SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE PERNAMBUCO SES PROVA ESCRITA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE PERNAMBUCO SES PROVA ESCRITA"

Transcrição

1 SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE PERNAMBUCO SES PROVA ESCRITA 5 ANOS COM A VISÃO DE MUNDO COLOPROCTOLOGIA Pág.1/6

2 QUESTÃO 1 Na etiopatogenia da Hidradenite Supurativa, o fato mais relevante é: QUESTÃO 2 a) sua estreita relação com o Diabetes Mellitus; b) oclusão das glândulas sudoríparas écrinas por tampão queratínico; c) oclusão do orifício glandular apócrino por tampão queratínico; d) vício de postura ao adotar a postura sentada; e) não há relação com o tabagismo. As fístulas anais complexas, tipo em ferradura, geralmente apresentam o orifício interno situado: a) nos quadrantes anteriores direito e esquerdo; b) nos quadrantes posteriores direito e esquerdo; c) na linha mediana anterior; d) na linha mediana posterior; e) não tem localização preferencial. QUESTÃO 3 O surgimento dos fibroblastos no processo de cicatrização das feridas ocorre no: a) 4 o ou 5 o dia; b) 10 o ou 11 o dia; c) 2 o ou 3 o dia; d) 6 o ou 7 o dia; e) 13º ou 14º dia. QUESTÃO 4 A conduta expectante e a administração de antibióticos constituem terapêutica apropriada para uma suspeita de apendicite, identifique a situação: a) criança de 10 anos, com vômitos e sensibilidade marcante no quadrante inferior direito do abdômen; b) mulher grávida, na trigésima semana de gestação; c) adulto jovem, com massa palpável no quadrante inferior direito do abdômen e cujos sintomas se acham em regressão; d) mulher de 60 anos, com história de doença pulmonar obstrutiva crônica; e) paciente com quadro sugestivo de peritonite localizada ou difusa. QUESTÃO 5 O tratamento da lesão traumática do reto extraperitoneal baseia-se em quatro princípios: a) desvio, drenagem, reparo e lavagem distal; b) desvio, drenagem, reparo e lavagem proximal; c) desvio, drenagem, reparo e lavagem copiosa da pelve; d) desvio, reparo, lavagem proximal e lavagem distal; e) reparo, lavagem distal, lavagem proximal e antibioticoterapia. QUESTÃO 6 O tratamento cirúrgico do prurido anal idiopático: a) é a única maneira efetiva para resolução do problema; b) deve ser realizado como medida inicial, já que as medidas clínicas não são de grande valia; c) é a medida mais extrema, utilizada com o intuito de denervação da pele perianal; d) é utilizado freqüentemente na prática clínica; e) é utilizado em casos de neuropatia do pudendo. QUESTÃO 7 As lesões intestinais conhecidas como úlcera em botão de camisa, devido à pequena área de necrose na mucosa e grande área na submucosa e muscular, que ocorrem preferencialmente no ceco ou no retosigmóide, são devidas, geralmente, à: a) Entamoeba histolytica; b) Giárdia lamblia; c) Endolimax nana; d) Hymenolepis nana; e) Citomegalovírus. QUESTÃO 8 Indique qual o segmento colônico é o mais acometido pela Colite Isquêmica: a) ceco; b) reto distal; c) ângulo esplênico; d) metade esquerda do Cólon transverso; e) cólon ascendente. QUESTÃO 9 O preparo de cólon com o manitol a 20% via oral exige do anestesiologista maiores cuidados com: a) alterações do equilíbrio ácido básico; b) poliúria; c) hidratação; d) hipertensão arterial; e) coagulopatia. QUESTÃO 10 Em relação aos quadros inflamatórios perianais, podemos afirmar que: a) a psoríase anal nunca se acompanha de lesões cutâneas clássicas; b) a candidíase provoca lesões úlcerovegetantes com freqüência; c) os quadros inflamatórios não infecciosos nunca provocam prurido anal; d) a tinha pode ser provocada pelo Trichophyton rubrum e as lesões tendem a ser bem delimitadas, circinadas e escamativas; e) a candidíase perianal deve ser tratada com antimicóticos sistêmicos e corticóides tópicos. Pág.2/6

3 QUESTÃO 11 Das poliposes gastrointestinais, qual é a associada aos tumores periampulares: a) Síndrome de Cronkhite-Canada; b) Síndrome de Peutz-Jeghers; c) Polipose Adenomatosa Familiar; d) Carcinoma Hereditário Não Polipóide do Cólon; e) Síndrome de Polipose Juvenil. QUESTÃO 12 O primeiro ramo da artéria mesentérica superior para os cólons é a artéria: a) ileocólica; b) cólica esquerda; c) cólica direita; d) cólica média; e) sigmoideana. QUESTÃO 13 Técnica anestésica que promove maior relaxamento do esfíncter anal: a) anestesia peridural; b) raquianestesia hiperbárica; c) epidural sacra; d) anestesia geral com respiração espontânea; e) anestesia geral com infiltração local. QUESTÃO 14 O melhor indicador isolado de restauração adequada de volume, após trauma cirúrgico de uma proctocolectomia total, é: a) volume sangüíneo; b) débito urinário; c) gases sangüíneos (gasometria); d) elevação da pressão sangüínea; e) ionograma. QUESTÃO 15 A Hidradenite Supurativa tem como principal agente etiológico: a) Streptococus; b) Neisseria; c) Salmonella; d) Staphylococcus; e) Anaeróbios. QUESTÃO 16 A ectasia vascular dos cólons é encontrada mais comumente na seguinte faixa etária: a) 0 a 20 anos; b) 20 a 40 anos; c) 40 a 60 anos; d) 70 a 80 anos; e) em qualquer faixa etária. QUESTÃO 17 As arteríolas que nutrem os mamilos hemorroidários principais são ramos da artéria: a) ilíaca interna; b) retal superior; c) pudenda interna; d) retal média; e) retal inferior. QUESTÃO 18 O tratamento das hemorróidas com injeções esclerosantes está indicado em: a) trombose hemorroidária externa; b) hemorróides internas do I grau; c) hemorróides associada a fissura anal; d) hemorróides mistas; e) apenas um mamilo por sessão. QUESTÃO 19 A cronificação da fissura anal se deve a presença de: a) infecção; b) constipação; c) espasmo do esfíncter; d) papila hipertrófica; e) plicoma sentinela. QUESTÃO 20 Na fossa isquio-retal está localizada a artéria: a) pudenda interna; b) retal superior; c) retal média; d) retal inferior; e) sacral média. QUESTÃO 21 O fator que menos afeta o resultado da excisão local do Câncer do reto é: a) fixação da lesão; b) diferenciação histológica; c) tamanho da lesão; d) infiltração linfática; e) idade do paciente. QUESTÃO 22 O sinal radiológico da impressão digital é encontrado em: a) retocolite ulcerativa inespecífica; b) doença diverticular dos cólons; c) tuberculose colônica; d) colite isquêmica; e) doença de Crohn. QUESTÃO 23 O aumento da pressão intra-luminar de reto provoca o relaxamento do: a) pubo-retal; b) esfíncter interno; c) esfíncteres interno e externo; d) pubo-coccígeo; e) esfíncter externo. Pág.3/6

4 QUESTÃO 24 O músculo responsável pelo tônus do canal anal é: a) pubo-retal; b) ileo-coccígeo; c) esfíncter externo; d) pubo-coccígeo; e) esfíncter interno. QUESTÃO 25 A Operação de Dixon é geralmente empregada nos tumores localizados no: a) reto baixo; b) reto médio com invasão ganglionar; c) reto alto ou sigmóide; d) reto baixo sem invasão ganglionar; e) cólon direito. QUESTÃO 26 A maneira mais efetiva de se melhorar a limpeza de secreções broncopulmonares para pacientes no pósoperatório é: a) inalação de oxigênio; b) broncodilatadores; c) respiração com pressão positiva intermitente; d) solução saturada de iodeto de potássio; e) fisioterapia respiratória. QUESTÃO 27 Homem de 40 anos foi submetido a ressecção abdominoperineal por câncer no reto. Ele não apresentava problemas urinários no pré-operatório. Entretanto, quando foi removido o cateter vesical de demora, ele apresentou dificuldade para urinar. A causa mais provável é: a) angulação de bexiga devido à remoção de seu suporte retal; b) trauma da próstata com edema subseqüente; c) ruptura dos nervos pélvicos autonômicos; d) ligadura da artéria mesentérica inferior adjacente à aorta; e) hipertrofia prostática benigna. QUESTÃO 28 Durante uma retossigmoidoscopia, qual dos seguintes aspectos anatômicos nos dão uma idéia bastante aproximada do limite entre o reto intra e extra-peritoneal: a) válvula retal superior; b) válvula retal média; c) válvula retal inferior; d) alteração da cor da mucosa; e) alteração do pregueamento mucoso. QUESTÃO 29 Um dos seguintes espaços anatômicos permite que os abscessos em ferradura atinjam as duas fossas ísquioretais: a) retro-retal; b) supra-elevador; c) interesfinctérico; d) sub-peritoneal; e) retro-esfinctérico; QUESTÃO 30 O tipo de abscesso anorretal mais freqüente é o: QUESTÃO 31 a) perianal; b) isquio-retal; c) interesfincteriano; d) pós-anal profundo; e) submucoso. O emprego do seton é uma opção no tratamento das fístulas ano-retais. Assinale, dentre as fístulas abaixo relacionadas, aquela em que o seton estaria melhor indicado: a) interesfincteriana; b) transesfincteriana baixa; c) submucosa; d) supra-esfincteriana; e) subcutânea. QUESTÃO 32 Mulher de 58 anos de idade, portadora de procidência do reto, com constipação intestinal crônica e doença diverticular do sigmóide associada, será melhor tratada por: a) operação de Delorme; b) sacropromontofixação do reto com tela de Marlex; c) retossigmoidectomia perineal; d) retossigmoidectomia abdominal com fixação do reto; e) operação de Moschcowitz. QUESTÃO 33 Uma das situações abaixo tem potencial para degeneração maligna: a) Prurido anal. b) Herpes Simples. c) Síndrome de Behçet. d) Condiloma acuminado. e) Proctite por fungo. QUESTÃO 34 Com relação à indicação de colonoscopia em pacientes com pólipos diagnosticados pela retossigmoidoscopia, podemos afirmar que ela está indicada: a) em todos os pacientes acima de 60 anos; b) somente nos pacientes com pólipos adenomatosos; c) somente nos paciente com pólipos hiperplásicos; d) somente nos pacientes com pólipos maiores que 1cm de diâmetro; e) somente nos pacientes com mais de 2 pólipos. QUESTÃO 35 O HIV é um: a) papovírus; b) retrovírus; c) hepadnavírus; d) adenovírus; e) poxvírus. Pág.4/6

5 QUESTÃO 36 Um dos métodos de preparo intestinal, abaixo relacionados, produz a limpeza do cólon com a ingestão de menor volume da respectiva solução: a) manitol a 10%; b) sulfato de sódio; c) fosfato de sódio; d) solução eletrolítica contendo polietilenoglicol (PEG); e) solução eletrolítica balanceada (Oral Gut). QUESTÃO 37 Indique a alternativa correta em relação ao melhor tratamento da colite por desuso: a) Metronidazol na dose de 800 a 1500 mg/dia durante 10 a 14 dias; b) Sulfassalazina 1,5 a 4 g/dia; c) 5-ASA na forma de supositório ou enema associado ao metronidazol por via oral; d) Corticosteróide 20 a 60mg de predinisona/dia; e) Não requer tratamento específico e o quadro é revertido após a reconstrução do trânsito intestinal. QUESTÃO 38 Considerando-se a concepção fisiopatológica, na qual se fundamenta atualmente o tratamento do megacólon chagásico, qual das operações abaixo deve apresentar maiores índices de recidivas? a) Retossigmoidectomia abdominal. b) Retossigmoidectomia abdominoperineal. c) Sigmoidectomia Videolaparoscópica. d) Abaixamento retro-retal do cólon com anastomose terminolateral imediata realizada manualmente. e) Abaixamento retro-retal com anastomose terminolateral imediata realizada por sutura mecânica com grampeador linear. QUESTÃO 39 Após a realização de uma colostomia em alça para tratamento de trauma colo-retal, o tempo que se deve aguardar para o fechamento do estoma com o objetivo de diminuir o risco de deiscência de sutura é de: a) 2 a 4 semanas; b) 4 a 6 semanas; c) 8 a 12 semanas; d) 10 a 12 semanas; e) 1 a 2 meses. QUESTÃO 40 Qual camada da parede intestinal é a mais importante a ser incluída nos pontos de sutura, quando se realiza uma anastomose colônica manualmente? a) Serosa. b) Muscular. c) Mucosa. d) Submucosa. e) Todas têm a mesma importância. QUESTÃO 41 A melhor conduta terapêutica para um pólipo colônico séssil, com 1,3cm de diâmetro, e achado de carcinoma superficial invasivo, é: a) polipectomia e acompanhamento endoscópico semestral; b) colostomia e polipectomia; c) polipectomia e quimioterapia com levamisol e 5 fluoracil d) ressecção standard para câncer; e) ablação por laser. QUESTÃO 42 O tratamento da procidência retal geralmente é: a) cirúrgico na criança e conservador no adulto; b) conservador na criança e cirúrgico no adulto; c) cirúrgico na criança e no adulto; d) sempre conservador. e) a conduta terapêutica independe da idade do paciente. QUESTÃO 43 É o achado físico mais freqüentemente presente na Síndrome de Ogilvie: a) distensão abdominal; b) peristaltismo abdominal visível; c) dor abdominal; d) ausência de ruídos peristálticos; e) cicatriz cirúrgica abdominal ou pélvica recente; QUESTÃO 44 A fístula mais comumente encontrada como complicação da diverticulite é: a) colocutânea; b) colo-entérica; c) colo-uterina; d) colovaginal; e) colovesical. QUESTÃO 45 O melhor método para o diagnóstico da Colite isquêmica é: a) enema baritado; b) endoscopia; c) tomografia computadorizada; d) ultra-sonografia; e) angiografia. QUESTÃO 46 A estenose de uma colostomia no período pósoperatório é quase sempre devido à: a) reação ao material de sutura; b) aplicação inapropriada das bolsas de colostomia; c) efeitos isquêmicos; d) hemostasia inadequada; e) doença diverticular do cólon. Pág.5/6

6 QUESTÃO 47 Paciente do sexo masculino, 60 anos de idade, com quadro de constipação há seis meses. A eletromiografia revelou aumento da atividade do músculo pubo-retal durante a Manobra de Valsalva. A melhor opção de tratamento para este paciente é: a) miomectomia ano-retal; b) biofeedback; c) secção do pubo-retal; d) esfincterotomia interna; e) prescrição de laxantes suaves. QUESTÃO 48 Podemos conceituar anismo como: a) um distúrbio do esfíncter anal externo; b) um intenso desconforto na região anal devido a causas orgânicas variadas; c) o não relaxamento do esfíncter anal interno durante a evacuação; d) a principal causa de incontinência fecal noturna; e) a contração paradoxal da musculatura do assoalho pélvico durante o esforço para evacuar. QUESTÃO 49 A causa mais comum de fístula retovaginal é: a) carcinoma do reto; b) doença de Crohn; c) trauma obstétrico; d) abscesso perianal; e) radiação. QUESTÃO 50 Paciente apresentando descarga de muco pelo ânus, prurido perianal e soiling, algumas semanas após uma esfincterotomia na linha média posterior para tratamento de fissura anal. Das complicações abaixo, a que melhor explica o problema é: a) abscesso anal crônico; b) deformidade anal tipo buraco de fechadura (Keyhole); c) hematoma interesfincteriano; d) fissura residual; e) incontinência para flatus e fezes. Pág.6/6

SPDM para o Desenvolvimento da Medicina AssociaÅÇo Paulista PROCTOLOGIA

SPDM para o Desenvolvimento da Medicina AssociaÅÇo Paulista PROCTOLOGIA HEMORRÓIDAS: PROCTOLOGIA DilataÅÉes varicosas dos plexos artñrio-venosos hemorroidörios situados na regiço anorretal, causadas por aumento na pressço hidrostötica no plexo venoso hemorroidörio. Podem ser

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 81

PROVA ESPECÍFICA Cargo 81 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 81 QUESTÃO 26 Todas as estruturas descritas abaixo estão no Canal Anal, EXCETO: a) Criptas Anais. b) Linha Denteada. c) Colunas de Morgani. d) Valva inferior de Houston. QUESTÃO

Leia mais

CURSOS PRÉ-CONGRESSO MÓDULO I - MOTILIDADE DIGESTIVA BAIXA Hotel Serra Azul, Gramado, 24 de Setembro de 2008

CURSOS PRÉ-CONGRESSO MÓDULO I - MOTILIDADE DIGESTIVA BAIXA Hotel Serra Azul, Gramado, 24 de Setembro de 2008 1 MÓDULO I - MOTILIDADE DIGESTIVA BAIXA Hotel Serra Azul, Gramado, 24 de Setembro de 2008 08:00 08:15 Etiopatogenia da Incontinência Anal 08:15 08:30 Etiopatogenia da Constipação Intestinal 08:30 08:45

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO PROCTOLOGISTA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO PROCTOLOGISTA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO PROCTOLOGISTA QUESTÃO 21 São afirmativas verdadeiras sobre a anatomia colo-reto-anal, EXCETO: a) A fáscia de Denonvilliers não necessita ser removida na excisão

Leia mais

Afecções Ano Retais. Disciplina de Cirurgia Proctológica. Paulo César

Afecções Ano Retais. Disciplina de Cirurgia Proctológica. Paulo César Afecções Ano Retais Disciplina de Cirurgia Proctológica Paulo César Hemorroida Hemorroida Doença hemorroidária: Ocorre quando há congestão, dilatação e aumento dos plexos cavernosos, formando grandes emaranhados

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 29. Sobre a anatomia pélvica, todas as afirmativas estão corretas, EXCETO:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 29. Sobre a anatomia pélvica, todas as afirmativas estão corretas, EXCETO: 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 29 QUESTÃO 17 Sobre a anatomia pélvica, todas as afirmativas estão corretas, EXCETO: a) O músculo levantador do ânus é formado pelo Ileococcigeo, Pubococcigeo

Leia mais

FISSURA ANAL DEFINIÇÃO:

FISSURA ANAL DEFINIÇÃO: FISSURA ANAL FISSURA ANAL DEFINIÇÃO: Ulcera linear dolorosa situada no canal anal desde a linha denteada até a margem anal. CLASSIFICAÇÃO ETIOLOGIA FASE Primária ria ou idiopática Secundária Aguda Crônica

Leia mais

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 Doença Inflamatória Intestinal Acometimento inflamatório crônico do TGI. Mulheres > homens. Pacientes jovens (± 20 anos). Doença

Leia mais

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA X COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA ( ) 18.01 Abdome Agudo Diagnóstico (algoritmo) ( ) 18.02 Abdome Agudo Inflamatório Diagnóstico e Tratamento ( ) 18.03 Abdome Agudo na Criança ( ) 18.04 Abdome Agudo

Leia mais

Intestino Grosso. Intestino Grosso. Doença diverticular. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Intestino Grosso. Intestino Grosso. Doença diverticular. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Intestino Grosso Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Intestino Grosso Doença diverticular Câncer de cólon Retocolite ulcerativa Síndrome do intestino irritável Apendicite Reto / Ânus

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 9 Família Lima. Fundamentação Teórica: Hemorroidas e câncer colorretal

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 9 Família Lima. Fundamentação Teórica: Hemorroidas e câncer colorretal CASO COMPLEXO 9 Família Lima : Hemorroidas e câncer colorretal Alexandre Fonoff 1) Hemorroida Hemorroida (do grego antigo αἱμορροΐς (aimorrois), composto de αἷμα (aima) sangue e ῥέω (reo) escorrer ), é

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS SSS13_042_42N677470 SP/Un SS/S/2013 ONHIMNTOS SPÍFIOS QUSTÃO 31 onsiderando a anatomia e a fisiologia do canal anal e do assoalho pélvico, é correto afirmar que QUSTÃO 35 ssinale a opção correta em relação

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

Distúrbios Gastrointetinais

Distúrbios Gastrointetinais Distúrbios Gastrointetinais Anatomia Gastrointestinal Doenças do tubo digestivo Patologias do Esôfago Classificação segundo o mecanismo da doença Anomalias do desenvolvimento (exs: Atresias; hérnias;estenoses)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALCIDES CARNEIRO DIA - 20/12/2009 CARGO: PROCTOLOGISTA C O N C U R S O P Ú B L I C O - H U A C / 2 0 0 9 Comissão de Processos

Leia mais

DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR

DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR MÓDULO ABDOME AULA 2 AVALIAÇÃO INTESTINAL POR TC E RM Prof. Mauricio Zapparoli Neste texto abordaremos protocolos de imagem dedicados para avaliação do intestino delgado através

Leia mais

SES - SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE 2014 PROVA OBJETIVA

SES - SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE 2014 PROVA OBJETIVA Você recebeu o seguinte material: - Uma contendo 50 (cinquenta) questões¹, à cada qual correspondem 4 (quatro) alternativas: A, B, C e D; - Um CARTÃO RESPOSTA personalizado. 1) Após a ordem para o início

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO MORENO Concurso Público 2009 Cargo: Médico Proctologista / Nível Superior CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

PREFEITURA MUNICIPAL DO MORENO Concurso Público 2009 Cargo: Médico Proctologista / Nível Superior CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 01 Qual o melhor exame para estadiamento da diverticulite aguda complicada? A) Ultra-sonografia abdominal. B) Ultra-sonografia abdominal com Doppler. C) Tomografia computadorizada

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO MORENO Concurso Público 2009 Cargo: Médico Proctologista / Nível Superior CONHECIMENTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA.

PREFEITURA MUNICIPAL DO MORENO Concurso Público 2009 Cargo: Médico Proctologista / Nível Superior CONHECIMENTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA. CONHECIMENTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA Texto 1 Numa tirinha de Maurício de Sousa, publicada em O Estado de S. Paulo (22/11/2007, D8), a professora diz à classe: Este ano só o Chico vai ficar em recuperação.

Leia mais

Universidade Federal do Maranhão Hospital Universitário

Universidade Federal do Maranhão Hospital Universitário Universidade Federal do Maranhão Hospital Universitário Protocolo Clínico Data de Emissão: maio/2010 Revisão: nº. Data de Revisão: mês/ano Elaboração: Prof. Ms. João Batista Pinheiro Barreto Alexandre

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE COLOPROCTOLOGIA (SBCP) COMISSÃO DE ENSINO E APERFEIÇOAMENTO MÉDICO

SOCIEDADE BRASILEIRA DE COLOPROCTOLOGIA (SBCP) COMISSÃO DE ENSINO E APERFEIÇOAMENTO MÉDICO SOCIEDADE BRASILEIRA DE COLOPROCTOLOGIA (SBCP) COMISSÃO DE ENSINO E APERFEIÇOAMENTO MÉDICO PROPOSTA DE CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ESPECIALIDADE DE COLOPROCTOLOGIA Abril de 2010 À Comissão Nacional de Residência

Leia mais

2ª PROVA CLINICA CIRURGIA II 1 PARTE

2ª PROVA CLINICA CIRURGIA II 1 PARTE 2ª PROVA CLINICA CIRURGIA II 1 PARTE 1 - Durante uma cirurgia de carcinoma de colo ascendente, uma metástase superficial, de cerca de 1,0 X 0,5 cm foi identificada em superfície de lobo hepático direito.

Leia mais

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Dor abdominal Difusa Localizada Abdome agudo Sem abdome agudo Exames específicos Tratamento específico Estabilizar paciente (vide algoritmo específico) Suspeita

Leia mais

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1 Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal Aula Prá:ca Abdome 1 Obje:vos Entender como decidir se exames de imagem são necessários e qual o método mais apropriado para avaliação de pacientes com

Leia mais

Sociedade Brasileira de Coloproctologia Título de Especialista - 2014

Sociedade Brasileira de Coloproctologia Título de Especialista - 2014 Página 1 de 11 Sociedade Brasileira de Coloproctologia Título de Especialista - 2014 Prova: Teórica Versão: A Data: 16/09/2014 Local: Brasília / DF "Direitos autorais reservados. Proibida a reprodução,

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 CADERNO-QUESTIONÁRIO. ÿû C ESPECIALIDADE: Gastroenterologia (R3)/Área de Atuação Endoscopia Digestiva

RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 CADERNO-QUESTIONÁRIO. ÿû C ESPECIALIDADE: Gastroenterologia (R3)/Área de Atuação Endoscopia Digestiva CCV COORDENADORIA DE CONCURSOS RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 CADERNO-QUESTIONÁRIO ÿû C ESPECIALIDADE: Gastroenterologia (R3)/Área de Atuação Endoscopia Digestiva PRÉ-REQUISITO: COLOPROCTOLOGIA Data: 20 de janeiro

Leia mais

Avaliação Semanal Correcção

Avaliação Semanal Correcção Avaliação Semanal Correcção 1. Mulher de 32 anos, caucasiana. Antecedentes pessoais e familiares irrelevante. 11 Gesta, 11 Para, usa DIU. Recorreu ao S.U. por dor abdominal de início súbito, localizada

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC)

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Figura 1: Radiografia de abdome em incidência anteroposterior, em ortostatismo (à esquerda) e decúbito dorsal (à direita) Figura 2: Tomografia

Leia mais

RELATO DE CASO. Data da internação: 05/06/06

RELATO DE CASO. Data da internação: 05/06/06 CASO CLÍNICO RELATO DE CASO Data da internação: 05/06/06 Identificação: G.V.S., masculino, 45 anos, solteiro (vive matrimonialmente), natural do Rio de Janeiro RJ, religião espírita QP: Pus em bolsa escrotal

Leia mais

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny DATA hora AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 25/10/2013 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

COLONOSCOPIA. Desenho do cólon com seus diversos segmentos

COLONOSCOPIA. Desenho do cólon com seus diversos segmentos COLONOSCOPIA 1- QUE É A COLONOSCOPIA? A colonoscopia é um exame endoscópico que permite a visualização do interior de todo o cólon através de um tubo flexível com cerca de um metro de comprimento e um

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIA VASCULAR 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: I. Reserva cardiopulmonar. II. Coto construído corretamente.

Leia mais

Universidade Federal do Maranhão Hospital Universitário

Universidade Federal do Maranhão Hospital Universitário Universidade Federal do Maranhão Hospital Universitário Protocolo Clínico Câncer Colorretal Data de Emissão: maio/2010 Revisão: nº. Data de Revisão: mês/ano Elaboração: Prof. Ms. João Batista Pinheiro

Leia mais

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR Aulas teórica s Amb. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL 13:15 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 24/7/2015 Abdome Agudo

Leia mais

Caso Clínico. Andrea Canelas

Caso Clínico. Andrea Canelas Caso Clínico Andrea Canelas 28-06 06-2006 Identificação Sexo: Idade: 79 anos Raça: a: Caucasiana Naturalidade: Coimbra História da doença a actual Seguida na consulta de Gastro desde Novembro de 2005:

Leia mais

DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA

DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA A diarreia é definida por um aumento na frequência das dejecções ou diminuição da consistência das fezes e por uma massa fecal>200g/dia. Pode

Leia mais

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES BENIGNOS ( classificação de Christensen & Ishate A) TUMORES BENIGNOS VERDADEIROS 1) De origem epitelial adenoma papilar ( papiloma)

Leia mais

Estomas intestinais (ileostomias e colostomias) e anastomoses intestinais

Estomas intestinais (ileostomias e colostomias) e anastomoses intestinais Simpósio: FUNDAMENTOS EM CLÍNICA CIRÚRGICA - 3ª Parte Capítulo V Estomas intestinais (ileostomias e colostomias) e anastomoses intestinais Intestinal stomas (Ileostomy and Colostomy) and intestinal anastomosis

Leia mais

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Intestino Delgado Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Irrigação do Intestino Delgado Duodeno Artérias duodenais Origem Irrigação Duodeno proximal Duodeno distal Anastomose Jejuno e íleo

Leia mais

Prof.: José Rubens de Andrade

Prof.: José Rubens de Andrade Prof.: José Rubens de Andrade 2º Semestre/2012 Divertículo verdadeiro (congênito) X Pseudodivertículos Pseudodivertículos: Formações saculares provenientes da herniação da mucosa e submucosa através da

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 DATA SALA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR 6/2/2015 102. D 13:15-14:10 Tratamento

Leia mais

02 de Agosto de 2015 (Domingo)

02 de Agosto de 2015 (Domingo) 02 de Agosto de 2015 (Domingo) Horário Programação 8:00: 08:30 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:45 10:10 MESA REDONDA: AFECCOES VASCULARES FREQUENTES NA PRATICA DIARIA DO CIRURGIAO 8:45-9:00

Leia mais

Funcional - Pressão intracólica aumentada - Motilidade basal e propulsiva aumentada - Lume estreito contracções segmentares

Funcional - Pressão intracólica aumentada - Motilidade basal e propulsiva aumentada - Lume estreito contracções segmentares Doença Diverticular Fisiopatologia Estrutural - Parede cólica: mucosa, submucosa muscular - circular - longitudinal - Teniae coli serosa - Falsos divertículos - Hipertrofia da camada muscular: da elastina

Leia mais

PATOLOGIAS. hemorróidas O que são. Incidência. Factores agravantes. Queixas mais frequentes

PATOLOGIAS. hemorróidas O que são. Incidência. Factores agravantes. Queixas mais frequentes PATOLOGIAS hemorróidas O que são As hemorróidas são formações vasculares anatómicas normais presentes no canal anal desde a infância que contribuem para a continência anal e que podem ser responsáveis

Leia mais

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Intestino Delgado Abordagem ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Fisiologia Histologia Aspectos Clínicos Anatomia Do estômago ao intestino grosso Maior porção do trato digestivo

Leia mais

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Hospital Municipal Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Chefe do serviço: Dr. Nelson Medina Coeli Expositor: Dra. Ana Carolina Assaf 16/09/04 René Lambert DEFINIÇÃO Carcinoma

Leia mais

II Curso de Atualização em Coloproctologia

II Curso de Atualização em Coloproctologia II Curso de Atualização em Coloproctologia Estratégias de Prevenção de Câncer nas Doenças Inflamatórias Intestinais Dr. Marco Zerôncio LIGA NRCC Considerações Iniciais As DII (RCUI e colite por Crohn)

Leia mais

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME PROTOCOLO DE ABDOME TOTAL POSIÇÃO DORSAL: Paciente em decúbito dorsal, entrando primeiro com a cabeça, apoiada sobre o suporte reto, braços elevados acima da cabeça.

Leia mais

GABARITO DE CIRURGIA GERAL

GABARITO DE CIRURGIA GERAL GABARITO DE CIRURGIA GERAL QUESTÃO 1 Paciente com febre, tosse e escarro purulento bastante fétido, apresenta os exames abaixo. Qual é a conduta mais adequada? A. Antibioticoterapia e fisioterapia. B.

Leia mais

Mal formações do trato urinário. Luciana Cabral Matulevic

Mal formações do trato urinário. Luciana Cabral Matulevic Mal formações do trato urinário Luciana Cabral Matulevic Refluxo Vésico-Ureteral Fluxo anormal de urina da bexiga para o trato urinário superior Achado isolado ou associado a outras malformações Causas

Leia mais

Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo

Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo Cirurgia do Esôfago Painel de perguntas e filmes cirúrgicos

Leia mais

CONSTIPAÇÃO INTESTINAL

CONSTIPAÇÃO INTESTINAL Disciplina de Coloproctologia Prof. Dr. João Gomes Netinho FAMERP Hospital de Base Conceito Dificuldade Consistência Freqüência Conceito Critérios: rios: Peso: < 35g/dia Freqüência ência: Feminino < 3

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL N.º 05/2015 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL N.º 05/2015 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL N.º 05/2015 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS PROCESSO SELETIVO 45 MÉDICO I (Coloproctologia) 01. C 11. C 02. D 12. D 03. A 13. E 04. E 14. E 05.

Leia mais

PROGRAMA DE ENSINO E APERFEIÇOAMENTO EM COLOPROCTOLOGIA CLINICA REIS NETO CAMPINAS SÃO PAULO

PROGRAMA DE ENSINO E APERFEIÇOAMENTO EM COLOPROCTOLOGIA CLINICA REIS NETO CAMPINAS SÃO PAULO PROGRAMA DE ENSINO E APERFEIÇOAMENTO EM COLOPROCTOLOGIA CLINICA REIS NETO CAMPINAS SÃO PAULO Objetivo Geral: Propiciar ao residente de coloproctologia os conhecimentos necessários para a compreensão, diagnósticos

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 23. PROVA OBJETIVA CONHECIMENTOS GERAIS E CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS AGUARDE A ORDEM DO FISCAL PARA ABRIR ESTE CADERNO DE QUESTÕES.

CONCURSO PÚBLICO 23. PROVA OBJETIVA CONHECIMENTOS GERAIS E CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS AGUARDE A ORDEM DO FISCAL PARA ABRIR ESTE CADERNO DE QUESTÕES. CONCURSO PÚBLICO 23. PROVA OBJETIVA CONHECIMENTOS GERAIS E CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Médico Classe I Proctologia INSTRUÇÕES VOCÊ RECEBEU SUA FOLHA DE RESPOSTAS E ESTE CADERNO CONTENDO 50 QUESTÕES OBJETIVAS.

Leia mais

GETH REUNIÃO CIENTÍFICA. Polipose Adenomatosa Familiar (FAP) Tumor desmóide e FAP Dra.Júnea Caris de Oliveira São Paulo 08 de maio de 2015

GETH REUNIÃO CIENTÍFICA. Polipose Adenomatosa Familiar (FAP) Tumor desmóide e FAP Dra.Júnea Caris de Oliveira São Paulo 08 de maio de 2015 GETH REUNIÃO CIENTÍFICA Polipose Adenomatosa Familiar (FAP) Tumor desmóide e FAP Dra.Júnea Caris de Oliveira São Paulo 08 de maio de 2015 Caso Caso 1 Polipose Adenomatosa Familiar (FAP) A.R.P, masculino,

Leia mais

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna 10 Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna As úlceras tróficas de perna constituem uma doença mutilante comum, que surge geralmente a partir de um pequeno trauma ou de uma infecção secundária em regiões da

Leia mais

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve.

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve. 24 de Outubro de 2006. Professor Amphilophio. Tomografia computadorizada do abdome e da pelve TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas

Leia mais

TÉCNICAS CIRÚRGICAS NOS INTESTINOS

TÉCNICAS CIRÚRGICAS NOS INTESTINOS TÉCNICAS CIRÚRGICAS NOS INTESTINOS INTESTINOS - ANATOMIA Intestino de carnívoros 2 a 5 vezes o comprimento do tronco Intestino delgado 4 vezes o tamanho do grosso INTESTINOS - ANATOMIA DUODENO Relativamente

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 23. PROVA OBJETIVA CONHECIMENTOS GERAIS E CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS AGUARDE A ORDEM DO FISCAL PARA ABRIR ESTE CADERNO DE QUESTÕES.

CONCURSO PÚBLICO 23. PROVA OBJETIVA CONHECIMENTOS GERAIS E CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS AGUARDE A ORDEM DO FISCAL PARA ABRIR ESTE CADERNO DE QUESTÕES. CONCURSO PÚBLICO 23. PROVA OBJETIVA CONHECIMENTOS GERAIS E CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Médico Classe I Proctologia INSTRUÇÕES VOCÊ RECEBEU SUA FOLHA DE RESPOSTAS E ESTE CADERNO CONTENDO 50 QUESTÕES OBJETIVAS.

Leia mais

Sintomas do trato urinário inferior em homens Resumo de diretriz NHG M42 (Março 2013)

Sintomas do trato urinário inferior em homens Resumo de diretriz NHG M42 (Março 2013) Sintomas do trato urinário inferior em homens Resumo de diretriz NHG M42 (Março 2013) Blanker MH, Breed SA, van der Heide WK, Norg RJC, de Vries A, Wolters RJ, van den Donk M, Burgers JS, Opstelten W,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CONCURSO PÚBLICO. EDITAL SES N o 001//2010 I N S T R U Ç Õ E S

GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CONCURSO PÚBLICO. EDITAL SES N o 001//2010 I N S T R U Ç Õ E S GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CONCURSO PÚBLICO EDITAL SES N o 001//2010 COMPETÊNCIA: CARGO: MÉDICO ESPECIALISTA CARGO: BIÓLOGO EM COLOPROCTOLOGIA I N S T R U Ç Õ E S

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 61

PROVA ESPECÍFICA Cargo 61 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 61 QUESTÃO 26 São contra-indicações absolutas da Endoscopia Digestiva Alta, EXCETO: a) Gravidez. b) Intolerância do paciente. c) Perfuração de víscera suspeita. d) Perfuração

Leia mais

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax 7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Legenda da Imagem 1: Radiografia de tórax em incidência póstero-anterior Legenda da Imagem 2: Radiografia de tórax em perfil Enunciado: Homem de 38 anos, natural

Leia mais

16. Semiologia do Cólon e do Recto

16. Semiologia do Cólon e do Recto 16. Semiologia do Cólon e do Recto Anatomia Fisiologia Doença diverticular (diverticulose) Etiopatogenia Dieta pobre em fibras; doentes idosos. Falsos divertículos no local de penetração das arteríolas

Leia mais

DATA hora SALA AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR

DATA hora SALA AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR DATA hora SALA AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

SERVIÇO DE COLOPROCTOLOGIA

SERVIÇO DE COLOPROCTOLOGIA SERVIÇO DE COLOPROCTOLOGIA ROTINA BÁSICA DA UNIDADE DE COLOPROCTOLOGIA HOSPITAL UNIVERSITARIO PRESIDENTE DUTRA I AMBULATORIO O ambulatório de coloproctologia funciona na sala 15 da unidade Presidente Dutra,

Leia mais

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso).

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso). 1 a Questão: (20 pontos) Um paciente de 35 anos, com história de sarampo na infância, complicada por pneumonia, informa que há mais de cinco anos apresenta tosse com expectoração matinal abundante e que

Leia mais

Obstrução Intestinal no Adulto

Obstrução Intestinal no Adulto Obstrução Intestinal no Adulto Dra. Ana Cecília Neiva Gondim Cirurgia Geral / Coloproctologia Serviço de Coloproctologia do HUWC/UFC Introdução Obstrução intestinal é causa frequente de abdome agudo 20%

Leia mais

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo TRATAMENTO CIRÚRGICO DAS METÁSTASES HEPÁTICAS Carcinoma Metastático do Fígado METÁSTASES HEPÁTICAS Neoplasia primeira

Leia mais

Módulo: Câncer de Rim Localizado

Módulo: Câncer de Rim Localizado Módulo: Câncer de Rim Localizado Caso 1 CAL, 56 anos, masculino Paciente médico, obeso (IMC = 41; peso 120 kg) Antecedentes clínicos: nefrolitíase Antecedentes cirúrgicos: Laparotomia mediana por divertículo

Leia mais

Raniê Ralph Semiologia 2

Raniê Ralph Semiologia 2 06 de Agosto de 2007. Professor Luiz Sérgio Emery. Hemorragia Digestiva Evolução 75% cessam espontaneamente. 25% persistem ou recorrem. 10% a 30% de morte. Trata-se de uma doença grave. Epidemiologia 10%

Leia mais

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito:

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito: Doenças Vasculares Tromboflebiteé uma afecção na qual se forma um coágulo numa veia, em conseqüência de flebite ou devido à obstrução parcial da veia. Flebiteé a inflamação das paredes de uma veia. Causas:

Leia mais

SUBSECRETARIA PARA ASSUNTO DE GESTÃO HOSPITALAR Núcleo Regional de Especialidades de Vitória CRE Metropolitano

SUBSECRETARIA PARA ASSUNTO DE GESTÃO HOSPITALAR Núcleo Regional de Especialidades de Vitória CRE Metropolitano 1 SUBSECRETARIA PARA ASSUNTO DE GESTÃO HOSPITALAR Núcleo Regional de Especialidades de Vitória CRE Metropolitano PROTOCOLO OSTOMIZADO AUTORES: Francisco Mario de Azevedo Barros Médico Cirurgião Geral do

Leia mais

DOENÇA DIVERTICULAR DOS CÓLONS

DOENÇA DIVERTICULAR DOS CÓLONS 1 DOENÇA DIVERTICULAR DOS CÓLONS Flávio Antonio Quilici Lisandra Carolina Marques Quilici INTRODUÇÃO Os divertículos que acometem os cólons são classificados de acordo com sua origem em congênitos e adquiridos.

Leia mais

DOR ABDOMINAL. Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora

DOR ABDOMINAL. Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora DOR ABDOMINAL Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora DOR ABDOMINAL Diagnóstico: História Clinica Exame Físico Avaliação

Leia mais

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê Neoplasias Gástricas Pedro Vale Bedê Introdução 95% dos tumores gástricos são malignos 95% dos tumores malignos são adenocarcinomas Em segundo lugar ficam os linfomas e em terceiro os leiomiosarcomas Ate

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM LOMBALGIA EPIDEMIOLOGIA 65-80% da população, em alguma fase da vida, terá dor nas costas. 30-50% das queixas reumáticas

Leia mais

ST. James s University Hospital; Leeds; England. Radiology Agosto de 2001

ST. James s University Hospital; Leeds; England. Radiology Agosto de 2001 TÍTULO ESTENOSES DO CÓLON SIGMOIDE: AVALIAÇÃO EM CLÍSTER DUPLO COTRASTE. AUTORES F Anthony Blakeborough; F Anthony H. Chapman; F Sarah Swift; F Gary Culpan. INSTITUIÇÃO ST. James s University Hospital;

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição

Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição Jaques Waisberg- Orientador do Programa de Pós Graduação do Instituto de Assistência Médica ao Servidor

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

PATOLOGIAS DA PRÓSTATA. Prostata

PATOLOGIAS DA PRÓSTATA. Prostata AULA PREPARADA POR: PATOLOGIAS DA PRÓSTATA Prostata A próstata é um órgão interno que só o homem possui; tem a forma de uma maçã muito pequena, e fica logo abaixo da bexiga. ANATOMIA Tem o tamanho aproximado

Leia mais

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA PROVA TEÓRICO-PRÁTICA 1. Na atresia de esôfago pode ocorrer fistula traqueoesofágica. No esquema abaixo estão várias opções possíveis. A alternativa indica a forma mais freqüente é: Resposta B 2. Criança

Leia mais

Comissão de Processos Vestibulares 23/03/2014. Médico Cirurgião Geral

Comissão de Processos Vestibulares 23/03/2014. Médico Cirurgião Geral Comissão de Processos Vestibulares 23/03/2014 Médico Cirurgião Geral Comissão de Processos Vestibulares PROCESSO SELETIVO - HUAC 23 de março de 2014 Nível Superior Médico Cirurgião Geral GABARITO DO CANDIDATO

Leia mais

_, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à)

_, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável _, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Fundação Municipal de Saúde - FMS

Fundação Municipal de Saúde - FMS CONCURSO PÚBLICO PROVA ESCRITA OBJETIVA CARGO: DATA: 11/09/2011 HORÁRIO: 8h30min às 12h30min (horário do Piauí) CARGO: MÉDICO PROCTOLOGISTA 20h LEIA AS INSTRUÇÕES: Fundação Municipal de Saúde - FMS 1.

Leia mais

CASOS CLÍNICOS DIGIMAX. Radiologia e Diagnóstico por Imagem. Raphael Salgado Pedroso

CASOS CLÍNICOS DIGIMAX. Radiologia e Diagnóstico por Imagem. Raphael Salgado Pedroso CASOS CLÍNICOS DIGIMAX Radiologia e Diagnóstico por Imagem Raphael Salgado Pedroso Nome: L. B.; Idade: 65 anos; Sexo: Masculino; CASO 1 Queixa: Dor aguda, que se inicia no tórax e se irradia na direção

Leia mais

Comissão de Processos Vestibulares 09/02/2014. Médico Coloproctologista

Comissão de Processos Vestibulares 09/02/2014. Médico Coloproctologista Comissão de Processos Vestibulares 09/02/2014 Médico Coloproctologista Comissão de Processos Vestibulares PROCESSO SELETIVO - HUAC 09 de fevereiro de 2014 Nível Superior Médico Coloproctologista GABARITO

Leia mais

03/05/2012. Radiografia simples do abdome

03/05/2012. Radiografia simples do abdome Radiografia simples do abdome 3 1 Contrastados: Urografia Excretora Injeção EV Contraste iodado Opacificação: 1. Parênquima renal 2. Sistema coletor 3. Bexiga e uretra 4 Litíase urinária Caso cr Rx simples:

Leia mais

Laxantes. Laxantes e Antidiarreicos. Obstipação. Fibras. são comuns na população em geral. rios. Na maioria das vezes quadros benignos e transitórios

Laxantes. Laxantes e Antidiarreicos. Obstipação. Fibras. são comuns na população em geral. rios. Na maioria das vezes quadros benignos e transitórios Laxantes e Diarréia e obstipação são comuns na população em geral Na maioria das vezes quadros benignos e transitórios rios Laxantes Muitas vezes sem a necessidade de medicação Porem esses sintomas podem

Leia mais