INSTRUÇÃO RELATIVA À APRESENTAÇÃO DE DESPESAS DE COLABORADORES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTRUÇÃO RELATIVA À APRESENTAÇÃO DE DESPESAS DE COLABORADORES"

Transcrição

1 Nº : Versão : 24 Agosto 2012 INSTRUÇÃO RELATIVA À APRESENTAÇÃO DE DESPESAS DE COLABORADORES 1I ENQUADRAMENTO A presente instrução define as regras de tratamento de despesas, que nos termos dos Regulamentos em vigor, sejam apresentadas por colaboradores, independentemente do seu Grupo Funcional, de todas as empresas que integram o Grupo Sonae Capital. 2I REGRAS GERAIS Independentemente da sua natureza e do Grupo Funcional do colaborador, só serão aceites e processadas as despesas apresentadas que cumpram os critérios da presente instrução. Despesas apresentadas que não cumpram tais critérios não serão assumidas pelas empresas, pelo que os seus valores não serão reembolsados aos colaboradores. Regime transitório: Para as empresas do Grupo Sonae Capital em que ainda não esteja disponível a ferramenta Saphety, continua a aplicar-se o sistema de apresentação de despesas actualmente operacional, sendo no entanto de aplicação imediata o conteúdo das regras estipuladas na presente instrução Documento de suporte a) A apresentação de despesas, é realizada exclusivamente através do Workflow de Despesas Saphety, plataforma onde ocorre e fica registada também a sua aprovação em cumprimento da Delegação de Competências em vigor. Em conformidade, não serão aceites despesas de colaboradores pagas através dos caixas das empresas nem despesas da empresa apresentadas como despesas de colaborador; b) Qualquer que seja a sua tipologia, a documentação e/ou comentários registados devem permitir a clara identificação da natureza/motivo/evento que lhe está subjacente; c) Só serão aceites despesas suportadas por documento em que o sujeito passivo seja a empresa (com identificação da Denominação social e Número de Identificação Fiscal); REG CORP 1/ / 6

2 d) Despesas suportadas com documentos genéricos (sem identificação do sujeito passivo) mas que cumpram os requisitos de documento fiscal, como por exemplo recibos de portagem, recibos de refeição, recibos de parques de estacionamento, etc, poderão ser aceites desde que tenham enquadramento nos regulamentos internos e desde que o colaborador tenha manualmehte escrito o Nome e o nº de contribuinte da empresa do colaborador. e) Despesas suportadas com documentos em nome do colaborador ou outras entidades que não seja a empresa do colaborador, não serão aceites. f) O colaborador não pode apresentar despesas de outros colaboradores Prazo de apresentação Apenas serão aceites para processamento, despesas apresentadas até ao final do mês civil imediatamente seguinte à data sua ocorrência. Despesas com antiguidade superior não serão portanto aceites. Caso determinado colaborador mude de empresa, o prazo anteriormente referido reduz-se, para as despesas incorridas ainda em nome da anterior empresa, para uma semana. Despesas com antiguidade superior não serão portanto aceites Tipologias Só serão aceites despesas, independentemente do Grupo Funcional do colaborador que as apresente, relativas a tipologias de custos que tenham âmbito enquadrado em regulamento em vigor e/ou estejam comprovada e integralmente relacionadas com a actividade da empresa Valores Os valores máximos para cada tipo de despesas, são os constantes nos regulamentos relevantes. Valores que excedam os limites/plafonds estipulados em regulamento poderão ser casuisticamente aprovados, desde que devidamente fundamentados e aprovados por dois administradores da empresa relevante. Estas situações serão identificadas e reportadas no âmbito do relatório semestral a que se refere o número 6 da presente instrução. Sem prejuízo do estabelecido no parágrafo anterior, apenas serão aceites despesas cujas facturas/recibos de suporte sejam de valor igual ao da despesa apresentada, ou seja, os colaboradores não poderão apresentar despesas cujo valor seja uma parcela do valor total do documento de suporte (uma vez que tal impede o aproveitamento fiscal do custo). 2 / 6

3 2.5. Despesas efectuadas em Cartão de Crédito empresa a) Apenas poderão ser atribuídos cartões de crédito empresa a colaboradores com o cargo de Administrador; b) Às despesas efectuadas e pagas via Cartão de Crédito empresa aplicam-se as mesmas regras que às despesas pagas directamente pelo colaborador; c) O não cumprimento das regras gerais, incluindo mas não se limitando as regras estabelecidas na presente instrução, implicam que o colaborador suporte os custos sendo para tal emitido débito pela empresa. 3I VIATURAS DESPESAS RELACIONADAS 3.1. Combustível a) A cada viatura empresa, corresponde um cartão frota para abastecimento de combustível, identificado com a respectiva matrícula. b) O Cartão de combustível destina-se apenas ao pagamento de despesas de combustível, pelo que, se o colaborador o utilizar para outro fim (designadamente portagens e lavagens de viatura) será debitado por esses valores suportando integralmente o custo; c) Em cada utilização do cartão, o colaborador deve digitar o número de kms da viatura e deverá utilizar exclusivamente combustível normal sem aditivos. O incumprimento desta regra determina que o colaborador suporte integralmente a despesa associada; d) Apenas serão aceites despesas de combustível (i) devidamente enquadradas no plafond atribuído nos termos do Regulamento de Viaturas e (ii) devidamente suportadas pelo preenchimento do mapa Registo de Consumos de Combustíveis e justificação de deslocações em serviço (Anexo I) que deverá obrigatoriamente ser anexado ao documento de aprovação em Saphety. O não cumprimento do estabelecido em (i) e (ii) determina que a empresa não suportará o custo em questão, pelo que tais valores serão integralmente suportados pelo colaborador; e) Não são consideradas deslocações em serviço o trajecto Casa Local de trabalho e viceversa. f) A responsabilidade perante a empresa pelo cumprimento do estipulado nas alíneas precedentes é exclusiva da chefia, que nos termos da atribuição de poderes está responsável pela sua aprovação, devendo portanto solicitar a emissão de débito a colaborador sempre que tal seja necessário para cumprimento das regras estabelecidas Portagens a) A empresa não suporta custos de portagens de viaturas excepto se tais custos forem associados a deslocação de serviço devidamente reportadas no mapa a que se refere a alínea 3 / 6

4 d) anterior e mediante apresentação do documento de suporte (talão/recibo de pagamento de portagem) que cumpra os critérios estabelecidos no ponto 2. da presente instrução; b) A utilização de via-verde ou instrumentos idênticos com titularidade da empresa, apenas está permitida para viaturas de serviço e/ou membros dos órgãos sociais. Nos restantes casos poder-se-á utilizar tais instrumentos desde que estes estejam na titularidade do colaborador utilizador da viatura mas, nesta circunstância, a empresa não suportará os custos de utilização associados dada a impossibilidade do colaborador apresentar documentos de suporte que cumpram os requisitos estipulados no número 2 anterior; c) A responsabilidade perante a empresa pelo cumprimento do estipulado nas alíneas precedentes é exclusiva da chefia, que nos termos da atribuição de poderes está responsável pela sua aprovação, devendo portanto solicitar a emissão de débito a colaborador sempre que tal seja necessário para cumprimento das regras estabelecidas Estacionamento e Lavagens a) Nas deslocações em serviço onde o estacionamento seja difícil, os colaboradores poderão fazer uso de parques públicos ou privados existentes, devendo posteriormente enviar documentação comprovativa que cumpra as regras estabelecidas no número 2. anterior, para reembolso da despesa; b) A empresa suportará o custo de lavagem de viatura, reembolsando o colaborador mediante apresentação do documento de suporte que cumpra os critérios estabelecidos no ponto 2. da presente instrução, com o limite de uma lavagem por mês com o montante máximo de 25,00 (com IVA incluído); 3.4. Reparações Viaturas e Multas a) As multas, ainda que decorrentes de deslocações em serviço, são da responsabilidade exclusiva do colaborador, pelo que este suportará integralmente o seu custo; b) Reparações de Viaturas por danos/deficiências da responsabilidade do colaborador apenas serão suportadas pela empresa mediante aprovação casuística do Administrador Responsável sob recomendação do Departamento de Recursos Humanos, com base em orçamento disponibilizado para o efeito, c) Compete à chefia, sendo portanto responsabilidade sua, garantir que o valor efectivo de reparação não excede o orçamento que nos termos da alínea anterior foi disponibilizado. 4I COMUNICAÇÕES MÓVEIS DESPESAS 4.1. Plafonds a) Serão disponibilizados equipamentos (de voz e internet) para comunicação móvel sempre que a função desempenhada pelo colaborador o justifique; 4 / 6

5 b) O tarifário e equipamento a aplicar terá de ser aprovado pela chefia directa sob recomendação e validação do Departamento de Recursos Humanos e deve estar adequado ao conteúdo da função do colaborador; c) Custos decorrentes da utilização em montante superior ao plano atribuído serão suportados pelo colaborador, sendo que em nenhuma circunstância poderá ser apresentada a despesa para efeitos de transferência desse custo para a esfera da empresa; d) Caso o colaborador necessite deslocar-se ao exterior, e consequentemente activar os serviços de roaming, deverá previamente solicitar ao Departamento de Recursos Humanos tarifário especial adequado às necessidades da função. O não cumprimento deste procedimento conduz a que o colaborador suporte integralmente os custos de roaming. 5I DESPESAS DE DESLOCAÇÃO Consideram-se Deslocações em Serviço, todas as ausências do local habitual de trabalho, por motivos profissionais e de curta duração (inferior a 4 semanas consecutivas) enquadradas no Regulamento de Deslocações e Despesas de Viagem; 5.1. Despesas de Deslocações Serviços a) As Deslocações em Serviço em viatura própria, e consequentemente a possibilidade de apresentar despesas conexas, carecem de autorização prévia escrita da chefia directa, que deve estar anexada à apresentação da despesa em Saphety e apenas devem ser autorizadas a título de excepção/força maior; b) Nas deslocações em serviço que não impliquem alojamento a empresa apenas suportará, mediante apresentação da despesa nos termos da presente instrução, os custos de refeição relativos ao jantar se tal for aplicável, excluindo-se o almoço; 6I CONTROLE E REPORTE a) As regras estipuladas na presente instrução e Regulamentos conexos, bem como o fluxo de aprovação, estão parametrizadas no Workflow de Despesas - Saphety; b) O Departamento de Serviços Financeiros Registo e Controle de Despesas, é o responsável pela verificação da presente instrução, estando obrigado no exercício das suas funções, a rejeitar qualquer despesa que não cumpra as regras estabelecidas; c) O Departamento de Serviços Financeiros Registo e Controle de Despesas produzirá relatório semestral de Despesas a ser disponibilizado a cada responsável de Centro de Custos, ao Planeamento e Controle de Gestão e a Recursos Humanos Corporativo. 5 / 6

6 7I DISTRIBUIÇÃO O presente regulamento deverá ser divulgado a todos os colaboradores. 8I ENTRADA EM VIGOR O presente regulamento entra em vigor na presente data, para todas as empresas que, directa ou indirectamente, sejam dominadas pela Sonae Capital SGPS, S.A.. 6 / 6

REGULAMENTO INTERNO PARA ATRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE TELEMÓVEIS DO MUNICÍPIO DE SALVATERRA DE MAGOS PARA USO OFICIAL

REGULAMENTO INTERNO PARA ATRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE TELEMÓVEIS DO MUNICÍPIO DE SALVATERRA DE MAGOS PARA USO OFICIAL REGULAMENTO INTERNO PARA ATRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE TELEMÓVEIS DO MUNICÍPIO DE SALVATERRA DE MAGOS PARA USO OFICIAL Preâmbulo Considerando que a utilização de telemóveis pelos responsáveis e serviços da

Leia mais

Manual de utilização de viatura. Grupo Lena Africa Austral

Manual de utilização de viatura. Grupo Lena Africa Austral Manual de utilização de viatura Grupo Lena Africa Austral Revisão: 01 Data: 23 de Janeiro de 2014 Manual de Utilização de Viatura Introdução O objectivo deste Manual é informar cada Utilizador das condições

Leia mais

Regulamento de Deslocações da Universidade da Madeira

Regulamento de Deslocações da Universidade da Madeira Regulamento de Deslocações da Universidade da Madeira A Lei nº 59/2008, de 11 de Setembro, que regula o Regime de Contrato de Trabalho em Funções Públicas, com efeitos a partir de 1 de Janeiro de 2009,

Leia mais

Elegibilidade de documentos de despesa

Elegibilidade de documentos de despesa NOTA INFORMATIVA N.º 3/2017 DAI Data: 10/03/2017 Assunto: Elegibilidade de documentos de despesa 1. ENQUADRAMENTO Nos regulamentos específicos 1 das medidas FEADER Investimento do período de programação

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIDADE DA EDUCAÇÃO (Despacho nº 23/ME/95)

SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIDADE DA EDUCAÇÃO (Despacho nº 23/ME/95) SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIDADE DA EDUCAÇÃO (Despacho nº 23/ME/95) - Organização de actividades de intercâmbio, entre as escolas, de projectos de inovação ou de investigação REGULAMENTO ESPECÍFICO -

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNDO MANEIO

REGULAMENTO DO FUNDO MANEIO REGULAMENTO DO FUNDO MANEIO Enquadramento legal De acordo com o POC-E, a conta 118 Fundo Maneio destina-se a registar os movimentos relativos ao fundo de maneio criado pelas entidades nos termos legais,

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTAÇÃO FUNDO DE ACIDENTES DE TRABALHO RECEITAS E REEMBOLSOS ÀS EMPRESAS DE SEGUROS. CAPÍTULO I Disposições gerais

PROJECTO DE REGULAMENTAÇÃO FUNDO DE ACIDENTES DE TRABALHO RECEITAS E REEMBOLSOS ÀS EMPRESAS DE SEGUROS. CAPÍTULO I Disposições gerais PROJECTO DE REGULAMENTAÇÃO FUNDO DE ACIDENTES DE TRABALHO RECEITAS E REEMBOLSOS ÀS EMPRESAS DE SEGUROS CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto 1 A presente Norma Regulamentar tem por objecto estabelecer

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO Com a publicação da Lei nº 28/2009, de 19 de Junho, as Instituições Financeiras ficaram sujeitas ao dever de aprovar, anualmente, em Assembleia Geral, uma proposta de remuneração

Leia mais

Versão de trabalho PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO À EXECUÇÃO DOS PROJECTOS

Versão de trabalho PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO À EXECUÇÃO DOS PROJECTOS Versão de trabalho PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO À EXECUÇÃO DOS PROJECTOS UMCCI Março de 2009 Índice 1 Introdução.. 3 2 - Contabilização do investimento e dos incentivos 3 3 - Execução do projecto 4

Leia mais

Projeto de Regulamento de Estacionamento Diurno do Edifício sede da Freguesia da Estrela Preâmbulo

Projeto de Regulamento de Estacionamento Diurno do Edifício sede da Freguesia da Estrela Preâmbulo Projeto de Regulamento de Estacionamento Diurno do Edifício sede da Freguesia da Estrela Preâmbulo A sede da Junta de Freguesia da Estrela tem a disponibilidade de 41 lugares de estacionamento, os quais

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 2.1. Crédito à habitação e s conexos Crédito Habitação Valor Anual iniciais 1. Comissão de Dossier 260,00 2. Comissão de Formalização Contratual Modalidade de Estrangeiros não Residentes Em % Euros (Mín/Máx)

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DE AJUDAS DE CUSTO E DE TRANSPORTE DA ESHTE ( 1 )

PROJETO DE REGULAMENTO DE AJUDAS DE CUSTO E DE TRANSPORTE DA ESHTE ( 1 ) PROJETO DE REGULAMENTO DE AJUDAS DE CUSTO E DE TRANSPORTE DA ESHTE ( 1 ) Artigo 1.º Objeto O presente regulamento define as normas jurídicas aplicáveis aos atos e formalidades específicas dos procedimentos

Leia mais

Estatuto remuneratório fixado

Estatuto remuneratório fixado Estatuto remuneratório fixado O estatuto remuneratório dos órgãos sociais para o mandato 2015-2017, fixado por deliberação social unânime por escrito de 1 de julho de 2015, estabelece: 1. Mesa Assembleia

Leia mais

ENQUADRAMENTO FISCAL DOS PAGAMENTOS EFECTUADOS AOS JUÍZES

ENQUADRAMENTO FISCAL DOS PAGAMENTOS EFECTUADOS AOS JUÍZES COMUNICADO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM COMUNICADO Nº 12 ÉPOCA: 2012/2013 DATA: 25/09/2012 Para conhecimento geral, a seguir se informa: ENQUADRAMENTO FISCAL DOS PAGAMENTOS EFECTUADOS AOS JUÍZES BOLSAS DE

Leia mais

CORTICEIRA AMORIM, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta

CORTICEIRA AMORIM, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta CORTICEIRA AMORIM, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua de Meladas, 380 - Mozelos- Santa Maria da Feira Capital social: 133.000.000,00 Pessoa colectiva e matrícula nº 500 077 797 C.R.C. de Santa Maria

Leia mais

President Communication / Comunicação do Presidente

President Communication / Comunicação do Presidente Para: C/c: De: FEDERAÇÕES EUROPEIAS CLUBES FILIADOS DE HÓQUEI EM PATINS ÁRBITROS INTERNACIONAIS EUROPEUS PRESIDENTE DA CERS PRESIDENTE DO CERS-RH Data: 2 de Novembro de 2016 Assunto: ARBITRAGEM DAS COMPETIÇÕES

Leia mais

PROMOÇÃO DO ESPÍRITO EMPRESARIAL (BAIXA DENSIDADE) AVISO NORTE SISTEMA DE APOIO ÀS AÇÕES COLETIVAS ANEXO Nº 1 DESPESAS ELEGÍVEIS

PROMOÇÃO DO ESPÍRITO EMPRESARIAL (BAIXA DENSIDADE) AVISO NORTE SISTEMA DE APOIO ÀS AÇÕES COLETIVAS ANEXO Nº 1 DESPESAS ELEGÍVEIS PROMOÇÃO DO ESPÍRITO EMPRESARIAL (BAIXA DENSIDADE) AVISO NORTE 51 2016 06 ANEXO Nº 1 DESPESAS ELEGÍVEIS Para além das condições de elegibilidade definidas em sede de aviso correspondente a cada tipologia

Leia mais

Regulamento Interno das Comunicações Telefónicas

Regulamento Interno das Comunicações Telefónicas 1 ÍNDICE PREÂMBULO DISPOSIÇÕES COMUNS Objecto Utilização DAS COMUNICAÇÕES FIXAS Responsabilidade Interdições Informação DAS COMUNICAÇÕES MÓVEIS Direito ao uso Deveres gerais de utilização Custos da utilização

Leia mais

REGULAMENTO DAS AJUDAS DE CUSTO. Escola Básica de Eiriz, Baião. DGEstE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIRIZ, BAIÃO

REGULAMENTO DAS AJUDAS DE CUSTO. Escola Básica de Eiriz, Baião. DGEstE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIRIZ, BAIÃO REGULAMENTO DAS AJUDAS DE CUSTO Escola Básica de Eiriz, Baião DGEstE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIRIZ, BAIÃO - 150204 Maio 2015 0 REGIMENTO INTERNO PROCESSAMENTO DE AJUDAS DE CUSTO E TRANSPORTES Artigo

Leia mais

na ACSS, I.P. Artigo 1º Artigo 2º Artigo 3º Artigo 4º

na ACSS, I.P. Artigo 1º Artigo 2º Artigo 3º Artigo 4º Regulamento para Atribuição de na ACSS, I.P. Artigo 1º Objeto e âmbito O presente regulamento define as regras de atribuição e uso de equipamentos de comunicação móvel na Administração Central do Sistema

Leia mais

ANEXO QUESTIONÁRIO ÍNDICE

ANEXO QUESTIONÁRIO ÍNDICE ANEXO QUESTIONÁRIO ÍNDICE INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO 2 DOCUMENTAÇÃO ADICIONAL A REMETER 2 ESTRUTURA DE GOVERNANCE 3 1. Estrutura Orgânica 3 2. Órgão de Administração (Conselho de administração/direcção)

Leia mais

BIG EMIRADOS ÁRABES UNIDOS DUBAI. 26 A 30 de Novembro 2017 CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO

BIG EMIRADOS ÁRABES UNIDOS DUBAI. 26 A 30 de Novembro 2017 CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO BIG 5 2017 EMIRADOS ÁRABES UNIDOS DUBAI 26 A 30 de Novembro 2017 CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO A participação da V/ empresa na missão técnica empresarial à Feira BIG 5 2017, encontra-se integrada no Projeto

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA OPERACIONALIZAÇÃO DO SISTEMA DE REGISTO DA ASSIDUIDADE NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

NORMAS TÉCNICAS PARA OPERACIONALIZAÇÃO DO SISTEMA DE REGISTO DA ASSIDUIDADE NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO NORMAS TÉCNICAS PARA OPERACIONALIZAÇÃO DO SISTEMA DE REGISTO DA ASSIDUIDADE NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO Janeiro/2010 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 Pág. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 4 3. REGIMES DE TEMPO... 5 3.1.

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNDO DE MANEIO

REGULAMENTO DO FUNDO DE MANEIO REGULAMENTO DO FUNDO DE MANEIO Enquadramento legal De acordo com o POC-E, a conta 118 Fundo Maneio destina-se a registar os movimentos relativos ao fundo de maneio criado pelas entidades nos termos legais,

Leia mais

Portaria n.º 879-A/2010, de 29 de Novembro, Série II, n.º231

Portaria n.º 879-A/2010, de 29 de Novembro, Série II, n.º231 Aprova os modelos oficiais do recibo designado de recibo verde electrónico A generalização da utilização das tecnologias da informação e da comunicação nos procedimentos administrativos é reconhecida internacionalmente

Leia mais

SUBCONTRATACIÓN2017 BILBAO ESPANHA. 6 a 8 de JUNHO 2017 CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO

SUBCONTRATACIÓN2017 BILBAO ESPANHA. 6 a 8 de JUNHO 2017 CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO SUBCONTRATACIÓN2017 BILBAO ESPANHA 6 a 8 de JUNHO 2017 CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO A participação da V/ empresa na FEIRA SUBCONTRATACIÓN 2017 com stand, encontra-se integrada no Projeto Conjunto da AIDA,

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 17/2016 de 08 de Agosto

INSTRUTIVO N.º 17/2016 de 08 de Agosto INSTRUTIVO N.º 17/2016 de 08 de Agosto ASSUNTO: PRESTAÇÃO DE INFORMAÇÃO SOBRE REQUISITO DE FUNDOS PRÓPRIOS REGULAMENTARES PARA RISCO OPERACIONAL Havendo necessidade de regulamentar o envio de informação

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALTER DO CHÃO

MUNICÍPIO DE ALTER DO CHÃO MUNICÍPIO DE ALTER DO CHÃO REGULAMENTO OFICINA DOMICILIÁRIA Preâmbulo O Município de Alter do Chão, no âmbito da prossecução de uma política social com responsabilidade, tem tido a preocupação de contribuir

Leia mais

Manual de Procedimentos ADENDA_1 IRC. Ver. A Mar.25

Manual de Procedimentos ADENDA_1 IRC. Ver. A Mar.25 Manual de Procedimentos ADENDA_1 IRC Ver. A0.1 2015.Mar.25 I DO FINANCIAMENTO PASSÍVEL DE IRC A1 Fontes de financiamento Meios de financiamento das atividades desenvolvidas nas Unidades de Investigação

Leia mais

Programa Incentivo 2014. Normas de execução financeira. 1. Âmbito do financiamento

Programa Incentivo 2014. Normas de execução financeira. 1. Âmbito do financiamento Programa Incentivo 2014 Normas de execução financeira 1. Âmbito do financiamento As verbas atribuídas destinam-se a financiar o funcionamento da instituição de investigação científica e desenvolvimento

Leia mais

PAVILHÃO MUNICIPAL DE DESPORTOS. Regulamento de Publicidade

PAVILHÃO MUNICIPAL DE DESPORTOS. Regulamento de Publicidade PAVILHÃO MUNICIPAL DE DESPORTOS Regulamento de Publicidade 1 REGULAMENTO DE PUBLICIDADE PARA O PAVILHÃO MUNICIPAL DE DESPORTOS PREÂMBULO NOTA JUSTIFICATIVA O Pavilhão Municipal de Desportos é uma infra-estrutura

Leia mais

SINDICATO DOS TRABALHADORES DOS IMPOSTOS

SINDICATO DOS TRABALHADORES DOS IMPOSTOS SINDICATO DOS TRABALHADORES DOS IMPOSTOS REGULAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO JURIDICO AOS SÓCIOS Av. Coronel Eduardo galhardo, Nº 22 B 1199-007 LISBOA Telefone: 218161710 Fax: 218150095 Sti_geral@netcabo.pt

Leia mais

Município da Nazaré Serviços Municipalizados da Nazaré

Município da Nazaré Serviços Municipalizados da Nazaré Município da Nazaré Serviços Municipalizados da Nazaré Projecto de Regulamento do Pagamento em Prestações de Dívidas referentes à Receita dos Serviços de Fornecimento de Água, de Drenagem de Águas Residuais

Leia mais

Câmara Municipal de Vila Franca de Xira

Câmara Municipal de Vila Franca de Xira REGULAMENTO Nº 1/2009 REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO, CONDUÇÃO, ABASTECIMENTO E PARQUEAMENTO DE VIATURAS, E EQUIPAMENTO ROLANTE DA CÂMARA MUNICIPAL NOTA JUSTIFICATIVA A norma de controlo interno da Câmara Municipal

Leia mais

Regulamento para atribuição do Fundo de Reestruturação

Regulamento para atribuição do Fundo de Reestruturação Regulamento para atribuição do Fundo de Reestruturação Nos termos das alíneas c), d) e e) do n.º 2 do artigo 3.º do Decreto- lei n.º 55/2013, de 17 de Abril, que aprova a lei orgânica da Fundação para

Leia mais

Regulamento para a Atribuição de Equipamentos de Comunicações Móveis do Instituto Politécnico de Leiria (IPL)

Regulamento para a Atribuição de Equipamentos de Comunicações Móveis do Instituto Politécnico de Leiria (IPL) Regulamento para a Atribuição de Equipamentos de Comunicações Móveis do Instituto Politécnico de Leiria (IPL) Considerando: a) O Decreto-Lei n.º 14/2003, de 30 de Janeiro, que regulada a matéria respeitante

Leia mais

REGULAMENTO RELATIVO ÀS DESPESAS ELEGÍVEIS E À PRESTAÇÃO DE CONTAS. Artigo 1.º. Objeto

REGULAMENTO RELATIVO ÀS DESPESAS ELEGÍVEIS E À PRESTAÇÃO DE CONTAS. Artigo 1.º. Objeto REGULAMENTO RELATIVO ÀS DESPESAS ELEGÍVEIS E À PRESTAÇÃO DE CONTAS Artigo 1.º Objeto O presente Regulamento estabelece os procedimentos e documentos necessários à verificação das despesas elegíveis necessárias

Leia mais

Tarifário para Tarifário para 2015

Tarifário para Tarifário para 2015 Tarifário para 2015 Setembro de 2014 Página 1 de 12 Índice Tarifas de Abastecimento... 3 Tarifas de Saneamento... 4 Outros serviços de abastecimento... 5 Outros serviços de saneamento... 7 Processos de

Leia mais

Publicado em Diário da República Iª Série, nº 51 de 30 de Março de 2017 AVISO N.º 03/2017

Publicado em Diário da República Iª Série, nº 51 de 30 de Março de 2017 AVISO N.º 03/2017 Publicado em Diário da República Iª Série, nº 51 de 30 de Março de 2017 AVISO N.º 03/2017 ASSUNTO: POLÍTICA MONETÁRIA - ISENÇÃO DE COMISSÕES NO ÂMBITO DOS SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Considerando o desenvolvimento

Leia mais

APECA Regime Especial de Exigibilidade do IVA nas Entregas de Bens às Cooperativas Agrícolas

APECA Regime Especial de Exigibilidade do IVA nas Entregas de Bens às Cooperativas Agrícolas Regime Especial de Exigibilidade do IVA nas Entregas de Bens às Cooperativas Agrícolas DL 418/99, de 21.10 ARTIGO 1.º - Incidência ARTIGO 2.º - Exigibilidade do imposto ARTIGO 3.º - Opção pelas regras

Leia mais

FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO

FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO DECRETO DO PARLAMENTO NACIONAL N.º 71/II FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO A presente lei cria o Fundo Financeiro Imobiliário e estabelece o respectivo regime jurídico. Os princípios de planeamento, coordenação,

Leia mais

Regulamento Municipal de Bolsas de Estudo

Regulamento Municipal de Bolsas de Estudo Regulamento Municipal de Bolsas de Estudo Preâmbulo A educação e formação dos jovens famalicenses são factores essenciais para o desenvolvimento económico e social do concelho e da região onde nos inserimos.

Leia mais

CHEQUE-FORMAÇÃO OBJECTIVOS:

CHEQUE-FORMAÇÃO OBJECTIVOS: CHEQUE-FORMAÇÃO OBJECTIVOS: O Cheque-Formação visa reforçar a qualidade e a celeridade das medidas ativas de emprego, em particular no que respeita à qualificação profissional, procurando, nomeadamente:

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES, EM CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES, EM CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES, EM CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL Cartão de Crédito Millennium bcp Fix A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

CONTRATO INTERADMINISTRATIVO DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS NA FREGUESIA DE TAPÉUS. Pressupostos

CONTRATO INTERADMINISTRATIVO DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS NA FREGUESIA DE TAPÉUS. Pressupostos CONTRATO INTERADMINISTRATIVO DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS NA FREGUESIA DE TAPÉUS Pressupostos Com a entrada em vigor da Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro, estabelece-se o novo Regime Jurídico das Autarquias

Leia mais

Regulamento Financeiro

Regulamento Financeiro Regulamento Financeiro 01/10/2014 Conteúdo Enquadramento... 3 1 Cursos de estudos superiores profissionalizantes-cesp... 3 1.1 Matrícula... 3 1.2 Propina... 3 1.3 Seguro Escolar... 4 1.4 Penalizações...

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP)

REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP) REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP) Considerando a necessidade de se definir políticas, regras e procedimentos para o funcionamento do Conselho de Auditoria

Leia mais

NORMA DE PAGAMENTOS SISTEMAS DE INCENTIVOS QREN - VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO 1. ÂMBITO

NORMA DE PAGAMENTOS SISTEMAS DE INCENTIVOS QREN - VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO 1. ÂMBITO ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05/2008 NORMA DE PAGAMENTOS SISTEMAS DE INCENTIVOS QREN - VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO Nos termos do previsto no Contrato de Concessão de Incentivos estabelece-se a norma de pagamentos

Leia mais

CONTRATO INTERADMINISTRATIVO DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS NA FREGUESIA DE VINHA DA RAINHA. Pressupostos

CONTRATO INTERADMINISTRATIVO DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS NA FREGUESIA DE VINHA DA RAINHA. Pressupostos CONTRATO INTERADMINISTRATIVO DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS NA FREGUESIA DE VINHA DA RAINHA Pressupostos Com a entrada em vigor da Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro, estabelece-se o novo Regime Jurídico

Leia mais

AJUDAS DE CUSTO E SUBSÍDIO DE TRANSPORTE

AJUDAS DE CUSTO E SUBSÍDIO DE TRANSPORTE DOMÍNIO 03. Recursos Humanos TEMA 03.02. Despesas com o pessoal ASSUNTO 03.02.04. Ajudas de Custo e subsídio de transporte UO RESPONSÁVEL REVISTO EM: APROVADO EM: ENTRADA EM VIGOR: 05.05.2014 AJUDAS DE

Leia mais

Ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo 36.º do Decreto-Lei n.º 211/2004, de 20 de Agosto:

Ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo 36.º do Decreto-Lei n.º 211/2004, de 20 de Agosto: Legislação Portaria n.º 1327/2004, de 19 de Outubro Publicada no D.R. n.º 246, I Série-B, de 19 de Outubro de 2004 SUMÁRIO: Regulamenta os procedimentos administrativos previstos no Decreto-Lei n.º 211/2004,

Leia mais

Instrução n. o 4/2015 BO n. o

Instrução n. o 4/2015 BO n. o Instrução n. o 4/2015 BO n. o 6 15-06-2015 Temas Supervisão Elementos de Informação Índice Texto da Instrução Mapas anexos à Instrução 4/2015 Notas auxiliares de preenchimento anexas à Instrução 4/2015

Leia mais

REGULAMENTO RELATIVO ÀS DESPESAS ELEGÍVEIS. Artigo 1.º Objeto

REGULAMENTO RELATIVO ÀS DESPESAS ELEGÍVEIS. Artigo 1.º Objeto REGULAMENTO RELATIVO ÀS DESPESAS ELEGÍVEIS Artigo 1.º Objeto O presente Regulamento estabelece os procedimentos e documentos necessários à verificação das despesas elegíveis necessárias à concretização

Leia mais

PO FACTORES DE COMPETITIVIDADE PO REGIONAL DO NORTE PO REGIONAL DO CENTRO PO REGIONAL DO ALENTEJO PO REGIONAL DO ALGARVE

PO FACTORES DE COMPETITIVIDADE PO REGIONAL DO NORTE PO REGIONAL DO CENTRO PO REGIONAL DO ALENTEJO PO REGIONAL DO ALGARVE PERGUNTAS & RESPOSTAS AAC Nº 04/SI/2010 (SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA) AAC Nº 05/SI/2010 (SI INOVAÇÃO EMPREENDEDORISMO) AAC Nº 07/SI/2010 (SI QUALIFICAÇÃO PME) Página 1 de 7 A. Volume de negócios internacional

Leia mais

SEGUROS DE VIDA IRS 2017

SEGUROS DE VIDA IRS 2017 SEGUROS DE VIDA IRS 2017 (Lei n.º 42/2016 de 28 de dezembro) generali.pt 2 IRS 2017 - Seguros de Vida Índice I. Seguros de Vida 1. Dedução dos prémios... 3 2. Tributação dos benefícios... 3 2.1. Indemnizações

Leia mais

IRS (Lei n.º 66-B/2012 de 31 de Dezembro) SEGUROS DE VIDA

IRS (Lei n.º 66-B/2012 de 31 de Dezembro) SEGUROS DE VIDA IRS 2013 (Lei n.º 66-B/2012 de 31 de Dezembro) SEGUROS DE VIDA 2 SEGUROS DE VIDA Dedução dos prémios: Desde que garantam exclusivamente os riscos De morte; De invalidez; De reforma por velhice, desde que

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE MÉRITO A ALUNOS DO ENSINO SECUNDÁRIO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE MÉRITO A ALUNOS DO ENSINO SECUNDÁRIO REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE MÉRITO A ALUNOS DO ENSINO SECUNDÁRIO PREÂMBULO A Constituição da República Portuguesa estatui, no n.º 2 do artigo 73.º, que o Estado promove a democratização

Leia mais

DECRETO N.º 36/XIII. Artigo 1.º Objeto

DECRETO N.º 36/XIII. Artigo 1.º Objeto DECRETO N.º 36/XIII Cria um regime de reembolso de impostos sobre combustíveis para as empresas de transportes de mercadorias, alterando o Código dos Impostos Especiais de Consumo, aprovado pelo Decreto-Lei

Leia mais

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS Programa Operacional Factores de Competitividade Deliberações CMC POFC: 16/07/2008 Assistência Técnica do POFC Entrada em vigor DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO em 17/07/2008 Artigo 1.º Objecto O presente regulamento

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 407/XIII/2.ª

PROJETO DE LEI N.º 407/XIII/2.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 407/XIII/2.ª SIMPLIFICA E PREVINE EVENTUAIS FRAUDES NA ATRIBUIÇÃO DO SUBSÍDIO SOCIAL DE MOBILIDADE ATRIBUÍDO A RESIDENTES NAS REGIÕES AUTÓNOMAS (Primeira alteração

Leia mais

Realização de Acampamentos Ocasionais

Realização de Acampamentos Ocasionais Capítulo 470 Realização de Acampamentos Ocasionais MR.470.01.Vers.1.0.b Página 1 de 11 Conteúdo PREÂMBULO... 3 CAPÍTULO I - ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 4 Artigo 1.º Lei habilitante... 4 Artigo 2.º Âmbito e

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GÓIS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GÓIS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GÓIS ANEXO III REGIMENTO DO FUNDO DE MANEIO E.B. de Alvares E.B. de Vila Nova do Ceira J.I. de Ponte do Sótão REGIMENTO DO FUNDO DE MANEIO 1- Enquadramento Legal do Fundo de Maneio

Leia mais

DESTACAMENTO DE TRABALHADORES NO ÂMBITO DE UMA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. Lei n.º 29/2017

DESTACAMENTO DE TRABALHADORES NO ÂMBITO DE UMA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. Lei n.º 29/2017 DESTACAMENTO DE TRABALHADORES NO ÂMBITO DE UMA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Lei n.º 29/2017 A Lei n.º 29/2017, de 30 de maio, veio transpor para a ordem jurídica interna a Diretiva 2014/67/UE, do Parlamento Europeu

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E CEDÊNCIA DE VIATURAS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DA CÂMARA MUNICIPAL DE VIDIGUEIRA

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E CEDÊNCIA DE VIATURAS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DA CÂMARA MUNICIPAL DE VIDIGUEIRA REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E CEDÊNCIA DE VIATURAS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DA CÂMARA MUNICIPAL DE VIDIGUEIRA Nota Justificativa De entre o apoio às organizações da sociedade civil e às entidades da

Leia mais

REGULAMENTO DE CONTROLO E

REGULAMENTO DE CONTROLO E REGULAMENTO DE CONTROLO E UTILIZAÇÃO DE VIATURAS Artigo 1.º Objeto e âmbito da aplicação 1 - O presente regulamento estabelece as normas de controlo e as condições de utilização das viaturas propriedade

Leia mais

REGULAMENTO DE QUOTAS E TAXAS DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS

REGULAMENTO DE QUOTAS E TAXAS DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS REGULAMENTO DE QUOTAS E TAXAS DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS NOTA PRÉVIA A Lei n.º 131/2015, de 4 de setembro, procedeu à quarta alteração ao Estatuto da Ordem dos Farmacêuticos, aprovado pelo Decreto-Lei

Leia mais

NOTA JUSTIFICATIVA. A Lei n.º 35/2014, de 20 de junho, que aprovou a Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas,

NOTA JUSTIFICATIVA. A Lei n.º 35/2014, de 20 de junho, que aprovou a Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas, Coimbra, janeiro 2017 NOTA JUSTIFICATIVA A Lei n.º 35/2014, de 20 de junho, que aprovou a Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas, abreviadamente designada por LTFP veio regular o vínculo de trabalho

Leia mais

POLÍTICA E PROCEDIMENTOS DESPESAS DIVERSAS E DE VIAGEM

POLÍTICA E PROCEDIMENTOS DESPESAS DIVERSAS E DE VIAGEM POLÍTICA E PROCEDIMENTOS DESPESAS DIVERSAS E DE VIAGEM Finalidade Estabelecer procedimentos para o reembolso consistente de despesas comerciais de colaboradores incorridas em nome da WMCCANN, empresa do

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS. Alienação de Autorização de Produção. Concurso Público nº: 01/EPDRR-ABM/2015-AP CADERNO DE ENCARGOS

CADERNO DE ENCARGOS. Alienação de Autorização de Produção. Concurso Público nº: 01/EPDRR-ABM/2015-AP CADERNO DE ENCARGOS Alienação de Autorização de Produção Concurso Público nº: 01/EPDRR-ABM/2015-AP Página 1 de 8 Índice de Conteúdo CAPÍTULO I - CLÁUSULAS JURÍDICAS -... 3 ARTIGO 1º - OBJETO -... 3 ARTIGO 2º - PRAZO -...

Leia mais

(FESTAS DO POVO) Artigo 1º. (Organização e Coordenação)

(FESTAS DO POVO) Artigo 1º. (Organização e Coordenação) PROJETO DE REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO, COORDENAÇÃO E REALIZAÇÃO DAS FESTAS DO POVO DE CAMPO MAIOR (FESTAS DO POVO) Artigo 1º (Organização e Coordenação) 1.- A organização e coordenação das Festas do Povo

Leia mais

UNIVERSIDADE ZAMBEZE REGULAMENTO DE GESTÃO DAS RECEITAS PRÓPRIAS. Preâmbulo

UNIVERSIDADE ZAMBEZE REGULAMENTO DE GESTÃO DAS RECEITAS PRÓPRIAS. Preâmbulo UNIVERSIDADE ZAMBEZE REGULAMENTO DE GESTÃO DAS RECEITAS PRÓPRIAS Preâmbulo O artigo 70 do Decreto 74/2011, de 30 de Dezembro, que altera os Estatutos da UniZambeze elenca, nas alíneas b) a k), as fontes

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA. Artigo 1.º. Âmbito

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA. Artigo 1.º. Âmbito Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade aberta com o Capital Social: 12.000.000,00 (doze milhões de euros) Sede: Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, n.º 17, 6.º andar, 1070-313 Lisboa Registada

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES, EM CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES, EM CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES, EM CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL Cartão de Crédito Millennium bcp Gold MasterCard A. ELEMENTOS

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE PARQUES. Preâmbulo

REGULAMENTO GERAL DE PARQUES. Preâmbulo REGULAMENTO GERAL DE PARQUES Preâmbulo Com a revisão da política de estacionamento e mobilidade na cidade de Lisboa, tal como se encontra definida no âmbito do pelouro da Mobilidade, urge redefinir as

Leia mais

Refª: OS0080 Versão: 4 Entrada em Vigor:

Refª: OS0080 Versão: 4 Entrada em Vigor: Ordem de Serviço Refª: OS0080 Versão: 4 Entrada em Vigor: 2012-05-25 Título: Crédito Pessoal para Fins Sociais Processo Associado: N/A Sumário Regulamenta a concessão de crédito pessoal para fins sociais

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE RELATÓRIO ANUAL DE GOVERNO DOS EMITENTES DE VALORES MOBILIÁRIOS ADMITIDOS À NEGOCIAÇÃO EM MERCADO

REGULAMENTO SOBRE RELATÓRIO ANUAL DE GOVERNO DOS EMITENTES DE VALORES MOBILIÁRIOS ADMITIDOS À NEGOCIAÇÃO EM MERCADO REGULAMENTO SOBRE RELATÓRIO ANUAL DE GOVERNO DOS EMITENTES DE VALORES MOBILIÁRIOS ADMITIDOS À NEGOCIAÇÃO EM MERCADO A AGMVM aprovou um Código de Governo dos Emitentes de Valores Mobiliários admitidos à

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE CASAL DE CAMBRA

JUNTA DE FREGUESIA DE CASAL DE CAMBRA NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO AUTOCARRO Artigo 1º Âmbito A presente norma estabelece as condições de utilização do autocarro de que a Junta de Freguesia é detentora, ao abrigo do Protocolo de Cooperação celebrado

Leia mais

Assunto: ALTERAÇÃO DO REGIME DE BENS EM CIRCULAÇÃO, OBJECTO DE TRANSAÇÕES ENTRE SUJEITOS PASSIVOS DE IVA

Assunto: ALTERAÇÃO DO REGIME DE BENS EM CIRCULAÇÃO, OBJECTO DE TRANSAÇÕES ENTRE SUJEITOS PASSIVOS DE IVA Circular nº 14/2013 19 de Abril de 2013 Assunto: ALTERAÇÃO DO REGIME DE BENS EM CIRCULAÇÃO, OBJECTO DE TRANSAÇÕES ENTRE SUJEITOS PASSIVOS DE IVA Caro Associado, Recordamos que acerca do tema das regras

Leia mais

AVISO Nº. 10/96 ARTIGO 1º.

AVISO Nº. 10/96 ARTIGO 1º. AVISO Nº. 10/96 O Banco Nacional de Angola, tendo em vista a nova orientação económica estabelecida pelo Governo e a necessidade de actualização das regras para o funcionamento das Casas de Câmbio, no

Leia mais

CÓDIGO DO IRS. Artigo 16.º Residência Redacção anterior Orçamento Rectificativo dos n. os 1 ou 2, não tenham sido residentes em

CÓDIGO DO IRS. Artigo 16.º Residência Redacção anterior Orçamento Rectificativo dos n. os 1 ou 2, não tenham sido residentes em CÓDIGO DO IRS Artigo 16.º Residência 6 - Considera-se que não têm residência habitual em território português os sujeitos passivos que, tornando-se fiscalmente residentes, nomeadamente ao abrigo do disposto

Leia mais

Preçário. Volkswagen Bank GmbH - Sucursal Portugal SUCURSAL. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário. Volkswagen Bank GmbH - Sucursal Portugal SUCURSAL. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário Volkswagen Bank GmbH Sucursal Portugal SUCURSAL Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 05Maio2017 O Preçário completo do VW Bank

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

Sessão de esclarecimento 2.ª Convocatória - Elegibilidades

Sessão de esclarecimento 2.ª Convocatória - Elegibilidades European Union European Regional Development Fund Sharing solutions for better regional policies Sessão de esclarecimento 2.ª Convocatória - Elegibilidades Celina Pasadas Núcleo de Cooperação Territorial

Leia mais

Concursos 2016 ANEXO XVI

Concursos 2016 ANEXO XVI ANEXO XVI PROGRAMA DE APOIO AO AUDIOVISUAL E MULTIMÉDIA SUBPROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO AUDIOVISUAL E MULTIMÉDIA 1. Âmbito e Definições 1.1. O presente subprograma visa viabilizar a produção de suportes

Leia mais

Diploma DRE. Capítulo I. Modelos oficiais. Artigo 1.º. Objeto

Diploma DRE. Capítulo I. Modelos oficiais. Artigo 1.º. Objeto Diploma Aprova a declaração modelo 2, o modelo do recibo eletrónico de quitação de rendas e a declaração modelo 44, previstos no Código do Imposto do Selo e no Código do IRS Portaria n.º 98-A/2015 de 31

Leia mais

Diploma DRE. Capítulo I. Modelos oficiais. Artigo 1.º. Objeto

Diploma DRE. Capítulo I. Modelos oficiais. Artigo 1.º. Objeto Diploma Aprova a declaração modelo 2, o modelo do recibo eletrónico de quitação de rendas e a declaração modelo 44, previstos no Código do Imposto do Selo e no Código do IRS Portaria n.º 98-A/2015 de 31

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 6/2017

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 6/2017 ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 6/2017 REGULAMENTO ESPECÍFICO DO DOMÍNIO DA COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO Elegibilidade de Documentos Comprovativos de Despesas Incorridas Fora do Território Nacional I.

Leia mais

FINALIZAÇÃO DE OBRAS CINEMATOGRÁFICAS

FINALIZAÇÃO DE OBRAS CINEMATOGRÁFICAS ANEXO IX PROGRAMA DE APOIO AO CINEMA SUBPROGRAMA DE APOIO À PRODUÇÃO, NA MODALIDADE DE APOIO À FINALIZAÇÃO DE OBRAS CINEMATOGRÁFICAS 1. Candidatos e beneficiários 1.1. Podem candidatar-se os produtores

Leia mais

REGULAMENTO DO SUBSÍDIO AO ARRENDAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SANTO TIRSO

REGULAMENTO DO SUBSÍDIO AO ARRENDAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SANTO TIRSO REGULAMENTO DO SUBSÍDIO AO ARRENDAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SANTO TIRSO Artigo 1.º (Âmbito) 1 O presente regulamento regula a concessão de subsídio ao arrendamento pelo município de Santo Tirso. 2 Podem

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho REGULAMENTO MUNICIPAL DE COMPARTICIPAÇÃO EM MEDICAMENTOS E TRANSPORTE DE DOENTES Preâmbulo O Concelho de Vieira do Minho, tal como a maioria dos Concelhos do interior do país, tem vindo a assistir nas

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Âmbito

REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Âmbito I N S T I T U T O D E E N G E N H A R I A B I O M É D I C A REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito O presente regulamento, aprovado pela Fundação

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO SOCIAL POR DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS

REGULAMENTO DE APOIO SOCIAL POR DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS REGULAMENTO DE APOIO SOCIAL POR DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS REGULAMENTO DE APOIO SOCIAL POR DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS Considerando o quadro legal de atribuições e competências das Autarquias Locais, Lei

Leia mais

REGULAMENTO DO PROCESSAMENTO DE AJUDAS DE CUSTO E TRANSPORTES

REGULAMENTO DO PROCESSAMENTO DE AJUDAS DE CUSTO E TRANSPORTES REGULAMENTO DO PROCESSAMENTO DE AJUDAS DE CUSTO E TRANSPORTES Artigo 1.º Objetivo Considerando que as deslocações de funcionários (trabalhadores da função pública) por motivo de serviço público, em território

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série, nº 223, de 24 de Dezembro AVISO N.º 13/2014. investidores privados externos

Publicado no Diário da República, I série, nº 223, de 24 de Dezembro AVISO N.º 13/2014. investidores privados externos Publicado no Diário da República, I série, nº 223, de 24 de Dezembro AVISO N.º 13/2014 ASSUNTO: OPERAÇÕES DE INVISÍVEIS CORRENTES - Transferências para o exterior de lucros ou dividendos dos investidores

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO RELATIVA À POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS EMPRESAS DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS E SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE PENSÕES

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO RELATIVA À POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS EMPRESAS DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS E SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE PENSÕES PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO RELATIVA À POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS EMPRESAS DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS E SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE PENSÕES Reconhecida a necessidade

Leia mais

REGULAMENTO DE PREÇOS A PRATICAR NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DOS SERVIÇOS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

REGULAMENTO DE PREÇOS A PRATICAR NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DOS SERVIÇOS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO REGULAMENTO DE PREÇOS A PRATICAR NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DOS SERVIÇOS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO A ligação à sociedade em geral, nos diversos domínios que integram o seu âmbito de intervenção, constitui-se

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA ESPECÍFICA Custos Operacionais e de Animação Nº 1/2017 VERSÃO 1.0 DESENVOLVIMENTO LOCAL DE BASE COMUNITÁRIA ANEXO I Lista de documentos a apresentar com a candidatura para controlo documental

Leia mais

188ª DELIBERAÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA REGULAMENTO PARA APRECIAÇÃO DOS PEDIDOS DE LIBERTAÇÃO DO SEGREDO ESTATÍSTICO

188ª DELIBERAÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA REGULAMENTO PARA APRECIAÇÃO DOS PEDIDOS DE LIBERTAÇÃO DO SEGREDO ESTATÍSTICO DOCT/525/CSE/SE-2 188ª DELIBERAÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA REGULAMENTO PARA APRECIAÇÃO DOS PEDIDOS DE LIBERTAÇÃO DO SEGREDO ESTATÍSTICO O Conselho Superior de Estatística (CSE) conta entre

Leia mais

POLÍTICA ANTI-FRAUDE

POLÍTICA ANTI-FRAUDE 1/9 POLÍTICA ANTI-FRAUDE Índice 1. Objectivo.... 2 2. Âmbito de Aplicação... 2 3. Definições.... 2 4. Compromisso... 3 5. Formas de Actuação.... 3 5.1. Conflito de Interesses... 3 5.2. Decisões relativas

Leia mais