Utilização de Critérios de Excelência como Referência no Desenvolvimento da Gestão de Águas do Paraíba

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Utilização de Critérios de Excelência como Referência no Desenvolvimento da Gestão de Águas do Paraíba"

Transcrição

1 Utilização de Critérios de Excelência como Referência no Desenvolvimento da Gestão de Águas do Paraíba Viviane Lanunce Paes Supervisora da Gestão Integrada - CAP Carlos Eduardo Tavares de Castro Superintendente -Saneamento Ambiental Águas do Brasil (SAAB).

2 Curriculum Autora: Viviane LanuncePaes Engenheira de Produção, Técnica em Química e Técnica em Segurança do Trabalho. Coordenação da Gestão Integrada e Representante da Direção de Águas do Paraíba S/A. Co-Autor: Carlos Eduardo Tavares de Castro Engenheiro Civil, Pós-graduadoem Gestão Financeira e Mestre em Engenharia de Produção pela PUC-Rio. Superintendente da SAAB.

3 DADOS GERAIS

4 OBJETIVO DO TRABALHO Descrever as práticas adotadas para melhoria contínua utilizando os Critérios de Excelência como referência, promovendo um desenvolvimento organizacional duradouro.

5 HISTÓRICO Substituição das redes de distribuição de água; Expansão de dezenas de quilômetro de redes de água e esgoto; Interligação de milhares de novos clientes aos sistemas de abastecimento e esgotamento sanitário; Duplicação da maior unidade de tratamento de água ETA Coroa 600 l/s por l/s; Construção das estações: São Sebastião, Boa Vista com capacidade de 180 l/s atendendo cerca de 50 mil; Construção e Inauguração da ETE Chatuba. Utilização de Ferramentas da Qualidade para o Auxilia na Gestão (Diagrama de Pareto e Curva ABC); Reuniões Gerenciais Periódicas.

6 Construção e Inauguração das ETE s: Guarus, Codin, Imperial e Donana; Construção da ETE Paraíba; Abastecimento do Distrito de Travessão; Construção do Reservatório Ceasa; Construção e Inauguração do Poço do Queimado (PAE); Mais extensão de rede e ligações de água e esgoto; Automação da ETA Coroa; Instalação de pontos remotos na distribuição de água; Implantação de um centro de Controle Operacional; Manutenção das Unidades de Tratamento de Água; Construção do tanque de Reuso de água filtrada na ETA Coroa; Tratamento e Destinação do lodo da ETA e ETE; Entre outras Melhorias.

7 CICLOS DE MELHORIAS Implantação da ISO 9001 Planejamento Estratégico Critérios de Excelência Melhoria Contínua

8 IMPLANTAÇÃO DA ISO 9001:2000 Padronização de Processos; Integração dos Processos; Elaboração da Política e Objetivos da Qualidade; Utilização de Indicadores e Metas; Definição de Competências, Capacitação e Treinamentos; Auditorias Internas e Externas.

9 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

10 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Divulgação dos Valores

12 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Análise Swot Estudo e Avaliação dos cenários Oportunidades e Ameaças/Forças e Fraquezas - para definição dos temas estratégicos (pilares estratégicos) da CAP.

13 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Mapa Estratégico, Objetivos, Indicadores e Metas

14 CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA MEG Modelo de Excelência em Gestão

15 Pensamento Sistêmico Aprendizado Organizacional Cultura de Inovação Liderança e Constância de Propósitos MEG Orientação por Processos e Informações Visão de Futuro Geração de Valor Valorização de Pessoas Conhecimento sobre Cliente e Mercado Desenvolvimento de Parcerias Responsabilidade Social

16 CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA 1. Liderança PE 2. Estratégias e Planos -PE 3. Clientes 4. Sociedade 5. Informação e Conhecimento 6. Pessoas 7. Processos 8. Resultados

17 Critério 1 - Liderança Aborda processos gerenciais relativos à orientação da organização à promoção da cultura da excelência; ao engajamento pelas lideranças, da força de trabalho e partes interessadas na sua causa e ao controle de resultados pela direção. Valores corporativos Estabelecimento de Missão e Visão Utilização do PE BSC Definição de Iniciativas e Planos Definição dos canais de comunicação com as partes interessadas na divulgação do PE Desenvolvimento das competências Cumprimento dos padrões de trabalho Melhoria no processo gerencial pelo aprendizado Avaliação de desempenho

18 Critério 2 Estratégias e Planos Aborda processos gerenciais relativos à concepção e execução das estratégias, incluindo aqueles referentes ao estabelecimento de metas e definição e ao acompanhamento de planos necessários para o êxito das estratégias. Definição de Estratégias Definição dos planos de ação Definição dos indicadores e metas Comunicação das estratégias Monitoramento da implementação dos planos de ação

19 CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA Critério 3 - Clientes Aborda os processos gerenciais relativos à identificação e ao tratamento de informações de clientes e mercado e clientes, atuais e potenciais. Segmentação de mercado Escritório de Negócios Definição dos clientes alvo Identificação das necessidades e expectativas Definição de melhorias dos processos Divulgação dos produtos e marcas aos clientes e mercados Tratamento de reclamações ou sugestões Avaliação da satisfação e da insatisfação

20 CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA Critério 4 - Sociedade Aborda processos gerenciais relativos ao respeito ao meio ambiente e tratamento das demandas da sociedade e ao desenvolvimento social das comunidades mais influenciadas pela organização. Utilização do LAIA e LPD Tratamento dos potenciais impactos Identificação e análise dos requisitos legais e regulamentares aplicáveis as questões sociais e ambientais Seleção e promoção de ações voluntárias com foco no desenvolvimento sustentável

21 CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA Critério 5 Informação e Conhecimento Aborda processos gerenciais relativos ao tratamento da demanda por informações e ao desenvolvimento dos ativos intangíveis geradores de diferenciais competitivos, especialmente os de conhecimento. Utilização dos sistemas de informação Tomada de decisões Infra-estruturapara disponibilização das informações aos usuários Garantia da segurança das informações Compartilhamento e retenção dos conhecimentos que sustentam o desenvolvimento da empresa

22 Critério 6 Pessoas Aborda os processos gerenciais relativos à configuração de equipes de alto desempenho, ao desenvolvimento de competências das pessoas e à manutenção do seu bem estar. Implementação da organização do trabalho Reconhecimento e incentivo no incentivo ao alcance de metas Identificação das necessidades de capacitação e desenvolvimento Eficácia do programa de capacitação e desenvolvimento LPD e tratamento dos potenciais riscos

23 Critério 7 - Processos Aborda processos gerenciais relativos aos processos principais do negócio e processos de apoio, tratando separadamente os relativos a fornecedores e os econômicos financeiros. Definição do mapa do negócio Mapeamento dos processos - SIPOC e a interação entre os processos Reuniões Gerenciais Análise Crítica Análise de Dados Desenvolvimento do PE e revisão anual Análise e melhoria dos processos (RAC e Auditorias) Qualificação do Prestador de Serviço Produtos críticos Mão de obra Aspectos relativos a saúde e segurança Elaboração e controle do orçamento e equilíbrio do fluxo financeiro

24 Critério 8 - Resultados Verifica e analisa os resultados da CAP e os referenciais comparativos pertinentes utilizando os indicadores de desempenho definidos na revisão do PE anual. Conjunto de Indicadores: Econômico Financeiro; Clientes; Sociedade; Pessoas; Processos; Fornecedores.

25 DIVULGAÇÃO A divulgação deste trabalho para toda empresa é realizada através de divulgação dos procedimentos, informe por , gestão a vista e dinâmicas envolvendo todos os processos.

26 TRABALHOS EXTERNOS Ações voluntárias Parcerias com secretarias estaduais e municipais

27 RESULTADOS OBTIDOS Fornecedores Qualificados Eficiência nos Processos Melhoria na Comunicação Interna Satisfação dos Clientes Gestão com Grandes Clientes Escritório de Negócios Bom Relacionamento com o Poder Concedente Imagem positiva perante a população Ganhos Intangíveis

28 Certificação ISO 9001:2000 Certificação ISO 9001:2008

29 Premiação do PNQS Prêmio Nacional de Qualidade em Saneamento Nível I 2010 Águas do Paraíba única empresa privada premiada Referência de Excelência no Estado do Rio de Janeiro

30 OBRIGADA! Viviane Lanunce Paes - Carlos Eduardo Tavares de Castro

Anderson Barbosa / Eleni Gentil / Telefone: /3878

Anderson Barbosa / Eleni Gentil   / Telefone: /3878 P-34 Desenvolvimento da Liderança para a Cultura da Excelência ML - Sabesp Anderson Barbosa / Eleni Gentil E-mail: andersonab@sabesp.com.br / egentil@sabesp.com.br Telefone: 2681.3796 /3878 PERFIL ML Características

Leia mais

CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA Prêmio Nacional da Qualidade. Jonas Lucio Maia

CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA Prêmio Nacional da Qualidade. Jonas Lucio Maia CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA 2006 Prêmio Nacional da Qualidade Jonas Lucio Maia Agenda Introdução Fundamentos da excelência Modelo de excelência Detalhamento dos critérios Pontuação Introdução Modelo sistêmico

Leia mais

A Importância da Liderança na Cultura da Excelência

A Importância da Liderança na Cultura da Excelência XIX Seminário de Boas Práticas CIC Caxias do Sul A Importância da Liderança na Cultura da Excelência Msc. Eng. Irene Szyszka 04/ABR/2013 O negócio, o mercado e a sociedade Pressão dos clientes e mercado;

Leia mais

Fundamentos Estratégicos

Fundamentos Estratégicos 1 Fundamentos Estratégicos MISSÃO Fornecer soluções e serviços em sistemas de suspensões, eixos e componentes para veículos comerciais com inovação, qualidade, segurança e sustentabilidade. VISÃO Ser reconhecida,

Leia mais

O desafio da transformação pela excelência em gestão

O desafio da transformação pela excelência em gestão O desafio da transformação pela excelência em gestão Conheça o novo Modelo de Excelência da Gestão - MEG 21ª Edição Gilmar Casagrande Sócio e Diretor da Casattos 23/08/2017 O PGQP, há 25 anos, mobiliza

Leia mais

Profª Mônica Suely G. de Araujo

Profª Mônica Suely G. de Araujo Profª Mônica Suely G. de Araujo Desempenho Características Confiabilidade Reputação 2 1 Durabilidade Utilidade Resposta Estética 3 Projeto Conformidade Capabi lidade Atendi mento ao Cliente Cultura da

Leia mais

Apresentação Cegelec. Apresentação Cegelec

Apresentação Cegelec. Apresentação Cegelec Apresentação Cegelec Apresentação Cegelec Brasil - Junho de 2007 Grupo Cegelec Nosso Grupo Colaboradores: 26.000 Faturamento: 2.6 bilhões de euros Atuação : + de 30 países Vendas por Setor Vendas por Região

Leia mais

OBJETIVOS. Dar a conhecer a estrutura do Modelo de Excelência de Gestão MEG. Refletir sobre o ciclo PDCL. Planejamento. Verificação Aprendizagem

OBJETIVOS. Dar a conhecer a estrutura do Modelo de Excelência de Gestão MEG. Refletir sobre o ciclo PDCL. Planejamento. Verificação Aprendizagem 1 OBJETIVOS Dar a conhecer a estrutura do Modelo de Excelência de Gestão MEG. Refletir sobre o ciclo PDCL Planejamento Execução Verificação Aprendizagem 2 INTRODUÇÃO Na aula passada, conhecemos os 11 Fundamentos

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA DA GESTÃO. Uma visão. gestão organizacional.

MODELO DE EXCELÊNCIA DA GESTÃO. Uma visão. gestão organizacional. MODELO DE EXCELÊNCIA DA GESTÃO Uma visão sistêmica da gestão organizacional. FUNDAMENTOS DA EXCELÊNCIA Pensamento Sistêmico Aprendizado organizacional Cultura de inovação Liderança e constância de propósitos

Leia mais

Departamento Municipal de Água e Esgotos DMAE

Departamento Municipal de Água e Esgotos DMAE Departamento Municipal de Água e Esgotos DMAE Porto Alegre: 1,4 milhão de habitantes (censo 2010) 100% da população com Água 80% de Capacidade de Tratamento de Esgoto 1.939 servidores ativos Um conjunto

Leia mais

Você sabe fazer a nova auto-avaliação? Conheça os atalhos Marcelo Kós Diretor Técnico de Assuntos Industriais - Abiquim

Você sabe fazer a nova auto-avaliação? Conheça os atalhos Marcelo Kós Diretor Técnico de Assuntos Industriais - Abiquim Você sabe fazer a nova auto-avaliação? Conheça os atalhos Marcelo Kós Diretor Técnico de Assuntos Industriais - Abiquim A Estrutura do Atuação Responsável Elemento Visão Missão Valores Princípios Diretrizes

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DA QUALIDADE: Benefícios e Aplicações Práticas

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DA QUALIDADE: Benefícios e Aplicações Práticas OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DA QUALIDADE: Benefícios e Aplicações Práticas Rev. 00 de Março/2013 1/208 1/ 42 Rodrigo Sousa Atuação: Instrutor de treinamentos Consultor e Auditor em Sistemas de Gestão da Qualidade

Leia mais

A DMA Consultoria e Treinamento é uma empresa que preza pelo desenvolvimento humano e pessoal, focado em diversas áreas da organização e do indivíduo.

A DMA Consultoria e Treinamento é uma empresa que preza pelo desenvolvimento humano e pessoal, focado em diversas áreas da organização e do indivíduo. A DMA Consultoria e Treinamento é uma empresa que preza pelo desenvolvimento humano e pessoal, focado em diversas áreas da organização e do indivíduo. A DMA acredita que um profissional capacitado e potencializado

Leia mais

COMITÊ REGIONAL DA QUALIDADE DE CACHOEIRA DO SUL

COMITÊ REGIONAL DA QUALIDADE DE CACHOEIRA DO SUL COMITÊ REGIONAL DA QUALIDADE DE CACHOEIRA DO SUL Planejamento Estratégico 2007/2009 COMITÊ REGIONAL DA QUALIDADE DE CACHOEIRA DO SUL NEGÓCIO Disseminar o Modelo de Excelência em Gestão Fornecedores PGQP

Leia mais

Ajudamos empresas a prosperar por meio da Excelência em Gestão. Novembro de 2015

Ajudamos empresas a prosperar por meio da Excelência em Gestão. Novembro de 2015 Ajudamos empresas a prosperar por meio da Excelência em Gestão Novembro de 2015 Sobre o IPEG Organização sem fins lucrativos Fundaçãoem2001 Leino11594/2003criaoPPQG Mais de 300 empresas reconhecidas 13

Leia mais

IX Seminário de Tecnologia em Saneamento Ambiental da Regional São Paulo

IX Seminário de Tecnologia em Saneamento Ambiental da Regional São Paulo (ISO Em Processo de Implantação) IX Seminário de Tecnologia em Saneamento Ambiental da Regional São Paulo Vantagens de um sistema de gestão da qualidade nos serviços de saneamento básico Manoel Carlos

Leia mais

Seminário de Desenvolvimento de Gestores de Programas e Projetos. Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento - PNQS

Seminário de Desenvolvimento de Gestores de Programas e Projetos. Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento - PNQS Seminário de Desenvolvimento de Gestores de Programas e Projetos Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento - PNQS CNQA - Comitê Nacional de Qualidade da ABES Existe uma crise de água no mundo hoje. Mas

Leia mais

1. CONCEITO. Melhorar continuamente processos, procedimentos e serviços SGI CREF13 BA/SE

1. CONCEITO. Melhorar continuamente processos, procedimentos e serviços SGI CREF13 BA/SE 1. CONCEITO Melhorar continuamente processos, procedimentos e serviços Praticar a responsabilidade social defendendo a sociedade e assumindo compromisso com o meio ambiente SGI CREF13 BA/SE Desenvolver

Leia mais

Sistemas de Gestão e Auditoria da Qualidade

Sistemas de Gestão e Auditoria da Qualidade 22/08/2012 Sistemas de Gestão e Auditoria da Qualidade Profº Spim 1 O Malcolm Baldrige National Quality Award ( Malcolm Baldrige) foi criado nos Estados Unidos em agosto de 1987 pelo presidente Ronald

Leia mais

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas;

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas; 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas do Sistema Eletrobrás, através da integração da logística de suprimento de bens e serviços, visando o fortalecimento de seu poder de compra

Leia mais

Promover a competitividade e o desenvolvimento dos pequenos negócios e fomentar o empreendedorismo para fortalecer a economia nacional

Promover a competitividade e o desenvolvimento dos pequenos negócios e fomentar o empreendedorismo para fortalecer a economia nacional Excelência na Gestão Desafio dos Pequenos Negócios INSTITUCIONAL SEBRAE MISSÃO Promover a competitividade e o desenvolvimento dos pequenos negócios e fomentar o empreendedorismo para fortalecer a economia

Leia mais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais Como as instituições financeiras devem tratar a gestão de riscos socioambientais? O crescente processo de

Leia mais

Rio de Janeiro 16/08/2011. Modelo de Excelência da Gestão (MEG) para Micro e Pequenas Empresas. Francisco Teixeira Neto

Rio de Janeiro 16/08/2011. Modelo de Excelência da Gestão (MEG) para Micro e Pequenas Empresas. Francisco Teixeira Neto Rio de Janeiro 16/08/2011 Modelo de Excelência da Gestão (MEG) para Micro e Pequenas Empresas Francisco Teixeira Neto Só gerencia quem mede! O que é o MPE Brasil? Ferramenta de Gestão para medir o grau

Leia mais

GESTÃO DE EXCELÊNCIA CONTEXTO SOCIAL, TECNOLÓGICO E ECONÔMICO CONTEXTO SOCIAL, TECNOLÓGICO E ECONÔMICO

GESTÃO DE EXCELÊNCIA CONTEXTO SOCIAL, TECNOLÓGICO E ECONÔMICO CONTEXTO SOCIAL, TECNOLÓGICO E ECONÔMICO VANTAGEM COMPETITIVA SUSTENTÁVEL PROF. ME. CARLOS WILLIAM DE CARVALHO UEG / UNUCSEH / ADMINISTRAÇÃO / CONSULTORIA ORGANIZACIONAL CONTEXTO SOCIAL, TECNOLÓGICO E ECONÔMICO Turbulência: o ambiente que as

Leia mais

Gestão da Qualidade na diálise como Ferramenta Gerencial

Gestão da Qualidade na diálise como Ferramenta Gerencial Gestão da Qualidade na diálise como Ferramenta Gerencial A busca da equipe Nefron pela Excelência Adm. Cristina Ferreira A EMPRESA NEFRON Ltda Sede: Rua PAULO D ASSUNÇÃO, 88 - JARDIM INDUSTRIAL - CONTAGEM

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Escritório de Gestão de Processos

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Escritório de Gestão de Processos - ANVISA Escritório de Gestão de Processos III Congresso Paraibano da Qualidade IV Seminário em Busca da Excelência João Pessoa - PB 25/08/2010 Cenário Desejado Cumprimento efetivo de sua missão Agência

Leia mais

Implantação de Sistema Gestão Integrado SGI integração dos Sistemas de Gestão da Qualidade. Gestão da Segurança e Saúde Ocupacional

Implantação de Sistema Gestão Integrado SGI integração dos Sistemas de Gestão da Qualidade. Gestão da Segurança e Saúde Ocupacional IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - QUALIDADE, MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL Empresa: Cristal Raidalva Rocha OBJETIVO Implantação de Sistema Gestão Integrado SGI integração dos

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Doutor em Engenharia de Computação Poli USP Mestre em Ciência da Informação PUCCAMP

BALANCED SCORECARD. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Doutor em Engenharia de Computação Poli USP Mestre em Ciência da Informação PUCCAMP BALANCED SCORECARD Prof. Dr. Adilson de Oliveira Doutor em Engenharia de Computação Poli USP Mestre em Ciência da Informação PUCCAMP Gestão Estratégica e BSC Balanced Scoredcard GESTÃO ESTRATÉGICA GESTÃO

Leia mais

RAD1504 GESTÃO DA QUALIDADE I

RAD1504 GESTÃO DA QUALIDADE I RAD1504 GESTÃO DA QUALIDADE I Modelos de excelência e modelos normatizados Prof. Dr. Erasmo José Gomes Profa. Dra. Márcia Mazzeo Grande TQM- Filosofia? Movimento? Abordagem de gestão? A gerência da qualidade

Leia mais

1.3 Consequências da adoção dos conceitos e premissas da Gestão da Qualidade; UNIDADE II? GURUS DA GESTÃO DA QUALIDADE E SUAS LINHAS DE PENSAMENTO

1.3 Consequências da adoção dos conceitos e premissas da Gestão da Qualidade; UNIDADE II? GURUS DA GESTÃO DA QUALIDADE E SUAS LINHAS DE PENSAMENTO Página: 1/5 GESTÃO DA QUALIDADE EMENTA Visão histórica da evolução da gestão empresarial e as contribuições das diversas escolas de administração para a gestão da qualidade As idéias, fundamentos e metodologias

Leia mais

OBJETIVOS DESTE ENCONTRO

OBJETIVOS DESTE ENCONTRO FNQ Interpretação dos Critérios de Excelência PRÊMIO QUALIDADE AMAZONAS - 2010 OBJETIVOS DESTE ENCONTRO Apresentar e facilitar o entendimento dos Critérios da Modalidade Gestão. Entender como demonstrar

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ARES-PCJ)

AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ARES-PCJ) AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ARES-PCJ) MARCOS LEGAIS CONSÓRCIO PÚBLICO - CONSTITUIÇÃO FEDERAL (Art. 241 - Emenda nº 19/1998) - LEI FEDERAL

Leia mais

MÓDULO XVIII PRÊMIO NACIONAL DA QUALIDADE PNQ

MÓDULO XVIII PRÊMIO NACIONAL DA QUALIDADE PNQ SISTEMA DE QUALIDADE EAD MÓDULO XVIII PRÊMIO NACIONAL DA QUALIDADE PNQ Nesse módulo iremos estudar o Modelo de Excelência Brasileiro, seus fundamentos, características e especificidades, abordando os critérios

Leia mais

Plataforma da Informação. Fundamentos da Excelência

Plataforma da Informação. Fundamentos da Excelência Plataforma da Informação Fundamentos da Excelência Modelo de Excelência em Gestão Fundamentos da Excelência O Modelo de Excelência em Gestão estimula e apoia as organizações no desenvolvimento e na evolução

Leia mais

A importância da liderança como diferencial competitivo. Leonardo Siqueira Borges 29 de Setembro de 2015

A importância da liderança como diferencial competitivo. Leonardo Siqueira Borges 29 de Setembro de 2015 A importância da liderança como diferencial competitivo Leonardo Siqueira Borges 29 de Setembro de 2015 Ellebe Treinamento em Gestão Organizacional A Ellebe atua em empresas públicas e privadas nas áreas

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI do MEC

Planejamento Estratégico de TI do MEC Planejamento Estratégico de TI do MEC Merched Cheheb de Oliveira Diretor Diretoria de Tecnologia da Informação Secretaria Executiva Ministério da Educação MEC E mail: merched.oliveira@mec.gov.br Outubro

Leia mais

Excelência na Gestão

Excelência na Gestão Mapa Estratégico 2012-2014 Visão Até 2014, ser referência no atendimento ao público, na fiscalização e na valorização das profissões tecnológicas, reconhecido pelos profissionais, empresas, instituições

Leia mais

Gestão Classe Mundial Excelência e Competitividade ao Alcance das Organizações

Gestão Classe Mundial Excelência e Competitividade ao Alcance das Organizações Gestão Classe Mundial Excelência e Competitividade ao Alcance das Organizações ACIJS 08/11/2005 Histórico Outubro 2003 - Núcleo Catarinense de CCQ, SENAI/SC e SEBRAE/SC iniciam o Projeto Programa Catarinense

Leia mais

Desenvolvimento de Negócios. Planejamento Estratégico Legal: da concepção à operacionalização Competências necessárias para o Gestor Legal

Desenvolvimento de Negócios. Planejamento Estratégico Legal: da concepção à operacionalização Competências necessárias para o Gestor Legal Desenvolvimento de Negócios Planejamento Estratégico Legal: da concepção à operacionalização Competências necessárias para o Gestor Legal Gestão Estratégica Para quê? Por Quê? Para fazer acontecer e trazer

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Resultados obtidos em 2016

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Resultados obtidos em 2016 Defendendo a Medicina, protegendo a sociedade PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Resultados obtidos em 2016 Curitiba, 27.03.2017 Produtos Etapas de trabalho: Plano de Trabalho Ajustado Capacitação dos Colaboradores

Leia mais

Capítulo 8 Análise crítica do desempenho global

Capítulo 8 Análise crítica do desempenho global Capítulo 8 Análise crítica do desempenho global Análise crítica do desempenho global da organização Considera a análise do desempenho global da organização e não o acompanhamento das atividades, processos

Leia mais

MODELO DE GESTÃO GERENCIAMENTO E MELHORIA DE PROCESSOS. Rio de Janeiro. 02 / setembro / 2009

MODELO DE GESTÃO GERENCIAMENTO E MELHORIA DE PROCESSOS. Rio de Janeiro. 02 / setembro / 2009 MODELO DE GESTÃO GERENCIAMENTO E MELHORIA DE PROCESSOS Rio de Janeiro 02 / setembro / 2009 OBJETIVO DA APRESENTAÇÃO Compartilhar a experiência na implantação de Modelo de Excelência da Gestão na Filial

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA Coordenadoria de Economia Mineral Diretoria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral Premissas do Desenvolvimento Sustentável Economicamente

Leia mais

Unimed 2ª Opinião ACREDITE: ESTÁ SURGINDO UMA NOVA UNIMED!

Unimed 2ª Opinião ACREDITE: ESTÁ SURGINDO UMA NOVA UNIMED! ACREDITE: ESTÁ SURGINDO UMA NOVA UNIMED! CONCEITO O Inova Unimed é um movimento de renovação que visa a modernização estrutural, operacional e administrativa da Unimed Vale do Aço. OBJETIVOS SATISFAZER

Leia mais

4ª Reunião de Especialistas sobre Consumo e Produção Sustentáveis da América Latina e Caribe

4ª Reunião de Especialistas sobre Consumo e Produção Sustentáveis da América Latina e Caribe 4ª Reunião de Especialistas sobre Consumo e Produção Sustentáveis da América Latina e Caribe Marcelo Kós Diretor Técnico de Assuntos Industriais Abiquim São Paulo, 18 de outubro de 2007 O Programa Atuação

Leia mais

Fundação Nacional da Qualidade: a excelência da gestão é a nossa causa 01/10/2015

Fundação Nacional da Qualidade: a excelência da gestão é a nossa causa 01/10/2015 Fundação Nacional da Qualidade: a excelência da gestão é a nossa causa 01/10/2015 Temas da apresentação Gestão, operação e capacitação para enfrentar os desafios do saneamento e enfrentar a crise hídrica.

Leia mais

Seja bem-vindo ao nosso Portfólio Digital. A Blueway Nossos diferenciais Clientes O que fazemos Contato

Seja bem-vindo ao nosso Portfólio Digital. A Blueway Nossos diferenciais Clientes O que fazemos Contato Seja bem-vindo ao nosso Portfólio Digital 1 2 3 4 A Blueway Nossos diferenciais Clientes O que fazemos Contato 1 Blueway Nossa organização Somos a Blueway, uma consultoria que atua na transformação organizacional

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG) CRITÉRIO 06 - PESSOAS

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG) CRITÉRIO 06 - PESSOAS MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG) CRITÉRIO 06 - PESSOAS A excelência em uma organização está relacionada à sua capacidade de perseguir seus propósitos, em completa harmonia com os complexos ecossistemas

Leia mais

Sistema de Gestão Integrado SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO COMO PILAR ESTRATÉGICO

Sistema de Gestão Integrado SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO COMO PILAR ESTRATÉGICO Sistema de Gestão Integrado SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO COMO PILAR ESTRATÉGICO 1 2 3 4 O contexto incentea DESAFIOS DO NEGÓCIO Um Sistema Integrado ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA A Segurança de Informação SUSTENTAÇÃO

Leia mais

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO VIA BSC

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO VIA BSC MEDIÇÃO DE DESEMPENHO VIA BSC Quais indicadores podem ser utilizados para avaliar um sistema operacional? Alguns Exemplos de Indicadores Qualidade; Eficiência Operacional; Grau de Inovação; Superávit;

Leia mais

Hospital Privado Capital Fechado com fins lucrativos Geral e de Médio Porte Selado Qualidade Programa CQH desde 2008 Média e alta complexidade 96

Hospital Privado Capital Fechado com fins lucrativos Geral e de Médio Porte Selado Qualidade Programa CQH desde 2008 Média e alta complexidade 96 Hospital Privado Capital Fechado com fins lucrativos Geral e de Médio Porte Selado Qualidade Programa CQH desde 2008 Média e alta complexidade 96 leitos 19 leitos de UTI 5 Salas Cirúrgicas 300 Cirurgias/mês

Leia mais

PLANO DE SANEAMENTO E ESTRATÉGIA PARA A UNIVERSALIZAÇÃO. Companhia Riograndense de Saneamento - Corsan. Junho/2017

PLANO DE SANEAMENTO E ESTRATÉGIA PARA A UNIVERSALIZAÇÃO. Companhia Riograndense de Saneamento - Corsan. Junho/2017 PLANO DE SANEAMENTO E ESTRATÉGIA PARA A UNIVERSALIZAÇÃO Companhia Riograndense de Saneamento - Corsan Junho/2017 PLANSAB Metas de universalização: Água : 100% em 2023 Esgoto: 92% em 2033 Perdas: 31% em

Leia mais

AULA 2. Foi fundada em 1991 para promover a produtividade e a competitividade pela disseminação do Modelo de Excelência da Gestão (MEG)...

AULA 2. Foi fundada em 1991 para promover a produtividade e a competitividade pela disseminação do Modelo de Excelência da Gestão (MEG)... .: ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO ::.. Prof. Leonardo Guimarães Garcia AULA 2 1 Sobre a Fundação Nacional da Qualidade (FNQ) 2 O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 3 Os 8 Fundamentos da Gestão

Leia mais

Atuação Responsável Compromisso com a sustentabilidade. Atuação Responsável Um compromisso da Indústria Química

Atuação Responsável Compromisso com a sustentabilidade. Atuação Responsável Um compromisso da Indústria Química Atuação Responsável Compromisso com a sustentabilidade O Atuação Responsável é uma ética empresarial, compartilhada pelas empresas associadas à Abiquim Missão do Atuação Responsável Promover o aperfeiçoamento

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Unidade 4: Implementação e controle do planejamento estratégico 1 SEÇÃO 4.1 A ESTRUTURA E A CULTURA ORGANIZACIONAL NA IMPLEMENTAÇÃO DA ESTRATÉGIA 2 Estrutura organizacional Especifica

Leia mais

Prof. Nicola Acquaviva Neto. Unidade I PRÁTICAS DE GESTÃO E

Prof. Nicola Acquaviva Neto. Unidade I PRÁTICAS DE GESTÃO E Prof. Nicola Acquaviva Neto Unidade I PRÁTICAS DE GESTÃO E RESULTADOS 1. Introdução Realizando as atividades sempre da mesma forma, você no máximo chegará aos mesmos resultados obtidos anteriormente, resultados

Leia mais

Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho

Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho O QUE É O MODELO O Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho é uma ferramenta de diagnóstico e auto-avaliação que propõe às indústrias brasileiras uma reflexão

Leia mais

INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES

INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES Vera M. L. Ponçano Rede de Saneamento e Abastecimento de Água Aracaju, 10 dezembro 2015 REDES: TECNOLÓGICAS TEMÁTICAS - PÚBLICAS FATORES DE INFLUÊNCIA: PESSOAL, SOCIAL, TECNOLÓGICO,

Leia mais

Sumário. 1. Política de Sustentabilidade da Rede D Or São Luiz Objetivos Abrangência Diretrizes...2

Sumário. 1. Política de Sustentabilidade da Rede D Or São Luiz Objetivos Abrangência Diretrizes...2 Rede D Or São Luiz Sumário 1. Política de Sustentabilidade da Rede D Or São Luiz...2 1.1. Objetivos...2 1.2. Abrangência...2 1.3. Diretrizes...2 Diretriz Econômica...2 Diretriz Social...3 Diretriz Ambiental...4

Leia mais

Gestão Estratégica Prof. Charles Pantoja Esteves

Gestão Estratégica Prof. Charles Pantoja Esteves Prof. Charles Pantoja Esteves Administrador de Empresas Analista de Sistemas Msc. PNL e Inteligência Emocional Desenvolvimento 1. Gestão Estratégia: O que é? 2. Direcionamento Estratégico: Conectando o

Leia mais

Evolução Histórica da Gestão Pública no Brasil

Evolução Histórica da Gestão Pública no Brasil UEG UnUCSEH CONSULTORIA ORGANIZACIONAL Gestão de Excelência PQSP Programa de Qualidade no Serviço Público 2 Evolução Histórica da Gestão Pública no Brasil 3 Gestão Pública e seus diferentes modelos Patrimonialista

Leia mais

Humberto de Sá Garay

Humberto de Sá Garay Humberto de Sá Garay Representantes Brasília- DF 15 Empresas Aproximadamente 100 consultores Planejamento e Gestão Estratégica Prospectiva Estratégica Inteligência Estratégica Projetos Internacionais Análise

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO: ISO 14001:2004 X ISO 14001:2015

QUADRO COMPARATIVO: ISO 14001:2004 X ISO 14001:2015 QUADRO COMPARATIVO: ISO 14001:2004 X ISO 14001:2015 ISO 14001:2004 ISO 14001:2015 Introdução Introdução 1.Escopo 1.Escopo 2.Referências normativas 2.Refências normativas 3.Termos e definições 3.Termos

Leia mais

Experiências do Saneamento Rural Espírito Santo PROGRAMA PRÓ-RURAL / CESAN. PAINEL II Modelos de Gestão em Saneamento Rural

Experiências do Saneamento Rural Espírito Santo PROGRAMA PRÓ-RURAL / CESAN. PAINEL II Modelos de Gestão em Saneamento Rural Experiências do Saneamento Rural Espírito Santo PROGRAMA PRÓ-RURAL / CESAN PAINEL II Modelos de Gestão em Saneamento Rural Estado do Espírito Santo Localização: Região sudeste, entre o RJ, MG e a BA Área:

Leia mais

ISO 10002:2014. Gestão da qualidade Satisfação dos clientes Linhas de orientação para tratamento de reclamações nas organizações

ISO 10002:2014. Gestão da qualidade Satisfação dos clientes Linhas de orientação para tratamento de reclamações nas organizações ISO 10002:2014 Gestão da qualidade Satisfação dos clientes Linhas de orientação para tratamento de reclamações nas organizações 0. OBJETIVOS 1. Benefícios da ISO 10002 2. Introdução 3. Objetivo e campo

Leia mais

Governança em TI na UFF. Modelo de Gestão da STI. Henrique Uzêda

Governança em TI na UFF. Modelo de Gestão da STI. Henrique Uzêda Governança em TI na UFF Modelo de Gestão da STI Henrique Uzêda henrique@sti.uff.br 2011-2013 Universidade Federal Fluminense 122 cursos de graduação e 359 de pós-graduação ~ 45.000 alunos de graduação

Leia mais

HOSPITAL SUSTENTÁVEL

HOSPITAL SUSTENTÁVEL HOSPITAL SUSTENTÁVEL QUEM SOMOS Ser uma instituição inovadora e resolutiva na assistência e promoção à saúde. Essa é a missão do Hospital Bandeirantes, que completa 70 anos em maio. Possui Centros de Referência

Leia mais

Modelo SENAI de Prospecção

Modelo SENAI de Prospecção Modelo SENAI de Prospecção Prospectiva Organizacional São Paulo, 20/3/17 UNIEPRO/DIRET Modelo SENAI de Prospecção Justificativa É longo o ciclo entre captar a demanda, transformar em desenho curricular,

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Profª Esp. Mônica Suely Guimarães de Araujo Conceito Logística são os processos da cadeia de suprimentos (supply chain) que planejam, estruturam e controlam, de forma eficiente e

Leia mais

Responsabilidade da Direção

Responsabilidade da Direção 5 Responsabilidade da Direção A gestão da qualidade na realização do produto depende da liderança da alta direção para o estabelecimento de uma cultura da qualidade, provisão de recursos e análise crítica

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Marcelo De Nardi Porto Alegre, 04 de julho de 2011. CONTEXTUALIZAÇÃO Poder Judiciário no Contexto da Gestão Pública Nacional Processos

Leia mais

VALORES Ética Parceria Inovação Excelência

VALORES Ética Parceria Inovação Excelência MISSÃO Incentivar e disseminar o uso de modelos sistêmicos para gerenciamento de processos e gestão organizacional, através da sensibilização, capacitação e reconhecendo os melhores desempenhos do Estado

Leia mais

Sem fronteiras para o conhecimento. Pacote Formação Especialista em Lean Manufacturing

Sem fronteiras para o conhecimento. Pacote Formação Especialista em Lean Manufacturing 1 Sem fronteiras para o conhecimento Pacote Formação Especialista em Lean Manufacturing 2 Seja um Especialista Lean Manufacturing O pacote de Formação de Especialista em Lean Manufacturing une a filosofia

Leia mais

Sustentabilidade nos negócios. Fernando Carvalho Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle

Sustentabilidade nos negócios. Fernando Carvalho Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle Sustentabilidade nos negócios Fernando Carvalho Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle Sustentabilidade nos Negócios Agenda Um pouco do do Bradesco Sustentabilidade e o Bradesco Planejamento

Leia mais

TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL. Gestão da Qualidade Aula 09 Prof. Ms. Claudemir Claudino Alves

TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL. Gestão da Qualidade Aula 09 Prof. Ms. Claudemir Claudino Alves TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Gestão da Qualidade Aula 09 Prof. Ms. Claudemir Claudino Alves Principios da Qualidade: I. Foco no Cliente; II. Liderança; III. Engajamento das pessoas; IV. Abordagem por

Leia mais

Recursos Hídricos. A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos

Recursos Hídricos. A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos 74 a Semana Oficial da Engenharia e da Agronomia Recursos Hídricos A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E QUALIDADE AMBIENTAL

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Economia Administração e Contabilidade

Universidade de São Paulo Faculdade de Economia Administração e Contabilidade Universidade de São Paulo Faculdade de Economia Administração e Contabilidade Exercício sobre o extrato do Artigo: Oliveira, G. & Martins, R. Efeitos da adoção do modelo do Prêmio Nacional da Qualidade

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Saúde

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Saúde CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Saúde Coordenação Acadêmica: Prof. Jamil Moysés Filho, Msc. Código SIGA: TMBAES*06_38 1 OBJETIVO: Ao final do Curso, o aluno será capaz

Leia mais

Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes

Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes Nossa história Cenário Cenário Nossa história Setores Previsão segundo o Plano de Trabalho Quando

Leia mais

AO aula 12 GESTÃO E BENCHMARKING. Prof. Wilson LAPO

AO aula 12 GESTÃO E BENCHMARKING. Prof. Wilson LAPO AO aula 12 GESTÃO E BENCHMARKING Prof. Wilson LAPO 1 Excelência é uma habilidade que se conquista com treinamento e prática. Nós somos aquilo que fazemos repetidamente. Excelência, então, não é um ato,

Leia mais

BPM ECM. Gestão conteúdo. GED e Workflow. Governança Corporativa. Processos. Estratégico. Capacitação. Treinamentos. Gerenciamento.

BPM ECM. Gestão conteúdo. GED e Workflow. Governança Corporativa. Processos. Estratégico. Capacitação. Treinamentos. Gerenciamento. Portfólio Produtos e serviços Revisão: 17/05/2016 BPM ECM Gestão de conteúdo Gerenciamento de Processos Governança Corporativa de processos e atividades GED e Workflow Processos Gerenciamento de Projetos

Leia mais

Santa Casa Fundada. Inaugurada em 1826

Santa Casa Fundada. Inaugurada em 1826 Santa Casa Fundada em 1803 Inaugurada em 1826 PERFIL Organização Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre Instituição de direito privado, filantrópica, de ensino e assistência social, reconhecida

Leia mais

Como desenvolver competências profissionais para a produtividade na indústria gráfica

Como desenvolver competências profissionais para a produtividade na indústria gráfica Como desenvolver competências profissionais para a produtividade na indústria gráfica Refletir sobre o impacto da capacitação no aumento da produtividade. Identificar e discutir alternativas e soluções

Leia mais

Governança de TI aplicada a uma Central de Serviços Compartilhados. Case Empresas Randon

Governança de TI aplicada a uma Central de Serviços Compartilhados. Case Empresas Randon Governança de TI aplicada a uma Central de Serviços Compartilhados Case Empresas Randon Douglas Bortolozzo 15 anos de experiência na área de TI Certificado ITIL V3 e ISO20000 Projetos, Modelos de Governança

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DA BIBLIOTECA PROFESSOR ALYSSON DAROWISH. Diana Palhano Ludmila Ventilari

CERTIFICAÇÃO DA BIBLIOTECA PROFESSOR ALYSSON DAROWISH. Diana Palhano Ludmila Ventilari CERTIFICAÇÃO DA BIBLIOTECA PROFESSOR ALYSSON DAROWISH MITRAUD Diana Palhano Ludmila Ventilari O que é Qualidade? Conceito de gestão: Conforme Deming: é a satisfação do cliente e melhoria contínua O que

Leia mais

Modelo de Excelência da Gestão ACIJ 14/08/2006

Modelo de Excelência da Gestão ACIJ 14/08/2006 Modelo de Excelência da Gestão ACIJ 14/08/2006 PARTE I Movimento Catarinense para Excelência Quem Somos Histórico Rede Nacional Modelo de Excelência da Gestão Quem somos Uma associação sem fins econômicos

Leia mais

Práticas ambientais desenvolvidas pela empresa Artecola Indústrias Químicas Fabiano de Quadros Vianna

Práticas ambientais desenvolvidas pela empresa Artecola Indústrias Químicas Fabiano de Quadros Vianna Práticas ambientais desenvolvidas pela empresa Artecola Indústrias Químicas Fabiano de Quadros Vianna Engenheiro Ambiental e de Segurança do Trabalho Coordenador de SMS nas Empresas Artecola Nossos negócios

Leia mais

Tema 3. Planejamento Estratégico na Administração Pública. Ricardo Naves Rosa

Tema 3. Planejamento Estratégico na Administração Pública. Ricardo Naves Rosa Tema 3 Planejamento Estratégico na Administração Pública Ricardo Naves Rosa Planejamento Estratégico na Administração Pública Balanced Scorecard Ricardo Naves Rosa Gerente de Gestão Estratégica - AGR Engenheiro

Leia mais

Encontro Técnico de Alto Nível. Reuso da Água AIDIS/ABES

Encontro Técnico de Alto Nível. Reuso da Água AIDIS/ABES Encontro Técnico de Alto Nível Reuso da Água AIDIS/ABES outubro, 2016 Rede de Recursos Hídricos da Indústria Coordenação Confederação Nacional da Indústria - CNI Participação da Indústria Conselheiros

Leia mais

DA INDUSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares e regimentais,

DA INDUSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares e regimentais, RESOLU ÇÃO N 0212005 NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL 1)0 SESI - APROVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS - O PRESIDENTE DO DO SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa I. INTRODUÇÃO A orientação para a qualidade deve constituir um pressuposto fundamental na actividade das entidades formadoras, traduzida na

Leia mais

Administração Interdisciplinar

Administração Interdisciplinar Administração Interdisciplinar Balanced Scorecard Rosely Gaeta Fontes (e leitura obrigatória): ria): Administração Teoria e Prática no Contexto Brasileiro Capítulo 08 - Filipe SOBRAL e Alketa PECI Conteúdo

Leia mais

Cursos / Treinamentos

Cursos / Treinamentos Cursos / Treinamentos Carga Horária 1 Estatística Básica em Todos os Níveis. 16 Horas 2 Estatística Avançada. 60 Horas 3 Formação de Auditores Internos da Qualidade. 32 Horas 4 Controle Estatístico de

Leia mais

MBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS DA SAÚDE

MBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS DA SAÚDE MBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS DA SAÚDE OBJETIVOS DO CURSO O objetivo geral do Curso de Pós-graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Negócios da Saúde é a formação de gestores em negócios da área da saúde, com

Leia mais

Atendimento ao Cidadão, Processos e Pessoas Bruno Carvalho Palvarini Brasília, 1o de março de 2011

Atendimento ao Cidadão, Processos e Pessoas Bruno Carvalho Palvarini Brasília, 1o de março de 2011 Atendimento ao Cidadão, Processos e Pessoas Bruno Carvalho Palvarini Brasília, 1o de março de 2011 Visão geral SECRETÁRIO Gabinete - Carreira de EPPGG - Gestão interna - Apoio Administrativo - Núcleo de

Leia mais

A gestão do conhecimento organizacional: o caso Petrobras

A gestão do conhecimento organizacional: o caso Petrobras KM DAY Furnas Rio de Janeiro, 03 de março de 2009. A gestão do conhecimento organizacional: o caso Petrobras Raquel Balceiro Petrobras Gestão do Conhecimento Agenda Petrobras :: Desafios de Negócio Gestão

Leia mais

I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO

I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO A CONVERGÊNCIA DAS NORMAS INTERNACIONAIS AO SETOR PÚBLICO MARIA DA CONCEIÇAO BARROS DE REZENDE SITUAÇAO DA CONTABILIDADE PÚBLICA NO BRASIL

Leia mais

Gestão Negócios OBJETIVO NESTA AULA. Gestão de resultados e desempenho - AULA 11

Gestão Negócios OBJETIVO NESTA AULA. Gestão de resultados e desempenho - AULA 11 de resultados e desempenho - OBJETIVO Propiciar o entendimento de teorias e métodos de avaliação de desempenho e resultados, identificando as competências essências do colaborador e as oportunidades de

Leia mais

Gestão por Competências integrada à Gestão de Processos na ANAC: Impactos (positivos) para a Gestão do Conhecimento. Brasília, 26 de outubro de 2017

Gestão por Competências integrada à Gestão de Processos na ANAC: Impactos (positivos) para a Gestão do Conhecimento. Brasília, 26 de outubro de 2017 Gestão por Competências integrada à Gestão de Processos na ANAC: Impactos (positivos) para a Gestão do Conhecimento Brasília, 26 de outubro de 2017 Contexto organizacional A Agência Nacional da Aviação

Leia mais