METAIS FERROSOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA. Prof.(a) : Graziele Braga ENGENHARIA MECÂNICA.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "METAIS FERROSOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA. Prof.(a) : Graziele Braga ENGENHARIA MECÂNICA."

Transcrição

1 METAIS FERROSOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA ENGENHARIA MECÂNICA Prof.(a) : Graziele Braga Betim 2016

2 DIAGRAMAS DE EQUILÍBRIO Fases presentes Composição dessas fases Percentual ou fração das fases - Regra da alavanca

3 DIAGRAMA FE - C

4 DIAGRAMA FE - C - MICROESTRUTURAS Micrografias da (a) ferrita e austenita (b)

5 DIAGRAMA FE - C - REAÇÕES INVARIANTES Reação Eutética L L 4, 3%C S1 + S2 γ 2, 11%C + Fe 3 C (6, 67%C) Reação Eutetóide S1 S2 + S3 Reação Peritética γ 0, 76%C α 0, 02%C + Fe 3 C (6, 67%C) L + S1 S2 L 0, 17%C + δ 0, 02%C γ(0, 17%C)

6 DIAGRAMA FE C LIGA EUTETÓIDE Aço eutetóide microestrutura 100 % perlitica Ampliação: 500x

7 DIAGRAMA FE - C FORMÃÇÃO DA PERLITA Perlita é um constituinte formado por uma matriz de ferrita com lamelas de cementita Representação esquemática da formação da perlita a partir da austenita

8 DIAGRAMA FE - C LIGA HIPOEUTETÓIDE Aço com 0,38%C Microestrutura: perlita e ferrita proeutetóide Ampliação: 635x

9 DIAGRAMA FE - C LIGA HIPEREUTETÓIDE Aço com 1,4%C Microestrutura: perlita e cementita proeutetóide Ampliação: 1000x

10 DIAGRAMA FE - C REGRA DA ALAVANCA Cálculo da fração de ferrita e cementita em C = 0,76%, C = 0,4 e C = 1,3

11 EXEMPLO 1 Cálculo da fração dos constituintes em C = 0,76%, C = 0,4 e C = 1,3

12 EXEMPLO 2 Para uma liga composta por 99,65p% Fe e 0,35p%C, a uma temperatura imediatamente abaixo da eutetóide, determine o seguinte: a) As frações das fases ferrita e cementita b) As frações de ferrita proeutetóide e perlita

13 DIAGRAMA FE C INFLUÊNCIA DOS ELEMENTOS DE LIGA Dependência da temperatura eutetóide em relação à concentração da liga para vários elementos de liga no aço. Dependência da composição eutetóide em relação à concentração da liga para vários elementos de liga no aço.

14 DIAGRAMA FE C LIGA EUTÉTICA Ledeburita 1 Liga eutética Ledeburita 2

15 DIAGRAMA FE C LIGA HIPOEUTÉTICA Liga Hipoeutética

16 DIAGRAMA FE C LIGA HIPEREUTÉTICA Liga Hipereutética

17 LIGAS FERROSAS Importância??? Compostos contendo ferro existem em quantidades abundantes; A produção das ligas ferrosas são relativamente econômicas; Versatilidade de propriedades físicas e mecânicas.

18 CLASSIFICAÇÃO DAS LIGAS METÁLICAS

19 AÇO Liga ferro-carbono com teores de 0,008% até 2,11% de carbono, além de certos elementos residuais, resultantes do processo de fabricação. Estes elementos adicionais são chamados de elementos ligas que podem ser: manganês, cromo, silício, nióbio, molibdênio, níquel e vários outros. Por outro lado, alguns elementos presentes no aço são prejudiciais às suas propriedades, ou seja, são classificados como impurezas. As principais impurezas no aço são os elementos fósforo e enxofre, e gases dissolvidos, como hidrogênio, nitrogênio e oxigênio. vídeo

20 CLASSIFICAÇÃO DOS AÇOS variação nos teores dos elementos de liga XXXX classe do aço Teor médio de carbono **Normas

21 CLASSIFICAÇÃO DOS AÇOS %C Aços 10XX - aço carbono simples (outros elementos em porcentagens desprezíveis, teor de Mn de no máximo 1,0%) 11XX - aço carbono com S (Enxofre) fácil usinagem 12XX - aço carbono com S e P (Fósforo) - fácil usinagem 13XX - aço com 1,6% a 1,9% de Mn (Manganês) (aço-manganês) 14XX - aço carbono com 0,10% de Nb (Nióbio) 15XX - aço carbono com teor de Mn de 1,0% a 1,65% (aço-manganês)

22 CLASSIFICAÇÃO DOS AÇOS Ni 2XXX Ni - Cr 3XXX Mo 4XXX Cr - V 6XXX Ni-Cr-Mo 8XXX Cr 5XXX Cr - W 7XXX Si - Mn 92XX

23 AÇOS CARBONO Aços carbono são aqueles no qual estão presentes o carbono e os elementos residuais, manganês, silício, fósforo, enxofre e outros, nos teores considerados normais; Baixo teor de carbono Médio teor de carbono Alto teor de carbono

24 AÇOS LIGA Aços baixa liga Aços alta liga ligantes < 8% ligantes > 8% Aumentar a dureza e a resistência mecânica; Resistência uniforme na seção em peças de grandes dimensões; Resistência à corrosão, ao calor e ao desgaste; Aumentar a capacidade de corte; Melhorar propriedades elétricas e magnéticas.

25 AÇOS COM BAIXO TEOR DE CARBONO C < 0,3% Baixa resistência mecânica e dureza, alta ductilidade e tenacidade Facilmente usináveis e soldáveis Baixo custo de produção Não são tratáveis termicamente para endurecimento O aumento de resistência é conseguido através do trabalho a frio Perlita e Ferrita

26 AÇOS COM BAIXO TEOR DE CARBONO LE 275 MPa LRT ( ) MPa AL 25 % Aplicações Chapas automobilísticas Perfis estruturais e placas utilizadas na fabricação de tubos Construção cívil

27 AÇOS COM BAIXO TEOR DE CARBONO Ferrita Perlita

28 AÇOS COM BAIXO TEOR DE CARBONO - ARBL C < 0,2% Elementos de Liga: Cu, V, Ni e Mo Até 10% em peso de ligantes Melhor resistência à corrosão que os aços comum ao carbono Boa ductilidade São conformáveis e usináveis Podem ter sus resistência aumentada mediante tratamento térmico

29 AÇOS COM BAIXO TEOR DE CARBONO - ARLB LE > 290 MPa LRT > 480 MPa AL ~ 20 % Aplicações Pontes, torres Colunas de suporte Vasos de pressão

30 AÇOS COM MÉDIO TEOR EM CARBONO 0,20% < C < 0,60% Podem ser tratáveis termicamente ( Têmpera - Revenimento) Baixa endurecibilidade porém se tratados com alta taxa de resfriamento e com adição de Cr, Ni, Mo Variedade de combinações entre resistência e ductilidade São mais resistentes do que os aços baixo teor de carbono, porém menos dúcteis e tenazes Martensita Revenida

31 AÇOS COM MÉDIO TEOR EM CARBONO Aplicações Rodas e trilhos de trem Engrenagens, virabrequim Componentes estruturais de alta resistência que exigem uma boa combinação entre resistência, resistência à abrasão e tenacidade

32 AÇOS COM MÉDIO TEOR EM CARBONO Ferrita Perlita Aço Martensita em forma de ripas

33 AÇOS COM ALTO TEOR DE CARBONO 0,60% < C < 1,40% Podem ser tratáveis termicamente ( Têmpera - Revenimento) Elevada resistência e dureza Baixa ductilidade Elevada resistência ao desgaste Utilizados em ferramentas

34 AÇOS COM ALTO TEOR DE CARBONO Aços ferramenta São ligas que contém alto teor de carbono e de outros elementos de liga (V, W, Mo, Cr) Aplicações Ferramentas e matrizes de corte Matrizes para a conformação Lâminas de serra Molas, arames

35 AÇOS COM ALTO TEOR DE CARBONO Perlita Martensita

36 AÇOS INOXIDÁVEIS Aços inoxidáveis são ligas altamente resistentes à corrosão em uma variedade de ambientes, especialmente à atmosfera ambiente. Cr > 11% Resistência à corrosão: Mo, Ni Ferríticos, Austeníticos, Duplex, Martensiticos

37 AÇOS INOXIDÁVEIS O cromo, em contato com o oxigênio permite a formação de uma película finíssima de óxido de cromo (Cr 2 O 3 ) sobre a superfície do aço, que é impermeável e insolúvel em meios corrosivos usuais

38 AÇOS INOXIDÁVEIS

39 AÇOS INOXIDÁVEIS - AUSTENÍTICOS Melhor resistência à corrosão, com exceção do duplex Ligas ternárias Fe - Cr - Ni - 16% < Cr < 25% - 7% < Ni < 20% Classificação AISI 3XX (eventualmente AISI 2XX) Estrutura austenítica (CFC) A presença do níquel estabiliza a austenita a temperatura ambiente

40 AÇOS INOXIDÁVEIS - AUSTENÍTICOS Elevada capacidade de deformação Ni contribui para a resistência por à corrosão Não magnéticos Não temperáveis São endurecíveis por deformação plástica a frio Ótima soldabilidade

41 AÇOS INOXIDÁVEIS - AUSTENÍTICOS Corrosão intergranular: Soldagem ou aquecimento C a 870 C C < 0,03% Nb ou Ti (se combinam com o carbono mais rápido do que o Cr

42 AÇOS INOXIDÁVEIS - AUSTENÍTICOS Microestrutura inox austeníticos

43 AÇOS INOXIDÁVEIS - AUSTENÍTICOS Liga Composição Química Estado LE LRT Aplicações Cr; 7Ni Recozido Liga de elevada taxa de encruamento; aplicações estruturais Cr; 10Ni Recozido Equipamento de processamento químico e de alimentos 304L 19Cr; 10Ni; 0,03C Recozido Baixo carbono para soldadura; reservatórios químicos Cr; 10Ni; Ti = 5x %Cmin Recozido Estabilizado para soldadura; equipamento de processamento Cr; 10Ni; Cb (Nb) = 10x Cmin. Recozido Estabilizado para soldadura; reservatórios de transporte de produtos químicos

44 AÇOS INOXIDÁVEIS - MARTENSÍTICO Ligas binárias Fe - Cr - 12% <Cr <17% Série AISI 4XX Magnéticos e endurecíveis por têmpera Maior resistência mecânica e duzeza Baixa soldabilidade (podem temperar e fissurar na solda) Baixa resistência a corrosão comparando com os ferríticos e austeníticos

45 AÇOS INOXIDÁVEIS - MARTENSÍTICO Microestrutura inox austeníticos

46 AÇOS INOXIDÁVEIS - MARTENSÍTICO Liga Composição Química Estado LE LRT Aplicações ,5Cr; 0,15C Recozido Temperado e Revenido Uso geral para Tratamento térmico; orgãos de máquinas, veios de bombas, válvulas 440A 17Cr; 0,7C Recozido Temperado e Revenido Cutelaria, rolamentos, intrumentos cirúrgicos. 440C 17Cr; 1,1C Recozido Temperado e Revenido Esferas, rolamentos, pistas, componentes de válvulas.

47 AÇOS INOXIDÁVEIS - FERRÍTICOS 12 % < Cr < 30 % Ni < 1% Mo eleva a resistência à corrosão, Nb/Ti melhora a soldabilidade Estrutura essencialmente ferrítica (CCC) Relativamente baratos, pois não contém níquel Resistência à corrosão menor do que os austeníticos

48 AÇOS INOXIDÁVEIS - FERRÍTICOS Série AISI 4XX Microestrutura inox ferrítico

49 AÇOS INOXIDÁVEIS - FERRÍTICOS Liga Composição Química Estado LE LRT Cr; 0,012C Recozido Cr; 0,20C Recozido Aplicações AISI 430: Uso geral, em que não se requer endurecimento, capotas de automóveis, equipamento para restaurantes AISI 446: Aplicações a alta temperatura, aquecedores, câmaras de combustão

50 AÇOS INOXIDÁVEIS - DUPLEX 50% α e 50% ϒ Boa relação entre resistência mecânica e resistência à corrosão 20% < Cr < 25% 1% < Ni < 7% Mo (0,3-4%) e N melhoram as resistência à corrosão Magnéticos

51 AÇOS INOXIDÁVEIS - DUPLEX

52 AÇOS INOXIDÁVEIS - DUPLEX

53 AÇOS INOXIDÁVEIS - DUPLEX Aplicações - indústrias petroquímica, químicas, óleo e gás, papel e celulose, naval e nuclear

54 FERRO FUNDIDO Definição: designação genérica para ligas de ferro-carbono com teores de carbono de 2,11% a 6,7%. - maioria contém entre 3% e 4,5% de carbono Outros elementos Silicio - elemento grafitizante, favore a decomposição do carboneto de ferro em grafita; Manganês - estabiliza a cementita, atua também como dessulfurante; Fósforo - em teores elevados é um estabilizador da cementita; Enxofre - nos teores normais, não tem ação significativa

55 FERRO FUNDIDO - Se tornam liquidos em temperaturas entre 1150 C e 1300 C - Por serem muito frágeis, a fundição é muitas vezes a técnica mais adequada Tipos Cinzento Branco Nodular Maleável Vermicular

56 FERRO FUNDIDO Campos de composição química típica dos ferros fundidos mais comuns

57 FERRO FUNDIDO CINZENTO Carbono 2,5% e 4,0% Silício 1,0 e 3,0% Matriz de ferrita ou perlita com veios de grafita

58 FERRO FUNDIDO CINZENTO A grafita existe na forma de veios, os quais se encontram envoltos por uma matriz ferrítica ou perlítica. Si promove a grafitização Propriedades Frágil Eficiente no amortecimento de energia vibracional Elevada resistência ao desgaste Baixa contração ao fundido Material mais barato que existe

59 FERRO FUNDIDO CINZENTO Aplicações Estruturas de base de máquinas e equipamentos pesados, expostos a vibrações.

60 FERRO FUNDIDO NODULAR A adição de magnésio ou cério no ferro fundido cinzendo antes da fundição leva a nodularização. Matriz ferrítica ou perlítica. Matriz de ferritíca com nódulos de grafita

61 FERRO FUNDIDO NODULAR Propriedades Mais resistentes e mais duros do que o ferro cinzento Aplicações Válvulas Corpos de bombas Virabrequins Componentes de máquinas

62 FERRO FUNDIDO BRANCO Quase todo carbono está na forma de cementita Duro e resistente ao desgaste Frágil e de difícil usinagem

63 FERRO FUNDIDO BRANCO Aplicações Cilindros de laminação Moinho de bolas

64 FERRO FUNDIDO MALEÁVEL Obtido por meio do aquecimento do ferro branco (800 C a 900 C) por um período prolongado. Decomposição da cementita em grafita Aglomerados ou rosetas em uma matriz perlitica ou ferrítica

65 FERRO FUNDIDO MALEÁVEL Propriedades Resistência relativamente alta e ductilidade considerável Aplicações Barras de ligação Engrenagens de transmissão Válvulas para serviços marítimo

66 FERRO FUNDIDO VERMICULAR Carbono 3,1% e 4,0% Silício 1,7% e 3,0%

67 FERRO FUNDIDO VERMICULAR Grafita em forma de verme (Si) Magnésio e cério são adicionados porém em menor quantidade do que o nodular Matriz ferrítica ou perlítica. Propriedades Maior condutividade térmica Melhor resistência a choques térmicos Menor oxidação em temperaturas elevadas

68 FERRO FUNDIDO VERMICULAR Aplicações Bloco de motor Exaustores de distribuição Carcaça de caixas de engrenagens Discos de freios para trens Polias volantes

69 METAIS FERROSOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA ENGENHARIA MECÂNICA Prof.(a) : Graziele Braga Betim 2016

AÇOS E FERROS FUNDIDOS AÇOS E FERROS FUNDIDOS

AÇOS E FERROS FUNDIDOS AÇOS E FERROS FUNDIDOS AÇOS E FERROS FUNDIDOS Prof. MSc: Anael Krelling 1 2 AÇOS Aços são ligas Fe-C que podem conter outros elementos Propriedades mecânicas dependem da % C. % C < 0,25% - baixo carbono. 0,25% < % C < 0,60%

Leia mais

AÇOS E FERROS FUNDIDOS AÇOS E FERROS FUNDIDOS

AÇOS E FERROS FUNDIDOS AÇOS E FERROS FUNDIDOS AÇOS E FERROS FUNDIDOS Prof. Dr. Anael Krelling 1 2 AÇOS Aços são ligas Fe-C que podem conter outros elementos Propriedades mecânicas dependem da % C. % C < 0,25% - baixo carbono. 0,25% < % C < 0,60% -

Leia mais

Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP Aços e Ferro fundido 1. Aços inoxidáveis

Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP Aços e Ferro fundido 1. Aços inoxidáveis Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP Aços e Ferro fundido 1 Aços inoxidáveis Os aços inoxidáveis são aços de baixo teor de carbono, ligados principalmente ao: Cromo Níquel Molibdênio

Leia mais

AÇOS INOXIDÁVEIS (Fe-Cr-(Ni))

AÇOS INOXIDÁVEIS (Fe-Cr-(Ni)) AÇOS INOXIDÁVEIS (Fe-Cr-(Ni)) Ligas à base de Fe, com um mínimo de 11%Cr em solução para prevenir a corrosão Podem apresentar estrutura ferrítica, austenítica, martensítica, ou mista, consoante às % de

Leia mais

MATERIAIS METÁLICOS AULA 4

MATERIAIS METÁLICOS AULA 4 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO I E (TEC 156) MATERIAIS METÁLICOS AULA 4 Profª. Cintia Maria Ariani Fontes 1 METAIS

Leia mais

Ferro Fundido. A.S.D Oliveira

Ferro Fundido. A.S.D Oliveira Ferro Fundido Ferros fundidos Ligas ferrosas contendo 2.1%-4% C e 1%-3% Si - composição torna-os excelentes para fundição - a fabricação de ferros fundidos é várias vezes superior a de qualquer outro metal

Leia mais

- Fornos primitivos, com foles manuais, ainda hoje usados na África Central - Fornos primitivos, com foles manuais, utilizados na europa medieval.

- Fornos primitivos, com foles manuais, ainda hoje usados na África Central - Fornos primitivos, com foles manuais, utilizados na europa medieval. Aço -Histórico - Fornos primitivos, com foles manuais, ainda hoje usados na África Central - Fornos primitivos, com foles manuais, utilizados na europa medieval. - Conversor Bessemer Fonte Infomet Processamento

Leia mais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 02. Introdução ao Estudo dos Materiais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 02. Introdução ao Estudo dos Materiais Aula 02 Introdução ao Estudo dos Materiais Prof. Me. Dario de Almeida Jané Introdução ao Estudo dos Materiais - Definição - Tipos de Materiais / Classificação - Propriedades dos Materiais Introdução ao

Leia mais

Aula 1: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos. CEPEP - Escola Técnica Prof.: Kaio Hemerson Dutra

Aula 1: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos. CEPEP - Escola Técnica Prof.: Kaio Hemerson Dutra Aula 1: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Kaio Aços e Ferros Fundidos O Ferro é o metal mais utilizado pelo homem. A abundância dos

Leia mais

Ferro Fundido. A.S.D Oliveira

Ferro Fundido. A.S.D Oliveira Ferro Fundido Ferros fundidos Ligas ferrosas contendo comumente de 2.1%-4% C e 1%-3% Si Ferros fundidos com mais de 4%-4.5%C não são interessantes comercialmente devido à alta fragilidade; São considerados

Leia mais

Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono

Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono A partir do estudo deste texto você conhecerá as particularidades inerentes a diferentes tipos de aços: aços de médio carbono (para temperaturas

Leia mais

FERROS FUNDIDOS. Peças de geometria complexa. Peças onde a deformação plástica é inadmissível.

FERROS FUNDIDOS. Peças de geometria complexa. Peças onde a deformação plástica é inadmissível. FERROS FUNDIDOS FERROS FUNDIDOS Peças de geometria complexa. Peças onde a deformação plástica é inadmissível. FERROS FUNDIDOS FF CINZENTO (Gray iron) FF DÚCTIL ou Nodular (Spheroidal iron) FF BRANCO

Leia mais

DIAGRAMAS DE FASES DIAGRAMAS DE FASES

DIAGRAMAS DE FASES DIAGRAMAS DE FASES DIAGRAMAS DE FASES Prof. Dr. Anael Krelling 1 São mapas que permitem prever a microestrutura de um material em função da temperatura e composição de cada componente; Informações sobre fenômenos de fusão,

Leia mais

EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR

EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR Seleção do processo de fundição Metal a ser fundido [C. Q.]; Qualidade requerida da superfície do fundido; Tolerância dimensional requerida

Leia mais

Ciência e Engenharia de Materiais I Introdução aos Materiais

Ciência e Engenharia de Materiais I Introdução aos Materiais Ciência e Engenharia de Materiais I Introdução aos Materiais 3 aula Aços ligados e ferros fundidos Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Para que servem

Leia mais

Página 1 de 7 CRITÉRIOS PARA CLASSIFICAÇÃO DOS AÇOS

Página 1 de 7 CRITÉRIOS PARA CLASSIFICAÇÃO DOS AÇOS Página 1 de 7 CRITÉRIOS PARA CLASSIFICAÇÃO DOS AÇOS A classificação dos aços não obedece a um único critério, existindo classificações quanto à composição química, processamento, microestrutura, propriedades

Leia mais

Sistema Ferro - Carbono

Sistema Ferro - Carbono Sistema Fe-C Sistema Ferro - Carbono Diagrama de equilíbrio Fe-C Ferro comercialmente puro - < 0,008% Ligas de aços 0 a 2,11 % de C Ligas de Ferros Fundidos acima de 2,11% a 6,7% de C Ferro alfa dissolve

Leia mais

PRODUÇÃO DE FERRO E AÇO FERROS FUNDIDOS. Ciência e Engenharia dos Materiais I Profa. Dra. Lauralice Canale

PRODUÇÃO DE FERRO E AÇO FERROS FUNDIDOS. Ciência e Engenharia dos Materiais I Profa. Dra. Lauralice Canale PRODUÇÃO DE FERRO E AÇO FERROS FUNDIDOS Ciência e Engenharia dos Materiais I Profa. Dra. Lauralice Canale Recursos - Minerais Recursos - Minerais Recursos - Minerais Recursos - Minerais Recursos - Minerais

Leia mais

Classificação de materiais: Metais e Ligas metálicas

Classificação de materiais: Metais e Ligas metálicas FACULDADE SUDOESTE PAULISTA Ciência e Tecnologia de Materiais Prof. Msc. Patrícia Corrêa Classificação de materiais: Metais e Ligas metálicas Propriedade gerais dos metais: Bons condutores de calor Bons

Leia mais

Aços Ligados (Aço Inoxidável e Aço Ferramenta)

Aços Ligados (Aço Inoxidável e Aço Ferramenta) Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos Departamento de Engenharia de Materiais, Aeronáutica e Automobilística Aços Ligados (Aço Inoxidável e Aço Ferramenta) Engenharia e Ciência dos

Leia mais

Aços Ferramenta. A.S.D Oliveira

Aços Ferramenta. A.S.D Oliveira Aços Ferramenta Classificação das ligas ferrosas Aços Ferros Fundidos Inoxidáveis Aços Ferramenta Aços ao C Aços Ferramenta Classe de aços de alta liga projetado para serem utilizados em ferramentas de

Leia mais

Ciência dos materiais Aula 8. Profª Mª Patrícia Cristina Costa Ladeira

Ciência dos materiais Aula 8. Profª Mª Patrícia Cristina Costa Ladeira Ciência dos materiais Aula 8 Profª Mª Patrícia Cristina Costa Ladeira patricialadeira@aedu.com patricia.ladeira@yahoo.com.br Materiais metálicos e ligas 2 Ferrosos Materiais e ligas que possuem o Fe como

Leia mais

FERROS FUNDIDOS (PROPRIEDADES E TRATAMENTOS TÉRMICOS) C Si Mn S P. Cinzento 2,5-4,0 1,0-3,0 0,25-1,0 0,02-0,25 0,05-1,0

FERROS FUNDIDOS (PROPRIEDADES E TRATAMENTOS TÉRMICOS) C Si Mn S P. Cinzento 2,5-4,0 1,0-3,0 0,25-1,0 0,02-0,25 0,05-1,0 FERROS FUNDIDOS (PROPRIEDADES E TRATAMENTOS TÉRMICOS) C Si Mn S P Cinzento 2,5-4,0 1,0-3,0 0,25-1,0 0,02-0,25 0,05-1,0 Branco 1,8-3,6 0,5-1,9 0,25-0,80 0,06-0,20 0,06-0,18 Maleável 2,0-2,6 1,1-1,6 0,20-1,0

Leia mais

Ciências dos materiais- 232

Ciências dos materiais- 232 1 Ciências dos materiais- 232 Aula 6 - Tratamentos Térmicos Quinta Quinzenal Semana par 26/05/2015 1 Professor: Luis Gustavo Sigward Ericsson Curso: Engenharia Mecânica Série: 5º/ 6º Semestre 2015-1_CM_Aula06_TratTermico.pdf

Leia mais

Sistemas Estruturais. Prof. Rodrigo mero

Sistemas Estruturais. Prof. Rodrigo mero Sistemas Estruturais Prof. Rodrigo mero Aula 4 O Material aço Índice Características de Aço da Construção Civil Propriedades Modificadas Ligas Metálicas Ligas Ferrosas Ligas Não-Ferrosas Teor de Carbono

Leia mais

Tratamentos térmicos de aços inoxidáveis

Tratamentos térmicos de aços inoxidáveis Tratamentos térmicos de aços inoxidáveis Aços inoxidáveis Aços de alta liga contendo ao menos 10% Cr Originados no início do século XX Stainless Steel Aço sem mancha Principal característica: resistência

Leia mais

Tratamentos Térmicos. Recozimento. Objetivos:

Tratamentos Térmicos. Recozimento. Objetivos: Recozimento Objetivos: Reduzir a dureza; Aumentar a usinabilidade; Facilitar o trabalho a frio; Atingir microestrutura e propriedades desejadas Recozimento pleno Conceitos: Tratamentos Térmicos - TEMPERATURAS

Leia mais

TRANSFORMAÇÕES DE FASES EM METAIS E MICROESTRUTURAS

TRANSFORMAÇÕES DE FASES EM METAIS E MICROESTRUTURAS Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos Departamento de Engenharia de Materiais, Aeronáutica e Automobilística TRANSFORMAÇÕES DE FASES EM METAIS E MICROESTRUTURAS Engenharia e Ciência

Leia mais

Metalografia e tratamento térmico do cobre e suas ligas

Metalografia e tratamento térmico do cobre e suas ligas PMT-2402 Metalografia e Tratamentos Térmicos dos Metais Metalografia e tratamento térmico do cobre e suas ligas André Paulo Tschiptschin Histórico Primeiro metal a ser utilizado pelo homem Facas de cobre

Leia mais

COTAÇÕES. Universidade Técnica de Lisboa. Instituto Superior Técnico. Ciência de Materiais Repescagem 2º Teste (30.Janeiro.2012)

COTAÇÕES. Universidade Técnica de Lisboa. Instituto Superior Técnico. Ciência de Materiais Repescagem 2º Teste (30.Janeiro.2012) Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico Ciência de Materiais Repescagem 2º Teste (30.Janeiro.2012) COTAÇÕES Pergunta Cotação 1. (a) 0,50 1. (b) 0,50 1. (c) 1,00 1. (d) 0,50 1. (e) 1,50

Leia mais

Ciência dos Materiais - Equilíbrio ferro-carbono /

Ciência dos Materiais - Equilíbrio ferro-carbono / Página 1 de 5 MENU PRINCIPAL CONTEUDO TÉCNICO DOWNLOAD CONTATO ENTRETENIMENTO LOGIN search.... Home PAINEL Ciência dos Materiais Ciência dos Materiais - Equilíbrio ferro-carbono / Ferros fundidos Ciência

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS: AÇOS E SUAS LIGAS. Os tratamentos térmicos em metais ou ligas metálicas, são definidos como:

TRATAMENTOS TÉRMICOS: AÇOS E SUAS LIGAS. Os tratamentos térmicos em metais ou ligas metálicas, são definidos como: TRATAMENTOS TÉRMICOS: AÇOS E SUAS LIGAS Os tratamentos térmicos em metais ou ligas metálicas, são definidos como: - Conjunto de operações de aquecimento e resfriamento; - Condições controladas de temperatura,

Leia mais

MATERIAIS METÁLICOS. Ferros fundidos. Sem liga Baixa liga HSLA Ligados Ferríticos Austeníticos Martensíticos Duplex PH

MATERIAIS METÁLICOS. Ferros fundidos. Sem liga Baixa liga HSLA Ligados Ferríticos Austeníticos Martensíticos Duplex PH FERROSOS Ligas Fe-C Outras Fe MATERIAIS METÁLICOS Ferros fundidos Aços Fe-Cr (-Ni) (INOX) Fe-Ni (MARAGING) Fe-C-Mn (HADFIELD) Sem liga Baixa liga HSLA Ligados Ferríticos Austeníticos Martensíticos Duplex

Leia mais

Sistema Fe-C C ou Fe-Fe

Sistema Fe-C C ou Fe-Fe DIAGRAMA DE FASE Fe-Fe Fe3C TRANSFORMAÇÃO ALOTRÓPICA Sistema Fe-C C ou Fe-Fe 3 C e microestruturas que se formam no resfriamento lento 1 CCC CFC CCC DIAGRAMA DE FASE Fe-Fe Fe3C TRANSFORMAÇÃO ALOTRÓPICA

Leia mais

CENTRO PAULA SOUZA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL BENTO QUIRINO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ALBERTO JUNIOR DA SILVA ALEXANDRE NAKAMURA EDUARDO VIEIRA MACHADO

CENTRO PAULA SOUZA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL BENTO QUIRINO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ALBERTO JUNIOR DA SILVA ALEXANDRE NAKAMURA EDUARDO VIEIRA MACHADO CENTRO PAULA SOUZA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL BENTO QUIRINO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ALBERTO JUNIOR DA SILVA ALEXANDRE NAKAMURA EDUARDO VIEIRA MACHADO PETERSON L. A. DE SOUZA CLASSIFICAÇÃO AÇOS SEGUNDO NORMAS:

Leia mais

Centro Universitário Padre Anchieta Controle de Processos Químicos Ciência dos Materiais Prof Ailton. Metais Ferrosos

Centro Universitário Padre Anchieta Controle de Processos Químicos Ciência dos Materiais Prof Ailton. Metais Ferrosos Metais Ferrosos 7.1 - Equilíbrio Ferro-Carbono Alguns elementos químicos apresentam variedades alotrópicas, isto é, estruturas cristalinas diferentes que passam de uma para outra em determinadas temperaturas,

Leia mais

AÇO-CARBONO AÇO-LIGA ALOTROPIA DO FERRO

AÇO-CARBONO AÇO-LIGA ALOTROPIA DO FERRO AÇO-CARBONO Aço é a liga ferro-carbono contendo geralmente 0,008% ate aproximadamente 2,11% de carbono. AÇO-LIGA Aço que contem outros elementos de liga ou apresenta os teores residuais acima dos que são

Leia mais

SUMÁRIO. 1 Introdução Obtenção dos Metais Apresentação do IBP... xiii. Apresentação da ABENDI... Apresentação da ABRACO...

SUMÁRIO. 1 Introdução Obtenção dos Metais Apresentação do IBP... xiii. Apresentação da ABENDI... Apresentação da ABRACO... SUMÁRIO Apresentação do IBP... xiii Apresentação da ABENDI... xv Apresentação da ABRACO... xvii Prefácio... xix 1 Introdução... 1 1.1 Exercícios... 3 2 Obtenção dos Metais... 5 2.1 Minérios... 5 2.1.1

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA Disciplina: Materiais de Construção Mecânica Assunto: Diagrama de equilíbrio de fases Professor: Jorge Teófilo de Barros Lopes 1) Determine a composição e a quantidade relativa de cada fase presente em

Leia mais

Da importância do aço

Da importância do aço Da importância do aço Imaginemos um mundo sem aço pregos e parafusos motores eléctricos armaduras para betão trilhos e rodas de comboios carrosserias e jantes para automóveis embalagens de bebidas equipamento

Leia mais

Figura 49 Dispositivo utilizado no ensaio Jominy e detalhe do corpo-de-prova (adaptado de Reed-Hill, 1991).

Figura 49 Dispositivo utilizado no ensaio Jominy e detalhe do corpo-de-prova (adaptado de Reed-Hill, 1991). INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS AÇOS SILVIO FRANCISCO BRUNATTO 81 2.3.3 TEMPERABILIDADE A temperabilidade de um aço pode ser entendida como a capacidade de endurecimento ou a capacidade que o aço possui de obter

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DIAGRAMAS DE FASES

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DIAGRAMAS DE FASES UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DIAGRAMAS DE FASES CMA CIÊNCIA DOS MATERIAIS 1º Semestre de 2014 Prof. Júlio César Giubilei

Leia mais

Aços Ligados (Aço Inoxidável e Aço Ferramenta)

Aços Ligados (Aço Inoxidável e Aço Ferramenta) Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos Departamento de Engenharia de Materiais Aços Ligados (Aço Inoxidável e Aço Ferramenta) Profa. Dra. Lauralice Canale Prof. Dr. José Benedito

Leia mais

TRANSFORMAÇÕES DE FASES EM METAIS

TRANSFORMAÇÕES DE FASES EM METAIS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TRANSFORMAÇÕES DE FASES EM METAIS CMA CIÊNCIA DOS MATERIAIS 2º Semestre de 2014 Prof. Júlio

Leia mais

Representação da decomposição da austenita

Representação da decomposição da austenita Fe γ 723 0 C Fe γ + Feα Fe γ + Fe 3 C Feα + Fe 3 C 0,8%C Representação da decomposição da austenita Perlita: mistura específica de duas fases, formada pela transformação da austenita de composição eutetóide

Leia mais

Tratamentos térmicos de Recozimento e Normalização para os aços

Tratamentos térmicos de Recozimento e Normalização para os aços Tratamentos térmicos de Recozimento e Normalização para os aços Figura 10.1. Indicação das temperaturas recomendadas em aços carbonos, para austenitização e efetivação dos tratamentos térmicos de Normalização

Leia mais

Materiais de Construção Aços

Materiais de Construção Aços Materiais de Construção José Carlos G. Mocito email:jmocito@ipcb.pt O que é o aço? O aço é uma liga Ferro Carbono (liga FE C), cujo teor em carbono varia entre 0.03 e 2,06%. Uma propriedade característica

Leia mais

Microestrutura dos aços [5] Ferro δ (CCC) Ferro γ (CFC) Ferro α (CCC)

Microestrutura dos aços [5] Ferro δ (CCC) Ferro γ (CFC) Ferro α (CCC) [5] Alotropia do ferro puro: Líquido 1538 C 1394 C Ferro δ (CCC) Cúbico de corpo centrado 912 C 770 C Ferro γ (CFC) Ferro α (CCC) a o = 2,93 Å (δ) a o = 2,86 Å (α) Cúbico de face centrada Temperatura ambiente

Leia mais

Aços Inoxidáveis. A.S.D Oliveira

Aços Inoxidáveis. A.S.D Oliveira Aços Inoxidáveis Aços inoxidáveis Aços de alta liga específicos para a resistencia a corrosão Principal elemento de liga: Cr normalmente superior a 12% Cr forma um fino filme de óxido de Cr aderente a

Leia mais

Os aços inoxidáveis quando agrupados de acordo com suas estruturas metalúrgicas, apresentam-se em três grupos básicos:

Os aços inoxidáveis quando agrupados de acordo com suas estruturas metalúrgicas, apresentam-se em três grupos básicos: O que é Aço inox é o termo empregado para identificar uma família de aços contendo no mínimo 10,5% de cromo, elemento químico que garante ao material elevada resistência à corrosão. Distribuído de forma

Leia mais

DIAGRAMAS DE EQUILIBRIO. Conceitos Gerais

DIAGRAMAS DE EQUILIBRIO. Conceitos Gerais DIAGRAMAS DE EQUILIBRIO Conceitos Gerais Diagrama Fe - Cementita Reações Invariantes Diagrama Fe - Carbono Diagrama Fe - Cementita 200 µm 50 µm Liga Eutetoide Liga Hipo Eutetoide Liga Hiper Eutetoide Ferro

Leia mais

Propriedades típicas e algumas aplicações das ligas de alumínio conformadas

Propriedades típicas e algumas aplicações das ligas de alumínio conformadas 1 Propriedades típicas e algumas aplicações das ligas de alumínio conformadas Liga / tratamento resistência escoamento Alongamento em 50mm 1 [%] Resistência à corrosão (geral) 2 Conformação a frio 3 Usinagem

Leia mais

Microestrutura (fases) Parte 5

Microestrutura (fases) Parte 5 Microestrutura (fases) Parte 5 DIGRM DE FSES DO SISTEM Fe - DIGRM DE FSES DO SISTEM Fe Ferros Família dos aços Família dos ferros fundidos Soluções sólidas: Ferro δ ustenita Ferrita omposto estequiométrico:

Leia mais

UNICAMP FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS INTRODUÇÃO À METALOGRAFIA DOS AÇOS CARBONO

UNICAMP FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS INTRODUÇÃO À METALOGRAFIA DOS AÇOS CARBONO UNICAMP FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS INTRODUÇÃO À METALOGRAFIA DOS AÇOS CARBONO Este texto é parte do material didático utilizado na disciplina ES333 Laboratório

Leia mais

Microdureza de fase sigma em aço inoxidável dúplex SAF 2205

Microdureza de fase sigma em aço inoxidável dúplex SAF 2205 Projeto de iniciação científica Microdureza de fase sigma em aço inoxidável dúplex SAF 2205 Relatório final 27/02/2003 Bolsista: Luciane Emi Oiye e-mail: luciane_oiye@hotmail.com Orientador: Prof. Dr.

Leia mais

TRANSFORMAÇÕES DE FASES EM METAIS E MICROESTRUTURAS

TRANSFORMAÇÕES DE FASES EM METAIS E MICROESTRUTURAS Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de Lorena Departamento de Engenharia de Materiais TRANSFORMAÇÕES DE FASES EM METAIS E MICROESTRUTURAS Introdução à Ciência dos Materiais Prof. Dr. Cassius

Leia mais

TM343 Materiais de Engenharia

TM343 Materiais de Engenharia Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica TM343 Materiais de Engenharia Capítulo 9 Revisão - Diagramas de Fase e Sistema Fe-C Prof. Rodrigo Perito Cardoso Onde

Leia mais

O Aço Sem Manchas (Stainless Steel)

O Aço Sem Manchas (Stainless Steel) O Aço Sem Manchas (Stainless Steel) Diz a história que os aços inoxidáveis foram descobertos por acaso. Em 1912 o inglês Harry Brearly, estudava uma liga Fe-Cr (13%) e justamente quando tentava fazer algumas

Leia mais

Transformações de fase em aços [15]

Transformações de fase em aços [15] [15] Diagrama de equilíbrio transformações muito lentas divergências devido ao processamento industrial Reações / transformações em condições realísticas: resfriamento isotérmico (T-T-T) diagramas resfriamento

Leia mais

Materiais Metálicos. Introdução

Materiais Metálicos. Introdução Materiais Metálicos Prof. Msc. Frederico Costa 29/05/2012 Introdução Os metais são velhos conhecidos do homem, tanto que alguns períodos históricos são caracterizados pelos metais (Idade do Bronze 3300

Leia mais

Ciência dos Materiais Lista de Exercícios Diagrama de fases

Ciência dos Materiais Lista de Exercícios Diagrama de fases 1. Qual é a diferença entre os estados de equilíbrio de fases e de metaestabilidade? 2. Uma liga cobre-níquel com composição de 70 %p Ni-30 %p Cu é aquecida lentamente a partir de uma temperatura de 1300

Leia mais

Ferros fundidos. Apresenta atributos não encontrados em nenhum outro material e também é um dos metais mais baratos que se dispõe.

Ferros fundidos. Apresenta atributos não encontrados em nenhum outro material e também é um dos metais mais baratos que se dispõe. O ferro fundido (fofo) material fundido de maior consumo no país e no mundo. Apresenta atributos não encontrados em nenhum outro material e também é um dos metais mais baratos que se dispõe. Ferros fundidos

Leia mais

Soldadura de Aços Inoxidáveis e Resistentes ao Calor

Soldadura de Aços Inoxidáveis e Resistentes ao Calor Soldadura de Aços Inoxidáveis e Resistentes ao Calor Cn > 11% Resistência à corrosão Forma-se uma película de óxido de crómio superficial que não permite a oxidação do material no interior. Ni, Mo, Cu,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA Disciplina: Materiais de Construção Mecânica Assunto: Diagrama de equilíbrio de fases Professor: Jorge Teófilo de Barros Lopes 1) Determine a composição e a quantidade relativa (proporção) de cada fase

Leia mais

Tratamentos Térmicos

Tratamentos Térmicos Tratamentos Térmicos Têmpera superficial Modifica a superfície: alta dureza superficial e núcleo mole. Aplicação: engrenagens Pode ser «indutivo» ou «por chama» Tratamentos Térmicos Têmpera superficial

Leia mais

- Pág. 1 / Aula nº 2 -

- Pág. 1 / Aula nº 2 - AULA Nº 2 1. Aços - propriedades, microestutura e processamento As propriedades de uma liga metálica são função da respectiva composição química e do processamento a que a mesma foi sujeita, ou seja, da

Leia mais

Tecnologia dos Materiais IV DIAGRAMA DE EQUILÍBRIO FERRO- CARBONO

Tecnologia dos Materiais IV DIAGRAMA DE EQUILÍBRIO FERRO- CARBONO Tecnologia dos Materiais IV DIAGRAMA UNIDADE DE EQUILÍBRIO FERRO- CARBONO 1 CONTEÚDO DESTA UNIDADE Introdução. Definições: Aços Carbono. Aços Liga. Ferro Fundido Diagrama de Equilíbrio Fe-C: Reações na

Leia mais

Identificação das fases e evolução da microdureza durante a formação de fase sigma em aço inoxidável dúplex SAF 2205

Identificação das fases e evolução da microdureza durante a formação de fase sigma em aço inoxidável dúplex SAF 2205 Projeto de iniciação científica Identificação das fases e evolução da microdureza durante a formação de fase sigma em aço inoxidável dúplex SAF 2205 Relatório Final Bolsista: Clemente Kuntz Sutto e-mail:

Leia mais

Materiais de Construção Mecânica. 7.1 Identificação ou Classificação dos Aços em função da Composição Química.

Materiais de Construção Mecânica. 7.1 Identificação ou Classificação dos Aços em função da Composição Química. Materiais de Construção Mecânica 7.1 Identificação ou Classificação dos Aços em função da Composição Química. No Brasil os aços utilizados na indústria da construção mecânica podem ser identificados e/ou

Leia mais

Aplicações e processamento de ligas metálicas

Aplicações e processamento de ligas metálicas Universidade Estadual de Ponta Grossa Departamento de Engenharia de Materiais Disciplina: Ciência dos Materiais 1 Aplicações e processamento de ligas metálicas 1º semestre / 2016 Aplicações e processamento

Leia mais

LIGAS FERR0-CARBONO. Prof. Valtair Antonio Ferraresi Universidade Federal de Uberlândia INTRODUÇÃO

LIGAS FERR0-CARBONO. Prof. Valtair Antonio Ferraresi Universidade Federal de Uberlândia INTRODUÇÃO LIGAS FERR0-CARBONO Prof. Valtair Antonio Ferraresi Universidade Federal de Uberlândia 1 INTRODUÇÃO Aços são definidos como ligas de ferro e carbono, contendo até 2,0% deste elemento. Existem diferentes

Leia mais

PRECIPITADOS EM AÇOS RÁPIDOS E EM AÇOS INOXIDÁVEIS PARA VÁLVULAS DE MOTORES 1. Marcos Domingos Xavier 2 RESUMO

PRECIPITADOS EM AÇOS RÁPIDOS E EM AÇOS INOXIDÁVEIS PARA VÁLVULAS DE MOTORES 1. Marcos Domingos Xavier 2 RESUMO 1 PRECIPITADOS EM AÇOS RÁPIDOS E EM AÇOS INOXIDÁVEIS PARA VÁLVULAS DE MOTORES 1 Marcos Domingos Xavier 2 RESUMO Avaliação qualitativa das fases presentes em aços rápidos e em aços inoxidáveis aplicáveis

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS

EXERCÍCIOS SOBRE TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS EXERCÍCIOS SOBRE TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS 1. Em que consiste, de uma maneira geral, o tratamento térmico? R: Alterar as microestruturas das ligas metálicas e como conseqüência as propriedades

Leia mais

MARTEMPERA. Cesar Edil da Costa e Eleani Maria da Costa. O resfriamento é temporariamente interrompido, criando um passo isotérmico

MARTEMPERA. Cesar Edil da Costa e Eleani Maria da Costa. O resfriamento é temporariamente interrompido, criando um passo isotérmico MARTEMPERA O resfriamento é temporariamente interrompido, criando um passo isotérmico rmico, no qual toda a peça atinga a mesma temperatura. A seguir o resfriamento é feito lentamente de forma que a martensita

Leia mais

Metais. Centro Universitário de Formiga

Metais. Centro Universitário de Formiga Centro Universitário de Formiga Metais Engenheiro Civil UFMG Especialista em Engenharia de Segurança do Trabalho Mestre em Engenharia Civil / Construção Civil UFMG Doutorando em Engenharia Metalúrgica

Leia mais

Figura 16 - Sistemas de liga eutético: a) de solubilidade nula; e b) de solubilidade parcial.

Figura 16 - Sistemas de liga eutético: a) de solubilidade nula; e b) de solubilidade parcial. INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS AÇOS SILVIO FRANCISCO BRUNATTO 23 1.4.2- SISTEMAS EUTÉTICOS Os sistemas eutéticos podem ser divididos em sistemas de solubilidade nula ou de solubilidade parcial. Estes sistemas

Leia mais

Principais elementos de liga. Cr Ni V Mo W Co B Cu Mn, Si, P e S (residuais)

Principais elementos de liga. Cr Ni V Mo W Co B Cu Mn, Si, P e S (residuais) Aços Ligas Aços ligas A introdução de outros elementos de liga nos aços-carbono é feita quando se deseja um ou diversos dos seguintes efeitos: Aumentar a resistência mecânica e dureza. Conferir resistência

Leia mais

Tratamentos de Recozimento [20] Finalidade dos tratamentos de recozimento:

Tratamentos de Recozimento [20] Finalidade dos tratamentos de recozimento: [20] Finalidade dos tratamentos de recozimento: eliminar i os efeitos da deformação plástica a frio eliminar os efeitos de tratamentos térmicos preliminares homogeneização da composição química alívio

Leia mais

Aço Inoxidável Ferrítico ACE P444A

Aço Inoxidável Ferrítico ACE P444A ArcelorMittal Inox Brasil Inoxidável Ferrítico ACE P444A transformando o amanhã 2 3 ACE P444A Tabela I Composição Química C Mn P S Si Cr Ni Outros 0,025 1,00 0,040 0,030 1,00 17,5-19,5 1,00 0,2+4(C+N)

Leia mais

Tipo: FC1 FERRÍTICO/PERLÍTICO CLASSE: 15 Características / Aplicações

Tipo: FC1 FERRÍTICO/PERLÍTICO CLASSE: 15 Características / Aplicações Ferro Fundido Cinzento Tipo: FC1 FERRÍTICO/PERLÍTICO CLASSE: 15 Uso geral em aplicações com reduzida solicitação mecânica, componente estruturais e/ou estatísticos de máquinas ou construções mecânicas/civis:

Leia mais

Material conforme recebido (CR) e/ou metal base (MB)

Material conforme recebido (CR) e/ou metal base (MB) 85 5.5 ANÁLISES MICROESTRUTURAIS As micrografias obtidas na seção transversal do material nas condições: como recebido e pós-soldagem com tratamentos de revenido e niretação estão apresentadas nas Figuras

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS TT-001 TRATAMENTOS TÉRMICOS EM AÇOS ESPECIAIS

TRATAMENTOS TÉRMICOS TT-001 TRATAMENTOS TÉRMICOS EM AÇOS ESPECIAIS TRATAMENTOS TÉRMICOS TT-001 TRATAMENTOS TÉRMICOS EM AÇOS ESPECIAIS TRATAMENTOS TÉRMICOS EM AÇOS ESPECIAIS SILVIO MACHADO DE SOUZA TRATAMENTOS TÉRMICOS TT-001 TRATAMENTOS TÉRMICOS EM AÇOS ESPECIAIS SILVIO

Leia mais

Frederico A.P. Fernandes

Frederico A.P. Fernandes Universidade Estadual Paulista UNESP Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira FEIS Departamento de Eng. Mecânica Programa de Pós-Graduação em Eng. Mecânica Disciplina: Ciência dos Materiais de Engenharia

Leia mais

Beneficiamento de Aços [21]

Beneficiamento de Aços [21] [21] Tratamentos para beneficiamento de aços: Têmpera: aumento de resistência i mecânica e dureza dos aços causado pela formação da martensita, um microconstituinte que usualmente apresenta um comportamento

Leia mais

AULA 6 USINABILIDADE DOS MATERIAIS

AULA 6 USINABILIDADE DOS MATERIAIS AULA 6 USINABILIDADE DOS MATERIAIS 39 6. VARIÁVEIS INDEPENDENTES DE ENTRADA: USINABILIDADE DOS MATERIAIS 6.1. Introdução A usinabilidade é definida como uma grandeza tecnológica que expressa, por meio

Leia mais

5 INFLUÊNCIA DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS

5 INFLUÊNCIA DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS 59 5 INFLUÊNCIA DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS O processo de austenitização dentro da zona crítica produz microestruturas com ilhas de ferrita proeutetóide e uma matriz de austenita,

Leia mais

DIAGRAMAS DE FASE II TRANSFORMAÇÕES DE FASE

DIAGRAMAS DE FASE II TRANSFORMAÇÕES DE FASE ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais DIAGRAMAS DE FASE II TRANSFORMAÇÕES DE FASE PMT 2100 - Introdução à Ciência dos Materiais para Engenharia

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa Curso: Engenharia de Materiais Disciplina: Ciência dos Materiais 1 Lista de Exercícios 6

Universidade Estadual de Ponta Grossa Curso: Engenharia de Materiais Disciplina: Ciência dos Materiais 1 Lista de Exercícios 6 Universidade Estadual de Ponta Grossa Curso: Engenharia de Materiais Disciplina: Ciência dos Materiais 1 Lista de Exercícios 6 1) Cite três variáveis que determinam a microestrutura de uma liga. 2) Qual

Leia mais

USINABILIDADE DOS MATERIAIS

USINABILIDADE DOS MATERIAIS USINABILIDADE DOS MATERIAIS Processos de Fabricação II Janaina Fracaro de Souza 1 2 DESGASTES DA FERRAMENTA Desgaste de Flanco ou Largura do desgaste na superfície principal de folga (V B ): é o desenvolvimento

Leia mais

O ferro não é encontrado puro na natureza. Encontra-se geralmente combinado com outros elementos formando rochas as quais dá-se o nome de MINÉRIO.

O ferro não é encontrado puro na natureza. Encontra-se geralmente combinado com outros elementos formando rochas as quais dá-se o nome de MINÉRIO. FERRO E AÇO O ferro O ferro não é encontrado puro na natureza. Encontra-se geralmente combinado com outros elementos formando rochas as quais dá-se o nome de MINÉRIO. Minério de ferro O minério de ferro

Leia mais

Titânio e suas ligas. André Paulo Tschiptschin

Titânio e suas ligas. André Paulo Tschiptschin Titânio e suas ligas André Paulo Tschiptschin Titânio -obtenção Identificado como um novo elemento metálico por Gregor, na Inglaterra, em 1791. Sua produção era muito difícil devido à forte tendência a

Leia mais

Aula Teórica 21. Materiais em Engenharia. Metais ferrosos. Arlindo Silva Ano Lectivo 2011/2012

Aula Teórica 21. Materiais em Engenharia. Metais ferrosos. Arlindo Silva Ano Lectivo 2011/2012 Aula Teórica 21 Metais ferrosos Arlindo Silva Ano Lectivo 2011/2012 As imagens constantes nestas transparências foram retiradas maioritariamente da bibliografia recomendada MATERIAIS METÁLICOS FERROSOS

Leia mais

TRANSFORMAÇÕES DE FASES EM METAIS E MICROESTRUTURAS. Engenharia e Ciência dos Materiais I Profa.Dra. Lauralice Canale

TRANSFORMAÇÕES DE FASES EM METAIS E MICROESTRUTURAS. Engenharia e Ciência dos Materiais I Profa.Dra. Lauralice Canale TRANSFORMAÇÕES DE FASES EM METAIS E MICROESTRUTURAS Engenharia e Ciência dos Materiais I Profa.Dra. Lauralice Canale Transformação de fase em metais Tratamento térmico (tempo/temperatura) Microestrutura

Leia mais

SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS RESUMO DA SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS

SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS RESUMO DA SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS RESUMO DA SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS Ramón S. Cortés Paredes, Dr. Eng. LABATS DEMEC UFPR 1 Diagrama de Schaeffler (1) Formação de trincas de solidificação ou

Leia mais

METAIS, AÇOS E PROCESSOS SIDERÚRGICOS

METAIS, AÇOS E PROCESSOS SIDERÚRGICOS METAIS, AÇOS E PROCESSOS SIDERÚRGICOS METAIS Podem ser moldados; São dúcteis (deformam antes de romper); Bons condutores de energia elétrica e calor. OBTENÇÃO DOS METAIS OBTENÇÃO DOS METAIS OBTENÇÃO DOS

Leia mais

Workshop. Alumínio 100% a Favor

Workshop. Alumínio 100% a Favor Alumínio 100% a Favor O Que é o Alumínio? O símbolo químico do alumínio é Al e tem o número atómico 13 (o que quer dizer que tem 13 protões e 13 electrões). À temperatura ambiente é sólido, sendo o elemento

Leia mais

ANÁLISES DE FERRO FUNDIDO COM O OES-5500II

ANÁLISES DE FERRO FUNDIDO COM O OES-5500II ANÁLISES DE FERRO FUNDIDO COM O OES-5500II Este relatório de aplicação é direcionado para ferros fundidos (ligados ou não). Ferros fundidos ligados são caracterizados pela sua composição química. As propriedades

Leia mais

A108 Broca, HSS, para Aços Inoxidáveis

A108 Broca, HSS, para Aços Inoxidáveis A108 Broca, HSS, para Aços Inoxidáveis ÍNDICE Usinagem de Aços Inoxidáveis 3 Por que os Aços Inoxidáveis são considerados como difíceis de usinar? 3 Pontos Importantes na usinagem de Aços Inoxidáveis 3

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS I AT-096. Dr. Alan Sulato de Andrade

Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS I AT-096. Dr. Alan Sulato de Andrade Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS I AT-096 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: Como visto anteriormente, existe

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina MEC211 Materiais de Construção Mecânica

Programa Analítico de Disciplina MEC211 Materiais de Construção Mecânica 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga

Leia mais