Componentes e pesquisadores envolvidos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Componentes e pesquisadores envolvidos"

Transcrição

1

2 Componentes e pesquisadores envolvidos Impactos sobre aves (avifauna) Dr. Luciano Naka Impactos nas comunidades indígenas e tradicionais - Dr. Philip Fearnside Qualidade da água: monitoramento de níveis de mercúrio Dr. Bruce Forsberg Impactos sobre vegetação terrestre Dr. Leandro Ferreira Impactos sobre plantas aquáticas Dra. Maria Teresa Piedade Impactos sobre invertebrados bentônicos Dra. Sheyla Couceiro Impactos sobre peixes (ictiofauna) Dr. Jansen Zuanon Impactos sobre répteis e anfíbios (herpetofauna) Dra. Albertina Lima Impactos sobre mamíferos (mastofauna) Dr. Enrico Bernard

3 Caracterização da Região Alta riqueza biológica, com ambientes e espécies insubstituíveis, regiões prioritárias para conservação. Novas espécies de macacos, aves, anfíbios e répteis Espécies raras e recentemente descritas na ciência

4 Principais impactos de hidrelétricas no Bioma Amazônico Alteração do ciclo hidrológico, com interrupção do pulso de inundação tanto a jusante como a montante do barramento; Alagamento de ilhas, pedrais, praias e igapós, habitats com importância ecológica (fornecem recursos chaves tais como alimento e berçário de espécies) e econômica; Interferência no fluxo de sedimentos, importantes para a criação e manutenção de de habitats; Alteração nas populações, extinções locais e regionais.

5

6 Fragilidades identificadas Tratamento incompleto de impactos sobre as comunidades indígenas e tradicionais limitação do trabalho de campo, ressaltando somente benefícios da obra; Ausência de informações e previsões para avaliação dos impactos ambientais: não foi elaborada uma lista das espécies de animais e plantas mais afetadas (exclusivas nas maiores cotas de inundação). EIA não define de maneira clara as espécies que vivem exclusivamente nos ambientes ripários;

7 Fragilidades identificadas Desenho amostral inadequado e falta de dados para grupos específicos diretamente afetados pelo empreendimento: mudanças na metodologia reduziram 20% na amostragem de campo. Não foram feitas coletas a jusante do barramento, partindo da floresta de terra firme. Deficiência na amostragem dos ambientes ripários quando comparados com terra firme; Uso de metodologias inadequadas: amostragem insuficiente; no caso de mercúrio, metodologia distinta (4 empresas diferentes) tornam informações são inaproveitáveis. Os inventários de fauna e flora tem qualidade variável; para vegetação terrestre foi feito um inventário para manejo florestal e não para avaliação de impactos de diversidade;

8 Fragilidades identificadas Análise inadequada dos dados coletados: os dados foram analisados sem considerar a cota de inundação; não houve correlação entre as características da paisagem com as comunidades bióticas; Superficialidade e inadequabilidade dos programas e projetos de mitigação: uso de afugentamento da fauna como medida de conservação, programas de monitoramento genérico que não servem para mitigar impactos, contribuindo, no máximo, para o aprendizado sobre os efeitos de hidrelétricas; Falta de informações no RIMA: usado como instrumento de marketing, faz super-resumo do conteúdo e omite informações importantes (ex: ocorrência de espécies endêmicas, ameaçadas e raras).

9 Fragilidades identificadas Faltam análise dos impactos cumulativos dos demais AHEs planejados para o complexo Tapajós e da hidrovia. EIA não pode ser avaliado de forma isolada; Mercúrio subestimado: as regiões de confluência dos tributários com o rio Tapajós são propícias para a transformação do mercúrio em forma assimilável pelos peixes, levando a uma acumulação no fundo do reservatório. A acumulação associada com a movimentação das turbinas, pode transportar o mercúrio até 200 Km a jusante - como é o caso da UHE de Balbina.

10 Outro Caminho Possível

11 Outro Caminho é Possível 314 GW 232 GW 133 GW

12 Outro Caminho é Possível 314 GW 349 GW 232 GW 212 GW 133 GW

13 O sistema elétrico 100% renovável atende a todo o consumo

14 O sistema elétrico 100% renovável atende a todo o consumo

15 O sistema elétrico 100% renovável atende a todo o consumo

16 Considerações 1. Tapajós e demais projetos devem respeitar todas as disposições relativas aos direitos humanos, povos indígenas, a proteção do meio ambiente e aos direitos trabalhistas 2. Integração dos estudos de impacto ambiental previstos para os outros empreendimentos planejados para a bacia do Tapajós para avaliação dos efeitos destas obras sobre a biodiversidade. 3. Garantia da real proteção de áreas prioritárias de conservação identificadas na bacia do Tapajós 4. Planejamento Energético Integrado 5. Promoção de fontes de energia limpa e renovável

17 Saiba mais em nosso site ao

Uso da Avaliação Ambiental Integrada para viabilização de empreendimentos hidrelétricos Bacia do rio Chapecó LASE 2016

Uso da Avaliação Ambiental Integrada para viabilização de empreendimentos hidrelétricos Bacia do rio Chapecó LASE 2016 Uso da Avaliação Ambiental Integrada para viabilização de empreendimentos hidrelétricos Bacia do rio Chapecó LASE 2016 São Paulo, 06 de setembro de 2016 Empresas envolvidas Histórico Metodologia Resultados

Leia mais

O PROJETO BELO MONTE III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE INTEGRACIÓN ENERGÉTICA PERU BRASIL

O PROJETO BELO MONTE III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE INTEGRACIÓN ENERGÉTICA PERU BRASIL III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE INTEGRACIÓN ENERGÉTICA PERU BRASIL EL SISTEMA ELÉCTRICO BRASILEÑO Y LAS CUESTIONES SOCIO AMBIENTALES O PROJETO BELO MONTE Energia para os novos tempos Lima, 18 de Novembro

Leia mais

Planejamento Sistemático da Conservação e Restauração da Biodiversidade e dos Serviços Ambientais dos Biomas de Minas Gerais

Planejamento Sistemático da Conservação e Restauração da Biodiversidade e dos Serviços Ambientais dos Biomas de Minas Gerais Planejamento Sistemático da Conservação e Restauração da Biodiversidade e dos Serviços Ambientais dos Biomas de Minas Gerais Gerência de Proteção à Fauna e Flora-GPFAF Diretoria de Pesquisa e Proteção

Leia mais

Ciências do Ambiente. Prof. M.Sc. Alessandro de Oliveira Limas Engenheiro Químico (UNISUL ) Mestre em Engenharia de Alimentos (UFSC )

Ciências do Ambiente. Prof. M.Sc. Alessandro de Oliveira Limas Engenheiro Químico (UNISUL ) Mestre em Engenharia de Alimentos (UFSC ) Ciências do Ambiente Prof. M.Sc. Alessandro de Oliveira Limas Engenheiro Químico (UNISUL - 1995) Mestre em Engenharia de Alimentos (UFSC - 2002) Ciências Ambientais Estudo sistemático tico da natureza

Leia mais

Mata Atlântica Floresta Pluvial Tropical. Ecossistemas Brasileiros

Mata Atlântica Floresta Pluvial Tropical. Ecossistemas Brasileiros Mata Atlântica Floresta Pluvial Tropical Ecossistemas Brasileiros https://www.youtube.com/watch?v=ee2ioqflqru Sub-regiões biogeográficas endemismo de aves, borboletas e primatas Mata das Araucárias (Ombrófila

Leia mais

O programa Aliança EcoÁgua Pantanal e sua contribuição para o Pacto em defesa das cabeceiras do Pantanal. Maitê Tambelini Ibraim Fantin da Cruz

O programa Aliança EcoÁgua Pantanal e sua contribuição para o Pacto em defesa das cabeceiras do Pantanal. Maitê Tambelini Ibraim Fantin da Cruz O programa Aliança EcoÁgua Pantanal e sua contribuição para o Pacto em defesa das cabeceiras do Pantanal Maitê Tambelini Ibraim Fantin da Cruz APRESENTAÇÃO Iniciativa Objetivo Atividades ELOHA Estudo de

Leia mais

VULNERABILIDADE AMBIENTAL DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO

VULNERABILIDADE AMBIENTAL DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO VULNERABILIDADE AMBIENTAL DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO RAFAEL VOLQUIND Diretor Técnico 18 de junho de 2015 Porto Alegre RS Brasil Impactos Ambientais Relacionados à Geração e à Transmissão 2 Hídrica

Leia mais

Impactes sectoriais. Sistemas ecológicos e biodiversidade. Impactes Ambientais 6 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário

Impactes sectoriais. Sistemas ecológicos e biodiversidade. Impactes Ambientais 6 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário Engenharia Civil, 5º ano / 10º semestre Engenharia Territorio, 4º ano/ 8º semestre Impactes sectoriais Sistemas ecológicos e biodiversidade Impactes Ambientais 6 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário

Leia mais

Macroinvertebrados bentônicos em riachos de cabeceira: Múltiplas abordagens de estudos ecológicos em bacias hidrográficas

Macroinvertebrados bentônicos em riachos de cabeceira: Múltiplas abordagens de estudos ecológicos em bacias hidrográficas Macroinvertebrados bentônicos em riachos de cabeceira: Múltiplas abordagens de estudos ecológicos em bacias hidrográficas Laboratório de Ecologia e Conservação ICB - UFPA Condições ecológicas em bacias

Leia mais

Vazão Ambiental no Baixo Curso do Rio São Francisco

Vazão Ambiental no Baixo Curso do Rio São Francisco Vazão Ambiental no Baixo Curso do Rio São Francisco Yvonilde Medeiros UFBA Novembro 2014 VAZÃO AMBIENTAL A qualidade, quantidade e distribuição de água necessárias para manter os componentes, funções e

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 39 2012 COORDENAÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AAI) Ricardo Cavalcanti Furtado Superintendente de Meio Ambiente

AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AAI) Ricardo Cavalcanti Furtado Superintendente de Meio Ambiente AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AAI) Ricardo Cavalcanti Furtado Superintendente de Meio Ambiente Manaus, junho/2006 Empresa de Pesquisa Energética Empresa pública, vinculada ao Ministério de Minas e Energia,

Leia mais

As Zonas Úmidas e a Política Nacional

As Zonas Úmidas e a Política Nacional As Zonas Úmidas e a Política Nacional de Recursos Hídricos no Brasil 8 th Intecol, Cuiabá, julho de 2008 Maria Carolina Hazin Orientação à aprensentação: o Zonas Úmidas O conceito científico e o utilizado

Leia mais

TÍTULO: INFLUÊNCIA DA PCH LUIZ DIAS SOBRE A COMPOSIÇÃO DA ICTIOFAUNA NO RIO LOURENÇO VELHO, MG

TÍTULO: INFLUÊNCIA DA PCH LUIZ DIAS SOBRE A COMPOSIÇÃO DA ICTIOFAUNA NO RIO LOURENÇO VELHO, MG TÍTULO: INFLUÊNCIA DA PCH LUIZ DIAS SOBRE A COMPOSIÇÃO DA ICTIOFAUNA NO RIO LOURENÇO VELHO, MG CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS INSTITUIÇÃO: CENTRO

Leia mais

Conservação da vegetação

Conservação da vegetação Conservação da vegetação Prof. Pedro Eisenlohr pedrov.eisenlohr@gmail.com A Biologia da Conservação tem como objeto de estudo a BIODIVERSIDADE. O que é biodiversidade? Biodiversidade (diversidade biológica)

Leia mais

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DA FAUNA DA UHE SANTO ANTÔNIO

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DA FAUNA DA UHE SANTO ANTÔNIO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DA FAUNA DA UHE SANTO ANTÔNIO SUBPROGRAMA DE MONITORAMENTO DA HERPETOFAUNA DE RIOS QUELÔNIOS AQUÁTICOS RESPONSÁVEIS TÉCNICOS Dr a. Daniely Félix-Silva OBJETIVOS Subprograma Avaliar

Leia mais

Tema Conservação da Biodiversidade Palestra: Carlos Alfredo Joly, DEPPT/MCT e IB/UNICAMP

Tema Conservação da Biodiversidade Palestra: Carlos Alfredo Joly, DEPPT/MCT e IB/UNICAMP Tema Conservação da Biodiversidade Palestra: Carlos Alfredo Joly, DEPPT/MCT e IB/UNICAMP BIODIVERSIDADE & POLÍTICA NACIONAL DE MUDANÇAS DO CLIMA Carlos A. Joly IB & NEPAM/UNICAMP Coordenador BIOTA/FAPESP

Leia mais

Disciplina: Manejo de Fauna Professor ANTÔNIO L. RUAS NETO

Disciplina: Manejo de Fauna Professor ANTÔNIO L. RUAS NETO Disciplina: Manejo de Fauna Professor ANTÔNIO L. RUAS NETO Tema: Manejo de fauna em barragens e outros emprendimentos Bibliografia: INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 11 DE JANEIRO DE 2007 Trabalhos variados

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AAI) DA BACIA DO RIO TIJUCO MINAS GERAIS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AAI) DA BACIA DO RIO TIJUCO MINAS GERAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AAI) DA BACIA DO RIO TIJUCO MINAS GERAIS O presente Termo de Referência visa a orientar a elaboração de estudo para AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA

Leia mais

PROJETO DE LEI DE INICIATIVA POPULAR PARA A DECLARAÇÃO DO RIO SANTO ANTÔNIO E AFLUENTES COMO RIOS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE

PROJETO DE LEI DE INICIATIVA POPULAR PARA A DECLARAÇÃO DO RIO SANTO ANTÔNIO E AFLUENTES COMO RIOS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE PROJETO DE LEI DE INICIATIVA POPULAR PARA A DECLARAÇÃO DO RIO SANTO ANTÔNIO E AFLUENTES COMO RIOS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE As assinaturas devem ser encaminhadas para: Tininha Rua Dr. Júlio Drumond, 138

Leia mais

FUNÇÕES DESEMPENHADAS PELAS DIFERENTES TIPOLOGIAS DA REN

FUNÇÕES DESEMPENHADAS PELAS DIFERENTES TIPOLOGIAS DA REN FUNÇÕES DESEMPENHADAS PELAS DIFERENTES TIPOLOGIAS DA REN (Anexo I do DL n.º 166/2008, de 22 de agosto, na redação do DL n.º 239/2012, de 2 de novembro) ÁREAS DE PROTEÇÃO DO LITORAL Faixa marítima de proteção

Leia mais

PARQUE ESTADUAL DO JALAPÃO - PEJ. Manejo Integrado do Fogo MIF

PARQUE ESTADUAL DO JALAPÃO - PEJ. Manejo Integrado do Fogo MIF PARQUE ESTADUAL DO JALAPÃO - PEJ Manejo Integrado do Fogo MIF PARQUE ESTADUAL DO JALAPÃO - PEJ Unidade de Conservação de Proteção Integral Criação: 12 de janeiro de 2001 Lei Estadual nº 1.203/2001 Área:

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Ecologia, Conservação e Manejo da Vida Silvestre. Processo de Seleção de Mestrado 2015 Questões Gerais de Ecologia

Programa de Pós-Graduação em Ecologia, Conservação e Manejo da Vida Silvestre. Processo de Seleção de Mestrado 2015 Questões Gerais de Ecologia Questões Gerais de Ecologia a. Leia atentamente as questões e responda apenas 3 (três) delas. identidade (RG) e o número da questão. 1. Como a teoria de nicho pode ser aplicada à Biologia da Conservação?

Leia mais

Características da UHE Belo Monte

Características da UHE Belo Monte Realização: Patrocínio: Características da UHE Belo Monte NORTE ENERGIA S.A. CASA DE FORÇA PRINCIPAL (Sítio Belo Monte) Potência: 11.000 MW (18 x 611,11 MW). Garantia física: 4.419 MW médios. 1ª Unidade

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS

LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS P1-4º BIMESTRE 6º ANO FUNDAMENTAL II Aluno (a): Turno: Turma: Unidade Data: / /2016 HABILIDADES E COMPETÊNCIAS Compreender o conceito de bioma. Reconhecer fatores bióticos

Leia mais

Manejo de Fauna Silvestre

Manejo de Fauna Silvestre Manejo de Fauna Silvestre Manejo de fauna silvestre A formação de reservatórios provoca a perda de habitats da fauna terrestre, por desmatamento ou submersão, e redução da complexidade estrutural dos ambientes

Leia mais

GUANHÃES ENERGIA PCH DORES DE GUANHÃES PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL FASE IMPLANTAÇÃO BMA_GEN_GDN_PCA_01

GUANHÃES ENERGIA PCH DORES DE GUANHÃES PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL FASE IMPLANTAÇÃO BMA_GEN_GDN_PCA_01 GUANHÃES ENERGIA PCH DORES DE GUANHÃES PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL FASE IMPLANTAÇÃO BMA_GEN_GDN_PCA_01 BELO HORIZONTE NOVEMBRO 2013 PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA 1 - APRESENTAÇÃO

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS DE PEQUENAS E MÉDIAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS

IMPACTOS AMBIENTAIS DE PEQUENAS E MÉDIAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS VIII Simpósio de Pequenas e Médias Centrais Hidrelétricas 01 a 04 de maio de 2012 TEMA 33: IMPACTOS AMBIENTAIS DE PEQUENAS E MÉDIAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS Relator: Eng. Rafael Volquind Diretor Técnico

Leia mais

De gota em gota. Construídas em sequência em um mesmo rio ou bacia, pequenas centrais hidrelétricas têm forte impacto ambiental.

De gota em gota. Construídas em sequência em um mesmo rio ou bacia, pequenas centrais hidrelétricas têm forte impacto ambiental. De gota em gota Construídas em sequência em um mesmo rio ou bacia, pequenas centrais hidrelétricas têm forte impacto ambiental. Por: Isabela Fraga Bancos de areia abaixo de barragem no rio Santo Antônio,

Leia mais

Estratégias para a Redução das Vulnerabilidades da Biodiversidade da Caatinga

Estratégias para a Redução das Vulnerabilidades da Biodiversidade da Caatinga SECRETARIA DE EXTRATIVISMO E DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL SEDR/MMA DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMETNO RURAL SUSTENTÁVEL Estratégias para a Redução das Vulnerabilidades da Biodiversidade da Caatinga JOÃO

Leia mais

Porque conservar fauna e flora?

Porque conservar fauna e flora? UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DISCIPLINA BIO-547: CONSERVAÇÃO E MANEJO DA BIODIVERSIDADE AULA 1 Porque conservar fauna e flora? Profs.: Evandro do Nascimento

Leia mais

ANEXO I. Plano de Trabalho

ANEXO I. Plano de Trabalho Diário Oficial Nº. 31159 de 30/04/2008 FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DE ESTADO DO PARÁ EDITAL Nº 006/2008 - PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA JÚNIOR PIBICJR 10 ANEO I MODELO DE PLANO DE ATIVIDADES

Leia mais

NOTA EXPLICATIVA DOS DADOS RECOLHIDOS NO ÂMBITO DOS TRABALHOS DE

NOTA EXPLICATIVA DOS DADOS RECOLHIDOS NO ÂMBITO DOS TRABALHOS DE NOTA EXPLICATIVA DOS DADOS RECOLHIDOS NO ÂMBITO DOS TRABALHOS DE IMPLEMENTAÇÃO DA DIRECTIVA QUADRO DA ÁGUA A informação disponibilizada na página do Instituto da Água, I.P. (INAG) refere-se aos dados recolhidos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E FONTES RENOVÁVEIS: UMA DISCUSSÃO SOBRE A MATRIZ ELÉTRICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E FONTES RENOVÁVEIS: UMA DISCUSSÃO SOBRE A MATRIZ ELÉTRICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E FONTES RENOVÁVEIS: UMA DISCUSSÃO SOBRE A MATRIZ ELÉTRICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS VI Congresso Brasileiro de energia Solar - UFMG BH Wilson Pereira Barbosa Filho Fundação

Leia mais

Fonte:

Fonte: com condições de geologia e clima semelhantes e que, historicamente; Fonte: http://7a12.ibge.gov.br/vamos-conhecer-o-brasil/nosso-territorio/biomas.html O Brasil é formado por seis (6) BIOMAS de características

Leia mais

REQUERIMENTO DE AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DE FAUNA SILVESTRE NO LICENCIAMENTO AMBIENTAL

REQUERIMENTO DE AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DE FAUNA SILVESTRE NO LICENCIAMENTO AMBIENTAL REQUERIMENTO DE AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DE FAUNA SILVESTRE NO LICENCIAMENTO AMBIENTAL 01 - TIPO DE ESTUDO ( ) Levantamento de Fauna Silvestre ( ) Monitoramento de Fauna ( ) RENOVAÇÃO ( ) Resgate de Fauna

Leia mais

Barragens do rio Tapajós:

Barragens do rio Tapajós: Barragens do rio Tapajós: uma avaliação crítica do Estudo e Relatório de Impacto Ambiental (EIA/RIMA) do Aproveitamento Hidrelétrico São Luiz do Tapajós Greenpeace/Fábio Nascimento 1 Greenpeace Brasil

Leia mais

CONTEÚDOS. CIÊNCIAS 7º ANO Coleção Interativa UNIDADE 1 SEU LUGAR NO AMBIENTE UNIDADE 2 ECOLOGIA: INTERAÇÃO TOTAL

CONTEÚDOS. CIÊNCIAS 7º ANO Coleção Interativa UNIDADE 1 SEU LUGAR NO AMBIENTE UNIDADE 2 ECOLOGIA: INTERAÇÃO TOTAL CONTEÚDOS UNIDADE 1 SEU LUGAR NO AMBIENTE 1. Vida, só na Terra Procurando vida no Sistema Solar Condições de vida no planeta Terra 2. Características dos seres vivos Célula Capacidade de realizar atividades

Leia mais

HIDRELÉTRICAS E AS AMEAÇAS PARA O CERRADO EM GOIÁS

HIDRELÉTRICAS E AS AMEAÇAS PARA O CERRADO EM GOIÁS HIDRELÉTRICAS E AS AMEAÇAS PARA O CERRADO EM GOIÁS A proposta de construção de mais de 90 barragens nos rios de Goiás provocará desastre no ambiente e na sociedade, com efeitos irreversíveis a curto, médio

Leia mais

CONDICIONANTES. Ações no território. Fauna e Flora

CONDICIONANTES. Ações no território. Fauna e Flora CONDICIONANTES Ações no território Fauna e Flora Plano de Ação acordado com a Fundação Florestal para atender as condicionantes estabelecidas pela instituição em decorrência da interferência do empreendimento

Leia mais

CÁLCULO DO VALOR DA COMPENSAÇÃO AMBIENTAL DE ACORDO COM O DECRETO 6.848

CÁLCULO DO VALOR DA COMPENSAÇÃO AMBIENTAL DE ACORDO COM O DECRETO 6.848 CÁLCULO DO VALOR DA COMPENSAÇÃO AMBIENTAL DE ACORDO COM O DECRETO 6.848 Gabriel Teixeira Silva Araújo CEPEMAR - Serviços de Consultoria em Meio Ambiente Ltda. SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 INTRODUÇÃO 3 VALOR DOS

Leia mais

Usinas Hidrelétricas e Integração Regional. Usina Hidrelétrica Jirau

Usinas Hidrelétricas e Integração Regional. Usina Hidrelétrica Jirau Usinas Hidrelétricas e Integração Regional Usina Hidrelétrica Jirau Santa Cruz de La Sierra 04/11/2016 Integração Energética Grande potencial de integração energética devido à abundância de recursos naturais

Leia mais

Relevo brasileiro GEOGRAFIA 5º ANO FONTE: IBGE

Relevo brasileiro GEOGRAFIA 5º ANO FONTE: IBGE Relevo brasileiro GEOGRAFIA 5º ANO FONTE: IBGE O relevo Brasileiro O relevo brasileiro é constituído, principalmente, por planaltos, planícies e depressões. Os planaltos são terrenos mais antigos relativamente

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA ÁREAS DE ALTO VALOR DE CONSERVAÇÃO AAVC - ELDORADO BRASIL CELULOSE S/A

CONSULTA PÚBLICA ÁREAS DE ALTO VALOR DE CONSERVAÇÃO AAVC - ELDORADO BRASIL CELULOSE S/A CONSULTA PÚBLICA ÁREAS DE ALTO VALOR DE CONSERVAÇÃO AAVC - CELULOSE S/A PREZADOS SENHORES: A Eldorado Brasil é uma empresa 100% nacional, controlada pelo Grupo J&F, com presença no mercado global de celulose

Leia mais

4 Núcleos de Trabalho. 26 Colaboradores. Entidade civil sem fins lucrativos de caráter socioambiental, fundada em 1996, sediada na cidade de São Paulo

4 Núcleos de Trabalho. 26 Colaboradores. Entidade civil sem fins lucrativos de caráter socioambiental, fundada em 1996, sediada na cidade de São Paulo Entidade civil sem fins lucrativos de caráter socioambiental, fundada em 1996, sediada na cidade de São Paulo 4 Núcleos de Trabalho São Paulo Porto Feliz Pilar do Sul Capão Bonito 26 Colaboradores eng.

Leia mais

ANEXO I PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE RELATÓRIO AMBIENTAL SIMPLIFICADO-RAS Conteúdo Mínimo

ANEXO I PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE RELATÓRIO AMBIENTAL SIMPLIFICADO-RAS Conteúdo Mínimo ANEXO I PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO AMBIENTAL SIMPLIFICADO-RAS Conteúdo Mínimo Este anexo apresenta o conteúdo mínimo para a elaboração do Relatório Ambiental Simplificado-RAS,

Leia mais

VOLUME V. Plano de Conservação dos Ecossistemas Terrestres

VOLUME V. Plano de Conservação dos Ecossistemas Terrestres VOLUME V Plano de Conservação dos Ecossistemas Terrestres Nota do IBAMA Esta fase do licenciamento ambiental Licença de Instalação se caracteriza pela análise, monitoramento e acompanhamento das ações

Leia mais

BIOLOGIA DA CONSERVAÇÃO IBB021. Por que é importante? Por que é necessário? Por que é importante? Conservação em Paisagens Modificadas pelo Homem

BIOLOGIA DA CONSERVAÇÃO IBB021. Por que é importante? Por que é necessário? Por que é importante? Conservação em Paisagens Modificadas pelo Homem BIOLOGIA DA CONSERVAÇÃO IBB021 Conservação em Paisagens Modificadas pelo Homem AULA 10 I. Planejamento e em Conservação - Planejamento Sistemático da Conservação - Conservação em nível de espécie, localidade

Leia mais

Localização sítios de Coletas. A Chapada dos Guimarães

Localização sítios de Coletas. A Chapada dos Guimarães Localização sítios de Coletas A Chapada dos Guimarães A região de Chapada dos Guimarães representa um importante patrimônio no Estado de Mato Grosso, tanto do ponto de vista ecológico, cultural e histórico,

Leia mais

As zonas húmidas são dos ecossistemas mais ricos e

As zonas húmidas são dos ecossistemas mais ricos e http://.azores.gov.pt Ilhéus da Formigas Ilha de Santa Maria Ribeiro do Engenho Concelho de Vila do Porto, Ilha de Santa Maria Lagoa de Santiago Concelho de Ponta Delgada, Ilha de S. Miguel As zonas húmidas

Leia mais

O PACUERA E SEUS DESAFIOS. Luciano Cota Diretor de Meio Ambiente

O PACUERA E SEUS DESAFIOS. Luciano Cota Diretor de Meio Ambiente O PACUERA E SEUS DESAFIOS Luciano Cota Diretor de Meio Ambiente USO DE RESERVATÓRIOS Na antiguidade Barragens construídas pelos egípcios na região do rio Nilo para se prevenirem de eventos hidrológicos

Leia mais

Perda e proteção de espécies. ConBio 2013

Perda e proteção de espécies. ConBio 2013 Perda e proteção de espécies ConBio 2013 Extinção = processo natural cada espécie tem um tempo de vida finito (em média 2-5 milhões de anos) Provavelmente, 96-98% de todas as espécies que já existiram

Leia mais

Curso Engenharia Ambiental e de Produção Disciplina: Ciências do Ambiente Profa Salete R. Vicentini Bióloga Educadora e Gestora Ambiental

Curso Engenharia Ambiental e de Produção Disciplina: Ciências do Ambiente Profa Salete R. Vicentini Bióloga Educadora e Gestora Ambiental Curso Engenharia Ambiental e de Produção Disciplina: Ciências do Ambiente Profa Salete R. Vicentini Bióloga Educadora e Gestora Ambiental São Luis de Paraitinga Poço da Borboleta Azul Foto Salete Vicentini

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 48, de 20 de novembro de 2014

DELIBERAÇÃO Nº 48, de 20 de novembro de 2014 DELIBERAÇÃO Nº 48, de 20 de novembro de 2014 Aprova os novos indicadores de potencialidade de conflito em substituição aos do Anexo III do Plano de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio Paranaíba,

Leia mais

Organização da Aula. Recuperação de Áreas Degradadas. Aula 6. Contextualização. Adequação Ambiental. Prof. Francisco W.

Organização da Aula. Recuperação de Áreas Degradadas. Aula 6. Contextualização. Adequação Ambiental. Prof. Francisco W. Recuperação de Áreas Degradadas Aula 6 Prof. Francisco W. von Hartenthal Organização da Aula Adequação Ambiental e Biologia da Conservação 1. Adequação Ambiental de Atividades Produtivas 2. Preservação,

Leia mais

FRAGMENTOS FLORESTAIS

FRAGMENTOS FLORESTAIS FRAGMENTOS FLORESTAIS O que sobrou da Mata Atlântica Ciclos econômicos 70% da população Menos de 7,4% e mesmo assim ameaçados de extinção. (SOS Mata Atlânitca, 2008) REMANESCENTES FLORESTAIS MATA ATLÂNTICA

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 39 2012 COORDENAÇÃO

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO FORUM - PERSPECTIVAS PARA O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO DIANTE DOS PROJETOS ESTRUTURANTES INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO COMPATIBILIZAÇÃO ENTRE A POLÍTICA ENERGÉTICA E MEIO AMBIENTE VICTOR ZULAR ZVEIBIL SECRETÁRIO

Leia mais

1 Biodiversidade espécies brasileiras ameaçadas de extinção, sobreexplotadas exploração

1 Biodiversidade espécies brasileiras ameaçadas de extinção, sobreexplotadas exploração Sumário 1Biodiversidade...2 1.1Estados Unidos Também é Rico em Biodiversidade...3 2 Principais Animais em Extinção no Mundo...5 3Principais Animais em Extinção no Brasil...5 3.1.1Tabela com nível desmatamento

Leia mais

Disciplinas Obrigatórias

Disciplinas Obrigatórias Disciplinas Obrigatórias Meio Ambiente, Ciência e Sociedade A natureza e os seus diferentes sentidos. Saber, ciência e epistemologia. Natureza e cultura.a importância das ciências naturais na leitura positivista

Leia mais

Definição Bio Diversidade Brasil Biomas Brasileiros Mata Atlântica

Definição Bio Diversidade Brasil Biomas Brasileiros Mata Atlântica UC, SNUC e o MoNa Marcelo Andrade Biólogo Secretaria Municipal de Meio Ambiente - SMAC Gestor do Monumento Natural dos Morros do Pão de Açúcar e da Urca Gestor do Parque Natural Municipal Paisagem Carioca

Leia mais

I Congreso Internacional de Biodiversidad del Escudo Guayanés Santa Elena de Uairén Venezuela de Marzo / 2006

I Congreso Internacional de Biodiversidad del Escudo Guayanés Santa Elena de Uairén Venezuela de Marzo / 2006 Biodiversidad (e ecosistemas) de las sabanas de rio Branco, Roraima, Brasil Dr. Reinaldo Imbrozio Barbosa INPA-Roraima I Congreso Internacional de Biodiversidad del Escudo Guayanés Santa Elena de Uairén

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes a partir

Leia mais

Conversando sobre o AHE BELO MONTE

Conversando sobre o AHE BELO MONTE Conversando sobre o AHE BELO MONTE Apresentadores Paulo Fernando Vieira Souto Rezende Coordenador dos Estudos do AHE Belo Monte - Eletrobrás Silviani Froehlich Gerente de Estudos e Projetos Ambientais

Leia mais

RESOLUÇÃO SMA-15 DE 13 DE MARÇO DE 2008.

RESOLUÇÃO SMA-15 DE 13 DE MARÇO DE 2008. PUBLICADA EM 14/03/88 SEÇÃO I PÁG.36 RESOLUÇÃO SMA-15 DE 13 DE MARÇO DE 2008. Dispõe sobre os critérios e parâmetros para concessão de autorização para supressão de vegetação nativa considerando as áreas

Leia mais

VOLUME II Introdução e enquadramento

VOLUME II Introdução e enquadramento #$ VOLUME I RELATÓRIO SÍNTESE VOLUME II Introdução e enquadramento Capítulo 1 Introdução Capítulo 2 - Enquadramento das Políticas e Instrumentos de Ordenamento Territorial VOLUME III PATRIMÓNIO NATURAL

Leia mais

Avaliação do impacto ambiental para um empreendimento ferroviário

Avaliação do impacto ambiental para um empreendimento ferroviário Avaliação do impacto ambiental para um empreendimento ferroviário TAV trecho: Campinas - Jundiaí Disciplina: IC559 - Instrumento de Gestão Ambiental em Transportes Prof a.dra. Maria Lucia Galves Discentes:

Leia mais

FSC : FLORESTAS E EMPRESAS

FSC : FLORESTAS E EMPRESAS FSC : FLORESTAS E EMPRESAS A CRIAR VALOR PARA O FUTURO Certificação FSC poderá um instrumento de mercado promover a conservação de espaços naturais? Agenda FSC FLORESTAS E EMPRESAS A CRIAR VALOR PARA O

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 3 DEFININDO ÁREAS DE ALTO VALOR DE CONSERVAÇÃO... 3 AVALIAÇÃO... 4 RESULTADO... 5 CONSULTA PÚBLICA... 7 REFERÊNCIAS...

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 3 DEFININDO ÁREAS DE ALTO VALOR DE CONSERVAÇÃO... 3 AVALIAÇÃO... 4 RESULTADO... 5 CONSULTA PÚBLICA... 7 REFERÊNCIAS... CONSULTA PÚBLICA AVALIAÇÃO DE ATRIBUTOS DE ALTO VALOR DE CONSERVAÇÃO 2016 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 3 DEFININDO ÁREAS DE ALTO VALOR DE CONSERVAÇÃO... 3 AVALIAÇÃO... 4 RESULTADO... 5 CONSULTA PÚBLICA... 7

Leia mais

68 Por Jussara Goyano (TEXTO), Otavio Marques (TEXTO e FOTOS) e Márcio Martins (FOTOS)

68  Por Jussara Goyano (TEXTO), Otavio Marques (TEXTO e FOTOS) e Márcio Martins (FOTOS) A Ilha das Cobras A Queimada Grande, conhecida como Ilha das Cobras, é um grande exemplo da complexa e intrincada relação de fatores a serem considerados na preservação de espécies Por Jussara Goyano (TEXTO),

Leia mais

-ECOLOGIA APLICADA. Espécies símbolos. Prevenção da Poluição. Conservação de áreas. Preservação da diversidade genética bbbb

-ECOLOGIA APLICADA. Espécies símbolos. Prevenção da Poluição. Conservação de áreas. Preservação da diversidade genética bbbb -ECOLOGIA APLICADA * É o estudo dos efeitos causados pelo homem nos sistemas ecológicos, e o consequente manejo desses sistemas e recursos em benefício da sociedade. Espécies símbolos Questões Prevenção

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina ENF389 Manejo de Fauna Silvestre

Programa Analítico de Disciplina ENF389 Manejo de Fauna Silvestre 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Engenharia Florestal - Centro de Ciências Agrárias Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal 2 2 Períodos

Leia mais

EFEITO DA URBANIZAÇÃO SOBRE A FAUNA DE INSETOS AQUÁTICOS DE UM RIACHO DE DOURADOS, MATO GROSSO DO SUL

EFEITO DA URBANIZAÇÃO SOBRE A FAUNA DE INSETOS AQUÁTICOS DE UM RIACHO DE DOURADOS, MATO GROSSO DO SUL EFEITO DA URBANIZAÇÃO SOBRE A FAUNA DE INSETOS AQUÁTICOS DE UM RIACHO DE DOURADOS, MATO GROSSO DO SUL Joab Pires Santana 1 ; Emerson Machado de Carvalho 2 1 Graduando do curso de Ciências Biológicas e

Leia mais

Unidades de Conservação

Unidades de Conservação Unidades de Conservação Unidades de conservação Unidades de conservação Um dos mais significativos programas de conservação ambiental está sendo implantado pela CESP; porém, poucas pessoas podem perceber

Leia mais

Companhia Hidrelétrica Teles Pires Usina Hidrelétrica Teles Pires. Energia Eficiente!

Companhia Hidrelétrica Teles Pires Usina Hidrelétrica Teles Pires. Energia Eficiente! Companhia Hidrelétrica Teles Pires Usina Hidrelétrica Teles Pires Energia Eficiente! COMPOSIÇÃO ACIONÁRIA A UHE Teles Pires tem sua estruturação formada pelas maiores empresas do setor elétrico brasileiro

Leia mais

Reserva Particular do. Patrimônio Natural

Reserva Particular do. Patrimônio Natural A Biodiversidade nas Áreas Reserva Particular do da Veracel Patrimônio Natural Virgínia Londe de Camargos Especialista Ambiental Veracel Celulose S.A. ESTAÇÃ VERACEL Para conservar é preciso conhecer...

Leia mais

Terminologia, Conceitos, definições e esclarecimentos...

Terminologia, Conceitos, definições e esclarecimentos... Terminologia, Conceitos, definições e esclarecimentos......para facilitar a comunicação sobre o Código Florestal Brasileiro!!! por Renata Evangelista de Oliveira FCA-UNESP- Doutorado em Ciência Florestal

Leia mais

PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 4.8 Programa de Acompanhamento e Resgate de Fauna durante a Limpeza e Enchimento da Área do Reservatório NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas...

Leia mais

DISCIPLINA DE CIÊNCIAS

DISCIPLINA DE CIÊNCIAS DISCIPLINA DE CIÊNCIAS OBJETIVOS: 1º ano Propiciar o contato e a interação dos estudantes com determinado fenômeno para que ele participe da natureza vivenciando e ensinando a preservar o meio em que vive.

Leia mais

Distribuição Potencial de Peixes em Bacias Hidrográficas

Distribuição Potencial de Peixes em Bacias Hidrográficas Boas Práticas em Conservação e Manejo da Ictiofauna em Minas Gerais Distribuição Potencial de Peixes em Bacias Hidrográficas Ricardo Oliveira Latini Belo Horizonte / 2011 Foto: Fernando Alves Nicho ecológico

Leia mais

PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E IMPACTOS SOBRE A ICTIOFAUNA

PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E IMPACTOS SOBRE A ICTIOFAUNA Seminário Implantação de Pequenas Centrais Hidrelétricas: Impactos Ambientais e Conflitos Sócio-econômicos PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E IMPACTOS SOBRE A ICTIOFAUNA Luiz Gustavo M. da Silva Universidade

Leia mais

Organização da Aula. Recuperação de Áreas Degradas. Aula 2. Matas Ciliares: Nomenclatura e Conceito. Contextualização

Organização da Aula. Recuperação de Áreas Degradas. Aula 2. Matas Ciliares: Nomenclatura e Conceito. Contextualização Recuperação de Áreas Degradas Aula 2 Prof. Prof. Francisco W. von Hartenthal Organização da Aula Conceito, Importância e Recuperação da Mata Ciliar 1.Conceitos e funções da mata ciliar 2.Cenário de degradação

Leia mais

Introdução. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Introdução. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Introdução Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira 2/21 Multidisciplinaridade Caráter multidisciplinar do conhecimento envolvido na construção de barragens: Topografia e Geodésia Hidrologia e Hidráulica Modelagens

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº 05, DE

INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº 05, DE INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº 05, DE 20-04-2011 DOU 25-04-2011 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁ- VEIS - IBAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014

Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014 Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014 1 Sumário Executivo Apresentação A Bacia Hidrográfica do Alto

Leia mais

Sociedade da Água Consultoria Ambiental Ltda UHE Baixo Iguaçu Estudo de Impacto Ambiental. Capítulo XIV- Prognóstico Ambiental

Sociedade da Água Consultoria Ambiental Ltda UHE Baixo Iguaçu Estudo de Impacto Ambiental. Capítulo XIV- Prognóstico Ambiental Sociedade da Água Consultoria Ambiental Ltda UHE Baixo Iguaçu Estudo de Impacto Ambiental Capítulo XIV- Prognóstico Ambiental Curitiba, Abril de 2008 XIV - 2 Sumário p. 1 - A região sem o empreendimento...3

Leia mais

AS GRANDES HIDRELÉTRICAS E NOVOS PARADIGMAS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO

AS GRANDES HIDRELÉTRICAS E NOVOS PARADIGMAS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO AS GRANDES HIDRELÉTRICAS E NOVOS PARADIGMAS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO Luiz Gabriel Todt de Azevedo Diretor de Sustentabilidade da Odebrecht Infraestrutura Presidente da ABRH Associação Brasileira de Recursos

Leia mais

Oficina. Grandes Obras na Amazônia. Tema 5: Ordenamento Territorial e Biodiversidade *Síntese* Ane Alencar Paulo Moutinho e Raissa Guerra

Oficina. Grandes Obras na Amazônia. Tema 5: Ordenamento Territorial e Biodiversidade *Síntese* Ane Alencar Paulo Moutinho e Raissa Guerra Oficina Grandes Obras na Amazônia Tema 5: Ordenamento Territorial e Biodiversidade *Síntese* Ane Alencar Paulo Moutinho e Raissa Guerra Rumo da discussão FORMULAÇÃO DE DIRETRIZES PARA POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE FAUNA COMO MEDIDA MITIGADORA E COMPENSATÓRIA DE IMPACTOS SOBRE O MEIO BIÓTICO

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE FAUNA COMO MEDIDA MITIGADORA E COMPENSATÓRIA DE IMPACTOS SOBRE O MEIO BIÓTICO PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE FAUNA COMO MEDIDA MITIGADORA E COMPENSATÓRIA DE IMPACTOS SOBRE O MEIO BIÓTICO Juliana Narita 1,2, Amanda Santos Oehlmeyer 1,3, Francisco de Assis Alves 1,4 e Joan Ricardo Vetev

Leia mais

SNUC - SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SNUC - SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Prof. Dr. Thiago Leite Engenheiro Florestal (UnB-DF) Mestrado em Ciências Ambientais e Florestais com ênfase em Educação Ambiental (UnB-DF) Doutorado em Ciências Florestais com ênfase em Agroecologia (UnB-DF)

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2017 MESTRADO

PROCESSO SELETIVO 2017 MESTRADO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIODIVERSIDADE ANIMAL PROCESSO SELETIVO 2017 MESTRADO Prova Conhecimentos Específicos

Leia mais

OS BIOMAS. A Geografia Levada a Sério

OS BIOMAS.  A Geografia Levada a Sério OS BIOMAS 1 A MATA DE ONDE EU VIM 2003 Guilherme Arantes 2 A sabedoria da natureza é tal que não produz nada de supérfluo ou inútil. Nicolau Copérnico 3 Os Biomas A Paisagem é um conceito chave na ciência

Leia mais

12. PROGNÓSTICO AMBIENTAL

12. PROGNÓSTICO AMBIENTAL 12. PROGNÓSTICO AMBIENTAL A área de interesse para instalação do COMPLEXO EÓLICO PIAUÍ apresenta-se conservada em relação as suas feições naturais. Desta forma, a área guarda significativa importância

Leia mais

Das perspectivas sobre Biodiversidade aos propósitos de a ensinar. Rosalina Gabriel e Ana Moura Arroz

Das perspectivas sobre Biodiversidade aos propósitos de a ensinar. Rosalina Gabriel e Ana Moura Arroz Das perspectivas sobre Biodiversidade aos propósitos de a ensinar Rosalina Gabriel e Ana Moura Arroz Formação Biodiversidade e arte para docentes Centro Cultural, Angra do Heroísmo, 11 de Setembro de 2010

Leia mais

O PROGRAMA PEIXE VIVO

O PROGRAMA PEIXE VIVO O PROGRAMA PEIXE VIVO Programa Peixe Vivo O Programa Peixe Vivo foi lançado em junho de 2007 por iniciativa da Cemig. Ele prevê a criação e expansão de ações voltadas para a preservação da fauna aquática

Leia mais

Á REAS DE ALTO VALOR DE CONSERVAÇÃO

Á REAS DE ALTO VALOR DE CONSERVAÇÃO Á REAS DE ALTO VALOR DE CONSERVAÇÃO Gerência de Sustentabilidade São Paulo SP Abril/2017 LISTA DE SIGLAS AAVC UNF AVC FSC Áreas de Alto Valor de Conservação Unidade de Negócios Florestais Alto Valor de

Leia mais

I RELATÓRIO NACIONAL SOBRE GESTÃO E USO SUSTENTÁVEL DA FAUNA SILVESTRE

I RELATÓRIO NACIONAL SOBRE GESTÃO E USO SUSTENTÁVEL DA FAUNA SILVESTRE I RELATÓRIO NACIONAL SOBRE GESTÃO E USO SUSTENTÁVEL DA FAUNA SILVESTRE Objetivo Principal: Apresentar uma análise técnica sobre a atual situação da fauna silvestre e exótica no Brasil e suas implicações

Leia mais

PEA 3496 Energia e Meio Ambiente: Sistemas Energéticos e seus Efeitos Ambientais. Usinas Hidrelétricas. Prof. Marco Saidel

PEA 3496 Energia e Meio Ambiente: Sistemas Energéticos e seus Efeitos Ambientais. Usinas Hidrelétricas. Prof. Marco Saidel PEA 3496 Energia e Meio Ambiente: Sistemas Energéticos e seus Efeitos Ambientais Usinas Hidrelétricas Prof. Marco Saidel Geração hidrelétrica Conceitos básicos de hidrologia: Bacia hidrográfica Área da

Leia mais

Disciplina: Manejo de Fauna Professor ANTÔNIO L. RUAS NETO

Disciplina: Manejo de Fauna Professor ANTÔNIO L. RUAS NETO Disciplina: Manejo de Fauna Professor ANTÔNIO L. RUAS NETO Exercício: cada grupo escolherá um exemplo de espécie exótica invasora importante no Rio Grande do Sul e trabalhará com os subtemas: Classificação;

Leia mais

Licenciamento Ambiental de Empreendimentos Hidrelétricos no Brasil: Uma Contribuição para o Debate

Licenciamento Ambiental de Empreendimentos Hidrelétricos no Brasil: Uma Contribuição para o Debate Licenciamento Ambiental de Empreendimentos Hidrelétricos no Brasil: Uma Contribuição para o Debate XIV Reunião da ARIAE Salvador, BA Abril 2010 Garo Batmanian Banco Mundial Objetivos Contribuir para o

Leia mais