Estudo 14: DEVERES E DIREITOS DE QUEM ANUNCIA O EVANGE- LHO - cap. 9.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo 14: DEVERES E DIREITOS DE QUEM ANUNCIA O EVANGE- LHO - cap. 9."

Transcrição

1 66 Estudo 14: DEVERES E DIREITOS DE QUEM ANUNCIA O EVANGE- LHO - cap. 9. Neste texto encontramos: - Evidências do apostolado. v Sustento ministerial. v. 4, O direito de um obreiro é o direito de todos. v. 5, 6. - Renúncia voluntária do direito ao sustento ministerial. v Anúncio do Evangelho: uma responsabilidade e privilégio. Não é passatempo ou profissão. v O anúncio gratuito do Evangelho não impede o anunciador de receber por direito o sustento ministerial ou de renunciá-lo. Por outro lado, não isenta, a igreja do dever do sustento ministerial ou de a- bençoar quem a abençoou. v. 18; vs. 6 14, - O anunciador do Evangelho não se submete aos caprichos daqueles que o sustentam. Como servo de Deus mantém sua liberdade em Cristo e nessa coerência serve a todos a fim de trazê-los convertidos ao Evangelho. v O anunciador do Evangelho busca um espaço comum de comunicação e atitudes entre seus ouvintes. Parte de onde estão para levá-los ao conhecimento de Cristo. Nesse processo mantém a coerência com os princípios do Evangelho. v A recompensa presente e futura proporcionada pelo anúncio do Evangelho exigem: renúncia, dependência de Deus, capacitação, empenho pessoal, disciplina, firmeza de propósitos, metas definidas, paciência, coerência e autodomínio. v VISÃO GERAL Os críticos do apóstolo Paulo na igreja em Corinto o questionaram sobre sua autoridade apostólica, ações e direitos ministeriais. Na resposta aos críticos o a- postolo Paulo citou fatos inquestionáveis, argumentou logicamente e apresentou as Escrituras como fonte de autoridade ao que dizia. Reafirmou o seu compromisso com o Evangelho de Cristo ao qual se uniu inseparavelmente. Orientou a igreja a viver no Evangelho, divulgá-lo e nele permanecer até a vitória final reservada aos fiéis. FOCALIZANDO A VISÃO O apóstolo Paulo amava os coríntios e em particular a igreja de Deus ali localizada. Ao anunciar o Evangelho tinha consciência de que caminhava na contramão da religiosidade judaica e da cultura pagã aliada aos interesses daqueles que usavam a religião para justificar o seu apego ao lucro, à imoralidade, à glutonaria e à bebedice. O apóstolo se dispôs a pagar o preço da fidelidade a Deus considerando a eternidade dos benefícios de sua obediência a Cristo e a de quem o ouvisse. O que mais o entristecia era ser rejeitado e ter o seu ministério desconsiderado por aqueles que lhe deviam, pelo menos, reconhecimento. Felizmente não se deixou abater porque esperava mais de Deus do que das pessoas. Essa atitude o confortou. Afinal, seu Mestre já havia passado por situa-

2 ção semelhante e alertou seus discípulos sobre a possibilidade de sofrerem ódio, traição e perseguições. Lucas ; João Com o objetivo de esvaziar a autoridade apostólica recebida de Jesus Cristo, alguns membros da igreja tomaram a decisão de divulgar inverdades a respeito de Paulo, chegando à insensatez de afirmar que ele não possuía a autoridade que dizia ter para pastorear a igreja. Em outras palavras, a sua orientação à igreja não era digna de confiança. A maledicência, rebeldia e manifestações de ingratidão chegaram ao conhecimento do apóstolo e ele precisou apresentar aos rebeldes suas credenciais apostólicas: a) viu e conversou com Jesus; b) foi por Ele chamado e separado para o ministério apostólico; c) recebeu pessoalmente Dele as orientações para se conduzir no ministério; d) o Espírito de Deus nele atuava para mantê-lo em Seu propósito; e) seu trabalho diferenciado no ministério apostólico e aprovado por Deus com sinais, maravilhas, inteligência, discernimento espiritual e sabedoria divina era incontestável; f) a própria fundação, solidificação e crescimento da igreja em Corinto e em outras cidades eram sinais visíveis da aprovação de Deus; g) as obras realizadas para o Senhor Jesus na Ásia e na Europa eram o testemunho vivo de sua autoridade apostólica; h) o testemunho e o reconhecimento de sua apostolicidade por parte dos demais apóstolos, em particular Pedro, eram do conhecimento das igrejas. Isso 67 sem falar no carinho que demonstrava aos irmãos da Palestina a quem reconhecidamente se empenhou por ajudá-los em suas carências espirituais e materiais. A leitura do livro de Atos e das cartas paulinas confirmam esses pontos em sua defesa, mesmo que nem todos tenham sido considerados nessa parte da carta. Seus opositores afirmavam que ele pregava o Evangelho para auferir lucros financeiros e se colocar em evidência sobre os demais. Paulo argumentou que os seus críticos na igreja em Corinto precisavam transferir à vida cristã o que o bom senso recomendava sobre o sustento e o direito dos trabalhadores. O trabalhador é digno do seu salário. Quem trabalha no Evangelho tem direitos semelhantes ao trabalhador comum em sua subsistência e de sua família. Cristo afirmou isso. Mateus É vergonhoso à igreja sonegar o sustento material àqueles que a abençoam com bens espirituais. No Sermão do monte o Senhor Jesus citou um princípio que bem se aplica a isso. Pois eu vos digo que, se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus, de modo nenhum entrareis no reino dos céus. Mateus Ao enviar os seus discípulos para anunciar o Evangelho, assim se expressou:... digno é o obreiro do seu salário. Lucas Não devemos dar aos ministros de Deus menos que a nossa capacidade nos disponibiliza. No sustento ministerial a única forma aceita para sua inexistência

3 é quando o próprio obreiro, por possuir outros meios de subsistência e desejar mantê-lo, dispensa a ajuda da igreja. Nesse caso é recomendável que a igreja direcione esse sustento a outro obreiro ou o aplique na expansão do Evangelho através da obra missionária. Essa atitude é saudável porque evita que a igreja se acomode à situação e não desenvolva o bom hábito do sustento ministerial. Jamais a igreja deverá investir no seu conforto local o que poderia aplicar na obra missionária ou na edificação da igreja. Seguindo a recomendação de Jesus cabe à igreja ser rica para com Deus. De nada lhe valerão na eternidade os tesouros acumulados na terra. No arrebatamento apenas as boas obras na expansão do Reino de Deus a acompanharão. Mateus ; Lucas Paulo declara à igreja que o chamado divino para levar-lhes o Evangelho transformou-se em sua maior motivação, sendo acolhido por ele como privilégio, honra e responsabilidade. Não fez do a- núncio do Evangelho seu meio de vida, passatempo, serviço comum, rotineiro ou que pudesse ser realizado com negligência. A prova disso é que em várias ocasiões ele havia dado a sua vida e a colocado em risco por causa do E- vangelho. Estevão foi seu exemplo no início de sua carreira cristã. Ele sabia que isso resultaria em sua realização pessoal no presente como servo diligente e na eternidade honra maior por ter cumprido fielmente o que o Senhor lhe havia entregado. O que Cristo havia feito em sua salvação pes- 68 soal jamais poderia ser retribuído. Daí o seu empenho ministerial manifestado à liderança da igreja em Éfeso, na Ásia. Atos O apóstolo declara aos seus opositores em Corinto que nada devia a eles, mas voluntariamente havia se colocado como servo de Cristo para servir a todos. Esperava que através do seu exemplo aprendessem a ser servos de Cristo e não senhores da igreja, como se posicionavam. A igreja possuía um Senhor, Jesus Cristo e isso bastava. Paulo argumentou logicamente e usou as Escrituras no combate a avareza de alguns irmãos que se mostravam insensíveis ao sustento ministerial dele e de Barnabé. É impossível que alguém se dedique integralmente no anúncio e ensino do Evangelho sem que receba apoio financeiro em seu trabalho. A lei da semeadura e colheita estabelecida por Deus na natureza é autoaplicável na vida espiritual. Quem é abençoado tem a responsabilidade de abençoar quem o abençoou. A seguir, o apóstolo relata uma de suas marcas ministeriais. Em seu discernimento e inteligência espiritual dados pelo Senhor, ao anunciar e ensinar como o Evangelho deveria ser vivido fazia uso constante de pontos comuns de contato entre ele e seus ouvintes. Partia de onde eles estavam e os trazia aonde deveriam estar em sua aliança com Cristo. Era um facilitador na divulgação da Palavra de Deus. Isso não quer dizer que Paulo sacrificava o seu caráter ou a coerência da mensagem evangélica para adaptá-la submis-

4 samente a uma pessoa ou situação. Alem disso, Paulo não possuía um público alvo, específico. Sua missão era buscar e trazer à salvação o perdido independente de sua origem e estado. O fato de anunciar o Evangelho a todos impediu que a igreja se dividisse e fosse formada apenas por judeus ou gentios. Seria incoerente que a luz deixasse de iluminar para eliminar as trevas. Quem prega o Evangelho analisa a cultura local para que a mensagem atinja estrategicamente as necessidades do ouvinte, mas não se submete a ela naquilo que venha contrariar a mensagem evangélica de salvação. A estratégia evangelística adotada com os judeus não poderia ser a mesma dos gentios. O ponto de contato com os judeus era a apresentação das profecias e o seu cumprimento em Cristo. Ela foi habilmente utilizada pelo apóstolo como vemos em suas cartas. Nisso seguiu a Jesus Cristo. Lucas , O evangelista Mateus fez o mesmo. Na companhia dos gentios o seu ponto de contato era sua cultura e suas leis para que através da limitação delas, ele pudesse apresentar um novo estilo de vida vivível sob a lei de Cristo. Na companhia dos irmãos iniciantes na fé evangélica, não a- presentava pontos polêmicos, mas argumentava com eles sobre maturidade cristã a fim de que se convencessem da importância do abandono de atitudes infantis e crescessem na fé. Àqueles que se julgavam maduros na fé, o apóstolo apresentava-lhes pelo Evange- 69 lho a necessidade da tolerância positiva e da solidariedade cristã. Todo o empenho de Paulo visava à salvação de judeus e gentios e à edificação da igreja. Tudo fazia por causa do Evangelho. O Senhor se alegra com aqueles que no Evangelho cuidam dos interesses de Deus e não usam o Evangelho para cuidar dos seus interesses pessoais. Paulo se recomendou como exemplo aos irmãos em Corinto para que o imitassem nessa disciplina cristã aprendida por ele pelo amor ao Evangelho. Se os atletas de tudo se abstêm para alcançar uma coroa corruptível e vitória passageira, os cristãos precisam de empenho maior na busca da coroa incorruptível como prêmio da vitória no presente e no porvir. Paulo lembra aos coríntios que ele sabia o que queria. Não realizava o seu ministério de forma improvisada, mas caminhava com passos firmes e decididos para o seu encontro com Cristo. Possuía claras metas ministeriais. Não desejava chegar sozinho à presença do Mestre. Por isso se empenhava para que o maior número de pessoas o acompanhasse no conhecimento da verdade através do Evangelho. No que dependesse dele mantinha sua vigilância em alta a fim de permanecer irrepreensível e com autoridade espiritual para ministrar a Palavra que lhe havia sido entregue pelo próprio Senhor Jesus e anunciada sob o poder do Espírito Santo com o objetivo de glorificar o Pai. O que temos visto na história da igreja ao longo dos séculos?

5 - Os mais determinados opositores não são os de fora, mas os de dentro. Estes se mobilizam, não para a evangelização ou edificação da igreja, mas para combater os que trabalham. - Os trabalhadores no Reino incomodam os negligentes e os responsabiliza diante de Deus por sua inércia. - A exemplo de Jesus precisamos confrontar os opositores com as obras que realizamos para Deus. - O Reino de Deus não se expande com aqueles que muito falam, mas com aqueles que trabalham submissos ao projeto comum da igreja que tem a evangelização e o discipulado como colunas. - Deus deseja ser celebrado por nós primeiro com nossa obediência e depois com palavras e cânticos. 70 que vivam do Evangelho. 1 Coríntios 9. 14; Mateus ORAÇÃO Obrigado, Senhor pelo privilégio de servi-lo. ENQUADRANDO-SE NA VISÃO - Servir a Deus é um privilégio, necessidade, dever e direito. DETALHES - Nem todos que amamos nos amam. - Quem não trabalha dá trabalho. - A argumentação cristã se vale das Escrituras, mas não despreza a lógica comum. APLICAÇÃO - Servir a Deus com alegria. PENSAMENTO Na obra do Senhor não devemos dar menos que a nossa capacidade nos disponibiliza. VERSÍCULO PARA DECORAR Assim ordenou também o Senhor aos que anunciam o Evangelho

Luzes dos Documentos Conciliares Para a Nova Evangelização

Luzes dos Documentos Conciliares Para a Nova Evangelização Luzes dos Documentos Conciliares Para a Nova Evangelização Prof. Denilson A. Rossi O que se entende por Nova Evangelização? Quais são as luzes dos documentos conciliares para a Nova Evangelização? Em que

Leia mais

O segredo além do segredo: uma questão missional

O segredo além do segredo: uma questão missional O segredo além do segredo: uma questão missional 1. A urgência da missão 2. O princípio da missão 3. Perigos da missão 4. A prática da missão 1. A urgência da missão Uma questão... Existencial Poder Investimento

Leia mais

ESCOLA DE MISSÕES FORMAÇAO MINISTERIAL TENDA (FMT)

ESCOLA DE MISSÕES FORMAÇAO MINISTERIAL TENDA (FMT) ESCOLA DE MISSÕES FORMAÇAO MINISTERIAL TENDA (FMT) A FMT-Escola oferece este Curso para aqueles que tem um chamado para a obra de missões, mas que também queiram servir na igreja local. O CURSO A) CURSO

Leia mais

Jesus ensinou seus discípulos a servir

Jesus ensinou seus discípulos a servir Jesus ensinou seus discípulos a servir Mateus 20:25-28 Jesus os chamou e disse: Vocês sabem que os governantes das nações as dominam, e as pessoas importantes exercem poder sobre elas. Não será assim entre

Leia mais

Nicodemos. Sob o manto da escuridão. João 3, 7 e 19

Nicodemos. Sob o manto da escuridão. João 3, 7 e 19 Nicodemos João 3, 7 e 19 Sob o manto da escuridão Nicodemos era um judeu cujo nome em grego significa conquistador do povo. Talvez ele tenha nascido em alguma parte de um país ao longo do Mar Mediterrâneo

Leia mais

Pr. Jonas Arrais Associação Ministerial DSA

Pr. Jonas Arrais Associação Ministerial DSA Pr. Jonas Arrais Associação Ministerial DSA Por que é importante conhecer o tema? ü Somos admoestados a conhecê-los. 1 Cor. 12:1. ü Somos motivados a usá-los. 1 Tim. 4: 14. ü Somos responsáveis pelo uso.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÁTÃO CURRÍCULO DISCIPLINAR 3º ANO EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA (EMRC) (SNEC)

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÁTÃO CURRÍCULO DISCIPLINAR 3º ANO EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA (EMRC) (SNEC) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÁTÃO CURRÍCULO DISCIPLINAR 3º ANO EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA (EMRC) (SNEC) 2015-16 3 º ANO Unidade Letiva 1 A Dignidade das Crianças 1. Tomar consciência de que as crianças

Leia mais

PRESENTES DO CÉU O ESPÍRITO SANTO E OS DONS ESPIRITUAIS

PRESENTES DO CÉU O ESPÍRITO SANTO E OS DONS ESPIRITUAIS PRESENTES DO CÉU O ESPÍRITO SANTO E OS DONS ESPIRITUAIS ATROFIA SINTOMAS DE ATROFIA CAUSAS DE ATROFIA 1. ATROFIA POR IGNORÂNCIA Irmãos, quanto aos dons espirituais, não quero que vocês sejam ignorantes.

Leia mais

Igreja - Uma face em construção Parte I: Lançando os fundamentos

Igreja - Uma face em construção Parte I: Lançando os fundamentos Parte I: Lançando os fundamentos 1. Obediência - mesmo em contexto de perigo 2. Nada há a fazer sem serem cheios do Espírito 3. Nem tudo entendemos - Nem tudo saberemos 4. Uma visão local precisa dar lugar

Leia mais

COPYRIGHT 2016 - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - SABER E FÉ

COPYRIGHT 2016 - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - SABER E FÉ Aviso importante! Esta disciplina é uma propriedade intelectual de uso exclusivo e particular do aluno da Saber e Fé, sendo proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo, exceto em breves citações

Leia mais

FORMAÇÃO SUBSÍDIO MISSIONÁRIO. Oficina 5 Questões Práticas

FORMAÇÃO SUBSÍDIO MISSIONÁRIO. Oficina 5 Questões Práticas FORMAÇÃO SUBSÍDIO MISSIONÁRIO Oficina 5 Questões Práticas O Papa Francisco no Evangelho da Alegria diz: Hoje todos somos chamados a esta nova «saída» missionária. (EG n. 20) Fiel ao modelo do mestre, é

Leia mais

Preparado por: Pr. Wellington Almeida LIÇÃO SENHOR DE JUDEUS E. O Evangelho. Mateus

Preparado por: Pr. Wellington Almeida LIÇÃO SENHOR DE JUDEUS E. O Evangelho. Mateus Preparado por: Pr. Wellington Almeida GENTIOS07 LIÇÃO SENHOR DE JUDEUS E O Evangelho Mateus de LIÇÃO - II TRI 2016 07 INTRODUÇÃO esboço Israel não era o único povo com o qual Deus Se importava.seria por

Leia mais

Solenidade da Assunção da Virgem Maria 21 de agosto de 2016

Solenidade da Assunção da Virgem Maria 21 de agosto de 2016 Solenidade da Assunção da Virgem Maria 21 de agosto de 2016 Caríssimos Irmãos e Irmãs: Celebramos, com intenso júbilo, a vitória da vida sobre a morte inaugurada pelo Cristo e, hoje, realidade Naquela

Leia mais

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM 1) Oração Quarta-feira da 5ª Semana da Quaresma Ó Deus de

Leia mais

EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO CAPÍTULO 22 NÃO SEPAREIS O QUE DEUS UNIU

EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO CAPÍTULO 22 NÃO SEPAREIS O QUE DEUS UNIU EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO CAPÍTULO 22 NÃO SEPAREIS O QUE DEUS UNIU - Indissolubilidade do casamento - O divórcio INDISSOLUBILIDADE DO CASAMENTO Lei do Homem Mutável As leis humanas transformam-se

Leia mais

LIÇÃO 1 ESCATOLOGIA, O ESTUDO DAS ÚLTIMAS COISAS. Prof. Lucas Neto

LIÇÃO 1 ESCATOLOGIA, O ESTUDO DAS ÚLTIMAS COISAS. Prof. Lucas Neto LIÇÃO 1 ESCATOLOGIA, O ESTUDO DAS ÚLTIMAS COISAS Prof. Lucas Neto INTRODUÇÃO O FIM DA HUMANIDADE O fim da humanidade na terra será marcada pela gloriosa volta de Jesus e nos desdobramentos dos acontecimentos,

Leia mais

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM Terça-feira da 32ª Semana do Tempo Comum 1) Oração Deus de

Leia mais

O OBREIRO E O RELACIONAMENTO FAMILIAR Ef 5:22-23 Ef 6:1-4 I Pe 3:1-7 I Cor 7:3-5 I Cor 7:33-34

O OBREIRO E O RELACIONAMENTO FAMILIAR Ef 5:22-23 Ef 6:1-4 I Pe 3:1-7 I Cor 7:3-5 I Cor 7:33-34 O OBREIRO E O RELACIONAMENTO FAMILIAR Ef 5:22-23 Ef 6:1-4 I Pe 3:1-7 I Cor 7:3-5 I Cor 7:33-34 INTRODUÇÃO: De conformidade com a palavra de Deus, o obreiro deve ter um bom, correto e eficaz relacionamento

Leia mais

INTRODUÇÃO À CARTA DE PAULO AOS EFÉSIOS Mensagem pregada pelo Pr Luciano R. Peterlevitz na Igreja Batista Novo Coração, em 10 de abril de 2015.

INTRODUÇÃO À CARTA DE PAULO AOS EFÉSIOS Mensagem pregada pelo Pr Luciano R. Peterlevitz na Igreja Batista Novo Coração, em 10 de abril de 2015. INTRODUÇÃO À CARTA DE PAULO AOS EFÉSIOS Mensagem pregada pelo Pr Luciano R. Peterlevitz na Igreja Batista Novo Coração, em 10 de abril de 2015. Efésios 1.1-2: 1 Paulo, apóstolo de Jesus Cristo, pela vontade

Leia mais

Por que Natal Vintage?

Por que Natal Vintage? Por que Natal Vintage? ü Vintage é uma palavra emprestada do mundo da moda e da decoração que tem sido utilizada para referir-se a um estilo retrô, que embora antigo, vale no mundo contemporâneo como algo

Leia mais

Tudo que poderiam ter contado para Ellen White sobre o Natal...

Tudo que poderiam ter contado para Ellen White sobre o Natal... Tudo que poderiam ter contado para Ellen White sobre o Natal... https://www.youtube.com/watch?v=qwzc9nq3h0g Mas ninguém deve ter dito com medo de contrariar a pena inspirada da irmã profetisa! Ou você

Leia mais

MISSA - A COMUNIDADE SE REÚNE PARA CELEBRAR A VIDA

MISSA - A COMUNIDADE SE REÚNE PARA CELEBRAR A VIDA MISSA - A COMUNIDADE SE REÚNE PARA CELEBRAR A VIDA A Eucaristia é o sacramento que atualiza e faz a memória do sacrifício de Jesus: em cada Eucaristia temos a presença do Cristo que pela sua morte e ressurreição

Leia mais

...batizando em nome do Pai, e do Filho, e do Espirito Santo...

...batizando em nome do Pai, e do Filho, e do Espirito Santo... ESTUDO DO BATISMO : O objetivo deste estudo é levar ao irmão(a), o conhecimento da verdade bíblica sobre o batismo ensinado por Jesus Cristo, que nestes dias possamos abrir nossa mente e coração para absorvermos

Leia mais

Jesus e a Sua Mensagem de Saúde. Como criador do Universo, Ele sabe o que é melhor para nós

Jesus e a Sua Mensagem de Saúde. Como criador do Universo, Ele sabe o que é melhor para nós Jesus e a Sua Mensagem de Saúde Como criador do Universo, Ele sabe o que é melhor para nós Agosto de 2008 2 No Princípio, Jesus criou o Céu e a Terra (João 1:1-3, 10). Jesus criou os animais para servir

Leia mais

TEMOS QUE CRIAR ENRAIZAMENTO AOS PRINCÍPIOS.

TEMOS QUE CRIAR ENRAIZAMENTO AOS PRINCÍPIOS. Em João 6:66 vemos que um grupo de discípulos abandonam a Jesus. Todavia, o que me deixa curioso, é como alguém, sendo verdadeiramente convertido, consegue abandonar a Cristo? Ou pior; como aqueles discípulos

Leia mais

O primeiro mito: o dinheiro traz felicidade

O primeiro mito: o dinheiro traz felicidade O primeiro mito: o dinheiro traz felicidade Observe agora o primeiro mito: o dinheiro traz felicidade. Quantas pessoas pensam assim: Ah!, se eu morasse no bairro tal, se eu tivesse o apartamento tal, se

Leia mais

Evangelho. O sal da terra / Luz do Mundo / Interpretação da Lei" Mateus: 5:13-20

Evangelho. O sal da terra / Luz do Mundo / Interpretação da Lei Mateus: 5:13-20 Evangelho O sal da terra / Luz do Mundo / Interpretação da Lei" Mateus: 5:13-20 Mateus 5 13 Vós sois o sal da terra; e se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta senão para se

Leia mais

Diz respeito ao que vamos realizar em Cristo, pelo poder do Espírito Santo para cumprir a nossa missão:

Diz respeito ao que vamos realizar em Cristo, pelo poder do Espírito Santo para cumprir a nossa missão: II) NOSSA VISÃO Diz respeito ao que vamos realizar em Cristo, pelo poder do Espírito Santo para cumprir a nossa missão: A) Adorar a Deus em espírito e verdade Queremos viver o propósito para o qual Deus

Leia mais

Paulo. O sofrimento de Paulo

Paulo. O sofrimento de Paulo Paulo O sofrimento de Paulo Mas temos esse tesouro em vasos de barro, para mostrar que este poder que a tudo excede provém de Deus, e não de nós. De todos os lados somos pressionados, mas não desanimados;

Leia mais

Lição 9 Completar com Alegria

Lição 9 Completar com Alegria Lição 9 Completar com Alegria A igreja estava cheia. Era a época da colheita. Todos tinham trazido algo das suas hortas, para repartir com os outros. Havia muita alegria enquanto as pessoas cantavam louvores

Leia mais

Havia um certo homem rico, que tinha um administrador; e este foi acusado perante ele de estar esbanjando os seus bens. Quando soube, o rico o chamou

Havia um certo homem rico, que tinha um administrador; e este foi acusado perante ele de estar esbanjando os seus bens. Quando soube, o rico o chamou Havia um certo homem rico, que tinha um administrador; e este foi acusado perante ele de estar esbanjando os seus bens. Quando soube, o rico o chamou e disse-lhe: - Que é isto que ouço de ti? Quero que

Leia mais

Liderança. Cap Liderança, do livro: PISANI, E. M.; PEREIRA, S.; RIZZON, L. A. Temas de Psicologia Social. Petrópolis: Vozes, 1994.

Liderança. Cap Liderança, do livro: PISANI, E. M.; PEREIRA, S.; RIZZON, L. A. Temas de Psicologia Social. Petrópolis: Vozes, 1994. Liderança Cap. 10 - Liderança, do livro: PISANI, E. M.; PEREIRA, S.; RIZZON, L. A. Temas de Psicologia Social. Petrópolis: Vozes, 1994. pag 143 a 156 Um dos fatos mais impressionantes e universais sobre

Leia mais

A Quaresma como combate espiritual Dom, 28 de Dezembro de :14 - Última atualização Ter, 19 de Abril de :42

A Quaresma como combate espiritual Dom, 28 de Dezembro de :14 - Última atualização Ter, 19 de Abril de :42 Pe. Henrique Soares da Costa 1. Exorto-vos, irmãos, pela misericórdia de Deus, a que ofereçais vossos corpos como hóstia viva, santa e agradável a Deus: este é o vosso culto espiritual. E não vos conformeis

Leia mais

Apresentação relativa ao Novo Testamento Evangelhos, Atos, Cartas e Apocalipse. A Bíblia é

Apresentação relativa ao Novo Testamento Evangelhos, Atos, Cartas e Apocalipse. A Bíblia é Apresentação relativa ao Novo Testamento Evangelhos, Atos, Cartas e Apocalipse A Bíblia é Pois é, após um longo percurso de descoberta do Antigo Testamento, chegou a vez de descobrir um pouco mais acerca

Leia mais

A utopia platônica. Perspectiva política da alegoria da caverna: a sofocracia. Educação e política: as três classes

A utopia platônica. Perspectiva política da alegoria da caverna: a sofocracia. Educação e política: as três classes Ideias políticas Platão Pp. 311-312 A utopia platônica Perspectiva política da alegoria da caverna: a sofocracia Educação e política: as três classes A utopia platônica é elaborada na época da decadência,

Leia mais

Koinonia, descobrindo a alegria de pertencer.

Koinonia, descobrindo a alegria de pertencer. ESTUDO 07 TENHAM IGUAL CUIDADO UNS PELOS OUTROS Sinônimos: Cooperem, com igual cuidado, em favor uns dos outros. Sejam solícitos uns para com os outros. Todas as partes tenham o mesmo interesse umas pelas

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta ISAÍAS VÊ O FUTURO

Bíblia para crianças. apresenta ISAÍAS VÊ O FUTURO Bíblia para crianças apresenta ISAÍAS VÊ O FUTURO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Jonathan Hay Adaptado por: Mary-Anne S. Traduzido por: Berenyce Brandão Produzido por: Bible for Children www.m1914.org

Leia mais

LIÇÃO 9 Jesus Empregava os Melhores Métodos

LIÇÃO 9 Jesus Empregava os Melhores Métodos LIÇÃO 9 Jesus Empregava os Melhores Métodos Derrubar árvores é, às vezes, bastante perigoso. O homem encarregado do projecto tem a autoridade de escolher o melhor método, conforme a situação da árvore

Leia mais

19. O que pensar das pessoas que, sofrendo ingratidão por benefícios prestados, não querem mais fazer o bem, com medo de encontrar ingratos?

19. O que pensar das pessoas que, sofrendo ingratidão por benefícios prestados, não querem mais fazer o bem, com medo de encontrar ingratos? 19. O que pensar das pessoas que, sofrendo ingratidão por benefícios prestados, não querem mais fazer o bem, com medo de encontrar ingratos? GUIA PROTECTOR Sens, 1862 Essas pessoas têm mais egoísmo do

Leia mais

Nº 35 C Domingo XXX do Tempo Comum

Nº 35 C Domingo XXX do Tempo Comum Nº 35 C Domingo XXX do Tempo Comum-27.10.13 Se eu for como o fariseu, rezo só a falar em mim: EU...EU...EU... Eu, Senhor, sou o melhor de todos. Eu não sou mentiroso, como os meus colegas. Eu digo bom-dia

Leia mais

Evangelho de Lucas. O caminho aberto por Jesus: é o começo da Alegria em Deus Misericordioso.

Evangelho de Lucas. O caminho aberto por Jesus: é o começo da Alegria em Deus Misericordioso. Evangelho de Lucas O caminho aberto por Jesus: é o começo da Alegria em Deus Misericordioso. A Dimensão Bíblica da Missão Verbita Brasil Norte SVD Referente: Benjamin Eber Barrios (Gigio) SVD Material

Leia mais

Lição 4 A transmissão do Evangelho (poder e convicção)

Lição 4 A transmissão do Evangelho (poder e convicção) Lição 4 A transmissão do Evangelho (poder e convicção) Texto bíblico: 1Tessalonicenses 1.4,5 É muito comum, nos momentos que antecedem a pregação, ouvir a seguinte oração: Que as palavras deste pregador

Leia mais

Instituto Recife Norte Preparação Missionária Professor Willian Silva

Instituto Recife Norte Preparação Missionária Professor Willian Silva Instituto Recife Norte Preparação Missionária Professor Willian Silva Doutrinas e Princípios a Compreender Prestar testemunho convida o Espírito a nosso ensino. Obtemos a palavra pela fé. Deus promete

Leia mais

1- Salvação Senhor, deixe a Salvação. 3 Amor Permita, Senhor, que meus filhos

1- Salvação Senhor, deixe a Salvação. 3 Amor Permita, Senhor, que meus filhos 1- Salvação Senhor, deixe a Salvação florescer dentro dos meus filhos, para que eles obtenham a Salvação de Cristo Jesus, com glória eterna. (2 Timóteo 2:10) 2 Crescimento na Graça Eu oro para que eles

Leia mais

21. Sujeitem-se uns aos outros, por temor a Cristo. 22. Mulheres, sujeite-se cada uma a seu marido, como ao Senhor, 23. pois o marido é o cabeça da

21. Sujeitem-se uns aos outros, por temor a Cristo. 22. Mulheres, sujeite-se cada uma a seu marido, como ao Senhor, 23. pois o marido é o cabeça da 21. Sujeitem-se uns aos outros, por temor a Cristo. 22. Mulheres, sujeite-se cada uma a seu marido, como ao Senhor, 23. pois o marido é o cabeça da mulher, como também Cristo é o cabeça da igreja, que

Leia mais

MULTIPLICANDO BEM-ESTAR. Como desenvolver sua própria distribuição de base domiciliar, ilimitada e milionária.

MULTIPLICANDO BEM-ESTAR. Como desenvolver sua própria distribuição de base domiciliar, ilimitada e milionária. MULTIPLICANDO BEM-ESTAR Como desenvolver sua própria distribuição de base domiciliar, ilimitada e milionária Apresentação: Sergio Buaiz O que é Bem-Estar? É sentir-se bem, feliz e confiante. Equilibrar

Leia mais

LADAINHA LAURETANA OU LADAINHA DA SANTÍSSIMA VIRGEM

LADAINHA LAURETANA OU LADAINHA DA SANTÍSSIMA VIRGEM LADAINHA LAURETANA OU LADAINHA DA SANTÍSSIMA VIRGEM A palavra ladainha vem do grego e significa súplica. Mas desde o início da Igreja ela foi utilizada para indicar não quaisquer súplicas, mas as que eram

Leia mais

ORÇAMENTO EMPRESARIAL CONCEITOS E APLICAÇÕES PROF. SILVIA FLORES ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ORÇAMENTO EMPRESARIAL CONCEITOS E APLICAÇÕES PROF. SILVIA FLORES ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ORÇAMENTO EMPRESARIAL CONCEITOS E APLICAÇÕES PROF. SILVIA FLORES ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ORÇAMENTO É um plano administrativo que cobre todas as operações da empresa, para um período de

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO. PAULO E A CARTA AOS romanos

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO. PAULO E A CARTA AOS romanos IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula XVIII O fim do PROGRAMA DE PAULO E A CARTA AOS romanos A SEGUNDA CARTA AOS CORÍNTIOS Conteúdo A segunda carta

Leia mais

O CAMINHO DA VIDA ESPIRITUAL EM CASAL A ESPIRITUALIDADE CONJUGAL

O CAMINHO DA VIDA ESPIRITUAL EM CASAL A ESPIRITUALIDADE CONJUGAL O CAMINHO DA VIDA ESPIRITUAL EM CASAL A ESPIRITUALIDADE CONJUGAL 1 Porquê um Tema de Estudo na pedagogia das ENS 1.1 As três Atitudes Procura Assídua da Vontade de Deus Escritura Doutrina Cultura Razões

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA IGREJA LOCAL

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA IGREJA LOCAL PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA IGREJA LOCAL Questões Estratégicas Que tipo de igreja queremos ser nos próximos 10 anos? Como chegar lá? Quais os rumos, os caminhos que devemos seguir? Que planos devemos traçar?

Leia mais

Rebelião Redenção. Preparado por: Pr. Wellington Almeida I TRI 2016

Rebelião Redenção. Preparado por: Pr. Wellington Almeida I TRI 2016 Rebelião Redenção e Preparado por: Pr. Wellington Almeida I TRI 2016 O grande LIÇÃO 9 e a Igreja conflito primitiva Preparado por: Pr. Wellington Almeida O grande conflito e a igreja esboço LIÇÃO - I TRI

Leia mais

O Homem de bem. Roteiro 7

O Homem de bem. Roteiro 7 O Homem de bem Roteiro 7 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro IV Espiritismo, o Consolador Prometido por Jesus Módulo IV A humanidade regenerada Objetivos Relacionar

Leia mais

CURSO DE SUPERVISORES

CURSO DE SUPERVISORES 2016 CURSO DE SUPERVISORES [Com Ferramentas de Coaching] AULA 7 Bruno Monteiro AAULA 7 APRENDENDO A DESAFIAR A EQUIPE A CRESCERR Os bons líderes precisam viver o que eu chamo de melhoria contínua. Ou seja,

Leia mais

O apocalipse de João. Roteiro 21

O apocalipse de João. Roteiro 21 O apocalipse de João Roteiro 21 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro I Cristianismo e Espiritismo Módulo II O Cristianismo FEB EADE Livro I Módulo II Roteiro 21 O

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula XXII A PRIMEIRA CARTA DE PEDRO E REFLEXÕES SOBRE O SOFRIMENTO Até aqui o Novo Testamento tem dito pouco sobre

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA. MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula XV AS CARTAS DE TIAGO E GÁLATAS

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA. MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula XV AS CARTAS DE TIAGO E GÁLATAS IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula XV AS CARTAS DE TIAGO E GÁLATAS A LITERATURA DE PROTESTO A controvérsia a respeito da circuncisão obrigatória

Leia mais

EMPREENDENDO NA CRISE. Thiago Oliveira

EMPREENDENDO NA CRISE. Thiago Oliveira EMPREENDENDO NA CRISE Thiago Oliveira 10 dicas para empreender na crise OPORTUNIDADE AFASTAR-SE DO PESSIMISMO E DE PESSIMISTAS PRATICAR NOSSOS IDEAIS LIDERANÇA MUDAR A MENTALIDADE BUSCAR MELHORIAS REIVENTAR-SE

Leia mais

OS DONS DO ESPÍRITO SANTO Alexandre Bastos

OS DONS DO ESPÍRITO SANTO Alexandre Bastos OS DONS DO ESPÍRITO SANTO Alexandre Bastos Recebereis poder do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da

Leia mais

Deus. Coisas físicas Nº1

Deus. Coisas físicas Nº1 A ESSÊNCIA DE TUDO, A Santidade, Retidão e Justiça de Nº1 Deus Deus é diferente de todos os outros seres. Só Ele é infinito e não criado. Todos os demais são finitos e criados. O termo bíblico para essa

Leia mais

Provações - O Privilégio de Sofrer por Cristo

Provações - O Privilégio de Sofrer por Cristo Provações - O Privilégio de Sofrer por Cristo Zacarias 13:9 E estes que sobrarem eu farei passar pelo fogo. Eu os purificarei como se purifica a prata e os refinarei como se refina o ouro. Aí eles orarão

Leia mais

Gr.Bíblico. Evangelho de. Nossa Senhora Conceição

Gr.Bíblico. Evangelho de. Nossa Senhora Conceição Evangelho de São Lucas Ano litúrgico C O Terceiro Envangelho O TEMPO DE JESUS E O TEMPO DA IGREJA Este evangelho põe em relevo as etapas da obra de Deus na História. Mais do que Mateus e Marcos, ao falar

Leia mais

Sinais de adoração para uma Nova Aliança Hebreus 9:1-10

Sinais de adoração para uma Nova Aliança Hebreus 9:1-10 Sinais de adoração para uma Nova Aliança Hebreus 9:1-10 O Tabernáculo Santo dos Santos Mesa dos pães da presença O Candelabro Arca da Aliança Lugar Santo Mesa dos pães Mesa do incenso O véu O Santo dos

Leia mais

ISAQUE E REBECA: CASAMENTO E FILHOS

ISAQUE E REBECA: CASAMENTO E FILHOS Momento com Deus Crianças de 7 a 9 anos NOME: DATA: 09/06/2013 ISAQUE E REBECA: CASAMENTO E FILHOS Versículos para Decorar 1- Quem quiser tornar-se importante entre vocês deverá ser servo. Marcos 10:43b

Leia mais

8º Capítulo. Petros Os Dons Pilares 1ª Parte

8º Capítulo. Petros Os Dons Pilares 1ª Parte 8º Capítulo Petros Os Dons Pilares 1ª Parte O texto de I Co 12:7-11 fala sobre os dons espirituais, aqui chamados de carismáticos; O texto de Ef 4:11 fala sobre os dons ministeriais, aqui chamados de dons

Leia mais

Breve Biografia e Seleção de Frases John Wesley

Breve Biografia e Seleção de Frases John Wesley Breve Biografia e Seleção de Frases John Wesley John Wesley Não poderia deixar de colocar aqui este servo de Deus, não especialmente ministro de curas, na verdade um dos primeiros avivalistas da história.

Leia mais

Regularização de Estágios Obrigatórios 2011 LEI , DE 25 DE SETEMBRO DE 2008

Regularização de Estágios Obrigatórios 2011 LEI , DE 25 DE SETEMBRO DE 2008 LEI 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008 Artigo 2º, parágrafo 1º, estágio obrigatório é aquele definido como tal no projeto do curso, cuja carga horária é requisito para aprovação e obtenção de diploma. Artigo

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula XVII O PROGRAMA DE PAULO ii E A primeira CARTA AOS CORÍNTIOS A MISSÃO À ACAIA Atenas A cidade de Atenas era uma

Leia mais

Federação Espírita Catarinense 14ª União Regional Espírita Departamento de Estudo e Divulgação Doutrinária PROJETO O CONSOLADOR

Federação Espírita Catarinense 14ª União Regional Espírita Departamento de Estudo e Divulgação Doutrinária PROJETO O CONSOLADOR PROJETO O CONSOLADOR TEMÁRIO PARA PALESTRAS DO TRIMESTRE JULHO, AGOSTO e SETEMBRO/2016 no HOSPITAL REGIONAL DE SÃO JOSÉ MÊS DE JULHO/2016 Dia 01/07/16 DIFERENTES ESTADOS DA ALMA NA ERRATICIDADE 1) O Evangelho

Leia mais

I - Conceito e dimensões:

I - Conceito e dimensões: I - Conceito e dimensões: 1. O sacramento da Confirmação que imprime caráter e pelo qual os batizados, continuando o caminho da iniciação cristã são enriquecidos com o dom do Espírito Santo e vinculados

Leia mais

O líder influenciador

O líder influenciador A lei da influência O líder influenciador "Inflenciar é exercer ação psicológica, domínio ou ascendências sobre alguém ou alguma coisa, tem como resultado transformações físicas ou intelectuais". Liderança

Leia mais

COMO INICIAR UM GRUPO DE JOVENS DA PJMP

COMO INICIAR UM GRUPO DE JOVENS DA PJMP COMO INICIAR UM GRUPO DE JOVENS DA PJMP Preparando o Terreno Quem se dispõe a formar e acompanhar um novo grupo de jovens precisa ter conhecimento de algumas coisas como: O objetivo da Pastoral da Juventude

Leia mais

Participar de Conselhos

Participar de Conselhos Como identificar os membros necessitados e ajudá-los a progredir Participar de Conselhos SELF-RELIANCE SERVICES/PEF Nos conselhos, os líderes se reúnem sob a direção das autoridades presidentes para discutir

Leia mais

A leitura da Bíblia. questões centrais

A leitura da Bíblia. questões centrais questões centrais O que é a Bíblia? Quem é o autor e como escreveu? O que é o tema central? Por quê devo lê-la? Quando devo lê-la? Como? Requisitos? Como? Ajuda? Um novo propósito! o que é a Bíblia (1)

Leia mais

Paternidade: Missão e Dever. Dora Rodrigues

Paternidade: Missão e Dever. Dora Rodrigues Paternidade: Missão e Dever Dora Rodrigues História do dia dos pais O primeiro Dia dos Pais foi comemorado em 19 de junho de 1910, em Washington. A rosa foi escolhida como a flor oficial do evento. Em

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

O QUE DEUS PODE FAZER COM OSSOS SECOS. Ezequiel 37:1-14

O QUE DEUS PODE FAZER COM OSSOS SECOS. Ezequiel 37:1-14 O QUE DEUS PODE FAZER COM OSSOS SECOS Ezequiel 37:1-14 A mão do Senhor estava sobre mim, e por seu Espírito ele me levou a um vale cheio de ossos. Ele me levou de um lado para outro, e pude ver que era

Leia mais

AME - Aliança Municipal Espírita de Uberlândia Núcleo de Educação Espírita Departamento de Família

AME - Aliança Municipal Espírita de Uberlândia Núcleo de Educação Espírita Departamento de Família AME - Núcleo de Educação Espírita Departamento de Família Sendo os primeiros médicos da alma dos filhos, deveriam (os pais) ser instruídos não só de seus deveres, mas dos meios de cumprí-los. AlIan Kardec

Leia mais

Juventude Mariana Vicentina Recitação do Terço

Juventude Mariana Vicentina Recitação do Terço Juventude Mariana Vicentina Recitação do Terço S Maria, a Senhora Missionária... Outubro de 2010 Introdução: Ritos Iniciais: C/. Deus, vinde em nosso auxílio. A/. Senhor, socorrei-nos e salvai-nos. C/.,

Leia mais

Ev. Jacson Austragésilo 10/05/2015

Ev. Jacson Austragésilo 10/05/2015 1 2 3 4 OBJETIVO GERAL Mostrar a importância das mulheres no ministério do Senhor Jesus Cristo e na expansão do Reino de Deus. 5 OBJETIVOS ESPECÍFICOS Analisar a participação das mulheres no judaísmo e

Leia mais

Rito para a Coroa do Advento em família Dom, 28 de Dezembro de :56 - Última atualização Qui, 02 de Dezembro de :45

Rito para a Coroa do Advento em família Dom, 28 de Dezembro de :56 - Última atualização Qui, 02 de Dezembro de :45 Caro Internauta, ofereço-lhe este rito para a Coroa do Advento. Que você e sua família possam ter um santo tempo de preparação para o Natal, como é de se esperar de uma família cristã. A coroa do Advento

Leia mais

ATA REUNIÃO COMITÊ AUTO-SUFICIÊNCIA ESTACA CARIACIA- BRASIL 27 de dezembro de 2015

ATA REUNIÃO COMITÊ AUTO-SUFICIÊNCIA ESTACA CARIACIA- BRASIL 27 de dezembro de 2015 Participantes: Conselheiro na presidência da Estaca: Ausente Sumo conselho designado: Ausente. Presidente da Sociedade de Socorro da Estaca: Deyse (Valderez Caiafa) Presidente do conselho de Bem-Estar

Leia mais

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDO 1 NOVA VIDA O presente curso ajudará você a descobrir fatos da Palavra de Deus, fatos os quais você precisa para viver a vida em toda a sua plenitude. Por este estudo

Leia mais

MOTIVAÇÃO PARA O TRABALHO VOLUNTÁRIO

MOTIVAÇÃO PARA O TRABALHO VOLUNTÁRIO MOTIVAÇÃO PARA O TRABALHO VOLUNTÁRIO CVL - Centro Voluntário de Londrina (VÍDEO DA ESCADA) O QUE É SER UM VOLUNTÁRIO Ser voluntário é doar seu tempo, trabalho e talento para causas de interesse social

Leia mais

Formação para leitores e comentaristas. O Serviço da Palavra na Liturgia

Formação para leitores e comentaristas. O Serviço da Palavra na Liturgia Formação para leitores e comentaristas O Serviço da Palavra na Liturgia Os encontros oferecem um quadro geral do valor e importância da Palavra de Deus na liturgia. Elaboram indicações e sugestões de como

Leia mais

KJV King James Bible Study Correspondence Course An Outreach of Highway Evangelistic Ministries 5311 Windridge lane ~ Lockhart, Florida 32810 ~ USA

KJV King James Bible Study Correspondence Course An Outreach of Highway Evangelistic Ministries 5311 Windridge lane ~ Lockhart, Florida 32810 ~ USA 1 O Tribunal de Cristo Lição 16 (volte para as páginas 4, e 5) Quem será julgado no dia do julgamento? Como isto tomará lugar, e o que envolverá? A vida cristã é uma série de verdades imprevisíveis. A

Leia mais

Treinamento de Instrutores Bíblicos. DONS ESPIRITUAIS: Chaves Para o Ministério

Treinamento de Instrutores Bíblicos. DONS ESPIRITUAIS: Chaves Para o Ministério North American Division Portuguese Ministry Treinamento de Instrutores Bíblicos DONS ESPIRITUAIS: Chaves Para o Ministério Dons Espirituais: Chaves Para o Ministério I. Por que devemos aprender sobre os

Leia mais

Advento é uma palavra latina, ad-venio,

Advento é uma palavra latina, ad-venio, Advento -Tempo de preparação para o Natal - Advento é uma palavra latina, ad-venio, que significa aproximar-se, vir chegando aos poucos. Durante as quatro semanas do Advento preparamo-nos para o Natal.

Leia mais

Lição 8 Aprendendo a dizimar

Lição 8 Aprendendo a dizimar Lição 8 Aprendendo a dizimar Texto Bíblico: 1Coríntios 16.1-3; 2Coríntios 9.7 INTRODUÇÃO Deus deseja que tomemos conta daquilo que Ele nos confia. A boa administração dos bens não é dever somente daqueles

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA A IMPORTÂNCIA DAS OBRAS DE FÉ William Soto Santiago Cayey Porto Rico 16 de Março de 2011 Reverendo William Soto Santiago, Ph. D. CENTRO DE DIVULGAÇÃO DO EVANGELHO DO REINO http://www.cder.com.br E-mail:

Leia mais

Quando a calamidade assalta as nossas vidas... Deus nos dá uma viva esperança!

Quando a calamidade assalta as nossas vidas... Deus nos dá uma viva esperança! Quando a calamidade assalta as nossas vidas... 11 Amados, exorto-vos, como peregrinos e forasteiros que sois, a vos absterdes das paixões carnais, que fazem guerra contra a alma, 12 mantendo exemplar o

Leia mais

Cálculo de Soma de Verificação do User Datagram Protocol

Cálculo de Soma de Verificação do User Datagram Protocol Resumo Cálculo de Soma de Verificação do User Datagram Protocol Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática othonb@yahoo.com Mesmo sendo um protocolo que nada garante, o UDP tem um campo no datagrama

Leia mais

Introdução aos Princípios da Gestão Empresarial

Introdução aos Princípios da Gestão Empresarial Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Unidade Curricular Gestão Empresarial ADS 2 M/N Introdução aos Princípios da Gestão Empresarial

Leia mais

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação)

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação) O batismo do Espírito Santo (continuação) #62 Estamos falando sobre alguns dons do Espírito Santo; falamos de suas obras, dos seus atributos, como opera o novo nascimento e, por último, estamos falando

Leia mais

O fascínio por histórias

O fascínio por histórias O fascínio por histórias Histórias que Jesus contou... Significado de Parábola: s.f. Comparação desenvolvida em pequeno conto, no qual se encerra uma verdade, um ensinamento. Trata-se de uma história curta,

Leia mais

Liderança Cristã SEFO 2013

Liderança Cristã SEFO 2013 Liderança Cristã SEFO 2013 3ª Aula Fabio Codo Fábio Codo - http://teologiaaservicoevangelho.wordpress.com Igreja Evangélica Assembleia de Deus Ministério Madureira Campo de Mogi das Cruzes Conteúdo Programático

Leia mais

BLUMENAU: SITUAÇÃO FINANCEIRA A economia dos municípios depende do cenário nacional

BLUMENAU: SITUAÇÃO FINANCEIRA A economia dos municípios depende do cenário nacional BLUMENAU: SITUAÇÃO FINANCEIRA A economia dos municípios depende do cenário nacional - A arrecadação municipal (transferências estaduais e federais) vem crescendo abaixo das expectativas desde 2013. A previsão

Leia mais

REGULAMENTO BEST PRACTICES TOOLBOX

REGULAMENTO BEST PRACTICES TOOLBOX REGULAMENTO BEST PRACTICES TOOLBOX A atividade BEST PRACTICES TOOLBOX está sujeita a este regulamento e, ao se inscrever, o participante automaticamente declara sua concordância com todas as condições

Leia mais

III TRIMESTRE 2015 LIÇÃO IONÁRIOS. Preparado por: Pr. Wellington Almeida

III TRIMESTRE 2015 LIÇÃO IONÁRIOS. Preparado por: Pr. Wellington Almeida III TRIMESTRE 2015 02 LIÇÃO MI S Preparado por: Pr. Wellington Almeida S IONÁRIOS ABRAÃO: O PRIMEIRO MISSIONÁRIO ESBOÇO ABRAÃO INTRODUÇÃO DOM - O Chamado SEG - O Testemunho TER - O Exemplo QUA - A Peregrinação

Leia mais

Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Luciano Moura

Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Luciano Moura Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Luciano Moura 1 de 6 Olá queridos alunos, Hoje faremos alguns comentários acerca da prova para o cargo de Auditor Interno da Prefeitura de Salvador,

Leia mais