NEM AS MULHERES SÃO TÃO COMPLICADAS NEM OS HOMENS TÃO SIMPLES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NEM AS MULHERES SÃO TÃO COMPLICADAS NEM OS HOMENS TÃO SIMPLES"

Transcrição

1 NEM AS MULHERES SÃO TÃO COMPLICADAS NEM OS HOMENS TÃO SIMPLES 3

2 María Jesús Álava Reyes NEM AS MULHERES SÃO TÃO COMPLICADAS NEM OS HOMENS TÃO SIMPLES Tradução de Carlos Aboim de Brito 5

3 A Esfera dos Livros Rua Garrett, n.º 19 2.º A Lisboa Portugal Tel Fax Distribuição: Sodilivros, SA Praceta Quintinha, lote CC4 2.º Piso R/c e C/v Póvoa de Santo Adrião Tel Fax Reservados todos os direitos de acordo com a legislação em vigor Título da edição original: Amar sin sufrir María Jesús Álava Reyes, 2003 A Esfera dos Livros, ª edição: Janeiro de 2008 Capa: Compañia Fotos da capa: Brian Hagiwara/Age Foto Stock Revisão: Maria do Mar Liz Paginação: Júlio de Carvalho Impressão e acabamento: Gráfica Manuel Barbosa & Filhos Depósito legal n.º /07 ISBN:

4 A César García Fernández de Valderrama e a Conchita de Daniel. Todo o meu carinho e a minha admiração perante a grandeza do vosso amor. 7

5 ÍNDICE Agradecimentos Introdução. Quando o amor nos faz sofrer Capítulo 1. Quando surgem as dúvidas Acabou o amor, o carinho? Ainda posso ter esperança? Vale a pena tentar? O caso de Ana e André Capítulo 2. As eternas queixas Como era tudo diferente no princípio! O caso de Madalena e Gonçalo Agora não sou feliz O caso de Fátima e Filipe Entre nós não há comunicação O caso de Beatriz e Bernardo Não há quem o/a entenda! O caso de Carmen e Carlos Não me sinto amada/o

6 O caso de Margarida e David Que pouco nos parecemos! O caso de Sandra e Gabriel Capítulo 3. Principais insatisfações Quem fica com a pior parte? As mulheres sentem que as ludibriaram! O caso de Helena e Humberto Alguns homens sentem-se muito pressionados O caso de João e Inês Por que já não me valoriza? O caso de Júlia e Xavier O que acontece com os filhos? Há alguma idade em que sofrem menos com a separação ou com os problemas de relação entre os pais? Capítulo 4. Por onde começar? Convém que nos familiarizemos com as nossas diferenças Os homens não são simples, são concretos As mulheres não são maçadoras, são expressivas A nossa afectividade é diferente As nossas necessidades são diferentes Capítulo 5. Como superar emoções que nos causam dor e como sair das crises? Quando surgem os primeiros sinais de alarme O caso de Laura e Lourenço Quando não recebemos o que esperamos O caso de Mónica e Manuel Quando nos sentimos injustamente tratados/as O caso de Maria e Rui Quando passamos da admiração ao sofrimento

7 O caso de Patrícia e Pedro Quando nos sentimos sozinhos/as e incompreendidos/as em momentos críticos A VIVÊNCIA DO ABORTO O caso de Rosa e Raul A SENSAÇÃO DE FRACASSO O caso de Teodoro e Teresa Quando ansiamos a liberdade O caso de Samuel e Sónia Capítulo 6. Como vencer as diferenças O que nos separa COMO ALCANÇAR ACORDOS RAZOÁVEIS O que nos aproxima O caso de Vitória e Luís Capítulo 7. Erros que devem ser evitados Estar sempre com o machado em riste Querer mudar o parceiro no fundamental Não esclarecer situações conflituosas Procurar impor a nossa opinião quando se trata de princípios fundamentais Continuar com o parceiro quando a relação está esgotada Permitir vexames ou ataques à nossa dignidade Utilizar os filhos contra o parceiro Esperar que as mulheres reajam como se fossem homens, ou os homens como se fossem mulheres Capítulo 8. Regras de ouro Não renunciemos a ser nós próprios! Não percamos a nossa identidade, a nossa autonomia e independência

8 Falemos positivamente e expressemos os nossos sentimentos a partir do afecto As diferenças aproximam-nos quando sabemos compreendê-las Não somos mártires, não actuemos como tal! Não nos deixemos manipular pelo parceiro ou pelo meio envolvente Capítulo 9. Reflexões finais A natureza não se enganou Mulheres/homens, para quem é mais difícil? Aproveitemos o melhor de nós! Anexos Principais registos mencionados no texto Algumas noções básicas sobre a ansiedade e o estresse Crenças irracionais mais comuns O que fazer quando estamos bloqueados? Paragem de pensamento Aprender a descontrair O auto-reforço Bibliografia

9 Agradecimentos OBRIGADA: A todas as pessoas que me ajudaram a descobrir, sentir, viver e partilhar os sentimentos e as emoções. 13

10 INTRODUÇÃO NEM AS MULHERES SÃO TÃO COMPLICADAS NEM OS HOMENS TÃO SIMPLES Frequentemente as mulheres pensam que os homens são demasiado simples e os homens crêem que as mulheres são muito complicadas. Na realidade mulheres e homens são diferentes, mas esta diferença, longe de constituir um impedimento para o amor, é a base para que possa funcionar a relação afectiva que é fulcral nas nossas vidas. No entanto, quando as dúvidas se instalam, os elementos do casal não sabem como actuar e o que era felicidade e alegria frequentemente transforma-se em desassossego ou dor. Noutros casos o amor termina em naufrágio e chega a frustração, inclusive o ressentimento e o desespero. Então sentem-se apanhadas pelo que consideram um equívoco, uma falha terrível na escolha da pessoa com quem quiseram partilhar a vida. O que aconteceu para que se tenha realizado essa mudança tão drástica, para que uma grande percentagem de casais confesse, ao fim de um certo tempo, que se enganou? Felizmente, nem todas as relações estão condenadas ao fracasso, mas quando as crises se sucedem, os sentimentos mais profundos parecem ser postos à prova. A sequência dos factos repete-se de forma constante e... 15

11 ... Por vezes, entre o amor e o desamor só há um passo, o passo do tempo. No princípio surge o amor e pode acontecer de forma imprevista. De repente sentimo-nos ultrapassados; aparecem novas e intensas sensações que nos surpreendem, nos enchem de incerteza e desassossego, de perguntas sem resposta, de dúvidas que nos sufocam.., de uma intranquilidade que dá lugar à felicidade mais intensa que nunca tínhamos experimentado, à emoção mais profunda e mais surpreendente, a uma infinidade de ilusões, de alegrias, de certezas e seguranças, de gozos partilhados e de paixões sem limites. Como nos sentimos bem nesses momentos! Mas quanta dor pode ocorrer ao fim de um certo tempo! O que acontece para se passar de um extremo ao outro, para saltar da cúspide da montanha para o fosso mais profundo? Chegaram ao desamor, ao desencanto, à decepção... ou sentimo-nos afogados pela incompreensão? O que está a falhar? Onde foi parar aquele carinho que parecia inesgotável, aquele afecto cheio de ternura e sensibilidade, aquela excitação que sentíamos ao ver ou pensar na outra pessoa? Como é possível que estas relações que pareciam eternas se tornem efémeras e que os casais que se sentiam tão seguros do seu amor, ao ponto de desejarem estar sempre juntos e unir-se em casamento, fracassem nos países ocidentais de forma tão estrepitosa? Destes, 50 por cento terminam em divórcio, mas quantos casais desejariam acabar com o pesadelo em que se converteu a sua convivência? Talvez a natureza esteja a fazer-nos passar um mau bocado e estejamos a empenhar-nos numa coisa impossível! Deveríamos assumir que os homens e as mulheres não são feitos para viver 16

12 juntos? Ou... talvez o falhanço radique em que as circunstâncias que hoje nos rodeiam são muito diferentes, as expectativas muito altas e as dificuldades demasiado profundas! O problema é dos homens? Das mulheres? Ou todos são vítimas? Afirmávamos em livros anteriores A Inutilidade do Sofrimento e A Arte de Arruinar a Sua Própria Vida que nunca nos tinham ensinado a relacionar-nos, comunicar de forma eficaz para deixarmos de sofrer inutilmente. Da mesma forma, por muito incrível que nos pareça, não nos mostraram, nem em pequenos, nem em adolescentes, nem em adultos, como as mulheres e os homens poderiam entender-se melhor. Por que nos faz sofrer o amor? É tão difícil entendermo-nos bem passadas as primeiras fases da relação? As respostas são muitas, mas seguramente a principal é porque não sabemos o que podemos esperar. Não sabemos como somos, como sentimos, em que nos parecemos, em que nos diferenciamos, o que nos afasta, o que nos aproxima, o que nos une, o que nos separa... A psicologia pode mostrar-nos tanto as causas que nos conduzem ao fracasso nas nossas relações, como as chaves que nos ajudem a superar as nossas diferenças. Num assunto tão importante como este, em que está em jogo a nossa felicidade, o conhecimento da psicologia do homem e da mulher pode ajudar-nos a entender-nos, a encontrar explicações para as nossas condutas tão díspares, para conseguir que actuemos a partir da lógica e do raciocínio, a partir da não exigência 17

13 de impossíveis, a partir da compreensão e da flexibilidade que dá o conhecimento mútuo. Podemos optar por seguir como até agora e sofrer inutilmente por causa da nossa ignorância; ou podemos descobrir as chaves que nos facultarão o porquê das nossas reacções, o entendimento das nossas condutas, os segredos dos nossos sentimentos... É certo que ainda podemos escolher: queremos continuar a construir muros intransponíveis ou preferimos suprimir os obstáculos que surgem continuamente no decurso das relações? Esperamos envelhecer para que, quando já não há remédio, a experiência nos mostre como poderíamos ter ultrapassado as nossas diferenças ou começamos hoje mesmo a ver com novos olhos, como olhos que nos permitam ver o que as nossas emoções nos esconderam? Neste livro vamos procurar aprender as chaves que nos explicam por que razão algumas relações podem ser salvas e por que razão devemos pôr termo a outras relações onde o desamor esteve presente, pelo menos num dos componentes do casal. Vamos procurar expor, de forma muito prática, os princípios psicológicos que nos ajudarão a explicar-nos situações difíceis, reacções imprevistas e condutas problemáticas. A leitura dos capítulos seguintes oferecer-nos-á certamente um novo prisma, em jeito de caleidoscópio, que nos permitirá analisar as relações afectivas a partir dos diferentes ângulos, formas e tonalidades em que podem desenvolver-se. As pessoas são tão complexas que vale a pena conhecer os segredos que nos ajudarão a entender-nos e a aceitar-nos. Como sempre, para facilitar a nossa compreensão, utilizaremos exemplos, casos que extraímos da nossa prática de psicologia. Logicamente, mudaremos alguns dados fundamentais, para que os protagonistas não possam ser identificados. 18

14 CAPÍTULO 1 QUANDO SURGEM AS DÚVIDAS Inevitavelmente, passado um certo tempo, começam as dúvidas e com elas a dor surge na relação. Em alguns casos terão decorrido apenas uns dias ou semanas, quando esse sentimento de inquietação começa a pairar sobre nós; noutros, essa emoção que nos perturba só surge passados vários meses, ou mesmo anos. As dúvidas podem chegar de repente ou pouco a pouco, quase imperceptivelmente. De qualquer forma, com a sua aterragem começam as incertezas e, quase sem nos darmos conta, esse sentimento que nos embargava e nos enchia de felicidade, dá lugar a um estado de excitação pouco agradável, no qual a ansiedade, ou mesmo a angústia, substituiu a ilusão e a alegria tão intensa da primeira fase do enamoramento. Os efeitos serão muito diferentes segundo o carácter e os antecedentes de cada um. As pessoas optimistas e seguras de si mesmas enfrentarão esta etapa com bom ânimo, tentarão superar as dificuldades e fá-lo-ão transmitindo alegria e esperança. Pelo contrário, as pessoas mais pessimistas ou que arrastem importantes desenganos amorosos viverão essas dúvidas a partir do medo, a partir desse sentimento tão profundo e irracional que paralisa e bloqueia e nos leva ao desencanto e à frustração. É como se tivessem estado num processo de permanente alarme, 19

15 no qual acabam por constatar que os seus temores tinham um claro fundamento. Cuidado com o pessimismo! Uma pessoa que, de repente, vê tudo negro tem poucas possibilidades de ser feliz de modo continuado. O pessimismo arrasta, o optimismo envolve, mas a relação de forças não está equilibrada. Quando surgem as dúvidas, o pessimista acabará com a paciência do optimista, antes deste conseguir que os medos e as inseguranças do pessimista dêem lugar à racionalidade e à objectividade dos factos. As reacções dependerão mais do carácter de cada um do que do facto de serem homens ou mulheres. É certo que as mulheres têm mais facilidade de chegar ao sonho e ao romantismo, mas a sensibilidade de alguns homens pode ser igualmente intensa, embora normalmente se manifeste de forma menos evidente. As causas que as dúvidas podem desencadear são tão diversas como complexas são as pessoas. Um comentário, uma atitude, uma conduta a que não tínhamos dado importância outras vezes, adquire de imediato um dramatismo que parece mover os alicerces mais profundos. Outras vezes, aparentemente não terá acontecido nada especial, mas os nossos pensamentos, de forma quase imperceptível, começarão a questionar o que o parceiro fez ou deixou de fazer, o que nós desejávamos que fizesse, o que julgamos que deveria ter ocorrido, o que o outro pode estar a pensar, o que não nos diz mas espera que nós adivinhemos, o que nos oculta... No fim, encontramo-nos no meio de uma grande tormenta originada por nós próprios. Nestes casos, o casal sofre um forte desgaste. Por um lado, a pessoa que não controla os seus pensamentos e não é consciente de que está a provocar emoções erradas, pede, exige ou espera o que o outro não pode 20

16 dar-lhe; e, de repente, o outro membro sente como que uma enxurrada, que não sabe donde veio, arrasta e faz naufragar a sua relação afectiva. Vêm frequentemente à consulta casais ou pessoas que se sentem derrotadas e cheias de sofrimento. Quando tentamos aprofundar as causas que originaram esse sofrimento, surgem as perguntas sem resposta; multiplicam-se as dúvidas e vacilações; um e outro procuram desesperadamente o que mudou a sua relação e, em muitos casos, acabam por dizer algo semelhante ao seguinte: «Um dia, quase sem me dar conta, descobri que tudo tinha mudado, que já não me sentia amado/a, que não esperava com impaciência o momento de nos vermos, que não gostava do que ele/ela fazia; que o que antes me era simpático agora incomodava-me; que a sua atitude era egoísta, que eu já não lhe interessava...» Outras vezes, simplesmente, um dos dois manifesta que «o amor terminou e já não é possível dar-lhe mais voltas». Conviria matizar muito o que é o amor, o enamoramento, a paixão, o carinho, a afectividade... Iremos vendo ao longo do presente livro; agora vamos tentar decifrar algumas das perguntas que surgem continuamente quando aparecem as primeiras dúvidas e fá-lo-emos demarcando-as no seu sítio preciso, a partir das diferenças que costumam sentir homens e mulheres e da profundidade dessa sensibilidade única e irrepetível que cada pessoa tem. Uma das primeiras dúvidas é a seguinte: acabou o amor, o carinho? Acabou o amor, o carinho? Mais do que uma dúvida, muitas vezes parece um lamento. As expressões mais comuns são: «Como é possível que já tenha acabado o amor?!»; ou, o que é pior: «Mas por que durou tão pouco o seu amor?!» 21

17 Aqui, normalmente há uma diferença na forma de focar a situação, consoante se trate de um homem ou de uma mulher. Sem pretender generalizar, a maioria dos homens assume com menos resistências esta possibilidade. A sua natureza biológica, muito diferente da da mulher, leva-os a aceitar mais rapidamente que o amor pôde terminar. Eles costumam viver essa primeira fase de enamoramento, que por vezes confundem com paixão, com grande intensidade; mas também se esvaziam com maior facilidade. Certamente, os milhares de anos de história, em que as funções que os homens e as mulheres realizavam eram muito diferentes, condicionaram fortemente as suas emoções e sentimentos em relação ao amor. O homem dedicava-se habitualmente à guerra ou à caça, enquanto que a mulher cuidava da família e cultivava o campo. Neles tudo era acção, rapidez, força, luta, vitória, derrota, partidas, chegadas e recomeços. Nas mulheres predominava a atenção, a observação e o cuidado da prole e do resto da família, a paciência, a perseverança, o trabalho contínuo e em silêncio... e a longa espera do homem. Não devemos pensar que a marca que deixou em nós a conduta realizada durante milhares e milhares de anos desaparece da nossa base biológica em poucas décadas. Neste sentido, é paradoxal a pouca importância que se concedeu a este facto por parte da educação que recebemos; como é possível que mal nos tenham informado sobre estas profundas diferenças, que marcam em grande medida a vida e os sentimentos dos homens e das mulheres? Alguns aspectos parecem-nos tão evidentes que ninguém os põe em dúvida. Por exemplo, todos assumimos que os homens têm mais força física do que as mulheres, mas por que não sabemos claramente que os homens e as mulheres sentem o amor de maneira diferente? Cuidado! Não estou a dizer que uns o sentem com maior ou menor profundidade, mas sim que o vivem de forma diferente. 22

18 Tal como a nossa sexualidade é diferente, quando surgem as dúvidas nas relações amorosas ou afectivas, a nossa vivência também é díspar. Se o homem identificou amor com pulsão sexual, quando esta diminui com a passagem do tempo, ou porque ocorreram uma série de circunstâncias que condicionaram essa relação, pode pensar que já acabou o amor e, por conseguinte, muda a sua conduta ou as suas manifestações. As mulheres têm mais dificuldade em assumir que o amor acabou, porque o sentem de maneira diferente. Salvo certos casos, e em determinadas idades, para a mulher a sexualidade será mais um componente do amor, mas não o único, e muitas vezes nem sequer será o elemento crucial. A afectividade também é diferente e a mulher será especialmente sensível às manifestações de carinho, aos cuidados, aos mimos, atenções e pormenores por parte do seu parceiro. Para a mulher, o facto de sentir a ausência destas manifestações significa que ela ainda as espera; as suas dúvidas e angústias surgem ao constatar que o seu parceiro não parece sentir essa necessidade ou, o que por vezes é pior, não parece ser consciente de que ela está a sentir-se mal. Começam então as divergências insuperáveis e, sem querer, surgem as sementes do desencontro. A mulher, longe de pensar que o homem sente o amor de outra forma e manifesta-o de maneira diferente, começa a pedir e a exigir essas manifestações afectivas que tanto anseia e que nela estão unidas ao facto de sentir amor. Frequentemente, o homem fica surpreendido e sente-se constrangido a ter deteminadas manifestações afectivas que lhe são difíceis, pois muitas vezes não lhe surgem de forma espontânea. Por outro lado, o facto de se sentir «quase obrigado», longe de estimulá-lo ou de aproximá-lo afectivamente, provoca-lhe repulsa e distanciamento. As dúvidas sobre se acabou o amor ou o carinho muitas vezes não ocorreriam se ambos, homens e mulheres, conheces- 23

19 sem perfeitamente a forma de viver o amor de uns e outros; se soubessem pormenorizadamente as distintas fases que atravessam, a sequência de manifestações afectivas que se vão realizando, como podemos estimulá-las, o que faz que esse amor cresça todos os dias, o que o destrói, o que o potencia, o que o arruina... Mas os factos são o que são, dirão muitos leitores, e perguntar-se-ão o que fazer quando, no seu caso concreto, surgem essas dúvidas, essas terríveis perguntas que parecem marcar o final de uma etapa feliz. Vamos tentar dar resposta a essas situações difíceis que todos vivemos. Posteriormente, à medida que avançamos na leitura do livro, iremos conhecendo essas diferenças e singularidades que nos trarão mais luz a essas situações cheias de incerteza; entretanto, assinalaremos algumas chaves que nos podem ajudar nesses momentos: 1. Em qualquer relação afectiva, mais tarde ou mais cedo surgirão dúvidas. Quando chegarem, vivê-las-emos como mais uma parte do processo, não como o início de um final anunciado. 2. As dúvidas não são perigosas. Quando as recebemos sem angústia ajudam-nos a objectivar os nossos sentimentos e mostram-nos até que ponto controlamos ou não as nossas emoções. 3. Além de analisar o que está a acontecer, ajudar-nos-á muito sermos conscientes do que estamos a pensar. Já dissemos que os pensamentos são anteriores às emoções e, em grande medida, são os responsáveis do que sentimos em cada momento. Muitas vezes, os nossos esforços destinar- -se-ão a mudar os nossos pensamentos catastrofistas por outros mais realistas e mais racionais. Quando o fazemos, ficaremos surpreendidos por ver em que medida conseguimos melhorar o nosso estado de espírito. 24

20 4. É bom que guardemos distância da situação. Para esse efeito, podemos utilizar o registo * de conduta. Quando o preenchemos, sentimos como pouco a pouco a razão acaba por prevalecer sobre a emoção. Posteriormente, veremos o que podemos fazer para melhorar estas situações no futuro. Registo de conduta Nome Idade Dia/hora Situação Onde estão, quem e o que fazem Conduta problema O que faz ou diz o parceiro? (literalmente) Resposta tua ou de outras pessoas presentes (o que fazem ou dizem literalmente) * Os registos constituem uma ferramenta fundamental para o psicólogo, pois permitem-lhe ter uma radiografia muito completa da situação; graças aos registos sabemos o que está a acontecer, quando acontece, em que circunstâncias, como reagem as diferentes pessoas..., mas também são de grande ajuda para quem os realiza, pois começa a dar-se conta de uma série de factos que antes podiam ter-lhe passado despercebidos. Os registos são anotações «literais» do que se passa no meio familiar, social, laboral... do paciente. Desta forma, a avaliação será mais completa e permitir-nos-á ajustar ao máximo os nossos padrões de intervenção. Ajudam-nos a ser objectivos com os factos e, desde o princípio, tornam-nos conscientes das nossas próprias actuações, das condutas daqueles que nos rodeiam, de como reagimos perante os acontecimentos, de como influímos ou nos deixamos influenciar pelos outros... Nas situações de casal, os registos mostram-nos como reage cada um, em que circunstâncias ocorrem os momentos mais conflituosos, as acções que criam tensão no casal, as acções que desanuviam o ambiente, as que ajudam a estabelecer «pontes» entre os dois... Ao longo de uma intervenção psicológica, é normal pedirmos que nos façam diferentes tipos de registos, que nos ajudarão a avaliar as variáveis fundamentais do caso; da mesma forma, proporcionarão ao casal as chaves que antes tinham passado despercebidas. 25

21 5. Quando estivermos demasiado angustiados ou confusos perante estas dúvidas, será importante que nos concedamos um tempo de descanso. Se a situação o permitir, uns dias ou semanas sem ver o nosso parceiro podem ajudar- -nos a saber o que sentimos. Aqui, é provável que a outra pessoa não queira aceder a esta trégua, pois pode vivê-la como um distanciamento; será muito importante a forma como comunicamos essa decisão; fá-lo-emos com calma e com afecto, mas também com convicção, sem fazer marcha atrás. Da mesma forma que não podemos impor-nos um sentimento, devemos conceder-nos a tranquilidade e a distância que nos ajudarão a ver, sentir e analisar tanto a situação que vivemos, como o estado da nossa relação. Quando a situação torna muito difícil esta opção, porque vivem juntos e têm filhos em comum, procurar-se-á um acordo mínimo, que consistirá em que, vivendo juntos, se concederão «um tempo de descanso mútuo», em que não falarão sobre os sentimentos de cada um, tentarão não realizar actividades conjuntas, não terão relações íntimas Uma vez conseguida esta trégua, para que esta seja eficaz, numa primeira fase esforçar-nos-emos por ocupar a nossa mente em coisas diferentes; desta forma conseguiremos esse «distanciamento», que nos permitirá ver e analisar os nossos sentimentos e os factos com maior clareza. 7. Se depois desse período continuarmos a ter dúvidas, não forçaremos a relação; explicá-lo-emos ao nosso parceiro e tentaremos encontrar um acordo. Se o parceiro decidir que não quer esperar mais, estará no seu direito, mas afastaremos imediatamente da nossa mente os pensamentos de derrota ou fracasso. Um parceiro que decide não dar à outra pessoa a tranquilidade de que necessita nesse momento certamente não era o parceiro ideal para continuar a relação amorosa. 26

22 Quando o amor é autêntico, as pessoas com equilíbrio emocional sabem que não podem nem devem forçar as situações. O respeito e a confiança em nós mesmos e no nosso amor farão com que essas primeiras dúvidas sejam recebidas com calma. O conhecimento da singularidade da outra pessoa ajudar-nos-á a superar inquietações, a vencer temores e a estabelecer novos e frutíferos canais de comunicação. Se no final, com a tranquilidade que dá a convicção, decidimos que o amor acabou, não renegaremos este; pelo contrário, tentaremos extrair os ensinamentos e as vivências que nos deu, e fá-lo-emos não para as transladar para a relação seguinte, mas para avançar nessa aprendizagem particular que nos permitirá sentir-nos cada vez melhor connosco mesmos e com as vivências que teremos no futuro. Quando o carinho terminou, o melhor que podemos fazer é aperfeiçoarmo-nos; aperfeiçoarmo-nos na medida em que precisarmos disso. Para esse efeito, não nos censuraremos nem traremos à nossa mente acontecimentos dolorosos. Aperfeiçoarmo-nos é abraçarmo-nos e gostarmos de nós nesses momentos de solidão procurada ou forçada. No entanto, haverá casos em que ainda sentimos dúvidas e nos interrogamos: ainda posso ter esperança? Ainda posso ter esperança? Muitas pessoas interrogam-se frequentemente se ainda podem ter esperança. Os psicólogos sabem que antes de formularmos esta pergunta, deveríamos ter respondido a outra interrogação, que é prévia e, em grande medida, condiciona a resposta anterior. Só vale a pena falar de esperança naqueles casos em que a relação afectiva nos encheu de felicidade, mas também de segu- 27

23 rança e equilíbrio. Quando a incerteza e a insatisfação foram as constantes desse suposto amor, queremos que continue para quê? Para continuar a sofrer? Para esperar, contra todos os prognósticos, que a relação mude e que a outra pessoa se transforme no que desejaríamos e não no que é...? Com que frequência nos agarramos a relações equívocas! Enganamo-nos no início e, em vez de rectificarmos, pretendemos continuar a enganar-nos, reinventando os factos, transformando a realidade e esperando impossíveis. Quando a história passada nos trouxe sofrimento, um sofrimento inútil, causado não tanto pelas situações adversas, mas por pessoas que sentem, analisam, avaliam e estabelecem prioridades de maneira diferente, não vale a pena alimentar a esperança! Pelo contrário, quando ambos viveram uma relação tão intensa como partilhada, tão profunda de sentimentos como plena de generosidade, tão cheia de amor como de carinho, tão repleta de respeito como de admiração, VALE A PENA VOLTAR A TENTAR! E fá-lo-emos com uma única premissa: QUE O QUEIRAMOS OS DOIS! Que ambos estejamos no mesmo ponto de partida, que o desejemos com a mesma intensidade, que nenhum se sinta pressionado nem condicionado pelo outro, que o motor seja continuar a fazer crescer esse amor, que tanta felicidade nos proporcionou. Quando sentimos que a outra pessoa ainda nos ama como nós desejamos que nos ame, e que nós continuamos a sentir esse êxtase, que só alcançámos quando experimentámos o amor que nos enche de plenitude, então poderemos ter esperança e poremos todas as nossas energias para viver, se possível com mais plenitude, esse amor que tanto nos preenche. O contrário não tem sentido e, como afirmávamos antes, as mulheres, mais frequentemente do que os homens, tendem a 28

24 resistir e custa-lhes dar por terminada uma relação que está condenada ao fracasso. Numa tentativa tão estéril como dolorosa, desejam que volte a crescer o que já murchou há muito, ou até que nunca chegou a germinar, ou só existiu na sua imaginação. Deixemos a esperança para aquelas relações que podem desembocar em amor partilhado e em carinho mutuamente sentido; e preenchamos de não-esperança o que só pode conduzir-nos ao sofrimento e ao desencontro. Na mesma linha, podemos colocar-nos a seguinte pergunta: vale a pena tentar? Vale a pena tentar? Na realidade, na pergunta anterior já respondemos a esta interrogação. Como expúnhamos, só vale a pena quando o que vivemos nos encheu de satisfação, de equilíbrio e plenitude, e quando ambos ainda partilhamos o essencial do amor: leia-se o respeito, a generosidade, a admiração e o desejo de tentar ir ao fundo de nós mesmos, com o melhor que temos dentro. Não há esforço mais bem empregado do que aquele que é realizado para superar as dificuldades que todo o grande amor implica! E não há esforço mais vão do que aquele que é aplicado a sentimentos esgotados, a esperanças perdidas ou a emoções opostas. O caso de Ana e André pode ilustrar este capítulo. 29

25 A caso de Ana e André Ana e André vieram à consulta para ver se existia alguma possibilidade de recuperar a sua relação. A pessoa mais empenhada em tentá-lo até ao fim era Ana. André, pelo contrário, parecia convencido de que a sua relação tinha terminado há tempo, mas perante a pressão de Ana, tinha decidido ir à consulta; pensava que desta forma, pelo menos, não ouviria todos os dias as suas críticas e, além disso, no mais fundo de si mesmo, esperava que fosse um profissional a convencer a sua companheira do absurdo de empenhar-se num impossível. Ambos tinham mais de trinta anos, estavam bem colocados profissionalmente e arrastavam um longo historial de relações insatisfatórias, decepcionantes e pouco estáveis no tempo. Com estes antecedentes colocaram-se nas nossas mãos. Como sempre, depois da primeira entrevista, a primeira coisa que fizemos foi começar a trabalhar separadamente com cada um deles. Normalmente, os casais esperam que comecemos a trabalhar com os dois juntos desde o primeiro dia, mas não tem muito sentido repetir no âmbito da consulta as situações e as discussões que ocorrem no casal, se antes não trabalharmos com eles a maneira de focar e analisar o problema. Só voltamos a juntá-los quando constatámos que cada um compreende perfeitamente o que aconteceu, qual é a origem das dificuldades que tiveram, por que razão a outra pessoa reage como o faz e, o que é mais importante, como deve abordar, a partir de agora, a relação com o parceiro. Depressa vimos que André já não estava enamorado de Ana, que no melhor dos casos sentia um certo carinho e pena por ela, mas nada parecido com o amor que é capaz de superar dificuldades e desencontros. Ana também não estava enamorada de André, mas não se resignava a perdê-lo. Tinha recriado uma imagem que em nada 30

A vivência na conjugalidade é todo um processo que engloba outros processos como a intimidade, a vida sexual, o trabalho, a procriação, a partilha

A vivência na conjugalidade é todo um processo que engloba outros processos como a intimidade, a vida sexual, o trabalho, a procriação, a partilha Existe um facto para o qual também devemos dar atenção: o agressor poderá estar numa posição de solidão. Poucos serão os agressores que terão a consciência do problema que têm, a agressividade que não

Leia mais

Aqui estão algumas dicas, diretrizes, e questões a considerar para pessoas que estão iniciando no mundo poli.

Aqui estão algumas dicas, diretrizes, e questões a considerar para pessoas que estão iniciando no mundo poli. Então você quer experimentar o poliamor Ginny Brown, 7 de abril de 2014, Everyday Feminism http://everydayfeminism.com/2014/04/so-you-want-to-try-polyamory/ Então você tem lido sobre poliamor e decidiu

Leia mais

ADOLESCÊNCIA SEXUALIDADE

ADOLESCÊNCIA SEXUALIDADE ADOLESCÊNCIA E SEXUALIDADE Adolescência É o período de transição entre a infância e a idade adulta. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS),o período da adolescência situa-se entre os 10 e os 20 anos.

Leia mais

Relacionamentos felizes num mundo sem fronteiras

Relacionamentos felizes num mundo sem fronteiras Relacionamentos felizes num mundo sem fronteiras Num mundo onde a energia dos relacionamentos nos une e aproxima, por vezes somos levados a pensar que estamos longe e separados, cada um no seu mundinho,

Leia mais

[ADOPÇÃO POR CASAIS HOMOSSEXUAIS]

[ADOPÇÃO POR CASAIS HOMOSSEXUAIS] Moção Sectorial: [ADOPÇÃO POR CASAIS HOMOSSEXUAIS] Os interesses e os direitos das crianças são prioritários em relação a quaisquer outros. Por isso mesmo, a Juventude Socialista da FAUL tem a obrigação

Leia mais

Roteiro para ser feliz no amor

Roteiro para ser feliz no amor Flavio Gikovate Roteiro para ser feliz no amor 1.O amor é um sentimento que faz parte da "felicidade democrática", aquela que é acessível a todos nós. É democrática a felicidade que deriva de nos sentirmos

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

I Can Make You Happy. Dr. Hugh Willbourn. Filipa Rosário e João Paulo Oliveira. Inclui um CD de programação da mente GRÁTIS.

I Can Make You Happy. Dr. Hugh Willbourn. Filipa Rosário e João Paulo Oliveira. Inclui um CD de programação da mente GRÁTIS. I Can Make You Happy Editado por Dr. Hugh Willbourn Traduzido do inglês por Filipa Rosário e João Paulo Oliveira Inclui um CD de programação da mente GRÁTIS SOBRE O CD DE PROGRAMAÇÃO DA MENTE 7 CAPÍTULO

Leia mais

EDUCAR COM MINDFULNESS

EDUCAR COM MINDFULNESS MIKAELA ÖVÉN EDUCAR COM MINDFULNESS Guia de Parentalidade Consciente para pais e educadores Oo ÍNDICE INTRODUÇÃO: O maravilhoso mundo da parentalidade... 13 Seja um Detetive Mindful... 15 1. O caminho

Leia mais

100 FRASES para um dia mais feliz. de Ana Flávia Miziara

100 FRASES para um dia mais feliz. de Ana Flávia Miziara 100 FRASES para um dia mais feliz de Ana Flávia Miziara Você está alegre? A vida está sorrindo para você? Você se lembrou de sorrir hoje? Lembre-se que a alegria é a fartura da vida e da mente. A vida

Leia mais

SENDO UMA PESSOA MANSA E CONTROLADA.

SENDO UMA PESSOA MANSA E CONTROLADA. SENDO UMA PESSOA MANSA E CONTROLADA. Chegamos à reta final de nossa caminha de transformação, restando apenas os dois últimos gomos do Fruto do Espírito. Estes dois últimos gomos, são os mais difíceis

Leia mais

MULHERES QUE AMAM DE MAIS

MULHERES QUE AMAM DE MAIS ROBIN NORWOOD MULHERES QUE AMAM DE MAIS Tradução de Isabel Alves k Índice Agradecimentos........................................ 9 Prefácio............................................... 11 Introdução............................................

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Muito além do arco íris

Muito além do arco íris Muito além do arco íris amor, sexo e relacionamentos na terapia homoafetiva Klecius Borges muito Além do arco-íris Amor, sexo e relacionamentos na terapia homoafetiva Copyright 2013 by Klecius Borges Direitos

Leia mais

14 Dicas para Acabar com a Ansiedade e Depressão Despertar do Amor http://www.despertardoamor.com.br

14 Dicas para Acabar com a Ansiedade e Depressão Despertar do Amor http://www.despertardoamor.com.br 14 Dicas para Acabar com a Ansiedade e Depressão Despertar do Amor Este e-book é um dos BÔNUS que fazem parte do Processo Despertar do Amor. Para saber mais sobre este trabalho, acesse: INTRODUÇÃO O grande

Leia mais

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*)

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) 1 Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) Este trabalho prende-se com o estudo que fizemos na formação na área das Competências Interpessoais, sendo que o grande objectivo é o de sermos capazes, nas nossas

Leia mais

Vou embora ou fico? É melhor ir embora Estratégias de Evitamento

Vou embora ou fico? É melhor ir embora Estratégias de Evitamento Vou embora ou fico? É melhor ir embora Estratégias de Evitamento A única coisa a ter medo, é do próprio medo The only thing you have to fear is fear itself (Franklin D. Roosevelt) Alguma vez deixou de

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: Perda dos Entes Queridos. Palestrante: Mauro Operti. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.

Palestra Virtual. Tema: Perda dos Entes Queridos. Palestrante: Mauro Operti. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org. Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Perda dos Entes Queridos Palestrante: Mauro Operti Rio de Janeiro 08/05/1998 Organizadores da palestra: Moderador: Macroz (nick:

Leia mais

Dicas do que você deve fazer desde cedo para educar seu filho a ser determinado e capaz de conquistar o que ele deseja.

Dicas do que você deve fazer desde cedo para educar seu filho a ser determinado e capaz de conquistar o que ele deseja. Dicas do que você deve fazer desde cedo para educar seu filho a ser determinado e capaz de conquistar o que ele deseja. O primeiro passo para conquistar algo é acreditar que é possível. Se não, a pessoa

Leia mais

O papel das emoções na nossa vida

O papel das emoções na nossa vida O papel das emoções na nossa vida Ao longo da vida, os indivíduos deparam-se com uma variedade de situações que exigem o recurso a variadas competências de modo a conseguirem uma gestão eficaz das mesmas.

Leia mais

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS Autor e Consumador da Nossa Fé (Hebreus 12) Introdução: Para uma melhor compreensão do texto sobre o qual vamos meditar durante todo esse ano, é necessário observar que ele

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Como tornar a ansiedade nossa aliada?

Como tornar a ansiedade nossa aliada? Edifício do Colégio dos Jesuítas Rua do Castanheiro, Funchal E mail: servicoconsultapsicologica@uma.pt Workshop: 6 e 13 de Janeiro de 2010 Como tornar a ansiedade nossa aliada? A Ansiedade nos Exames *

Leia mais

Resiliência. Capacidade para superar os desafios da vida

Resiliência. Capacidade para superar os desafios da vida Resiliência Capacidade para superar os desafios da vida O que é resiliência? Resiliência pode ser definida como a capacidade de se renascer da adversidade fortalecido e com mais recursos. (...) Ela engloba

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ZERO Instruções REDAÇÃO Você deve desenvolver seu texto em um dos gêneros apresentados nas propostas de redação. O tema é único para as três propostas. O texto deve ser redigido em prosa. A fuga do tema

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com 5Passos fundamentais para Conseguir realizar todos os seus SONHOS Autora: Ana Rosa www.novavitacoaching.com O futuro pertence àqueles que acreditam na beleza dos seus sonhos! Eleanor Roosevelt CONSIDERA

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

Christian H. Godefroy

Christian H. Godefroy Christian H. Godefroy Tradução: Thérèse Como se libertar dos pensamentos negativos, com o método Vittoz Introdução Infelizmente, pensar negativamente contribui pouco para a nossa felicidade. O que acontece

Leia mais

3 mudanças internas que transformam sua vida para sempre

3 mudanças internas que transformam sua vida para sempre 3 mudanças internas que transformam sua vida para sempre Claudia Madureira e Anna Luyza Aguiar 2 Às vezes a vida nos entedia e nos pegamos procurando motivos para nos reenergizar. Nessa hora pensamos que

Leia mais

By Dr. Silvia Hartmann

By Dr. Silvia Hartmann The Emo trance Primer Portuguese By Dr. Silvia Hartmann Dra. Silvia Hartmann escreve: À medida em que nós estamos realizando novas e excitantes pesquisas; estudando aplicações especializadas e partindo

Leia mais

ENEAGRAMA E INTELIGÊNCIA EMOCIONAL

ENEAGRAMA E INTELIGÊNCIA EMOCIONAL ENEAGRAMA E INTELIGÊNCIA EMOCIONAL Desenvolver a Proactividade Consciente María Julieta Balart, Sócia Directora da Ágama Consultoria e Aprendizagem, S.L. No artigo anterior referimos que a solução para

Leia mais

A ARTE DA FELICIDADE Um manual para a vida

A ARTE DA FELICIDADE Um manual para a vida A ARTE DA FELICIDADE Um manual para a vida Dalai Lama Mensagem de Dalai Lama num contexto em que é possível entender, com a ajuda dos questionamentos de um psiquiatra ocidental Howard C. Cutler. Dalai

Leia mais

Ter um/a namorado/a pode ser um acontecimento verdadeiramente excitante, mas também um pouco assustador.

Ter um/a namorado/a pode ser um acontecimento verdadeiramente excitante, mas também um pouco assustador. Violência no namoro Ter um/a namorado/a pode ser um acontecimento verdadeiramente excitante, mas também um pouco assustador. Poderão surgir algumas DÚVIDAS e PREOCUPAÇÕES: Será que ele/ela gosta mesmo

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki Page 1 of 7 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia Cultural Educador: João Nascimento Borges Filho Poética & Filosofia

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

George Vittorio Szenészi

George Vittorio Szenészi A Semana > Entrevista N Edição: 2173 01.Jul.11-21:00 Atualizado em 07.Jul.11-15:47 George Vittorio Szenészi "Inteligência sem emoção não funciona" O psicoterapeuta diz como a capacidade de lidar bem com

Leia mais

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência)

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência) SEREI UM EMPREENDEDOR? Este questionário pretende estimular a sua reflexão sobre a sua chama empreendedora. A seguir encontrará algumas questões que poderão servir de parâmetro para a sua auto avaliação

Leia mais

A família e a sua capacidade de enfrentar desafios. Profª Dra. Rosa Maria S. de Macedo romacedo@pucsp.com.br

A família e a sua capacidade de enfrentar desafios. Profª Dra. Rosa Maria S. de Macedo romacedo@pucsp.com.br A família e a sua capacidade de enfrentar desafios Profª Dra. Rosa Maria S. de Macedo romacedo@pucsp.com.br Definições de família segundo Aurélio Pessoas aparentadas, que vivem em geral na mesma casa,

Leia mais

O segredo das Bem-Aventuranças

O segredo das Bem-Aventuranças O segredo das Bem-Aventuranças - Alegria e tranqüilidade de anunciar o Evangelho é saber que todas as vezes que temos contato com a Palavra de Jesus, não ouviremos absolutamente nada que possa ser contrário

Leia mais

Minha história rima com vitória!

Minha história rima com vitória! Minha história rima com vitória! www.juliofurtado.com.br 1 Conceito distorcido e perigoso difundido pela mídia e aceito pelas pessoas É a realização irrestrita do desejo individual. Desejos não são direitos!

Leia mais

CONHECENDO-SE MELHOR DESCOBRINDO-SE QUEM VOCÊ É? 13 PASSOS QUE VÃO AJUDÁ-LO PARA SE CONHECER MELHOR E DESCOBRIR QUE VOCÊ REALMENTE É

CONHECENDO-SE MELHOR DESCOBRINDO-SE QUEM VOCÊ É? 13 PASSOS QUE VÃO AJUDÁ-LO PARA SE CONHECER MELHOR E DESCOBRIR QUE VOCÊ REALMENTE É CONHECENDO-SE MELHOR DESCOBRINDO-SE QUEM VOCÊ É? 13 PASSOS QUE VÃO AJUDÁ-LO PARA SE CONHECER MELHOR E DESCOBRIR QUE VOCÊ REALMENTE É Descobrindo-se... Fácil é olhar à sua volta e descobrir o que há de

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2012 Boa noite, A todos os Portugueses desejo um Bom Ano Novo, feito de paz e de esperança. O ano que

Leia mais

Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam uma vaga?

Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam uma vaga? Abdias Aires 2º Ano EM Arthur Marques 2º Ano EM Luiz Gabriel 3º Ano EM Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam

Leia mais

A causa fundamental na mudança da personalidade

A causa fundamental na mudança da personalidade Psicólogo : Chang Kin Man Há dias atrás, fui ao casamento de um velho amigo meu. Durante o jantar, para além de termos podido apreciar as iguarias, ainda pudemos compartilhar a felicidade dos noivos, de

Leia mais

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas?????

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas????? Há 16 anos quando entrou na MK, a consagrada Diretora Nacional, Gloria Mayfield, não sabia como chegar ao topo, hoje ela dá o seguinte conselho. As lições que eu aprendi na Mary Kay para me tornar uma

Leia mais

Versão compacta para distribuição gratuita. Copyright 2014 Plenitude Soluções Empresariais. mecânicos, fotográficos, gravação ou quaisquer outros.

Versão compacta para distribuição gratuita. Copyright 2014 Plenitude Soluções Empresariais. mecânicos, fotográficos, gravação ou quaisquer outros. DESPERTE SEU PODER INTERIOR Marcia Luz www.marcialuz.com.br 1ª Edição Versão Beta 12/2014 Versão compacta para distribuição gratuita Copyright 2014 Plenitude Soluções Empresariais. Todos os direitos reservados

Leia mais

Duas faces, uma só Pessoa

Duas faces, uma só Pessoa P á g i n a 3 Duas faces, uma só Pessoa ANA LUÍSA RIBEIRO DOS SANTOS Ana Santos P á g i n a 4 FICHA TÉCNICA EDIÇÃO: Ana Santos TITULO: Duas faces, uma só pessoa AUTORA: Ana Santos IMAGEM DA CAPA: Capa:

Leia mais

A Importância da Família na Educação

A Importância da Família na Educação A Importância da Família na Educação Não caminhes à minha frente Posso não saber seguir-te. Não caminhes atrás de mim Posso não saber guiar-te. Educadora Social Dra. Joana Valente Caminha antes a meu lado

Leia mais

Sou a nona filha entre dez irmãos. Nasci numa cultura com padrões rígidos de comportamento e com pouco afeto. Quando eu estava com um ano e quatro meses, contraí poliomielite que me deixou com sequelas

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: O Homem Total. Palestrante: Luzia Ribamar. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.

Palestra Virtual. Tema: O Homem Total. Palestrante: Luzia Ribamar. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org. Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: O Homem Total Palestrante: Luzia Ribamar Rio de Janeiro 20/11/1998 Organizadores da Palestra: Moderador: "Brab" (nick: [Moderador])

Leia mais

Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade" A psicologia na disfunção sexual

Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade A psicologia na disfunção sexual Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade" A Psicologia faz parte integrante de todas as áreas exploradas, mas também pode funcionar de forma independente das restantes especialidades, ou

Leia mais

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor.

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor. Capítulo 2 Ela representa um desafio. O simbolismo existe nas imagens coloridas. As pessoas apaixonam-se e desapaixonam-se. Vão onde os corações se abrem. É previsível. Mereces um lugar no meu baloiço.

Leia mais

Uma palavra da velha guarda, com novo significado

Uma palavra da velha guarda, com novo significado Um Espaço Chamado Castidade 1 Uma palavra da velha guarda, com novo significado Se eu pedisse a você uma definição de castidade, posso até apostar que você associaria com esperar até o casamento para fazer

Leia mais

De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica

De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica Para as crianças, a família é a segurança, proteção, apoio, compreensão e a aceitação de que tanto necessitam. Pai e mãe são, com efeito,

Leia mais

LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas

LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores (Mateus 6:12). Esta é uma lição importante. Fixamos as condições para o nosso próprio

Leia mais

PADRE MARCELO ROSSI ÁGAPE

PADRE MARCELO ROSSI ÁGAPE PADRE MARCELO ROSSI ÁGAPE Oo Índice Prefácio, por Gabriel Chalita...11 Introdução...19 1 O Verbo divino...27 2 As bodas de Caná...35 3 A samaritana...41 4 Multiplicação dos pães...49 5 A mulher adúltera...55

Leia mais

Gung Ho! Numa organização ideal todos têm objectivos individuais, relacionais e organizacionais Will Shutz

Gung Ho! Numa organização ideal todos têm objectivos individuais, relacionais e organizacionais Will Shutz Gung Ho! Imagem de http://jpn.icicom.up.pt/imagens/educacao/estudar.jpg Numa organização ideal todos têm objectivos individuais, relacionais e organizacionais Will Shutz GUNG HO Gung Ho é a expressão chinesa

Leia mais

Nesse E-Book você vai aprender a lidar com aquelas situações chatas da nossa vida como psicólogos iniciantes em que tudo parece dar errado!

Nesse E-Book você vai aprender a lidar com aquelas situações chatas da nossa vida como psicólogos iniciantes em que tudo parece dar errado! Nesse E-Book você vai aprender a lidar com aquelas situações chatas da nossa vida como psicólogos iniciantes em que tudo parece dar errado! Aqueles primeiros momentos em que tudo que fazemos na clínica

Leia mais

PILARES DA VIDA LIVRO DE POESIAS. Pensar, Refletir, Amar e ter Amigos é a Maneira do Ser Humano Viver.

PILARES DA VIDA LIVRO DE POESIAS. Pensar, Refletir, Amar e ter Amigos é a Maneira do Ser Humano Viver. PILARES DA VIDA LIVRO DE POESIAS Pensar, Refletir, Amar e ter Amigos é a Maneira do Ser Humano Viver. ELDER DE SOUZA PINTO CAPITULO I: REFLEXÕES E PENSAMENTOS A ARTE DE SER Ser é a arte de se inventar

Leia mais

Vêm agora a caminho, mas não deixa de esperar pelo pôr-do-sol

Vêm agora a caminho, mas não deixa de esperar pelo pôr-do-sol Capítulo 2 Onde estiveste, Caminhante? Porque voltaste? Porque queria ter a certeza que estavas bem. Em que posso ajudar-te? Vi-te em sonhos e estavas diferente? Sei que precisas de um amigo. Terei todo

Leia mais

GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL

GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL JUNHO 2013 ÍNDICE ÂMBITO... 3 INTRODUÇÃO... 4 COMO SE MANIFESTA

Leia mais

Rafael Siqueira 0 SUCESSO. é apenas seu! 5 passos para conquistar o caminho para o seu Sucesso!

Rafael Siqueira 0 SUCESSO. é apenas seu! 5 passos para conquistar o caminho para o seu Sucesso! 0 SUCESSO é apenas seu! 5 passos para conquistar o caminho para o seu Sucesso! 0 SUCESSO é apenas seu! 5 passos para conquistar o caminho para o seu Sucesso! Versão 1.0 Introdução: Acredito que o processo

Leia mais

Sentir- se mal não é tão difícil

Sentir- se mal não é tão difícil 3 artigos sobre o Gerenciamento das Emoções Por Andrês De Nuccio Sentir- se mal não é tão difícil Li esses dias uma história segundo a qual uma senhora, preparando- se para sair, trocava diversas vezes

Leia mais

Portugal em Linha - a Comunidade Lusófona online

Portugal em Linha - a Comunidade Lusófona online Arte de Conviver Aprendi que conviver é uma difícil arte, que nos faz perceber que nem sempre temos por perto uma pessoa em quem podemos realmente confiar, mas a pessoa que está perto de nós sempre pode

Leia mais

CÁBULA DO ESTUDANTE ANSIOSO OU DEPRIMIDO

CÁBULA DO ESTUDANTE ANSIOSO OU DEPRIMIDO CÁBULA DO ESTUDANTE ANSIOSO OU DEPRIMIDO REGRA DE OURO Nº 1: NÃO ENTRAR EM PÂNICO! REGRA DE OURO Nº 2: se não conseguir cumprir a regra nº 1, releia a cábula. REGRA DE OURO Nº 3: se continuar a não conseguir

Leia mais

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO HISTÓRIA BÍBLICA: Mateus 18:23-34 Nesta lição, as crianças vão ouvir a Parábola do Servo Que Não Perdoou. Certo rei reuniu todas as pessoas que lhe deviam dinheiro.

Leia mais

Modelos de Mensagens para Homenagens Mais Utilizadas

Modelos de Mensagens para Homenagens Mais Utilizadas 1012. Stylo Formaturas Produtora Agenciamento e Produção de Formaturas A jornada pareceu árdua e difícil... O desânimo tentou se apossar por vezes... Entretanto, o lembrar de suas faces preocupadas E tanto

Leia mais

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS QUE OPORTUNIDADES PÓS-LICENCIATURA ESPERAM? EXPECTATIVAS QUE INQUIETAÇÕES TÊM OS ALUNOS DE DC? MADALENA : M QUAL É A TUA PERSPECTIVA DO MERCADO

Leia mais

Entrevista 2.21- Vera

Entrevista 2.21- Vera Entrevista 2.21- Vera (Bloco A - Legitimação da entrevista onde se clarificam os objectivos do estudo, se contextualiza a realização do estudo e participação dos sujeitos e se obtém o seu consentimento)

Leia mais

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus 1ª Carta de João A Palavra da Vida 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e o que as nossas mãos apalparam da Palavra da Vida 2 vida esta que

Leia mais

U m h o m e m q u e v i v e u c o m o e x e m p l o r e a l d e t u d o a q u i l o q u e t r a n s m i t i u e m s u a s m e n s a g e n s...

U m h o m e m q u e v i v e u c o m o e x e m p l o r e a l d e t u d o a q u i l o q u e t r a n s m i t i u e m s u a s m e n s a g e n s... U m h o m e m q u e v i v e u c o m o e x e m p l o r e a l d e t u d o a q u i l o q u e t r a n s m i t i u e m s u a s m e n s a g e n s... Aqui não estão as mensagens mediúnicas, mas algumas palavras

Leia mais

Mensagem do 1º de Dezembro

Mensagem do 1º de Dezembro Mensagem do 1º de Dezembro 2011 Por S.A.R. o Duque de Bragança Portugal atravessa uma das maiores crises da sua longa vida. Crise que, disfarçada por enganosas facilidades, foi silenciosamente avançando

Leia mais

Cântico: Dá-nos um coração

Cântico: Dá-nos um coração Cântico: Dá-nos um coração Refrão: Dá-nos um coração, grande para amar, Dá-nos um coração, forte para lutar. 1. Homens novos, criadores da história, construtores da nova humanidade; homens novos que vivem

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

7 E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e

7 E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e I João 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e as nossas mãos apalparam, a respeito do Verbo da vida 2 (pois a vida foi manifestada, e nós

Leia mais

Midas. Toque de. [entrevista]

Midas. Toque de. [entrevista] [entrevista] Toque de Midas Tem 29 anos, nasceu no Porto e é apostador profissional. Pelo menos, para o Estado inglês onde está colectado, porque para as finanças nacionais não passa de um indivíduo com

Leia mais

O DESEJO DE MORRER. A ideia do suicídio é uma grande consolação: ajuda a suportar muitas noites más. Suicídio

O DESEJO DE MORRER. A ideia do suicídio é uma grande consolação: ajuda a suportar muitas noites más. Suicídio O DESEJO DE MORRER A ideia do suicídio é uma grande consolação: ajuda a suportar muitas noites más Suicídio Os comportamentos suicidários constituem um flagelo da nossa sociedade contemporânea. Contudo,

Leia mais

Anjo Emprestado. Cristina Magalhães

Anjo Emprestado. Cristina Magalhães Anjo Emprestado Cristina Magalhães [uma chancela do grupo LeYa] Rua Cidade de Córdova, n. 2-2610 -038 Alfragide http://caderno.leya.com caderno@leya.pt 2011, Cristina Magalhães Todos os direitos reservados.

Leia mais

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F.

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F. FRUTO PROIBIDO FRUTO PROIBIDO 1 Cego, surdo e mudo (porque não?) 2 Mundo inteiro 3 Acordo a tempo 4 Contradição 5 A água não mata a fome 6 Quem és é quanto basta 7 Nascer de novo (és capaz de me encontrar)

Leia mais

PAI que ama e educa, este livro é para si.

PAI que ama e educa, este livro é para si. PAI que ama e educa, este livro é para si. Cada homem que tem filhos sente um desejo imenso de lhes dar amor, e vive com a responsabilidade de os educar bem, de forma positiva e atualizada. Ser verdadeiramente

Leia mais

Folheto Informativo, Vol. 4, n.º 21. idos pais. Associação

Folheto Informativo, Vol. 4, n.º 21. idos pais. Associação Folheto Informativo, Vol. 4, n.º 21. idos pais Associação promoção do desenvolvimento, tratamento e prevenção da saúde mental Associação Edição online gratuita i dos pais. Folheto Informativo. Vol. 4,

Leia mais

Introdução. Gerar vida sem sexualidade e viver. sem perceber que se está a gerar. Apenas uma instituição. a união sexual à procriação.

Introdução. Gerar vida sem sexualidade e viver. sem perceber que se está a gerar. Apenas uma instituição. a união sexual à procriação. Introdução A amplitude do conhecimento actual acerca da transmissão da vida alcança limites extraordinários. Existem já inúmeros mecanismos para evitar que surja a vida humana em consequência do amor conjugal

Leia mais

A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO. Romanos 15:13

A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO. Romanos 15:13 A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO Romanos 15:13 - Ora o Deus de esperança vos encha de toda a alegria e paz em crença, para que abundeis em esperança pela virtude do Espírito Santo. Só Deus pode nos dar uma

Leia mais

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer.

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. CAPITULO 3 Ele não é o Homem que eu pensei que era. Ele é como é. Não se julga um Homem pela sua aparência.. Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. Eu costumava saber como encontrar

Leia mais

Ansiedade em crianças e adolescentes

Ansiedade em crianças e adolescentes Ansiedade em crianças e adolescentes A ansiedade é uma parte normal do desenvolvimento das crianças. Contudo, algumas crianças/jovens sentem ansiedade de uma forma mais intensa e frequente do que a maioria

Leia mais

Gestão Eficaz de Queixas e Reclamações

Gestão Eficaz de Queixas e Reclamações Gestão Eficaz de Queixas e Reclamações Bem vindos Ana Santos Martins 1 A Imagem da Empresa e a Qualidade do Serviço (1/3) A Qualidade do Serviço ao Cliente é sem dúvida, a melhor Imagem que as empresas

Leia mais

NECESSIDADES BÁSICAS DA CRIANÇA

NECESSIDADES BÁSICAS DA CRIANÇA Criando Filhos Edificação da Família 45 Sétima Lição NECESSIDADES BÁSICAS DA CRIANÇA NECESSIDADES BÁSICAS DA CRIANÇA Todo ser humano tem necessidades que são básicas em sua vida. A primeira delas todos

Leia mais

Lausperene. Senhor Jesus, Eu creio que estais presente no pão da Eucaristia. Senhor, eu creio em Vós.

Lausperene. Senhor Jesus, Eu creio que estais presente no pão da Eucaristia. Senhor, eu creio em Vós. Lausperene Cântico: Dá-nos um coração Refrão: Dá-nos um coração, grande para amar, Dá-nos um coração, forte para lutar. 1. Homens novos, criadores da história, construtores da nova humanidade; homens novos

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BARCELONA *

DECLARAÇÃO DE BARCELONA * 14 A 19 DE NOVEMBRO DE 2007 DECLARAÇÃO DE BARCELONA * III CONGRESSO MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA Durante os dias 14 a 19 de Novembro de 2007, no marco do III Congresso Mundial

Leia mais

FEED FORWARD #31 SETEMBRO 2014. Coaching, a arte secreta de convidar a Felicidade

FEED FORWARD #31 SETEMBRO 2014. Coaching, a arte secreta de convidar a Felicidade WWW.MINDCOACH.PT FEED FORWARD Coaching, a arte secreta de convidar a Felicidade #31 SETEMBRO 2014 Alexandra Lemos Executive Coach International Coach Trainer da ICC para Portugal MAFALDA FERREIRA TERAPEUTA

Leia mais

Uma Simples Mudança Faz a Vida Fácil Capítulo 1

Uma Simples Mudança Faz a Vida Fácil Capítulo 1 Uma Simples Mudança Faz a Vida Fácil Capítulo 1 Eu convido você a uma maravilhosa jornada pela infinita fonte de paz, felicidade e habilidades que existe dentro de você. Esta é uma jornada que só você

Leia mais

Curso para Casais. Encontro 5: Relacionamento Conjugal. Curso para Casais Julho/2013 Página 1

Curso para Casais. Encontro 5: Relacionamento Conjugal. Curso para Casais Julho/2013 Página 1 Curso para Casais Encontro 5: Relacionamento Conjugal Curso para Casais Julho/2013 Página 1 Relacionamento Conjugal Não há nada mais belo do que a intimidade do casal quando há amor e respeito. Quando

Leia mais

i dos pais O SONO NAS CRIANÇAS QUAL A IMPORTÂNCIA DO SONO?

i dos pais O SONO NAS CRIANÇAS QUAL A IMPORTÂNCIA DO SONO? i dos pais O SONO NAS CRIANÇAS É importante perceber que à medida que as crianças crescem e se desenvolvem, a sua rotina do sono também muda. Assim, será possível que um recém-nascido possa dormir cerca

Leia mais

Sexualidade na infância Acção de Educação Parental

Sexualidade na infância Acção de Educação Parental Escola Básica 1º ciclo Prista Monteiro O que é a sexualidade? Sexualidade na infância Acção de Educação Parental A sexualidade tem uma vertente emocional, sendo um elemento essencial na formação da identidade

Leia mais

TESTEMUNHAS. atores e destinatários do projeto catequese/família

TESTEMUNHAS. atores e destinatários do projeto catequese/família TESTEMUNHAS atores e destinatários do projeto catequese/família Os testemunhos partilhados foram recolhidos a partir de um pequeno questionário realizado, no mês de maio de 2012, junto das famílias dos

Leia mais