Histórico. Imunização. Tipos de Imunização. Imunização ativa 14/09/2009

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Histórico. Imunização. Tipos de Imunização. Imunização ativa 14/09/2009"

Transcrição

1 Histórico Variolação: 1796 Vacina anti-rábica: 1885 Vacina anti-pólio (Salk): 1954 Vacina anti-pólio (Sabin): 1956 Primeira vacina recombinante: 1986 Vacina contra rotavírus: Imunização Objetivos: No indivíduo: prevenir a doença Nas populações: erradicar a doença Ex. Varíola foi erradicada em 1977 Tipos de Imunização Ativa: quando administra-se o Ag (que leva a produção ativa de imunidade Passiva: Administração de soro contendo anticorpos pré-formados que confere proteção passiva ao receptor (ex. Soro antitétano, anti-rh, anti-botulismo, anti-ofídico) 3 4 TIPOS - IMUNIDADES ESPECÍFICAS IMUNIDADE ATIVA NATURAL (DOENÇA ) ARTIFICIAL (VACINA ) Imunização ativa Objetivos: Provocar uma imunidade protetora Criar uma memória imunológica IMUNIDADE PASSIVA NATURAL (TRANSPLACENTÁRIA) ARTIFICIAL (SOROS HETERÓLOGOS e HOMÓLOGOS) 5 Pode ser obtida por infecção natural com o microorganismo ou através de VACINAS 6 1

2 Imunidade Específica Resposta Primária e Secundária Programa Nacional de Imunizações - PNI Programa do Ministério da Saúde que estabeleceu como prioridade a prevenção na infância das seguintes doenças:. Tuberculose Hepatite B Poliomielite Tétano Difteria Coqueluche Infecção pelo Haemophilus influenza tipo B Sarampo Caxumba Rubéola Febre Amarela Rotavírus 7 8 Tipos de vacina Vírus atenuados (vírus do sarampo e rubéola) Bactérias atenuadas (BCG) Microorganismos mortos (Vibrio cholerae) Produto bacteriano inativado (toxóide tetânico) Componente específico de bactérias DNA recombinante (hepatite B) 9 Vacinas segundo Tipo de Antígeno Agente Atenuado Agentes Inativados Fracionadas de base protéica (subunidades) Fracionada de base polissacarídica BCG Pólio (Salk) Hepatite B Haemophilus influenzae Pólio (Sabin) Pertussis (coqueluche) Toxóide diftérico Sarampo Raiva, Toxóide tetânico Caxumba Hepatite A Influenza Rubéola, Febre amarela Varicela Febre tifóide oral Pertussis acelular Pneumococo Meningococo. Resposta vacinal depende de fatores: Inerentes ao próprio organismo Idade (extremos) Estado imunológico do indivíduo Inerentes às vacinas Tipo de agente Efetividade diretamente relacionada a conservação Vacinas são lábeis a variação de temperatura, luminosidade e tempo de validade. 11 Vacinação Imunidade de Rebanho Alguns indivíduos irão responder pobremente e não ficarão protegidos No entanto, como a maior parte dos seus contatos está protegido a um agente infeccioso, a chance dele contrair o patógeno diminui Fenômeno conhecido como Imunidade de multidões ou de Rebanho 12 2

3 Adjuvante vacinal Finalidade: aumentar o potencial antigênico do microorganismo, melhorar a exposição do Ag ao sistema imunológico favorecer a fagocitose do Ag pelas células de defesa Ex: Alumínio e conjugados proteicos. Vacinação Contra-indicações gerais Pessoas com imunodeficiência congênita ou adquirida Pessoas acometidas por neoplasias malignas Pessoas em tratamento com corticóides (em doses imunossupressoras), outros imunossupressores ou radioterapia Pacientes submetidas a transfusão de sangue ou plasma nos últimos 3 meses Gravidez Doenças agudas febris graves Recém-nascidos menores de 2.000g Hipertermia FALSAS CONTRA-INDICAÇÕES: Doenças febris brandas História de doenças anteriores Desnutrição Uso de antimicrobiano Doença neurológica estável Imunossupressores (dose baixa) Alergias não relacionadas com as vacinas Prematuridade ou baixo peso (exceto BCG) Internação hospitalar Riscos das vacinas com agentes vivos Não devem ser administradas à grávidas pelo risco de infecção fetal Indivíduos imunodeprimidos podem desenvolver doenças graves e até fatais (indivíduos usando imunossupressores, corticóides, radiação, leucemias, Aids, etc) Riscos das vacinas com agentes vivos Mesmo em indivíduos imunocompetentes podem causar desconfortos e efeitos adversos, eventualmente provocar a doença Podem conter agentes contaminantes não detectados e indesejáveis (geralmente decorrentes do processo de fabricação das vacinas) 17 Vacinas de vírus inativadas Podem ser administradas em indivíduos imunodeprimidos No entanto, não são tão eficientes em promover uma resposta imunológica adequadamente protetora Vacina Sabin vírus vivo Vacina Salk vírus atenuado 18 3

4 Vacinas vírus-vivos x vírus mortos Em geral, a imunização com microorganismos vivos é superior à proporcionada por microorganismos mortos Característica Vacina atenuada Vacina inativada Produção Necessidade de reforço Estabilidade (refrigeração) Microrganismo é manipulado para diminuir a virulência Geralmente apenas 1 reforço Menos estável Microorganismo é inativado por substâncias químicas Múltiplos reforços Mais estável Tipo de imunidade produzida Reversão Humoral e celular Pode reverter para a forma virulenta Humoral Não consegue reverter para forma virulenta Outros efeitos adversos Reações alérgicas às proteínas do ovo, que está envolvido na produção de vacinas contra sarampo, caxumba, influenza..) Reações à conservantes como thimerosal e mercúrio. Dificuldades para vacina eficiente Vacinas que funcionam em testes com animais e não funcionam em humanos Efeitos colaterais inaceitáveis Vacinas mal produzidas podem causar doenças Imunização passiva Administração de anticorpos na forma de soro total ou imunoglobulina fracionada concentrada (gamaglobulina) Obtida de doadores humanos ou de animais Importante para imunodeprimidos, pessoas não imunizadas por vacina IMUNIZAÇÃO PASSIVA Proteção transferida de uma pessoa (ou animal) para outras, ou seja, de outro organismo para outro. Ex.: Mãe filho (8 mês de gestação quando a mãe toma vacina DT) Proteção temporária Ex.: Leite materno como anticorpo natural até o 6º mês de vida

5 Imunização passiva Normalmente não ativa sistema imune Não produz célula de memória Proteção imediata, porém transitória Imunoglobulina humana Quase totalmente IgG Apresentada na forma IM, IV Administração dolorosa Não é útil em pessoas sem imunodeficiência, mas que tem infecções recorrentes Soros e antitoxinas animais Geralmente procedente de cavalos e coelhos Exposição prévia aos soros desses animais aumenta a possibilidade de reação anafilática CUIDADOS COM IMUNOBIOLÓGICOS Prazo de validade Conservação (Temperatura) Transporte Armazenamento Dose Coloração da Vacina Diluição Tempo de Validade após diluição Cuidados com a conservação Todos os materiais de imunização devem ser adequadamente conservados para que mantenham a sua eficácia Historicamente, as falhas graves na imunização contra doenças como varíola e sarampo resultaram de refrigeração inadequada das vacinas antes de seu uso

Histórico. Erradicação da Varíola

Histórico. Erradicação da Varíola Histórico Inserção contra Febre Amarela Erradicação da Pólio Erradicação da Varíola Revolta da vacina 1904 Vacinação Em 1973, houve a criação do Programa Nacional de Imunização PNI. Este articula, sob

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO CONCURSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM TEMA 11 PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE VACINAS O que faz uma vacina? Estimula

Leia mais

Imunizações Prof. Orlando A. Pereira FCM - Unifenas

Imunizações Prof. Orlando A. Pereira FCM - Unifenas Imunizações Prof. Orlando A. Pereira FCM - Unifenas Imunização ativa A imunização ativa é realizada pela introdução no organismo de diferentes tipos de antígenos, representados tanto por cepas vivas e

Leia mais

Importância e Descoberta

Importância e Descoberta Importância e Descoberta OMS - VACINAÇÃO E ÁGUA LIMPA INTERVENÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA COM MAIOR IMPACTO NA SAÚDE MUNDIAL, APLICADAS MESMO ANTES DO CONHECIMENTO DA EXISTENCIA DE GERMES EM 1786 JENNER, APÓS

Leia mais

Imunização ativa e passiva

Imunização ativa e passiva IMUNIZAÇÕES Imunização ativa e passiva IMUNIZAÇÕES IMUNIZAÇÃO É DEFINIDA COMO A AQUISIÇÃO DE PROTEÇÃO IMUNOLÓGICA CONTRA UMA DOENÇA INFECCIOSA. Jenner e a varíola (1798) Pasteur e o cólera (1798) IMUNIZAÇÕES

Leia mais

REVISÃO VACINAS 15/02/2013

REVISÃO VACINAS 15/02/2013 1. De acordo com o calendário básico de vacinação, assinale a alternativa que apresenta a(s) vacina(s) que deve(m) ser administrada(s) em um recém nascido. REVISÃO VACINAS a) Somente a BCG. b) BCG e vacina

Leia mais

Vacinas e Imunoterapia

Vacinas e Imunoterapia Como os organismos hospedeiros vertebrados podem adquirir Imunidade? Vacinas e Imunoterapia Prof. Helio José Montassier Imunidade Passiva É uma forma de imunidade temporária após transferência natural

Leia mais

IMUNOLOGIA. Prof. Fausto de Souza Aula 10: Imunização Passiva e Ativa Vacinas

IMUNOLOGIA. Prof. Fausto de Souza Aula 10: Imunização Passiva e Ativa Vacinas IMUNOLOGIA Prof. Fausto de Souza Aula 10: Imunização Passiva e Ativa Vacinas Imunização passiva Imunização passiva transferência de anticorpos produzidos por um animal ou outro homem. Esse tipo de imunidade

Leia mais

TÓPICOS BÁSICOS DE IMUNOLOGIA

TÓPICOS BÁSICOS DE IMUNOLOGIA Secretaria Estadual de Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Imunização e Rede de Frio Coordenação de Normatização TÓPICOS BÁSICOS DE IMUNOLOGIA Objetivos deste módulo Conhecer os tipos

Leia mais

Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO IMUNOPROFILAXIA. Dra. Cleoncie Alves de Melo Bento Profa. Adjunta Disciplina de Imunologia

Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO IMUNOPROFILAXIA. Dra. Cleoncie Alves de Melo Bento Profa. Adjunta Disciplina de Imunologia Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO IMUNOPROFILAXIA Dra. Cleoncie Alves de Melo Bento Profa. Adjunta Disciplina de Imunologia Introdução IMUNIDADE ATIVA PASSIVA Introdução IMUNIDADE

Leia mais

Dra. Tatiana C. Lawrence PEDIATRIA, ALERGIA E IMUNOLOGIA

Dra. Tatiana C. Lawrence PEDIATRIA, ALERGIA E IMUNOLOGIA Vacinação As vacinas são as ferramentas mais poderosas e inofensivas que temos para combater as doenças. Protegem milhões de crianças e adultos das doenças que ameaçam nossas vidas, como poliomielite (paralisia

Leia mais

Ditos sobre vacinas. Vacinas são boas ou Ruins?

Ditos sobre vacinas. Vacinas são boas ou Ruins? Ditos sobre vacinas Prof. Gilson C. Macedo SOROS E VACINAS: MANIPULAÇÃO DO SISTEMA IMUNE PARA COMBATER INFECÇÕES * Vacinas não previnem nada * São feitas com placenta de boi (no caso de vaca) * São feitas

Leia mais

IMUNOPROFILAXIA. Dra. Rosa Maria Tavares Haido Profa. Adjunta Disciplina de Imunologia

IMUNOPROFILAXIA. Dra. Rosa Maria Tavares Haido Profa. Adjunta Disciplina de Imunologia Dra. Rosa Maria Tavares Haido Profa. Adjunta Disciplina de Imunologia Introdução IMUNIDADE ATIVA PASSIVA Introdução IMUNIDADE ATIVA NATURAL Infecções clínicas ou sub-clínicas ARTIFICIAL Vacinas Definição

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DO CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO

ATUALIZAÇÃO DO CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO ATUALIZAÇÃO DO CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO 2017 Seis vacinas terão seu público-alvo ampliado em 2017 Hepatite A: crianças Tetra Viral (sarampo, rubéola, caxumba e varicela): crianças Meningocócica C: crianças

Leia mais

Vigilância das Doenças Preveníveis por Imunização Vacinação do Profissional de Saúde

Vigilância das Doenças Preveníveis por Imunização Vacinação do Profissional de Saúde Vigilância das Doenças Preveníveis por Imunização Vacinação do Profissional de Saúde Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde da Comunidade Departamento de Epidemiologia e Bioestatística Epidemiologia

Leia mais

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO CRIANÇA ATÉ 6 ANOS DE IDADE

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO CRIANÇA ATÉ 6 ANOS DE IDADE CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO CRIANÇA ATÉ 6 ANOS DE IDADE CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO CRIANÇA ATÉ 6 ANOS DE IDADE 2013 IDADE VACINA A PARTIR DO NASCIMENTO 2 MESES BCG 1 HEPATITE B 2 VACINA VIP 3 PENTAVALENTE 7 ROTAVÍRUS

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM SALA DE VACINA

ATUALIZAÇÃO EM SALA DE VACINA 2014 ATUALIZAÇÃO EM SALA DE VACINA Unidade I - PNI CHIARA DANTAS VANDERLEI 2 APRESENTAÇÃO Avidaéumaoportunidadeenãoumaobrigação,especialmentequandosetrata devalorizaravidahumanaevitandodoençascomvacinação

Leia mais

Vacinas. Tem na Previnna? Ao nascer 1 mês. 24 meses 4 anos. 18 meses 2 anos/ 12 meses. 15 meses. 5 meses. 4 meses. 8 meses. 3 meses. 6 meses.

Vacinas. Tem na Previnna? Ao nascer 1 mês. 24 meses 4 anos. 18 meses 2 anos/ 12 meses. 15 meses. 5 meses. 4 meses. 8 meses. 3 meses. 6 meses. Dos 2 aos 1 1 BCG ID Dose única Hepatite B, TANTO A VACINA HEPATITE B QUANTO A VACINA HEXAVALENTE (DIFTERIA, TÉTANO, Tríplice Bacteriana (Difteria, Tétano e Coqueluche) Haemophilus influenzae b, TANTO

Leia mais

Vacinação de Grupos Especiais. Helena Keico Sato Diretora Técnica Div de Imunização/CVE/CCD/SES-SP

Vacinação de Grupos Especiais. Helena Keico Sato Diretora Técnica Div de Imunização/CVE/CCD/SES-SP Vacinação de Grupos Especiais Helena Keico Sato Diretora Técnica Div de Imunização/CVE/CCD/SES-SP Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais (CRIE) 1 Profilaxia pré e pós-exposição a agentes

Leia mais

Maria Etelvina de Sousa Calé

Maria Etelvina de Sousa Calé Divulgação de Boas Práticas 13 e 14 de Dezembro de 2011 Princípios e Recomendações Maria Etelvina de Sousa Calé Lisboa, 13 Dezembro 2011 Vacinas Substâncias antigénicas utilizadas para produzir imunidade

Leia mais

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO PARA O ESTADO DE SÃO PAULO

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO PARA O ESTADO DE SÃO PAULO CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO PARA O ESTADO DE SÃO PAULO - 2016 IDADE VACINAS A PARTIR DO NASCIMENTO BCG 1 2 3 2 MESES ROTAVÍRUS 4 3 MESES MENINGOCÓCICA C 3 4 MESES ROTAVÍRUS 5 5 MESES MENINGOCÓCICA C 6 MESES

Leia mais

Prevenção e controle das viroses. Silvia Cavalcanti Universidade Federal Fluminense Departamento de Microbiologia e Parasitologia 2016

Prevenção e controle das viroses. Silvia Cavalcanti Universidade Federal Fluminense Departamento de Microbiologia e Parasitologia 2016 Prevenção e controle das viroses Silvia Cavalcanti Universidade Federal Fluminense Departamento de Microbiologia e Parasitologia 2016 Prevenção e controle das viroses Entendimento da epidemiologia das

Leia mais

Vírus Piratas de células

Vírus Piratas de células Vírus Piratas de células Catapora, rubéola, hepatite, aids, sarampo, gripe, varíola, poliomielite, raiva, dengue, herpes, caxumba, mononucleose, febre amarela, HPV, H1N1... Histórico Descobertos por Ivanovsky

Leia mais

IMUNIZAÇÃO NA CRIANÇA E NO ADOLESCENTE

IMUNIZAÇÃO NA CRIANÇA E NO ADOLESCENTE IMUNIZAÇÃO NA CRIANÇA E NO ADOLESCENTE Profª Dra. Alice Yamashita Prearo Departamento de Pediatria da Faculdade de Medicina de Botucatu UNESP MARÇO 2015 Vacinação e a Escola Plano de aula Conhecer o PNI

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE VACINAS CONTRA AGENTES INFECCIOSOS

DESENVOLVIMENTO DE VACINAS CONTRA AGENTES INFECCIOSOS DESENVOLVIMENTO DE VACINAS CONTRA AGENTES INFECCIOSOS O que faz uma vacina? ü Estimula respostas imunológicas protetoras do hospedeiro para combater o patógeno invasor. Que conhecimento é necessário para

Leia mais

Neonatologia para Concursos de Enfermagem

Neonatologia para Concursos de Enfermagem Oncologia Neonatologia para Concursos de Enfermagem Fernanda Coelho PNI 2017 ÚLTIMAS ATUALIZAÇÕES Prof. Enf. Hygor Elias 1 Meningocócica C (conjugada) Indicações: Meningite por Neisseria meningitidis dogrupoc

Leia mais

Programa Nacional de Imunização. Prof. Hygor Elias

Programa Nacional de Imunização. Prof. Hygor Elias Programa Nacional de Imunização Prof. Hygor Elias QUESTÃO 01: No que se refere a Programa Nacional de Imunização, julgue os itens queseseguem. ( ) A vacinação é contraindicada a pessoas portadoras de doença

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM SAÚDE COLETIVA

CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM SAÚDE COLETIVA CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM SAÚDE COLETIVA Professor: Hugo Pascoal Programa Nacional de Imunização Tem como objetivo o controle de doenças imunopreveníveis através de amplas coberturas vacinais, para que

Leia mais

VACINAS Daniela H.S.Lopes Debs 2013

VACINAS Daniela H.S.Lopes Debs 2013 Daniela H.S.Lopes Debs 2013 DEFINIÇÃO Ação básica de saúde que consiste em provocar imunidade artificial à semelhança da doença (imunidade natural), com grande impacto na redução da mortalidade infantil.

Leia mais

CARTILHA DE VACINAÇÃO. Prevenção não tem idade. Vacine-se!

CARTILHA DE VACINAÇÃO. Prevenção não tem idade. Vacine-se! CARTILHA DE VACINAÇÃO Prevenção não tem idade. Vacine-se! A saúde é o nosso bem mais precioso, e a vacinação é um meio acessível, seguro e efetivo de protegê-la! A vacinação protege não apenas aqueles

Leia mais

Biossegurança Imunização Ativa e Passiva. Professor Dr. Eduardo Arruda

Biossegurança Imunização Ativa e Passiva. Professor Dr. Eduardo Arruda Biossegurança Imunização Ativa e Passiva Professor Dr. Eduardo Arruda Imunização Ativa e Passiva Ativa: Administração de um Antígeno (agente infeccioso ou vacina) dura vários anos; Passiva: Transferência

Leia mais

VACINAS A SEREM DISPONIBILIZADAS PARA AS CRIANÇAS MENORES DE CINCO ANOS DE IDADE NA CAMPANHA DE MULTIVACINAÇÃO 2016.

VACINAS A SEREM DISPONIBILIZADAS PARA AS CRIANÇAS MENORES DE CINCO ANOS DE IDADE NA CAMPANHA DE MULTIVACINAÇÃO 2016. VACINAS A SEREM DISPONIBILIZADAS PARA AS CRIANÇAS MENORES DE CINCO ANOS DE IDADE NA CAMPANHA DE MULTIVACINAÇÃO 2016. VACINAS BCG ESQUEMA VACINAL Dose única ao nascer. Disponível para crianças menores de

Leia mais

BIOLOGIA Sistema imunológico e excretor

BIOLOGIA Sistema imunológico e excretor Sistema imunológico Módulo 31 Página 01 à 14 O Pulso - Titãs Composição: Arnaldo Antunes O pulso ainda pulsa O pulso ainda pulsa... Peste bubônica Câncer, pneumonia Raiva, rubéola Tuberculose e anemia

Leia mais

Você conhece a história da vacina?

Você conhece a história da vacina? Você conhece a história da vacina? A vacina surgiu em um importante momento histórico de combate à varíola, uma das doenças mais temidas no mundo no século XVIII, com taxa de mortalidade em torno de 10

Leia mais

VA P CINAS ARA CRIANÇAS Dourados

VA P CINAS ARA CRIANÇAS Dourados Dourados VACINAS PARA CRIANÇAS O ato de vacinar é a forma mais fácil de proteger o organismo contra doenças infecciosas potencialmente graves e de prevenir que essas doenças sejam transmitidas a outras

Leia mais

Ministério da saúde AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO Nº 61, DE 25 DE AGOSTO DE 2008

Ministério da saúde AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO Nº 61, DE 25 DE AGOSTO DE 2008 Ministério da saúde AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO Nº 61, DE 25 DE AGOSTO DE 2008 Dispõe sobre Critérios para Harmonização de Nomenclatura (Denominação Comum Brasileira)

Leia mais

11. - NCEE UFRJ). S.P.L.,

11. - NCEE UFRJ). S.P.L., VACINA 01. (NC-UFPR Enfermeiro/2012). Na administração de medicação intramuscular em recém-natos (RN), o local mais apropriado é a região da face ântero-lateral da coxa. Qual o volume máximo recomendado

Leia mais

VACINAÇÃO DE GESTANTES. Carla Sakuma de Oliveira Médica infectologista

VACINAÇÃO DE GESTANTES. Carla Sakuma de Oliveira Médica infectologista VACINAÇÃO DE GESTANTES Carla Sakuma de Oliveira Médica infectologista VACINAÇÃO DA MULHER PERÍODO ANTE-NATAL PRÉ-NATAL GESTAÇÃO PUERPÉRIO Momento ideal Doenças imunopreveníveis deveriam ser alvo de prevenção

Leia mais

Vacinas do Calendário de Imunização do Estado de São Paulo 2011 Vaccines included in the Immunization Schedule for the State of São Paulo 2011

Vacinas do Calendário de Imunização do Estado de São Paulo 2011 Vaccines included in the Immunization Schedule for the State of São Paulo 2011 Bepa 0;8(8):9- Informe técnico 0 Vaccines included in the Immunization Schedule for the State of São Paulo 0 Comissão Permanente de Assessoramento em Imunizações. Secretaria de Estado da Saúde. São Paulo,

Leia mais

VACINA POLIOMIELITE 1, 2 E 3 (ATENUADA) INSTITUTO DE TECNOLOGIA EM IMUNOBIOLÓGICOS BIO- MANGUINHOS / FIOCRUZ SOLUÇÃO ORAL 25 DOSES

VACINA POLIOMIELITE 1, 2 E 3 (ATENUADA) INSTITUTO DE TECNOLOGIA EM IMUNOBIOLÓGICOS BIO- MANGUINHOS / FIOCRUZ SOLUÇÃO ORAL 25 DOSES VACINA POLIOMIELITE 1, 2 E 3 (ATENUADA) INSTITUTO DE TECNOLOGIA EM IMUNOBIOLÓGICOS BIO- MANGUINHOS / FIOCRUZ SOLUÇÃO ORAL 25 DOSES BULA PARA O PACIENTE vacina poliomielite 1, 2 e 3 (atenuada) I) IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

SBP - Calendário ideal para a Criança SBP lança Calendário de Vacinação 2008

SBP - Calendário ideal para a Criança SBP lança Calendário de Vacinação 2008 SBP - Calendário ideal para a Criança 2008 SBP lança Calendário de Vacinação 2008 Nota s: 1. A vacina contra hepatite B deve ser aplicada nas primeiras 12 horas de vida. A segunda dose pode ser feita com

Leia mais

Introdução da segunda dose da vacina contra o sarampo aos 15 meses de idade.

Introdução da segunda dose da vacina contra o sarampo aos 15 meses de idade. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO Coordenadoria de Controle de Doenças Centro de Vigilância Epidemiológica Divisão de Imunização Calendário de Vacinação no Estado de São Paulo Parte da história

Leia mais

CALENDÁRIO VACINAL Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Imunizações e Rede de Frio

CALENDÁRIO VACINAL Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Imunizações e Rede de Frio CALENDÁRIO VACINAL 2016 Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Imunizações e Rede de Frio CALENDÁRIO VACINAL 2016 Historicamente, diversos calendários de vacinação foram propostos em função

Leia mais

IMUNOBIOLÓGICOS DISPONIBILIZADO PELO PNI

IMUNOBIOLÓGICOS DISPONIBILIZADO PELO PNI IMUNOBIOLÓGICOS DISPONIBILIZADO PELO PNI 1. VACINA BCG 2. VACINA CONTRA HEPATITE B 3. VACINA ORAL DE ROTAVÍRUS HUMANO 4. VACINA INATIVADA CONTRA PÓLIO 5. VACINA CONTRA POLIOMIELITE ORAL 6. VACINA PENTAVALENTE

Leia mais

Discente: Priscila Diniz Lopes Docente: Hélio José Montassier Disciplina de Imunologia

Discente: Priscila Diniz Lopes Docente: Hélio José Montassier Disciplina de Imunologia Discente: Priscila Diniz Lopes Docente: Hélio José Montassier Disciplina de Imunologia 2016 Passiva Proteção imediata Imunidade temporária Ativa Proteção não é conferida imediatamente Proteção prolongada

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 Institui, em todo o território nacional, o Calendário de Vacinação para os Povos Indígenas. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,

Leia mais

Vacinas e soros hiperimunes: Conceito, transferência de imunidade, composição e tipos de vacinas. Prof. Helio José Montassier

Vacinas e soros hiperimunes: Conceito, transferência de imunidade, composição e tipos de vacinas. Prof. Helio José Montassier Vacinas e soros hiperimunes: Conceito, transferência de imunidade, composição e tipos de vacinas Prof. Helio José Montassier TIPOS DE IMUNIDADE Imunidade Passiva:- Proteção imediata Administração de Acs

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO Faculdade de Medicina. Acadêmicas do 2º ano Priscilla Maquinêz Veloso Renata Maia de Souza

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO Faculdade de Medicina. Acadêmicas do 2º ano Priscilla Maquinêz Veloso Renata Maia de Souza UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO Faculdade de Medicina Acadêmicas do 2º ano Priscilla Maquinêz Veloso Renata Maia de Souza Fonte: Centro de Vigilância Epidemiológica, 2011 1. BCG: Caso a vacina BCG não tenha

Leia mais

Calendário. ideal para Adolecentes

Calendário. ideal para Adolecentes Calendário SBP - So c i e d a d e Br a s i l e i r a d e Pediatria ideal para Adolecentes D e p a r t a m e n t o d e In f e c t o l o g i a d a SBP Calendário de Vacinação para Crianças - 2008 Idade Vacina

Leia mais

Vacinas e Vacinação 24/02/2014. Prof. Jean Berg. Defesas orgânicas. Imunoprofilaxia. Imunoprofilaxia. Resistência à infecção.

Vacinas e Vacinação 24/02/2014. Prof. Jean Berg. Defesas orgânicas. Imunoprofilaxia. Imunoprofilaxia. Resistência à infecção. Prof. Jean Berg Imunologia Resposta imune Mecanismo pelo qual o organismo é capaz de reconhecer e eliminar as substâncias heterólogas. Resposta imune Substâncias heterólogas Endógena células mortas Exógena

Leia mais

Nota Informativa nº001/2017

Nota Informativa nº001/2017 Nota Informativa nº001/2017 Informa alterações no Calendário Nacional de Vacinação para o ano de 2017 e dá outras informações Diversos calendários de vacinação foram propostos historicamente pelo PNI (Programa

Leia mais

Você conhece a história da vacina?

Você conhece a história da vacina? Você conhece a história da vacina? A vacina surgiu em um importante momento histórico de combate à varíola, uma das doenças mais temidas no mundo no século XVIII, com taxa de mortalidade em torno de 10

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Workshop do Programa Nacional de Imunização IV Encontro de Enfermagem em Hematologia e Hemoterapia Secretaria da Saúde do Estado do Ceará

Leia mais

Imunizações FUNSACO 2009

Imunizações FUNSACO 2009 Imunizações FUNSACO 2009 Vacinação os primórdios Edward Jenner - maio de 1796 - inoculação de criança de 8anos com material retirado da vesícula de uma paciente com varíola. Semanas após, a criança foi

Leia mais

Vacinas e Vacinação. cüéya ]xtç UxÜz 18/5/2010. Defesas orgânicas. Imunoprofilaxia. Imunoprofilaxia. Resistência à infecção.

Vacinas e Vacinação. cüéya ]xtç UxÜz 18/5/2010. Defesas orgânicas. Imunoprofilaxia. Imunoprofilaxia. Resistência à infecção. cüéya ]xtç UxÜz Imunologia Resposta imune Mecanismo pelo qual o organismo é capaz de reconhecer e eliminar as substâncias heterólogas. Resposta imune Substâncias heterólogas Endógena células mortas Exógena

Leia mais

O Instituto de Patol ogia Clínica Hermes Pardini dispõe de serviço de vacinação com salas próprias em todas as nossas unidades, pessoal em constante

O Instituto de Patol ogia Clínica Hermes Pardini dispõe de serviço de vacinação com salas próprias em todas as nossas unidades, pessoal em constante O Instituto de Patologia Clínica Hermes Pardini dispõe de serviço de vacinação com salas próprias em todas as nossas unidades, pessoal em constante treinamento e prontuário informatizado, visando a aplicação

Leia mais

Calendário de Vacinação da Criança

Calendário de Vacinação da Criança Calendário de Vacinação da Criança Calendário Nacional de Vacinação da Criança (PNI) - 2016 (1) BCG - ID Administrar dose única, o mais precocemente possível, preferencialmente nas primeiras 12 horas após

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS DIFERENTES VACINAS PNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS

UTILIZAÇÃO DAS DIFERENTES VACINAS PNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS UTILIZAÇÃO DAS DIFERENTES VACINAS PNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS NORMATIZAÇÃO CONJUNTA DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA (SBP) E ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE IMUNIZAÇÕES (SBIm) PARA USO PRÁTICO A vacina pneumocócica

Leia mais

Página 1 de 6. vacina hepatite A (inativada) 80U. A vacina hepatite A (inativada) 80U deve ser administrada por VIA INTRAMUSCULAR.

Página 1 de 6. vacina hepatite A (inativada) 80U. A vacina hepatite A (inativada) 80U deve ser administrada por VIA INTRAMUSCULAR. Página 1 de 6 vacina hepatite A (inativada) 80U FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de 1 dose de 0,5mL; - Cartucho contendo 10 seringas de 1 dose de

Leia mais

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM CALENDÁRIOS VACINAIS Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM VACINA É PARA A VIDA TODA... Oportunidades para a Vacinação criança adolescente adulto Programa infantil Catch up (repescagem)

Leia mais

A BIOLOGIA MOLECULAR NA PRODUÇÃO DE IMUNOBIOLÓGICOS

A BIOLOGIA MOLECULAR NA PRODUÇÃO DE IMUNOBIOLÓGICOS A BIOLOGIA MOLECULAR NA PRODUÇÃO DE IMUNOBIOLÓGICOS PRODUÇÃO DE INSUMOS BIOLÓGICOS GENE PLASMÍDEO HOSPEDEIRO TRANSCRIÇÃO - RNA TRADUÇÃO - PROTEÍNA PURIFICAÇÃO PLASMÍEO PADRÃO Amp R Ori Promotor Eco RI

Leia mais

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO DA REDE PÚBLICA DE SANTA CATARINA Última atualização em 05 de janeiro de 2016

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO DA REDE PÚBLICA DE SANTA CATARINA Última atualização em 05 de janeiro de 2016 Grupo alvo Idade BCG Hepatite B (1) VIP e VOP (10) Pentavalente Pneumo 10 Rotavírus (2) Meningo C Hepatite A Febre Amarela (3) Tríplice Viral (4) Tetraviral (5) HPV dtpa (8) Influenza (gripe) (9) Dupla

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente Substituto, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente Substituto, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 102, de 22 de outubro de 2007. D.O.U de 23/10/2007 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Imunologia Veterinária. Aula 1 A defesa do organismo

Imunologia Veterinária. Aula 1 A defesa do organismo Imunologia Veterinária Aula 1 A defesa do organismo Uma Breve História da Imunologia Veterinária Quando infecções como a varíola e a peste se espalharam pela sociedade antiga, embora muitos tenham morrido,

Leia mais

São macromoléculas com alto peso molecular, formadas por unidades denominadas aminoácidos (aa), ligados entre si através de ligações peptídicas.

São macromoléculas com alto peso molecular, formadas por unidades denominadas aminoácidos (aa), ligados entre si através de ligações peptídicas. AS PROTEÍNAS São macromoléculas com alto peso molecular, formadas por unidades denominadas aminoácidos (aa), ligados entre si através de ligações peptídicas. Mais de 100 aa Menos de 100 aa polipeptídeo

Leia mais

Prevenção e controle das infecções virais

Prevenção e controle das infecções virais Prevenção e controle das infecções virais 1 Medidas de prevenção de doenças virais Redução do risco de exposição Introdução de melhorias sanitárias (ex. infecções entéricas) Veiculação de informações para

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO ADAPTAÇÃO: NÚCLEO DE IMUNIZAÇÕES/DVE/CEVS/SES

INSTRUÇÃO NORMATIVA CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO ADAPTAÇÃO: NÚCLEO DE IMUNIZAÇÕES/DVE/CEVS/SES INSTRUÇÃO NORMATIVA CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO ADAPTAÇÃO: NÚCLEO DE IMUNIZAÇÕES/DVE/CEVS/SES Porto Alegre, junho de 2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO ADAPTAÇÃO RIO GRANDE

Leia mais

Atualização Imunização 2017

Atualização Imunização 2017 Atualização Imunização 2017 Sala de Vacina Equipamento distante de fonte de calor e raios solares; Afastar o refrigerador da parede, pelo menos 20 cm; Usar tomada exclusiva para cada equipamento; Temperatura

Leia mais

Sala de Vacina. Afastar o refrigerador da parede, pelo menos 20 cm; Verificar a temperatura 2 vezes ao dia;

Sala de Vacina. Afastar o refrigerador da parede, pelo menos 20 cm; Verificar a temperatura 2 vezes ao dia; Sala de Vacina Equipamento distante de fonte de calor e raios solares; Afastar o refrigerador da parede, pelo menos 20 cm; Usar tomada exclusiva para cada equipamento; Temperatura interna preferencialmente

Leia mais

Calendário de Vacinação ocupacional Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2013/2014

Calendário de Vacinação ocupacional Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2013/2014 Calendário de Vacinação ocupacional VACINAS ESPECIALmeNTE INDICADAS (sarampo, caxumba (1, 2) e rubéola) Hepatites A, B ou A e B (3,4,5,6) HPV Tríplice bacteriana acelular do tipo adulto () ESQUEMAS É considerado

Leia mais

Anexo A Folha de rosto para a bula GAMA ANTI-TÉTANO. Grifols Brasil Ltda. Solução Injetável 250 UI e 500 UI

Anexo A Folha de rosto para a bula GAMA ANTI-TÉTANO. Grifols Brasil Ltda. Solução Injetável 250 UI e 500 UI Anexo A Folha de rosto para a bula GAMA ANTI-TÉTANO Grifols Brasil Ltda. Solução Injetável 250 UI e 500 UI BULA PARA O PACIENTE GRIFOLS BRASIL, LTDA. GAMA ANTI TÉTANO GRIFOLS 250 UI e 500 UI IMUNOGLOBULINA

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS

COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS 56 ISSN 677-7042 Nº 60, sexta-feira, 9 de agosto de 206 pelo código 00020608900056 Nº 60, sexta-feira, 9 de agosto de 206 ISSN 677-7042 57 ANEXO IV INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALEN- DÁRIO NACIONAL

Leia mais

Prefeitura do Município de Bauru Secretaria Municipal de Saúde

Prefeitura do Município de Bauru Secretaria Municipal de Saúde Prefeitura do Município de Bauru Secretaria Municipal de Saúde Bauru, SP - 2014 Série: Documentos Estatísticos Bauru, SP, agosto de 2014 EXPEDIENTE Departamento de Saúde Coletiva Divisão de Vigilância

Leia mais

RESUMO DAS INDICAÇÕES DOS IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS

RESUMO DAS INDICAÇÕES DOS IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS RESUMO DAS INDICAÇÕES DOS IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Manual dos Centros de Referência

Leia mais

NOVO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO DO MINISTÉRIO DA SAÚDE PARA 2016

NOVO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO DO MINISTÉRIO DA SAÚDE PARA 2016 Algumas doenças são chamadas de infecciosas: aquelas causadas por micro-organismos. Para evitar a ocorrência de muitas delas, são usadas as vacinas, que protegem nosso organismo contra esses seres vivos.

Leia mais

Nimenrix vacina meningocócica ACWY (conjugada)

Nimenrix vacina meningocócica ACWY (conjugada) Nimenrix vacina meningocócica ACWY (conjugada) I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Nimenrix Nome genérico: vacina meningocócica ACWY (conjugada) APRESENTAÇÕES Pó liofilizado para reconstituição

Leia mais

AVALIAÇÃO SITUACIONAL DA IMUNIZAÇÃO EM CRIANÇAS DO MUNICÍPIO DO SALTO DO JACUÍ-RS

AVALIAÇÃO SITUACIONAL DA IMUNIZAÇÃO EM CRIANÇAS DO MUNICÍPIO DO SALTO DO JACUÍ-RS AVALIAÇÃO SITUACIONAL DA IMUNIZAÇÃO EM CRIANÇAS DO MUNICÍPIO DO SALTO DO JACUÍ-RS SILVA, Carine Nascimento 1 ; TRENNEPOHL, Cátia 2 ; SPIERING, Aline Cristiane Paula 2 ; SILVA, Magali Kellermann 2 ; STURMER,

Leia mais

IMUNIZAÇÕES. Jacy Amaral Freire de Andrade (*)

IMUNIZAÇÕES. Jacy Amaral Freire de Andrade (*) IMUNIZAÇÕES Jacy Amaral Freire de Andrade (*) Imunização é um campo crescente do conhecimento científico que tem exigido um repensar constante do calendário ideal de vacinação, o qual deve ser adaptado

Leia mais

IMUNOTERAPIA. Manipulação terapêutica do Sistema Imune ou Terapêutica envolvendo células e moléculas do Sistema Imune

IMUNOTERAPIA. Manipulação terapêutica do Sistema Imune ou Terapêutica envolvendo células e moléculas do Sistema Imune IMUNOTERAPIA IMUNOTERAPIA Manipulação terapêutica do Sistema Imune ou Terapêutica envolvendo células e moléculas do Sistema Imune IMUNOTERAPIA Aplicações: Em indivíduos imunodeprimidos, levar a um aumento

Leia mais

SISTEMA IMUNITÁRIO ou IMUNOLÓGICO. O sangue e as defesas corporais

SISTEMA IMUNITÁRIO ou IMUNOLÓGICO. O sangue e as defesas corporais SISTEMA IMUNITÁRIO ou IMUNOLÓGICO O sangue e as defesas corporais INTRODUÇÃO Promove o combate a microrganismos invasores e a limpeza do organismo (retirada de células mortas e de células alteradas) Altamente

Leia mais

Doenças Infecciosas e Transmissão de Doenças: Conceitos Básicos

Doenças Infecciosas e Transmissão de Doenças: Conceitos Básicos Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Estudos em Saúde Coletiva Graduação de Saúde Coletiva Disciplina: Fundamentos de Epidemiologia Doenças Infecciosas e Transmissão de Doenças: Conceitos

Leia mais

VACINA POLIOMIELITE 1, 3 (ATENUADA)

VACINA POLIOMIELITE 1, 3 (ATENUADA) VACINA POLIOMIELITE 1, 3 (ATENUADA) FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ FIOCRUZ INSTITUTO DE TECNOLOGIA EM IMUNOBIOLÓGICOS - BIO- MANGUINHOS SOLUÇÃO 25 DOSES IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO vacina poliomielite 1, 3 APRESENTAÇÃO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO ADAPTAÇÃO: NÚCLEO DE IMUNIZAÇÕES/DVE/CEVS/SES

INSTRUÇÃO NORMATIVA CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO ADAPTAÇÃO: NÚCLEO DE IMUNIZAÇÕES/DVE/CEVS/SES INSTRUÇÃO NORMATIVA CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO ADAPTAÇÃO: NÚCLEO DE IMUNIZAÇÕES/DVE/CEVS/SES Porto Alegre, janeiro de 2016 INSTRUÇÃO NORMATIVA CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO ADAPTAÇÃO RIO GRANDE

Leia mais

Danielle Guedes, Talita Wodtke e Renata Ribeiro

Danielle Guedes, Talita Wodtke e Renata Ribeiro Lorena Drumond Danielle Guedes, Talita Wodtke e Renata Ribeiro Leia o texto...... e marque no balão, quantas vezes a palavra vacinas apareceu. Tomar vacinas previne muitas doenças. É importante tomar todas

Leia mais

FARMACOLOGIA. Aula 12 Continuação da aula anterior IMUNIZAÇÃO: ACTIVA E PASSIVA. IMONUGLOBULINAS. VACINAS. LISADOS BACTERIANOS.

FARMACOLOGIA. Aula 12 Continuação da aula anterior IMUNIZAÇÃO: ACTIVA E PASSIVA. IMONUGLOBULINAS. VACINAS. LISADOS BACTERIANOS. FARMACOLOGIA Aula 12 Continuação da aula anterior IMUNIZAÇÃO: ACTIVA E PASSIVA. IMONUGLOBULINAS. VACINAS. LISADOS BACTERIANOS. IMUNIZAÇÃO Protecção contra infecções e doenças cancerígenas. Protecção do

Leia mais

vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis (acelular)

vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis (acelular) vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis (acelular) Forma farmacêutica e apresentações: Suspensão injetável. - Cartucho contendo 1 frasco de dose única; - Cartucho contendo 5 frascos de dose única;

Leia mais

CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA

CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA Ao nascer 2 meses 3 meses BCG-ID (2) vacina BCG vacina adsorvida Vacina Inativada poliomielite (VIP - Salk) (4) vacina poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) Vacina

Leia mais

Produção industrial de vacinas. Desenvolvimento de uma vacina. Desenvolvimento de ensaios. O processo. Desenvolvimento do processo 04/02/2013

Produção industrial de vacinas. Desenvolvimento de uma vacina. Desenvolvimento de ensaios. O processo. Desenvolvimento do processo 04/02/2013 Produção industrial de vacinas Prof. Alan McBride Vacinologia e Engenharia de Vacinas, Biotecnologia, CDTec, UFPel DESENVOLVIMENTO DE UMA VACINA Desenvolvimento de uma vacina Desenvolvimento de ensaios

Leia mais

FUNDAMENTOS DE IMUNOLOGIA

FUNDAMENTOS DE IMUNOLOGIA FUNDAMENTOS DE IMUNOLOGIA Imunidade Adquirida Específica ou Adaptativa: Respostas a antígenos específicos Imunidade Adquirida Incluem linfócitos e seus produtos, como os anticorpos; Substâncias estranhas

Leia mais

A ENFERMAGEM E A SAÚDE PÚBLICA

A ENFERMAGEM E A SAÚDE PÚBLICA A ENFERMAGEM E A SAÚDE PÚBLICA COLÉGIO SENES Disciplina: Saúde Pública Profº: Daniel Pires Turma: Dia: Horário: Aluno: Avaliação: / /. Trabalho: / /. Índice: Epidemiologia... 23 Endemia, Epidemia e Pandemia...

Leia mais

Registro de doses aplicadas no SIAPI manual de orientação, 2009

Registro de doses aplicadas no SIAPI manual de orientação, 2009 Registro de doses aplicadas no SIAPI manual de orientação, 2009 Registro de doses aplicadas no Sistema de Informação de Avaliação do Programa de Imunizações SIAPI, considerando a necessidade de padronização

Leia mais

Vacinação na Saúde do Trabalhador Portuário

Vacinação na Saúde do Trabalhador Portuário II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança na Área Portuário Brasília/DF Vacinação na Saúde do Trabalhador Portuário Cristiane Pereira de Barros Coordenação-Geral do Programa Nacional de Imunizações

Leia mais

Antígenos e Imunoglobulinas

Antígenos e Imunoglobulinas Curso: farmácia Componente curricular: Imunologia Antígenos e Imunoglobulinas DEYSIANE OLIVEIRA BRANDÃO Antígenos (Ag) São estruturas solúveis ou particuladas reconhecidas pelo organismo como estranha

Leia mais

FARMÁCIA CODIGO DISCIPLINA TEÓRICA

FARMÁCIA CODIGO DISCIPLINA TEÓRICA UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro IMPPG - Instituto de Microbiologia Paulo de Góes Curso: Farmácia Professor Responsável: Maria Helena da Silva Carga Horária: 180h Período de realização: 2011.1

Leia mais

Imunização em Adolescentes Claudio Abuassi

Imunização em Adolescentes Claudio Abuassi Imunização em Adolescentes Claudio Abuassi Indicação de vacinas na adolescência. Vias de administração, doses, reações adversas, contra-indicações e precauções das principais vacinas, entre elas: hepatite

Leia mais

COBERTURAS VACINAIS: IMPORTÂNCIA

COBERTURAS VACINAIS: IMPORTÂNCIA Construindo um País mais Saudável 40 anos do Programa Nacional de Imunizações COBERTURAS VACINAIS: IMPORTÂNCIA Renato de Ávila Kfouri Presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) Coberturas

Leia mais

OS VÍRUS Um Caso à Parte

OS VÍRUS Um Caso à Parte OS VÍRUS Um Caso à Parte CARACTERÍSTICAS São extremamente pequenos (medem menos que 0,2 um) e acelulares São considerados como a nova descoberta de seres vivos, porém possuem muitas características de

Leia mais