2 Lucas Paiva de OLIVEIRA 3 Marcelo Barbosa CORRÊA 4 Virgínia FEIX 5 Centro Universitário Metodista do IPA, Porto

Leia mais

Metodologia Científica

Metodologia Científica Metodologia Científica O PROCESSO DE LEITURA E DA PRODUÇÃO DE TEXTOS Profª Ma. Fabiana Rocha O PROCESSO DE LEITURA Importância da Leitura Aprendizagem do ser humano; Enriquecer o vocabulário; Obter conhecimento;

Leia mais

Grade Curricular - Comunicação Social. Habilitação em Publicidade e Propaganda - matutino

Grade Curricular - Comunicação Social. Habilitação em Publicidade e Propaganda - matutino Grade Curricular - Comunicação Social Habilitação em Publicidade e Propaganda - matutino SEMESTRE 1 CCA0218 Língua Portuguesa - Redação e Expressão Oral I 4 0 4 CCA0258 Fundamentos de Sociologia Geral

Leia mais

Criatividade e argumentaçã. ção como fatores de crescimento profissional

Criatividade e argumentaçã. ção como fatores de crescimento profissional UNICAMP - 30.06.2005 Criatividade e argumentaçã ção como fatores de crescimento profissional Prof. Dr. Antônio nio Suárez Abreu 1 2 3 Nossa era Era do conhecimento? Era das mudanças rápidas? Era do conhecimento

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA 9.º Ano Turmas A e B

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA 9.º Ano Turmas A e B 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA 9.º Ano Turmas A e B COMPETÊNCIAS GERAIS CG1- Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar

Leia mais

CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DE UM ARTIGO CIENTÍFICO

CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DE UM ARTIGO CIENTÍFICO CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DE UM ARTIGO CIENTÍFICO PRODUZIR ARTIGOS CIENTÍFICOS Os artigos científicos são pequenos estudos, porém completos, que tratam de uma questão verdadeiramente científica, mas que

Leia mais

Unidade IV COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás

Unidade IV COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás Unidade IV COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Profa. Ma. Andrea Morás Textos Escrever bem é um hábito. Treino e revisão. Organizar as ideias aumenta a qualidade do conteúdo. Dicas para montagem de texto Sempre inicie

Leia mais

Resenha / Critical Review

Resenha / Critical Review Resenha / Critical Review por Ana Carolina da Costa e Fonseca * Oliver Michael; Barnes Colin. The new politcs of disablement (As novas olíticas da deficiência). Palgrave Macmillan, 2012. A primeira edição

Leia mais

Curso: Filosofia Licenciatura Grau acadêmico: Graduação Turno: Noturno Currículo: 2014

Curso: Filosofia Licenciatura Grau acadêmico: Graduação Turno: Noturno Currículo: 2014 Curso: Filosofia Licenciatura Grau acadêmico: Graduação Turno: Noturno Currículo: 2014 Unidade curricular: metodologia científica Natureza: obrigatória Unidade acadêmica: DFIME Período: primeiro Carga

Leia mais

Inovação Publicidade Criatividade Opinião. Mídia Kit

Inovação Publicidade Criatividade Opinião. Mídia Kit Inovação Publicidade Criatividade Opinião Mídia Kit - 2017 Apresentação O GKPB nasceu em 2013, quando eu estava no último ano da faculdade e acreditei que tinha algo diferente e relevante para falar em

Leia mais

A introdução é o 'cartão de visitas' da sua redação. Logo, além de apresentar a tese a ser defendida, ela deverá conter um toque a mais de

A introdução é o 'cartão de visitas' da sua redação. Logo, além de apresentar a tese a ser defendida, ela deverá conter um toque a mais de A introdução é o 'cartão de visitas' da sua redação. Logo, além de apresentar a tese a ser defendida, ela deverá conter um toque a mais de criatividade, pois é essa criatividade que irá prender a atenção

Leia mais