UMA PROPOSTA DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O SINDICATO DOS FUNCIONÁRIOS DO BANCO CENTRAL DO BRASIL EM SÃO PAULO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA PROPOSTA DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O SINDICATO DOS FUNCIONÁRIOS DO BANCO CENTRAL DO BRASIL EM SÃO PAULO"

Transcrição

1 V I I S E M E A D T R A B A L H O C I E N T Í F I C O A D M I N I S T R A Ç Ã O G E R A L Autores: UMA PROPOSTA DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O SINDICATO DOS FUNCIONÁRIOS DO BANCO CENTRAL DO BRASIL EM SÃO PAULO ANDRÉA KANIKADAN Mestranda em Administração de Empresas FEA/USP End.: R. Monte Caseros, 313 apto 41 Vila Gomes SP cep tel.: (011) FABIO FAIAD BOTTINI Mestrando em Administração de Empresas FEA/USP End.: Av. Paulista, º andar Cerqueira César SP cep Resumo A idéia de se utilizar ferramentas de gestão mais qualificadas para a administração dos Sindicatos, possibilitou a proposição de um Planejamento Estratégico para o Sindicato dos Servidores do Banco Central do Brasil em São Paulo (SINAL-SP). Através da observação participante, utilizou-se a metodologia de implementação de um planejamento estratégico proposta por Almeida (2003), tendo sido analisadas todas as etapas que o integram. Concluiu-se que é uma ferramenta útil para a gestão da instituição pois pode-se otimizar a aplicação dos recursos do sindicato, direcionar melhor a atenção dos dirigentes sindicais para as atividades mais importantes e outros benefícios. Porém, percebe-se a necessidade de uma nova metodologia que considere as especificidades dos sindicatos do setor público, e em particular ao Sindicato do Banco Central, que dada suas características, não pode adotar tal modelo pois alguns itens são somente encontrados em empresas privadas. Palavras-chave: Planejamento Estratégico, Administração de Empresas, Sindicatos, Planejamento Empresarial

2 Uma Proposta de Planejamento Estratégico para o Sindicato dos Funcionários do Banco Central do Brasil em São Paulo 1 INTRODUÇÃO O novo Governo Federal, que assumiu no início de 2003, tem como 02 (duas) de suas bandeiras fazer grandes modificações em 02 (dois) pontos que muito atingirão os sindicatos dos servidores públicos federais: A política de administração de recursos humanos do Funcionalismo Federal; A estrutura sindical brasileira como um todo. Tais temas são, sem dúvida nenhuma, grandes preocupações por parte do Funcionalismo Federal, pois muitos prejuízos podem advir dessas possíveis mudanças (embora possa haver, também, algumas mudanças benéficas). De qualquer forma, fica bastante claro que os Sindicatos de servidores públicos federais têm que intensificar a sua atuação no cenário brasileiro. Não só intensificar como aprimorar a sua atuação. Alguns sindicatos brasileiros, como o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, já estão muito à frente, se comparados com a média do sindicalismo nacional com atuações bastante vanguardistas e benéficas a seus filiados. Papel que também cabe aos Sindicatos dos servidores federais. Uma das idéias que pode ser bastante útil para os Sindicatos é a adoção de ferramentas de gestão mais qualificadas, como por exemplo o Planejamento Estratégico. É sabido que, na maioria dos sindicatos, a gestão que se encontra é apenas a de apagar incêndios, focalizando apenas o dia a dia e o imediatismo (às vezes nem isso). Uma pesquisa conduzida em Belo Horizonte revela que os dirigentes dos sindicatos citaram que o Planejamento Estratégico seria um mecanismo facilitador do gerenciamento, mas em sua maioria não existe um plano formal, devido ao dinamismo e necessidade de mobilidade da gestão. (Barbosa, 1999) De acordo com o acima descrito, o presente trabalho pretende trazer uma contribuição para o tema: uma proposta de implementação prática do Planejamento Estratégico em uma entidade sindical. O sindicato escolhido para tanto foi o Sindicato dos Servidores do Banco Central do Brasil em São Paulo (SINAL-SP). 2 PROBLEMA DE PESQUISA E OBJETIVO A idéia central deste trabalho é descrever a técnica de Planejamento Estratégico para o SINAL-SP tendo como base a metodologia proposta por Almeida (2003). Há muito tempo os conselheiros do SINAL-SP (incluindo os da gestão anterior) se ressentem de uma excessiva concentração nas atividades de curtíssimo prazo (o famoso apagar incêndios ) e de uma falta de planejamento para o médio e longo prazos. O grande número de tarefas diárias, a cobrança grande dos filiados e as inúmeras medidas tomadas pelos últimos Governos contra os servidores públicos federais só acentuavam tal quadro de imediatismo. 3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 3.1. Planejamento Estratégico e o Sindicato De acordo com Almeida (apud FUNDAP, 1993), a década de 80 representou o momento quando surgiu o sindicalismo no setor público. Constituiu-se um poder sindical, lideranças e associações que são, atualmente, entidades que participam do jogo político e da negociação socioeconômica. 2

3 São muitos os Sindicatos no Brasil. Cada um tem sua história, suas características, suas dificuldades e suas qualidades. O ambiente e o contexto em que todos estes e Sindicatos estão envolvidos é bastante amplo e diversificado, o que prejudica muito a atuação dos mesmos. Os Sindicatos de servidores públicos federais, contudo, têm um ponto em comum: as relações de trabalho são sempre uma interação entre eles e o Governo Federal. É o Poder Executivo que se relaciona com os servidores federais, negocia reajustes, planos de carreira e outros benefícios. Além disso, Barbosa (1999) destaca o papel do dirigente sindical, destacando que o sindicato tem a necessidade de desenvolver práticas, instrumentos e mecanismos de gestão para o funcionamento do aparato administrativo. Dadas estas premissas iniciais, conclui-se que é imprescindível, para os Sindicatos, uma Administração eficiente e eficaz no sentido de saber alocar bem seus recursos e atividades políticas nas negociações com o Governo Federal. O Planejamento Estratégico é um dos principais instrumentos que os Sindicatos deveriam adotar em suas gestões. Para Almeida (2003), Planejamento Estratégico é uma técnica administrativa que procura ordenar as idéias das pessoas, de forma que se possa criar uma visão do caminho que se deve seguir (estratégia). Depois de ordenar as idéias, são ordenadas as ações, que é a implementação do Plano Estratégico, para que, sem desperdício de esforços, caminhe na direção pretendida. Ainda de acordo com o referido autor, o processo de estabelecimento da estratégia é realizado através de 04 (quatro) etapas: Análise dos aspectos internos; Análise do ambiente; Comparação da orientação com o campo de atuação; Estabelecimento da estratégia vigente. Steiner (apud Oliveira, 2002) define cinco dimensões para conceituar o planejamento. São elas: Assunto abordado: Produção, Pesquisa, Finanças, Marketing, Gestão de Pessoas, etc; Elementos do Planejamento: propósitos, objetivos, estratégias, políticas, programas, orçamentos, normas e procedimentos, etc; Tempo do Planejamento: curto, médio ou longo prazo; Unidades Organizacionais envolvidas: planejamento corporativo, de subsidiárias, de grupos funcionais, de divisões, de departamentos, de produtos, etc; Características do Planejamento: complexidade ou simplicidade, qualidade ou quantidade, planejamento estratégico ou tático, confidencial ou público, formal ou informal, econômico ou caro, etc. Dentro dessas dimensões, Oliveira (2002) resume que o planejamento estratégico está relacionado com os objetivos de longo prazo, bem como as estratégias e ações que afetam a empresa, levando em consideração as condições externas e internas à empresa. É um processo administrativo cuja responsabilidade encontra-se nos níveis mais altos da empresa. 3

4 4 ETAPAS DE IMPLEMENTAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Almeida (2003) define algumas etapas que devem ser seguidas para a implementação de um Planejamento Estratégico. Trata-se de uma forma prática de se elaborar o Planejamento Estratégico que, em sua totalidade utiliza-se de uma Pasta de Trabalho do Microsoft Excel. A citada Pasta de Trabalho é composta por várias planilhas onde as informações sobre a empresa estudada são inseridas para posteriores comparações e análises. Porém, o presente trabalho deverá destacar os aspectos descritivos do processo. Dessa forma, para elaborar o Planejamento Estratégico, Almeida (2003) propõe: Capa - uma introdução ao trabalho em si, onde constam o nome, um breve histórico, missão, vocação, visão e diretrizes superiores da empresa; Análise dos aspectos internos - a empresa é comparada a (pelo menos) três concorrentes, e dessa comparação são extraídos os pontos fortes e fracos (e definidas estratégias para aproveitar os fortes e minimizar os fracos); Análise do ambiente de uma região - a região onde está instalada a empresa é comparada a (pelo menos) três outras regiões a fim de se verificar os pontos fortes e fracos da região-sede; Análise do ambiente de um setor ou atividade - a atividade da empresa é comparada com outras atividades similares e/ou próximas, a fim de se verificarem as oportunidades e ameaças na relação das mesmas com fornecedores, clientes, concorrentes, substitutos e Governo; Análise do macroambiente clima - análise de variáveis como inflação, câmbio e outras que possam trazer interferências à atividade da empresa no curto prazo; Análise do macroambiente solo - análise de variáveis demográficas (idade, renda etc.) e outras que possam trazer interferências à atividade da empresa no médio e longo prazo; Análise do ambiente operacional - dentro da atividade operacional da empresa, faz-se aqui uma análise das principais variáveis (como tecnologia, logística etc); Análise do ambiente interno - análise dos interesses dos principais stakeholders em contrapartida ao que a entidade pode oferecer-lhes, a fim de se checarem as oportunidades e ameaças desta dicotomia; Comparação da orientação com o campo da atuação - contrapor a vocação e/ou a missão da empresa com as suas atividades mais importantes, a fim de ver se há enquadramento; Análise da estratégia vigente - contrapor as atividades de maior importância para a empresa em relação às de maior investimento, a fim de buscar estratégias que melhor alinhem os investimentos às atividades principais; Escolha da estratégia a ser seguida - esta planilha busca vários campos das planilhas anteriores e os confronta, a fim de facilitar a escolha das estratégias a serem seguidas; Metas e valores para base de cálculo - definem-se aqui algumas metas anuais a serem atingidas, como aumento de vendas, acordos com fornecedores etc., bem como valores a serem alcançados; 4

5 Vendas, Estoques, Imobilizado, Balanço, Mutações e outras similares - definemse aqui projeções ideias para estes itens; Estabelecimento de ações - aqui são descritas as ações a serem tomadas com base nas estratégias escolhidas, sendo lembradas as barreiras a superar, o responsável principal, os co-responsáveis e os recursos necessários; Cronograma - para cada uma das ações acima definidas, define-se um cronograma para cada etapa a ser realizada. 5 METODOLOGIA DE PESQUISA Este trabalho pode ser caracterizado como um estudo exploratório, método recomendado no caso de problemas em que o conhecimento é muito reduzido (Selltiz et al, 1974), visto que busca a descoberta de idéias e geração de hipóteses. Foi utilizada a metodologia denominada observação participante que, segundo Marconi & Lakatos (1999) o pesquisador participa do grupo, o que pode trazer algumas dificuldades quanto à objetividade, ou seja, ele pode exercer influência no grupo ou ser influenciado pelo mesmo. Por isso, considera-se que em muitas vezes, é preferível o anonimato. O levantamento de dados foi realizado em duas etapas: (1) Dados secundários: Revisão bibliográfica sobre Planejamento Estratégico, incluindo, principalmente, artigos e livros; (2) Dados primários: a observação participante que consistiu em uma entrevista realizada em dezembro de 2003, com o Presidente atual do SINAL-SP, sr. Daro Marcos Piffer, o qual conheceu toda a metodologia e, com base na mesma, forneceu as informações inseridas no trabalho. Além disso, um dos pesquisadores já atuou como diretor do sindicato, fornecendo informações importantes para o estudo. 6 A EMPRESA 6.1 O Banco Central do Brasil O Banco Central do Brasil (BACEN), autarquia federal integrante do Sistema Financeiro Nacional, foi criado em , com a promulgação da Lei nº 4.595/64. Atualmente, suas 03 (três) principais atribuições são: Supervisão, Organização e Regulação do Sistema Financeiro Nacional; Política Monetária e Cambial; Meio Circulante (distribuição de papel moeda em todo o País). 6.2 Breve Histórico do BACEN Antes da criação do Banco Central, o papel de autoridade monetária era desempenhado pela Superintendência da Moeda e do Crédito - SUMOC, pelo Banco do Brasil - BB e pelo Tesouro Nacional. A SUMOC, criada em 1945 com a finalidade de exercer o controle monetário e preparar a organização de um banco central, tinha a responsabilidade de fixar os percentuais de reservas obrigatórias dos bancos comerciais, as taxas do redesconto e da assistência financeira de liquidez, bem como os juros sobre depósitos bancários. Além disso, supervisionava a atuação dos bancos comerciais, orientava a política cambial e representava o País junto a organismos internacionais. O Banco do Brasil desempenhava as funções de banco do governo, mediante o controle das operações de comércio exterior, o recebimento dos depósitos compulsórios e voluntários dos bancos comerciais e a execução de operações de câmbio em nome de empresas públicas e do Tesouro Nacional, de acordo com as normas estabelecidas pela 5

6 SUMOC e pelo Banco de Crédito Agrícola, Comercial e Industrial, e o Tesouro Nacional era o órgão emissor de papel-moeda. Após a criação do Banco Central, buscou-se dotar a instituição de mecanismos voltados para o desempenho do papel de "bancos dos bancos". Em 1985 foi promovido o reordenamento financeiro governamental com a separação das contas e das funções do Banco Central, Banco do Brasil e Tesouro Nacional. Em 1986 foi extinta a conta movimento e o fornecimento de recursos do Banco Central ao Banco do Brasil passou a ser claramente identificado nos orçamentos das duas instituições, eliminando-se os suprimentos automáticos que prejudicavam a atuação do Banco Central. O processo de reordenamento financeiro governamental se estendeu até 1988, quando as funções de autoridade monetária foram transferidas progressivamente do Banco do Brasil para o Banco Central, enquanto as atividades atípicas exercidas por esse último, como as relacionadas ao fomento e à administração da dívida pública federal, foram transferidas para o Tesouro Nacional. A Constituição Federal de 1988 estabeleceu dispositivos importantes para a atuação do Banco Central, dentre os quais destacam-se o exercício exclusivo da competência da União para emitir moeda e a exigência de aprovação prévia pelo Senado Federal, em votação secreta, após argüição pública, dos nomes indicados pelo Presidente da República para os cargos de presidente e diretores da instituição. Além disso, vedou ao Banco Central a concessão direta ou indireta de empréstimos ao Tesouro Nacional. 6.3 Estrutura Geral do Banco Central do Brasil O BACEN tem sua sede em Brasília (DF), mas também possui outras 09 (nove) Representações nas seguintes capitais brasileiras: Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Belém, Fortaleza, Recife, Curitiba, Porto Alegre, Salvador e São Paulo. Cada Representação possui Gerências Regionais que trabalham nas áreas específicas de atuação do BACEN (sendo que cada Gerência se reporta à sua respectiva Diretoria). O Banco Central do Brasil é comandado por uma Diretoria Colegiada formada por 09 (oito) Diretores (dentre eles o Presidente). No Organograma da Instituição, há a Secretaria da Presidência e mais 08 (sete) Diretorias: Diretoria de Liquidações e Desestatização, Diretoria de Assuntos Internacionais, Diretoria de Política Monetária, Diretoria de Fiscalização, Diretoria de Normas e Organização do Sistema Financeiro, Diretoria de Política Econômica, Diretoria de Estudos Especiais e Diretoria de Administração. Cada uma das Diretorias acima elencadas é subdividida em Departamentos. 6.4 O SINAL Nacional O SINAL Nacional tem sede em Brasília (DF) e abrange tanto esta capital quanto as 09 (nove) Representações regionais do BACEN. O SINAL Nacional é subdividido em 10 Sinais Regionais (um para cada capital onde o BACEN atua), sendo que há um Conselho Administrativo Nacional (formado por integrantes de todas as 10 capitais) e 10 Conselhos Administrativos Regionais. O Conselho Nacional do SINAL é formado, hoje, por 16 membros: são os 10 presidentes regionais mais 06 (seis) conselheiros indicados pelas 03 (três) maiores Regionais (SP, RJ e DF, cada uma indicando dois conselheiros). O Conselho elege sua Diretoria Executiva Nacional, escolhendo o Presidente e os seguintes cargos: diretor de relações externas; diretor de relações intersindicais; diretor financeiro; secretário-geral; diretor de assuntos jurídicos; diretor de comunicação. 6

7 Cada Conselho Regional escolhe seu Presidente (que será também membro do Conselho Nacional) e demais membros da sua Diretoria Executiva. A estrutura da Diretoria Executiva Regional pode ser similar à Nacional ou criar e extinguir alguns cargos de direção. Geralmente, as estruturas regionais são mais enxutas do que a da Nacional. Os mandatos dos Conselheiros da Nacional e das Regionais é de 02 (dois) anos, sendo permitidas infinitas reconduções. Atualmente, o SINAL Nacional possui cerca de filiados ativos e aposentados (em um total de aproximadamente servidores ativos e aposentados). Mais de 100 (cem) funcionários e estagiários trabalham atualmente para a entidade. O SINAL Nacional administra um portfólio de mais de 700 ações judiciais (impetradas em defesa dos servidores, sendo grande parte contra o próprio BACEN). Outras atividades importantes são ligadas à Comunicação. O Portal do SINAL (www.sinal.org.br) é um eficiente recurso onde, mensalmente, milhares de pessoas acessam seu conteúdo. Além disso, há a Revista Por Sinal, de edição trimestral, onde assuntos ligados ao BACEN, à economia, ao sindicalismo e outros correlatos são debatidos. 6.5 O SINAL-SP Em São Paulo, o SINAL Regional (SINAL-SP) possui cerca de filiados (entre ativos e aposentados). São 08 (oito) funcionários trabalhando atualmente na sede do SINAL-SP (na Rua Peixoto Gomide, 211), existindo também um segundo imóvel vazio (próximo à sede), cuja destinação ainda é objeto de debate dentro do Conselho Regional. O orçamento anual do SINAL-SP, para 2.004, está previsto em R$500,000,00. As atividades do SINAL-SP podem ser divididas em 02 (dois) grupos: Atividades do SINAL Nacional em SP; Atividades específicas do SINAL-SP para os filiados paulistas. Mais de 50 ações judiciais são administradas pelo SINAL-SP (um dos funcionários é advogado). O SINAL-SP conta com a parceria do Escritório de Advocacia Jairo Fonseca para os casos onde uma maior orientação jurídica é necessária. O SINAL-SP é comandado pelo Conselho Regional do SINAL-SP, composto atualmente por 12 (doze) conselheiros, sendo que 10 (dez) deles compões a Diretoria Executiva Regional. O Presidente Regional e mais 02 (dois) Conselheiros Regionais integram o Conselho Nacional do SINAL. 7 ANÁLISE DOS DADOS 7.1. Missão do SINAL-SP A missão proposta para o SINAL-SP foi: representar e defender o conjunto de servidores do Banco Central do Brasil em São Paulo a ele filiados nas questões salariais, previdenciárias e outras correlatas Visão do SINAL-SP A visão proposta para o SINAL-SP foi: ser um sindicato mais atuante no SINAL Nacional, mais ativo na execução de sua missão e mais próximo do pensamento de seus filiados Análise dos aspectos internos 7

8 O SINAL-SP, em razão da atividade sindical no Brasil ser monopolizada (princípio constitucional da unicidade sindical), teve a comparação feita por benchmark a 03 (três) outros sindicatos regionais: SINAL-RJ; SINAL-DF; UNAFISCO-SP. A escolha do SINAL-RJ e do SINAL-DF foram feitas porque são as maiores Representações Regionais do SINAL. O SINAL-RJ é a Representação do SINAL mais atuante e desenvolvida (para exemplificar tal força, o atual Presidente Nacional do SINAL é do SINAL-RJ, sendo que o anterior também). O SINAL-DF é a Representação do SINAL em Brasília, capital onde se encontram mais de 50% dos servidores (ativos e inativos) do BACEN (contudo o SINAL-DF sofre problemas históricos de aceitação e/ou atuação). A escolha do UNAFISCO-SP (Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Federal em São Paulo) se deu porque a maioria dos filiados do SINAL, em todo o País, reconhece no UNAFISCO Nacional um modelo a ser seguido (em virtude de diversas conquistas por parte destes auditores fiscais). Como a comparação se dará entre representações regionais, foi escolhida a representação paulista do UNAFISCO (pelas facilidades de contato e pela similaridade de localização). Após tal comparação, percebeu-se que os pontos fortes do SINAL-SP eram: Equipe de funcionários muito boa; Controle de custos bem eficiente; Comando sindical bem dedicado. Já os pontos fracos eram: Baixa atração dos servidores para as manifestações políticas (como assembléias e paralisações); Divergência constante entre a atuação do SINAL-SP e o pensamento da base; Falhas de comunicação e de produção de material intelectual (como opiniões e pareceres sobre os assuntos do momento). A partir disso, foram propostas as seguintes estratégias: Realizar algumas atividades de integração com os filiados; Pesquisar os filiados sobre a atuação do SINAL-SP; Promover debates, seminários e outros similares em SP; Trazer representantes de outros sindicatos mais atuantes para palestrar em SP; Promover maior diálogo entre os dirigentes sindicais e os filiados; Melhorar a comunicação impressa do SINAL-SP (boletins e filipetas) Análise do ambiente de uma região A entidade só possui dois imóveis e ambos são muito próximos à sede do Banco Central do Brasil em São Paulo (não sendo viável outra possibilidade) Análise do ambiente de um setor ou atividade Em razão da atividade sindical no Brasil ser monopolizada (princípio constitucional da unicidade sindical), não houve possibilidade de se realizar tal análise Análise do macroambiente clima A análise do macroambiente clima trouxe 05 (cinco) variáveis de grande importância: 8

9 Inflação - taxa de cerca de 6,5% em 2004, trazendo perda de poder aquisitivo sem reposição automática para os salários; Autonomia do BC - entrada na pauta do Congresso em 2004, com a possibilidade de o BACEN passar a ter um Orçamento próprio e contratar pelo regime da CLT; Reforma Trabalhista e Sindical - só deve entrar em pauta no Congresso em 2005; Plano de Saúde (PASBC) - mais um ano de déficit, estando o plano cada vez mais caro e com menor cobertura de credenciados; Política de RH do Governo Lula - aumento linear de apenas 1,9% (abaixo da inflação passada e futura), reajustes apenas por Planos Diferenciados de Carreiras. Tais variáveis inferiram as seguintes estratégias: Intensificar a atuação política do SINAL-SP em 2004; Atuar no Congresso nacional contra a Reforma Trabalhista e Sindical; Lutar por um PASBC mais barato e mais digno; Ampliar o contato com parlamentares federais de SP; Buscar maior presença na mídia a fim de divulgar a mensagem do SINAL-SP Análise do macroambiente solo A análise do macroambiente clima trouxe 05 (cinco) variáveis de grande importância: Credibilidade do movimento sindical - tendência histórica de desprestígio; Apoio de uma Central Sindical forte - a única (CUT) se desvirtuou por se tornar Governo; Mercado de Trabalho - mais desemprego e maior concorrência nos concursos do BACEN; Reforma da Previdência - servidores ficarão por mais 7 anos, em média, e os futuros terão Fundo de Pensão para a aposentadoria complementar; Necessidades de QVT - os servidores, cada vez mais, têm interesse em ampliar a qualidade de vida (e o BACEN não atende isso em SP). A par dessas variáveis, delinearam-se as seguintes estratégias: Intensificar a atuação política do SINAL-SP em 2004; Atuar mais intensamente em jornais de concursos (como a Folha Dirigida); Fortalecer a parceria com outros sindicatos próximos (como o UNAFISCO-SP); Proporcionar atividades de QVT aos servidores paulistas Análise do ambiente operacional A análise do ambiente operacional trouxe 03 (três) variáveis significativas: Tecnologia de Comunicação - o parque informático do BACEN desenvolveu-se muito, trazendo novas possibilidades de comunicação digital; Outros Sindicatos - a CUT no Governo fez com que alguns sindicatos se aproximassem e outros se distanciassem (como alguns sindicatos de servidores federais); Partidos de Esquerda - com PT, PC do B, PPS e PSB no Governo, o braço político do movimento sindical dos servidores públicos se desfez após a aprovação da 9

10 Reforma da Previdência (discute-se, atualmente, a criaçào de um novo partido de esquerda e de uma nova central sindical). Com estas variáveis, surgiram algumas estratégias: Melhorar a comunicação eletrônica do SINAL-SP (especialmente via s); Fortalecer a parceria com outros sindicatos próximos (como o UNAFISCO-SP); Participar das discussões sobre o novo partido de esquerda Análise do ambiente interno Para o SINAL-SP, 02 (dois) stakeholders foram diagnosticados: Conselheiros - querem melhorar as condições de trabalho no BACEN, e o SINAL- SP oferece essa possibilidade; Filiados - querem melhorias salariais e de outros benefícios, e o SINAL-SP oferece essa possibilidade. No momento atual, não há ameaças ao SINAL-SP no ambiente interno, pois a conquista da campanha salarial de 2003 (um novo Plano de Carreiras com reajuste médio de 12%) foi um grande sucesso (e isso dá uma margem de um a dois anos para o SINAL-SP atuar sem nenhuma conquista, ou seja, todo o mandato dos atuais conselheiros) Comparação da orientação com o campo da atuação A análise deste item demonstra que há 03 (três) grandes atividades no SINAL-SP (atuação jurídica, atuação política e comunicação) e que todas estão enquadradas com a missão da entidade Análise da estratégia vigente Da mesma forma que no item anterior, as 03 (três) grandes atividades no SINAL- SP (atuação jurídica, atuação política e comunicação) têm importância na respectiva ordem e investimentos equiparados também na respectiva ordem (enquadrados, portanto) Escolha da estratégia a ser seguida Todas as estratégias listadas nos itens anteriores foram consideradas importantes e factíveis de serem implementadas em 2004, e, portanto, nenhuma será descartada em Metas e valores para base de cálculo Por caracterizar-se como uma instituição sem fins lucrativos e por possuir como principais atividades atuações políticas e jurídicas, não foi possível aplicar a definição Vendas, Estoques, Imobilizado, Balanço, Mutações e outras similares Por caracterizar-se como uma instituição sem fins lucrativos e por possuir como principais atividades atuações políticas e jurídicas, não foi possível aplicar a definição Estabelecimento de ações Para viabilizar a implementação prática de todas as estratégias listadas nos itens anteriores, foram desenhadas 10 (dez) ações para serem implementadas em São as seguintes ações: 10

11 1) Campanha Salarial de 2004; 2) Projeto de Comunicação para o SINAL-SP; 3) Programação de Seminários e Debates para 2004; 4) Pesquisa com todos os servidores em 2004; 5) Agenda de contatos com outros Sindicatos; 6) Reforçar o contato com os parlamentares federais de SP; 7) Buscar maior contato com a mídia paulista; 8) Participar das discussões sobre um novo partido de esquerda no Brasil; 9) Definir uma programação de eventos sobre saúde, condições de trabalho e outros que sejam ligados à Qualidade de Vida no Trabalho; 10) Festa de Fim de Ano (com distribuição de brindes) Cronograma Para cada uma das ações acima definidas, definiu-se um cronograma para cada etapa a ser realizada. Todas as ações foram projetadas para o período de janeiro a dezembro de 2004, da seguinte forma: A) As ações 1, 2, 3, 4, 5, 6 e 9 tem duas etapas: preparação em janeiro/fevereiro de 2004 e execução entre março e dezembro de 2004; B) As ações 7 e 8 só têm uma etapa: execução contínua entre janeiro e dezembro de 2004; C) A ação 10 (festa de fim de ano) tem preparação em outubro/novembro de 2004 e execução em dezembro de CONCLUSÃO Após o estabelecimento das ações e posteriores análises, é possível concluir que o Planejamento Estratégico é uma ferramenta útil na gestão do Sindicato, pois pode-se otimizar a aplicação dos recursos do sindicato, direcionar melhor a atenção dos dirigentes sindicais para as atividades mais importantes e outros benefícios. É possível olhar a instituição no longo prazo, além de tornar aparente todas as forças que influenciam o funcionamento da instituição (Almeida, 2003; Oliveira, 2002). Por outro lado, a metodologia proposta por Almeida (2003) apesar de fácil e didática em sua aplicação, mostrou-se imprópria para a instituição em questão, pois alguns itens de análise (como as de vendas, metas financeiras, estoques etc.) não puderam ser realizados pela sua não-aplicabilidade. Tal fato pode explicar a razão porque Barbosa (1999) destaca em sua pesquisa que a maioria dos sindicatos não apresenta um plano formal. Dessa forma, faz-se necessário a proposição de uma nova metodologia que considere as especificidades dos sindicatos do setor público, e em particular ao Sindicato do Banco Central, que dada suas características, não pode adotar modelos, pois os modelos devem ser modificados em sua totalidade, gerando uma metodologia própria. 9 BIBLIOGRAFIA ALMEIDA, M. I. R. Manual de Planejamento Estratégico - desenvolvimento de um plano estratégico com a aplicação de planilhas Excel. São Paulo: Editora Atlas,

12 ALMEIDA, M.H.T. O significado do Sindicalismo na área pública: usa visão política. In: Sindicalismo no setor público paulista. São Paulo: FUNDAP, BARBOSA, A.C.Q. O dirigente sindical: companheiro ou patrão? Uma análise em sindicatos de Minas Gerais. Anais ENANPAD, MARCONI, M.D.; LAKATOS, E.M. Técnicas de Pesquisa. São Paulo: Editora Atlas, OLIVEIRA, D.P.R. de. Planejamento Estratégico: conceitos, metodologia e práticas. São Paulo: Editora Atlas, Portal do SINAL. REVISTA POR SINAL, São Paulo: Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central, Edição nº 9, SELTTIZ, C. et al. Métodos de Pesquisa nas Relações Sociais. Trad. Dante Moreira Leite. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária,

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS. Prof. Rodrigo O. Barbati

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS. Prof. Rodrigo O. Barbati CONHECIMENTOS BANCÁRIOS Prof. Rodrigo O. Barbati AULA 01 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Subsistema normativo Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional (SFN) pode ser entendido

Leia mais

número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central

número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central A autonomia do Banco Central Amanutenção da política de elevadas taxas de juros reais conduzida pelo Copom - Comitê de Política Monetária - reacendeu

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Sistema Financeiro Nacional Professor: Roberto César SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O Sistema Financeiro Nacional pode ser definido como o conjunto de instituições e orgãos que

Leia mais

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas.

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. BRB 2011 Cespe Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. A respeito da estrutura do Sistema Financeiro Nacional (SFN),julgue os itens a seguir. 1. Ao Conselho Monetário

Leia mais

Evolução do SFN. 1. Primeiro Período: 1808-1914 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS. 3. Terceiro Período: 1945-1965. 2. Segundo Período: 1914-1945

Evolução do SFN. 1. Primeiro Período: 1808-1914 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS. 3. Terceiro Período: 1945-1965. 2. Segundo Período: 1914-1945 Evolução do SFN MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Profa. Dra. Andréa Paula Segatto-Mendes apsm@ufpr.br 1. Primeiro Período: 1808-1914 Abertura dos portos - acordos comerciais diretos Criação do Banco do

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO -

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - A estrutura a seguir foi desenvolvida com base no escopo da disciplina de Planejamento Estratégico de Comunicação,

Leia mais

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos Painel 46/162 Uma visão de longo prazo da Força de Trabalho no setor

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br INTRODUÇÃO Trata-se da política utilizada pelo Governo para obter desenvolvimento

Leia mais

BANCOS INTERMEDIÁRIOS CORRETORES DE CÂMBIO

BANCOS INTERMEDIÁRIOS CORRETORES DE CÂMBIO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O MERCADO DE CÂMBIO E SEUS AGENTES C.M.N BACEN BANCOS INTERMEDIÁRIOS CORRETORES DE CÂMBIO SISTEMA CAMBIAL VIGENTE NO BRASIL. O regime cambial brasileiro é um regime controlado

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 01 Finanças e Empresas Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO Finanças e Empresas... 3 1. Introdução a Administração Financeira... 3 2. Definições... 3 2.1. Empresas...

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA JUROS PAGOS PELOS TOMADORES - REMUNERAÇÃO PAGA AOS POUPADORES SPREAD

Leia mais

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional CASO PRÁTICO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E GESTÃO DE TALENTOS: COMO A GESTÃO DA CULTURA, DO CLIMA E DAS COMPETÊNCIAS CONTRIBUI PARA UM AMBIENTE PROPÍCIO À RETENÇÃO DE TALENTOS CASO PRÁTICO: COMPORTAMENTO

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO

CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO Contexto e objetivos CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO O desenvolvimento do plano de negócios, como sistematização das idéias

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

FAZER ESTES ITENS NO FINAL, QUANDO O TRABALHO ESTIVER PRONTO

FAZER ESTES ITENS NO FINAL, QUANDO O TRABALHO ESTIVER PRONTO 1. CAPA 2. SUMÁRIO 3. INTRODUÇÃO FAZER ESTES ITENS NO FINAL, QUANDO O TRABALHO ESTIVER PRONTO 4. DESCRIÇÃO DA EMPRESA E DO SERVIÇO 4.1 Descrever sua Visão, VISÃO DA EMPRESA COMO VOCÊS IMAGINAM A EMPRESA

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR

ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR I - OBJETIVO GERAL Realização de Módulos do programa de capacitação

Leia mais

Exercício para fixação

Exercício para fixação Exercício para fixação Quando o Banco Central deseja baratear os empréstimos e possibilitar maior desenvolvimento empresarial, ele irá adotar uma Política Monetária Expansiva, valendo-se de medidas como

Leia mais

X SEMINÁRIO DO FÓRUM NACIONAL DE GESTÃO DA ÉTICA NAS EMPRESAS ESTATAIS

X SEMINÁRIO DO FÓRUM NACIONAL DE GESTÃO DA ÉTICA NAS EMPRESAS ESTATAIS X SEMINÁRIO DO FÓRUM NACIONAL DE GESTÃO DA ÉTICA NAS EMPRESAS ESTATAIS PAINEL : FERRAMENTA PARA A GESTÃO DA ÉTICA E DOS DIREITOS HUMANOS RONI ANDERSON BARBOSA INSTITUTO OBSERVATORIO SOCIAL INSTITUCIONAL

Leia mais

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas (Produto 1) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE EXTERNO DOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social As Entidades Fechadas de participantes desta pesquisa, conhecidas como Fundos de Pensão, fazem parte do Sistema de. Os Fundos de Pensão desenvolveram-se e modernizaram-se ao longo dos últimos anos graças

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

Manual de instruções para o desenvolvimento do Caderno de Evidências Book

Manual de instruções para o desenvolvimento do Caderno de Evidências Book Manual de instruções para o desenvolvimento do Caderno de Evidências Book O Caderno de Evidências (Book) acompanhará o questionário da empresa na pesquisa. É importante lembrar que o envio desse material,

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

Aula 06: Moedas e Bancos

Aula 06: Moedas e Bancos Aula 06: Moedas e Bancos Macroeconomia Agregados Monetários. As contas do Sistema Monetário. Gilmar Ferreira Janeiro 2010 Moeda Conceitualmente, o termo moeda é usado para denominar tudo aquilo que é geralmente

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

Parte V Financiamento do Desenvolvimento

Parte V Financiamento do Desenvolvimento Parte V Financiamento do Desenvolvimento CAPÍTULO 9. O PAPEL DOS BANCOS PÚBLICOS CAPÍTULO 10. REFORMAS FINANCEIRAS PARA APOIAR O DESENVOLVIMENTO. Questão central: Quais as dificuldades do financiamento

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL *

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * Lúcio Alcântara ** Durante o dia de hoje estaremos dando continuidade aos debates que vêm sendo realizados desde o início do governo Lula sobre a reestruturação

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima INDICADORES DE RH E METAS ORGANIZACIONAIS JÚLIO SÉRGIO DE LIMA Blumenau SC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO E PERSPECTIVAS DE NEGOCIO, ARQUITETURA DE MEDIÇÃO DO DESEMPENHO E NIVEIS DOS

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos.

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos. Demonstrações Financeiras O Papel de Finanças e do Administrador Financeiro Professor: Roberto César O que é Finanças? Podemos definir Finanças como a arte e a ciência de administrar fundos. Praticamente

Leia mais

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

Questionário de entrevista com o Franqueador

Questionário de entrevista com o Franqueador Questionário de entrevista com o Franqueador O objetivo deste questionário é ajudar o empreendedor a elucidar questões sobre o Franqueador, seus planos de crescimento e as diretrizes para uma parceria

Leia mais

Classificação por Categoria Econômica

Classificação por Categoria Econômica Classificação por Categoria Econômica 1. Classificação A classificação por categoria econômica é importante para o conhecimento do impacto das ações de governo na conjuntura econômica do país. Ela possibilita

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO

QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO 1 QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO Resolução 3.265, de 4 de março de 2005. (reunião do Mercado de Câmbio de Taxas Livres e do Mercado de Câmbio de Taxas Flutuantes e instituição de

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 16/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Fase Cód. I

Leia mais

Norma de Referência Selo de Conformidade ANFIR

Norma de Referência Selo de Conformidade ANFIR Histórico das alterações: Nº Revisão Data de alteração 00 20.01.204 Emissão inicial do documento. Sumário das Alterações Pág. 1 1. Resumo Esta norma estabelece requisitos técnicos para a concessão do Selo

Leia mais

Política Anual de Investimentos Exercício de 2012

Política Anual de Investimentos Exercício de 2012 Política Anual de Investimentos Exercício de 2012 Política de Investimento -2012 1 SUMARIO 1. Introdução... 03 2. Divulgação da Política de Investimentos... 03 3. Objetivos... 03 4. Composição dos Investimentos

Leia mais

Manual de Orientação para o PROJETO INTEGRADOR DE PESQUISA - (PIP)

Manual de Orientação para o PROJETO INTEGRADOR DE PESQUISA - (PIP) Manual de Orientação para o PROJETO INTEGRADOR DE PESQUISA - (PIP) Manual de Orientação para o PROJETO INTEGRADOR DE PESQUISA (PIP) Itu/SP 2013 Sumário 1 Introdução... 1 1.1 Etapa 1 Proposta... 2 1.2 Etapa

Leia mais

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 (dezesseis) semestres. PERFIL DO EGRESSO O perfil desejado

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Regulamenta o inciso XVI do art. 22 da Constituição Federal que trata da organização do sistema nacional de emprego, para a adoção de políticas

Leia mais

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são:

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são: 24/2010 1. Identificação do Contratante Nº termo de referência: TdR nº 24/2010 Plano de aquisições: Linha 173 Título: consultor para desenvolvimento e venda de produtos e serviços Convênio: ATN/ME-10541-BR

Leia mais

Cargo Servidores Técnico do Banco Central do Brasil 861 Analista do Banco Central do Brasil 5.309 Procurador do Banco Central do Brasil 300 Total

Cargo Servidores Técnico do Banco Central do Brasil 861 Analista do Banco Central do Brasil 5.309 Procurador do Banco Central do Brasil 300 Total 1. O Banco Central Quadro de servidores definido em lei A Lei N 9650 de 27 de maio de 1998 estabelece o plano de carreira dos servidores do Banco Central do Brasil e determina outras providências como

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Rio de Janeiro Avenida General Justo, 307 CEP: 20021-130 Rio de Janeiro PABX (21) 3804-9200 E-mail: cncrj@cnc.com.br

Rio de Janeiro Avenida General Justo, 307 CEP: 20021-130 Rio de Janeiro PABX (21) 3804-9200 E-mail: cncrj@cnc.com.br Rio de Janeiro 2011 2010 Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo Qualquer parte desta publicação pode ser reproduzida, desde que citada a fonte. Confederação Nacional do Comércio

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

SETE SEMANAS PARA O SUCESSO DE UM ESCRITÓRIO - ETAPAS BÁSICAS PARA IMPLANTAÇÃO DO MARKETING JURÍDICO

SETE SEMANAS PARA O SUCESSO DE UM ESCRITÓRIO - ETAPAS BÁSICAS PARA IMPLANTAÇÃO DO MARKETING JURÍDICO SETE SEMANAS PARA O SUCESSO DE UM ESCRITÓRIO - ETAPAS BÁSICAS PARA IMPLANTAÇÃO DO MARKETING JURÍDICO Ari Lima É possível implantar um plano prático e funcional de marketing jurídico com ótimas chances

Leia mais

Associativismo a modernização do sindicalismo nacional

Associativismo a modernização do sindicalismo nacional A união faz a força O dito popular encaixa-se como uma luva quando o assunto é associativismo o assunto em pauta no meio sindical. As principais confederações patronais do País estão investindo nessa bandeira

Leia mais

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio Plano de Negócios Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa Modelo de Planejamento prévio Fraiburgo, 2015 Plano de Negócios Um plano de negócios é uma descrição do negócio

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

Fundada em Setembro de 2010, a Peniel é uma empresa especializada em Consultoria e Gestão Empresarial e Executiva, Coaching e Palestras.

Fundada em Setembro de 2010, a Peniel é uma empresa especializada em Consultoria e Gestão Empresarial e Executiva, Coaching e Palestras. Fundada em Setembro de 2010, a Peniel é uma empresa especializada em Consultoria e Gestão Empresarial e Executiva, Coaching e Palestras. Nossos serviços se aplicam à quaisquer atividades, voltados para

Leia mais

MANUAL GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

MANUAL GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1 - INTRODUÇÃO Define-se como risco de mercado a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes da flutuação nos valores de mercado de posições detidas pela Cooperativa, o que inclui os riscos das operações

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS INICIATIVAS EDUCACIONAIS DA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS INICIATIVAS EDUCACIONAIS DA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS INICIATIVAS EDUCACIONAIS DA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL Projeto BRA 06/024 - PREMEF 1 I. INTRODUÇÃO A missão do Tesouro Nacional é

Leia mais

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características Guia de Renda Fixa Os títulos de renda fixa se caracterizam por possuírem regras definidas de remuneração. Isto é, são aqueles títulos cujo rendimento é conhecido previamente (juro prefixado) ou que depende

Leia mais

5. Análise conjunta dos casos

5. Análise conjunta dos casos 5. Análise conjunta dos casos Após analisar como tem ocorrido o processo de institucionalização da responsabilidade social corporativa nas empresas farmacêuticas estudadas concluiu-se que nas quatro empresas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira I Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2011 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

Unidos convergindo para um só ideal. O crescimento e a produtividade dos segmentos de asseio e conservação e segurança privada.

Unidos convergindo para um só ideal. O crescimento e a produtividade dos segmentos de asseio e conservação e segurança privada. Unidos convergindo para um só ideal. O crescimento e a produtividade dos segmentos de asseio e conservação e segurança privada. ASSIM É O A IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO DOS EXECUTIVOS DOS SEAC S E SINDESP S

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Segurança nos investimentos Gestão dos recursos financeiros Equilíbrio dos planos a escolha ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 A POLÍTICA DE INVESTIMENTOS...4 SEGMENTOS DE APLICAÇÃO...7 CONTROLE

Leia mais

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM União Metropolitana de Educação e Cultura Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação

Leia mais

9 Plano de Marketing 9.1 Estratégias de Produto

9 Plano de Marketing 9.1 Estratégias de Produto 1 Sumário Executivo (O que é o plano de negócios) 2 Agradecimentos 3 Dedicatória 4 Sumário ( tópicos e suas respectivas páginas) 5 Administrativo - Introdução (O que foi feito no módulo administrativo)

Leia mais

Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015. Marcos Galileu Lorena Dutra Gerência de Análise de Negócios (GMN)

Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015. Marcos Galileu Lorena Dutra Gerência de Análise de Negócios (GMN) Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015 Marcos Galileu Lorena Dutra Gerência de Análise de Negócios (GMN) As opiniões e conclusões externadas nesta apresentação são de inteira responsabilidade

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

A ABEMD trabalha para incentivar, valorizar, desenvolver e difundir o Marketing Direto no Brasil.

A ABEMD trabalha para incentivar, valorizar, desenvolver e difundir o Marketing Direto no Brasil. A ABEMD, Associação Brasileira de Marketing Direto, é uma entidade civil, sem fins lucrativos, fundada em 1976 e constituída por pessoas jurídicas e físicas interessadas na aplicação de estratégias e técnicas

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10 SUMÁRIO: Apresentação da ACEP 2 Missão da Empresa 3 Escopo e Justificativas de Exclusão 4 Comprometimento da Direção 5 Política da Qualidade 7 Objetivos de Qualidade 7 Fluxo de Processos 8 Organograma

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Economia e mercado financeiro

Economia e mercado financeiro Economia Jonas Barbosa Leite Filho* * Especialista em Gestão Estratégica de Pessoas pela Faculdade Bagozzi. Graduado em Administração pelo Centro Universitário Campos de Andrade. Trabalhou no Banco do

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

Elaboração e Análise de Projetos

Elaboração e Análise de Projetos Elaboração e Análise de Projetos Planejamento e Projeto Professor: Roberto César SISTEMA ECONÔMICO Mercado de Bens e Serviços O que e quando produzir Famílias Empresas Pra quem produzir Mercado de Fatores

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Controle Externo

Tribunal de Contas da União. Controle Externo Tribunal de Contas da União Controle Externo 1224 Controle Externo Objetivo Assegurar a efetiva e regular gestão dos recursos públicos federais em benefício da sociedade e auxiliar o Congresso Nacional

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Fase Cód. I II Matriz Curricular vigente a partir de 2010-1 Disciplina Prérequisitos Carga

Leia mais