Administração de Serviços. Prof. Marcos Cesar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Administração de Serviços. Prof. Marcos Cesar"

Transcrição

1 Administração de Serviços Prof. Marcos Cesar

2 A importância dos Serviços na Economia: Grécia Clássica - Importância a educação dos jovens. Serviços deixado de lado, sociedade agrícola e escravocrata. Idade Média - Serviços de transporte e especiarias rota da seda geraram riquezas a cidade estado. - Atividade econômica mais importante. - Portugal e Holanda = navegação. Revolução Industrial (sec. XVIII) - Serviços perde sua importância. Meados do século XX, tem sua retomada e manteve até os dias de hoje.

3 Serviços Era atual - Países desenvolvidos, serviços ocupa posição de destaque na economia. - Responsável pela maior parcela do PIB, com aumento de empregos no setor... Percentual de empregos em Serviços Comparativos de crescimento País EUA % 4% 8% Canadá % 6% -1% Japão % 6% -3% França % 5% 6% Israel % 3% 3% Itália % 7% 0% China % 24% 24%

4 Fatores crescimento serviços. Os principais fatores do crescimento dos serviços são de ordem social e tecnológica, devido: a) Urbanização: necessita serviços segurança, transporte b) Mudança demográfica: Aumento de crianças e idososconsumo de serviços, como educação, saúde c) Mudança socioeconômica: mulher no trabalho, pressão sobre o tempo pessoal, criando serviços domésticos, transporte escolar, creches

5 d) Aumento sofisticação dos consumidores: - Necessidade de mais serviços, como psicólogo, personal trainers e consultores de estilo. e) Mudanças tecnológicas: - Aumentaram a qualidade dos serviços, criando serviços novos, como bancos eletrônicos, serviços por internet Serviços papel importante em outras áreas da economia. - Industrial, dividido em 3 categorias: a) Papel de apoio a criação de diferencial competitivo - Empresas querem diferenciar o pacote de valor oferecido. Ex. Carros = desempenho pós venda.

6 b) Papel de suporte as atividades de manufatura. - Importância dos serviços internos. Ex. Manutenção das máquinas; Bancos setor de análise de crédito - Esse serviços geram impacto direto no resultado da operação. c) Papel de geradores de lucro. - Empresas que ultrapassam sua função, passando a constituir centros de lucro. - A empresa começa a explorar determinado serviço sem que perca sua personalidade juridica.

7 Serviços na economia brasileira IBGE Aumento do comércio e serviços. - 60% da população dedica-se a atividade de serviços - 30% Agrícola - 10% indústria. Classifica como serviço as atividades: - Comércio, transporte, comunicações, instituições financeiras, administração pública, aluguéis... - Classificação para dimensionar o PIB. - Empresas abrange 2 ramos: serviço e industria.

8 Ex. Atlas Schindler ou Otis - indústria e prestadora de serviço manutenção que corresponde a 50% das receitas. Empresas chegam a vender seus produtos sem lucro, somente para garantir o cliente com peças e serviços. - Propósito é evitar entrada de concorrentes. Crescimento de áreas prestadoras de serviços Crescimento constante em diversas áreas. - Daí a necessidade de se desenvolver conceitos e técnicas de administração.

9 Serviços como atividade interna de apoio. Cliente interno: - Nova forma de pensar as operações dentro das empresas. - Gerências, departamentos, ou seções executam atividades de apoio, que podem ser consideradas serviços. EX. RH recrutamento, seleção e treinamento de funcionários, atendendo outros setores dentro da empresa. Atividades incluem: - interpretação da necessidade do cliente interno. - identificar os candidatos e as compet6encias para vaga

10 - Desenvolvimento e aplicação de métodos de avaliação, motivação e recompensa. - treinamento do novo funcionário para seu cargo. Problema: - Para cada atividade existem requisitos de qualidade, prazo e custos, ou seja, os clientes internos podem requerer niveis diferentes. - Setores dependem da qualidade do serviço que o outro irá executar como: - Marketing: identifica o cliente, para traçar estrategias a empresa. - Manutenção: manter máquinas e local adequado ao trabalho.

11 Questão fundamental dos negócios Maximização do valor para o acionista e a busca da lucratividade operacional. - Boa administração é aquela que busca maximizar o valor da empresa para o acionista? E é por isso que os administradores são remunerados?

12 Questão fundamental dos negócios Maximização do valor para o acionista e a busca da lucratividade operacional. - Boa administração é aquela que busca maximizar o valor da empresa para o acionista? E é por isso que os administradores são remunerados? Idéia: - Fluxo futuro de negócios margens de lucro a longo prazo. - Valor futuro (menos taxa de oportunidade) = abrange o chamado valor da empresa. - Trabalhar padrões de decisões a longo e curto prazo.

13 Fatores que influenciam o valor da empresa para o acionista. Fatores do ambiente econômico. - Nível de atividade econômica. - taxa de juros competitividade. - Regulamentações governamentais. - Grau de sindicalização. - Taxa de câmbio. Áreas de decisões sob controle do administrador - Produtos e serviços oferecidos. - Tecnologia empregada. - Marketing e rede de distribuição. - Estratégias de investimentos.

14 - Políticas de RH. - Estrutura do capital. - Políticas de gestão do capital de giro. - Política de distribuição de lucros - Alianças e fusões. Volume, timing e risco associado aos lucros esperados. Valor da empresa para o acionista

15 Modelo de excelência em serviços. Operações para lucratividade: Lucratividade = serviço prestado com excelência. Brasil Realidade - Empresas que prestam serviços de baixa lucratividade obtém lucro. EX. - Empresas monopolista lucrativa serviço ruim. - Financeiras flutuações e distorções do mercado.

16 Propósito da matéria - Fornecer conhecimento para crescer e prosperar na prestação de serviços no mercado competitivo. Para isso buscamos: - Aumentar as receitas e reduzir os custos. 1- comanda os preços mais altos pelo mesmo serviço e produto. 2 Vender mais serviços.

17 Caminhos para obter lucratividade. - Aumentar os nível de retenção dos clientes, fidelizando. Fidelização: - Ser competente, atendendo e superando as expectativas do cliente. - Valor percebido pelo cliente no momento em que se estabelece algum contato na prestação de serviço. Front office = Linha de frente.

18 Front office - Sucesso da linha de frente depende da retaguarda ou atividades de suporte. Ex. Médico em cirurgia retaguarda falha em falta de suprimentos como linha, sutura... Retenção preço Market Share Lucratividade operacional Fidelização Custo Valor Ofertado Satisfação / encantamento Front office Back Office Uso dos recursos

19 Retenção preço Market Share Lucratividade operacional Fidelização Custo Valor Ofertado Satisfação / encantamento Front office Back Office Uso dos recursos Estratégia de operações Satisfação dos colaboradores Parceiros concorrentes Instalações Supply Chain RH Outros atores Tecnologia da informação

A gestão da qualidade das atividades de linha de frente e o pricing em serviços

A gestão da qualidade das atividades de linha de frente e o pricing em serviços Estratégia da empresa A gestão da qualidade das atividades de linha de frente e o pricing em serviços Capítulo 3 Ambiente Outros atores Concorrentes Parceiros Estratégia de operações Preço O famoso framework

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Doutor em Engenharia de Computação Poli USP Mestre em Ciência da Informação PUCCAMP

BALANCED SCORECARD. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Doutor em Engenharia de Computação Poli USP Mestre em Ciência da Informação PUCCAMP BALANCED SCORECARD Prof. Dr. Adilson de Oliveira Doutor em Engenharia de Computação Poli USP Mestre em Ciência da Informação PUCCAMP Gestão Estratégica e BSC Balanced Scoredcard GESTÃO ESTRATÉGICA GESTÃO

Leia mais

12/4/2011. Serviços. Serviços: Serviços são instrumentos de solução para os clientes; Trazem satisfação de valor;

12/4/2011. Serviços. Serviços: Serviços são instrumentos de solução para os clientes; Trazem satisfação de valor; Gestão de Empresas de Eventos Serviços Serviços são instrumentos de solução para os clientes; Trazem satisfação de valor; Só tem sentido do ponto de vista do cliente; Necessita da presença e participação

Leia mais

Empreendedorismo. Prof. MSc. Márcio Rogério de Oliveira

Empreendedorismo. Prof. MSc. Márcio Rogério de Oliveira Empreendedorismo Prof. MSc. Márcio Rogério de Oliveira Unidades da Disciplina: As Empresas; Mortalidade, Competitividade e Inovação Empresarial; Empreendedorismo; Processo Empreendedor; Instituições de

Leia mais

A gestão da qualidade das atividades de retaguarda em serviços

A gestão da qualidade das atividades de retaguarda em serviços Estratégia da empresa A gestão da qualidade das atividades de retaguarda em serviços Capítulo 4 Ambiente Outros atores Concorrentes Parceiros Estratégia de operações Preço O famoso framework Lucratividade

Leia mais

Gestão de Pessoas MÓDULO II

Gestão de Pessoas MÓDULO II O DIFERENCIAL É O TALENTO HUMANO: Gestão de Pessoas MÓDULO II Prof. Ms. Fábio Lúcio Gomes fabiodobu@gmail.com Administração de RH Abrange o conjunto de técnicas e instrumentos que permitem às organizações

Leia mais

E [ ] É o problema que ocorre quando uma empresa identifica baixa rentabilidade em relação ao que foi projetado.

E [ ] É o problema que ocorre quando uma empresa identifica baixa rentabilidade em relação ao que foi projetado. 1 ª. Questão Com base na Administração Financeira, é incorreto afirmar que: A [ ] Os administradores devem gerir ativamente os assuntos financeiros de qualquer tipo de empresa, exceto se a empresa for

Leia mais

LUCRATIVIDADE : CRESCER, SOBREVIVER OU MORRER

LUCRATIVIDADE : CRESCER, SOBREVIVER OU MORRER LUCRATIVIDADE : CRESCER, SOBREVIVER OU MORRER SALVADOR SERRATO salvadors@sebraesp.com.br O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Orientar na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de

Leia mais

Carlos Yamashita Gerente de Relações com o Mercado

Carlos Yamashita Gerente de Relações com o Mercado Carlos Yamashita Gerente de Relações com o Mercado Perspectivas Econômicas Bradesco Consenso do Mercado ** 2012 2013 * 2014 * 2013 2014 PIB 0,87% 3,49% 4,00% 3,00% 3,50% Juros (Selic Final) 7,25% 8,25%

Leia mais

Disciplina: Administração Financeira Ciências Contábeis

Disciplina: Administração Financeira Ciências Contábeis Disciplina: Administração Financeira Ciências Contábeis O termo finanças pode ser definido como a arte de administrar o dinheiro. O campo das finanças ocupa-se do processo, instituições, mercados e instrumentos

Leia mais

CURSO: ADMINISTRAÇÃO

CURSO: ADMINISTRAÇÃO CURSO: ADMINISTRAÇÃO EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: MATEMÁTICA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO Equações do primeiro e segundo graus com problemas. Problemas aplicando sistemas; sistemas com três incógnitas

Leia mais

QUAL O RESULTADO DO MEU NEGÓCIO?

QUAL O RESULTADO DO MEU NEGÓCIO? QUAL O RESULTADO DO MEU NEGÓCIO? RESULTADO OU LUCRO? O NEGÓCIO Missão É a razão de ser da empresa; Deve orientar os objetivos financeiros, humanos e sociais. Gerar valor para nossos clientes, acionistas,

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico MBA: Gestão Empresarial IESI Planejamento Estratégico Planejamento estratégico: Visão integrada Alcance de objetivos Criar valor, diferencial e identidade Pensamento estratégico Planejamento Estratégico

Leia mais

Recomendação de políticas Desenvolvimento de habilidades de próxima geração

Recomendação de políticas Desenvolvimento de habilidades de próxima geração Recomendação de políticas Desenvolvimento de habilidades de próxima A oportunidade A computação em nuvem e os recursos inovadores liberam o potencial para impulsionar o crescimento econômico significativo

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

OLHO D' AGUA DOS BORGES

OLHO D' AGUA DOS BORGES 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 31/10/1938 - Distância da capital: 321 km - Área: 141 Km 2 - Localização Mesorregião: Oeste Potiguar Microrregião: Umarizal - População: 4.442 (IBGE/2007) - Número

Leia mais

Quem somos. Porque ABCCorp? Referencias

Quem somos. Porque ABCCorp? Referencias 1 Quem somos 2 Porque ABCCorp? 3 Referencias Trabalhamos como você! Experiência não somente acadêmica, sobre o teu segmento; Entendemos suas expectativas Valorizamos e garantimos o teu investimento com

Leia mais

GOVERNADOR DIX-SEPT ROSADO

GOVERNADOR DIX-SEPT ROSADO 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 04/04/1963 - Distância da capital: 320 km - Área: 1.129 Km 2 - Localização Mesorregião: Oeste Potiguar Microrregião: Chapada do Apodi - População: 12.374 (IBGE/2007)

Leia mais

ANEXO I MODELO DE PLANO DE NEGÓCIOS

ANEXO I MODELO DE PLANO DE NEGÓCIOS ANEXO I MODELO DE PLANO DE NEGÓCIOS 1. Resumo Executivo (Síntese das principais informações que constam em seu PN. É a principal seção do Plano de Negócios, pois através dele é que o leitor decidirá se

Leia mais

Gestão da Produção. Análise SWOT Balanced Scorecard Mapa Estratégico. Prof. Dr. Marco Antonio Pereira Empresas Classe Mundial

Gestão da Produção. Análise SWOT Balanced Scorecard Mapa Estratégico. Prof. Dr. Marco Antonio Pereira Empresas Classe Mundial Gestão da Produção Análise SWOT Balanced Scorecard Mapa Estratégico Prof. Dr. Marco Antonio Pereira marcopereira@usp.br Empresas Classe Mundial ESTRATÉGIA PRODUTIVIDADE QUALIDADE Balanced ScoreCard Lean

Leia mais

PILARES ESTRATÉGICOS DO MAGAZINE LUIZA DESTAQUES DE 2013 PERSPECTIVAS

PILARES ESTRATÉGICOS DO MAGAZINE LUIZA DESTAQUES DE 2013 PERSPECTIVAS BTG Pactual XV Brazil CEO Conference 2014 26 de fevereiro de 2014 PILARES ESTRATÉGICOS DO MAGAZINE LUIZA DESTAQUES DE 2013 PERSPECTIVAS PILARES ESTRATÉGICOS DO MAGAZINE LUIZA 1 Forte cultura corporativa,

Leia mais

SÃO BENTO DO NORTE 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS

SÃO BENTO DO NORTE 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 25/11/1953 - Distância da capital: 140 km - Área: 289 Km 2 - Localização Mesorregião: Central Potiguar Microrregião: Macau - População: 3.529 (IBGE/2007) - Número

Leia mais

Eficiência e Eficácia

Eficiência e Eficácia Eficiência e Eficácia Desempenho das Organizações A eficiência é determinante da eficácia: caso haja recursos disponíveis, e estes forem utilizados corretamente, a probabilidade de atingir os objetivos

Leia mais

Capítulo 3. Ambiente interno: recursos da empresa, missão organizacional e objetivos

Capítulo 3. Ambiente interno: recursos da empresa, missão organizacional e objetivos Capítulo 3 Ambiente interno: recursos da empresa, missão organizacional e objetivos Quem define um problema, já o resolveu pela metade Julian Huxley ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO AMBIENTE INTERNO

Leia mais

O profissional que sua empresa procura está na Avanti RH.

O profissional que sua empresa procura está na Avanti RH. O profissional que sua empresa procura está na Avanti RH. Apresentação Experiência e juventude se unem na Avanti Humanas, afinal, somos uma empresa dedicada à atração, recrutamento, seleção e desenvolvimento

Leia mais

AGENDA DESEMPENHO FINANCEIRO NOSSO NEGÓCIO VANTAGENS COMPETITIVAS OPORTUNIDADES

AGENDA DESEMPENHO FINANCEIRO NOSSO NEGÓCIO VANTAGENS COMPETITIVAS OPORTUNIDADES Dezembro de 2015 1 DISCLAIMER Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores mobiliários brasileira

Leia mais

Competitividade Brasil e países selecionados Determinantes macroeconômicos Renato da Fonseca

Competitividade Brasil e países selecionados Determinantes macroeconômicos Renato da Fonseca Competitividade Brasil e países selecionados Determinantes macroeconômicos Renato da Fonseca Seminários IBRE: Os Desafios da Competitividade Sessão 1: Determinantes macroeconômicos Rio de Janeiro, 28 de

Leia mais

Prof. Charles Pantoja Esteves. Administrador de Empresas Analista de Sistemas Msc. PNL e Inteligência Emocional

Prof. Charles Pantoja Esteves. Administrador de Empresas Analista de Sistemas Msc. PNL e Inteligência Emocional Prof. Charles Pantoja Esteves Administrador de Empresas Analista de Sistemas Msc. PNL e Inteligência Emocional Planejamento Estratégico Idalberto Chiaventao Arão Sapiro Editora Campus Manual do Planejamento

Leia mais

2 A Logística História da Logística

2 A Logística História da Logística 2 A Logística 2.1. História da Logística Segundo Neves (2005), a origem da palavra logística vem do grego LOGISTIKOS, do qual o latim LOGISTICUS é derivado, ambos significando cálculo e raciocínio no sentido

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA FRANQUIA

APRESENTAÇÃO DA FRANQUIA APRESENTAÇÃO DA FRANQUIA A Microfranquia FRVendas faz parte do Grupo Net Branding, que atua no mercado de consultoria e treinamento desde 1998, através de seu diretor Fábio Fiorini, um dos principais especialistas

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais. da Cadeia de Suprimento ao ERP e ao CRM

Sistemas de Informações Gerenciais. da Cadeia de Suprimento ao ERP e ao CRM Sistemas de Informações Gerenciais da Cadeia de Suprimento ao ERP e ao CRM Empresa digital 2 Sistema Integrado de Gestão e-commerce e empresas parceiras Compras BACK OFFICE FRONT OFFICE SCM - Supply Chain

Leia mais

Rede de Atendimento e Market Share

Rede de Atendimento e Market Share Rede de Atendimento e Market Share Posicionamento Nacional Indicadores Dez/06 Dez/07 Dez/08 Dez/09 Dez/10 Set/11 Ativo Total 14º 14º 12º 10º 11º 11º Patrimônio Líquido 18º 14º 13º 11º 12º 11º Depósitos

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA FRANQUIA

APRESENTAÇÃO DA FRANQUIA APRESENTAÇÃO DA FRANQUIA A Microfranquia FRVendas faz parte do Grupo Net Branding, que atua no mercado de consultoria e treinamento desde 1998, através de seu diretor Fábio Fiorini, um dos principais especialistas

Leia mais

Gestão de pessoas e desempenho organizacional

Gestão de pessoas e desempenho organizacional Aula 12 Gestão de pessoas e desempenho organizacional Agenda 1 Seminário 2 Medindo a performance do RH 1 Seminário 5 Competing on talent analytics. Davenport, Harris & Shapiro. Harvard Business Review,

Leia mais

Qual desenvolvimento queremos?

Qual desenvolvimento queremos? Qual desenvolvimento queremos? Apresentação preparada para o Forum do Desenvolvimento da ABDE Nelson Marconi Escola de Economia de São Paulo FGV e Presidente da Associação Keynesiana Brasileira 02 de dezembro

Leia mais

Uma análise para qualquer tipo de negócio

Uma análise para qualquer tipo de negócio Modelo DuPont Uma análise para qualquer tipo de negócio Antes aplicar estes conceitos a seu negócio ou investimento, tenha em mente que o fato das demonstrações financeiras estarem auditadas garantem uma

Leia mais

Balanced Scorecard A Estratégia em Ação

Balanced Scorecard A Estratégia em Ação Balanced Scorecard A Estratégia em Ação Definições O que é o Balanced Scorecard? É uma ferramenta que permite tangibilizar as estratégias das empresas através de objetivos e indicadores, facilitando sua

Leia mais

CIDADE ALTA 1 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS. Tabela 1 Tipo de empreendimento

CIDADE ALTA 1 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS. Tabela 1 Tipo de empreendimento 1 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS Tabela 1 Tipo de empreendimento Forma de Funcionamento Número de negócios Percentual (%) Associação ou Sindicato 31 3,33 Cooperativa 5 0,54 Empresa Individual (Antiga Firma

Leia mais

ANÁLISE DE MERCADO E COMPETITIVIDADE

ANÁLISE DE MERCADO E COMPETITIVIDADE Plano de negócios Implantação do Empreendimento. Para implantar o site Bem na Foto na sua região de atuação o fotógrafo credenciado precisa de equipamento fotográfico profissional, veículo próprio, computador

Leia mais

Inserção do Brasil no setor de serviços da economia mundial. Eduardo Bom Angelo Presidente da Brasilprev

Inserção do Brasil no setor de serviços da economia mundial. Eduardo Bom Angelo Presidente da Brasilprev Inserção do Brasil no setor de serviços da economia mundial Eduardo Bom Angelo Presidente da Brasilprev Participação dos Serviços no PIB (% em valor adicionado preços básicos) 70 60 Agropecuária Indústria

Leia mais

INDICADOR DE CUSTOS INDUSTRIAIS

INDICADOR DE CUSTOS INDUSTRIAIS INDICADOR DE CUSTOS INDUSTRIAIS Gerência-Executiva de Pesquisa e Competitividade Brasília, 24 de janeiro de 2013 Objetivo Criar um indicador trimestral que permita acompanhar a evolução dos custos industriais

Leia mais

Objetivo e Benefícios de um Plano de Marketing

Objetivo e Benefícios de um Plano de Marketing AULA 14 Marketing Objetivo e Benefícios de um Plano de Marketing Objetivo - Estabelecer todas as bases para a ação no mercado. Benefícios - Explorar uma oportunidade oferecida pelo mercado. - Integrar

Leia mais

PACOTES DE VALOR GERADOS E ENTREGUES PELAS OPERAÇÕES: COMPOSTOS BENS-SERVIÇOS

PACOTES DE VALOR GERADOS E ENTREGUES PELAS OPERAÇÕES: COMPOSTOS BENS-SERVIÇOS PACOTES DE VALOR GERADOS E ENTREGUES PELAS OPERAÇÕES: COMPOSTOS BENS-SERVIÇOS PACOTES DE VALOR Segundo Eloi Sartori, Pacote de valor ou oferta de valor é um termo de marketing que corresponde à combinação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

FASES DO CAPITALISMO, REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS E A GLOBALIZAÇÃO PROFº CLAUDIO FRANCISCO GALDINO GEOGRAFIA

FASES DO CAPITALISMO, REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS E A GLOBALIZAÇÃO PROFº CLAUDIO FRANCISCO GALDINO GEOGRAFIA FASES DO CAPITALISMO, REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS E A GLOBALIZAÇÃO PROFº CLAUDIO FRANCISCO GALDINO GEOGRAFIA O QUE CAPITALISMO? É um sistema socioeconômico que regula as relações sociais e a economia da sociedade

Leia mais

A moderna Gestão de Pessoas

A moderna Gestão de Pessoas A moderna Gestão de Pessoas RH Aula 4 Professor Douglas Pereira da Silva 1 Aspectos fundamentais da moderna Gestão de Pessoas 1. As pessoas como seres humanos. Dotados de personalidade própria e profundamente

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

Teleconferência de Resultados 4T12 e 2012

Teleconferência de Resultados 4T12 e 2012 Teleconferência de Resultados 4T12 e 2012 RESSALVA SOBRE DECLARAÇÕES FUTURAS Esta apresentação contém considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas de resultados operacionais

Leia mais

Douglas Fabian. Bacharel em Administração. MBA Gestão Estratégica de Pessoas

Douglas Fabian. Bacharel em Administração. MBA Gestão Estratégica de Pessoas Douglas Fabian Bacharel em Administração MBA Gestão Estratégica de Pessoas PLANO DE NEGÓCIOS PLANO DE NEGÓCIOS O que é um plano de negócios? INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO É um documento que especifica, em

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS. PROJEÇÕES DAS AULAS Professora: SIMONE

GESTÃO DE PESSOAS. PROJEÇÕES DAS AULAS Professora: SIMONE GESTÃO DE PESSOAS PROJEÇÕES DAS AULAS Professora: SIMONE BIBLIOGRAFIA BÁSICA CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Campus, 2006.

Leia mais

Graduação em Administração

Graduação em Administração Graduação em Administração Disciplina: Planejamento Estratégico Aula 7 Cadeia de Valor São José dos Campos, março de 2011 Cadeia de Valor A vantagem competitiva de uma empresa não resulta simplesmente

Leia mais

Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho

Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho O QUE É O MODELO O Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho é uma ferramenta de diagnóstico e auto-avaliação que propõe às indústrias brasileiras uma reflexão

Leia mais

GESTÃO DE FLUXO DE CAIXA E AVALIAÇÃO DE RESULTADOS E INDICADORES FINANCEIROS

GESTÃO DE FLUXO DE CAIXA E AVALIAÇÃO DE RESULTADOS E INDICADORES FINANCEIROS GESTÃO DE FLUXO DE CAIXA E AVALIAÇÃO DE RESULTADOS E INDICADORES FINANCEIROS Wagner Viana SL 01 SL 02 SL 03 Oficina Objetivos Distinguir gestão do Fluxo de Caixa da apuração e análise de resultados; Apresentar

Leia mais

Forma de Funcionamento Número de negócios Percentual (%) Empresário Individual (Antiga Firma Individual) 36 7,61. Fundação - - Setor Público 3 0,63

Forma de Funcionamento Número de negócios Percentual (%) Empresário Individual (Antiga Firma Individual) 36 7,61. Fundação - - Setor Público 3 0,63 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 03/05/1758 - Distância da capital: 31 km - Área: 294 Km 2 - Localização Mesorregião: Leste Potiguar Microrregião: Macaíba - População: 36.990 (IBGE/2007) - Número

Leia mais

Claudemir Oribe

Claudemir Oribe P-25 - Como Escolher o Melhor Método de Avaliação para cada Tipo de Treinamento Claudemir Oribe claudemir@qualypro.com.br 31 3391-7646 Claudemir Oribe Consultor e Instrutor de T&D e Problem Solving Coordenador

Leia mais

O papel dos privados no sistema de Saúde português

O papel dos privados no sistema de Saúde português 1 O papel dos privados no sistema de Saúde português - A criação de valor como fator de sustentabilidade - Oscar Gaspar, 10 de julho de 2017 2 O papel dos privados no sistema de Saúde português A hospitalização

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO, O QUE É?

PLANO DE NEGÓCIO, O QUE É? PLANO DE NEGÓCIO P l a n o d e N e g ó c i o é u m documento capaz de mostrar toda a viabilidade e estratégias do negócio, do ponto de vista e s t r u t u r a l, a d m i n i s t r a t i v o, estratégico,

Leia mais

S T E M A I N T E G R A D O A SOLUÇÃO COMPLETA PARA ADMINISTRAÇÃO DE SUA EMPRESA Indústria Comércio Serviço

S T E M A I N T E G R A D O A SOLUÇÃO COMPLETA PARA ADMINISTRAÇÃO DE SUA EMPRESA Indústria Comércio Serviço S A SOLUÇÃO COMPLETA PARA ADMNSTRAÇÃO DE SUA EMPRESA ndústria Comércio Serviço S O GestãoPro foi desenvolvido para atender as empresas que atuam nos setores da indústria, comércio e serviço. O grande diferencial

Leia mais

Alimentamos Resultados

Alimentamos Resultados Alimentamos Resultados www..pt Somos uma equipa que defende que cada empresa é única, tem as suas características e necessidades e por isso cada projeto é elaborado especificamente para cada cliente. Feed

Leia mais

Curva de Demanda de trabalho de curto prazo. Produção com um insumo variável 28/01/2013. Demanda de Trabalho

Curva de Demanda de trabalho de curto prazo. Produção com um insumo variável 28/01/2013. Demanda de Trabalho Demanda de Trabalho Curva de Demanda de trabalho de curto prazo Produção com um insumo variável A curva de demanda por mão-de-obra da firma é simplesmente uma curva que mostra a quantidade de trabalho

Leia mais

Unidade I. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade I. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade I Marketing Profª. Daniela Menezes O que é Marketing? Marketing é:...um processo social por meio do qual pessoas e grupos de pessoas obtêm aquilo que necessitam e o que desejam com a criação, oferta

Leia mais

1 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA POLÍTICA DE PREÇOS... 15

1 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA POLÍTICA DE PREÇOS... 15 Sumário Prefácio à 5 a Edição... xxi Prefácio à 1 a Edição... xxv Introdução... 1 PARTE I ASPECTOS ESTRATÉGICOS E MERCADOLÓGICOS DO PREÇO... 13 1 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA POLÍTICA DE PREÇOS... 15 1.1

Leia mais

3º CAPÍTULO DO FÓRUM RAC2017 ESTRATÉGIA CORREIOS LOGÍSTICA E ENCOMENDAS GUILHERME CAMPOS

3º CAPÍTULO DO FÓRUM RAC2017 ESTRATÉGIA CORREIOS LOGÍSTICA E ENCOMENDAS GUILHERME CAMPOS 3º CAPÍTULO DO FÓRUM RAC2017 ESTRATÉGIA CORREIOS LOGÍSTICA E ENCOMENDAS GUILHERME CAMPOS QUEM SÃO OS CORREIOS NA CADEIA LOGÍSTICA Toneladas de encomendas captadas/entregues por dia +1,3mil Agências atendidas

Leia mais

Professor: Sergio Enabe. 2o. Semestre Estratégia

Professor: Sergio Enabe. 2o. Semestre Estratégia INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO: Administração SÉRIE: 6º/5º semestres TURNO: Diurno/ Noturno DISCIPLINA: Planejamento Operacional: RH e Finanças Professor: Sergio Enabe Estratégia 2o.

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS NÍVEL DE SERVIÇO E ESTRATÉGIA LOGÍSTICA. Prof. Dr. Daniel Caetano

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS NÍVEL DE SERVIÇO E ESTRATÉGIA LOGÍSTICA. Prof. Dr. Daniel Caetano GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS NÍVEL DE SERVIÇO E ESTRATÉGIA LOGÍSTICA Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Avaliar diferentes perspectivas de medição de nível de serviço Entender a importância do

Leia mais

empreendedorismo UNIDADE iii- PROCESSO EMPREENDEDOR; AMBIENTES E CARACTERÍSTICAS DE NEGÓCIO.

empreendedorismo UNIDADE iii- PROCESSO EMPREENDEDOR; AMBIENTES E CARACTERÍSTICAS DE NEGÓCIO. empreendedorismo UNIDADE iii- PROCESSO EMPREENDEDOR; AMBIENTES E CARACTERÍSTICAS DE NEGÓCIO. PROCESSO EMPREENDEDOR SE DESENVOLVE AO LONGO DO TEMPO E SE MOVE POR MEIO DE FASES DISTINTAS, MAS INTIMAMENTE

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Atividades do Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Sistemas produtivos: abrange produção de bens e de serviços; Funções básicas dos

Leia mais

GESTÃO DE SERVIÇOS PROFESSORA: WANESSA PAZINI

GESTÃO DE SERVIÇOS PROFESSORA: WANESSA PAZINI GESTÃO DE SERVIÇOS PROFESSORA: WANESSA PAZINI A Função de Operações A função de operações de uma organização é responsável por produzir seus produtos ou serviços. Um sistema de operações de uma empresa,

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO

INDICADORES DE DESEMPENHO DE DESEMPENHO Indicadores relacionados com o faturamento Faturamento (valor) Faturamento no Exterior (valor) Faturamento Estimado (valor) Evolução do Faturamento (valor ou %) Evolução do Faturamento estimado

Leia mais

Aula 3 Administração Integrada

Aula 3 Administração Integrada Aula 3 Administração Integrada MEG O MEG está descrito em três versões: Critérios de Excelência, para organização em estágios avançados; Rumo à Excelência, para organizações em estágios intermediários;

Leia mais

TRABALHO E SISTEMAS DE ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

TRABALHO E SISTEMAS DE ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO 1 TRABALHO E SISTEMAS DE ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO O ser humano trabalha quando cria a vida ou melhora as condições de vida. O trabalho transforma a natureza O trabalho também serve a estratificação está

Leia mais

Bens de capital. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Bens de capital. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Bens de capital Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DESEMPENHO BENS DE CAPITAL o o o Desempenho atual: elevação da produção industrial neste ano reflete, em grande medida,

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T16. 06 de Maio de 2016

Divulgação de Resultados 1T16. 06 de Maio de 2016 Divulgação de Resultados 06 de Maio de 2016 Aviso Importante Algumas das afirmações aqui contidas se baseiam nas hipóteses e perspectivas atuais da administração da Companhia que poderiam ocasionar variações

Leia mais

Indicadores de Desempenho

Indicadores de Desempenho Indicadores de Desempenho 1 Conceito Características mensuráveis de processos, produtos ou serviços, utilizadas pela organização para acompanhar, avaliar e melhorar o seu desempenho. OS INDICADORES NECESSITAM

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS Condomínios Logísticos no Brasil A visão dos operadores logísticos

Brochura - Panorama ILOS Condomínios Logísticos no Brasil A visão dos operadores logísticos Brochura - Panorama ILOS Condomínios Logísticos no Brasil A visão dos operadores logísticos - 2013 - Apresentação Impulsionado pelo aumento do consumo e pela necessidade das empresas em investirem na atividade

Leia mais

Planejamento estratégico. de pessoas

Planejamento estratégico. de pessoas Planejamento estratégico de pessoas PLANEJAMENTO ORGANIZACIONAL X PLANEJAMENTO DE RH O QUE É GESTÃO POR RESULTADOS? A cada nível hierárquico, o líder reúne-se com os líderes que lhe são imediatamente subordinados

Leia mais

Telefonia Móvel. Audiência Pública da Comissão de Defesa do Consumidor Requerimentos 03/2011 e 05/ de março de 2011

Telefonia Móvel. Audiência Pública da Comissão de Defesa do Consumidor Requerimentos 03/2011 e 05/ de março de 2011 Telefonia Móvel Audiência Pública da Comissão de Defesa do Consumidor Requerimentos 03/2011 e 05/2011 24 de março de 2011 Sumário Base de clientes Investimentos Empregos gerados Competição Preço dos serviços

Leia mais

PEDRA PRETA 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS

PEDRA PRETA 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 19/01/1963 - Distância da capital: 149 km - Área: 295 Km 2 - Localização Mesorregião: Central Potiguar Microrregião: Angicos - População: 2.659 (IBGE/2007) - Número

Leia mais

A CONSIGAZ RECEBERÁ SUA INSCRIÇÃO COM IMENSA SATISFAÇÃO.

A CONSIGAZ RECEBERÁ SUA INSCRIÇÃO COM IMENSA SATISFAÇÃO. A CONSIGAZ RECEBERÁ SUA INSCRIÇÃO COM IMENSA SATISFAÇÃO. REALIZAREMOS A TRIAGEM DOS CURRÍCULOS DE ACORDO COM O PERFIL NECESSÁRIO. Consultor Comercial Supervisionar as atividades dos postos de venda, administrar

Leia mais

Segmentos Varejo e Prime Josué Augusto Pancini. Diretor Vice-Presidente

Segmentos Varejo e Prime Josué Augusto Pancini. Diretor Vice-Presidente 11 Informação Esta apresentação pode conter informações sobre eventos futuros. Tais informações não seriam apenas fatos históricos, mas refletiriam os desejos e as expectativas da direção da companhia.

Leia mais

3. CNAE E FATURAMENTO: 3.1. CNAE Principal (Código e Descrição da Atividade Econômica Principal, conforme CNPJ):

3. CNAE E FATURAMENTO: 3.1. CNAE Principal (Código e Descrição da Atividade Econômica Principal, conforme CNPJ): BNDES/GOIÁSFOMENTO CARTA-CONSULTA 1. RESUMO DA OPERAÇÃO PROPOSTA: 1.1. Sobre a Empresa 1.1.1. Empresa/Proponente: 1.1.2. Objetivo Social: 1.1.3. Localização do Empreendimento Proposto (município): 1.2.

Leia mais

Qualidade a essência do marketing de serviços

Qualidade a essência do marketing de serviços Qualidade a essência do marketing de serviços Adaptado do livro Marketing Services Leonard Berry & A. Parasuraman Pos graduação em Administração Fundação Getulio Vargas Professor Luiz Flores - Marketing

Leia mais

MB ASSOCIADOS. A agenda econômica internacional do Brasil. CINDES Rio de Janeiro 10 de junho de 2011

MB ASSOCIADOS. A agenda econômica internacional do Brasil. CINDES Rio de Janeiro 10 de junho de 2011 MB ASSOCIADOS A agenda econômica internacional do Brasil CINDES Rio de Janeiro 10 de junho de 2011 1 Cenário base 2011 2014 Crescimento mundial deverá ser da ordem de 4,0% a.a. Os países do G7 devem crescer

Leia mais

Perspectivas: GPA e Setor

Perspectivas: GPA e Setor Perspectivas: GPA e Setor Apresentação ao IBEF SP 23 de Setembro de 2010 Enéas Pestana Presidente Executivo AGENDA Contexto Econômico O Varejo Brasileiro O Grupo Pão de Açúcar A Nova Globex O que vem pela

Leia mais

COMPRAS GOVERNAMENTAIS. Estratégia adotada no MS para o Desenvolvimento e Fortalecimento dos pequenos negócios!

COMPRAS GOVERNAMENTAIS. Estratégia adotada no MS para o Desenvolvimento e Fortalecimento dos pequenos negócios! COMPRAS GOVERNAMENTAIS Estratégia adotada no MS para o Desenvolvimento e Fortalecimento dos pequenos negócios! Desenvolver Micro e Pequenas Empresas no Brasil é um assunto desafiador. Sabemos que grande

Leia mais

Tipos de Indicadores. Conceito. O que medir... 25/08/2016

Tipos de Indicadores. Conceito. O que medir... 25/08/2016 Tipos de Indicadores 1 Conceito Características mensuráveis de processos, produtos ou serviços, utilizadas pela organização para acompanhar, avaliar e melhorar o seu desempenho ; OS INDICADORES NECESSITAM

Leia mais

PANORAMA DO TREINAMENTO NO BRASIL Dados, informações, fatos, análises.

PANORAMA DO TREINAMENTO NO BRASIL Dados, informações, fatos, análises. PANORAMA DO TREINAMENTO NO BRASIL - 2017 Dados, informações, fatos, análises. Este questionário em PDF é para auxiliar na coleta de dados. As perguntas devem ser respondidas no link: www.cmpesquisa.com.br/t&d

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO SEGUE PAUTADO PELAS MUDANÇAS NO CENÁRIO GLOBAL, AFETANDO DIRETAMENTE O CÂMBIO, E PELO CRESCIMENTO MAIS MODERADO DA ECONOMIA DOMÉSTICA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

Estratégia de Operações

Estratégia de Operações Estratégia de Operações Prof. MSc. Hugo J. Ribeiro Junior Engenharia de Produção - 9º período Janeiro de 2011 SUMÁRIO 1. Introdução; 2. Competências Essenciais; 3. Prioridades Competitivas; 4. Estratégia

Leia mais

O QUE IMPULSIONA O ENGAJAMENTO DO COLABORADOR E POR QUE ISSO IMPORTA

O QUE IMPULSIONA O ENGAJAMENTO DO COLABORADOR E POR QUE ISSO IMPORTA O QUE IMPULSIONA O ENGAJAMENTO DO COLABORADOR E POR QUE ISSO IMPORTA White Paper de Dale Carnegie Training Copyright 2012 Dale Carnegie & Associates, Inc. All rights reserved. drive_engagement_012413_wp_pr

Leia mais

Enfrentando la Revolución Industrial China

Enfrentando la Revolución Industrial China Instituto de Estrategia Internacional Enfrentando la Revolución Industrial China Rodrigo Tavares Maciel Agosto, 27 1. Alguns fundamentos da economia chinesa (e implicações para o comércio mundial) 8 7

Leia mais

Tendências em Sistemas de Informação

Tendências em Sistemas de Informação Prof. Glauco Ruiz Tendências em Sistemas de Informação Os papéis atribuídos à função dos SI têm sido significativamente ampliados no curso dos anos. De 1950 a 1960 Processamento de Dados Sistemas de processamento

Leia mais

Produção e o Custo da Empresa. Conceitos básicos; Função de produção; Lei dos rendimentos decrescentes; Equilíbrio da firma; Custos de Produção.

Produção e o Custo da Empresa. Conceitos básicos; Função de produção; Lei dos rendimentos decrescentes; Equilíbrio da firma; Custos de Produção. Produção e o Custo da Empresa Conceitos básicos; Função de produção; Lei dos rendimentos decrescentes; Equilíbrio da firma; Custos de Produção. 1. Conceitos básicos A economia é formada por diversas empresas

Leia mais

Mais e melhores empregos nos serviços de apoio domiciliário

Mais e melhores empregos nos serviços de apoio domiciliário Mais e melhores empregos nos serviços de apoio domiciliário Robert Anderson Seminário: Apoio domiciliário e trabalho doméstico: perspetivas de emprego 29 de novembro de 2013, Lisboa Panorâmica Os profissionais

Leia mais

O NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO: SATISFAÇÃO DO CLIENTE NA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

O NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO: SATISFAÇÃO DO CLIENTE NA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR O NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO: SATISFAÇÃO DO CLIENTE NA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR Debora Lindoso Mamede* 1 Thatiele Guedes de Oliveira *² Inimá Indio do Brasil Júnior*³ RESUMO: O presente estudo versa

Leia mais

O Desempenho Comparado das Telecomunicações do Brasil Preços dos Serviços de Telecomunicações Utilização de Telefonia Fixa

O Desempenho Comparado das Telecomunicações do Brasil Preços dos Serviços de Telecomunicações Utilização de Telefonia Fixa O Desempenho Comparado das Telecomunicações do Brasil Preços dos Serviços de Telecomunicações Utilização de Telefonia Fixa São Paulo, Julho de 2014 2014 Teleco. Todos os direitos reservados. ÍNDICE 1.

Leia mais

Gestão de sistemas em energia:

Gestão de sistemas em energia: MESTRADO EM ENERGIA Gestão de sistemas em energia: - Planejamento da Operação - Projeto de sistemas de energia Prof. Manuel Jarufe manueljarufe@ceunes.ufes.br Disciplina: Gestão de sistemas em energia

Leia mais

MERCADO, CLIENTES E CONCORRENTES

MERCADO, CLIENTES E CONCORRENTES MERCADO, CLIENTES E CONCORRENTES CLIENTE A definição do negócio deve partir de fora para dentro e do ponto de vista do cliente e não do produto/serviço que você pretende oferecer. mercado consumidor

Leia mais

Potências marítimas: Novas (burguesia) Antigas (nobreza) Portugal Espanha Holanda Inglaterra França

Potências marítimas: Novas (burguesia) Antigas (nobreza) Portugal Espanha Holanda Inglaterra França 1. O tempo do grande comércio oceânico Criação/crescimento de grandes companhias de comércio europeias: - Companhia das Índias Ocidentais (1600 Londres) - Companhia Inglesa das Índias Orientais (Londres

Leia mais

Práticas Administrativas

Práticas Administrativas Faculdades Integradas de Botucatu Campus de Botucatu Práticas Administrativas Curso de Graduação em Administração de Empresas Prof. Esp. Robson Diaz Baptista robsondiaz@hotmail.com UNIFAC Faculdades Integradas

Leia mais