Mestrado Integrado em Engª. Aeroespacial Gestão de Projectos Prof. Carlos Mata Case study 2 de Abril de 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mestrado Integrado em Engª. Aeroespacial Gestão de Projectos Prof. Carlos Mata Case study 2 de Abril de 2011"

Transcrição

1 Mestrado Integrado em Engª. Aeroespacial Gestão de Projectos Prof. Carlos Mata Case study 2 de Abril de 2011 Estamos a 10 de Fevereiro de 2011 e você chama-se Rui Romeiro e é director comercial de uma grande empresa de produção de papel, a Paperwonder. A Paperwonder é um empresa em franco crescimento. Abaixo encontra tabelada alguma informação sobre a empresa Produção [mil ton.] Exportação 65% 80% 77% 88% Quota de mercado em Portugal 24% 55% 56% 48% EBITDA [mil ] A Paperwonder tem uma fábrica no centro de Portugal, com duas máquinas produtoras, estando prevista para 2012 uma expansão da capacidade em 50% com a instalação de uma nova máquina de igual capacidade às duas existentes. Se o plano estratégico da empresa for cumprido na íntegra e o crescimento continuar portanto como previsto, em 2015 a empresa adquirirá uma quarta máquina de igual capacidade para a fábrica portuguesa. A Paperwonder adquiriu recentemente uma unidade em Espanha, que dispunha de uma máquina. Essa unidade deverá ser expandida em 2013 ou 2014 com a aquisição de uma nova máquina. A Paperwonder está ainda a considerar instalar-se em Angola até 2016, com uma unidade com apenas uma máquina produtora. O seu colega João Valente, director técnico da empresa, estava a negociar directamente com a empresa japonesa Tomitsui a aquisição da máquina de produção de papel que permitirá a ampliação de 50% da capacidade em Infelizmente, o João Valente teve um grave desastre de automóvel esta semana e ficou em coma, entre a vida e a morte. Os médicos esperam que ele recupere, mas ficará meses inoperacional.

2 Ontem, o administrador-delegado da Paperwonder, Manuel Garganta, veio falar consigo: Ó Eng. Romeiro, você tem que fazer um favor à empresa. O Eng. Valente estava a negociar com os japoneses a aquisição da nova máquina e agora, coitado, tão cedo não pode continuar. Ele estava a levar aquilo praticamente sozinho, sabe como ele é. Sei que já teve umas reuniões mas não faço ideia em que pé é que aquilo está. Tem que ser você a pegar naquilo, homem! Sei que fica com trabalho a dobrar mas é por uma boa causa. Eu dava uma ajuda, mas sabe que de papel eu percebo pouco. Olhe, passe no gabinete do Valente e veja que informação ele lá tem que o possa ajudar. Com certeza ele não se importa. Os contactos da Tomitsui a secretária dele há-de ter, peça-os. De facto, o Dr. Manuel Garganta de papel percebe pouco. Era dirigente de um clube de futebol e tinha uns negociozitos e perdeu as eleições para o clube depois de umas barracadas com a construção do novo estádio do clube. Como conhecia bem alguns accionistas de referência da Paperwonder, conseguiu este gancho como administradordelegado. Em todo o caso, por muito trabalho que dê, não pode senão aceitar o pedido do administrador-delegado, até porque você e o Valente são colegas de muitos anos, têm uma grande relação de amizade, foram ambos os motores do crescimento da companhia e é para você ponto de honra substitui-lo nesta tarefa e dar o seu melhor. A Tomitsui, empresa japonesa, é uma das três grandes empresas de fornecimento de máquinas de produção de papel e reparte o mercado mundial com os finlandeses da Kakkikokka e os norte-americanos da Paper Wisconsin Works. Passou pelo gabinete do Valente e recolheu um conjunto de documentos que lhe pareceram relevantes (vide anexo). Com base na informação disponibilizada responda às seguintes questões, justificando cada resposta. a) Como caracterizaria a posição negocial da Paperwonder e da Tomitsui? Que trunfos tem cada parte? E que fraquezas? Qual o equilíbrio de forças? b) Caracterize a estratégia e a táctica negociais da Tomitsui nesta negociação (objectivos, abordagem à negociação, papéis, outros aspectos que ache relevantes). c) Que pensa do modo como a negociação parece ter sido até agora conduzida pelo seu colega Valente? Há alguma coisa que tivesse feito diferente? d) Como conduziria esta negociação a partir de agora? Quais os seus objectivos? Quais os seus limites? Qual a sua estratégia à abordagem e desenvolvimento da negociação? Que aspectos tácticos manteria ou alteraria? Que equipa/meios necessita? Que linha de argumentação utilizaria?

3 Documento 1 Recorte do Financial Times de 30 de Dezembro de 2010 O aumento de procura por papel na Ásia, em particular na China e na Índia, tem mantido em ebulição o restrito clube dos fornecedores de máquinas de produção de papel. Os finlandeses da Kakkikokka, tradicionalmente os principais fornecedores do mercado europeu, fizeram em 2007 uma aposta ousada com a inauguração de uma fábrica de produção de máquinas em Beijing. Muitos duvidaram na altura que a Kakkikokka conseguisse transformar essa plataforma de produção num sucesso comercial, uma vez que não conhecia o mercado asiático, tradicionalmente dominado pelo japoneses da Tomitsui. A verdade é que a Kakkikokka conseguiu desenvolver uma rede comercial activa e eficaz, que tem causado danos severos à quota da Tomitsui na região, como demonstram sucessos recentes como foram a venda de máquinas na Malásia, no Koweit, na Indonésia e, a mais dolorosa para a Tomitsui, no próprio Japão. A Tomitsui parece ter uma capacidade reduzida de contra-atacar no terreno europeu. As suas últimas colocações no velho continente foram as duas máquinas da Paperwonder, em Portugal, em 2007 e uma máquina da Papelbel em Namur, na Bélgica, em Esta situação tem inclusive causado rumores sobre dificuldades financeiras da Tomitsui, para quem parece fundamental não só resistir à ofensiva da Kakkikokka na Ásia como também relançar o seu negócio noutros mercados. Sem isso, a própria sobrevivência da empresa podia estar em causa. Consta que os accionistas estão insatisfeitos e o próprio Presidente do Conselho de Administração da Tomitsui poderá vir a ser substituído se a situação não se inverter. Alheia a isto está a norte-americana Paper Wisconsin Works, a terceira gigante mundial das máquinas de produção de papel. Praticamente monopolista no continente americano, mas com expressão reduzida fora dele, a PWW parece satisfeita com o seu status quo. Percentagem do parque mundial instalado Ano Kakkikokka PWW Tomitsui Documento 2 Mail De: Para: 05/01/2011, 10:46

4 Assunto: Cotação não-vinculante para fornecimento de máquina de produção de papel Caro Sr. Mika Hakkinen Na sequência da minha chamada telefónica, venho por este meio solicitar a vossa melhor proposta de preço não-vinculante para o fornecimento de máquina de produção de papel do vosso modelo XPTO2, para montagem, ensaios e comissionamento na nossa unidade fabril em Portugal até 30 de Junho de Solicitamos informação não-vinculante por estarmos ainda em fase de análise sobre a eventual viabilidade desta expansão da nossa unidade. Melhores cumprimentos João Valente Director técnico Paperwonder Documento 3 Mail De: Para: 07/01/2011, 12:41 Assunto: Re: Cotação não-vinculante para fornecimento de máquina de produção de papel Caro Sr. Valente Na sequência do seu de 5 do corrente, em anexo, venho por este meio apresentar a nossa proposta indicativa para a instalação na vossa unidade de um modelo XPTO2 nas condições referidas no vosso pedido. O valor indicativo para esse contrato será de 20.5 M (vinte milhões e quinhentos mil euros). Este valor é naturalmente negociável em função das condições efectivas de um eventual contrato entre a Kakkikokka e a vossa empresa. Na expectativa de poder vir a contar com a vossa preferência, e disponibilizando-me desde já para uma visita às vossas instalações para esclarecer quaisquer dúvidas que tenham ou para uma melhor apresentação dos nossos produtos, subscrevo-me com os melhores cumprimentos Mika Hakkinen Director Comercial Kakkikokka Finnish Paper Mills

5 Documento 4 - Mail De: Para: 05/01/2011, 10:52 Assunto: Cotação não-vinculante para fornecimento de máquina de produção de papel Caro Sr. Mac Burger Na sequência da minha chamada telefónica, venho por este meio solicitar a vossa melhor proposta de preço não-vinculante para o fornecimento de máquina de produção de papel do vosso modelo AmXP2, para montagem, ensaios e comissionamento na nossa unidade fabril em Portugal até 30 de Junho de Solicitamos informação não-vinculante por estarmos ainda em fase de análise sobre a eventual viabilidade desta expansão da nossa unidade. Melhores cumprimentos João Valente Director técnico Paperwonder Documento 5 Mail De: Para: 18/01/2011, 12:20 Assunto: Re: Cotação não-vinculante para fornecimento de máquina de produção de papel Caro Sr. Valente Na sequência do seu de 5 do corrente, em anexo, venho por este meio apresentar a nossa proposta indicativa para a instalação na vossa unidade de um modelo AmXP2 nas condições referidas no vosso pedido. O valor mínimo indicativo para esse contrato será de 29.0 M (vinte e nove milhões de euros). Este valor será naturalmente ajustado em função das condições efectivas de um eventual contrato entre a PWW e a vossa empresa.

6 Subscrevo-me com os melhores cumprimentos John MacBurger Vice-presidente para vendas Paper Wisconsin Works Documento 6 Nota manuscrita a lápis por João Valente sobre o documento 5 Muito caro e pouco interessados. Nos termos do plano aprovado em conselho de administração, o investimento só é viável se preço inferior a 24 M. Documento 7 Contrato de 2007 para o fornecimento de duas máquinas de produção de papel entre Paperwonder e Tomitsui (extractos) [ ] Cláusula 13 O preço global para a instalação das duas máquinas de modelo XPTO1 nas instalações do CLIENTE será de 50 milhões de euros. [ ] Cláusula 14.1 Se o CLIENTE vier a instalar uma terceira máquina de produção de papel, de capacidade semelhante às duas cujo fornecimento este contrato rege, o CLIENTE compromete-se a comprar essa máquina à Tomitsui, a menos que esta não esteja em posição para fazer uma oferta em condições de mercado. Cláusula 14.2 Em caso de incumprimento da cláusula 14.1, o CLIENTE pagará à Tomitsui, a título de montante compensatório, um montante de dois milhões de euros. [ ] Cláusula 26 Este contrato rege pela lei inglesa e qualquer diferendo será resolvido por Arbitragem de acordo com as regras da Câmara de Comércio de Paris. [ ] Documento 8 Acta de reunião entre Paperwonder e Tomitsui Contrato Paperwonder - Tomitsui Acta de reunião nº 1

7 Data: 4/1/2011 Participantes: João Valente (Paperwonder) Pedro Marques (Tomitsui Portugal) Kiyoshi Sakamoto (Tomitsui Londres) Jiro Hashima (Tomitsui Tokyo) Chelsea Manchester (Bradford and Olsen, Sociedade de Advogados) Agenda: a) Acordo de confidencialidade b)ponto de situação da entrega da nova máquina de produção de papel 1) As partes assinaram o acordo de confidencialidade proposto pela Dra. Chelsea Manchester, que interveio para referir que o acordo assinado está em linha com as práticas normais em negociações de contratos regidos pela lei inglesa e impede qualquer das partes de tornar públicas informações obtidas durante as negociações em curso e mesmo a própria existência de negociações. 2) Kiyoshi Sakamoto explicou que solicitou a reunião por ter ouvido informações de que a Paperwonder estaria a considerar instalar uma terceira máquina na sua unidade em Portugal. Mais disse que, a confirmar-se essa informação, a Tomitsui irá, nos termos da cláusula 14 do contrato de fornecimento das duas máquinas anteriores, apresentar preço para essa terceira máquina. 3) João Valente informou que irá oportunamente proceder a um concurso por convite a três empresas, entre as quais a Tomitsui. 4) Kiyoshi Sakamoto perguntou se era esse o procedimento contratualmente previsto. Chelsea Manchester respondeu que não e que cabe à Tomitsui fornecer a máquina desde que a preço de mercado. Chelsea Manchester reforçou ainda que, no plano jurídico, a não aceitação por parte da Paperwonder deste direito implicaria uma compensação nos termos da cláusula ) João Valente referiu que teria que analisar melhor essa pretensão mas estava disponível para dar direito de preferência à Tomitsui ao preço mais barato que resultasse do concurso. 6) Chelsea Manchester respondeu que esse procedimento não é o que está contratualmente previsto e que cabe à Tomitsui fornecer a máquina desde que a preço de mercado. Kiyoshi Sakamoto comentou que certamente havia margem para entendimento, até porque já existia um referencial de preços entre as duas companhias. Kiyoshi Sakamoto propôs para a nova máquina um preço de 26,5 milhões de euros, que considerou justo. 7) João Valente referiu que esse preço lhe parece muito acima do mercado, mas que um concurso permitirá aferir melhor essa posição. 8) Pedro Marques explica que 26,5 milhões corresponde ao preço de aquisição das duas máquinas anteriores acrescido de inflação. Chelsea Manchester refere que

8 será muito difícil à Paperwonder negar que tal valor não é de mercado, a menos que em 2007 não fosse de mercado e que qualquer juiz perceberá este raciocínio. 9) Kiyoshi Sakamoto repetiu que havia condições para um acordo amigável entre cliente e fornecedor com tão forte relação e sugeriu que se deixasse tempo à Paperwonder para analisar com calma a proposta da Tomitsui. 10) Chelsea Manchester propôs que a próxima reunião fosse em Londres, dadas as dificuldades de agenda que tinha e a perturbação que era para ela a viagem até á fábrica da Paperwonder em Portugal. Kiyoshi Sakamoto concordou e pediu o acordo da Paperwonder. 11) Ficou agendada reunião para Londres no dia 27 de Janeiro às 8h00 nos escritórios da Tomitstui em Hart Lane. Documento 9 Post-it manuscrito por João Valente sobre o documento 8 Comprar código civil português para ver questão da obrigação contratual. Documento 10 Acta de reunião entre Paperwonder e Tomitsui Contrato Paperwonder - Tomitsui Acta de reunião nº 2 Data: 27/1/2011 Participantes: João Valente (Paperwonder) Pedro Marques (Tomitsui Portugal) Kiyoshi Sakamoto (Tomitsui Londres) Noichi Hazimoto (Tomitsui Londres) Riichi Sansei (Tomitsui Londres) Peter O donell (Tomitsui Londres) Jiro Hashima (Tomitsui Tokyo) Chelsea Manchester (Bradford and Olsen, Sociedade de Advogados) John Flint (Bradford and Olsen, Sociedade de Advogados) Agenda: a) Ponto de situação da entrega da nova máquina de produção de papel 1) Kiyoshi Sakamoto perguntou se a Paperwonder tinha tido oportunidade de reflectir sobre o preço proposto pela Tomitsui.

9 2) João Valente respondeu que tinha solicitado cotação a dois concorrentes e que era possível encontrar no mercado máquinas a preços muito inferiores. 3) Chelsea Manchester avisou que essa consulta poderia estar a pôr em causa o acordo de confidencialidade e que tal poderia implicar direitos de compensação para a Tomitsui. John Flint pediu cópia dessa consulta. 4) João Valente respondeu que não as podia dar e que não havia quebrado nenhuma obrigação de confidencialidade. Mais disse que não lhe parecia uma abordagem correcta. 5) Kiyoshi Sakamoto perguntou sobre quanto seria a diferença entre a proposta da Tomitsui e os preços referidos, se de aproximadamente 5%. 6) João Valente respondeu que a diferença era muito maior. 7) Riichi Sansei comentou que não se estaria nesse caso a falar do mesmo tipo de máquinas. 8) João Valente respondeu que não e descreveu pormenorizadamente as características técnicas das máquinas da Tomitsui e das outras empresas contactadas e demonstrou a sua equivalência em termos de performance operacional. 9) Chelsea Manchester comentou que, em todo o caso, tal era irrelevante porque a Tomitsui estava obrigada a apresentar um preço de mercado e não o melhor preço do mercado, e que a aceitação do preço pelo Paperwonder em 2007 já demonstrava o reconhecimento de que o preço proposto era de mercado. 10) Kiyoshi Sakamoto propôs um intervalo para a Tomitsui fazer um ponto de situação interno. 11) Durante o coffee break, Pedro Marques manteve conversa em português com João Valente, em que explicou que a Tomitsui estava muito incomodada com a posição da Paperwonder, mas que ele (Pedro Marques) tinha intercedido por ele, garantindo que a Paperwonder é uma das empresas mais respeitadas do país. 12) Tomitsui esteve reunida sozinha durante três horas e meia. 13) Retomando a reunião, Kiyoshi Sakamoto informou que, dada a relação existente entre as duas empresas, podia fazer um esforço adicional e excepcional para 25,13 milhões de euros. 14) João Valente disse que estava acima das suas expectativas mas que iria analisar a proposta. 15) Kiyoshi Sakamoto propôs nova reunião no mesmo local e à mesma hora no dia 20 de Fevereiro, que ficou combinada.

COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE

COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE Considerando que a,s.a. ( Sociedade Interessada ) tem interesse em analisar a eventual participação no projecto de da sociedade ( Promotora ), vem a Sociedade Interessada

Leia mais

ÁGUAS DO CENTRO ALENTEJO, S.A. PROGRAMA DE PROCEDIMENTO

ÁGUAS DO CENTRO ALENTEJO, S.A. PROGRAMA DE PROCEDIMENTO ÁGUAS DO CENTRO ALENTEJO, S.A. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA E DESOBSTRUÇÃO DE INFRAESTRUTURAS DA AdCA PROGRAMA DE PROCEDIMENTO Página 1 de 11 ÁGUAS DO CENTRO ALENTEJO, S.A. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE

Leia mais

Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão

Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão IP/07/721 Bruxelas, 30 de Maio de 2007 Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão A política de coesão teve um efeito comprovado

Leia mais

PROPOSTA PARA DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NOS TERMOS DO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO N o CVM 481/09

PROPOSTA PARA DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NOS TERMOS DO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO N o CVM 481/09 PROPOSTA PARA DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NOS TERMOS DO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO N o CVM 481/09 1. Informar o lucro líquido do exercício O lucro líquido do exercício de 2012 foi de R$ 1.448.887.908,07

Leia mais

Prémio Jovem Empreendedor Regulamento. Municí pio de Grâ ndolâ

Prémio Jovem Empreendedor Regulamento. Municí pio de Grâ ndolâ Prémio Jovem Empreendedor Regulamento Municí pio de Grâ ndolâ Regulamento do Prémio Jovem Empreendedor Preâmbulo O empreendedorismo tem vindo a assumir, dadas as atuais circunstâncias económicas e sociais,

Leia mais

MMX MINERAÇÃO E METÁLICOS S.A. CNPJ/MF n / NIRE Companhia Aberta

MMX MINERAÇÃO E METÁLICOS S.A. CNPJ/MF n / NIRE Companhia Aberta MMX MINERAÇÃO E METÁLICOS S.A. CNPJ/MF n 02.762.115/0001-49 NIRE 3.33.002.6111-7 Companhia Aberta ANEXO 14 DA INSTRUÇÃO CVM 481/2009 AUMENTO DE CAPITAL Em conformidade com o artigo 14 da Instrução CVM

Leia mais

«pretende abrir um gabinete jurídico na comarca de A Nessa sequência pretende colocar um letreiro no vidro do gabinete com os seguintes dizeres:

«pretende abrir um gabinete jurídico na comarca de A Nessa sequência pretende colocar um letreiro no vidro do gabinete com os seguintes dizeres: 1 Parecer nº 43/PP/2013-P Relator: Sr. Dr. Carlos Vasconcelos I - Por comunicação escrita, datada de 26 de Agosto de 2013, dirigida ao Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados, a Senhora Doutora

Leia mais

PRESIDÊNCIA. Declaração

PRESIDÊNCIA. Declaração Declaração Os órgãos de comunicação social do passado fim-de-semana falavam num memorando de informação facultado aos interessados na privatização da ANA Aeroportos de Portugal, que tiveram de entregar

Leia mais

ATIVIDADE DE MATEMÁTICA NÚMEROS NATURAIS. Indique às respostas a caneta. Indique as resoluções a lápis no espaço indicado.

ATIVIDADE DE MATEMÁTICA NÚMEROS NATURAIS. Indique às respostas a caneta. Indique as resoluções a lápis no espaço indicado. OSASCO, DE DE 2012 NOME: PROF. 6º ANO ATIVIDADE DE MATEMÁTICA NÚMEROS NATURAIS Indique às respostas a caneta. Indique as resoluções a lápis no espaço indicado. 1. Classifique cada sentença em verdadeira

Leia mais

MUNICIPIO DE VIMIOSO CÂMARA MUNICIPAL CONCURSO PÚBLICO

MUNICIPIO DE VIMIOSO CÂMARA MUNICIPAL CONCURSO PÚBLICO CONCURSO PÚBLICO Fornecimento de Serviços e Materiais para a Gestão Activa de Espaços Naturais no Parque Ibérico de Natureza e Aventura de Vimioso - Concepção de Projectos de Arquitectura e Especialidades,

Leia mais

CONCURSO LITERÁRIO COLÉGIO DE ALFRAGIDE

CONCURSO LITERÁRIO COLÉGIO DE ALFRAGIDE CONCURSO LITERÁRIO COLÉGIO DE ALFRAGIDE REGULAMENTO Artigo 1º Instituição e finalidade 1. O presente regulamento define as normas que regem a edição do Concurso Literário Colégio de Alfragide, através

Leia mais

ARGANIL INVESTE MAIS REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL. Nota Justificativa

ARGANIL INVESTE MAIS REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL. Nota Justificativa ARGANIL INVESTE MAIS REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL Nota Justificativa Considerando que a competitividade da economia concelhia está na primeira linha das preocupações

Leia mais

Fundamentos de Gestão

Fundamentos de Gestão Fundamentos de Gestão Marketing LCI FEUP/FLUP 2009/10 Rui Padrão Conceito de Marketing MARKET ING 1 Conceito de Marketing O marketing é o conjunto dos métodos e dos meios de que uma organização dispõe

Leia mais

MUNICÍPIO DE VINHAIS CÂMARA MUNICIPAL REUNIÃO ORDINÁRIA DATA: 2004/02/23 ACTA N.º 4/2004

MUNICÍPIO DE VINHAIS CÂMARA MUNICIPAL REUNIÃO ORDINÁRIA DATA: 2004/02/23 ACTA N.º 4/2004 MUNICÍPIO DE VINHAIS CÂMARA MUNICIPAL REUNIÃO ORDINÁRIA DATA: 2004/02/23 ACTA N.º 4/2004 Presenças:------------------------------------------------------------------------------------------------- José

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES No âmbito dos presentes Termos e Condições, as seguintes palavras assumem o significado apresentado:

TERMOS E CONDIÇÕES No âmbito dos presentes Termos e Condições, as seguintes palavras assumem o significado apresentado: TERMOS E CONDIÇÕES A Nanny Agency Portugal desenvolve a sua actividade com base nas condições definidas pelo presente documento. Por forma a proteger os seus interesses, leia atentamente este documento.

Leia mais

REGULAMENTO 3.ª EDIÇÃO 2016

REGULAMENTO 3.ª EDIÇÃO 2016 Faculdade de Economia da Universidade do Porto Rua Dr. Roberto Frias, 4200-464 Porto REGULAMENTO 3.ª EDIÇÃO 2016 - As Jornadas - 1. As Jornadas de Economia e Gestão da Faculdade de Economia da Universidade

Leia mais

VERDADES E MENTIRAS. Quem está mentindo e quem está dizendo a verdade. Quantas pessoas estão mentindo e quantas estão dizendo a verdade

VERDADES E MENTIRAS. Quem está mentindo e quem está dizendo a verdade. Quantas pessoas estão mentindo e quantas estão dizendo a verdade VERDADES E MENTIRAS Chamamos de a um tipo específico de questão, cujo enunciado nos apresenta uma situação qualquer, envolvendo normalmente alguns personagens, que irão declarar algo. O ponto principal

Leia mais

Anexo 1 FUNDAÇÃO MACAU. Regulamento de Atribuição da. Bolsa para Estudos sobre Macau. Artigo 1.º. Objecto

Anexo 1 FUNDAÇÃO MACAU. Regulamento de Atribuição da. Bolsa para Estudos sobre Macau. Artigo 1.º. Objecto Anexo 1 FUNDAÇÃO MACAU Regulamento de Atribuição da Bolsa para Estudos sobre Macau Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento define as regras de atribuição da Bolsa para Estudos sobre Macau, adiante designada

Leia mais

3. BENEFICIÁRIOS Podem ser beneficiários dos apoios previstos na acção 3.1.3, Pessoas singulares ou colectivas de direito privado.

3. BENEFICIÁRIOS Podem ser beneficiários dos apoios previstos na acção 3.1.3, Pessoas singulares ou colectivas de direito privado. 1. OBJECTIVOS DAS INTERVENÇÕES Os apoios previstos no âmbito do presente regulamento visam desenvolver o turismo e outras actividades de lazer como forma de potenciar a valorização dos recursos endógenos

Leia mais

SECRETARIAL Healthcare & Life Sciences & MANAGEMENT SUPPORT

SECRETARIAL Healthcare & Life Sciences & MANAGEMENT SUPPORT ESTUDO DE REMUNERAÇÃO 2016 SECRETARIAL Healthcare & Life Sciences & MANAGEMENT SUPPORT Secretarial & Management Support Specialists in human resources recruitment www.michaelpage.pt Estudo de 2016 Apresentamos-lhe

Leia mais

Regulamento das Bolsas PARSUK Xperience 2014

Regulamento das Bolsas PARSUK Xperience 2014 Regulamento das Bolsas PARSUK Xperience 2014 1. Parte 1 Objectivos, valor e designação das bolsas 1.1. O programa PARSUK Xperience pretende dar a oportunidade a alunos de licenciatura ou mestrado em Portugal

Leia mais

PROCESSO DE CANDIDATURA PARA INSTALAÇÃO NO ECO-PARQUE EMPRESARIAL DE ESTARREJA

PROCESSO DE CANDIDATURA PARA INSTALAÇÃO NO ECO-PARQUE EMPRESARIAL DE ESTARREJA PROCESSO DE CANDIDATURA PARA INSTALAÇÃO NO ECO-PARQUE EMPRESARIAL DE ESTARREJA de: (entidade candidata) (data) Prº / ÍNDICE A - TERMO DE CANDIDATURA B - FORMULÁRIOS DE CANDIDATURA 1. IDENTIFICAÇÃO 2. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

GUIA DE REGISTRO EMISSÃO DE COTAS DE FIDCs

GUIA DE REGISTRO EMISSÃO DE COTAS DE FIDCs GUIA DE REGISTRO EMISSÃO DE COTAS DE FIDCs 01/07/2010 ABRANGÊNCIA De acordo com o Art. 1º do Código ANBID de Regulação e Melhores Práticas para Fundos de Investimento ( Código ), o registro de FIDC, FICFIDC

Leia mais

MODELO DE DECLARAÇÃO DE RECEITAS E DESPESAS

MODELO DE DECLARAÇÃO DE RECEITAS E DESPESAS APÊNDICE 2 MODELO DE DECLARAÇÃO DE RECEITAS E DESPESAS (nota de primeira página) Projecto n :... Título do projecto:...... Nome completo do Beneficiário:... Morada:...... Formulário financeiro apresentado

Leia mais

O projecto Potencial C inclui ainda um número limitado de actividades a decorrer fora do país. Objectivos:

O projecto Potencial C inclui ainda um número limitado de actividades a decorrer fora do país. Objectivos: O projecto Potencial C é uma iniciativa da Agência INOVA e é constituído por um conjunto integrado e abrangente de actividades que, ao longo de 24 meses, procurará estimular a criação de empresas no âmbito

Leia mais

JOVEM AGRICULTOR/JOVEM EMPRESÁRIO RURAL

JOVEM AGRICULTOR/JOVEM EMPRESÁRIO RURAL JOVEM AGRICULTOR/JOVEM EMPRESÁRIO RURAL AJAP Associação dos Jovens Agricultores de Portugal José Firmino B. Cordeiro 21/01/11 Idanha-a-Nova Estrutura Jovens Agricultores / Jovens Empresários Rurais Considerações

Leia mais

Financiamento e Empreendedorismo Cultural

Financiamento e Empreendedorismo Cultural Financiamento e Empreendedorismo Cultural Instrumentos e Soluções de Investimento Porto, 2 de Julho 2009 Financiamento e Empreendedorismo Cultural 1 Programa Financiamentos ao Sector Cultural Soluções

Leia mais

Avaliação de projetos de investimento

Avaliação de projetos de investimento Gestão Empresarial e Economia Avaliação de projetos de investimento Análise dos cash-flows descontados Sumário Análise dos cash-flows descontados o Cash-flows incrementais o Custo do capital Cash flow

Leia mais

38º. As modalidades e suas respectivas categorias e gêneros serão :

38º. As modalidades e suas respectivas categorias e gêneros serão : 38º Art. 1º- Poderão participar dos jogos: atletas holandeses, descendentes, casados com holandeses ou casados com descendentes. Os casos excepcionais deverão ser apresentados na reunião técnica e a decisão,

Leia mais

Contamos consigo para levar a nossa Energia mais longe...

Contamos consigo para levar a nossa Energia mais longe... Contamos consigo para levar a nossa Energia mais longe... Responsabilidade Social na Galp Energia Responsabilidade Social na Galp Energia COLABORADORES ESPECIALISTAS PÚBLICO EM GERAL A Galp Energia foi

Leia mais

REGULAMENTO DO AUTOCARRO E CARRINHA

REGULAMENTO DO AUTOCARRO E CARRINHA REGULAMENTO DO AUTOCARRO E CARRINHA REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO AUTOCARRO E CARRINHA DE NOVE LUGARES Preâmbulo Tendo em conta a nova realidade politica administrativa existente no território da União

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE BOLSAS IBERO-AMERICANAS. ESTUDANTES DE LICENCIATURA E MESTRADO. SANTANDER UNIVERSIDADES CONVOCATÓRIA 2016/17

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE BOLSAS IBERO-AMERICANAS. ESTUDANTES DE LICENCIATURA E MESTRADO. SANTANDER UNIVERSIDADES CONVOCATÓRIA 2016/17 REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE BOLSAS IBERO-AMERICANAS. ESTUDANTES DE LICENCIATURA E MESTRADO. SANTANDER UNIVERSIDADES CONVOCATÓRIA 2016/17 No espírito das orientações, propostas e conclusões contidas

Leia mais

HASTA PÚBLICA PROGRAMA DO CONCURSO

HASTA PÚBLICA PROGRAMA DO CONCURSO HASTA PÚBLICA CONCURSO POR HASTA PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO DA CONCESSÃO DE 4 LOJAS COMERCIAIS E 6 ESPAÇOS DE VENDA EXISTENTES NO PISO INFERIOR DO MERCADO MUNICIPAL DE ESPINHO PROGRAMA DO CONCURSO ARTIGO

Leia mais

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº 24 EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 1. OBJECTIVO 1 2. DEFINIÇÕES 2 3. TIPOS DE EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 2

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº 24 EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 1. OBJECTIVO 1 2. DEFINIÇÕES 2 3. TIPOS DE EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 2 DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº 24 EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS INDICE 1. OBJECTIVO 1 2. DEFINIÇÕES 2 3. TIPOS DE EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 2 3.1. Operações conjuntamente controladas 3 3.2. Activos conjuntamente

Leia mais

Projeto IPN Integração do Pós- Negociação 20ª Reunião do GT-Testes 6 de Fevereiro de 2014

Projeto IPN Integração do Pós- Negociação 20ª Reunião do GT-Testes 6 de Fevereiro de 2014 Projeto IPN Integração do Pós- Negociação 20ª Reunião do GT-Testes 6 de Fevereiro de 2014 * A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation)

Leia mais

ÍNDICE. 1.1 Apresentação do Centro...2. 1.2 Direitos...2. 1.3 - Deveres...3. 1.4 - Organização...3

ÍNDICE. 1.1 Apresentação do Centro...2. 1.2 Direitos...2. 1.3 - Deveres...3. 1.4 - Organização...3 ÍNDICE I - 1.1 Apresentação do Centro...2 1.2 Direitos......2 1.3 - Deveres...3 1.4 - Organização...3 II Voluntariado 2.1 Apresentação do Voluntário...4 2.2 Perfil do Voluntário...5 2.3 Funções...6 2.4

Leia mais

Inteligência Competitiva Orientada para Resultados MANUAL DO CURSO

Inteligência Competitiva Orientada para Resultados MANUAL DO CURSO Inteligência Competitiva Orientada para Resultados MANUAL DO CURSO ESPM Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP Informações Central de Relacionamento: (11) 5081-8200 (opção 1) Segunda a sexta

Leia mais

Regulamento do Cartão Jovem Municipal Nota justificativa

Regulamento do Cartão Jovem Municipal Nota justificativa Regulamento do Cartão Jovem Municipal Nota justificativa Considerando que o Município do Barreiro tem como princípio o bem-estar, a realização pessoal e a plena participação social dos jovens. Considerando

Leia mais

Hot topics fiscais Maria Antónia Torres

Hot topics fiscais Maria Antónia Torres www.pwc.pt Hot topics fiscais Maria Antónia Torres Agenda Hot topics fiscais 1. Estruturação fiscal pré-aquisição 2. Due diligence fiscal Hot topics fiscais de um processo de investimento no âmbito do

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências Médicas Conselho Executivo

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências Médicas Conselho Executivo Conselho de Faculdade da da Universidade Nova de Lisboa REGIMENTO Artigo 1º Composição 1. O Conselho de Faculdade da FCM é constituído por treze membros, sendo oito docentes e investigadores, um estudante,

Leia mais

Código dos Contratos Públicos dois anos de vigência do Código

Código dos Contratos Públicos dois anos de vigência do Código Código dos Contratos Públicos dois anos de vigência do Código Visão do Dono de Obra Parque Escolar E.P.E. João Sintra Nunes Apresentação na Ordem dos Engenheiros 3 de Fevereiro de 2011 Enquadramento da

Leia mais

Pharmagazine edição nº12 2011

Pharmagazine edição nº12 2011 interactividade Sérgio Viana Solutions Manager da agap2 - Solutions delivery MOBILI DADE até onde podemos ir? Há cerca de 20 anos, pouco mais existia que não os pequenos assistentes pessoais, muitas vezes

Leia mais

Anexo III Plano de negócios. Plano de negócios da instituição financeira

Anexo III Plano de negócios. Plano de negócios da instituição financeira Constituição de IF Bancária Anexo III Plano de negócios Plano de negócios da instituição financeira De forma a aferir o cumprimento dos requisitos legais estabelecido na Lei das Instituições Financeiras,

Leia mais

Mini MBA Gestão Avançada

Mini MBA Gestão Avançada Mini MBA Gestão Avançada FORMAÇÃO PARA EXECUTIVOS Gestão Curso FEXMMBA 10 Dia(s) 66:00 Horas Introdução Os Cursos de Formação para Executivos, promovidos pela Actual Training, têm por finalidade responder

Leia mais

Tarifário para Tarifário para 2015

Tarifário para Tarifário para 2015 Tarifário para 2015 Setembro de 2014 Página 1 de 12 Índice Tarifas de Abastecimento... 3 Tarifas de Saneamento... 4 Outros serviços de abastecimento... 5 Outros serviços de saneamento... 7 Processos de

Leia mais

Mudar de tarifário ou serviço de telecomunicações

Mudar de tarifário ou serviço de telecomunicações Mudar de tarifário ou serviço de telecomunicações CANCELAR CONTRATO Quero cancelar o meu contrato de TV, Internet, telefone e telemóvel. Mesmo que mude para outro operador e este lhe diga que trata de

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À EDIÇÃO FONOGRÁFICA DE INTÉRPRETE 2016. Preambulo

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À EDIÇÃO FONOGRÁFICA DE INTÉRPRETE 2016. Preambulo REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À EDIÇÃO FONOGRÁFICA DE INTÉRPRETE 2016 Preambulo O departamento de Acção Cultural da Fundação GDA, através do programa de Apoio à Edição Fonográfica de Intérprete, concretizado

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE BASQUETEBOL

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE BASQUETEBOL REGULAMENTO ESPECÍFICO DE BASQUETEBOL 2009-2013 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESCALÕES ETÁRIOS/ BOLA DE JOGO/DURAÇÃO DE JOGO... 4 3. CONSTITUIÇÃO DA EQUIPA... 5 4.ARBITRAGEM... 6 5. CLASSIFICAÇÃO/ PONTUAÇÃO/DESEMPATE...

Leia mais

Manual de Gestão de Contratos e Catálogos

Manual de Gestão de Contratos e Catálogos Manual de Gestão de Contratos e Catálogos Índice 1 Acesso aos Contratos e Catálogos... 3 2 Detalhes... 6 3 Definições... 7 4 Catálogo... 8 6 Gestão de Limites... 9 7 Encomendas... 10 8 Alertas... 11 9

Leia mais

Tudo o que você precisa saber e fazer para Iniciar Consultoras e Formar sua Equipe!

Tudo o que você precisa saber e fazer para Iniciar Consultoras e Formar sua Equipe! Tudo o que você precisa saber e fazer para Iniciar Consultoras e Formar sua Equipe! A Sessão de Cuidados com a Pele é a base para qualquer negócio bem sucedido na Mary Kay, e eu sei que realizando Sessões

Leia mais

GRÁFICOS DE CONJUNTURA Volume I. Por João Sicsú e Ernesto Salles

GRÁFICOS DE CONJUNTURA Volume I. Por João Sicsú e Ernesto Salles GRÁFICOS DE CONJUNTURA Volume I Por João Sicsú e Ernesto Salles 1. O trabalhador perdeu rendimento porque houve inflação? É possível aferir o valor do ganho médio (ou habitual) de um trabalhador. A Pesquisa

Leia mais

CARTA CONVITE Nº 012/2014. Confecção, aplicação e instalação de comunicação visual da nova exposição de média duração.

CARTA CONVITE Nº 012/2014. Confecção, aplicação e instalação de comunicação visual da nova exposição de média duração. Santos, 17 de outubro de 2014. CARTA CONVITE Nº 012/2014 Confecção, aplicação e instalação de comunicação visual da nova exposição de média duração Museu do Café O Instituto de Preservação e Difusão da

Leia mais

Resumo para efeitos do artigo 6.º, da Lei 144/2015, de 8 de Setembro:

Resumo para efeitos do artigo 6.º, da Lei 144/2015, de 8 de Setembro: Resumo para efeitos do artigo 6.º, da Lei 144/2015, de 8 de Setembro: Nos termos do artigo 304.º do Código Civil, não pode ser repetida a prestação realizada espontaneamente em cumprimento de uma obrigação

Leia mais

CIRCULAR RELATIVA À AVALIAÇÃO E VALORIZAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO DESENVOLVIDOS POR ORGANISMOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

CIRCULAR RELATIVA À AVALIAÇÃO E VALORIZAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO DESENVOLVIDOS POR ORGANISMOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO CIRCULAR RELATIVA À AVALIAÇÃO E VALORIZAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO DESENVOLVIDOS POR ORGANISMOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO I. Enquadramento 1. Nos termos do artigo 210.º/2 do Regime Geral dos Organismos

Leia mais

RESPOSTAS ÀS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A REFORMA ANTECIPADA NA SEGURANÇA SOCIAL

RESPOSTAS ÀS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A REFORMA ANTECIPADA NA SEGURANÇA SOCIAL Respostas às questões mais frequentes sobre a pensão antecipada na Segurança Social Pág. 1 RESPOSTAS ÀS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A REFORMA ANTECIPADA NA SEGURANÇA SOCIAL Trabalhadores empregados e desempregados

Leia mais

Sumário PROGRAMA CEVAR - CONSERVAÇÃO DE ESPAÇOS VERDES DE ÁREA REDUZIDA (PROTOCOLOS DE COOPERAÇÃO PARA CONSTRUÇÃO/REQUALIFICAÇÃO E PARA A MANUTENÇÃO)

Sumário PROGRAMA CEVAR - CONSERVAÇÃO DE ESPAÇOS VERDES DE ÁREA REDUZIDA (PROTOCOLOS DE COOPERAÇÃO PARA CONSTRUÇÃO/REQUALIFICAÇÃO E PARA A MANUTENÇÃO) Separata 00 000 24 Março 2011 Sumário PROGRAMA CEVAR - CONSERVAÇÃO DE ESPAÇOS VERDES DE ÁREA REDUZIDA (PROTOCOLOS DE COOPERAÇÃO PARA CONSTRUÇÃO/REQUALIFICAÇÃO E PARA A MANUTENÇÃO) EDITAL Nº 119/2011 Programa

Leia mais

INSTRUÇÃO INFORMÁTICA N.º 36/2007 CONTROLO DE PRAZOS DE REGULARIZAÇÃO DE SINISTROS DE DANOS MATERIAIS COM DANOS CORPORAIS

INSTRUÇÃO INFORMÁTICA N.º 36/2007 CONTROLO DE PRAZOS DE REGULARIZAÇÃO DE SINISTROS DE DANOS MATERIAIS COM DANOS CORPORAIS INSTRUÇÃO INFORMÁTICA N.º 36/2007 CONTROLO DE PRAZOS DE REGULARIZAÇÃO DE SINISTROS DE DANOS MATERIAIS COM DANOS CORPORAIS Objectivo Instruções para a constituição do ficheiro, em suporte informático, para

Leia mais

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas. Novo Mercado de. Renda Fixa

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas. Novo Mercado de. Renda Fixa Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas Novo Mercado de Renda Fixa CAPÍTULO I PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA Art. 1º - O objetivo deste Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para o Novo Mercado

Leia mais

NOTA INFORMATIVA Licenças sem vencimento / Licenças sem remuneração

NOTA INFORMATIVA Licenças sem vencimento / Licenças sem remuneração NOTA INFORMATIVA Licenças sem vencimento / Licenças sem remuneração Com vista à uniformização de entendimentos procede-se aos seguintes esclarecimentos sobre a concessão de licenças sem vencimento/remuneração,

Leia mais

ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº /12/2000

ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº /12/2000 ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº.2000 19/2000 de 20/12/2000 Nº de PAUTA 203.13 RECURSOS HUMANOS RECURSOS HUMANOS Assunto: Actividade Sindical Referência: Distribuição: Recursos Humanos Revogações: Enquadramento

Leia mais

NORMAS PARA A SUBMISSÃO DE TRABALHOS A APRESENTAR NAS II JORNADAS DE EQUITAÇÃO COM FINS TERAPÊUTICOS

NORMAS PARA A SUBMISSÃO DE TRABALHOS A APRESENTAR NAS II JORNADAS DE EQUITAÇÃO COM FINS TERAPÊUTICOS NORMAS PARA A SUBMISSÃO DE TRABALHOS A APRESENTAR NAS II JORNADAS DE EQUITAÇÃO COM FINS TERAPÊUTICOS Data prevista do evento: 19 e 20 de Maio de 2012 Data de entrega dos trabalhos: 29 de Fevereiro de 2012

Leia mais

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos II

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos II Data: / / 20 Aluno(a): 1ª Aula Prática: Partida de motores de indução monofásicos com contatores. Prof. Epaminondas de Souza Lage 1 - Objetivos: -Identificar as partes constituintes do motor de indução

Leia mais

Regulamento do Auditor Padi

Regulamento do Auditor Padi 1 de 7 1. OBJETIVO Caracterizar os auditores externos do Padi Programa de Acreditação em Diagnóstico por Imagem, classificando-os e definindo os critérios de sua seleção, suas qualificações, competências

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE EMPRESA FORNECEDORA DE SERVIÇOS DE INTERNET PARA TODAS AS SECRETARIAS MUNICIPAIS. São João da Urtiga, 20 de janeiro de 2016.

CONTRATAÇÃO DE EMPRESA FORNECEDORA DE SERVIÇOS DE INTERNET PARA TODAS AS SECRETARIAS MUNICIPAIS. São João da Urtiga, 20 de janeiro de 2016. Exmo. Sr. Prefeito Municipal de São João da Urtiga RS A Secretaria Municipal de Administração através de sua Secretária, abaixo assinado, vem à presença de Vossa Senhoria requerer que sejam tomadas as

Leia mais

ANEXO 4 AO CONTRATO DE INTERCONEXÃO DE REDES CLASSE V ENTRE SAMM E XXX NºXXX SOLICITAÇÃO, PROVIMENTO E PLANEJAMENTO TÉCNICO INTEGRADO DE INTERCONEXÃO

ANEXO 4 AO CONTRATO DE INTERCONEXÃO DE REDES CLASSE V ENTRE SAMM E XXX NºXXX SOLICITAÇÃO, PROVIMENTO E PLANEJAMENTO TÉCNICO INTEGRADO DE INTERCONEXÃO SOLICITAÇÃO, PROVIMENTO E PLANEJAMENTO TÉCNICO INTEGRADO DE INTERCONEXÃO 1. CONDIÇÕES GERAIS 1.1 Qualquer das Partes poderá, na forma da regulamentação pertinente, solicitar novas Interconexões ou alterações

Leia mais

Ccent. 06/2009 CLECE/SOPELME. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência

Ccent. 06/2009 CLECE/SOPELME. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência Ccent. 06/2009 CLECE/SOPELME Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência [alínea b) do n.º 1 do artigo 35.º da Lei n.º 18/2003, de 11 de Junho] 31/03/2009 DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO DA AUTORIDADE

Leia mais

TRATADO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E O REINO DE ESPANHA PARA A REPRESSÃO DO TRÁFICO ILÍCITO DE DROGA NO MAR.

TRATADO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E O REINO DE ESPANHA PARA A REPRESSÃO DO TRÁFICO ILÍCITO DE DROGA NO MAR. Resolução da Assembleia da República n.º 9/2000 Tratado entre a República Portuguesa e o Reino de Espanha para a Repressão do Tráfico Ilícito de Droga no Mar, assinado em Lisboa em 2 de Março de 1998 Aprova

Leia mais

SOLICITAÇÃO DO CERTIFICADO DIGITAL

SOLICITAÇÃO DO CERTIFICADO DIGITAL SOLICITAÇÃO DO CERTIFICADO DIGITAL 1. Como é feita a entrega do Certificado Digital? Resposta: O certificado digital é entregue ao cliente após o procedimento de Validação Presencial, o qual consiste na

Leia mais

WHOQOL-100 Versão em português ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA

WHOQOL-100 Versão em português ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA WHOQOL-100 Versão em português ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA Coordenação do Grupo WHOQOL no Brasil Dr. Marcelo Pio de Almeida Fleck Departamento de Psiquiatria e Medicina

Leia mais

3 Consideram -se qualificados para o exercício de funções de administração e gestão os docentes que preencham uma das seguintes condições:

3 Consideram -se qualificados para o exercício de funções de administração e gestão os docentes que preencham uma das seguintes condições: Concurso para Director (a) Agrupamento Vertical de escolas de ferreira de Aves Procedimento concursal: 1 Nos termos do disposto nos artigos 21.º e 22.º, do Decreto Lei n.º 75/2008, de 22 de Abril, e da

Leia mais

A RESOLUÇÃO ALTERNATIVA DE LITÍGIOS DE CONSUMO

A RESOLUÇÃO ALTERNATIVA DE LITÍGIOS DE CONSUMO A RESOLUÇÃO ALTERNATIVA DE LITÍGIOS DE CONSUMO Uma justiça simples, acessível e rápida: Mediação Conciliação Arbitragem O que é a resolução alternativa de litígios de consumo? A resolução alternativa de

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 548, DE 6 DE MAIO DE 2014

INSTRUÇÃO CVM Nº 548, DE 6 DE MAIO DE 2014 Altera, acrescenta e revoga dispositivos da Instrução CVM nº 400, de 29 de dezembro de 2003. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna público que o Colegiado, em reunião realizada em

Leia mais

Mobilidade: implicações económicas. Prof. João Confraria ( UCP )

Mobilidade: implicações económicas. Prof. João Confraria ( UCP ) Mobilidade Uma presença pervasiva no quotidiano das sociedades modernas 21 de Outubro de 2004 Hotel Le Meridien Mobilidade: implicações económicas Prof. João Confraria ( UCP ) Patrocínio Organização Mobilidade:

Leia mais

Como utilizar a margem de contribuição para tomar decisão quando existe limitação na capacidade produtiva

Como utilizar a margem de contribuição para tomar decisão quando existe limitação na capacidade produtiva Como utilizar a margem de contribuição para tomar decisão quando existe! Revendo o conceito de margem de contribuição! Existência de limitação na capacidade de produção! Margem de contribuição e fator

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR PREÂMBULO A Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro, diploma que estabelece, entre outros, o regime jurídico das autarquias locais, veio atribuir, no

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE CENECISTA DE VARGINHA Administração e Ciências Contábeis: Reconhecimento pelo Decreto Federal Nº 76177/75 - D.O. 02/09/75 Ciências Econômicas: Reconhecimento através da Portaria Ministerial Nº

Leia mais

Opções sobre Acções e Futuros Condições de Negociação

Opções sobre Acções e Futuros Condições de Negociação Opções sobre Acções e Futuros Condições de Negociação Exercício de opções Na data de maturidade, as opções in-the-money serão executadas automaticamente às 10:00 EST (hora de Nova Iorque). Nestes casos,

Leia mais

Avaliação de projetos de investimento

Avaliação de projetos de investimento Gestão Empresarial e Economia Avaliação de projetos de investimento Caracterização do projeto e conceito de valor Sumário Caracterização do projecto Conceito de valor 1. Caracterização do projecto 1.1

Leia mais

CONVITE. Ajuste Direto 001/2014 ARTIGO 1º IDENTIFICAÇÃO DO PROCEDIMENTO

CONVITE. Ajuste Direto 001/2014 ARTIGO 1º IDENTIFICAÇÃO DO PROCEDIMENTO CONVITE Ajuste Direto 001/2014 ARTIGO 1º IDENTIFICAÇÃO DO PROCEDIMENTO O presente procedimento tem a seguinte designação: AJUSTE DIRETO 001/2014 AQUISIÇAÕ DE LEITE ESCOLAR ANO LETIVO 2014/2015. ARTIGO

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS. Aquisição de serviços de formação comportamental e motivação de equipas espap

CADERNO DE ENCARGOS. Aquisição de serviços de formação comportamental e motivação de equipas espap CADERNO DE ENCARGOS Aquisição de serviços de formação comportamental e motivação de equipas espap ÍNDICE CLÁUSULAS JURÍDICAS... 3 Cláusula 1.ª Objeto... 3 Cláusula 2.ª Local da prestação de serviços...

Leia mais

Portaria n.º 1098/2008

Portaria n.º 1098/2008 Portaria n.º 1098/2008 (Com as alterações introduzidas pela Portaria n.º 1254/2009 e pela Portaria n.º 479/2010) SUMÁRIO Aprova as taxas relativas a actos e serviços prestados no âmbito da propriedade

Leia mais

BASE DE DADOS ACERVO JUDICIÁRIO DO ARQUIVO NACIONAL

BASE DE DADOS ACERVO JUDICIÁRIO DO ARQUIVO NACIONAL BASE DE DADOS ACERVO JUDICIÁRIO DO ARQUIVO NACIONAL Manual para procedimentos básicos A tela inicial irá apresentar um menu com as seguintes opções: Introdução, Manual, Vocabulário, Consulta e Sair. 1

Leia mais

CONCURSO DE DESIGN DE MOBILIÁRIO INTERIOR APD / LASKASAS

CONCURSO DE DESIGN DE MOBILIÁRIO INTERIOR APD / LASKASAS CONCURSO DE DESIGN DE MOBILIÁRIO INTERIOR APD / LASKASAS 1. INTRODUÇÃO 1.1 Parceria APD/LasKasas A LASKASAS INTERIORES, em parceria com a Associação Portuguesa de Designers (APD), desenvolvem uma acção

Leia mais

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo REDE SOCIAL Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo Regulamento Interno [9/04/2014] REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE FIGUEIRA DE CASTELO RODRIGO

Leia mais

BANCO DE PREÇOS DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA DA CAERN - TABELA NOVEMBRO DE 2014 COM DESONERAÇÃO

BANCO DE PREÇOS DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA DA CAERN - TABELA NOVEMBRO DE 2014 COM DESONERAÇÃO BANCO DE PREÇOS DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA DA CAERN - TABELA NOVEMBRO DE 2014 COM DESONERAÇÃO BANCO DE PREÇOS DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA DA CAERN - TABELA NOVEMBRO DE 2014 COM DESONERAÇÃO NATAL/RN - NOVEMBRO

Leia mais

CURSO NEGOCIAÇÃO E COMUNICAÇÃO COM CLIENTES DIFÍCEIS

CURSO NEGOCIAÇÃO E COMUNICAÇÃO COM CLIENTES DIFÍCEIS CURSO NEGOCIAÇÃO E COMUNICAÇÃO COM CLIENTES DIFÍCEIS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 03 2. DESENVOLVIMENTO A. Proposta pedagógica B. Investimento C. Condições de participação 03 03 04 04 3. FICHA DE INSCRIÇÃO 05

Leia mais

REGULAMENTO Nº 03, DE 16 DE ABRIL DE 2015, DA COMISSÃO ELEITORAL LOCAL DO CAMPUS GURUPI.

REGULAMENTO Nº 03, DE 16 DE ABRIL DE 2015, DA COMISSÃO ELEITORAL LOCAL DO CAMPUS GURUPI. REGULAMENTO Nº 03, DE 16 DE ABRIL DE 2015, DA COMISSÃO ELEITORAL LOCAL DO. A Comissão Eleitoral Local do Campus Gurupi designada pela Resolução Ad Referendum nº 1/2015/consup/ifto, de 05 de março de 2015,

Leia mais

Escola Tecnológica do Litoral Alentejano Exmo. Sr. Prof. Paulo Mesquita

Escola Tecnológica do Litoral Alentejano Exmo. Sr. Prof. Paulo Mesquita Escola Tecnológica do Litoral Alentejano Exmo. Sr. Prof. Paulo Mesquita Proposta Renovação Anual de Licenciamento Microsoft ETLA001JM10 17 de Dezembro de 2009 RPGSi Reengenharia de Processos, Gestão e

Leia mais

Santana Lopes, Castro, Vieira, Teles, Silva Lopes, Calado, Cardoso & Associados R. L. Rua Castilho, n.º 67-2º andar * Lisboa Tel:

Santana Lopes, Castro, Vieira, Teles, Silva Lopes, Calado, Cardoso & Associados R. L. Rua Castilho, n.º 67-2º andar * Lisboa Tel: A Global Lawyers, Santana Lopes, Castro, Vieira, Teles, Silva Lopes, Calado, Cardoso & Associados Sociedade de Advogados, R. L. resulta da fusão de vontades de vários profissionais com vasto curriculum

Leia mais

Regulamento de Apoio às Entidades e Agentes Desportivos do Concelho da Praia da Vitória. Atividade de treino e competição nos escalões de formação

Regulamento de Apoio às Entidades e Agentes Desportivos do Concelho da Praia da Vitória. Atividade de treino e competição nos escalões de formação Regulamento de Apoio às Entidades e Agentes Desportivos do Concelho da Praia da Vitória Atividade de treino e competição nos escalões de formação Preâmbulo O presente regulamento estabelece as normas de

Leia mais

Antecipação de IPVA. Manual do Usuário. Versão 1.4. Antecipação de IPVA pelo Portal Manual. Antecipação de IPVA pelo Portal 1.

Antecipação de IPVA. Manual do Usuário. Versão 1.4. Antecipação de IPVA pelo Portal Manual. Antecipação de IPVA pelo Portal 1. GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESPECIAL DE ESTADO DE GESTÃO SECRETARIA EXECUTIVA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE TECNOLÓGIA E INFORMAÇÃO GERENCIA DE ARRECADAÇÃO Antecipação de IPVA Manual do Usuário

Leia mais

PROPOSTA DE FORNECIMENTO DE SERVIÇOS APOIO REMOTO À EXECUÇÃO DA CONTABILIDADE POC-EDUCAÇÃO

PROPOSTA DE FORNECIMENTO DE SERVIÇOS APOIO REMOTO À EXECUÇÃO DA CONTABILIDADE POC-EDUCAÇÃO PROPOSTA DE FORNECIMENTO DE SERVIÇOS (DESIGNAÇÃO DA ESCOLA) dia de mês de ano SNN SERVIÇOS DE GESTÃO APLICADA, LDA ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS... 3 METODOLOGIA E CRONOGRAMA... 5 Metodologia...

Leia mais

Ficha Resumida de Saúde do NHS

Ficha Resumida de Saúde do NHS Por favor leia atentamente este folheto. É importante que faça a sua escolha. Ficha Resumida de Saúde do NHS Os seus dados de saúde numa emergência Fichas Resumidas de Saúde O NHS vai introduzir (na Inglaterra)

Leia mais

Copyright - IS Intelligent Software

Copyright - IS Intelligent Software O processo de compras do século passado... Sua empresa ainda compra assim... De posse de uma lista de compras, gerada ou não por um software de gestão empresarial, o comprador inicia o processo de cotação

Leia mais

DEPRECIAÇÃO E REAVALIAÇÃO DO ATIVO IMOBILIZADO EM BELÉM/PA

DEPRECIAÇÃO E REAVALIAÇÃO DO ATIVO IMOBILIZADO EM BELÉM/PA DEPRECIAÇÃO E REAVALIAÇÃO DO ATIVO IMOBILIZADO EM BELÉM/PA 16 Horas/Aula Realização: Incluso: LIVRO: MANUAL DE CONTROLE PATRIMONIAL NAS ENTIDADES PÚBLICAS, bolsa ecológica, apostila(manual), caneta, lápis,

Leia mais

POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Última atualização: 18/03/2014 Versão A EXCLUSIVO PARA USO INTERNO Produzido pela área de RH Aprovado e revisado pela Gerência de RH A reprodução e a distribuição

Leia mais

S.R. DOS ASSUNTOS SOCIAIS. Aviso n.º 196/2005 de 1 de Março de 2005

S.R. DOS ASSUNTOS SOCIAIS. Aviso n.º 196/2005 de 1 de Março de 2005 S.R. DOS ASSUNTOS SOCIAIS Aviso n.º 196/2005 de 1 de Março de 2005 Serviços [x] O concurso está abrangido pelo Acordo sobre Contratos Públicos (ACP)? SCÇÃO I: NTIDAD ADJUDICANT I.1) DSIGNAÇÃO NDRÇO OFICIAIS

Leia mais

Condições de Filiação 2016 (Anexo ao Regulamento Administrativo)

Condições de Filiação 2016 (Anexo ao Regulamento Administrativo) Condições de Filiação 2016 (Anexo ao Regulamento Administrativo) DOS ESTATUTOS: Artigo 15º, Nº1 Adquirem a qualidade de Associados as Entidades referidas nos artigos 11º e 12º destes Estatutos, através

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica LEI N o 8.723, DE 28 DE OUTUBRO DE 1993. Dispõe sobre a redução de emissão de poluentes por veículos automotores e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

BEM-VINDOS! LAURENT DELACHE VICE-PRESIDENTE 14 DE JUNHO DE Aspect Software, Inc. All rights reserved

BEM-VINDOS! LAURENT DELACHE VICE-PRESIDENTE 14 DE JUNHO DE Aspect Software, Inc. All rights reserved BEM-VINDOS! LAURENT DELACHE VICE-PRESIDENTE LAURENT.DELACHE@ASPECT.COM 14 DE JUNHO DE 2016 2016 Aspect Software, Inc. All rights reserved AGENDA SOBRE A ASPECT RESULTADOS FINANCEIROS PERSPECTIVAS DO MERCADO

Leia mais